RELATÓRIO ANUAL DE SEGURANÇA INTERNA O Sistema de Segurança Interna Opções estratégicas e actividade legislativa...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL DE SEGURANÇA INTERNA 2008. 1 O Sistema de Segurança Interna... 1 2 Opções estratégicas e actividade legislativa..."

Transcrição

1

2 Índice 1 O Sistema de Segurança Interna Opções estratégicas e actividade legislativa... 4 Opções Estratégicas em 2008 Balanço... 4 Reforço do Efectivo Policial... 4 Programa de Formação e Treino das Forças de segurança... 5 Plano de Intervenção em Zonas Problemáticas... 5 Desenvolvimento do Programa Nacional de Videovigilância... 6 Desenvolvimento de Programas de Geo referenciação... 6 Reforma da Segurança Interna... 7 Reforma da Segurança Privada... 7 Reforma das Policias Municipais... 7 Realização de um Inquérito ao Sentimento de Segurança e à Vitimação... 8 Criação de um Observatório de Delinquência Juvenil... 8 Execução da Lei de Programação de Infra Estruturas e Equipamentos... 8 Celebração de Contratos Locais de Segurança... 8 Criação de Novos Postos Mistos de Fronteira... 9 Criação dos Conselhos Coordenadores de Segurança Rodoviária... 9 Criação da 2.ª Companhia de Canarinhos e de Equipas de Intervenção Permanente. 9 Legislação Opções estratégicas Reforma do Sistema de Segurança Interna Reforma da segurança privada Prevenção, segurança e ordem pública Investigação criminal Fronteiras e imigração Protecção civil e socorro Cooperação internacional A cooperação da União Europeia no Espaço de Liberdade, Segurança e Justiça Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

3 Grupo do Futuro Terrorismo Cooperação Policial Arquitectura de segurança interna e princípio da convergência EUROPOL (Decisão do Conselho que cria o Serviço Europeu de Polícia) Acordo de Prüm PNR europeu Troca de informações Rede Europeia dos Serviços Tecnológicos de Polícia Rede Atlas Rede de Pontos de Contacto Anti corrupção Armas e munições Schengen SIS II (Sistema de Informação Schengen de segunda geração) Protecção Civil Imigração Pacto Europeu sobre a Imigração e o Asilo Migração Ilegal Fronteiras Externas Gestão integrada das fronteiras externas dos Estados membros da União Europeia FRONTEX (Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados membros da União Europeia) Rede de Patrulhas Europeias (European Patrol Network) Avaliação global dos resultados Introdução O sentido das transformações sociais em curso e que relevam para a segurança das populações Avaliação dos processos de mudança social em Portugal Desmistificar o sentimento de insegurança Mudanças sociais estruturais Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

4 A alteração do ambiente externo Preocupações generalizadas Segurança privada: um sector em crescimento Um sector com crescente relevo : um ano marcado pela dinâmica de reformas Actividade operacional desenvolvida e resultados obtidos Mobilização dos recursos disponíveis Reforço das modalidades operacionais existentes e criação de novas respostas Actividade operacional orientada para problemas de criminalidade específica Actividade operacional orientada para o reforço da segurança nas fronteiras, o controlo dos fluxos migratórios na origem e o controlo da permanência de estrangeiros em território nacional A disponibilização de novos recursos Formação de recursos humanos Infra estruturas e equipamentos técnico policiais Cooperação internacional Quadro europeu Cooperação técnico policial Resultados operacionais Volume da actividade operacional e indicadores de desempenho Descrição e análise das participações registadas Introdução Total de participações registadas Criminalidade participada por grande categoria criminal Crimes contra as pessoas Crimes contra o património Crimes contra a vida em sociedade Crimes contra o Estado Crimes previstos em legislação penal avulsa Criminalidade violenta e grave Análise mais pormenorizada de alguns tipos de crimes que integram esta categoria.. 86 Análise da criminalidade participada por Distrito Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

5 Tráfico de estupefacientes Drogas Apreendidas e Fluxos Análise de alguns tipos específicos de programas e iniciativas de combate à criminalidade Queixa electrónica Farmácia segura Escola segura Roubos a ourivesarias Postos de abastecimento de combustível Transporte de tabaco Projecto Polícia Automático Roubo de viaturas Violência doméstica Tráfico de seres humanos Caracterização da actividade operacional das Forças, Serviços e outras entidades Guarda Nacional Republicana Introdução Síntese Actividades desenvolvidas no âmbito das competências operacionais Programas específicos de policiamento ou de prevenção ou de acção especiais Acções/Operações externas Exercícios realizados tendo em vista a preparação para situações operacionais Acções conjuntas com outras entidades nacionais ou estrangeiras Participação em Grupos de Trabalho Resultados e consequências decorrentes da actividade operacional Militares com ferimentos ligeiros, graves, mortos e feridos sem necessidade de tratamento hospitalar Civis e/ou terceiros com ferimentos ligeiros, graves, mortos e feridos sem necessidade de tratamento hospitalar provocados por intervenções policiais Relatórios de acções operacionais e de informações policiais Análise quantitativa e qualitativa de dados relevantes no âmbito da Segurança Interna Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

6 Relatórios de acções policiais de especial relevância no combate à criminalidade Missões Internacionais Número de militares integrados em missões internacionais Formação Número de militares que concluíram acções de formação internas e externas Número de militares que concluíram cursos de formação base para ingresso na Guarda Discriminação por áreas técnico policiais e outras Investimentos Aquisições e abates de equipamento técnico policial Aquisições e abates de equipamento auto Aquisições e abates de material informático Projectos existentes ou previstos para o desenvolvimento do funcionamento das condições operacionais e materiais existentes Recursos Humanos Entrada de militares e civis para os quadros Saída de militares e civis da Instituição Políticas e projectos existentes ou desenvolvidos na área de Recursos Humanos Conclusões Polícia de Segurança Pública Balanço da execução das medidas da estratégia de segurança Actividades desenvolvidas no âmbito das competências operacionais Programas específicos de policiamento, de prevenção ou de acção especiais (objectivos, efectivo empenhado, custos envolvidos, resultados atingidos) Acções policiais de especial relevância no combate à criminalidade Acções/operações externas que pela sua dimensão, relevância ou resultados atingidos justifiquem o destaque no RASI Exercícios realizados tendo em vista a preparação para situações operacionais Acções conjuntas com outras entidades nacionais ou estrangeiras Participação em grupos de trabalho específicos e consequentes acções desenvolvidas/resultados atingidos Resultados e consequências decorrentes da actividade operacional Detenções, apreensões e outros Elementos policiais mortos ou com ferimentos Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

7 Consequências das intervenções policiais em civis e/ou terceiros Quantificação dos danos materiais provocados (incluindo custos) Relatórios de acções operacionais e de informações policiais Relatórios de acções policiais de especial relevância no combate à criminalidade Missões Internacionais Número de elementos integrados em missões internacionais (funções desempenhadas e postos assegurados quando relevantes) Formação Número de elementos policiais que concluíram acções de formação internas e externas Número de elementos policiais que concluíram os cursos de formação de base para ingresso na carreira policial Descriminação por áreas técnico policiais e outras Investimentos Aquisições (descrição e custos) e abatimentos de equipamento técnico policial Aquisições (descrição e custos) e abatimentos de equipamento Auto Aquisições (descrição e custos) e abatimentos de material informático Outros investimentos de especial relevância Projectos existentes ou previstos para o desenvolvimento do funcionamento das condições operacionais e materiais existentes Recursos Humanos Entradas de elementos policiais e não policiais para os quadros (ou outros regimes) 203 Saídas de elementos policiais e não policiais da instituição (descriminado por causas) Políticas e projectos existentes ou desenvolvidos nesta área Polícia Judiciária Introdução Flexibilização das estruturas organizativas e dos procedimentos de actuação comuns e de reacção especial aos fenómenos criminosos Reforço da cooperação e intervenção inter institucional Reforço da interacção com as comunidades envolventes Descrição de alguns modos de intervenção e investigações mais relevantes Outros modos de intervenção específicos Criminalidade participada Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

8 Criminalidade investigada Resultados e consequências decorrentes da actividade operacional Detenções/prisão preventiva Detenções Crime violento Detenções Crimes sexuais Detenções Criminalidade económico financeira Detenções incêndios Detenções Trafico de estupefacientes Apreensões A Informação Criminal Recursos Humanos Análise de alguns tipos de crimes em especial O homicídio Os crimes de abuso sexual de crianças, menores dependentes, pessoa internada e outros O roubo de veículos automóveis carjacking Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Enquadramento Controlo de Fronteiras Fronteiras aéreas Fronteiras marítimas Recusas de entrada em Portugal e seus fundamentos Medidas Cautelares detectadas Vistos concedidos nos Postos de Fronteira Actuação em Território Nacional Fiscalização Investigação criminal Fraude Documental Afastamentos Processos de contra ordenação Regresso voluntário (OIM) Sistema de Informação Schengen (SIS) Aquisição de Nacionalidade Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

9 Asilo Actuação Internacional União Europeia FRONTEX Cooperação internacional Oficiais de ligação Formação Investimentos Recursos Humanos Conclusões Serviço de Informações Estratégicas de Defesa Introdução Difusão do Islão radical Terrorismo de matriz islamista Crime Organizado Contra-proliferação Serviço de Informações de Segurança Introdução Contra-Criminalidade Organizada Extremismos Políticos Contraterrorismo Contra-espionagem e contraproliferação Autoridade Marítima Nacional Balanço da execução das medidas da estratégia de segurança Distribuição racional de efectivos Formação do pessoal Policiamento de proximidade Patrulhamento Actividades desenvolvidas no âmbito das competências operacionais Programas Específicos de Policiamento Acções policiais de relevo no combate à criminalidade Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

10 Operações Externas Exercícios de preparação para situações operacionais Acções policiais conjuntas no combate à criminalidade Participação em grupos de trabalho específicos Resultados e consequências decorrentes da actividade operacional Detenções e Apreensões Ferimentos de elementos policiais durante a actividade operacional Ferimentos de civis ou terceiros durante a actividade operacional Relatórios de acções operacionais e de informações policiais Análise quantitativa e quantitativa de dados âmbito Segurança Interna Relatórios de acções policiais de especial relevância Delinquência Juvenil e Grupal Formação Elementos policiais que concluíram acções de formação internas e externas Cursos de formação base para ingresso na carreira policial Discriminação por áreas técníco policiais Investimentos Aquisições e Abatimento de Equipamento Técnico Policial Aquisições e Abatimento de Equipamento Auto Aquisições e Abatimento de Material Informático Outros Investimentos Valor Total dos Investimentos Recursos Humanos Entradas/Saídas de elementos Civis Entradas/Saídas de elementos da Polícia Marítima Projectos na área dos Recursos Humanos Estratégias de Segurança para Instituto Nacional de Aviação Civil Regulamentação Valores de tráfego controlado nos aeroportos nacionais Auditorias/inspecções/testes em território nacional Incidentes reportados Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

11 Certificações / recertificações de pessoal de segurança da aviação civil. 313 Formação Outras actividades Serviços Prisionais Introdução Enquadramento Parque Prisional Recursos Humanos População prisional Medidas de flexibilização Evasões Outras Actividade operacional Apreensões Remoções Formação Cooperação Externa Investimentos Nota Final Autoridade Nacional de Protecção Civil Enquadramento Síntese das actividades Recursos de Protecção Civil: Planeamento de emergência: Sensibilização, informação e formação: Bombeiros: Operações de Protecção e Socorro: Passos futuros Direcção Geral de Infra Estruturas e Equipamento Lei de Programação de Instalações e Equipamentos das Forças de segurança Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

12 Investimentos em instalações Obras de raiz concluídas Obras de remodelação concluídas Obras de raiz em curso Obras de remodelação em curso Equipamentos das Forças de segurança Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Medidas adoptadas em Legislação Acções de sensibilização pública Gerais Sinistralidade registada em Orientações Estratégicas para o ano Orientações Políticas Orientações Medidas Reforço do Efectivo Policial Valorização dos Recursos Humanos Investimento em Infra estruturas de Segurança e Protecção Civil Modernização de Equipamentos de Segurança e Protecção Civil Recurso às Novas Tecnologias Desenvolvimento do Policiamento de Proximidade Estabelecimento de Parcerias com as Autarquias Consolidação da Reforma da Segurança Interna Constituição de Equipas Conjuntas de Combate ao Crime Criação da Rede Nacional de Prevenção da Criminalidade Reforço do Controlo Fronteiriço Combate à Imigração Ilegal e ao Tráfico de Pessoas Aprovação da Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Aprovação da Directiva Operacional Permanente Multi riscos Expansão das Bases de Meios Aéreos do MAI Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

13 Medidas e Actividades do Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna para No âmbito das competências de direcção: No âmbito das competências de coordenação: No âmbito das competências de controlo e comando operacional: Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna

14 1 - O Sistema de Segurança Interna No Relatório Anual de Segurança Interna relativo ao ano de 2008 não poderia deixar de fazer se referência à importante alteração na arquitectura do Sistema de Segurança Interna, introduzida pela Lei nº 53/2008, de 29 de Agosto. O reconhecimento de que a estrutura de coordenação criada pela Lei nº 20/87, de 12 de Junho, era fruto de uma conjuntura internacional e interna ultrapassada, levou o Conselho de Ministros, através da Resolução nº 45/2007, a promover a aprovação de uma nova lei de segurança interna assente num conceito alargado de segurança que corresponda ao quadro das novas ameaças e riscos. É neste contexto que foi aprovada a actual Lei de Segurança Interna. Nela se parte de um conceito mais amplo de segurança, entendido como direito fundamental dos cidadãos, pressuposto da própria liberdade e responsabilidade essencial do Estado. A definição de segurança interna constante da anterior lei mantém se. Contudo, o novo diploma alarga as finalidades das medidas nele previstas, acrescentando às que tradicionalmente visam a vertente da segurança, outras que se destinam à prevenção e reacção a acidentes graves ou catástrofes, à defesa do ambiente e à preservação da saúde pública. No domínio, especialmente relevante, da prevenção e investigação criminal, a nova lei reforça os mecanismos de coordenação, visando uma melhoria da cooperação entre os diversos órgãos de polícia criminal e, procura garantir, através da interoperabilidade de sistemas, uma eficaz troca de informações subordinada a princípios de disponibilidade, competência e necessidade, num quadro em que se destaca a preocupação de efectiva optimização de recursos. O Sistema de Segurança Interna (SSI) continua a ter como órgão principal o Conselho Superior de Segurança Interna, cuja composição foi alterada. Este órgão passa a englobar dois deputados designados pela Assembleia da Republica, dele passando, também, a fazer parte o Secretário Geral do Sistema de Informações da República Portuguesa, o Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, o Responsável pelo Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro e o Director Geral dos Serviços Prisionais. São, igualmente, órgãos do Sistema de Segurança Interna, o Secretário Geral do SSI, cujo processo de nomeação, estatuto e competências foram profundamente alterados e o Gabinete Coordenador de Segurança, cuja composição e competências foram, também, objecto de significativas alterações. O Gabinete Nacional Sirene, estrutura Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna Página 1

15 operativa ligada ao Sistema de Informações Schengen, relevante para a cooperação policial, é integrado no Gabinete Coordenador de Segurança. Relativamente às competências do Secretário Geral do SSI, estas alargam se a novas áreas de coordenação das Forças e Serviços de segurança (FSS), de direcção e gestão de certos recursos comuns, de controlo de eventos de elevado risco ou de incidentes táctico policiais graves e, ainda, de comando operacional, competência que apenas ocorre em situações de gravidade absolutamente excepcional e está condicionada a uma decisão fundamentada do Primeiro Ministro, previamente comunicada ao Presidente da República. Salienta se, no desenho de toda a arquitectura do sistema, a preocupação de impedir que o exercício dos poderes do Secretário Geral possa contender com a organização hierárquica das Forças e Serviços de segurança que o integram. O SSI, através dos seus três Órgãos, passou a estar dotado de mecanismos e competências para uma melhor interacção com os outros sistemas ou subsistemas nacionais, nomeadamente: o sistema de informações, a segurança aeronáutica e marítima, a segurança rodoviária e transportes, a segurança alimentar e económica e a segurança ambiental, o sistema criminal e a defesa nacional. Ainda no que respeita à arquitectura do sistema e ao nível da coordenação local, mantiveram se os gabinetes coordenadores de segurança distritais, acrescentando se a criação de gabinetes coordenadores nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira. Por último, a nova lei de segurança interna, visando uma mais eficaz actuação policial, acrescentou ao quadro antes existente um conjunto de medidas de polícia e medidas especiais de polícia que, no respeito integral pelos direitos, liberdades e garantias, possibilitam uma melhor segurança e protecção de pessoas e bens. As alterações introduzidas, no ano de 2008, no Sistema de Segurança Interna não se reduzem, no entanto, ao novo quadro resultante da Lei nº 53/2008. Na verdade, foi, também, aprovada pela Assembleia da Republica a Lei nº 49/2008, de 27 de Agosto, que regula a Organização da Investigação Criminal. Este diploma, visando igualmente uma melhor coordenação e cooperação entre os diversos actores da investigação criminal, consagra o papel do Secretário Geral do SSI como o garante do sistema de coordenação entre os órgãos de polícia criminal, atribuindo lhe, inclusive, competências ao nível da preparação e condução das reuniões do Conselho Coordenador dos Órgãos de Polícia Criminal. Durante o ano 2008, o Gabinete do Secretário Geral do SSI, com o envolvimento do Secretariado Permanente do Gabinete Coordenador de Segurança, interveio num conjunto extremamente diversificado de áreas da segurança interna. Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna Página 2

16 No quadro das competências de direcção, controlo e coordenação do Secretário Geral, o Gabinete exerceu um conjunto vasto de atribuições, tanto a nível nacional como internacional, envolvendo, designadamente, a elaboração de projectos, estudos e pareceres; a articulação com outros organismos públicos e entidades privadas; a coordenação das fases de planeamento transversal e de pré execução de dispositivos de segurança que implicaram a actuação concertada de mais do que uma FSS; e a participação em seminários, comissões, estruturas colegiais e grupos de trabalho. No âmbito das competências ao nível de coordenação, destaca se a organização do I Curso Nacional Multidisciplinar em matéria de fraude e roubo de identidade, logística do crime organizado, que teve lugar de 24 a 28 de Novembro de Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna Página 3

17 2 - Opções estratégicas e actividade legislativa Nas sociedades contemporâneas, a segurança direito fundamental dos cidadãos e, em simultâneo, obrigação essencial do Estado é um parâmetro obrigatório de avaliação da qualidade de vida democrática. A modernização, o desenvolvimento social e económico, os direitos, liberdades e garantias e o exercício da cidadania plena só são possíveis com segurança para todos. A sociedade democrática, aberta e global em que vivemos é, por natureza, uma sociedade de risco. As situações de perigo adquirem hoje novas dimensões. Um quadro de ameaças emergentes impõe uma estratégia de resposta igualmente inovadora. Também na área da Administração Interna, o Governo está a respeitar o compromisso que assumiu perante os portugueses. A segurança interna, a paz pública e a prevenção da criminalidade são missões absolutamente prioritárias. Eliminar os factores de insegurança, prevenir o crime e perseguir os seus autores são tarefas impostergáveis tarefas da comunidade e para a comunidade, que a todos dizem respeito, a todos beneficiam e requerem uma perspectiva integrada. No Relatório Anual de Segurança Interna de 2007 foi apresentada, pela primeira vez, uma estratégia de segurança que assentou na ideia de segurança comunitária, apostando no policiamento de proximidade, em programas especiais de protecção de jovens, idosos e outras pessoas particularmente vulneráveis, em acções sistemáticas de controlo das fontes de perigo, bem como no aproveitamento das novas tecnologias. Neste contexto, este capítulo apresenta, de forma muito breve, o balanço dessa Estratégia. Cumpre se, desta forma, um dever essencial em democracia: dar conta do trabalho desenvolvido e dos respectivos resultados, o que constitui um pressuposto obrigatório de uma programação rigorosa do trabalho futuro. Opções Estratégicas em Balanço Reforço do Efectivo Policial Actualmente, as Forças de segurança dispõem de um efectivo global superior a elementos, tendo beneficiado, no ano de 2008, da incorporação de cerca de novos elementos na Guarda Nacional Republicana e na Polícia de Segurança Pública. Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna Página 4

18 Os concursos de selecção dos referidos candidatos encontram se concluídos, iniciando se a fase de formação no dia 5 de Janeiro de 2009, na PSP, e no dia 14 de Abril de 2009, na GNR. Prevê se que a formação se conclua durante o próximo mês de Outubro. Programa de Formação e Treino das Forças de segurança No âmbito da formação inicial e contínua das Forças de segurança, foi dado particular relevo à renovação em curso de armas e equipamentos. Assim, foram criados programas especiais de formação e treino na utilização de armas de fogo e na resolução de incidentes táctico policiais. Neste sentido, foram construídas, no ano de 2008, 7 novas carreira de tiro nos seguintes municípios: Águeda, Castelo Branco, Évora, Guarda, Macedo de Cavaleiros, Ponte de Lima e Portalegre. Em simultâneo, foi iniciado um programa de formação dos membros das Forças de segurança em matéria de legislação e boas práticas policiais. No dia 24 de Novembro de 2008 realizou se, na Faculdade de Direito de Lisboa, o Seminário Acção Policial e Reforma Penal, que contou com a presença de 200 elementos da Guarda Nacional Republicana, da Polícia de Segurança Pública e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, ligados às áreas de investigação criminal destas instituições. De igual modo, o Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna realizou, em 2008, um ciclo de conferências dedicado ao tema Reforma Penal e Processual Penal. As conferências realizaram se em Faro, Leiria, Viseu e Lisboa. Plano de Intervenção em Zonas Problemáticas Uma vez que a criminalidade não tem uma distribuição geográfica uniforme, apresentando uma maior incidência em certas zonas, que carecem de medidas especiais, o ano de 2008 assistiu ao intensificar do patrulhamento em zonas problemáticas, através dos contingentes de reserva da Guarda Nacional Republicana e da Polícia de Segurança Pública. As forças de segurança estão, também, a efectuar, com regularidade, operações especiais de prevenção no âmbito da Lei das Armas. Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna Página 5

19 Desenvolvimento do Programa Nacional de Videovigilância Durante o ano de 2008 foi aprovada a utilização de sistemas de videovigilância nos seguintes locais: Zona Histórica do Porto o projecto encontra se em fase de instalação e desenvolvimento; Praia da Rocha a Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) apenas autorizou a parte do projecto relativa aos parques de estacionamento; Centro Histórico de Coimbra o projecto foi autorizado no dia 19 de Dezembro; e o Santuário de Fátima. Os municípios de Bragança (projecto para a Zona Industrial das Cantarias), Amadora e Estarreja já formalizaram os respectivos pedidos, que estão a ser apreciados pela CNPD. Os processos relativos à Freguesia de São Nicolau (Baixa de Lisboa) e ao Bairro Alto encontram se em fase de instrução. Os concelhos de Faro, Loulé, Albufeira, Almeirim, Viseu, Meda, Loures e Odivelas, e a Área Metropolitana de Leiria solicitaram esclarecimentos com vista à formulação de pedidos. Desenvolvimento de Programas de Geo referenciação Actualmente, o Projecto Táxi Seguro funciona em 24 Concelhos das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto. Já existem cerca de táxis equipados com este sistema e foi dada formação a profissionais do sector. O Programa Abastecimento Seguro funciona em 168 postos de abastecimento de combustível. Foi celebrado um protocolo com as empresas de segurança privada, com o objectivo de ligar as centrais de alarme privadas, que tenham associados postos de combustíveis, à central das forças de segurança. No âmbito do combate ao carjacking, está a ser desenvolvido um Projecto piloto de leitura automática de matrículas nas zonas de Lisboa e do Porto. Ainda neste domínio, em 17 de Julho de 2008 e em 23 de Janeiro de 2009 foram celebrados dois protocolos de cooperação com a Associação Portuguesa de Seguradores e, também em 23 de Janeiro último (na decorrência de trabalho efectuado ainda em 2008), foram celebrados protocolos com diferentes empresas seguradoras com vista à doação de equipamentos para o Projecto piloto. Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna Página 6

20 Reforma da Segurança Interna Com o propósito de criar um sistema que responda aos riscos típicos do actual ciclo histórico criminalidade de massa, criminalidade grave e violenta, criminalidade organizada e transnacional (incluindo os vários tráficos de pessoas, drogas e armas), terrorismo e, também, catástrofes naturais e grandes desastres foram publicadas, em Agosto de 2008, a Lei de Organização da Investigação Criminal (Lei n.º 49/2008, de 27 de Agosto) e a Lei de Segurança Interna (Lei n.º 53/2008, de 29 de Agosto). Na sequência da entrada em vigor dos supracitados diplomas legais, tomou posse o novo Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna. Reforma da Segurança Privada No domínio da segurança privada, foi publicada a Lei n.º 38/2008, de 8 de Agosto, que altera o regime jurídico do exercício daquela actividade. A existência de pórtico para fiscalização de armas passou a ser exigida nos estabelecimentos com lotação para mais de 100 pessoas por via da publicação do Decreto Lei n.º 101/2008, de 16 de Junho, que estabelece o regime jurídico dos sistemas de segurança privada dos estabelecimentos de restauração ou de bebidas e revoga o Decreto Lei n.º 263/2001, de 28 de Setembro. As condições aplicáveis ao transporte, guarda, tratamento e distribuição de valores, por parte de entidades de segurança privada, foram reguladas através da Portaria n.º 247/2008, de 27 de Março. Reforma das Policias Municipais Para reforçar a capacidade de intervenção das polícias municipais e aumentar o seu papel complementar quanto às forças de segurança, foram aprovadas regras para tornar mais fácil a sua criação com a publicação do Decreto Lei n.º 197/2008, de 7 de Outubro, que regulamenta a Lei n.º 19/2004, de 20 de Maio, estabelecendo as regras a observar na deliberação da assembleia municipal que crie, para o respectivo município, a polícia municipal, e regulando, nesse âmbito, as relações entre a administração central e os municípios. No âmbito da identificação de suspeitos e da detenção em flagrante delito foi homologado o Parecer emitido pelo Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República sobre as competências das Polícias Municipais. Gabinete do Secretário Geral do Sistema de Segurança Interna Página 7

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros. Aprova as opções fundamentais do. Sistema Integrado de Segurança Interna da República Portuguesa

Resolução do Conselho de Ministros. Aprova as opções fundamentais do. Sistema Integrado de Segurança Interna da República Portuguesa R /2007 2007.03.01 Resolução do Conselho de Ministros Aprova as opções fundamentais do Sistema Integrado de Segurança Interna da República Portuguesa 1. O Sistema de Segurança Interna, que vem vigorando

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA Regulamento Contra a Violência, Racismo, Xenofobia e Intolerância (*) Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento visa o combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nas

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Portugal Seguro. Estratégia de Segurança para 2009

Portugal Seguro. Estratégia de Segurança para 2009 Portugal Seguro Estratégia de Segurança para 2009 Minhas Senhoras e meus Senhores, Em 2008, apresentámos, pela primeira vez, uma estratégia anual que incluiu medidas destinadas a reforçar o sentimento

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

NOVO CONCEITO DE SEGURANÇA INTERNA E REFORMA DAS FORÇAS DE SEGURANÇA OPÇÕES FUNDAMENTAIS 2 de Março de 2007 2 Problema n.º1 Conceito Estratégico de Segurança Interna Desactualizado 3 Novo conceito estratégico

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS

SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS O SEF pretende dar execução à política de imigração e asilo de Portugal, de acordo com as disposições da Constituição e da Lei e as orientações do Governo. O Serviço

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Considerando a necessidade de apoiar a criação e a consolidação de cooperativas residentes no concelho. Considerando a necessidade de incentivar a expansão

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis DECRETO N.º 136/X Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COOPERAÇÃO POLÍCIAL Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COOPERAÇÃO POLÍCIAL Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COOPERAÇÃO POLÍCIAL Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional INTRODUCTION 5 Índice Geral Índice Alfabético 11 Índice Cronológico 15 Índice Sistemático 19 Nota Prévia 65 Parte I Estrangeiros em geral 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS. Decreto n.º 23/2003 Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Bulgária sobre Contratação Recíproca dos Respectivos Nacionais, assinado em Sófia em 26 de Setembro de 2002 Considerando

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 15/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTO DE ADESÃO, ANEXO II PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )...

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )... Jornal Oficial da União Europeia L 26 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 2 de fevereiro de 2016 Índice I Atos legislativos REGULAMENTOS Regulamento (UE) 2016/93 do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

NATURALIDADE: Cubal Angola DATA DE NASCIMENTO: 27.02.1961. ESTADO CIVIL: Casado

NATURALIDADE: Cubal Angola DATA DE NASCIMENTO: 27.02.1961. ESTADO CIVIL: Casado NOME: José António van der Kellen NATURALIDADE: Cubal Angola DATA DE NASCIMENTO: 27.02.1961 ESTADO CIVIL: Casado MORADA PROFISSIONAL: Direcção Regional de Lisboa, Vale do Tejo e Alentejo Av. António Augusto

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Despacho Normativo n.º 22/2008: Estabelece as regras da cooperação, no âmbito da toxicodependência, luta contra o HIV-Sida, comportamentos de risco e igualdade

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 185 23 de Setembro de 2009 6789 de contrato de trabalho a tempo parcial e de contrato em regime de prestação de serviços, é calculado proporcionalmente. Artigo 13.º Direitos

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

F O R M A Ç Ã O. ÓRGÃOS das

F O R M A Ç Ã O. ÓRGÃOS das F O R M A Ç Ã O ÓRGÃOS das AUTARQUIAS JORGE GASPAR AUTARQUIAS LOCAIS Noção e enquadramento As autarquias locais são pessoas colectivas territoriais, dotadas de órgãos representativos, que visam a prossecução

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais