Instalações Elétricas Prediais. 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instalações Elétricas Prediais. 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1"

Transcrição

1 Instalações Elétricas Prediais 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1

2 Nesta seção os seguintes assuntos serão abordados: Cargas de iluminação Cargas de tomadas -TUG s Cargas de tomadas -TUE s Ar-condicionado 28/7/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 2

3 ILUMINAÇÃO RESIDENCIAL De acordo com NBR 5410: ILUMINAÇÃO INCANDESCENTE S 6m², pelo menos 1 ponto de 100VA S > 6m², 100VA para os primeiros 6m² e acrescenta-se 60VA para cada 4m² de acréscimo de área Obs. : Este é um critério mínimo e obrigatório Método do w/m² P (W)= s(m²) x FATOR, onde o fator vem das tabelas: Ambiente W/m² Sala, cozinha 20 a 25 BWC, circulação 10 a 15 Garagem 5 a 10 Quarto 10 a 15 ILUMINAÇÃO FLUORESCENTE Ambiente Salas, escritórios, quartos, copas e cozinhas W/m² Outras dependências 4 8 3

4 ILUMINAÇÃO COMERCIAL De acordo com NBR 5410 Deve-se fazer cálculo luminotécnico Método do W/m² P (W)= s(m²) x FATOR, onde o fator vem da tabela: Tipo W/m² Incandescente 30 Fluorescente 12 4

5 TUG Tomadas de Uso Geral RESIDENCIAL De acordo com NBR 5410: 1.Banheiros um ponto de 600VA junto a pia/lavatório. 2.Cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e similares um ponto de tomada a cada 3,5m ou fração de perímetro. Obs.: Para os ambientes citados em 1 e 2 deve-se considerar os três primeiros pontos de 600VA e os adicionais de 100VA considerando-se cada ambiente separadamente. Obs. 2: Caso o total de pontos seja superior a seis considera-se em cada ambiente os dois primeiros pontos de 600VA e os adicionais de 100VA. 5

6 TUG Tomadas de Uso Geral RESIDENCIAL De acordo com NBR 5410: 3.Salas e dormitórios um ponto de 100VA a cada 5m ou fração de perímetro. 4.Em varandas um ponto de 100VA. 5.Em varandas com área inferior a 2m² ou profundidade menor que 0,80m um ponto de 100VA, sendo que tal ponto poderá estar instalado fora desta mas próximo ao seu acesso. 5.Outros ambientes: a. Com área igual ou inferior a 2,25m² um ponto de 100VA. b. Com área entre 2,25m² e 6m² um ponto de 100VA. c. Com área superior a 6m² um ponto de 100VA a cada 5m ou fração de perímetro. 6

7 TUG Tomadas de Uso Geral COMERCIAL CRITÉRIO DO PROJETISTA LOJAS 1uma tomada a cada 30m², ou fração, de área; tomadas para ligação de lâmpadas, tomadas de vitrines e demonstração de aparelhos. ESCRITÓRIOS S 40m², o maior valor entre: uma tomada a cada 3m, ou fração, de perímetro; uma tomada a cada 4m², ou fração, de área. S > 40m² 10 tomadas para os primeiros 40m², mais; 1 tomada para cada 10m², ou fração, de área. A POTÊNCIA MÍNIMA DAS TUG S SERÁ 200VA 7

8 TUG Tomadas de Uso Geral CONDOMÍNIO Deve ser prevista pelo menos 1 TUG em cada um dos seguintes ambientes: Halls de serviço Salas de manutenção Salas de equipamentos Salas de bombas Barriletes Deve ser prevista quantidade adequada de TUG s para os seguintes ambientes: Halls Sociais Salão de festas Copa Garagem A POTÊNCIA MÍNIMA DO CIRCUITO DESTAS TUG S SERÁ 1000VA 8

9 FATOR DE POTÊNCIA CARGAS EM GERAL Tabela 1 Fator de potência em aparelhos Carga Cos ϕ Iluminação Incandescente 1,0 Iluminação fluorescente 0,8 Chuveiro, Torneira Elétrica 1,0 Outros equipamentos resistivos 1,0 Motores 0,8 MLL, MO, MLR, etc 0,8 TUG s em geral 0,8 Obs. 1: Quando tivermos um catálogo do aparelho em mãos deve-se utilizar o fator de potência indicado neste. Obs. 2: Quando as cargas são dadas em VA (potência APARENTE) NÃO É NECESSÁRIO APLICAR A TABELA ACIMA. 9

10 TUE Tomadas de Uso Específico RESIDENCIAL E COMERCIAL TUE s alimentam aparelhos com corrente 10A ( 1000VA). Deve possuir circuito exclusivo. A TUE deverá estar a no máximo 1,5m do local de instalação do aparelho. Para instalações comerciais o ar-condicionado é a mais importante TUE a ser considerada A tabela a seguir mostra as potências dos principais equipamentos de uso residencial: 10

11 TUE Tomadas de Uso Específico RESIDENCIAL E COMERCIAL Chuveiro Torneira Elétrica Aparelho Aquecedor de água tipo boiler 50 a 175l 200 a 250l 300l 400l 500l Aquecedor de água de passagem Aquecedor de ambiente Geladeira Freezer 2500W a 7500W 4400W a 5400W 1500W 2000W 4500W 6000W 7500W 4800W a 9000W 750W a 1500W 60W a 120W 80W a 250W Potência (W) 11

12 TUE Tomadas de Uso Específico RESIDENCIAL E COMERCIAL Aparelho Fogão Elétrico Exaustor Forno Elétrico Forno de microondas Máquina de Lavar Pratos Máquinas de Lavar Roupas Secadora de Roupas Televisor TV de Plasma Vídeo Casete DVD Home-theater Aparelho de som Potência (W) 2900W a 7400W 165W a 340W 800W a 2440W 700 a 1100W 1220W a 2200W 500W a 1900W 2000W 30W a 120W 200W a 300W 25W 25W 100W a 400W 100W a 600W 12

13 TUE Tomadas de Uso Específico RESIDENCIAL E COMERCIAL Aparelho Potência (W) Triturador de Lixo Ventilador Lavadora de pressão Liquidificador Batedeira Ferro de Passar Roupas Microcomputador Impressora jato de tinta Impressora laser 500W a 870W 30W a 60W 1100W a 1700W 350W a 750W 300W 1200W a 1440W 300W a 400W 50W a 100W 200W a 800W 13

14 JANELA AR-CONDICIONADO Capacidade Potência btu/h 740W btu/h 950W btu/h 1220W btu/h 1920W btu/h 2260W btu/h 3150W Estimativa de Carga: CT= 600 x S CT Carga Térmica (btu/h) S Área (m²) 14

15 SPLIT AR-CONDICIONADO Capacidade Potência btu/h 740W btu/h 950W btu/h 1260W btu/h 1890W btu/h 2490W btu/h 2468W btu/h 3092W btu/h 3920W btu/h 4150W btu/h 5270W 15

16 SELF-CONTAINED AR-CONDICIONADO Capacidade Potência 3 TR 4,8 kw 4 TR 6,8 kw 5 TR 6,9 kw 7,5 TR 10 kw 10 TR 13,7 kw 12,5 TR 17,3 kw 15 TR 19,8 kw 1TR = btu/h 16

17 CHILLER AR-CONDICIONADO Capacidade Potência 20 TR 21,6 kw 30 TR 32,9 kw 40 TR 43,2 kw 60 TR 65,8 kw 1TR btu/h 17

LEVANTAMENTO DA CARGA DE ILUMINAÇÃO - NBR 5410

LEVANTAMENTO DA CARGA DE ILUMINAÇÃO - NBR 5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS - I NBR 5410 Segundo a NBR5410 o levantamento das potências é feito mediante uma previsão das potências mínimas (neste caso, cargas mínimas) de iluminação e tomadas,

Leia mais

Portanto, o fator de demanda é definido como a relação entre a demanda máxima do circuito (Dmáx) e a potência instalada (Pinst).

Portanto, o fator de demanda é definido como a relação entre a demanda máxima do circuito (Dmáx) e a potência instalada (Pinst). 81 III. FATOR DE DEMANDA - Fd Portanto, o fator de demanda é definido como a relação entre a demanda máxima do circuito (Dmáx) e a potência instalada (Pinst). Suponhamos que Dmáx = 70 % da Pinst. Então:

Leia mais

Sequência para projeto de instalações 1. Determinar as áreas dos cômodos, com base na planta baixa arquitetônica 2. A partir da entrada de energia,

Sequência para projeto de instalações 1. Determinar as áreas dos cômodos, com base na planta baixa arquitetônica 2. A partir da entrada de energia, Projeto de instalações residenciais Um projeto de instalações elétricas possui, basicamente, 4 partes: Memorial técnico projetista justifica e descreve sua solução Conjunto de plantas, esquemas e detalhes

Leia mais

05/01/2017. Introdução Previsão de carga de iluminação Previsão de tomadas de uso geral Previsão de tomadas de uso específico

05/01/2017. Introdução Previsão de carga de iluminação Previsão de tomadas de uso geral Previsão de tomadas de uso específico Introdução Previsão de carga de iluminação Previsão de tomadas de uso geral Previsão de tomadas de uso específico Previsão de cargas Demanda e padrão de entrada Simulador de consumo Copel As cargas de

Leia mais

Capítulo 03 Levantamentos de carga instalada das instalações elétricas, divisão de circuitos de iluminação, força e divisão de cargas:

Capítulo 03 Levantamentos de carga instalada das instalações elétricas, divisão de circuitos de iluminação, força e divisão de cargas: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Capítulo 03 Levantamentos de carga instalada das instalações elétricas, divisão de circuitos de iluminação, força e divisão de cargas:

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO Edição de Julho de 2.002 OBJETIVO Este fascículo compõe um regulamento geral, que tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Projeto Curvas de Carga

Projeto Curvas de Carga PEA3496 Sistemas Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais Projeto Curvas de Carga Integrantes do grupo: Rodrigo Rinaldi 8994647 Sillas dos Santos 8992176 Paulo Villar 8994605

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Laboratório 05 Divisão de circuitos terminais Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Lab05: Divisão de circuitos terminais Tarefa: Montar a

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Laboratório 03 Levantamento de cargas de potência: Tomadas de uso geral e específico Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Lab03: Levantamento

Leia mais

Roteiro para execução de projetos elétricos residenciais

Roteiro para execução de projetos elétricos residenciais Roteiro para execução de projetos elétricos residenciais Roteiro 1 Exercício 1: 87 - Previsão de cargas (NBR 5410 OUT 2004 revisada 2008) - Marcação na planta dos pontos de luz (NBR 5413 ABR 1992 revisão

Leia mais

GERADORES DE ENERGIA PISTON COMPRESSORS. Compresores de Piston

GERADORES DE ENERGIA PISTON COMPRESSORS. Compresores de Piston GERADORES DE ENERGIA PISTON COMPRESSORS Compresores de Piston Linha GERADORES DE ENERGIA Energia garantida para o seu serviço A linha de Geradores de Energia Schulz foi especialmente desenvolvida para

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas

Projeto de Instalações Elétricas Projeto de Instalações Elétricas Pessoas ficaram presas em elevadores. No Rio de Janeiro, um ônibus foi sequestrado quando passava pela rodovia Rio-Santos, no momento do apagão. Muita gente no trânsito

Leia mais

[Ano] Levantamento de Cargas. Campus Virtual Cruzeiro do Sul

[Ano] Levantamento de Cargas. Campus Virtual Cruzeiro do Sul [Ano] Levantamento de Cargas Unidade - Levantamento de Cargas MATERIAL TEÓRICO Revisão Textual: Profa. Dr. Patricia Silvestre Leite Di Iorio 2 Apresentação Como apresentado, os conceitos vistos na Unidade

Leia mais

A base de um projeto de instalação elétrica consiste em:

A base de um projeto de instalação elétrica consiste em: A base de um projeto de instalação elétrica consiste em: Previsão e dimensionamento das cargas elétricas (Máquinas, tomadas Tug s, tomadas Tue s e iluminação) no local desejado; Dimensionar e especificar

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA Profª Cida Medeiros 2 Determinação da carga instalada: Define o tipo de fornecimento; Somatório das potências (kw) dos aparelhos ligados a unidade consumidora; Os cálculos devem considerar aparelhos com

Leia mais

Laboratório de Instalações Elétricas Circuitos de Luz e Força e Previsão da Carga

Laboratório de Instalações Elétricas Circuitos de Luz e Força e Previsão da Carga Laboratório de Instalações Elétricas Circuitos de Luz e Força e Previsão da Carga Prof. Lia Mota (Noturno) Prof. Alexandre Mota (Matutino) 1s2011 Circuitos Conjunto de condutores que distribuem energia

Leia mais

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO ND-5.1 7-8 TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO Aparelhos de Aquecimento e Eletrodomésticos Tipo Potência Tipo Potência ( W ) ( W ) Aquecedor de Água até 80 L 1.500

Leia mais

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1 Introdução As instalações elétricas de baixa tensão são regidas no Brasil pela norma NBR 5410 (também conhecida por NB-3). Esta norma aplica-se às instalações

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas Residenciais e Prediais

Disciplina: Instalações Elétricas Residenciais e Prediais Disciplina: Instalações Elétricas Residenciais e Prediais UNIDADE II: CIRCUITOS RESIDENCIAIS E PREDIAIS 2.1. FUNDAMENTOS DE PROJETO ELÉTRICO. 2.1.1.Simbolos e Normas de Referência 2.1.2. Roteiros para

Leia mais

Projetos Elétricos. Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos. Evandro Junior Rodrigues. Novembro /07/ / 49

Projetos Elétricos. Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos. Evandro Junior Rodrigues. Novembro /07/ / 49 Projetos Elétricos Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos Novembro 2016 01/07/2016 1 / 49 Introdução Simbologia; Desenho das iluminações e tomadas em uma planta baixa; Quadro Geral Critérios

Leia mais

MANUAL DE CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz.

MANUAL DE CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. MANUAL DE CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. QUANDO VOCÊ UTILIZA ENERGIA DE FORMA EFICIENTE, TODO MUNDO SAI GANHANDO.

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Divisão das Instalações em Circuitos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Divisão das Instalações em Circuitos Divisão das Instalações em Roteiro - Calcular a previsão de carga - Locar os pontos de iluminação, TUG, TUE e QDLF. - Dividir os terminais - Balancear as fases NBR 5444 - Símbolos Gráficos para Instalações

Leia mais

TABELAS ANEXOS - DESENHOS. Tabela 1 - Dimensões dos Equipamentos e Compartimentos Individuais

TABELAS ANEXOS - DESENHOS. Tabela 1 - Dimensões dos Equipamentos e Compartimentos Individuais TABELAS ANEXOS - DESENHOS Tabela 1 - Dimensões dos Equipamentos e Compartimentos Individuais Peso Equipamento Dimensões (mm) com Óleo Comprim. Largura Altura (kg) Até 75 1225 825 1040 (1190) 505 112,5

Leia mais

Laboratório 5 AVALIAR CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM INSTALAÇÕES

Laboratório 5 AVALIAR CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Laboratório 5 AVALIAR CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM INSTALAÇÕES INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INTERNAS AVALIAR O CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM INSTALAÇÕES OBJETIVOS:

Leia mais

ND CÁLCULO DE DEMANDA

ND CÁLCULO DE DEMANDA ND-5-2 5-1 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS CÁLCULO DE DEMANDA O dimensionamento dos componentes de entrada de serviço (ramais de ligação e de entrada, alimentadores) das edificações de uso coletivo e dos agrupamentos

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas II UNIDADE II : QUADRO DE FORÇA. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng.

Disciplina: Instalações Elétricas II UNIDADE II : QUADRO DE FORÇA. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. Disciplina: Instalações Elétricas II UNIDADE II : QUADRO DE FORÇA Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. Objetivos GERAL: O objetivo desta disciplina é avançar com os conhecimentos mais aprofundados

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

CAPÍTULO 4- INSTALAÇÕES EM RESIDÊNCIAS 4.1- ELEMENTOS COMPONENTES DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA

CAPÍTULO 4- INSTALAÇÕES EM RESIDÊNCIAS 4.1- ELEMENTOS COMPONENTES DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof.a : CARMINDA CÉLIA M. M. CARVALHO CAPÍTULO 4- INSTALAÇÕES EM RESIDÊNCIAS 4.1-

Leia mais

O que é Padrão de Entrada?

O que é Padrão de Entrada? 1 O que é Padrão de Entrada? O padrão de entrada é o conjunto de condutores, eletrodutos, poste, caixa de medição e demais acessórios utilizados na sua montagem, padronizados pela Cosern e de acordo com

Leia mais

Eletrodomésticos Comuns e

Eletrodomésticos Comuns e Eletrodomésticos Comuns e Lâmpadas ASPIRADOR DE PÓ COMERCIAL 2240 ASPIRADOR DE PÓ COMERCIAL 1000 ASPIRADOR DE PÓ RESIDENCIAL 750 BALANÇA ELÉTRICA 20 BALCÃO FRIGORÍFICO GRANDE 1000 BALCÃO FRIGORÍFICO PEQUENO

Leia mais

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável Barramentos de Cobre Medida Peso Amperagem /8 x 1/16 0,15kg 5 1/2 x 1/16 0,180kg 45 /8 x 1/8 0,269kg 7 1/2 x 1/8 0,58kg 97 5/8 x 1/8 0,448kg 122 /4 x 1/8 0,57kg 146 1 x 1/8 0,717kg 195 1.1/4 x 1/8 0,896kg

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

Potência total de iluminação prevista (VA) = 900 (VA)

Potência total de iluminação prevista (VA) = 900 (VA) MEMORAL DESCRTVO E DE CÁLCULO PROJETO......... ELÉTRCO PREDAL RESDECAL ORA............FSC. LOCALDADE...... Rua Pavão, 13,37 Costa e Silva - Joinville. PROPREDADE..... Dilma Rousseff. OJETVO........ APROVAÇÃO

Leia mais

Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica. https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza /

Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica. https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza / Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza-544198/ I. Introdução A energia elétrica é um bem precioso, indispensável para

Leia mais

Curso Técnico em Mecânica ELETRICIDADE

Curso Técnico em Mecânica ELETRICIDADE Curso Técnico em Mecânica - 2016 ELETRICIDADE Aula 12 Consumo de energia elétrica Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

26/01/2017. Dimensionamento de eletrodutos Dimensionamento de dispositivos de proteção

26/01/2017. Dimensionamento de eletrodutos Dimensionamento de dispositivos de proteção Dimensionamento de eletrodutos Dimensionamento de dispositivos de proteção 1 Para instalações simples, nas quais o comprimento do trecho de eletrodutos esteja dentro dos limites anteriores e para a instalação

Leia mais

TABELA ORIENTATIVA Potência Potência Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln

TABELA ORIENTATIVA Potência Potência Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Linha GERADORES Linha GERADORES DE ENERGIA Energia garantida para o seu serviço A linha de Geradores de Energia Schulz foi especialmente desenvolvida para levar energia onde a eletricidade ainda não alcança.

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL RECANTO DOS PÁSSAROS. LOCALIZAÇÃO: O condomínio será construído na Rua Divinópolis, Bairro da Velha Central, em Blumenau - SC.

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL RECANTO DOS PÁSSAROS. LOCALIZAÇÃO: O condomínio será construído na Rua Divinópolis, Bairro da Velha Central, em Blumenau - SC. EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA AV MARTIN LUTHER Nº 111 Sala 106 FONE: (47) 3322 5578 BLUMENAU SC CONDOMÍNIO RESIDENCIAL RECANTO DOS PÁSSAROS CONSTRUÇÃO:MTL Empreendimentos Imobiliários Ltda EMPRENDIMENTO:Incorporadora

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 2 Instalações de água quente Generalidades As instalações

Leia mais

Tabelas de Equivalência

Tabelas de Equivalência Normas Referentes ao Grau de Proteção de Equipamentos IP (International Protection) Grau de Proteção das envolturas (International Protection) I P 2 1 o Número Caracteriza: Proteção contra o Contato de

Leia mais

Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento

Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento Demanda e Padrão de Entrada Diagrama Unifilar Memorial descritivo e Orçamento Diferentemente do restante da instalação, as normas que regem a

Leia mais

Projeto Elétrico Residencial

Projeto Elétrico Residencial Projeto Elétrico Residencial A importância do projeto e os primeiros passos Sala da Elétrica Engenheiro Eletricista atua como Instrutor de Treinamentos há 10 anos é também criador do blog Sala da Elétrica

Leia mais

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão LEGGA SOLUÇÕES EM ENERGIA Eng. Adriel de Oliveira Engenheiro Eletricista - CREA PR: 119.257/D Av. Santos Dumont, 633 Londrina PR Fones: (43) 3039-2142 / (43) 9150-1414 E-mail: adriel@legga.com.br Laudo

Leia mais

USO EFICIENTE DA ENERGIA

USO EFICIENTE DA ENERGIA Matriz Energética Cenário Atual Uso da Energia Elétrica com Eficiência Dicas de Uso Eficiente e Seguro da Energia MATRIZ ENERGÉTICA Matriz Energética Brasileira Eólica 3,8% 5,5% Biomassa Termoelétrica

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Parte 1 Conceitos fundamentais 1 Graduação em Eng. Elétrica 23:29:59 Cronograma 1. Revisão de Circuitos Elétricos Grandezas fundamentais: Tensão, corrente, Potência,

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL EXERCICIOS DE INSTALAÇÕES ELETRICAS

UNIVERSIDADE CEUMA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL EXERCICIOS DE INSTALAÇÕES ELETRICAS Questão 1- Um eletricista ganhou a concorrência para fazer toda instalação elétrica de um conjuntode casas populares de 2 dormitórios, sala, cozinha, banheiro área de serviços e garagem.nessa concorrência

Leia mais

Aula 3 Simbologia e anotação na planta

Aula 3 Simbologia e anotação na planta Aula 3 Simbologia e anotação na planta Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 43 Agenda 1 Introdução Definição Normas 2 Divisão das instalações O circuito elétrico

Leia mais

05/01/2017 LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE ENERGIA QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO SIMBOLOGIA CIRCUITO ELÉTRICO RESIDENCIAL FORMAS DE INSTALAÇÕES DE CIRCUITOS

05/01/2017 LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE ENERGIA QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO SIMBOLOGIA CIRCUITO ELÉTRICO RESIDENCIAL FORMAS DE INSTALAÇÕES DE CIRCUITOS Quadro de distribuição Circuitos e divisões de circuitos Dimensionamento de condutores elétricos LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE ENERGIA QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO SIMBOLOGIA CIRCUITO ELÉTRICO RESIDENCIAL FORMAS

Leia mais

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues 2º Bimestre Prof. Evandro Junior Rodrigues Agosto 2016 Evandro Junior Rodrigues Robôs M óveis e sua Aplicação em Sumário Transformadores Geração + Transmissão + Distribuição Proteção contra sobrecorrente

Leia mais

Florianópolis. Padrão de Consumo

Florianópolis. Padrão de Consumo Florianópolis O padrão de gastos médios com supermercados é de R$ 803,00 e em cartão de crédito, de R$ 683,00. Também as compras pela internet têm um valor médio de gastos relativamente alto: R$ 631,00.

Leia mais

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA DOS CONSUMIDORES - PICC

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA DOS CONSUMIDORES - PICC PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA DOS CONSUMIDORES - PICC Objetivos da parceria ACIRP e FUNDACE O objetivo da pioneira parceria entre a ACIRP e a FUNDACE é o levantamento de importantes e inéditos indicadores

Leia mais

SAIBA O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SAIBA O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SAIBA O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De maneira geral a eficiência energética mede a qualidade no uso da energia para os fins a que ela serve à sociedade. Qualquer atividade atualmente exercida pela sociedade

Leia mais

INE. Prof. Carlos T. Matsumi Área de Eletroeletrônica Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Campus Joinville

INE. Prof. Carlos T. Matsumi Área de Eletroeletrônica Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Campus Joinville Projetos e Instalações Elétricas INE Prof. Carlos T. Matsumi Área de Eletroeletrônica Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Campus Joinville Projeto Residencial Planta Baixa; Determinar a iluminação

Leia mais

PLANTA DE ARQUITETURA HI CENTRO 1 AO 12 PAVIMENTO - FINAL 7 BLOCO A

PLANTA DE ARQUITETURA HI CENTRO 1 AO 12 PAVIMENTO - FINAL 7 BLOCO A PLANTA DE ARQUITETURA 1 AO 12 PAVIMENTO - FINAL 7 AQUECEDOR A À CARGO DO PROPRIETÁRIO DE SERVIÇO DORMITÓRIO ESTAR / JANTAR COZINHA BANHO ÁREAS COM FORRO / SANCA DE GESSO FURO ESCALA: 1 : 50 ALVENARIA PILAR

Leia mais

DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO DE UNIDADE CONSUMIDORA COMERCIAL LOCALIZADA EM PARAISÓPOLIS. São Paulo

DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO DE UNIDADE CONSUMIDORA COMERCIAL LOCALIZADA EM PARAISÓPOLIS. São Paulo DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO DE UNIDADE CONSUMIDORA COMERCIAL LOCALIZADA EM PARAISÓPOLIS São Paulo Junho de 2007 1. INTRODUÇÃO: O objetivo deste questionário é caracterizar os usos finais, estado das instalações

Leia mais

Prime. Duna. Design para ambientes de personalidade. A exclusividade em movimento.

Prime. Duna. Design para ambientes de personalidade. A exclusividade em movimento. Prime Duna Design para ambientes de personalidade. A exclusividade em movimento. Prime Duna Atributos e benefícios Beleza e ergonomia premiadas na mostra "Brasil faz Design". Cor Branco Haya. Modular

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 05 Circuito de distribuição e Circuitos terminais Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 CIRCUITOS ELÉTRICOS Circuitos elétricos Em uma

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACABAMENTOS EDIFÍCIO FELICITÁ STUDIOS

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACABAMENTOS EDIFÍCIO FELICITÁ STUDIOS MEMORIAL DESCRITIVO DE ACABAMENTOS EDIFÍCIO FELICITÁ STUDIOS RUA NUNES MACHADO 69 1. ÁREAS DE USO COMUM 1.1. HALL DE ENTRADA DO EDIFÍCIO: Paredes: acabamento em pintura, conforme detalhamento de Esquadrias

Leia mais

REFORMA DO ESTADO NO BRASIL REGULAÇÃO E CONCORRÊNCIA

REFORMA DO ESTADO NO BRASIL REGULAÇÃO E CONCORRÊNCIA REFORMA DO ESTADO NO BRASIL REGULAÇÃO E CONCORRÊNCIA Aluno: Gustavo Pita Gomes de Castro Orientador: Marina Figueira de Mello Introdução A Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL determina para cada

Leia mais

CURSO: Técnico Integrado em Eletroeletrônica PROFESSOR: Ana Barbara K. Sambaqui UNIDADE CURRICULAR: Projetos e Instalações Elétricas Prediais ALUNA:

CURSO: Técnico Integrado em Eletroeletrônica PROFESSOR: Ana Barbara K. Sambaqui UNIDADE CURRICULAR: Projetos e Instalações Elétricas Prediais ALUNA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CURSO: Técnico Integrado em Eletroeletrônica MÓDULO: VI PROFESSOR: Ana Barbara K. Sambaqui UNIDADE CURRICULAR: Projetos

Leia mais

VOCÊ TEM TUDO PARA SER O POUPE STAR DA SUA CASA.

VOCÊ TEM TUDO PARA SER O POUPE STAR DA SUA CASA. VOCÊ TEM TUDO PARA SER O POUPE STAR DA SUA CASA. FAMÍLIA INTELIGENTE, CONSUMO CONSCIENTE. Poupar energia é bom para todo mundo. Você diminui seus gastos com o orçamento, evita desperdícios e ainda cuida

Leia mais

Disjuntores. 2º Bimestre

Disjuntores. 2º Bimestre Disjuntores 2º Bimestre Prof. Dezembro 2016 01/12/2016 1 / 30 Sumário Introdução Proteção contra sobrecorrente Proteção contra choques elétricos 01/12/2016 2 / 30 1. Proteção contra sobrecorrente Sobrecarga:

Leia mais

Rio de Janeiro. Padrão de Consumo

Rio de Janeiro. Padrão de Consumo Rio de Janeiro Aproximadamente 2/3 (62%) possuem telefone celular pré e 33%, pós pago. Possuem também, uma série de acessórios para seu lazer, como câmera digital (43%), som MP3 (em casa - 1% - ou no carro

Leia mais

Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR

Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR 1- INTRODUÇÃO No desenho de um projeto de instalação elétrica de uma residência, devemos proceder do seguinte modo: a) possuir um jogo

Leia mais

Mínimo de 5 dia(s) Mínimo de. 10 dia(s) Mínimo de. 7 dia(s) Mínimo de. 7 dia(s) Mínimo de. 5 dia(s) Mínimo de. 7 dia(s) Mínimo de. 5 dia(s) Mínimo de

Mínimo de 5 dia(s) Mínimo de. 10 dia(s) Mínimo de. 7 dia(s) Mínimo de. 7 dia(s) Mínimo de. 5 dia(s) Mínimo de. 7 dia(s) Mínimo de. 5 dia(s) Mínimo de Residencial Ana Paula 1 dormitório(s) sendo: Quarto; Cozinha; (Antes) 01/11/2016 17/12/2016 US$ 40,00 NATAL - REVEILLON 18/12/2016 03/01/2017 US$ 120,00 Janeiro 03/01/2017 31/01/2017 US$ 110,00 Fevereiro

Leia mais

Memorial Descritivo. Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965

Memorial Descritivo. Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965 1. Descrição do prédio. Memorial Descritivo Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965 O prédio a ser construído compõe-se de 16 pavimentos mais casa de máquinas, constituído de 56 (cinqüenta

Leia mais

Para usar no Desafio 1

Para usar no Desafio 1 Para usar no Desafio 1 Com este instrumento, nós vamos coletar informações sobre equipamentos elétricos e hidráulicos da escola (lâmpadas, uso de tomadas, computadores, refrigeradores, torneiras etc.).

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia Civil 8ª Série Instalações Elétricas, Telefônicas e de Lógica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES PROJETO PRELIMINAR GMG PROJETO PRELIMINAR Para dimensionar um GMG o primeiro passo é a determinação

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte ii Profº MSc.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte ii Profº MSc. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte ii Profº MSc. espíndola Potência de alimentação- Demanda Nas instalações elétricas nem

Leia mais

Lista de Exercícios 2 ELBE1. Entregar os exercícios 4, 5, 7, 12 e 18 no dia da prova (em uma folha separada).

Lista de Exercícios 2 ELBE1. Entregar os exercícios 4, 5, 7, 12 e 18 no dia da prova (em uma folha separada). MNSTÉRO DA EDUCAÇÃO NSTTUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CÊNCA E TECNOLOGA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESDENTE EPTÁCO Curso Técnico em Eletrotécnica Lista de Exercícios 2: Eletricidade Básica (ELBE1) Professor: Fernando

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 2 trimestre Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Potência e Energia Elétrica

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 2 trimestre Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Potência e Energia Elétrica Sala de Estudos FÍSICA Lucas 2 trimestre Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Potência e Energia Elétrica 1. (Enem 2010) Todo carro possui uma caixa de fusíveis, que são utilizados

Leia mais

Guia da Melhor Prática de Economia de Energia em Casa Copyright Lemke 2016

Guia da Melhor Prática de Economia de Energia em Casa Copyright Lemke 2016 Guia da Melhor Prática de Economia de Energia em Casa Economia de Energia em casa Como fazer o uso eficiente da energia elétrica É importante ressaltar que a energia elétrica é uma ferramenta para servir

Leia mais

EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia

EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia João Moreira UFABC Necessidades humanas e energia Existência humana - nas residências Movimento,

Leia mais

Apostila de Elétrica

Apostila de Elétrica Reitor: Getúlio Lopes Diretor da FATECS: José Pereira da Luz Filho Coordenador: José Galbinski Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Instalações Professora: Eliete de Pinho Araujo Apostila de Elétrica

Leia mais

DICAS PARA A SUA ECONOMIA

DICAS PARA A SUA ECONOMIA DICAS PARA A SUA ECONOMIA SELO PROCEL Quer saber como economizar energia de forma simples e em situações práticas do dia a dia? Clique nos números. Depois, é só colocar em prática. 11 7 1 Ao comprar refrigeradores,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Redes de Instalação Elétrica. Prof. Msc. Getúlio Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Redes de Instalação Elétrica. Prof. Msc. Getúlio Tateoki Redes de Instalação Elétrica Redes de Instalação Elétrica Produção Usinas Hidroelétricas, Termoelétricas, eólicas, etc. Transmissão Transporte de energia elétrica gerada até centros consumidores. Distribuição

Leia mais

2 - Qual a potência em Watts de um motor de uma 3,50 hp?

2 - Qual a potência em Watts de um motor de uma 3,50 hp? INSTITUTO EDUCACIONAL SÃO JOÃO DA ESCÓCIA NOME: N o DATA: / /2016 CURSO: Eletrônica DISCIPLINA: Eletricidade Básica PROFESSOR: João Carlos Data da entrega: 03 de Maio de 2016 1 - Suponha que um determinado

Leia mais

Roteiro para entrevista com o Proprietário (Para projetos de Residências)

Roteiro para entrevista com o Proprietário (Para projetos de Residências) Roteiro para entrevista com o Proprietário (Para projetos de Residências) INFORMAÇÕES GERAIS 1. Esta súmula deverá ser acompanhada das plantas baixas e do desenho de localização e situação. 2. Sempre que

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 26/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Cálculo da Demanda em Edificações Tensão Secundária Cálculo da Demanda em Edificações Individuais (a)

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO 1. OBJETIVO COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 01-07 CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO Este comunicado técnico tem por objetivo estabelecer um novo processo de cálculo de demanda para

Leia mais

Apostila de Projeto de Instalações Elétricas Residenciais e Prediais (Parte III)

Apostila de Projeto de Instalações Elétricas Residenciais e Prediais (Parte III) Apostila de Projeto de Instalações Elétricas Residenciais e Prediais (Parte III) 2010 Prof. Edson Watanabe, edsonh@ifsc.edu.br, www.joinville.ifsc.edu.br/~edsonh 1 Conteúdo 3. Introdução 3.1 Simbologia

Leia mais

Em um circuito fechado padrão com fonte de tensão e resistência, a tensão provoca um fluxo de corrente e a resistência se opõe a esse fluxo.

Em um circuito fechado padrão com fonte de tensão e resistência, a tensão provoca um fluxo de corrente e a resistência se opõe a esse fluxo. Em um circuito fechado padrão com fonte de tensão e resistência, a tensão provoca um fluxo de corrente e a resistência se opõe a esse fluxo. A figura abaixo mostra um circuito fechado típico com uma fonte

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 12 Dimensionamento de Condutores (Critério da capacidade de corrente) Porto Alegre - 2012 Tópicos Dimensionamento de condutores

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 02 Potência elétrica Fator de potência Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Tensão e corrente elétrica Nos condutores, existem partículas

Leia mais

BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC

BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO 1 ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Apresentação 3 Tabelas

Leia mais

Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão

Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão ITA 001 Rev.3 Dezembro/2009 Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ CEP 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento

Leia mais

1.2.1 Pontos de tomada - quantidade Banheiros:

1.2.1 Pontos de tomada - quantidade Banheiros: 1.2.1 Pontos de tomada - quantidade A norma define o número mínimo de pontos de tomadas que devem ser previstos num local de habitação. Critérios: Banheiros: pelo menos um ponto de tomada próximo ao lavatório.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Especificação Modelo A B Tensão (V~) Seletor de Temperatura Multitemperaturas

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Especificação Modelo A B Tensão (V~) Seletor de Temperatura Multitemperaturas 1. (ENEM) Um sistema de iluminação foi construído com um circuito de três lâmpadas iguais conectadas a um gerador (G) de tensão constante. Esse gerador possui uma chave que pode ser ligada nas posições

Leia mais

LUIZ RICARDO SOBENKO PROJETO ELÉTRICO

LUIZ RICARDO SOBENKO PROJETO ELÉTRICO LUIZ RICARDO SOBENKO ROJETO ELÉTRICO CURITIBA 2013 LUIZ RICARDO SOBENKO ROJETO ELÉTRICO Trabalho de graduação apresentado à disciplina de Eletrificação Rural do curso de Agronomia do Setor de Ciências

Leia mais

ITE PARA ENVIO DESTE FORMULÁRIO: 08/12/2006 TERMO DE RESPONSABILIDADE DO EXPOSITOR. Cep: Cidade: Estado

ITE PARA ENVIO DESTE FORMULÁRIO: 08/12/2006 TERMO DE RESPONSABILIDADE DO EXPOSITOR. Cep: Cidade: Estado ITE PARA ENVIO DESTE FORMULÁRIO: 08/12/2006 TERMO DE RESPONSABILIDADE DO EXPOSITOR FORMULÁRIO Nº 1 Endereço: Cep: Cidade: Estado CNPJ: I.E. Assumimos integralmente, através deste termo, qualquer responsabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 005/2006-CMDCA

RESOLUÇÃO N.º 005/2006-CMDCA RESOLUÇÃO N.º 005/2006-CMDCA O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Londrina, no uso de suas atribuições que conferem a Leis Federal nº 8.069/1990 e Municipal nº 9.678/20. - Considerando

Leia mais

ANEXO II: TABELAS DE FREQUÊNCIA - DADOS DO QUESTIONÁRIO ELECTRÓNICO

ANEXO II: TABELAS DE FREQUÊNCIA - DADOS DO QUESTIONÁRIO ELECTRÓNICO ANEXO II: TABELAS DE FREQUÊNCIA - DADOS DO QUESTIONÁRIO ELECTRÓNICO 1. Género Valid masculino 45 43,3 43,3 43,3 feminino 59 56,7 56,7 100,0 100,0 Idade Valid

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROJETO RESIDENCIAL MÓDULO I Introdução Prof. Marcos Fergütz setembro/2016 LEGISLAÇÃO CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Art. 10. O fornecedor

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROJETO RESIDENCIAL MÓDULO I Introdução Prof. Marcos Fergütz fev/2015 LEGISLAÇÃO CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Art. 10. O fornecedor

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/SP NATUREZA DO TRABALHO: PERÍCIA ELÉTRICA EM IMÓVEIS URBANOS

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/SP NATUREZA DO TRABALHO: PERÍCIA ELÉTRICA EM IMÓVEIS URBANOS XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/SP - 2009 NATUREZA DO TRABALHO: PERÍCIA ELÉTRICA EM IMÓVEIS URBANOS Resumo: Este trabalho tem como objetivo não somente apresentar

Leia mais

Em 2012 a Emak consolidou sua atuação no Brasil com a abertura de sua filial na cidade de Curitiba, estado do Paraná.

Em 2012 a Emak consolidou sua atuação no Brasil com a abertura de sua filial na cidade de Curitiba, estado do Paraná. 2017 1 Em 2012 a Emak consolidou sua atuação no Brasil com a abertura de sua filial na cidade de Curitiba, estado do Paraná. A nova unidade de negócio no Brasil, responde pela comercialização e distribuição

Leia mais

Planejamento e projeto das instalações elétricas

Planejamento e projeto das instalações elétricas Planejamento e projeto das instalações elétricas 1) A energia elétrica fornecida aos consumidores residenciais é resultado da conexão do consumidor com: a) Sistema elétrico de geração; b) Sistema de compatibilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FELIPE AUGUSTO PIACENTINI GRABARSKI PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FELIPE AUGUSTO PIACENTINI GRABARSKI PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FELIPE AUGUSTO PIACENTINI GRABARSKI PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CURITIBA 2013 FELIPE AUGUSTO PIACENTINI GRABARSKI PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Trabalho apresentado

Leia mais

Apostila de Instalações Elétricas

Apostila de Instalações Elétricas 6.10.9 - Mista: combina uma incandescente e um tubo de descarga com alta pressão. Funciona em tensão de 220 V, sem reator. Emite cerca de 30 lumen/w. Possui vida útil de cerca de 6.000h. É uma alternativa

Leia mais