Qualidade de Serviço em redes IP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de Serviço em redes IP"

Transcrição

1 Qualidade de Serviço em redes IP FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Modelos de QoS em Redes IP» Historicamente as redes IP têm baseado o seu funcionamento num modelo de serviços best effort, caracterizado por não oferecer quaisquer garantias quanto à entrega ou ao atraso na entrega de pacotes» Com o objectivo de suportar na mesma infra-estrutura IP aplicações de dados elásticas e aplicações com requisitos de tempo real tornou-se necessário criar extensões ao modelo tradicional best effort, que incluam o suporte de diferentes níveis (garantias) de QoS e a capacidade de gerir a atribuição de recursos por fluxos ou classes de tráfego» Estão actualmente definidos dois modelos de QoS IP O modelo de Serviços Integrados (Integrated Services IntServ), orientado para a provisão de QoS por fluxo (aplicações individuais) e que normalmente é associado ao protocolo RSVP (Resource ReSerVation Protocol) O modelo de Serviços Diferenciados (Differentiated Services DiffServ), orientado para a provisão de QoS a classes de serviço ou fluxos de tráfego agregados

2 Modelo de Serviços Integrados Serviços Integrados na Internet O IETF propôs inicialmente um modelo dito de Serviços Integrados Integrated Services (IntServ) descrito em vários documentos, de que se salientam» RFC 1633 Integrated Services in the Internet Architecture: an Overview» RFC 2205 Resource Reservation Protocol Version 1 Functional Specification» RFC 2210 The Use of RSVP with IETF Integrated Services» RFC 2211 Specification of the Controlled-Load Network Element Service» RFC 2212 Specification of Guaranteed Quality of Service» RFC 2215 General Characterization Parameters for Integrated Services Network Elements» RFC 2998 A Framework for Integrated Services Operation over DiffServ Networks

3 Serviços Integrados Princípios» O modelo IntServ é orientado para o suporte de QoS extremo-a-extremo a fluxos individuais de pacotes (flows) e baseia-se no pressuposto de que, para atingir este objectivo, é necessário que os routers no percurso de dados tenham capacidade de reservar recursos Um fluxo é uma sequência de pacotes relacionados e que recebem idêntico tratamento em cada nó, sendo normalmente identificado pelo conjunto de endereços IP (origem e destino), portas (origem e destino) e tipo de protocolo» O modelo IntServ necessita de um protocolo de sinalização para reserva de recursos e requer que os routers mantenham informação de estado por fluxo O protocolo RSVP foi escolhido para o efeito, mas IntServ e RSVP são separáveis» No modelo IntServ são propostas duas classes de serviço, para além do serviço best effort Guaranteed Service para aplicações que requerem que o atraso dos pacotes não exceda um valor pré-definido, que deve ser garantido Controlled-Load Service para aplicações que são tolerantes e se adaptam a perdas ocasionais de pacotes (incluindo as resultantes de atrasos superiores a um valor limite aceitável) Serviços Integrados Funções» O modelo IntServ requer um conjunto de funções necessárias para suportar QoS, controlar o congestionamento e partilhar largura de banda por várias classes de tráfego» As funções directamente relacionadas com a transferência (forwarding) de pacotes incluem a Classificação e o Escalonamento dos pacotes, de acordo com a classe e o fluxo a que pertencem; associada a estas funções deve existir uma política de Descarte, em caso de congestionamento, e um mecanismo de Policiamento que permita verificar a conformidade dos fluxos» As funções de controlo de tráfego incluem ainda o Controlo de Admissão de fluxos, que para além da disponibilidade de recursos e das garantias de QoS a providenciar, deve ter em conta políticas administrativas no que se refere à reserva de recursos (Policy Control)» São ainda necessárias várias funções de suporte (e protocolos associados), nomeadamente Encaminhamento (com capacidade multicast), Reserva de Recursos e Gestão» Estas funções estão organizadas em componentes que constituem a base da arquitectura de routers IntServ

4 Componentes de um Router IS Routing Agent Reservation Setup Agent Management Agent Admission Control Routing Database Traffic Control Database Packets Packet Classifier & Forwarding Packet Scheduler RSVP Resource ReSerVation Protocol» O RSVP foi proposto em 1993 e adoptado como protocolo de reserva de recursos na arquitectura de Serviços Integrados (RFC 2205) É também usado na arquitectura DiffServ, na negociação de contratos entre clientes e fornecedores de serviços (SLA Service Level Agreement) É usado, com extensões, na arquitectura MPLS para distribuição de etiquetas (labels) associadas a LSPs e para estabelecer rotas explícitas sujeitas a restrições» O RSVP é um protocolo de sinalização usado por emissores, receptores e routers para reservar recursos na rede e para manter a informação de estado associada» O RSVP permite a reserva de recursos em cada nó da rede mas não realiza funções de Encaminhamento, Controlo de Admissão ou Escalonamento de Pacotes, implementados por outros componentes da arquitectura Os pedidos de reserva de recursos têm de ser validados face aos recursos disponíveis (Controlo de Admissão) e permissões de carácter administrativo (Policy Control)

5 RSVP Principais características» É um protocolo de sinalização Não é um protocolo de encaminhamento, mas interactua com protocolos de encaminhamento Pode necessitar de um protocolo de encaminhamento que descubra rotas sujeitas a restrições de QoS» Foi concebido para aplicações multicast, sendo unicast um caso particular» A reserva de recursos é da iniciativa dos receptores (receiver initiated)» A reserva é realizada por fluxo (isto é, a rede não agrega os fluxos que lhe são submetidos para efeito de reserva e atribuição de recursos no seu interior) e tem um carácter temporário» A sinalização (reserva de recursos) é feita para fluxos unidireccionais (simplex)» Transporta parâmetros relativos a QoS e políticas (FlowSpec, FilterSpec) Não impõe qualquer tipo de política administrativa ou de controlo de admissão Permite configurar os classificadores de pacotes, mas não realiza escalonamento Modelo de reserva de recursos Análise» A reserva de recursos é da iniciativa do(s) receptor(es) Esta opção foi determinada pela necessidade de suportar aplicações multicast e receptores heterogéneos, que podem ter capacidades e portanto requisitos diferentes Nestas condições, a reserva de recursos iniciada pelo(s) receptor(es) é mais facilmente escalável do que reservas iniciadas pelo emissor» A reserva é unidireccional e por fluxo Requer que cada router no percurso de dados mantenha informação do estado das reservas por fluxo» O modelo de reserva é do tipo soft state As reservas são mantidas temporariamente, sendo eliminadas se não forem refrescadas (actualizadas) regularmente pelos receptores (por exemplo, a intervalos de 30 s) Este modelo (soft state) é mais robusto do que o modelo usado em ATM, que é do tipo hard state, uma vez que não é necessário remover explicitamente as reservas» A sinalização é realizada em dois passos

6 Reserva de recursos Descrição» Os emissores enviam periodicamente mensagens PATH, com endereços unicast ou multicast As mensagens PATH incluem um TSpec e um Sender Template (que contém o formato dos dados e o endereço e a porta de origem) para fornecer aos receptores informação sobre as características do tráfego e do(s) emissor(es), possibilitando assim reservas compatíveis com a natureza do emissor e os requisitos a satisfazer São usadas para a descoberta de rotas e para instalação nos routers de informação de estado relativa a rotas (o que permite que as mensagens de reserva sejam enviadas pelo mesmo percurso, em sentido inverso)» Os receptores solicitam a reserva de recursos em mensagens RESV, enviadas pelo percurso inverso do das mensagens PATH As mensagens RESV incluem um Flow Descriptor (FlowSpec e Filter Spec) O FlowSpec é constituído por um TSpec, idêntico ao do emissor, e por um RSpec O FilterSpec (idêntico ao Sender Template) inclui informação para configurar os classificadores de pacotes As reservas sinalizadas por múltiplos receptores de uma mesma sessão pode ser agregada (consolidada) nos routers intermédios até ao emissor RSVP Sinalização em dois passos PATH PATH PATH RESV RESV PATH RESV PATH RESV RESV

7 Exemplo de reserva de recursos Os receptores associam-se previamente a uma sessão multicast (cujo endereço é divulgado) P S R As mensagens PATH propagam-se na árvore multicast mantida pelos routers P R As reservas solicitadas pelos receptores são independentes (podendo ser diferentes, de acordo com as características e os requisitos de cada um) e propagam-se em sentido inverso na árvore Cada router deverá consolidar as reservas recebidas nos ramos, considerando o valor mais elevado para o troço seguinte no percurso até ao emissor P R P P R R R 1 R 2 R 3 R 4 P PATH R RESV P P R R P S Sender R i Receivers R Parâmetros de tráfego e de QoS FlowSpec» O FlowSpec contém informação que caracteriza o tráfego a submeter à rede (TSpec) e o serviço pretendido com QoS associada (RSpec) e é usado para reservar recursos e parameterizar os escalonadores» TSpec inclui os seguintes parâmetros p peak rate r token bucket rate b bucket size M maximum datagram size m minimum policed unit» RSpec é apenas especificado para o serviço Garantido e inclui R service rate (deve ser superior ou igual a r) S delay slack; representa o atraso adicional aceitável, relativamente ao que seria obtido com reserva igual a R; S = 0 significa que deve ser reservada largura de banda igual a R, enquanto S > 0 significa que pode ser reservada uma largura de banda inferior a R que cumpra o atraso tolerado

8 Controlled-Load Service» Aplicações que se adaptam a perdas ou atrasos ocasionais têm um desempenho aceitável mesmo quando usam um serviço best effort, desde que não ocorra congestionamento» O objectivo do Serviço de Carga Controlada é emular o serviço best effort que se obteria numa rede pouco carregada, isto é, o desempenho deve ser praticamente independente da carga, não se deteriorando de forma perceptível com o aumento da carga» Esta caracterização é intencionalmente imprecisa e significa que este serviço não oferece garantias quantitativas firmes, mas apenas que uma percentagem muito elevada de pacotes é entregue com sucesso o atraso sofrido pela maior parte dos pacotes submetidos em conformidade com o contrato (TSpec) não excede de forma significativa o atraso mínimo que se obteria com a rede pouco carregada» O emissor especifica um TSpec (não é necessário indicar o peak rate), não sendo especificado um RSpec; a rede limita a quantidade máxima de tráfego deste tipo (Controlo de Admissão) e escalona-o numa classe separada» A rede verifica a conformidade do tráfego caracterizado pelo TSpec; tráfego não conforme é enviado como best effort Guaranteed Service» O Serviço Garantido oferece garantias estritas para aplicações com requisitos de tempo real: Largura de banda garantida Atraso extremo-a-extremo majorado (e controlado passo a passo); não é especificado pelo utilizador, mas pelo serviço no momento em que é invocado Ausência de perdas de pacotes conformes nas filas de espera dos routers» Os recursos são reservados por fluxo, com base num Flowspec (TSpec e RSpec); se o pedido for aceite, cada router ao longo do percurso reserva uma largura de banda R e um número de buffers B para o fluxo» O limite superior para o atraso extremo-a-extremo é dado por: T max = [(b - M) (p - R)] / [R (p - r)] + (M + C tot ) / R + D tot T max = (M + C tot ) / R + D tot se p > R > r se R > p > r Os valores C tot e D tot representam a soma de termos C e D que devem ser considerados em cada router ao longo do percurso e que dependem, entre outros, do algoritmo de escalonamento, da largura de banda e do atraso de propagação da ligação física com o próximo router e do tamanho máximo dos pacotes do fluxo

9 Análise do modelo» As principais vantagens apontadas ao modelo IntServ, por comparação com o modelo de QoS ATM, são a robustez (soft state) e a escalabilidade do mecanismo de reserva de recursos (iniciada pelos receptores)» As reservas iniciadas pelo(s) receptor(es) têm algumas limitações Requerem instalação e manutenção de informação sobre rotas nos routers As reservas são unidireccionais, o que obriga a duplicar os procedimentos no caso de serviços com tráfego bidireccional, e requrem dois passos» Para além disso, o modelo tem limitações de escalabilidade, que põem em causa a sua viabilidade em redes de grande dimensão, devido ao facto de a reserva de recursos ser temporária e orientada a fluxos individuais É necessário processar um elevado número de mensagens de sinalização e manter em cada router informação de estado por fluxo e realizar o seu refrescamento periódico É necessário Classificar, Policiar e Escalonar pacotes por fluxo e invocar Controlo de Admissão de cada vez que é feito um pedido de reserva de recursos O tráfego de sinalização pode consumir recursos de transmissão significativos» O modelo de Serviços Diferenciados (DiffServ), baseado em princípios diferentes dos adoptados no modelo IntServ, procura ultrapassar algumas destas limitações IntServ e outros modelos» O modelo IntServ (associado ao protocolo RSVP) foi desenvolvido para providenciar garantias de QoS extremo-a-extremo assumindo uma arquitectura homogénea de QoS (modelo single-tier)» A necessidade de suportar QoS através de múltiplas redes independentes, baseadas em diferentes tecnologias e modelos de QoS requer a distinção entre sinalização no mesmo domínio e entre domínios (modelo two-tier) Um exemplo é o suporte de IntServ sobre DiffServ (IntServ over DiffServ )» Mais do que soluções alternativas, os modelos IntServ e DiffServ podem ser vistos como complementares, com âmbitos de aplicação específicos» Foram propostas soluções alternativas ou extensões ao RSVP para ultrapassar algumas das limitações identificadas Protocolos baseados em reservas iniciadas pelo emissor Agregação de reservas (Aggregate RSVP), com aplicação em IntServ over DiffServ» Actualmente está em discussão no IETF um novo modelo de sinalização designado por NSIS (Next Steps in Signaling) adequado para os novos cenários de redes de comunicação de 4ª Geração (4G)

10 Modelo de Serviços Diferenciados Serviços Diferenciados na Internet O modelo de Serviços Diferenciados Differentiated Services (DiffServ) desenvolvido pelo IETF está descrito em vários documentos, de que se salientam» RFC 2475 An Architecture for Differentiated Services» RFC 2474 Definition of the Differentiated Services Field (DS Field) in the IPv4 and IPv6 Headers» RFC 2597 Assured Forwarding PHB Group» RFC 2998 A Framework for Integrated Services Operation over DiffServ Networks» RFC 3086 Definition of Differentiated Services Per Domain Behaviors and Rules for their Specification» RFC 3246 An Expedited Forwarding PHB (substitui RFC 2598)» RFC 3260 New Terminology and Clarification for DiffServ» RFC 3270 Multi-Protocol Label Switching (MPLS) Support of Differentiated Services» RFC 3564 Requirements for Support of Differentiated Services-aware MPLS Traffic Engineering

11 Serviços Diferenciados Objectivos» O modelo DiffServ tem como principal objectivo providenciar QoS diferenciada e de forma escalável, com base nos seguintes princípios Os serviços são oferecidos a fluxos agregados (ou classes) e não por fluxo As funções complexas são remetidas para a periferia da rede (edge), onde é feita a classificação, policiamento e agregação de tráfego Os nós internos (core) são simplificados, uma vez que não é necessário manter informação de estado e executar procedimentos de sinalização por fluxo» Um Serviço define características associadas à transmissão unidireccional de pacotes através da rede, podendo os atributos ser especificados em termos quantitativos por exemplo, valores de débito, atraso, variação do atraso e taxa de perdas, expressos de forma determinística ou probabilística em termos qualitativos por exemplo, valores de atraso ou de taxa de perdas expressos de forma imprecisa (atraso baixo ou moderado, probabilidade de entrega elevada ) em termos relativos, com base em prioridades no acesso a recursos por exemplo, uma classe de tráfego recebe melhor serviço do que outra, do ponto de vista de uma determinada medida de desempenho» A diferenciação permite satisfazer requisitos heterogéneos das aplicações e diferentes expectativas dos utilizadores, e aplicar tarifas por serviço Serviços Diferenciados Princípios Gerais» Num domínio DiffServ, os recursos são atribuídos, em cada nó, a fluxos agregados de tráfego, sem necessidade de qualquer mecanismo de sinalização entre nós para reserva de recursos por fluxo Em DiffServ o termo Behavior Aggregate (BA) é usado para referir um agregado de fluxos que são objecto dum mesmo tratamento (um BA corresponde ao que habitualmente se designa por classe de tráfego) Os nós deverão tratar de forma diferenciada pacotes de diferentes BAs» Cada pacote tem de ser marcado (identificado) de acordo com o BA a que pertence, o que permite que pacotes de um mesmo BA tenham o mesmo tratamento e que portanto evidenciem um comportamento idêntico Em DiffServ apenas são definidos comportamentos esperados (e externamente observáveis), designados por Per-Hop Behaviors (PHB) e não a forma como os nós operam de forma a produzir esses comportamentos (a descrição de um PHB deve ser feita com um elevado nível de abstracção e não deve usar termos referentes ao funcionamento interno do nó) Cada PHB define o comportamento individual de cada nó e não o comportamento extremo-a-extremo (os nós operam de forma independente)

12 Serviços Diferenciados Definições» Os Serviços Diferenciados são suportados com base num campo DS (Differentiated Services) presente no cabeçalho de pacotes IP; o campo DS foi definido de forma a ser compatível com os octetos Type of Service (ToS) em IPv4 e Traffic Class em IPv6 e é constituído por Differentiated services codepoint (DSCP) 6 bits Explicit Congestion Notification (ECN) 2 bits» Codepoint valor específico de DSCP, que deve ser mapeado num PHB» Behavior Aggregate (BA) colecção de pacotes, de um ou múltiplos fluxos de tráfego, com o mesmo codepoint» Per-Hop Behavior (PHB) descrição do comportamento externamente observável de um BA num nó DS a descrição deve ser suficientemente detalhada de modo a permitir à rede fornecer QoS de acordo com o previsto os PHBs devem ser definidos de forma a permitir diferenciar, com granularidade suficiente, diferentes modos de atribuir recursos (buffers e largura de banda) a fluxos de tráfego em competição» Per-Hop Behavior Group conjunto de um ou mais PHBs para os quais só faz sentido a especificação e implementação simultânea, devido a uma restrição comum que se aplica a todos os PHBs do conjunto (e.g., disciplina de serviço) Serviços Diferenciados Arquitectura» A Arquitectura DiffServ é composta por um conjunto de elementos funcionais implementados nos nós da rede, incluindo um conjunto reduzido de comportamentos adoptados nos nós para despacho (forwarding) de pacotes Per-Hop Behaviors (PHB) funções de classificação de pacotes funções de condicionamento de tráfego (traffic conditioning)» A escalabilidade consegue-se através de duas medidas implementação das funções complexas (classificação e condicionamento) nos nós periféricos da rede aplicação de PHBs a fluxos agregados de tráfego previamente marcados usando o campo DS no cabeçalho de pacotes IPv4 ou IPv6

13 Serviços Diferenciados Modelo de Operação» Ao entrar na rede, o tráfego é classificado, eventualmente modificado (alteração de características temporais) e associado a diferentes BAs» Cada BA é identificado por um único DS codepoint» No interior da rede os pacotes recebem um tratamento diferenciado de acordo com o PHB associado ao respectivo DS codepoint (vários DS codepoints podem, no entanto, ser mapeados no mesmo PHB) não é necessário manter na rede informação de estado por fluxo ou por grupo de fluxos de um mesmo cliente» O modelo separa claramente o serviço disponibilizado a um agregado de tráfego as funções de condicionamento e os PHBs usados para fornecer serviços os valores dos codepoints usados na marcação de pacotes para seleccionar um PHB os mecanismos específicos usados em cada nó para suportar um PHB (gestão de buffers e de filas de espera, algoritmos de escalonamento, etc.) Perfil de Tráfego TCA e SLA/SLS» Um perfil de tráfego especifica as propriedades temporais de um fluxo (por exemplo, débito, tamanho máximo dos bursts, etc.) tem associadas regras que permitem determinar se um determinado pacote está ou não em conformidade com o perfil (in-profile ou out-of-profile) um perfil pode indicar que todos os pacotes marcados com um certo DS codepoint devem ser verificados por um token bucket com parâmetros especificados» Traffic Conditioning Agreement (TCA) um acordo que especifica regras de classificação de pacotes e perfis de tráfego correspondentes regras de condicionamento de tráfego a aplicar aos fluxos de tráfego seleccionados pelo classificador (inclui as regras explicitamente indicadas num SLA e regras implícitas derivadas dos requisitos do serviço e/ou das políticas de provisão de serviços no domínio)» Service Level Agreement (SLA) contrato estabelecido entre um cliente e um fornecedor de serviço (na fronteira de um domínio DS) e que especifica o serviço que o cliente deve receber (pode incluir regras explícitas de condicionamento de tráfego, que fazem parte de um TCA) a componente técnica de um SLA designa-se por Service Level Specification (SLS)

14 Modelo de Classificação e Condicionamento Meter Packets Classifier Marker Shaper / Policer (Dropper) Classificação de Pacotes» Classificação de pacotes função que realiza a selecção de pacotes com base no conteúdo do respectivo cabeçalho, de acordo com regras definidas» Os Classificadores de pacotes seleccionam pacotes de um fluxo com base no conteúdo de partes do cabeçalho; são suportados dois tipos de classificadores Behavior Aggregate Classifier classifica pacotes com base apenas no DS codepoint Multi-Field Classifier classifica pacotes com base na combinação de um ou mais campos do cabeçalho (endereços de origem e destino, campo DS, tipo de protocolo, portas de origem e destino, etc.)

15 Condicionamento de Tráfego» Condicionamento de tráfego funções de controlo realizadas com o objectivo de garantir a observação das regras especificadas num TCA, isto é, garantir a conformidade de um fluxo de tráfego com o respectivo perfil; é usado para garantir que são respeitados acordos entre domínios permitir que tráfego receba serviço diferenciado, através da marcação do codepoint apropriado e monitoração e alteração das suas características temporais, se necessário (isto é, pode incluir re-marcação, descarte ou shaping)» Funções de Condicionamento de tráfego Medida (metering) Marcação (marking) Conformação (shaping) Policiamento / descarte (policing / dropping) Funções de Condicionamento de Tráfego» Medida (Metering) processo de medir as propriedades temporais de um fluxo de tráfego seleccionado pelo classificador; o seu estado afecta o funcionamento das restantes funções de condicionamento pacotes conformes (in-profile) podem ser aceites sem alterações ou re-marcados com outro DS codepoint (no caso de terem sido marcados pela primeira vez com um valor de codepoint diferente do recomendado por omissão ou quando no domínio é usado para o fluxo um PHB diferente ou um mapeamento diferente entre codepoints e PHBs) pacotes não conformes (out-of-profile) podem ser atrasados (shaping) até se tornarem conformes, descartados (policing / dropping) ou re-marcados (mapeados em um ou mais BAs inferiores, do ponto de vista de algum indicador de desempenho, ao BA em que são mapeados os pacotes conformes)» Marcação (Marking) processo de atribuição de um valor ao codepoint de um pacote com base em regras definidas; inclui pré-marcação (antes da entrada num domínio DS) e re-marcação (em resultado do próprio processo de condicionamento de tráfego)» Conformação (Shaping) processo de atrasar pacotes num fluxo de forma a torná-lo conforme com o respectivo perfil» Policiamento (Policing) processo de descarte (dropping) de pacotes de acordo com o estado de um elemento de medida (metering) que verifica a conformidade com um perfil de tráfego

16 Per-Hop Behaviors» Um PHB constitui o meio de um nó atribuir recursos a um BA pacotes de um mesmo BA recebem o mesmo tratamento (PHB) um ou mais BAs (codepoints) podem ser mapeados no mesmo PHB» Os PHBs são implementados nos nós por meio de mecanismos de gestão de buffers e de escalonamento de pacotes (disciplinas de serviço) diversos mecanismos podem ser adoptados e combinados, desde que o comportamento observável de cada PHB esteja de acordo com o especificado o comportamento observável de um PHB pode depender das características de tráfego do BA associado ou das de outros BAs» Um PHB pode ser especificado relativamente a outros PHBs, em termos de prioridades no acesso a recursos (buffers e largura de banda) ou da relação entre características de tráfego observáveis e mensuráveis (atrasos e perdas) estes PHBs podem ser usados como blocos básicos para atribuição de recursos e por razões de consistência devem ser especificados como um grupo de PHBs (normalmente estes PHBs partilham uma restrição, por exemplo, uma estratégia de gestão de buffers ou de escalonamento de pacotes) as relações entre PHBs dum grupo podem ser definidas em termos de prioridades absolutas ou relativas (por exemplo, prioridades de descarte baseadas em limiares determinísticos ou probabilísticos), embora tal não seja obrigatório Gestão de Recuros Bandwidth Broker» A gestão de recursos (num domínio e entre domínios DS), configuração de nós, realização de controlo de admissão de fluxos e negociação de SLAs entre domínios pode ser baseada em entidades designadas por Bandwidth Brokers» Um Bandwidth Broker é uma entidade lógica que reside num domínio DiffServ e que tem por objectivo gerir recursos de acordo com políticas (policies) especificadas pelo administrador do domínio» Funções típicas de um Bandwidth Broker Automatizar o processo de negociação de SLAs baseado em políticas configuradas de fornecimento de serviços (service provisioning) Realizar Controlo de Admissão Estabelecer e manter acordos (SLAs) com domínios vizinhos Tradução de SLSs em um ou mais TCAs para uso dos dispositivos periféricos (edge devices) Envio dos TCAs para configuração dos edge devices do domínio Configuração dos equipamentos da rede de forma a suportar os níveis de QoS negociados

17 Bandwidth Broker Assured Forwarding PHB Group» O RFC 2597 define um grupo de PHBs designado por Assured Forwarding PHB Group e constituído por quatro classes e três níveis de precedência para descarte em cada classe, a que correspondem doze DS codepoints, isto é, doze níveis diferentes de garantia de entrega de pacotes este serviço oferece garantias qualitativas e relativas (com base em prioridades) a implementação de quatro classes é recomendada (mas não obrigatória) e nalguns casos poderão bastar dois níveis de precedência de descarte por classe este grupo de PHBs pode ser usado para implementar um serviço que tem sido designado por Olímpico, com três classes (bronze, prata e ouro), enquanto a quarta classe poderá ser usada par suportar um serviço idêntico a best effort» A terminologia usada no RFC 2597 não é consistente com a definição de PHB Group (RFC 2475), uma vez que as quatro classes AF operam de forma independente (não existe qualquer restrição comum às classes, mas apenas entre os níveis de precedência de descarte em cada classe) será mais correcto afirmar que um AF PHB Group é constituído por três PHBs e que cada uma das quatro classes AF é uma instância de um AF PHB Group (AF éum tipo de PHB Group e uma classe AF é uma instância do tipo AF)

18 AF PHB Subscrição e operação» O transporte de tráfego em classes AF está sujeito à subscrição de um débito (perfil) por parte de cada assinante (SLA) e o operador deve providenciar recursos a cada classe de acordo com os valores subscritos e o comportamento (PHB) esperado» Os pacotes IP são atribuídos (pelo cliente ou pelo fornecedor) a uma ou mais classes AF, de acordo com os serviços contratados dentro de cada classe os pacotes são marcados (pelo cliente ou pelo fornecedor) com um nível de precedência de descarte» As classes AF são tratadas de forma independente um nó não agrega tráfego de diferentes classes o nível de precedência de descarte é considerado separadamente em cada classe» Um nó DS não deve reordenar pacotes de um micro-fluxo (uma instância de um fluxo entre aplicações) que pertençam à mesma classe AF, qualquer que seja o seu nível de precedência de descarte» O tráfego AF que entra num domínio AF pode ser controlado nos vários níveis de precedência de descarte as funções de condicionamento incluem shaping, descarte, aumento ou redução do nível de precedência de descarte dos pacotes e atribuição de pacotes a outra classe AF (no entanto, estas acções não devem causar reordenação de pacotes de um micro-fluxo) AF PHB Atribuição de recursos e desempenho» A cada uma das classes é atribuída em cada nó do domínio DS uma certa quantidade mínima de recursos (buffers e largura de banda) a atribuição de recursos às classes AF pode ser feita de modo a que pacotes de diferentes classes encontrem diferentes níveis de carga no nó, de acordo com a importância relativa de cada classe uma classe pode usar mais recursos que o mínimo se existirem recursos não utilizados por outras classes AF ou por outros PHBs» Este serviço caracteriza-se por uma elevada probabilidade de entrega (melhor que best effort), desde que o tráfego não exceda o débito subscrito em situação de congestionamento, tráfego conforme (in-profile) deve receber um serviço idêntico ao esperado numa rede moderadamente carregada, enquanto que o tráfego em excesso terá uma menor probabilidade de entrega» Em cada nó o nível de garantia de despacho de um pacote IP depende de recursos atribuídos à classe a que o pacote pertence tráfego actual na classe nível de precedência (no caso de congestionamento na classe)

19 Expedited Forwarding PHB» O PHB designado por Expedited Forwarding (EF PHB) tem como objectivo a construção de serviços caracterizados por pequena taxa de perda de pacotes, pequena latência e jitter reduzido» O EF PHB define apenas o comportamento de cada nó o comportamento de um conjunto de nós deverá ser especificado no âmbito de um Per-Domain Behavior (RFC 3086)» Este serviço, também designado por Premium, pode ser usado em aplicações que requerem a especificação dum peak bit rate, como videoconferência, voz sobre IP (VoIP), ou emulação de uma linha dedicada SLA estático (longa duração) leased line service SLA dinâmico (curta duração) guaranteed connection» Pacotes marcados para o EF PHB podem ser remarcados na entrada de um domínio DS com outros codepoints que satisfaçam o EF PHB os pacotes EF não podem ser promovidos ou despromovidos para outro PHB apenas os pacotes com codepoints que, ao entrar num domínio DS, correspondam ao EF PHB, podem ser marcados com um codepoint que corresponde ao EF PHB no interior do domínio EF PHB Especificação» Duma forma intuitiva, o tráfego EF deve encontrar filas de espera vazias ou pequenas ao atravessar um nó DS a redução do atraso em filas de espera permite reduzir o atraso e o jitter se as filas de espera se mantiverem pequenas relativamente ao espaço disponível em bufffers, a perda de pacotes é igualmente reduzida» A formação de filas de espera ocorre se o débito de chegada de tráfego (em intervalos de curta duração) exceder o débito de saída torna-se assim necessário, ao especificar o EF PHB, definir com rigor as condições que permitem assegurar que um agregado EF é servido com um determinado débito (service rate) configurado» A especificação inicial do EF PHB (RFC 2598) revelou inconsistências e limitações, referidas na especificação que a substituiu (RFC 3246) e analisadas com detalhe noutro documento (RFC 3247 Supplemental Information for the New Definition of the EF PHB)» Para melhor compreensão do formalismo adoptado no RFC 3246, é vantajoso começar por caracterizar os problemas levantados pelo RFC 2598

20 EF PHB RFC 2598» No RFC 2598 afirma-se que a garantia de que não se formam filas de espera para um agregado de tráfego EF é equivalente a limitar débitos, ou seja, num nó de trânsito o débito máximo de chegada do agregado deve ser inferior ao débito mínimo de saída desse agregado, o que requer configurar os nós de modo que o agregado tenha um débito mínimo de saída bem definido, independente do estado dinâmico do nó, ou seja, da intensidade de outro tráfego (esta parte do serviço deve ser garantida pelo EF PHB) condicionar o agregado (policiamento e shaping) de modo que o débito de chegada a cada nó seja sempre inferior ao débito mínimo de saída configurado (esta parte do serviço é da responsabilidade da função de condicionamento de tráfego na entrada do domínio DS, que deve policiar o tráfego EF de acordo com um débito negociado com cada domínio adjacente a montante, sendo este débito inferior ou igual ao débito EF PHB configurado)» O EF PHB é então descrito pelas seguintes afirmações os pacotes de um agregado são tratados de tal modo que o débito de saída desse agregado deve igualar ou exceder um débito configurável, que deve ser garantido independentemente da intensidade de outro tráfego em trânsito no nó o valor médio do débito de saída deve ser pelo menos igual ao débito configurado, quando a média é calculada em qualquer intervalo de tempo igual ou superior ao tempo que seria necessário para transmitir, com o débito configurado, um pacote de tamanho igual ao MTU» A última afirmação é inconsistente com o significado intuitivo de débito configurado, conforme referido no RFC 3246 e demonstrado no RFC 3247 EF PHB RFC 3246» No RFC 3246 é afirmado que para garantir que os pacotes EF encontram filas pequenas é necessário que o débito de serviço de pacotes EF em qualquer interface de saída exceda o débito de chegada a essa interface em intervalos de tempo longos e curtos, independentemente da carga de outro tráfego (não EF)» O RFC 3246 elimina as inconsistências presentes no RFC 2598 define um PHB que garante que os pacotes recebem serviço com um débito superior ou igual a um valor configurado e fornece um meio de quantificar a precisão com que o débito de serviço é oferecido em qualquer intervalo de tempo (ultrapassando as dificuldades associadas à definição da escala temporal usada no RFC 2598 para calcular débitos) fornece um meio para quantificar o atraso máximo e o jitter que um pacote pode sofrer em condições operacionais sujeitas a limites impostos (por exemplo, tráfego limitado por um token bucket)» A definição intuitiva de EF é simples o débito a que o tráfego EF é servido numa interface de saída deve ser pelo menos igual a um débito configurado R, num intervalo de tempo apropriadamente definido, e independente da carga oferecida na interface por tráfego não EF

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes IP

Qualidade de Serviço em Redes IP Qualidade de Serviço em Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Modelos de QoS em redes IP O princípio básico de funcionamento das redes IP assenta na adopção do modelo de serviços

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

04.03 Quality of Service (QoS)

04.03 Quality of Service (QoS) 04.03 Quality of Service (QoS) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Necessidade de QoS Uma medida colectiva da qualidade de serviço Para uma aplicação Critérios: Disponibilidade

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Além do melhor esforço

Além do melhor esforço Além do melhor esforço Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 25 de agosto de 2011 1 / 42 Sumário 1 Além do melhor esforço

Leia mais

Serviços Diferenciados

Serviços Diferenciados Qualidade de Serviço I Serviços Diferenciados rffelix70@yahoo.com.br Níveis de QoS Reserva de Recursos Fim-a-Fim Protocolo de Sinalização. Priorização de Recursos de Acordo com SLAs préestabelecidos. O

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes de Comutação de Pacotes. Qualidade de Serviço (QoS) conceito

Qualidade de Serviço em Redes de Comutação de Pacotes. Qualidade de Serviço (QoS) conceito Qualidade de Serviço em Redes de Comutação de Pacotes FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Qualidade de Serviço (QoS) conceito Do ponto de vista do utilizador de uma aplicação ou serviço

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 09 -Controlo da congesto e QoS p.4. Problema da congestão. Congestão e controlo de fluxo

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 09 -Controlo da congesto e QoS p.4. Problema da congestão. Congestão e controlo de fluxo Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 09 - O problema da congestão. Algoritmos e técnicas de controlo da congestão. Qualidade de serviço. Controlo da congestão e QoS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt

Leia mais

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Infra-estrutura de Telecomunicações Comunicação Multicast Infra-estrutura de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Profa. Débora

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento da rede Memorização de pacotes Suavização do tráfego (Traffic shaping) O algoritmo Leaky

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Materiais utilizados. Qualidade de Serviço na Internet. O que acontece sem QoS? Problemas: Qualidade de Serviço: o que é? Sumário

Materiais utilizados. Qualidade de Serviço na Internet. O que acontece sem QoS? Problemas: Qualidade de Serviço: o que é? Sumário Qualidade de Serviço na Internet Sistemas Telemáticos LESI Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Materiais utilizados Apresentação de Jim Kurose, Department of Computer Science,

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Slide 1 de 99 Índice Motivação Qualidade de Serviço em redes Qualidade de Serviço na Internet Abordagens para QoS na Internet A Internet2, RNP2 e QoS Projeto

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

Universidade de Aveiro

Universidade de Aveiro Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica e Telecomunicações Arquitectura de Qualidade de Serviço para Suporte de Serviços e Aplicações Multimédia Projecto Realizado por: Nuno Rafael Gomes da

Leia mais

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza Aplicando políticas de QoS MUM Brasil São Paulo Outubro/2008 Sérgio Souza Nome: País: Sergio Souza Brasil Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários anos em implementação,

Leia mais

Engenharia de Tráfego em uma Rede de Serviços Diferenciados

Engenharia de Tráfego em uma Rede de Serviços Diferenciados Engenharia de Tráfego em uma Rede de Serviços Diferenciados Carlos Alberto Kamienski 1 cak@cin.ufpe.br Djamel Sadok jamel@cin.ufpe.br Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Recife, Brasil

Leia mais

Qualidade de Serviços em Redes IP

Qualidade de Serviços em Redes IP Qualidade de Serviços em Redes IP Nesse módulo, veremos como a qualidade de serviço (QoS) pode ser implementada em redes IP. A implementação do QoS envolve dois aspectos: mecanismos de controle de tráfego

Leia mais

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações Unidade IV Controle de Congestionamento TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações 204 Tópicos Introdução QoS QoS e Controle de Congestionamento Formatação de Tráfego Gerenciamento de Buffer Descarte

Leia mais

Interligação IntServ DiffServ: Mapeamento do Serviço CL no PHB AF

Interligação IntServ DiffServ: Mapeamento do Serviço CL no PHB AF Interligação IntServ DiffServ: Mapeamento do Serviço CL no PHB F ntónio Pereira 1,2 Edmundo Monteiro 2 apereira@estg.iplei.pt edmundo@dei.uc.pt 1 Departamento de Engenharia Informática Escola Superior

Leia mais

Disciplinas. Conservativa. Não conservativa

Disciplinas. Conservativa. Não conservativa Políticas de Filas Fila FCFS ou FIFO Serve pacotes na ordem de chegada e descarta quando fila está cheia Não discrimina pacotes O atraso médio de uma fila FIFO é usado para comparação com outras disciplinas

Leia mais

Fig. 1: Relatório de lucratividade de setembro de 1998 a setembro de 1999 ( )

Fig. 1: Relatório de lucratividade de setembro de 1998 a setembro de 1999 ( ) 1, This article presents a purpose of QoS for IP networks. It shows how Internet Service Providers can guaranty QoS, according with the type of flow being controlled. We have described how a high speed

Leia mais

Avaliação de mecanismos de gestão de recursos no mapeamento entre os modelos IntServ e DiffServ

Avaliação de mecanismos de gestão de recursos no mapeamento entre os modelos IntServ e DiffServ Avaliação de mecanismos de gestão de recursos no mapeamento entre os modelos IntServ e DiffServ António Pereira 1,2 Edmundo Monteiro 2 apereira@estg.ipleiria.pt edmundo@dei.uc.pt 1 Departamento de Engenharia

Leia mais

Estratégias de Controlo de Admissão no contexto dos modelos de QoS propostos pelo IETF

Estratégias de Controlo de Admissão no contexto dos modelos de QoS propostos pelo IETF Estratégias de Controlo de Admissão no contexto dos modelos de QoS propostos pelo IETF Davide Lourenço, Paulo Loureiro, Gonçalo Quadros, Edmundo Monteiro pdavide@dei.uc.pt, loureiro@estg.iplei.pt,{quadros,

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Marco Antônio da Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Marco Antônio da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Marco Antônio da Silva Um SLA para VoIP e seu mapeamento em uma rede DiffServ/MPLS Dissertação submetida à Universidade

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados. Instituto Superior Técnico Novembro de 2004

Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados. Instituto Superior Técnico Novembro de 2004 Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados Mário Serafim Nunes Mário Serafim Nunes Instituto Superior Técnico Novembro de 2004 QdS em serviços de Vídeo 1 Conceitos teóricos QdS em Vídeo Streaming

Leia mais

THIAGO MEREGE PEREIRA GERENCIAMENTO DE POLÍTICAS DE QUALIDADE DE SERVIÇO COM SUPORTE À MOBILIDADE

THIAGO MEREGE PEREIRA GERENCIAMENTO DE POLÍTICAS DE QUALIDADE DE SERVIÇO COM SUPORTE À MOBILIDADE THIAGO MEREGE PEREIRA GERENCIAMENTO DE POLÍTICAS DE QUALIDADE DE SERVIÇO COM SUPORTE À MOBILIDADE Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Informática da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Estudo de QoS IP sobre redes ATM

Estudo de QoS IP sobre redes ATM Estudo de QoS IP sobre redes ATM Projeto REMAV-Salvador Universidade Federal da Bahia Av. Adhemar de Barros, s/n, 40170-110 Salvador-BA Gustavo Bittencourt Figueiredo 1 guto@ufba.br Daniel Macêdo Batista

Leia mais

Estudo da Escalabilidade da Implementação do Modelo IntServ em Linux. Resumo. Palavras-chave. Elisabete Reis 1, 2 Edmundo Monteiro 2

Estudo da Escalabilidade da Implementação do Modelo IntServ em Linux. Resumo. Palavras-chave. Elisabete Reis 1, 2 Edmundo Monteiro 2 Estudo da Escalabilidade da Implementação do Modelo IntServ em Linux Elisabete Reis 1, 2 Edmundo Monteiro 2 elreis@dei.uc.pt edmundo@dei.uc.pt 1 Instituto Superior de Contabilidade e Administração Instituto

Leia mais

Universidade Santa Cecília - UNISANTA. Voz Sobre IP. Aspectos de Qualidade. Qualidade de Serviço

Universidade Santa Cecília - UNISANTA. Voz Sobre IP. Aspectos de Qualidade. Qualidade de Serviço Universidade Santa Cecília - UNISANTA Voz Sobre IP Aspectos de Qualidade Prof. Hugo Santana 2004 Qualidade de Serviço 1. Introdução: conceitos e definições. 2. Mecanismos utilizados: Classificação e priorização

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Serviços Diferenciados em Sistemas Operacionais Linux

Serviços Diferenciados em Sistemas Operacionais Linux Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Programa de Pós Graduação em Ciências da Computação PPGCC Disciplina: Sistemas Operaciaonais Aluno: Luiz Henrique Vicente Serviços Diferenciados em Sistemas

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

QoS for voice applications

QoS for voice applications QoS for voice applications MUM Brazil 2011 Currículo Antonio Nivaldo F. Leite Junior Graduação em Ciências da Computação; Graduação em Comunicação Social c/ ênfase em Pub. e Propaganda; Pós-graduação em

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos para se prover QoS Dejitter buffer Classificação do tráfego Priorização do tráfego Controle de congestionamento Policiamento

Leia mais

Aula 10 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. redes. Engenharia de tráfego. Redundância. Regras de bom senso QBR, PBR, CBR

Aula 10 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. redes. Engenharia de tráfego. Redundância. Regras de bom senso QBR, PBR, CBR Aula 10 e FCUL 2004-2005 .. Assegurando a conectividade É necessário assegurar a redundância na topologia. Deve ter-se como ponto de partida uma análise de custos da inacessibilidade. Definir quais os

Leia mais

Qualidade de Serviço na Internet

Qualidade de Serviço na Internet Qualidade de Serviço na Internet Carlos Alberto Kamienski cak@di.ufpe.br Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba a Universidade Federal de Pernambuco b Resumo A Internet passou a ser uma realidade

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC e Controle de guelfi@lsi.usp.br kiatake@lsi.usp.br NSRAV - Núcleo de Segurança e Redes de Alta Velocidade Introdução Controle de tráfego e controle de congestionamento são termos que descrevem diferentes

Leia mais

AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento

AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento Qualidade de Serviço Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento apropriado de diversas aplicações, como

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Gestão de tráfego Novembro de 2014 1 Tratamento diferenciado do tráfego de rede As ligações de rede são recursos de capacidade limitada, partilhadas por um grande número

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Qualidade de Serviço (QoS) em Redes IP Princípios Básicos, Parâmetros e Mecanismos

Qualidade de Serviço (QoS) em Redes IP Princípios Básicos, Parâmetros e Mecanismos Qualidade de Serviço (QoS) em Redes IP Princípios Básicos, Parâmetros e Mecanismos Fonte : Prof. Dr Joberto Martins www.itelcon.com.br Por: Prof Hugo Santana Universidade Santa Cecília - Unisanta 1 1.

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Inter-Domain IP Multicast. Multicast Internet Exchange (MIX) Aula 11 BGMP) 2005-2006. Problema: Como expandir a arquitectura baseada no MBONE

Inter-Domain IP Multicast. Multicast Internet Exchange (MIX) Aula 11 BGMP) 2005-2006. Problema: Como expandir a arquitectura baseada no MBONE Aula 11 Difusão Inter-Domínio (PIM-SM// e ) Aplicação de difusão entre domínios. FCUL 2005-2006 Internet Exchange (MIX) Inter-Domain IP Pontos onde fornecedores de serviço com suporte para multicast podem

Leia mais

Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4

Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4 Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4 Johann M. H. Magalhães e Paulo R. Guardieiro Faculdade de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Uberlândia 38.400-902

Leia mais

Estabelecimento e utilização de uma plataforma DiffServ gerida por um Bandwidth Broker

Estabelecimento e utilização de uma plataforma DiffServ gerida por um Bandwidth Broker Estabelecimento e utilização de uma plataforma DiffServ gerida por um Bandwidth Broker Óscar Gama, Paulo Carvalho, Solange Lima osg@di.uminho.pt, {paulo, solange}@uminho.pt Universidade do Minho Resumo

Leia mais

Pedro Alexandre Sousa Gonçalves. Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP. Universidade de Aveiro 2004

Pedro Alexandre Sousa Gonçalves. Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP. Universidade de Aveiro 2004 Universidade de Aveiro 2004 Departamento de Electrónica e Telecomunicações Pedro Alexandre Sousa Gonçalves Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP Universidade de

Leia mais

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas.

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Tese submetida à Universidade Federal de Sanat Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UMA FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO DE REDES CONVERGENTES ITALO AMARAL BRITO VINÍCIUS MACÊDO DE SOUSA ORIENTADORES:

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

ESTEVAO OSCAR MOGNATTO JUNIOR UM FRAMEWORK PARA CONTROLE DE ADMISSÃO UTILIZANDO O MÉTODO DE DIVERSIDADE DE CAMINHOS EM UM AMBIENTE DIFFSERV

ESTEVAO OSCAR MOGNATTO JUNIOR UM FRAMEWORK PARA CONTROLE DE ADMISSÃO UTILIZANDO O MÉTODO DE DIVERSIDADE DE CAMINHOS EM UM AMBIENTE DIFFSERV ESTEVAO OSCAR MOGNATTO JUNIOR UM FRAMEWORK PARA CONTROLE DE ADMISSÃO UTILIZANDO O MÉTODO DE DIVERSIDADE DE CAMINHOS EM UM AMBIENTE DIFFSERV Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

1.1 Objetivos: 1.1.2 Objetivos Específicos

1.1 Objetivos: 1.1.2 Objetivos Específicos 1. Introdução Desde as primeiras implementações nas redes, os recursos de QoS Qualidade de Serviço, vem causando polêmicas para os especialistas de TI; inicialmente sob a óptica da escolha dos protocolos

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Algoritmos de Escalonamento

Algoritmos de Escalonamento Algoritmos de Escalonamento FEUP/DEEC 2005/06 José Ruela Escalonamento necessidade» A partilha de recursos em redes de comunicação e, em particular, a adopção de estratégias de multiplexagem estatística,

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 12 - Extensões OSPF para difusão. Aplicação de difusão em grande escala. MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL

Leia mais

ANDRÉ GUSTAVO BELLER. UMA ARQUITETURA PARA GERENCIAMENTO DE QoS BASEADO EM POLÍTICAS

ANDRÉ GUSTAVO BELLER. UMA ARQUITETURA PARA GERENCIAMENTO DE QoS BASEADO EM POLÍTICAS ANDRÉ GUSTAVO BELLER UMA ARQUITETURA PARA GERENCIAMENTO DE QoS BASEADO EM POLÍTICAS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Informática Aplicada da Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

Medições e Testes para Aplicações Envolvendo Mídias Contínuas em Redes IP com Serviços Diferenciados

Medições e Testes para Aplicações Envolvendo Mídias Contínuas em Redes IP com Serviços Diferenciados Medições e Testes para Aplicações Envolvendo Mídias Contínuas em Redes IP com Serviços Diferenciados Renato Donizete Vilela de Oliveira, Jean Marie Farines Departamento de Automação e Sistemas Universidade

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. redes Redundância. Regras de bom senso. Engenharia de tráfego. QBR, PBR, CBR. CBR e MPLS Exemplo: cisco. redes.

Protocolos em Redes de Dados. redes Redundância. Regras de bom senso. Engenharia de tráfego. QBR, PBR, CBR. CBR e MPLS Exemplo: cisco. redes. Aula 09 e.. FCUL 2005-2006 Assegurando a conectividade Aumentando a redundância É necessário assegurar a redundância na topologia. Deve ter-se como ponto de partida uma análise de custos da inacessibilidade.

Leia mais

Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local

Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local César Augusto de Oliveira Soares 1 Rosivelt Alves do Carmo 1 Orientadores: Prof. DSc. Joaquim Celestino Júnior 2 Profa. MSc. Ana Luiza Bessa de

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9.1 INTRODUÇÃO Representa a convergência de duas técnicas usadas em redes de dados: datagrama e circuito virtual. IP: o envio de datagramas é feito através de caminhos

Leia mais

Criptografia e Segurança das Comunicações. IPsec

Criptografia e Segurança das Comunicações. IPsec Criptografia e Segurança das Comunicações IPsec IPsec : 1/27 Introdução (1) Os datagramas IP do nível de rede da pilha de protocolos v4 são inseguros! Endereço fonte pode ser mistificado ( spoofed ). Conteúdo

Leia mais

Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Multicast entre-domínios MSDP

Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Multicast entre-domínios MSDP Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (, e ) FCUL 2004-2005 Aplicação de difusão entro domínios. Internet Exchange (MIX) Pontos onde fornecedores de serviço com suporte para multicast podem trocar tráfego

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Equipe: Afonso Sousa, Jhonatan Cavalcante, Israel Bezerra, Wendel Marinho Professor: Fabio

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Uma Abordagem para Implementação de Gerenciamento de Políticas em Redes de Serviços Diferenciados

Uma Abordagem para Implementação de Gerenciamento de Políticas em Redes de Serviços Diferenciados Uma Abordagem para Implementação de Gerenciamento de Políticas em Redes de Serviços Diferenciados Elionildo da Silva Menezes 1 Djamel F. H. Sadok 2 Paulo Rogério Pereira 3 1,2 Universidade Federal de Pernambuco.

Leia mais

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching.

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. MPLS Multi-Protocol LABEL Switching Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. O MPLS é, atualmente, uma das tecnologias

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Gestão de Tráfego e Qualidade de

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados

QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados Antônio Jorge G. Abelém 1, Michael A. Stanton Noemi Rodriguez - Depto. de Informática DI - Instituto de Computação

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores

Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores Lisandro Zambenedetti Granville, Liane Margarida R. Tarouco Instituto de Informática - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Caixa Postal

Leia mais

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Roberto Alexandre Dias Gerência de Tecnologia de Informações - Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Av. Mauro

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados

QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados QoS Fim a Fim Através da Combinação entre Serviços Integrados e Serviços Diferenciados Antônio Jorge G. Abelém 1, Michael A. Stanton Noemi Rodriguez - Depto. de Informática DI - Instituto de Computação

Leia mais