Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco"

Transcrição

1 Código de conduta Toda a teoria da conduta tem de ser apenas um esquema, e não um sistema exacto ( ) os temas de conduta e comportamento não têm em si nada de fixo e invariável, tal como os temas de saúde. E se isto é verdade na teoria geral da Ética, a precisão exacta ainda é menos possível nos casos particulares de conduta; pois estes não caem sob nenhuma ciência ou tradição profissional, mas os próprios agentes têm de considerar o que é conveniente nas circunstâncias de cada ocasião, tal como na arte da medicina ou da navegação. Aristóteles Ética a Nicómaco 1

2 Apresentação A adopção pelo GMCS de um Código de Conduta constitui uma iniciativa da maior importância para a reflexão e afirmação de princípios enformadores da conduta de todos os, dado ser bem certo que são as pessoas a maior e mais decisiva riqueza de uma organização. Assim, assumir em forma de letra de código os valores e princípios que nos devem conduzir no desenvolvimento da nossa actividade profissional, assumindo preocupações relativas à integração, diversidade, conciliação, valorização pessoal e profissional e compromisso ambiental, entre outras, é o início institucional do percurso de responsabilidade social do GMCS. Com este documento formalizamos um compromisso que deve ser assumido por todos com vista a um caminho de melhoria contínua, numa atitude, porque não dizê-lo, pioneira nos serviços da Administração Central. 29 de Julho de 2010 Pedro Berhan da Costa Director 2

3 Principais objectivos do Código Ser uma referência formal e institucional, para a conduta pessoal e profissional de todas as colaboradoras e, tornando-se um modelo de relacionamento quer internamente quer com os públicos externos ao GMCS. Cimentar no GMCS a existência e partilha de valores e normas de conduta comuns, reforçando uma conduta comum. Reduzir a subjectividade das interpretações pessoais sobre princípios morais e éticos. 1. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a todas as colaboradoras e do GMCS independentemente do seu vínculo laboral e da posição hierárquica em que se encontrem. 2. Valores do GMCS e Princípios de Actuação 2.1. O GMCS tem como Valores Centrais: Espírito de Missão Responsabilidade Transparência Rigor, Isenção e Imparcialidade Credibilidade Honestidade Espírito de Equipa, Cooperação e partilha de informação Zelo e Dedicação Aprendizagem e Melhoria contínua Competência na gestão e no trabalho das colaboradoras e dos 2.2. E rege-se pelos seguintes Princípios: Respeito e protecção dos direitos humanos Respeito pelos direitos das colaboradoras e dos Erradicação de todas as formas de discriminação Erradicação de todas as formas de exploração Integração de pessoas com deficiência 3

4 Promoção da conciliação entre a vida profissional e familiar das colaboradoras e dos Respeito pela reserva da vida privada das colaboradoras e dos Valorização profissional e pessoal das colaboradoras e dos Valorização da maturidade das colaboradoras e dos Promoção do prolongamento da vida profissional Responsabilidade na defesa e protecção do meio ambiente Responsabilidade Social da organização Promoção dos deveres de cidadania Contribuição para o desenvolvimento sustentável 3. Normas de Conduta 3.1. Respeito pela Lei As colaboradoras e os do GMCS devem respeitar na íntegra todas as normas legais e regulamentares aplicáveis ao exercício da sua actividade Relacionamento com a Comunicação Social No relacionamento com a Comunicação Social o GMCS, através dos meios adequados e das colaboradoras e indigitados para o efeito, assegura informação completa, coerente, verdadeira e em tempo útil com total respeito pelo dever de informar Relacionamento Institucional com outras Entidades As colaboradoras e os do GMCS devem manter, nas relações institucionais com outras entidades ou organizações, nacionais e internacionais, uma postura cooperativa e participativa Comportamento Não - discriminatório O GMCS reprova qualquer forma de discriminação, seja em razão da raça, origem étnica, geográfica, nacional ou social, sexo, idade, deficiência, instrução, convicção religiosa, orientação sexual, opinião ou filiação política, condenando ainda qualquer forma de assédio sexual ou psicológico, de conduta verbal ou física de humilhação, de coacção ou ameaça. 4

5 3.5. Promoção da Igualdade de Género O GMCS promove a igualdade de género quer ao nível do funcionamento interno quer nas relações que mantém com o exterior, incentivando as suas colaboradoras e a apresentarem sugestões para o efeito Promoção da integração de pessoas com deficiência O GMCS promove as condições necessárias à integração de colaboradoras e com deficiência, proporcionando-lhes as ferramentas e o ambiente de trabalho adequados à sua cabal realização profissional Promoção da conciliação entre a vida profissional e familiar. O GMCS promove a busca de fórmulas de conciliação da vida familiar e profissional das suas colaboradoras e, designadamente através da implantação de um sistema periódico interno de recolha de ideias e sugestões Respeito pela reserva vida privada das colaboradoras e O GMCS respeita a vida privada e familiar das colaboradoras e, comprometendo-se a não interferir naquelas, reprovando qualquer iniciativa de obtenção indevida de informação Valorização profissional e pessoal das colaboradoras e dos O GMCS promove o planeamento de iniciativas, designadamente de formação e de aprendizagem ao longo da vida, que visem a valorização e enriquecimento de conhecimentos e de experiências Valorização da maturidade das colaboradoras e dos O GMCS reconhece a relevância da maturidade, experiência e sabedoria frequentemente inerentes às colaboradoras e com idades mais avançadas, valorizando e optimizando o seu papel enquanto transmissores de conhecimento e de conselheiros de bem fazer junto das colaboradoras e dos mais jovens. 5

6 3.11. Promoção do prolongamento da vida profissional O GMCS incentiva as colaboradoras e os a prolongarem a sua vida activa, comprometendo-se a criar as condições necessárias para que se sintam motivadas e motivados para o efeito Utilização de Recursos do GMCS Os recursos do GMCS devem ser usados de forma eficiente, com vista à prossecução dos objectivos definidos e não para fins pessoais ou outros, devendo as colaboradoras e os zelar pela protecção e bom estado de conservação do património do Gabinete procurando sempre maximizar a sua produtividade Relacionamento entre as colaboradoras e os As relações entre as colaboradoras e os do GMCS devem desenvolver-se: Num quadro de permanente cumprimento dos deveres de respeito mútuo, de solidariedade, de urbanidade, de lealdade e de observância das instruções emanadas dos superiores hierárquicos em matéria de serviço. Num ambiente de plena afirmação dos princípios do rigor, da discrição, da responsabilidade, da colaboração, da confiança, do primado da competência, da não discriminação e da valorização de todas as pessoas. No respeito pela identidade própria de cada pessoa, não podendo ninguém ser alvo de qualquer forma de discriminação Segurança e bem-estar no Trabalho O GMCS garante o cumprimento das normas de segurança, saúde, higiene e bem-estar no local de trabalho. O cumprimento das regras de segurança é uma obrigação de todos, sendo dever das colaboradoras e dos do GMCS informar atempadamente os seus superiores hierárquicos ou os serviços responsáveis, da ocorrência de qualquer situação irregular susceptível de poder comprometer a segurança das pessoas, instalações ou equipamentos do organismo Compromisso ambiental O GMCS procura, sistematicamente, contribuir, com a sua actuação, para o desenvolvimento sustentável e para a preservação do meio ambiente, privilegiando entre outros, a aplicação de técnicas não poluentes, de 6

7 reutilização, reaproveitamento e reciclagem de materiais, de monitorização ambiental e de racionalidade energética. 4. Adesão e Cumprimento As hierarquias asseguram o conhecimento geral do presente Código de Conduta, bem como a observância das suas regras. Será facultado a todas as colaboradoras e do GMCS um exemplar, devendo a sua recepção, conhecimento e adesão às normas dele constantes serem comprovados através da assinatura de um compromisso. Entrada em vigor e revisões O presente Código de Conduta entra em vigor no dia 1 de Agosto de Anualmente, será avaliada a necessidade de revisão ou aperfeiçoamento do presente Código. 7

(Certificado NP 4427 nº 2012/GRH.009, desde 19/01/2012) CÓDIGO DE ÉTICA

(Certificado NP 4427 nº 2012/GRH.009, desde 19/01/2012) CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA ENQUADRAMENTO Na sociedade contemporânea, melhor preparada e informada, o reconhecimento público de uma organização não se confina ao campo estrito do seu desempenho económico. A responsabilidade

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Código de Conduta e Ética Recursos Humanos Corporativos Índice Apresentação Mensagem do Presidente Principais Objectivos do Código Razão da Existência do Código Âmbito de Aplicação Natureza das Regras

Leia mais

TEATRO NACIONAL S. JOÃO

TEATRO NACIONAL S. JOÃO TEATRO NACIONAL S. JOÃO CÓDIGO DE ÉTICA E REGRAS DE CONDUTA MISSÃO O TNSJ como Entidade Pública Empresarial que é, tem como missão a prestação do serviço público área da criação e apresentação de espectáculos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de 2010 1 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O presente Código de Conduta (a seguir designado por «Código») estabelece linhas de orientação em matéria de ética profissional para todos os

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS 1 ÍNDICE Siglas... 3 1.Introdução... 4 2.Objeto... 4 3. Âmbito de aplicação... 4 4. Princípios gerais... 4 5. Princípios básicos.7 6. Disposições

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta Edição: 1 Maio - 2015 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Finalidade O estabelecimento de princípios e regras gerais de ética e conduta que assegurem o cumprimento dos valores estabelecidos

Leia mais

Código de Conduta e Ética. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 2 / junho 2014

Código de Conduta e Ética. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 2 / junho 2014 Código de Conduta e Ética EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 2 / junho 2014 índice Apresentação 3 Mensagem do Presidente 4 Principais Objetivos do Código 5 Razão da existência do Código

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Código de Conduta e Ética Índice Apresentação Mensagem do Presidente Principais Objetivos do Código Âmbito de Aplicação Natureza das Regras SIMDOURO e Serviço Público Grupo Simdouro Missão Responsabilidade

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 1 Objetivos do Código de Ética A Câmara Municipal de Cascais está motivada em criar todas as condições necessárias para que os seus colaboradores desenvolvam as suas funções

Leia mais

RANSP. RÊNCIA Código de conduta da FPC

RANSP. RÊNCIA Código de conduta da FPC RANSP RÊNCIA Código de conduta da FPC Código de Conduta O Código de Conduta da Fundação Portuguesa das Comunicações (FPC) apresenta dois objetivos fundamentais: regular as obrigações de transparência,

Leia mais

Código de Ética Janeiro de 2013

Código de Ética Janeiro de 2013 Janeiro de 2013 Índice 1 PREÂMBULO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 OBJECTIVOS... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 NORMAS DE CONDUTA... 4 6 CONFLITOS DE INTERESSES... 6 7 DISPOSIÇÕES FINAIS... 7 2013 espap Entidade

Leia mais

Código de Conduta. dos Colaboradores da Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva

Código de Conduta. dos Colaboradores da Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva Código de Conduta dos Colaboradores da Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva Outubro de 2012 1 Índice Introdução 3 Artigo 1º 4 Artigo 2º 4 Artigo 3º. 4 Artigo 4º. 5 Artigo 5º. 5 Artigo 6º.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO As obrigações de transparência, de responsabilidade, de solidariedade e cooperação que recaem sobre a Federação Portuguesa

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Para alcançar este objectivo, uma compilação dos princípios e das regras a seguir continuadamente quer internamente, quer

CÓDIGO DE CONDUTA. Para alcançar este objectivo, uma compilação dos princípios e das regras a seguir continuadamente quer internamente, quer CÓDIGO DE CONDUTA No mundo actual dos negócios reveste-se de particular relevância a ética pessoal e profissional de todos quantos colaboram numa empresa, respeitando, mediante uma adequada conduta, a

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS CÓDIGO DE CONDUTA DO ÍNDICE Capítulo I Âmbito de Aplicação Capítulo II Princípios Gerais Capítulo III Relacionamento com o Exterior Capítulo IV Relações Internas Capítulo V - Aplicação CÓDIGO DE CONDUTA

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM

CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM Janeiro 2010 INDÍCE 1. Âmbito e Objecto 2. Princípios Gerais 3. Igualdade de Tratamento e Não Discriminação 4. Diligência, Eficiência e Responsabilidade 5. Independência

Leia mais

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CÓDIGO de ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 INTRODUÇÃO O presente Código de Ética do Gabinete de Auditoria Interna (GAI) da Direção-Geral

Leia mais

MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA 1 DO MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE O presente Código de Ética e Conduta, a seguir designado abreviadamente por Código, estabelece o conjunto

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 2 ÍNDICE 3 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA MISSÃO E VALORES 3.1. A Nossa Missão 3.2. Os Nossos Valores

CÓDIGO DE CONDUTA 2 ÍNDICE 3 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA MISSÃO E VALORES 3.1. A Nossa Missão 3.2. Os Nossos Valores CÓDIGO DE CONDUTA 2 ÍNDICE 3 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 4 3. MISSÃO E VALORES 3.1. A Nossa Missão 3.2. Os Nossos Valores 5 4. RELAÇÃO COM OS CLIENTES 5. RELAÇÃO COM OS FORNECEDORES 6. RELAÇÃO COM OS CONCORRENTES

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

1. Introdução. 2. Âmbito de aplicação

1. Introdução. 2. Âmbito de aplicação Código de Ética 1. Introdução As questões éticas têm uma importância crescente na vida das organizações, sendo conhecidos inúmeros casos em que a reputação destas fica manchada de forma muito negativa,

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR LVT

Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Elaborado em agosto 2009. Revisão agosto 2015. Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES CÓDIGO DE CONDUTA APS DEZEMBRO 2013 CONDUTA APS DOCUMENTOS A4 SUB TÍTULO DE INSTITUCIONAL

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES CÓDIGO DE CONDUTA APS DEZEMBRO 2013 CONDUTA APS DOCUMENTOS A4 SUB TÍTULO DE INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES CÓDIGO DE CONDUTA APS DEZEMBRO 2013 CÓDIGO LAYOUT GERAL DE INSTITUCIONAL CONDUTA APS DOCUMENTOS A4 SUB TÍTULO No mundo atual dos negócios reveste se de particular relevância

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES Divisão de Recursos Humanos 1 Março de 2015 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - CAPITULO I Âmbito... 3 3 - Artigo 1.º

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL

CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL No mundo actual dos negócios reveste-se de particular relevância a ética pessoal e profissional de todos quantos colaboram numa empresa, respeitando, mediante

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA AGRICOLA DE TORRES VEDRAS

CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA AGRICOLA DE TORRES VEDRAS CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA AGRICOLA DE TORRES VEDRAS ÍNDICE 1 - PREÂMBULO 2 - ÂMBITO 3 - OBJECTIVOS 4-PRINCÍPIOSGERAIS 4.1 Igualdade de tratamento e não discriminação 4.2 - Profissionalismo, competência

Leia mais

Uma referência para a prática empresarial

Uma referência para a prática empresarial Uma referência para a prática empresarial Publicamos, agora, a 2.ª Edição do Código de Ética e de Conduta da CARRIS. Contém pequenos ajustamentos e melhorias de redacção, decorrentes da nossa reflexão

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA A sua Segurança é a nossa Prioridade. Índice I. Introdução... 2 II. Missão... 2 III. Valores... 2 IV. Política Integrada... 3 V. Principais objetivos... 4 VI. Princípios gerais...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA APIAM

CÓDIGO DE CONDUTA APIAM A Associação Portuguesa dos Industriais de Águas Minerais Naturais e de Nascente (APIAM) é uma associação sem fins lucrativos, constituída por empresas que, em território nacional, se dedicam à exploração,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. O Código de Ética da Empresa BeSafe

RESPONSABILIDADE SOCIAL. O Código de Ética da Empresa BeSafe RESPONSABILIDADE SOCIAL O Código de Ética da Empresa BeSafe 02 de Março de 2012 ÍNDICE 1.CÓDIGO DE ÉTICA DA BESAFE... 3 2 OBJECTIVOS GERAIS... 4 3. VALORES... 4 4. NORMAS DE CONDUTA... 5 4.1. Âmbito da

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SUMÁRIO O que é Código de Ética e Conduta?...04 Condutas esperadas...06 Condutas intoleráveis sujeitas a medidas disciplinares...10 Suas responsabilidades...12 Código de Ética

Leia mais

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A.

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. 16 de dezembro de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional

Leia mais

INDICE POLÍTICA DA QUALIDADE 2 POLÍTICA DE ÉTICA 3 POLÍTICA DE ENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO 4 POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE 5

INDICE POLÍTICA DA QUALIDADE 2 POLÍTICA DE ÉTICA 3 POLÍTICA DE ENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO 4 POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE 5 INDICE POLÍTICA DA QUALIDADE 2 POLÍTICA DE ÉTICA 3 POLÍTICA DE ENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO 4 POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE 5 POLÍTICA DE PREVENÇÃO DE ABUSO FÍSICO, MENTAL E FINANCEIRO 6 POLÍTICA DE RECRUTAMENTO

Leia mais

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010)

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) Ficha de Registo Avaliação do Desempenho Docente do Ensino Básico e

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA LIPOR

CÓDIGO DE ÉTICA LIPOR CÓDIGO DE ÉTICA LIPOR JUNHO DE 2008 Código de Ética da LIPOR 1 CÓDIGO DE ÉTICA DA LIPOR ÍNDICE: A - INTRODUÇÃO 1. Organização de Serviço Público * Organização * Missão * Visão * Valores 2. Razão justificativa

Leia mais

Código de Ética. Neste sentido, por colaboradores deve entender-se todos os membros dos órgãos sociais, dirigentes e colaboradores do Grupo EDP.

Código de Ética. Neste sentido, por colaboradores deve entender-se todos os membros dos órgãos sociais, dirigentes e colaboradores do Grupo EDP. Código de Ética Âmbito de aplicação O Código de Ética agora publicado aplica-se a todos os colaboradores do Grupo EDP Energias de Portugal, adiante também referenciado como EDP, incluindo a Fundação EDP

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DEZEMBRO, 2016 GRUPO DE CAPOEIRA CAMBOATÁ PALAVRA DO MESTRE TUCANO FUNDADOR DO GRUPO CAMBOATÁ "O CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO GRUPO CAMBOATÁ é um documento que reúne os princípios

Leia mais

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Missão... 3 3. Principais objetivos... 3 4. Legalidade... 4 5. Governação... 4 6. Principais regras de conduta... 4 7. Transparência...

Leia mais

Código de Ética ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Código de Ética ÂMBITO DE APLICAÇÃO de Ética OBJECTIVOS DO CÓDIGO DE ÉTICA O presente pretende constituir-se como um quadro de valores que possam sustentar um conjunto de orientações práticas de acção exigível a todos os colaboradores da

Leia mais

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural A EDP Gás Serviço Universal, na observância dos Valores do Grupo EDP, designadamente de Transparência, Rigor, Integridade, Ética, Confiança,

Leia mais

1 Código de Conduta do Fornecedor

1 Código de Conduta do Fornecedor 1 Código de Conduta do Fornecedor 2 Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...03 2. DIRETRIZES...03 2.1. QUANTO À INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS...03 2.2. QUANTO À CORRUPÇÃO... 04 2.3.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

Igualdade de Género, e Não-discriminação.

Igualdade de Género, e Não-discriminação. 2016 Igualdade de Género, e Não-discriminação. INSTITUTO PORTUGUÊS DO SANGUE E DA TRANSPLANTAÇÃO, I.P. Igualdade de Género, e Não-discriminação. O IPST, I.P., está sujeito às normas legais previstas no

Leia mais

É o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto, adequado ou inadequado.

É o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto, adequado ou inadequado. O que é Ética São princípios e Valores. É agir bem. É o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto, adequado ou inadequado. É fazer com os outros o que gostaríamos que fizessem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ

CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ Índice Índice... 3 Apresentação... 4 O que representa um código de ética... 4 Conteúdo de um código de ética... 4 Vantagens e desvantagens... 5 Introdução... 6 Código de Ética

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Página 1 de 6 Introdução O da Rotta Paletes busca o compromisso de alcançar seus objetivos empresariais com visão sempre na responsabilidade social, valorização do seu relacionamento com clientes, fornecedores

Leia mais

Fundação para a Investigação e Inovação Tecnológica Rua Diogo Couto, nº1-1º Dtº Lisboa Telefone /9 Fax

Fundação para a Investigação e Inovação Tecnológica Rua Diogo Couto, nº1-1º Dtº Lisboa Telefone /9 Fax CODIGO DE CONDUTA Fundação FIIT PREÂMBULO A Fundação FIIT é uma pessoa coletiva de direito privado sem fins lucrativos que visam ser uma mais valia para o bem comum e que nessa medida, tem por fins a investigação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. 1ª Versão, aprovada em

CÓDIGO DE CONDUTA. 1ª Versão, aprovada em CÓDIGO DE CONDUTA DA 1ª Versão, aprovada em 25.03.2014 PREÂMBULO A Fundação Pão de Açúcar Auchan é uma instituição particular de solidariedade social e de utilidade pública, constituída em 1993 pelos quadros

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito)

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito) CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta integra o conjunto das

Leia mais

Código de Ética e Conduta dos Colaboradores da Fundação Educacional de Barretos

Código de Ética e Conduta dos Colaboradores da Fundação Educacional de Barretos Código de Ética e Conduta dos Colaboradores da Fundação Educacional de Barretos BARRETOS Agosto/2016 Podemos considerar ética como sendo aquilo que pode ser contado para a esposa, o filho e até publicado

Leia mais

PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DO GRUPO NOVO BANCO GRUPO NOVO BANCO

PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DO GRUPO NOVO BANCO GRUPO NOVO BANCO PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DO GRUPO NOVO BANCO GRUPO NOVO BANCO PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DO GRUPO NOVO BANCO ANTI-CORRUPÇÃO O meio empresarial deve lutar contra

Leia mais

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build Código de Conduta e Ética Empresarial Grupo Visium Build 1 Índice 2 Âmbito 3 Missão e Visão 4 Valores 4 Compromisso com as partes interessadas 5 Cumprimento deste Código 9 2 ÂMBITO Este Código de Conduta

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA NORMAS DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA NORMAS DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E NORMAS E CONDUTA ÍNDICE DA PARTE GERAL 1. Função de Serviço Público 2. Missão e os Compromissos com os Cidadãos/Público 2.1. Compromissos para com

Leia mais

Os Nossos Valores. Transparência; Rigor; Ética;

Os Nossos Valores. Transparência; Rigor; Ética; Introdução O Código de Ética e de Conduta (Código) é o instrumento no qual se inscrevem os valores que pautam a atuação do Município de Bragança, bem como os princípios éticos e as normas de conduta a

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MERCUR

GUIA DE RELACIONAMENTO MERCUR A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se preocupa em conduzir as suas relações de acordo com padrões éticos e comerciais, através do cumprimento da legislação e das referências deste Guia. Seu

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE CAPÍTULO I

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE CAPÍTULO I CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE O Código de Ética e Conduta profissional é um documento que define os modelos de comportamento a observar pelos profissionais do Município de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO FORNECEDOR CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO FORNECEDOR Setembro de 2017. Código de Ética e Conduta do Fornecedor Prezado Fornecedor, Apresentamos o Código de Ética e Conduta do Fornecedor Wald. Ele tem por objetivo orientá-lo

Leia mais

Código de Conduta. Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados

Código de Conduta. Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados Código de Conduta da EDP Comercial Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados Código de Conduta da EDP Comercial Mensagem do Presidente O novo Código de

Leia mais

Código de Conduta e Ética Profissional

Código de Conduta e Ética Profissional Capítulo 1.2.1 Código de Conduta e Ética Profissional Índice 1. Enquadramento Geral Um código de todos e para todos Missão Valores Objectivos 2. Princípios e Regras de Conduta Padrões Gerais Sustentabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Senac-RS

CÓDIGO DE ÉTICA. Senac-RS CÓDIGO DE ÉTICA Senac-RS APRESENTAÇÃO Reconhecida como uma das maiores instituições de ensino profissionalizante do país, o Senac-RS adota uma postura clara e transparente no que diz respeito aos objetivos

Leia mais

CÓDIGO CONDUTA CENTRO SOCIAL DO TOURIGO - IPSS

CÓDIGO CONDUTA CENTRO SOCIAL DO TOURIGO - IPSS CÓDIGO CONDUTA CENTRO SOCIAL DO TOURIGO - IPSS O presente código de conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional a observar por todos os colaboradores Do Centro

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Código de Ética - IIHSCJ INSTITUTO DAS IRMÃS HOSPITALEIRAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

CÓDIGO DE ÉTICA. Código de Ética - IIHSCJ INSTITUTO DAS IRMÃS HOSPITALEIRAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS CÓDIGO DE ÉTICA 3 Código de Ética - IIHSCJ INSTITUTO DAS IRMÃS HOSPITALEIRAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus CÓDIGO DE ÉTICA INDICE 1. Pr e â

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta INTRODUÇÃO O Código de Ética e conduta da Damasco Penna é dirigido à todos os colaboradores, estagiários e membros da administração para servir de referência da atuação pessoal

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A.

CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A. CÓDIGO de CONDUTA CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A. 1º - Objeto O presente Código de Conduta estabelece os principais deveres de atuação dos Colaboradores, dos membros dos Órgãos Sociais

Leia mais

Código de Conduta Ética Profissional

Código de Conduta Ética Profissional Código de Conduta Ética Profissional 1. CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DA BRASIL BROKERS A Brasil Brokers é uma empresa de intermediação e consultoria imobiliária que atua em todo território nacional e para nos

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor da Odebrecht Óleo e Gás 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A atuação no mercado nacional e internacional e em diferentes unidades de negócios, regiões

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Versão 1.1. (2013)

CÓDIGO DE CONDUTA Versão 1.1. (2013) CÓDIGO DE CONDUTA Versão 1.1. (2013) Índice Mensagem do Presidente... 3 Capítulo I - Âmbito e Finalidade... 4 Artigo 1º - Natureza... 4 Artigo 2º - Âmbito... 4 Artigo 3º - Finalidade... 4 Capítulo II -

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto

CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do artigo 166.º, n.º 3, e do artigo 112.º, n.º 5,

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

ÍNDICE I PARTE GERAL APRESENTAÇÃO MISSÃO VISÃO VALORES PRINCÍPIOS RESPONSABILIDADE SOCIAL. 3 II PARTE ESPECIAL.

ÍNDICE I PARTE GERAL APRESENTAÇÃO MISSÃO VISÃO VALORES PRINCÍPIOS RESPONSABILIDADE SOCIAL. 3 II PARTE ESPECIAL. CÓDIGO DE ÉTICA ÍNDICE I PARTE GERAL...2 1. APRESENTAÇÃO...2 2. MISSÃO...2 3. VISÃO...2 4. VALORES...2 5. PRINCÍPIOS...3 6. RESPONSABILIDADE SOCIAL...3 II PARTE ESPECIAL...3 1. OBJECTIVOS DO CÓDIGO DE

Leia mais

Código de Ética da CASSI

Código de Ética da CASSI Código de Ética da CASSI APRESENTAÇÃO O Código de Ética da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI) reflete a identidade cultural da Instituição e os compromissos a serem assumidos

Leia mais

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa Código de ética do prestador de da Índice Apresentação... 04 Missão, visão e valores... 04 Bom senso... 06 Abrangência... 06 Definição de Prestador de Serviços... 06 1. Conflito de interesses 1.1. Recursos

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA BANCO DE PORTUGAL

CÓDIGO DE CONDUTA BANCO DE PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO DE PORTUGAL INDÍCE 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 2.1. Igualdade de tratamento e não discriminação 2.2. Diligência, eficiência e responsabilidade 3. RELACIONAMENTO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA CÓDIGO DE CONDUTA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA Capítulo I Das disposições preliminares Art. 1º O Código de Conduta dos Servidores do Instituto Federal de Brasília (IFB) tem por finalidade:

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

CÓDIGO DE ÉTICA E DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CÓDIGO DE ÉTICA E DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 1. OBJETIVO Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento da youdb com clientes, sócios, colaboradores, fornecedores e sociedade (meio-ambiente,

Leia mais

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENQUADRAMENTO A relação entre o indivíduo e o mundo que o rodeia, construída numa dinâmica constante com os espaços físico, social, histórico

Leia mais

Código de Ética e Conduta. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal

Código de Ética e Conduta. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal Código de Ética e Conduta Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal ÍNDICE ÍNDICE 1 PREÂMBULO 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4 Princípio 1 Proteção dos interesses dos associados 4 Princípio

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5 Índice 1. Âmbito de aplicação... 2 2. Princípios Gerais 2.1 Integridade... 2 2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade... 2 2.3 Igualdade de Tratamento e a não discriminação... 3 2.4 Lealdade e cooperação...

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

Plano de prevenção de riscos de gestão, incluindo os de corrupção e infrações conexas da Câmara Municipal de Chaves.

Plano de prevenção de riscos de gestão, incluindo os de corrupção e infrações conexas da Câmara Municipal de Chaves. Plano de prevenção de riscos de gestão, incluindo os de corrupção e infrações conexas da Câmara Municipal de Chaves. Página 1 de 10 ÍNDICE 1. Enquadramento 2. Estrutura do Plano I. Compromisso Ético II.

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 PLANO DE ATIVIDADES 2016 ÍNDICE ENQUADRAMENTO QUEM SOMOS MISSÃO, VISÃO E VALORES SERVIÇOS À COMUNIDADE MISSÃO PRINCIPAL DA COOPERATIVA RESPOSTAS SOCIAIS ESTRATÉGIAS CHAVE QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS CHAVE

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais