CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos"

Transcrição

1 CORBA Common Object Request Broker Architecture Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos

2 Introdução OMG (Object Management Group): uma organização formada por empresas de diferentes ramos da informática que trabalham sem fins lucrativos, para promover a criação e elaboração de modelos e padrões que proporcionem a interoperabilidade entre aplicações que usam tecnologia OO. Criou a arquitetura CORBA

3 O que é CORBA? CORBA (Common Object Request Arquitecture Broker) Padrão proposto pela OMG Estrutura comum para o desenvolvimento utilizando técnicas de OO em redes heterogêneas Propõe a interoperabilidade local ou remota entre aplicações, independente das linguagens de programação em que foram desenvolvidas e sobre quais plataformas serão executadas

4 O que é CORBA? Objetivo: promover a intercomunicação de objetos distribuídos em uma rede de computadores, a fim de executar alguma tarefa Porém o CORBA é uma parte de uma outra tecnologia proposta pela OMG, chamado OMA (Object Management Architecture)

5 O que é CORBA? Composto por 4 componentes principais: ORB: define um barramento comum para troca de mensagens entre os objetos. Objetos de serviço: ampliam a funcionalidade do ORB e gerenciam os objetos Facilidades comuns: definem as interfaces no nível da aplicação. Objetos da aplicação: objetos utilizados pela aplicação do usuário final.

6 Arquitetura do Modelo de Referência

7 Modelo de Objetos Objetos distribuídos CORBA são pequenas partes de um sistema maior Essas partes estão distribuídas na rede e podem ser acessados por métodos de invocação Objetos clientes podem ser remotos ou não

8 Semântica dos Objetos Principal característica: disponibilizar serviços a um determinado cliente, onde este é qualquer entidade capaz de requisitar tais serviços. A seguir algumas semânticas que serão abordadas no corpo deste trabalho:

9 Semântica dos Objetos Objetos: entidade de identidades encapsuladas, com a capacidade de prover serviços aos clientes. Requisições: evento que pode ser utilizado por um cliente para solicitar um serviço de um determinado objeto. Nesta operação, deve conter informações do tipo da operação executada, o objeto alvo, zero ou mais parâmetros e alguns textos adicionais para a requisição. Formulário de requisição: descrição ou padrão que podem ser avaliados ou executados em vários tempos para provocar uma emissão de pedido; Valores: algo que pode ser legalmente utilizada como parâmetro em uma requisição; Referência a objetos: determinado valor que se relaciona especificamente a um determinado objeto.

10 Semântica dos Objetos Criação e destruição de objetos: objetos podem ser criados ou destruídos de acordo com as necessidades do pedido de um emissor. Tipos: identificação de uma entidade que possui características associadas ao seu valor. Os "tipos" são usados para restringirem a possibilidade de determinados parâmetros ou caracteres sejam apresentados como resultados. Tipos Básicos: 16 bits, 32 bits e 64 bits; precisão simples (32 bits), precisão dupla (64 bits); caracter; booleano; string; constantes. Tipos de Construções Possíveis: Tipo seqüência; tipo matriz; tipo interface; tipo record. Interfaces: um conjunto de operações que podem ser requeridas por um cliente satisfazendo suas necessidades.

11 Semântica dos Objetos Operações Entidade identificadora que denota os serviços que podem ser requeridos e identificados por um identificador de operações. As informações necessárias para sua ativação (envio de parâmetros, retorno de resultados, tratamento de exceções, semântica e informação de contextos) são relacionadas em sua assinatura. Na especificação CORBA, as "operações" são tratadas de forma genérica.em outras palavras, a mesma operação para vários objetos de diferentes características. Isso é possível, pois há uma total desvinculação dos detalhes da implementação de uma interface e também porque há utilização de herança.

12 Semântica dos Objetos Parâmetros: valores necessários para a execução de uma determinada operação, dados no momento da requisição de um determinado serviço. Os parâmetros se caracterizam por: Modo: sentido que flui a informação representada pelo parâmetro, referenciando-se sempre com o servidor, podendo ser in, out, inout. Tipo: está relacionado aos possíveis valores que podem ser transmitidos por meio desse parâmetro. Valor de Retorno: parâmetro out especial que tem como finalidade simplesmente transmitir, quando necessário, o resultado de uma operação. Exceções: indicam que uma requisição a uma operação não foi executada corretamente. Em outras palavras, ocorreu um erro durante a prestação de um determinado serviço. Os tipos de erros que podem ocorrer ou estão ligados ao sistema propriamente dito ou a própria implementação do objeto que provê tal serviço desejado. Contextos: informações adicionais e especiais, diferenciando-se dos valores dos parâmetros tradicionais. Entretanto, apesar de serem valores especiais, estes podem afetar no resultado de uma operação.

13 Semântica dos Objetos Semânticas de execuções: existem duas formas de se executar uma operação: No máximo uma: se uma determinada operação foi executada com sucesso, é por que a mesma fora executada uma única vez, com sucesso. Outra possibilidade: havendo a emissão de uma exceção, significa dizer que a operação fora executada apenas uma vez e fora possível, nesta única execução da operação, alcançar o resultado desejado. Melhor Esforço: não é esperado, pelo cliente, nenhum tipo de resultado da operação, por isso o cliente não precisa ficar ocioso por uma resposta. Para que um cliente nunca fique esperando por um resultado de uma operação que nunca virá, as informações necessárias sobre a semântica da execução estão anexadas pela assinatura, garantindo assim que os clientes e servidores fiquem cientes da natureza da operação (no máximo uma melhor esforço)

14 Semântica dos Objetos Atributos: declarações feitas para permitir a manipulação de valores do objeto servidor. Um atributo equivale logicamente a declaração de funções de acesso (uma para receber o valor do atributo e outra para escolher o valor do atributo). Entretanto um atributo pode ser definido como só de leitura. Herança: conceito herdado do Paradigma de Orientação a Objeto, adotado e utilizado pela especificação CORBA. O CORBA permite utilizar herança para criar tanto novas interfaces como novos objetos. Ele implementa múltipla herança, porém não é possível herdar de duas classes que tenham mesmo nome de operação ou de atributo. Não é possível alterar os nomes das operações ou atributos herdados nas classes derivadas, podendo apenas serem redefinidos nomes de tipos, constantes ou exceções. O CORBA ainda permite múltipla herança com metaclasses (metaclasse é uma classe de objetos criada em tempo de execução).

15 Arquitetura CORBA Repositório de Interfaces

16 Componentes da Arquitetura CORBA Clientes Toda entidade responsável por invocar uma determinada operação sobre uma implementação de objeto. Os detalhes utilizados para que seja feito esse acesso aos serviços de um determinado objeto é transparente e dispensável do conhecimento do cliente, precisando o mesmo apenas saber interagir com a interface do tal objeto. Essa invocação feita pelo cliente poderá ser feita utilizando-se o stub ou utilizando-se um conjunto de rotinas de invocações feitas dinamicamente através da interface DII

17 Componentes da Arquitetura CORBA Implementação de Objetos Operações que podem ser implementadas em uma interface ORB IDL. Tem informações de objetos, como dados internos, os códigos de seus métodos e seus respectivos procedimentos de ativação e desativação determinados na criação do objeto.

18 Componentes da Arquitetura CORBA ORB Interface ORB Stub Skeleton Interface de Invocação Dinâmica (DII) Interface de Esqueleto Dinâmico (DSI) Adaptador de Objeto

19 ORB - Object Request Broker Middleware da especificação CORBA Uma das partes mais importantes do CORBA Componente que define o barramento comum, criado para facilitar a comunicação entre objetos Permite que objetos façam, de forma transparente, requisições a objetos que podem estar localizados localmente ou remotamente O usuário não precisa se preocupar onde tal objeto está localizado, em que sistema operacional ele roda ou qual programa foi usado para desenvolvê-lo.

20 ORB - Requisições É um pedido feito pelo cliente ao ORB Componentes de uma requisição: Referência ao Objeto: identifica o objeto desejado Operação: identifica qual a operação deve ser executada Parâmetros: dados necessários para a execução da operação;

21 ORB - Requisições Quando um cliente invoca uma operação, a ORB fica responsável por encontrar a implementação do objeto, sua ativação e se necessário, entregar a requisição ao objeto e retornar qualquer resposta a quem o invocou. O cliente faz uma requisição Com isso, invoca ou cria uma rotina do Stub. A implementação do objeto não precisa saber o tipo de método de invocação foi utilizado O pedido é repassado para o ORB que fica responsável em encontrar a implementação do objeto, para então transmitir os parâmetros e o controle para essa implementação, tudo isso utilizando um Skeleton IDL específico da interface e através do adaptador de objetos Então, a implementação do objeto acessa o ORB através de um adaptador de objetos, retornando para o cliente o resultado da operação

22 ORB - Referência a objetos Para um cliente realizar uma requisição a um objeto, precisa ter uma referência ao mesmo, é importante dizer que cada objeto possui uma identificação única. Existem várias maneiras de se obter uma referência a objeto: Criação de Objetos: o CORBA cria objetos. Os objetos são criados por meio de invocações sobre objetos-fabricas, localizados no servidor de objetos. Essa operação gera uma referência ao objeto criado. Serviço de Diretório: é permitido ao cliente invocar um determinado tipo de serviço de procura, para que possa achar referências a objetos. Conversão de Referência em String e Vice-Versa: permite a conversão de uma referência a objeto em uma string, podendo a mesma futuramente ser recuperada e ser transformada novamente em referência a objeto.

23 ORB Os serviços restantes que fazem do ORB um middleware, estão relacionados aos serviços a nível de sistemas, que oferecem outros tipos de serviços como: segurança, persistência entre outros. O ORB ainda apresenta algumas deficiências: falta de mecanismos de controle de concorrência, de balanceamento de carga e de coleta de lixo Não se dispõe de servidores de tolerância a falhas, o que é feito para uma maior confiabilidade é a replicação de objetos. não trabalham com produtos "chaves" das empresas de hoje, que são justamente monitores de processamento de transações, sistemas de banco de dados orientados a objetos e nem relacionais, dificultando assim a integração do ORB ao ambiente cliente/servidor já existente nas empresas.

24 Invocações Processo de se chamar um método para que seja feito um acesso a um serviço de um objeto Três formas de invocações existentes no CORBA: Invocação Síncrona: o cliente fica travado esperando o resultado Invocação Síncrona Deferida: o cliente pode executar outras chamadas e posteriormente receber os seus resultados. Invocação ONEWAY: é usada pelo cliente quando não necessita de resultado, ficando livre para continuar seu processamento. Dois diferentes tipos de processos de invocações: Estática e Dinâmica

25 Invocação Estática Gerada diretamente em um formulário do stub, e compilada pelo compilador IDL O cliente está ciente de quais objetos e métodos estão disponíveis além de ter todas as interfaces do sistema já definidas. É bom para programas que na hora de compilar a invocação, sabem quais as operações que vão precisar usar.

26 Stubs Estão localizados no lado do cliente Promovem interfaces estáticas para criar e enviar requisições aos serviços desejados São gerados a partir da compilação da interface do cliente. Quando um cliente deseja chamar um método de um objeto, basta apenas indicar qual o objeto que deseja O stub que receber essa chamada, localiza o objeto desejado, transforma a chamada para que possa ser enviada pela rede e a transmite para o ORB A comunicação entre o stub e o ORB se dá por meio de interfaces privadas.

27 Skeletons Executam função similar ao Stub do cliente, no "lado" do servidor. Tem como função encontrar os serviços que são solicitados pelo Stub. O Skeleton receberá na sua criação o "pacote" do ORB, e irá descompactá-lo e envia-lo para a implementação do objeto A requisição será recebida pelo objeto que irá executá-la, havendo alguma resposta, esta será enviada de volta ao cliente O fato de existir um Skeleton, não implica em dizer que existe um Stub do outro lado, pois a invocação a ele pode ser feita de forma dinâmica

28 Passos para Invocação Estática Definição da classe de objetos usando IDL; Execução do arquivo IDL através de um compilador Adicionamento do código de implementação para o skeleton Compilação do código Ativação das definições da classe através do Repositório de Interfaces Instanciação do objeto no servidor Registro em tempo de execução do objeto no Repositório de Interfaces.

29 Invocação Dinâmica Caracterizam-se por permitir que programa/clientes possam dinamicamente construir e invocar requisições a objetos. Todas as informações necessárias para que o cliente possa realizar o processo de invocação, são encontradas no Repositório de Interfaces. Surgiram da necessidade de se eliminar o problema que ocorria quando se necessitava inserir um novo objeto. Era preciso parar todo o sistema para que ele pudesse ser recompilado Com as invocações dinâmicas é possível adicionar um novo objeto em tempo de execução sem a necessidade de parar o sistema para tal.

30 Interface de Invocação Dinâmica DII permite descobrir ou construir dinamicamente uma invocação a um objeto, permitindo a inclusão do mesmo sem que seja necessário um conhecimento prévio de quais objetos ou métodos estão disponibilizados. O cliente não precisa utilizar o Stub, os parâmetros são todos checados em tempo de execução e não de compilação. Para se executar esse tipo de invocação, é necessário: Identificar o Objeto Alvo; Pegar a interface do Objeto ; Construir uma invocação ou chamada; Invocar a requisição e receber o resultado (quando houver).

31 Interface de Invocação Dinâmica Permite que o cliente realize operações de envio e recebimento de forma separada e também operações unidirecionais. Um ponto de desvantagem da invocação dinâmica, é que acarreta um maior tráfego na rede, já que necessita realizar acessos adicionais ao Repositório de Interfaces, além do fato de que verificar os parâmetros em tempo de execução prejudica também um pouco o sistema.

32 Interface Skeleton Dinâmica DSI - trabalha de forma similar ao DII, para os objetos servidores Permite que novos objetos servidores sejam criados sem a necessidade de se usar os Skeletons Funcionamento de uma DSI: o ORB passa a chamada ao DSI Essas chamadas possuem informações sobre o objeto chamado e a operação solicitada Essas informações são acessadas no Repositório de Interface e nos Adaptadores de Objetos. Apesar de ser dinâmica, é capaz de receber invocações tanto estáticas como dinâmicas Uma vantagem é que a DSI é muito útil para a implementação de pontes genéricas (um mesmo padrão) na ligação entre ORB s.

33 IDL e Interfaces Interface é um conjunto de informações dos objetos que são disponibilizadas aos demais Utilizando para isso uma mesma linguagem (IDL) Com a finalidade de permitir a interação de um conjunto de objetos de naturezas diferentes Sem que seja necessário se preocupar com detalhes individuais da implementação de cada objeto.

34 IDL e Interfaces Devem utilizar uma linguagem que seja puramente declarativa, gerando apenas declarações e não códigos IDL - é a linguagem adotada pela OMA para especificar toda a sintaxe de todas as interfaces

35 Repositório de Interfaces É utilizado pela IDL para armazenar todas as definições dos objetos Deve estar sempre disponível tanto ao cliente como ao ORB e às implementações permite a descoberta das informações de tipo em tempo de execução É um excelente suporte para as invocações dinâmicas

36 Adaptador de Objetos Faz o papel intermediário na comunicação entre os objetos e o ORB, ajudando na entrega de requisições às implementações dos objetos e na ativação desses objetos Necessário devido a grande diversidade de implementação de objetos. Serviços Oferecidos: Registros de Implementações de Objetos : utilizado na localização da implementação do objeto Geração de Referência a Objetos Capacidade de Invocações(em auxílio com o Skeleton) Ativar ou Desativar uma Implementação de Objeto Segurança das Interações: junto com o ORB deve garantir a entrega das requisições por meio de conexões múltiplas sem bloquear nenhuma dessas conexões.

37 Adaptador de Objetos BOA (Basic Object Adapter): Adaptador de objetos genéricos, incluso na especificação CORBA. Podem ser desenvolvidos adaptadores especializados para determinada especificação. Os adaptadores especializados seriam apenas complementares ao BOA, realizando pequenas tarefas. Porém, acabaram por ser utilizados também para suprir as deficiências do BOA.

38 Funcionamento do Adaptador de Objetos O ORB recebe uma requisição para um objeto e verifica se o servidor esta ativo ou não; Ativa o servidor, caso não esteja, e passa para o mesmo todas a informações necessárias para a comunicação com o BOA; O servidor envia uma mensagem para o BOA comunicando que está tudo pronto para interagir com ele; O BOA passa a referência ao objeto para a rotina de ativação do objeto desejado, para que seja possível a sua ativação pelo servidor; O BOA passa a invocação para o objeto, utilizando-se do Skeleton, e no momento que receber a resposta, a repassa para o cliente;

39 Funcionamento do Adaptador de Objetos Se o BOA receber algumas chamadas adicionais sobre esse determinado objeto, ele (BOA) passará novas invocações ao objeto, entretanto o BOA pode receber novas chamadas, mas agora para um outro objeto, nesse caso ele precisará passar a referência ao objeto para a rotina de ativação do objeto, o servidor ativa esse objeto e depois é feita a invocação a esse outro objeto; O servidor pode precisar desativar um objeto, para isso ele envia uma mensagem ao BOA comunicando que o objeto "x" será desativado; O servidor pode também precisar se desativar, nesse caso, também enviará uma mensagem ao BOA comunicando-o do fato.

40 Adaptador de Objetos De acordo coma especificação OMG, podem ser empregadas 4 políticas para a ativação de uma implementação de objeto pelo adaptador de objetos: Política Compartilhada de Servidor: permite que objetos múltiplos possam ser executados no mesmo programa; Política Não-compartilhada de servidor: objetos múltiplos não podem ser executados no mesmo programa; Política de Servidor por Método: política onde um servidor é ligada toda vez que é recebida uma requisição; Política de Servidor Persistente: o servidor fica sempre ativo.

41 Interoperabilidade Com o avanço da tecnologia CORBA, foram surgindo no mercado ORB s de diferentes fabricantes. Com isso, surgiu a necessidade de tratar a interoperabilidade entre esses ORB s. A questão não era apenas diferentes implementações dos ORB s, mas também envolvia a segurança na comunicação e a disponibilização de um ambiente confiável de "teste" para os produtos que ainda estavam sendo desenvolvidos.

42 Interoperabilidade CORBA 2.0: criação de domínios. Um determinado objeto pode fazer parte de mais de um domínio, desde que satisfaça a todos os seus requisitos. Limite de um domínio: limite de um escopo no qual uma determinada característica tem algum significado. Como exemplos de domínios, podemos citar os escopos: de uma referência de objetos; de uma sintaxe de transferência de mensagens; de um endereço; de uma mensagem de rede; de uma política de segurança; de um identificador de tipos; de um serviço de transações qualquer, etc. Interoperabilidade só será possível através de uma perfeita conexão de domínios.

43 Pontes Fazem a conexão entres os objetos de diferentes domínios. Devem ser capazes tanto de fazer a comunicação de domínios que se baseiam em uma mesma implementação quanto domínios que se baseiam em implementações diferentes. Podem trabalhar de duas maneiras: Imediata(Direta) ou Mediada (Indireta).

44 Pontes Imediatas(Diretas) Boa velocidade de comunicação Menos geral, pois as requisições são transformadas diretamente da forma interna de um ORB para a forma interna do outro, daí o nome Diretas.

45 Pontes Mediadas(Indiretas) Há um tradutor na extremidade de cada domínio A requisição, através do tradutor do ORB, é traduzida da forma interna do ORB que a está transmitindo para um padrão comum entendido por todos os tradutores da rede. Após a tradução, a requisição é enviada até o tradutor do ORB destinatário, onde o mesmo irá traduzir desse padrão comum para a forma interna de seu ORB. Mais lenta que a Ponte Imediata.

46 Pontes Além dessas duas classificações para a forma de comunicação entre os domínios, ainda podem ser aplicadas mais duas: Ligações em Linha: quando são implementadas do interior do ORB. Pode ser feita por meio de um requerimento ao ORB para o fornecimento de serviços adicionais, ou por meio de introdução de códigos adicionais no stub e skeleton. Ligações de Nível de Requisição: quando são implementadas em camadas superiores ao ORB.

47 GIOP Para que as pontes se tornassem operáveis, foi especificado GIOP (General Inter-ORB Protocol), um padrão que atende às premissas (especificando formato das mensagens e uma representação comum para os dados) e permite a interligação ORB-para-ORB, além de ser capaz de trabalhar sobre qualquer protocolo de transporte. Foi adotado o TCP/IP como protocolo de transporte padrão. Com isso surgiu o IIOP (Internet Inter-ORB Protocol).

48 IIOP Especifica como as mensagens de padrão GIOP são transmitidas por meio de uma rede TCP/IP. O IIOP possibilita o uso da própria internet como backbone entre os ORB s. O IIOP provê interoperabilidade também entre ORB s compatíveis ao padrão CORBA. A especificação de interoperabilidade da OMG definiu também o ESIOP (Environment-Specific Inter-ORB Protocol), como um conjunto de protocolos que permitem a interoperabilidade entre implementações baseados em GIOP, mas que utilizam protocolos proprietários de transportes.

49 Segurança São implementados alguns serviços para garantir a segurança da transmissão das requisições, a saber:

50 Segurança - Autenticação Identificador único, que permite ao cliente acessar qualquer servidor em qualquer lugar. A autorização se procede a partir de um simples logon, que pega a autenticação e lhe oferece um conjunto de opções de segurança para a comunicação. Para uma maior segurança, nenhum password é armazenado no login script do cliente. Após feita a autenticação de um cliente em um determinado ORB da rede, o mesmo (ORB) se encarrega de propagar a autenticação por todo o resto da rede.

51 Segurança - Autorização Após feita a autenticação do cliente, os servidores de objetos ficam encarregados de verificar quais operações podem ser feitas por aquele determinado cliente. Para tal, os servidores usam as ACLs que contém uma lista de nomes e suas respectivas operações que podem ser executadas pelos mesmos. É possível implementar várias políticas de ALC, podendo ser implementadas tanto pelo ORB como pelos servidores de objetos.

52 Segurança Audit, Criptograia, Non-Reputdiation Audit Serviço que monitora todos os eventos que ocorrem no ORB, incluindo logons de clientes, quais objetos estão sendo usados e com quais servidores. Considerado como parte fundamental na segurança, pois tem a capacidade de detectar possíveis intrusos. Criptografia Non-Reputdiation "guardas eletrônicos" que protegem todas as partes no sistemas de possíveis falsos pedidos de requisições.

53 Vantagens na utilização de CORBA Vantagens na utilização de CORBA, e outras arquiteturas de objetos distribuídos Os programadores não precisam mais se preocupar com os detalhes de programação de baixo nível de rede, já que o nível de aplicação desse protocolo é apresentado como métodos de objetos definidos pela IDL, que apresenta-se mapeado para todos os propósitos; Como o próprio nome já nos mostra, essa arquitetura absorve todos os conceitos de orientação a objetos existentes; Com a utilização de applets, é possível acessar diretamente o conteúdo desejado, não necessitando assim de um browser intermediário na comunicação;

54 Vantagens na utilização de CORBA A utilização de múltiplos threads permite a elaboração de ricas apresentações e possibilita aos servidores web atenderem vários clientes ao mesmo tempo; O cliente pode criar um objeto e pedir que o mesmo referencie o servidor, sem precisar verificar no mesmo se algum evento ocorreu. Assim, o servidor apenas chamará o cliente quando o evento ocorrer. A arquitetura CORBA utiliza o JAVA para acessar os clientes web.

55 Implementações CORBA ORBIX VisiBroker oker/

56 Referências ba/

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

INE5380 - Sistemas Distribuídos

INE5380 - Sistemas Distribuídos INE5380 - Sistemas Distribuídos Object Request Broker e CORBA Por: Léo Willian Kölln - 0513227-4 Novembro de 2006 ORB Object Request Broker ORB aqui será tratado como um Middleware que permite a construção

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

Laboratório de Computação VI JAVA IDL. Fabricio Aparecido Breve - 981648-9

Laboratório de Computação VI JAVA IDL. Fabricio Aparecido Breve - 981648-9 Laboratório de Computação VI JAVA IDL Fabricio Aparecido Breve - 981648-9 O que é Java IDL? Java IDL é uma tecnologia para objetos distribuídos, ou seja, objetos em diferentes plataformas interagindo através

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO A COMUNICAÇÃO NA INTERNET PROTOCOLO TCP/IP Para tentar facilitar o entendimento de como se dá a comunicação na Internet, vamos começar contando uma história para fazer uma analogia. Era uma vez, um estrangeiro

Leia mais

5.1 Exemplos de uso Mediante a instanciação de componentes específicos, o OiL pode ser configurado

5.1 Exemplos de uso Mediante a instanciação de componentes específicos, o OiL pode ser configurado 5 Avaliação Decidimos avaliar a arquitetura de componentes para o OiL proposta neste trabalho em duas dimensões diferentes. Na primeira, demonstramos a capacidade de configuração do middleware com alguns

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Introdução RMI Tecnologias Semelhantes Arquitetura RMI Funcionamento Serialização dos dados Criando Aplicações Distribuídas com RMI Segurança Exemplo prático Referências

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Computational viewpoint. Engineering Viewpoint

Computational viewpoint. Engineering Viewpoint Processamento Paralelo RM-ODP Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/0 - INF02799 RM-ODP Reference Model for Open Distributed Processing Contém conceitos para a especificação de sistemas

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker Padrões Arquiteturais Sistemas Distribuídos: Broker Sistemas Distribuídos Tendências: Sistemas Comp. com múltiplas CPUs Redes locais com centenas de hospedeiros Benefícios Economia Desempenho e escalabilidade

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Comunicação coletiva Modelo Peer-to-Peer Slide 6 Nielsen C. Damasceno Introdução Os modelos anteriores eram realizado entre duas partes: Cliente e Servidor. Com RPC e RMI não é possível

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo cliente e servidor Slide 2 Nielsen C. Damasceno Modelos Cliente - Servidor A principal diferença entre um sistema centralizado e um sistema distribuído está na comunicação

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Aplicações em camadas

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Java para Desenvolvimento Web

Java para Desenvolvimento Web Java para Desenvolvimento Web Servlets A tecnologia Servlet foi introduzida pela Sun Microsystems em 1996, aprimorando e estendendo a funcionalidade e capacidade de servidores Web. Servlets é uma API para

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Sistemas Cliente-Servidor

Sistemas Cliente-Servidor Sistemas Cliente-Servidor Disciplina Bancos de Dados II (INE 5616 2006-1) Curso de Sistemas de Informação Prof. Renato Fileto INE/CTC/UFSC 1 1 Cliente - Servidor Arquitetura cliente/servidor: Os servidores

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Introdução a Java. Hélder Nunes

Introdução a Java. Hélder Nunes Introdução a Java Hélder Nunes 2 Exercício de Fixação Os 4 elementos básicos da OO são os objetos, as classes, os atributos e os métodos. A orientação a objetos consiste em considerar os sistemas computacionais

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução Chamadas Remotas de Chamada Remota de Procedimento (RPC) ou Chamada de Função ou Chamada de Subrotina Método de transferência de controle de parte de um processo para outra parte Procedimentos => permite

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Arquiteturas www.pearson.com.br capítulo 2 slide 1 2.1 Estilos Arquitetônicos Formado em termos de componentes, do modo como esses componentes estão conectados uns aos outros, dos dados trocados entre

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 1. ARQUITETURA DO COMPUTADOR- HARDWARE Todos os componentes físicos constituídos de circuitos eletrônicos interligados são chamados

Leia mais

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material 61 5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material A fim de avaliar as características da arquitetura proposta e a corretude da implementação, realizamos experiências com cenários de

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição?

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição? Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor remoto esteja associado. 2. Estabelecer

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

MODELO CLIENTE SERVIDOR

MODELO CLIENTE SERVIDOR SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo Cliente Servidor Modelo que estrutura um S.O. como um grupo de processos cooperantes, chamados servidores, que oferecem serviços a processos usuários, denominados clientes;

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI.

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI. Mostrar área de trabalho.scf Manual do Produto EDI. ÍNDICE MANUAL DO PRODUTO EDI....3 1. O QUE É O EDI?...3 1.1. VANTAGENS... 3 1.2. FUNCIONAMENTO... 3 1.3. CONFIGURAÇÃO NECESSÁRIA... 3 2. UTILIZANDO O

Leia mais

Introdução. 128.10 Ligação direta 128.15 Ligação direta 129.7 128.15.1.3 Default 128.15.1.1

Introdução. 128.10 Ligação direta 128.15 Ligação direta 129.7 128.15.1.3 Default 128.15.1.1 Introdução Roteamento é a movimentação de informações da origem até o seu destino, sendo que essa informação deve passar por pelo menos um modo intermediário, ou seja, a origem e o destino não estão ligadas

Leia mais

Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi

Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi 5 Conclusão Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi permitir que scripts Lua instanciem e usem

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Especificação do 3º Trabalho

Especificação do 3º Trabalho Especificação do 3º Trabalho I. Introdução O objetivo deste trabalho é abordar a prática da programação orientada a objetos usando a linguagem Java envolvendo os conceitos de classe, objeto, associação,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes REDES DE COMPUTADORES Arquiteturas de Redes Agenda Necessidade de Padronização Protocolos e Padrões Órgãos de Padronização Conceitos de Arquitetura em Camadas Arquitetura de Redes OSI TCP/IP Necessidade

Leia mais

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários.

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários. $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &RQWUROHVVREUHEDQFRGHGDGRVH PLFURFRPSXWDGRUHV

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Protocolo é a linguagem usada pelos dispositivos de uma rede de modo que eles consigam se comunicar Objetivo Transmitir dados em uma rede A transmissão

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Manual Replicação Manual VPN

Manual Replicação Manual VPN Manual Replicação Introdução O que é cloudcomputing ou computação na nuvem? Refere-se à utilização de um servidor com alta capacidade de armazenamento de dados e que com configurações que aguentam um alto

Leia mais

FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO

FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO O Driver IGS possui um módulo de configuração que possibilita a comunicação com protocolos proprietários. Trata-se do Driver

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados:

Protocolo TCP/IP. Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados: Protocolo TCP/IP Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados: Número IP Máscara de sub-rede O Número IP é um número no seguinte formato: x.y.z.w Não podem existir

Leia mais