NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01"

Transcrição

1 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01 QUANTO A MISSÃO DO LADAMS Art.01º A missão do LADAMS é oferecer aos alunos infraestrutura de suporte à execução das tarefas práticas exigidas pelos professores, no contexto das disciplinas oferecidas pelos cursos do DES. O Laboratório de Eletrônica é destinado ao uso exclusivo dos estudantes matriculados nas disciplinas de graduação que mantenham atividades previstas no perfil curricular dos cursos, estudantes formandos que estejam concluindo Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e que comprovadamente necessitem dos laboratórios para realização do trabalho, atividades de Extensão ou de Pesquisa devidamente registradas e coordenadas por um ou mais professores do DES. I - DISPOSIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DO LADAMS Art.02º Os equipamentos e componentes do LADAMS são de uso exclusivo dos professores, funcionários do DES, de alunos regularmente matriculados em cursos com disciplinas oferecidas pelo DES e em outros cursos mediante autorização da Chefia do DES. Art.03º Não é permitido o acesso de pessoas não autorizadas aos laboratórios e demais instalações do LADAMS. Página 1 de 7

2 Art.04º O usuário só poderá utilizar o LADAMS durante as aulas e deve estar acompanhado do professor ou monitor, ou fora do horário da aula mediante identificação e autorização do professor ou responsável. Art.05º Não é permitido fazer qualquer trabalho que não esteja relacionado ao ensino, pesquisa ou extensão desenvolvidos no DES. Art.06º Não alterar a configuração dos componentes, kits, computadores e/ou dos sistemas dos LADAMS. Art.07º Não ligar, desligar ou mexer de forma indevida em qualquer equipamento ou periférico do LADAMS. Art.08º É vedado aos usuários abrir, conectar, desconectar, retirar, consertar ou mexer de forma indevida em quaisquer equipamentos, periféricos, dispositivos e componentes do LADAMS. Art.09º Não acessar sem autorização os equipamentos reservados dentro do LADAMS, mesmo que disponíveis. Art.10º Não é permitido acessar as dependências do LADAMS portando alimentos ou bebidas. Art.11º Não é permitido acessar as dependências do LADAMS usando calçados abertos, principalmente chinelos. Art.12º Não atentar contra a segurança dos sistemas, tanto do LADAMS bem como de outros laboratórios. Página 2 de 7

3 Art.13º Não atentar contra o patrimônio do LADAMS, cuidando dos equipamentos e materiais disponíveis. Art.14º Em caso de extravio ou dano de bem patrimonial fornecido ao usuário, este deverá repor o material, de acordo com suas especificações técnicas. Art.15º Seguir as orientações expostas nos cartazes e quadros de avisos do LADAMS. Art.16º Não fixar cartazes no quadro de avisos interno e nas paredes das salas do LADAMS sem prévia autorização da supervisão. Art.17º Os usuários do LADAMS são corresponsáveis pela manutenção da limpeza das salas. Fica sujeito à advertência formal, passível de suspensão, o usuário que dispensar papéis ou qualquer objeto fora das lixeiras. Art.18º Não ligar qualquer equipamento (inclusive pessoais como carregadores e laptops) nas tomadas das bancadas sem autorização do técnico Art.19º Não retirar manuais, componentes e equipamentos do LADAMS a não ser com autorização explícita de ordem superior. Art.20º Não é permitido comportar-se de modo inadequado, tal como conversar em voz alta, balbúrdias, sentar em mesas, colocar os pés sobre mesas/cadeiras e dirigir-se aos professores, monitores e funcionários de forma desrespeitosa. Página 3 de 7

4 II - DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS Art.21º Cada discente ficará responsável pela conservação das bancadas que usar (mesa, equipamentos, ferramentas, componentes, cadeiras, etc); Art.22º Na conclusão da aula, o discente deverá ajustar os equipamentos, ferramentas, componentes e cadeiras conforme encontrados no início da aula; Art.23º O transporte, a troca de equipamentos, alteração em conexões elétricas ou de dados, ou ainda qualquer tipo de alteração, somente deverão ser efetuados pelos técnicos do laboratório ou pelas pessoas autorizadas. Art.24º Quaisquer defeitos ou problemas com equipamentos, ferramentas, componentes, devem ser comunicados ao professor ou monitor que estiver ministrando a aula ou, na ausência destes, ao técnico responsável pelo laboratório; Art.25º Quaisquer componentes retirados para utilização fora dos laboratórios devem ser registrados junto ao técnico do laboratório; Art.26º Os equipamentos existentes no Laboratório devem ser manuseados com muito cuidado, obedecendo rigorosamente às técnicas de utilização e as orientações fornecidas pelo professor, ou monitor. Não se deve manusear qualquer equipamento sem que se tenha a habilitação para tal, pois o dano do mesmo incorre em prejuízo que será ressarcido pelo usuário. Página 4 de 7

5 III DOS PROFESSORES Art.27º O corpo docente deve observar as mesmas normas de utilização impostas aos alunos. Art.28º A cada início de semestre, os professores de cada disciplina ministrada no LADAMS deverão reservar um período na primeira aula para apresentação das normas de utilização aos alunos, para fins de conhecimento e melhor utilização das dependências ao longo do semestre. Art.29º Cabe aos professores do DES, em função das necessidades das disciplinas que são responsáveis, tomar conhecimento dos recursos de hardware e software disponíveis no LADAMS, especificar as necessidades das suas disciplinas, verificar a adequação do ambiente às exigências dos trabalhos que serão solicitados com a antecedência necessária para que não comprometa a realização dos demais trabalhos realizados no laboratório. Art.30º Nas aulas práticas em que serão utilizados componentes do LADAMS ou outros recursos, o técnico de laboratório deve ser avisado com pelo menos 24h de antecedência para que providencie o material necessário de forma organizada para todos os alunos em suas respectivas bancadas. VI - DOS FUNCIONÁRIOS E MONITORES DO LADAMS Art.31º Os funcionários são responsáveis pela guarda e uso dos equipamentos, softwares, componentes, ferramentas e manuais, bem como pelo gerenciamento do patrimônio e recursos materiais do LADAMS. Página 5 de 7

6 Art.32º Os funcionários são responsáveis pela anotação e informação ao professor responsável das penalidades, de acordo com as Normas de Utilização do LADAMS. Art.33º Verificar o cumprimento das normas de funcionamento do LADAMS, registrando os infratores no Livro de Ocorrências e informando à supervisão para aplicação das devidas penalidades. Art.34º Os técnicos de laboratórios são responsáveis pela manutenção do bom funcionamento do Laboratório, cabendo-lhes exigir disciplina, ordem e o cumprimento das normas de utilização, mesmo durante as aulas práticas. Art.35º Os técnicos de laboratórios devem prestar apoio aos alunos no que diz respeito à operação de equipamentos, separação dos materiais e organização das bancadas. Art.36º Os técnicos de laboratórios devem prestar o mesmo apoio aos professores durante as aulas práticas, caso seja necessário. Art.37º Os técnicos de laboratórios devem administrar os horários de aula e utilização por alunos com prévia autorização a fim de proporcionar o uso adequado dos laboratórios de acordo com sua capacidade permitida. Art.38º Realizar, durante seu turno, inspeções na sala verificando o cumprimento das normas de funcionamento e manutenções de caráter preventivo. Art.39º Proibir o acesso de qualquer alimento ou bebida às dependências do LADAMS. Caso seja observado o consumo de alimentos ou bebidas, o monitor deverá Página 6 de 7

7 informar ao usuário sobre possíveis danos e as penalidades cabíveis no caso de reincidência, a ainda registrar no Livro de Ocorrências. Art.40º Preservar e zelar pelas condições de limpeza e apresentação do LADAMS. Art.41º Zelar pela conservação a preservação dos bens patrimoniais a instalações do LADAMS. Art.42º Verificar o funcionamento do ar condicionado, procedendo às necessárias intervenções e ao controle de temperatura e solicitação de manutenção. Art.43º Registrar no Livro de Ocorrências e notificar à Supervisão quaisquer anormalidades observadas nas dependências do LADAMS. Art.44º Fiscalizar a entrada e saída dos usuários e orientá-los a respeito das normas de utilização. VI - QUANTO ÀS PENALIDADES Art.45º A não observância das regras acima pelos usuários, implicará em penalidades impostas pela Supervisão do LADAMS: - Incidência: advertência verbal; - Reincidência: advertência formal; - Reincidência: suspensão por 30 (trinta) dias; - Reincidência: suspensão por 01 (um) semestre; - Reincidência: encaminhamento do caso à Coordenação do Curso e à Chefia do DES. Página 7 de 7

Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia

Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Janeiro de 2016 EXPEDIENTE Presidente Antônio de Almeida Lago Filho Diretor de Ensino Médico Iure

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP Tupã, SP 2016 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL Define as normas internas de utilização do Laboratório de Avaliação

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS

MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS Autora: RAQUEL TEIXEIRA CAMPOS BAURU 2014 APRESENTAÇÃO Este manual é um referencial para docentes

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE Regulamento de Utilização dos Laboratórios do Ifes campus Cachoeiro

ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE Regulamento de Utilização dos Laboratórios do Ifes campus Cachoeiro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo CAMPUS CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE 2015 Regulamento de Utilização dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA Este regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Laboratórios do Curso de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER Faculdades Integradas Interamericanas FACULDADE DE DESENHO INDUSTRIAL DESIGN São Paulo / 2014 2 REGULAMENTO

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA TÍTULO I POLÍTICAS DE ACESSO E EXCLUSIVIDADE DE

Leia mais

OIRegulamento para Reserva de Salas

OIRegulamento para Reserva de Salas OIRegulamento para Reserva de Salas 1. Informações Gerais 1.1. O uso da infra estrutura das salas tem por objetivo atender prioritariamente as atividades de ensino, seguidas da pesquisa, extensão e administrativas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 1º O presente documento contém a Regulamentação que regem e orientam as condições de utilização dos Laboratórios de Informática. Art. 2º Ficam sujeitos a

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM TUPÃ/SP 2016 SUMÁRIO I DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM II DAS DISPOSIÇÕES GERAIS III DO FUNCIONAMENTO IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 2015 I. DOS OBJETIVOS DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas da área das

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática

Regulamento dos Laboratórios de Informática MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO Regulamento dos Laboratórios de Informática PATOS DE MINAS,

Leia mais

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA CARACTERÍSTICA E ACESSO As Bibliotecas da Universidade Braz Cubas são destinadas ao Corpo Docente, Discente e aos funcionários administrativos. As Bibliotecas utilizam o sistema

Leia mais

REGULAMENTO PARA FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA IR. IRACEMA FARINA

REGULAMENTO PARA FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA IR. IRACEMA FARINA REGULAMENTO PARA FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA IR. IRACEMA FARINA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A Biblioteca Ir. Iracema Farina atende alunos, professores, coordenadores, diretores acadêmicos,

Leia mais

NORMATIVA Nº 001/2013 BIBLIOTECA IFTO - CAMPUS PARAÍSO DO TOCANTINS

NORMATIVA Nº 001/2013 BIBLIOTECA IFTO - CAMPUS PARAÍSO DO TOCANTINS NORMATIVA Nº 001/2013 BIBLIOTECA IFTO - Estabelece normas e orienta os serviços de empréstimo de equipamentos eletrônicos na Biblioteca do IFTO Campus Paraíso do Tocantins e dá outras providências. A Biblioteca

Leia mais

TERMO DE CONDUTA E COMPROMISSO DO ALUNO NO MAKER SPACE UNIMONTE

TERMO DE CONDUTA E COMPROMISSO DO ALUNO NO MAKER SPACE UNIMONTE TERMO DE CONDUTA E COMPROMISSO DO ALUNO NO MAKER SPACE UNIMONTE 1 Introdução O Centro Universitário UNIMONTE dispõe, para os seus alunos e integração comunidade/instituição, o MAKER SPACE, sendo este um

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETIVO CAPÍTULO II HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO I OBJETIVO CAPÍTULO II HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO 1 de 5 CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º Este regulamento tem por objetivo orientar os alunos e colaboradores da Escola SENAI Alfried Krupp sobre os serviços prestados pela biblioteca, bem como sobre as regras

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS- IBGEN BIBLIOTECA REGULAMENTO TÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVO E SERVIÇOS

INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS- IBGEN BIBLIOTECA REGULAMENTO TÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVO E SERVIÇOS REGULAMENTO TÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVO E SERVIÇOS Art. 1 Este Regulamento pretende fixar normas e procedimentos pertencentes à Biblioteca da Faculdade IBGEN Instituto Brasileiro de Gestão de Negócios.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 22-CEPE/UNICENTRO, DE 15 DE JUNHO DE 2012. Aprova o Regulamento de Normas e Utilização dos Laboratórios do Campus CEDETEG da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO Conselho Departamental DECISÃO Nº. 014/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO Conselho Departamental DECISÃO Nº. 014/2013 DECISÃO Nº. 014/2013 O CONSELHO DEPARTAMENTAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO, EM SUA PRIMEIRA SESSÃO ORDINÁRIA, REALIZADA NO DIA VINTE E OITO

Leia mais

Parágrafo único - As atividades desenvolvidas no Laboratório de Investigação

Parágrafo único - As atividades desenvolvidas no Laboratório de Investigação REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DOS DESVIOS DA APRENDIZAGEM (LIDA) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Laboratório de Investigação dos Desvios da Aprendizagem (LIDA), da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa;

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa; RESOLUÇÃO DO CGAA-ESEF Nº 03/2011. EMENTA: Normatiza a utilização do Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE. O Conselho de Gestão Acadêmica e Administrativa da Escola Superior de Educação Física da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012 APROVA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012 APROVA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual nº 9.996, de 02 de maio de 2006 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Regulamento para utilização dos laboratórios

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Regulamento para utilização dos laboratórios CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Regulamento para utilização dos laboratórios O Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda, do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas CIESA,

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DOS LABORATÓRIOS DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR/ASCES

REGULAMENTO PARA USO DOS LABORATÓRIOS DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR/ASCES REGULAMENTO PARA USO DOS LABORATÓRIOS DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR/ASCES DOS OBJETIVOS Art. 1º São objetivos deste regulamento: I maximizar a eficiência no uso dos laboratórios; II evitar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE LABORATÓRIOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (LEPE)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE LABORATÓRIOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (LEPE) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE LABORATÓRIOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (LEPE) REGIMENTO INTERNO ELABORADO PELO NUATE/CCS/UFRB CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA

INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA Orientações aos servidores da UTFPR Câmpus Curitiba com relação aos procedimentos para solicitação de visitas técnicas. O presente documento visa padronizar

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO TÉCNICO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO (STBD)

REGULAMENTO DO SERVIÇO TÉCNICO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO (STBD) REGULAMENTO DO SERVIÇO TÉCNICO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO (STBD) 1 HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO Período de aulas: Segunda à Sexta-feira das 8h00 às 21h00 Período de recesso escolar: Segunda a Sexta-feira

Leia mais

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS Laboratórios da Área da Informática Política de Manutenção e Aquisição de Equipamentos Laboratórios da Área de Informática Universidade Anhembi Morumbi

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA PORTARIA Nº 23, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Fixa e regulamenta as normas de conduta dos empregados e as regras para o funcionamento do COFECON. O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas

Leia mais

NORMAS INTERNAS DOS LABORATÓRIOS DE ENFERMAGEM

NORMAS INTERNAS DOS LABORATÓRIOS DE ENFERMAGEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DOS LABORATÓRIOS DE ENFERMAGEM Define as

Leia mais

FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Frutal/MG 2015 1 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE FRUTAL SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO... 3 CAPÍTULO II - DOS USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA. Contatos: (35) /1181

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA. Contatos: (35) /1181 UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA Contatos: (35)3829-1174/1181 www.biblioteca.ufla.br biblioteca@reitoria.ufla.br informacao@biblioteca.ufla.br BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Lavras / MG 2013 HORÁRIOS DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO Art.lº - O CEU - Centro Esportivo Universitário, Órgão suplementar da

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO Normas aprovadas pelo Conselho do Campus em reunião realizada no dia 19 de julho de 2013,

Leia mais

REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Os alunos do Curso de Estatística da UFPR regularmente matriculados na disciplina CE078

Leia mais

REGIMENTO INTERNO SAUNA

REGIMENTO INTERNO SAUNA Número do Documento REG13001 Número de Revisão 01 Órgão Proprietário (Conselho Deliberativo / Diretoria Diretoria Executiva Executiva / Conselho Fiscal) Modalidade (Administrativa / Esportiva / Recreativa)

Leia mais

Regulamento da Competição de Engenharia Desafio MECGyver 2016.

Regulamento da Competição de Engenharia Desafio MECGyver 2016. Regulamento da Competição de Engenharia Desafio MECGyver 2016. Artigo 1º A competição de Engenharia: a) O primeiro Desafio MECGyver será composta pela modalidade de Team Design. A prova a qual as equipes

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE FÍSICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE FÍSICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE FÍSICA Ribeirão Preto Objetivos do Laboratório de Física: REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE FÍSICA 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas das disciplinas do curso de Bacharel

Leia mais

Procedimentos de Uso e Segurança. Procedimentos de Uso e Segurança

Procedimentos de Uso e Segurança. Procedimentos de Uso e Segurança Procedimentos de Uso e Segurança 1. Quanto ao agendamento para utilização dos laboratórios.... 1 2. Quanto à solicitação de materiais a serem utilizados durante a aula.... 1 3. Uso dos laboratórios....

Leia mais

REGIMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS- FAT

REGIMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS- FAT REGIMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS- FAT Da Finalidade e da Administração Art. 1º. A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia de Alagoas- FAT tem como finalidade ser o suporte atualizado

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários Entrada: 7h e 10 minutos Saída: 11h e 55 min (cinco aulas) e 12h e 45 min (seis

Leia mais

Regulamento Laboratórios de Informática

Regulamento Laboratórios de Informática Regulamento Laboratórios de Informática Governador Valadares 2015 Este Regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, satisfazendo ao máximo às

Leia mais

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Buscando a plena qualidade no processo ensino-aprendizagem e possibilitando um melhor acompanhamento da vida escolar de seus filhos, procuramos especificar

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO BIBLIOTECA FAPPES

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO BIBLIOTECA FAPPES FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO BIBLIOTECA FAPPES Fixa as normas que regulamentam o funcionamento da Biblioteca da FAPPES Faculdade Paulista de Pesquisa e Ensino Superior.

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO UniFOA Av. Paulo Erlei Alves Abrantes, 1325, Três Poços Volta Redonda RJ CEP: Fone: (24)

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO UniFOA Av. Paulo Erlei Alves Abrantes, 1325, Três Poços Volta Redonda RJ CEP: Fone: (24) MANUAL DO EXPOSITOR Prezado Expositor, Aqui você encontrará as informações necessárias para a sua participação e para melhor aproveitamento na Feira de Estágios. Para tanto, contamos com sua colaboração

Leia mais

Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil

Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil Buscando a plena qualidade no processo ensino-aprendizagem e possibilitando um melhor acompanhamento da vida escolar de seus filhos, procuramos especificar

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA PRAÇA DE ESPORTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP/BAURU

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA PRAÇA DE ESPORTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP/BAURU REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA PRAÇA DE ESPORTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP/BAURU CAPÍTULO I Sobre a Praça de Esportes (PE) ARTIGO 1º - ARTIGO 2º - ARTIGO 3º - A PE está

Leia mais

NORMAS E POLÍTICAS DE USO DOS NOTEBOOKS DA BIBCSH

NORMAS E POLÍTICAS DE USO DOS NOTEBOOKS DA BIBCSH NORMAS E POLÍTICAS DE USO DOS NOTEBOOKS DA BIBCSH Sumário 1 QUESTÕES GERAIS... 1 1.1 Dos equipamentos... 1 1.2 Do empréstimo... 2 1.3 Do horário e tempo de uso... 2 1.4 Dos usuários habilitados ao uso...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT Dispõe sobre as normas para o acesso à quadra poliesportiva da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE DO MARANHÃO-FACAM

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE DO MARANHÃO-FACAM REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE DO MARANHÃO-FACAM 2 SUMÁRIO 1 NATUREZA E FINALIDADES... 2 2 SERVIÇOS OFERECIDOS... 2 3 ESTRUTURA... 3 4 HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO... 3 5 USUÁRIOS... 4 6 INSCRIÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 08 de Junho de 2015 Documento Regulamento de Laboratórios do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 08/06/2015 Data entrega Assembleia

Leia mais

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação A FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE entende que deve acompanhar as necessidades de atendimento da área acadêmica e administrativa

Leia mais

FTGA - Faculdade de Taquaritinga Biblioteca Regulamento Interno

FTGA - Faculdade de Taquaritinga Biblioteca Regulamento Interno FTGA - Faculdade de Taquaritinga Biblioteca Regulamento Interno O serviço de biblioteca da Faculdade de Taquaritinga tem como objetivo dar suporte informacional aos docentes, discentes e funcionários,

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DO SETOR DE AUDIOVISUAL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS GURUPI

REGULAMENTO DO USO DO SETOR DE AUDIOVISUAL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS GURUPI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS GURUPI REGULAMENTO DO USO DO SETOR DE AUDIOVISUAL DO INSTITUTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECA GUIA DO USUÁRIO DA BIBLIOTECA CENTRAL DOM ERIC JAMES DEITCHMAN

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECA GUIA DO USUÁRIO DA BIBLIOTECA CENTRAL DOM ERIC JAMES DEITCHMAN CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECA GUIA DO USUÁRIO DA BIBLIOTECA CENTRAL DOM ERIC JAMES DEITCHMAN Mineiros 2015 Biblioteca Central Dom Eric James Deitchman - UNIFIMES 1 COMO FUNCIONA

Leia mais

REGULAMENTO. Biblioteca. Das Disposições Gerais

REGULAMENTO. Biblioteca. Das Disposições Gerais Biblioteca REGULAMENTO Das Disposições Gerais Artigo 1 º - As Bibliotecas da UMC, subordinadas à Vice-Reitoria destinam-se ao atendimento do corpo docente, corpo discente, estagiários, ex-alunos e funcionários,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo 1º - A Biblioteca da Faculdade Casa do Estudante, através de suas instalações, do seu acervo, de seus recursos

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02/2016 PROAD DAS COMPETÊNCIAS

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02/2016 PROAD DAS COMPETÊNCIAS ORDEM DE SERVIÇO Nº 02/2016 PROAD O Pró-Reitor de Administração da Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, resolve fixar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ DIVISÃO TÉCNICA/SEÇÃO DE INFORMÁTICA NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA/LABIG BELÉM 08/10/2008 NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO

Leia mais

Regras e normas de utilização laboratórios de informática Versão 001. Sumário

Regras e normas de utilização laboratórios de informática Versão 001. Sumário Sumário Objetivo:... 2 Normas:... 3 Deveres dos usuários:... 4 Proibições aos usuários:... 5 Deveres dos docentes:... 7 Equipe de informática:... 8 Punições disciplinares:... 8 1 Objetivo: Auxiliar o usuário

Leia mais

2. Os Serviços de Suporte Técnico e Atualização da SOLUÇÃO compreenderão: Recepção e Resolução de Chamados de Suporte.

2. Os Serviços de Suporte Técnico e Atualização da SOLUÇÃO compreenderão: Recepção e Resolução de Chamados de Suporte. Este documento descreve como deverão ser prestados os serviços de suporte técnico e atualização da solução de Gestão do Risco Operacional e Controles Internos, doravante chamada SOLUÇÃO, compreendendo

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO SALÃO DE FESTAS DA ASUFEPAR

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO SALÃO DE FESTAS DA ASUFEPAR NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO SALÃO DE FESTAS DA ASUFEPAR Eu, Associado matrícula nº, DECLARO que estou ciente das normas para utilização do salão de festas da ASUFEPAR. 1- O salão de festas é destinado ao

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE GUARARAPES - FAG

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE GUARARAPES - FAG REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE GUARARAPES - FAG CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO Art. 1º - O presente regulamento tem como finalidade normatizar e dinamizar o uso dos recursos oferecidos

Leia mais

REGIMENTO DE DEPENDÊNCIA E/OU ADAPTAÇÃO Faculdade Metropolitana São Carlos - FAMESC

REGIMENTO DE DEPENDÊNCIA E/OU ADAPTAÇÃO Faculdade Metropolitana São Carlos - FAMESC REGIMENTO DE DEPENDÊNCIA E/OU ADAPTAÇÃO Faculdade Metropolitana São Carlos - FAMESC Bom Jesus do Itabapoana Atualizado em 2017 REGIMENTO DE DEPENDÊNCIA E/OU ADAPTAÇÃO Art. 1º - O presente Regimento tem

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DA BIBLIOTECA BIBLIOTECA APOENA EDUCAÇÃO BAE CENTRO

MANUAL DO USUÁRIO DA BIBLIOTECA BIBLIOTECA APOENA EDUCAÇÃO BAE CENTRO MANUAL DO USUÁRIO DA BIBLIOTECA BIBLIOTECA APOENA EDUCAÇÃO BAE CENTRO Fortaleza 2012 1 APRESENTAÇÃO A Biblioteca tem como objetivo disponibilizar a informação registrada em qualquer suporte documental,

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015)

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários: Manhã (entrada): 7h e 10 min/saída: 12h e 45 min 2ª série na 2ª feira/saída: 13h e

Leia mais

JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental REGULAMENTO

JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental REGULAMENTO JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental REGULAMENTO 1 DENOMINAÇÃO A Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental 2013, neste regulamento denominada MOSTRATEC JUNIOR 2013, é organizada pela Fundação

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 053/2012 COMPRASNET. Termo de Referência para Ar Condicionado DESINSTALAÇÃO E INSTALAÇÃO

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 053/2012 COMPRASNET. Termo de Referência para Ar Condicionado DESINSTALAÇÃO E INSTALAÇÃO COTAÇÃO ELETRÔNICA: 053/2012 COMPRASNET Termo de Referência para Ar Condicionado DESINSTALAÇÃO E INSTALAÇÃO Unidade Pedro de Toledo Gerência de Serviços ESPECIFICAÇÃO TECNICA DO OBJETO 1- OBJETO Contratação

Leia mais

GUIA DO EDUCANDO 1. ABERTURA E FECHAMENTO DOS PORTÕES/ ENTRADA E SAÍDA DO ESTUDANTE

GUIA DO EDUCANDO 1. ABERTURA E FECHAMENTO DOS PORTÕES/ ENTRADA E SAÍDA DO ESTUDANTE GUIA DO EDUCANDO 1. ABERTURA E FECHAMENTO DOS PORTÕES/ ENTRADA E SAÍDA DO ESTUDANTE No turno matutino, os portões são abertos às 7h10 e fechados às 7h30. No turno vespertino, os portões são abertos às

Leia mais

Software. I-210T Tools. Manual de usuário MAN-PT-DE-I210T Tools-01.00_16

Software. I-210T Tools. Manual de usuário MAN-PT-DE-I210T Tools-01.00_16 Software Manual de usuário MAN-PT-DE-I210T Tools-01.00_16 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso software. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível a leitura completa deste manual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 37130-00 Alfenas - MG RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

III- apostilas; IV- catálogos; V- referências; MANUAL DO ALUNO VII- folhetos e separatas; IX- Fitas de vídeo;

III- apostilas; IV- catálogos; V- referências; MANUAL DO ALUNO VII- folhetos e separatas; IX- Fitas de vídeo; Este manual foi elaborado com o objetivo de informar aos usuários as rotinas e procedimentos de utilização da Biblioteca, permitindo uma interação melhor com os nossos serviços. III- apostilas; IV- catálogos;

Leia mais

REGULAMENTO DE VISITAS TÉCNICAS

REGULAMENTO DE VISITAS TÉCNICAS REGULAMENTO DE VISITAS TÉCNICAS O presente documento visa padronizar e orientar os servidores da UTFPR - Câmpus Guarapuava em relação a realização de visitas técnicas com alunos do câmpus. Para efeitos

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR REDE SESI/MS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR REDE SESI/MS REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR REDE SESI/MS Biblioteca do sesi A biblioteca escolar tem como objetivo promover o acesso à cultura e o incentivo à leitura nos alunos e professores por meio da distribuição

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Exatas Departamento de Estatística

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Exatas Departamento de Estatística 1 DESCRIÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO ANFITEATRO PROFESSOR YOSHIAKI FUKUSHIGUE O Anfiteatro Professor Yoshiaki Fukushigue comporta: 108 assentos para a plateia, compostos por 9 filas em declive na direção da

Leia mais

Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESOLUÇÃO Nº 275, DE 4 DE JULHO DE 2016.

Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESOLUÇÃO Nº 275, DE 4 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO Nº 275, DE 4 DE JULHO DE 2016. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE CENTRO DO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA EMPRÉSTIMOS E CONSULTAS DE OBRAS BIBLIOTECA PROF o EDILSON GOLNÇALVES

NORMAS GERAIS PARA EMPRÉSTIMOS E CONSULTAS DE OBRAS BIBLIOTECA PROF o EDILSON GOLNÇALVES NORMAS GERAIS PARA EMPRÉSTIMOS E CONSULTAS DE OBRAS BIBLIOTECA PROF o EDILSON GOLNÇALVES Cap. I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - A Biblioteca presta seus serviços à Comunidade Acadêmica da FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO REDE DE BIBLIOTECAS SENAI/SC

REGULAMENTO REDE DE BIBLIOTECAS SENAI/SC REGULAMENTO REDE DE BIBLIOTECAS SENAI/SC CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º A Biblioteca é o órgão subordinado administrativamente à Direção da Unidade, regida pelo presente Regulamento e tendo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Estão discriminados no ANEXO - I do Termo de Referência contido nos autos do processo.

TERMO DE REFERÊNCIA. Estão discriminados no ANEXO - I do Termo de Referência contido nos autos do processo. 1 OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de Engenharia para Reforma da Casa da Gestante, com fornecimento de material e mão de obra, situado na Avenida

Leia mais

Colégio Nomelini Cirandinha Código Disciplinar e de Conduta

Colégio Nomelini Cirandinha Código Disciplinar e de Conduta Colégio Nomelini Cirandinha Código Disciplinar e de Conduta Versão de 09.10.14 Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Sumário Sumário 1. Pontualidade... 2 2 Uso do Uniforme... 3 3 Saída Antecipada...

Leia mais

ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE AA-400

ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE AA-400 ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE Manual do usuário Adaptador RJ-45 para Borne MAN-PT-DE-AA400 Rev.: 1.00-11 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC 1 DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC CACOAL 2011 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC Afim de aperfeiçoar as aulas práticas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 14 DE OUTUBRO DE 2016.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 14 DE OUTUBRO DE 2016. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 14 DE OUTUBRO DE 2016. Dispõe sobre regulamentação de normas para utilização do laboratório 01 e laboratório 02 do IFMG campus Governador Valadares. O PRESIDENTE

Leia mais

REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE AULAS PRÁTICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE AULAS PRÁTICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE TURISMO Curso de Turismo REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE AULAS PRÁTICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO Art. 1º - De acordo com a Resolução

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior.

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior. i.e PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO DA MONITORIA Art. 1º. O presente regulamento estabelece as regras para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu UNIG, por meio de programas

Leia mais

REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO

REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas de Anápolis Curso: Geografia REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO Seção I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E EMPREGO FUNDAÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO DE MINAS GERAIS UTRAMIG

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E EMPREGO FUNDAÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO DE MINAS GERAIS UTRAMIG EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA O ATENDIMENTO NO LABORATÓRIO DO CURSOS TÉCNICO DE MEIO AMBIENTE UTRAMIG/DEP Nº 1/2016 1- A, inscrita sob o CNPJ 17.319.831/0001-23, com sede e foro nesta Capital,

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO REGULAMENTO INTERNO - ADENDA Artigo 88º Medidas de recuperação e de integração 8- As atividades de recuperação da aprendizagem, quando a elas houver lugar, são decididas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA CENTRAL

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA CENTRAL REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA CENTRAL ESTHER AUGUSTA CALMON Linhares LINHARES 2016 SUMÁRIO I. DA APRESENTAÇÃO...03 II. III. IV. DAS FINALIDADES...03 DO FUNCIONAMENTO...03 DOS USUÁRIOS...03 V. DOS DIREITOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de

Leia mais

FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 DEFINIÇÕES GERAIS 1.1 De acordo com o regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Projeto

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE DE MONITORES EM DISCIPLINA QUESTIONÁRIO DO(A) ALUNO(A) DISCIPLINA: CURSO: MONITOR(A): PERÍODO DE REFERÊNCIA: INSTRUÇÃO Prezado(a)

Leia mais

Regimento Interno do Complexo Esportivo do Grupo Educacional Futurão 1

Regimento Interno do Complexo Esportivo do Grupo Educacional Futurão 1 Regimento Interno do Complexo Esportivo do Grupo Educacional Futurão 1 RESOLUÇÃO n 012, DE 06 DE JULHO DE 2012. A Diretoria Geral, no uso de suas atribuições e considerando as deliberações do Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ FACULDADE DINÂMICA DO VALE DO PIRANGA FADIP

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ FACULDADE DINÂMICA DO VALE DO PIRANGA FADIP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ FACULDADE DINÂMICA DO VALE DO PIRANGA FADIP O Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Bacharelado em Direito da FADIP Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga,

Leia mais

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER 1. Objetivos Específicos a) Organizar e promover atividades destinadas a crianças que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, com a finalidade

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos INDICADOR CLASSIFICAÇÃO ÍNDICE DE AVALIAÇÃO GERAL SATISFAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece o Regulamento dos cursos presenciais e a distância realizados pelo CRCMG. O PLENÁRIO DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais