Ele permanecia sentado, observando exausto as crianças saírem da sala, pensando que, naquele período escolar ao menos, seria razoável presumir que

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ele permanecia sentado, observando exausto as crianças saírem da sala, pensando que, naquele período escolar ao menos, seria razoável presumir que"

Transcrição

1 !"#$ Ele permanecia sentado, observando exausto as crianças saírem da sala, pensando que, naquele período escolar ao menos, seria razoável presumir que nenhuma das meninas estivesse grávida. Adeus, senhor, disse a última das crianças a sair. Adeus, Mason, disse o professor, Vejo você no próximo período, e a figura pequena, puída, perdeu-se no clarão da porta a classe agora não era senão uma balbúrdia de vozes animadas flutuando e desaparecendo no calor.

2 %& '( )* + O professor passou os olhos pelo cômodo vazio, que constituía a totalidade da escola, além de algumas precárias instalações sanitárias do lado de fora. Vinte e duas carteiras para vinte e oito alunos, meninos e meninas com idades de cinco a dezessete anos. Vinte e oito alunos, vinte e sete na escola somente porque a lei insistia que fossem educados até que tivessem ao menos quinze anos, ou porque algum fazendeiro desesperado, arrancando sustento das terras das grandes planícies do interior, pensava que a educação pudesse dar a seu filho um pouco da esperança que ele próprio tinha abandonado. E o vigésimo oitavo, o jovem Mason onze anos de idade, sedento por aprender, animado, inteligente e inexplicavelmente sensível, mas fadado a juntar-se às gangues dos trilhos assim que tivesse idade legal para isso, porque o seu pai era de gangue. O professor levantou-se e mexeu os ombros para soltar a camisa molhada de seu corpo e começou a fechar e trancar as janelas. Pelo vidro ele podia ver a planície se esticando em direção ao oeste, interrompida somente pelos aglomerados de arbustos endurecidos que conseguiam extrair sustento até mesmo aqui onde a terra estava virgem de qualquer traço de umidade havia meses. De algum modo as pessoas davam um jeito de viver no semideserto, de algum modo elas criavam ovelhas e gado uma cabeça a cada 10 acres e mantinham os animais vivos até atingirem peso suficiente para valerem algumas libras nos mercados costeiros da Austrália, e o professor nunca entendeu como. Algumas pessoas, proprietárias de milhares de milhas quadradas, até faziam fortuna aqui esperando as chuvas ocasionais, e então trazendo os rebanhos para alimentar-se nos tapetes de grama verde que apareciam de um dia para o outro. Mas agora não havia chovido durante quase um ano, o sol tinha murchado todas as coisas vivas exceto a vegetação rasteira. As pessoas tinham murchado, suas peles se contraindo e seus olhos afundando conforme seus rebanhos se tornavam ossos. Mas elas permaneciam em suas casas de madeira porque acreditavam que a chuva ia cair alguma hora. O professor sabia que em algum lugar não distante naquele mormaço trêmulo estava a fronteira de estado, marcada por uma cerca quebrada, e mais adiante no calor estava o centro silencioso da Austrália, o Coração

3 Morto. Ele olhou pelas janelas quase com prazer, porque esta noite ele estaria a caminho de Bundanyabba; amanhã pela manhã embarcaria em um avião; e amanhã à noite ele estaria em Sidney, e no domingo ele nadaria no mar. Pois o professor era um australiano da costa, um nativo da faixa de continente que existe entre o Oceano Pacífico e a Cordilheira Australiana, onde a natureza depositava as graças que negava tão firmemente ao oeste. O mar, mil e novecentos mil quilômetros para o leste, tinha se erguido e se encolhido em suas marés, do começo ao fim do dia durante um ano, e ele não o tinha visto. Por doze meses ele havia sido o mestre da escola de um só professor em Tiboonda, doze meses somente com o seu salário de férias para garanti-lo durante as pausas entre os períodos escolares. Então ele as tinha passado em Bundanyabba, a cidade mineradora de sessenta mil pessoas que era o centro da vida no território em torno da fronteira. Mas para o professor era somente uma variação maior de Tiboonda, e Tiboonda era uma variação do inferno. Mas agora as longas férias de Natal haviam chegado, seis semanas de folga, com pagamento de seis semanas. Duas semanas de pagamento cobririam sua passagem de ida e volta para Sidney, e restariam quatro semanas de pagamento, esticadas por visitas sensatas aos parentes. Seis semanas à beira-mar, para somente deitar-se na água e lavar a poeira que havia se infiltrado em seu ser. Ele terminou de fechar as janelas e olhou em volta, consciente do cheiro da sala de aula que sempre parecia mais forte depois que as crianças tinham saído. Um cheiro de giz, um cheiro de tinta, uma sugestão de cheiros de corpo e sanduíches velhos e miolos de maçã escurecidos, tudo misturado ao cheiro da poeira que, mesmo dentro da classe, levantava-se e fazia espirais em volta de seus pés conforme ele se mexia. Pegou sua pasta e caminhou para o sol lá fora. Ele sempre franzia o rosto quando o sol o atingia. Não conseguia aprender o truque que os locais tinham para manter seus olhos perpetuamente semicerrados. Forçou a porta de madeira em seu batente empenado e virou a chave. Então balançou a cabeça e pegou seus óculos de sol. Em um ano no oeste ele não tinha conseguido se decidir se os óculos serviam para alguma coisa ou não. O clarão era branco sem eles e cinza com eles, se é que um clarão pode ser

4 %& '( )* + cinza, e os feixes brancos entravam pelos lados, como pedrinhas afiadas se dirigindo a seus olhos. Ele tentou manter as pálpebras fechadas tanto quanto possível enquanto atravessava o pátio, passando pela ficção de uma cerca de madeira que se erguia em um fútil protesto contra a possibilidade de que o gado solto entrasse no pátio do recreio. A estrada só se distinguia dos campos pelas marcas profundas de pneus na poeira, e o professor podia sentir seus pés afundando nelas enquanto andava. A cem metros da escola ficava o hotel, e ao lado dele o desvio no trilho do trem chamado Estação Tiboonda. Os três prédios constituíam o conjunto da cidade de Tiboonda. Todos eram feitos de madeira e ferro, todos construídos no formato monótono de caixa baixa que caracteriza a arquitetura do oeste; e todos estavam infestados de cupim e mofo. Eles se erguiam na planície abjetamente, como se não fizessem mais nenhuma questão de constituir uma cidade. O professor andava devagar, tentando não levantar poeira. Em todas as direções pequenas nuvens mostravam onde seus alunos, a pé, de bicicleta ou a cavalo, separavam-se em direção aos alojamentos, casas de fazenda e cabanas nativas em que eles moravam. Para eles as seis semanas de férias significavam seis semanas aqui onde o leito do riacho era seco e rachado e a água para beber tinha que ser trazida de Bundanyabba pelo trem, e tudo o que eles podiam fazer era brincar na poeira, ou talvez provocar os camelos selvagens cujos ancestrais haviam formado o sistema de transporte do interior. Ele chegou ao hotel e caminhou pelo piso envelhecido da varanda até o bar. Aqui havia sombra, mas não estava fresco. Nunca estava fresco em Tiboonda, exceto à noite no auge do inverno quando o frio chegava até os ossos. No inverno você desejava o verão, e no verão você desejava o inverno, e o tempo todo você desejava desesperadamente estar a mil quilômetros de Tiboonda. Mas você tinha dois anos a cumprir para o Departamento de Educação, e se você saísse antes disso, você perdia o acordo que o seu tio arranjou para você quando você foi tolo o suficiente para pensar que queria dar aulas como profissão. E assim você ficaria por mais um ano, a

5 não ser que pela graça de Deus você conseguisse persuadir o Departamento a transferir você para o leste antes disso, e Deus provavelmente não tinha essa graça sobrando. Kenneth Cook nasceu em Sidney, em 1929, e morreu em Escreveu 21 livros, vários roteiros e também trabalhou como diretor de cinema. De sua estada como jornalista em Broken Hill, pequena cidade no coração do outback, o deserto australiano, vieram as observações que deram origem a Sobressalto, seu mais famoso livro. O romance, lançado em 1961 com o título original de Wake in Fright, foi publicado em vários países e idiomas. Sua importância no cenário literário da Austrália é tal que faz dele leitura frequentemente recomendada nas escolas. Chegou às telas em 1971, dirigido por Ted Kotcheff, num filme que ficou mundialmente conhecido pelo nome de Outback.

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Olá. Esta é minha casa em São Miguelito. São Miguelito é uma pequena cidade com cerca de 50 ou 60 famílias. A cidade tem uma escola, um campo de futebol e algumas igrejas, mas não tem um centro, como a

Leia mais

Rios que voam. Yana Marull

Rios que voam. Yana Marull Rios que voam Yana Marull Yana Marull Drews Yana é jornalista, vive com a família em Brasília e já morou em outros países que também fazem parte da Bacia Amazônica. Ela adora escrever matérias sobre o

Leia mais

15 de maio de 2012 Por Peter Temple

15 de maio de 2012 Por Peter Temple Por Peter Temple Wake in Fright foi publicado pela primeira vez em 1961 quando Kenneth Cook tinha trinta e dois anos. Era seu segundo romance, o primeiro fora retirado de circulação por causa de uma ameaça

Leia mais

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo.

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo. I Uma vez, quando eu tinha seis anos, vi uma figura magnífica num livro sobre a floresta virgem, chamado Histórias vividas. Representava uma jiboia engolindo uma fera. Esta é a cópia do desenho. O livro

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

O despertador ainda não havia tocado quando abri os

O despertador ainda não havia tocado quando abri os I O despertador ainda não havia tocado quando abri os olhos na manhã do dia cinco de abril de mil novecentos e noventa e nove. Abri os olhos por intuição e virei o rosto na direção do relógio que estava

Leia mais

A Trilha Inca (2 dias/ 1 noite)

A Trilha Inca (2 dias/ 1 noite) A Trilha Inca (2 dias/ 1 noite) "A sua emocionante aventura Sulamericana Esta trilha segue os passos ancestrais dos Incas até a mundialmente famosa Cidade Perdida dos Incas, Machu Picchu. Historicamente

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12 NA PIOR Moggle? sussurrou Aya. Você está acordada? Algo se moveu na escuridão. Uma pilha de uniformes de dormitório se mexeu como se houvesse um pequeno animal embaixo. Então uma silhueta saiu das dobras

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

E.E.B. Apolônio Ireno Cardoso Disciplina: Geografia Professor: José Carlos Rabello

E.E.B. Apolônio Ireno Cardoso Disciplina: Geografia Professor: José Carlos Rabello E.E.B. Apolônio Ireno Cardoso Disciplina: Geografia Professor: José Carlos Rabello R i o A r a r a n g u á c o m M o r r o d o s C o n v e n t o s e A r r o i o d o S i l v a a o f u n d o ( F o t o :

Leia mais

A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO

A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO Adriana Galvão Freire, Bióloga, Mestre em Administração Rural, Assessora Técnica da Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura

Leia mais

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Página 1 de 5 1 O número concreto Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Como surgiu o número? Alguma vez você parou para pensar nisso? Certamente você

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

2ºano. 2º período 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014

2ºano. 2º período 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014 2ºano 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA 2º período 10 de junho de 2014 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado

Leia mais

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO CISNE BRANCO 1 2 JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO 3 Copyright 2011 José Araújo Título: Cisne Branco Editoração e Edição José Araújo Revisão e diagramação José Araújo Capa José Araújo Classificação: 1- Literatura

Leia mais

BARCO À VISTA! por Paulo Pinheiro*

BARCO À VISTA! por Paulo Pinheiro* BARCO À VISTA! por Paulo Pinheiro* Sentiu uma descarga de adrenalina grande quando notou o barco encalhado. Olhou ao redor, céu azul, praia, mar e mata, tudo calmo e deserto, e um barco na outra ponta

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

Maximiliano Barrientos HOTÉIS. Tradução e posfácio JOCA REINERS TERRON

Maximiliano Barrientos HOTÉIS. Tradução e posfácio JOCA REINERS TERRON Maximiliano Barrientos HOTÉIS Tradução e posfácio JOCA REINERS TERRON hoteis.p65 3 Um Chrysler Imperial na noite e nos entardeceres mais alaranjados. A poeira atapetava os vidros devemos recordá-lo dessa

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006.

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006. Almas secas Aquele verão não choveu. Isto era quase normal. Era o deserto. Desta vez o céu não deixou que nehuma gota caísse na terra. O ar evaporava a água antes de tocar no chão. As pessoas não tinham

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS Etapa 1 Página 3 Os alunos devem escolher a roupa de algodão, e não a de lã. Além disso, é importante que tentem justificar essa

Leia mais

AUXILIAR DE COPA E COZINHA PORTUGUÊS

AUXILIAR DE COPA E COZINHA PORTUGUÊS AUXILIAR DE COPA E COZINHA PORTUGUÊS O texto, de Mário Quintana, a seguir refere-se às questões de 01 a 05: VERANICO Está marcando meio-dia nos olhos dos gatos. As sombras esconderam-se debaixo da barriga

Leia mais

2- Nas frases a seguir estão destacadas quatro formas verbais de um mesmo verbo. Compare-as.

2- Nas frases a seguir estão destacadas quatro formas verbais de um mesmo verbo. Compare-as. FICHA DA SEMANA 5º ANO A / B Instruções: 1- Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue a professora no dia seguinte; 2- As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Os Grandes Biomas Terrestres. PROF Thiago Rocha

Os Grandes Biomas Terrestres. PROF Thiago Rocha Os Grandes Biomas Terrestres PROF Thiago Rocha Bioma: Uma comunidade de plantas e animais, com formas de vida e condições ambientais semelhantes. (Clements, 1916) Florestas tropicais A área de ocorrência

Leia mais

trou - de deitar. A escrita sempre foi uma descarga de qual vou naquela tarde. Curava feridas velhas como... Suspirou.

trou - de deitar. A escrita sempre foi uma descarga de qual vou naquela tarde. Curava feridas velhas como... Suspirou. ENTRE O AMOR E O SILÊNCIO Capítulo 1 trou de deitar. A escrita sempre foi uma descarga de qual nov vou naquela tarde. Curava feridas velhas como... Suspirou. es ensoparem o rosto, o traves infantilidade.

Leia mais

Delicadesa. Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado.

Delicadesa. Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado. Delicadeza 1 Delicadesa Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado. As Janelas Douradas O menino trabalhava

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Volta às aulas. A Matemática está presente em diversos momentos da nossa vida, por exemplo, quando brincamos.

Volta às aulas. A Matemática está presente em diversos momentos da nossa vida, por exemplo, quando brincamos. UNIDADE Volta às aulas A Matemática está presente em diversos momentos da nossa vida, por exemplo, quando brincamos. Como as crianças da cena estão aproveitando o 1 o dia de aula? Converse com os colegas.

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

SITE_INEP_PROVA BRASIL - SAEB_MT_5ºANO (OK)

SITE_INEP_PROVA BRASIL - SAEB_MT_5ºANO (OK) 000 IT_023672 As balanças podem ser utilizadas para medir a massa dos alimentos nos supermercados. A reta numérica na figura seguinte representa os valores, em quilograma, de uma balança. 0 1 2 3 A partir

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Exercício de Reforço de Língua Portuguesa 2º ano

Exercício de Reforço de Língua Portuguesa 2º ano Exercício de Reforço de Língua Portuguesa 2º ano 1- Conforme estudamos em sala de aula, os substantivos são palavras que dão nomes aos seres, objetos, sentimentos etc. Marque a alternativa que explica

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre Página 1 de 5 ' nmlkji nmlkj ok Edição 1979. 25 de outubro de 2006 Entrevista: James Lovelock A vingança de Gaia < O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear

Leia mais

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo capítulo um Acordo com o nome dele na boca. Will. Antes de abrir os olhos, vejo o desabar sobre o asfalto novamente. Morto. Pelas minhas mãos. Tobias se agacha na minha frente, apoiando a mão sobre meu

Leia mais

Acostumando-se com os Milagres

Acostumando-se com os Milagres Acostumando-se com os Milagres Ap. Ozenir Correia 1. VOCÊ NÃO PERCEBE O TAMANHO DO MILAGRE. Enxame de moscas Naquele dia, separarei a terra de Gósen, em que habita o meu povo, para que nela não haja enxames

Leia mais

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11 ÍNDICE Breve nota... 9 Prefácio... 11 Minha mãe, que lindas terras!... 23 A pata rainha... 28 Ai... ai... ai...... 32 Coradinha... 37 Joanico... 45 O vento... 56 A serpente... 59 Maria a macha... 65 O

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço.

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. A UUL AL A A casa Nesta aula vamos examinar a planta de uma casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. Introdução terreno 20 m rua 30

Leia mais

Irmãos da Floresta Tropical Por David Dudenhoefer Ilustrado por Deirdre Hyde Para a Rainforest Alliance Rainforest Alliance, 2002.

Irmãos da Floresta Tropical Por David Dudenhoefer Ilustrado por Deirdre Hyde Para a Rainforest Alliance Rainforest Alliance, 2002. Irmãos da Floresta Tropical Por David Dudenhoefer Ilustrado por Deirdre Hyde Para a Rainforest Alliance Rainforest Alliance, 2002. Uma manhã bem cedinho, Nelson remou com sua canoa rio acima no Rio Branco.

Leia mais

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Fany Aktinol o tom da infância o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Eu me chamo Françoise e escrevo para não esquecer, para não deixar morrer, mas principalmente para lembrar e preencher

Leia mais

Viagem ao litoral. www.interaulaclube.com.br

Viagem ao litoral. www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Viagem ao litoral Arlindo e alguns amigos tinham programado para o feriado uma visita à praia. Arlindo não via o mar desde criança, e estava ansioso para viajar. - Finalmente, chegou o carnaval!

Leia mais

Os planetas gémeos ...fim

Os planetas gémeos ...fim Os planetas gémeos 21 Era uma vez um par de planetas gémeos que tinham uma forma de olho. Eram quase redondos como a Terra. Apesar da distância que os separava, mexiam-se sempre em simultâneo e faziam

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome:

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: -06a-34s-at-04 Língua Portuguesa Produção e Interpretação Leia um trecho do livro Uma professora muito maluquinha, de Ziraldo. Era uma vez uma professora maluquinha.

Leia mais

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br MUDANÇA DE IMAGEM Os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Isto porque eu não tinha a quem relatar o que me havia acontecido. Eu estava com medo de sair do meu corpo novamente, mas também não

Leia mais

Período: Matutino. 1º semestre/2012. Professora: Giovana Barbosa de Souza. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo

Período: Matutino. 1º semestre/2012. Professora: Giovana Barbosa de Souza. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Memórias de um Grupo 4 Período: Matutino 1º semestre/2012 Professora: Giovana Barbosa de Souza Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Alimenta o fogo atormenta o mar arrepia o corpo joga

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

Sistema de Recuperação

Sistema de Recuperação Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I - 2º ano 2011 Sistema de Recuperação ATIVIDADES EXTRAS DE RECUPERAÇÃO PARALELA E CONTÍNUA FAÇA UMA CAPA PERSONALIZADA PARA SUA APOSTILA DE ESTUDOS Nome: Classe:

Leia mais

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra...

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra... Canadá Você sabia que... Os indivíduos e as comunidades têm o direito a exprimir as próprias opiniões e a participar, com os governos locais, na tomada de decisões e ações que afetem o seu direito à alimentação.

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

EVIDÊNCIAS PARA A NOSSA FÉ NO CAMPO DA GEOLOGIA

EVIDÊNCIAS PARA A NOSSA FÉ NO CAMPO DA GEOLOGIA 1 EVIDÊNCIAS PARA A NOSSA FÉ NO CAMPO DA GEOLOGIA Suzanne Phillips Tradução: Urias Echterhoff Takatohi Revisão: Marcia Oliveira de Paula : 1. O que a Bíblia nos diz sobre Geologia? a. Deus criou. b. No

Leia mais

200 Opportunities to Discover PORTUGUESE. www.second-language-now.com

200 Opportunities to Discover PORTUGUESE. www.second-language-now.com BASIC QUESTIONS 200 Opportunities to Discover PORTUGUESE Basic Questions - Portuguese TABLE OF CONTENTS 1. SABE?...3 2. COMO?...4 3. QUANTO TEMPO?...5 4. QUANTOS?...6 5. QUANTO?...7 6. COM QUE FREQUÊNCIA?...8

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

O pequeno aventureiro

O pequeno aventureiro O pequeno aventureiro a a Guilherme Carey era um menino muito ativo. Morava em Paulerspury, uma pequena vila na Inglaterra. Todos os dias, Guilherme ia para a escola, onde seus colegas o apelidaram de

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Agora é só com você. Geografia - 131

Agora é só com você. Geografia - 131 Geografia - 131 3 Complete: O espaço da sala de aula é um domínio delimitado por um(a)..., que é sua fronteira. Ainda em grupo faça o seguinte: usando objetos como lápis, palitos, folhas e outros, delimite

Leia mais

CACHOEIRAS em PERNAMBUCO

CACHOEIRAS em PERNAMBUCO quinze quilômetros. A do Poço do Soldado é uma das mais populares. Os moradores dizem que a força da água é uma verdadeira massagem. Na do Caboclo há duas duchas, escorrego e piscinas naturais, além de

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: Leia este texto para resolver as questões propostas.

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: Leia este texto para resolver as questões propostas. 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: Leia este texto para resolver as questões propostas. 1) O nosso corpo se divide em cabeça, tronco e membros, mas existe uma estrutura, a menor

Leia mais

Bang, Bang 2008. VOZ A (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac.

Bang, Bang 2008. VOZ A (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac. Bang, Bang 2008 Texto de Nuno Ramos reproduzido por alto-falante: (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac. VOZ B (feminina) Domingo, 27 de janeiro de dois mil e lá vai pedrada. BOA NOITE. Está começando.

Leia mais

Itinerário detalhado:

Itinerário detalhado: Itinerário detalhado: Dia 1: Chegada à Reserva Biológica Huilo Huilo, começa a viagem mágica na reserva Huilo Huilo. Transfer do aeroporto para a Reserva Biológica Huilo Huilo, Chile A viagem começa quando

Leia mais

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Deus é bom e sua bondade dura para sempre. (Salmos 106:1)

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Deus é bom e sua bondade dura para sempre. (Salmos 106:1) Roteiro semanal 3º ano Matutino De 23 a 27 de fevereiro Colégio Guilherme Ramos. Goiânia, 23 de fevereiro de 2015. Professora: Nome: Turma: 3 ano Ensino Fundamental Segunda-feira 23/02/2015 Português no

Leia mais

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e 11 a caixa 2007 Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e passar pela janela quebrada, vendo então

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

27 Águas passadas não movem moinho!

27 Águas passadas não movem moinho! Águas passadas não movem moinho! Foi uma semana de trabalho bastante dura, mas finalmente chega a sexta-feira. Gaspar chama a amiga Maristela e os novos amigos, Roberto e Cristiana, para jantar em sua

Leia mais

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção William Shakespeare Adaptação para neoleitores, a partir do original em inglês: Paulo Seben Revisão técnica: Pedro Garcez Supervisão: Luís Augusto Fischer Hamlet Versão adaptada para neoleitores a Coleção

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

EXERCÍCIOS DA TFCA - TÉCNICA FÍSICA PARA A CONQUISTA DA AUTOCONSCIÊNCIA. www.tfca.com.br

EXERCÍCIOS DA TFCA - TÉCNICA FÍSICA PARA A CONQUISTA DA AUTOCONSCIÊNCIA. www.tfca.com.br EXERCÍCIOS DA TFCA - TÉCNICA FÍSICA PARA A CONQUISTA DA AUTOCONSCIÊNCIA Estamos na Web www.tfca.com.br AUTOCONSCIÊNCIA, A TÉCNICA DA CONQUISTA Segue abaixo descrição conforme divulgado no livro As Possibilidades

Leia mais