INTRODUÇÃO À DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO À DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL"

Transcrição

1 CONCEITOS BÁSICOS INTRODUÇÃO À DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL Prof: Carlos Amaral

2 Professor Carlos Amaral Formacao : Técnico em eletrônica - UTFPR : Engenharia Elétrica UTFPR : Mestrado Eng. Elétrica/Biomédica UTFPR

3 Dados do Professor 2003 Auxiliar em Enfermagem Pequeno Príncipe : Doutorado Eng. Elétrica/Biomédica (TUM)

4 Dados do Professor Atividades Profissionais : Estágio 2003: Eng. de Processos : Engenheiro Clínico/Professor : Pós doutorado UTFPR

5 Dados do Professor Pesquisa Atual Instrumentação de Petróleo e Gás na UTFPR:

6 Dados do Professor Pesquisa Atual Instrumentação de Petróleo e Gás na UTFPR:

7 Equipe de Pesquisa em Escoamentos CONCEITOS BÁSICOS Dados do Professor 11 Professores 47 IC s 101 Membros 23 Pós- Graduandos 5 Pesquisadores 3 técnicos

8 CONCEITOS BÁSICOS Dados do Professor Equipe de Pesquisa em Escoamentos

9 Pesquisa em Escoamentos CONCEITOS INTRODUÇÃO BÁSICOS Dados do Professor JL = 0,5 m/s JG = 0,3 m/s JL = 2,0 m/s JG = 2,0 m/s JL = 2,0 m/s JG = 0,3 m/s JL = 4,0 m/s JG = 2,0 m/s

10 Dados do Professor Pesquisa Atual Planta para analise de escoamentos:

11 Dados do Professor Pesquisa Atual Planta para analise de escoamentos:

12 Dados do Professor Pesquisa Atual Planta para analise de escoamentos:

13 Pesquisa Atual Resultados: CONCEITOS INTRODUÇÃO BÁSICOS Dados do Professor

14 Avisos - Avaliação de docentes

15 Avisos - Avaliação de docentes

16 Avisos - ENADE Importância para bolsas de pós-graduação!

17 Avisos - ENADE

18 Ementa CONCEITOS INTRODUÇÃO BÁSICOS Disciplina de Instrumentação Industrial Princípios físicos, construtivos operacionais e de especificação de sensores de proximidade utilizados em sistemas de automação industrial. Características metrológicas de sistemas de medição. Princípios físicos, construtivos operacionais e de especificação de sistemas de medição de grandezas físicas relacionadas ao controle de processos industriais. Princípios construtivos, características operacionais e especificação de válvulas para controle de pressão e vazão em processos industriais.

19 Conteúdo CONCEITOS INTRODUÇÃO BÁSICOS Disciplina de Instrumentação Industrial Terminologia, Metrologia e Calibração Sensores: Pressão Nível Vazão Temperatura Acondicionamento e Transmissão de Sinal Atuadores: Válvulas Estratégias de Controle Áreas Classificadas

20 Plano de Aula CONCEITOS INTRODUÇÃO BÁSICOS Disciplina de Instrumentação Industrial

21 Bibliografia CONCEITOS INTRODUÇÃO BÁSICOS Disciplina de Instrumentação Industrial AMERICAN NATIONAL STANDARDS INSTITUTE. Instrumentation symbols and identification. North Carolina: ISA, 1992 BEGA, Egídio Alberto. Instrumentação industrial. Rio de Janeiro: Interciência, 25 cm. 541 p. BEGA, Egídio Alberto. Instrumentação Aplicada ao Controle de Caldeiras. Editora Interciência. GONÇALVES JÚNIOR, Armando Albertazzi. Metrologia. Florianópolis: LAB METRO, v. ALVES, José Luiz Loureiro. Instrumentação, Controle e Automação de Processos. Editora LTC.

22 Disciplina de Instrumentação Industrial Avaliações Perguntas teóricas e exercícios; Peso: Teoria: 90% Práticas: 10% (5 % EXTRA para participações na aula) Aprovação: Presença >= a 75% (máximo de faltas - 4 dias) Média >= 6,0 Material didático (PDFs)

23 Disciplina de Instrumentação Industrial Videos online (Inglês) Industrial Instrumentation Provas SEM consulta

24 Disciplina de Instrumentação Industrial Videos online (Inglês) Industrial Automation and Control

Normas de Instrumentação Industrial: Simbologia e Identificação

Normas de Instrumentação Industrial: Simbologia e Identificação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Normas de Instrumentação Industrial: Simbologia e Identificação Heitor Medeiros Florencio Objetivos da aula

Leia mais

PTC3421 Instrumentação Industrial. Introdução V2017A PROF. R. P. MARQUES

PTC3421 Instrumentação Industrial. Introdução V2017A PROF. R. P. MARQUES PTC3421 Instrumentação Industrial Introdução V2017A PROF. R. P. MARQUES A malha básica de controle CONTROLADOR ATUADOR PLANTA SENSOR Abstratamente pensamos nos blocos do diagrama acima como sistemas dinâmicos.

Leia mais

ENG-032 INSTRUMENTAÇÃO APLICADA À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL DISCIPLINA OPTATIVA

ENG-032 INSTRUMENTAÇÃO APLICADA À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL DISCIPLINA OPTATIVA 1 Universidade Federal da Bahia - UFBA Escola Politécnica EP Departamento de Engenharia Química - DEQ Laboratório de Controle e Otimização de Processos Industriais - LACOI Disciplina: Instrumentação aplicada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA. Prof. Everson José Fernandes

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA. Prof. Everson José Fernandes CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA Prof. Everson José Fernandes TÉCNICO EM MECÂNICA OBJETIVO: O Curso Técnico de Mecânica tem por objetivo formar profissionais, cujas principais atividades são: atuar na elaboração

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de

Leia mais

Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação

Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br)

Leia mais

Norma ISA D5.1. Adrielle de Carvalho Santana

Norma ISA D5.1. Adrielle de Carvalho Santana Norma ISA D5.1 Adrielle de Carvalho Santana Norma ISA D5.1 Estabelecida pela International Society of Automation (ISA) a ISA D5.1 padroniza os símbolos gráficos e codificação para identificação alfanumérica

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Metrologia Código da Disciplina: NDC175 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta da disciplina: Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns Programa em vigência

Leia mais

HORÁRIO - ENGENHARIA AEROESPACIAL 2º SEM. DE 2012

HORÁRIO - ENGENHARIA AEROESPACIAL 2º SEM. DE 2012 da Nome da HORÁRIO - ENGENHARIA AEROESPACIAL 2º SEM. DE 2012 1º PERÍODO ECN075 ECONOMIA PARA ENGENHARIA D 6ª 07:30 09:10 100 Produção 101406 1176 UNI007 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA EA 2ª 14:55 17:50 40 3015

Leia mais

Instrumentação. Instrumentação e CLP. Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior

Instrumentação. Instrumentação e CLP. Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Instrumentação Instrumentação e CLP Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Andouglas G. da Silva Júnior ( Professor: Instrumentação Andouglas Gonçalves da Silva Júnior 1 / 18 1 Conceito Denição

Leia mais

HORÁRIOS DOS BLOCOS. Horário do 1º Bloco. Álgebra Linear José Lameira Salimos

HORÁRIOS DOS BLOCOS. Horário do 1º Bloco. Álgebra Linear José Lameira Salimos 07:30-08:20 Eletrônica Digital Química Geral Teórica I Desenho Técnico p/ Eng. (02) Desenho Técnico p/ Eng. (02) HORÁRIOS DOS BLOCOS Horário do 1º Bloco Química Geral Teórica I Desenho Técnico p/ Eng.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: METROLOGIA E INSTRUMENTAÇÃO UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA: FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA FEELT CH

Leia mais

Prof. Leandro Morais VAZÃO

Prof. Leandro Morais VAZÃO Prof. Leandro Morais VAZÃO Vazão Definição de Vazão - É a quantidade de líquido, gás ou sólido que passa por um determinado local por unidade de tempo. - Quantidade medida em volume (m³) ou massa (kg)

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira

ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira INTRODUÇÃO É NECESSÁRIO MEDIR E CONTROLAR VARIÁVEIS EM UM PROCESSO INDUSTRIAL

Leia mais

DISCIPLINA: ENG Créditos: 04. Automação REITORIA Aulas Teóricas: Transdutores. instrumentação. longo das. distribuídos ao

DISCIPLINA: ENG Créditos: 04. Automação REITORIA Aulas Teóricas: Transdutores. instrumentação. longo das. distribuídos ao UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIAA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2011/11 DISCIPLINA: Instrumentação Fundamental para Controle e Automação

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA, ÊNFASE ELETRÔNICA / TELECOMUNICAÇÕES - DAELN 28 DE MARÇO DE

CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA, ÊNFASE ELETRÔNICA / TELECOMUNICAÇÕES - DAELN 28 DE MARÇO DE PROJETO DE CRIAÇÃO DA DISCIPLINA OPTATIVA FUNDAMENTOS DE METROLOGIA PARA O CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA, ÊNFASE ELETRÔNICA / TELECOMUNICAÇÕES, ÁREA DE CONHECIMENTO DE PRODUÇÃO CURSO DE ENGENHARIA

Leia mais

Simbologia e Identificação

Simbologia e Identificação www.iesa.com.br 1 Simbologia e Identificação As normas de instrumentação estabelecem símbolos gráficos e codificações para a identificação alfa-numérica de instrumentos que deverão ser utilizadas nos diagramas

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS 1. Visão geral de instrumentação industrial 2. Transmissores e Transdutores 3. Instalações elétricas e de instrumentação em áreas classificadas 4. Válvulas de controle

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 2012

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 2012 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico PROET Direção de Ensino Campus Volta Redonda MATRIZ

Leia mais

Primeiro Ano/Trimestre 2 Carga horária total: 135 h (Eletivas)

Primeiro Ano/Trimestre 2 Carga horária total: 135 h (Eletivas) Curso Técnico (Integrado/Concomitante/Subsequente) em Curso de (Engenharia, Tecnologia, Licenciatura) em Mestrado Profissional em Mecatrônica CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR Primeiro Ano/Trimestre

Leia mais

ELT030 Instrumentação 1

ELT030 Instrumentação 1 ELT030 Instrumentação Universidade Federal de Itajubá Engenharia Eletrônica Sensores Inteligentes ELT030 Instrumentação 1 Transmissor eletrônico Um transdutor converte uma grandeza física qualquer para

Leia mais

P&ID - Piping & Instrument Diagram

P&ID - Piping & Instrument Diagram P&ID - Piping & Instrument Diagram Fluxograma de Engenharia Leitura e interpretação de Fluxogramas e Diagramas de Processo Muitos de nós podemos nos lembrar de experiências na infância, quando se desenhavam

Leia mais

Instrumentação Industrial

Instrumentação Industrial Instrumentação Industrial Simbologia e Terminologia da Norma ISA 5.1 Prof.: Welbert Rodrigues Introdução A Norma ISA 5.1 estabelece uma padronização para designar os instrumentos e sistemas de instrumentação

Leia mais

Mecânica dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA TÉCNICO(A DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - INSTRUMENTAÇÃO TÉCNICO(A DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - AUTOMAÇÃO Mecânica dos Fluidos Questões Resolvidas QUESTÕES

Leia mais

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011 1º PERÍODO Campus I 7:00-8:40 Metodologia Científica GAAV Inglês Instrumental I GAAV Laboratório de Química Básica - L1 8:50-10:30 Cálculo I Cálculo I Desenho I*- T1/T2 Cálculo I Laboratório de Química

Leia mais

O Ingresso de Engenheiros Recém-formados no Mercado de Trabalho Brasileiro Comparação de perfil entre graduados na instituição pública e particular

O Ingresso de Engenheiros Recém-formados no Mercado de Trabalho Brasileiro Comparação de perfil entre graduados na instituição pública e particular Formação - Instituição Pública Outras 13,0% Formação - Instituição Particular Outras 15,4% Engenharia Civil 8,2% Engenharia Civil 5,1% Engenharia Elétrica 14,9% Engenharia Elétrica 12,0% Engenharia Química

Leia mais

Conceituar e equacionar o comportamento dos fluidos para o embasamento de aplicações de engenharia.

Conceituar e equacionar o comportamento dos fluidos para o embasamento de aplicações de engenharia. 2 Ementa Hidrostática: equação fundamental; equilíbrio absoluto e relativo; variação de pressões no interior de um fluído em equilíbrio; esforços sobre superfícies imersas nos fluídos; princípio de Arquimedes.

Leia mais

UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos

UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos 2016.2 UNIDADE: ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO: ENGENHARIA ELÉTRICA CÓDIGO: ENGC54 MODALIDADE:

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: CÁLCULO I DISCIPLINA: FÍSICA I Estudo do centro de Massa e Momento Linear. Estudo da Rotação. Estudo de Rolamento, Torque

Leia mais

GRADE HORÁRIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO (DIURNO)

GRADE HORÁRIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO (DIURNO) GRADE HORÁRIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO (DIURNO) 1º SEMESTRE DE 2015 1 O. PERÍODO ENG076 Introdução à Engenharia de Controle e ENG076 Introdução à Engenharia de Controle

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 01 Apresentação da Disciplina Profª Heloise G. Knapik 1 Apresentação Docente Professor: Heloise Garcia

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Departamento de Engenharia - Universidade Federal de Lavras

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Departamento de Engenharia - Universidade Federal de Lavras Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Histórico Início 2007 com foco em modelagem biológica (Engenharias IV Capes) e característica multidisciplinar com professores da área de

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controle de Processos

Fundamentos de Automação. Controle de Processos Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controle

Leia mais

Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas - DCAT

Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas - DCAT Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas - DCAT Chefe: Rodrigo Nogueira de Codes Vice-chefe: Alan Martins de Oliveira 1 6 cursos de graduação: Engenharia Civil Coordenador: Prof. John Eloi Bezerra

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2016 Plano de Curso nº 089 aprovado pela portaria Cetec nº 728 de 10/09/2015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município:

Leia mais

Disciplina Eletropneumática e Hidráulica. Notas de Aula. Sensores. Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes

Disciplina Eletropneumática e Hidráulica. Notas de Aula. Sensores. Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes Disciplina Eletropneumática e Hidráulica Notas de Aula Sensores Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes Algumas Aplicações dos Sensores Exemplos de aplicações: contagem de peças; medição

Leia mais

Matriz Curricular do Curso de Eletromecânica A partir 2010 Curso Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Modalidade Integrado

Matriz Curricular do Curso de Eletromecânica A partir 2010 Curso Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Modalidade Integrado Matriz Curricular do Curso de Eletromecânica A partir 2010 Curso Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Modalidade Integrado Carga-Horária /Ano Carga-Horária Total / Disciplina 1º 2º 3º 4º Hora-Aula

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE MANÔMETROS

CALIBRAÇÃO DE MANÔMETROS INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE - CURSO TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE - Prof. TAYLOR SOARES ROSA - 29/9/2009 Calibração de manômetros CALIBRAÇÃO DE MANÔMETROS Conjunto de operações

Leia mais

Denominação O Problema Um pouco de História Motivação Pré-requisitos Conceitos Bibliografia Recursos na Internet C. Capítulo 1. Gustavo H. C.

Denominação O Problema Um pouco de História Motivação Pré-requisitos Conceitos Bibliografia Recursos na Internet C. Capítulo 1. Gustavo H. C. Capítulo 1 Introdução Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Introdução 1/32 Este material contém notas de aula

Leia mais

VAGAS EDITAL 6 o CICLO - POR ESTADO, CIDADE, NÍVEL E CATEGORIA PROFISSIONAL

VAGAS EDITAL 6 o CICLO - POR ESTADO, CIDADE, NÍVEL E CATEGORIA PROFISSIONAL VAGAS EDITAL 6 o CICLO - POR ESTADO, CIDADE, NÍVEL E CATEGORIA PROFISSIONAL ESTADO LOCALIDADE DOS CURSOS NÍVEL CATEGORIAS Total AM MANAUS BÁSICO CM - CALDEIREIRO 96 CM - ENCANADOR INDUSTRIAL 48 CM - LIXADOR

Leia mais

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I AULA 01 Sensores - I 1 Programa Princípios de medição de grandezas físicas Instrumentos indicadores eletromecânicos Transdutores de instrumentação de sistemas de medições Circuitos de instrumentação: medições

Leia mais

MEDIDORES DE VAZÃO TIPO TURBINA E ROTATIVO

MEDIDORES DE VAZÃO TIPO TURBINA E ROTATIVO GERE GERÊNCIA DE ENGENHARIA CLIENTE: TÍTUL O: COPERGAS - COMPANHIA PERNAMBUCANA DE GÁS 1 de 12 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS DATA 0 EMISSÃO INICIAL. 29/06/12 1 2 3 Alteração de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO INTERMEDIÁRIO E AVANÇADO 2016 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS

PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO INTERMEDIÁRIO E AVANÇADO 2016 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO INTERMEDIÁRIO E AVANÇADO 2016 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS A Coordenação de Cursos Técnicos do Instituto Metrópole Digital (IMD) da Universidade

Leia mais

Balanço de Massa e Energia

Balanço de Massa e Energia Universidade Federal de Alagoas Centro de Tecnologia Balanço de Massa e Energia Aula 01 1 Apresentação Professor: Christiano Cantarelli Rodrigues E-mail: cc.rodrigues@yahoo.com Telefone: 3214 1306 (UFAL)

Leia mais

BIBLIOTECA INSTRUMENTAÇÃO

BIBLIOTECA INSTRUMENTAÇÃO BIBLIOTECA INSTRUMENTAÇÃO Nome do arquivo: INST.lib (biblioteca) Versão: 1.0 Última atualização: LIB 27/06/2013 DOC 27/06/2013 1. INTRODUÇÃO A norma ANSI/ISA-S5.1 1984 (R1992) Instrumentation Symbols and

Leia mais

Princípios físicos que envolvem a hidráulica industrial.

Princípios físicos que envolvem a hidráulica industrial. Agenda - conteúdo Princípios físicos que envolvem a hidráulica industrial. Símbolos normalizados (DIN/ISSO 1219 e 5599). Especificações técnicas, formas construtivas e funções das bombas hidráulicas, atuadores,

Leia mais

Mestrado Profissional em Mecatrônica OPERACIONALIZAÇÃO E DIRETRIZES. Coordenação do Mestrado

Mestrado Profissional em Mecatrônica OPERACIONALIZAÇÃO E DIRETRIZES. Coordenação do Mestrado Mestrado Profissional em Mecatrônica OPERACIONALIZAÇÃO E DIRETRIZES Coordenação do Mestrado Maceió, 05/09/2013 Agenda Apresentação e Caracterização Concepção e Modelo de Atuação Vinculação Institucional

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA MEDIDORES TURBINA, ROTATIVOS E DIAFRAGMA ÍNDICE DE REVISÕES

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA MEDIDORES TURBINA, ROTATIVOS E DIAFRAGMA ÍNDICE DE REVISÕES Nº ET-COPROG-0001 rev.5 UNIDADE: GERAL 1 de 25 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 1 2 3 4. 5. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS EMISSÃO INICIAL INCLUSÃO DOS MEDIDORES E DOS ROTATIVOS COM CONEXÃO ROSCADA. INCLUSÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Metrologia Código da Disciplina: NDC 175 Curso: Engenharia de Produção Semestre de oferta da disciplina: 7 Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns (NDC) Programa

Leia mais

Metrologia e Controle Dimensional - MCD

Metrologia e Controle Dimensional - MCD Metrologia e Controle Dimensional - MCD Prof. Luiz V. O. Dalla Valentina, Dr. Eng. luiz.valentina@udesc.br 2015/1 Metrologia e Controle Dimensional - MCD OBJETIVO GERAL : Apresentar conceitos básicos sobre

Leia mais

PEA 2509 Laboratório de Automação de Sistemas Elétricos

PEA 2509 Laboratório de Automação de Sistemas Elétricos 1 Introdução Sejam bem vindos à disciplina PEA 2509 Laboratório de Automação de Sistemas Elétricos. O curso é organizado em dois módulos, sendo o primeiro a respeito de Sistemas de Automação de Subestações

Leia mais

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos 107484 Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti

Leia mais

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I (ENGF99) PROFESSOR: EDUARDO SIMAS (EDUARDO.SIMAS@UFBA.BR)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2005.1 Objetivos do Capítulo Estudo sistêmico de sistemas de automação industrial. Caracterização dos elementos

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS - CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - (Res. UNESP 40/2005) 2º SEMESTRE DE 2013 (ingressantes 2º Semestre 2013) - 1º PERÍODO

HORÁRIO DE AULAS - CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - (Res. UNESP 40/2005) 2º SEMESTRE DE 2013 (ingressantes 2º Semestre 2013) - 1º PERÍODO 2º SEMESTRE DE 2013 (ingressantes 2º Semestre 2013) - 1º PERÍODO 8-10 MAT(0906) Desenho Básico T3 MAT(0906) Desenho Básico T4 FIS(0165) Física I MAT(0900) Cálculo I MAT(0900) Cálculo I MAT(0906) Desenho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA DIURNO - 1º. SEMESTRE LETIVO DE º período.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA DIURNO - 1º. SEMESTRE LETIVO DE º período. 1º período EMA015 INTRODUÇÃO À ENG. MECÂNICA D 3ª 13:00 14:40 1032 - BL 3 EMA083 DESENHO MECÂNICO D1 3ª 14:55 17:50 1170 - BL 4 D2 5ª 14:55 17:50 1170 - BL 4 2º período EMA084 MET. NUMÉRICOS APL. ENG.

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 188, de 30 de setembro de 2016.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 188, de 30 de setembro de 2016. INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 188, de 30 de setembro de 2016. O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos. Mensuração da Temperatura Parte 1

Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos. Mensuração da Temperatura Parte 1 Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos Mensuração da Temperatura Parte 1 Matéria e Energia Todos os corpos na natureza são formados de matéria: MATÉRIA é tudo aquilo que ocupa lugar

Leia mais

CCL: CONTROLE CLÁSSICO. Profa. Mariana Cavalca

CCL: CONTROLE CLÁSSICO. Profa. Mariana Cavalca CCL: CONTROLE CLÁSSICO Profa. Mariana Cavalca Currículo Resumido Curso Técnico em Eletro-Eletrônica ETEP (São José dos Campos - SP) Iniciação científica (estatística) Estágio Empresa ITA júnior: microcontroladores.

Leia mais

Termômetro bimetálico Versão de alta qualidade para processos conforme EN Modelo 55

Termômetro bimetálico Versão de alta qualidade para processos conforme EN Modelo 55 Medição mecânica de temperatura Termômetro bimetálico Versão de alta qualidade para s conforme EN 13190 Modelo 55 WIKA folha de dados TM 55.01 outras aprovações veja página 7 Aplicações Instrumentação

Leia mais

Supervisor de Monitoramento e Diagnóstico de Sensores aplicado a um Sistema Experimental

Supervisor de Monitoramento e Diagnóstico de Sensores aplicado a um Sistema Experimental Supervisor de Monitoramento e Diagnóstico de Sensores aplicado a um Sistema Experimental "Este trabalho se propõe a desenvolver um sistema experimental que englobe todas as funcionalidades de uma planta

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

DEFINIÇÕES DO VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE METROLOGIA

DEFINIÇÕES DO VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE METROLOGIA DEFINIÇÕES DO VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE METROLOGIA João Carlos Pinheiro Beck beck@em.pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica

Leia mais

Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro

Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro Questão 1 Em um projeto de automação e controle de um parque industrial, encontramos o fluxograma simplificado de tubulação e instrumentação (P&ID)

Leia mais

Transdutor de pressão OEM Com alta exatidão Modelos TIS-20, TIS-21

Transdutor de pressão OEM Com alta exatidão Modelos TIS-20, TIS-21 Medição eletrônica de pressão Transdutor de pressão OEM Com alta exatidão Modelos TIS-20, TIS-21 WIKA folha de dados PE 81.68 Aplicações Base para: Projetos de integração de sensor com altas demandas de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 0 ETEC Paulino Botelho Ensino Técnico Código: 09 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação:

Leia mais

Terminologia e conceitos de Metrologia

Terminologia e conceitos de Metrologia A U A UL LA Terminologia e conceitos de Metrologia Um problema Muitas vezes, uma área ocupacional apresenta problemas de compreensão devido à falta de clareza dos termos empregados e dos conceitos básicos.

Leia mais

Universidade Federal do ABC Engenharia de Gestão. ESZG Metrologia

Universidade Federal do ABC Engenharia de Gestão. ESZG Metrologia Universidade Federal do ABC Engenharia de Gestão ESZG030-13 Metrologia Prof. Dr. Erik Gustavo Del Conte Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas - CECS Fone +55 11 4996-8286 - Bloco

Leia mais

V German-Brazilian RenewableEnergy Business Conference. Natal, 30/05/2017

V German-Brazilian RenewableEnergy Business Conference. Natal, 30/05/2017 V German-Brazilian RenewableEnergy Business Conference Natal, 30/05/2017 SENAI A maior rede privada de educaçãoprofissionale serviços tecnológicos da América Latina 75 anos de atividades Presente nas 27

Leia mais

Universidade Estatal Russa de petróleo e gás "Gubkin" (RGUNIG) Custos de mestrados

Universidade Estatal Russa de petróleo e gás Gubkin (RGUNIG) Custos de mestrados Universidade Estatal Russa de "Gubkin" (RGUNIG) Custos de mestrados-- Código Mestrado Perfis Duração Custo anual em rublos - MBA Administração de negócios na indústria de petroleelos e gás. - MBA Administração

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos Conceitos Básicos Sensores Industriais Elaine K. Meyer Mestrado profissional em Engenharia Elétrica Atuadores Sensores Analógicos Digitais Transdutor Conversores A/D e D/A Transmissor Características importantes

Leia mais

ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG

ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG I. CONTEÚDOS BÁSICOS (Carga horária de 1740 horas) 1.1 - FORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA (Carga horária: 1425 horas) 1.1.1 - MATEMÁTICA

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: MÁQUINAS TÉRMICAS Código da Disciplina: EMC236 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta da disciplina: 8º Faculdade responsável: Engenharia Mecânica Programa em

Leia mais

Medição de vazão mássica de um motor dois tempos

Medição de vazão mássica de um motor dois tempos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Medição de vazão mássica de um motor dois tempos RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores Heitor Medeiros Florencio Objetivos da aula Caracterizar os principais sensores e atuadores

Leia mais

Série 700. estidas ANSI Classes 150 e 300 DIN PN 10 a PN 40

Série 700. estidas ANSI Classes 150 e 300 DIN PN 10 a PN 40 Série 7 1 Válvulas Macho Revestidas estidas ANSI Classes e DIN PN 1 a PN 4 As válvulas macho da série 7 foram projetadas para necessidades específicas de válvulas industriais onde se requer estanqueidade

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR 2 SIST. POTÊNCIA A VAPOR Diferente do ciclo de potência a gás, no ciclo de potência

Leia mais

Transdução de Grandezas Biomédicas

Transdução de Grandezas Biomédicas Transdução de Grandezas Biomédicas Mestrado em Eng. Biomédica Docente: > Marcelino M. de Andrade A Aula! O Erro em Medidas Não existe medida realizada sem erro, e o erro poder ser somente minimizado!!!

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE FÍSICA II CEAGRO AGRO0009 016.1 CARGA HORÁRIA TEÓR: 60 PRÁT: 0 HORÁRIOS: a. FEIRA (10:00-1:00) TURMA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br MÁQUINAS TÉRMICAS: COMPETÊNCIA: O acadêmico ao finalizar

Leia mais

Conjunto de serviço (hidráulico) Modelo CPG-KITH

Conjunto de serviço (hidráulico) Modelo CPG-KITH Tecnologia de calibração Conjunto de serviço (hidráulico) Modelo CPG-KITH Folha de dados WIKA CT 93.02 Aplicações Indústria de óleo e gás Manutenção e centros de serviço Prestadores de serviços de calibração

Leia mais

Horário Segunda-Feira Terça-Feira Quarta-Feira Quinta-Feira Sexta-Feira Sábado VESPERTINO NOTURNO

Horário Segunda-Feira Terça-Feira Quarta-Feira Quinta-Feira Sexta-Feira Sábado VESPERTINO NOTURNO Série: 1ª Período: 1º Turno: Noturno Turma: 01 14h:55~15h10 Intervalo Intervalo Intervalo Intervalo Intervalo 06859-INSERÇÃO DO ALUNO NA VIDA UNIVERSITÁRIA 06859-INSERÇÃO DO ALUNO NA VIDA UNIVERSITÁRIA

Leia mais

Simbologia de Controle de Processos

Simbologia de Controle de Processos Simbologia de Controle de Processos Seminário Automação Industrial 2º Semestre de 2011 Watson Oliveira RA: 510303-6 Leandro Tassi RA: 517566-0 Prof. Nilson M. Taira Faculdades Integradas de São Paulo Introdução

Leia mais

O SENAI-SP é a maior instituição de educação profissional e tecnológica da América Latina

O SENAI-SP é a maior instituição de educação profissional e tecnológica da América Latina abril de 2016 O SENAI-SP é a maior instituição de educação profissional e tecnológica da América Latina MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias

Leia mais

Instituto SENAI de Tecnologia Ambiental

Instituto SENAI de Tecnologia Ambiental Instituto SENAI de Tecnologia Ambiental Programa SENAI + Competitividade LOCALIZAÇÃO DOS INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (62) DF - Construção AC - Madeira e Mobiliário MT Bio-energia MT - Alimentos e Bebidas

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-UFSC DEPARTAMENTO DE FÍSICA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS CFM 1 SEMESTRE LETIVO DE 2014 PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO A) Dados gerais

Leia mais

CONTROLES DE NÍVEL. Tipo Câmara Externa

CONTROLES DE NÍVEL. Tipo Câmara Externa CONTROLES DE NÍVEL Tipo Câmara Externa A CONAUT, desde 1965 no mercado nacional, é hoje uma marca conhecida e respeitada no ramo de automação e instrumentação, atuando em todos os ramos da indústria. Além

Leia mais

Sistema de Gestão de Energia Power4000. Medidor. de Energia CP40. Medidor de água by Embrasul. Medidor. de Água

Sistema de Gestão de Energia Power4000. Medidor. de Energia CP40. Medidor de água by Embrasul. Medidor. de Água de água Sistema de Gestão Power4000 E S S S S Transdutor de Power4000 Standard Power4000 Server Simulação de fatura de energia e rateio de custos; Avaliação de perdas de energia e análise de oscilação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2016 Plano de Curso nº 089 aprovado pela portaria Cetec nº 49 de 17/11/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município:

Leia mais

Propagação da incerteza de medição ou incerteza combinada

Propagação da incerteza de medição ou incerteza combinada UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ENGENHARIA MECÂNICA ENG0308 - MEDIÇÕES TÉRMICAS Energia e Fenômenos de Transporte Prof. Paulo S. Schneider pss@mecanica.ufrgs.br Medições Térmicas - Engenharia

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Curso: Licenciatura Plena em História Disciplina: Estágio Supervisionado III: Prática docente II Coordenação:

PLANO DE DISCIPLINA. Curso: Licenciatura Plena em História Disciplina: Estágio Supervisionado III: Prática docente II Coordenação: PLANO DE DISCIPLINA Curso: Licenciatura Plena em História Disciplina: Estágio Supervisionado III: Prática docente II Coordenação: Carga horária: 120h/a Cleto SandysNascimento de Sousa Professor (a) Camila

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Coordenação do Curso de Engenharia Elétrica Câmpus Medianeira PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM

CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM O Curso Técnico de Nível Médio em Soldagem, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas de estágio

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Aula 06 Medidas físicas Erros experimentais. Incertezas. Análise estatística.

Leia mais