ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES. Adão de Melo Neto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES. Adão de Melo Neto"

Transcrição

1 ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES Adão de Melo Neto 1

2 TIPOS DE OPERAÇÕES 2

3 TIPOS DE OPERAÇÕES TIPOS DE INSTRUÇÕES/OPERAÇÕES (RELEMBRANDO) 3

4 INTRODUÇÃO TIPOS DE INSTRUÇÕES/OPERAÇÕES (RELEMBRANDO) 4

5 INTRODUÇÃO Os endereços do operando de uma instrução são relativamente pequenos. Para possibilitar a referência a uma grande quantidade de posições de memória, várias técnicas de endereçamento tem sido empregadas. 5

6 INTRODUÇÃO Quase todas as arquiteturas de computadores fornecem mais de um modo de endereçamento. Um campo da instrução pode determinar o modo de endereçamento a ser utilizado. 6

7 ENDEREÇAMENTO IMEDIATO Não requer acesso à memória para obter o operando. O tamanho do operando é limitado pelo tamanho do campo de endereço. 7

8 ENDEREÇAMENTO IMEDIATO 8

9 ENDEREÇAMENTO DIRETO Usado nas primeiras gerações de computadores e encontrado em diversos computadores de pequeno porte. Simples (requer apenas um acesso à memória). Oferece um espaço de endereçamento limitado (pelo tamanho do campo de endereço da instrução ) o que limita a faixa de endereços que pode ser acessado na memória. Operando = (A) 9

10 ENDEREÇAMENTO DIRETO (4) 10

11 ENDEREÇAMENTO DE REGISTRADOR Semelhante ao endereçamento direto O campo de endereço (3 a 4 bits) refere-se a um registrador e não a um endereço da memória principal, possibilitando referencial de 9 a 16 registradores de propósito geral Operando = (R) 11

12 ENDEREÇAMENTO DE REGISTRADOR 12

13 ENDEREÇAMENTO INDIRETO VIA REGISTRADOR Operando = ((R)) 13

14 ENDEREÇAMENTO INDIRETO VIA REGISTRADOR 14

15 ENDEREÇAMENTO INDIRETO Especifica no campo de endereço, o endereço de uma palavra de memória (que é maior que o tamanho do endereço da instrução), que contém o endereço de um operando. Operando = ((A)) 15

16 ENDEREÇAMENTO INDIRETO 16

17 ENDEREÇAMENTO À PILHA Operando = (topo da pilha) 17

18 ENDEREÇAMENTO À PILHA 18

19 ENDEREÇAMENTO POR DESLOCAMENTO Requer que a instrução possua dois campos de endereços, um dos quais é explícito. 19

20 PIPELINE DE INSTRUÇÕES Adão de Melo Neto 20

21 TÓPICOS Estratégia pipeline Desempenho pipeline 21

22 Estratégia pipeline A melhoria do desempenho de sistemas computacionais pode ser conseguido através de diversas maneiras: Tecnologia mais avançada (conjunto de circuitos mais rápidos) Melhor organização da CPU (múltiplos registradores e memória cache) PIPELINE de INSTRUÇÕES 22

23 Estratégia pipeline Estratégia semelhante a linha de montagem de uma Industria. Um produto passa por vários estágios da produção. Produtos em vários estágios do processo de produção podem ser trabalhados simultaneamente. Novas entradas são aceitas em uma extremidade antes que entradas aceitas previamente apareçam na saída 23

24 Estratégia pipeline De fato uma instrução possui vários estágios. A figura abaixo divide o ciclo de execução de uma instrução em vários estágios que ocorrem em sequência. 24

25 Estratégia pipeline De fato uma instrução possui vários estágios. A figura abaixo divide o ciclo de execução de uma instrução em vários estágios que ocorrem em sequência. 25

26 Estratégia pipeline Suponha que o processamento de uma instrução é dividida em dois estágios apenas por simplicidade: busca e execução de uma instrução. Existem momentos durante a execução de uma instrução em que a memória principal não está sendo utilizada. Este instante pode ser usado para buscar a próxima instrução, em paralelo com a execução da instrução corrente. O pipeline neste caso tem dois estágios independentes. O primeiro estágio (busca) busca uma instrução e armazena em uma área de armazenamento temporário (um registrador). Quando o segundo estágio (execução) está livre, o primeiro passa para ele a instrução armazenada. Enquanto o segundo está executando essa instrução, o primeiro tira proveito dos ciclos de memória que não são usados para buscar e armazenar a próxima instrução. Isso acelera a execução das instruções. 26

27 Estratégia pipeline 27

28 Estratégia pipeline Se os estágios de busca e execução de instrução tivessem a mesma duração, o número de instruções executadas por unidade de tempo seria dobrada. No entanto, na prática, essa taxa é pouco provável. Porque? 1) O tempo de execução é maior do que o de busca. A execução envolve leitura, armazenamento de operandos e execução de algumas operações. O estágio de busca tem que esperar algum tempo. 2) A ocorrência de instruções de desvio condicional faz com que o endereço da próxima instrução a ser executada seja desconhecida. 28

29 Estratégia pipeline Em razão da ocorrência de instruções de desvio, o tempo perdido pode ser reduzido através de uma estratégia de adivinhação. Estratégia de adivinhação, uma regra simples: Quando o instrução de desvio condicional é passada do estágio de busca para o estágio de execução, o estágio de busca obtém na memória a instrução imediatamente seguinte a instrução de desvio. Então se não ocorrer o desvio, nenhum tempo é perdido. Caso contrário, a instrução buscada deve ser descartada, sendo buscada uma nova instrução. Mesmo com os dois fatores citados anteriormente, algum ganho de desempenho é obtido. 29

30 Estratégia pipeline Para aumentar o desempenho o pipeline deve ter maior número de estágios. Considere a seguinte decomposição do processamento de uma instrução em 06 estágios. Com essa decomposição, os vários estágios tem duração aproximadamente igual. 30

31 31

32 Estratégia pipeline A figura abaixo mostra que com uma pipeline de 06 estágios reduz o tempo de execução de 09 instruções de 54 (quando realizadas sequencialmente) para 14 unidades de tempo. 32

33 Estratégia pipeline Algumas considerações em relação ao diagrama anterior Cada instrução passa pelos seis estágios do pipeline O diagrama supões que todos os estágios possam ser executados em paralelo. Supõe que não exista conflito de acesso à memória principal (instruções BI, BO e EO envolvem acesso à memória). Supõe que a memória possa ser utilizada simultaneamente por estes estágios, o que não é possível na maioria dos sistemas de memória. Entretanto o valor pode estar na memória cache, ou estes estágios não podem ser executados. 33

34 Estratégia pipeline Fatores que limitam o desempenho 1) Se os estágios não possuem igual duração existe uma certa espera envolvida. 2) A instrução de desvio condicional pode invalidar diversas buscas de instrução. 3) Ocorrência de interrupção. 34

35 Estratégia pipeline Efeito de um desvio condicional Suponha que a instrução 03 seja uma instrução de desvio condicional para a instrução 15. Até que a execução dessa instrução seja feita não dá para saber qual instrução virá na sequência. O pipeline então carrega a instrução da sequência e (instrução 04 ) prossegue a execução. O desvio é tomado, mas isso só é determinado apenas no final da unidade de tempo 7. Neste ponto são retiradas do pipeline as instruções inúteis. Na unidade de tempo, a instrução 15 entra no pipeline. 35

36 36

37 SPEEDUP para a execução com pipeline de instrução K: número de estágios da pipeline de instrução N: número de instruções sendo processadas

38 Desempenho do pipeline Aumento da velocidade em função do número de instruções executadas sem que ocorra desvio. A figura mostra o aumento da velocidade em função do número estágios da pipeline. 38

Unidade Central de Processamento 2. Registradores

Unidade Central de Processamento 2. Registradores Unidade Central de Processamento 2 Registradores Conceitos Fundamentais Arquitetura da CPU Unidade de Controle Registradores Barramento interno Unidade lógica e Aritmética Registradores Conjunto de unidades

Leia mais

25/8/2010. Praticamente todas as arquiteturas de computadores fornecem mais de um modo de

25/8/2010. Praticamente todas as arquiteturas de computadores fornecem mais de um modo de Arquitetura de Computadores Conjuntos de Instruções: modos de endereçamento e formatos Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Endereçamento Normalmente, os campos de endereço são

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Unidade Central de Processamento (CPU) Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Baseado nos slides do capítulo

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani)

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Agenda Conceitos Componentes Funcionamento ou tarefas Otimização e desempenho Conceitos Componente de Hardware que

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 PROGRAMA É um conjunto de instruções LINGUAGEM BINÁRIA INTRODUÇÃO Os caracteres inteligíveis são apenas zero(0) e um (1). É uma linguagem de comunicação dos computadores.

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 12 Estrutura e função do processador

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 12 Estrutura e função do processador William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 12 Estrutura e função do processador slide 1 Estrutura da CPU CPU precisa: Buscar instruções. Interpretar instruções. Obter

Leia mais

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I SSC0112 Organização de Computadores Digitais I 3ª Aula Visão Geral e Conceitos Básicos Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Copyright William Stallings & Adrian J Pullin Tradução, revisão e

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES Prof. Dr. Daniel Caetano 2011-2 Lembretes Compreender a função da unidade de controle Apresentar o ciclo

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra PROCESSAMENTO 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante

Leia mais

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da CPU. Adriano Maranhão

Estrutura e Funcionamento da CPU. Adriano Maranhão Estrutura e Funcionamento da CPU Adriano Maranhão 1 S Relembrando S Compiladores de linguagens ao fazer a conversão da linguagem de alto nível para chegar na fase da linguagem de baixo nível como assembly

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação COMO UM PROGRAMA ESCRITO

Leia mais

1. A pastilha do processador Intel possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é

1. A pastilha do processador Intel possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é 1. A pastilha do processador Intel 80486 possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é organizado com mapeamento associativo por conjuntos de quatro

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira Lembretes Compreender a função da unidade de controle Apresentar o ciclo

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

CIRCUITOS SEQUENCIAIS. Adão de Melo Neto

CIRCUITOS SEQUENCIAIS. Adão de Melo Neto CIRCUITOS SEQUENCIAIS Adão de Melo Neto 1 EMENTA DEFINIÇÃO FLIP-FLOP SR FLIP-FLOP SR COM ENTRADA DE CLOCK FLIP-FLOP D COMPARAÇÃO DOS FLIP-FLOPS FLIP-FLOP X LATCH FLIP FLOP JK FLIP-FLOP D A PARTIR DO JK

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

É um sinal elétrico periódico que é utilizado para cadenciar todas as operações realizadas pelo processador.

É um sinal elétrico periódico que é utilizado para cadenciar todas as operações realizadas pelo processador. Universidade Estácio de Sá Curso de Informática Disciplina de Organização de Computadores II Prof. Gabriel P. Silva - 1 o Sem. / 2005 2 ª Lista de Exercícios 1) O que é o relógio de um sistema digital?

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Conceitos de Hardware e Software Referências: Arquitetura de Sistemas Operacionais. F. B. Machado, L. P. Maia. Editora

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES Prof. Dr. Daniel Caetano 2011-2 Visão Geral 1 2 3 4 5 Introdução A Unidade de Controle O Ciclo de Instrução

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman Processador = UCP = unidade de controle + unidade lógica aritmética Memória; Barramento (novo elemento):

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho. Introdução. Ementa

Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho. Introdução. Ementa DCC-IM/NCE UFRJ Pós-Graduação em Informática Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho Introdução Gabriel P. Silva Ementa Revisão de Organização de Computadores Hierarquia de Memória Memória Virtual Memória

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 CPU CPU Funções: Processamento; Controle Componentes: UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 Processador A função de um computador é executar tarefas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CAPÍTULO 5. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CAPÍTULO 5. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CAPÍTULO 5 Cristina Boeres Introdução! Diferença de velocidade entre Processador e MP O processador executa uma operação rapidamente e fica em

Leia mais

Instruções. Maicon A. Sartin

Instruções. Maicon A. Sartin Instruções Maicon A. Sartin SUMÁRIO Introdução Instruções Formatos de instruções Conjuntos de instruções Execução de instruções Introdução a Linguagem de Montagem Introdução a Linguagem de Montagem Níveis

Leia mais

MICROCOMPUTADORES. Professor Adão de Melo Neto

MICROCOMPUTADORES. Professor Adão de Melo Neto MICROCOMPUTADORES Professor Adão de Melo Neto Sumário Organização Básica I (base) Organização Básica II (refinamento) Organização Básica III (Microcontrolador 8051) ORGANIZAÇÃO BÁSICA I Composição Unidade

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Cache Slide 1 Introdução Tamanho Função de Mapeamento Política de Escrita Tamanho da Linha Número de Memórias Cache Cache em Níveis Slide 2 Introdução

Leia mais

Conceitos Básicos Processador

Conceitos Básicos Processador Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Processador Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Organização da CPU Execução das Instruções RISC x CISC Paralelismo

Leia mais

3. Unidade Central de Processamento

3. Unidade Central de Processamento 3. Unidade Central de Processamento Um microprocessador é um chip responsável por buscar e executar instruções e dados existentes na memória RAM. Vai de regra as instruções são bastante simples, como por

Leia mais

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU Universidade Paulista UNIP Curso: Ciências da Computação Turma: CCP30 Turno: Noturno Disciplina: Arquitetura de Computadores Professor: Ricardo Loiola Alunos: Thiago Gomes dos Santos Matrícula: C63873-0

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 1. Descreva as funções desempenhadas pelos escalonadores de curto, médio e longo prazo em um SO. 2. Cite três motivos pelos quais o controle do processador

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES II AULA 02: PROCESSAMENTO PARALELO: PROCESSADORES VETORIAIS

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES II AULA 02: PROCESSAMENTO PARALELO: PROCESSADORES VETORIAIS ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES II AULA 02: PROCESSAMENTO PARALELO: PROCESSADORES VETORIAIS Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Semestre - Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Classificação de computadores Grande porte: Supercomputadores e Mainframes Médio porte: Minicomputadores

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução Unidade 4 Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução 4.1) Converta os seguintes números decimais para hexadecimal: 145, 226, 1043, 3456 91h, E2h, 413h, D80h 4.2) Sem converter as bases, faça as

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 11 Conjuntos de instruções: Modos de endereçamento e formatos slide 1 Diagrama do endereçamento imediato Instrução Opcode

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama Arquitetura de Hardware Professor Eduardo Stahnke Arquiteturas Grande diversidade das arquiteturas de computadores Componentes básicos do computador Os Principais

Leia mais

Unidade 8: A Unidade de Controle e o Ciclo de Instruções Prof. Daniel Caetano

Unidade 8: A Unidade de Controle e o Ciclo de Instruções Prof. Daniel Caetano Organização de Computadores 1 Unidade 8: A Unidade de Controle e o Ciclo de Instruções Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da Unidade de Controle. Bibliografia:

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa Organização e Arquitetura de Computadores Leslier S. Corrêa O nome refere-se ao matemático John Von Neumann, que foi considerado o criador dos computadores da forma como são projetados até hoje. Entretanto,

Leia mais

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) UCP: Conceitos Básicos e Componentes FAC 1 / 34

Leia mais

AULA 01: APRESENTAÇÃO

AULA 01: APRESENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 01: APRESENTAÇÃO Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação QUAIS OS OBJETIVOS DESSA DISCIPLINA?

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Um Exemplo de Nível ISA: o IJVM. Pilhas. Pilhas. O Modelo de Memória da IJVM. Pilhas de Operandos. Nível ISA

Um Exemplo de Nível ISA: o IJVM. Pilhas. Pilhas. O Modelo de Memória da IJVM. Pilhas de Operandos. Nível ISA Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Nível ISA Prof. Sergio Ribeiro Um Exemplo de Nível ISA: o IJVM Objetivo: Introduzir um nível ISA (Instruction Set Architecture), a ser interpretado pelo

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1 CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Montagem e Manutenção de Computadores Prof.: Denis Willian de Moura Diniz PROCESSADORES PARTE II 2 ULA UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA A ULA - Arithmetic Logic Unit - que em

Leia mais

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Apresentação do curso Critério de avaliação Média final = 0.8 * MP + 0.2 * ME onde MP = (P1 + P2) / 2 e ME = Notas

Leia mais

EA869 Pipeline. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof.

EA869 Pipeline. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. EA869 Pipeline Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Objetivos Conhecer técnicas de como melhorar o desempenho de um processador.

Leia mais

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register PROCESSADORES Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores, memória e dispositivos de entrada e saída. A CPU é o cérebro do computador. Sua função é executar programas armazenados

Leia mais

Sistemas Operacionais. Interrupção e Exceção

Sistemas Operacionais. Interrupção e Exceção Sistemas Operacionais Interrupção e Exceção Interrupção e Exceção Durante a execução de um programa podem ocorrer alguns eventos inesperados, ocasionando um desvio forçado no seu fluxo de execução. Estes

Leia mais

DEFINIÇÃO É TODO AQUELE DISPOSITIVO CAPAZ DE ARMAZENAR INFORMAÇÃO. A

DEFINIÇÃO É TODO AQUELE DISPOSITIVO CAPAZ DE ARMAZENAR INFORMAÇÃO. A U E S C Memória DEFINIÇÃO É TODO AQUELE DISPOSITIVO CAPAZ DE ARMAZENAR INFORMAÇÃO. A Hierarquia de Memória Em um Sistema de computação existem vários tipos de memória que interligam-se de forma bem estrutura

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 25 Conjunto de Instruções: Modos de Endereçamento e Formatos Rodrigo Hausen 11 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/26 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU

Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU CPU Funções realizadas pelo processador: Função controle Responsável pela busca, interpretação e controle da execução das instruções, bem

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES TECNOLOGIAS EM REDES DE COMPUTADORES Semestre 2015.2 Prof. Dsc. Jean Galdino As principais arquiteturas de processadores são: Von Neumann; Harvard. ARQUITETURAS AULA 06 28/10/2015

Leia mais

III.2 - Princípios de Arquitetura

III.2 - Princípios de Arquitetura Conjunto de Instruções e Modo de Endereçamento Ciclo de busca decodificação execução de instruções Programação de um processador Arquitetura de Von Neumann e Componentes Arquiteturas 4, 3, 2, 1 e 0 Tabela

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Conhecida como Processador ou é o cerebro do computador Unifica todo sistema e

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação O QUE É UM COMPUTADOR?

Leia mais

Linguagem de Maquina II. Visão Geral

Linguagem de Maquina II. Visão Geral Linguagem de Maquina II Visão Geral Revisão A linguagem de máquina é composta de seqüências binárias (1's e 0's) São interpretadas como instruções pelo hardware A linguagem de montagem e a linguagem de

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores Questões 1. Um microprocessador realiza uma sondagem periódica (polling) junto a um módulo de E/S a cada 0,5 ms. Cada sondagem em si gasta 500 ciclos.

Leia mais

Unidade Central de Processamento 6. Otimização do desempenho

Unidade Central de Processamento 6. Otimização do desempenho Unidade Central de Processamento 6 timização do desempenho Pipeline Técnica de implementação de processadores que permite a sobreposição temporal das diversas fases de execução das instruções Constituído

Leia mais

Montagem e Manutenção Processadores

Montagem e Manutenção Processadores Montagem e Manutenção Processadores Processador Cérebro Computacional Evolução dos Computadores 1ª Geração => Válvulas (1945-1955) ENIAC: Tinha 19.000 válvulas Pesava 30 toneladas Área de150 m 2 Evolução

Leia mais

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade.

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. PROCESSADOR ULA Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. ULA Uma ULA típica pode realizar as operações artiméticas: - adição; - subtração; E lógicas: - comparação

Leia mais

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em Computação Arquitetura e Organização de Processadores Aula 1 Introdução Arquitetura e Organização 1. Arquitetura

Leia mais

Gerência de Memória. Paginação

Gerência de Memória. Paginação Gerência de Memória Paginação Endereçamento Virtual (1) Espaço de endereçamento dos processos não linearmente relacionado com a memória física Cada vez que são usados, os endereços virtuais são convertidos

Leia mais

William Stallings Organização de computadores digitais. Capítulo 14 Operação da Unidade de Controle

William Stallings Organização de computadores digitais. Capítulo 14 Operação da Unidade de Controle William Stallings Organização de computadores digitais Capítulo 14 Operação da Unidade de Controle Microoperações o A execução de um programa em um computador se faz através: o do ciclo de Busca e Execução.

Leia mais

Memória. Memória Cache

Memória. Memória Cache Memória Memória Cache Revisão - Memória Principal Memória que armazena os dados e programas em linguagem de máquina em execução corrente Razoavelmente barata Tempo de acesso da ordem de nano-segundos a

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Arquitetura de Von Newmann Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Vídeos Vídeo aula RNP http://edad.rnp.br/rioflashclient.php?xmlfile=/ufjf/licenciatura_com

Leia mais

X Y Z A B C D

X Y Z A B C D 29) A seguinte tabela verdade corresponde a um circuito combinatório de três entradas e quatro saídas. Obtenha a tabela de programação para o circuito em um PAL e faça um diagrama semelhante ao apresentado

Leia mais

Unidade Central de Processamento UCP (CPU)

Unidade Central de Processamento UCP (CPU) Unidade Central de Processamento UCP (CPU)! Arquitetura Convencional (Von Neumann) UCP BARRAMENTO MEMÓRIA PRINCIPAL ENTRADA E SAÍDA ! Visão geral da CPU UC - UNIDADE DE CONTROLE REGISTRADORES A B C D ALU

Leia mais

MICROPROCESSADORES. Aula 10

MICROPROCESSADORES. Aula 10 MICROPROCESSADORES Aula 10 Conteúdo 1. O QUE É UM PROCESSADOR? 2. HISTÓRICO 3. COMPONENTES 4. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 5. LINHA DE PROCESSADORES DA INTEL 6. LINHA DE PROCESSADORES DA AMD 7. REFERÊNCIAS

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

Aula 15: Ciclo de Execução e Introdução ao Pipeline

Aula 15: Ciclo de Execução e Introdução ao Pipeline Aula 15: Ciclo de Execução e Introdução ao Pipeline Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Ciclo de Execução; Intro ao Pipeline FAC

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Revisão de conceitos Sistemas Operacionais I Dionisio Gava Junior Componentes básicos Componentes Básicos da Tecnologia da Informação Hardware CPU, Memória e Periféricos de E/S.

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Organização de Sistemas Computacionais. Prof.: Agostinho S. Riofrio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Organização de Sistemas Computacionais. Prof.: Agostinho S. Riofrio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Organização de Sistemas Computacionais Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Unidade Central de Processamento 2. Organização da CPU 3. Interpretador 4. RISC x CISC 5. Principios

Leia mais

Unidade II. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis

Unidade II. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis Unidade II Organização de Computadores Prof. Renato Lellis Ciclo de Execução da Instrução 1. Trazer a próxima instrução da memória até o registrador 2. Alterar o contador de programa para indicar a próxima

Leia mais

pet Arquitetura de Computadores computação UFPE

pet Arquitetura de Computadores computação UFPE Arquitetura de Computadores 2008.2 Roteiro 1. Definição e tipos de arquitetura 2. Os cinco componentes clássicos de um computador 3. Como eles interagem de modo coerente 4. O que o futuro nos reserva 5.

Leia mais

PIPELINE. Introdução ao Pipeline. PIPELINE Ciclo de Instruções. PIPELINE Ciclo de Instruções. PIPELINE - Exemplo. PIPELINE Considerações

PIPELINE. Introdução ao Pipeline. PIPELINE Ciclo de Instruções. PIPELINE Ciclo de Instruções. PIPELINE - Exemplo. PIPELINE Considerações Arquitetura de Computadores Introdução ao Pipeline PIPELINE Linha de Montagem A produção é dividida em várias etapas Produtos em etapas distintas podem ser desenvolvidos separadamente Pode ser Aplicado

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Fabio Augusto Oliveira Processos O processador é projetado apenas para executar instruções, não sendo capaz de distinguir qual programa se encontra em execução. A gerência de

Leia mais

Histórico de desenvolvimento de computadores Prof. Luís Caldas Aula 02 Processador de uso geral

Histórico de desenvolvimento de computadores Prof. Luís Caldas Aula 02 Processador de uso geral Processador de uso geral 1. Introdução: Um sistema digital completo é constituído de uma unidade controle e o bloco operacional. Na figura a seguir alguns elementos externos necessários para completar

Leia mais

Principais Componentes do Gabinete. Componentes Básicos de um Computador. CPU ou UCP (Processador) 17/02/2017

Principais Componentes do Gabinete. Componentes Básicos de um Computador. CPU ou UCP (Processador) 17/02/2017 Professora: Janaide Nogueira E-mail: nogueirajanaide@gmail.com Materiais: https://janaide.wordpress.com Componentes Básicos de um Computador Principais Componentes do Gabinete 3 4 CPU ou UCP (Processador)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 Índice 1. A Organização do Computador...3 1.1 Processadores... 3 2 1. A ORGANIZAÇÃO DO COMPUTADOR Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores,

Leia mais

SOP - TADS Fundamentos de Sistemas Operacionais

SOP - TADS Fundamentos de Sistemas Operacionais SOP - TADS Fundamentos de Sistemas Operacionais Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Entrada e Saída Slide 1 Entrada e Saída Dispositivos Externos E/S Programada Organização e Arquitetura de Computadores I Sumário E/S Dirigida por Interrupção

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução Arquitetura de Computadores Ciclo de Busca e Execução Ciclo de Busca e Execução Início Buscar a próxima instrução Interpretar a instrução Executar a instrução Término Funções realizadas pela UCP Funções

Leia mais