04.03 Quality of Service (QoS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "04.03 Quality of Service (QoS)"

Transcrição

1 04.03 Quality of Service (QoS) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1

2 Necessidade de QoS Uma medida colectiva da qualidade de serviço Para uma aplicação Critérios: Disponibilidade Capacidade Tempo de estabelecimento de uma ligação Tempo de transmissões com sucesso Velocidade da detecção e correcção de falhas Medidas: Largura de banda Perdas de pacotes Atraso Variação do atraso RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 2

3 QoS Fim-a-Fim A qualidade de serviço tem de ser de uma ponta à outra Todas as redes pelo caminho têm de suportar QoS SLA Service Level Agreements SLAs entre diferentes operadores Definem o tipo e a qualidade de serviço a ser fornecida Ou as retribuições em caso de falha VoIP e Voz sobre Internet Não são a mesma coisa Podem ser definidos SLAs entre diferentes operadores de VoIP Não existe QoS até todos os operadores definirem políticas de qualidade semelhantes RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 3

4 QoS fora da rede Mais que uma boa qualidade de voz Custos elevados para obter novos clientes Os operadores não querem perder clientes Meios Serviço de qualidade Aprovisionamento rápido Billing correcto Descrições precisas e concisas dos produtos Etc. RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 4

5 Soluções de QoS Reservar o recurso antes de estabelecer a sessão semelhante à comutação de circuitos Categorizar o tráfego em diferentes classes ou prioridades Obter mais largura de banda quando a existente já não chega provavelmente a técnica mais utilizada RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 5

6 Mais largura de banda Simples e dispendioso Mudança sem grandes problemas Sobredimensionamento desnecessário Actualmente a largura de banda tem vindo a custar menos e a aumentar o limite Com o aumento da largura de banda aparece sempre uma nova aplicação que a usa ao máximo RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 6

7 Protocolos e Arquitecturas de QoS RSVP Resource Reservation Protocol RFC 2205 Pertence ao pacote Integrated Services do IETF Permite que os recursos para uma sessão sejam reservados É a solução mais complexa e que mais se assemelha à comutação de circuitos Garantias de QoS Granularidade de atribuição de recursos Feedback para as aplicações e utilizadores Dois níveis de serviço Guaranteed O mais semelhante a emulação de circuitos Controlled Load Equivalente ao best-effort numa rede sem carga RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 7

8 RSVP O emissor envia uma mensagem PATH para o destino Contem uma especificação do tráfego (TSpec) Cada router RSVP pelo meio Estabelece um estado com o hop anterior O receptor da mensagem PATH Responde com uma mensagem RESV Contém um flowspec (um TSpec e o tipo do serviço de reserva) A mensagem RESV vem de volta ao emissor Pelo mesmo caminho O recurso é reservado em cada router (permite o funcionamento de Multicast) PATH RESV RESV PATH RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 8

9 Differentiated Service Define meios para definir prioridades para diferentes tipos de tráfego RFC 2475 Usa o ToS (Type Of Service) no IPv4 Traffic Class no IPv6 Conhecido como DS field Marca um determinado fluxo para lhe ser atribuído um determinado tipo de encaminhamento (Per-hop behavior PHB) Expedited Forwarding (EF) Assured Forwarding (AF) RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 9

10 Diffserv Expedited Forwarding RFC 3246 e revisto no RFC 3247 A um determinado fluxo de tráfego é atribuído um mínimo de débito de saída que deve ser superior ao débito de chegada no mesmo nó Débito de chegada < que o máximo acordado Elimina os atrasos de queuing Garante que o atraso e o jitter são minimizados Equivalente a uma linha alugada virtual RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

11 Diffserv Assured Forwarding RFC 2597 Os pacotes de determinada fonte são encaminhados com uma alta probabilidade desde que não ultrapassem o máximo acordado Define quatro classes Cada classe reserva um conjunto de recursos num router Define três taxas de perdas de pacotes por classe Quando existe congestão numa classe, os pacotes com taxa de perdas mais alta são descartados primeiro RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

12 Label Switching Marcar o tráfego como no DiffServ MPLS Multi Protocol Label Switching Marca o tráfego à entrada na rede Permite determinar a informação sobre o próximo salto Adiciona uma etiqueta ao cabeçalho IP FEC Forwarding Equivalente Class Todos os pacotes de uma FEC são tratados da mesma forma A largura de banda pode ser definida no início de uma sessão Semelhante ao estabelecimento de circuitos virtuais ATM RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

13 Políticas de QoS Níveis de QoS As políticas de QoS definem como são usados os mecanismos (IntServ, DiffServ, MPLS) Pagar mais para ter melhor serviço Funções de autenticação Regras que especificam que circunstâncias levam a um nível de QoS COPS Common Open Policy Service protocol RFC 2748 Policy Enforcement Point (PEP) Policy Decision Point (PDP) RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

14 RSVP Resource Reservation Protocol RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

15 Introdução Funções em routers e máquinas Controlo de políticas Controlo de admissão Classificador de pacotes Escalonador de pacotes Controlo de tráfego Controlo de admissão + Classificador de pacotes + Escalonador de pacotes RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

16 Sintaxe RFC 2215 O RSVP é utilizado para implementar serviços identificados por números Service number 2 Guaranteed Service Service number 5 Controlled-Load Service Service number 1 Comum aos serviços Conjunto de parâmetros Formato TLV (Type-Lenght-Value) RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

17 Estabelecimento de Reserva Reserva recursos do receptor até ao emissor Pensado no multicast Reserva recursos apenas num sentido Mensagem PATH TSpec Mensagem RESV Flowspec As respostas de RSVP podem ser alteradas de forma a garantir o QoS a todos os destinos flowspec merge RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

18 TSpec Também é incluído nas mensagens RESV Especifica um token bucket Bucket size, b Token rate, r O pacote só é transmitido se o número de tokens no balde for maior ou igual que o pacote Peak Rate, p p > r Tamanho máximo do pacote, M Unidade mínima de policiamento, m Todos os pacotes abaixo de m bytes são sempre considerados como sendo m O overhead a processar cada pacote Limita o overhead da camada data-link Número de parâmetro 127 RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

19 Flowspec Indicação do serviço requisitado (GS ou CL) Para o serviço Controlled-load service Contém um TSpec Para o Guaranteed service Um TSpec Rate Term (R) a largura de banda necessária R >= r, a largura de banda extra diminui os atrasos do queuing Slack Term (S) Número de micro segundos que indicam a diferença entre o atraso desejado e o atraso que pode ser conseguido se o débito R for utilizado Usado para reduzir os recursos reservados RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

20 Filter Spec Uma sessão RSVP Endereço de destino e identificador protocolo Número do porto (opcional) Não existe informação sobre o emissor Surgem problemas a identificar o fluxo de dados para determinada reserva Define o fluxo a que uma determinada QoS deve ser aplicada Endereço IP do emissor e o número do porto do emissor (opcional) Para uma conferência inclui os diferentes requisitos de QoS de cada fluxo Os routers pelo caminho devem examinar o cabeçalho Os pacotes IP no fluxo não devem ser fragmentados Usar o Path MTU Discovery Mecanismos de segurança podem cifrar o cabeçalho O RSVP terá de suportar isso É incluido nas mensagens PATH ou RESV Também conhecido como sender template (nas mensagens PATH) RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

21 ADSpec PATH (TSpec) RESV (flowspec) Serve para o receptor ser informado das características da rede Ele não pode pedir o que a rede não suporta O emissor e os routers Indicam as suas capacidades de QoS O emissor constrói o ADSpec inicial Cada router actualiza o ADSpec Pode indicar que um ou mais routers não suportam RSVP Indica o número de saltos entre nós que suportam RSVP O MTU e largura de banda do caminho A latência mínima do caminho Latência quando não existe atraso no queuing RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

22 Mensagens RSVP Path (1) Resv (2) PathErr (3) ResvErr (4) PathTear (5) ResvTear (6) ResvConf (7) Cabeçalho Comum Cada mensagem contêm um número de objectos Tspec, flowspec, etc. O cabeçalho Send_TTL tem significado igual ao TTL do IP mas é decrementado por cada router RSVP Byte 0 Byte 1 Byte 2 Byte 3 Length Conteúdo do Objecto... Class-num Formato dos objectos C-type RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

23 Mensagens RSVP - Classes SESSION Class Class-num = 1 C-Type = 1, IPv4; 2, IPv6 Endereço IP de destino, ID do protocolo e o porto de destino (opcional) FLOWSPEC Class Class-num = 9 C-Type = 2 SENDER_TEMPLATE Class Class-num = 11 C-type= 1, IPv4; 2, IPv6 Ex.: um filterspec numa mensagem PATH RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

24 Mensagens RSVP - Classes RSVP_HOP Class O endereço IP da interface pela qual o último nó com capacidades de RSVP mandou a mensagem Usado nas mensagem PATH e gravados em cada nó Garante que a mensagem RESV usa o mesmo caminho no retorno Class-num = 3 C-type= 1, IPv4; 2, IPv6 TIME_VALUES Class Um timeout em milissegundos para a mensagem Class-num = 5 RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

25 Mensagens RSVP - Classes ERROR_SPEC Class Nas mensagens de erro do RSVP O endereço IP do nó onde o erro foi detectado Um código de erro e informação adicional Class-num= 6 C-type= 1, IPv4; 2, IPv6 STYLE Class Selecciona diferentes estilos de reserva Múltiplos recipientes e/ou múltiplos emissores Fixed-filter style: um receptor identifica unicamente um emissor Wildcard-filter: para todos os fluxos de todos os emissores Shared-filter: lista emissores específicos Class-num = 8; C-type = 1 RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

26 RSVP Exemplo RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

27 Erros na reserva A reserva de um recurso falha Uma mensagem de erro é retornada As mensagens PathErr são enviadas para o emissor As mensagens ResvErr são enviadas para o receptor Ao qual a reserva falhou RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

28 Guaranteed Service RFC 2212 Dois elementos Sem perdas de pacotes Uma função da profundidade do token bucket (b) e do token rate (r) Garantir o atraso mínimo Atraso fixo no processamento Atraso de queuing RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

29 Controlled-Load Service Aproximação ao QoS que uma aplicação iria receber se os dados fossem transmitidos numa rede com pouca carga Percentagem elevada de pacotes entregues Não excede o atraso mínimo Não identifica características específicas dos elementos da rede que devem ser minimizadas Oferecer a largura de banda e espaço em buffers necessário para suportar o TSpec Um flowspec para o serviço CL é apenas um TSpec RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

30 Remoção de Reservas Explicitamente por um emissor ou receptor PathTear Em direcção aos recipientes Apaga todos os path states e reservation states ResvTear Mesmo que o PathTear mas agora no sentido dos emissores Apaga apenas os estados referentes ao receptor Por timeout As reservas têm de ser renovadas em intervalos regulares As mensagens contêm um período de renovação no objecto TIME_VALUES RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

31 DiffServ RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

32 Introdução RSVP O mecanismo mais completo de QoS Semelhante à comutação de circuitos Os routers com RSVP mantêm estado Overhead significante e dificuldade em escalar QoS e largura de banda Aumentar a QoS é aumentar a largura de banda RSVP reserva recursos O DiffServ oferece a uma aplicação melhor QoS em troca de diminuir a QoS oferecida a outra aplicação RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

33 Arquitectura O IPv4 tem um campo TOS (Type of Service) e o IPv6 tem o Traffic Class O DiffServ renomeia estes campos para DS field Os seis bits menos significantes DSCP ECN Os pacotes são tratados de acordo com o DSCP (DS Codepoint) Per-hop-behaviour RFC 2475, revisto no RFC 3260 RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

34 Funcionamento Os pacotes de um fluxo São marcados com um valor DSCP Os routers fornecem o PHB O perímetro da rede garante que Apenas os pacotes qualificados são marcados Medições para medir o débito dos pacotes Que o tráfego está de acordo com um determinado perfil Traffic Shapping e descarte Estas funções são chamadas de traffic conditioning RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

35 Necessidade de SLAs Uma determinada rede e origem de pacotes têm de acordar em Classificação de pacotes Acondicionamento de tráfego As funções podem ser implementadas Na origem Num edge router SLAs entre operadores e clientes Uma definição do perfil de tráfego Uma especificação token bucket A classificação e regras de marcação Baseada em combinações do endereço de origem, endereço de destino, porto de destino, ID do protocolo, atraso Comportamentos para cada valor de DSCP Especifica também o comportamento para tráfego fora do perfil SLAs entre diferentes operadores Um conjunto comum de politicas e defenição de PHBs RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

36 Per-Hop Behaviour O tratamento que um router DS aplica a um pacote com um determinado valor de DSCP Um agregado O conjunto de fluxos de um nó para o próximo que partilham o mesmo DSCP codepoint A configuração PHB é aplicada ao agregado Dois PHBs são especificados Expedited Forwarding Assured Forwarding RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

37 Expedited Forwarding Um serviço com baixas perdas de pacotes, baixo atraso e baixo jitter Através do minimizar do atraso de queuing em cada nó O débito de envio de pacotes é um mínimo conhecido O débito da recepção é sempre inferior As funções de traffic-conditioning no perímetro da rede são importantes O valor do DSCP é RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

38 Expedited Forwarding Implementações Implementado através de diferentes prioridades para as filas de espera Pode tornar a performance do tráfego não-ef inaceitável É necessária uma implementação que não afecte demasiado o outro tráfego Token bucket Escalonador Weighted Round Robin A implementação pode influenciar o jitter RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

39 Assured Forwarding RFC 2597 Pacotes de alta prioridade são encaminhados com maior fiabilidade O tráfego que entra numa determinada rede DiffServ deve estar de acordo com um determinado perfil São atribuídos recursos a determinado agregado de tráfego Diferentes níveis de garantias de encaminhamento Os pacotes são marcados com diferentes classes AF Dentro de cada classe os pacotes são marcados com diferentes prioridades de descarte Se os recursos atribuídos a uma determinada classe ficam congestionados o router descarta os pacotes com maior prioridade de descarte RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

40 Assured Forwarding Classes Quatro classes e três níveis de precedência de descarte Prioridade de descarte Classe 1 Classe 2 Classe 3 Classe 4 Baixa Média Alta RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

41 Assured Forwarding Implementação Tem de detectar e responder a uma congestão continuada na rede através do descarte de pacotes Tem de responder a congestões curtas através do queuing Uma função Monitorizar as congestões curtas Deitar pacotes fora se necessário Tem de tratar analogamente todos os pacotes de determinada classe e nível de precedência Todos os fluxos devem ter a mesma taxa de descarte Não pode reordenar pacotes AF dentro da mesma classe AF independentemente da sua precedência RSCM/ISEL-DEETC-SRC/

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

Serviços Diferenciados

Serviços Diferenciados Qualidade de Serviço I Serviços Diferenciados rffelix70@yahoo.com.br Níveis de QoS Reserva de Recursos Fim-a-Fim Protocolo de Sinalização. Priorização de Recursos de Acordo com SLAs préestabelecidos. O

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento da rede Memorização de pacotes Suavização do tráfego (Traffic shaping) O algoritmo Leaky

Leia mais

Qualidade de Serviço em redes IP

Qualidade de Serviço em redes IP Qualidade de Serviço em redes IP FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Modelos de QoS em Redes IP» Historicamente as redes IP têm baseado o seu funcionamento num modelo de serviços best effort, caracterizado

Leia mais

Além do melhor esforço

Além do melhor esforço Além do melhor esforço Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 25 de agosto de 2011 1 / 42 Sumário 1 Além do melhor esforço

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes IP

Qualidade de Serviço em Redes IP Qualidade de Serviço em Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Modelos de QoS em redes IP O princípio básico de funcionamento das redes IP assenta na adopção do modelo de serviços

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 09 -Controlo da congesto e QoS p.4. Problema da congestão. Congestão e controlo de fluxo

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 09 -Controlo da congesto e QoS p.4. Problema da congestão. Congestão e controlo de fluxo Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 09 - O problema da congestão. Algoritmos e técnicas de controlo da congestão. Qualidade de serviço. Controlo da congestão e QoS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Infra-estrutura de Telecomunicações Comunicação Multicast Infra-estrutura de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Profa. Débora

Leia mais

Universidade de Aveiro

Universidade de Aveiro Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica e Telecomunicações Arquitectura de Qualidade de Serviço para Suporte de Serviços e Aplicações Multimédia Projecto Realizado por: Nuno Rafael Gomes da

Leia mais

AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento

AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento Qualidade de Serviço Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento apropriado de diversas aplicações, como

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Qualidade de Serviços em Redes IP

Qualidade de Serviços em Redes IP Qualidade de Serviços em Redes IP Nesse módulo, veremos como a qualidade de serviço (QoS) pode ser implementada em redes IP. A implementação do QoS envolve dois aspectos: mecanismos de controle de tráfego

Leia mais

Universidade Santa Cecília - UNISANTA. Voz Sobre IP. Aspectos de Qualidade. Qualidade de Serviço

Universidade Santa Cecília - UNISANTA. Voz Sobre IP. Aspectos de Qualidade. Qualidade de Serviço Universidade Santa Cecília - UNISANTA Voz Sobre IP Aspectos de Qualidade Prof. Hugo Santana 2004 Qualidade de Serviço 1. Introdução: conceitos e definições. 2. Mecanismos utilizados: Classificação e priorização

Leia mais

QoS for voice applications

QoS for voice applications QoS for voice applications MUM Brazil 2011 Currículo Antonio Nivaldo F. Leite Junior Graduação em Ciências da Computação; Graduação em Comunicação Social c/ ênfase em Pub. e Propaganda; Pós-graduação em

Leia mais

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza Aplicando políticas de QoS MUM Brasil São Paulo Outubro/2008 Sérgio Souza Nome: País: Sergio Souza Brasil Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários anos em implementação,

Leia mais

THIAGO MEREGE PEREIRA GERENCIAMENTO DE POLÍTICAS DE QUALIDADE DE SERVIÇO COM SUPORTE À MOBILIDADE

THIAGO MEREGE PEREIRA GERENCIAMENTO DE POLÍTICAS DE QUALIDADE DE SERVIÇO COM SUPORTE À MOBILIDADE THIAGO MEREGE PEREIRA GERENCIAMENTO DE POLÍTICAS DE QUALIDADE DE SERVIÇO COM SUPORTE À MOBILIDADE Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Informática da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Materiais utilizados. Qualidade de Serviço na Internet. O que acontece sem QoS? Problemas: Qualidade de Serviço: o que é? Sumário

Materiais utilizados. Qualidade de Serviço na Internet. O que acontece sem QoS? Problemas: Qualidade de Serviço: o que é? Sumário Qualidade de Serviço na Internet Sistemas Telemáticos LESI Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Materiais utilizados Apresentação de Jim Kurose, Department of Computer Science,

Leia mais

Weighted Fair Queuing. Comparação dos métodos de filas

Weighted Fair Queuing. Comparação dos métodos de filas Weighted Fair Queuing Comparação dos métodos de filas Esquema de seleção de filas Controle de congestionamento RED: Random Early Detection É um mecanismo de prevenção e inibição de congestionamento, atuando

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Slide 1 de 99 Índice Motivação Qualidade de Serviço em redes Qualidade de Serviço na Internet Abordagens para QoS na Internet A Internet2, RNP2 e QoS Projeto

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há um estabelecimento de um caminho dedicado Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há reserva de recursos Não guarda informação de estado Informações a serem enviadas são quebradas em

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Serviços Diferenciados em Sistemas Operacionais Linux

Serviços Diferenciados em Sistemas Operacionais Linux Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Programa de Pós Graduação em Ciências da Computação PPGCC Disciplina: Sistemas Operaciaonais Aluno: Luiz Henrique Vicente Serviços Diferenciados em Sistemas

Leia mais

CONTROLE DE ADMISSÃO DE RSVP UTILIZANDO XACML

CONTROLE DE ADMISSÃO DE RSVP UTILIZANDO XACML EMIR TOKTAR CONTROLE DE ADMISSÃO DE RSVP UTILIZANDO XACML Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Informática Aplicada da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, como requisito parcial

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Gestão de tráfego Novembro de 2014 1 Tratamento diferenciado do tráfego de rede As ligações de rede são recursos de capacidade limitada, partilhadas por um grande número

Leia mais

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching.

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. MPLS Multi-Protocol LABEL Switching Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. O MPLS é, atualmente, uma das tecnologias

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores - Resource reservation Protocol Redes de Computadores 2 Reserva de recursos - razões Serviço best-effort não garante entrega dos dados não garante ordenação dos dados não garante

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Estudo de QoS IP sobre redes ATM

Estudo de QoS IP sobre redes ATM Estudo de QoS IP sobre redes ATM Projeto REMAV-Salvador Universidade Federal da Bahia Av. Adhemar de Barros, s/n, 40170-110 Salvador-BA Gustavo Bittencourt Figueiredo 1 guto@ufba.br Daniel Macêdo Batista

Leia mais

Fig. 1: Relatório de lucratividade de setembro de 1998 a setembro de 1999 ( )

Fig. 1: Relatório de lucratividade de setembro de 1998 a setembro de 1999 ( ) 1, This article presents a purpose of QoS for IP networks. It shows how Internet Service Providers can guaranty QoS, according with the type of flow being controlled. We have described how a high speed

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 REDES DE COMPUTADORES I 007/008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1 Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 Pergunta: 1 1. Que tipo de Elemento de Rede é um Cliente? 1 Sistema Terminal ou Host Servidor 3 Encaminhador

Leia mais

Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local

Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local César Augusto de Oliveira Soares 1 Rosivelt Alves do Carmo 1 Orientadores: Prof. DSc. Joaquim Celestino Júnior 2 Profa. MSc. Ana Luiza Bessa de

Leia mais

ANDRÉ GUSTAVO BELLER. UMA ARQUITETURA PARA GERENCIAMENTO DE QoS BASEADO EM POLÍTICAS

ANDRÉ GUSTAVO BELLER. UMA ARQUITETURA PARA GERENCIAMENTO DE QoS BASEADO EM POLÍTICAS ANDRÉ GUSTAVO BELLER UMA ARQUITETURA PARA GERENCIAMENTO DE QoS BASEADO EM POLÍTICAS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Informática Aplicada da Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

8. MODELOS DE REDES IP

8. MODELOS DE REDES IP 8. MODELOS DE REDES IP Consideram-se dois modelos para redes IP com QoS: Serviços Integrados (Integrated Services) e Serviços Diferenciados (Differentiated Services). IntServ: DiffServ: dá garantias de

Leia mais

Pedro Alexandre Sousa Gonçalves. Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP. Universidade de Aveiro 2004

Pedro Alexandre Sousa Gonçalves. Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP. Universidade de Aveiro 2004 Universidade de Aveiro 2004 Departamento de Electrónica e Telecomunicações Pedro Alexandre Sousa Gonçalves Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP Universidade de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Marco Antônio da Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Marco Antônio da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Marco Antônio da Silva Um SLA para VoIP e seu mapeamento em uma rede DiffServ/MPLS Dissertação submetida à Universidade

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados. Instituto Superior Técnico Novembro de 2004

Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados. Instituto Superior Técnico Novembro de 2004 Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados Mário Serafim Nunes Mário Serafim Nunes Instituto Superior Técnico Novembro de 2004 QdS em serviços de Vídeo 1 Conceitos teóricos QdS em Vídeo Streaming

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

PROPOSTA DE MÉTODO DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO COM PROTEÇÃO DE CAMINHOS PARA REDES MPLS

PROPOSTA DE MÉTODO DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO COM PROTEÇÃO DE CAMINHOS PARA REDES MPLS i PAULO ROBERTO DA CUNHA ESTANTE PROPOSTA DE MÉTODO DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO COM PROTEÇÃO DE CAMINHOS PARA REDES MPLS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Informática Aplicada da Pontifícia

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Estudo da Escalabilidade da Implementação do Modelo IntServ em Linux. Resumo. Palavras-chave. Elisabete Reis 1, 2 Edmundo Monteiro 2

Estudo da Escalabilidade da Implementação do Modelo IntServ em Linux. Resumo. Palavras-chave. Elisabete Reis 1, 2 Edmundo Monteiro 2 Estudo da Escalabilidade da Implementação do Modelo IntServ em Linux Elisabete Reis 1, 2 Edmundo Monteiro 2 elreis@dei.uc.pt edmundo@dei.uc.pt 1 Instituto Superior de Contabilidade e Administração Instituto

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos para se prover QoS Dejitter buffer Classificação do tráfego Priorização do tráfego Controle de congestionamento Policiamento

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4

Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4 Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4 Johann M. H. Magalhães e Paulo R. Guardieiro Faculdade de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Uberlândia 38.400-902

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Equipamento de rede Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Eq. Rede Conceitos (I) Delay tempo que demora um bit desde que parte de uma máquina até chegar a outra. Acesso tempo para

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 3 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada de Rede Forma de ligação Endereçamento de máquinas Controle de rotas Controle de tráfego Forma de ligação Circuito Virtual

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Interligação IntServ DiffServ: Mapeamento do Serviço CL no PHB AF

Interligação IntServ DiffServ: Mapeamento do Serviço CL no PHB AF Interligação IntServ DiffServ: Mapeamento do Serviço CL no PHB F ntónio Pereira 1,2 Edmundo Monteiro 2 apereira@estg.iplei.pt edmundo@dei.uc.pt 1 Departamento de Engenharia Informática Escola Superior

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Telecomunicações e Redes de Computadores. 3 Nível de Rede. Prof. Paulo Lobato Correia. IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações

Telecomunicações e Redes de Computadores. 3 Nível de Rede. Prof. Paulo Lobato Correia. IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações Telecomunicações e Redes de Computadores 3 Nível de Rede Prof. Paulo Lobato Correia IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações Objectivos Enquadramento Endereçamento ao nível de rede Encaminhamento

Leia mais

Implantação de QoS no fone@rnp

Implantação de QoS no fone@rnp III Workshop VoIP Marcel R. Faria & Fábio Okamura Maio 2008 Agenda Introdução Backbone RNP rede Ipê QoS na rede Ipê - Serviço Premium Aplicação no fone@rnp Introdução A fim de atender a crescente demanda

Leia mais

VoIP com QoS (Linux e Cisco)

VoIP com QoS (Linux e Cisco) VoIP com QoS (Linux e Cisco) Sistemas Telemáticos, 2005 costa@di.uminho.pt, macedo@di.uminho.pt Sumário l Caso de estudo: VoIP Telefone VoIP com sinalização SIP l Definição de uma política de QoS adequada

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Avaliação de mecanismos de gestão de recursos no mapeamento entre os modelos IntServ e DiffServ

Avaliação de mecanismos de gestão de recursos no mapeamento entre os modelos IntServ e DiffServ Avaliação de mecanismos de gestão de recursos no mapeamento entre os modelos IntServ e DiffServ António Pereira 1,2 Edmundo Monteiro 2 apereira@estg.ipleiria.pt edmundo@dei.uc.pt 1 Departamento de Engenharia

Leia mais

Qualidade de Serviço (QoS) em Redes IP Princípios Básicos, Parâmetros e Mecanismos

Qualidade de Serviço (QoS) em Redes IP Princípios Básicos, Parâmetros e Mecanismos Qualidade de Serviço (QoS) em Redes IP Princípios Básicos, Parâmetros e Mecanismos Fonte : Prof. Dr Joberto Martins www.itelcon.com.br Por: Prof Hugo Santana Universidade Santa Cecília - Unisanta 1 1.

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados

QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados Antônio Jorge G. Abelém 1, Michael A. Stanton Noemi Rodriguez - Depto. de Informática DI - Instituto de Computação

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações Unidade IV Controle de Congestionamento TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações 204 Tópicos Introdução QoS QoS e Controle de Congestionamento Formatação de Tráfego Gerenciamento de Buffer Descarte

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

Engenharia de Tráfego em uma Rede de Serviços Diferenciados

Engenharia de Tráfego em uma Rede de Serviços Diferenciados Engenharia de Tráfego em uma Rede de Serviços Diferenciados Carlos Alberto Kamienski 1 cak@cin.ufpe.br Djamel Sadok jamel@cin.ufpe.br Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Recife, Brasil

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais