OCORRÊNCIA DE PUMA CONCOLOR (LINNAEUS) (FELIDAE, CARNIVORA) EM ÁREAS DE VEGETAÇÃO REMANESCENTE DE SANTA CATARINA, BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OCORRÊNCIA DE PUMA CONCOLOR (LINNAEUS) (FELIDAE, CARNIVORA) EM ÁREAS DE VEGETAÇÃO REMANESCENTE DE SANTA CATARINA, BRASIL"

Transcrição

1 581 MAZZOLLI OCORRÊNCIA DE PUMA CONCOLOR (LINNAEUS) (FELIDAE, CARNIVORA) EM ÁREAS DE VEGETAÇÃO REMANESCENTE DE SANTA CATARINA, BRASIL Marcelo Mazzolli 1 ABSTRACT. PRESENCE OF PUMA CONCOLOR (LINNAEUS) (FELIDAE, CARNIVORA) ON REMNANT HABITATS IN SANTA CATARINA, BRAZIL. Several reports on puma (Puma concolor) have been done in the State of Santa Catarina, Southern Brazil, most of them in remnant original habitats above 800 meters. These records show a thight relationship between the puma with the altitude and mostly with the habitat quality. In the Eastmost side of Santa Catarina, these habitats are found alongside the mountain chains of Serra do Mar e Serra Geral, and limit the distribution of puma in the east side of the State. The definite implementation of National Parks and Reserves, studies of movements, and polimorfism analyses are suggested, in order to provide protected habitats and assure the genetic flow amongst puma populations. KEY WORDS : Puma concolor, records, Southern Brazil, conservation O tamanho do animal e o tipo de dieta do puma Puma concolor (LINNAEUS, 1771) exigem que este felino ocupe uma grande área para assegurar sua sobrevivência. Com distribuição original extensa e contínua nas Américas, e adaptabilidade para sobreviver em vários tipos de ambiente, suas exigências de área e alimentação só recentemente mostram-se um fator de restrição para sobrevivência da espécie. O puma ocorria originalmente desde o norte da Colúmbia Britânica, no Canadá, até o sul da Argentina. Foi registrada a existência de pumas desde o nível do mar até metros de altitude, e de áreas desertas até florestas tropicais da América do Sul. Atualmente a pressão de caça e o desmatamento tem restringido seu território às áreas montanhosas e menos populosas dos Estados Unidos e Canadá (CURRIER, 1983). IHERING (1892) observou um retrocesso semelhante na distribuição do puma para áreas montanhosas no Rio Grande do Sul, sul do Brasil. O puma é considerado raro ao longo de toda a sua distribuição, ameaçado pela caça, desmatamento e caça intensiva de suas presas (EMMONS, 1990), e ameaçado de extinção no Brasil (BERNARDES et.al., 1990). 1. Biólogo, Projeto Puma,

2 582 MAZZOLLI Poucos estudos do puma foram realizados na América do Sul. YOUNG & GOLDMAN (1946) e CABRERA (1957) estudaram a sistemática a nível de subespécie, WILSON (1984), YáNEZ et.al. (1986) e EMMONS (1987) estudaram hábitos alimentares, COURTIN et.al. (1980) estudaram, além de hábitos alimentares, preferências de habitat. GREER (1968) e CARVALHO (1968) publicaram notas acerca de taxas de crescimento e XIMENEZ (1972) sobre ampliação de distribuição da espécie. No Brasil os únicos estudos de ecologia do puma foram feitos por SCHALLER (1983) e CRAWSHAW & QUIGLEY (1984). Os relatos mais precisos da antiga distribuição de "onças e tigres" no litoral catarinense, são aqueles feitos por navegantes estrangeiros. Estes citam a ocorrência de "onças e tigres"* na Ilha de Santa Catarina (FRéZIER, 1979; SHELVOCK, 1979; DON PERNETTY, 1979). Segundo DON PERNETTY (1979), que desembarcou na Ilha em novembro de 1763, "...nós apreendíamos sobretudo as onças, das quais nos tinham mostrado algumas garras incrustadas em prata, e que os nativos diziam ser muito mais comuns e cruéis que os tigres". KRUSENSTERN (1979) observou, em 1803, que já haviam sido feitos extensos desmatamentos na Ilha de Santa Catarina, e que as "onças" haviam desaparecido. Neste trabalho não foi possível cobrir todo o Estado de Santa Catarina, entretanto, são apresentados aqui um número significativo de registros de puma em diversas localidades do Estado, os quais evidenciam uma estreita relação entre a ocorrência deste felino com a altitude e principalmente com a qualidade do habitat. ÁREA DE ESTUDO O estudo foi realizado entre as Latitudes 26 S e 30 S, e Longitudes 52 W e 48 W, no Estado de Santa Catarina. O território catarinense está situado na Região Sul do Brasil, entre os Estados do Paraná e Rio Grande do Sul, e faz divisa a Oeste com a Argentina. Apresenta um clima subtropical, com temperaturas médias anuais que variam de 21,8 C no litoral a 13,0 C no planalto (GAPLAN, 1986). Santa Catarina caracteriza-se por apresentar um altiplano levemente inclinado para oeste e uma área que se desenvolve na borda do planalto até o mar, conhecidos, respectivamente, por Região do Planalto e Região do Litoral e Encostas, e separadas pelas Serras do Mar e Geral (PELUSO JúNIOR, 1986)(Fig.1). A Serra do Mar localiza-se próxima ao litoral e ocupa um pequena faixa do litoral catarinense, e a Serra Geral encontra-se mais afastada para o interior, fazendo com que o limite com o altiplano, na maior parte do território catarinense, seja a Serra Geral (PELUSO JúNIOR, 1986). O Estado de Santa Catarina é dividido em 4 regiões fitoecológicas, além das formações pioneiras (Mangues e Restingas). A região da Floresta Ombrófila Densa (Floresta Atlântica) está situada na parte leste do Estado, entre o planalto e o oceano, constituída na sua maior parte por árvores perenifoliadas de 20 a 30 metros de altura. Cobre as planícies litorâneas e encostas íngremes da Serra do Mar e Serra Geral. Em áreas intactas, a canela-preta (Ocotea catharinensis) predomina no estrato arbóreo superior, podendo representar 50% da biomassa deste estrato. O estrato médio é dominado pelo

3 583 MAZZOLLI Fig.1. Puma concolor. Ocorrência do puma no Estado de Santa Catarina, de acordo com o tipo de ambiente. Em cinza os locais com vegetação primária remanescente acima de 800 metros de altitude. Os números indicam localizações do puma nos municípios: 1-Praia Grande, 2-Meleiro, 3- São Joaquim, 4-Urupema, 5-Urubici, 6-Bom Retiro, 7-Alfredo Wagner, 8-Anitápolis, 9-São Bonifácio, 10-Antônio Carlos, 11-Blumenau, 12-Brusque, 13-Rio dos Cedros, 14-Rio Negrinho, 15-Joinville, 16-Campo Alegre, 17-Garuva, 18-Itapoá, 19-Rio do Campo, 20-Curitibanos, 21-Agua Doce, 22-Ponte Serrada. palmiteiro (Eutherpes edulis), uma Palmácea. A Região da Floresta Ombrófila Mista (Floresta com Pinheiros) ocupa grande parte do Planalto catarinense, situada acima de 500 metros, onde ocorre até seis meses frios (Tm 15 ) e seis meses quentes (Tm 20 ) durante o ano. O pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia) domina no estrato emergente. No estrato das arvoretas predomina em grandes áreas a erva-mate (Ilex paraguariensis), e densas touceiras de taquara-lisa (Merostachys multiramea). A região da Floresta Estacional Decidual do Alto Uruguai é formada, no estrato emergente, por espécies de gêneros pantropicais, que apresentam perdas das folhas provocada pelo frio do inverno. A Região da Savana (Campos) é formada por um estrato de gramíneas, entremeado por elementos arbustivos ou arbóreos, xeromorfos ou não, constituíndo, às vezes, florestas de galerias ou capões (GAPLAN, 1986).

4 584 MAZZOLLI MATERIAL E MÉTODOS Os registros de puma foram obtidos a partir de deslocamentos, efetuados inicialmente devido às reclamações de fazendeiros ao IBAMA (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente), de ataques de puma a rebanhos domésticos. Comprovada a existência do puma no Estado, uma primeira etapa de deslocamentos foi direcionada à região da Planície Litorânea e início de encosta, a leste das serras litorâneas. Uma segunda etapa deslocamentos foi direcionada à região serrana. Inicialmente foram efetuados registros com base em evidências da presença do puma em locais onde rebanhos haviam sido atacados. Fezes, pegadas e pêlos do felino, e a disposição dos animais domésticos abatido nos locais de ataque, foram os meios utilizados para confirmar um registro. Crânios e outras peças do esqueleto, ou peles de puma, mortos nas fazendas, também foram utilizados como evidência de sua presença na região. Posteriormente as entrevistas foram consideradas como método de registro, principalmente em áreas vizinhas de mata contínua onde registros in loco haviam sido efetuados. Procurou-se entrevistar pessoas de alguma maneira em contato com as atividades do felino, tais como fazendeiros, caçadores, e técnicos rurais. Dois registros foram feitos com base em animais atropelados. Os registros foram analisados com o auxílio de mapas. Cartas topográficas locais do IBGE, de escala 1:50.000, foram utilizadas para verificação da altitude e da posição relativa dos pontos de registro, em relação aos município. A posição relativa foi usada para posicionamento dos registros em escala de 1: em mapa político. O Mapa de vegetação x altitude foi elaborado a partir de mapas com escala de 1: (GAPLAN, 1991). Mapas de vegetação e altitude foram copiados em papel vegetal com auxílio de caneta nanquim 0.4 mm, e sobrepostos para obtenção do mapa final. Os registros foram demarcados neste, sobrepondo-o ao mapa político referido anteriormente. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram efetuados 22 registros em pontos diferentes, dos quais 20 em locais acima de 800 metros de vegetação primária remanescente (Fig.1). Entre as exceções, o registro 18 constitui-se de vegetação nativa (Floresta Atlântica) e de formações pioneiras (Mangues e Restinga) remanescente da planície litorânea. Desta região para o norte (e.g. Paraná e São Paulo) o puma ainda encontra condições para habitar o litoral. No Estado de Santa Catarina, entretanto, as proximidades da região 18 são os únicos locais onde o puma tem condições para habitar na Planície Litorânea. No restante do Estado, seu limite de distribuição ao leste são as serras litorâneas, que acompanham o meridiano de 49 º até o paralelo 28º ao sul, onde a Serra Geral segue em direção ao ponto 29º S e 50º W, para o interior. As fazendas com criações grandes de ovelhas ou cabritos mostraram-se eficazes pontos iniciais de obtenção de informações sobre pumas. De uma maneira geral, os relatos de caçadores e fazendeiros nas encostas ao leste das serras litorâneas sugerem pouca familiaridade com a presença do puma, e poucos entrevistados podiam assegurar que o animal pudesse existir. Em várias localidades da

5 585 MAZZOLLI região serrana, por outro lado, há uma grande familiaridade com a presença do puma, até porque é comum abaterem esses animais, geralmente guardando peças do esqueleto e pele como troféus. A importância das encostas para o puma não podem, apesar disso, ser subestimadas. As encostas abrigam uma extensa cobertura vegetal, suficiente para permitir o deslocamento e abrigo do puma, e de outros animais do qual depende. O registro 12, acima de 800 metros de altitude, não contém vegetação remanescente. Neste local a vegetação secundária é bastante alterada (capoeiras). O registro foi feito com base no ataque de um puma sobre um rebanho de ovelhas. Entrevistado, o dono do terreno nunca haver ocorrido ataques de puma naquela região, nem tinha ouvido falar em puma (ou leão, como se costuma chamar no Estado de Santa Catarina) durante os mais de 20 anos que morou ali. A região é pobre em vegetação e em animais silvestres, e dificilmente teria condições de abrigar um puma por muito tempo. Provavelmente tratava-se de um animal transeunte, em fase de dispersão. A região número 9 está localizada acima de 800 metros de altitude, e, apesar de não aparecer no mapa consultado como sendo uma região de vegetação primária remanescente, possui uma cobertura vegetal com alto grau de regeneração. Fica localizada a leste do único "corredor" (para o puma) entre a região do Tabuleiro e a Serra Geral (Fig.1). Neste local foram encontradas fezes de puma e 23 animais abatidos, entre cabras e ovelhas. A maior concentração de puma em locais mais elevados e com vegetação primária remanescente, não decorrem de uma preferência de habitat. Quando o habitat é adequado, ocupam também zonas baixas do litoral, como no nordeste do Estado de Santa Catarina e como indicam os relatos dos antigos navegantes. A ocupação e fragmentação de terras, mais intensa nas áreas litorâneas do Estado, força o felino a ocupar zonas mais protegidas. Reservas e Parques deveriam funcionar como centros de dispersão para repovoar outros locais menos protegidos, e o planejamento das reservas deveriam levar em conta a necessidade de haver contato entre diferentes populações de uma mesma espécie. Enquanto estes requisitos não são preenchidos, populações de animais silvestres como o puma vem sofrendo redução de habitat. O quanto a diminuição de sua distribuição no Estado de Santa Catarina afeta a estabilidade e sobrevivência de suas populações só é possível prever com uma avaliação mais acurada, sobretudo com estudos de utilização de habitat, dispersão, e análise de polimorfismo. AGRADECIMENTOS. Grande parte deste trabalho foi efetuado durante meu estágio de graduação, no Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LAMAq) da Universidade Federal de Santa Catarina, e constituiu uma parte da minha dissertação. Agradeço ao meu orientador Juan Afredo Ximenez e a toda a banca de graduação, Marlise Becker, Peter Crawshaw e Marcelo Kammers, também por aceitarem participar da banca, mas principalmente por sempre apoiarem este trabalho. Agradeço a Marcos Da-Ré pela participação em grande parte da coleta de dados que estão contidos neste trabalho.

6 586 MAZZOLLI REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERNARDES, A.T.; A.B.M. MACHADO & A.B. RYLANDS Fauna brasileira ameaçada de extinção. Fundação Biodiversitas. 62p. CABRERA, A Catalogo de los mamíferos de America del Sur. Revi. Mus. Arg. de Ci. Nat. "Bernardino Rivadavia" 4(1): CARVALHO, C.T Comparative growth rates of hand-reared big cats. International Zoo Yearbook, 8: Zoological Society of London. COURTIN, S.L.; N.V. PACHECO & W.D. ELDRIDGE. (1980). Observaciones de alimentacion, movimentos y preferencias de habitat del puma en el Islote Rupanco. Medio Ambiente 4: CRAWSHAW, P.G. & H.B. QUIGLEY A ecologia do jaguar ou onça-pintada no pantanal. Estudos Bioecológicos do Pantanal, relatório final - parte 1. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF), 112p. DON PERNETTY, A "Historie d un voyage aux Isles Malouines, In: Ilha de Santa Catarina, relatos de viajantes estrangeiros nos séculos XVIII e XIX. Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina. Assessoria Cultural, 355p. CURRIER, M.J Felis concolor. Mammalian Species 200: 1-7. EMMONS, H.E Comparative feeding ecology of felids in a neotropical rainforest. Behav.Ecol.Sociobiol. 20: Neotropical rainforest mammals. The University of Chicago Press, 234p. FRéZIER, A.F "Relations du voyage de la Mer du Sud aux côtes du Chily et du Perou...". Paris, chez I.G.Nyon, E.Ganeau, Y.Quillan. In: Ilha de Santa Catarina, relatos de viajantes estrangeiros nos séculos XVIII e XIX. Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina, Assessoria Cultural, 355p. GAPLAN, Atlas de Santa Catarina. Gabinete de Planejamento e Coordenação Geral, 173p. GREER, J.K Mamíferos de la província de Malleco. Publ. Museu "Dillman S. Bullock". Chile, El Vergel-Angol, 114p. IHERING, H.V Os mamíferos do Rio Grande do Sul. An. do Estado do R i o Grande do Sul (8): KRUSENSTERN, A.J. VON Reise um die welt, p In: Ilha de Santa Catarina, relatos de viajantes estrangeiros nos séculos XVIII e XIX. Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina, Assessoria cultural, 355p. PELUSO JúNIOR, V.A O relêvo do território Catarinense. Geosul, 2: SCHALLER, G.B Mammals and their biomass on a Brazilian ranch. Arq. de Zool., São Paulo 31(1): 1-36.

7 587 MAZZOLLI SHELVOCK, G A voyage round the World, p In: Ilha de Santa Catarina, Relatos de viajantes estrangeiros nos séculos XVIII e XIX. Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina, Assessoria cultural, 355p. WILSON, P Puma predation on guanacos in Torres del Paine National Park, Chile. Mammalia 48(4): YáñEZ, J.L.; J.C. CáRDENAS; P. GEZZELE & F.M. JAKSIC Food habits of the southernmost mountain lions (Felis concolor patagonica) in South America: Natural versus livestock ranges. J.Mamm. 67(3): XIMENEZ, J.A Notas sobre felidos neotropicales IV. Puma concolor ssp. en el Uruguay. Neotropica 18(55): YOUNG, S.P. & E.A. GOLDMAN The puma: mysterious american cat. Am.Wildl.Inst., 358p.

OCORR~NCIA DE PUMA CONCOLOR (LlNNAEUS) (FELlDAE, CARNIVORA) EM AREAS DE VEGETAÇÃO REMANESCENTE DE SANTA CATARINA, BRASIL

OCORR~NCIA DE PUMA CONCOLOR (LlNNAEUS) (FELlDAE, CARNIVORA) EM AREAS DE VEGETAÇÃO REMANESCENTE DE SANTA CATARINA, BRASIL OCORR~NCIA DE PUMA CONCOLOR (LlNNAEUS) (FELlDAE, CARNIVORA) EM AREAS DE VEGETAÇÃO REMANESCENTE DE SANTA CATARINA, BRASIL Marcelo Mazzolli 1 ABSTRACf. PRESENCEOFPUMACONCOLOR (LINNAEUS) (FELIDAE, CARNIVORA)

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas Brasileiros Biomas - É o conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos Escola Estadual Desembargador Floriano Cavalcanti PIBID-UFRN Geografia 6º ano O ESTADO DE TEMPO O ESTADO DE TEMPO VARIA: 11H 30M AO LONGO DO DIA

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica. A Floresta com Araucária no Paraná

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica. A Floresta com Araucária no Paraná A Floresta com Araucária no Paraná RICARDO MIRANDA DE BRITEZ SOCIEDADE DE PESQUISA EM VIDA SELVAGEM E EDUCAÇÃO AMBIENTAL - SPVS 1. Introdução Define-se como área de abrangência da Floresta com Araucária

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Floresta Mediterrânea Europeia. Falésias

Floresta Mediterrânea Europeia. Falésias Floresta Mediterrânea Europeia A4 Sombreiros na Floresta Mediterrânea. Foto: Algefoto/Shutterstock.com O clima mediterrâneo é caracterizado por verões secos e invernos chuvosos, com uma média anual de

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN LOCALIZAÇÃO Pequena porção do Estado de São Paulo e Região Sul (principalmente Paraná e Santa Catarina)

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 Correntes marítimas Correntes marítimas Nas aulas anteriores aprendemos sobre a importância do Sol em nossas vidas. Revimos os movimentos da

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Metodologia dos trabalhos executados 2007-2011

Metodologia dos trabalhos executados 2007-2011 O (IFFSC) tem como objetivo gerar uma sólida base de dados para fundamentar políticas públicas que visem a efetiva proteção das florestas nativas mediante a adoção de medidas de conservação, recuperação

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos LOCALIZAÇÃO BRASILEIRA O Brasil é um país que integra a América do Sul e apresenta extensão territorial de 8.514.876 km². É o quinto

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Domínio Morfoclimático das Araucárias

Domínio Morfoclimático das Araucárias Domínio Morfoclimático das Araucárias Situação Geográfica Encontrado desde o sul paulista até o norte gaúcho, o domínio das araucárias ocupa uma área de 400.000 km²,, abrangendo em seu território cidades

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias Floresta Equatorial: Floresta Amazônica Floresta Ombrófila: Mata Atlântica Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias FLORESTA EQUATORIAL: FLORESTA AMAZÔNICA Floresta equatorial: floresta de baixa

Leia mais

HISTÓRICO DA RÁDIO-TELEMETRIA NO ESTUDO DE FELINOS NO BRASIL

HISTÓRICO DA RÁDIO-TELEMETRIA NO ESTUDO DE FELINOS NO BRASIL HISTÓRICO DA RÁDIO-TELEMETRIA NO ESTUDO DE FELINOS NO BRASIL Peter G. Crawshaw Jr. Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS IBAMA A rádio-telemetria em felinos foi usada pela primeira vez no Brasil

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Prova bimestral. Geografia. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto.

Prova bimestral. Geografia. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto. aterial elaborado pelo Ético istema de nsino nsino fundamental ublicado em 2012 rova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano eografia ata: / / ível: scola: ome: 1. eia o texto. erra é o terceiro planeta a partir

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp Distribuição da Mata Atlântica Aparentemente, uma faixa homogênea de florestas

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

CÁLCULO DA RESERVA LEGAL EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES FITOFISIONOMIAS DA AMAZÔNIA LEGAL

CÁLCULO DA RESERVA LEGAL EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES FITOFISIONOMIAS DA AMAZÔNIA LEGAL ESTUDO CÁLCULO DA RESERVA LEGAL EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES FITOFISIONOMIAS DA AMAZÔNIA LEGAL Roseli Senna Ganem Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

Rio Grande do Sul. Os estados da Mata Atlântica

Rio Grande do Sul. Os estados da Mata Atlântica Rio Grande do Sul Parque Nacional dos Aparados da Serra Localizado no extremo sul do Brasil, na fronteira do Uruguai e Argentina, o estado do Rio Grande do Sul possui 282.062 km 2, população de 10.187.798,

Leia mais

exercícios _ SANTA CATARINA

exercícios _ SANTA CATARINA exercícios _ SANTA CATARINA CONTEXTUALIZANDO SANTA CATARINA EM ATIVIDADES 1. Assinale as proposições que estiverem de acordo com a hidrografia de Santa Catarina e/ou com o mapa a seguir. HIDROGRAFIA DE

Leia mais

As grandes paisagens naturais da Terra. - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude)

As grandes paisagens naturais da Terra. - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude) As grandes paisagens naturais da Terra - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude) > Pólo Norte (Ártico): compreende o Oceano Glacial Ártico, Noruega, Suécia e Finlândia,

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO 16 3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO De acordo com a o Anuário Estatístico do Município de Belém (2006), o município de Belém, no Estado do Pará, limita-se ao norte com a Baía do Marajó, a sul com o

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos domínios morfoclimáticos

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL.

OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL. Universidade de Coimbra, Maio de 2 OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL. Emerson Galvani, Nádia Gilma Beserra de Lima, Rita

Leia mais

Clima e Vegetação. Clima e Vegetação. Prof. Tiago Fuoco

Clima e Vegetação. Clima e Vegetação. Prof. Tiago Fuoco Clima e Vegetação O Continente Americano possui a maior extensão Norte-Sul entre todos os continentes do globo e está localizado em todas as zonas climáticas da Terra. Os climas presentas na América são:

Leia mais

Prova bimestral GEOGRAFIA. 1 o BIMESTRE 5 o ANO. 1. Observe o mapa e responda: a) As florestas tropicais encontram-se em quais continentes?

Prova bimestral GEOGRAFIA. 1 o BIMESTRE 5 o ANO. 1. Observe o mapa e responda: a) As florestas tropicais encontram-se em quais continentes? aterial elaborado pelo Ético istema de nsino nsino Fundamental ublicado em 2011 rova bimestral 1 o B 5 o F Data: / / ível: scola: ome: 1. bserve o mapa e responda: a) s florestas tropicais encontram-se

Leia mais

Professores: Clodoaldo e Jaime

Professores: Clodoaldo e Jaime Professores: Clodoaldo e Jaime A atmosfera é uma camada gasosa que envolve a Terra composta por vários gases. Ela é dividida em camadas de acordo com a altitude e as propriedades físicas, e composição

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

e a conservação dos remanescentes florestais 1 As paisagens dos ervais no Planalto Norte Catarinense

e a conservação dos remanescentes florestais 1 As paisagens dos ervais no Planalto Norte Catarinense Agricultor familiar e seu erval em meio à mata nativa Fotos: Anésio da Cunha Marques As paisagens dos ervais no Planalto Norte Catarinense e a conservação dos remanescentes florestais 1 Anésio da Cunha

Leia mais

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA)

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) BOM ESTUDO Profª Sueli Rocha CONTEÚDO: Os tipos de clima do continente Americano 01 Conceituar clima R: Clima é a seqüência

Leia mais

Novo Registro de Lontra Neotropical, Lontra longicaudis (Olfers, 1818) (Carnivora: Mustelidae) no Estado de Sergipe, Nordeste do Brasil

Novo Registro de Lontra Neotropical, Lontra longicaudis (Olfers, 1818) (Carnivora: Mustelidae) no Estado de Sergipe, Nordeste do Brasil SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 9 2012 www.scientiaplena.org.br Novo Registro de Lontra Neotropical, Lontra longicaudis (Olfers, 1818) (Carnivora: Mustelidae) no Estado de Sergipe, Nordeste do Brasil New record

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

DISTRIBUIÇAO DA VEGETAÇAO

DISTRIBUIÇAO DA VEGETAÇAO DISTRIBUIÇAO DA VEGETAÇAO O ESTUDO DA DISTRIBUIÇAO DA VEGETAÇAO PODE SER EFETUADO POR MEIO DE TRES APROXIMAÇOES, INCLUINDO DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS DO FENOMENO PARA OS ESTUDOS DA VEGETAÇAO POTENCIAL

Leia mais

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC Vicente Rocha Silva Bolsista PNPD-CAPES/ PGE/UEM-PR vicenters61@ig.com.br Introdução O município de Urussanga localiza-se na região

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 Material desenvolvido pelo Núcleo de Defesa da Mata Atlântica (NUMA) do Ministério Público do Estado da Bahia Redação Fábio Fernandes Corrêa Titular da Promotoria de

Leia mais