MANUAL DE GEOSSINTÉTICOS. Grupo Nortène

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE GEOSSINTÉTICOS. Grupo Nortène"

Transcrição

1

2 MANUAL DE GEOSSINTÉTICOS 4 a Edição Grupo Nortène Elaborado pelo Departamento Técnico Engepol Geossintéticos Ltda / Nortene Plásticos Ltda Laboratório com certificação GAI-LAP GSI Geosynthetic Institute Nortene Plásticos Ltda Av. Dr. Dib Sauaia Neto, 4628 Alphaville Barueri SP Brasil Tel: Fax:

3 MANUAL DE GEOSSINTÉTICOS Este manual tem a finalidade de divulgar e introduzir os principais tópicos relativos a utilização de geossintéticos e de alguns produtos sintéticos em obras de geotecnia e proteção ao meio ambiente. É composto por treze capítulos, que tratam de forma resumida as propriedades e aplicações dos seguintes produtos: Reservatórios de Geomembrana de PEAD Reservatórios de Geomembrana de PE Linear Fabricação de Reservatórios de Geomembrana Instalação de Reservatórios de Geomembrana Drenagem com Geonets e Geocompostos Geocomposto NORDREN Geotêxtil ENGETEX Geogrelha ENGEFORT Dreno Vertical TECDREN ENGETUBO Obras Especiais Revestidas com Geomembranas de PEAD Geocomposto Bentonítico Geocélula ENGECEL Informações mais detalhadas sobre a aplicação e a especificação de cada um dos geossintéticos ou produtos sintéticos aqui tratados podem ser encontradas na literatura técnica sobre o tema ou por contato com o departamento técnico Norténe / Engepol.

4 ÍNDICE Capítulo Título Página 1 Reservatórios de Geomembrana de PEAD 3 2 Reservatórios de Geomembrana de PE Linear 8 3 Fabricação de Reservatórios de Geomembrana 12 4 Instalação de Reservatórios de Geomembrana 20 5 Drenagem com Geonets e Geocompostos 29 6 Geocomposto NORDREN 36 7 Geotêxtil ENGETEX 46 8 Geogrelha ENGEFORT 52 9 Dreno Vertical TECDREN ENGETUBO Obras Especiais Revestidas com Reservatórios Geomembranas de 71 PEAD 12 Geocomposto Bentonítico Geocélulas 79

5 CAPÍTULO 2 RESERVATÓRIO DE GEOMEMBRANA POLIMANTA DE PE LINEAR 1 Características do reservatório de geomembrana POLIMANTA PE Linear ENGEPOL 1.1 Introdução Em algumas aplicações, é desejável ou necessário que o reservatório de geomembrana tenha maior flexibilidade, como em obras onde são previstos recalques diferenciais, deformações de subsidência do material de apoio do reservatório de geomembrana, coberturas de aterros sanitários e de valas de resíduos industriais. Nestes casos o reservatório de geomembrana de PE linear atende plenamente a este quesito. Os reservatórios de Geomembranas de PE linear são muito flexíveis, com maior alongamento na ruptura que os reservatórios de geomembranas de PEAD e, portanto, maior capacidade de manter sua integridade sob assentamento diferencial, observando que as característica mecânicas do PE linear são muito próximas do PEAD. O reservatório de geomembrana POLIMANTA PE Linear tem coeficiente de dilatação linear menor do que o reservatório de geomembrana POLIMANTA de PEAD, o que significa menor enrugamento da geomembrana, quando exposta ao calor do sol durante a instalação, sendo um item importante em determinadas condições de meio ambiente Reservatório de geomembrana POLIMANTA PE linear com textura Alto Relevo (AR) É possível fabricar o reservatório de geomembrana POLIMANTA PE linear também na versão com textura de Alto Relevo, proporcionando conjuntamente ótima flexibilidade e maior atrito na interface com o solo, concreto ou argamassa. O reservatório de geomembrana POLIMANTA PE linear com textura em alto relevo, pode ser texturizada em uma ou nas duas faces. Seu processo de fabricação é único, ou seja, a textura é gravada durante a fabricação da geomembrana, pelo processo de extrusão com matriz plana (flat die). A textura em alto relevo produzido por matriz plana é padrão e uniforme, o que garante maior uniformidade de atrito de interface, dando maior confiabilidade do projeto. 1.2 Matéria Prima O reservatório de geomembrana é fabricado com resina de polietileno linear PEBDL (Polietileno Linear de Baixa Densidade), devido a sua estrutura molecular, este reservatório de geomembrana apresenta além da flexibilidade, ótimos alongamentos uniaxiais e multiaxiais, resistência mecânica próxima ao do PEAD e boa resistência química. São adicionados a resina o negro de fumo, termoestabilizantes e antioxidantes que garantem resistência aos raios ultravioleta e resistência às intempéries. Na formulação do reservatório de geomembrana de PE linear não entram plastificantes e outros aditivos que tendem a emigrar com o tempo tornando os materiais frágeis e quebradiços. 1.3 Resistência Química Devido à estrutura química, o polietileno é inerte frente à maioria dos produtos químicos comuns. Manual de Geossintéticos Nortène /Engepol 8

6 Sendo assim, os reservatórios de geomembranas de PE linear apresentam uma boa resistência química, sendo a melhor resistência química entre os reservatórios de geomembranas flexíveis feitas de outros materiais como, por exemplo, PVC. 1.4 Durabilidade A vida útil de reservatórios de geomembranas varia significativamente com base em suas condições de exposição. Por exemplo, a previsão da vida útil de reservatórios de geomembranas poliméricas expostas às condições atmosféricas é influenciada principalmente pela radiação solar (UV). Para reservatórios de geomembranas não expostas, os principais aspectos relacionados aos mecanismos de degradação são: ataques químicos e solicitações mecânicas. Altas temperaturas e oxidação afetam a durabilidade dos reservatórios de geomembranas tanto em condições expostas quanto não expostas. Para evitar a degradação e garantir sua durabilidade, mesmo em condições expostas, o reservatório de geomembrana de PE linear é devidamente aditivado com negro de fumo, estabilizantes contra luz e antioxidantes. No contexto internacional a análise de envelhecimento acelerado vem sendo estudada há algum tempo. Vários autores estimam a vida útil de reservatório de geomembranas PEAD na ordem de centenas de anos. Testes de envelhecimento acelerado em condições expostas realizados em laboratório indicaram que a vida útil do reservatório de geomembrana de PE linear pode ser semelhante a do PEAD. Estudos realizados sugerem que, embora o PE linear perca seus antioxidantes mais rápido do que PEAD, o PE linear envelhece mais lentamente do que o PEAD após o esgotamendo dos antioxidantes (Islam et al. 2011). 2. Principais Aplicações do reservatório de geomembrana POLIMANTA PE Linear Aterros sanitários e valas de resíduos industriais(cobertura) Biodigestores Lagoas de água potável Canais e reservatórios para irrigação Túneis Aqüicultura 2.1 Comparativo entre as propriedades do PE Linear e do PVC Manual de Geossintéticos Nortène /Engepol 9

7 Espessura Densidade Propriedades Resistência à Tração Resistênsia à Rasgo Métodos de Ensaio POLIMANTA PE Linear Geomembrana de PVC ASTM D 5199 mm 1.0** 1.0* ASTM D 792 g/cm³ 0.936** ASTM D 638 Mpa 32** 17* ASTM 1004 N 130** 50* Resistência ao Puncionamento ASTM D 4833 N 442** 266* Intervalo de Temperatura Admissível C (- 40 a +60) (-10 a +40) Método de Soldagem Extrusão / Fusão Solda Química/Fusão Resistência UV Exelente Baixa * Valores médios extraídos da tabela 13-6, página 353 do manual brasileiro de geossintéticos, ** Valores médios extraídos do laudo 02A/2004, referente aos ensaios realizados no laboratório de geossintéticos da Escola de Engenharia de São Carlos - USP 3. Vantagens do reservatório de geomembrana POLIMANTA PE Linear Maior flexibilidade Menor enrugamento durante a instalação Excelente resistência mecânica e química Excelente resistência aos raios ultravioleta Excelente soldabilidade Melhor assentamento, especialmente em contornos mais complexos Facilita manuseio durante a instalação. 4. Cobertura de Aterros Sanitários e de Valas de Resíduos Industriais A flexibilidade é um fator importante nos materiais que compõe a cobertura de aterros e valas, pois segundo Koerner (2005), pesquisas realizadas, num período de 20 anos, apontaram que as deformações de subsidência podem variar entre 5 a 30%. O objetivo do uso do reservatório de geomembrana de PE Linear usada na cobertura de aterros é minimizar as infiltrações, após esgotar-se a capacidade de armazenamento do local. Regra geral o projeto de cobertura é específico para cada obra, devido as peculiaridades locais e tipo de resíduo armazenado. O sistema de revestimento da cobertura de aterros é usualmente composto por cinco camadas: coleta de gases gerados, barreira impermeabilizante, camada drenante, camada de proteção ou de solo de cobertura e camada superficial, constituída de solo vegetal. A figura abaixo mostra esta seqüência de camadas, GRI 2003, sendo que na parte (a) as camadas são em solo e agregados naturais e na parte (b) as alternativas em geossintéticos. Manual de Geossintéticos Nortène /Engepol 10

8 Seções Transversais de Coberturas de Aterros (From Koerner and Daniel, 1997) Referências Bibliográficas Geosynthetic Research Institute GRI (2003) The Questionable Strategy of Soil- Only Landfill Covers Geosynthetic Fabrics Report, March, Volume 21, n.2. Koerner, George R. Narejo, Dhani. Geosynthetic Research Institute GRI (2005) Direct Shear Database of Geosynthetic-to-Geosynthetic and Geosynthetic-to-Soil Interfaces - GRI Report #30, June. Koerner R.M. (2005). Designing with Geosynthetics - Fifth Edition. Prentice Hall, N.J. Islam, M. Zahirul. Gross, Beth A. Rowe, R. Kerry. (2011). Degradation of Exposed LLDPE and HDPE Geomembranes: A Review. Geo-Frontiers 2011 ASCE 2011 Manual de Geossintéticos Nortène /Engepol 11

9 CAPÍTULO 3 PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE GEOMEMBRANA DE PE 1. Generalidades Os reservatórios de geomembrana de PEAD (Polietileno de Alta Densidade) e de PE Linear (PELBD Polietileno Linear de Baixa Densidade) podem ser fabricados pelo processo de extrusão através de equipamento de matriz plana ou de matriz circular (balão). Os reservatórios de geomembrana fabricados pelo Grupo Nortène atendem a requisitos estabelecidos pelo GSI Geosynthetic Institute. Entretanto, os diferentes processos de fabricação resultam em algumas características distintas. Este capítulo apresenta os processos de fabricação de reservatórios de geomembrana denominados extrusão por matriz plana e matriz balão, apontando as peculiaridades de cada um dos processos e as principais características dos produtos fabricados. 2 Descritivo do processo de fabricação de reservatórios de geomembranas pela extrusão por matriz balão Inicialmente, o polietileno granulado é introduzido através de um funil na extrusora, onde é plastificado, homogeinezado e bombeado para a matriz. Logo após a massa fundida passa por uma matriz de forma anelar, que possui uma ferramenta central chamada mandril, para separar o fluxo desta forma (Silvio Manrich, 2005). O plástico sai da matriz formando um tubo, o qual é suspenso e movimentado pelo puxador primário, localizado na parte superior da máquina. Ar sob pressão é insuflado na parte interna do tubo, formando um balão. O material sai do puxador primário em forma de tubo dobrado, sendo desdobrado através de corte em uma das paredes. Na descida do material um dispositivo abre o tubo, o qual é direcionado ao puxador secundário. Finalmente, a bobina passa por um processo de corte no comprimento pré-estabelecido. A Figura 1 mostra esquematicamente o processo de fabricação da geomembrana através do processo de matriz balão. Figura 1. Linha de Extrusão com matriz balão ou anelar. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 12

10 3. Características do reservatório de geomembrana fabricada pelo processo de matriz balão Apresentam-se, a seguir, as peculiaridades do reservatório de geomembrana fabricada pelo processo matriz balão: 3.1 Aspectos gerais Vincos e dobras O processo de matriz balão leva à formação de duas dobras, resultando dois vincos contínuos e permanentes no reservatório de geomembrana ao longo de todo o seu comprimento. Podem também ser facilitadores do início de danos no reservatório de geomembrana a longo prazo, por serem um ponto de tensionamento criado durante a fabricação. Controle Espessura A matriz é anelar e tem uma ferramenta central, chamada mandril para separar o fluxo nessa forma. A espessura é regulada pela abertura da fenda e pela velocidade do puxador. Devido ao processo de fabricação circular, a geomembrana de Matriz Balão apresenta variação de espessura em torno de 10%. 3.2 Geomembrana Lisa Aspecto da Superfície O reservatório de geomembrana fabricada pelo processo matriz balão apresenta superfície opaca e presença de riscos. Uniformidade do Processo Estudos realizados internamente apontam maior variação das propriedades mecânicas no processo de matriz balão, medida através do desvio padrão. A variação é em média o 35% maior no processo de matriz balão em relação a matriz plana. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 13

11 3.3 Reservatório de Geomembrana Texturizada Textura A textura não tem uniformidade de altura e formato. Também não tem padrão de distribuição ao longo da largura e comprimento do reservatório de geomembrana. Atrito de interface A variabilidade da textura tanto através da bobina, assim como de bobina para bobina resulta em diferentes resistências ao atrito ao longo da obra. 4.Descritivo do processo de fabricação de reservatório de geomembranas pela extrusão por matriz plana A Figura 2 mostra o processo de fabricação denominado matriz plana. Este processo usa uma matriz plana, onde o polímero é extrudado através dois lábios horizontais resultando em um reservatório de geomembrana com espessura rigorosamente controlada (Koerner, 2005). Na seqüência, o reservatório de geomembrana passa pelos rolos da calandra, os quais têm a função de resfriar e dar polimento à superfície do material. O reservatório de geomembrana passa pelo leito de resfriamento e entra então no puxador. Após atingir o comprimento pré-fixado, o reservatório de geomembrana é cortada automaticamente pela máquina de corte. Figura 2. Linha de Extrusão com Matriz Plana. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 14

12 5. Peculiaridades do reservatório de geomembrana fabricado pelo processo Matriz Plana Apresentam-se, a seguir, as peculiaridades do reservatório de geomembrana fabricada pelo processo matriz plana: 5.1 Aspectos Gerais Vincos e Dobras O processo matriz plana resulta em reservatórios de geomembrana sem vincos ou dobras, pois ela é produzida já em sua largura final. Controle de Espessura O processo de fabricação de matriz plana resulta em variações de espessura na ordem de 5%, ou seja, menores do que o processo de fabricação de matriz balão. Isto se deve ao tipo de regulagem de espessura, que é regulada através dos lábios da matriz, individualmente ponto a ponto. É possível regular a abertura em intervalos de aproximadamente 120mm, totalizado 50 pontos de controle ao longo da largura do reservatório de geomembrana. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 15

13 Acabamento das bordas O processo matriz plana permite a colocação de fita especial para proteção de borda, assegurando que esta área esteja limpa para a execução da solda. Esta fita não deixa resíduos ao ser removida. A borda também é identificada a cada metro com o número da bobina, tipo, fabricante e comprimento. Isto garante a rastreabilidade da bobina mesmo após a perda de etiquetas de identificação e desbobinamento dos rolos. 5.2 Reservatório de Geomembrana Lisa Aspecto da Superfície O processo de fabricação, no qual se emprega uma calandra, resulta um reservatório de geomembrana com superfície plana, lisa e com alto brilho. Uniformidade do Processo Estudos realizados internamente apontam menor variação das propriedades no processo de matriz plana, medida através do desvio padrão. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 16

14 Esta variação menor (em média 35%) se reflete em uma baixa variação de propriedades mecânicas de bobina para bobina. 5.3 Reservatório de Geomembrana Texturizada Textura O processo de gravação, feito por rolos texturizadores, em textura de qualidade uniforme e constante. O processo de fabricação não interfere na espessura do núcleo. Atrito de interface Devido a textura ser uniforme e constante, reservatórios de geomembrana com textura AR proprocionam valores de atrito de interface constantes de bobina para bobina e através da largura da bobina. Acabamento das bordas A solda dos reservatórios de geomembrana configura o processo mais importante de toda a instalação e do qual dependerá a barreira como um todo (ABINT, 2004). O processo matriz plana permite a manutenção das bordas lisas durante a fabricação do reservatório de geomembrana texturizada. Esta borda lisa mantém uma maior área de contato entre os materiais, o que melhora a qualidade da solda. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 17

15 6. Controle de qualidade O controle de qualidade do reservatório de geomembrana POLIMANTA Engepol é realizado segundo as recomendações do GRI (Geosynthetic Research Institute). A GM 13 é a recomendação usada no controle de qualidade de fabricação dos reservatórios de geomembranas lisas e texturizadas de PEAD (Polietileno de Alta Densidade), a qual estabelece especificações padrão com indicação dos tipos de ensaios para a determinação das propriedades dos reservatórios de geomembranas e a freqüência com que os ensaios deverão ser realizados durante a fabricação. A GM 17 é a recomendação utilizada para reservatórios de geomembranas lisas e texturizadas de PE linear. As especificações do GRI recomendam as propriedades físicas, mecânicas e químicas mínimas que o reservatório de geomembrana que está sendo fabricada deve possuir Verificação da Qualidade no Laboratório O laboratório da Engepol possui a certificação GAI-LAP do GSI Geosynthetic Institute USA. O programa credencia laboratórios de geossintéticos para a realização de ensaios de modo padronizado em relação à documentação, equipamentos e procedimentos de realização dos ensaios. A meta do programa GAI LAP é assegurar que todos os laboratórios estejam fazendo os ensaios de maneira apropriada, gerando resultados repetíveis e reprodutíveis, encontrando os mesmos números. Os laboratórios de ensaios em geossintéticos acreditados pelo GAI LAP possuem credibilidade internacional, comprovando que possuem equipamentos adequados e preparo para realizar testes de acordo com os mais rigorosos parâmetros técnicos. Adicionalmente, exige que os laboratórios possuam e mantenham suas documentações de ensaios atualizadas. Empresas que não possuem este tipo de certificação, mesmo utilizando as normas pertinentes de ensaios, ficam a mercê de procedimentos ou equipamentos inadequados por falta de conhecimento dos funcionários, sendo em muitos casos objeto de desvios nos resultados. Para quem adquire e instala os reservatórios de geomembrana, a certificação GAI LAP é a evidência que os ensaios dos materiais fornecidos, geralmente informados através de certificados de qualidade, foram realizados de forma apropriada, gerando resultados confiáveis. O laboratório da Engepol participa do programa de GAI LAP desde 2004, sendo o primeiro laboratório brasileiro a ser acreditado junto ao programa. Referências Bibliográficas Koerner, Robert - Design with Geosynthetics Prentice Hall, Inc., 2005 ABINT (2004). Manual Brasileiro de Geossintéticos Editora Edgard Blücher Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 18

16 Manrich, Sílvio. Processamento de Termoplásticos: rosca única, extrusão e matrizes, injeção e moldes. Editora Artliber (São Paulo, Brasil, 2005) Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 19

17 CAPÍTULO 4 INSTALAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS DE GEOMEMBRANAS POLIMANTA 1. Introdução Sem uma instalação adequada todo o conceito do uso dos reservatórios de geomembrana como barreira impermeabilizante se perde. Este capítulo tem por objetivo informar e recomendar os procedimentos a serem adotados na instalação do reservatório de geomembrana POLIMANTA, não se tratando, portanto de critérios de projeto ou de especificação de instalação. Neste sentido, a IGSBR GM 01/03 Instalação de Geomembranas Termoplásticas em Obras Geotécnicas e de Saneamento Ambiental Recomendações para Projeto da IGS Brasil Associação Brasileira de Geossintéticos deverá ser tomada como referência, quanto aos procedimentos corretos, que devem ser adotados na instalação. 2. Preparação das Superfícies que receberão o reservatório de geomembrana POLIMANTA 2.1. Superfície de Apoio A superfície deverá ser preparada imediatamente antes da colocação do reservatório de geomembrana, de acordo com o projeto executivo, para evitar a sua deterioração causada por chuva, vento, perda de umidade e tráfego local. A superfície a ser revestida deverá estar lisa e livre de objetos pontiagudos, de pedras, de material orgânico, madeira e quaisquer outros que possam danificar o reservatório de geomembrana. Quando o sistema de revestimento inclui argila compactada, a superfície desta camada não deverá ter mudanças abruptas no seu nivelamento e nem conter materiais pontiagudos. Pedras com diâmetro maior que 9,52 mm não deverão ser permitidas nos últimos 15 cm do solo de apoio do reservatório de geomembrana. Todas as superfícies deverão ser cuidadosamente inspecionadas imediatamente antes de serem revestidas, para verificar se as recomendações acima foram seguidas Canaleta de Ancoragem A canaleta de ancoragem deverá ser escavada imediatamente antes da colocação do reservatório de geomembrana, para evitar danos ocasionados pela chuva, ressecamento com trincas e abatimento das suas laterais. A canaleta de ancoragem deverá ser escavada de acordo com as dimensões previstas no projeto, as quais são calculadas em função da inclinação e altura do talude. No caso de solos rijos e duros, a canaleta deverá ter as bordas levemente arredondadas, para evitar danos no reservatório de geomembrana. Um geotêxtil não tecido agulhado de gramatura elevada, também poderá ser utilizado sob o reservatório de geomembrana, como proteção, conforme recomendação da UNE O reaterro da canaleta de ancoragem deverá ser executado cuidadosamente, para evitar danos no reservatório de geomembrana. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 20

18 Dimensões mínimas da canaleta de ancoragem (IGSBR GM 01/03) Canaleta de ancoragem já escavada 3. Conexão do reservatório de geomembrana POLIMANTA a Estruturas de Concreto A conexão com estruturas de concreto é realizada através do perfil de PEAD, Engelock fabricado pela Engepol, o qual é colocado na forma antes da concretagem, para que fique solidarizado à estrutura. O reservatório de geomembrana POLIMANTA é soldada ao perfil através de solda por extrusão, figura abaixo. Pode-se também, conectar o reservatório de geomembrana POLIMANTA à estrutura por meio de perfis metálicos fixados externamente através de parafusos, como mostram as figuras a seguir. Fixação do reservatório de geomembrana POLIMANTA em estruturas de concreto através do Engelock Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 21

19 Fixação reservatório de geomembrana POLIMANTA em paredes de concreto através de perfis metálicos (IGSBR GM 01/03) Fixação reservatório de geomembrana POLIMANTA em base de concreto (IGSBR GM 01/03) 4. Interferências As interferências com tubos, caixas de entrada e saída e outras superfícies deverão ser executadas de acordo com os detalhes do projeto. Nas figuras abaixo são mostrados exemplos de conexões de tubo com o reservatório de geomembrana POLIMANTA. Exemplo de conexão de tubo com o reservatório de geomembrana POLIMANTA (IGSBR GM 01/03) Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 22

20 Exemplo de conexão de tubo em parede com o reservatório de geomembrana POLIMANTA (IGSBR GM 01/03) Conexão de tubo com o reservatório de geomembrana POLIMANTA na obra (IMPORTANTE COLOCAR ABRAÇADEIRA PARA GARANTIR A ESTANQUEIDADE) 5. Colocação do reservatório de geomembrana POLIMANTA Imediatamente antes da colocação do reservatório de geomembrana a superfície de apoio deverá estar preparada de acordo com as recomendações do item Identificação dos painéis Durante a colocação do reservatório de geomembrana deverão ser registrados o número, a localização e a data de colocação de cada painel (um painel é uma bobina aberta), dados estes deverão constar do as built elaborado diariamente pelo instalador Colocação dos painéis: Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 23

21 Os painéis deverão ser colocados de acordo o seu número e posicionamento indicados na modulação do projeto executivo, e a seqüência destes números deverá ser anotada na planilha de colocação do reservatório de geomembrana POLIMANTA. O reservatório de geomembrana deverá ser colocado verticalmente, no sentido da inclinação do talude. O reservatório de geomembrana deverá ser colocada de forma que fique com o mínimo possível de rugas e ondulações, mas com folga mínima, para que não fique tensionada ao dilatar e contrair. O reservatório de geomembrana deverá ser ancorado temporariamente com sacos de areia ou terra, pneus ou outro elemento que não cause danos a mesma, a fim de se obter sua boa conformação à superfície, ao longo das bordas e cantos dos painéis antes da ancoragem, e para evitar o seu levantamento pelo vento. Se for inevitável o tráfego de veículos sobre o reservatório de geomembrana após a sua colocação, deverá haver uma boa proteção mecânica com geotêxtil, com um reservatório de geomembrana de sacrifício ou com uma camada de solo, de forma que o veículo circule sobre a camada de proteção e não cause danos ao reservatório de geomembrana. Ancoragem temporária com sacos de terra 5.3. Exemplos de modulação dos painéis de reservatório de geomembrana em intersecção de taludes, citados na IGSBR GM 01/03. Talude com comprimento > 15 m, no sentido do seu caimento, é considerado talude comprido. Talude pequeno: comprimento 15 m, no sentido do seu caimento. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 24

22 6. Emendas 6.1. As soldas deverão ser feitas verticalmente na direção da inclinação do talude Nos cantos e locais de geometria irregular o número de soldas deverá ser minimizado Recomenda-se que não sejam realizadas soldas horizontais a uma distância inferior a 1,50 m do pé do talude, no fundo, ou em áreas de grande concentração de tensões. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 25

23 6.4. Os trespasses entre os painéis deverão ser de 10 cm nas soldas por termo-fusão e 7,5 cm nas soldas por extrusão Os trespasses deverão estar secos e limpos imediatamente antes da realização das soldas Testes para verificação das soldas: Deverão ser realizados testes para verificação do equipamento de solda e do desempenho do soldador. Esta verificação deverá ser feita no início de cada turno de trabalho (início do dia, meio do dia ou qualquer hora em que o equipamento tenha permanecido desligado por um tempo tal, que tenha esfriado) para cada equipamento de solda utilizado. As soldas testes deverão ser realizadas sob as mesmas condições das soldas que serão executadas nos painéis da geomembrana colocada. As amostras para os testes de verificação de soldas deverão ser de 1m de comprimento por 0,30 m de largura, com a solda centrada ao longo do comprimento. Das amostras extraídas deverão ser retirados cinco corpos de prova com 2,5 cm de largura por 30 cm de comprimento, para serem testados ao cisalhamento e ao descolamento no tensiômetro de obra ou enviadas para um laboratório independente. Estes corpos de prova não deverão romper na solda. Se um corpo de prova romper, os ensaios deverão ser repetidos para mais cinco corpos de prova e, o soldador e equipamento somente deverão ser aprovados quando todos os corpos de prova romperem fora da solda e de acordo com as recomendações e valores de resistências estipulados na norma GM 19 (GRI). Em caso de bocas de peixe ou rugas nos trespasses das soldas, eles deverão ser cortados, de forma a permitir um trespasse plano. Se houver irregularidades na continuidade do reservatório de geomembrana e/ou trespasse inadequado, deverá ser colocado um manchão oval ou redondo do mesmo reservatório de geomembrana, ficando este pelo menos 15 cm além dos limites da solda, em todas as direções. 7. Verificação das Soldas 7.1. Ensaios Não Destrutivos Todas as soldas realizadas por termo-fusão deverão ser testadas ao longo do seu comprimento. Os ensaios não destrutivos verificam a integridade das soldas utilizando os ensaios de pressão de ar para as soldas por termo-fusão, o ensaio de vácuo para as soldas por extrusão e o spark test para as soldas por extrusão, que devido à localização não possam ser testadas pelo ensaio de vácuo. Estes ensaios deverão ser realizados concomitantemente aos serviços de solda. O spark test pode ser usado também para a verificação da estanqueidade global do reservatório de geomembrana instalada. Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 26

24 A descrição de todos os ensaios não destrutivos pode ser encontrada na IGSBR GM 01/03. Ensaio não destrutivo de pressão de ar 7.2. Ensaios Destrutivos A finalidade destes ensaios é avaliar a resistência das soldas ensaiando corpos de prova obtidos a partir de amostras de 2,5 cm de largura e 30 cm de comprimento, com a solda centrada ao longo do comprimento. Os ensaios deverão ser realizados em cinco corpos de prova, no tensiômetro na obra ou em laboratório independente. Os ensaios destrutivos devem ser em número mínimo possível, para preservar a integridade da barreira que compõe o revestimento. A USEPA recomenda a retirada de amostras a cada 150 m de comprimento de solda, o que pode ser seguido na falta de recomendação de projeto, no entanto é recomendável que se corte a amostra no final da linha de solda. A GM 14 (GRI) fornece um método estatístico para estabelecer um intervalo de retirada de amostras para ensaios destrutivos. Os ensaios destrutivos deverão ser realizados de acordo com as recomendações da norma GM 19 (GRI), e deverão atender duas propriedades básicas: Resistência ao Cisalhamento Descolamento A descrição dos ensaios destrutivos pode ser encontrada na IGSBR GM 01/ Critério de Aceitação das Soldas 8.1. Os cinco corpos de prova dos ensaios destrutivos (ASTM D 6392) terão que ser aprovados, quanto à localização da ruptura e à resistência da solda (GM 19) Os corpos de prova não deverão romper na área soldada. A ruptura deverá ocorrer pelo rasgamento da geomembrana: FTB, conforme esquemas mostrados na ASTM D Todos os ensaios não destrutivos terão que ter 100% de eficiência. 9. Controle de Qualidade da Instalação O instalador deverá comprovar a qualidade da instalação através da apresentação de planilhas e relatórios com o registro de todos os serviços executados, inclusive os ensaios não destrutivos e destrutivos e o também o as built da área instalada. Todos os projetos que possuem responsabilidade de risco ambiental devem exigir, com rigor, o controle de qualidade da empresa instaladora, conforme a IGSBR GM 01/03. Recomenda-se ainda a contratação de uma empresa fiscalizadora especializada para acompanhar os serviços e o controle de qualidade da instalação. 10. Verificação da Qualidade Assegurada da Instalação Na inspeção da qualidade (que é chamada de qualidade assegurada), todas as etapas da instalação deverão ser verificadas concomitantemente a realização dos serviços. Deverão ser realizadas verificações na superfície de apoio, colocação dos painéis do reservatório de geomembrana, ancoragens, interferências e Manual de Geossintéticos Nortène / Engepol 27

CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DAS GEOMEMBRANAS POLIMANTA

CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DAS GEOMEMBRANAS POLIMANTA 32 CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DAS GEOMEMBRANAS POLIMANTA 1. Introdução Este capítulo tem por objetivo informar e recomendar os procedimentos corretos a serem adotados na instalação da POLIMANTA, não se tratando,

Leia mais

CAPÍTULO 11 ENGETUBO

CAPÍTULO 11 ENGETUBO 138 CAPÍTULO 11 ENGETUBO 1. Generalidades Os geotubos são tubos fabricados a partir de materiais poliméricos e são classificados como flexíveis. No caso do Engetubo da Engepol o polímero é o PEAD polietileno

Leia mais

CAPÍTULO 12 OBRAS ESPECIAIS REVESTIDAS COM GEOMEMBRANA

CAPÍTULO 12 OBRAS ESPECIAIS REVESTIDAS COM GEOMEMBRANA 147 CAPÍTULO 12 OBRAS ESPECIAIS REVESTIDAS COM GEOMEMBRANA Revestimento de Túneis e Galerias 1. Generalidades A construção de túneis é uma das áreas mais complexas da engenharia civil, devido a exigência

Leia mais

CAPÍTULO 1 - POLIMANTA DE PEAD: GEOMEMBRANA DE POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE

CAPÍTULO 1 - POLIMANTA DE PEAD: GEOMEMBRANA DE POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE 4 CAPÍTULO 1 - POLIMANTA DE PEAD: GEOMEMBRANA DE POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE 1. Introdução Acompanhando a tendência mundial, a Engepol fabrica suas geomembranas com a matéria prima que reúne as melhores

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX 1. INTRODUÇÃO O DRENO CIMFLEX é um tubo dreno corrugado fabricado em PEAD (Polietileno de Alta Densidade), de seção circular e com excelente raio de curvatura, destinado a coletar e escoar o excesso de

Leia mais

Aplicações de Geossintéticos em Projetos de Tratamento de Resíduos Sólidos

Aplicações de Geossintéticos em Projetos de Tratamento de Resíduos Sólidos UnB Geotecnia Programa de Pós-Graduação em Geotecnia - UnB Aplicações de Geossintéticos em Projetos de Tratamento de Resíduos Sólidos Ennio Marques Palmeira Universidade de Brasília Geossintéticos Geotêxteis

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC SANTO ANDRÉ - SP

IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC SANTO ANDRÉ - SP IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC SANTO ANDRÉ - SP AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO - 2014 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DADOS

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Paulo Roberto Ferst EPP PERÍODO 2003

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Sócio Corporativo International Geosynthetics Society

MANUAL TÉCNICO Sócio Corporativo International Geosynthetics Society MANUAL TÉCNICO Sócio Corporativo International Geosynthetics Society ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Principais Aplicações 3 2. Mercado Mundial 3 CARACTERÍSTICAS DA POLIMANTA ENGEPOL 4 1. Matéria Prima 4 2. Apresentação

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes Aterros em Solos Reforçados (ASR) Princípio Geral: inclusão de reforços em uma massa de solo, conformando uma estrutura composta

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Rogério Ferrarezi Busch

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

Muro de arrimo segmentado

Muro de arrimo segmentado 1 de 12 01/11/2010 18:40 Muro de arrimo segmentado Este artigo apresenta a seqüência executiva de um muro de arrimo segmentado. A técnica consiste no reforço de solo pela inclusão de elementos planos (geogrelhas

Leia mais

lwarflex Manta asfáltica

lwarflex Manta asfáltica 8 lwarflex Manta asfáltica Manta impermeabilizante pré-fabricada à base de asfalto modificado com polímeros estruturada com poliéster pré-estabilizado. É necessário fazer proteção mecânica para proteção

Leia mais

Sistemas TECCO / SPIDER estabilizam taludes usando aço de alta resistência

Sistemas TECCO / SPIDER estabilizam taludes usando aço de alta resistência Sistemas TECCO / SPIDER estabilizam taludes usando aço de alta resistência malha de fio de arame de alta resistência (resistência à tração de pelo menos 1770 N/mm 2 ) sistema pode ser otimizado com vários

Leia mais

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance.

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance. ATENDEMOS: Aterros Sanitários Bacias de Contenção de Dejetos Box / Banheiros Box / Banheiros Sistema Drywall Espelhos D' água Estações de Tratamento de Água Estações de Tratamento de Efluentes Floreiras

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 1996 Revisado ABRIL 2011

Leia mais

Utilização de Geocélulas de Polipropileno na Concretagem das Bacias de Contenção de Percolado do CTVA-Caieiras

Utilização de Geocélulas de Polipropileno na Concretagem das Bacias de Contenção de Percolado do CTVA-Caieiras Utilização de Geocélulas de Polipropileno na Concretagem das Bacias de Contenção de Percolado do CTVA-Caieiras Fernando Lavoie 5 ; Renan Fernandes Moraes 2 ; Giovano Candiani 3 ; Fábio Zorzi Leme 4; Higor

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

IMPERMEABILIZAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II IMPERMEABILIZAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Conjunto de produtos e serviços destinados a conferir

Leia mais

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto Ficha de Produto Edição 09/04/2014 Identificação no: 02 07 03 06 001 0 000002 SikaFuko Eco 1 Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques Descrição

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas de Manta de PVC Soluções completas para impermeabilização A MC-BAUCHEMIE apresenta ao mercado da construção um

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE TELHADO VERDE COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC VINHEDO - SP

IMPERMEABILIZAÇÃO DE TELHADO VERDE COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC VINHEDO - SP IMPERMEABILIZAÇÃO DE TELHADO VERDE COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC VINHEDO - SP AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO - 2014 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DADOS DA OBRA...

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO Sérgio Luis da Silva Cotrim (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio do Sul - UFRGS em 1993. Mestre em

Leia mais

Construção. Contenções

Construção. Contenções Construção 18 Contenções A engenharia oferece soluções de contenção variadas, adequadas para as situações mais diversas. Geologia do terreno, estudo de riscos, custo e cronograma da obra influenciam a

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Muros de Contenção Catálogo 2009/2010

Muros de Contenção Catálogo 2009/2010 Muros de Contenção Catálogo 2009/2010 Landmark Para muros até 20 m de altura A solução para Muros de Engenharia de alta performance 2 Solução de alta performance O bloco LANDMARK é a mais recente aposta

Leia mais

Estudo do comportamento de interfaces de geomembranas e concreto para impermeabilização de túneis e obras subterrâneas

Estudo do comportamento de interfaces de geomembranas e concreto para impermeabilização de túneis e obras subterrâneas Estudo do comportamento de interfaces de geomembranas e concreto para impermeabilização de túneis e obras subterrâneas Paula Maia Ribeiro Avesani Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE GEOMEMBRANAS DE PEAD EM OBRAS GEOTÉCNICAS E DE SANEAMENTO AMBIENTAL

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE GEOMEMBRANAS DE PEAD EM OBRAS GEOTÉCNICAS E DE SANEAMENTO AMBIENTAL MANUAL DE INSTALAÇÃO DE GEOMEMBRANAS DE PEAD EM OBRAS GEOTÉCNICAS E DE SANEAMENTO AMBIENTAL Responsável Técnico: Eng. MSc. Thelma Sumie Maggi Marisa Kamiji NEOPLASTIC EMBALAGENS PLÁSTICAS LTDA. Av. Pacaembu,

Leia mais

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO Filmes Tubulares Espessura menor que 0,4 mm - Materiais típicos: PEAD, PEBD, PP e PVC - Estiramento ascendente e descendente Filmes Tubulares 1. Extrusoras 2. Matriz e refrigeração

Leia mais

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS"

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS" PALESTRANTE: Eng o Civil Antonio Livio Abraços Jorge 28 de Março de 2008 Marcos na História do Saneamento Tubos cerâmicos são

Leia mais

PRS Mediterranean Ltd. Estabilizando um mundo instável Sistema de confinamento celular Neoweb

PRS Mediterranean Ltd. Estabilizando um mundo instável Sistema de confinamento celular Neoweb PRS Mediterranean Ltd. Estabilizando um mundo instável Sistema de confinamento celular Neoweb PRS Mediterranean Ltd. A abordagem da PRS PRS enfrenta os desafios da estabilização de solos com um enfoque

Leia mais

Geossintéticos MANUAL DE INSTALAÇÃO

Geossintéticos MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO INSTALAÇÃO DE GEOMEMBRANAS TERMOPLÁSTICAS EM OBRAS GEOTÉCNICAS E DE SANEAMENTO AMBIENTAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Referências normativas 3. Definições 4. Etapas

Leia mais

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33 ÍNDICE 1. PRODUTO SORIA...04 2. ALGUMAS VANTAGENS...05 3. PRODUTO SORIA...06 4. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...07 5. KIT DE INSTALAÇÃO...08 6. ACESSÓRIOS...09 7. DIMENSIONAMENTO DOS COLETORES...10 8. Dimensionamento

Leia mais

Em toda construção o natural é ter técnica.

Em toda construção o natural é ter técnica. Em toda construção o natural é ter técnica. A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras,

Leia mais

Armazenagem temporária Investimento em eficiência

Armazenagem temporária Investimento em eficiência Armazenagem temporária Investimento em eficiência Por que utilizar a armazenagem temporária? Características e Benefícios A melhor relação Custo-Benefício O de armazenagem temporária de grãos Temp Stor

Leia mais

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Nome dos autores: Petrúcio Santos; Fábio Mendonça Bocheni José Roberto de Campos Costa Junior Instituição: Maccaferri

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

Chorume. Conteúdo. Controle de Lixiviado (Chorume) & Tecnologias de Controle

Chorume. Conteúdo. Controle de Lixiviado (Chorume) & Tecnologias de Controle Controle de Lixiviado (Chorume) & Tecnologias de Controle 2 Conteúdo Chorume Características Fontes Coleta Tratamento 3 Gerado por líquidos: -Precipitados, inseridos -Misturados aos resíduos Sólidos suspensos

Leia mais

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre Seguindo sua tradição de suprir os setores de recursos hídricos e saneamento com soluções técnicas e econômicas, a TIGRE disponibiliza no mercado a linha, filtros e tubos de revestimento para poços tubulares

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa de soluções para armazenamento de água no Brasil. Campeã de vendas no seu segmento, garante a liderança no mercado

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

APLICAÇÃO DE GEOMEMBRANA COMO TAPETE IMPERMEÁVEL A MONTANTE EM BARRAGENS DE TERRA

APLICAÇÃO DE GEOMEMBRANA COMO TAPETE IMPERMEÁVEL A MONTANTE EM BARRAGENS DE TERRA ARTIGO APLICAÇÃO DE GEOMEMBRANA COMO TAPETE IMPERMEÁVEL A MONTANTE EM BARRAGENS DE TERRA Rodrigo César Pierozan Universidade de Brasília, Brasília, Brasil rodrigopierozan@hotmail.com Marcelo Miqueletto

Leia mais

Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha

Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha Carlos Alberto Ortiz Hadlich Instituto Mauá de Tecnologia, São Caetano do Sul, Brasil, caca_hadlich@hotmail.com Felipe

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

APLICAÇÃO DE GEOWEB EM REVESTIMENTO DE CANAL AEROPORTO INTERNACIONAL GUARULHOS SP

APLICAÇÃO DE GEOWEB EM REVESTIMENTO DE CANAL AEROPORTO INTERNACIONAL GUARULHOS SP APLICAÇÃO DE GEOWEB EM REVESTIMENTO DE CANAL AEROPORTO INTERNACIONAL GUARULHOS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 2006/2007 Revisado ABRIL 2011

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM PROFUNDA 3 DRENAGEM PROFUNDA 4 DRENAGEM PROFUNDA DRENAGEM PROFUNDA OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR O SUBLEITO;

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM SUPERFICIAL DRENAGEM SUPERFICIAL OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR A PLATAFORMA VIÁRIA E CONDUZI-LAS PARA

Leia mais

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS

Leia mais

Danopol. Lâminas sintéticas à base de PVC para impermeabilização. www.danosa.com

Danopol. Lâminas sintéticas à base de PVC para impermeabilização. www.danosa.com Danopol Lâminas sintéticas à base de PVC para impermeabilização Impermeabilización Aislamiento Acústico Drenajes - Geotextiles Energía Solar www.danosa.com DESCRIÇÃO Lâmina sintética à base de PVC plastificado,

Leia mais

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO O INSTALADOR, ou empresa instaladora, para ser qualificada como instaladora de tubos poliolefínicos

Leia mais

Sistemas de Revestimento MEMBRANAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO PLÁSTICAS DE PE, FPP E FPO

Sistemas de Revestimento MEMBRANAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO PLÁSTICAS DE PE, FPP E FPO Sistemas de Revestimento MEMBRANAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO PLÁSTICAS DE PE, FPP E FPO PT Sistemas de Revestimento Competence in Plastics A AGRU Kunststofftechnik GmbH é uma bem-sucedida empresa familiar austríaca

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

VERSATILIDADE DOS GEOSSINTÉTICOS APLICADA À ENGENHARIA

VERSATILIDADE DOS GEOSSINTÉTICOS APLICADA À ENGENHARIA VERSATILIDADE DOS GEOSSINTÉTICOS APLICADA À ENGENHARIA Amauri Harvey da Costa amauriharvey@hotmail.com AEDB Gean de Almeida Lopes llopesgean@hotmail.com AEDB Luciana Barbalho de Sousa lubarbalho23@gmail.com

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Catálogo Online HUESKER Versão 07/14 Liderança e inovação em engenharia com geossintéticos. Fornecemos as melhores soluções com geossintéticos para diversas aplicações. 150 anos de

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Leonardo de Carvalho

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita

Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita José Orlando Avesani Neto Geo Soluções, avesani.neto@geosolucoes.com Eduardo Menani Hayashida

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica (CET) da Sika

Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica (CET) da Sika Ficha do Produto Edição 02/08/2011 Nº de identificação: 02 09 02 20 900 0 000004 Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM FIBRA DE VIDRO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

Sistemas contra a queda de rochas. Necessidades e Soluções

Sistemas contra a queda de rochas. Necessidades e Soluções Sistemas contra a queda de rochas Necessidades e Soluções 02 Obras contra a queda de rochas Problemas e Soluções Problema geral Tipologia específica do problema Sistema de soluções Soluções específicas

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas.

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. SOMA DE VALORES A JR Tecnologia em Superfícies (nome fantasia) iniciou suas atividades em 1991 com o nome JR Gonçalves

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA REUSO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RIO LARGO - AL

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA REUSO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RIO LARGO - AL IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA REUSO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RIO LARGO - AL AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO -

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais