Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA"

Transcrição

1 Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA em Delphi Criando Clientes CORBA O Cliente Delphi Early Binding O Cliente Delphi Late Binding Clientes em Outras Linguagens Conclusão Referências Introdução A indústria da computação tem evoluído radicalmente nas últimas décadas. Os computadores pessoais tomaram conta do ambiente de trabalho em todas as corporações e sua integração, visando o processamento distribuído, se tornou uma necessidade. Os sistemas que devem rodar nesse ambiente também possuem características diferenciadas que são atendidas com o uso da tecnologia de orientação a objetos no processo de desenvolvimento de software. A união de duas tecnologias tão importantes como sistemas distribuídos e orientação a objetos deu origem ao que hoje conhecemos como objetos distribuídos. O padrão CORBA - Common Object Request Broker Architecture - do grupo OMG (Object Management Group) propõe uma arquitetura de software para suportar objetos distribuídos e garantir a interoperabilidade entre diferentes plataformas de hardware e sistemas operacionais. Esta capacidade é obtida através do uso de uma interface comum e um mecanismo de passagem de informações implementado em diferentes linguagens de programação, entre elas o Borland Delphi. O objetivo deste trabalho é apresentar os recursos disponíveis no Borland Delphi 5 Enterprise para o desenvolvimento de aplicações CORBA. A implementação do padrão CORBA utilizada foi o VisiBroker da Inprise. A Arquitetura CORBA CORBA (Common Object Request Broker Architecture) é uma arquitetura padrão para objetos distribuídos. A arquitetura CORBA define e implementa a estrutura necessária à comunicação entre aplicações distribuídas em diferentes plataformas, sistemas operacionais e linguagens de programação. Com CORBA, uma aplicação cliente não precisa conhecer os

2 Página 2 de 10 detalhes de implementação do objeto que obterá de um servidor. Esta capacidade é fornecida pela utilização de uma interface comum, compartilhada para a passagem de informações. Há vários fatores que destacam o CORBA das outras tecnologias de distribuição. O principal deles é que CORBA é um padrão aberto, isto é, sua especificação está constantemente sendo revisada e atualizada pelo OMG (Object Management Group). O OMG é um grupo internacional composto de centenas de empresas e organizações que decidem como evoluir a especificação CORBA. O elemento chave da tecnologia CORBA é o ORB (Object Request Broker), que gerencia o acesso de e para objetos em uma aplicação, comunica estes objetos com outros, monitora suas funções, descobre suas localizações e controla a comunicação com outros ORBs. Basicamente, o ORB é o principal mecanismo para simplificar o desenvolvimento de aplicações padrão CORBA. A simplificação é o resultado de três características: independência de localização e interoperabilidade entre plataformas e linguagens. Independência de localização significa que um ORB trata todos os objetos como se fossem locais, mesmo que estejam em sistemas remotos. Interoperabilidade entre plataformas significa que objetos criados em uma plataforma de hardware/software podem executar em qualquer outra plataforma que suporte CORBA. Por fim, interoperabilidade entre linguagens significa que objetos escritos em uma linguagem podem interagir com aplicações escritas em outra linguagem, graças a uma interface comum chamada IDL (Interface Definition Language). IDL é uma linguagem que define as interfaces dos objetos, mas não suas implementações. Os objetos podem ser escritos em qualquer linguagem (C,C++, Java, Delphi) devido a esta facilidade do padrão CORBA. CORBA também inclui mecanismos para comunicação entre objetos através de uma rede. O protocolo GIOP (General Inter-ORB Protocol) especifica formatos de mensagens e representações de dados que garantam a interoperabilidade entre ORBs. O protocolo IIOP (Inter-ORB Protocol) define detalhes específicos para usar GIOP sob TCP/IP. Criando uma Aplicação CORBA em Delphi O ponto de partida para aplicações CORBA é a interface que as aplicações compartilham quando trocam informações. Esta interface comum que define que informações estão sendo trocadas é a IDL. A IDL tem sua própria linguagem, apesar da sua sintaxe ser similar a Java e C++. Seu propósito é definir a interface para os objetos que serão passados entre aplicações CORBA. A implementação e o uso destes objetos são feitos na linguagem específica escolhida. A única condição é que esta linguagem possua recursos para mapear a arquitetura CORBA. É aqui que o Delphi entra. Aplicações CORBA podem ser implementadas em Delphi através do editor Type Library para criar facilmente interfaces IDL, através do MIDAS para conectar-se a dados CORBA e através do utilitário IDL2PAS para transformar código IDL em fontes Pascal. A seguir serão apresentados os passos básicos para criação de uma aplicação CORBA em Delphi. A aplicação demonstra um sistema de leilão, onde o servidor mantém as informações de um determinado produto e os clientes competem entre si fazendo lances na tentativa de comprar o produto. Para cada lance realizado com sucesso, a aplicação cliente atualiza a tela para exibir o valor do maior lance, que servirá de referência para os próximos lances. O Visibroker, implementação da Inprise para o padrão CORBA, é o ORB usado na aplicação.

3 Página 3 de 10 Criando um Servidor CORBA em Delphi O primeiro passo será criar o servidor que irá implementar o objeto CORBA. Como já foi mencionado, objetos CORBA são definidos pela IDL. Os desenvolvedores Delphi não precisam conhecer IDL para criar os seus objetos, pois isso pode ser feito usando o editor Type Library. Este utilitário permite a criação visual dos objetos e suas interfaces. Para criar o servidor, inicie uma nova aplicação Delphi e salve o form e o projeto. No nosso caso, chamamos estes arquivos de Cmain.pas e CServer.dpr. A partir do menu principal do Delphi, selecione File New, e então selecione o item CORBA Object na página Multitier. O assistente CORBA Object será exibido: Figura 1 - Criando a interface CORBA. Neste exemplo, o objeto a ser definido foi denominado Leilao. O objeto servidor será uma instância compartilhada porque todos os clientes farão acesso ao mesmo objeto leilão. O objeto é criado para executar em uma única thread, uma vez que a requisição de apenas um cliente será processada em um determinado momento. Clique OK para criar a nova unit e salvar o arquivo. Isso irá criar o núcleo da interface do objeto CORBA. O editor Type Library permite a especificação de todas as informações necessárias à definição da interface do objeto CORBA (a partir do menu principal do Delphi, selecione View Type Library).

4 Página 4 de 10 Figura 2 - O editor Type Library. Para este exemplo, criaremos um objeto servidor para o nosso Leilão Online, o qual manterá informações sobre o autor e o valor do último lance aceito. Adicionaremos uma propriedade para o nome do produto que está sendo leiloado e métodos para realizar um novo lance e verificar as informações do lance atual. Uma interface foi gerada automaticamente para o nosso objeto CORBA. Métodos e propriedades podem ser adicionados com um clique do botão direito no nome da interface ou clicando os botões "New Method" ou "New Property". Foram adicionados os métodos EfetuaLance, GetValorAtual, GetClienteAtual e GetDataAtual e a propriedade NomeProduto. A definição dos parâmetros para os métodos (nome, tipo, natureza, default) é feita posicionando o cursor sobre o nome do método. Concluída a definição da interface, um clique no botão "Refresh Implementation" sincronizará o código fonte com o objeto CORBA. Finalmente o editor Type Library pode ser fechado e o arquivo fonte pode ser salvo (CSrvObj.pas, no exemplo). Agora temos a interface do nosso objeto servidor definida e o núcleo do código Pascal no qual podemos adicionar funcionalidades ao objeto. O editor Type Library criou alguns arquivos, como o arquivo de stub Cserver_TLB.pas. Uma vez que este arquivo é gerado automaticamente, nenhum trabalho adicional é necessário. Este arquivo define as classes stub e skeleton para o objeto servidor, bem como várias outras classes que podem ser utilizadas, como a classe do object factory do CORBA. Resumidamente, o núcleo CORBA foi criado a partir da interface definida através do editor Type Library e o arquivo TLB foi criado para possibilitar a obtenção da referência de objeto para o servidor. O arquivo fonte do servidor (CSrvObj.pas) foi preenchido a partir do editor Type Library com os métodos e propriedades que foram definidos. Agora é necessário codificar a implementação do objeto. Precisamos de variáveis private para armazenar o valor do lance atual, o nome do cliente e o nome do produto que está sendo leiloado. Também precisamos inicializar estas variáveis no construtor do objeto. Finalmente precisamos implementar o 22/10/2007

5 Página 5 de 10 código que provê funcionalidade aos métodos que foram criados. O código completo, com comentários, está disponível aqui. O que foi gerado pelo Delphi é apenas o núcleo do código; o resto precisa ser codificado para dar à interface do objeto uma implementação. Agora temos o servidor para o nosso objeto. Para usá-lo, tudo que precisamos fazer é adicionar a unit CSrvObj à cláusula uses de todos os forms de um projeto. Feito isso, o código de inicialização para o objeto será disparado quando o form for usado. Assim, o servidor será iniciado e um objeto será criado ficando disponível para o uso. Criando Clientes CORBA Nosso servidor já foi implementado e pode fornecer objetos de acordo com a necessidade dos vários clientes que buscam uma instância do TLeilao. Agora vamos criar clientes para acessar e usar este objeto. Em CORBA há dois métodos de um cliente obter uma instância de um objeto servidor. O primeiro é conhecido como early binding ou static binding. Isso significa que o cliente tem conhecimento do tipo de objeto CORBA com o qual irá se comunicar, ou seja, outro arquivo, conhecido como stub, será usado para controlar a passagem dos dados entre o cliente e o servidor processos conhecidos como marshaling e unmarshaling, respectivamente. A complexidade destes processos ficam por conta do stub, que torna-os mais fáceis de implementar. O outro método para acessar o objeto servidor a partir do cliente é conhecido como late binding ou dynamic binding. O dynamic binding é também referenciado por DII (Dynamic Invocation Interface). Isso significa que o cliente não tem conhecimento prévio do objeto servidor e que nada sabe sobre a estrutura dos objetos que pode acessar. Cabe ressaltar que o stub de cliente não é usado, uma vez que o cliente não conhece a estrutura dos objetos do servidor em tempo de projeto. A vantagem da DII é que os clientes podem ser criados sem que seja preciso regerá-los quando um objeto do servidor é alterado, ou seja, o código do cliente permanece constante apesar das alterações do objeto servidor usado por ele. Isso é feito através de uma construção CORBA conhecida como Repositório de Interfaces. Este repositório mantém informações sobre o que está disponível para o cliente e permite que o cliente use os serviços disponíveis. Um obstáculo a este método é que, comparado ao early binding, ele é mais complexo, mais lento e requer mais trabalho do desenvolvedor. Para este exemplo, serão criados um cliente early binding e um cliente late binding, com o objetivo de usá-los com o servidor CORBA criado anteriormente. Por ser mais fácil, o cliente early binding será criado primeiro. O editor Type library cria um stub na forma de um arquivo TLB. Quando criamos o cliente, precisamos adicionar este arquivo à seção uses do form, a fim de termos uma referência à estrutura do objeto servidor. Também precisamos adicionar CorbaObj à seção uses para executar as ligações necessárias à comunicação através do ORB. A figura abaixo representa o nosso cliente:

6 Página 6 de 10 Figura 3 - Cliente CORBA. O Cliente Delphi Early Binding Como mencionado anteriormente, o cliente early binding usa o arquivo gerado pelo editor Type Library para obter uma referência ao objeto CORBA que o nosso servidor irá criar. O código do cliente tem que acessar e usar este objeto como é apresentado aqui. No cliente, implementamos todos os métodos a partir do objeto servidor. Podemos fazer isso porque conhecemos a estrutura do objeto servidor através da interface ILeilaoOnline. Alguns passos devem ser seguidos antes de executar este cliente. O ORB Smart Agent deve estar rodando em algum lugar da rede no servidor ou qualquer outra máquina. Para fazer isso, execute osagent -C a partir da linha de comando. O -C na linha de comando determina que o osagent irá executar na barra de tarefas, de modo a deixar a sua execução aparente enquanto estiver testando. Uma vez que o ORB Smart Agent esteja; rodando, inicie o servidor. Uma vez iniciado o servidor, é uma boa idéia garantir que os objetos do servidor estão disponíveis para todos os clientes. O utilitário VisiBroker osfind pode ser usado para isso. Execute osfind a partir da linha de comando na máquina cliente para exibir uma lista dos objetos disponíveis na subrede da máquina. Isso verificará se o cliente tem acesso aos objetos do servidor necessários. O passo final é executar vários clientes. Estes podem automaticamente obter uma referência ao servidor incluindo o arquivo gerado pelo editor Type Library e, assim, ter acesso a todas as funções do servidor. No nosso exemplo, podemos disparar vários clientes a partir de diferentes máquinas e fazer sucessivos lances para o servidor. O Cliente Delphi Late Binding Como descrito anteriormente, o cliente late binding não tem conhecimento da estrutura dos objetos do servidor disponíveis em tempo de projeto e deve usar uma facilidade chamada Repositório de Interfaces para constatar o que está disponível. Neste exemplo, iremos implementar este cliente e descrever os requisitos, benefícios e obstáculos do uso deste método.

7 Página 7 de 10 Antes de começar a escrever o cliente, há alguns requisitos a serem atendidos. Primeiramente, a interface para o objeto deve ser registrada com um repositório de interface. Para fazer isso, devemos primeiro ter um arquivo IDL. Este pode ser criado facilmente retornando ao editor Type Library e selecionando Export to CORBA IDL. Isso é feito pressionando o último botão à direita da barra de ferramentas. Neste caso, a opção CORBA IDL deve ser selecionada. Figura 4 - Exportando para CORBA IDL. Isso criará o arquivo IDL correspondente ao objeto servidor definido anteriormente. O nome do arquivo será o mesmo do projeto Delphi. Esta IDL deve então ser registrada com um Repositório de Interfaces. O osagent e o servidor devem estar executando, antes do repositório de interface ser iniciado. O Repositório de Interfaces pode ser iniciado executando irep <nome_do_repositório> a partir da linha de comando. A aplicação Interface Repository é então disparada. Uma vez aberta, selecione File Load a partir do menu principal e selecione o arquivo IDL exportado acima. Feito isso, nossa interface está registrada. Para verificar que a interface foi registrada com o Interface Repository, clique no botão "Lookup" depois de carregar a IDL. Figura 5 - Interface Repository.

8 Página 8 de 10 O único passo que falta neste ponto é criar o cliente que irá acessar o Repositório de Interfaces e usar um objeto armazenado lá. Para começar, usamos o mesmo form do exemplo early binding e iniciamos um novo projeto Delphi. Uma vez que não vamos usar o stub gerado, a referência ao arquivo Cserver_TLB pode ser removida da cláusula uses. O código fica um pouco diferente, pois não temos mais o stub do cliente para nos dar uma referência direta à interface. Usamos a classe TAny, um tipo de interface CORBA para DII, para obter a referência do repositório de interface para o nosso objeto servidor. Neste caso, obteremos uma instância do object factory, que obterá uma referência ao objeto servidor. Isso é feito para imitar o processo do cliente não DII mostrado anteriormente. Excetuando-se o código adicional necessário para obter as referências ao nosso objeto servidor através do object factory, o código para o cliente late binding permanece quase idêntico ao cliente early binding. O código para o segundo cliente está disponível aqui. Revisando, os passos necessários para executar o servidor e os dois tipos de clientes na mesma máquina são os seguintes: Iniciar o ORB Smart Agent Iniciar o servidor Executar o Interface Repository Carregar a interface para o Interface Repository Executar o cliente early binding Executar o cliente late binding Neste exemplo, mostramos como implementar os dois tipos de clientes CORBA através do Delphi. Entretanto, a importância do CORBA está no fato de que clientes e servidores podem ser escritos em qualquer linguagem com interface IDL. No próximo exemplo, veremos como compartilhar as informações da IDL com outras linguagens. Clientes em Outras Linguagens Quando criamos o cliente dynamic binding, precisamos exportar a IDL para o nosso objeto servidor, para que o Repositório de Interfaces tivesse uma referência para os objetos que estão disponíveis. Este arquivo IDL pode também ser usado por qualquer outra linguagem compatível com o padrão CORBA para fornecer uma interface para o nosso objeto servidor. Ferramentas como JBuilder e C++ Builder podem ser usadas para criar clientes ou servidores baseados neste arquivo IDL. Neste exemplo, usaremos JBuilder. Em JBuilder, criamos uma nova aplicação com um único frame. No project manager, adicionamos o arquivo IDL salvo anteriormente. O arquivo aparecerá na lista de arquivos do projeto JBuilder. Clique com o botão direito no arquivo IDL e selecione Build. Isso executa o arquivo IDL através do precompilador IDL2JAVA. O precompilador IDL2JAVA converte o arquivo IDL em classes de stub do Java. Os arquivos Java gerados podem então ser usados para criar servidores CORBA para implementar estes objetos ou clientes CORBA para acessar os objetos. Projete o frame para que ele pareça com o cliente Delphi criado anteriormente.

9 Página 9 de 10 Figura 6 - Cliente JAVA. O código do cliente early binding Java será similar ao cliente Delphi; teremos variáveis para o object factory e um objeto servidor que será obtido a partir daquele factory. O código para este cliente está disponível aqui. Como pode ser visto, declaramos o object factory e a interface no nosso arquivo fonte. No construtor para o frame, um método diferente do Delphi é executado para conectar ao ORB e obter uma referência de objeto. A aplicação Java obtém uma referência ao objeto servidor através do uso de arquivos Helper automaticamente gerados. Fazendo isso, uma referência de objeto é obtida e usada da mesma maneira do cliente Delphi. Os arquivos Helper e outros arquivos CORBA são gerados a partir do utilitário IDL2JAVA, que foi executado quando o arquivo IDL foi compilado. O JBuilder usa este método para criar os arquivos stub e skeleton, podendo ser comparado ao uso do editor Type Library no Delphi. Uma vez obtida a referência de objeto, o código para o frame em si é similar à aplicação Delphi. O servidor CORBA Delphi não sabe que linguagem está sendo usada pelas requisições, pois clientes Delphi e Java fazem chamadas virtualmente idênticas ao objeto servidor através de seus arquivos stub. Nosso cliente Java poderia estar rodando em uma máquina UNIX localizada em um continente diferente do nosso servidor Delphi. Se a subrede CORBA ou osagents estiverem configurados corretamente, estes processos independentes podem conversar entre si como se estivessem na mesma máquina. Conclusão Não há dúvidas de que o CORBA continuará a ganhar espaço no cenário da computação distribuída devido a três fatores: flexibilidade, independência de linguagem e um amplo conjunto de capacidades para necessidades de distribuição. O Delphi combina estes fatores com desenvolvimento RAD, tornando a programação CORBA mais simples e fácil ao desenvolvedor, sem sacrificar as capacidades do CORBA. Como foi visto nos exemplos, Delphi é uma plataforma ideal para implementar servidores e clientes para vários tipos de aplicações. Os técnicos da Inprise também ampliaram as capacidades disponíveis no CORBA através do uso da tecnologia MIDAS. O MIDAS permite que seus usuários criem com facilidade queries complicadas através do Delphi e recuperem os resultados da query de datasets remotos usando CORBA como formato de transferência. Esta tecnologia é especialmente poderosa,

10 Página 10 de 10 pois os desenvolvedores não precisam criar objetos complicados para obter estes resultados. O MIDAS automatiza esta tarefa, criando classes stub e skeleton automaticamente. A tecnologia MIDAS está disponível em várias ferramentas da Inprise e continuará a ser uma peça chave no desenvolvimento CORBA RAD. Além disso, o utilitário IDL2PAS, disponível a partir do VisiBroker 3.3 para Delphi, permite que os desenvolvedores Delphi tenham acesso a todas as características CORBA, não havendo limites às implementações possíveis a partir da estrutura fornecida pelo Delphi. Em síntese, isso representa o melhor dos dois mundos: desenvolvimento RAD para tarefas CORBA padrão, como as apresentadas nos exemplos, e desenvolvimento CORBA granular através do IDL2PAS para implementações mais específicas e complicadas. Referências* Borland Home Page Borland Delphi 5 Borland JBuilder VisiBroker: CORBA Technology from Inprise New VisiBroker 3.3 For Delphi Radically Simplifies Corba Development MIDAS Home Page Java and CORBA - a smooth blend The Java Tutorial Using the Delphi 4 CORBA Implementation Visão Geral do CORBA - UFRJ *disponíveis em Julho/2000.

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

INE5380 - Sistemas Distribuídos

INE5380 - Sistemas Distribuídos INE5380 - Sistemas Distribuídos Object Request Broker e CORBA Por: Léo Willian Kölln - 0513227-4 Novembro de 2006 ORB Object Request Broker ORB aqui será tratado como um Middleware que permite a construção

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

Laboratório de Computação VI JAVA IDL. Fabricio Aparecido Breve - 981648-9

Laboratório de Computação VI JAVA IDL. Fabricio Aparecido Breve - 981648-9 Laboratório de Computação VI JAVA IDL Fabricio Aparecido Breve - 981648-9 O que é Java IDL? Java IDL é uma tecnologia para objetos distribuídos, ou seja, objetos em diferentes plataformas interagindo através

Leia mais

Java 2 Standard Edition. Fundamentos de. Objetos Remotos. Helder da Rocha www.argonavis.com.br

Java 2 Standard Edition. Fundamentos de. Objetos Remotos. Helder da Rocha www.argonavis.com.br Java 2 Standard Edition Fundamentos de Objetos Remotos Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Sobre este módulo Este módulo tem como objetivo dar uma visão geral, porém prática, da criação e uso de objetos

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

Cliente/Servidor. Objetos Distribuídos. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Objetos Distribuídos. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Objetos Distribuídos Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Objetos São entidades de software que encapsulam dados, ou atributos, e código e que são acessados através de funções ou métodos.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos CORBA Common Object Request Broker Architecture Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos Introdução OMG (Object Management Group): uma organização formada por empresas

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos Luiz Affonso Guedes Introdução Conceitos básicos programação distribuída + programação orientada a objetos = Objetos distribuídos Motivação

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

SISTEMA DISTRIBUÍDO COM O PADRÃO DE ARQUITETURA CORBA

SISTEMA DISTRIBUÍDO COM O PADRÃO DE ARQUITETURA CORBA LEONARDO LINCOLN BIANCHETTI SISTEMA DISTRIBUÍDO COM O PADRÃO DE ARQUITETURA CORBA Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de Ciência da Computação. UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Orientador:

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações

O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações ABR. MAI. JUN. 2004 ANO X, N º 37 157-163 INTEGRAÇÃO 157 O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo Nos últimos anos, os sistemas de informação nas empresas têm evoluído

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker Padrões Arquiteturais Sistemas Distribuídos: Broker Sistemas Distribuídos Tendências: Sistemas Comp. com múltiplas CPUs Redes locais com centenas de hospedeiros Benefícios Economia Desempenho e escalabilidade

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A 2 Digifort Mobile - Versão 1.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Mobile 1.0 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem... se destina este manual 5 3 Como utilizar...

Leia mais

Java e JavaScript. Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz

Java e JavaScript. Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz 2 Conteúdo 1 Java e JavaScript 4 1.1 Java............................................. 4 1.2 JavaScript.......................................... 4 3 1 Java e

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares Sistemas Distribuídos Arquiteturas s Arquitetura Arquitetura de um sistema é sua estrutura em termos dos componentes e seus relacionamentos Objetivo: garantir que a estrutura satisfará as demandas presentes

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Guia de Configuração Rápida de Conexão da Rede

Guia de Configuração Rápida de Conexão da Rede Xerox WorkCentre M118/M118i Guia de Configuração Rápida de Conexão da Rede 701P42689 Este guia contém instruções para: Navegação pelas telas do visor na página 2 Configuração da rede usando o servidor

Leia mais

Manual de Instalação do Agente Citsmart

Manual de Instalação do Agente Citsmart 16/08/2013 Manual de Instalação do Agente Citsmart Fornece orientações necessárias para efetuar a instalação do Agente Citsmart. Versão 1.9 21/11/2014 Visão Resumida Data Criação 21/11/2014 Versão Documento

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

RMI: Uma Visão Conceitual

RMI: Uma Visão Conceitual RMI: Uma Visão Conceitual Márcio Castro, Mateus Raeder e Thiago Nunes 11 de abril de 2007 Resumo Invocação de Método Remoto (Remote Method Invocation - RMI) trata-se de uma abordagem Java para disponibilizar

Leia mais

DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR

DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR Fortaleza - CE Introdução ao ambiente de desenvolvimento delphi e preparação da interface basíca O ambiente delphi foi criado pela Borland Software

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO Serviços de impressão Os serviços de impressão permitem compartilhar impressoras em uma rede, bem como centralizar as tarefas de gerenciamento

Leia mais

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT 3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT Este capítulo irá apresentar as propostas deste trabalho para que aplicações que utilizem CORBA como plataforma de comunicação possam atravessar firewalls/nat.

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

ROTEIRO DE INSTALAÇÃO

ROTEIRO DE INSTALAÇÃO ROTEIRO DE INSTALAÇÃO O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do sistema UNICO, afim, de auxiliar os técnicos e evitar possíveis dúvidas e erros de instalação. Instalador O instalador

Leia mais

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR)

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR) CAPÍTULO2 1. A ESTRUTURA DE UM APLICATIVO Quando iniciamos uma aplicação em Delphi ele interpreta que iremos desenvolver um projeto. Este gerencia um conjunto de recursos como Forms, Units, objetos, funções

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

5.1 Exemplos de uso Mediante a instanciação de componentes específicos, o OiL pode ser configurado

5.1 Exemplos de uso Mediante a instanciação de componentes específicos, o OiL pode ser configurado 5 Avaliação Decidimos avaliar a arquitetura de componentes para o OiL proposta neste trabalho em duas dimensões diferentes. Na primeira, demonstramos a capacidade de configuração do middleware com alguns

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SÍMBOLOS CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33 CAPÍTULO 3 - SUPORTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Sistemas Distribuídos Métodos de Invocação Remota II. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Métodos de Invocação Remota II. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Métodos de Invocação Remota II Prof. MSc. Hugo Souza Nesta aula, complementando os conceitos que vimos nas aulas anteriores [aula 15], vamos praticar a programação de laboratório

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Núcleo de Tecnologias Interativas de Aprendizagem.

Núcleo de Tecnologias Interativas de Aprendizagem. Núcleo de Tecnologias Interativas de Aprendizagem. TUTORIAL MOODLE Titulo: Primeiro Acesso a Plataforma MOODLE. Autor: NUTEIA Data de Criação: 03 / 02 / 2008. Atualizado em: 16 / 03 / 2012. 1ª Etapa 01

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Arquiteturas de Sistemas Distribuídos

Arquiteturas de Sistemas Distribuídos Arquiteturas de Sistemas Distribuídos Sistema distribuído O processamento de informações é distribuído em vários computadores ao invés de confinado em uma única máquina. Bastante comum em qualquer organização

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Instalando o Internet Information Services no Windows XP

Instalando o Internet Information Services no Windows XP Internet Information Services - IIS Se você migrou recentemente do Windows 95 ou 98 para o novo sitema operacional da Microsoft Windows XP, e utilizava antes o Personal Web Server, deve ter notado que

Leia mais

Serviço Seguro de Mensagens Instantâneas

Serviço Seguro de Mensagens Instantâneas COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE CONTROLE E INFORMAÇÕES Serviço Seguro de Mensagens Instantâneas Jabber & Exodus Jabber é um protocolo aberto, baseado em XML para troca de mensagens instantâneas.

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

ÍNDICE 1.CONHECENDO OS APLICATIVOS NECESSÁRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA URANO INTEGRA...

ÍNDICE 1.CONHECENDO OS APLICATIVOS NECESSÁRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA URANO INTEGRA... Instalação do Sistema Urano Integra em Sistema Operacional Windows 1 ÍNDICE 1.CONHECENDO OS APLICATIVOS NECESSÁRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA URANO INTEGRA.... 3 1.1 URANO INTEGRA... 3 1.2 JAVA RUNTIME

Leia mais

Dando um passeio no ASP.NET

Dando um passeio no ASP.NET Dando um passeio no ASP.NET Por Mauro Sant Anna (mas_mauro@hotmail.com). Mauro é um MSDN Regional Director, consultor e instrutor. O principal objetivo da arquitetura.net é permitir ao usuário o fácil

Leia mais

Guia de Instalação rápida

Guia de Instalação rápida Guia de Instalação rápida Este guia cobre os procedimentos de instalação e configuração básica do AXIS 150/152. Caso precise instruções mais detalhadas, consulte o Manual do Usuário do AXIS 150/152. Descrição

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

Manual Operacional Datasync Retail

Manual Operacional Datasync Retail Datasync Retail Datasync Retail Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser reproduzida por qualquer forma ou meio gráfico, eletrônico, ou mecânico, incluindo fotocópias, fotos

Leia mais

Sistema de Controle de Cheques GOLD

Sistema de Controle de Cheques GOLD Sistema de Controle de Cheques GOLD Cheques GOLD é um sistema para controlar cheques de clientes, terceiros ou emitidos. Não há limitações quanto as funcionalidades do programa, porém pode ser testado

Leia mais

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP)

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP) "Visão geral da configuração da rede" na página 3-2 "Escolhendo um método de conexão" na página 3-3 "Conectando via Ethernet (recomendado)" na página 3-3 "Conectando via USB" na página 3-4 "Configurando

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER

AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER Objetivo: Instalar e detalhar o funcionamento de um Servidor de DNS (Domain Name System) no sistema operacional Microsoft Windows 2003 Server. Ferramentas: - ISO

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET Ao mesmo tempo em que hoje se tornou mais fácil falar a longa distância, pela multiplicidade de opções e operadoras de telefonia, também surgem as

Leia mais

PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7

PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 Sobre o PostGIS PostGIS é um Add-on (complemento, extensão)

Leia mais

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT SUMÁRIO Prefácio... 1 A quem se destina... 1 Nomenclatura utilizada neste documento... 1 Tela de login... 2 Tela Inicial... 4 Gestão de Dispositivo Acompanhar

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Treinamento. Módulo. Escritório Virtual. Sistema Office. Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office

Treinamento. Módulo. Escritório Virtual. Sistema Office. Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office Treinamento Módulo Escritório Virtual Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office 1. Atualização do sistema Para que este novo módulo seja ativado,

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Manual do usuário. Softcall Java. versão 1.0.5

Manual do usuário. Softcall Java. versão 1.0.5 Manual do usuário Softcall Java versão 1.0.5 Sumário Iniciando SoftCall...3 Tela Principal...3 Configurando o SoftCall...4 Agenda...5 Incluindo um contato...5 Procurando um contato...6 Apagando um contato...6

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Este capítulo apresenta trabalhos relacionados ao problema da travessia de firewalls/nat por aplicações CORBA, alguns dos quais tiveram grande influência no desenvolvimento desta

Leia mais

Conteúdo Manual do sistema de ajuda do KDE

Conteúdo Manual do sistema de ajuda do KDE 2 Conteúdo 1 Manual do sistema de ajuda do KDE 5 1.1 Sistema de ajuda do KDE................................. 5 1.1.1 Instalação...................................... 5 1.2 Invocar a ajuda.......................................

Leia mais