de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Infra-estrutura de Telecomunicações Comunicação Multicast Infra-estrutura de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Profa. Débora Christina Muchaluat Saade Provisão de Qualidade de Serviço QoS Garantia de QoS Mecanismos de escalonamento e policiamento QoS em Redes IP Serviços Integrados e Diferenciados 1 2 Comunicação Multicast Serviço Multicast Comunicação de grupo corresponde à troca de dados de diferentes mídias entre múltiplas entidades. unidades de dados idênticas de um ou mais transmissores devem ser transmitidas para um grupo de receptores. Casos particulares Unicast pode ser definido como um caso particular de multicast, onde existe apenas um transmissor e um receptor, caracterizando assim uma comunicação ponto-a-ponto. Transmissão por difusão (broadcast) é um outro caso particular, quando temos uma transmissão para todos os participantes do sistema 3 Transmissor não precisa ser membro do grupo (grupo aberto <> grupo fechado) 4

2 Comunicação Multicast A arquitetura genérica de um serviço de multicast pode ser dividida em duas partes: gerenciamento de grupo gerenciamento de grupo diz respeito a todas as ações relacionadas a composição do grupo manipulação de informações sobre os seus participantes e o controle sobre a entrada e saída de participantes ao grupo. construção de uma infra-estrutura de distribuição. relacionada à forma de coordenação de recursos de forma a tentar minimizar as replicações desnecessárias de mensagens. Protocolos de roteamento são responsáveis por grande parte desse trabalho Gerenciamento de grupo Um grupo é definido como um subconjunto de usuários para o qual é possível a transmissão de mensagens várias entidades são representadas por nome e endereço únicos Endereço multicast A existência de um grupo é independente de haver troca de informação 5 6 Gerenciamento de Grupos 8 Distribuído: Informações e controle dos grupos estão distribuídos pelo sistemas de comunicação Ex.: IGMP IP Multicast Centralizado: Existe a figura de um gerenciador de grupo centralizado, que controla todas as atividades de gerenciamento do grupo Ex.: MARS IPOA Primitivas: Criação - Create Destruição - Destroy Adesão - Join Abandono - Leave Transmissão Multicast 9 Resolução de Endereços Construção da infra-estrutura de distribuição e roteamento

3 Resolução de Endereços Transmissão Multicast Realiza o mapeamento entre um endereço de nível N para um ou mais endereços de nível N-1 Mapeamento direto Protocolo de resolução Exemplo de Resolução de Endereços Mapeamento Direto Ex.: tradução de endereço IP multicast (Classe D) para endereço MAC (Ethernet) Endereço MAC multicast Começa com 01:00:5E Últimos 23 bits do endereço IP são mapeados no endereço MAC Mapeamento IP multicast => MAC 32 endereços IP multicast diferentes mapeiam para o mesmo endereço MAC multicast Transmissão Multicast Construção da infra-estrutura de distribuição e roteamento Definição de um caminho através de entidades intermediárias, formando árvore de distribuição. árvore de multicast (ou canal de comunicação multicast) é definida por uma comunicação 1 x n entre uma entidade origem e n destinos. Um protocolo de roteamento multicast é responsável pela construção de árvores de distribuição multicast e por habilitar a transmissão de dados multicast Ex.: RPB, TRPB, RPM, DVMRP, MOSPF, PIM, CBT 12 13

4 MBONE Multicast backbone (MBONE) Multicast Backbone - Backbone Multicast da Internet conjunto interconectado de subredes e roteadores que suportam a entrega de tráfego IP Multicast. O objetivo do MBone é construir um testbed de IP multicast para habilitar o desenvolvimento de aplicações multicast sem esperar pelo desenvolvimento de roteadores com capacidade de multicast na Internet. MBONE é formado por roteadores multicast configurados para enviar multicast IP sobre IP Topologicamente, MBONE é uma inter-rede virtual composta de ilhas com capacidade interna de roteamento multicast conectadas a outras ilhas por meio de enlaces ponto-a-ponto virtuais chamados túneis Túneis são definidos individualmente para cada grupo (ou conjunto de grupos), e de maneira estática eader IP Multicast Dados IP Multicast EADER IP Dados IP MBONE Multicast backbone (MBONE) Os túneis permitem tráfego multicast através de algumas partes da Internet sem capacidade de multicast. Pacotes de IP Multicast entunelados são encapsulados como IP-sobre-IP de modo que eles parecem pacotes IP unicast normais para os roteadores. O encapsulamento é adicionado na entrada de um túnel, e retirado na saída. A maioria dos roteadores MBone atualmente usam o protocolo de roteamento multicast DVMRP (Distance Vector Multicast Routing Protocol), embora algumas porções do MBone executem OSPF Multicast (MOSPF) ou Multicast Independente de Protocolo (PIM). IP A G IP B Inter-rede rede G G IP D IP E 16 17

5 Multicast backbone (MBONE) Inter-rede rede Ilha 1 M B O N E túnel Ilha 2 BR Visual Audio Tool (vat) Network Video (nv) Aplicações MBONE Network Voice Terminal (nevot) INRIA Videoconferencing System (ivs) para programas de áudio e vídeo InPerson da Silicon Graphics ShowMe da Sun Microsystems Qualidade de Serviço QoS pode ser definida como o conjunto das características (qualitativas e quantitativas) de processamento e comunicação suportadas por um serviço, que permite a provisão da funcionalidade desejada por usuários do ambiente. Essa funcionalidade pode ser entendida como a capacidade de processamento e comunicação para os dados de uma determinada mídia, por exemplo. Qualidade de Serviço (QoS) é um requisito da(s) aplicação(ões) para a qual exige-se que determinados parâmetros (retardos, vazão, perdas,...) estejam dentro de limites bem definidos (valor mínimo, valor máximo)

6 Objetivo: Qualidade de Serviço Garantia de QoS fim-a-fim Fases de Provisão de QoS Pode-se definir um modelo genérico de operação, para fornecedores com serviços de QoS, dividido nas seguintes fases: Iniciação do fornecedor de serviços; Requisição de serviços; Estabelecimento de contratos de serviço; Manutenção de contratos de serviço e Término de contratos de serviço Iniciação do fornecedor de serviços Definição da infra-estrutura que dará suporte aos serviços oferecidos Definição do estado interno do sistema Inclui informações sobre os recursos disponíveis no sistema Estaticamente compartilhado (dedicado) Dispositivos de E/S Dinamicamente compartilhado Processador, memória, enlaces de rede Requisição de serviços Uma requisição se dá através da: Caracterização do Tráfego Caracterização de carga a ser produzida ou consumida pelos usuários (Ex.: taxa de pico) Especificação da QoS desejada (retardo de trânsito máximo) Deve ser compatível com o nível de abstração do usuário Mapeamento de QoS 24 25

7 Especificação da QoS Contém informações relativas ao nível de serviço desejado pelo usuário. Exemplos: Melhor esforço (best effort) Fornecedor não dá nenhuma garantia de que a QoS será mantida dentro dos limites Garantido Manutenção da QoS dentro dos limites deverá ser garantida de qualquer forma. Usuário só será aceito se a QoS desejada puder ser mantida. Probabilístico Fornecedor deve periodicamente monitorar o serviço, interrompendo-o caso a QoS não possa ser mantida dentro dos limites com a probabilidade especificada Estabelecimento de contratos de serviço Contrato de Serviço = Service Level Agreement (SLA) A orquestração dos recursos determina os recursos necessários em cada um dos subsistemas escolhidos. Ao receber uma nova requisição de serviço, o fornecedor determina se o ambiente tem recursos suficientes para manter a QoS desejada pelo usuário. Os mecanismos de controle de admissão de fluxos são os responsáveis por esses testes, que levam em conta, além do estado interno atual do fornecedor, a caracterização da carga e a especificação da QoS informadas pelos usuários durante a requisição de serviços Estabelecimento de contratos de serviço 28 Se o ambiente tiver recursos suficientes, o fornecedor admitirá o fluxo do usuário e fará a alocação dos recursos necessários para servi-lo Senão, ele poderá: rejeitar o fluxo do usuário ou lhe sugerir uma outra especificação de QoS factível de ser satisfeita. Nesse último caso, se o usuário aceitar a nova proposta, seu fluxo é admitido, senão é rejeitado, podendo o usuário tentar requisitar o serviço novamente em outra oportunidade. Estes ciclos de requisição e resposta entre os usuários e o fornecedor são providos pelos mecanismos de negociação da QoS. Estabelecimento de contratos de serviço 29 SLA pode ser: Estático: reserva de recursos e configuração do provedor são feitas manualmente pelo administrador Dinâmico: uso de um protocolo de sinalização específico A provisão de serviços no modo dinâmico pode ser feita de forma: Centralizada Existência de um negociador de recursos ou Bandwith Broker (BB) Exemplo de protocolo de sinalização - COPS Distribuída cada estação e roteador presente no provedor é dotado de um negociador próprio, responsável pelas decisões locais de reserva de recursos Exemplo de protocolo de sinalização - RSVP

8 Manutenção de contratos de serviço Dentre os mecanismos presentes nessa fase, estão incluídos os de escalonamento de recursos Compartilhamento dinâmico de recursos entre diversos fluxos de dados presentes em um ambiente, de maneira tal que a QoS negociada para cada fluxo possa ser mantida, e que a utilização dos recursos seja a mais otimizada possível. monitorização de fluxos registro da carga efetivamente gerada pelos usuários e da QoS realmente oferecida pelo fornecedor. Policiamento dos fluxos sintonização da QoS manutenção da orquestração de recursos definida durante a negociação da QoS, sem que haja a necessidade de interrupção (isto é, renegociação) do fornecimento do serviço. ajustes ou uso de recursos alternativos Término de contratos de serviço O cliente deve informar ao provedor a sua intenção em finalizar o contrato estabelecido. O provedor inicia o procedimento de liberação dos recursos que haviam sido reservados nos vários subsistemas envolvidos com o fornecimento do serviço correspondente. Nos casos em que o próprio contrato especifica o período em que o serviço será fornecido, os procedimentos de finalização podem ser automatizados Parametrização de Serviços Informações sobre o comportamento dos fluxos dos usuários e da infra-estrutura existente no ambiente podem ser estruturadas através do uso de parâmetros de caracterização do serviço. Parâmetros de desempenho do fornecedor retardo de transmissão instantâneo Parâmetros de caracterização de carga vazão máxima Parâmetros de especificação da QoS retardo de transmissão máximo Parâmetros de QoS Parâmetros mais comuns: Vazão (banda) retardo (latência) Retardo de propagação Velocidade de transmissão Tempo de processamento nos equipamentos Jitter Taxa de perdas, taxa de erros Disponibilidade 32 33

9 jitter Garantia de QoS Variação de retardo Modelo simples usado como exemplo: Efeito do jitter Enlace de 1,5 Mbps Fila de interface de saída de R Princípios para Garantias de QoS Considere uma aplicação de áudio a 1 Mbps e uma aplicação FTP compartilhando um enlace de 1.5 Mbps. rajadas de tráfego FTP podem congestionar o roteador e fazer com que pacotes de aúdio sejam perdidos. deseja-se dar prioridade ao aúdio sobre o FTP PRINCÍPIO 1: Marcação dos pacotes é necessária para o roteador distingüir entre diferentes classes; assim como novas regras de roteamento para tratar os pacotes de forma diferenciada Princípios para Garantias de QoS Considere uma aplicação de áudio a 1 Mbps e uma aplicação FTP de alta prioridade compartilhando um enlace de 1.5 Mbps. Pacotes FTP têm prioridade sobre os de áudio PRINCÍPIO 1 (modificado): Classificação dos pacotes é necessária para o roteador distingüir entre diferentes classes; assim como novas regras de roteamento para tratar os pacotes de forma diferenciada 36 37

10 Princípios para Garantia de QoS Considere uma aplicação de áudio mal comportada e uma aplicação FTP compartilhando um enlace de 1.5 Mbps. aúdio envia pacotes numa taxa superior a 1 Mbps anteriormente assumida; Tráfego FTP não será atendido PRINCÍPIO 2: fornecer proteção (isolamento) para uma classe em relação às demais Exige mecanismos de policiamento para assegurar que as fontes atendem aos seus requisitos de banda passante. Classificação e policiamento precisam ser feitos nas bordas da rede (sistema final ou roteador de borda): classificação de pacotes e policiamento Princípios para Garantia de QoS Alternativa à marcação e policiamento: alocar uma porção da taxa de transmissão a cada fluxo de aplicação; pode produzir um uso ineficiente da banda se um dos fluxos não usa toda a sua alocação PRINCÍPIO 3: Embora fornecendo isolamento, é necessário usar os recursos da forma mais eficiente possível marcação de pacotes enlace lógico de 1 Mbps enlace lógico de 0,5 Mbps Princípios para Garantia de QoS Resumo Considere duas aplicações de áudio a 1 Mbps Não deve ser aceito tráfego além da capacidade do enlace PRINCÍPIO 4: É necessário um Controle de Admissão; a aplicação declara a necessidade do seu fluxo, a rede pode aceitar ou bloquear a chamada se a necessidade não puder ser satisfeita QoS para aplicações em redes classificação de pacotes Isolamento: escalonamento e policiamento dos fluxos alta eficiência de utilização Controle de admissão 40 41

11 Mecanismos de Escalonamento Escalonamento: a escolha do próximo pacote para transmissão num enlace pode ser feita de acordo com várias regras: FIFO Filas com Prioridade Round Robin Weighted Fair Queuing (fila justa ponderada) Mecanismos de Escalonamento FIFO (first-in-first-out) ou FCFS (first-come-firstserved): na ordem de chegada na fila pacotes que chegam são enfileirados no buffer ou, caso o buffer esteja cheio, são descartados, ou uma política de descarte é usada para determinar qual pacote descartar entre aquele que chega e aqueles que já estão na fila chegadas partidas fila (área de espera) enlace (servidor) Mecanismos de Escalonamento Filas com Prioridade: classes têm diferentes prioridades; classes podem depender de marcação explícita ou de outras informações no cabeçalho, tais como, o endereço de origem ou de destino, número de portas, etc. Transmite um pacote da prioridade mais alta que esteja presente na fila Exemplo de versão não-preemptiva Mecanismos de Escalonamento Round Robin: percorre as classes presentes na fila, servindo um pacote de cada classe que tem pelo menos um representante na fila chegadas tempo chegadas fila de alta prioridade (área de espera) chegadas pacotes no servidor tempo pacote em serviço partidas tempo classificação fila de baixa prioridade (área de espera) partidas enlace (servidor) 44 partidas tempo 45

12 Weighted Fair Queuing (fila justa ponderada): é uma forma generalizada de Round Robin na qual se tenta prover a cada classe um volume diferenciado de serviço num dado período de tempo classificador de chegadas Mecanismos de Escalonamento enlace partidas Mecanismos de Policiamento Três critérios: Taxa Média Limite da taxa média por intervalo de tempo o aspecto crucial é o tamanho do intervalo de tempo (100 pacotes por segundo ou 6000 pacotes por minuto??) Período relativamente longo Taxa de Pico ex pacotes por minuto na média e 1500 pacotes por segundo de pico Tamanho da Rajada número máximo de pacotes enviados consecutivamente, isto é, num curto período de tempo Mecanismos de Policiamento Mecanismo Leaky Bucket / Token Bucket (balde de permissões), oferece um meio de limitar a entrada dentro de um tamanho de rajada e uma taxa média especificados. r tokens/seg balde pode conter até b tokens Mecanismos de Policiamento Balde pode armazenar b tokens; tokens são gerados numa taxa de r token/seg exceto se o balde está cheio. Num intervalo de tempo t, o número de pacotes que são admitidos é menor ou igual a (rt + b). Token bucket e WFQ podem ser combinados para prover um limite superior ao retardo. pacotes espera token para a rede 48 49

13 Mecanismos de Policiamento Token bucket e WFQ podem ser combinados para prover um limite superior ao retardo. R = taxa de transmissão no enlace R x w i / ( w j ) = taxa da fila i Retardo máximo da fila i = b i / (R x w i / ( w j )) Qualidade de Serviço na Internet Situação atual Internet de hoje fornece um serviço do tipo melhor esforço tráfego é tratado tão rápido quanto possível não há garantias temporais ou limites de erro Clientes exigem mais Internet é hoje uma infra-estrutura comercial fornecimento de qualidade de serviço está sendo considerada cada vez mais um requisito essencial qualidade + serviço = capacidade para diferenciar entre tráfego ou tipos de serviço, de forma que o sistema possa tratar uma ou mais classes de tráfego diferentemente de outras Qualidade de Serviço na Internet Trabalhos da IETF relacionados com garantias de QoS IETF tem proposto vários modelos de serviço e mecanismos para satisfazer a necessidade de QoS na Internet proporcionando um melhor controle sobre o tráfego na Internet na forma de priorização de certas aplicações (com certas restrições temporais) em detrimento do restante (tráfego essencialmente melhor esforço) Entre estes trabalhos estão: IntServ - modelo de Serviços Integrados DiffServ - modelo de Serviços Diferenciados Serviços Integrados Serviços Integrados (IntServ) IntServ é baseado na reserva de recursos aplicações devem primeiro configurar caminhos e reservar recursos antes dos dados serem transmitidos Circuito Virtual!! 52 53

14 Serviços Integrados (IntServ) Serviços Integrados (IntServ) alta granularidade na reserva de recursos, realizada por fluxos individuais. Roteadores devem ser capazes de reservar recursos para fornecerem QoS especial para fluxos de pacotes específicos do usuário estados específicos dos fluxos devem ser mantidos pelos roteadores Serviços Integrados (IntServ) Identificação de um fluxo versão 4 do IP (IPv4), pela concatenação dos seguintes campos, presentes no cabeçalho dos pacotes: endereços IP de origem e destino, tipo do protocolo de transporte e portas de origem e destino. Acrescenta-se a esses campos o identificador da sessão de QoS. versão 6 do protocolo IP (IPv6) introduziu o campo flow label, identificando os fluxos de forma mais eficiente, pela simples leitura do endereço do transmissor juntamente com o campo flow label Admissão de Chamadas A sessão deve primeiramente caracterizar o tráfego que ela enviará através da rede e solicitar seus requisitos T-spec: define as características de tráfego R-spec: define a QoS sendo solicitada Um protocolo de sinalização transporta a R-spec e a T- spec aos roteadores onde a reserva deve ser pedida RSVP Resource reservation Protocol Admissão de Chamadas Roteadores realizam o controle de admissão com base nas suas R-spec e T-spec e com base nos recursos correntemente alocados nos roteadores para outras chamadas. 1. Pedido: especifica - tráfego (Tspec) - garantia (Rspec) 3. Resposta: o pedido pode ou não ser atendido Elemento considera - recursos não reservados - recursos solicitados 57

15 Serviços Integrados (IntServ) Classes de Serviço Propostas Serviço Melhor Esforço Serviço Garantido projetada para aplicações de tempo real críticas que são muito sensíveis ao retardo e a sua variação garantia de retardo máximo fim-a-fim, sem perda de pacotes Caracterização do tráfego (Tspec) + especificação da QoS (Rspec) Serviço de Carga Controlada projetada para as aplicações IP de hoje que se comportam bem quando a rede não está carregada Retardo baixo, próximo ao oferecido por um serviço de melhor-esforço em uma infra-estrutura de rede controlada (sem congestionamento). Caracterização do tráfego (Tspec) Serviços Integrados (IntServ) Problemas da Arquitetura Serviços Integrados Montante de informações de estado aumenta proporcionalmente ao número de fluxos causa uma sobrecarga de armazenamento e processamento nos roteadores (arquitetura não é escalável) Requisitos nos roteadores são altos todos os roteadores devem implementar RSVP, controle de admissão, classificação e escalonamento de pacotes Origem Serviços Diferenciados (DiffServ) Surgiu devido as dificuldades de implementar e utilizar Serviços Integrados/RSVP Princípio Agregação de fluxos em classes de serviço Pacotes são marcados diferentemente para criar várias classes de pacotes pacotes de diferentes classes recebem diferentes serviços Serviços Diferenciados (DiffServ) Classificação dos pacotes pode ser feita de 2 formas: baseada em vários campos do cabeçalho dos pacotes endereços de origem e destino, tipo e porta do protocolo de transporte, etc chamada classificação MF (Multi Field) baseada simplesmente, no campo DS, sendo, neste caso, denominada de classificação BA (Behavior Aggregate). campo TOS (Type Of Service) do cabeçalho do pacote IPv4 ou campo Class do cabeçalho do pacote IPv6 setado pelo roteador de entrada do domínio diffserv ou pelo usuário 63 64

16 Serviços Diferenciados (DiffServ) Serviços Diferenciados (DiffServ) Roteador de borda Classificação Roteador central encaminhamento roteador central: envio 65 roteador de borda: classificação, policiamento O modelo diffserv não padroniza serviços, especificando apenas comportamentos de encaminhamento ou PBs (Per op Behaviors). Um PB descreve como será realizado o encaminhamento dos pacotes pertencentes a uma mesma classe em cada roteador: EF (Expedited Forwarding) recomendável ao fornecimento de serviços com baixo retardo e variação, taxa de erros controlada e largura de banda assegurada. AF (Assured Forwarding) permite a implementação de serviços com diferentes níveis de garantia de QoS, como os serviços probabilísticos, por exemplo. Serviços olímpicos Ouro, Prata e Bronze 66 Serviços Diferenciados (DiffServ) Diferenças dos Serviços Integrados: á apenas um número limitado de tipos de serviço indicados no campo DS conjunto de informações de estado é proporcional apenas ao número de classes e não proporcional ao número de fluxos Serviços Diferenciados é mais escalável do que Serviços Integrados Operações de classificação, marcação, policiamento e retardo são apenas necessárias nas fronteiras das redes funções simples no interior da rede Não define classes de serviço, ao invés disso fornece componentes funcionais com os quais as classes de serviço podem ser construídas Serviços Integrados sobre Diferenciados intserv nas redes de acesso melhor razão utilização dos recursos / custo obtida com a reserva por fluxo característica desse modelo maior número atual de aplicações adaptadas a algum mecanismo de solicitação de serviços intserv, normalmente empregando uma das diversas APIs existentes no mercado diffserv nos provedores de backbone Razões de escalabilidade 74 75

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Serviços Diferenciados

Serviços Diferenciados Qualidade de Serviço I Serviços Diferenciados rffelix70@yahoo.com.br Níveis de QoS Reserva de Recursos Fim-a-Fim Protocolo de Sinalização. Priorização de Recursos de Acordo com SLAs préestabelecidos. O

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Comunicação Multicast. Garantia de QoS. QoS em Redes IP.

Comunicação Multicast. Garantia de QoS. QoS em Redes IP. Departamento de Ciência da Computação - UFF Multicast e QoS Comunicação Multicast Comunicação Multicast e Provisão de QoS para Aplicações Multimídia Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento da rede Memorização de pacotes Suavização do tráfego (Traffic shaping) O algoritmo Leaky

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há um estabelecimento de um caminho dedicado Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há reserva de recursos Não guarda informação de estado Informações a serem enviadas são quebradas em

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Fig. 1: Relatório de lucratividade de setembro de 1998 a setembro de 1999 ( )

Fig. 1: Relatório de lucratividade de setembro de 1998 a setembro de 1999 ( ) 1, This article presents a purpose of QoS for IP networks. It shows how Internet Service Providers can guaranty QoS, according with the type of flow being controlled. We have described how a high speed

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3 PEL/FEN Redes de Computadores 015/1 Segunda Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os principais serviços providos pela camada rede. ) Cite as diferenças entre datagrama e circuito

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Além do melhor esforço

Além do melhor esforço Além do melhor esforço Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 25 de agosto de 2011 1 / 42 Sumário 1 Além do melhor esforço

Leia mais

04.03 Quality of Service (QoS)

04.03 Quality of Service (QoS) 04.03 Quality of Service (QoS) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Necessidade de QoS Uma medida colectiva da qualidade de serviço Para uma aplicação Critérios: Disponibilidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

IGMP - Internet Group Management Protocol

IGMP - Internet Group Management Protocol IGMP - Internet Group Management Protocol Introdução A entrega Multicast IP é seletiva: apenas estações interessadas podem receber tráfego dirigido a um dado grupo. Almejando implementar essas árvores

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 1 Agenda Apresentação da Disciplina Introdução Tipos de Redes Arquiteturas de Redes Nivelamento

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Nome dos Alunos Cenário 1: Considere a seguinte topologia de rede IPB 210.0.0.1/24 IPA 10.0.0.5/30 220.0.0.1\24 4 5 3 1 IPC 10.0.0.9/30 REDE B

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Address Translation A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3-1. A CAMADA DE REDE (Parte 1) A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

Implantação de QoS no fone@rnp

Implantação de QoS no fone@rnp III Workshop VoIP Marcel R. Faria & Fábio Okamura Maio 2008 Agenda Introdução Backbone RNP rede Ipê QoS na rede Ipê - Serviço Premium Aplicação no fone@rnp Introdução A fim de atender a crescente demanda

Leia mais

Qualidade de Serviço na Internet

Qualidade de Serviço na Internet Qualidade de Serviço na Internet Carlos Alberto Kamienski cak@di.ufpe.br Djamel Sadok jamel@di.ufpe.br Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Belo Horizonte, 23 a 26 de maio de 2000.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES TOPOLOGIAS TOPOLOGIA Estrutura geral da rede: Conjunto de módulos processadores;

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

Qualidade de Serviço na Internet

Qualidade de Serviço na Internet Qualidade de Serviço na Internet Carlos Alberto Kamienski, Djamel Sadok Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Informática, Caixa Postal 7851, Cidade Universitária, Recife/PE, 50732-970l {cak, jamel}@cin.ufpe.br

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local

Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local Implementação de Serviços Diferenciados em uma Rede Local César Augusto de Oliveira Soares 1 Rosivelt Alves do Carmo 1 Orientadores: Prof. DSc. Joaquim Celestino Júnior 2 Profa. MSc. Ana Luiza Bessa de

Leia mais

AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento

AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento Qualidade de Serviço Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento apropriado de diversas aplicações, como

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

Qualidade de Serviços em Redes IP

Qualidade de Serviços em Redes IP Qualidade de Serviços em Redes IP Nesse módulo, veremos como a qualidade de serviço (QoS) pode ser implementada em redes IP. A implementação do QoS envolve dois aspectos: mecanismos de controle de tráfego

Leia mais

QoS for voice applications

QoS for voice applications QoS for voice applications MUM Brazil 2011 Currículo Antonio Nivaldo F. Leite Junior Graduação em Ciências da Computação; Graduação em Comunicação Social c/ ênfase em Pub. e Propaganda; Pós-graduação em

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Estudo de QoS IP sobre redes ATM

Estudo de QoS IP sobre redes ATM Estudo de QoS IP sobre redes ATM Projeto REMAV-Salvador Universidade Federal da Bahia Av. Adhemar de Barros, s/n, 40170-110 Salvador-BA Gustavo Bittencourt Figueiredo 1 guto@ufba.br Daniel Macêdo Batista

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Slide 1 de 99 Índice Motivação Qualidade de Serviço em redes Qualidade de Serviço na Internet Abordagens para QoS na Internet A Internet2, RNP2 e QoS Projeto

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Camada de enlace: domínio de colisão e domínio de broadcast, segmentação, modos de switching para encaminhamento de quadros Versão 1.0 Março de 2016 Prof. Jairo jairo@uninove.br professor@jairo.pro.br

Leia mais

Serviços Diferenciados em Sistemas Operacionais Linux

Serviços Diferenciados em Sistemas Operacionais Linux Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Programa de Pós Graduação em Ciências da Computação PPGCC Disciplina: Sistemas Operaciaonais Aluno: Luiz Henrique Vicente Serviços Diferenciados em Sistemas

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta

Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta April 29, 2008 No meu último ano de graduação tenho estudado redes sem fio. Confesso que não gostava muito desse assunto mas, passando a conhecê-lo um

Leia mais

Área: Ensino a Distância. 1. Introdução. 2. A Ferramenta de Co-autoria para EAD

Área: Ensino a Distância. 1. Introdução. 2. A Ferramenta de Co-autoria para EAD 1. Introdução Co-Autoria de Aulas na Rede Metropolitana de Alta Velocidade de Recife Juliana Regueira Basto Diniz Barros, Lorena de Sousa Castro, Carlos André Guimarães Ferraz E-mail: {jrbd,lsc2,cagf}@cin.ufpe.br

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Responsável pela movimentação dos dados, de maneira eficiente e confiável, entre processos (usuários) em execução nos equipamentos

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

IPv6: Introdução. Escrito por Paul Stalvig Gerente Técnico de Marketing

IPv6: Introdução. Escrito por Paul Stalvig Gerente Técnico de Marketing IPv6: Introdução Assim como outras pessoas, eu acredito que algumas complicam demais a vida. Talvez seja a segurança do emprego, o efeito "Chicken Little" ou o fato de que isso dá ao mundo de TI uma plataforma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12 Índice 1. Serviços Orientados à Conexão...3 1.1 O protocolo IP... 3 2. Serviços não Orientados à Conexão...4 2.1 Tecnologias de redes token ring... 4

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 3 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada de Rede Forma de ligação Endereçamento de máquinas Controle de rotas Controle de tráfego Forma de ligação Circuito Virtual

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT Aulas 22 & 23 Controle de Fluxo e de Congestionamento Eytan Modiano MIT 1 Controle de Fluxo Controle de fluxo: mecanismo fim a fim para controlar o tráfego entre fonte e destinatário. Controle de congestionamento:

Leia mais

PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein

PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os tipos de topologias utilizadas em redes de computadores, destacando suas principais vantagens

Leia mais

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano.

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. Essa estratégia foi deixada para trás. Atualmente, o software de rede é altamente

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Universidade Santa Cecília - UNISANTA. Voz Sobre IP. Aspectos de Qualidade. Qualidade de Serviço

Universidade Santa Cecília - UNISANTA. Voz Sobre IP. Aspectos de Qualidade. Qualidade de Serviço Universidade Santa Cecília - UNISANTA Voz Sobre IP Aspectos de Qualidade Prof. Hugo Santana 2004 Qualidade de Serviço 1. Introdução: conceitos e definições. 2. Mecanismos utilizados: Classificação e priorização

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Spanning Tree Protocol O STP é executado em bridges e switches compatíveis com 802.1D. O STP foi projetado para contornar os problemas de bridging em redes redundantes. O objetivo

Leia mais

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza Aplicando políticas de QoS MUM Brasil São Paulo Outubro/2008 Sérgio Souza Nome: País: Sergio Souza Brasil Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários anos em implementação,

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4

Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4 Avaliação de um Ambiente de Serviços Diferenciados com Tráfego de Vídeo MPEG-4 Johann M. H. Magalhães e Paulo R. Guardieiro Faculdade de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Uberlândia 38.400-902

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais