Autos nº / Pedido de Providências Requerente: Procuradoria-Geral do Estado Relator: Conselheiro Sandro José Neis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autos nº 0.00.000.000358/2008-06 Pedido de Providências Requerente: Procuradoria-Geral do Estado Relator: Conselheiro Sandro José Neis"

Transcrição

1 PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE RONDÔNIA Autos nº / Pedido de Providências Requerente: Procuradoria-Geral do Estado Relator: Conselheiro Sandro José Neis Egrégio Conselho Eminente Relator Preclaros Conselheiros Cuida-se da representação formulada pelo Procurador- Geral do Estado de Rondônia, Sr. Ronaldo Furtado, via da qual, com base em reportagem publicada pela Revista VEJA, edição 2057, ano 41, nº 16, de 23/04/2008, imputa omissão e/ou conivência dos órgãos públicos federais de repressão e fiscalização do meio ambiente e terra indígenas (MPF, IBAMA, FUNAI e Polícia Federal) com a exploração de madeira nas terras indígenas do Povo Suruí; bem assim que a detenção deste Procurador e de outras pessoas na Aldeia Roosevelt, território indígena do Povo Cinta Larga, em dezembro/07, não teria passado de uma farsa, com a possibilidade de ter havido a aquiescência do membro do MPF.

2 Junta diversos documentos, bem assim mídias (DVD's CD's) contendo registros áudio-visuais do quanto alegado. fatos. Pede providências desse Egrégio Conselho acerca dos Recebido, autuado e distribuído, como Pedido de Providências, Sua Excelência, o Conselheiro Relator Sandro José Neis, despachou o feito ordenando a notificação do Procurador-Chefe da Procuradoria da República no Estado de Rondônia e deste Procurador da República para que, no prazo de 15 dias, prestem as informações e juntem os documentos que entenderem necessários sobre os fatos noticiados no feito, com a remessa de cópia integral dos autos. O Procurador da República signatário recebeu cópia parcial 1 dos documentos constantes dos autos; desacompanhados de cópia de qualquer das mídias que instruíram a representação 2. Esse recebimento deu-se no dia 20/06/08, conforme cópia da Guia de Movimentação de Feitos e Expedientes desta Procuradoria da República (Sistema Fênix de Controle de Documentos) que acompanha a presente manifestação (fls. 01 da 1ª parte de documentos que instrui a presente). É o relatório. DOCUMENTOS QUE INSTRUEM A PRESENTE MANIFESTAÇÃO documentos: A presente manifestação é acompanhada dos seguintes 1 2 Não vieram cópia das folhas 08, 13, 21 e 22 dos autos. Igualmente não vieram cópia dos DVD's e CD's que, segundo consta, instruíram o pedido de providências. 2

3 dispostas: 1. Quatro Partes Distintas de Documentos, assim a) 1ª Parte de Documentos Documentos Diversos. São 04 volumes de documentos. Páginas numeradas seqüencialmente (parte superior direita), da folha 01 até a folha 756. b) 2ª Parte de Documentos Documentos extraídos do Inquérito Civil Público nº / , relativo a irregularidades praticadas por servidores da FUNAI. Volume único. Páginas numeradas seqüencialmente (canto inferior direito), da folha 01 a 160; c) 3ª Parte de Documentos Documentos relativos a certidões de servidores da PR/RO, Portarias, Instruções, Atas de reuniões, Relatórios de Produtividade etc. Volume único. Páginas numeradas seqüencialmente (canto inferior direito), da folha 01 a 283. d) 4ª Parte de Documentos Documentos relativos ao Governador Ivo Narciso Cassol. São 04 volumes de documentos. Páginas numeradas seqüencialmente (parte superior direita), da folha 01 até a folha Cópia do Inquérito Civil Público nº / Inquérito Civil que trata da exploração de madeira na Terra Indígena Sete de Setembro do Povo Suruí. O feito compreende um volume principal, com páginas numeradas seqüencialmente (numeração originária do feito), da folha 02 até a folha 185; e um apenso, numerado (também numeração originária) até a folha Um (01) CD/DVD. A mídia contém gravação áudiovisual de trecho da audiência pública (reunião) da Subcomissão do Senado para apurar a crise ambiental na Amazônia, ocorrida em 24/04/08, na Assembléia 3

4 Legislativa do Estado de Rondônia. A gravação específica trata, especialmente, da intervenção do Sr. Governador Ivo Narciso Cassol. A gravação tem duração aproximada de 2:16 minutos. Faz-se este esclarecimento prévio pela necessidade, que se acredita relevante, de informar o Eminente Relator e os doutos Conselheiros quanto à documentação que está sendo apresentada; facilitando as várias remissões que serão feitas ao longo do texto. PRELIMINARMENTE. NECESSIDADE DE REMESSA DO FEITO À CORREGEDORIA-GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Já existe, no âmbito da Corregedoria-Geral do Ministério Público Federal, inquérito administrativo (feito nº / ) que aborda os fatos objeto do presente pedido de providências, ao menos no tocante à pessoa deste Procurador. Aquele apuratório originou-se de representação anônima endereçada ao Procurador-Geral de Justiça de Rondônia, que a remeteu ao Douto Corregedor desse Egrégio Conselho Nacional, sendo autuada e registrada, como reclamação disciplinar, sob o nº / Desse Conselho Nacional a questão foi encaminhada ao Corregedor-Geral do Ministério Público Federal, com base no artigo 71, 3º a 6º, do Regimento Interno daquele colegiado; sendo assinado o prazo de 10 (dez) dias para informar sobre a existência de apuratório a respeito dos autos. Tomando conhecimento da questão, o Eminente Corregedor-Geral do Ministério Público Federal ordenou a abertura de procedimento preliminar, depois convolado em inquérito administrativo, tombados, 4

5 um e outro, sob nº / ; já tendo sido ofertada defesa escrita do representado (deste Procurador) no feito. A representação anônima, conquanto não aborde a alegada farsa do seqüestro, é, na parte remanescente, mais abrangente até que a representação da Procuradoria-Geral do Estado que originou este pedido de providências. Com efeito, enquanto a representação da Procuradoria- Geral do Estado limita-se, em relação a este Procurador, a, basicamente, imputarlhe omissão no combate à exploração de madeira no território indígena do Povo Suruí; a representação anônima vai além, imputando suposta participação em esquema criminoso de exploração ilegal de diamantes e madeira de terras indígenas, tanto do Povo Suruí, quanto do Povo Cinta Larga. A representação anônima menciona, expressamente, uma das reuniões havidas em agosto de 2005 com o Povo Suruí, para concluir que houve realização do acordo entre os órgãos de fiscalização/repressão (FUNAI, IBAMA e MPF), presentes no evento, para permitir que aquele povo tradicional explorasse madeira em seu território até que fossem aprovados e executados projetos de alternativas econômicas. Não bastasse, na decisão que ordenou a abertura de inquérito administrativo para apurar amplamente os fatos, o Sr. Corregedor-Geral determinou a juntada aos autos de exemplar da Revista VEJA (edição 2057, nº 16, de 23/04/2008), que contém a reportagem que dá suporte e serviu de base para a representação da PGE/RO. A reportagem do semanário aborda tanto a suposta farsa do seqüestro, quanto a alegada conivência deste Procurador com a exploração de madeira no território; sendo certo que o Eminente Corregedor-Geral do MPF, na 5

6 mesma decisão, ordenou a juntada da revista para serem tais fatos considerados pela Comissão de Inquérito encarregada da apuração ora determinada. 3 (v. Cópia da referida decisão, remetida a esse Augusto Conselho Nacional pelo Ofício nº 200/2008-CGMPF, de 30/04/08, endereçado ao Corregedor Nacional) Assim, se ainda havia fatos novos que justificavam a manutenção deste feito em relação a este Procurador (suposta farsa do seqüestro); com a decisão do Corregedor-Geral do MPF essa circunstância deixou de existir; passando a investigação recém-inaugurada a abranger todos os fatos (participação em esquema criminoso, omissão/conivência com a exploração de madeira e de diamantes, participação e/ou conivência com a farsa do seqüestro). Cópia da representação foi escaneada e juntada ao Relatório Semanal nº 003 da Polícia Federal (ou mais precisamente Grupo Operacional Roosevelt, que é coordenado pela Polícia Federal). Na parte relativa a este Procurador o texto afirma: Sabemos ainda que, mergulhado nesse esquema, está o também versátil Procurador do Ministério Público Federal em Rondônia, Dr. Reginaldo Trindade, que foi promotor na comarca de Espigão D'Oeste/RO. Nunca quis saber de índios, prestou apoio a muitos garimpeiros quando do início da exploração da jazida do Roosevelt, mas agora encontra-se no MPF/RO e está designado para fazer a defesa e atender justamente a comunidade indígena Cinta Larga em cujas terras estão os diamantes. Mas ele tem atuado também nos negócios de exploração madeireira nas reservas indígenas. Uma das maiores provas tira-se do seu posicionamento numa reunião realizada com índios Suruí, na cidade de Cacoal, quando garantiu aos índios que nenhuma fiscalização seria desencadeada contra a retirada ilegal de madeiras enquanto não se concluísse projeto governamental de sustentação àquela tribo. Isso aconteceu, sem falha de memória, no mês de Agosto de O resultado foi e está sendo a maior festança de madeireiros que chegam a retirar das reservas dos índios Zoró e Suruí mais de m3 (dois mil metros cúbicos) de madeiras das mais diversas espécies, por dia. Sabemos que este nobre procurador em combinado com delegados da PF, buscam desviar as atenções e todo o ônus da culpa para os índios Cinta Larga. 3 O Corregedor-Geral do MPF, na mesma decisão, chega a admitir, expressamente, tratar-se dos mesmos fatos ao dizer que a matéria de VEJA, na qual se baseou a Procuradoria Geral do Estado, aborda com aplitude os mesmos fatos examinados nesta decisão. 6

7 Passados dois anos, a exploração de madeira ilegal continua no mesmo ritmo, visto que nenhum projeto alternativo de sustentação aos índios foi implantado. (fls. 151 da 1ª parte de documentos que instrui a presente) Do cotejo entre a representação anônima e o presente pedido de providências, bem se pode perceber a identidade dos objetos deste feito com o do inquérito administrativo já referido; tudo permeado, naturalmente, pela decisão do Sr. Corregedor-Geral do MPF, que ordenou a juntada do exemplar de VEJA e a consideração de todos os fatos na apuração; não sem antes, salientar, expressamente, que a matéria do semanário aborda com amplitude os fatos examinados na decisão. Desse contexto, é bem de ver que, em relação ao Procurador signatário, já existe apuração em curso perante a Corregedoria-Geral do MPF, estando, inclusive, em estágio bem mais avançado que o presente feito. 4 Por conseguinte, havendo apuração anterior, mais abrangente e em estágio mais avançado que o presente pedido de providências, em curso perante a douta Corregedoria-Geral do Ministério Público Federal, nada justifica a manutenção deste feito, no tocante ao signatário, nesse Conselho Nacional. Assim, natural que o presente pedido de providências seja cindido, extraindo-se cópia de tudo e remetendo à Corregedoria-Geral para inserção no inquérito administrativo já referido em relação às imputações que pesam contra o Procurador signatário; mantendo-se perante esse Conselho Nacional apenas e tão-somente as questões remanescentes. Ademais, o Eminente Relator desse Pedido de Providências ordenou, no despacho inicial do feito, datado de 14/05/08, a 4 De fato, no inquérito administrativo da Corregedoria-Geral do MPF já foi feita a instrução do feito e até ofertada a defesa escrita do representado. 7

8 notificação para manifestação tanto deste Procurador, quanto do Procurador-Chefe da Procuradoria da República em Rondônia. A duplicidade das audiências bem demonstra a possibilidade de cisão dos fatos atribuídos ao Procurador signatário daqueles imputados ao Ministério Público Federal (Procuradoria da República em Rondônia); permitindo, por conseguinte, que os primeiros possam ser remetidos à Corregedoria-Geral do MPF e a manutenção, perante o Conselho Nacional, apenas dos últimos. Advirta-se, em reforço da necessidade de reconhecimento de litispendência ou conexão/continência se é que se pode socorrer-se dos institutos do processo civil para qualificar o ocorrido a circunstância de que, embora o feito tenha sido classificado como Pedido de Providências, ao menos em relação aos graves fatos que imputa, ainda que tacitamente, a este Procurador, tem-se genuína reclamação disciplinar, o que somente reforça a imprescindibilidade de prévia manifestação da Corregedoria- Geral do MPF. O próprio autor da representação que inaugura este Pedido de Providências, o Sr. Procurador-Geral do Estado de Rondônia, dá mostras claras disso quando afirma: É preciso dar 'a César o que é de César'. Cada um deve responder pelos seus atos, na medida da sua culpabilidade. O Ministério Público Federal, o IBAMA, a FUNAI e a POLÍCIA FEDERAL devem fazer seu ato de contrição, reconhecendo o erro de seus servidores/agentes e responsabilizá-los pelas faltas cometidas. (fls. 05 dos autos) Não por acaso, o Sr. Procurador-Geral do Estado de Rondônia remeteu a mesma representação encaminhada a esse Conselho Nacional, também, a vários outros órgãos, inclusive, à Procuradoria-Geral da República 5. 5 Junta-se, nesta oportunidade, cópia de uma via da representação remetida à Subcomissão do Senado para apurar a Crise Ambiental, onde ali se menciona para quais órgãos e instituições o pedido de 8

9 Não se sabe, sinceramente, ao menos até agora, qual o destino que teve a representação que tinha por destinatário o Ministério Público Federal (Procuradoria-Geral da República). No entanto, essa circunstância, indubitavelmente, reforça o fato de que eventual falta disciplinar cometida pelo Procurador da República signatário há de ter curso, originariamente, na Corregedoria-Geral da Instituição a que pertence, o Ministério Público Federal. No próprio inquérito administrativo nº / já existe cópia da representação do Procurador-Geral do Estado de Rondônia (juntada por esse Procurador mesmo), bem assim requerimento do signatário para que tenha curso no mesmo feito 6. Atribuição originária da Corregedoria-Geral do MPF. A competência para apurar eventual infração disciplinar de Membro do Ministério Público nos casos de reclamações propostas perante o CNMP é da Corregedoria da Instituição a que pertencer o Procurador/Promotor alvo da representação/reclamação. Frise-se que este feito, conquanto rotulado de Pedido de Providências, até por conta da multiplicidade de fatos, a envolver agentes e Instituições diversas, cuida-se mesmo, ao menos na parte relativa ao subscritor, de verdadeira e indiscutível reclamação disciplinar, cuja atribuição precípua e originária para tratar da questão é da Corregedoria-Geral do Ministério Público Federal. providências foi feito. Aliás, a representação é apresentada mesmo àquela Subcomissão do Senado, ali se mencionando que cópia seria encaminhada aos demais destinatários já referidos. (fls. 88/94 da 1ª parte de documentos que instrui a presente) 6 A propósito, observe-se a manifestação escrita formulada espontaneamente por este Procurador da República logo depois da matéria publicada pela Revista VEJA, que acompanha o presente arrazoado. Ali, se pediu expressamente que caso a representação formulada pela Procuradoria-Geral do Estado seja remetida a essa Corregedoria, que ela seja tratada no âmbito desta mesma representação, considerando a íntima ligação dos fatos e todo o contexto acima descrito. (fls. 608 da 1ª parte de documentos que instrui esta). 9

10 O Regimento Interno do Conselho Nacional do Ministério Público CNMP dispõe, em seu artigo 71, caput, que as reclamações disciplinares poderão ser propostas por qualquer interessado, inclusive membro do Conselho, contra membros, órgãos ou serviços auxiliares do Ministério Público, conforme permissivo do art. 130-A, 2º, III, da Constituição Federal. A petição que veicular a reclamação deverá ser endereçada ao Corregedor do CNMP e observará os requisitos estabelecidos no 1º do artigo supradito, quais sejam, caráter escrito, com a identificação e endereço do reclamante, confirmada a autenticidade, sob pena de indeferimento. Não sendo hipótese de arquivamento da reclamação (art. 71, 2º, do RI-CNMP), o Regimento Interno do CNMP dispõe que o Corregedor mandará ouvir o órgão disciplinar originariamente competente para que este instaure procedimento, caso tenha tomado conhecimento dos fatos apenas pela comunicação do Corregedor, cientificando-o, no prazo de dez dias, das providências adotadas, inclusive com cópias dos respectivos atos. Como visto, nos casos de reclamações disciplinares propostas diretamente perante o Conselho Nacional do Ministério Público, verificase que o Regimento Interno remete e prioriza a atribuição para investigação e providências ao órgão disciplinar local, evitando-se, com isso, a supressão de uma instância administrativa disciplinar. Por outro lado, muito embora a investigação e as providências disciplinares sejam atribuídas à Corregedoria local, não se afasta do Conselho Nacional do Ministério Público o controle sobre providências administrativas adotadas, uma vez que o 4º, do art. 71, do Regimento Interno, dispõe que o órgão disciplinar local disporá do prazo de cento e vinte dias a partir da data inequívoca dos fatos para concluir sua atuação, remetendo, ao final, cópia integral do procedimento à Corregedoria Nacional do Ministério Público. 10

11 Na hipótese, caso considere suficiente a atuação do órgão disciplinar local, o Corregedor Nacional promoverá o arquivamento sumário da reclamação, cientificando o reclamante e o plenário. Do contrário, poderá o Corregedor Nacional avocar, de ofício ou a pedido, processos disciplinares nos quais não estejam sendo observados os dispositivos regimentais. Com efeito, a atuação direta da Corregedoria Nacional do Ministério Público, como de resto, do próprio CNMP, pressupõe a manifesta e injustificada inércia do órgão disciplinar originariamente competente, respeitado o prazo de 120 (cento e vinte) dias, contado a partir da ciência do órgão local, conforme estabelecido no 4º, do artigo 71, do Regimento Interno do CNMP. No mesmo sentido, o Regulamento Geral da Corregedoria Nacional de Justiça dispõe que as Corregedorias de Justiça locais poderão apurar eventuais infrações disciplinares de seus membros, comunicando à Corregedoria Nacional o resultado obtido. Observe-se: Art. 17. Cuidando-se de fatos não levados ao conhecimento da respectiva Corregedoria de Justiça, poderá o Corregedor Nacional determinar a apuração pelo referido órgão, no prazo de sessenta dias, comunicando à Corregedoria Nacional de Justiça o resultado obtido. Ressalte-se, todavia, que o Regimento Interno do Conselho Nacional do Ministério Público, ao contrário do disposto no artigo supramencionado, confere expressa atribuição ao órgão disciplinar local para a apuração prioritária das infrações administrativas, dispondo que, somente na via excepcional e secundária, a reclamação terá prosseguimento perante o Conselho Nacional do Ministério Público: 11

12 Art. 71. A reclamação disciplinar poderá ser proposta, por qualquer interessado, inclusive membro do Conselho, contra membros, órgãos ou serviços auxiliares do Ministério Público, conforme permissivo do art. 130-A, 2º, III, da Constituição Federal. (Redação dada pela Emenda Regimental nº 1 de 2006) (...) 3º Não sendo o caso do parágrafo anterior, o Corregedor mandará ouvir o órgão disciplinar originariamente competente, que deverá: (Redação dada pela Emenda Regimental nº 2 de 2007) I - Instaurar procedimento, caso tenha tomado conhecimento dos fatos apenas pela comunicação do Corregedor, cientificando-o, no prazo de dez dias, das providências adotadas, inclusive com cópias dos respectivos atos. (...) 4º Nas hipóteses dos incisos I e II do parágrafo anterior, o órgão disciplinar local disporá do prazo de cento e vinte dias a partir da data inequívoca dos fatos para concluir sua atuação, remetendo, ao final, cópia integral do procedimento à Corregedoria Nacional do Ministério Público. (Redação dada pela Emenda Regimental nº 2 de 2007) (...) 5º Transcorridos os prazos do parágrafo terceiro sem a devida resposta, ou o prazo do parágrafo quarto sem que tenha havido desfecho para a atuação do órgão disciplinar local, sem motivo justificado, a juízo do Corregedor Nacional, a reclamação terá prosseguimento perante o Conselho Nacional do Ministério público, apurando-se conjuntamente a responsabilidade do órgão disciplinar local pela omissão. (Redação dada pela Emenda Regimental nº 2 de 2007) 6º Caso considere suficiente a atuação do órgão disciplinar local, o Corregedor promoverá o arquivamento sumário da reclamação, cientificando o reclamante e o plenário. (Incluído pela Emenda Regimental nº 2 de 2007) Em suma, conclui-se que o Regimento Interno do Conselho Nacional do Ministério Público (art. 71 e ) confere aos órgãos disciplinares locais a atribuição originária para apuração de infrações imputadas a membros do Ministério Público por meio de reclamações endereçadas diretamente à Corregedoria Nacional, órgão disciplinar cuja atuação condiciona-se à inércia desmotivada da Corregedoria local, observado, no caso, o prazo de 120 (cento e vinte) dias para a apuração da eventual irregularidade pelo órgão disciplinar de origem. 12

13 Advirta-se, finalmente, que a própria representação anônima já referida acima e que deu início ao apuratório que tramita na Corregedoria-Geral do Ministério Público Federal, somente aportou no órgão censor do MPF porque para lá remetida por esse Conselho Nacional mesmo, com base, justamente, nos dispositivos mencionados e transcritos (v. Ofício nº 054/2008/CN-CNMP, de 18/01/08); demonstrando, em cores vivas, o acerto da tese defendida nesta preliminar. Isto posto, requer o acolhimento da preliminar para reconhecer a existência de investigação em curso na Corregedoria-Geral do MPF, no tocante à parte da representação que se volta contra este Procurador, e, por conseqüência, remeter cópia do feito àquele órgão censor, a fim de que seja juntado aos autos do inquérito administrativo nº / e ali continuar a ter curso e ser objeto de consideração pela douta Comissão de Inquérito. PRELIMINARMENTE. NECESSIDADE DE ACESSO A TODAS AS PROVAS QUE EMBASAM A REPRESENTAÇÃO. Como já se teve ocasião de realçar na parte preambular desta manifestação, a notificação deste Procurador não foi acompanhada de cópia integral dos autos, embora houvesse despacho do Eminente Relator naquele sentido. Com efeito, não vieram cópia de algumas páginas (fls. 08, 13, 21 e 22); da mesma forma como não foram reproduzidas as mídias (CD's e DVD's) contendo as gravações áudio-visuais em que se lastreia a representação da PGE/RO para remessa a este Procurador. Assim, inegavelmente, a manifestação a ser produzida pelo subscritor fica um tanto comprometida, justamente por não ter acesso a todos 13

14 os documentos, vídeos e áudios existentes no feito e nos quais se basearam a representação. Esclareça-se que, em relação aos vídeos, o Procurador signatário já teve acesso a alguns, seja pela divulgação nos meios de comunicação, seja os constantes do inquérito administrativo em trâmite na Corregedoria do MPF, seja, ainda, outros que lhe foram remetidos pelas mais variadas pessoas. No entanto, essa circunstância, por si só, não autoriza a conclusão de que ele não tenha interesse ou direito ao acesso à prova áudio-visual existente neste feito. Homenagem à ampla defesa e ao contraditório. É que nada impede que tenha ocorrido edições ou acréscimos, os quais podem passar despercebidos na presente manifestação. Aliás, consoante se perceberá ao longo do arrazoado, sobretudo os órgãos de imprensa valeram-se do expediente da edição para reduzir, e muito, as gravações, numa clara intenção de prejudicar o Procurador signatário, eis que suas falas e a de terceiras pessoas foram recortadas do contexto em que produzidas e inseridas em contexto diverso. Essa circunstância reforça a alegação de que o peticionário tenha acesso ao que, efetivamente, consta dos autos e que foi apresentado pelo autor da representação, até para que possa rebater, adequadamente, tudo que foi alegado. Assim, caso não seja acolhida a primeira preliminar, não se remetendo-se a questão à Corregedoria-Geral do Ministério Público Federal, na parte relativa às imputações que pesam contra este Procurador, o subscritor requer, desde já, seja-lhe remetido cópia da parte ainda não encaminhada, notadamente as folhas já referidas, bem assim a cópia fiel dos áudios e vídeos existentes; com a devolução do prazo para manifestação. 14

15 Considerando o princípio da eventualidade e da oportunidade, o Procurador signatário passa, desde logo, não obstante as preliminares levantadas, a tecer considerações a respeito do próprio mérito das imputações que lhe foram feitas na representação. CONSIDERAÇÕES GERAIS O signatário é Procurador da República desde 15 de março de 2004, sendo que sempre desempenhou suas atribuições no Estado de Rondônia, especificamente na Capital (Porto Velho). Antes disso, integrava o Ministério Público de Rondônia, ocupando o cargo de Promotor de Justiça no período de 17 de outubro de 1997 a 14 de março de 2004; desempenhando suas atribuições nas mais diversas Comarcas do Estado. Desde que ingressou na carreira do Ministério Público Federal, sempre desempenhou suas atividades na defesa das comunidades indígenas e minorias étnicas (6ª Câmara de Coordenação e Revisão 6ª CCR) e do patrimônio público e social (5ª Câmara de Coordenação e Revisão); além de oficiar ainda, até bem pouco tempo atrás, perante o Juizado Especial Federal. O signatário também desempenhou, no período, outras funções administrativas (Chefia Substituta) e eleitorais (Procurador Auxiliar, Procurador Regional Eleitoral e Procurador Regional Eleitoral Substituto) 7. Assim, o subscritor jamais exerceu atribuições criminais (2ª Câmara de Coordenação e Revisão 2ª CCR), pelo que não se lhe pode 7 A respeito das várias atribuições do subscritor, v., por exemplo, fls. 01/45 da 3ª parte de documentos que acompanha a presente defesa. 15

16 impor omissão a respeito de eventuais medidas para reprimir crimes de exploração de madeira em terra indígena. Se este Procurador não detinha competência para o exercício da atividade repressora no âmbito criminal, por certo que não pode ser punido por omissão no cumprimento de atribuições que não possuía. Ademais, o signatário nega, peremptoriamente, que tenha incorrido em omissão no cumprimento de suas atribuições legais e constitucionais; muito menos que tenha deixado, em qualquer momento de sua carreira, de desempenhar com zelo e probidade suas funções. No mesmo passo, jamais se valeu do cargo para lograr qualquer vantagem, pecuniária ou não. Todo o seu trabalho, nesses mais de quatro anos de Ministério Público Federal, tratando-se de povos indígenas, foi canalizado para (tentar) amenizar as privações experimentadas pelo povos tradicionais de Rondônia; jamais se envolvendo em esquemas criminosos ou atos irregulares de qualquer espécie. Desde março de 2004 até 2006, o peticionário era o representante da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão neste Estado, respondendo pelas questões atinentes a todos os povos indígenas e minorias étnicas de Rondônia. A partir do segundo semestre de 2006, o representado, em razão da redistribuição dos ofícios e tarefas na Procuradoria da República, especialmente em razão da criação da Subseção Judiciária de Ji-Paraná/RO, deixou de ser o representante da 6ª CCR, passando a responder apenas pela 5ª CCR. Na ocasião, a gravidade e dimensão da problemática envolvendo o Povo Indígena Cinta Larga, justificou a permanência do representado 16

17 para continuar a responder pelas questões atinentes àquela comunidade (v. 3ª parte de documentos que instrui esta defesa, especialmente fls. 14/23). A representação formulada pelo Procurador-Geral do Estado imputa omissão dos órgãos públicos federais (Ministério Público Federal, IBAMA, FUNAI e Polícia Federal) no combate à exploração de madeira no território Suruí; bem assim alude à suposta armação no seqüestro do signatário e de outras pessoas, havido em dezembro/07, na Aldeia Roosevelt, do Povo Cinta Larga, farsa que, segundo alega, teria sido arquitetada pelos índios e contado com a aquiescência do membro do MPF. Embora não exista menção expressa, em momento algum da representação, ao nome deste Procurador 8, percebe-se que são aqueles dois fatos imputados mais diretamente a ele, os quais serão rebatidos um a um, bem assim esclarecidas todas as situações pertinentes a um e outro, de molde a deixar explícito não ter ocorrido qualquer irregularidade na atuação funcional do signatário. EXPLORAÇÃO DE MADEIRA NO TERRITÓRIO SURUÍ Considerações Preliminares. No tocante ao Povo Indígena Suruí, a principal imputação que pesa contra o signatário diz com suposta omissão/conivência para com a exploração ilegal de madeira no território tradicional daquela comunidade. 8 Curioso, mas o Procurador-Geral do Estado esforça-se, o quanto pode, para não mencionar, uma única vez, o nome deste Procurador ao longo da representação. Consoante se verá logo à frente, quis-se, nitidamente, denotar que se tratava de providência institucional. No entanto, este arrazoado, estribado em densa e inequívoca prova documental, demonstrará que a atuação daquela Procuradoria-Geral (leia-se Governo do Estado ou, mais especificamente ainda, Governador Ivo Narciso Cassol) teve indisfarçável propósito de prejudicar, sobretudo, este Procurador da República, sendo apenas travestida de roupagem oficial. 17

18 Essa conclusão, constante da representação, teria sido extraída de reuniões havidas em agosto e setembro de 2005, no Fórum Paiter Suruí, em Cacoal/RO, quando este Procurador teria, em conjunto com os representantes dos demais órgãos públicos federais que se faziam representar no evento (IBAMA e FUNAI), celebrado acordo com as lideranças indígenas Suruí para permitir a exploração de madeiras em seus territórios tradicionais. A permissão seria dada até que viabilizados projetos de sustentabilidade econômica para o Povo Suruí, sendo que, até lá, os órgãos de fiscalização fariam vista-grossa para a exploração ilegal de madeiras nas terras indígenas referenciadas. Acontece, continua a representação, os projetos de sustentabilidade para o Povo Suruí até hoje não foram implementados e, coincidentemente, após o inusitado acordo, a exploração de madeiras nas terras dos índios Suruí cresceu assustadoramente. Na representação anônima a que já se referiu bastante anteriormente e que trata dos mesmos fatos no âmbito da Corregedoria-Geral do MPF, fez-se imputação até mais grave em certa medida, chegando a sustentar que este Procurador mesmo teria garantido aos índios que não haveria fiscalização pelos órgãos repressores; não se ventilando, em princípio, nem mesmo a eventual aquiescência a tanto do IBAMA e da FUNAI. No entanto, fato é que nem o signatário autorizou a exploração de madeira no território Suruí, concedendo salvo-conduto aos índios quanto à não repressão da atividade; nem celebrou acordo com os demais órgãos federais, especialmente FUNAI e IBAMA, para que aquela atividade extrativista perdurasse até a concepção e desenvolvimento dos projetos de alternativas econômicas. 18

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA 1 ATO REGULAMENTAR Nº 001/2011 Dispõe sobre o Regimento Interno da Ouvidoria do Ministério Público do Estado do Maranhão A PROCURADORA-GERAL DE JUSTIÇA DO, no uso das atribuições fixadas na Lei Complementar

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.166 MATO GROSSO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 17/9/2009, Seção 1, Pág. 26. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 17/9/2009, Seção 1, Pág. 26. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 17/9/2009, Seção 1, Pág. 26. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério Público Federal/Procuradoria da

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014

DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014 DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014 Institui e altera procedimentos referentes à sindicância administrativa, e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO. Conflito negativo de atribuições entre Membros da PRT 2ª.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO. Conflito negativo de atribuições entre Membros da PRT 2ª. INTERESSADO 1: ASSUNTO: MPT PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª. REGIÃO INSTITUCIONAL Conflito negativo de atribuições entre Membros da PRT 2ª. Região V O T O PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO EM CONFLITO NEGATIVO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO ORIGEM: PRT da 08ª Região ORGÃO OFICIANTE: Dra. Rejane de Barros Meireles Alves INTERESSADO 1: Superintendência Regional do Trabalho e Emprego/PA. INTERESSADO 2: Raimundo Teixeira Maia ASSUNTOS: EXPLORAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/ICP/Nº 10934/2013 INTERESSADO 1: SUSCITANTE: DRA. TAYSE DE ALENCAR MACARIO DA SILVA - PRT DA 4ª REGIÃO (SEDE) INTERESSADO 2: SUSCITADO: DR. MÁRCIO DUTRA DA COSTA PTM DE SANTA CRUZ DO SUL

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

Capítulo I. Dos Requisitos para Instauração

Capítulo I. Dos Requisitos para Instauração RESOLUÇÃO Nº 69, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 (Publicada no DJ, de 1º/02/2008, págs. 1405/1406) (Alterada pela Resolução nº 87, de 27/08/2009) (Alterada pela Resolução nº 99, de 25/08/2011) (Alterada pela

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 492/92 - Segunda Câmara - Ata 37/92 Processo nº TC 005.648/88-2 Responsáveis: JOÃO JOSÉ LAMARQUE e IVANEI CANHOLA DE SOUZA Órgão: Superintendência Regional

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO FEITO PGT/CCR/ICP/Nº 19551/2013

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO FEITO PGT/CCR/ICP/Nº 19551/2013 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Origem: PRT 11ª Região Interessado(s) 1: SRTE/AM Interessado(s) 2: Chibatão Navegação e Comércio Ltda. Interessado(s) 3: Ministério Público do Trabalho Assunto(s): Igualdade

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

Entidade: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq

Entidade: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0348-20/01-2 Identidade do documento: Acórdão 348/2001 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Pessoa física. CNPq. Concessão de bolsa de

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Origem: PRT 2ª Região Interessado(s) 1: Sigiloso Interessado(s) 2: Prefeitura de São Paulo Secretaria Municipal de Planejamento Orçamento e Gestão Coordenadoria de Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno

RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno 1. Processo nº: 02856/2009 2. Classe de Assunto: Consulta 3. Entidade: Câmara Municipal de Dianópolis-To 4. Responsável: Reginaldo Rodrigues de Melo - Presidente 5. Relator:

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE AÇÃO CIVIL PÚBLICA O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por seu Procurador da República, vem respeitosamente ante Vossa Excelência, com

Leia mais

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015 Inquérito Civil Público nº 1.26.000.000548/2011-59 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015 Trata-se de inquérito civil público instaurado a partir do Ofício nº 069/2011 2ª PJDC, do Ministério Público do Estado

Leia mais

P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Referência: 99902.001414201-82 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Recorrente: Órgão ou Caixa

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 1º Comissão de Ética do Ministério da Educação MEC, constituída pela Portaria nº de 623

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em São Paulo - SP

Ministério Público Federal Procuradoria da República em São Paulo - SP Ofício Referência: Prot SIAPRO n. 08500.006741/2008-31 SR/DPF/SP Procedimento de Controle Externo n. 1.34.001.000452/2008-11(favor usar esta referência) São Paulo, 04 de junho de 2008. Ilmo. Sr. Corregedor

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 08850.002672/2014-64 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recurso contra decisão denegatória

Leia mais

REEXAMINADO PELO PARECER: CNE/CES Nº 087/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

REEXAMINADO PELO PARECER: CNE/CES Nº 087/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO REEXAMINADO PELO PARECER: CNE/CES Nº 087/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Organização Brasileira de Cultura e Educação UF: RJ ASSUNTO: Solicitação de revisão do Parecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Competências Art. 1º - Compete à Comissão de Ética, no âmbito

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00278840 UNIDADE GESTORA: PREFEITURA MUNICIPAL DE TIJUCAS INTERESSADO:

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE 1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO, por seu representante legal infra-assinado, com fundamento nos art. 129, inciso III e 1º, da Carta Magna,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUÍZ FEDERAL DA 10ª VARA CRIMINAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUÍZ FEDERAL DA 10ª VARA CRIMINAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUÍZ FEDERAL DA 10ª VARA CRIMINAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO. AUTOS Nº. 2009.61.81.007402-7 (PROCEDIMENTO INVESTIGATÓRIO CRIMINAL e de CONTROLE EXTERNO DA ATIVIDADE POLICIAL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 787/2014. Capítulo I Do Sistema

PROJETO DE LEI Nº 787/2014. Capítulo I Do Sistema Autor(es): VEREADOR EDSON ZANATA PROJETO DE LEI Nº 787/2014 EMENTA: DISPÕE SOBRE A INSTITUIÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE GESTÃO DA ÉTICA PÚBLICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 470/93 - Plenário - Ata 53/93 Processo nº TC 014.861/93-3 Entidade: Ministério da Justiça Relator: Ministra Élvia L. Castello Branco Redator da Decisão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL Origem: Rep 1325/2010 PRT/ 2ª Região Procuradora oficiante: Interessados: Ministério Público do Trabalho da 2ª Região; Marina Bueno Tumelero e Churrascaria Minuana Ltda. Assunto: CONAFRETE EMENTA: Reclamação

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 (MENSAGEM Nº 865, DE 2009) Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social, regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PR-SP-00049657 /2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PR-SP-00049657 /2014 PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Rua Frei Caneca, 1.360 - Consolação - São Paulo - SP - CEP O 1307-002- Fone: (11) 3269-5000 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA

Leia mais

Discute-se no presente a jornada de trabalho dos empregados da denunciada, que integram a categoria profissional dos aquaviários, haja vista as

Discute-se no presente a jornada de trabalho dos empregados da denunciada, que integram a categoria profissional dos aquaviários, haja vista as CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/PP/N. 10245/2009 ORIGEM: PRT 1ª REGIÃO (PTM DE CABO FRIO) PROCURADORA OFICIANTE: DRA. ISABELA MAUL MIRANDA DE MENDONÇA INTERESSADO 1: PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instauração, a organização e o encaminhamento ao Tribunal de Contas da União dos processos de tomada de contas especial. O TRIBUNAL

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO n. 1340-97.2014.6.21.0000 REPRESENTANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL REPRESENTADOS: PARTIDO PROGRESSISTA, MARCO AURÉLIO FERREIRA E ANA AMÉLIA LEMOS RELATORA: DRA. LUSMARY FÁTIMA TURELLY DA SILVA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva Inquérito Civil n.º 1.26.000.001064/2012-16 Manifestação n.º 194/2014-MPF/PRM-CG/PB MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva O MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

https://www.cnj.jus.br/pjecnj/painel/painel_usuario/documentohtml... ACÓRDÃO

https://www.cnj.jus.br/pjecnj/painel/painel_usuario/documentohtml... ACÓRDÃO 1 de 8 23/04/2014 14:41 E M E N TA P R O C E D I M E N TO S D E C O N TR O L E A D M I N I S T R ATI V O. T R I B U N A L D E J U S T I Ç A D O E S TA D O D A B A H I A. CUMULAÇÃO DE DIÁRIAS COM INDENIZAÇÃO

Leia mais

PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 23480.004196/2015-46 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme892 RgA-teP Diário da Justiça de 06/11/2006 26/09/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) : MIN. GILMAR MENDES : BRUNO DINIZ ANTONINI : RELATOR DO HC Nº 20906 DO SUPERIOR

Leia mais

PORTARIA N 003/JIJ/2010

PORTARIA N 003/JIJ/2010 DJe de 03/08/2010 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 003/JIJ/2010 Regulamenta a admissão e o exercício da função de Comissário da Infância e da Juventude Voluntário da Vara Cível da Infância e da

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR Referência: inquéritos civis nº 1.32.000.000518/2013-15 e 1.32.000.000013/2013-42 RECOMENDANTE: MINISTÉRIO

Leia mais

Sindicato dos Corretores de Planos de Saúde Médicos e Odontológicos - SINCOPLAN Interessado 2:

Sindicato dos Corretores de Planos de Saúde Médicos e Odontológicos - SINCOPLAN Interessado 2: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL DO TRABALHO GABINETE DA SUBPROCURADORA-GERAL DO TRABALHO IVANA AUXILIADORA MENDONÇA SANTOS Processo PGT/CCR/PP 6105/2014 Origem: PRT 2ª Região Interessado

Leia mais

PODER EXECUTIVO C O N S E L H O E S T A D U A L D E S E G U R A N Ç A P Ú B L I C A

PODER EXECUTIVO C O N S E L H O E S T A D U A L D E S E G U R A N Ç A P Ú B L I C A TIPO: Processo Reclamação por Providência n 026/2009 Interessado: Sebastião Pereira dos Santos. Assunto: Apurar desaparecimento do corpo de Carlos Roberto Rocha Santos. Relator: Conselheiro Evilásio Feitosa.

Leia mais

Resolução CPJ nº.014/2011

Resolução CPJ nº.014/2011 Ministério Público do Estado da Paraíba Colégio de Procuradores de Justiça Resolução CPJ nº.014/2011 Regulamenta a instalação e o funcionamento no âmbito do Ministério Público Estadual do Núcleo de Controle

Leia mais

Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99

Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99 Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99 INTERESSADO : Doutor Igor Nery Figueiredo RELATORA : Conselheira MARIA CAETANA CINTRA SANTOS ASSUNTO : 22º Concurso Público para Provimento de Cargos

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Origem: PRT 3ª Região Interessado(s) 1: Anônimo Interessado(s) 2: Belo Horizonte transporte Urbano Ltda. Viação real Ltda. Interessado(s) 3: Ministério Público do Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 5076/2012 PROCEDIMENTO MPF nº 1.00.000.002444/2012-76 ORIGEM: PRM TUBARÃO / SC PROCURADOR OFICIANTE: MICHAEL VON MÜHLEN DE BARROS GONÇALVES

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR 16575/2012

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR 16575/2012 Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Viktor Byruchko Junior Interessado 1: MPT Interessado 2: Cardioclínica Pronto Socorro e Clinica Cardiolog. Ltda. Assunto: Temas Gerais 09.10. EMENTA: FGTS. AUSÊNCIA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

Assunto: Solicitação para procedimento de baixa contábil em bem patrimonial roubado.

Assunto: Solicitação para procedimento de baixa contábil em bem patrimonial roubado. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 539/92 - Plenário - Ata 52/92 Processo nº TC-015.497/91-7 Responsável: Rubens Puppin (Chefe da Residência de Vitória - 9º-D/DNPM) Unidade: Departamento

Leia mais

6ª CCR. Promoção de Arquivamento nº 01/2015/PRM/STA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. seguir expostos.

6ª CCR. Promoção de Arquivamento nº 01/2015/PRM/STA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. seguir expostos. À 6ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 6ª CCR Promoção de Arquivamento nº 01/2015/PRM/STA Ref: IC Nº 1.26.003.000070/2009-12 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por seu Procurador

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SEVERINO SOMBRA. Quebra de sigilo em concurso vestibular CAIO TÁCITO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SEVERINO SOMBRA. Quebra de sigilo em concurso vestibular CAIO TÁCITO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SEVERINO SOMBRA Quebra de sigilo em concurso vestibular CAIO TÁCITO Em face de denúncias de violação do sigilo em concurso vestibular para cursos mantidos pela Fundação Educacional

Leia mais

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Gabinete da Presidência PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo do Patrimônio

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Referência: 16853.000395/2014-53, 16853.000483/2014-55 e 16853.000484/2014-08.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Referência: 16853.000395/2014-53, 16853.000483/2014-55 e 16853.000484/2014-08. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 16853.000395/201-53, 16853.00083/201-55 e 16853.0008/201-08. Assunto: Restrição de acesso: Recurso contra decisão denegatória ao

Leia mais

2006-02-17 - PGT-CCR-67-2006

2006-02-17 - PGT-CCR-67-2006 Processo-PGT-CCR - 67/2006 Interessado 1: Ofícios de Uberlândia e Juiz de Fora(PRT 3ª Região) Interessado 2: PRT 3ª Região Assunto: Conflitos de atribuições entre Ofício e Sede (3ª Região) VOTO I - RELATÓRIO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.475 RIO GRANDE DO SUL RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO MONITORIA

MATERIAL DE APOIO MONITORIA Delegado Federal Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.01.2010 Aula n.º 08 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigos Correlatos 1.1 Lançamento por homologação 2. Jurisprudência

Leia mais

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013.

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013. AVISO CGJ Nº 26 de 30 de Janeiro de 203. O Desembargador ANTONIO JOSÉ AZEVEDO PINTO, Corregedor Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o. 222 1 a. PARTE ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N o. 42/2010-DG/DPF,

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 Dispõe sobre o procedimento de reconstituição e restauração dos autos de processos do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 14ª REGIÃO JI-PARANÁ/RO Órgão Oficiante: DRA. PRISCILA LOPES PONTINHA ROMANELLI Interessado 1: ROBERTO NASCIMENTO DA SILVA Interessado 2: BANCO DO BRASIL S/A (AGÊNCIA DE SERINGUEIRAS) Assunto:

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PTM de Sorocaba / 15ª Região Suscitante: Dra. Guiomar Pessotto Guimarães PTM de Araçatuba/15ª Região Suscitada: Dra. Ana Carolina Marinelli Martins - PTM de Sorocaba/15ª Região Assunto: Conflito

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO DESPACHO Referência: 16853.007273/2012-26 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação requerido ao Ministério da Fazenda pelo Senhor Ministro de Estado Chefe da, 1. O presente

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 2380.0070/201-0 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão denegatória

Leia mais

SENTENÇA. O demandante ressalta que nos 7 (sete) anos anteriores a sua posse no Cargo de Oficial de Justiça desempenhava as funções de Agente de

SENTENÇA. O demandante ressalta que nos 7 (sete) anos anteriores a sua posse no Cargo de Oficial de Justiça desempenhava as funções de Agente de MANDADO DE SEGURANÇA SENTENÇA Nº 512 A /2012 PROCESSO Nº 63946-77.2011.4.01.3400 CLASSE 2100 IMPETRANTE ADVOGADO IMPETRADO :ADALMI FERNANDES CARNEIRO :Dr. Rodrigo Luciano Riede :DELEGADA SUPERINTENDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO *Nº 005/2008. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS faz saber que o

RESOLUÇÃO *Nº 005/2008. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS faz saber que o RESOLUÇÃO *Nº 005/2008 Resolução publicada no DOE de 13/08/2008. *Errata, correção de numeração, no Doe de 14.10.08. Aprovada pela Lei Complementar nº 565 de 21 de julho de 2010, publicada no DOE de 22

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 1 RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 Dispõe sobre o Regimento Interno da Junta Recursal do Programa Estadual de Proteção e Defesa ao Consumidor JURDECON e dá outras providências. O Colégio de Procuradores de Justiça

Leia mais

I DOS PRESSUPOSTOS FÁTICOS:

I DOS PRESSUPOSTOS FÁTICOS: EXMO. SR.DR. JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE. VARA CÍVEL E COMERCIAL DA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, por intermédio do seu representante legal infraassinado, no exercício de uma de suas atribuições

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070500071489/PR RELATORA : Juíza Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : FRANCISCA DE OLIVEIRA RODRIGUES RECORRIDA : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL VOTO DIVERGENTE

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE RESOLUÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Introdução

INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE RESOLUÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Introdução INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE RESOLUÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Introdução A presente nota tem por objetivo apresentar as instruções básicas para preenchimento e remessa dos

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário. Classe: Classe II

Tribunal de Contas da União. Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário. Classe: Classe II Tribunal de Contas da União Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário Classe: Classe II Sumário: Solicitação de Auditoria na Prefeitura Municipal de Cajuri - MG, para esclarecer questões

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA

RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA O Presidente da Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará, no uso das atribuições que lhes são conferidas, etc CONSIDERANDO a decisão da Assembleia

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: Suscitante: Suscitada: Assunto(s): PRT 15ª Região Rafael de Araújo Gomes (PTM de Araraquara) Cristiano Lourenço Rodrigues (PTM de Presidente Prudente) Conflito negativo de atribuições entre membros

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). IMPTTE : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ADV/PROC : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JÚNIOR E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (SOUSA)

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Inquérito Civil Público Autos n.º 1.14.000.001665/2012-31 RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º. Compete à Comissão de Prerrogativas a efetivação prática do disposto no inciso III do artigo 2º do Estatuto

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO CCR/PP/249/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ORIGEM: PTM DE SANTARÉM/PA PRT DA 8ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DR. VITOR BAUER FERREIRA DE SOUZA INTERESSADO 1: ALFA SUPERMERCADO LTDA INTERESSADO

Leia mais

NOTIFICAÇÃO Nº 007.2015.59.1.1.930434.2014.56225

NOTIFICAÇÃO Nº 007.2015.59.1.1.930434.2014.56225 NOTIFICAÇÃO Nº 007.2015.59.1.1.930434.2014.56225 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS, pela Promotora de Justiça Dra. DELISA OLÍVIA VIEIRALVES FERREIRA, no exercício regular de suas atribuições institucionais,

Leia mais