Qualidade e segurança a solução perfeita PORTIFOLIO BRIEFING. Contenção e Estabilização de Encosta e Taludes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade e segurança a solução perfeita PORTIFOLIO BRIEFING. Contenção e Estabilização de Encosta e Taludes"

Transcrição

1 Qualidade e segurança a solução perfeita PORTIFOLIO BRIEFING Contenção e Estabilização de Encosta e Taludes

2 EMPRESA A SOLOJET É uma empresa regulamentada pelo CREA SP, estabelecida no ramo da Indústria da Construção Civil, com atuação em serviços de engenharia de infra estrutura e ênfase nos conceitos de inovação e responsabilidade Valores. Contando com recursos multidisciplinares e uma ampla rede de fornecedores e colaboradores, além de um quadro técnico especializado, a Solojet está capacitada execução de CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTA E TALUDES, com garantia de flexibilidade, agilidade e qualidade. Bem vindo a prática de melhoria dos serviços e ambiente de trabalho, levando em conta o fator ambiental além de possibilitar a redução de custos em relação ao desperdício de água, energia e matéria-prima em nossas obras. Consulte nos também sobre outras sistemática de Contenção e Estabilização, chumbadores em solo grampeado, tirantes tipo cordoalha ou monobarra, perfuração de solo ou rocha, rebaixamento de lençol freático, concreto projetado via seca e/ou úmida, túneis, poços, pontes viadutos e outros.

3 HISTÓRIA DA EMPRESA A SOLOJET fundada em 20 de agosto de 2007, traz em seu beneficio o know-how de mais de 30 anos com o sócio fundador da empresa, o Sr, Paulo Souza, e experiências práticas e teórica ao longo dos trechos de obra onde se realizou diversas tarefas de contenção de encosta e taludes, estudo de solo, tirantes e chumbadores, ensaios diversos de tração, escavações e execução de túneis, P.V. e galerias e outras atividades relacionadas a engenharia de infra estrutura. A nossa meta é a execução com excelência da Contenção, Recuperação e Estabilização de Encosta e Drenagem. Consulte nos também sobre outras sistemática de Contenção e Estabilização, chumbadores em solo grampeado, tirantes tipo cordoalha ou monobarra, perfuração de solo ou rocha, rebaixamento de lençol freático, concreto projetado via seca e/ou úmida, túneis, poços, pontes viadutos e outros.

4 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções Residenciais: Vista frontal do talude residencial - Antes Depois CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE TALUDE RESIDENCIAL Solo Grampeado e Muro Condomínio Alpes da Cantareira Alameda Gaivotas, 915 São Paulo.

5 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções municipais: Concreto Projetado Aplicação no rapel Vista lateral - talude pronto CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO EMERGÊNCIAL DE TALUDE Solo Grampeado Chumbadores. UFABC Universidade Federal do ABC Município Sto André São Paulo.

6 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções órgão municipal: Levantamento, cadastro e preservação ambiental em meio a área de atuação Vista frontal do talude CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO EMERGÊNCIAL DE TALUDE Solo Grampeado Chumbadores. UFABC Universidade Federal do ABC Município Sto André São Paulo.

7 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções órgão municipal: Concreto Projetado preparo do canal Vista canal projetado CANALIZAÇÃO DE CORREGO Concreto projetado Praia terra Canto do Forte Praia Grande São Paulo.

8 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções órgão municipal: Vista da encosta rochosa Monte Serrat Perfuração em rocha - Rapel CONTENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ENCOSTA MONTE SERRAT Perfuração em rocha, entelamento de ninho, barreira de contenção Câmara municipal de Santos Ferreira Rossi Santos São Paulo.

9 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções órgão municipal: Entelamento de nicho - Encosta Cabeça proteção - Tirantes CONTENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ENCOSTA MONTE SERRAT Perfuração em rocha, entelamento de ninho, barreira de contenção Câmara municipal de Santos Ferreira Rossi Santos São Paulo.

10 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções Comerciais: CORTINA ATIRANTADA Tirantes CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO Cortina atirantada Construtora Cappellano São Paulo - SP.

11 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções Comerciais: CORTINA ATIRANTADA Protensão de Tirantes CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO Cortina atirantada Graal comércio alimentício Mairiporã - SP.

12 ÁREAS DE ATUAÇÃO Construções Comerciais: CORTINA ATIRANTADA PV e Túnel liner CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO Cortina atirantada DP Barros Construções Córrego Tremembé São Paulo - SP. EXECUÇÃO DE PV E TÚNEL LINER EEE BUQUIRA - SABESP São José dos Campos - SP.

13 SISTEMÁTICA SOLO GRAMPEADO Método construtivo Inicia-se com o corte do solo na geometria de projeto, a não ser no caso de reforço de taludes. Segue-se com a execução da primeira linha de chumbadores e aplicação de revestimento de concreto projetado. Caso o talude já esteja cortado pode-se trabalhar de forma descendente ou ascendente, conforme a conveniência. Simultaneamente ao avanço dos trabalhos, são executados os drenos profundos, de paramento e as canaletas ou as descidas d água, conforme projeto. Taludes existentes sem estabilidade satisfatória figura 01 Cortes para implantação de subsolos ou cortes com geometria instável figura 2

14 SISTEMÁTICA CHUMBADOR Definição Os chumbadores são peças moldadas no local, por meio de operações de perfuração com equipamentos mecânico ou manual, e instalação e fixação de armação metálica, com injeção de calda de cimento sob pressão. Os chumbadores podem ser feitos com a cravação de barras, cantoneiras ou tubos de aço, utilizando-se martelos pneumáticos, ou manualmente. Porém, esta não é a pratica brasileira. Fases construtivas em cortes 1 Escavação 2 Execução do chumbador 3 Concreto projetado Figura - 03

15 SISTEMÁTICA Perfuração As perfurações são executadas por equipamentos de fácil manuseio, pesando entre 25 e 500 kg, instaláveis sobre qualquer talude. Como fluído de perfuração e limpeza de furo pode ser utilizada água, ar ou lama. Se a opção for por trados, não é necessário o uso de fluídos. Usualmente, é adotado o sistema de lavagem com água, por meio de haste dotada de elemento cortante na sua extremidade, do tipo tricone com vídea, no diâmetro de 3. Dependendo da profundidade do furo, do seu diâmetro e de área de trabalho, pode-se optar por perfuratrizes tipo sonda, crawlair, wagon drill ou até ou até por perfuratrizes manuais. Quando a condição de trabalho permite alta produtividade, são utilizadas carretas perfuratrizes sobre esteiras, cujos pesos variam entre e kg. Os chumbadores tem sempre inclinação abaixo da horizontal, variando de 5º a 30º. A escolha do método de perfuração deve ser feita de modo que a cavidade perfurada permaneça estável até a injeção ser concluída.

16 SISTEMÁTICA Montagem Concluída a perfuração, segue-se a instalação e fixação da armação metálica, que deve manter suas características de resistência ao longo do tempo. As nervuras devem receber tratamento anticorrosivo, feito usualmente por meio de resinas polimétricas e calda de cimento. Ao longo destes elementos devem ser instalados dispositivos centralizadores, que garantam seu contínuo e constante recobrimento com a calda de cimento. Usualmente, a barra de aço tem diâmetro de 10 a 25 mm. Ela deve ter uma dobra na sua extremidade (para diâmetros até 20 mm), com cerca de 20 cm, e ter centralizadores a cada 2 m. A aplicação de placa e porca ocorre para barra com diâmetro igual ou superior a 22 mm, quando não é possível dobrá-la. É comum também a solda de um pedaço de barra de aço. Adjacente à barra, instala-se um ou mais tubos de injeção perdidos, de polietileno ou similar, com diâmetro de 8 a 15 mm, providos de válvulas a cada 0,5 mm, a até 1,5 mm da boca do furo. A quantidade de tubos depende das fases de injeção previstas, e deve-se considerar um tubo para cada fase. Injeção A bainha é injetada pelo tubo auxiliar removível, de forma ascendente, com calda de cimento fator água/cimento próximo de 0,5 (em peso), proveniente de misturador de alta turbulência, até que se extravase na boca do furo. Uma boa alternativa é o preenchimento do furo com calda e posterior introdução da armação metálica. A bainha é a fase inicial de injeção em que se pretende recompor a cavidade escavada. Após um mínimo de 12 horas, o chumbador deve ser re-injetado por meio do tubo de injeção perdido, anotando-se a pressão máxima de injeção e o volume de calda absorvida. Não se executa a re-injeção, a não ser que haja mais tubos de injeção perdidos.

17 SISTEMÁTICA CONCRETO PROJETADO Definição Trata-se de uma mistura de cimento, areia pedrisco, água e aditivos, que é impulsionada por ar comprimido desde o equipamento de projeção até o local de aplicação, através de mangote. Na extremidade do mangote existe um bico de projeção, onde é acrescentada a água. Esta mistura é lançada pelo ar comprimido, a grande velocidade, na superfície a ser moldada. Na mistura podem ser adicionadas ao traço microssílica, fibras ou outros componentes. As peças podem receber ferragens convencionais, telas eletrossoldadas ou fibras, conforme a necessidade de projeto. Existem duas maneiras de obter o concreto projetado: por via seca ou por via úmida. A diferença básica está no preparo e condução dos componentes do concreto: Via Seca: preparado a seco. Adição de água é feita junto ao bico de projeção, instantes antes da aplicação; Via Úmida: preparado com água e desta forma conduzido até o local da aplicação. Ambas as vias utilizam traços e equipamentos com características especiais.

18 SISTEMÁTICA Detalhe da aplicação com fibras figura 4 Detalhe das sombras ou região de menor compactação figura 5

19 SISTEMÁTICA O concreto Normalmente a resistência solicitada em projeto é de 15 MPa, podendo atingir valores muito superiores, de até 40 MPa. O concreto seco pode ser fornecido usinado, em caminhões-betoneiras, ou preparado no canteiro de obras. Agregados Como agregados, temos o pedrisco ou pedra zero e a areia média. É necessário que ambos tenham uma umidade mínima. A areia em torno de 5%, nunca inferior a 3%, pois causaria muita poeira, nem superior a 7%, pois ocasionaria entupimentos do mangote e ínicio de hidratação do cimento. Para pedrisco, a umidade de 2% é suficiente. A areia média não pode ter acima de 5% de grãos finos, podendo compor-se por 60% de grãos médios e de até 35% de grãos grossos. Cimento O cimento pode ser de qualquer tipo, Comum, composto, Pozôlanico, Alto Forno, ARI ou ARI-RS, dependendo das especificações de projeto. Podem ser utilizados aditivos aceleradores de pega, secos ou líquidos, conforme a necessidade da obra. Água A água deve estar de acordo com o que recomenda a tecnologia do concreto. Sua dosagem é feita pelo mangoteiro, por meio de registro, junto ao anel d água. Advém da sensibilidade e experiência adquirida noutras obras pelo operador. Controle O controle de qualidade do concreto é feito pela extração dos corpos de prova de placas moldadas em obra. Existem algumas normas brasileiras da ABNT para este controle, que tiveram seu desenvolvimento impulsionado pelos serviços de execução de Túneis NATM:

20 FAÇA SEU PROJETO E EXECUÇÃO CONOSCO

21 CPROJET COMÉRCIO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS LTDA Quem somos: Fabricante de máquinas e equipamentos especializados no seguimento da Contenção e Geotecnia, disponibilizando para vendas, locação e manutenção de equipamentos. Executamos manutenções preditiva, preventiva e corretiva nos equipamentos de sua empresa. Contamos também, com assistência técnica especializada nos equipamentos de projeção e perfuração. Produtos: Nossa linha de fabricação produz maquinas de projetar concreto via seca e via úmida, perfuratriz tipo mini-wagon Drill para perfuração em solo ou rocha, bombas de injeção de calda e solo-cimento e misturadores de calda de cimento. Oferece também todos os produtos necessários à aplicação de concreto projetado com uma abrangente linha de peças de reposição de alta qualidade e desempenho. Máquina de Projetar Concreto Modelos: CP3 (via seca) CP6 (via seca) CP6SU (via úmida)

22 CPROJET COMÉRCIO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS LTDA Aplicações:

23 CPROJET COMÉRCIO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS LTDA Acessórios: Anel d água Luva do mangote Bico projetor via seca completo Nossos bicos projetores são fabricados em material poliuretano tornando assim um acessório leve e resistente que permite uma diminuição da reflexão devido ao seu design e conicidade. O sistema pré-umidificante possibilita as projeções em via seca, características semelhantes as projeções via úmida.

24 CPROJET COMÉRCIO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS LTDA Acessórios: Discos de reposição para CP 3 / 6 / 8: Fabricamos discos de reposição (borracha e ferro) com alto rendimento, possibilitando assim uma maior durabilidade. Disco de borracha superior CP 6/3 Disco de ferro CP 6/3 Disco de borracha inferior CP 6/3 Mangote de jato de areia (projetado) e /ou ar Abraçadeira do mangote e borracha de vedação

25 Declaração de Segurança SSS - Sistema de Segurança Solojet A SOLOJET, no cumprimento da sua missão de prestação de serviços na indústria da construção civil, é responsável por propiciar os meios e recursos necessários para que todas as atividades sejam executadas com segurança total. Cabe a Empresa e a cada um de nós envolvidos, garantir a realização de esforços para a preservação do Ser Humano em sua integridade. É dever de todos os colaboradores identificar e alertar sobre tarefas inseguras que coloque em risco a segurança das pessoas, obter com persistência sua solução junto aos responsáveis da empresa. O Gestor da SOLOJET é o principal responsável pela prevenção e segurança dos colaboradores e deve atuar de forma incisiva junto à equipe de segurança. A busca da melhoria contínua é de responsabilidade de todos, bem como mantermos os níveis de segurança sempre acima das expectativas satisfatória.

SOLO GRAMPEADO. Índice. Taludes existentes sem estabilidade satisfatória (Figura 3). 1 Definição. 2 Norma. 3 Método construtivo

SOLO GRAMPEADO. Índice. Taludes existentes sem estabilidade satisfatória (Figura 3). 1 Definição. 2 Norma. 3 Método construtivo Índice 1 Definição 2 Norma 3 Método construtivo 4 Chumbador 5 Concreto projetado 6 Drenagem 7 Equipe de trabalho 8 Controle executivo 9 Manutenção do solo grampeado 10 Modelo de boletim de execução Taludes

Leia mais

SOLO GRAMPEADO EXECUÇÃO

SOLO GRAMPEADO EXECUÇÃO SOLO GRAMPEADO EXECUÇÃO 1 ENG ALBERTO CASATI ZIRLIS DIR. SOLOTRAT ENG. GEOTECNICA LTDA Mesa redonda em evento no I.E. promovido pela ABMS para 23/11/99 às 18h. 1 RESUMO 2 BIBLIOGRAFIA 3 DEFINIÇÃO DE SOLO

Leia mais

Solo Grampeado SOLO GRAMPEADO

Solo Grampeado SOLO GRAMPEADO Solo Grampeado SOLO GRAMPEADO Índice 1. Definição 2. Norma 3. Método construtivo 4. Chumbador 5. Revestimento em Concreto Projetado 6. Drenagem 7. A importância do Chumbador Vertical 8. Controle 9. Equipe

Leia mais

Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador

Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador George Joaquim Teles de Souza, Cairbar Azzi Pitta, Alberto Casati Zirlis Diretores da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda Resumo: Ao se pesquisar qual a

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

TIRANTES. 2 Norma. Índice

TIRANTES. 2 Norma. Índice Índice 1 Definição 2 Norma 3 Objetivo 4 Documentos de obra 5 Definições 6 Equipamentos, acessórios e ferramentas 7 Equipe de trabalho 8 Sequência executiva 9 Avaliação de desempenho do tirante 10 Verificação

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES?

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? Sob a ótica do... Projetista estrutural Consultor de fundações Executor das fundações Equipe de obra Gerenciador da obra Proprietário da obra Empreendedor/investidor Órgãos

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO

REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO Geol. Carlos de Oliveira Campos Desde o início do século se usa no mundo o concreto projetado e no Brasil desde a década de 60. Vem da língua inglesa a expressão

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-C02 ESTRUTURAS ATIRANTADAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. S... 3 3. DESCRIÇÃO... 3 4. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS... 4 4.1

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas

Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas Estaca a Trado Rotativo O trado é cravado no solo por meio de um torque; Quando o trado está cheio, é sacado e retirado o solo; Quando a cota de assentamento

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

Quanto tempo durarão as Cortinas Atirantadas executadas a partir da década de 70? 30 anos?

Quanto tempo durarão as Cortinas Atirantadas executadas a partir da década de 70? 30 anos? Quanto tempo durarão as Cortinas Atirantadas executadas a partir da década de 70? 30 anos? Geol. Cairbar Azzi Pitta, Eng. George J. T. de Souza, Eng. Alberto Casati Zirlis Diretores da Solotrat Engenharia

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Geotigre 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos;

Geotigre 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos; Geotigre Localização no Website Tigre: Obra Predial Poços GEOTIGRE Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos; Aplicações: Completação de poços tubulares totalmente ou parcialmente

Leia mais

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre Seguindo sua tradição de suprir os setores de recursos hídricos e saneamento com soluções técnicas e econômicas, a TIGRE disponibiliza no mercado a linha, filtros e tubos de revestimento para poços tubulares

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

TÚNEL NATM. Índice. 2 Norma. Não existe norma específica da ABNT. 3 Conceitos do NATM. 3.1 Mobilização das tensões de resistência do maciço

TÚNEL NATM. Índice. 2 Norma. Não existe norma específica da ABNT. 3 Conceitos do NATM. 3.1 Mobilização das tensões de resistência do maciço Índice 1 Definição 2 Norma 3 Conceitos do NATM 4 Adaptação as condições Brasileiras 5 Procedimento executivo básico para túneis em solo 6 Equipe de trabalho 7 Manutenção de túneis NATM 1 Definição O Novo

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

COLUNAS JET GROUTING. O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a ser empregada na execução de colunas de solo cimento tipo Jet Grouting.

COLUNAS JET GROUTING. O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a ser empregada na execução de colunas de solo cimento tipo Jet Grouting. pág.1 COLUNAS JET GROUTING O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a ser empregada na execução de colunas de solo cimento tipo Jet Grouting. 1. Sobre a tecnologia jet-grouting Para o tratamento

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

INJEÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO

INJEÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO Índice 1 Definição 2 Descrição básica do trabalho 3 Materiais para Injeção 4 Equipamentos 5 Traço e preparo de caldas 6 Equipe de trabalho 7 Tratamento do solo 8 Avaliação 9 Modelo de boletim de execução

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

ESTACAS. Índice. 1.1 Estaca-Raiz

ESTACAS. Índice. 1.1 Estaca-Raiz Índice 1 Definição 2 Norma 3 Objetivo 4 Documentos de obra 5 Conceitos 6 Equipamentos, acessórios e ferramentas 7 Equipe de trabalho 8 Procedimentos executivos 9 Tabelas de dimensionamento estrutural 10

Leia mais

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP Teixeira, A.H. Teixeira, A.A.H. A H Teixeira Consultoria e Projetos S/C Ltda Souza, G.J.T. Pitta, C.A. Zirlis, A.C. Dechen, M. Solotrat Engenharia Geotécnica

Leia mais

Construção. Contenções

Construção. Contenções Construção 18 Contenções A engenharia oferece soluções de contenção variadas, adequadas para as situações mais diversas. Geologia do terreno, estudo de riscos, custo e cronograma da obra influenciam a

Leia mais

17:46. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2)

17:46. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1. Pré-moldadas 2. Moldadas in loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - Sp

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - Sp 1 Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - Sp Eng. Alberto Henriques Teixeira, Eng. Alexandre Alberto Henriques Teixeira A H Teixeira Consultoria e Projetos S/C Ltda Eng. Alberto Casati Zirlis, Geol.

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

2 ASPECTOS BÁSICOS DE ANCORAGENS

2 ASPECTOS BÁSICOS DE ANCORAGENS 2 ASPECTOS BÁSICOS DE ANCORAGENS A utilização de obras ancoradas em solo ou rocha é atualmente bastante empregada no Brasil, seja na execução de estruturas de contenção quanto na estabilização de taludes

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS histórico Os Muros Terrae são sistemas de contenção para muros em aterro ou em corte. Trata-se de um processo construtivo desenvolvido com base nos chamados muros segmentais, compostos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A CÉU ABERTO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação e

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1)

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1.Pré-moldadas 2.Moldadasin loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

Walsywa Fixação para Construção Civil

Walsywa Fixação para Construção Civil Catálogo Técnico de Fixação Química A empresa: Serviços e Garantias Serviços A Walsywa mantém hoje a disposição dos clientes uma equipe de técnicos para assessorar e orientar a especificação adequada dos

Leia mais

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Autor: João Duarte Guimarães Filho Nos últimos 40 anos temos realizado algumas intervenções para evitar gotejamento de águas e saturação dos sistemas de ventilação e iluminação

Leia mais

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas a decisão de qual fundação se comporta melhor envolve a análise técnica, logística e econômica. Tipos de fundações D B 2,5 D B 2,5 e D 3m Tipos de fundações

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae Contenção com muros terrae Prefeitura de Jacareí analisa três soluções para conter talude em área escolar e opta por sistema de blocos de concreto pré-fabricados. Veja comparativo técnico e orçamentário

Leia mais

SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105

SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105 Sistemas DYWIDAG SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105 As barras e componentes DYWIDAG excedem os limites requeridos pelas normas brasileiras. Sua rosca robusta proporciona máxima aderência aço/concreto, única no

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 1998 Revisado

Leia mais

Métodos Não- Destrutivos TT

Métodos Não- Destrutivos TT Planejamento e instalação de tubulações com Métodos Não- Destrutivos TT O seu parceiro em instalação de tubulações por métodos não-destrutivos TRACTO-TECHNIK GRUNDOMAT- Perfuratriz pneumática (mole) Para

Leia mais

Manual Soluções Pisos

Manual Soluções Pisos Manual Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para o desenvolvimento de soluções inovadoras para pisos de concreto, atendendo às mais variadas obras. A diversidade

Leia mais

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA 1 ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. OBJETIVOS DA 3. FASES DA 4. MÉTODOS DE PROSPECÇÃO 2 1. Considerações iniciais: As características de um solo não podem ser descobertas apenas pelo

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227. Capítulo 11 Principais Tipos de Fundações Profundas, 235

SUMÁRIO. Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227. Capítulo 11 Principais Tipos de Fundações Profundas, 235 SUMÁRIO Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227 10.1 conceitos e definições............................................................... 227 10.2 breve histórico......................................................................

Leia mais

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Aços Longos Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos Drawings, photo s: copyright N.V. Bekaert Dramix As fibras de aço Dramix são produzidas a partir de fios de aço trefilados tendo como

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO 1. DOCUMENTOS NORTEADORES ISO 9001:2008 ISO 14001:2004 OHSAS 18001:2007 PBQP-H Caderno de Encargos da EMBASA 2. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS MÍNIMOS RECOMENDADOS

Leia mais

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes Engº José Luiz de Paula Eduardo Engº Roberto Nahas I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO 1.Elementos

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Anexo - IV Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 30/06/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa:

Leia mais

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Índice Capítulo Título Página 1 Informações Gerais 3 2 Segurança 4 3 Especificações Técnicas 5 4 Ferramentas, Instrumentos e Materiais 6

Leia mais

Escavadeira Hidráulica, LIEBHERR modelo 944 e/ou CATERPILLAR modelo CAT330, com motor a diesel, sobre esteira, adaptada com braço preparado para

Escavadeira Hidráulica, LIEBHERR modelo 944 e/ou CATERPILLAR modelo CAT330, com motor a diesel, sobre esteira, adaptada com braço preparado para SISTEMA STABTEC ESTABILIZAÇÃO DE MASSA Utilizado para Solos Moles Saturados 1. CONCEITO O Sistema STABTEC consiste na mistura mecânica e monitorada de aglomerantes em pó com solos moles, do tipo argilas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-08/94 Instrução

Leia mais

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 Descrição do produto O Chumbador Químico WIT-P 200 possui excelente propriedade de fixação e ancoragem em substratos maciços e ocos, com rápido tempo

Leia mais

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos ASC Prof. Danilo Toledo Ramos Fundações Profundas (Indiretas) Segundo a NBR 6122/1996: Elementos de fundação que transmitem a carga ao terreno pela base (resistência de ponta), por sua superfície lateral

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Cristóvão C. C. Cordeiro Fundações usuais em relação ao porte dos edifícios Pequenos edifícios (casas e sobrados) pequenas cargas Rasas Blocos e alicerces,

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPERMEABILIZAÇÃO DO SUBSOLO DO CONDOMÍNIO ADELAIDE

ESTUDO DE CASO: IMPERMEABILIZAÇÃO DO SUBSOLO DO CONDOMÍNIO ADELAIDE ESTUDO DE CASO: IMPERMEABILIZAÇÃO DO SUBSOLO DO CONDOMÍNIO ADELAIDE Cláudio Neves Ourives (1); Marcelo Araújo (2); Paulo Sérgio Freire (3) (1) Penetron, claudio@penetron.com.br (2) Andrade Mendonça, marceloaraujo@andrademendonca.com.br

Leia mais

ENG. EDUARDO NAGAO. Coord. Adjunto Contrato ARQ. LILIANA LASALVIA ENG. EDUARDO NAGAO. Sítio. Área do sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade

ENG. EDUARDO NAGAO. Coord. Adjunto Contrato ARQ. LILIANA LASALVIA ENG. EDUARDO NAGAO. Sítio. Área do sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade 0 EMISSÃO INICIAL 12/2/10 EMN BBZ WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coord. de Projeto CREA / UF Autor do Projeto/Resp técnico CREA/UF Co-Autor CREA / UF WILSON VIEIRA 060040558/SP ENG.

Leia mais

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA CONCEITO É uma estaca de pequeno diâmetro concretada in loco, cuja perfuração é realizada por rotação ou roto-percussão (no caso de rochas), em direção vertical ou inclinada. Utilizada para reforço de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33 ÍNDICE 1. PRODUTO SORIA...04 2. ALGUMAS VANTAGENS...05 3. PRODUTO SORIA...06 4. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...07 5. KIT DE INSTALAÇÃO...08 6. ACESSÓRIOS...09 7. DIMENSIONAMENTO DOS COLETORES...10 8. Dimensionamento

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

PC Prof. Del Gomes. Petrocenter

PC Prof. Del Gomes. Petrocenter Sistema de Movimentação de Cargas SWIVEL elemento que liga as partes girantes às fixas, permitindo livre rotação da coluna; por um tubo na sua lateral (gooseneck) permite a injeção de fluido no interior

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto Ficha de Produto Edição 09/04/2014 Identificação no: 02 07 03 06 001 0 000002 SikaFuko Eco 1 Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques Descrição

Leia mais

2 - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação

2 - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação APRESENTAÇÃO DO PRODUTO O WallGreen consiste em um sistema desenvolvido para a instalação de Jardins Verticais. O sistema é m o n t a d o f o r m a n d o n

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

SESI/SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Centro Integrado Hélcio Rezende Dias Técnico em Edificações

SESI/SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Centro Integrado Hélcio Rezende Dias Técnico em Edificações 0 SESI/SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Centro Integrado Hélcio Rezende Dias Técnico em Edificações Fernando Bonisenha Gabriela Ananias Giovani Bonna Hellen Cristina Santos Maíla Araújo

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

Aquário Ceará. GeoNordeste 2013. Fortaleza 11/2013 Eng. Diogo Cabus

Aquário Ceará. GeoNordeste 2013. Fortaleza 11/2013 Eng. Diogo Cabus Aquário Ceará Aplicação de Tirantes DYWIDAG GeoNordeste 2013 Fortaleza 11/2013 Eng. Diogo Cabus Conteúdo Informações Gerais Contenções do Subsolo Chumbadores da Laje de Subpressão Vantagens dos Sistemas

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

VOLUME 07 METODOLOGIA CONSTRUTIVA DE GEOTECNIA

VOLUME 07 METODOLOGIA CONSTRUTIVA DE GEOTECNIA VOLUME 07 METODOLOGIA CONSTRUTIVA DE GEOTECNIA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...4 2. S...5 3.TRABALHOS PRELIMINARES...6 3.1 PLANEJAMENTO...6 3.2 OBSERVAÇÕES DO COMPORTAMENTO

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Assunto: Fundações Indiretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 7 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Classificação: Fundações

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES AULAS 5 e 6 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M.

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais