SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS. O turismo formal em Minas Gerais a 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS. O turismo formal em Minas Gerais a 2010"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS O turismo formal em Minas Gerais a 2010

2 Ficha técnica Realização: Governo do Estado de Minas Gerais Governador Antônio Augusto Junho Anastasia Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais Secretário Agostinho Patrus Filho Secretária Adjunta Silvana Nascimento Chefe de Gabinete Márcia Martini Superintendência de Políticas de Turismo Superintendente Jussara Rocha Diretoria de Pesquisa, Informação e Estatística Diretor Rafael Oliveira

3 Ficha técnica Coordenação Geral: Rafael Oliveira Equipe Técnica: Alessandra Azevedo, Helena Peres, Jacqueline Sasso, Jean Rodrigues, Ricardo Navarro, Thalita Assis Análise: Rafael Oliveira, Alessandra Azevedo

4 Informações metodológicas No ano de 2009, a Setur-MG, contratou o Instituto Kultur para a elaboração de um estudo referente à criação de uma base de dados e Indicadores para o monitoramento dos efeitos das políticas públicas de turismo com o intuito de levantar o gasto e o investimento público municipal no setor e os impactos econômicos diretos da atividade nos Destinos Turísticos Indutores do Estado de Minas Gerais. Dentre os produtos desse estudo, foram definidas algumas atividades relevantes para a o turismo referentes à Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), que possibilitou a filtragem das informações por municípios de Minas Gerais da base de dados da Relação Anual de Informações sobre Serviços (RAIS), levantada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A partir desse levantamento, foi possível agregar os municípios do Estado nas regiões de planejamento, gerando uma série histórica referente aos principais indicadores como o número de estabelecimentos, número de empregados e a renda média mensal dos empregados de cada setor da atividade turística. Para fins desse estudo e devido a particularidade do perfil dos turistas em cada região de planejamento, a região denominada como Central foi separada do município de Belo Horizonte e da Região Metropolitana de Belo Horizonte, gerando assim, 12 regiões de planejamento, e não 10, conforme utilizado usualmente pelo Governo de Minas Gerais.

5 Atividades Turísticas Número de estabelecimentos por Estado: Total a 2010 Unidade da Federação São Paulo Minas Gerais Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Paraná Santa Catarina Bahia Goiás Pernambuco Ceará Distrito Federal Espírito Santo Mato Grosso Mato Grosso do Sul Pará Rio Grande do Norte Maranhão Alagoas Paraíba Sergipe Rondônia Amazonas Piauí Tocantins Amapá Acre Roraima Brasil

6 Atividades Turísticas Taxa de crescimento médio anual de estabelecimentos: 2006 a ,0% 5,4% 5,2% 5,0% 4,3% 4,5% 4,0% 3,0% 2,7% 2,0% 1,0% 0,0% Espírito Santo Minas Gerais São Paulo Rio de Janeiro Brasil

7 Atividades Turísticas Número de empregados: Total a 2010 Unidade da Federação São Paulo Rio de Janeiro Minas Gerais Rio Grande do Sul Paraná Bahia Santa Catarina Pernambuco Distrito Federal Goiás Ceará Espírito Santo Pará Rio Grande do Norte Mato Grosso Amazonas Mato Grosso do Sul Maranhão Alagoas Paraíba Sergipe Piauí Rondônia Tocantins Amapá Acre Roraima Brasil

8 Atividades Turísticas Taxa de crescimento médio anual de empregados: 2006 a ,0% 5,4% 5,3% 5,1% 5,2% 5,0% 4,3% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% São Paulo Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro Brasil

9 Atividades Turísticas Renda média nominal mensal dos empregados: Total a 2010 Unidade da Federação São Paulo 999, , , , ,59 Distrito Federal 925,93 970, , , ,86 Rio de Janeiro 791,78 827,16 893,73 990, ,88 Rio Grande do Sul 784,01 814,05 865,30 918, ,75 Amazonas 775,00 828,01 896,63 970, ,18 Santa Catarina 742,53 782,32 853,50 921, ,09 Paraná 740,97 787,99 845,72 901,67 991,40 Pará 653,60 709,00 740,17 867,83 926,34 Roraima 727,16 718,98 675,83 812,92 922,99 Goiás 642,44 699,60 756,89 826,85 921,40 Mato Grosso 655,08 698,40 770,65 824,63 915,65 Mato Grosso do Sul 632,47 669,10 734,09 818,99 898,12 Pernambuco 765,76 700,41 757,13 802,39 895,37 Minas Gerais 646,68 690,81 740,51 814,40 891,75 Espírito Santo 654,58 688,98 748,15 823,27 885,27 Amapá 641,49 695,17 761,50 841,32 878,47 Acre 622,70 690,23 760,63 795,94 873,69 Bahia 672,43 694,09 739,57 785,16 845,79 Rondônia 575,53 638,33 684,11 748,54 834,57 Tocantins 538,66 616,90 674,07 746,94 817,24 Rio Grande do Norte 588,30 634,12 676,55 731,18 795,26 Maranhão 539,77 585,00 747,28 705,09 778,87 Ceará 587,65 619,68 652,73 705,16 772,47 Sergipe 551,41 589,75 635,02 715,63 767,37 Alagoas 609,97 578,62 635,47 694,15 755,23 Paraíba 530,76 573,18 616,21 674,66 746,02 Piauí 541,11 587,99 630,50 689,13 745,20 Brasil 806,66 845,96 914,43 983, ,86

10 Atividades Turísticas Taxa de crescimento médio anual da renda nominal mensal dos trabalhadores: 2006 a ,4% 8,4% 8,3% 8,2% 8,0% 7,9% 7,8% 7,6% 7,4% 7,2% 7,0% 7,3% 7,5% 6,8% Minas Gerais Rio de Janeiro Espírito Santo São Paulo Brasil

11 Atividades Turísticas Número de estabelecimentos: Total a 2010 Região de Planejamento Belo Horizonte Sul de Minas Central Mata Triângulo Metropolitana de BH Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

12 Atividades Turísticas Taxa média de crescimento anual do número de estabelecimentos no setor de turismo: 2006 a ,0% 7,4% 7,0% 6,0% 5,0% 6,7% 6,5% 6,4% 6,2% 5,8% 5,8% 5,2% 5,2% 4,9% 4,8% 4,4% 4,0% 3,3% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0%

13 Atividades Turísticas Percentual de estabelecimentos no setor turístico: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 8,8 8,8 8,8 8,8 9,0 15,7 15,7 15,4 15,5 15,5 7,0 6,9 6,7 6,6 6,5 4,1 4,1 4,2 4,2 4,3 1,3 1,3 1,3 1,4 1,5 8,0 8,0 8,3 8,3 8,5 11,3 11,3 11,3 11,4 11,1 2,0 5,4 2,0 5,4 2,0 5,5 2,0 5,6 2,1 5,6 11,4 11,5 11,4 11,6 11,6 21,6 21,4 21,5 21,1 20,9 3,6 3,5 3,6 3,6 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

14 Atividades Turísticas Número de empregados em Minas Gerais: Total a 2010 Regiões de Planejamento Belo Horizonte Metropolitana de BH Central Sul de Minas Triângulo Mata Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

15 Atividades Turísticas Taxa média de crescimento anual do número de empregados no setor de turismo: 2006 a ,0% 7,0% 6,0% 5,0% 7,7% 7,4% 7,4% 6,5% 6,3% 5,8% 5,7% 5,3% 5,1% 4,3% 4,2% 4,1% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,4% 0,0%

16 Atividades Turísticas Percentual de empregados no setor turístico: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 8,6 8,4 8,5 8,3 8,7 9,7 9,5 9,4 9,7 9,8 6,4 5,6 5,5 5,4 5,3 2,9 2,9 2,9 1,0 1,2 1,0 3,0 1,0 3,2 0,9 14,7 15,4 15,5 15,2 13,9 8,7 8,3 8,4 8,5 8,3 1,3 1,3 1,3 1,3 1,4 3,9 3,9 4,0 3,9 3,7 9,2 9,5 9,4 9,1 9,9 31,2 31,7 31,5 32,2 32,4 2,4 2,4 2,5 2,4 2, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

17 Atividades Turísticas Renda média nominal mensal dos empregados (R$) em Minas Gerais: Total a 2010 Regiões de Planejamento Metropolitana de BH 740,10 786,31 846,57 925, ,77 Belo Horizonte 730,35 781,16 824,25 918, ,13 Triângulo 710,03 738,75 799,74 867,50 947,91 Alto Paranaíba 578,54 629,34 686,75 747,46 807,45 Rio Doce 545,53 585,41 639,79 719,76 798,66 Central 553,75 605,92 653,50 703,58 772,15 Centro-Oeste 535,52 577,37 622,56 685,67 758,54 Sul de Minas 546,09 575,45 620,20 680,67 746,89 Noroeste 545,85 574,54 738,26 675,25 741,64 Mata 554,71 580,97 617,93 679,47 738,90 Norte 519,68 549,00 597,08 656,04 703,75 Jequitinhonha-Mucuri 499,08 521,64 563,60 622,92 683,58 Minas Gerais 646,68 690,81 740,51 814,40 891,75

18 Atividades Turísticas Taxa média de crescimento anual da renda nominal dos trabalhadores no setor de turismo: 2006 a ,0% 10,0% 8,0% 10,0% 9,1% 8,8% 8,7% 8,7% 8,5% 8,4% 8,4% 8,2% 8,2% 7,9% 7,5% 7,5% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0%

19 Atividades Turísticas Percentual da renda nominal total dos empregados no setor turístico: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 9,5 9,0 9,2 8,9 9,3 8,2 7,9 7,9 8,1 8,2 5,4 4,8 4,8 4,8 4,7 2,4 2,3 2,3 2,4 2,5 0,8 1,1 0,8 0,8 0,8 16,8 17,6 17,8 17,2 16,0 7,4 7,0 7,0 7,1 6,9 3,2 1,0 3,3 1,0 3,3 1,0 3,2 1,0 3,2 1,1 7,9 8,3 8,3 7,9 8,6 35,3 35,9 35,0 36,4 36,6 2,1 2,2 2,3 2,2 2, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

20 Comércio e Serviços Atividades turísticas consideradas: - Comércio varejista de artigos recreativos e esportivos; - Comércio varejista de calçados e artigos de viagem; - Comércio varejista de outros produtos novos não especificados anteriormente; - Seguros não-vida.

21 Comércio e Serviços Número de estabelecimentos: Comércio e Serviços a 2010 Região de Planejamento Belo Horizonte Sul de Minas Mata Central Triângulo Metropolitana de BH Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

22 Comércio e Serviços Taxa média de crescimento anual do número de empresas no setor de comércio e serviços: 2006 a ,0 5,4 5,3 5,2 5,0 4,0 3,7 3,0 2,0 1,0 2,7 2,6 2,6 2,5 2,4 2,4 1,9 1,8 1,0 0,0

23 Comércio e Serviços Percentual de empresas no setor de comércio e serviços: 2006 a ,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 9,9 9,9 9,9 9,9 9,9 16,5 16,6 16,3 16,3 16,0 7,3 7,3 7,1 6,9 6,9 5,0 4,9 4,9 5,0 5,0 1,3 1,3 1,3 1,4 1,5 7,1 7,1 7,4 7,5 7,9 11,0 11,3 11,4 11,4 11,1 1,9 2,0 2,0 1,9 2,1 6,4 6,3 6,4 6,5 6,3 10,5 10,6 10,3 10,6 10,6 19,1 18,7 18,7 18,3 18,5 4,0 4,1 4,3 4,2 4, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

24 Comércio e Serviços Número de empregados: Comércio e Serviços a 2010 Região de Planejamento Belo Horizonte Sul de Minas Triângulo Mata Central Metropolitana de BH Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

25 Comércio e Serviços Taxa média de crescimento anual do número de empregados no setor de comércio e serviços: 2006 a ,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 9,5 6,2 6,1 5,8 4,2 4,0 3,8 3,7 3,7 3,3 3,3 2,7 0,7

26 Comércio e Serviços Percentual de empregados no setor de comécio e serviços: 2006 a % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 9,7 9,8 10,1 10,2 10,5 13,4 13,0 12,9 13,5 13,1 7,0 6,8 6,6 6,5 6,2 4,2 1,3 4,4 1,3 4,3 1,3 4,4 1,3 4,6 1,3 8,6 9,1 9,0 9,2 8,5 10,6 10,1 10,5 10,4 10,1 1,5 1,4 1,6 1,5 1,7 5,3 5,6 5,7 5,4 5,3 9,9 9,7 9,6 9,8 9,7 25,2 25,2 24,7 24,0 25,0 3,5 3,7 3,9 3,8 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

27 Comércio e Serviços Renda média nominal mensal do trabalhador: Comércio e Serviços 2006 a 2010 (R$) Região de Planejamento Belo Horizonte 743,62 798,39 836,36 897, ,58 Triângulo 626,31 719,35 813,81 881,71 994,32 Alto Paranaíba 585,68 646,70 734,64 795,62 869,11 Metropolitana de BH 820,67 827,78 824,42 880,16 820,95 Noroeste 568,62 623,58 692,07 729,91 805,42 Rio Doce 471,49 543,39 606,91 677,35 737,97 Centro-Oeste 469,28 516,92 567,75 634,93 700,10 Sul de Minas 477,70 511,39 567,76 615,43 686,96 Mata 467,73 505,69 547,62 613,17 673,20 Central 506,34 545,14 595,53 662,39 672,40 Norte 441,85 499,39 557,65 607,58 643,87 Jequitinhonha-Mucuri 438,56 480,24 533,67 573,62 643,78 Minas Gerais 592,30 643,28 692,04 751,41 818,36

28 Comércio e Serviços Taxa média de crescimento anual da renda média nominal dos trabalhadores no setor de comércio e serviços: 2006 a ,0 12,0 12,3 11,9 10,5 10,4 10,1 9,9 9,5 9,5 9,1 10,0 8,0 8,4 8,0 7,4 6,0 4,0 2,0 0,0 0,1

29 Comércio e Serviços Percentual da renda total dos trabalhadores no setor de comércio e serviços: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 10,2 11,0 11,8 12,0 12,8 10,8 10,4 10,6 11,1 11,0 5,6 5,8 5,8 5,8 3,1 1,3 3,4 5,6 1,2 3,5 1,3 3,6 1,2 3,6 1,3 11,9 11,7 10,7 10,8 8,5 8,4 8,0 8,3 8,5 8,3 1,1 1,0 4,2 4,5 1,2 4,7 1,1 1,4 4,6 4,5 8,4 8,2 8,2 8,7 8,0 31,6 31,2 29,8 28,7 30,9 3,5 3,7 4,1 4,0 4, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

30 Transportes Atividades turísticas consideradas: - Transp. metro-ferroviário de passageiros; - Transp. rodoviário coletivo municipal e metropolitano; - Transp. rodoviário coletivo intermunicipal, interestadual e internacional; - Transp. rodoviário de táxi; - Transp. rodoviário coletivo, sob fretamento, e outros; - Trens turísticos, teleféricos e similares; - Transp. aquaviários não especificados anteriormente; - Transp. aéreo de passageiros regular; - Transp. aéreo de passageiros não-regular; - Locação de automóveis sem condutor; - Locação de meios de transporte, exceto automóveis, sem condutor; - Atividades auxiliares dos transportes terrestres não especificadas anteriormente; - Atividades auxiliares dos transportes aéreos.

31 Transportes Número de estabelecimentos: Transportes a 2010 Região de Planejamento Central Belo Horizonte Sul de Minas Mata Metropolitana de BH Triângulo Rio Doce Norte Centro-Oeste Jequitinhonha-Mucuri Alto Paranaíba Noroeste Minas Gerais

32 Transportes

33 Transportes Percentual de empresas no setor de transportes em relação ao estado: 2006 a ,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 8,5 9,1 9,1 8,6 9,0 12,6 12,9 12,8 12,8 13,0 8,0 8,1 7,7 7,4 6,6 6,4 6,4 6,1 6,0 6,3 2,4 2,3 2,1 2,3 2,2 9,6 9,6 9,5 9,3 9,0 10,4 9,9 10,1 10,3 10,4 3,3 3,3 3,3 3,3 3,7 6,2 6,0 5,6 6,0 5,8 14,7 15,1 15,3 15,3 15,8 14,2 14,0 15,1 15,2 14,8 3,7 3,2 3,2 3,5 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

34 Transportes Número de empregados: Transportes a 2010 Regiões de Planejamento Belo Horizonte Metropolitana de BH Central Mata Triângulo Sul de Minas Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

35 Transportes Taxa média de crescimento anual do número de empregados no setor de transportes: 2006 a ,0 11,5 10,0 8,0 6,0 4,7 4,3 4,0 3,8 4,0 2,0 3,3 3,2 2,8 2,7 2,1 1,3 1,0 0,0-2,0-4,0-2,1

36 Transportes Percentual de empregados no setor de transportes em relação ao estado: 2006 a ,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 7,0 6,9 6,8 6,5 6,7 6,5 6,3 6,2 6,4 6,6 5,7 4,9 4,9 4,5 4,4 3,1 2,9 2,7 2,8 2,9 0,8 0,9 0,9 0,9 0,8 20,5 20,3 21,6 21,9 20,3 9,0 8,6 8,1 8,1 8,0 3,5 1,2 3,2 1,1 3,2 1,1 3,2 1,1 3,2 1,2 8,3 9,0 9,2 9,0 10,8 32,7 34,2 33,6 34,0 33,6 1,7 1,7 1,6 1,6 1, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

37 Transportes Renda média nominal mensal dos empregados: Transportes a 2010 (R$) Regiões de Planejamento Belo Horizonte 981, , , , ,23 Metropolitana de BH 864,76 905, , , ,98 Triângulo 883,11 937, , , ,08 Sul de Minas 771,00 767,58 840,38 905,79 987,87 Rio Doce 800,98 804,71 838,36 887,41 979,85 Alto Paranaíba 727,47 777,26 830,36 905,45 978,93 Centro-Oeste 718,10 754,75 810,41 877,84 960,20 Mata 751,39 754,77 803,27 861,17 943,93 Central 730,17 779,75 821,72 874,11 937,68 Noroeste 668,06 696,67 728,86 791,55 916,08 Jequitinhonha-Mucuri 715,76 730,25 778,58 852,09 897,61 Norte 664,43 724,34 763,76 817,93 850,64 Minas Gerais 856,00 897,76 965, , ,53

38 Transportes Taxa média de crescimento anual da renda nominal dos empregados no setor de transportes: 2006 a ,0 9,0 8,0 7,0 6,0 9,5 9,3 8,3 8,3 8,3 7,7 7,5 6,5 6,5 6,4 5,9 5,9 5,2 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0

39 Transportes Percentual da renda total dos trabalhadores no setor de transporte: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 7,2 7,2 7,2 6,8 6,9 5,9 5,4 5,4 5,4 5,5 5,3 4,4 4,3 3,7 3,7 2,4 2,3 2,1 2,1 2,1 0,7 0,7 0,7 0,7 0,6 20,7 20,4 22,4 22,5 21,4 7,9 7,2 6,8 6,5 6,4 1,0 0,9 2,9 2,7 0,9 0,9 0,9 2,7 2,6 2,6 7,1 7,8 7,8 7,3 8,6 37,5 39,4 38,4 40,1 39,9 1,4 1,5 1,4 1,3 1, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

40 Hospedagem Atividades turísticas consideradas: - Hotéis e similares; - Outros tipos de alojamento não especificados anteriormente.

41 Hospedagem Número de empresas: Hospedagem a 2010 Regiões de Planejamento Sul de Minas Central Belo Horizonte Mata Triângulo Metropolitana de BH Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

42 Hospedagem Taxa média de crescimento anual do número de empresas no setor de hospedagem: 2006 a ,0 8,2 8,0 7,0 6,0 6,0 5,6 5,0 4,0 3,0 2,0 4,3 3,9 3,9 3,6 3,3 3,2 2,7 2,7 1,9 1,8 1,0 0,0

43 Hospedagem Percentual de empresas no setor de hospedagem em relação ao estado: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 8,1 8,1 8,6 8,3 8,2 22,4 22,2 21,6 21,4 21,4 6,5 6,2 6,0 6,4 6,3 4,3 4,4 4,7 4,8 5,0 2,2 2,2 2,0 2,0 2,1 6,0 6,3 6,4 6,4 6,5 9,2 9,0 9,2 9,1 9,2 2,8 2,8 2,7 2,9 2,7 5,8 6,1 6,0 6,0 5,8 18,2 18,6 18,8 19,3 19,4 10,5 10,1 10,1 9,7 9,7 4,1 3,9 3,9 3,9 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

44 Hospedagem Número de empregados: Hospedagem a 2010 Regiões de Planejamento Sul de Minas Belo Horizonte Central Triângulo Metropolitana de BH Mata Rio Doce Centro-Oeste Alto Paranaíba Norte Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Total Geral

45 25,0 20,0 24,4 Hospedagem Taxa média de crescimento anual do número de empregados no setor de hospedagem: 2006 a ,4 15,0 10,0 14,8 14,2 13,4 13,3 13,3 13,0 12,6 12,5 11,4 9,7 6,2 5,0 0,0

46 Hospedagem Percentual de empregados no setor de hospedagem em relação ao estado: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 8,3 8,2 8,3 8,2 8,2 20,5 20,7 20,0 20,7 20,9 6,2 6,1 6,1 6,1 5,8 1,4 3,0 1,4 3,1 3,2 1,5 3,5 3,7 1,4 1,5 7,9 8,0 8,3 8,2 7,8 7,5 7,5 7,6 7,9 7,7 1,8 1,9 1,9 4,6 4,9 4,6 2,0 1,9 4,5 4,5 14,8 14,9 14,5 14,8 15,5 19,4 19,0 19,4 18,6 18,7 4,5 4,4 4,8 4,2 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

47 Hospedagem Renda média nominal mensal do trabalhador: Hospedagem 2006 a 2010 (R$) Região de Planejamento Belo Horizonte 594,49 652,41 716,57 809,11 887,94 Triângulo 542,48 588,38 637,50 706,62 786,96 Metropolitana de BH 483,33 524,89 597,41 693,06 769,68 Alto Paranaíba 591,35 627,69 688,28 743,16 756,03 Sul de Minas 512,53 553,82 607,92 665,48 727,27 Centro-Oeste 469,45 519,59 566,51 673,30 713,95 Central 460,75 490,96 546,80 616,11 677,23 Noroeste 431,76 487,35 532,91 592,70 658,32 Mata 460,64 498,08 542,22 595,60 658,31 Rio Doce 414,29 472,01 517,55 577,53 633,11 Norte 418,00 461,27 500,41 557,44 621,46 Jequitinhonha-Mucuri 411,08 439,12 489,05 540,44 591,98 Minas Gerais 506,67 550,12 606,34 675,91 740,06

48 Hospedagem Taxa média de crescimento anual da renda nominal dos trabalhadores no setor de hospedagem: 2006 a ,0 12,0 10,0 12,4 11,2 11,1 11,1 10,6 10,4 10,1 9,9 9,8 9,6 9,3 9,1 8,0 6,0 6,4 4,0 2,0 0,0

49 Hospedagem Percentual da renda total dos trabalhadores no setor de hospedagem: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 8,9 8,8 8,7 8,6 8,7 20,8 20,9 20,0 20,4 20,6 5,1 5,3 5,2 5,2 5,0 1,2 2,5 1,3 2,6 1,3 2,6 1,3 2,9 1,3 3,1 7,6 7,6 8,1 8,4 8,1 6,8 6,8 6,8 6,9 6,9 1,5 1,5 1,5 4,3 4,6 4,3 1,6 1,5 4,5 4,3 13,4 13,3 13,1 13,4 14,2 22,7 22,5 22,9 22,2 22,5 5,2 5,0 5,4 4,6 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

50 Alimentação Atividades turísticas consideradas: - Restaurantes e outros estab. de serviços de alimentação e bebidas; - Serviços ambulantes de alimentação; - Serviços de catering, bufê e outros serviços de comida preparada.

51 Alimentação Número de empresas: Alimentação a 2010 Regiões de Planejamento Belo Horizonte Sul de Minas Mata Central Metropolitana de BH Triângulo Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

52 Alimentação 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 13,9 Taxa média de crescimento anual do número de empresas no setor de alimentação: 2006 a ,8 12,3 11,3 10,0 9,7 8,5 8,3 8,2 8,1 7,7 6,9 5,8

53 Alimentação Percentual de empresas no setor de alimentação: 2006 a ,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 7,0 7,1 7,3 7,6 7,8 16,3 16,4 16,1 16,1 16,1 6,9 6,8 6,6 6,4 6,3 1,1 3,0 1,2 2,8 1,2 2,9 3,1 1,2 3,4 1,3 8,3 8,2 8,5 8,6 8,7 12,5 12,7 12,6 12,5 12,1 1,7 1,7 1,7 1,7 1,7 4,2 4,4 4,6 4,8 5,1 11,3 11,3 11,2 11,2 11,3 24,7 24,6 24,4 23,8 23,3 2,9 2,8 2,9 3,0 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

54 Alimentação Número de empregados: Alimentação a 2010 Regiões de Planejamento Belo Horizonte Sul de Minas Metropolitana de BH Central Mata Triângulo Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

55 Alimentação Taxa média de crescimento anual do número de empregados no setor de alimentação: 2006 a ,0 12,0 10,0 13,5 12,1 11,4 10,1 9,7 9,1 8,6 8,5 8,5 8,2 8,1 7,9 8,0 6,0 4,0 3,8 2,0 0,0

56 Alimentação Percentual de empregados no setor de alimentação em relação ao estado: 2006 a ,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 7,7 7,7 7,8 8,1 8,5 9,9 9,7 10,0 10,2 10,3 6,7 5,8 5,8 5,8 5,6 1,0 2,5 1,1 2,4 1,1 2,5 1,1 2,6 1,2 2,9 10,0 9,9 9,7 10,7 9,8 9,1 9,1 9,3 9,1 9,1 3,6 1,6 3,4 1,7 3,6 1,6 1,7 1,6 3,8 3,6 9,6 9,5 9,2 8,9 9,5 36,2 37,5 37,1 35,9 35,7 2,1 2,1 2,2 2,2 2, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

57 Alimentação Renda média nominal mensal do trabalhador: Alimentação 2006 a 2010 Regiões de Planejamento Triângulo 526,67 569,25 622,91 685,02 777,51 Belo Horizonte 482,92 529,81 576,24 653,32 725,87 Rio Doce 435,73 466,91 506,26 623,24 701,85 Metropolitana de BH 485,04 510,57 564,57 615,64 681,14 Alto Paranaíba 452,89 494,25 536,27 609,12 666,97 Sul de Minas 450,10 497,56 539,90 592,69 650,79 Noroeste 468,39 486,96 544,39 592,48 640,63 Central 437,25 474,02 516,55 578,18 640,55 Centro-Oeste 434,22 478,62 534,59 585,62 638,66 Mata 437,58 468,28 505,54 564,79 621,60 Norte 420,47 457,44 504,23 559,43 614,90 Jequitinhonha-Mucuri 411,94 447,64 483,85 544,25 604,71 Minas Gerais 466,37 507,14 552,96 620,70 688,56

58 Alimentação Taxa média de crescimento anual da renda nominal dos trabalhadores no setor de alimentação: 2006 a ,0 12,8 12,0 10,0 10,7 10,2 10,2 10,2 10,1 10,1 10,0 10,0 9,7 9,2 8,9 8,2 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0

59 Alimentação Percentual da renda total dos trabalhadores no setor de alimentação: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 8,7 8,6 8,8 8,9 9,6 9,5 9,6 9,8 9,7 9,7 6,3 5,4 5,3 5,8 5,7 1,0 2,2 1,1 2,2 1,1 2,3 1,1 2,4 1,1 2,6 10,5 10,0 9,9 10,6 9,7 8,5 8,4 8,5 8,3 8,2 1,4 1,5 3,3 3,2 1,4 3,4 1,5 1,4 3,6 3,4 9,0 8,8 8,6 8,3 8,8 37,5 39,2 38,6 37,8 37,6 2,0 2,0 2,1 2,1 2, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

60 Entretenimento Atividades turísticas consideradas: - Atividades de exibição cinematográfica; - Atividades fotográficas e similares; - Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos; - Atividades de organiz. de eventos, exceto culturais e esportivos; - Atividades de serviços prestados principalmente às empresas não especificadas anteriormente; - Artes cênicas, espetáculos e atividades complementares; - Gestão de espaços para atividades artísticas; - Ativ. de museus e de exploração, restauração e conservação de lugares; - Ativ. de jardins botânicos, zoo, parq. nacion., reserv. ecol. e APAs; - Atividades esportivas não especificadas anteriormente; - Parques de diversão e parques temáticos; - Atividades de recreação e lazer não especificadas anteriormente.

61 Entretenimento Número de empresas: Entretenimento a 2010 Regiões de Planejamento Belo Horizonte Sul de Minas Metropolitana de BH Mata Triângulo Central Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

62 Entretenimento Taxa média de crescimento anual do número de empresas no setor de entretenimento: 2006 a ,0 8,0 7,0 6,0 5,0 8,7 8,6 7,6 7,0 5,5 5,3 5,0 4,4 4,3 4,2 4,0 3,0 2,8 2,4 2,0 1,0 0,7 0,0

63 Entretenimento Percentual de empresas no setor de entretenimento em relação ao estado: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 10,4 10,2 9,7 9,8 10,5 10,9 10,7 10,9 11,3 11,4 4,9 5,3 5,4 5,6 5,8 0,9 3,1 0,8 3,5 1,0 3,8 1,0 3,4 1,0 3,6 10,5 10,7 10,5 10,5 10,8 11,3 10,3 10,3 10,6 10,5 1,3 1,4 1,5 1,4 5,0 5,2 5,3 5,2 1,5 5,1 9,0 9,1 9,1 9,4 9,3 28,8 29,3 29,3 28,4 27,2 3,8 3,5 3,4 3,4 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

64 Entretenimento Número de empregados: Entretenimento a 2010 Regiões de Planejamento Belo Horizonte Metropolitana de BH Triângulo Central Mata Sul de Minas Rio Doce Centro-Oeste Norte Alto Paranaíba Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais *Noroeste: No ano de 2008, há um aumento considerável nos valores do município de Vazante na base de dados.

65 Entretenimento Taxa média de crescimento anual do número de empregados no setor de entretenimento: 2006 a ,0 82,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0-10,0 8,6 5,9 5,8 5,0 4,0 3,1 2,9 2,3 1,7 1,0 0,5-2,6

66 Entretenimento Percentual de empregados no setor de entretenimento em relação ao estado: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 12,0 10,7 10,7 9,8 10,9 5,2 5,3 4,5 4,8 5,3 6,4 4,9 4,3 4,7 2,1 2,1 1,9 4,8 0,4 0,2 1,2 0,3 2,2 2,1 0,4 23,7 27,9 27,9 23,4 21,5 6,4 5,7 5,9 3,1 0,5 2,7 0,5 5,3 5,6 3,2 0,6 3,6 0,5 3,7 0,5 6,5 7,0 6,9 8,1 7,9 31,8 30,2 30,2 37,1 37,3 1,7 1,4 1,5 1,5 1, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

67 Entretenimento Renda média nominal mensal do trabalhador: Entretenimento 2006 a 2010 (R$) Região de Planejamento Metropolitana de BH 744,87 828,90 868,55 974, ,49 Belo Horizonte 769,32 834,43 841,29 888,40 947,58 Central 634,88 732,10 796,72 804,33 945,30 Triângulo 869,86 807,85 840,06 922,79 935,38 Rio Doce 516,21 604,76 724,91 827,92 932,13 Centro-Oeste 562,59 623,86 637,77 701,22 845,31 Sul de Minas 651,78 668,65 640,58 772,04 823,01 Mata 597,74 673,31 713,61 778,25 821,15 Norte 615,17 517,45 608,91 716,07 811,87 Alto Paranaíba 550,27 632,43 676,30 715,73 786,79 Jequitinhonha-Mucuri 439,25 454,15 515,34 595,54 642,72 Noroeste 544,76 500, ,74 584,65 635,22 Minas Gerais 717,41 773,76 812,56 876,63 958,22 *Noroeste: No ano de 2008, há um aumento considerável nos valores do município de Vazante na base de dados.

68 Entretenimento Taxa média de crescimento anual da renda nominal dos trabalhadores no setor de entretenimento: 2006 a ,0 23,6 20,0 16,0 15,0 10,9 10,9 10,7 10,1 9,4 10,0 8,3 8,2 7,5 6,4 5,4 5,0 2,0 0,0

69 Entretenimento Percentual da renda total dos trabalhadores no setor de entretenimento: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 14,6 11,2 11,1 10,3 10,6 4,7 4,6 1,8 0,3 4,5 3,6 4,2 4,5 3,8 3,8 4,4 1,4 1,5 1,6 4,7 1,9 0,2 1,9 0,2 0,3 29,9 24,6 29,8 26,0 25,2 5,6 4,9 5,0 4,6 0,4 4,9 0,4 0,4 0,3 2,5 2,9 0,3 2,5 2,4 2,9 5,9 6,9 6,1 7,7 7,7 34,1 32,5 31,2 37,6 36,9 1,3 1,1 1,2 1,3 1, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

70 Agências e Operadores Atividades turísticas consideradas: - Agências de viagens; - Operadores turísticos; - Serviços de reservas e outros serv. de turismo não especificados.

71 Agências e Operadores Número de empresas: Agências e Operadores a 2010 Regiões de Planejamento Belo Horizonte Sul de Minas Triângulo Mata Central Rio Doce Metropolitana de BH Centro-Oeste Alto Paranaíba Norte Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

72 Agências e Operadores Taxa média de crescimento anual do número de empresas no setor de agências e operadores: 2006 a ,0 35,6 35,0 30,0 25,0 22,5 20,0 15,0 10,0 16,2 14,6 14,2 13,5 13,3 9,9 9,1 8,7 8,4 6,9 5,0 0,0-5,0-3,1

73 Agências e Operadores Percentual de empresas no setor de agências e operadores em relação ao estado: 2006 a ,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 8,2 8,0 7,9 8,1 8,2 11,2 10,9 9,4 10,7 11,6 6,9 9,8 8,6 6,6 6,2 4,1 3,7 0,6 2,9 0,8 3,3 1,3 3,7 4,5 4,3 1,4 3,4 1,5 4,7 4,5 7,7 7,7 7,6 8,8 7,7 2,7 1,4 3,3 1,3 1,3 4,3 1,8 1,8 5,2 5,1 5,9 4,2 4,3 5,7 6,2 43,6 42,7 42,9 40,7 41,2 2,9 3,7 4,1 3,8 3, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

74 Agências e Operadores Número de empregados: Agências e Operadores a 2010 Regiões de Planejamento Belo Horizonte Triângulo Central Sul de Minas Metropolitana de BH Mata Rio Doce Alto Paranaíba Norte Centro-Oeste Jequitinhonha-Mucuri Noroeste Minas Gerais

75 Agências e Operadores Taxa média de crescimento anual do número de empregados no setor de agências e operadores: 2006 a ,0 66,8 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 34,5 29,7 26,4 19,3 15,7 11,9 11,2 10,4 10,1 9,6 7,8 10,0 0,0-10,0-20,0-13,4

76 Agências e Operadores Percentual de empregados no setor de agências e operadores em relação ao estado: 2006 a ,0 80,0 60,0 7,4 6,8 6,7 6,7 7,7 6,5 6,0 5,3 6,6 5,8 7,0 6,1 5,2 3,8 2,6 3,9 0,2 0,2 0,7 4,2 4,0 0,7 0,5 1,7 2,0 2,0 2,5 2,3 5,2 4,6 4,8 4,6 5,1 4,6 1,1 0,7 1,7 0,8 2,1 0,8 5,7 1,8 1,2 5,5 3,0 3,3 2,1 1,3 3,1 6,9 Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata 40,0 59,0 61,7 61,8 59,5 59,6 Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste 20,0 Central Belo Horizonte 0,0 2,3 2,9 3,0 2,8 2, Alto Paranaíba

77 Agências e Operadores Renda média nominal mensal do trabalhador: Agências e Operadores 2006 a 2010 (R$) Região de Planejamento Belo Horizonte 939,30 999, , , ,20 Metropolitana de BH 689,51 774,82 874,63 916, ,16 Triângulo 720,70 786,05 883,22 945, ,81 Central 769,03 561,06 581,54 670,05 998,56 Norte 492,20 552,23 591,09 812,32 905,85 Centro-Oeste 473,67 575,51 675,40 678,16 872,18 Rio Doce 540,35 605,07 685,74 820,32 861,18 Jequitinhonha-Mucuri 537,15 635,76 572,31 816,96 852,32 Sul de Minas 517,97 558,86 644,38 721,98 814,87 Alto Paranaíba 532,99 617,69 625,46 665,33 796,85 Mata 527,39 556,61 567,41 646,72 694,14 Noroeste 438,16 449,18 574,02 665,15 660,12 Minas Gerais 803,55 860,01 941, , ,26

78 Agências e Operadores Taxa média de crescimento anual da renda nominal dos trabalhadores no setor de agências e operadores: 2006 a ,0 17,0 17,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 13,9 12,5 12,0 11,4 11,2 10,8 10,2 9,9 9,1 8,3 7,2 6,0 4,0 2,0 0,0

79 Agências e Operadores Percentual da renda total dos trabalhadores no setor de agências e operadores: 2006 a ,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 6,6 6,2 6,3 6,3 7,1 4,2 3,9 3,6 4,7 4,2 4,7 4,3 3,8 3,3 0,1 1,0 3,8 0,1 1,3 3,8 0,4 1,2 3,1 0,4 2,0 0,3 1,8 2,0 0,4 3,1 0,6 1,1 0,6 3,0 0,5 3,1 4,8 4,3 1,5 3,6 0,9 2,8 1,0 5,3 1,9 2,0 1,4 1,4 2,1 6,1 69,0 71,7 71,8 68,7 67,6 1,5 2,1 2,0 1,9 1, Triângulo Sul de Minas Rio Doce Norte Noroeste Metropolitana de BH Mata Jequitinhonha-Mucuri Centro-Oeste Central Belo Horizonte Alto Paranaíba

80 SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS Diretoria de Pesquisa, Informação e Estatística Tel: (31)

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016 Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016 DEFINIÇÕES A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP/SEPROSP com base em dados do sistema RAIS-CAGED do Ministério do

Leia mais

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017 Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017 DEFINIÇÕES A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP/SEPROSP com base em dados do sistema RAIS-CAGED do Ministério do

Leia mais

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Boletim Trimestral Janeiro - Março/2010 Dados: CAGED (MTE) IPEA O objetivo deste Boletim é acompanhar a cada três meses a variação do emprego formal nas atividades

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

O Comércio de Serviços do Brasil

O Comércio de Serviços do Brasil Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços IV Seminário Estadual de Negócios Internacionais do Paraná O Comércio de Serviços do Brasil Curitiba, 17 de

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. e 2 O O 7

ANUÁRIO DO TRABALHO. e 2 O O 7 ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2 O O 7 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos - 2016 Data: 24/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de mortos 2016 Estado

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A ACRE B1 Repouso Semanal Remunerado 18,06 0,00 18,06 0,00 B2 Feriados 4,77 0,00 4,77 0,00 B3 Auxílio - Enfermidade 0,91 0,69 0,91 0,69 B4 13º Salário 10,97 8,33 10,97 8,33 B7 Dias de Chuvas 1,68 0,00 1,68

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

PIB 2012 Estado do Tocantins

PIB 2012 Estado do Tocantins PIB 2012 Estado do Tocantins Parceiros: GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SANDOVAL LÔBO CARDOSO Governador do Estado TOM LYRA Vice-governador do Estado JOAQUIM CARLOS PARENTE JUNIOR Secretário JOAQUÍN EDUARDO

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro em 2013 FEVEREIRO DE 2014 RESUMO O país criou 730.687 novos postos de trabalho em 2013, desempenho este 16% menor do que o apresentado em 2012. No

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

ção: Motivaçõ ções e Metas

ção: Motivaçõ ções e Metas Equidade e Eficiência Educaçã ção: Motivaçõ ções e Metas RANKINGS REGIONAIS MOTIVOS DE EVASÃO Ranking Motivo de Evasão: TRABALHO (Demanda1) TOTAL BRASIL 1,43 0 a 17 anos 1 Minas Gerais 2,27 2 Pernambuco

Leia mais

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari Mercado de Trabalho Empregos formais Estado de São Paulo Município: Capivari SÍNTESE Estado de São Paulo População estimada em 2014 44.035.304 População 2010 41.262.199 Área (km²) 248.222,36 Densidade

Leia mais

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 Produção Industrial Mensal Produção Física: Março de 2012 Os indicadores da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física PIM-PF, referentes ao mês de março

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Novembro de 2016 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

MATERIAL SUPLEMENTAR. Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015.

MATERIAL SUPLEMENTAR. Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015. MATERIAL SUPLEMENTAR Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015. EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM - Brasil Equipamento

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 04 13/09/2017

TÊNIS DE MESA Nº 04 13/09/2017 TÊNIS DE MESA Nº 04 13/09/2017 Relatório de Resultados TÊNIS DE MESA - EQUIPES - Feminino 13/09/2017 HORA JOGO FASE UF RESULTADO UF PARCIAIS CAT 09:00 J1 ELIM GOIAIS 1 X 3 MATO GROSSO 0-2\2-1\0-2\0-2 F

Leia mais

Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão

Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil O presente documento tem por

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Dezembro de 2015 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social 2º Semestre/2011 1 Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Informações Trabalhistas e Previdenciárias de acordo

Leia mais

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 V2 1 1. SETOR 2 UNIVERSO DISTRIBUIÇÃO MACRO REGIÕES SHOPPINGS EM OPERAÇÃO - UNIDADES 26 NORTE 80 NORDESTE 50 CENTRO OESTE 292 SUDESTE 520 +3,5% 538 SHOPPINGS

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua 2012-2017 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017 Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2017 Força de Trabalho no Brasil Pesquisa

Leia mais

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a junho/2016

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a junho/2016 Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a junho de 2016 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego No primeiro semestre de 2016 foram fechados 6.785

Leia mais

OPINIÃO DOS EMPRESÁRIOS A RESPEITO DA CONCILIAÇÃO BANCÁRIA

OPINIÃO DOS EMPRESÁRIOS A RESPEITO DA CONCILIAÇÃO BANCÁRIA OPINIÃO DOS EMPRESÁRIOS A RESPEITO DA CONCILIAÇÃO BANCÁRIA OBJETIVOS DO ESTUDO Levantar a opinião dos empresários de comércio e serviços a respeito da realização dos processos de controle e conciliação

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes - 2015 Data: 18/05/2016 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de acidentes -

Leia mais

Estatísticas do Cadastro Central de Empresas Gerência do Cadastro Central de Empresas

Estatísticas do Cadastro Central de Empresas Gerência do Cadastro Central de Empresas Estatísticas do Cadastro Central de Empresas 2011 Gerência do Cadastro Central de Empresas Data 24/05/2013 Cadastro Central de Empresas - CEMPRE COMPOSIÇÃO Empresas e outras organizações e suas unidades

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio última atualização da pesquisa: 2011 1 2 CARACTERÍSTICAS DOS DOMICÍLIOS 3 ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JANEIRO DE 214 BRASIL O saldo líquido de empregos formais no primeiro mês de 214 foi de 29.595 empregos em todo o país, segundo o Cadastro Geral

Leia mais

ADMISSÕES E DESLIGAMENTOS ANO 2016

ADMISSÕES E DESLIGAMENTOS ANO 2016 ADMISSÕES E DESLIGAMENTOS ANO 2016 Brasília DF Junho/2017 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 CAGED... 2 2. OBJETIVOS... 3 3. METODOLOGIA... 3 4. RESULTADOS... 4 4.1 Número e Variação de Trabalhadores por Tipo

Leia mais

TURISMO NA REGIÃO NORDESTE

TURISMO NA REGIÃO NORDESTE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE 2012 Banco do Nordeste do Brasil S/A Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Central de Informações Econômicas, Sociais e Tecnológicas - CIEST Presidente:

Leia mais

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO TAÍS ARRUTI LYRIO LISBOA AUDITORA FISCAL DO TRABALHO RESPONSÁVEL NACIONAL PELO PROJETO DE INSERÇÃO DE APRENDIZES

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO TAÍS ARRUTI LYRIO LISBOA AUDITORA FISCAL DO TRABALHO RESPONSÁVEL NACIONAL PELO PROJETO DE INSERÇÃO DE APRENDIZES SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO TAÍS ARRUTI LYRIO LISBOA AUDITORA FISCAL DO TRABALHO RESPONSÁVEL NACIONAL PELO PROJETO DE INSERÇÃO DE APRENDIZES APRENDIZAGEM: CARACTERIZAÇÃO, LIMITES E POSSIBILIDADES

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS ATIVIDADES PESQUISADAS

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS ATIVIDADES PESQUISADAS PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS ATIVIDADES PESQUISADAS Serviços prestados às famílias Alojamento e alimentação Hotéis, motéis, pousadas, albergues de turismo, etc. Restaurantes, bares, churrascarias, cantinas,

Leia mais

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores CAGED Apresentação A partir deste mês, os Observatórios do Trabalho do DIEESE passam a divulgar a Síntese de Indicadores, com resultados

Leia mais

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS MONTANTE DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS (em R$ milhões) Receita Estadual () BNDES Estatais Agências Financeiras União Royalties e Participações

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.39/Jul.2013

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.39/Jul.2013 Segue abaixo uma breve explicação sobre os indicadores analisados neste Boletim. Produção Industrial Mensal Produção Física (PIM-PF) A dinâmica da atividade econômica de uma região pode ser aferida de

Leia mais

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 1 Metodologia do trabalho Definição de candidato a MEI: Consideramos como proxy de candidato

Leia mais

Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública. Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas

Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública. Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas Ministério da Justiça Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas Uma Perspectiva Democrática e Contemporânea

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED

NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED BRASIL SALDO DO EMPREGO FORMAL - SEM AJUSTES - PERÍODO DE OUTUBRO DE 2016 A OUTUBRO 2017 2 BRASIL SALDO

Leia mais

O Estado de Rondônia majorou de 17% para 17,5%, por meio do Decreto nº /2016, com efeitos a partir de

O Estado de Rondônia majorou de 17% para 17,5%, por meio do Decreto nº /2016, com efeitos a partir de O Estado de Rondônia majorou de 17% para 17,5%, por meio do Decreto nº 20.453/2016, com efeitos a partir de 20.03.2016. AUTOPEÇAS 01/16 ESTADO SIGNATÁRIA PROTOCOLO ICMS 41/2008 SIGNATÁRIA PROTOCOLO ICMS

Leia mais

AUTOPEÇAS ALÍQ ICMS INTERNA

AUTOPEÇAS ALÍQ ICMS INTERNA AUTOPEÇAS ESTADO SIGNATÁRIA PROT- ICMS 41/2008 SIGNATÁRIA PROT- ICMS 97/2010 ALÍQ ICMS INTERNA MVA INTERNA Orientação Acre SIM SIM 17% 71,78% do Decreto n 648/2015, com efeitos a partir de 01.02.2015.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016

RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016 RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016 (Publicada no D.O.U. de 20 de dezembro 2016, Seção I, p. 75) Aprova previsão orçamentária do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais de Medicina para o exercício

Leia mais

Vencimento 22/07/2015

Vencimento 22/07/2015 Nº do Cliente: 316861 Período: 04/06/2015 a 03/07/2015 Mês de referência: 07/2015 Data de emissão: 08/07/2015 Número do celular: 11 95008-0541 Nº da fatura: 000000108919 Vencimento 22/07/2015 Total a Pagar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15

RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15 RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15 (Publicada no D.O.U. de 15 de dezembro de 2015, Seção I, p. 248) Aprova previsão orçamentária do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais de Medicina para o exercício

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

Admissões e Desligamentos Julho de 2016

Admissões e Desligamentos Julho de 2016 Admissões e Desligamentos Julho de 2016 Brasília DF Setembro/2016 1. INTRODUÇÃO A movimentação de admitidos e desligados no setor de segurança privada é observada mensalmente através do Ministério do Trabalho

Leia mais

Indicadores IBGE. Pesquisa Mensal de Serviços. novembro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Pesquisa Mensal de Serviços. novembro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Serviços novembro 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel Elias Temer Lulia Ministro do Planejamento, Desenvolvimento

Leia mais

Admissões e Desligamentos Março de 2016

Admissões e Desligamentos Março de 2016 Admissões e Desligamentos Março de 2016 Brasília DF Maio/2016 1. INTRODUÇÃO A movimentação de admitidos e desligados no setor de segurança privada é observada mensalmente através do Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a dezembro/2016

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a dezembro/2016 Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a dezembro de 2016 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego De janeiro a dezembro de 2016 foram fechados 20.553

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil Data 17 / 12 / 2012

Estatísticas do Registro Civil Data 17 / 12 / 2012 Estatísticas do Registro Civil 2011 Data 17 / 12 / 2012 Em 2011, o total de registros foi 2,0% maior que em 2010, indicando a melhoria da cobertura do registro civil de nascimento no País. Houve acréscimo

Leia mais

Admissões e Desligamentos Primeiro Semestre de 2016

Admissões e Desligamentos Primeiro Semestre de 2016 Admissões e Desligamentos Primeiro Semestre de 2016 Brasília DF Outubro/2016 1. INTRODUÇÃO A movimentação de admitidos e desligados no setor de segurança privada é observada mensalmente através do Ministério

Leia mais

Admissões e Desligamentos Primeiro Semestre de 2015

Admissões e Desligamentos Primeiro Semestre de 2015 Admissões e Desligamentos Primeiro Semestre de 2015 Brasília DF Agosto/2015 1. INTRODUÇÃO A movimentação de admitidos e desligados no setor de segurança privada é observada mensalmente através do Ministério

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 3 a Conferência

Leia mais

Desafios do Federalismo Brasileiro. Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais

Desafios do Federalismo Brasileiro. Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Desafios do Federalismo Brasileiro Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Federação desigual Arranjo Federativo Brasileiro As desigualdades regionais

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 03/12/2017 a 09/12/2017 Os

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 10/09/2017 a 16/09/2017 Os

Leia mais

Admissões e Desligamentos Ano 2015

Admissões e Desligamentos Ano 2015 Admissões e Desligamentos Ano 2015 Brasília DF Fevereiro/2016 1. INTRODUÇÃO A movimentação de admitidos e desligados no setor de segurança privada é observada mensalmente através do Ministério do Trabalho

Leia mais

Nosso negócio é fazer negócios! MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS

Nosso negócio é fazer negócios! MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS O comércio responde por 13% do PIB brasileiro O comércio varejista é responsável por 42% do comércio geral Os Shopping Centers representam 19% do comércio varejista

Leia mais

SONDAGEM SOBRE HÁBITOS DE LEITURA E DE PESQUISA JURÍDICA ASSOCIADOS AASP. Q1 Sexo. Respondidas: Ignoradas: 36

SONDAGEM SOBRE HÁBITOS DE LEITURA E DE PESQUISA JURÍDICA ASSOCIADOS AASP. Q1 Sexo. Respondidas: Ignoradas: 36 Q1 Sexo Respondidas: 5.469 Ignoradas: 36 Feminino Masculino Feminino Masculino 36,83% 2.014 63,17% 3.455 Total 5.469 1 / 14 Q2 Faixa etária Respondidas: 5.485 Ignoradas: 20 Até 25 anos 26 a 35 anos 36

Leia mais

jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 jul/17 ago/17 set/17

jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 jul/17 ago/17 set/17 Superintendência de Defesa da Concorrência, Evolução Estudos e Regulação dos preços Econômica de GLP - SDR (R$ / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 13,24 13,25 13,88 14,64 14,64 15,51

Leia mais

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Audiência pública Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Leia mais

Perfil Turístico Minas Gerais

Perfil Turístico Minas Gerais 2014 Número de Municípios: População estimada 2013: Eleitorado 2013: 853 20.595.369 15.043.866 População Residente/ Censo 2010 19.597.330 Rural 14,7% 50,8% 49, Economia Urbana 85, Produto Interno Bruto

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS NOVEMBRO/2016

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS NOVEMBRO/2016 PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS NOVEMBRO/2016 PRINCIPAIS RESULTADOS SETOR DE SERVIÇOS ÍNDICES DE VOLUME Variação mensal Mês Com ajuste sazonal Sem ajuste sazonal Novembro 0,1% -4,6% Outubro -2,3% -7,6%

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

Dezembro e consolidado 2015

Dezembro e consolidado 2015 Dezembro e consolidado 2015 Divulgado em 14 de janeiro de 2016. VAREJO REGISTRA RETRAÇÃO DE 1,4% EM 2015, APONTA ICVA Indicador considera a receita deflacionada de vendas do varejo em relação a 2014. Em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Boletim de Conjuntura Econômica de Nº 49, Maio de 2014 Segue abaixo uma breve explicação sobre os indicadores analisados neste Boletim. Para a realização deste boletim, faz-se uso de principalmente quatro

Leia mais

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 13,07 13,08 13,07 13,09 13,09 13,08 13,08 13,09 13,23 13,23 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 15,26 15,27 15,26 15,27 15,28 15,26

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015 ! TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015! Jogos Escolares da Juventude 2015 12 a 14 anos Boletim Oficial de Resultados 04/09/2015 CENTRO DE FORMAÇÃO OLÍMPICA - QUADRA 1 TÊNIS DE MESA - EQUIPE - Feminino 1 09:00

Leia mais

Indicadores IBGE. Pesquisa Mensal de Serviços. outubro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Pesquisa Mensal de Serviços. outubro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Serviços outubro 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel Elias Temer Lulia Ministro do Planejamento, Desenvolvimento

Leia mais

Noções Básicas sobre. Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso. População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica

Noções Básicas sobre. Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso. População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso Noções Básicas sobre População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica Joilson Rodrigues de Souza Coordenador de Disseminação de Informações

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE D TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2016 PRIMEIRA FASE REF ROD DATA - DIA HORA GR JOGO ESTÁDIO CIDADE 1ª 12/06 - Dom A1 Rondônia RO x Amazonas AM A1 Acre AC x Amapá AP A2 Tocantins

Leia mais

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO

BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO 1 de 26 21/06/2016 15:58 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO ANO XIII, número 51, Julho de 2016 Seja bem-vindo à 51ª edição do Boletim de Desempenho Econômico do Turismo. Ressaltamos a importância

Leia mais

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada Ocupação (N) Acidente de trabalho em crianças e adolescentes com diagnóstico de lesão de traumatismo do punho e da mão (CID, S6-S69), segundo ocupação. Brasil, 27 a 26* 4-7 anos - anos Trabalhador polivalente

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS JOÃO PESSOA-PB, JUNHO 2004 TABELA Nº01 GASTO MÉDIO INDIVIDUAL DIÁRIO em R$ 1.00,

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 2

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 2 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 2 Índice 1. Impostos incidentes sobre o valor agregado...3 1.1 Fato gerador... 3 1.2 Contribuintes... 4 1.3 Competência... 4 1.4 Princípios constitucionais... 4 1.5 Base

Leia mais

Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a setembro de 2017 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho

Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a setembro de 2017 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a setembro de 2017 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho Entre janeiro e setembro de 2017, foram fechados 16.879

Leia mais

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 jan/16 fev/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 6,57 Margem Bruta de Distribuição 15,73 16,14 Preço de Distribuição 37,57

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr...

G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr... G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr... Página 1 de 7 MENU G1 Economia MENU G1 Economia g1 ge gshow famosos vídeos ENTRE Seu Dinheiro Notícias da sua região Centro Oeste distrito

Leia mais

Operadores brasileiros de Aviação Agrícola (SAE e TPP) - Em Dezembro de versão Elaboração : Eng.Agrônomo Eduardo Cordeiro de Araújo

Operadores brasileiros de Aviação Agrícola (SAE e TPP) - Em Dezembro de versão Elaboração : Eng.Agrônomo Eduardo Cordeiro de Araújo Operadores brasileiros de Aviação Agrícola (SAE e TPP) - Em Dezembro de 06 - - versão.0 - Elaboração : Eng.Agrônomo Eduardo Cordeiro de Araújo Pelotas, RS Fevereiro de 07 SUMÁRIO Conteúdo Pág.Introdução....

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDUSTRIAS DE SUPLEMENTOS MINERAIS RUA AUGUSTA, 2676 13 ANDAR SALA 132 CEP 01412-100 SÃO PAULO SP Telefone: (011) 3061-9077 e-mail:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA INSTITUTO NACIONAL DE IDENTIFICAÇÃO NOTAS TÉCNICAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA INSTITUTO NACIONAL DE IDENTIFICAÇÃO NOTAS TÉCNICAS NOTAS TÉCNICAS Conceituação das definições A pesquisa abrange todos os indiciamentos realizados ( fonte: Sistema Nacional de Informações Criminais SINIC) pela Polícia Federal entre 2010 e 2013. Dados apresentados

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 04/12/2016 a 10/12/2016 Os

Leia mais

Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável

Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável Estimativa da Fipe e da Catho para a taxa de desemprego do décimo mês do ano é de 5,0%, 0,1 ponto percentual maior do que

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais