Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid"

Transcrição

1 Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid Prof. Me. Lucas Vizzotto Bellinaso Prof. Dr. Leandro Michels Workshop inversores híbridos com armazenamento de energia 19 de novembro de 2015

2 Sistema PV conectado à rede 1/5 11

3 Sistema PV conectado à rede 1/5 FALTA Anti-ilhamento 12

4 Sistema PV híbrido 1/5 Workshop Inversores híbridos com armazenamento de energia (nov 2015) 13

5 Sistema PV híbrido 1/5 FALTA Anti-ilhamento 14

6 O que são sistemas PV híbridos? 1/5 Grid-tie Off-grid UPS Injeta energia na rede Obtém energia da rede Armazenamento de energia Frequência de operação Da rede Fixa Fixa* Grandeza controlada Corrente Tensão Tensão Reconexão com a rede Desconexão da rede Anti-ilhamento Comutação entre rede e outra fonte 15

7 O que são sistemas PV híbridos? 1/5 PV Grid-tie Operação on-grid Controle corrente Desconexão Reconexão UPS Operação off-grid Controle tensão Carga baterias 16

8 : nomeclaturamodesta 1/5 Conversor fotovoltaico multifuncional Q Retificador Inversor P Carga de baterias pela rede Grid-tie Off-grid 17

9 Classificação de inversores híbridos Classes de UPS da IEC Espera passiva (off-line) 2. Dupla conversão (on-line) 3. Linha interativa Rede elétrica G CA L S2 CA prioritárias Rede elétrica G CA L S2 CA prioritárias Rede elétrica G R CA S2 L prioritárias GFV - GFV - GFV - 18

10 Classificação de inversores híbridos 1/5 Classe: Espera passiva Rede elétrica G L S2 prioritárias Retificador carga baterias CA CA Inversor grid-tie + off-grid + GFV - 19

11 Classificação de inversores híbridos 1/5 Classe: Dupla conversão Rede elétrica G L S2 prioritárias Inversor grid-tie + carga baterias CA CA Inversor off-grid V,f independentes da rede + GFV - 20

12 Classificação de inversores híbridos Classe: Linha interativa Tipo 1: chave interna de desconexão da rede Rede elétrica G R CA S2 L prioritárias Inversor grid-tie + off-grid + carga de baterias + GFV - 21

13 Classificação de inversores híbridos Classe: Linha interativa Tipo 1: chave interna de desconexão da rede Intertravamentomecânico redundância para inversores com saída de corrente separada da de tensão Intertravamento mecânico prioritárias Rede elétrica G R CA S2 L Controle GFV

14 Classificação de inversores híbridos Classe: Linha interativa Tipo 2: chave externa de desconexão da rede Chave externa Rede elétrica prioritárias Inversor híbrido R S2 CA Inversor grid-tie + off-grid + carga de baterias GFV

15 Modos de operação e seus requisitos Modos de operação em relação à conexão com a rede de inversores híbridos 1. Inversor grid-tie 2. Carga de baterias pela rede 3. Autônomo off-grid UPS 24

16 Modo 1: Grid-tie 1/5 Princípio de operação Rede elétrica prioritárias Baterias sendo carregadas + GFV - 25

17 Modo 1: Grid-tie 1/5 Princípio de operação Rede elétrica prioritárias Baterias sendo descarregadas + GFV - 26

18 Modo 1: Grid-tie Requisitos Qualidade de energia THD Rede elétrica prioritárias Harmônicos... Proteções Desconexão + Reconexão GFV - Anti-ilhamento... Contemplados na NBR

19 Modo 2: Carga de baterias on-grid 1/5 Princípio de operação prioritárias Rede elétrica + GFV - 28

20 Modo 2: Carga de baterias on-grid Requisitos de desempenho Qualidade de energia? THD da corrente Nível da corrente Harmônicas de corrente Fator de potência mínimo Suporte para a rede de distribuição? Curva FP x Tensão para P > 3 KW Controle externo Rede elétrica OPCIONAL + GFV - prioritárias Requisitos podem ser adaptados da NBR

21 Modo 2: Carga de baterias on-grid Requisitos Desconexão da rede Testes não necessários em modo carga Reconexão na rede Tempo mínimo não necessário em modo carga Rede elétrica + GFV - prioritárias OBS: NBR16149 tempo mínimo de 20s a 300s para fornecer energia após retorno da rede 30

22 Modo 3: Off-grid UPS 1/5 Princípio de operação Rede elétrica aberta UPS com energia PV abundante + GFV - 31

23 Modo 3: Off-grid UPS 1/5 Princípio de operação Rede elétrica aberta UPS com energia PV escassa + GFV - 32

24 Modo 3: Off-grid UPS Requisitos Qualidade de energia Rede elétrica aberta THD, harmônicos, etc... Nível máximo da tensão Alimentação de cargas prioritárias Linear + Não linear GFV - Indutiva e capacitiva Proteções sobre corrente no modo tensão curto-circuito no modo tensão Contemplados na IEC

25 Modo 3: Off-grid UPS Requisitos Desempenho transitório Degrau de cargas lineares e não lineares Inversor híbrido 20% Medição de tensão 80% Contemplado na IEC

26 Modo 3: Off-grid UPS 1/5 Requisitos Desempenho transitório Degrau de cargas lineares e não lineares Inversor híbrido 20% Medição de tensão 80% Contemplado na IEC ,66 33, ,66 Tempo (ms) 35

27 Modo 3: Off-grid UPS Requisitos Desempenho transitório Requisito para degrau de cargas classe 3 (IEC 62040) Classe 3 Contemplado na IEC

28 Requisitos adicionais Transições on grid off-grid Limites classe 3 (IEC 62040) Tempo máximo para falta de tensão 10 ms Classe 3 Tempo limite para falta de tensão Contemplado na IEC

29 Monitoramento da tensão da rede Requisitos adicionais 1/5 Reconexão necessita de sincronismo t1 Vrede irede t2 Vinv icarga Carga não linear Retificador não controlado Rede elétrica Retorno da rede iinv R conectado à rede Reconexão 0... Vinv Vrede 0... iinv irede t1 Operação off-grid 30 s t2 Operação on-grid 38

30 Requisitos adicionais Normas de referência NBR IEC IEC Principais requisitos de segurança e proteção Proteção contra curto-circuito Desconexão em caso de falha simples Segurança contra choques elétricos... 39

31 Procedimentos de avaliação 10 ensaios sugeridos além dos utilizados para inversores PV grid-tie, baseados nas normas existentes 1. Ensaio de curto-circuito da saída de tensão operando on-grid 2. Ensaio de qualidade de energia em modo off-grid 3. Ensaio de sobrecarga em modo off-grid 4. Ensaio de curto-circuito em modo off-grid 5. Ensaio de curto-circuito da saída de tensão com a rede em modo off-grid 6. Ensaio de comutação de cargas em modo off-grid 7. Ensaio de comutação on-grid off-grid 8. Ensaio de comutação off-grid on-grid 9. Ensaio de qualidade de energia em modo de carga pela rede 10. Ensaio do tempo de reconexão para fornecer energia à rede 40

32 Procedimentos de avaliação 1. Ensaio de curto-circuito da saída de tensão operando on-grid Objetivo: Garantir que inversor e chaves não se danifiquem até proteção atuar Sugestão: realizar 2 curto-circuitos separados por 1 minuto de tempo na saída de tensão durante alimentação pela rede e verificar, após rearmada as proteções, se o inversor opera normalmente. Saída de corrente NBR L PE N L N C1 Saída de tensão C3 C2 Módulo de Eletrônica de Potência Gerador fotovoltaico Banco de baterias Outras fontes 41

33 Procedimentos de avaliação IEC Ensaio de qualidade de energia em modo off-grid Objetivo: garantir qualidade da tensão gerada Sugestão: considerar limites do PRODIST Sem carga Carga resistiva linear Carga indutiva linear Carga não-linear + GFV - Variável Frequência Tensão Tensão p.u. THD Harmônicas Limites PRODIST 59,9 Hza 60,1 Hz 0,1% máx (10 s) 0,93 a 1,05 10% máx Tabeladas 42

34 Procedimentos de avaliação IEC Ensaio de sobrecarga em modo off-grid Objetivo: garantir não danificação por sobrecarga breve Sugestão: 120% de carga por no mínimo 10 s Sobrecarga + GFV - 43

35 Procedimentos de avaliação IEC Ensaio de curto-circuito em modo off-grid Objetivo: garantir não danificação com curto-circuitos Sugestão: realizar 2 curto-circuitosseparados por 1 minuto de tempo e verificar se inversor opera normalmente + GFV - 44

36 Procedimentos de avaliação IEC Ensaio de curto-circuito da saída de tensão com a rede em modo off-grid Objetivo: garantir não danificação com curto-circuitos ou falhas Sugestão: realizar 2 curto-circuitos separados por 1 minuto de tempo Defasagem inversor/rede: 180 (monofásico) ou 120 (trifásico) Rede elétrica em contra-fase 45

37 Procedimentos de avaliação IEC Ensaio de comutação de cargas em modo off-grid Objetivo: garantir suprimento da carga durante transitórios Sugestão: considerar limites da classe 3 da IEC Linear resis va: 33% 100% e 100% 33% Não linear: 33% 100% e 100% 33% Classe 3 (IEC 62040) Inversor híbrido V medida 46

38 Procedimentos de avaliação IEC Ensaio de comutação on-grid off-grid Objetivo: garantir suprimento da carga durante transitórios Sugestão: considerar limites da classe 3 da IEC ms 47

39 Procedimentos de avaliação IEC Ensaio de comutação off-grid on-grid Objetivo: garantir suprimento da carga durante transitórios Sugestão: considerar limites da classe 3 da IEC ms 48

40 Procedimentos de avaliação NBR Ensaio de qualidade de energia em modo de carga pela rede Objetivo:garantir qualidade da corrente absorvida da rede para evitar distúrbios de tensão causados por harmônicos Sugestão: considerar limites da NBR para inversores fotovoltaicos prioritárias Rede elétrica OPCIONAL GFV

41 Procedimentos de avaliação NBR Ensaio do tempo de reconexão para fornecer energia à rede Objetivo:garantir que inversor não forneça energia à rede antes do tempo mínimo de 20 s a 300 s. NOTA 1: Ensaio já contemplado para inversores grid-tie NOTA 2: Inversor pode funcionar como carga antes do tempo mínimo Retorno da rede Reconexão 0... Vinv Vrede 0... iinv irede t1 Operação off-grid 30 s t2 Operação on-grid 50

42 Conclusões Inversores híbridos = Inversor Grid-tie + UPS Chaves internas e externas devem suportar curto-circuitos Ensaios podem ser baseados em normas estabelecidas NBR IEC PRODIST IEC Inversores híbridos podem contribuir para o sistema elétrico através do armazenamento de energia dependendo da normatização definida 51

II Congresso Brasileiro de Energia Solar 17 a 19 de maio de 2017 São Paulo. Inversores Fotovoltaicos Híbridos e Armazenamento de Energia.

II Congresso Brasileiro de Energia Solar 17 a 19 de maio de 2017 São Paulo. Inversores Fotovoltaicos Híbridos e Armazenamento de Energia. II Congresso Brasileiro de Energia Solar 17 a 19 de maio de 2017 São Paulo 1 Inversores Fotovoltaicos Híbridos e Armazenamento de Energia Ildo Bet A Empresa 2 Fundada em São Paulo a empresa PHB Eletrônica

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 2º semestre de 2016 Prof. Alceu Ferreira Alves www.feb.unesp.br/dee/docentes/alceu Na última aula: Revisão Condições Padrão de Teste (STC, NOTC) Massa de Ar Ângulos do

Leia mais

WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia

WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia 1 Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia Ildo Bet Ricardo Souza Figueredo Agenda 2 INTRODUÇÃO;

Leia mais

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios) Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Concentração: Engenharia de Potência EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Dispositivos de Proteção Elétrica Jonathan Pereira Dispositivos de Proteção Elétrica São dispositivos usados para proteger equipamentos eletrônicos (computadores, impressoras,

Leia mais

UPS. Sys 33 UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 10 kva a 300 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 10 kva a 300 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais

EQUIPAMENTO CONSIDERADO EM CONFORMIDADE PARA FINS DE CERTIFICAÇÃO JUNTO AO INMETRO

EQUIPAMENTO CONSIDERADO EM CONFORMIDADE PARA FINS DE CERTIFICAÇÃO JUNTO AO INMETRO Av. Prof. José Carlos Rossi, 1370 CEP 15385-000 Ilha Solteira SP BRASIL www.lep.dee.feis.unesp.br Fone: 0xx18 3743-1086 e-mail: canesin@dee.feis.unesp.br 1 de 35 1- Laboratório Responsável: Laboratório

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Trifásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Tópicos Especiais em Controle de Conversores Estáticos. Prof. Cassiano Rech

Tópicos Especiais em Controle de Conversores Estáticos. Prof. Cassiano Rech Tópicos Especiais em Controle de Conversores Estáticos cassiano@ieee.org 1 Aula de hoje O que é um conversor estático de potência? Por que devemos controlar um conversor estático? Por que necessitamos

Leia mais

Inversores. Onda Modificada. IVOFM02 Inversor W / 12Vcc / 220Vac / 60Hz

Inversores. Onda Modificada. IVOFM02 Inversor W / 12Vcc / 220Vac / 60Hz Onda Modificada Inversores Sistemas de energia inteligente www.seienergias.com IVOFM02 Inversor - 1000W / 12Vcc / 220Vac / 60Hz Não apropriados para equipamentos com motor tais como, Bombas D'gua, Ar Condicionados,

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

Aplicações de conversores

Aplicações de conversores Unidade V Aplicações de conversores 1. Fontes de alimentação CC 2. Correção de FP 3. Condicionadores de energia e UPS 4. Acionamento de motores Eletrônica de Potência 2 Introdução No início do curso, algumas

Leia mais

Nobreaks. New Offtice Security One com Filtro de Linha Interno. Melhor custo benefício do mercado! Bivolt Automático 115/220V

Nobreaks. New Offtice Security One com Filtro de Linha Interno. Melhor custo benefício do mercado! Bivolt Automático 115/220V Nobreaks 5 New Offtice Security One com Filtro de Linha Interno Melhor custo benefício do mercado! Carregador Fast Charger: Recarga 3x mais rápida*. Garante maior segurança em interrupções de energia Acabamento

Leia mais

Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B

Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B amauriassef@utfpr.edu.br paginapessoal.utfpr.edu.br/amauriassef

Leia mais

APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I

APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I PROF. Dr. RENÉ PASTOR TORRICO BASCOPÉ (PET-DEE-UFC) INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Efeito Fotovoltaico

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (L2)

Lista de Exercícios 2 (L2) 1 ELETRÔNICA DE POTÊNICA II Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Lista de Exercícios 2 (L2) 1) Um inversor monofásico de meia-ponte alimenta uma carga resistiva R=10Ω e possui a tensão de entrada Vcc=220V.

Leia mais

Retificadores Tiristorizados Linha CF

Retificadores Tiristorizados Linha CF Retificadores Tiristorizados Linha CF Conceituada como fabricante de Retificadores Chaveados para Telecomunicações com certificados pela ANATEL a mais de 50 anos, a PROTECO traz ao mercado uma nova linha

Leia mais

AX-M Series. - MPPT* Controlador Solar - 800, 1600, 2400, 3200, 4000W de potência nominal - 24 / 48VDC. AX-P Series

AX-M Series. - MPPT* Controlador Solar - 800, 1600, 2400, 3200, 4000W de potência nominal - 24 / 48VDC. AX-P Series Inversores Solares AX-Series - 5kVA Inversor Multifuncional Novo - Inversor PV - PV / Carregador de bateria com 3 fases de carga - Fonte de alimentação: bateria - Inversor de onda senoidal com função de

Leia mais

Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II

Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II Tópicos: Potência instantânea, Potência Média, Valor Médio e Eficaz, Potência Aparente, Potência Ativa, Potência Reativa, Fator de Potência, Potência Complexa.

Leia mais

Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos

Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos 22/set/15 Workshop USP/Abinee - A qualificação profissional e formação de mão de obra para atendimento da demanda

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

OCS 0041 ISO Pinot AQ I/1

OCS 0041 ISO Pinot AQ I/1 OCS 0041 ISO 9001 NoBreak Line Interativo Família Pinot 1400 VA NoBreak Line Interativo microprocessado de alta velocidade,integrando diversas funções periferias. Possui estabilizador interno com estágios

Leia mais

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais

KEOR T. TRIFÁSICO UPS 10 a 120 kva

KEOR T. TRIFÁSICO UPS 10 a 120 kva KEOR T TRIFÁSICO UPS 10 a 120 kva KEOR T UPS TRIFÁSICO KEOR T foi projetado com tecnologia avançada e com componentes de última geração, para garantir um ótimo desempenho, alta eficiência, alta disponibilidade

Leia mais

Carmenere N I/6 SD

Carmenere N I/6 SD OCS 0041 ISO 9001 NOBREAK SENOIDAL Família Carmenere 3000 VA NoBreak Mono-Mono de Dupla Conversão microprocessado de alta velocidade. Possui estabilizador interno com estágios de regulação, que tem a função

Leia mais

Unidade Retificadora Chaveada em alta frequência Ventilação Forçada UR 50 A / -48 V / W / Mod. R2K5ES.

Unidade Retificadora Chaveada em alta frequência Ventilação Forçada UR 50 A / -48 V / W / Mod. R2K5ES. BMB Energia Ltda Estrada Maricá Marques, 1055 G.15 (06529-210) Santana de Parnaíba / SP Tel./ Fax. +55.11.4156-1754 www.bmbenergia.com.br Unidade Retificadora Chaveada em alta frequência Ventilação Forçada

Leia mais

Conheça a trajetória da Empresa

Conheça a trajetória da Empresa Conheça a trajetória da Empresa A Sonnen Energia iniciou suas atividades no final do ano de 202, na cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul. A empresa nasceu a partir da pesquisa de doutorado na área

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

Analisador de Energia RE6001 ANALISADOR DE ENERGIA. Prog

Analisador de Energia RE6001 ANALISADOR DE ENERGIA. Prog EMBRASUL Analisador de Energia RE6001 EMBRASUL ANALISADOR DE ENERGIA EMBRASUL RE6001 Prog Amplo display gráfico; Fácil instalação e operação; Configurado por módulos opcionais; Excelente faixa de medição;

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do S Faculdade de Engenharia LABOATÓIO DE ELETÔNICA DE POTÊNCIA Experiência 8: Ponte etificadora Monofásica a Tiristor (Totalmente Controlada). Objetivos: Verificar qualitativa

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Correção de Fator de Potência Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, agosto de 2007. Nesta aula Capítulo

Leia mais

Qualidade da Energia Elétrica

Qualidade da Energia Elétrica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Condicionamento de Energia p/sistemas Microc. Qualidade da Energia Elétrica Prof. Clóvis Antônio

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte

Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte Prof. Alessandro Batschauer Prof. Cassiano Rech 1 Introdução E 1 (v 1, f 1 ) Retificador Conversor CC-CC Conversor indireto de tensão Conversor

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.3 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Máquina Síncrona Representação Fasorial Motor síncrono operando sobre-excitado E af > V t (elevada corrente de

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Potência em CA Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, agosto de 2007. Nesta aula Capítulo 19: Potência

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Potência em CA Triângulo das Potências e Correção de Fator de Potência Prof. Clóvis Antônio Petry.

Leia mais

Sistemas Ininterruptos de Energia

Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos de Energia Nikolas Libert Aula 13 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos

Leia mais

EPO Eletrônica de Potência COMPONENTES SEMICONDUTORES EM ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

EPO Eletrônica de Potência COMPONENTES SEMICONDUTORES EM ELETRÔNICA DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EPO Eletrônica de Potência COMPONENTES SEMICONDUTORES EM ELETRÔNICA DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Conversores CC-CA Inversores

Conversores CC-CA Inversores Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Conversores CC-CA Inversores Prof. Clovis Antonio Petry. Florianópolis,

Leia mais

abb Características Ficha técnica IDM G5 Multimedidor Display gráfico de LCD com backlight com gráfico de barras de intensidade de corrente e tensão.

abb Características Ficha técnica IDM G5 Multimedidor Display gráfico de LCD com backlight com gráfico de barras de intensidade de corrente e tensão. Ficha técnica IDM G5 Multimedidor Multimedidor para sistemas trifásicos ou monofásicos com medição de 58 variáveis elétricas. Possui display de LCD com backlight e gráfico de barras de intensidade de corrente

Leia mais

KEOR HP. TRIFÁSICO UPS 100 a 800 kva

KEOR HP. TRIFÁSICO UPS 100 a 800 kva KEOR HP TRIFÁSICO UPS 100 a 800 kva Fator de potência de saída 0,9 Alto rendimento até 95% em modo dupla conversão (certificado TüV) Maior economia com custos de infraestrutura, eletricidade e refrigeração

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA 4 PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADOR TRIFÁSICO EM PONTE CONTROLADO W. KAISER 02/2009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento de uma ponte trifásica a tiristores controlada

Leia mais

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS DLB MAQCA 1893 SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS Este conjunto didático de equipamentos foi idealizado para possibilitar

Leia mais

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144 [1] Introdução Os indicadores analógicos de potência modelo EW (potência ativa - watts) ou EV (potência reativa vars) tem por finalidade a medição da potência de um determinado circuito com forma de onda

Leia mais

Conversores CC-CA e CA-CA

Conversores CC-CA e CA-CA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Pós-Graduação em Desen. de Produtos Eletrônicos Conversores Estáticos e Fontes Chaveadas Conversores

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1)

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1) Acionamentos Eletrônicos de Motores Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1) 1) A velocidade de motor de corrente contínua com excitação separada de 125 hp, 600V, 1800rpm é controlada

Leia mais

Conjuntos Inversores de Potência

Conjuntos Inversores de Potência A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN MICROPROCESSADO SAÍDA SENOIDAL ISOLADA OPÇÃO EM RACK 19 Modelos de gabinetes auto-sustentados, tipo torre e rack 19. Disponíveis também em gabinete para fixação em parede.

Leia mais

Modelagem de Aerogeradores em Estudos Elétricos

Modelagem de Aerogeradores em Estudos Elétricos Encontro Internacional de Energia Eólica 3o. Painel Tecnologia e Integração de Centrais Elétricas à Rede Modelagem de Aerogeradores em Estudos Elétricos Natal, RN 22 de Setembro de 2005 Nelson Martins

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA Eng. Gilberto Figueiredo Dr. Wilson Macêdo Eng. Alex Manito

Leia mais

Qualidade da Energia Elétrica. Distorções Harmônicas

Qualidade da Energia Elétrica. Distorções Harmônicas Qualidade da Energia Elétrica Distorções Harmônicas Qualidade da Energia Elétrica Conceito Cargas Geradoras de Harmônicas Efeitos de Harmônicas em Redes Industriais Recomendações de Limites para Harmônicas

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES - OPERAÇÃO GMG MODOS DE OPERAÇÃO O modo de operação do GMG pode afetar certas características

Leia mais

Estágio Inversor Para Nobreaks

Estágio Inversor Para Nobreaks Estágio Inversor Para Nobreaks Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 saccol@cp.com.br,

Leia mais

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu HARMÔNICAS Formas de onda com freqüências múltiplas da fundamental; Ferramenta matemática desenvolvida para representar qualquer tipo de forma de onda (série de FOURIER); f(t) = a0 + (ah.cos(hω ot) + bh.sen(hω0t))

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PCE Projeto de Conversores Estáticos Aula 2 Tópicos Introdução Necessidade de conversores isolados

Leia mais

Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040

Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040 Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040 E M B R A S U L Grandezas Medidas: V, A, kwh, kvarh, kvarih, kvarch, FP, demanda ativa total, demanda reativa total, potência ativa, reativa e aparente; Rateio

Leia mais

APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE II

APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE II UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE II PROF. Dr. RENÉ PASTOR TORRICO BASCOPÉ (PET-DEE-UFC) INTRODUÇÃO Refrigeração Eletrificação rural

Leia mais

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO UNEMAT Campus de Sinop 2016

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES PROJETO PRELIMINAR GMG PROJETO PRELIMINAR Para dimensionar um GMG o primeiro passo é a determinação

Leia mais

Especificações Técnicas. Fonte de Alimentação CA Programável Modelo 9801

Especificações Técnicas. Fonte de Alimentação CA Programável Modelo 9801 Especificações Técnicas Fonte de Alimentação CA Programável O modelo 9801 da B&K Precision é tanto uma fonte de alimentação CA programável, como também um instrumento de medições, tudo em um gabinete compacto

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA N O 3 PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADOR MONOFÁSICO EM PONTE CONTROLADO W. KAISER 03/2009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento de uma ponte monofásica controlada utilizando

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA N o PEA50 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADORES NÃO CONTROLADOS DE DOIS CAMINHOS W. KAISER 0/009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento e processo de comutação em retificadores

Leia mais

Semicondutores de Potência em Corrente Alternada

Semicondutores de Potência em Corrente Alternada Semicondutores de Potência em Corrente Alternada Vamos no restringir a analisar o Retificador Controlado de Silicio, que é de longe o dispositivo mais utilizado em sistemas de controle de CA e em sistemas

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO 10 / 15 / 20 / 25 / 30 / 40 / 50 / 60 / 80 / 120 / 150 / 160 / 180/ 250kVA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31)

Leia mais

Qualidade da Energia e Fator de Potência

Qualidade da Energia e Fator de Potência UFPR Departamento de Engenharia Elétrica Qualidade da Energia e Fator de Potência Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica Centro Politécnico, Curitiba,

Leia mais

Retificadores Trifásicos Não-Controlados

Retificadores Trifásicos Não-Controlados Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Retificadores Trifásicos Não-Controlados Florianópolis, março de 2012.

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº

COMUNICADO TÉCNICO Nº Página 1 / 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 08-2013 CRITÉRIOS DE ACESSO EM MÉDIA TENSÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO SA PARA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDAS ADERENTES AO REGIME DE COMPENSAÇÃO 1. OBJETIVO Esse

Leia mais

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2)

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) SUMÁRIO Sinais Senoidais Circuitos CA Resistivos Circuitos CA Indutivos Circuitos CA Capacitivos Circuitos RLC GERADOR TRIFÁSICO Gerador Monofásico GRÁFICO

Leia mais

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Especificações dos Módulos Fotovoltaicos Comerciais Sistemas de Energia Solar e Eólica Identificação e informações gerais Módulo

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência Correção do Fator de Potência Prof. Marcello Mezaroba mezaroba@joinville.udesc.br Material elaborado e cedido pelo 1 Capítulo 1 Com o avanço dos dispositivos semicondutores, o número de cargas não-lineares

Leia mais

UPS. SYS 201 rt 2u INFINITE POWER. De 1000 VA a 3000 VA. Aplicações para Missões Críticas

UPS. SYS 201 rt 2u INFINITE POWER. De 1000 VA a 3000 VA. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA SYS 201 rt 2u Tecnologia Online de Dupla Conversão Desenho Convertível para Bastidor/Torre Tensão e Frequência Independentes

Leia mais

NERGIA RENOVÁVEL. XR301 - Banco de Ensaios em Energia Solar Fotovoltaica. Soluções EXSTO em Educação Tecnológica

NERGIA RENOVÁVEL. XR301 - Banco de Ensaios em Energia Solar Fotovoltaica. Soluções EXSTO em Educação Tecnológica NERGIA RENOVÁVEL XR301 - Banco de Ensaios em Energia Solar Fotovoltaica Soluções EXSTO em Educação Tecnológica ÍNDICE EXSTO TECNOLOGIA 3 CARACTERÍSTICAS 4 MATERIAL DIDÁTICO 5 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 6

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Elétricos de Potência 3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência 3.2.6 Máquinas Trifásicas e Cargas em Sistemas Trifásicos Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br

Leia mais

Inversor modular de comando motorizado de 63 a 160 A HIC 400A

Inversor modular de comando motorizado de 63 a 160 A HIC 400A Inversor modular de comando motorizado de 6 a 60 A HIC 00A Inversor modular de comando motorizado com alto poder de fecho em curto-circuito (Icm) versão: P Ith (0 C) de 6 a 60 A n 0/00 V IP 0 Função: Asseguram

Leia mais

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 - Conhecer os métodos de partidas de motores elétricos; especificar tipo de acionamento. H2 - Conhecer os equipamentos e dispositivos utilizados em acionamento Técnico em Eletromecânica

Leia mais

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. Aplica-se ao Departamento de Gestão Técnica Comercial, fabricantes e fornecedores da empresa. 3.

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. Aplica-se ao Departamento de Gestão Técnica Comercial, fabricantes e fornecedores da empresa. 3. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0016 MEDIDOR ELETRÔNICO MULTIFUNÇÃO PARA MEDIÇÃO INDIRETA PARA CLIENTES DO GRUPO B 1/9 1. FINALIDADE Estabelecer

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA VALORES POR UNIDADE Júlio Borges de Souza 2.1 - INTRODUÇÃO - A UTILIZAÇÃO DE VARIÁVEIS ELÉTRICAS REAIS PARA A ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS APRESENTA CERTAS

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Objetivos da aula Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação triângulo e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores.

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

SÉRIE 22 Contator modular A

SÉRIE 22 Contator modular A SÉRIE SÉRIE Contator modular de 25 A - 2 contatos 17.5 mm de largura Contatos NA com abertura 3 mm com dupla abertura Energização contínua para bobina e contatos Bobina AC/DC silenciosa (proteção a varistor)

Leia mais

ATRIUM RACK. UPS SENOIDAL e VA. Ideal para: SERVIDOR STORAGE SWITCH CENTRAL CFTV

ATRIUM RACK. UPS SENOIDAL e VA. Ideal para: SERVIDOR STORAGE SWITCH CENTRAL CFTV ATRIUM RACK SENOIDAL 2.200 e 3.000 VA Ideal para: SERVIDOR STORAGE SWITCH ROTEADOR CENTRAL DE PABX CÂMERA CENTRAL CFTV ATRIUM RACK SENOIDAL Fator de potência de saída 1 Mais disponibilidade de potência

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência EPO I Aula 01 ELETRÔNICA DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula

Leia mais

SOLO NETWORK (11) (21) (31) (41) (48) (51) (61) SOLO NETWORK

SOLO NETWORK (11) (21) (31) (41) (48) (51) (61) SOLO NETWORK Page 1 of 5 Home SOHO/Usuários Domésticos Produtos No-break (UPS - Uninterruptible Power Supplies) Smart-UPS APC Smart-UPS 1000VA USB & Serial Brazil 120V Part Number: SUA1000-BR Saída Capacidade de Potência

Leia mais

SÉRIE RR Relé rápido 8 A

SÉRIE RR Relé rápido 8 A SÉRIE Relé rápido 8 SÉRIE Relé rápido.14 montagem em trilho DIN 35 mm (EN 60715).24 versão plug-in - montagem em base undecal tipo 90.21 4 contatos reversíveis ou 3 contatos N + 1 reversível Corrente contínua

Leia mais

BUSCA MENU PR P OD O U D TO T S O

BUSCA MENU PR P OD O U D TO T S O PRODUTOS ELETRÔNICOS ELETROMECÂNICOS ESPECIAIS Conheça o Spectrum K ART O medidor Spectrum K ART foi desenvolvido pela NANSEN S/A para faturamento de energia ativa, reativa com diferentes tarifas horárias

Leia mais

Transmissão em Corrente Contínua

Transmissão em Corrente Contínua Transmissão em Corrente Contínua Panorama Atual e Perspectivas Futuras no Brasil Ultra-High Voltage Transmission Systems Brazilian SC B4 Transmissão em CCAT - Aspectos Conceituais E. H. Watanabe 1 B. Chuco

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação ProLine Tecnologia de Interface Fontes de Alimentação Fonte de alimentação de 24 Vcc A Tarefa Os transmissores e condicionadores de sinais não alimentados pela malha de medição precisam de alimentação

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Aluno: Turma: 6 Período Professor(a): Geraldo Leão Lana ENSAIOS DE TRANSFORMADORES 1) Por que o ensaio a vazio a realizado no lado de baixa tensão? Quais as medidas

Leia mais

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 - Conhecer os métodos de partidas de motores elétricos; especificar tipo de acionamento. H2 - Conhecer os equipamentos e dispositivos utilizados em acionamento Técnico em Eletromecânica

Leia mais

Série 78 - Fonte chaveada. Características Relés temporizadores e de controle SÉRIE

Série 78 - Fonte chaveada. Características Relés temporizadores e de controle SÉRIE Série - Fonte chaveada SÉRIE Características.12...2400.12...1200.36 Fontes de alimentação DC Alta eficiência (acima de 91%) Baixo consumo em stand-by (

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 24 Conversores duais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 24 Conversores duais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 24 Conversores duais, Dr. Eng. leandromichels@gmail.com

Leia mais

Pensados para atender as necessidades do mercado brasileiro

Pensados para atender as necessidades do mercado brasileiro Família Smart-UPS BR Agora mais completa! Pensados para atender as necessidades do mercado brasileiro Ideais para aplicações críticas: 3000VA Modelos: 115V 220V Bivolt automático 2200VA Modelos: 115V 220V

Leia mais

Medidor Trifásico SDM630D

Medidor Trifásico SDM630D Medidor Trifásico SDM630D MANUAL DO USUÁRIO Conteúdo 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 3 1.1 PESSOAL QUALIFICADO... 3 1.2 FINALIDADE... 4 1.3 MANUSEIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 2.1 ESPEFICICAÇÕES... 5 3 DIMENSÕES...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS DEPARTAMENTO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS DEPARTAMENTO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS DEPARTAMENTO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO PROCESSO: 23070.016735/2014-31 PREGÃO Nº. 277/2015 SRP AQUISIÇÃO E O

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Requisitos para Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CELG D NTC-71

NORMA TÉCNICA CELG D. Requisitos para Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CELG D NTC-71 NORMA TÉCNICA CELG D Requisitos para Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CELG D NTC-71 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Máquina de Indução - Lista Comentada

Máquina de Indução - Lista Comentada Máquina de Indução - Lista Comentada 1) Os motores trifásicos a indução, geralmente, operam em rotações próximas do sincronismo, ou seja, com baixos valores de escorregamento. Considere o caso de alimentação

Leia mais