NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA"

Transcrição

1 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS DE SEGURANÇA REFERENTES A TRABA- LHO EM LUGARES ESPECIAIS DEVEM SER SEGUIDAS RIGOROSAMENTE PELA EMPREITEIRA CONFORME RECOMENDAÇÕES DA NORMA REGULAMENTADAS- RA No. 15, ANEXO 16 DA PORTARIA 3214 DO MINIS- TÉRIO DO TRABALHO. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES Mg-04 57

2 VALAS ESCORADAS COM PRANCHAS DE MADEIRA MD-03 DETALHES CONSTRUTIVOS BÁSICOS

3 Mg23 - TIRANTES DE FIOS mm DETALHES MG-23 76

4 Mg22 - TIRANTES DE FIOS mm - DETALHES MG-22 75

5 Mg21 - TIRANTES DE FIOS - 6 8mm-DETALHES MG-21 74

6 1 OS BARRACÕES DEVERÃO SER DEIXADOS EMBUTIDOS NA ESTRUTURA. 2 PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS ES-C04 PROTEÇÕES E REBAIXAMENTOS E A DP-C04 PROTEÇÕES E REBAIXAMENTO DA PCR. Mg19 - DRENAGEM INTERNA DE ATERROS E TALUDES MG -19 SEQÜENCIA CONSTRUTIVA BÁSICA 72

7 1 PARA DETALHES CONSTRUTIVOS BÁSICOS VER DESENHO MG-17 - ALTERNADAMENTE,CASO HAJA ESPAÇO DISPONÍVEL, A 1a, CÉLULA PODERÁ SER EXECUTADA FORA DO TALUDE DA ÁREA A SER ENSECADA, PROCEDENDO-SE A SUA INTERLIGAÇÃO À MARGEM ATRAVÉS DE UM DIQUE DE SOLO LANÇADO. - DEPENDENDO DAS DIMENSÕES E EXTENSÕES DAS ENSECADEIRAS, O TRANSPORTE DAS ESTACAS- PRANCHA ATÉ O LOCAL DE APLICAÇÃO PODERÁ SER FEITO POR MEIO DE BALSAS. - PARA CADA CASO EM PARTICULAR O PROJETO DEVERÁ INDICAR O TIPO E FABRICANTE DA ESTACA E SUAS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS (DIMENSÕES E PARÂMETROS DE RESISTÊNCIA E DEFORMABILIDADE), ASSIIM COMO A DISPONIBILIDADE NO MERCADO E A SUA INTENSIDADE (ESTACAS NOVAS OU REUSADAS). - AS CONDIÇÕES DE APOIO DAS ESTACAS DEVERÃO SER INDICADAS NO PROJETO Mg18 - ENSACADEIRA CELULAR MG-18 71

8 1 PARA A SEQÜÊNCIA EXECUTIVA BÁSICA VER METODOLOGIA MG-18 DA PCR 2 PARA OUTROS DETALHES DE CRAVAÇÃO DE ESTACAS- PRANCHA VER METODOLOGIA MD01, CONTIDA NO VOLUME V8 DA PCR. Mg17 - ENSACADEIRA CELULAR MG-17 DETALHES CONSTRUTIVOS 70

9 1 PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 DIRETRIZES DE PROJETO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR, ES-F02 ESPECIFICAÇÕES DE SERVIÇO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR-6122 PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 AS NORMAS DE SEGURANÇA REFERENTES A TRABALHO EM LUGARES ESPECIAIS DEVEM SER SEGUIDAS RIGOROSAMENTE PELA EMPREITEIRA CONFORME RECOMENDAÇÕES DA NORMA REGULAMENTADORA No. 15,ANEXO 6 DA PORTARIA 3214 DE 08/06/78 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO, ALTERADA PELA PORTARIA No. 05 DE 09/02/83 E PELA PORTARIA No.24 DE 14/09/83 E NBR-9061 SEGURANÇA DE ESCAVAÇÃO A CÉU ABERTO DA ABNT. 3 A SOLUÇÃO DE CCP APLICA-SE NORMALMENTE NA ESTABILIZAÇÃO E/OU CONTENÇÃO DE TALUDES, EM FUNDAÇÕES OU COMO ELEMENTOS DE CONTENÇÃO/ESCORAMENTO PARA PERMITIR A ESCAVAÇÃO DE VALAS, SILOS, ETC. Mg16 -EXECUÇÃO DE CCP MG-16 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA 69

10 1 PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 DIRETRIZES DE PROJETO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR, ES-F02 ESPECIFICAÇÕES DE SERVIÇO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR-6122 PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 AS NORMAS DE SEGURANÇA REFERENTES A TRABALHO EM LUGARES ESPECIAIS DEVEM SER SEGUIDAS RIGOROSAMENTE PELA EMPREITEIRA CONFORME RECOMENDAÇÕES DA NORMA REGULAMENTADORA No. 15, ANEXO 6 DA PORTARIA 3214 DE 08/06/78 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO, ALTERADA PELA PORTARIA No. 05 DE 09/02/83 E PELA PORTARIA No. 24 DE 14/09/83 E NBR-9061 SEGURANÇA DE ESCAVAÇÃO A CÉU ABERTO DA ABNT. Mg15 - CONSOLIDAÇÃO DE SOLOS POR AGULHAMENTO MG-15 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA 68

11 1 O TIPO E CARACTERÍSTICAS DOS TIRANTES (COMPRIMENTOS, FIOS OU BARRAS, ETC) DEVERÃO SER DEFINIDOS PELO PROJETO. CASO NECESSÁRIO A EXECUÇÕA DOS TIRANTES DEVERÃO SER MONTADOS ANDAIMES. 2 EM FUNÇÃO DAS CARCTERÍSTICAS DA ESTRUTURA PODERÁ SER NECESSÁRIA A PROTENSÕA PARCIAL DOS TIRANTES ANTES DA EXECUÇÃO DO PAINEL SEGUINTE. 3 O REATERROS COMPACTADO DEVERÁ SER EXECUTADO PARCILAMENTE, DE FORMA A GARANTIR O CONFINAMENTO PARA AS PROTENSÕES. 4 EM FUNÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO TERRENO, OS TRABALHOS DE ESCAVAÇÃO E EXECUÇÃO DOS TIRANTES E PAINÉIS DEVERÃO SER FEITOS POR NICHOS ALTERNADOS. 5 A REPRESENTAÇÃO DA SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA DEVERÁ SER REPETIDA CASO A ESTRUTURA APRESENTAR MAIS NÍVEIS DE TIRANTES. 6 PARA PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS A ES- C02 ESTRUTURAS ATIRANTADAS DA PCR. Mg13 - ESTRUTURA DE CONTENÇÃO TIPO PRANCHADA DE PERFIS METÁLICOS MG-13 66

12 1 AS PLACAS DEVEM, EM GERAL SER MOLDADAS NO CANTEIRO DE OBRAS E INSTALADAS COM O AUXÍLIO DE CAMINHÕES TIPO MUNCK OU OUTRO EQUIPAMENTO DE MAIOR PORTE QUANDO A ESTRUTURA ASSIM EXIGIR. 2 O SOLO A SERUTILIZADO DEVERÁ POSSUIR CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES QUE ATENDAM A ES-C01 ATERROS REFORÇADOS DA PCR, ALÉM DA NBR TERRA ARMADA DA ABNT. 3 O ATERRO DEVERÁ SER COMPACTADO COM EQUIPAMENTO PESADO NAS REGIÕES AFASTADAS DA FACE, UTILIZANDO NAS PROXIMIDADES DA MESMA, EQUIPAMENTO MAIS LEVE TIPO SAPO MECÂNICO. 4 AS PLACAS DEVEM SER POSICIONADAS NOS ESPAÇOS LIVRES DEIXADOS ENTRE AS PLACAS DE NÍVELÇ PRECEDENTE, SUSTENTADAS PROVISORIAMENTE POR UM SISTEMA DE ENTALHES E ENCAIXES DE PINOS E FUROS. 5 OUTRAS TÉCNICAS E SOLUÇÕES DE REFORÇO DE SOLO (P. EX. MÉTODO BATCOM, ARES, MESA, ETC) DEVERÃO OBEDECER AS ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS DOS FORNECEDORES E EMPRESAS ESPECIALIZADAS. 6 PARA PROJETOS E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADS DP-C05 ATERROS REFORÇADOS E ES-C05 ATERROS REFORÇADOS DA PCR. 7 QUANDO NECESSÁRIO, DEVEM SER PROJETADOS DRENOS PARA CAPITAÇÃO DAS ÁGUAS PROVENIENTES DO MACIÇO. MG-12 - TERRA ARMADA Mg-12 65

13 VALAS ESCORADAS COM PRANCHAS DE MADEIRA MD-03 DETALHES CONSTRUTIVOS BÁSICOS

14 1 OS TERRENOS DE FUNDAÇÃO DEVERÃO SER COMPACTADOS E APILOADOS ANTES DO LANÇAMENTO DO ATERRO REFORÇADO. CASO AS CONDIÇÕES DO TERRENO SEJAM INADEQUADAS PODERÁ SER PROMOVIDA A TROCA DE MATERIAL DA BASE, POR EXEMPLO, POR SOLO- CIMENTO, DE ACORDO COM ORIENTAÇÕES DO PROJETO. 2 O TIPO (GEOTÊXTIL, GEOGRELHA, ETC.) E CARACTERÍSTICAS (GRAMATURA, RESISTÊNCIA, PERMEABILIDADE, ETC.) DOS GEOSSINTÉTICOS DEVERÃO SER DEFINIDOS EM PROJETO. 3 OS SOLOS A SEREM UTILIZADOS DEVERÃO SER PREFERENCIALMENTE ARENOSOS, EVITANDO SOLOS COM PRESENÇA DE MATÉRIA ORGÂNICA. 4 O MACIÇO REFORÇADO DEVERÁ SER EXECUTADO POR CAMADAS COM ESPESSURAS DEFINIDAS PELO PROJETO, UTILIZANDO FORMAS PROVISÓRIAS QUE SÃO DESLOCADAS DE ACORDO COM O CRESCIMENTO DO ATERRO. 5 DURANTE A EXECUÇÃO DO MACIÇO PODERÃO SER IMPLANTADAS, EM PARALELO, AS PROTEÇÕES SUPERFICIAIS DO TALUDE, DEPENDENDO DA SOLUÇÃO PRECONIIZADA DEVERÃO SER DEIXADAS BARRAS DE FIXAÇÃO EMBUTIDAS NO CORPO DO ATERRO. 6 PARA PROJETO E EXECUÇAÕ DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS A ES-C05 ATERROS REFORÇADOS DA PCR. Mg11 - ATERROS REFORÇADOS COM GEOSSITÉTICOS MG

15 1 O TIPO E CARACTERÍSTICAS DOS TIRANTES (COMPRIMENTOS, FIOS OU BARRAS, ETC) DEVERÃO SER DEFINIDOS PELO PROJETO, CASO NECESSÁRIO À EXECUÇÃO DOS TIRANTES DEVERÃO SER MONTADOS ANDAIMES. 2 EM FUNÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA ESTRUTURA PODERÁ SER NECESSÁRIA A PROTENSÃO PARCIAL DOS TIRANTES ANTES DA EXECUÇÃO DO PAINEL SEGUINTE. 3 O REATERRO COMPACTADO DEVERÁ SER EXECUTADO PARCIALMENTE, DE FORMA A GARANTIR O CONFINAMENTO PARA AS PROTENSÕES. 4 EM FUNÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO TERRENO, OS TRABALHOS DE ESCAVAÇÃO, EXECUÇÃO DOS TIRANTES E PAINÉIS DEVERÃO SER FEITOS POR NICHOS ALTERNADOS. 5 A REPRESENTAÇÃO DA SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA DEVERÁ SER REPETIDA CASO A ESTRUTURA APRESENTAR CASO A ESTRUTURA APRESENTAR MAIS NÍVEIS DE TIRANTES. 6 PARA PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS A ES-C02 ESTRUTURAS ATIRANTADAS DA PCR. Mg10- ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO- CORTINAS ATIRANTADAS MG-10 63

16 1- AS ESTRUTURAS EM BOLSACRETO, NORMALMENTE SÃO EMPREGADAS NAS SITUAÇÕES DE DIFÍCIL ACESSOE LOGÍSTICA PARA OS EQUIPAMENTOS. 2- O MATERIAL ESCORREGADO DEVERÁ SER RETIRADO COM CUIDADO PARA EVITAR A IINSTABILIZAÇÃO DOS TALUDES REMANESCENTES E/OU ASSOREAMENTO DOS CURSOS DÁGUA (DE PREFERÊNCIA COM ESCAVAÇÃO EM NICHOS). ESTE MATERIAL DEVERÁ SER CONDUZIDO PARA A ÁREA DE BOTA-FORA APROVADA PELA PREIFEITURA. 3- O ENSECAMENTO DA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DAS OBRAS DEVERÁ SER FEITO COM O PRÓPRIO BOLSACRETO EM ALTURAS COMPATÍVEIS COM A VARIAÇÃO DE NÍVEIS DÁGUA PREVISTA PARA O PERÍODO DE EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS. 4- EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES GEOLÓGICAS DOS TERRENOS DE FUNDAÇÃO PODERÁ SER NECESSÁRIA A TROCA DE MATERIAL, COM A UTILIZAÇÃO DE SOLO-CIMENTO, RACHÃO, ETC. 5- A REGIÃO DOS TALUDES DEVERÁ SER ESCAVADA EM DEGRAUS PARA PERMITIR MELHOR SOLIDARIZAÇÃO ENTRE OS MATERIAIS NATURAIS E COMPACTADOS. 6- EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES GEOLÓGICAS EXIXTENTES, DEVERÁ SER PREVISTO COLCHÃO DE MATERIAL GRANULAR NO CONTATO ENTRE O TERRENO NATURAL E O COMPACTADO. 7- PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS A ES- C01 MUROS E ESTRUTURAS DE ARRIMO DA PCR. MG08-CONTENÇÃO DE TALUDES COM BOLSACRETO MG-08 61

17 1 AS CARACTERÍSTICAS DAS ESTACAS (DIÂMETRO E COMPRIMENTO) DEVERÃO SER FIXADAS NO PROJETO, BEM COMO A SEQÜÊNCIA DE EXECUÇÃO DAS ESTACAS, A QUAL DEVERÁ SER NECESSARIAMENTE ALTERNADA. 2 EM FUNÇÃO DA ALTURA EM BALANÇO, DA PRESENÇA DE TIRANTES E DAS CARACTERÍSTICAS DO SOLO, A ESCAVAÇÕA PODERÁ SER REALIZADA EM NICHOS OU NÃO. 3 -O PARAMENTO PODERÁ, ALTERNATIVAMENTE, SER REALIZADO ATRAVÉS DA PAREDE DE CONCRETO MOLDADO IN LOCO. NESTE CASO, CUIDADOS ESPECIAIS DEVERÃO SER TOMADOS PARA O APICOAMENTO DAS ESTACAS E A SOLIDARIZAÇÃO DAS ARMADURAS COM ÀS DA PAREDE. 4 O FILTRO PODERÁ SER EXECUTADO COM TRADO (15 CM), SENDO POSTERIORMENTE PREENCHIDO POR PEDRISCO OU AREIA. 5 A NECESSIDADE DO EMPREGO DE TIRANTES DEVERÁ SER DEFINIDA NO PROJETO. 6 PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-C03 ESCORAMENTOS E PRANCHADAS E ES-C03 ESCORAMENTOS DA PCR. MG-14 67

18 1 NAS SITUAÇÕES ONDE A PROXIMIDADE E CARACTERÍSTICAS DE EDIFICAÇÕES LINDEIRAS A OBRA IMPLICAREM EM POTENCIAIS DANOS ÀS MESMAS, POR DECORRÊNCIA DA CRAVAÇÃO DOS PERFIS, DEVERÕA SER EXECUTADAS PRÉ-FUROS PARA POSICIONAMENTO DOS MESMOS. 2 OS PERFIS NORMALMENTE EMPREGADOS NAS SOLUÇÕES EM PRANCHADA SÃO DO TIPO l OU U, OU AINDA, TRILHOS FERROVIÁRIOS QUANDO OS ESFORÇOS SOLICITANTES FOREM DE PEQUENA MAGNITUDE. 3 EM FUNÇÃO DA ALTURA EM BALANÇO, DA PRESENÇA DE TIRANTES E DAS CARACTERÍSTICAS DO SOLO, A ESCAVAÇÃO PODERÁ SER REALIZADA EM NICHOS ALTERNADOS OU NÃO. 4 NAS SITUAÇÕES ONDE NÃO FOR REALIZADA A ESCAVAÇÃO DO TARDOZ DA ESTRUTURA, A CONCRETAGEM DEVERÁ SER FEITA CONTRA O SOLO COM OS CUIDAOS NECESSÁRIOS. 5 A NECESSIDADE DE EMPREGO DE TRRANTES DEVERÁ SER DEFINIDA EM PROJETO. 6 PARA PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS DEVERÃO SER REWSPEITADAS AS DP-C03 ESCORAMENTOS E PRANCHADAS E ES-C03- ESCORAMENTOS DA PCR. Mg13 - ESTRUTURA DE CONTENÇÃO TIPO PRANCHADA DE PERFIS METÁLICOS MG-13 66

19 1- AS ESTRUTURAS EM BOLSACRETO, NORMALMENTE SÃO EMPREGADAS NAS SITUAÇÕES DE DIFÍCIL ACESSOE LOGÍSTICA PARA OS EQUIPAMENTOS. 2- O MATERIAL ESCORREGADO DEVERÁ SER RETIRADO COM CUIDADO PARA EVITAR A IINSTABILIZAÇÃO DOS TALUDES REMANESCENTES E/OU ASSOREAMENTO DOS CURSOS DÁGUA (DE PREFERÊNCIA COM ESCAVAÇÃO EM NICHOS). ESTE MATERIAL DEVERÁ SER CONDUZIDO PARA A ÁREA DE BOTA-FORA APROVADA PELA PREIFEITURA. 3- O ENSECAMENTO DA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DAS OBRAS DEVERÁ SER FEITO COM O PRÓPRIO BOLSACRETO EM ALTURAS COMPATÍVEIS COM A VARIAÇÃO DE NÍVEIS DÁGUA PREVISTA PARA O PERÍODO DE EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS. 4- EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES GEOLÓGICAS DOS TERRENOS DE FUNDAÇÃO PODERÁ SER NECESSÁRIA A TROCA DE MATERIAL, COM A UTILIZAÇÃO DE SOLO- CIMENTO, RACHÃO, ETC. 5- A REGIÃO DOS TALUDES DEVERÁ SER ESCAVADA EM DEGRAUS PARA PERMITIR MELHOR SOLIDARIZAÇÃO ENTRE OS MATERIAIS NATURAIS E COMPACTADOS. 6- EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES GEOLÓGICAS EXIXTENTES, DEVERÁ SER PREVISTO COLCHÃO DE MATERIAL GRANULAR NO CONTATO ENTRE O TERRENO NATURAL E O COMPACTADO. 7- PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS A ES- C02 MUROS E ESTRUTURAS DE ARRIMO DA PCR. Mg09 - PROTEÇÃO DE TALUDES COM BOLSACRETO MG-09 62

20 1- PARA PROJETO EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJETO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR, ES-F02 - ESPECIFI- CAÇÕES DE SERVIÇO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DAS PCR E NBR PROJETO E EXECUÇÃO DE FUN- DAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS DE SEGURANÇA REFERENTES A TRABALHO EM LUGARES ESPECIAIS DEVEM SER SEGUIDAS RIGO- ROSAMENTE PELA EMPREITEIRA CONFORME RECO- MENDAÇÕES DA NORMA REGULAMENTADORA No.15, ANEXO 6 DA PORTARIA 3214 DO MINISTÉRIO DO TRA- BALHO E NBR SEGURANÇA DE ESCAVAÇÃO A CÉU ABERTO DA ABNT. 3 - O ESCORAMENTO DO REVESTIMENTO, QUANDO NE- CESSÁRIO É GERALMENTE EXECUTADO ATRAVÉS DE PONTALETES VERTICAIS LOCALIZADOS ENTRE A BORDA INFERIOR E A BASE DO TUBULÃO. EM CASOS ESPECIAIS, SEGUIR A ORIENTAÇÃO DO PROJETO. Mg02 - EXECUÇÃO DE TUBULÃO A AR COMPRIMIDO MG-02 55

21 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS DE SEGURANÇA REFERENTES A TRABA- LHO EM LUGARES ESPECIAIS DEVEM SER SEGUIDAS RIGOROSAMENTE PELA EMPREITEIRA CONFORME RECOMENDAÇÕES DA NORMA REGULAMENTADO- RA No. 15, ANEXO 6 DA PORTARIA 3214 DO MINIS- TÉRIO DO TRABALHO. Mg03- EXECUÇÃO DE ESTACAS- RAÍZ MG-03 56

22 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJETO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS DE SEGURANÇA REFERENTES A TRABALHO EM LUGARES ESPECIAIS DEVEM SER SEGUIDAS RIGOROSAMENTE PELA EMPREITEIRA CONFORME RECOMENDAÇÕES DA NORMA REGULAMENTADORA No.15, ANEXO 16 DA PORTARIA 3214 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO. Mg05- EXECUÇÃO DE ESTACAS ESCAVADAS COM USO DE LAMA BETONÍTICA MG-05 58

23 1 - A ALTERNATIVA 1 APLICA-SE, NORMALMENTE NOS CASOS DE ESPAÇO OU PRESENÇA DE INTERFERÊN- CIAS A MONTANTE DA ESTRUTURA CONDICIONA A POSIÇÃO DAS ESCAVAÇÕES. 2 - O MATERIAL ESCORREGADO NÃO SERÁ REAPROVEI- TADO, DEVENDO SER ENCAMINHADO À ÁREA DE BOTA -FORA, COM ANUÊNCIA DA FISCALIZAÇÃO. 3 - NO CASO DE ASSENTAMENTO DIRETO DA ESTRUTURA NO TERRENO, ESTES DEVERÃO SER APILOADOS OU TRA- TADOS COM SOLO-CIMENTO, CONCRETO MAGRO, ETC 4 - A REGIÃO DOS TALUDES DEVERÁ SER ESCAVADA EM DEGRAUS PARA PERMITIR MELHOR SOLIDARIZAÇÃO ENTRE OS MATERIAIS NATURAIS E COMPACTADOS. 5 - EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES GEOLÓGICAS EXIS- TENTES, PODERÁ SER PREVISTO COLCHÃO DRENANTE NO CONTATO ENTRE O TERRENO NATURAL E O COM- PACTADO, INTERLIGANDO AO FILTRO TARDOZ. 6 - EM FUNÇÃO DAS ALTURAS E SOLICITAÇÕES ENVOLVI- DAS PODERÁ SER NECESSÁRIO O EMPREGO DE PRO- TENSÕES PARCIAIS NO DECORRER DOS SERVIÇOS. 7 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS A ES-C01 - MUROS E ESTRUTURAS DE ARRIMO DA PCR. Mg07- MUROS À FLEXÃO EM ENCOSTAS- ALTERNATIVA 2 MURO ATIRANTADO MG-07 60

24 1 - A ALTERNATIVA 1 APLICA-SE, NORMALMENTE NOS CASOS DE ESPAÇO OU PRESENÇA DE INTERFERÊN- CIAS A MONTANTE DA ESTRUTURA CONDICIONA A POSIÇÃO DAS ESCAVAÇÕES. 2 - O MATERIAL ESCORREGADO NÃO SERÁ REAPROVEI- TADO, DEVENDO SER ENCAMINHADO À ÁREA DE BOTA -FORA, COM ANUÊNCIA DA FISCALIZAÇÃO. 3 - NO CASO DE ASSENTAMENTO DIRETO DA ESTRUTURA NO TERRENO, ESTES DEVERÃO SER APILOADOS OU TRA- TADOS COM SOLO-CIMENTO, CONCRETO MAGRO, ETC 4 - A REGIÃO DOS TALUDES DEVERÁ SER ESCAVADA EM DEGRAUS PARA PERMITIR MELHOR SOLIDARIZAÇÃO ENTRE OS MATERIAIS NATURAIS E COMPACTADOS. 5 - EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES GEOLÓGICAS EXIS- TENTES, PODERÁ SER PREVISTO COLCHÃO DRENANTE. NO CONTATO ENTRE O TERRENO NATURAL E O COM- PACTADO, INTERLIGANDO AO FILTRO TARDOZ. 6 - EM FUNÇÃO DAS ALTURAS E SOLICITAÇÕES ENVOLVI- DAS PODERÁ SER NECESSÁRIO O EMPREGO DE PRO- TENSÕES PARCIAIS NO DECORRER DOS SERVIÇOS. 7 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS A ES-C01 - MUROS E ESTRUTURAS DE ARRIMO DA PCR. Mg06- MUROS À FLEXÃO EM ENCOSTAS - ALTERNATIVA 1 MURO DE CONTRAFORTE OU CONTRAFORTE ARTICULADO MG-06 59

25 1 PREVIIAMNETE AO INÍCIO DOS TRABALHOS TODA EA DEVERÁ SER ISOLADA COM A EXCUÇÃO DE DRENAGEM PROVISÓRIAS APROPRIADAS. 2 - OS DIQUES DE CONTENÇÃO PODERÃO SER EXECUTADOS COM ENROCAMENTO, SOLO-CIMENTO, ESTRUTURA DE GABIÕES E/OU COM BOLSACRETO, CONFORME DEFINIDO EM PROJETO ESPECÍFICO. 3 CASO SEJA EMPREGADO DIQUES DE ENTRONCAMENTO OS TUBOS DE DRENAGEM NÃO SERÃO NECESSÁRIOS. 4 OS MATERIAIS DEVERÃO APRESENTAR SEGUINDO OS CRITÉRIOS DE FILTROS ESTABELECIDOS NA DP-T02- PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ATERROS COMPACTOS DA PCR. 5 A PROTEÇÃO FINAL DO TALUDE DEVERÁ SER CONSTITUÍDA POR GRAMA EM PLACAS,GUNITA, GABIÕES,MANTA, ETC, A SER DEFINIDO EM PROJETO ESPECÍFICO. Mg20 - RECOMPOSIÇÃO DE EROSÕES DE VIAS EM MEIA ENCOSTA MG-20 73

26 1- PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 DIRETRIZES DE PROJETO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DAS DA PCR, ES-F02- ESPECIFICAÇÕES DE SERVIÇO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2- AS NORMAS DE SEGURANÇA REFERENTES A TRABALHO EM LUGARES ESPECIAIS DEVEM SER SEGUIDAS RIGOROSAMENTE PELA EMPREITEIRA CONFORME RECOMENDAÇÕES DA NORMA REGULAMENTADORA No.15, ANEXO 6 DA PORTARIA 3214 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E NBR SEGURANÇA DE ESCAVAÇÃO A CÉU ABERTO DA ABNT. 3- O ESCORAMENTO DO REVESTIMENTO, QUANDO NECESSÁRIO É GERALMENTE EXECUTADO ATRAVÉS DE PONTALETES VERTICAIS, LOCALIZADOS ENTRE A BORDA INFERIOR DO REVESTIMENTO E A BASE DO TUBULÃO, EM CASOS ESPECIAIS, SEGUIR A ORIENTAÇÃO DO PROJETO. Mg01 - EXECUÇÃO DE TUBALÕA À CÉU ABERTO MG-01 54

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1 Objetivo e campo de aplicação...2 2 Referências...2 3 Definições...2 4 Condições para início dos serviços...2 5 Materiais e equipamentos necessários...3 6 Métodos e procedimentos de execução...3

Leia mais

1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO

1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO 02 CORREÇÃO DE CARIMBO E REVISÃO ORTOGRÁFICA NOV/2010 01 CORREÇÃO NO PLANO DE EXECUÇÃO MAR / 2007 NSAS IMG REV. MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO 1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO GERENTE

Leia mais

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos ASC Prof. Danilo Toledo Ramos Fundações Profundas (Indiretas) Segundo a NBR 6122/1996: Elementos de fundação que transmitem a carga ao terreno pela base (resistência de ponta), por sua superfície lateral

Leia mais

VOLUME 07 METODOLOGIA CONSTRUTIVA DE GEOTECNIA

VOLUME 07 METODOLOGIA CONSTRUTIVA DE GEOTECNIA VOLUME 07 METODOLOGIA CONSTRUTIVA DE GEOTECNIA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...4 2. S...5 3.TRABALHOS PRELIMINARES...6 3.1 PLANEJAMENTO...6 3.2 OBSERVAÇÕES DO COMPORTAMENTO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (PRINCIPAL) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (CONTINUAÇÃO) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA PAULO AMITH PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE AUGUSTO CORRÊA C.N.P.J. 04.873.600/0001-15 PRAÇA SÃO MIGUEL Nº 60 CEP: 68610-000. Assunto:

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE AUGUSTO CORRÊA C.N.P.J. 04.873.600/0001-15 PRAÇA SÃO MIGUEL Nº 60 CEP: 68610-000. Assunto: Assunto: MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE PONTE EM CONCRETO ARMADO DE ACESSO A VILA DE PERIMIRIM EM AUGUSTO CORRÊA/PA. 1 MEMORIAL DESCRITIVO OBSERVAÇÕES GERAIS / LOCALIZAÇÃO

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Construções Rurais. Prof. João Marcelo

Construções Rurais. Prof. João Marcelo Construções Rurais Prof. João Marcelo Concreto misturado à mão O concreto armado ou estrutural Trabalhos preliminares São os trabalhos iniciais : elaboração do programa, escolha

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN.

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1- GENERALIDADES 1.1- Trata a presente Licitação na execução

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P23-REPARAÇÃO DE PAVIMENTOS DANIFICADOS POR ABERTURA DE VALAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

ANEXO VI PROJETO BÁSICO CONSTRUÇÃO DE MURO PRÉ-MOLDADO TIPO TRAPEZOIDAL E NYLOFOR, PAVIMENTAÇÃO EM PÓ DE PEDRA E PEDRISCO E CALÇADA CASA DO MEL

ANEXO VI PROJETO BÁSICO CONSTRUÇÃO DE MURO PRÉ-MOLDADO TIPO TRAPEZOIDAL E NYLOFOR, PAVIMENTAÇÃO EM PÓ DE PEDRA E PEDRISCO E CALÇADA CASA DO MEL PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS ANEXO VI PROJETO BÁSICO CONSTRUÇÃO DE MURO PRÉ-MOLDADO TIPO TRAPEZOIDAL E NYLOFOR, PAVIMENTAÇÃO EM PÓ DE PEDRA

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇAO PARA EMPREENDIMENTOS - TEV

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇAO PARA EMPREENDIMENTOS - TEV COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SABESP BANCO DE PREÇOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA BRO/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇAO PARA

Leia mais

Drenagem - meios-fios e guias

Drenagem - meios-fios e guias MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

SOBRE A TABELA DE CUSTOS:

SOBRE A TABELA DE CUSTOS: SOBRE A TABELA DE CUSTOS: As composições de custos unitários de serviços aqui apresentadas integram o banco de dados de composições genéricas da PINI resumido no livro TCPO14 - Tabelas de Composições de

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA RECUPERAÇÃO DE CERCA OPERACIONAL, IMPLANTAÇÃO DA CERCA DE SERVIDÃO, COMPLEMENTAÇÃO DA CERCA PATRIMONIAL E SERVIÇOS COMPLEMENTARES

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO FORNECIMENTO E EXECUÇÃO

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

Muro de arrimo segmentado

Muro de arrimo segmentado 1 de 12 01/11/2010 18:40 Muro de arrimo segmentado Este artigo apresenta a seqüência executiva de um muro de arrimo segmentado. A técnica consiste no reforço de solo pela inclusão de elementos planos (geogrelhas

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP .1.1.30 NOME: TRABALHOS COM ESCAVAÇÃO (ABERTURA E FECHAMENTO DE VALA) E ESCORAMENTO Como desenvolve a atividade Cargo Periodicidade ST/GEAP 6.1.30.1 Acatar as Considerações Gerais e Aspectos Legas (NR

Leia mais

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA CONCEITO É uma estaca de pequeno diâmetro concretada in loco, cuja perfuração é realizada por rotação ou roto-percussão (no caso de rochas), em direção vertical ou inclinada. Utilizada para reforço de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos.

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos. MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO : Prefeitura Municipal de Irai OBRA : Construção de ponte em concreto armado de 4,50m de largura x 25,00m de vão total e 5,33m de altura total. LOCAL : Linha Corticeira

Leia mais

PEF 2502 Obras subterrâneas Projeto e Método Construtivo. Valas escoradas. Prof. Carlos Eduardo M. Maffei Profa. Heloísa Helena S.

PEF 2502 Obras subterrâneas Projeto e Método Construtivo. Valas escoradas. Prof. Carlos Eduardo M. Maffei Profa. Heloísa Helena S. PEF 2502 Obras subterrâneas Projeto e Método Construtivo Valas escoradas Prof. Carlos Eduardo M. Maffei Profa. Heloísa Helena S. Gonçalves MULTIDISCIPLINARIDADE SEQUÊNCIA EXECUTIVA MÉTODO CONSTRUTIVOS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

Os principais tipos de fundações profundas são:

Os principais tipos de fundações profundas são: 3.4 - FUNDAÇÕES INDIRETAS OU PROFUNDAS Os principais tipos de fundações profundas são: 3.4.1 - Estacas São peças alongadas, cilíndricas ou prismáticas, cravadas ou confeccionadas no solo, essencialmente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A AR COMPRIMIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação

Leia mais

Documentos de consulta: projetos de escavação, fundação, estrutura e hidrossanitário

Documentos de consulta: projetos de escavação, fundação, estrutura e hidrossanitário 1 NI 002 Norma técnica: NBR 6122:2010 Documentos de consulta: projetos de escavação, fundação, estrutura e hidrossanitário Predecessores de execução: Movimentação de terra, contenção (definitiva ou provisória),

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA SANTO ANTÔNIO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA SANTO ANTÔNIO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA SANTO ANTÔNIO EMPREENDIMENTO: Paróquia Santo Antônio do Partenon PROPRIETÁRIO: Mitra da Archidiocese de POA Paróquia St Antônio do Partenon

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

Relatório Comparativo do Contratado x Executado

Relatório Comparativo do Contratado x Executado Obra : 01 - Contratação de pessoa jurídica para execução das obras civis Dimensão : 0,000 UN Bem Público: : ARENA DA AMAZÔNIA Município : Manaus - 100,00% Grupo de Serviço : 200 - SERVIÇOS INICIAIS BÁSICOS

Leia mais

NEUBAU ENGENHARIA E ASSESSORIA LTDA

NEUBAU ENGENHARIA E ASSESSORIA LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SISTEMA DE ESGOTO OBRA: IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ALVORADA LOCALIZAÇÃO: Rua Norberto Raduenz Bairro Testo Central Pomerode - SC SISTEMAS A SEREM EXECUTADOS: Rede

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

1 ATENDENDO AO RAT 414MF1/DEPE(PETP-2)/10 1/9/10 EdMN BBZ WV 0 EMISSÃO INICIAL 12/2/10 EdMN BBZ WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo

1 ATENDENDO AO RAT 414MF1/DEPE(PETP-2)/10 1/9/10 EdMN BBZ WV 0 EMISSÃO INICIAL 12/2/10 EdMN BBZ WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo 1 ATENDENDO AO RAT 414MF1/DEPE(PETP-2)/10 1/9/10 EdMN BBZ WV 0 EMISSÃO INICIAL 12/2/10 EdMN BBZ WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coord. de Projeto Autor do Projeto/Resp técnico Co-Autor

Leia mais

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker Projeto para Pavimentação de Calçamento de Pedra Irregular da Rua Cândida Correa Becker dos Trechos Esquina Modesto Vargas até Manoel Schumacker MONTE CARLO SC Janeiro de 2014 Proprietário: PREFEITURA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados em obras civis. Com relação a esse aglomerante, julgue os itens a seguir. 61 No recebimento em uma obra, os sacos devem

Leia mais

1 - GENERALIDADES 1.1 - OBJETIVO

1 - GENERALIDADES 1.1 - OBJETIVO 1 - GENERALIDADES 1.1 - OBJETIVO As presentes especificações tem por objetivo definir as características básicas e qualidades exigidas para os elementos das obras de infraestrutura na área do CIPP. As

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA PRAÇA XV DE NOVEMBRO

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA PRAÇA XV DE NOVEMBRO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE SUPERVISÃO DE PARQUES PRAÇAS E JARDINS DIVISÃO DE PROJETOS E CONSTRUÇÃO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA

Leia mais

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO A) FUNDAÇÕES 1.0 ESTACA BROCA Executada por perfuração com trado e posterior concretagem, sobre as estacas

Leia mais

Construção. Contenções

Construção. Contenções Construção 18 Contenções A engenharia oferece soluções de contenção variadas, adequadas para as situações mais diversas. Geologia do terreno, estudo de riscos, custo e cronograma da obra influenciam a

Leia mais

MOBILIZAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DE CANTEIRO DE OBRAS (UNIDADES FÍSICAS) Unid 1,00 5.900,00 5.900,00

MOBILIZAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DE CANTEIRO DE OBRAS (UNIDADES FÍSICAS) Unid 1,00 5.900,00 5.900,00 UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI OBRA: CONSTRUÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETE CAMPUS PRESIDENTE JUSCELINO KUBITSCHEK - DIAMANTINA - MG ORÇAMENTO BÁSICO ITEM DESCRIÇÃO

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Neste grupo incluem-se os trabalhos que embora não fazendo parte do conjunto tradicionalmente considerado como trabalhos rodoviários,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA ELEVGRILL 704 48,5 70, 4 MEDIDAS EM CENTÍMETROS 46,3 61, 1* 38,3* * Medidas D e E referem-se ao quadro inferior que encaixa no braseiro revestido de placas refratárias

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Anexo I-A: Projeto Arquitetônico

MEMORIAL DESCRITIVO. Anexo I-A: Projeto Arquitetônico Fornecimento e Instalação de Brises na Fachada Oeste do Edifício Sede do MPDFT Sumário MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Projeto Arquitetônico 1.Descrição dos Serviços...2 2.Serviços Preliminares...2 2.1.Tapumes

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUC, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTR SERVIÇOS MELHORIAS DA INFRAESTRUTURA DO CAMPUS IFRN/SÃO PAULO DO POTENGI DATA: 25/07/24 S/BDI C/ BDI C/BDI

Leia mais

ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA

ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA 1 1. Introdução O presente caderno de encargos tem como objetivo orientar e subsidiar a contratação de empresa para a execução

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Drenagem - bueiros tubulares de concreto

Drenagem - bueiros tubulares de concreto MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PADRONIZADOS...

PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PADRONIZADOS... 1/25 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 11 RETIRADA DE PAVIMENTOS, GUIAS E SARJETAS... 2 12 EXECUÇÃO DE PAVIMENTOS, GUIAS E SARJETAS... 3 13 RECOMPOSIÇÃO DE

Leia mais

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais:

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais: Estradas 2 Segunda Parte Drenagem Uma estrada é construída para permitir o tráfego em qualquer condição climática. No Brasil isto é essencialmente verdade nas estações chuvosas, onde ocorrem alagamentos.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra.

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. O sistema industrializado de Lajes Mistas Nervuradas da Tuper é composto por vigotas metálicas fabricadas com aço estrutural galvanizado

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PREÇOS E SUBGRUPO: 48.01.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 48.01.01 Andaimes tubulares m 3 x mes Fornecimento, montagem e desmontagem de andaime tubular de base quadrada, como também a plataforma de serviços

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

Obras com Estrutura de Contenção

Obras com Estrutura de Contenção CAPÍTULO 11 Obras com Estrutura de Contenção Muro de arrimo 11. 1 Outras soluções de contenção 11. 2 189 Todos os muros deverão ser construídos com base em projeto executivo e com acompanhamento técnico

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-C02 ESTRUTURAS ATIRANTADAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. S... 3 3. DESCRIÇÃO... 3 4. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS... 4 4.1

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Tubulão TIPOS/MODELOS. De acordo com o método de escavação os tubulões se classificam em: a céu aberto e ar comprimido.

Tubulão TIPOS/MODELOS. De acordo com o método de escavação os tubulões se classificam em: a céu aberto e ar comprimido. Tubulão CONCEITO São fundações de forma cilíndrica com base alargada ou não, que resistem por compressão a cargas elevadas. São compostos por três partes: cabeça, fuste e base. A cabeça é executada em

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS PROGRAMA DE MACRODRENAGEM, RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO URBANO DE CANOAS, PRÓ CANOAS PROJETO DE CANALIZAÇÃO DA VALA PARALELA À RUA FLORIANÓPOLIS 30 DE SETEMBRO DE 2013 RUA GETÚLIO VARGAS Nº

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS

CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS - 2 - Engº Marcos Augusto Jabor 2 PROJETO DE DRENAGEM Normas ( Diâmetros mínimos e máximos, carga hidráulica, velocidades máximas); Materiais (tubos); Drenagem Superficial

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÂMARA SUBTERRÂNEA PARA INSTALAÇÃO DE CHAVE DE TRANSFERÊNCIA ATE CHAVE

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÂMARA SUBTERRÂNEA PARA INSTALAÇÃO DE CHAVE DE TRANSFERÊNCIA ATE CHAVE 2040 2400 A 500 855 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E 1/7 TAMPÃO ARTICULADO BI-PARTIDO Y SISTEMA DE TRAVAS 1000 1000 Ø1200 X X PLANTA SUPERIOR TAMPÃO 1050 MM Y TAMPÃO PARA ACESSO DE PESSOAL 200 C 200

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz Março/2014 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1

Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. QUANTITATIVOS DE SERVIÇOS E ORÇAMENTO... 3 2.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 2.2 RESUMO DO ORÇAMENTO... 3 2.3 PLANILHAS DE QUANTIDADES E PREÇOS... 5 3 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO

Leia mais

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva FUNDAÇÕES Prof. Amison de Santana Silva O QUE É? PARA QUE SERVE? - Trata-se do elemento estrutural que transmite ao terreno a carga de uma edificação. - Estudo preliminar para tomada de decisão: Cálculo

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES AULAS 5 e 6 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M.

Leia mais

JL PLASMA DO BRASIL LTDA

JL PLASMA DO BRASIL LTDA 2011 JL PLASMA DO BRASIL LTDA [PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA EM ESCAVAÇÕES A CÉU ABERTO UTILIZANDO A CÁPSULA EXPANSIVA CS PLASMA] Esta relação de procedimentos técnicos dispõe sobre as medidas de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC. www.giragrill.com

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC. www.giragrill.com PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA 584 SC 584 SC www.giragrill.com ELEVGRILL Medidas: E A C B D QUADRO BASE Modelo Prime / SC Medidas em centímetros A B C D E Qtde. Espetos ELEVGRILL 584 49 38 59 49

Leia mais