Desembargadora NELMA BRAWCp FERREIRA PERILO Corregedora-Oe ra\ma Justiça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desembargadora NELMA BRAWCp FERREIRA PERILO Corregedora-Oe ra\ma Justiça"

Transcrição

1 corregedoria geral da justiça do estado de goiás poder judiciário Corregedoria-Geral da Justiça Secretaria Executiva Ofício Circular n UtX? V/-A? /2014-SEC Goiânia, bch de HQ^CO de Expediente n /2014 Aos Magistrados Diretores de Foro Assunto: Comunica o teor das Portarias n"s 57/2014-GAB e 58/2014-GAB da Procuradoria- Geral do Estado, que regulamentam o oferecimento e a aceitação de seguro garantia para débitos inscritos em Dívida Ativa do Estado de Goiás, objeto de execução fiscal e estabelecem critérios e condições de aceitação de carta de fiança bancária no âmbito da referida Procuradoria Senhor(a) Juiz(a), Encaminho a Vossa Excelência cópia integral do expediente em epígrafe, para conhecimento próprio e de seus pares. Para consultas a provimentos e demais atos deste órgão correicional, acessar (link corregedoria, item publicações). Atenciosamente, ofcir049/rc Desembargadora NELMA BRAWCp FERREIRA PERILO Corregedora-Oe ra\ma Justiça Rua AO.n andar. Setor Oeste - CEP Goiánia-GQ - Fax (62) Teleiudiciário (62) correqsec(5)tjqo.jus.br

2 . -4 COi^lOlNi I CACAO Expedientes; 48519:1.9 Data s 10/u^/^.w.i.h NüivlE K PROCURADORIA--GERAL DO ESTADO DE GUIAS Assunto s COMUNICAÇÃO ürq&o innv s SECRETARIA EXECUTIVA DA CORREGEDORIA DA dust ü DIVISÃO DE TRIAGEM E PRO"T'OCOLO DE DOCUMENTOS ADICIONAL Historias a OFICIO N 120/14/GAB,. 0 PROCURADOR-GERAI... DO ESTADÍ ENCAMINHA COPIAS DAS PORTARIAS NS.. 57/14 E 58/:L: PARA QUE ÜSIÜJUA DADA CIÊNCIA A TODOS OS JUIZES DAÍ VARAS DA FAZENDA PUBLICA ESTADUA1 GOIÂNIA., 10 DE março OE 201 ASSINATURA Murnr ü

3 l4 Estado de Goiás Gabinete Ofício n ÂJA /2014-GAB Goiânia. 2? de fevereiro de À Exma. Sra. Nelma Branco Ferreira Perilo Corregedoria-Geral de Justiça Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Goiânia - GO _: Assunto: Encaminha documentos. Senhora Corregedora-Geral de Justiça. 1 Encaminho a V. Exa. cópias das Portarias n s 57/2014-GAB e 58/2004- GAB, que regulamentam o oferecimento e a aceitação de seguro garantia para débitos inscritos em Dívida Ativa do Estado de Goiás, objeto de execução fiscal e estabelecem critérios e condições para aceitação de carta de fiança bancária no âmbito da Procuradoria- Geral do Estado, respectivamente, para que seja dada ciência a todos osjuizes das Varas da Fazenda Pública Estadual. Atenciosamente, Alexandre Eduardo Felipe/Tocantins Procurador-Geral do Estado Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira, n 3,Centro, Goiânia-Goiás. Telefone (62) Cl-:!'

4 Eslado de Goiás Assessoria do Gabinete Procesto: Interessado: Procuradoria Tributária Assuntb: Portarias que a via poetaria, para DESPACHO AG N 0ÜÜ54Ü / Autos em rocuradora-chefe da Gerência de Execuções Fiscais1 propôs a regulamentação, i, do oferecimento e aceitação de seguro garantia judicial e de carta,de fiança débitos tributários já em execução fiscal. 2. Os autos estão instruídos com as minutas das respectivas portaria e modfelos de regulação dos mesmos institutos no âmbito da Procuradoria-Geral da Fazenc a Nacional e da Procuradoria-Geral do estado de Pernambuco. 3. Consta, ainda, pronunciamento da Procuradora-Chefe da Procuradoria Tributária2 às fl. 24/26, manifestando-se contrária à aceitação do seguro a, ao menos neste momento, à vista de que o entendimento jurisprudencial sobre garant tal modalidade de caução ainda não se encontra pacificado. Destacou, outrossim, que o art. 9C oferec da Lei n /80 não o enumera como uma das garantias que pode ser da pelo executado. Anotou, ademais, que o Superior Tribunal de Justiça já se manifestou no sentido de considerá-lo inapto para a garantia do crédito tributário. Por man fim, segure fiscal pjmderou que aminuta proposta, em seu art. 2o, Io, admite oprazo de validade do garantia de no mínimo 2(dois) anos, quando é notório que as ações de execução 2anulatórias, possuem uma longa tramitação, fato que imporá a necessidade de renov.ção periódica não prevista. 4. Aprocuradora-Chefe da Gerência de Execuções Fiscais às fl.27 inforniou que já existe precedente nesta PGE de aceitação do seguro garantia judicial, se a portaria do seguro garantia não for acolhida, é imprescindível que otitular assim desta Dasa promova a orientação quanto à não aceitação de tal garantia. 1 Dra. viária Rita de Faria e Vasconcelos. 2 Dra. IMichelle Pinheiro. Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira, n 03, Centro, Goiânia Goiás, Fone (62) CEP: VCi/DESP. REG CARTA DR FIANÇA ESF.ÜURO GARANTIA

5 ser e Estado de Goiás Assessoria do Gabinete 5. É síntese dos fatos. Passo à orientação. 6. Saliento desde logo que iniciativa é da maior relevância e deve., mormente porque trará eficiência, celeridade, racionalidade, uniformidade Jurídica para todos os envolvidos. A inciativa é salutar e almeja-se que >ervir de exemplo e incentivo para outras desse jaez. 7. A regulamentação da fiança bancária não oferece maiores sos uma vez que se encontra prevista no art. 9o, inciso II, da Lei 6.830/80 como forma de garantia da execução fiscal. Entrementes, não se pode negar que a egula tentação fixando os critérios e as condições para a sua aceitação proporcionará cionplização às partes envolvidas, sobretudo para os executados que já terão com antecedência das exigências que a carta de fiança deve conter. Ora, conhecimento prévio, por certo, maximizará o trabalho dos juizes e dos possa acolhida. segt rança dissen uma r ra conhefcimento este procui adores de Estado que cuidam dos executivos fiscais. 8. Quanto ao texto da portaria juntado no caderno processual às fl. 22/23 encontra-se adequado e ao meu sentir carece apenas de duas pequenas correções; i)a ex pressão ter a ofere parte eida anuen zta segun > que o Resolve" deve iniciar com letra minúscula e; ii) a redação do art. 5o pode final aperfeiçoada para o seguinte: "Nos casos em que a carta de fiança jor em garantia afutura execução, o seu levantamento só será possível após a expressa do Estado de Goiás. " 9. Passo ao seguro garantiajudicial. 10. Razão assiste à Procuradora-Chefe da PTR ao afirmar que o garantia não se encontra previsto no art. 9o da LEF - Lei de Execuções Fiscais e Superior Tribunal de Justiça já proferiu alguns julgados se manifestando pela inadtrlissibilidade do seguro garantia como caução à execução fiscal. 11. Entrementes, tais argumentos não impedem a regulamentação preter dida ausen na Procu radoriareguh mentassem ^0 de 201 e motivos não faltam a tanto, como se exporá. Aliás, cabe assinalar que a de previsão na LEF acerca do seguro garantia judicial não impediu que a Geral da Fazenda Nacional e os estados de Pernambuco e Minas Gerais3 o seguro garantia judicial, por ato próprio. seduro garantia judicial em Minas Gerais foi regulamentado pela Resolução n. 279, de 6de outubro 1 pela Advocacia-Geral do Estado. Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira, n 03, Centro, Goiânia Goiás, Fone (62) CEP: VG/DBSP. REG CARTA DE FIANÇA ESEGURO GARANTIA _--f~^

6 Estado de Goiás Assessoria do Gabinete 12. Nessa trilha, é certo que a execução fiscal rege-se por um universo jurídico próprio cuja base éalei n /80. Entrementes, a própria LEF, no seu atigo primeiro, dispõe que a execução judicial da dívida ativa das Fazendas Públicas será regida pelas suas disposições e, subsidiariamente, pelo Código de Processo Civil. A Lei n , de 2006, trouxe profundas alterações ao procedimento da exí cução previsto no CPC, dentre elas, o seguro garantia. 13. E mais, no Tribunal de Justiça de São Paulo encontra-se precedente aceitando oseguro garantia judicial na execução fiscal com fundamento no princípio da menor onerosidade e da aplicação subsidiária das normas gerais de processo. Eis a ementa: "TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL EXECUÇÃO FISCAL GARANTIA DA EXECUÇÃO SEGURO GARANTIA JUDICIAL ADM SSIBÍLÍDADE. O seguro garantia judicial é modalidade idônea e legítima para garan ia da execução. Medida cabível também na execução fiscal por força do princípio da m<nor onerosidade (art. 620 CPC) e da aplicação subsidiária das normas gerais de proce;so. Decisão reformada. Recurso provido. (TJ-SP - AI SP 0071* , Relator Décio Notarangeli, julgamento de 01/08/2012, 9" Câmara de Direito Público, publicação 01/08/2012). 14. Assinalo, outrossim, que o próprio Superior Tribunal de Justiça tem precedente permitindo a substituição de depósito em dinheiro por seguro garantia judiei ü desde, que tenha anuência da Fazenda Pública (confira-se AgRg no AREsp 2136V8/SE). Cabe ressaltar que a execução se opera em prol do exequente e se ele aquie;ce com o recebimento do seguro garantia não há que se falar em prejuízo à execu ção. 15. Ora, exatamente pelo fato do seguro garantia judicial só ter previ:,ão no art. 656, 2o, do Código de Processo Civil éque se torna imprescindível a aquiejcência da Fazenda Pública. 16. Ainda não é tudo. Não vislumbro nenhum prejuízo à Fazenda Públi ;a esob este aspecto comungo do entendimento de Clayton Eduardo Prado4 com o segui ite teor: "Para oestado amedida será interessante, pois em vez de ter otrabalho ^Procirador do estado de São Paulo -matéria veiculada no jornal Valor Econômico em 20 de março de Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira, n 03, Centro, Goiânia Goiás, Fone (62) CFP- 1\ QnQ.nin-www.nqfi.QO.QOV.br t VG/DHSP. RKG CARTA DE FIANÇA ESEGURO GARAN lia J j

7 Estado de Goiás Assessoria do Gabinete de leva" bens a leilão - procedimento demorado que muitas vezes não gera resultados - a Faze nda poderá levantar o dinheiro previsto na apólice. Poderemos receber mais rápido. " 17. Por fim, registro que se encontra em trâmite na Câmara do Deputados o Projeto de Lei n. 637/2011, de autoria do Deputado Federal Carlos Bezerra, cujo desiderato é alterar a LEF, para incluir o seguro garantia judicial dentre os instrun entos de garantia nas execuções fiscais. 18. Relativamente ao argumento de que a minuta proposta em seu art. 2o, íc, admite o prazo de validade do seguro garantia de no mínimo 2 (dois) anos e que os exe íutivos fiscais possuem longa tramitação e, por isso, haveria a necessidade de renova :ão periódica não prevista naregulamentação, não se afigura correta. 19. Na verdade, segundo o art. 2o, inciso VI da minuta apresentada prevê ( ue prazo de validade do seguro garantia será até a extinção das obrigações do tomadí r, no caso o executado. Entretanto, nos termos do Io, do mesmo dispositivo, como clternativa ao executado, ele poderá valer-se do seguro garantia com prazo de, no mínimo, dois anos, só que nesta hipótese os interesses da Fazenda Pública estarão resguai dados pelas providências enumeradas nos incisos I a III do mesmo Io. 20. Diante disso, entendo que não existem óbices à regulamentação do seguro garantia judicial, pelo que acolho a proposição de que se cuida, a qual merece apenas correção de erro material na redação do 2o do art. 2o, para mencionar o inciso VIII en substituição ao VII. 21. Desse modo, subscrevo as portarias em questão e determino à Secretí ria-geral desta Casa que promova a remessa de cópia das minutas das portarias juntadís na contracapa dos autos à Superintendência de Gestão, Planejamento e Finançis desta PGE, para que providencie, com a maior brevidade possível, a publicação delas no Diário Oficial do estado de Goiás, em cumprimento ao princípio da publicidade. Deverá, ainda, a Secretaria-Geral adotar as medidas cabíveis para que as portari ts sejam publicadas no sítio eletrônico dapge. 22. Determino, à Superintendência de Gestão, Planejamento e FinançLs desta PGE que, após apublicação das portarias no Diário Oficial do Estado, Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira, n 03, Centro, Goiânia Goiás, Fone (62) CEP: ' VG/DF.SP. REG CARIA DE FIANÇA ESEGURO GARANTIA <.^

8 Estado de Goiás Assessoria do Gabinete informs à Secretaria-Geral desta Casa, para ser emitido oficio àcorregedoria-geral do Tribunal de Justiça de Goiás, comunicando acerca desta regulamentação esolicitando que se adada ciência atodos os juizes das Varas da Fazenda Pública Estadual. ' 23. Determino, ademais, que a Secretaria-Geral desta PGE, por meio eletrôrlico, dê ciência deste despacho e das portarias aqui tratadas aos procuradoresde todas as Regionais eaos integrantes da Assessoria do Gabinete do Procurador- Geral Jlo Estado. 24. Em seguida, restituam-se os autos à Procuradoria Tributária, 1;ndando à Chefia que dê ciência da orientação aqui vertida a todos os integrantes recom da Especializada. de20j4. Gabinete do Procurador-Geral do Estado. Goiânia, """SCJ^ AlexandreEduardo Felfoe Tocantins Procurador-Geral ao Estado de Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira, n> 03, Centro, Goiânia Goiás, Fone (62) CEP" www pqfi.qq.qqv.br VG/DESP. RF.G CARTA DE FIANÇA ESEGURO GARANTIA

9 Estado de Goiás Gabinete 'ortaria r 06\ /2014-GAB Regulamenta o oferecimento e a aceitação de seguro garantia para débitos inscritos em Dívida Ativa do Estado de Goiás, objeto de Execução Fiscal. que lhe disposto Civil - C 126.de 1 inscrito garantia: aplicável O PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DE GOIÁS, no uso da atribuição Jonfere o inciso 1 do art. 5o da Lei Complementar n 58/2006. e considerando o do art. 656 da Lei rf* 5.869, de 11 de janeiro de Código de Processo K\ no Decreto-Lei n^ 73, de 21 de novembro de 1966, e na Lei Complementar n- 5de janeiro de 2007, resolve: Art l2 Ooferecimento de seguro garantia, nos termos regulados pela Circular da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) n* 232, de 3 de junho de e instrumei to para garantir débitos inscritos; em Dívida Ativa do Estado de Goias em processos judiciais. Art. 22 A aceitação do seguro garantia de que trata o art. R prestado por empresa Idônea e devidamente autorizada a funcionar no Brasil, nos termos da legislação aplicável, é condicionada à observância dos seguintes requisitos, que deverão estar expressos em cláusillas do respectivo contrato: - Código estatuído entendide pagado o 1- valor segurado superior em 30% (trinta por cento) ao valor do débito dm Dívida Ativa do Estado de Goiás, atualizado até a data em que for prestada a II - índice de atualização do valor segurado idêntico ao índice de atualização aodébito inscrito em Dívida Ativa do Estado de Goiás; III - renúncia aos termos do art. 763 da Lei n* , de 10 de janeiro de 2002 Civil e do art. 12 do Decreto-Lei n* 73, de 1966, com consignação, nos terrnob no item 4.2 das condições gerais da Circular SUSEP n - 232, de 2003, de que "íica eacordado que oseguro continuará em vigor mesmo quando otomador nao nouvei prêmio nas datas convencionadas'1; IV - indicação do Estado de Goiás como segurado; n^n^ toam TPixeira. nq 3. Centn. Golânm-nniás Telefone (62) X^74.003^0, www Dqe.ao.qov.bi -

10 numero dívida: juízo, o que não não seja decisão débito objeto em relacà o ação ou em dívidh seguradoi a Estado de Goiás Gabinete V- indicação do n de protocolo do processo judicial garantido, bem como do do(s) processo(s) administrativo(s) tributário(s)-pat(s) que deu(ram) origem a :o de validade até a extinção das obrigações do tomador, observado o VI - prazo disposto $os Í2e22; VII - estabelecimento de obrigação para a empresa seguradora efetuar, err. depósito em dinheiro do valor segurado, caso odevedor não ofaça, nas hipóteses em :;eja atribuído efeito suspensivo aos embargos do executado ou quando a apelação recebida com efeito suspensivo, independentemente de trânsito em julgado da dbs embargos ou de outra ação em que se discuta o débito; VIII - estabelecimento de situações caracterizadoras da ocorrência de sinistro, nos íermcjs do disposto no 22; IX - estabelecimento de que a empresa seguradora, por ocasião do pagamento da indenização, no caso de garantia prestada em juízo, sujeitar-se-á ao procedimento previsto no capuí ; no inciso II do art. 19 da Lei n , de 22 de setembro de 1980; X- estabelecimento de que, na hipótese do tomador aderir a parcelamento do lo do seguro garantia, aempresa seguradora não estará isenta da responsabilidade à apólice; e XI - cláusula com a eleição de Comarca do Estado de Goiás onde tramita a se ainda não ajuizada, com jurisdição para a cobrança executiva do débito inscrito ativa, para dirimir questões entre o segurado (Estado de Goiás) e a empresa do seguro estabeleç t segurado, tomador, seguintes I2 Alternativamente ao disposto no inciso VI do caput, o prazo de validade garantia poderá ser de. no mínimo, dois anos, desde que cláusula contratual a obrigatoriedade de a empresa seguradora efetuar depósito integral do valor em juízo, no caso de parcelamento, em até 15 (quinze) dias da sua intimação. se o em até 60 (sessenta) dias antes do vencimento do seguro, não adotar uma das providências: I - depositar o valor segurado em dinheiro; II - apresentar nova apólice de seguro garantia que atenda aos requisitos desta Portaria; )U de III - oferecer carta de fiança bancária de acordo com a Portaria PGE n2. de de 22 Caracteriza aocorrência de sinistro de que trata oinciso VIII do caput: PrççaJ». Pedro LucM^^^ wivw.pqe.ao.aov-bf

11 objeto da jarantia; para rins empresa 1 garantia atos exclusivos ie ambos em conjunto. caso. ou do segun segurado empresa Estadode Goiás Gabinete I- onão pagamento pelo tomador, quando determinado pelo juízo, do valor II -onão atendimento, pelo tomador, do disposto no I2: ss quanuo administ adores; presumidja regular seus 3» Na hipótese de garantia prestada em juízo, oprocedimen ^"J» de pagamento da indenização pela empresa seguradora ou, se tor ocaso. pela ssseguradora. será o previsto no inciso IX do caput. S 4 - Além dos requisitos estabelecidos neste artigo o contrato de seguro do tomador ou da empresa seguradora, ou da empresa ressegu.adora, se tor o tio poderá conter cláusul específica ou genérica, de desobrigaçacj tede Art. 32 Otomador deverá juntar aos autos da execução fiscal, além da apólice. a seguinte documentação: I- cópias dos instrumentos dos contratos de garantia celebrados pela empresa a e. quando for ocaso, pela empresa resseguradora; II -cópias dos instrumentos dos contratos de contra garantia celebrados pela seguradora e, quando for ocaso, pela empresa resseguradora; III - certidão de regularidade, perante a SUSEP. da empresa seguradora e. for o caso. da empresa resseguradora, bem como dos seus respecuvos IV - comprovação de registro da apólice junto àsusep; e V - comprovação de poderes do tomador para atendimento das exigências previstas} no art. 22. limite icade Parágrafo único. Aidoneidade aque se refere o capuljo f-^jf pela apresentação das certidões da SUSEP referidas no inciso 111 quei atestei da empresa seguradora c. quando for ocaso, da empresa ressegurado.a t do.s administradores. Art. 42 Aempresa seguradora poderá efetuar acolocação do excedente de sei. retenção em empresas resseguradoras, observadas as exigência lega s * regu íuíann mtares art. 14 fntares. conforme disposto pelo Conselho Nacional de ^/"^ K ce Complementar ia Resolução CNSP n^ 168, de 17 de dezembro de e nos termos n2 126, de «,2 Quando ovalor segurado exceder ar$»0^.0«w(te^ * reais). Jnda que esse valor esteja compreendido no limite de retenção estabelecido pela

12 SUSEP pix termos da cláusula ao ressegiir diretamen 126.de2( 07. ocorrer a atualizadc Estado de Goiás Gabinete aaempresa seguradora, será exigida acontratação de resseguro, que se dará nos Lei Complementar n2 126, de S22 Na hipótese da contratação de resseguro, os contratos deverão conter ekpressa indicando que opagamento da indenização ou do benefício 1» ^ o. no caso de insolvência. liquidação ou falência da empresa segurado a. ocoircia e ao segurado, nos termos do parágrafo único do art. 14 da Lei Complementar n- Art 52 Oseguro garantia somente poderá ser aceito se sua apresentação ites de depósito ou de penhora em dinheiro do montante integral do debito Parágrafo único. Excluindo-se o depósito em dinheiro, será permitida a substituição de garantias por seguro garantia, desde que se verifique, no caso, interesse do Estado de Goiás. ser admitida do montfente individua débitos; e Art. 62 Após aaceitação do seguro garantia, sua substituição somente deverá caso oseguro deixe de satisfazer os critérios estabelecidos nesta Portaria. Art. 72 Éadmissível a aceitação de seguro garantia em valor inferior ao lota! devido, desde que assegurado o valor integral do crédito tributário izado na Certidão da Divida Ativa quese pretende discutir. Parágrafo único. Aaceitação do seguro garantia nos termos do caput: I- não permite a emissão de certidão positiva com efeito de negativa de II- não afasta a adoção de providências com vistas à cobrança da dívida ou à complem^ntação da garantia. Art. 82 Esta Portaria entra em vigor nadatade sua publicação. Gabinete do Procurador-Geral do Estado, em GoiâniaJ<fde fevereiro de V ;ÍÇÚ&X' \ Alexandre Eduardo Felipe Tocantins Procurador-Geral do Estaco Praça Pr. Pedro Ludovico T^nuETjYrr» r.niania.nni^ Telefone(62132mi6J^g^^P7^Q03^1Q. vwjw.pqe.cio.qov-br

13 Estado de Goiás Gabinete 'ortana n* 5% /2014-GAB Estabelece critérios e condições para aceitação de carta de fiança bancária no âmbito da de Goiás. que ihe disposto n< 11. inciso demais aciéscimos incluindo Código Ci afiançado Código Ci O PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DE GOIÁS, no uso das atribuições «Infere o inciso I do art. 5o da Lei Complementar n 58/2006, e considerando o art. 9o da Lei n 6.830,de 22 de setembro de 1980 (Lei de Execução Fiscal) e o art. I, da Lei n , de 19 de julho de2002 (Código Civil), resolve: Art. Io A carta de fiança bancária é instrumento hábil para garantir débitos inscritos eifo dívida ativa do Estado, em processos de execução fiscal. Parágrafo único. A apresentação da carta de fiança pelo devedor não suspenderá a exigibilidade do crédito fiscal garantido, salvo se identificada alguma das hipóteses co art. 151 do Código Tributário Nacional. requisitos: Art. 2o A carta de fiança bancária deverá conter, no mínimo, os seguintes I - indicação do Estado de Goiás como beneficiário; II - indicação do número de protocolo do processo judicial garantido, bem como do número do(s) processo(s) administrativo(s) tributário(s)-pat(s) que deu(ram) origem à d vida; III - cláusula de atualização de seu valor pelos mesmos índices de atualização e legais que incidem sobre o débito inscrito em dívida ativa do Estado. onorários advocatícios; IV - cláusula de renúncia ao benefício de ordem instituído pelo art. 827 do V- cláusula estabelecendo prazo de validade até a extinção das obrigações do ievedor, devendo constar, neste caso, expressa renúncia aos termos do art. 8j5 do ilil. observado o disposto nos 3o e 6o;

14 ação ou. em dívida estipulado em con S( termos do ÍTt. Estado de Goiás Gabinete VI - cláusula com a eleição de Comarca do Estado de Goiás onde tramita a ainda não ajuizada, com jurisdição para a cobrança executiva do débito inscrito ;itiva. para dirimir questões entre fiadora ecredora referentes à fiança bancária; VII - cláusula de renúncia, por parte da instituição financeira fiadora, do io inciso 1 do art. 838 do Código Civil; VIII - declaração da instituição financeira de que a carta de fiança é concedida forrhidade com o disposto no art. 34 da Lei n 4.595, de 31 de dezembro de nos 2o da Resolução CMN n de do Conselho Monetário Nacional. 1 O subscritor da carta de fiança bancária deverá comprovar poderes para atendimentb às exigências contidas nos incisos III a VII deste artigo. 2o A carta de fiança bancária deverá ser emitida por instituição financeira idônea e dejvidamente autorizada a funcionar no Brasil, nos termos da legislação própria. Art. 3o A carta de fiança bancária somente poderá ser aceita se sua apresentação ocorrer antes de depósito ou de penhora em dinheiro do montante integral do débito atua izado. substituiçãc Fazenda do Parágrafo único. Excluindo-se as hipóteses do caput, será permitida a de garantias por fiança bancária, desde que se verifique, no caso, interesse da Estado de Goiás. Art. 4o Após a aceitação da carta de fiança bancária, sua substituição somente será admitida caso a fiança deixe de satisfazer os critérios estabelecidos nesta Portaria. execução.o Art. 5o Nos casos em que a carta de fiança for oferecida em garantia à futura seu levantamento só será possível após anuência expressa do Estado de Goiás. Art. 6o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Gabinete do Procurador-Geral do Estado, em Goiânia,^de fevereiro de y "W ^^ c^ Alexandre Eduardo Felipe Tocantins Procurador-Geral do Estado Pr iça Pr. Pedro Luclovico Teixeira. n 3. Centro, Goiânia-Goiás. Telefone (62) CEP_Mi0j&Q10_

15 GOIÂNIA. SEGUNDA-FEIRA 24 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO DIÁRIO OFICIAL 3 O N <& Diário 13 MINISTÉRIO PUBLICO LX ESTADO DE GOIAS AVISO DE LK 1TAÇÃO Prnqao Eletrônico n' 009/2014 Menor Preço por Item Sistema de Registro de Preços Objeto, aquisição de canetas mod o 3011 com impr8ssío em 7 (fluas) cores Abertura; dia 12/03/2014 as t4h30rt n Pregão Eletrônico o' 010(2014 Menor Preço por item Sistema de Registro de Preços Objeto: aajs^n d» aparelhes do 3nes de ouvido biaunçuiar tiso hesdset Abertura: dia 13/03Í20U As 1*h30rrín Ma j-es 'nformaç^ tutu mngo irp.tff ou jun-.o á Com sjo de ücrtaçáo. â Rua 23., esquina com Av Fuea Jo&é Sebba fed A<5. II ISOí sala235. St! Jardim Goias Fone i62)."í243-í331 endereço elelrónico go gov br Goiânia 20 d??evi*eiío de 2014 Irene Teuoira 1e Moura Ptcgoe a II»itU^jtíwdtinjiij pck)itm*jij. du dúpou»-oq > I:-? *- Alem dn» rtquuitiii (ítíwccidíw "t««ifo. o b»iw<> d*. *t) lu n5-> pckfcrd comei clltwitj. eapcc lieio-j (íftfrica. drdctr-hnjiaiío dctorcnu ciuii\-»»do tranadm i<u 0jenvjnc*a mmwdika. ou<ii cntp.tía ns9tnund»n k ' ic itinlv* (in coniwmo i tíiiuiit.*. d>>ci.tiicnia(.<<< I - cofbs '.«JILirvi.!!.-< m m auh«i-ac»rtu\-i(.fi*c«lak» d-i»f"wick.ti/1'^<lc ^J-JLi:il«tetvjdwl pt^»rr.iiit-.' II <..>&- d»*. instrumovos Ij* contraio.* de coníra pmmiditíl*hfjdr> i-.-w vu»fkitfjdtjra ç. quantj-if»i u cr-*, pdi cmprcvi r-mcíiradora; dniiiii jifjdina.. i-u b ci;-r-i it»uinj/j.':i*a. hem n*t>» J«*cu* fofcc&l IV.c«:ip*.'. jví"^. *"! 'Ubj»>1h? (urso» *ji^u'.c V.i,-np»«'».nV»:!.- pivfcre- dcibir».íd'»rpl-3 i'cndtn VI. ruimiu c-ir i drifk JcIi«jkj dofiwlo *i*"í «w UaO" i:j.. >. nnda ni-quinta, «n,ur~jiçl.' jai j co-tom to"*» *i',l*llu ":'-'-M-,.,,i:;nM..:,.!li,m-ir. u-j.toci:iicfjriiiracn:d'nrdo(niníii-iwla,>u'i... \l! il.viiuli dí rmunca. PM r-wf ifa imúuicifl flbineein <^"J ' i...li-..:..iiki-«l,l..jn IJIdoCodi)»'0»ili \'lll JcdjjJfdo J> iw(iwi(to GamctW Jeiwacara de l"mç> crontt** couvnfurmij«lcvom.>dhp<wnujrt. 34*ldn*4J».de3ldt*iroibn>*! w" icflüvcidool :,dahc.vl:.(jo<'mnn-m'.;..!< l«h.iki<im«lhomoncun.<s»i«ul 5I* Osihjvinm du cana óc r«ma baikara dt^cra t»«iiprn%ar r»'*"'- f' ",.ii:nj.nic:.'..ii.r<iccm,3-..i»ilij.'m>.-iini;io'.ihiivlldt«{iilico I!'.' Acatt di- liaspi l-am«rw deveta -o cmüiib p miiw«* ' ' ' tiàm. ilcvmmkiitc au> '«klj t(inci -mi wivaul. :>simm" tta IcpMaci' pnjr» íii l* A cana df li.rv; r-an:ir:j -ornait i**kn «r «cm» t w.vchti^a' iipnr jiic- de denta'» 4." pt"h-«cm dinocm do iwibiwí «<{ * *> dd-1 Miubndn raraçul'.» úncii («Jm^i-sc j^ r.ípr^cw^ J-» i.^«." icir. pn.vi mcm k u»ii r" rui\j rookj-ü. diídeque :««rifkjbe. "ocn.i inicrc.v * l»/0(h»ri,«j>i..o.- '* ;. An - A.i-.jJkMaAiâiuttikr*^l«urú. -ju «ubanuçaux-,-.-:- i j. '!.'; ai-1!>m.iene * viinls'cro5cpier"^ naw.-cijw * : " Hituru PROCURADOR A-GERALDO ESTAX) i MM» i KMM-K i.l"».\i PQ I.MKi t>l(44as. n«iu» dl tinto**) *>.-.- I Jn >rt ff U lei c p>tivm«o* 5RC0-k\ c- cvmuiw»»**) *»!."'.L..-.- ' ' '. ( ir.:" MU»,lr itr arariro de I97: í,-jtço de rn-crw ' r> m :i.:,ir rj.d, ;i & w^f ir.rrodc I**Vt. e ru!xi Comptonc: i M*3*"Nuht A;i I' i' tereciraenir* cc^-mu fnotia.tr*.iam*, rcgttbfol,-ri»«.-,..rjcixu 4 Sqann l"m*lui SU I n~ : ;. de 3 tíí lunlu Jc "X<v l>... M<hMM«Kriv< n» F> Air.a d» f >U(J;i.le Uuison prtm-s >n : A aceiucic,!.j.., * ' i;''-,>» ilenaisiean mlmitadj a i.i.. - ixnlkmmdttotocrvtariiidn i. -.-glu AiirtvKiimniimdi.ji,. ie.-.'1'xj.i <uprli-i cm 1 l> lu.nl.- Oc OOÜl. I1 in«l>.i.v MliaUrJvfci.1.. >AhlA 11.1W mi IVlda Atua A. r.". M!«R.v.iniia fllii tlcí>ii''* i.-iv.-íri-% rn t>t ida *J W tía Esttdfl de (j-:üv ohjeu.de K-V I itcal. inr.ia por etwtf) w *a!c ^( ' "'t;1 llliadu jic a dlfl cm jue fwpkm»ü. Uni-» idi iit 7A 1, [ r, - [O4ii6..^ t'i dr n ^ v m hir-«fv -jcyafsnüa pfcunla emuma. o pnxedimencr axi advi Cii de (Upawcnln * mdcm/jvj'» (» > í"»r*-»j «i-guridoia ou. v 'W *'f*1"'- ffcit-nida (VU ií-rç*-:i*ni' -In %tin«\<\ úa MISI1' rt.-uiart.l-j.- -Ia frpífíj icfurvlofa». ^uír*i for t icuj.-^ntini^^-íf- I refere o 'ii/iw du «ri T fidíí.--» 'pci*o l l que am*. d* empresa iç\4ct'ur*í'-ia Art *" AcnipnMK^y»»di«a pxterielciuua cotocavft» do C«lciiae -i* «' imiíf.f.- titíxin fin»mr*rv- rcocpiiiovfas. i-h«nadcj i\ exig&wih >'VM '- i-l'j!amcnl»'*>. CMlti*n04 flip.»'jn pcln ( on^lhokttmml.v: Srgwc*\ t*t VA(Íot; icksl*! I» II Il J.i Kraelbtffft CNSP rt* l*l. de K tit &tc:nt*o Jc :C0". c n<-;. IctUM» 'í- I ' '.Ktlplim nu: i i l\*."«? 4I'.'.iwvio o\j'or xfurado cn«dít ars IO000JWJM (dt/ «*»««jc Ejul (I»L. 4»e «m *.»i"i ímri.i.knpainriido r*> Itmiit de rcienu' OOtodctÜO ptl.» M!si I'i-nai nnpicw ftcundi«n, >eni ttipdai cwhabçia deitucsafa cp«'» *^':» w» Mmn»da Lei i. oirplc.w-tkain«1^6..ic 2dHl t?* Na h:poicv ds comiaaç*- de levcg^ru. ns conimn* deverte ccnxi rliusub viptoa indkanj.. 4>k o p.^#^l"» "'',,»l-imeí-i/x-i»«"j*» hokfitiogotmpnodtam.i iviia*.>lic tffonfncu. ItqtKl-M^ki ira f*l.-r»ç»i <laem^ftm nvutid-xa. *A*ft'*i cíuf.tdo. r«unwidopauz:«fowikqdean 1<dj Ld rornolcnicr.!*/ lí irtíu' ou dí fcní>«* mi dmhem> do Pan^Titr urm> I uluínili»'»; j depõ*ito *j"'*i'h'i^ii'oi <-jr»i-n po( vgiffl {ata",,'a.dí>lc q-jí *c Knio v sua arnstriiaca.' dinvitn *íta permitití* nfique. no c An «í V->i*t;ü\Íuu\' «Ciruprantii soisysüíw^ voniernedí.1 --'immaikiacfavú CfiHr Jfi».? Jf nmjeucrci cn'.<r«n tsubcldo% nesuporijirj. Art r t >imüfv*la *«/» do *Íf Kjum gjraíiiiiemv.tlo.- inferw * 'i di<.imnwiie devido de*(fc ^i* «MOfwvdti o liloe i.itrçral ^" CiádilD iribom ;.-J.Md^alifjde M CoudaVldi OivíOj/\li*a ;i«-* rrtwndc dikufii i'irifrafiiua.cn A '«'eiiaçiueo*e^:rogaranti mnermoadôtiywl I- n-i.-. prntwfa cmubs<> dt NttidaiO ptisuiva cooi ckito de ncf3l)i" II iooiüv <4odi«an«i idjudíi^p^líc^ii' An 3 Nm<-m imific»i.ttta de lianca foi«ferauíacinpmm a i.:...c i-\con»i'..^culc^.ln;l. ^o.. ^.'..<<':jr.'^m.ll^ol^l^j«hiae^^r. &lllil^- '*i.'. OuuJ Ar! -.' tma l'.r:aiia..-nira..-^ «MM nadata d-çua fairlicica^ CiiMiHK dvrríuiajor-ticl d.^ r.sado.emfn.iiina.^ic fcvtbm $^ik:~ X Aktmkr l dwrdcile^ipe ioc;p:l»rt Tiniürack' CíenldoEsladM IHMHHI^B-^HIIHBPâlSHBGiHHBHSHHifflHBHHB CONTROLADORIA-OERALDO ESTADO ESTADO DEGOIÁS COMTROLADORIA^EIUU. DOESTADO GABINETE INSTRUÇÃO NORMATIVA N* 19. DE 15DE FEVER=!RO DÊ20M-CGFJGAB Aoüícea InstrtçioNorrnjtma U* 7.Oi 2< ac selímbro de o dbpocm que «pwíca 0 SECRETARIO OE ESTADO-CHEFE DA COtJTROLADCRiA^ERAL DO ESTADO, ivjusoce suasatribuições legais, cmcspeoal dodisposto noart. 7*. 1* merso» V.XI. XII e XVI da Lei n» íe 26depneiode 2011 cott<edaçao dada pela Lei If de 18 desetembro de2012. onodecreto» de7de,'unbo de 20H. RESOLVE banai a seguinteinstruçãonormatm 4.* 0.^ k>mdsac% jtcrautu t it ííítslísetn-71:..ic20«3.deq* tei * v.'.'.i.v.ic. M-^ii-i.-nlin.iím " qii-uxu' o iom-\1o'oí'in«..-i» t,.n*ljt". uradofakiif lofíttdo nãlnttjfdc iev Art. 1» A instrução Norrtfrva n' 7. de 24 de setembro de 2012 Ca Controladora-GeraldoEstado, passaavçorarcoma seguinte alteração '1 h'k-...1-í.iij,1'i>m ^ loovvdr ti.» a' Jr prmkuig F*AT(«l jjv donrin) mm n nja»i^k^m**<sdalc«r«dor.oterv«adn-iknlibelisb Ari 5"?-A ASupennwrdenoa Ce«W de Controle Interno pooera CeSrc Icmatne.ila síuaçíes ftou perlooos nc* quaí as Uraíadesde Controles 'nterws (UCls) terlo a prerrogatva da registrar nosiofinet o sísfes"anateado - njc aten-f as normas tegais'. comeslabelecínento dscondeiespa^a oprossegjmente Wl.. Iram*"*!.1» i-l-e.-e i-d ' I-.1. uta vprsjo ' I ' pmtlhi '.< S.. n -:... -.'. - ', I - ' ifc'> M t,it.' njí«*. pi Uhc M.ii,ií.il3c.»m.íclft(lnd-<' iria-ov' * jt:»ji. mm iwiidii^i ^ j [ora.ítsn-ii..ikm, Oi»(u paden v- J; iv.rmrts», -*--»Vif;< > -:;»-:<>' n]*lc ilr J CTijVCU.líf. - - i t *" -jv»de rartclarkn;-\cíii '.- -. rrt :.: ;,. iv.-- v.'.u - : l< -; I i : hnijíkw li : j\ i tu ii»svj«*r^<f.vj.-rr,id, i'- vau Mtjjfvfkrde mç pira j nnpce%«xçwnfc*» íicflj' -'" í.' dr»\doi nâo c l»»n.nu Inpc*»r ew irtrt do c^vtuu*ií rti Q-jjUíik- a j^r*!- defcndratoncsic.'c b^aíba enj uagrti ci ictíw. f^f-t.í)ruraili*rj. pi*»\a^iii'.k» ;viv'j..í- ;r».fijfittf>m>l M ptnçvdimaiiv í^f»i,.i iln f:s «lí) ikr tit)>as o-kk' liam t.i <( r.'l«wrvj etccidiva de ilct-i" iiihnk- «Cl» V ;* rjpit. p píu*» k- tfhbdc ; an»*v de*jc qtfc ;<j.'u'j tnn»ii^:' k.i rfíítui dffopki >nirvrj!d*. *-iv 1!qj»n/CI dí-v.;ü Jii Mfií-wit < ckw.nfci.butvanih.1 mdeyueítalau KK' - VIU 'i'i«li. í."j\«ucc tmenoi' í.ní! i.-í- rj" «íc cí:u (ic ("anca h*';if.a ro :ir.^ ri-,-u.i.i.'1-j '.In..!.' - ;.!»! > * I -ia. ' >l'r(» lifmdor«rai IX>K5TAD0 nt: GOIAS. n,. uw Ji.»lnlr.«t.Vi 11,. irii^i I ilo.in I íi l4i 1"mpkniailai b" 5M0UÍ. c cwmjcnndi' D f-ald " í.s)(i.'l-:.' JrMtmlTOdc l«5tiilci* E»n(toFiK>li«' M 11n ii' lü >;'.'.ik l«jc lutho6cxb? t'6jíri-tivil).rc».>l«t f A l I dí li) r.ji-klniivj.i-riijj.'. l,^u.'vj^lll, npict) \ aprjicnaci.*' ái cir c«^.mijuv <t,. ctmki ruad smntida ui Kl,t. ( ntngu TrMta N * inal I ^t;.*".> <;trti >tç iupcj ;^)ci:i4 «lc*cra :i\li.jbv<!rt«3j.>jcl>r.i«:- < í ir.mriotttilw UNI pbfa?4íi.wit ü«;l:'.(tv li...^.. n*> Ji' njrxi.' i«pípnkcu' do rr.'<cwo iwlic«l KJwaítiKl.. V III -*IMS)l Ic almknc*».fc -c. ulu prka r > í.' mi;- Ir/.:i 4m. incidcni irly. r-.vt^;i- ir.-í:i I....'..:. \ emb.i.l> nmmucndjü»»*w 'Ir ral^!*jc *;.acíiukí" iu» t4w*^*s" - hl ilrvcih-t. J.nc-.Ij fiimlli. ikw.-ij-v ort.iu ffuw» «^ '.efrnt^ Jw»n S".' 1.(1 rtim.t...,.t-..i...,'; v! : putw-açio An? Esta Instrução Norrraiva entra em «ijor na data de sua FIJBLIOJE-SE. OÉ-SECttNClAe cuvfrase GA3INFIE DO SECRETARIO I CONTROIADORIACERAL DOESTADO,em Goiana, i de 2014 OSA JÚNIOR SnõCeEslado-Chefe ESTADO-CHEFE D* t dias co môs de leverewn DEFENSORIAPUBUCA EXTRATO DO TERMO ADITIVO N 001/2014 Processo: Licitação: Prorrogação ao Contrato r,' 006/2012 cuio obieio èa conirataçâo deserviço delocação 0e 0^ ISto a»t ilcutwo. MARCA.MODELO WWOYAGE L6 para atender as necess-dades da Deíenson. PuW«ds Esmo de Go;às, ITEM 02. nos (ermos da Ate ce Regrstro de Preços a da Segpian-GO Contratante: Estado de Goias. p iniermédic da Delensoria Púbica do Estado de Goias Contatada. Ache. Automóveis Ltda Vigência: 12 (doze) meses, amados de 22/02/2014 a21/02/2015 Outorga do Contrato: ^J>*""* 20V. Dotação OrçamBntâria: (00, Valor do Contrato: R$ Empenho: C001S

16 corregedoria geral da justiça do estado de goiás PODER JUDICIÁRIO Corregedoria-Geral da Justiça Assessoria de Apoio Expediente n : /2014 Nome Assunto : de Goiás : Comunicação DESPACHO N 5 /2014 Atendendo a solicitação do Procurador-Geral do Estado de Goiás, Dr. Alexandre Eduardo Felipe Tocantins, e, evidenciada a relevância do Ofício n 120/2014-GAB, o qual encaminha cópias das Portarias n s 57/2014-GAB e 58/2014- GAB, que regulamentam o oferecimento e a aceitação de seguro garantia para débitos inscritos em Dívida Ativa do Estado de Goiás, objeto de execução fiscal e estabelecem critérios e condições para aceitação de carta de fiança bancária no âmbito da, respectivamente, determino a expedição de ofício circular a todos os Diretores de Foro do Estado de Goiás para ciência própria e transmissão aos demais magistrados. Referida comunicação deverá se fazer acompanhar de cópia integral do expediente. Cientifique-se o eminente Procurador-Geral do Estado de Goiás, Dr. Alexandre Eduardo Felipe Tocantins, inteirando-o das providências assumidas por esta Corregedoria-Geral em atenção à matéria apresentada, com o envio de reprodução deste despacho. À Secretaria Executiva. Após, encaminhe-se o feito à ínclita Presidência. Goiânia, In de março de 20J14. Desembargadora NELMA^BRI^ICO-FERREIRA PERILO Corregedora-<â?eral da Justiça LMP

RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado)

RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado) RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado) Regulamenta o oferecimento e a aceitação de seguro garantia e da carta de fiança no âmbito da Advocacia Geral do Estado - AGE. O ADVOGADO-GERAL

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 Altera a Lei nº 6.830, de 22 de setembro de 1980, para incluir o segurogarantia dentre os instrumentos de garantia nas ações de execução

Leia mais

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP 1. Como podemos incluir o Seguro Garantia Judicial como válida hipótese de Penhora

Leia mais

Ofício Circular n 003/2014-SEC

Ofício Circular n 003/2014-SEC corregedoria Qeral (J3 justiça poder judiciário Corregedoria-Geral daju.sliça Secretaria Executiva Ofício Circular n 003/2014-SEC Goiânia, de 2014. Processo n 4568893/2013 Aos Magistrados do Estado de

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

Goiânia, )rt de \\0J^ de 2013.

Goiânia, )rt de \\0J^ de 2013. corregedoria geral da justiça do estado de goiás poder judk -lírio ('r>v»l>dnria-( iaral da Justiça Secretaria Executiva Ofício Circular «103 /2013-SEC Expediente n 4489969/2013 Goiânia, )rt de \\0J^

Leia mais

DESa. NELMA BRA^Ctò FERREIRA P! k11 Corregedora-Goral da Justiça

DESa. NELMA BRA^Ctò FERREIRA P! k11 Corregedora-Goral da Justiça corregedoria geral da justiça do estado de goiás poder judiciário ('orregedoría-geruf c/a Justiça Sc( ralaria Executiva Ofício Circular n fal /2013-SEC Expediente n 4718232/2013 Goiânia. ft de r de 2013.

Leia mais

Seguro Garantia Judicial. Aon Risk Solutions

Seguro Garantia Judicial. Aon Risk Solutions Seguro Garantia Judicial Aon Risk Solutions Produtos Financeiros 2013 Seguro Garantia Mercado de Garantias Evolução Mercado Garantia Prêmio 900.000.000 800.000.000 PAC 700.000.000 600.000.000 500.000.000

Leia mais

Assunto: Cieníi/icação do teor do Despacho "AG" n 001133/2013 oriundo da Procuradoria

Assunto: Cieníi/icação do teor do Despacho AG n 001133/2013 oriundo da Procuradoria corregedoria poder judiciário ('omgedoria-geral da Justice Secretaria Executiva Ofício Circular n ^ /2013-SEC Goiânia, 03 de G^tlSi^ de 2013. Processo n 4461461/2013 Aos Magistrados Diretores de Foro Assunto:

Leia mais

SEGURO GARANTIA JUDICIAL

SEGURO GARANTIA JUDICIAL Conselho Empresarial de Seguros da ACMINAS SEGURO GARANTIA JUDICIAL Landulfo O. Ferreira Júnior Roteiro» Evolução normativa do Seguro Garantia» Previsão legal e aplicabilidade» Conceitos» Principais Modalidades

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador LUIZ HENRIQUE

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador LUIZ HENRIQUE PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 244, de 2011, do Senador Armando Monteiro, que acrescenta os arts. 15-A, 15-B e 15-C à Lei nº 6.830, de 22 de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI N 1765, DE 25 DE AGOSTO 2006. Institui o Programa de Recuperação Fiscal - REFIS no Município de Caucaia, e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE CAUCAIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO

CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO Execução fiscal, colidências com o CPC e questões relacionadas às garantias. Execução Fiscal: especialidade e subsidiariedade Leonardo Buissa Freitas Execução

Leia mais

DECRETO Nº 22.567, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2012. (IMPORT-RN). CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO GERAL E OBJETIVOS

DECRETO Nº 22.567, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2012. (IMPORT-RN). CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO GERAL E OBJETIVOS DOE Nº 12.651 Data: 24/02/2012 DECRETO Nº 22.567, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2012. Regulamenta a Lei Estadual n.º 9.592, de 13 de dezembro de 2011, que dispõe sobre o Plano de Apoio às Importações do Exterior

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE

ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA CASA CIVIL Nº 03/2013 ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE Modelo de Garantia de Proposta - Seguro-Garantia (Termos e Condições Mínimas) 1. Tomador:

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais para os contratos de segurogarantia e dá

Leia mais

As leis brasileiras entram em vigor com grandes níveis de questionamentos, o Poder Judiciário leva uma eternidade para solucioná-los.

As leis brasileiras entram em vigor com grandes níveis de questionamentos, o Poder Judiciário leva uma eternidade para solucioná-los. As leis brasileiras entram em vigor com grandes níveis de questionamentos, o Poder Judiciário leva uma eternidade para solucioná-los. 2003 2006 2007 2008 2009 2012 2013 2014 Circular SUSEP 232/03 consolida

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 872/2009 Disciplina a dação de bens imóveis como forma de extinção da obrigação tributária no município de Juranda,, prevista no inciso XI do artigo 156 do Código Tributário Nacional, acrescido

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Aprova o Regulamento de Parcelamento de Créditos Não Tributários Administrados pela Agência Nacional de Telecomunicações Anatel

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS Gladimir Adriani Poletto Poletto & Possamai Sociedade de Advogados SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. ESTRUTURA

Leia mais

ANO XXV - 2014-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2014

ANO XXV - 2014-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2014 ANO XXV - 2014-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2014 ASSUNTOS DIVERSOS PORTARIA STN Nº 111, de 05.03.2014 (DOE de 06.03.2014) - Títulos Da Dívida Agrária - Mês De Março De 2014.. Pág.

Leia mais

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF PORTARIA Nº 1907 Ementa: Regulamenta no âmbito do CRF/SC o Programa de Recuperação Judicial e Extrajudicial de Créditos Fiscais dos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia PRF/CFF-CRF. A Presidente do

Leia mais

Inscrição de dependente em assentamentos funcionais. Referência: Processo Administrativo nº 10530.001247/2009-55

Inscrição de dependente em assentamentos funcionais. Referência: Processo Administrativo nº 10530.001247/2009-55 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

ANEXO IX - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA O PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO

ANEXO IX - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA O PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO ANEXO IX - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA O PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO APÓLICE N.º A Nome da Seguradora, através desta apólice de Seguro-Garantia, garante ao SEGURADO, AGÊNCIA NACIONAL DE PETRÓLEO, GÁS

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS RESOLUÇÃO N o 03/06 Aprova Manual de Instrução para Inscrição de Créditos do DETER, em Dívida Ativa.

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor)

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor) BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV (Requisição de Pequeno Valor) Hugo Soares Porto Fonseca O caput do art. 100 da Constituição Federal 1 determina que os pagamentos de valores devidos pelas Fazendas Federal,

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC ORDEM DE SERVIÇO CONJUNTA Nº 01/GR/PF-IFC, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE E O PROCURADOR-CHEFE DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO AO

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

LIBERAÇÃO DE MERCADORIAS APREENDIDAS DECORRENTE DE AUTO DE INFRAÇÃO

LIBERAÇÃO DE MERCADORIAS APREENDIDAS DECORRENTE DE AUTO DE INFRAÇÃO LIBERAÇÃO DE MERCADORIAS APREENDIDAS DECORRENTE DE AUTO DE INFRAÇÃO Dec. 24.569/97(RICMS/CE), art. 843 ao 850. Art. 843. As mercadorias retidas poderão ser liberadas, no todo em parte, antes do trânsito

Leia mais

ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA. Concorrente R$ XXX / / / /

ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA. Concorrente R$ XXX / / / / ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA PARTE 2 - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA OFERTA APÓLICE N.º A ( nome da seguradora ), através desta apólice de Seguro-Garantia, garante ao SEGURADO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 002/2011

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 002/2011 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 002/2011 EDITAL DE LICITAÇÃO N.º 160/2010 MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL PROCESSO Nº 2010 0001 0295 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES ATA Nº 002/2011 Aos 12 (doze) dias do mês de janeiro

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

Modelo 4 do Grupo II

Modelo 4 do Grupo II Modelo 4 do Grupo II SEGURO GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - GARANTIA DE PROPOSTA (Companhia Seguradora) Apólice n.º Termo de Contrato nº - Objeto A (Companhia Seguradora), em caráter de Fiadora e principal

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

HASTAS PÚBLICAS UNIFICADAS DA JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU EM SÃO PAULO REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO

HASTAS PÚBLICAS UNIFICADAS DA JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU EM SÃO PAULO REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO HASTAS PÚBLICAS UNIFICADAS DA JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU EM SÃO PAULO REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO As Hastas Públicas Unificadas serão realizadas em dois leilões, sendo: 1º leilão: os lotes de bens oferecidos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2913, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2012. PUBLICADA NO DOE Nº 2110, DE 03.12.2012. Consolidada, alterada pela Lei nº: 3212, de 03.10.13 DOE nº 2312, DE 03.10.13. Autoriza a Procuradoria Geral do Estado de

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ( MINUTA )

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ( MINUTA ) ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ( MINUTA ) ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: - TERRACAP PROCESSO Nº: Pregão Presencial Nº: VALIDADE:, a partir da publicação no DODF. Aos dias do mês de do ano de dois mil e treze,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CIRCUNSCRIÇÃO JUDICIÁRIA DE CANOAS PRIMEIRA VARA FEDERAL PORTARIA 002/08

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CIRCUNSCRIÇÃO JUDICIÁRIA DE CANOAS PRIMEIRA VARA FEDERAL PORTARIA 002/08 PORTARIA 002/08 Os Doutores GUILHERME PINHO MACHADO, Juiz Federal da Vara Federal Cível da Subseção Judiciária de Canoas, e DANIEL LUERSEN, Juiz Federal Substituto, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

MANUAL DE INSCRIÇÃO E APORTE DE GARANTIAS

MANUAL DE INSCRIÇÃO E APORTE DE GARANTIAS MANUAL DE INSCRIÇÃO E APORTE DE GARANTIAS Este Manual tem como objetivo descrever o procedimento adotado para inscrição on-line e aporte de Garantias de Participação no LEILÃO. Maiores especificações sobre

Leia mais

LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009

LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 Publicada no DOE em 19/11/2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. DISPÕE SOBRE A REMISSÃO, A ANISTIA E A TRANSAÇÃO DE CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS RELACIONADOS

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO LEI N.º 2.178, DE 02 DE JUNHO DE 2.014. *VERSÃO IMPRESSA ASSINADA Dispõe sobre o Programa de Recuperação e Estímulo à Quitação de Débitos Fiscais REFIS PORTO 2014 e dá outras providências. Eu, PREFEITO

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre a designação de Juízes Federais para acompanhar as correições realizadas pela Corregedoria- Geral. O Corregedor-Geral da Justiça

Leia mais

ANO VI EDIÇÃO nº 1433 Suplemento SEÇÃO I

ANO VI EDIÇÃO nº 1433 Suplemento SEÇÃO I ANO VI EDIÇÃO nº 1433 Suplemento SEÇÃO I DISPONIBILIZAÇÃO: sexta-feira, 22 de novembro de 2013 PUBLICAÇÃO: segunda-feira, 25 de novembro de 2013 Senhores(as) Usuários(as), A Seção I do Diário da Justiça

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I Fls. 3 da CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ ANEXO II MODELO DE CARTAS E DECLARAÇÕES CONSULTA PÚBLICA nº 01 18/11/2013 SUMÁRIO Modelo nº 01 CARTA DE CREDENCIAMENTO... 3 Modelo nº 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO DA GARANTIA DE PROPOSTA DA CONCORRENTE SOB

Leia mais

PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014.

PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014. PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014. Estabelece procedimento para conversão de multas simples em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente, e dá

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO)

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) ESSOR Seguros S.A CNPJ 14.5 25.684/0001-50 Process o SUSEP Nº 1 54 14.002 72 3/2 01 2-09 O registro deste plano na SUSEP não im plica,

Leia mais

DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS. Quais as formas de que disponho para quitar meu débito?

DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS. Quais as formas de que disponho para quitar meu débito? DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS Quais as formas de que disponho para quitar meu débito? À vista: Emitir DAE (Documento de Arrecadação Estadual) para pagamento à vista na sede da Procuradoria Geral do Estado,

Leia mais

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES SUMÁRIO I - MODELO DE SOLICITAÇÃO DE ESCLARECIMENTOS... 3 II - TERMOS E CONDIÇÕES MÍNIMOS DO SEGURO-GARANTIA PARA GARANTIA DE PROPOSTA... 4 III - MODELO DE FIANÇA-BANCÁRIA

Leia mais

RESOLUÇÃO AGE Nº 301, DE 24 DE ABRIL DE 2012. (Texto consolidado)

RESOLUÇÃO AGE Nº 301, DE 24 DE ABRIL DE 2012. (Texto consolidado) RESOLUÇÃO AGE Nº 301, DE 24 DE ABRIL DE 2012. (Texto consolidado) Contém o Regulamento Geral da cobrança do Crédito do Estado no âmbito da Advocacia-Geral do Estado - AGE. O ADVOGADO-GERAL DO ESTADO, no

Leia mais

DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006

DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006 DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006 05/06/2006 * Publicado no DOE em 08/06/2006. Regulamenta a Lei nº 13.707, de 7 de dezembro de 2005, que trata da compensação de crédito tributário com precatórios

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Comissão Permanente de Licitação

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Comissão Permanente de Licitação ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Comissão Permanente de Licitação CONTRATO DE FORNECIMENTO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ E A EMPRESA

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

Ofício Circular n tssí /2013-SEC

Ofício Circular n tssí /2013-SEC corregedoria geral da justiça do estado de goiás poderjudr lírio Corregedoria-Geral da Justiça Secretaria Executiva Ofício Circular n tssí /2013-SEC Expediente n 4602765/2013 Goiânia M de 2013. Aos Magistrados

Leia mais

Portaria CAT 29, de 4.3.2011.

Portaria CAT 29, de 4.3.2011. Portaria CAT 29, de 4.3.2011. LEGISLAÇÃO ESTADUAL (Diário Oficial do Estado de São Paulo) Portaria COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAT/SP nº 29, de 04.03.2011 D.O.E.: 05.03.2011.

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489 Publicado no Diário Oficial Nº 8708 de 08/05/2012 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto na Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO Celebra Termo de Convênio firmado entre a UNICENTRO e o Banco UNIBANCO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Administração,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA Seção Judiciária do Rio Grande do Norte 6ª Vara PORTARIA Nº POR.0006.

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA Seção Judiciária do Rio Grande do Norte 6ª Vara PORTARIA Nº POR.0006. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA Seção Judiciária do Rio Grande do Norte 6ª Vara PORTARIA Nº POR.0006.000006-0/2014 O Juiz Titular da 6ª Vara Federal da Seção Judiciária do Rio Grande

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, ESTADO DO PIAUÍ

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, ESTADO DO PIAUÍ 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 4.448, DE 17 DE SETEMBRO DE 2013. Publicado no DOM n 1.555, de 18.09.2013. Institui o Programa de Recuperação de Créditos Tributários e não Tributários do Município de Teresina RETRIMT

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

Programa Especial de Parcelamento - PEP

Programa Especial de Parcelamento - PEP Programa Especial de Parcelamento - PEP Eduardo José Fagundes Marcia Aparecida de Andrade Freixo Subprocuradoria Geral do Estado Área do Contencioso Tributário-Fiscal Legislação Convênio CONFAZ nº 108,

Leia mais

Superintendência de Gestão Orçamentária e Compras Comissão Permanente de Licitação ATA DE REGISTRO DE PREÇOS - Nº 014/2011

Superintendência de Gestão Orçamentária e Compras Comissão Permanente de Licitação ATA DE REGISTRO DE PREÇOS - Nº 014/2011 1 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS - Nº 014/2011 EDITAL DE LICITAÇÃO N.º 048/2011 MODALIDADE DE PREGÃO PRESENCIAL PROCESSO N.º 2011.0000.4871 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES Aos 21 (vinte e um) dias do mês de junho

Leia mais

CLÁUSULA QUARTA DA RATIFICAÇÃO. Ficam mantidas as demais cláusulas e condições do contrato originário, naquilo que não contrariem o presente aditivo.

CLÁUSULA QUARTA DA RATIFICAÇÃO. Ficam mantidas as demais cláusulas e condições do contrato originário, naquilo que não contrariem o presente aditivo. 9 PODER, IUDICIARIO DE ALAGOAS Praça Marechal Deodoro, 319, Centro CEP: 57020-919, Maceió-AL Fone: (82) 4009-3100 3 Termo Aditivo ao Convenio n 10/2011 TERCEIRO TERMO ADITIVO AO CONVÊNIO N 10/2011, CELEBRADO

Leia mais

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa.

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa. VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DA MINUTA DE CIRCULAR QUE DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA, A CONTRATAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DE NOVA NORMA PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA E CONTRAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR PROCESSO N.º 15414.002557/2008-56 DIRETOR ALEXANDRE PENNER Senhores Diretores:

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

2.3. Endereço: Avenida Presidente Vargas, 1012, Rio de Janeiro - RJ. 2.7. Responsáveis: Jorge Luís da Silveira; Maria Teresa Outeiro de Azevedo Lima

2.3. Endereço: Avenida Presidente Vargas, 1012, Rio de Janeiro - RJ. 2.7. Responsáveis: Jorge Luís da Silveira; Maria Teresa Outeiro de Azevedo Lima ATA DE REGISTRO DE PREÇOS nº 10/2013 CGTI/DPF A UNIÃO FEDERAL, através da COORDENAÇÃO GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO /MJ, localizada no SPO (Setor Policial), Lote 07, Edifício 23, CEP: 70.610-902,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 248/2009

RESOLUÇÃO Nº 248/2009 RESOLUÇÃO Nº 248/2009 PROCESSO Nº 07588/2009-000-07-00-0 TIPO: Processo Administrativo PARTE 1: PROPOSIÇÃO DO PRESIDENTE DO TRT 7ª REGIÃO PARTE 2: TRIBUNAL PLENO Vistos, relatados e discutidos os presentes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

PORTARIA Nº PGE - 089/2012

PORTARIA Nº PGE - 089/2012 PORTARIA Nº PGE - 089/2012 O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 32 da Lei Complementar nº 34, de 06 de fevereiro de 2009, considerando a necessidade de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Seguro-caução Nas Execuções Trabalhistas Bruno Landim Maia DIREITO DO TRABALHO O seguro-garantia é centenário no mundo, mas recentemente operacionalizado no Brasil, é decorrente

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009.

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o procedimento a ser adotado para a formalização e controle dos processos de parcelamentos de arrematação ocorrida nas hastas

Leia mais

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 Introduz alterações no RICMS/ES, aprovado pelo Decreto n.º 1.090- R, de 25 de outubro de 2002. O GOVERNADOR

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 6 DO CONTRATO

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 6 DO CONTRATO CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS - BRASÍLIA - EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 6 DO CONTRATO MODELOS E CONDIÇÕES MÍNIMAS PARA GARANTIA CONTRATUAL Condições

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

Modelos de Garantia Contratual

Modelos de Garantia Contratual Modelos de Garantia Contratual CONDIÇÕES MÍNIMAS PARA CONTRATOS DE SEGUROS E PRESTAÇÃO DE GARANTIAS Termos e Condições Mínimas do Seguro-Garantia 1 Tomador 1.1 Concessionária 2 Segurado 2.1 COMPANHIA ESPÍRITO

Leia mais

cópia do Despacho/Ofício n 1898/2014 e das peças de fs. 03/08, extraídas do processo

cópia do Despacho/Ofício n 1898/2014 e das peças de fs. 03/08, extraídas do processo corregedoria Q6f3l CJ3 ÍUStÍC3 do estado de goiás poder judk 'iárjo Corregedoria-Geral dajustiça Secretaria Executiva Ofício Circular tfjcs /2014-SEC Goiânia, \j\j de de 2014. Processo n 4951166/2014 Aos

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Altera e acrescenta dispositivos à Lei n o 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o A Lei n o 5.172, de 25 de outubro

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 1.082, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 Disciplina o pagamento de débitos de que trata o art. 21 da Medida Provisória nº 66, de 29 de agosto de 2002. O SECRETÁRIO

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais