VERS O COMPILADA DO TRATADO DA UNI O EUROPEIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VERS O COMPILADA DO TRATADO DA UNI O EUROPEIA"

Transcrição

1 VERS O COMPILADA DO TRATADO DA UNI O EUROPEIA

2

3 Tratado da Uni o Europeia 7 I. Texto do Tratado SUM RIO P gina Pre mbulo T TULO I Disposiç es comuns T TULO T TULO T TULO II Disposiç es que alteram o Tratado que institui a Comunidade Econ mica Europeia tendo em vista a instituiç o da Comunidade Europeia 14 III Disposiç es que alteram o Tratado que institui a Comunidade Europeia do Carv o e do Aço IV Disposiç es que alteram o Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia At mica T TULO V Disposiç es relativas pol tica externa e de segurança comum T TULO VI Disposiç es relativas cooperaç o policial e judici ria em mat ria penal T TULO VII Disposiç es relativas cooperaç o reforçada T TULO VIII Disposiç es finais II. PROTOCOLOS (texto n o reproduzido) Nota: As remiss es para artigos, T tulos e Secç es do Tratado contidas nos Protocolos s o adaptadas de acordo com o quadro de correspond ncia constante do Anexo ao Tratado de Amesterd o. Protocolo anexo ao Tratado da Uni o Europeia: Protocolo (n ọ 1) relativo ao artigo 17 ọ do Tratado da Uni o Europeia (1997) Protocolos anexos ao Tratado da Uni o Europeia e ao Tratado que institui a Comunidade Europeia: Protocolo (n ọ 2) que integra o acervo de Schengen no mbito da Uni o Europeia (1997) Protocolo (n ọ 3) relativo aplicaç o de certos aspectos do artigo 14 ọ do Tratado que institui a Comunidade Europeia ao Reino Unido e Irlanda (1997) Protocolo (n ọ 4) relativo posiç o do Reino Unido e da Irlanda (1997) Protocolo (n ọ 5) relativo posiç o da Dinamarca (1997)

4 8 Sum rio Protocolos anexos ao Tratado da Uni o Europeia e aos Tratados que instituem a Comunidade Europeia, a Comunidade Europeia do Carv o e do Aço e a Comunidade Europeia da Energia At mica: Protocolo (n ọ 6) anexo ao Tratado da Uni o Europeia e aos Tratados que instituem as Comunidades Europeias (1992) Protocolo (n ọ 7) relativo s Instituiç es na perspectiva do alargamento da Uni o Europeia (1997) Protocolo (n ọ 8) relativo localizaç o das sedes das Instituiç es e de certos organismos e serviços das Comunidades Europeias e da Europol (1997) Protocolo (n ọ 9) relativo ao papel dos Parlamentos nacionais na Uni o Europeia (1997)

5 Tratado da Uni o Europeia 9 SUA MAJESTADE O REI DOS BELGAS, SUA MAJESTADE A RAINHA DA DINAMARCA, O PRESIDENTE DA REP BLICA FEDERAL DA ALEMANHA, O PRESIDENTE DA REP BLICA HEL NICA, SUA MAJESTADE O REI DE ESPANHA, O PRESIDENTE DA REP BLICA FRANCESA, O PRESIDENTE DA IRLANDA, O PRESIDENTE DA REP BLICA ITALIANA, SUA ALTEZA REAL O GR O-DUQUE DO LUXEMBURGO, SUA MAJESTADE A RAINHA DOS PA SES BAIXOS, O PRESIDENTE DA REP BLICA PORTUGUESA, SUA MAJESTADE A RAINHA DO REINO UNIDO DA GR -BRETANHA E DA IRLANDA DO NORTE, RESOLVIDOS a assinalar uma nova fase no processo de integraç o europeia iniciado com a instituiç o das Comunidades Europeias, RECORDANDO a import ncia hist rica do fim da divis o do Continente Europeu e a necessidade da criaç o de bases s lidas para a construç o da futura Europa, CONFIRMANDO o seu apego aos princ pios da liberdade, da democracia, do respeito pelos direitos do Homem e liberdades fundamentais e do Estado de direito, CONFIRMANDO o seu apego aos direitos sociais fundamentais, tal como definidos na Carta Social Europeia, assinada em Turim, em 18 de Outubro de 1961, e na Carta Comunit ria dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores, de DESEJANDO aprofundar a solidariedade entre os seus povos, respeitando a sua Hist ria, cultura e tradiç es, DESEJANDO reforçar o car cter democr tico e a efic cia do funcionamento das Instituiç es, a fim de lhes permitir melhor desempenhar, num quadro institucional nico, as tarefas que lhes est o confiadas, RESOLVIDOS a conseguir o reforço e a converg ncia das suas economias e a instituir uma Uni o Econ mica e Monet ria, incluindo, nos termos das disposiç es do presente Tratado, uma moeda nica e est vel, DETERMINADOS a promover o progresso econ mico e social dos seus povos, tomando em consideraç o o princ pio do desenvolvimento sustent vel e no contexto da realizaç o do mercado interno e do reforço da coes o e da protecç o do ambiente, e a aplicar pol ticas que garantam que os progressos na integraç o econ mica sejam acompanhados de progressos paralelos noutras reas, RESOLVIDOS a instituir uma cidadania comum aos nacionais dos seus pa ses, RESOLVIDOS a executar uma pol tica externa e de segurança que inclua a definiç o gradual de uma pol tica de defesa comum que poder conduzir a uma defesa comum, de acordo com as disposiç es do artigo 17 ọ, fortalecendo assim a identidade europeia e a sua independ ncia, em ordem a promover a paz, a segurança e o progresso na Europa e no mundo;

6 10 Pre mbulo RESOLVIDOS a facilitar a livre circulaç o de pessoas, sem deixar de garantir a segurança dos seus povos, atrav s da criaç o de um espaço de liberdade, de segurança e de justiça, nos termos das disposiç es do presente Tratado, RESOLVIDOS a continuar o processo de criaç o de uma uni o cada vez mais estreita entre os povos da Europa, em que as decis es sejam tomadas ao n vel mais pr ximo poss vel dos cidad os, de acordo com o princ pio da subsidiariedade, NA PERSPECTIVA das etapas ulteriores a transpor para fazer progredir a integraç o europeia, DECIDIRAM instituir uma Uni o Europeia e, para o efeito, designaram como plenipotenci rios: SUA MAJESTADE O REI DOS BELGAS: Mark EYSKENS, Ministro das Relaç es Externas; Philippe MAYSTADT, Ministro das Finanças; SUA MAJESTADE A RAINHA DA DINAMARCA: Uffe ELLEMANN-JENSEN, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Anders FOGH RASMUSSEN, Ministro da Economia; O PRESIDENTE DA REP BLICA FEDERAL DA ALEMANHA: Hans-Dietrich GENSCHER, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Theodor WAIGEL, Ministro Federal das Finanças; O PRESIDENTE DA REP BLICA HEL NICA: Antonios SAMARAS, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Efthymios CHRISTODOULOU, Ministro da Economia; SUA MAJESTADE O REI DE ESPANHA: Francisco FERN NDEZ ORD EZ, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Carlos SOLCHAGA CATAL N, Ministro da Economia e Finanças; O PRESIDENTE DA REP BLICA FRANCESA: Roland DUMAS, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Pierre B R GOVOY, Ministro da Economia, Finanças e Orçamento;

7 Tratado da Uni o Europeia 11 O PRESIDENTE DA IRLANDA: Gerard COLLINS, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Bertie AHERN, Ministro das Finanças; O PRESIDENTE DA REP BLICA ITALIANA: Gianni DE MICHELIS, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Guido CARLI, Ministro do Tesouro; SUA ALTEZA REAL O GR O-DUQUE DO LUXEMBURGO: Jacques F. POOS, Vice-Primeiro Ministro, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Jean-Claude JUNCKER, Ministro das Finanças; SUA MAJESTADE A RAINHA DOS PA SES BAIXOS: Hans van den BROEK, Ministro dos Neg cios Estrangeiros: Willem KOK, Ministro das Finanças; O PRESIDENTE DA REP BLICA PORTUGUESA: Jo o de Deus PINHEIRO, Ministro dos Neg cios Estrangeiros; Jorge BRAGA de MACEDO, Ministro das Finanças; SUA MAJESTADE A RAINHA DO REINO UNIDO DA GR -BRETANHA E DA IRLANDA DO NORTE: R.t. Hon. Douglas HURD, Ministro dos Neg cios Estrangeiros e da Commonwealth; Hon. Francis MAUDE, Secret rio do Tesouro para as Finanças; OS QUAIS, depois de terem trocado os seus plenos poderes reconhecidos em boa e devida forma, acordaram nas disposiç es seguintes:

8 12 T tulo I T TULO I DISPOSIÇ ES COMUNS Artigo 1 ọ (ex-artigo A) Pelo presente Tratado, as ALTAS PARTES CONTRATANTES instituem entre si uma UNI O EUROPEIA, adiante designada por «Uni o». O presente Tratado assinala uma nova etapa no processo de criaç o de uma uni o cada vez mais estreita entre os povos da Europa, em que as decis es ser o tomadas de uma forma t o aberta quanto poss vel e ao n vel mais pr ximo poss vel dos cidad os. A Uni o funda-se nas Comunidades Europeias, completadas pelas pol ticas e formas de cooperaç o institu das pelo presente Tratado. A Uni o tem por miss o organizar de forma coerente e solid ria as relaç es entre os Estados-Membros e entre os respectivos povos. A Uni o atribui-se os seguintes objectivos: Artigo 2 ọ (ex-artigo B) a promoç o do progresso econ mico e social e de um elevado n vel de emprego e a realizaç o de um desenvolvimento equilibrado e sustent vel, nomeadamente mediante a criaç o de um espaço sem fronteiras internas, o reforço da coes o econ mica e social e o estabelecimento de uma uni o econ mica e monet ria, que incluir, a prazo, a adopç o de uma moeda nica, de acordo com as disposiç es do presente Tratado; a afirmaç o da sua identidade na cena internacional, nomeadamente atrav s da execuç o de uma pol tica externa e de segurança comum, que inclua a definiç o gradual de uma pol tica de defesa comum, que poder conduzir a uma defesa comum, nos termos do disposto no artigo 17 ọ ; o reforço da defesa dos direitos e dos interesses dos nacionais dos seus Estados-Membros, mediante a instituiç o de uma cidadania da Uni o; a manutenç o e o desenvolvimento da Uni o enquanto espaço de liberdade, de segurança e de justiça, em que seja assegurada a livre circulaç o de pessoas, em conjugaç o com medidas adequadas em mat ria de controlos na fronteira externa, asilo e imigraç o, bem como de prevenç o e combate criminalidade; a manutenç o da integralidade do acervo comunit rio e o seu desenvolvimento, a fim de analisar em que medida pode ser necess rio rever as pol ticas e formas de cooperaç o institu das pelo presente Tratado, com o objectivo de garantir a efic cia dos mecanismos e das Instituiç es da Comunidade. Os objectivos da Uni o ser o alcançados de acordo com as disposiç es do presente Tratado e nas condiç es e segundo o calend rio nele previstos, respeitando o princ pio da subsidiariedade, tal como definido no artigo 5 ọ do Tratado que institui a Comunidade Europeia.

9 Tratado da Uni o Europeia 13 Artigo 3 ọ (ex-artigo C) A Uni o disp e de um quadro institucional nico, que assegura a coer ncia e a continuidade das acç es empreendidas para atingir os seus objectivos, respeitando e desenvolvendo simultaneamente o acervo comunit rio. A Uni o assegurar, em especial, a coer ncia do conjunto da sua acç o externa no mbito das pol ticas que adoptar em mat ria de relaç es externas, de segurança, de economia e de desenvolvimento. Cabe ao Conselho e Comiss o a responsabilidade de assegurar essa coer ncia, cooperando para o efeito. O Conselho e a Comiss o assegurar o a execuç o dessas pol ticas de acordo com as respectivas compet ncias. Artigo 4 ọ (ex-artigo D) O Conselho Europeu dar Uni o os impulsos necess rios ao seu desenvolvimento e definir as respectivas orientaç es pol ticas gerais. O Conselho Europeu re ne os Chefes de Estado ou de Governo dos Estados-Membros, bem como o Presidente da Comiss o. S o assistidos pelos Ministros dos Neg cios Estrangeiros dos Estados-Membros e por um membro da Comiss o. O Conselho Europeu re ne-se pelo menos duas vezes por ano, sob a presid ncia do Chefe de Estado ou de Governo do Estado-Membro que exercer a presid ncia do Conselho. O Conselho Europeu apresentar ao Parlamento Europeu um relat rio na sequ ncia de cada uma das suas reuni es, bem como um relat rio escrito anual sobre os progressos realizados pela Uni o. Artigo 5 ọ (ex-artigo E) O Parlamento Europeu, o Conselho, a Comiss o, o Tribunal de Justiça e o Tribunal de Contas exercem as suas compet ncias nas condiç es e de acordo com os objectivos previstos, por um lado, nas disposiç es dos Tratados que instituem as Comunidades Europeias e nos Tratados e actos subsequentes que os alteraram ou completaram e, por outro, nas demais disposiç es do presente Tratado. Artigo 6 ọ (ex-artigo F) 1. A Uni o assenta nos princ pios da liberdade, da democracia, do respeito pelos direitos do Homem e pelas liberdades fundamentais, bem como do Estado de direito, princ pios que s o comuns aos Estados-Membros. 2. A Uni o respeitar os direitos fundamentais tal como os garante a Convenç o Europeia de Salvaguarda dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais, assinada em Roma em 4 de Novembro de 1950, e tal como resultam das tradiç es constitucionais comuns aos Estados-Membros, enquanto princ pios gerais do direito comunit rio. 3. A Uni o respeitar as identidades nacionais dos Estados-Membros. 4. A Uni o dotar-se- dos meios necess rios para atingir os seus objectivos e realizar com xito as suas pol ticas.

10 14 T tulo III Artigo 7 ọ (ex-artigo F.1) 1. O Conselho, reunido a n vel de Chefes de Estado ou de Governo e deliberando por unanimidade, sob proposta de um terço dos Estados-Membros, ou da Comiss o, e ap s parecer favor vel do Parlamento Europeu, pode verificar a exist ncia de uma violaç o grave e persistente, por parte de um Estado-Membro, de algum dos princ pios enunciados no n ọ 1 do artigo 6 ọ, ap s ter convidado o Governo desse Estado-Membro a apresentar as suas observaç es sobre a quest o. 2. Se tiver sido verificada a exist ncia dessa violaç o, o Conselho, deliberando por maioria qualificada, pode decidir suspender alguns dos direitos decorrentes da aplicaç o do presente Tratado ao Estado-Membro em causa, incluindo o direito de voto do representante do Governo desse Estado-Membro no Conselho. Ao faz -lo, o Conselho ter em conta as eventuais consequ ncias dessa suspens o nos direitos e obrigaç es das pessoas singulares e colectivas. O Estado-Membro em quest o continuar, de qualquer modo, vinculado s obrigaç es que lhe incumbem por força do presente Tratado. 3. O Conselho, deliberando por maioria qualificada, pode posteriormente decidir alterar ou revogar as medidas tomadas ao abrigo do n ọ 2, se se alterar a situaç o que motivou a imposiç o dessas medidas. 4. Para efeitos do presente artigo, o Conselho delibera sem tomar em consideraç o os votos do representante do Governo do Estado-Membro em quest o. As abstenç es dos membros presentes ou representados n o impedem a adopç o das decis es a que se refere o n ọ 1. A maioria qualificada definida de acordo com a mesma proporç o dos votos ponderados dos membros do Conselho em causa fixada no n ọ 2 do artigo 205 ọ do Tratado que institui a Comunidade Europeia. O presente n mero igualmente aplic vel em caso de suspens o do direito de voto nos termos do n ọ Para efeitos do presente artigo, o Parlamento Europeu delibera por maioria de dois terços dos votos expressos que represente a maioria dos membros que o comp em. T TULO II DISPOSIÇ ES QUE ALTERAM O TRATADO QUE INSTITUI A COMUNIDADE ECON MICA EUROPEIA TENDO EM VISTA A INSTITUIÇ O DA COMUNIDADE EUROPEIA Artigo 8 ọ (ex-artigo G) (n o reproduzido) T TULO III DISPOSIÇ ES QUE ALTERAM O TRATADO QUE INSTITUI A COMUNIDADE EUROPEIA DO CARV O E DO AÇO Artigo 9 ọ (ex-artigo H) (n o reproduzido)

11 Tratado da Uni o Europeia 15 T TULO IV DISPOSIÇ ES QUE ALTERAM O TRATADO QUE INSTITUI A COMUNIDADE EUROPEIA DA ENERGIA AT MICA Artigo 10 ọ (ex-artigo I) (n o reproduzido) T TULO V DISPOSIÇ ES RELATIVAS POL TICA EXTERNA E DE SEGURANÇA COMUM Artigo 11 ọ (ex-artigo J.1) 1. A Uni o definir e executar uma pol tica externa e de segurança comum extensiva a todos os dom nios da pol tica externa e de segurança, que ter por objectivos: a salvaguarda dos valores comuns, dos interesses fundamentais, da independ ncia e da integridade da Uni o, de acordo com os princ pios da Carta das Naç es Unidas; o reforço da segurança da Uni o, sob todas as formas; a manutenç o da paz e o reforço da segurança internacional, de acordo com os princ pios da Carta das Naç es Unidas, com os princ pios da Acta Final de Hels nquia e com os objectivos da Carta de Paris, incluindo os respeitantes s fronteiras externas; o fomento da cooperaç o internacional; o desenvolvimento e o reforço da democracia e do Estado de direito, bem como o respeito dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais. 2. Os Estados-Membros apoiar o activamente e sem reservas a pol tica externa e de segurança da Uni o, num esp rito de lealdade e de solidariedade m tua. Os Estados-Membros actuar o de forma concertada a fim de reforçar e desenvolver a solidariedade pol tica m tua. Os Estados-Membros abster-se- o de empreender acç es contr rias aos interesses da Uni o ou suscept veis de prejudicar a sua efic cia como força coerente nas relaç es internacionais. O Conselho assegura a observ ncia destes princ pios.

12 16 T tulo V Artigo 12 ọ (ex-artigo J.2) A Uni o prosseguir os objectivos enunciados no artigo 11 ọ : definindo os princ pios e as orientaç es gerais da pol tica externa e de segurança comum; decidindo sobre as estrat gias comuns; adoptando acç es comuns; adoptando posiç es comuns; reforçando a cooperaç o sistem tica entre os Estados-Membros na conduç o da pol tica. Artigo 13 ọ (ex-artigo J.3) 1. O Conselho Europeu definir os princ pios e as orientaç es gerais da pol tica externa e de segurança comum, incluindo em mat rias com implicaç es no dom nio da defesa. 2. O Conselho Europeu decidir sobre as estrat gias comuns a executar pela Uni o nos dom nios em que os Estados-Membros tenham importantes interesses em comum. As estrat gias comuns especificar o os respectivos objectivos e duraç o, bem como os meios a facultar pela Uni o e pelos Estados-Membros. 3. O Conselho tomar as decis es necess rias para a definiç o e execuç o da pol tica externa e de segurança comum, com base nas orientaç es gerais definidas pelo Conselho Europeu. O Conselho recomendar ao Conselho Europeu estrat gias comuns e execut -las- designadamente mediante a adopç o de acç es comuns e de posiç es comuns. O Conselho assegura a unidade, coer ncia e efic cia da acç o da Uni o. Artigo 14 ọ (ex-artigo J.4) 1. O Conselho adoptar acç es comuns. As acç es comuns incidir o sobre situaç es espec ficas em que se considere necess ria uma acç o operacional por parte da Uni o. As acç es comuns definir o os respectivos objectivos e mbito, os meios a p r disposiç o da Uni o e condiç es de execuç o respectivas e, se necess rio, a sua duraç o. 2. Se se verificar alteraç o de circunst ncias que tenha um efeito substancial numa quest o que seja objecto de uma acç o comum, o Conselho proceder revis o dos princ pios e objectivos dessa acç o e adoptar as decis es necess rias. Enquanto o Conselho n o tiver deliberado, mant m-se a acç o comum.

13 Tratado da Uni o Europeia As acç es comuns vincular o os Estados-Membros nas suas tomadas de posiç o e na conduç o da sua acç o. 4. O Conselho pode solicitar Comiss o que lhe apresente propostas adequadas em mat ria de pol tica externa e de segurança comum para assegurar a execuç o de uma acç o comum. 5. Qualquer tomada de posiç o ou acç o nacional prevista em execuç o de uma acç o comum ser comunicada num prazo que permita, se necess rio, uma concertaç o pr via no Conselho. A obrigaç o de informaç o pr via n o aplic vel s medidas que constituam simples transposiç o das decis es do Conselho para o plano nacional. 6. Em caso de necessidade imperiosa decorrente da evoluç o da situaç o, e na falta de decis o do Conselho, os Estados-Membros podem tomar com urg ncia as medidas que se imponham, tendo em conta os objectivos gerais da acç o comum. Os Estados-Membros que tomarem essas medidas informar o imediatamente o Conselho desse facto. 7. Em caso de dificuldades importantes na execuç o de uma acç o comum, os Estados- -Membros submeter o a quest o ao Conselho, que sobre ela deliberar, procurando encontrar as soluç es adequadas. Estas soluç es n o podem ser contr rias aos objectivos da acç o comum, nem prejudicar a efic cia desta. Artigo 15 ọ (ex-artigo J.5) O Conselho adoptar posiç es comuns. As posiç es comuns definir o a abordagem global de uma quest o espec fica de natureza geogr fica ou tem tica pela Uni o. Os Estados-Membros zelar o pela coer ncia das suas pol ticas nacionais com as posiç es comuns. Artigo 16 ọ (ex-artigo J.6) Os Estados-Membros informar-se- o mutuamente e concertar-se- o no mbito do Conselho sobre todas as quest es de pol tica externa e de segurança que se revistam de interesse geral, de modo a garantir que a influ ncia da Uni o se exerça da forma mais eficaz, atrav s da converg ncia das suas acç es. Artigo 17 ọ (ex-artigo J.7) 1. A pol tica externa e de segurança comum abrange todas as quest es relativas segurança da Uni o, incluindo a definiç o gradual de uma pol tica de defesa comum, nos termos do disposto no segundo par grafo, que poder conduzir a uma defesa comum, se o Conselho Europeu assim o decidir. Neste caso, o Conselho Europeu recomendar aos Estados-Membros que adoptem uma decis o nesse sentido, nos termos das respectivas normas constitucionais.

14 18 T tulo V A Uni o da Europa Ocidental (UEO) faz parte integrante do desenvolvimento da Uni o, proporcionando Uni o o acesso a uma capacidade operacional, nomeadamente no mbito do n ọ 2. A UEO apoia a Uni o na definiç o dos aspectos da pol tica externa e de segurança comum relativos defesa, tal como definidos no presente artigo. Assim, a Uni o incentivar o estabelecimento de relaç es institucionais mais estreitas com a UEO, na perspectiva da eventualidade de integraç o da UEO na Uni o, se o Conselho Europeu assim o decidir. Neste caso, o Conselho Europeu recomendar aos Estados-Membros que adoptem uma decis o nesse sentido, nos termos das respectivas normas constitucionais. A pol tica da Uni o, na acepç o do presente artigo, n o afectar o car cter espec fico da pol tica de segurança e de defesa de determinados Estados-Membros, respeitar as obrigaç es decorrentes do Tratado do Atl ntico-norte para certos Estados-Membros que v em a sua pol tica de defesa comum realizada no quadro da Organizaç o do Tratado do Atl ntico- -Norte (NATO) e ser compat vel com a pol tica de segurança e de defesa comum adoptada nesse mbito. A definiç o gradual de uma pol tica de defesa comum ser apoiada por uma cooperaç o entre os Estados-Membros em mat ria de armamento, na medida em que estes a considerem pertinente. 2. As quest es a que se refere o presente artigo incluem miss es humanit rias e de evacuaç o, miss es de manutenç o da paz e miss es de forças de combate para a gest o de crises, incluindo miss es de restabelecimento da paz. 3. A Uni o solicitar UEO que prepare e execute as decis es e acç es da Uni o que tenham repercuss es no dom nio da defesa. A compet ncia do Conselho Europeu para definir orientaç es, nos termos do artigo 13 ọ, aplicar-se- igualmente em relaç o UEO no que respeita s quest es relativamente s quais a Uni o recorra UEO. Sempre que a Uni o solicite UEO que prepare e execute decis es da Uni o relativas s miss es previstas no n ọ 2, todos os Estados-Membros da Uni o ter o o direito de participar plenamente nessas miss es. O Conselho, em acordo com as instituiç es da UEO, adoptar as disposiç es pr ticas necess rias para permitir que todos os Estados-Membros que contribuam para as miss es em causa participem plenamente e em p de igualdade no planeamento e na tomada de decis es no mbito da UEO. As decis es com repercuss es no dom nio da defesa a que se refere o presente n mero ser o tomadas sem preju zo das pol ticas e obrigaç es a que se refere o terceiro par grafo do n ọ O disposto no presente artigo n o obsta ao desenvolvimento de uma cooperaç o reforçada entre dois ou mais Estados-Membros ao n vel bilateral, no mbito da UEO e da Aliança Atl ntica, na medida em que essa cooperaç o n o contrarie nem dificulte a cooperaç o prevista no presente T tulo. 5. A fim de promover a realizaç o dos objectivos definidos no presente artigo, as respectivas disposiç es ser o revistas nos termos do artigo 48 ọ

15 Tratado da Uni o Europeia 19 Artigo 18 ọ (ex-artigo J.8) 1. A Presid ncia representar a Uni o nas mat rias do mbito da pol tica externa e de segurança comum. 2. A Presid ncia respons vel pela execuç o das decis es tomadas ao abrigo do presente T tulo; nessa qualidade, expressar em princ pio a posiç o da Uni o nas organizaç es internacionais e nas confer ncias internacionais. 3. A Presid ncia ser assistida pelo Secret rio-geral do Conselho, que exercer as funç es de Alto-Representante para a pol tica externa e de segurança comum. 4. A Comiss o ser plenamente associada s funç es previstas nos n ọs 1 e 2. No desempenho dessas funç es, a Presid ncia ser assistida, se necess rio, pelo Estado-Membro que for exercer a presid ncia seguinte. 5. Sempre que o considere necess rio, o Conselho pode nomear um representante especial, a quem ser conferido um mandato relativo a quest es pol ticas espec ficas. Artigo 19 ọ (ex-artigo J.9) 1. Os Estados-Membros coordenar o a sua acç o no mbito das organizaç es internacionais e em confer ncias internacionais. Nessas inst ncias defender o as posiç es comuns. Nas organizaç es internacionais e em confer ncias internacionais em que n o tomem parte todos os Estados-Membros, aqueles que nelas participem defender o as posiç es comuns. 2. Sem preju zo do disposto no n ọ 1 e no n ọ 3 do artigo 14 ọ, os Estados-Membros representados em organizaç es internacionais ou confer ncias internacionais em que nem todos os Estados-Membros o estejam, manter o estes ltimos informados sobre todas as quest es que se revistam de interesse comum. Os Estados-Membros que sejam igualmente membros do Conselho de Segurança das Naç es Unidas concertar-se- o e manter o os outros Estados-Membros plenamente informados. Os Estados-Membros que s o membros permanentes do Conselho de Segurança das Naç es Unidas defender o, no exerc cio das suas funç es, as posiç es e os interesses da Uni o, sem preju zo das responsabilidades que lhes incumbem por força da Carta das Naç es Unidas. Artigo 20 ọ (ex-artigo J.10) As miss es diplom ticas e consulares dos Estados-Membros e as delegaç es da Comiss o nos pa ses terceiros e nas confer ncias internacionais, bem como as respectivas representaç es junto das organizaç es internacionais, concertar-se- o no sentido de assegurar a observ ncia e a execuç o das posiç es comuns e das acç es comuns adoptadas pelo Conselho. As referidas miss es, delegaç es e representaç es intensificar o a sua cooperaç o atrav s do interc mbio de informaç es, procedendo a avaliaç es comuns e contribuindo para a aplicaç o das disposiç es a que se refere o artigo 20 ọ do Tratado que institui a Comunidade Europeia.

16 20 T tulo V Artigo 21 ọ (ex-artigo J.11) A Presid ncia consultar o Parlamento Europeu sobre os principais aspectos e as opç es fundamentais da pol tica externa e de segurança comum e zelar por que as opini es daquela Instituiç o sejam devidamente tomadas em consideraç o. O Parlamento Europeu ser regularmente informado pela Presid ncia e pela Comiss o sobre a evoluç o da pol tica externa e de segurança da Uni o. O Parlamento Europeu pode dirigir perguntas ou apresentar recomendaç es ao Conselho. Proceder anualmente a um debate sobre os progressos realizados na execuç o da pol tica externa e de segurança comum. Artigo 22 ọ (ex-artigo J.12) 1. Qualquer Estado-Membro ou a Comiss o podem submeter ao Conselho todas as quest es do mbito da pol tica externa e de segurança comum e apresentar-lhe propostas. 2. Nos casos que exijam uma decis o r pida, a Presid ncia convocar, por iniciativa pr pria ou a pedido da Comiss o ou de um Estado-Membro, uma reuni o extraordin ria do Conselho, no prazo de quarenta e oito horas ou, em caso de absoluta necessidade, num prazo mais curto. Artigo 23 ọ (ex-artigo J.13) 1. As decis es ao abrigo do presente T tulo ser o adoptadas pelo Conselho, deliberando por unanimidade. As abstenç es dos membros presentes ou representados n o impedem a adopç o dessas decis es. Qualquer membro do Conselho que se abstenha numa votaç o pode fazer acompanhar a sua abstenç o de uma declaraç o formal nos termos do presente par grafo. Nesse caso, n o obrigado a aplicar a decis o, mas deve reconhecer que ela vincula a Uni o. Num esp rito de solidariedade m tua, esse Estado-Membro deve abster-se de qualquer actuaç o suscept vel de colidir com a acç o da Uni o baseada na referida decis o ou de a dificultar; os demais Estados-Membros respeitar o a posiç o daquele. Se os membros do Conselho que façam acompanhar a sua abstenç o da citada declaraç o representarem mais de um terço dos votos, ponderados nos termos do n ọ 2 do artigo 205 ọ do Tratado que institui a Comunidade Europeia, a decis o n o ser adoptada. 2. Em derrogaç o do disposto no n ọ 1, o Conselho delibera por maioria qualificada: sempre que adopte acç es comuns ou posiç es comuns ou tome qualquer outra decis o com base numa estrat gia comum; sempre que adopte qualquer decis o que d execuç o a uma acç o comum ou a uma posiç o comum. Se um membro do Conselho declarar que, por importantes e expressas raz es de pol tica nacional, tenciona opor-se adopç o de uma decis o a tomar por maioria qualificada, n o se proceder votaç o. O Conselho, deliberando por maioria qualificada, pode solicitar que a quest o seja submetida ao Conselho Europeu, a fim de ser tomada uma decis o por unanimidade.

17 Tratado da Uni o Europeia 21 Os votos dos membros do Conselho ser o ponderados nos termos do n ọ 2 do artigo 205 ọ do Tratado que institui a Comunidade Europeia. As deliberaç es ser o tomadas se obtiverem, pelo menos, sessenta e dois votos que exprimam a votaç o favor vel de, no m nimo, dez membros. O disposto no presente n mero n o aplic vel s decis es que tenham implicaç es no dom nio militar ou da defesa. 3. Em quest es de natureza processual, o Conselho delibera por maioria dos seus membros. Artigo 24 ọ (ex-artigo J.14) Sempre que seja necess rio celebrar um acordo com um ou mais Estados ou organizaç es internacionais em aplicaç o do presente T tulo, o Conselho, deliberando por unanimidade, pode autorizar a Presid ncia, eventualmente assistida pela Comiss o, a encetar negociaç es para esse efeito. Esses acordos ser o celebrados pelo Conselho, deliberando por unanimidade, sob recomendaç o da Presid ncia. Nenhum acordo vincular um Estado-Membro cujo representante no Conselho declare que esse acordo deve obedecer s normas constitucionais do respectivo Estado; os restantes membros do Conselho podem decidir que o acordo lhes ser provisoriamente aplic vel. O disposto no presente artigo igualmente aplic vel s mat rias abrangidas pelo T tulo VI. Artigo 25 ọ (ex-artigo J.15) Sem preju zo do disposto no artigo 207 ọ do Tratado que institui a Comunidade Europeia, um Comit Pol tico acompanhar a situaç o internacional nos dom nios pertencentes ao mbito da pol tica externa e de segurança comum e contribuir para a definiç o das pol ticas, emitindo pareceres destinados ao Conselho, a pedido deste ou por sua pr pria iniciativa. O Comit Pol tico acompanhar igualmente a execuç o das pol ticas acordadas, sem preju zo das compet ncias da Presid ncia e da Comiss o. Artigo 26 ọ (ex-artigo J.16) O Secret rio-geral do Conselho, Alto-Representante para a pol tica externa e de segurança comum, assistir o Conselho nas quest es do mbito da pol tica externa e de segurança comum, contribuindo nomeadamente para a formulaç o, elaboraç o e execuç o das decis es pol ticas e, quando necess rio, actuando em nome do Conselho a pedido da Presid ncia, conduzindo o di logo pol tico com terceiros. Artigo 27 ọ (ex-artigo J.17) A Comiss o ser plenamente associada aos trabalhos realizados no dom nio da pol tica externa e de segurança comum.

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos preparat rios) COMISS O

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos preparat rios) COMISS O C 280/6 PT II (Actos preparat rios) COMISS O Proposta de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Directiva 85/611/CEE, que coordena as disposiç es legislativas, regulamentares e administrativas

Leia mais

24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA

24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/7 SUMÁRIO I. TEXTO DO TRATADO Página

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X Para a realização dos objectivos da União Europeia, importa melhorar as normas que regulam o auxílio judiciário mútuo em matéria penal entre os Estados Membros da União Europeia.

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Interação Escola-Família. Brasília, 2012

Interação Escola-Família. Brasília, 2012 educação Interação Escola-Família Brasília, 2012 A UNESCO e o Governo Federal Declarac a o Mundial sobre Educac a o para Todos (JOMNTIEN,1990), reafirmada pela Confere ncia de Dacar (2000), que estabeleceu

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X Nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo apresenta à Assembleia da República a seguinte proposta de Resolução: Aprovar, para ratificação,

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 27 de Novembro de 2003

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 27 de Novembro de 2003 23.12.2003 L 338/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 2201/2003 DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 relativo à competência, ao reconhecimento e à execução

Leia mais

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES A Χ

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES A Χ CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES m EUROPEIAS Λ A Χ TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA AVISO AO LEITOR A presente publicação reproduz o texto da União Europeia, tal como assinado em 7

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS. Bruxelas, (OR. fr) CIG 15/07

CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS. Bruxelas, (OR. fr) CIG 15/07 417 der Beilagen XXIII. GP - Staatsvertrag - 44 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 36 CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS Bruxelas, (OR. fr) CIG 15/07 Assunto:

Leia mais

(Atos legislativos) DIRETIVAS

(Atos legislativos) DIRETIVAS 6.11.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 294/1 I (Atos legislativos) DIRETIVAS DIRETIVA 2013/48/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de outubro de 2013 relativa ao direito de acesso a um advogado

Leia mais

DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 119/132 4.5.2016 DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de abril de 2016 relativa à utilização dos dados dos registos de identificação dos passageiros (PNR) para efeitos de

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Institui as Diretrizes para implantação da Política Pública de Valorização da Família no âmbito do Distrito Federal. A CÂMARA LEGISLATIVA

Leia mais

ÍNDICE. Parte I: Os princípios... Parte II: Adaptações dos Tratados... Título II: Disposições institucionais... Título II: Outras adaptações...

ÍNDICE. Parte I: Os princípios... Parte II: Adaptações dos Tratados... Título II: Disposições institucionais... Título II: Outras adaptações... ÍNDICE A. Tratado entre o Reino da Bélgica, a República da Bulgária, a República Checa, o Reino da Dinamarca, a República Federal da Alemanha, a República da Estónia, a Irlanda, a República Helénica, o

Leia mais

CONCURSO PARA BOLSA DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (01/BGCT/DREI)

CONCURSO PARA BOLSA DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (01/BGCT/DREI) 1 de 5 14-07-2014 17:49 Home page Gabinete de Projetos, Empreendedorismo e Transferência de Conhecimento da Universidade de Lisboa Last access on:14-07-2014 17:44:00 View all research opportunities Post

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 349, DE 2014.

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 349, DE 2014. COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 349, DE 2014. Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

ÍNDICE. Parte I: Os princípios... Parte II: Adaptações dos Tratados... Título II: Disposições institucionais... Título II: Outras adaptações...

ÍNDICE. Parte I: Os princípios... Parte II: Adaptações dos Tratados... Título II: Disposições institucionais... Título II: Outras adaptações... 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 35 portugiesischer Vertragstext (Normativer Teil) 1 von 251 ÍNDICE A. Tratado entre o Reino da Bélgica, a República da Bulgária, a República Checa, o Reino

Leia mais

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo)

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) CONTRATO-MODELO Reembolso dos custos para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) NB: O presente contrato é utilizado quando a contribuição comunitária consiste num montante fixo. A contribuição

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Contabilidade e Administra o. Cap tulo I Princ pios Gerais. Artigo 2¼. (Natureza e mbito da aplica o)

Regulamento do Curso de Mestrado em Contabilidade e Administra o. Cap tulo I Princ pios Gerais. Artigo 2¼. (Natureza e mbito da aplica o) Regulamento do Curso de Mestrado em Contabilidade e Administra o Cap tulo I Princ pios Gerais Artigo 1¼ (Natureza e mbito da aplica o) 1. O presente Regulamento d cumprimento ao estabelecido no art¼ 35¼

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 29.1.2004 L 24/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 139/2004 DO CONSELHO de 20 de Janeiro de 2004 relativo ao controlo das concentrações de empresas («Regulamento

Leia mais

ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL

ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL Com (2011) 681 da Comissão Europeia Estratégia da EU 2011 14 para a Responsabilidade Social Empresarial ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 217/18 PT DIRECTIVA 98/48/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Julho de 1998 que altera a Directiva 98/34/CE relativa a um procedimento de informação no domínio das normas e regulamentações

Leia mais

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )...

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )... Jornal Oficial da União Europeia L 26 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 2 de fevereiro de 2016 Índice I Atos legislativos REGULAMENTOS Regulamento (UE) 2016/93 do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 6910 Diário da República, 1.ª série N.º 187 25 de Setembro de 2009 Artigo 110.º Entrada em vigor 1 O presente decreto -lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. 2 O certificado de conformidade

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL CIVIL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A REPÚBLICA DA COREIA, POR OUTRO CE/KR/pt

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302.

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302. PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 3 de Julho de 2001 PE 302.267/1-33 ALTERAÇÕES 1-33 PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO de Charlotte

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

Tendo em conta a proposta da Comissão ( 1 ), Tendo em conta o parecer do Parlamento Europeu ( 2 ),

Tendo em conta a proposta da Comissão ( 1 ), Tendo em conta o parecer do Parlamento Europeu ( 2 ), L 304/12 30.9.2004 DIRECTIVA 2004/83/CE DO CONSELHO de 29 de Abril de 2004 que estabelece normas mínimas relativas às condições a preencher por nacionais de países terceiros ou apátridas para poderem beneficiar

Leia mais

* PROJECTO DE RELATÓRIO

* PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 26.10.2009 2009/0101(CNS) * PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de decisão-quadro do Conselho relativa

Leia mais

Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares. TI TULO II Do Processo Seletivo. TI TULO III Da Matri cula

Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares. TI TULO II Do Processo Seletivo. TI TULO III Da Matri cula REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAC A O BACHARELADO E LICENCIATURA E GRADUAC A O TECNOLO GICA DA FACULDADE PAULUS DE COMUNICAÇÃO. Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares

Leia mais

Dispõe sobre a utilização de aplicativos para a prestação do transporte individual e remunerado de passageiros táxi.

Dispõe sobre a utilização de aplicativos para a prestação do transporte individual e remunerado de passageiros táxi. PARECER N.º /2015 - CEOF DA COMISSÃO DE ECONOMIA, ORÇAMENTO E FINANÇAS, sobre o PROJETO DE LEI N.º 282, de 2015, que Dispõe sobre a utilização de aplicativos para a prestação do transporte individual e

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016 Identificação Área de Avaliação: Medicina Veterinária Coordenador de Área: Maria Angelica Miglino Coordenador-Adjunto de Área: Eduardo Paulino da Costa Coordenador-Adjunto de Mestrado Profissional: Francisca

Leia mais

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004 Rectificação ao Regulamento (CE) n. o 847/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativo à negociação e aplicação de acordos de serviços aéreos entre Estados Membros e países

Leia mais

Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária

Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária Alteração REGULAMENTO (CE) Nº 40/94 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 1993 sobre a marca comunitária O CONSELHO

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

IX ENCONTRO NACIONAL DO IAPI. Gondomar, 20 de junho de 2015 ARMANDO DIAS RAMOS

IX ENCONTRO NACIONAL DO IAPI. Gondomar, 20 de junho de 2015 ARMANDO DIAS RAMOS IX ENCONTRO NACIONAL DO IAPI Gondomar, 20 de junho de 2015 ARMANDO DIAS RAMOS A prova em Processo Penal; O que é a prova digital?; Caraterísticas da prova digital; A prova digital e a legislação; Valor

Leia mais

CONTRATO DERIVADO Bolsas Marie Curie de acolhimento em empresas

CONTRATO DERIVADO Bolsas Marie Curie de acolhimento em empresas CONTRATO DERIVADO Bolsas Marie Curie de acolhimento em empresas -1- CONTRATO Nº A [Comunidade Europeia][Comunidade Europeia da Energia Atómica] (a seguir designada «a Comunidade»), representada pela Comissão

Leia mais

2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1

2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1 2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 593/2008 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de Junho

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA COMO ALTERADOS PELO TRATADO DE LISBOA

VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA COMO ALTERADOS PELO TRATADO DE LISBOA VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA COMO ALTERADOS PELO TRATADO DE LISBOA Fevereiro 2008 A presente publicação contém as versões consolidadas

Leia mais

(JO P 36 de 6.3.1965, p. 533)

(JO P 36 de 6.3.1965, p. 533) 1965R0019 PT 01.05.2004 006.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BREGULAMENTO N. o 19/65/CEE DO CONSELHO de 2 de Março de 1965 relativo à aplicação

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009

Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009 L 300/34 Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009 REGULAMENTO (CE) N. o 1070/2009 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Outubro de 2009 que altera os Regulamentos (CE) n. o 549/2004, (CE) n.

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

ANEXO. ACORDO DE ESTABILIZAÇÃO E DE ASSOCIAÇÃO entre as Comunidades Europeias e os seus Estados-Membros e a República da Albânia

ANEXO. ACORDO DE ESTABILIZAÇÃO E DE ASSOCIAÇÃO entre as Comunidades Europeias e os seus Estados-Membros e a República da Albânia PT ANEXO ACORDO DE ESTABILIZAÇÃO E DE ASSOCIAÇÃO entre as Comunidades Europeias e os seus Estados-Membros e a República da Albânia 1 ACORDO DE ESTABILIZAÇÃO E DE ASSOCIAÇÃO entre as Comunidades Europeias

Leia mais

85 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 15 Vertragstext portugiesisch - PT (Normativer Teil) 1 von 21

85 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 15 Vertragstext portugiesisch - PT (Normativer Teil) 1 von 21 85 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 15 Vertragstext portugiesisch - PT (Normativer Teil) 1 von 21 ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL CIVIL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) ENTRE

Leia mais

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE 7.4.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 93/23 ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO-QUADRO 2009/315/JAI DO CONSELHO de 26 de Fevereiro de 2009 relativa à organização e ao conteúdo

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

***I PROJECTO DE RELATÓRIO

***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 19.5.2011 2010/0377(COD) ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de directiva do Parlamento Europeu e do

Leia mais

L 348/98 Jornal Oficial da União Europeia 24.12.2008

L 348/98 Jornal Oficial da União Europeia 24.12.2008 L 348/98 Jornal Oficial da União Europeia 24.12.2008 DIRECTIVA 2008/115/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de Dezembro de 2008 relativa a normas e procedimentos comuns nos Estados-Membros para

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 86/VIII/2015 de 14 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS Preâmbulo Os Estados-membros do Conselho da Europa, bem como os outros Estados signatários da presente Convenção, Considerando que o objetivo

Leia mais

Certificação Digital - Será Que é Para Valer? 29 abril 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel

Certificação Digital - Será Que é Para Valer? 29 abril 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel Certificação Digital - Será Que é Para Valer? 29 abril 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel Apoio Institucional Patrocinadores Globais CERTIFICAÇÃO DIGITAL: SERÁ QUE É PARA VALER? Armando

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Anteprojecto. Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. Objecto

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Anteprojecto. Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. Objecto Proposta de Lei n.o.... Anteprojecto de Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. [...] Foi ouvido, a título facultativo, Banco de Portugal. Assim: No uso da autorização legislativa concedida pelos artigos [...] da

Leia mais

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

Tratado de. Lisboa VERSÃO CONSOLIDADA

Tratado de. Lisboa VERSÃO CONSOLIDADA Tratado de Lisboa VERSÃO CONSOLIDADA Tratado de Lisboa VERSÃO CONSOLIDADA Título Tratado de Lisboa Versão Consolidada Iniciativa Comissão de Assuntos Europeus da Assembleia da República Consolidação dos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES 1996L0034 PT 05.02.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre

Leia mais

CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES

CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES Nº 43 Sétima cimeira da Comunidade desde o Tratado de Roma, a Cimeira de Paris produziu algumas das mais importantes decisões

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO 14.6.2006 C 139/1 I (Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO ACORDO INTERINSTITUCIONAL Entre o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão, sobre a disciplina orçamental e a boa gestão financeira

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 15/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTO DE ADESÃO, ANEXO II PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS

Leia mais

Índice. Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159

Índice. Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159 5 Índice Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159 S 163 ANEXO QUADROS DE CORRESPONDÊNCIA A QUE SE REFERE O ARTIGO 5.º DO

Leia mais

PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I. Disposições gerais

PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I. Disposições gerais 1. Convenção sobre a Patente Europeia PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Direito europeu de concessão de patentes É instituído pela presente Convenção um

Leia mais

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia.

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia. UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de cidadania europeia Terceira edição Comissão Europeia Secretariado Geral B-1049 Bruxelas Manuscrito concluído

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Resolução da Assembleia da República n.º 21/99 Acordo de Cooperação entre o Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Baixos,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março O Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril, veio regular pela primeira vez, na nossa ordem jurídica,

Leia mais

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de Julho 2010 que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga a Posição Comum 2007/140/PESC

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de Julho 2010 que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga a Posição Comum 2007/140/PESC 27.7.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 195/39 DECISÕES DECISÃO DO CONSELHO de 26 de Julho 2010 que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga a Posição Comum 2007/140/PESC O CONSELHO DA UNIÃO

Leia mais

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006 Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Dezembro de 1996 relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p.

Leia mais

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 ACTA FINAL FA/TR/EU/HR/pt 1 2 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU C 213/16 Jornal Oficial da União Europeia 20.7.2011 III (Actos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 11 de Março de 2011 sobre uma recomendação

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

DIRECTIVA 2005/36/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 7 de Setembro de 2005 relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais

DIRECTIVA 2005/36/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 7 de Setembro de 2005 relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais L 255/22 DIRECTIVA 2005/36/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 7 de Setembro de 2005 relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais (Texto relevante para efeitos do EEE) O PARLAMENTO

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA TRATADOS CONSOLIDADOS CARTA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS

UNIÃO EUROPEIA TRATADOS CONSOLIDADOS CARTA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS UNIÃO EUROPEIA TRATADOS CONSOLIDADOS CARTA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS MARÇO DE 2010 30.3.2010 Jornal Oficial da União Europeia C 83/1 T U E VERSÕES CONSOLIDADAS T F U E DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO

Leia mais

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação e Natureza 1. A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Direito europeu (comunitário)!

Direito europeu (comunitário)! Direito europeu (comunitário)! Evolução jurídica da integração europeia! Quadro institucional e processo legislativo! Noção de ordem jurídica autônoma! Princípios do direito comunitário europeu: primazia

Leia mais

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Conselho Económico e Social A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164., alínea d), 168. n. 1, alínea m) e 169., n. 3 da Constituição, para valer como lei

Leia mais

Geopolı tica Exercı cios Objetivos

Geopolı tica Exercı cios Objetivos Exercı cios Objetivos 1. (2001) No segundo semestre de 2000, o Brasil sediou a Reunia o de Presidentes da Ame rica do Sul. Nesse encontro, buscou-se (a) regulamentar a organizac a o da ALCA. (b) atenuar

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE O RECONHECIMENTO DA PERSONALIDADE JURÍDICA DAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS NÃO GOVERNAMENTAIS. Preâmbulo

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE O RECONHECIMENTO DA PERSONALIDADE JURÍDICA DAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS NÃO GOVERNAMENTAIS. Preâmbulo Resolução da Assembleia da República n.º 28/1991 Convenção Europeia sobre o Reconhecimento da Personalidade Jurídica das Organizações Internacionais não Governamentais. A Assembleia da República resolve,

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Quadro indicativo : artigos propostos relativos à pertença à União em comparação com os Tratados existentes

Quadro indicativo : artigos propostos relativos à pertença à União em comparação com os Tratados existentes CONVENÇÃO EUROPEIA SECRETARIADO Bruxelas, 2 de Abril de 2003 CONV 648/03 NOTA de: para: Assunto: Praesidium Convenção Título X : Pertença à União Conteúdo do documento : Página 2 : Principais elementos

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE 2902 Diário da República, 1.ª série N.º 100 24 de Maio de 2011 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE Portaria n.º 207/2011 de 24 de Maio O Decreto -Lei n.º 177/2009, de 4 de Agosto,

Leia mais

REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS

REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS Lei nº 42/VI/2004 de 10 de Maio Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 174º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

PAUTA UNIFICADA ACT 2013-14 SEC A O I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

PAUTA UNIFICADA ACT 2013-14 SEC A O I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PAUTA UNIFICADA ACT 2013-14 SEC A O I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 01 MANUTENC A O DAS CONQUISTAS ANTERIORES A Copel mantera todas as conquistas dos trabalhadores constantes em acordos coletivos e normas

Leia mais

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA Comissão Europeia Direcção-Geral da Comunicação Manuscrito terminado em Julho de 2009 O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA Após décadas de conflitos que ceifaram milhões de vidas, a fundação da União Europeia

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais