Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa - NPGP Mestrado Acadêmico e Doutorado em Medicina e Biomedicina Mestrado Profissional em Educação em Diabetes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa - NPGP Mestrado Acadêmico e Doutorado em Medicina e Biomedicina Mestrado Profissional em Educação em Diabetes"

Transcrição

1

2

3 Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa - NPGP Mestrado Acadêmico e Doutorado em Medicina e Biomedicina Mestrado Profissional em Educação em Diabetes ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE

4 Manual do Aluno Elaboração Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH Rua Domingos Vieira, 590 Santa Efigênia Belo Horizonte / MG CEP Tel.: (31) santacasabh.org.br Diretor Técnico Erlon Campelo Câmara Equipe Administrativa Aline Carla Xavier de Oliveira Guilherme Analista Administrativo Mariana da Silva Teixeira Estagiária Shirley de Medeiros Rodrigues Assistente I Zélia Maria dos Santos Assistente II Organização Assessoria de Comunicação Institucional do Grupo Santa Casa BH Projeto Gráfico G30 Gestão de Marcas

5 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH Conselho da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Provedor Saulo Levindo Coelho 1º Secretário Lindolfo Coelho Paoliello 2º Secretário Roberto Otto Augusto de Lima Agostinho Patrus Filho Carlos Batista Alves de Souza Jésus Trindade Barreto Júnior João Batista do Couto José Ângelo Lima Duarte José Fernando Aparecido de Oliveira José Rafael Guerra Pinto Coelho Luiz Fellipe de Lima Vieira Maria Regina Calsolari Newton Paiva Ferreira Filho Olguinha Géo Leite Soares Oswaldo Fortini Levindo Coelho Reynaldo Arthur Ramos Ferreira Wladimir Eustáquio Costa Conselho Fiscal Amilcar Viana Martins Carlos Ediber Richard Carvalhais Christiano Renault Delson de Miranda Tolentino João Afonso Baeta da Costa Machado Saulo Converso Lara Secretária da Irmandade Abadia Nunes do Nascimento Comitê Executivo Operacional Superintendente-geral Porfírio Marcos Rocha Andrade Superintendente de Assistência à Saúde Guilherme Gonçalves Riccio Superintendente de Planejamento, Finanças e Recursos Humanos Gonçalo de Abreu Barbosa Diretor Clínico Hermann Alexandre Vivacqua Von Tiesenhausen Vice-Diretor Clínico Francisco Eustáquio Valadares Diretor Técnico do Instituto de Ensino e Pesquisa Erlon Campelo Câmara

6 Manual do Aluno Sumário Apresentação NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA (Stricto Sensu) REGULAMENTAÇÃO COLEGIADO DE COORDENAÇÃO DIDÁTICA CCD ESTRUTURA CURRICULAR SISTEMA DE CRÉDITOS RENDIMENTO ESCOLAR CALENDÁRIO ESCOLAR FREQUÊNCIA MUDANÇA DE ORIENTADOR MUDANÇA DE NÍVEL APROVEITAMENTO DE CRÉDITOS LICENÇA MATERNIDADE PAGAMENTO DESLIGAMENTO OU TRANCAMENTO DE CURSO JUBILAMENTO MANUAL PARA NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS - IEP PLÁGIO DEFESA DE TESE Tese de Doutorado AGENDAMENTO DA DEFESA GRAUS ACADÊMICOS E DIPLOMAS DIPLOMAS... 17

7 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO EM DIABETES COORDENAÇÃO CARGA HORÁRIA DURAÇÃO LINHAS DE PESQUISA DISCIPLINAS MESTRADO ACADÊMICO EM MEDICINA E BIOMEDICINA DOUTORADO EM MEDICINA E BIOMEDICINA COORDENAÇÃO CARGA HORÁRIA DURAÇÃO LINHAS DE PESQUISA DISCIPLINAS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS... 24

8 Manual do Aluno 6

9 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH Apresentação Consolidando a tradição da Santa Casa BH como Hospital-Escola e oferecendo suporte integral às atividades de ensino, o Instituto de Ensino e Pesquisa desenvolve, junto a seus gestores, cursos dinâmicos e atuais que vão de encontro às necessidades crescentes do mercado da saúde. Sempre atento à congruência da teoria/prática com competência profissional, o IEP oferece cursos de Mestrado, Doutorado, Pós-Graduação Lato Sensu, Residência e Especialização Médica, Residência Multiprofissional, Técnico e Extensão com Ênfase na Área de Saúde. Os programas ofertados visam a formação profissional especializada por meio de processo diferenciado na transmissão e multiplicação do conhecimento. Nesta perspectiva, seus cursos são desenvolvidos a partir de uma construção didática e pedagógica inovadora, fundamentada pela constante avaliação e reflexão da prática em consonância com a teoria. Pretende-se, com esta proposta, assegurar no mercado não só um lugar de destaque, mas de referência na educação em saúde. Este manual, enfim, tem o objetivo de informar o corpo discente sobre as diretrizes acadêmicas, pedagógicas e administrativas relativas aos cursos de Mestrado e Doutorado. O Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa desenvolve esse trabalho para orientar os alunos desde o momento em que são inseridos no programa de Pós-Graduação até o término do mesmo, esclarecendo-os em sua jornada acadêmica/científica através da união entre a pesquisa básica, clínica e aplicada - aliadas ao conhecimento teórico - qualificando-os como mestres e doutores. Versão digital deste manual disponível no portal santacasabh.org.br 7

10 Manual do Aluno NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA (Stricto Sensu) O Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH, por intermédio do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa, tem o reconhecimento dos seguintes programas de Pós-Graduação: Mestrado Profissional em Educação em Diabetes Mestrado Acadêmico e Doutorado em Medicina e Biomedicina REGULAMENTAÇÃO Os cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu compreendem programas de Mestrado e Doutorado abertos a candidatos diplomados em cursos superiores de graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino e ao edital de seleção dos alunos (art. 44, III, Lei nº 9.394/1996.). Os cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu são sujeitos às exigências de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento previsto na legislação - Resolução CNE/CES nº 1/2001, alterada pela Resolução CNE/CES nº 24/2002. COLEGIADO DE COORDENAÇÃO DIDÁTICA CCD O Colegiado de Coordenação Didática (CCD) do Programa de Pós-Graduação tem caráter normativo e deliberativo. É presidido pelo Coordenador do Programa e formado por docentes permanentes eleitos e/ou por indicação pela Direção Superior da Instituição. O número é definido por percentual em relação ao número total do corpo de docentes permanentes. A composição do nosso Colegiado corresponde a 50% do número total de docentes permanentes, o Diretor do Instituto, um representante do corpo administrativo e uma representação discente, também eleita pelos pares e com mandato de 3 anos sendo permitida recondução. Cada membro titular tem o seu respectivo suplente. A critério do coordenador, os membros suplentes poderão ser convidados para as reuniões com direito a voz sem voto. Dentre outras funções o Colegiado do Programa se encarrega de: I - Orientar e coordenar as atividades do Programa; II - Propor ao NPGP criação, transformação e extinção de disciplinas; 8

11 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH III - Sugerir ao NPGP alterações no Regulamento, sempre que considerar pertinente; IV - Aprovar instruções complementares que se façam necessárias ao bom andamento do Programa; V - Submeter, anualmente, à aprovação do NPGP sugestões sobre o número de vagas a ser oferecido, bem como critérios para seleção dos candidatos; VI - Decidir sobre questões referentes a processo de seleção, matrícula, dispensa de disciplina, transferência, aproveitamento e revalidação de créditos; VII - Estabelecer procedimentos que assegurem ao estudante uma orientação efetiva; VIII - Tomar conhecimento das representações pertinentes ao Programa; IX - Apreciar e propor ajustes, acordos e convênios de cooperação de caráter acadêmico ou financeiro que sejam de interesse para o desenvolvimento do Programa; X - Indicar ao NPGP nomes para constituírem Comissões Examinadoras de Dissertação ou Tese; XI - Recomendar ao NPGP indicação e substituição de orientadores; XII - Elaborar parecer sobre reconhecimento de certificados e diplomas de cursos de mestrado e/ou doutorado, emitidos por outras instituições; XIII - Propor ou opinar sobre a exclusão de estudantes do Programa, em consequência de razões acadêmicas ou disciplinares; XIV - Solucionar os casos não previstos no Regulamento e as dúvidas que porventura surgirem na sua aplicação. Cabe ao Coordenador representar, perante órgãos fiscalizadores e avaliadores de programas stricto sensu (MEC/CAPES), junto às agências de fomento (CAPES, FINEP, CNPq, FAPs, empresas públicas ou privadas) e outros programas congêneres. Além de propor ao Colegiado e à direção do Instituto de Ensino e Pesquisa medidas que visem o crescimento e evolução futura do Programa nos contextos nacional e internacional. 9

12 Manual do Aluno ESTRUTURA CURRICULAR A estrutura curricular será constituída de disciplinas obrigatórias e optativas, que serão ministradas sob a forma de preleção, seminários, grupos de discussão, atividades práticas e outros processos didáticos. SISTEMA DE CRÉDITOS O crédito constitui a medida básica do trabalho escolar do estudante, correspondendo cada crédito a 15 horas de aula teórica, prática ou trabalho equivalente a critério do orientador. Mediante sugestão do orientador poderá exigir do respectivo estudante frequência em disciplinas, cursos ou estágios, com ou sem direito a créditos. Os créditos relativos a cada disciplina só serão conferidos ao estudante que lograr na mesma, pelo menos o conceito D e terão validade de 5 anos. RENDIMENTO ESCOLAR O rendimento escolar de cada estudante será expresso em notas e conceitos, de acordo com a seguinte escala: CONCEITO CLASSIFICAÇÃO NOTA A Excelente 90 a 100 B Ótimo 80 a 89 C Bom 70 a 79 D Regular 60 a 69 E Fraco 40 a 59 F Nulo 0 a 39 Será aprovado na disciplina o estudante que obtiver conceito A, B, C ou D. Será reprovado aquele que obtiver conceito E ou F. Será afastado do Curso o estudante que obtiver conceito E ou F em mais de uma disciplina por mais de duas vezes. 10

13 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH CALENDÁRIO ESCOLAR A matriz curricular é divulgada no ato da matrícula. As disciplinas são organizadas de maneira a possibilitar a conclusão dos créditos necessários para titulação, no primeiro ano de curso. As disciplinas ministradas no primeiro semestre não se repetem no segundo, com exceção daquelas com aulas práticas e daquelas divididas por módulos. FREQUÊNCIA Será considerado reprovado na disciplina o estudante que ultrapassar 25% de falta. MUDANÇA DE ORIENTADOR Todo candidato admitido ao Programa de Pós-Graduação será supervisionado por um orientador ou mais de um, sendo que estes poderão ser substituídos pelo NPGP, ouvido o Colegiado de Coordenação Didática. MUDANÇA DE NÍVEL O estudante de Mestrado pode pleitear a mudança de nível para o Doutorado, desde que atenda os seguintes quesitos: I - Estar trabalhando ativamente no seu projeto de pesquisa, considerado de nível adequado ao Doutorado; II - Apresentar resultados preliminares, indicadores de bom desempenho e sucesso na conclusão do projeto de pesquisa; III - Tiver obtido conceitos A ou B em todas as disciplinas cursadas. APROVEITAMENTO DE CRÉDITOS O aluno poderá, em caráter especial, solicitar ao Colegiado a validação de créditos obtidos em disciplinas cursadas em outros programas stricto sensu aprovados pela CAPES. O Colegiado analisará caso a caso. 11

14 Manual do Aluno LICENÇA MATERNIDADE Em conformidade com a Lei nº 6.202, de 17 de abril de 1975, a partir do oitavo mês de gestação e durante três meses a estudante em estado de gravidez ficará assistida pelo regime de exercícios domiciliares. O início e o fim do período em que é permitido o afastamento serão determinados por atestado médico a ser apresentado à direção da escola. Em casos excepcionais devidamente comprovados mediante atestado médico, o período de repouso poderá ser aumentado, antes e depois do parto. PAGAMENTO As parcelas vencerão sempre no dia 1º de cada mês, podendo ser pagas, sem juros e multa, até o 5º dia útil do mês de vencimento, mediante emissão de documento bancário, excetuando-se a primeira parcela que deverá ser paga na data de efetivação da matrícula. O boleto bancário para pagamento das mensalidades será enviado pelo correio/ portal e, no caso de não recebimento do documento até a data do vencimento, o ALUNO deverá solicitar uma segunda via no setor financeiro da instituição, ou poderá realizar o pagamento diretamente no mesmo setor. Havendo atraso no pagamento das parcelas, será devida uma multa de 2% sobre o valor da parcela, acrescido de juros de mora de 1% ao mês. DESLIGAMENTO OU TRANCAMENTO DE CURSO Para trancamento da matrícula e/ou desligamento do curso, o aluno deverá: a. Ter no mínimo 6 meses de frequência, no caso de trancamento de matrícula; b. Protocolar o pedido na secretaria do curso, com antecedência mínima de 30 dias; c. Estar em dia com as mensalidades e quitar o valor correspondente a multa de 10% sobre o valor total do curso escolhido, conforme cláusula 5.1 e 12.1 supra. 12

15 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH JUBILAMENTO O aluno poderá ser jubilado do curso pelos seguintes motivos: 1) Abandono do programa sem justificativa em período superior a 12 meses; 2) Identificação de plágio ou autoplágio em dissertações, teses, revisões, monografias e outros, de acordo com a Lei nº 9.610/98 (artigos 7, 22 a 24, 33, 184 e 299); 3) Atitudes que possam denegrir a imagem de alunos, professores e instituição; 4) O jubilamento não isenta o pagamento das mensalidades. MANUAL PARA NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS - IEP O manual foi elaborado com o objetivo de orientar quanto à utilização das normas técnicas de apresentação de trabalhos acadêmicos e científicos, visando atender às necessidades de alunos, professores e pesquisadores quanto à elaboração, desenvolvimento e normalização de trabalhos acadêmicos, científicos, artigos, monografias, dissertações e teses. PLÁGIO Não será admitida qualquer forma de plágio relacionado às atividades acadêmicas, bem como aqueles identificados no trabalho de conclusão do curso. O plágio é crime previsto na Lei nº 9.610/98 (Lei do Direito Autoral LDA); Art. 184 e seus parágrafos do Código Penal; Art do Código Civil; e, Art. 5º da Constituição da Republica Federativa do Brasil. DEFESA DE TESE Dissertação de Mestrado 1º) O Projeto de Dissertação, depois de aprovado pelo orientador, deverá ser encaminhado ao Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos - CEP ou pelo Comitê de Ética em Pesquisa Animal, para aprovação final, após o quê deverá ser registrado na Secretaria do NPGP. 2º) Deverão constar no projeto: título, justificativa, revisão da literatura, material 13

16 Manual do Aluno e métodos, fases do trabalho e seu cronograma de execução, estimativa de custos, assinatura do candidato e do orientador. 3º) A dissertação deverá obedecer às normas do Manual para Normalização de Trabalhos Acadêmicos e Científicos IEP. 4º) Antes da defesa de dissertação, o trabalho de pesquisa deverá ser avaliado por um relator, indicado pelo Colegiado de Coordenação Didática. 5º) Diante do parecer favorável do relator, o estudante deverá fazer as adequações sugeridas no parecer e reapresentar o trabalho corrigido, seguido de carta do orientador, sugerindo data da defesa de dissertação e membros da banca examinadora. 6º) Após autorização do Colegiado de Coordenação Didática (CCD), o estudante, devidamente autorizado pelo orientador, deverá apresentar à secretaria do NPGP um exemplar para cada membro da banca examinadora, acompanhados de requerimento solicitando providências necessárias para a defesa pública. 7º) A defesa de dissertação de Mestrado será realizada em sessão pública, perante uma Comissão Examinadora indicada pelo CCD, constituída de pelo menos um membro portador do grau de doutor ou título equivalente, e no máximo um membro portador do título de mestre, sendo que o orientador atuará como Presidente da Comissão. 8º) O estudante terá cinquenta minutos para apresentar seu trabalho de dissertação, em seguida segue a arguição pelos membros da banca examinadora, que no final se reúnem sem a presença do público e do aluno, para emissão do parecer final. 9º) Sendo aprovado, será entregue ao aluno uma cópia da ATA da defesa de dissertação de Mestrado. 14

17 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH Tese de Doutorado 1º) O Projeto de Tese, depois de aprovado pelo orientador, deverá ser encaminhado ao Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos - CEP ou pelo Comitê de Ética em Pesquisa Animal, para aprovação final, após o que deverá ser registrado na secretaria do NPGP. 2º) Deverão constar no projeto: título, justificativa, revisão da literatura, material e métodos, fases do trabalho e seu cronograma de execução, estimativa de custos, assinatura do candidato e do orientador. 3º) A tese deverá obedecer às normas do Manual para Normalização de Trabalhos Acadêmicos e Científicos IEP. 4º) Exame de Qualificação: será realizado num prazo máximo de 24 meses, após a matrícula inicial e versará sobre conhecimentos teóricos, práticos e metodológicos contidos no projeto de tese de doutoramento. Para ser admitido ao Exame de Qualificação o estudante deverá possuir resultados preliminares, indicadores de capacidade de conclusão com sucesso do projeto proposto, referendados por uma Comissão de Avaliação indicada pelo Colegiado de Coordenação Didática. O projeto deverá conter: introdução, material e métodos, resultados preliminares e revisão bibliográfica. O orientador encaminha carta ao Coordenador do Programa de Pós-Graduação, atestando que o aluno apresenta resultados suficientes e está apto para o Exame de Qualificação, com sugestão dos membros da banca examinadora, em número de três membros, para ser submetido à análise e aprovação do Coordenador. No caso de insucesso no Exame de Qualificação, poderá o estudante submeter-se a novo exame, dentro do prazo máximo de 6 meses. Se aprovado, o aluno continua seu trabalho, até a finalização e defesa de tese de Doutorado. 5º) Antes da defesa de tese, o trabalho de pesquisa deverá ser avaliado por um relator, indicado pelo Colegiado de Coordenação Didática. 6º) Diante do parecer favorável do relator, o estudante deverá fazer as adequações sugeridas no parecer e reapresentar o trabalho corrigido, 15

18 Manual do Aluno seguido de carta do orientador, sugerindo data da defesa de tese e membros da banca examinadora. 7º) Após autorização do Colegiado de Coordenação Didática (CCD), o estudante, devidamente autorizado pelo orientador, deverá apresentar à secretaria do NPGP um exemplar para cada membro da banca examinadora, acompanhados de requerimento solicitando providências necessárias para a defesa pública. 8º) A defesa de tese de Doutorado será realizada em sessão pública, perante uma Comissão Examinadora indicada pelo CCD, constituída de pelo menos três membros portadores do grau de doutores ou títulos equivalentes, e no máximo um membro portador do título de mestre, sendo que o orientador atuará como Presidente da Comissão. 9º) O estudante terá cinquenta minutos para apresentar seu trabalho de tese, em seguida segue a arguição pelos membros da banca examinadora, que no final se reúnem sem a presença do público e do aluno, para emissão do parecer final. 10º) Sendo aprovado, será entregue ao aluno uma cópia da ATA da defesa de tese de Doutorado. AGENDAMENTO DA DEFESA O aluno deverá: Concluir projeto de pesquisa; Submeter artigo em revista indexada; Obter aprovação no número mínimo de créditos; Estar em dia com as mensalidades; Entregar cópias do trabalho de conclusão de curso correspondente ao nº de membros da banca examinadora. 16

19 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH GRAUS ACADÊMICOS E DIPLOMAS Para obter o grau de Mestre, o aluno deverá, no prazo mínimo de um ano, satisfazer as seguintes exigências: a. Completar o número de créditos exigidos; b. Ser aprovado na defesa de dissertação; c. Apresentar trabalho escrito para publicação. Para obter o grau de Doutor, o aluno deverá, no prazo mínimo de dois anos, satisfazer as seguintes exigências: a. Submeter-se ao exame de qualificação e ser aprovado; b. Ser aprovado na defesa de tese; c. Apresentar trabalho submetido. DIPLOMAS Os diplomas de Mestre e Doutor deverão ser solicitados pelos alunos na Secretaria Integrada de Gestão Acadêmica SIGA, mediante requerimento, onde será retirada a guia GRU (Guia de Recolhimento da União) para pagamento. A GRU deverá ser entregue quitada para ser anexada a documentação para registro do diploma. O aluno deverá estar com a documentação completa, além de entregar o trabalho de dissertação de mestrado ou tese de doutorado, de acordo com as normas do Manual para Normalização de Trabalhos Acadêmicos e Científicos IEP. 17

20 Manual do Aluno MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO EM DIABETES O Mestrado Profissional em Educação em Diabetes obteve o reconhecimento com nota 3 pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES/MEC (Parecer Homologado pelo CNE: Port. MEC 1331, de 08/11/2012, DOU 09/11/2012, sec 1, p. 8). Trata-se do primeiro Curso de Mestrado do país voltado para educação em diabetes e tem como objetivo capacitar profissionais de saúde como Educador em Diabetes. O curso tem o objetivo de consolidar a profissão de Educador em Diabetes, profissional habilitado a realizar atendimento e educação integral a diabéticos e familiares, tanto em nível de cuidados especiais e qualidade de vida, quanto com o objetivo primordial de educar para o autocuidado na prevenção de complicações crônicas da doença. O educador será qualificado ainda na capacitação de outros profissionais da área da saúde e na gestão de programas de educação em níveis público privado, com ênfase na pesquisa clínica e fortalecimento de intervenções com impacto no SUS. COORDENAÇÃO Dra. Janice Sepúlveda Reis CARGA HORÁRIA 315 horas/aula (21 créditos) DURAÇÃO 24 meses 18

21 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH LINHAS DE PESQUISA 1) Ensino e Aprendizagem no Diabetes 2) Educação em Diabetes para o Autocuidado 3) Educação em Diabetes para Familiares 4) Educação em Diabetes na Comunidade 5) Aplicação da Contagem de Carboidratos no Alcance de Metas Glicêmicas 6) Educação em Diabetes para Deficientes Visuais 7) Educação em Diabetes no Analfabetismo 8) Adequação Cultural e Psicossocial do Diabetes 9) Abordagem das Complicações Crônicas do Diabetes 10) Educação do Diabético em Ambiente Hospitalar DISCIPLINAS Disciplinas Obrigatórias Professor Créditos Abordagem Médica do Diabetes Módulos 2 Abordagem da Neuropatia Diabética e Pé Diabético Maria Regina Calsolari P. Souza / Maria Elisabeth Rennó Atenção Farmacêutica Ana Cristina Nascimento 1 Bioestatística Carlos Maurício de Figueiredo Antunes 2 Controle do Metabolismo Marcus Vinícius Gomez 2 Educação Física Albená Nunes 2 Enfermagem Cristiane Vieira 2 Nutrição Marcela Lobato 2 Psicologia Paula Lamego 2 Seminário Janice Sepúlveda Reis 1 Prática Ambulatorial Janice Sepúlveda Reis

22 Manual do Aluno Disciplinas Optativas Professor Créditos Bioética Epidemiologia e Desenho de Pesquisa Técnicas Processamento e Análise de Dados no SPSS Francisco das Chagas Lima e Silva Carlos Maurício de Figueiredo Antunes Francisco das Chagas Lima e Silva MESTRADO ACADÊMICO EM MEDICINA E BIOMEDICINA DOUTORADO EM MEDICINA E BIOMEDICINA O curso recebeu nota 4 na Capes/MEC (PARECER HOMOLOGADO: Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 1 /6/2010, Seção 1, Pág.33. Portaria n 1045, publicada no D.O.U. de 19/8/2010, Seção 1, Pág.10). O curso tem como objetivos formar Mestres e Doutores nas áreas de Medicina e Biomedicina, através de um modelo integrado interdisciplinar, preferencialmente nas interfaces das áreas afins, visando formar recursos humanos de alta qualidade, ampliar conhecimentos, integrar saberes e promover pesquisa e convivência entre pesquisadores de experiências diversas. COORDENAÇÃO Dr. José Augusto Nogueira Machado CARGA HORÁRIA Mestrado Acadêmico: 225 horas/aula (15 créditos) + 05 créditos (trabalho de Dissertação de Mestrado) Doutorado: 300 horas/aula (20 créditos) + 10 créditos (trabalho de Tese de Doutorado)

23 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH DURAÇÃO Mestrado: 24 meses Doutorado: 48 meses LINHAS DE PESQUISA 1) Associação de Polimorfismos Genéticos, Doenças Neurológicas Autoimunes e Biomarcadores. 2) Bases Moleculares do Câncer 3) Bases Moleculares da Infecção por HPV e HIV 4) Biomarcadores Cardiovasculares 5) Cicatrização 6) Diabetes e Obesidade 7) Doença Arterial Periférica 8) Educação em Diabetes 9) Epidemiologia em Processos Tumorais 10) Epidemiologia: Envelhecimento, Doenças Infecciosas e Parasitárias 11) Farmacogenética 12) Farmacologia de Venenos e Toxinas / Sinalização Celular 13) Genética Humana e Médica 14) Imunorregulação de Doenças Humanas; Respostas Imunes e Protetoras 15) Inflamação e Sinalização Metabólica no Diabetes 16) Investigação Diagnóstica, Molecular e Sinalização Prognóstica no Câncer de Mama 17) Marcadores Celulares em Doenças Tropicais 18) Micologia: Micoses Sistêmicas, Subcutâneas e Superficiais 19) Neurologia; Aspectos Clínicos, Epidemiológicos e Fisiopatológicos das Doenças Neurológicas 20) Neurologia: Mecanismo das Doenças Cerebrovasculares 21) Oncologia Clínica: Bases Moleculares do Câncer Diferenciado da Tireóide 22) Oncologia: Fisiopatologia e Marcadores Celulares em Tumores de Cólon e Reto 21

24 Manual do Aluno 23) Polomorfismos Genéticos e Expressão de Moléculas não Clássicas do Complexo Principal da Histocompatibilidade em Neoplasias 24) Sinalização Celular e Estudo de Biomarcadores Inflamatórios 25) Sistema Mononuclear Fagocitário DISCIPLINAS Disciplinas Obrigatórias Professor Créditos Bases Moleculares das Reações Imunológicas Bioestatística Bioética José Augusto Nogueira Machado Carlos Maurício de Figueiredo Antunes Francisco das Chagas Lima e Silva Biologia molecular Renata Toscano Simões 2 Epidemiologia e Desenho de Pesquisa Carlos Maurício de Figueiredo Antunes Métodos de Laboratório Marcus Vinícius Gomez 3 Seminário Geraldo Magela Gomes da Cruz Disciplinas Optativas Professor Créditos Aspectos Fisiopatológicos da Cicatrização Luiz Ronaldo Alberti 1 Biofísica da Dor Marcus Vinícius Gomez / Célio José C. Júnior 1 22 Biologia Molecular e Marcadores Tumorais no Câncer de Mama Francisco das Chagas L. Silva / Clécio Enio M. Lucena Citometria de Fluxo Kenneth John Gollob 1 Conceitos Básicos em Genética Humana e Médica Fernanda Sarquis Jehee 2 2

25 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH Disciplinas Optativas Professor Créditos Controle do Metabolismo Marcus Vinícius Gomes 2 Didática Adla Betsaida Martins Teixeira 1 Doenças Cerebrovasculares: Bases Clínicas Fisiopatológicas Atos Alves de Souza 1 Estrutura e Função do MHC e Receptores de Células T Kenneth John Gollob 1 Farmacogenética Karla Simone da Silva Fernandes 2 Genética e Biologia Molecular em Câncer de Colon e Reto HPV da Genética ao Câncer Imunoensaios e Interferentes na Tireoglobina em Câncer Imunogenética e Imunologia de Transplantes Micologia: Bases Clínicas e Moleculares Modelo Experimental em Infecção do Sistema Nervoso Central Moléculas Não Clássicas do MHC: Associação com Doenças Sinalização nas Complicações Microvasculares do Diabetes 2 Técnicas de Processamento e Análise de Dados no Software SPSS" Geraldo Magela Gomes da Cruz Renata Toscano Simões/ Maria Inês Miranda Lima Pedro Weslley Souza do Rosário Evaldo Nascimento / Walter Antônio Pereira Rachel Basques Caligiorne 2 Paulo Pereira Christo 1 Renata Toscano Simões 1 Adriana Aparecida Bosco 1 Francisco das Chagas Lima e Silva

26 Manual do Aluno SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Secretaria Integrada de Gestão Acadêmica SIGA Atendimento ao aluno no que diz respeito à matrícula/rematrícula, solicitações e entrega de documentos. Telefone: (31) Horário de funcionamento: segunda a sexta de 8h às 18h30min / sábado de 8h às 12h Administração - Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa NPGP Coordenação da parte administrativa e financeira dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu. Telefone: (31) / / Horário de funcionamento: segunda a quinta de 7h às 17h / Sexta de 7h às 16h Financeiro Responsável pela emissão de boletos, pagamentos. Telefone: (31) Horário de funcionamento: segunda a quinta de 8h às 18h / sexta de 8h às 17h Biblioteca / Sala de estudos Telefone: (31) Horário de funcionamento: segunda a sexta de 8h às 12h e de 13h às 22h Logística e Operação Telefone: (31) Comitê de Ética em Pesquisa da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte CEP/SCMBH Telefone: (31) Horário de funcionamento: segunda a quinta de 9h às 12h e 13h às 17h / Sexta de 9h às 12h e 13h às 16h 24

27 Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH 25

28

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL NORMA PPGMT 004 VERSÃO 001.01 ELABORADO POR Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical DATA DE IMPLEMENTAÇÃO 10/05/2013 APROVADO

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Área de Concentração

Leia mais

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 2008-2020 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA BRASÍLIA / DF 2009 Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 Reg ECONOMIA.indd 2 6/9/2010 17:04:48 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL 1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Inovações Ambientais modalidade mestrado profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 -

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 - PÓS-GRADUAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS MESTRADO - DOUTORADO CONCEITO 4 - CAPES REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008 Fortaleza-Ceará

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO Título I Dos Objetivos Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH Título I - Natureza e Objetivos do Curso Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana PPGNH, composto pelos cursos de mestrado

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA Este roteiro não dispensa a leitura do Regulamento do Curso de Pós- Graduação Stricto Sensu Mestrado Acadêmico

Leia mais

NORMAS ACADÊMICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À SAÚDE

NORMAS ACADÊMICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À SAÚDE Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (0xx35) 3299-1392

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP.

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. RESOLUÇÃO UNESP Nº 30, DE 17 DE JUNHO DE 2010. Texto consolidado Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002/2014, DE 28 DE ABRIL DE 2014 CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 002/2014, DE 28 DE ABRIL DE 2014 CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 002/2014, DE 28 DE ABRIL DE 2014 CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG A Câmara de Pós-graduação (CPG) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG, conforme

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA Mestrado Profissional em Educação nas Profissões da Saúde CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA Mestrado Profissional em Educação nas Profissões da Saúde CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA Mestrado Profissional em Educação nas Profissões da Saúde CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Educação nas Profissões da Saúde,

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE Campus I Joinville 2008 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS... 03 CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica da UFABC (doravante,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

TÍTULO I DAS ENTIDADES

TÍTULO I DAS ENTIDADES RESOLUÇÃO Nº 444 DE 27 DE ABRIL DE 2006. 1205 Ementa: Dispõe sobre a regulação de cursos de pós-graduação lato sensu de caráter profissional. O Conselho Federal de Farmácia, no uso das atribuições que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1. - O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul)

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE I. DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação stricto sensu

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA Belém-PA, Maio/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 49/2002/CONEP Aprova reformulação das Normas de Pós-Graduação da UFS. O CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA da Universidade

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO A estrutura do Curso dará ênfase à formação do pós-graduando como docente-pesquisador. O Curso buscará atribuir

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em BIOINFORMÁTICA tem como objetivos: a formação de docentes,

Leia mais

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2008/CONEPE Aprova criação do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Título I / Das Finalidades Artigo 1 o O Instituto de Química da UFRJ oferece Programas de Pós-Graduação

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROPE Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM Art. 1º O Estágio de Docência no Ensino de Graduação tem como objetivos: I - instrumentalizar o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA 2012 COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA ❶ Coordenador Prof. Márcio Machado Ladeira ❷ Coordenador Adjunto

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é exigência obrigatória para integralização curricular

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Resolução PG-Mec 1/2010

Resolução PG-Mec 1/2010 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica (PG-Mec) Estabelece o Regimento do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Mecânica

Leia mais

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 085/2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 27/02/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.034121/2014-61, de acordo com o Parecer nº 006/2015

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO - VÁLIDO PARA ALUNOS QUE INGRESSARAM NO PPGEEL ATÉ MARÇO DE 2010 I - DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia da UFSC visa proporcionar a pesquisadores, docentes e profissionais

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da Pontifícia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais