REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Ifes) manterá a Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Inteligentes Aplicados a Automação, a qual conduzirá ao grau de Especialista em Engenharia Engenharia Elétrica. Art. 2º - Para executar os planos de ensino e pesquisa o curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica poderá promover intercâmbio com instituições acadêmicas, empresariais e com a comunidade em geral, visando ter com elas uma maior interação, mas resguardando o seu projeto institucional. Art. 3º - A Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica tem por objetivo a formação de pessoal qualificado, técnico-científico para o exercício das atividades profissionais de ensino superior e de pesquisa. I- A Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica envolverá disciplinas obrigatórias e uma disciplina optativa (Metodologia do Ensino Superior) e a preparação de uma monografia com revisão bibliográfica adequada. II- O aluno deve demonstrar capacidade de sistematização, domínio do tema e da metodologia científica pertinente. III- O aluno deverá observar o prazo máximo de 24 (vinte e quatro) meses, contados a partir da data de matrícula inicial, para a conclusão da especialização. Art. 4º - O grau obtido na Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica será denominado Especialista em Engenharia Elétrica. Art. 5º - As atividades da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica terão ampla publicidade e seus resultados serão divulgados em eventos técnicos e científicos, periódicos, e/ou outras formas equivalentes. 1

2 TÍTULO II DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA CAPÍTULO I DO COLEGIADO Art. 6º - O Colegiado da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica é a instância máxima de deliberação dos assuntos acadêmicos, constituído por todos os docentes permanentes, um representante discente e presidido pelo Coordenador Acadêmico. Art. 7º - São atribuições do Colegiado: I- eleger, entre os membros do corpo docente do Programa, por maioria absoluta, o Coordenador Acadêmico; II- orientar e coordenar as atividades do Programa, podendo recomendar a indicação ou a substituição de docentes; III- elaborar a matriz curricular do Programa com a indicação das disciplinas e seus prérequisitos; IV- decidir as questões referentes à matrícula como as representações e recursos impetrados; V- propor a criação, transformação, exclusão e extinção de disciplinas do Programa; VI- propor ao Coordenador Acadêmico do Curso e ao Diretor Geral do Campus as medidas necessárias ao bom funcionamento da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica; VII- aprovar, mediante análise de Currículo Lattes, os nomes dos professores que integrarão o Corpo Docente do Programa; VIII- designar junto aos respectivos orientadores a Comissão Avaliadora para avaliação das monografias; IX- acompanhar junto à Instituição e a outros setores as atividades do Programa; X- estabelecer as normas do Programa e/ou suas alterações; XI- estabelecer critérios para a admissão ao Programa; XII- estabelecer o número de vagas a serem ofertadas em concurso; XIII- aprovar a oferta de disciplinas do Programa; XIV- estabelecer procedimentos que assegurem aos alunos da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica a efetiva orientação acadêmica; 2

3 Art. 8º - As reuniões do Colegiado serão convocadas pelo Coordenador Acadêmico por iniciativa própria ou mediante pedido de pelo menos metade de seus membros. 1º - As reuniões ordinárias ocorrerão mensalmente, em dia e hora a serem estabelecidos pelo Colegiado. 2º - As reuniões extraordinárias carecem de convocação expressa do Coordenador Acadêmico, com no mínimo 02 (dois) dias de antecedência, juntamente com a pauta prevista para reunião. 3º - As reuniões ocorrerão com a presença da maioria simples de seus membros e terão caráter deliberativo. Art. 9º - As decisões do Colegiado serão tomadas pela maioria simples dos membros presentes à reunião, exceto nos casos em que uma regulamentação superior exija maioria absoluta. Art O Coordenador Acadêmico, além do voto comum, terá o voto de qualidade, nos casos de empate. CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO Art. 11 A Coordenação da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica será constituída por um Coordenador Acadêmico que terá mandato de 02 (dois) anos, permitida a recondução. Art São atribuições do Coordenador Acadêmico da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica: I- Convocar e presidir mensalmente as assembleias da coordenação do curso junto ao corpo II- III- IV- docente e representante do corpo discente; Encaminhar os processos e deliberações das assembleias da coordenação, quando necessário, para o Ifes e autoridades competentes; Responder e acompanhar o trâmite dos processos referentes ao curso; Promover entendimentos com a finalidade de obter recursos humanos e materiais para suporte e desenvolvimento do curso; V- Cumprir e fazer cumprir o regimento da Direção de Pesquisa e Pós-Graduação e dos VI- VII- órgãos do sistema Ifes no que couber; Prestar contas ao corpo docente e discente de todo o andamento do curso a cada final de semestre letivo, bem como, sempre que for solicitado por órgãos competentes do Ifes; Sempre que necessário realizar reuniões com a presença de todo o corpo discente, levando para a assembleia da coordenação sugestões ou problemas apresentados pelos alunos. 3

4 TÍTULO III DA ADMISSÃO CAPÍTULO I DO NÚMERO DE VAGAS Art O número de vagas da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica será aprovado pelo Colegiado em formulário próprio, até 45 (quarenta e cinco) dias antes da abertura das inscrições, vedada a divulgação de edital antes da aprovação final da matéria. Art Para o estabelecimento do número de vagas, o Colegiado levará em consideração, entre outros, os seguintes elementos: I- capacidade de orientação do Programa; II- fluxo de entrada e saída de alunos; III- linhas de pesquisa; IV- capacidade das instalações. CAPÍTULO II DA INSCRIÇÃO E ADMISSÃO AO PROGRAMA Art Para inscrever-se na Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica do Ifes Campus Vitória, o interessado deverá apresentar os seguintes documentos à Coordenadoria de Registros Acadêmicos do referido campus: I- formulário de inscrição, devidamente preenchido, acompanhado de 2 (duas) fotografias, tamanho 3 x 4 cm; II- III- IV- cópia do diploma de graduação, ou documento equivalente que comprove a conclusão da graduação; histórico escolar da graduação; currículo vitae; V- outros documentos que o Colegiado considerar pertinente, desde que divulgados em edital; VI- comprovar o pagamento da taxa ou a sua isenção. Art.16 A coordenação da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica realizará um processo seletivo regular por ano. No entanto, a critério do Colegiado um processo extraordinário poderá ser realizado para admissão, podendo ser então serem realizadas duas admissões por ano. 4

5 CAPÍTULO III DA MATRÍCULA Art O estudante admitido deverá requerer matrícula na Coordenadoria de Registros Acadêmicos do Campus Vitória, dentro do prazo estabelecido no calendário acadêmico. Art Durante a fase de elaboração da monografia até a apresentação, o estudante, deverá matricular-se em Monografia. TÍTULO IV DO REGIME DIDÁTICO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA CURRICULAR Art A estrutura curricular do Programa será definida por 8 (oito) disciplinas obrigatórias a serem cursadas 4 (quatro) por semestre, e uma disciplina optativa denominada Metodologia do Ensino Superior, que torna-se obrigatória para o discente que quiser utilizar o título de especialista concedido pela Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica para fins de registro e progressão em carreira acadêmica de docente. Art As disciplinas serão ministradas na modalidade presencial, sob a forma de preleções, seminários, discussões em grupo, trabalhos práticos ou outros procedimentos didáticos peculiares a cada área. Parágrafo Único - A criação, a transformação e a exclusão de disciplinas deverão ser propostas pelo Colegiado do Programa, sendo que qualquer modificação na estrutura curricular entrará em vigor no semestre seguinte ao de sua aprovação. CAPÍTULO II DO RENDIMENTO ACADÊMICO Art O rendimento acadêmico de cada estudante será expresso em notas e conceitos, de acordo com a seguinte escala: I- De 90 a A (Excelente) II- De 70 a 89 - B (Bom) III- De 60 a 69 - C (Regular) IV- Abaixo de 60 - D (Deficiente) 1º - O aluno que obtiver conceito A, B, ou C será considerado automaticamente aprovado na disciplina, desde que seja respeitada a frequência mínima exigida. 2º - O aluno que obtiver conceito D estará automaticamente desligado do curso. 5

6 CAPÍTULO III DA ORIENTAÇÃO Art O aluno regular da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica terá, a partir de sua admissão, a supervisão de um professor orientador participante do quadro docente do curso, o qual poderá ser substituído, caso seja de interesse de uma das partes. 1º- Cada linha de pesquisa será de responsabilidade de um ou mais professores-orientadores, cabendo a estes professores a orientação de projetos e monografias nesta linha. 2º- Compete ao Colegiado avaliar a substituição de orientador. Art A juízo do Colegiado, o pesquisador não vinculado ao corpo docente da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica, pertencente ao quadro de docentes efetivos do Ifes, poderá ser admitido como orientador de monografia, desde que constatada sua qualificação mediante análise de currículo Lattes e sendo aceita sua participação como colaborador. Art O professor orientador deverá orientar no mínimo 04 (dois) e no máximo 08 (oito) alunos. Art Compete ao orientador: I- orientar o estudante na organização de seu plano de estudo, bem como assisti-lo em sua formação na pós-graduação; II- assistir ao estudante na elaboração e na execução do seu projeto de monografia; III- presidir a Comissão Avaliadora da apresentação da monografia; IV- comunicar ao Colegiado a relação de alunos evadidos que estavam sob sua orientação. CAPÍTULO IV DA MONOGRAFIA Art O estudante, com a anuência do seu orientador, entregará a quantidade suficiente de exemplares da monografia correspondente aos examinadores da Comissão Avaliadora, com prazo de antecedência mínimo de 15 (quinze) dias úteis em relação à data prevista para a apresentação. Art O orientador solicitará ao Coordenador Acadêmico com, no mínimo de, 15 (quinze) dias de antecedência e mediante requerimento, as providências necessárias para a apresentação da monografia de seu orientando. Art A apresentação da monografia será pública e far-se-á perante Comissão Avaliadora indicada pelo Colegiado do Programa. Esta Comissão será constituída pelo orientador e por, no mínimo, mais 02(dois) membros portadores dos graus de doutor e/ou mestre, todos docentes do quadro efetivo do Ifes. 6

7 Art Considerar-se-á aprovado na apresentação da monografia o estudante que obtiver a aprovação da Comissão Avaliadora, estando os critérios de avaliação da monografia descritos no projeto acadêmico do referido curso. Art No caso de reprovação na apresentação da monografia, o Colegiado poderá dar oportunidade ao candidato de, por mais uma única vez, reformular e reapresentar o trabalho, dentro do prazo máximo de 24 (vinte e quatro) meses para conclusão do curso, mediante proposta justificada da Comissão Avaliadora. Parágrafo Único O prazo definitivo para reapresentação de monografias reprovadas em uma primeira avaliação será estabelecido pela Comissão Avaliadora. CAPÍTULO V DO GRAU ACADÊMICO Art. 31 Para obter o grau de especialista em Engenharia Elétrica o estudante deverá satisfazer às seguintes exigências: I- ser aprovado em todas as disciplinas da matriz curricular da Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica do Campus Vitória; II- apresentar, no mínimo, um seminário público, sobre um artigo científico correlato às linhas de pesquisa abordadas durante a Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica; III - ser aprovado na apresentação da monografia, por Comissão Avaliadora regimentalmente constituída. Art São condições para expedição dos diplomas de Especialista em Engenharia Elétrica: I- o estudante comprovar o cumprimento de todas as exigências regulamentares; II- III- a comprovação de entrega, na Biblioteca do Ifes, de 01 (um) exemplar impresso e outro em mídia digital da monografia aprovada e corrigida de acordo com as instruções da Comissão Avaliadora; a apresentação de nada consta emitido pela Biblioteca do Ifes. Art O Histórico Escolar, que será assinado pelo Diretor do Campus Vitória e pelo Coordenador da Coordenadoria de Registros Acadêmicos, deverá conter as seguintes informações referentes ao estudante: I- nome completo, filiação, data e local de nascimento, nacionalidade, grau acadêmico anterior; II- data de admissão no Programa; 7

8 III- número da cédula de identidade e nome do órgão que a expediu, no caso de estudante brasileiro ou estrangeiro com residência permanente, ou número de passaporte e local em que foi emitido, no caso de estudante estrangeiro sem visto permanente; IV- relação das disciplinas com as respectivas notas e conceitos, anos e períodos letivos em que foram cursadas; VII- data da aprovação da monografia; VIII- nome do professor orientador e dos demais membros da Comissão Avaliadora da dissertação. TÍTULO V DO JUBILAMENTO Art Será excluído do Programa o estudante que deixar de renovar sua matrícula. Art O aluno poderá ser desligado do Programa, por decisão do Colegiado, se seu rendimento acadêmico for considerado insatisfatório. Art. 36- O aluno reprovado pela segunda vez na apresentação da Monografia será automaticamente eliminado do Programa. Art O aluno que receber o conceito D em qualquer das disciplinas será automaticamente excluído do Programa. Art O aluno que não mantiver contato com seu orientador pelo período de 02 (dois) meses consecutivos poderá será desligado do Programa, mediante decisão do Colegiado. TÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art Os casos omissos neste Regimento serão resolvidos pelo Colegiado do Programa e registrados em Ata. Art Revogadas as disposições em contrário, este Regimento entrará em vigor na data de sua homologação pela Sub-Câmara de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão. 8

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

1.2 O CEI/FALE cumpre o disposto nas Normas Gerais de Pós- Graduação e na resolução vigente do Conselho Nacional de Educação.

1.2 O CEI/FALE cumpre o disposto nas Normas Gerais de Pós- Graduação e na resolução vigente do Conselho Nacional de Educação. 1. DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 O Curso de Especialização em Ensino de Inglês (CEI) constitui-se em atividade do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos Poslin da FALE-UFMG e tem

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA

FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA REGULAMENTO do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO (Texto emendado na Reunião do Conselho Departamental de 12/05/2011) Título I Da Natureza, Finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da Pontifícia

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

Pós-graduação em Zoologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais REGULAMENTO DO PROGRAMA CAPÍTULO I

Pós-graduação em Zoologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais REGULAMENTO DO PROGRAMA CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA CAPÍTULO I DO PROGRAMA, FINALIDADE E OBJETIVOS ART.1. A Pós-Graduação em Zoologia, do Departamento Zoologia do ICB da UFMG tem como finalidades básicas formar profissionais para

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADES FEDERAIS INTEGRADAS DE DIAMANTINA COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU A Coordenadoria Geral de Pesquisa

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS - MESTRADO PROFISSIONAL

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS - MESTRADO PROFISSIONAL FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS - MESTRADO PROFISSIONAL 1. RESPONSABILIDADES, OBJETIVOS, PÚBLICO ALVO E ESTRUTURA DO CURSO.

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO Art. 1º - O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAUDE COLETIVA (CESC), será coordenado pelo Departamento de

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - A Escola de Minas

Leia mais

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 - O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas constitui-se em atividade de Ensino do Departamento de Comunicação

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH Título I - Natureza e Objetivos do Curso Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana PPGNH, composto pelos cursos de mestrado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

CAPÍTULO I Do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Direitos dos Animais, Meio Ambiente e Pós-modernidade NIPEDA

CAPÍTULO I Do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Direitos dos Animais, Meio Ambiente e Pós-modernidade NIPEDA NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA E EXTENSÃO EM DIREITOS DOS ANIMAIS, MEIO AMBIENTE E PÓS-HUMANISMO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Direitos dos Animais,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 52/2011, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 52/2011, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ART. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que RESOLUÇÃO Nº 263 PÕE EM VIGÊNCIA O REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU O Reitor da Universidade Católica de Pelotas, no uso de suas atribuições, considerando os termos da proposta encaminhada

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA Regimento aprovado pelo CPG em 19/02/2003. TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art 1º O Curso de Pós Graduação a nível de Mestrado e Doutorado

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 72. Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu destinam-se a candidatos graduados, podendo ser

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, alterado para incorporar as modificações nas Normas Gerais de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU"

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO  LATO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ REITORIA ACADÊMICA ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU" CAPÍTULO I DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE:

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. Aprova as Normas Regulamentadoras da operacionalização da Monografia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2008/CONEPE Aprova criação do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 2008-2020 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA BRASÍLIA / DF 2009 Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 Reg ECONOMIA.indd 2 6/9/2010 17:04:48 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA (MESTRADO E DOUTORADO) CENTRO DE PESQUISAS RENÉ RACHOU FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - MG TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Faculdade de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

Regimento do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência de Serviços de Enfermagem

Regimento do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência de Serviços de Enfermagem 1 Regimento do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência de Serviços de Enfermagem TÍTULO I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GERÊNCIA DE SERVIÇOS DE ENFERMAGEM CAPÍTULO 1 - DA MODALIDADE DO CURSO

Leia mais

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Ibmec-MG é o órgão responsável pela

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE I. DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação stricto sensu

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2011

RESOLUÇÃO Nº 32/2011 RESOLUÇÃO Nº 32/2011 Regulamenta a Pós-Graduação Lato Sensu da O, da Universidade Federal de Juiz de Fora, no exercício de suas atribuições e tendo em vista o que consta do Processo 23071.014937/2010-12

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente regulamento rege as atividades de elaboração

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA REGULAMENTO INTERNO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA REGULAMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I: DA ORGANIZAÇÃO E OBJETIVOS Art 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Geotécnica (POSGEO), criado e estruturado de acordo

Leia mais

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP.

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. RESOLUÇÃO UNESP Nº 30, DE 17 DE JUNHO DE 2010. Texto consolidado Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O Colegiado de Curso, previsto no Regimento Geral da Faculdade Guairacá é órgão da Coordenação Didática, destinado a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Texto Aprovado CONSU Nº 2011-26 - Data: 09/06/11 REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 Regulamenta os programas de pós-graduação da Universidade de Brasília. O REITOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU FEVEREIRO/2012

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 49/2002/CONEP Aprova reformulação das Normas de Pós-Graduação da UFS. O CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA da Universidade

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MODIFICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA, CONSERVAÇÃO E MANEJO DA VIDA SILVESTRE BELO HORIZONTE

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do curso de pósgraduação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 5.290

RESOLUÇÃO CEPE Nº 5.290 RESOLUÇÃO CEPE Nº 5.290 Aprova as Normas Gerais de Pós- Graduação stricto sensu da UFOP. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua 324ª reunião ordinária,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 07/2014 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, denominado

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL NORMA PPGMT 004 VERSÃO 001.01 ELABORADO POR Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical DATA DE IMPLEMENTAÇÃO 10/05/2013 APROVADO

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE CAMPUS REGIONAL II 2015 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-07 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em BIOINFORMÁTICA tem como objetivos: a formação de docentes,

Leia mais

Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia

Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia A atividade de trabalho de conclusão de curso é desenvolvida em área escolhida pelo aluno, sob a orientação professor (es) orientador(es). O aluno descreverá

Leia mais

Curso de Serviço social

Curso de Serviço social 3 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O objetivo geral do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC é servir de instrumento estimulador à aplicação, no campo prático, de conhecimentos adquiridos no decorrer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais