QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL. Joaquim Brás/ CCS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL. Joaquim Brás/ CCS"

Transcrição

1 QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL Joaquim Brás/ CCS

2 Responsabilidades dos Empresários Constatação as boas práticas de gestão estão longe de fazer parte do dia-a-dia da maior parte das nossas empresas, em especial das micro/pequenas e até mesmo das médias.ou seja um universo de 99,70% das empresas que representam 55,10 % da volume de negócios 72,10% do emprego

3 Responsabilidades dos Empresários Porquê? A arte de desenrascar substitui, em geral, a boa organização. As falhas na gestão são justificadas com desculpas evasivas ou com atribuição de culpas a terceiros A prática de navegação à vista na gestão diária condiciona a necessária lucidez para a definição de objetivos concretos de curto,médio, longo prazo As decisões de gestão que implicam mudanças profundas...são sempre adiadas para mais tarde.. As rotinas instalam-se e atrofiam a capacidade de acrescentar novas ideias a produtos, processos, serviços Tolerância ou complacência em relação aos maus desempenhos de colaboradores e menor capacidade em premiar ou compensar os bons desempenhos

4 Formação Constatação O saber da experiência pessoal feita e vivida substitui geralmente o conhecimento disponível e acumulado de forma sistemática por boas práticas de gestão e com resultados comprovados em outras organizações Sair da nossa zona de conforto é desconfortável. mas é necessário

5 Formação A nossa maior fraqueza tem que ver com todo o processo de GESTÃO DO DESEMPENHO do nosso e dos que connosco trabalham TODOS necessitamos formação nesta área Que nos permita aprender ou aperfeiçoar métodos e boas práticas na organização que, de uma forma oportuna e continua, nos pode permitir detetar e corrigir falhas assegurar que a execução do trabalho corresponde ao esperado

6 Formação O processo de gestão do desempenho não visa punir falhas ou premiar boas práticas, mas sim contribuir para a aprendizagem e na identificação do que funciona e o que necessita ser melhorado, substituindo-se ou reparando-se o que não funciona bem

7 Empresas Familiares Constatação A probabilidade de as boas práticas de gestão não existirem, ou de serem mais incipientes, é maior em empresas familiares geridas pela família do que por profissionais, independentemente da dimensão da organização A opção pela admissão de familiares ou amigos é o critério seguido na maior parte das empresas familiares

8 Empresas Familiares Que estratégia para o problema? Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Duis auctor justo velit, vel pulvinar tellus commodo eget. Nulla laoreet, sapien eget bibendum vehicula, massa quam scelerisque nulla, at eleifend neque sem id felis. Proin adipiscing scelerisque leo sagittis dignissim. Duis arcu velit, dignissim quis turpis eget, tempus pulvinar justo. Donec nisi nulla, congue eget fermentum id, tristique at est. Vestibulum consequat arcu odio, quis viverra enim condimentum quis. Duis rutrum metus sed turpis mattis, eu adipiscing ipsum aliquet. Pellentesque nec venenatis arcu, at cursus massa. Atempada tomada de consciência pelo empresário ou família das más ou deficientes práticas de gestão da necessidade de conjugar na gestão a experiência pessoal e familiar com a aquisição de conhecimento de boas práticas de gestão da adoção de práticas de gestão do desempenho dele e dos colaboradores ou a não sobrevivência e encerramento da empresa familiar.

9 Produtividade Constatação A fraca produtividade anda muito a par das deficiências de gestão Não aproveitamos bem e intensamente os recursos materiais, humanos e financeiros de que dispomos A produtividade é um dos requisitos essenciais da competitividade de qualquer empresa

10 Produtividade Ações a implementar de imediato 1º profunda análise e revisão do modo como as rotinas instaladas na empresa estão a ser organizadas e executadas, pois só assim é possível detetar erros e falhas, más práticas, desperdícios de tempo, de qualidade, de fatores e meios de produção 2º adoção de adequadas práticas de gestão de desempenho, da qualidade, da conformidade, pois representam um diferencial competitivo face às outras empresas que as não adotarem

11 Produtividade Ações a implementar de imediato 3º adoção de meios e recursos tecnológicos, no processo produtivo e em TItecnologias da informação, ou serviços equivalentes partilhados pelas micro e pequenas empresas, que permitam mais especialização de processos, mais e melhor informação e em tempo útil, proporcionando ainda uma significativa redução de custos só assim podemos ficar mais preparados para a luta de sobrevivência em curso e crescer

12 Dimensão das empresas Constatação 2011 Empresas Empregados Perfil Nº % Total % Média Grande 931 0,33% % 706,8 Média ,84% % 88,4 Pequena ,95% % 18,4 Micro ,88% % 2, ,3 Fonte: informa D&B

13 Dimensão das Empresas Constatação Empresas 2011 Volume Negocios 2011 Perfil Nº % Total M % M por Empresa Grande 931 0,33% % Média ,84% % Pequena ,95% % Micro ,88% % Fonte: informa D&B Dimensão reduzida penaliza fortemente a produtividade por empresa

14 Dimensão das Empresas Constatação Empresas 2011 Volume Negocios 2011 Perfil Nº % Total M % M Por Trabalhador % Grande 931 0,33% % % Média ,84% % % Pequena ,95% % 95 76% Micro ,88% % 70 56% Fonte: informa D&B Dimensão reduzida penaliza fortemente a produtividade por trabalhador

15 Dimensão das Empresas Comparação Sector Atividade Nº Médio Trabalhadores por Empresa Portugal Espanha França Bélgica Dinamarca Alemanha Irlanda Polonia Rep.Checa Austria EU 27 Industria Transformadora 9,4 10,7 14,6 14,4 18,7 33,1 39,8 13,6 7,1 23,6 14,1 % da EU 27 67% 235% 96% Comércio por Grosso e Retalho 3,2 4,1 5,2 4,4 9,2 10,5 8,6 4,3 3,0 8,3 5,3 % da EU 27 60% 198% 81% Alojamento e Restauração 3,8 4,3 4,1 3,5 7,0 8,8 3,5 4,6 2,7 6,0 5,7 Conclusão % da EU 27 67% 154% 81% Fonte: PORDATA É condição básica de sobrevivência otimizar a relação dimensão / produtividade e na maior parte dos casos significa CRESCER

16 Modelo de Gestão Constatação a ausência de sistemas de acompanhamento e controlo do negócio em micro e pequenas empresas, e até médias empresas, é uma realidade praticamente todas as empresas já têm hardware e software mas na maior parte só servem para emitir guias e faturas a internet é um exemplo de como as empresas necessitam das TI para sobreviver no mercado atual e poder crescer % empresas que utilizam computador.. 98,1% % empresas com ligação à internet.. 95,4% % empresas com presença na internet...51,8 %

17 Modelo de Gestão Condicionantes valor elevado inicial dos investimentos em hardware, software, implementação, formação elevado custo anual de manutenção Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Duis auctor justo inexistência ou impossibilidade da empresa ter recursos humanos qualificados velit, vel pulvinar tellus commodo eget. Nulla laoreet, sapien eget bibendum vehicula, massa quam scelerisque nulla, at eleifend neque sem complexidade dos sistemas hardware e software id felis. Proin adipiscing scelerisque leo sagittis dignissim. Duis arcu velit, utilizadores não preparados dignissim quis turpis eget, tempus pulvinar justo. Donec nisi nulla, congue eget fermentum id, tristique at est. Vestibulum consequat arcu odio, quis utilizadores nem sempre dispostos a participar e envolver-se num processo de viverra enim condimentum quis. Duis rutrum metus sed turpis mattis, eu implementação adipiscing ipsum aliquet. Pellentesque nec venenatis arcu, at cursus massa. falta de vontade do empresário pois considera que é gastar dinheiro em algo não produtivo falta de apoio de outros responsáveis ou chefias na empresa - Principal Fator de Fracasso

18 Modelo de Gestão Caminho Nesta agitada realidade que vivemos nas empresas, a utilização das TI assume importância vital, pois é a única ferramenta capaz de propiciar os ganhos de competitividade necessários à sobrevivência e ao crescimento das organizações o uso bem planeado das TI dará suporte para : procura de vantagens competitivas apoio à tomada de decisão apoio ás operações da organização apoio à comunicação, coordenação e colaboração entre os membros da mesma equipa de trabalho Reformulando a organização com recurso às TI, acabam as rotinas instaladas, e é possível alcançar melhorias drásticas nos custos, na qualidade, no rigor e na agilidade, de forma controlada.

19 Modelo de Gestão Como? Só há uma única forma de as nossas MPME terem acesso ao conhecimento e aos meios tecnológicos de organização e informação de que dispõem as grandes empresas : PARTILHAR meios técnicos e humanos, do saber como e da experiência acumulada adquirida, em setores e dimensões diversas, em casos de sucesso mas também de insucesso Só assim poderemos lutar pela nossa sobrevivência e adquirirmos a base fiável para sustentar o crescimento possível e necessário de outra forma só nos resta a extinção!

20

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone buscar no site OK Página inicial links rápidos a fazenda santa maria nononononono não- título em destaque texto complementar Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum

Leia mais

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo INSTITUTO POLITÉCNICO MANUAL DE REGRAS BÁSICAS CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo Capa Tese de Mestrado INSTITUTO POLITÉCNICO Dimensões da capa: A4+lombada variável+a4 Papel: Coché

Leia mais

wireframe do novo site

wireframe do novo site wireframe do novo site home METRÔ PAINÉIS S ANUNCIE QUEM SOMOS Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam imperdiet sed eros ut luctus. Suspendisse eu vulputate massa. Nullam dignissim,

Leia mais

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE MENU EMBRACE THE FUTURE ÁREAS DE NEGÓCIO SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS EM DESTAQUE PORTUGAL MARROCOS ARGÉLIA EDIFÍCIO PLATINUM GANA ANGOLA ARGENTINA O Grupo Ramos Ferreira vai ser responsável, em parceria

Leia mais

d ce R E V I S T A D I G I TA L

d ce R E V I S T A D I G I TA L d ce R E V I S T A D I G I TA L Doce Revista Digital Há 25 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é marcada pelo jornalismo ágil e independente. É a única publicação nacional voltada exclusivamente

Leia mais

A Database State Machine Approach. Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199

A Database State Machine Approach. Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199 A Database State Machine Approach Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199 Introdução Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer eget lacus vitae lorem varius pretium quis nec diam. Nulla

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design Índice Capítulo Apresentação... O logo e seus elementos... Variações cromáticas... Reduções e reservas... Aplicação em fundos de cor... Tipografias de apoio... Usos indevidos... Cartão de Visita... Pág.

Leia mais

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento Sorriso Entrevista Dr Alisson explica as vantagens dos aparelhos Autoligados Comportamento O que te faz feliz? Fique Ligado Participe, curta, compartilhe e ganhe brindes especiais Escova de dentes: A maior

Leia mais

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062 Index RGB: 174-51-54 Hex: #Ae3336 RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872 RGB: 0-168-89 Hex: #00A859 RGB: 168-207-69 RGB: 210-226-139 RGB: 75-75-77 Hex: #A8CF45 Hex: #D2E28B Hex: #4B4B4D RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Leia mais

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope 32 20

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL I. Objetivos e Descrição Redesign do website que a empresa possui, acrescentando novos recursos, informações mais detalhadas dos produtos e serviços,

Leia mais

R.Boquino Manual de Identidade Visual

R.Boquino Manual de Identidade Visual R.Boquino Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Mato Grosso do Sul aguardamos envio de uma imagem de mato grosso do sul Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ Sumário Sumário 1. Apresentação 2. O logo e seus elementos...... 3. Variações Cromáticas 4. Reduções e Reservas 5. Aplicação em fundo de cor 6. Tipografias de apoio 7. Usos indevidos..................

Leia mais

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO Ludmyla Sathler Aguiar do Nascimento 1 GD12 Educação Matemática e Inclusão A leitura e compreensão textual expõem o quanto

Leia mais

Normas para envio de artigos:

Normas para envio de artigos: NORMAS PARA ENVIO DE ARTIGOS Formatação da página: recuo superior e da lateral esquerda de 3 cm. Recuo inferior e da lateral direita de 2,5 cm, conforme a formatação deste documento. Título: fonte Arial,

Leia mais

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema Ven.ti.la.dor adj (ventilar+dor2) Que ventila; ventilante. sm 1 Aparelho que renova o ar de ambientes fechados ou que o põe em circulação; aparelho que produz corrente de ar. Recursos Naturais { Cores

Leia mais

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa 1 Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio A Identidade Visual da Afeal é um de seus principais

Leia mais

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade?

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Índice O que é a Marca? Conceito 4 Personalidade da Marca 5 Como ela é? Marca Principal Versão

Leia mais

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de Relatório

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 2015

Leia mais

Arquitetura de Informação - 7

Arquitetura de Informação - 7 Arquitetura de Informação - 7 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Ícone Imagem Banner Logotipo Título 1 Título 2 Tabela Disclaimer Título 1 Título 2 Ícone Ícone Imagem

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO SUMÁRIO 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 1.11 1.12 1.13 1.14 1.15 1.16 Introdução Assinatura institucional Malha de construção Assinatura

Leia mais

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Wireframes 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas

Leia mais

MANUAL DE USO DE MARCA

MANUAL DE USO DE MARCA MANUAL DE USO DE MARCA INTRODUÇÃO A MARCA FAPEU A marca é um dos bens mais preciosos de uma empresa. Ela existe para ser vista e lembrada pelos consumidores, identificando-se com os produtos, serviços

Leia mais

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Jessica Caroline Silva de Freitas Kelly Isaura Graciano da Silva Bento Sabrina

Leia mais

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão wireframe homepage tipo Quem somos Doações em dinheiro Onde r ajuda para animais carentes equipe Doações em mantimentos onde denunciar maus tratos banner 720 álbum x 160 de fotos Doaçòes medicinais Feiras

Leia mais

Wireframes. Definição. Wireframes

Wireframes. Definição. Wireframes Wireframes Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas importâncias

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JORNALISMO E SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO DE JORNALISMO PROJETOS EXPERIMENTAIS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS LONDRINA PR 2015 HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE

Leia mais

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA CAPITANIA MULTI CRÉDITO PRIVADO OS CAMINHOS PARA UMA Apresentação de Produto 2º Tri 2009 APOSENTADORIA PLANEJADA Capitânia Asset & Risk Management www.capitania.net Rua Dona Leopoldina, 48 São João -Porto

Leia mais

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Selos de Certificação Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Sumário 01. Abertura 02. Versões Cromáticas 03. Regras de Uso 04. Exemplos de Aplicações 05. Arquivos 2 01. Abertura Os Selos de Certifi

Leia mais

Workshop SEO Integrando TI, Marketing e Conteúdo. Por Diego Ivo, CEO da Conversion

Workshop SEO Integrando TI, Marketing e Conteúdo. Por Diego Ivo, CEO da Conversion Workshop SEO Integrando TI, Marketing e Conteúdo Por Diego Ivo, CEO da Conversion A Conversion Conversion é a maior empresa de SEO no Brasil Número do que geramos Nossos números 120 $300 3 40 Milhões de

Leia mais

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013 Frutacor lança coleção Inverno 2014 Fashion City Brasil participará da Fenim Confira o festival de Jazz no CCCP Bodytech loren ipsum ad vitor

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS 01 03 APRESENTAÇÃO Este guia de identidade uniformiza a utilização da marca Fundação Bienal de Cerveira. Estas normas devem ser cumpridas de modo rigoroso para que a imagem da

Leia mais

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho edição 01 ano 01 Fevereiro de 2015 Publicação bimestral com distribuição gratuita no Circuito das Águas Paulista www.circuitosaude.com.br SEJA FELIZ o poder da alegria pág.7 TEM IDADE CERTA para uso do

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Capítulo 1 Normatização Geral 1. Conceito de Marca 1.1. Identidade de Foz do Iguaçu 1.2. Pôster Conceitual 2. Assinaturas Padrão 2.1. Assinaturas em Português 2.2. Assinaturas

Leia mais

MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE

MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE LONDRINA PR 2015 MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2013, v Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Fim da carta-frete, uma conquista a ser valorizada

Fim da carta-frete, uma conquista a ser valorizada Fim da carta-frete, uma conquista a ser valorizada Fim da carta-frete, uma conquista a ser valorizada Os Transportadores Autônomos de Cargas (TAC) tem muito o que comemorar! O pagamento do frete no transporte

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing 19/Nov/13 MUITOS MISTÉRIOS DURANTE UM JANTAR DE COMEMORAÇÃO. SERÁ UMA ARMADILHA? NÃO, APENAS MOTIVOS PARA MUITAS GARGALHADAS.

Leia mais

Tutorial (Básico) de Utilização do Iramuteq 1

Tutorial (Básico) de Utilização do Iramuteq 1 Tutorial (Básico) de Utilização do Iramuteq 1 INTRODUÇÃO O Iramuteq é um software de analise textual baseado em estatísticas (Utilizando o software estatístico R) que revelem ligações e outras características

Leia mais

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor senior advisor COACHING FINANCEIRO BRANDING SERVIÇOS CONTÁBEIS COACHING FINANCEIRO SERVIÇOS CONTÁBEIS BRANDING A Senior Advisor é uma consultoria multidisciplinar, que tem como foco principal, auxiliar

Leia mais

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX www.in-lex.pt Para mais informação consulte o nosso site ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 Data da Publicação Dimensões Papel Capa Papel Miolo Hardcover Início de 2015 230 (largura) x 297 (altura)

Leia mais

Marca. Depto. de Marketing do Pirâmide Natal Resort & Convention - V. 01 - Revisado em 28/05/2008.

Marca. Depto. de Marketing do Pirâmide Natal Resort & Convention - V. 01 - Revisado em 28/05/2008. Marca Esta é a Marca que deve ser utilizada prioritariamente. Existe uma relação única entre tipologia, corpo, forma e cores que deve ser rigorosamente respeitada. Qualquer alteração modifica totalmente

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.3 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2014, v-1.9.2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Máquinas de Lavar Loiça Profissionais. Tabela de Preços 2013. Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree

Máquinas de Lavar Loiça Profissionais. Tabela de Preços 2013. Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree Máquinas de Lavar Loiça Profissionais Tabela de Preços 2013 Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree SteelTech 13-00 916260 998,00 com cesto 35x35 cm 1.200,50 SteelTech 13-00 S 916263 1.212,75 com descalcificador

Leia mais

Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen

Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen Manual de Identidade Visual Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen Página 1 Mais consistência para nossas marcas Introdução Página 2 O Manual de Identidade Visual explica

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.5 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN

INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Aliquam ornare ante vitae lacus varius gravida. Proin non sapien bibendum, aliquam quam luctus, mattis felis. Proin

Leia mais

Arquitetura de Informação para Web

Arquitetura de Informação para Web Arquitetura de Informação para Web Aula introdutória sobre Arquitetura de Informação para Web na ECA - USP Guilhermo Almeida dos Reis reis@guilhermo.com www.guilhermo.com Novembro / 2004 Agenda Definições

Leia mais

Trabalho 2. Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias. 10 de Fevereiro de 2013

Trabalho 2. Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias. 10 de Fevereiro de 2013 Trabalho 2 Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias 10 de Fevereiro de 2013 Resumo Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Etiam lobortis facilisis sem. Nullam nec mi et neque

Leia mais

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat ECA-USP Manual Simplificado de Identidade Visual Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat Logotipo Grade de Construção Identidade Visual/Cor Grade de Construção Identidade

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.5 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

SPORTS WEEKEND UMA GRANDE OPORTUNIDADE PARA SE CONECTAR COM SEU PÚBLICO

SPORTS WEEKEND UMA GRANDE OPORTUNIDADE PARA SE CONECTAR COM SEU PÚBLICO TÊXTO 1 Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Aliquam pellentesque odio eu placerat consequat. Vivamus eget ipsum at magna sollicitudin rhoncus. Donec venenatis facilisis felis, eu molestie

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS A CMS Fundada em 1998, a CMS surgiu para atender a demanda de produtos e marcas internacionais exigidos para o crescimento e desenvolvimento do mercado brasileiro. Ao decorrer dos

Leia mais

Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques

Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques Autenticação do Substrato, Validação do Correntista e Armazenamento de imagens verdadeiras em arquivos seguros Fraudes Truques Jogos

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA 1 2 Introdução 04 A logomarca 05 Variantes de cor 06 Dimensões mínimas 07 Área de não-interferência 08 Usos incorretos 09 Cores institucionais 10 Tipografia Grafismo 11 12

Leia mais

A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas

A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas PLANOS PLUS & TOP A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas Pesquisar Reclamar Comparar Responder Replicar Resolver Consumidores ReclameAQUI Empresas O ReclameAQUI

Leia mais

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.3 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Modelo canônico de Projeto de pesquisa em conformidade

Leia mais

Português. Grupo PPE Serviço de Imprensa e Comunicação. Carta gráfica

Português. Grupo PPE Serviço de Imprensa e Comunicação. Carta gráfica Português Grupo PPE Serviço de Imprensa e Comunicação Carta gráfica Versão: 01/10/2012 Porquê uma carta gráfica? Em maio de 2011, o Grupo PPE decidiu reunir a produção de todas as suas publicações numa

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS REIDENCIAL AUTOMAÇÃO WIRELESS A Globus Soluções Inteligentes em controles, inspirada no desejo de oferecer conforto, segurança, redução de custos de energia, uso fácil, melhor

Leia mais

NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LONDRINA PR 2015 NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA

Leia mais

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Fevereiro/2009 01 Índice. A Identidade Corporativa do Ministério Público do Estado do Amazonas...5 ÍNDICE. Marca MP-AM...6. Composição do brasão (símbolo)...6. Espada...6.

Leia mais

A C R A M A L D A U N A

A C R A M A L D A U N A MANUAL DA MARCA BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO 01 CONCEITO E CONSTRUÇÃO DA MARCA 02 GRADE 04 PALETA DE CORES 05 APLICAÇÕES MONOCROMÁTICAS 05 APLICAÇÕES 06 CRÉDITOS 07 01 BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO BRIEFING...

Leia mais

YURI SCANIELLO. Daniele Hummel

YURI SCANIELLO. Daniele Hummel YURI SCANIELLO 2016 Daniele Hummel Cópia de Prova: Não otimizada para impressão de alta qualidade ou distribuição digital AGRADECIMENTO AGRADEÇO A JOÃO OTÁVIO NESS POR FORNECER GRANDE PARTE DAS FOTOS DESTE

Leia mais

Manual de NORMALIZAÇÃO de trabalhos acadêmicos

Manual de NORMALIZAÇÃO de trabalhos acadêmicos Manual de NORMALIZAÇÃO de trabalhos acadêmicos Manual de NORMALIZAÇÃO de trabalhos acadêmicos LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Ordenação dos elementos de trabalhos acadêmicos... 11 Figura 2 - Exemplo de capa...

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Índice Apresentação...03 1. Marca / Versão positiva policromia...04 1.1. Marca / Versão positiva cores sólidas...05

Leia mais

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA CONSTRUÇÃO HORIZONTAL CONSTRUÇÃO VERTICAL LOGÓTIPO de artes e design de artes e design de tecnologia do mar de tecnologia do mar de saúde de tecnologia

Leia mais

Tabela de Preços 2013

Tabela de Preços 2013 Tabela de Preços 2013 Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree LinhaMISS Com estes fornos pode: Cozinhar croissants/folhados vazios ou recheados, cozinhar pão congelado ou aquecer pratos prontos. Equipamento

Leia mais

Manual de uso da Marca

Manual de uso da Marca Manual de uso da Marca Sumário 1. Apresentação... 3 2. Direito de Uso... 4. 2.1 Procedimentos de autorização... 4. 2.2 Usuários autorizados... 5 2.2.1 Integrantes da equipe IBGC... 5 2.2.2 Associados mantenedores...

Leia mais

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software Help Encerramento do Exercício Note: To change the product logo for your ow n print manual or PDF, click "Tools > Manual Designer" and modify the print manual template. Title page 1 Use this page to introduce

Leia mais

ALEIXO. Companhia Teatro de Grupo TEATRODAUNIVERCIDADE. Sistema de Identidade Visual da

ALEIXO. Companhia Teatro de Grupo TEATRODAUNIVERCIDADE. Sistema de Identidade Visual da TEATRODAUNIVERCIDADE APRESENTAÇÃO ALEIXO 12 / 12 PROJETOFINAL Sistema de Identidade Visual da Companhia Teatro de Grupo Projeto Final de Graduação Raphael Aleixo Avellar Dezembro 2005 Univercidade Introdução

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014 Manual de Identidade Visual Abril de 2014 ÍNDICE 03 Para que serve este manual? 04 O logotipo 06 Variações do logotipo 07 Escala cromática 08 Fundos preferenciais 09 Malha construtiva 10 Área de não-interferência

Leia mais

BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços financeiros Companhia: BM&FBOVESPA Empregados:

Leia mais

Crescimento com Rentabilidade

Crescimento com Rentabilidade BM&FBOVESPA: MILS3 Resultado da Mills no 2T10 Crescimento com Rentabilidade Rio de Janeiro, 4 de agosto de 2010 - A Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S.A. (Mills) apresentou no segundo trimestre

Leia mais

Ricardo Maia Pestana

Ricardo Maia Pestana Ricardo Maia Pestana 912 180 791 ricardo.pestana@gmail.com r. imprensa à estrela, 1, 3º dto 1200-684 lisboa 8 de janeiro de 1976 lisboa portugal Com formação em Gestão da Informação e a Licenciatura em

Leia mais

Quando o mundo virou tipógrafo

Quando o mundo virou tipógrafo Quando o mundo virou tipógrafo J. M. B. Lopes dos Santos 25 de Março de 2008 CFP e Departamento de Física, Faculdade de Ciências, Universidade do Porto, 4169-007 Porto, Portugal Neste documento discutemse

Leia mais

Manual da Marca e da Identidade Visual

Manual da Marca e da Identidade Visual Manual da Marca e da Identidade Visual CONCEITO, ESTRATÉGIA E APLICAÇÕES Versão reduzida atualizada janeiro de 2015 Manual da Marca e da Identidade Visual CONCEITO, ESTRATÉGIA E APLICAÇÕES Versão reduzida

Leia mais

NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO

NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO PEDRO M. AREZES Universidade do Minho v2.0 07.04.2011 Nota Introdutória As notas que se seguem fazem parte de uma pequena compilação de informação

Leia mais

DICAS DE BOOTSTRAP 3

DICAS DE BOOTSTRAP 3 WEB DEV ACADEMY DICAS DE BOOTSTRAP 3 Uma coleção de dicas rápidas para você trabalhar com o framework mais popular da Web Ruan Carvalho Bem-vindo ao Ebook de Dicas do Bootstrap! O conteúdo deste guia está

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 2015

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Assinatura Visual Aplicação com outras marcas Em locais onde a marca da será centro vertical, respeitando uma mesma distância da assinatura colocada junto a outras marcas, distância equivalente a 2 vezes

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 Conceito Uma das características mais marcantes do Grupo Mirante é a forte ligação com os aspectos regionais da cultura maranhense. Por esse motivo, o Grupo leva o nome de

Leia mais

Sicredi Reduz em 20% os Custos de Gestão de Portfólio com CA Project & Portfolio Management SaaS

Sicredi Reduz em 20% os Custos de Gestão de Portfólio com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY MARÇO 2013 Sicredi Reduz em 20% os Custos de Gestão de Portfólio com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços financeiros Empresa: Sicredi Funcionários:

Leia mais

Manual Básico de Aplicação da Logomarca Usiminas

Manual Básico de Aplicação da Logomarca Usiminas Manual Básico de Aplicação da Logomarca Usiminas Sumário 1. APRESENTAÇÃO 1.1. Introdução 1.2. Valores da marca 1.3. História da marca 1.4. Idéia da marca 2. A LOGOMARCA 2.1. Elementos e proporção da logomarca

Leia mais

XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas. 30/05 a 04/06/2016

XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas. 30/05 a 04/06/2016 XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas 30/05 a 04/06/2016 Apresentação Oral Apenas trabalhos experimentais concluídos Instruções para Resumos Expandidos Formatação Os resumos devem ser

Leia mais

Lexmark Conduz Transformação de TI com CA Agile Operations Suite

Lexmark Conduz Transformação de TI com CA Agile Operations Suite CUSTOMER SUCCESS STORY JULHO 2015 Conduz Transformação TI com CA Agile Operations Suite PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços TI Companhia: Colaboradores: 12.000 Faturamento: US$3,7 bilhões EMPRESA A oferece

Leia mais

ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS

ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS LONDRINA PR 2016 ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS Trabalho de Conclusão

Leia mais

Manual da marca Revespetro

Manual da marca Revespetro Manual da marca Sumário O valor da marca Construção da marca Marca Marca com efeitos Paleta de cores Tipografia Tipografia de apoio Malha de proporção Box Branco Versões das marcas em positivo Versões

Leia mais

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos MANUAL DE MARCA SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos 2 Bem-vindo. Este manual define um conjunto de regras e recomendações que garantem uma aplicação correta dos elementos básicos da identidade CRITICAL

Leia mais

Apresentação. Índice. 1. Introdução. 4. Construção técnica. 2. Logotipo. 5. Aplicações. 3. Marca. 6. Contato e aprovações. 7.

Apresentação. Índice. 1. Introdução. 4. Construção técnica. 2. Logotipo. 5. Aplicações. 3. Marca. 6. Contato e aprovações. 7. Apresentação Índice 1. Introdução 1.1. Por que fazer um manual de identidade visual? 1.2. Políticas de uso 2. Logotipo 2.1. Brasão 2.2. Elementos da composição 2.2.1. A flor-de-lis 2.2.2. A espada e o

Leia mais

LaTeX: uma Ferramenta para Edição de Textos Técnico - Científicos de Alta Qualidade

LaTeX: uma Ferramenta para Edição de Textos Técnico - Científicos de Alta Qualidade ISSN 1517-4778 LaTeX: uma Ferramenta para Edição de Textos Técnico - Científicos de Alta Qualidade 38 Introdução Ferramentas para edição de textos com alta qualidade gráfica são pré-requisitos da grande

Leia mais

Manual de Identidade do Senado Federal

Manual de Identidade do Senado Federal Manual de Identidade do Senado Federal Manual de Identidade do Senado Federal Organização Subsecretaria de Projetos Especiais (Supres/Secs) Criação e Marketing Desenvolvimento Isabela de Souza Lima Macedo

Leia mais

O Banco Mercantil Universal Garante Eficiente Gestão de Projetos com CA Project & Portfolio Management

O Banco Mercantil Universal Garante Eficiente Gestão de Projetos com CA Project & Portfolio Management CUSTOMER SUCCESS STORY JUNHO 2015 O Banco Mercantil Universal Garante Eficiente Gestão Projetos com CA Project & Portfolio Management PERFIL DO CLIENTE Indústria: Financeira Companhia: Mercantil Banco

Leia mais

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos MANUAL DE MARCA SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos 2 Bem-vindo. Este manual define um conjunto de regras e recomendações que garantem uma aplicação correta dos elementos básicos da identidade CRITICAL

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 2. Tênis e tênis de mesa. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 2. Tênis e tênis de mesa. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 2 Tênis e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria de REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e sua

Leia mais