Sinalização de segurança fotoluminescente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sinalização de segurança fotoluminescente"

Transcrição

1 Sinalização de segurança fotoluminescente

2 Photoluminescent safety signs Introdução Tipos de produtos Sinalização considerada como sinalização básica, de acordo com a norma da ABNT e os mais recentes decretos estaduais. Fabricada em PVC rígido de 2mm de espessura e com uma fotoluminescência superior ao estabelecido nas normas e diversos decretos. Deve ser instalada ao nível elevado (superior a 1,8m) e ao nível intermediário (entre 1,0m e 1,8m). É composta por quatro categorias: 1. Sinalização de proibição - páginas 45 a Sinalização de alerta - páginas 36 a Sinalização de orientação e salvamento - páginas 15 a Sinalização de equipamentos de combate a incêndio - páginas 24 a 31 A norma ABNT estabelece os requisitos mínimos a que a sinalização básica deve atender. Sinalização de segurança para instalação ao nível do solo - páginas 70 a 77. Esta sinalização é fabricada com uma nova geração de pigmentos fotoluminescentes que permitem um rápido armazenamento de energia mesmo em locais com baixos níveis de luz, como os existentes ao nível do solo. Estes sinais devem ser completamente estimulados com um nível de iluminação de 25 lux.

3 Introdução Tipos de produtos para túneis Sinalização de segurança fotoluminescente para túneis (ferrovias, metrô e rodovias) páginas 62 a 68. Sinalização fabricada com pigmentos que permitem um rápido armazenamento de energia mesmo em locais de reduzida iluminação e com tipos de lâmpadas como as utilizadas nos túneis. Plantas de emergência Consideradas como um complemento à sinalização de segurança páginas 58 a 60. Representam graficamente o plano de evacuação e são necessárias para uma correta formação dos usuários de uma edificação. Devem incluir a localização do usuário, devidamente orientada, para uma perfeita identificação do local. Acessórios Gama de kits de sinalização e acessórios que complementam e criam um diferencial em relação a sinalização de segurança páginas 84 a 91. Surgem como resposta a várias solicitações do mercado como forma de melhorar e otimizar as soluções de sinalização. 3

4 Sinalização de segurança fotoluminescente Introdução Enquadramento normativo e legal A sinalização de segurança fotoluminescente e está em conformidade com toda a normalização e legislação municipal, estadual e federal vigente, tal como: - Normas ABNT NBR 13434; - Normativas do Ministério do Trabalho; - Códigos de obras e edificações municipais; - Códigos estaduais de segurança contra incêndio e pânico. Nacional Documento Norma Brasileira ABNT NBR Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Conteúdo Parte 1 - Define os princípios de um sistema de sinalização de segurança, no que tange a conceitos, classificação, implantação e execução do projeto. Parte 2 - Define a sinalização de segurança contra incêndio e pânico, símbolos, formas, dimensões e cores. Parte 3 - Define os requisitos mínimos de desempenho exigidos para a sinalização contra incêndio e pânico em edificações e métodos de ensaio a usar. Legislações de âmbito municipal (alguns exemplos) Município de São Paulo Lei nº Código de Obras e Edificações do Município de São Paulo Município de Campinas Lei n 7413 de 30 de dezembro de 1992 Lei nº de 29 de novembro de 2000 Município de Porto Alegre Código de edificações, LC nº 284 de 27 de outubro de 1992 Município de Recife Lei nº de 29 de janeiro de 1997 Município de Curitiba Lei nº de 08 de julho de 2004 Município de Salvador Lei nº 5735 de 17 de maio de 2000 Define o conceito de sistema básico de segurança, especificando a sinalização de rotas de saídas, alarme de acionamento manual e equipamentos móveis e semifixos de operação manual para combate a incêndio. Define o conceito de sistema básico de segurança, especificando a sinalização de rotas de saídas e equipamentos móveis e semifixos de operação manual para combate a incêndio. Dispõe sobre a segurança em cinemas, casas de espetáculos, teatros e assemelhados que ficam obrigados a instalar sinalização aérea e de solo adequadas para as saídas de emergência e programas de orientação para sua utilização. Define o conceito de sistema básico de segurança, especificando a sinalização de rotas de saídas e equipamentos móveis e semifixos de operação manual para combate a incêndio. Define que os equipamentos a serem utilizados nas edificações devem estar de acordo com as normas técnicas da ABNT e normas técnicas de combate a incêndio do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Pernambuco. Indica que todas as edificações deverão dispor de sistema de proteção contra incêndio, alarme e condições de evacuações sujeitos às disposições e normas técnicas específicas. Dispõe sobre a obrigatoriedade de divulgação das condições mínimas de segurança em teatros, cinemas, circos, estádios de futebol, ginásios de esportes, salões de festas, boates, auditórios e outros. Deverá haver indicação detalhada de equipamentos de combate a incêndio, saídas de emergência e portas com dispositivos antipânico, tudo nos termos das leis específicas aplicáveis a cada caso. Legislação de âmbito federal Norma regulamentar, NR 23 - Proteção contra incêndios Norma regulamentar, NR 26 - Sinalização de segurança Norma regulamentar, NR 33 - Espaços confinados Define que as aberturas, saídas e vias de passagem devem ser claramente assinaladas por meio de placas, indicando a direção de saída. Deverão ser adotadas cores para segurança em estabelecimentos ou locais de trabalho, a fim de indicar e advertir acerca dos riscos existentes a) Identificar, isolar e sinalizar os espaços confinados para evitar a entrada de pessoas não autorizadas c) Manter sinalização permanente junto à entrada do espaço confinado. 4

5 Introdução Enquadramento normativo e legal Documento Estado de São Paulo Decreto nº 46076, de 31 de agosto de 2001 Instrução técnica nº 20 Estado de Minas Gerais Decreto Estadual nº 44746, de 29 de fevereiro de 2008 Instrução técnica nº 15 Estado do Rio de Janeiro Resolução SEDEC nº 279 de 11 de janeiro de 2005, Capítulo IV, artigo 30 Estado do Pará Decreto nº357, de 20 de junho de 2000 Distrito Federal Decreto nº 21631, de 20 de julho de 2000 Estado do Rio Grande do Sul Decreto nº , de 28 de abril de 1997 Estado de Mato Grosso Lei nº 8.399, de 22 de dezembro de 2005 Estado da Bahia Instrução técnica nº 20/SP Estado de Pernambuco Código de Segurança Contra Incêndios e Pânico (COSIPE) Estado de Goiás Lei nº , de 11 de setembro de Norma técnica nº 20 Estado do Tocantins Lei nº 1.787, de 15 de maio de 2007 Norma técnica nº 15 Estado do Espírito Santo Lei nº 9269, de 21 de julho de 2009 Norma técnica nº 14 Estado de Alagoas Decreto nº 4173, de 7 de agosto de 2009 Conteúdo Fixa as condições que devem satisfazer o sistema de sinalização de emergência em edificações e áreas de risco. Define critérios para a sinalização de segurança. Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco. Define critérios para a sinalização de segurança. Art A sinalização de emergência deverá ter seu projeto de execução desenvolvido com observância do disposto na ABNT-NBR Art parágrafo 1º - Para a execução e implementação das medidas de proteção contra incêndio e pânico, as edificações e áreas de risco devem atender às exigências previstas nas instruções técnicas e, na sua falta, às normas técnicas da ABNT. Art Na falta de especificações técnicas do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal e nos casos omissos, deverão ser adotadas as Normas dos Orgãos Oficiais e, se necessário, as Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT ou outras reconhecidas pelo Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Art A sinalização de segurança contra incêndio e pânico existente nas edificações deverá atender ao que prescrevem as NBR 9077, NBR 13434, NBR e NBR todas da ABNT. Lei de Segurança contra Incêndio e Pânico de Mato Grosso. Capítulo X, artigo 25, alínea 15 - prevê sistema de sinalização de emergência nas edificações, instalações e locais de risco, devem adotar as normas ABNT. Por não haver legislação correlata, adota-se o decreto nº 46076/2001 do Estado de São Paulo. Define critérios para a sinalização de segurança. Define sistema de sinalização de saídas de emergência. Define alguns locais para instalação das placas de emergência fotoluminescentes. Código estadual de proteção contra incêndio, explosão e pânico em edificações e áreas de risco. Define critérios para a sinalização de segurança Prevenção contra incêndio e pânico em edificações e áreas de risco. Define critérios para a sinalização de segurança. Código de segurança contra incêndio e pânico Define critérios para a sinalização de segurança. Código de segurança contra incêndio e pânico. Capítulo XI - Sinalização de segurança - devem atender as normas da ABNT. Legislações de âmbito estadual (decretos de corpos de bombeiros - alguns exemplos) 5

6 Sinalização de segurança fotoluminescente Introdução Índice Enquadramento normativo e legal Plantas Túneis Escolha dos sinais e alturas de instalação Medidas e distâncias de observação Tipos de fixação 14 Orientação e salvamento Combate a incêndio e alarme Sinalização panorâmica Alerta Obrigação Proibição Etiquetas adesivas 49 Informação Estacionamento Obstáculos e áreas perigosas 56 Plantas de emergência Túneis de transporte rodoviário, metroviário e ferroviário Kits e acessórios Sistema de sinalização fotoluminescente ao nível do solo Edifícios elevados Kit de moldura para portas e extintores e kit para corrimão Posicionador para extintores 87 Batentes de proteção 88 Proteção de degraus 89 Moldura 90 Suporte flexível para sinalização do tipo 2 verso contra-capa Como efetuar a compra Para emissão do pedido de compra dos sinais informe: 1 - O código de 5 algarismos impresso abaixo da figura de cada sinal deste catálogo; 2 - A dimensão do sinal; 3 - O tipo de fixação: tipo 1, tipo 2, tipo 3 ou tipo P (ver pág. 14); e 4 - Quantidade de sinais. Exemplo: O sinal com a referência B (pág. 15) está disponível nas medidas 240x120mm e 400x200mm. B x x200 Para pedir 10 sinais B 00 21, na medida 240x120mm e do tipo 1 deverá indicar: B x120 - tipo 1-10 unidades 6

7 Características do produto 7

8 Sinalização de segurança fotoluminescente Instalação Características do produto Características técnicas da sinalização de segurança fotoluminescente mcd/m mcd/m 2 Minutos após terminada a estimulação Intensidade luminosa (mcd/m 2 ) NBR NBR Intensidade luminosa aos 10 minutos 10min 140mcd/m 2 170mcd/m 2 Critérios de medição de acordo com a norma ABNT NBR Intensidade luminosa expressa em mcd/m 2 (milicandelas por metro quadrado), 10 minutos após se extinguir a fonte luminosa incidente. 20mcd/m 2 22,5mcd/m2 Minutos após terminada a estimulação Intensidade luminosa (mcd/m 2 ) NBR min 20mcd/m 2 22,5mcd/m 2 Critérios de medição de acordo com a norma ABNT NBR NBR Intensidade luminosa aos 60 minutos Intensidade luminosa expressa em mcd/m 2 (milicandelas por metro quadrado), 60 minutos após se extinguir a fonte luminosa incidente. NBR minutos Intensidade luminosa superior a 0,32mcd/m 2 NBR Tempo de atenuação 1800 minutos 2250 minutos 2250 minutos minutos Tempo de atenuação Critérios de medição de acordo com a norma ABNT NBR Tempo de atenuação (autonomia do sinal) é o período, em minutos, em que o sinal permanece visível. Corresponde a uma intensidade luminosa superior a 0,32mcd/m 2 (valor 100 vezes superior ao limiar da visibilidade humana). Material: PVC expandido fotoluminescente de alta intensidade luminosa de 2mm de espessura; Impressão: Por serigrafia, com tinta de alta qualidade e resistente a UV com garantia das cores de impressão; Resistência ao fogo: Autoextinguível, em conformidade à norma IEC , exigido pela ABNT NBR parte 3; Resistência à névoa salina e intemperismo: Em exposição é resistente a mais de 120h, estando assim em conformidade com ISO 9227, ISO e ISO 105-A02, exigido pela NBR parte 3; Superfície: Antiestática e de fácil limpeza; Características químicas: Não radiativo, atóxico e isento de fósforo e chumbo; Garantia: Em condições normais de aplicação e limpeza adequadas, é proporcionada uma garantia de 5 anos. 8

9 Características do produto Marcação do sinal - uma garantia real para o mercado A norma ABNT NBR parte 3 estabelece que todos os elementos de sinalização devem ser identificados, de forma legível na face exposta, com a identificação do fabricante e as características de desempenho fotoluminescentes. Intensidade luminosa após 10 minutos (valor em mcd/m 2 ) Eficácia Intensidade luminosa após 60 minutos (valor em mcd/m 2 ) Autonomia do sinal (valor em minutos) Tonalidade de luz emitida pelo sinal na ausência de luz ambiente (W) - branco Cor em período de autonomia (K) - amarelo esverdeado Código de Cor Em atendimento às normas, em todos os sinais estão impressos a marca registrada e todas as informações necessárias de desempenho de uma sinalização fotoluminescente, permitindo ao usuário e às entidades fiscalizadoras constatar sua qualidade declarada. Só dessa maneira haverá um conhecimento e garantia da qualidade de que todo e qualquer sinal, e conseqüentemente, todo o processo de produção está em conformidade com as exigências normativas. A qualidade da sinalização e é garantida por um processo de controle de qualidade rigoroso, certificado pela Lloyd s Register. Os métodos de medição da fotoluminescência são realizados de acordo com as Normas ISO, NBR e DIN, em laboratório próprio. Todos os equipamentos são aferidos por laboratórios credenciados. 9

10 Sinalização de segurança fotoluminescente Instalação Escolha dos sinais e alturas de instalação A norma ABNT NBR define o uso de sinalização de segurança fotoluminescente. Os sinais de rotas de saída, emergência e equipamentos de combate a incêndio têm que ser fotoluminescentes e com pictogramas definidos pela norma. Obtém-se a melhor otimização de intensidade luminosa fotoluminescente de um sinal colocando-o o mais próximo possível das lâmpadas existentes, de preferência recebendo diretamente sua luz. Sinalização de rotas de saída É necessário assegurar que todos os usuários de uma edificação consigam sempre visualizar um sinal de rota de saída. Estes sinais pertencem ao sistema de sinalização de orientação e salvamento que é constituído por sinais normalizados, com cores, tamanhos e pictogramas definidos na norma ABNT NBR Devem estar assinaladas todas as portas de saída e mudanças de direção ou sentido (tanto horizontalmente como verticalmente) com os sinais instalados de forma que, chegando a um sinal seja, possível visualizar o seguinte e continuar assim até à saída final. Todos estes sinais devem estar instalados a uma altura superior a 1,8m. Como regra geral, a distância entre dois sinais de rotas de saídas não deve ser superior a 15m. Sinalização de equipamentos de combate a incêndio Os sinais de equipamentos de alarme e combate a incêndio devem ser instalados de modo que sejam visíveis de qualquer ponto e estão devidamente normalizados, com cores, tamanhos e pictogramas definidos na norma ABNT NBR Para que estejam sempre visíveis, mesmo na presença de multidões, devem ser instalados a uma altura superior a 1,8m. Deverá haver sinalização adicional (com setas indicando a localização do equipamento) quando houver obstáculos que impeçam a visualização direta da sinalização instalada por cima do equipamento. 10

11 Características do produto Escolha dos sinais e alturas de instalação Sinalização de proteção laboral A utilização destes sinais (alertas, proibições e obrigações) tem como objetivo prevenir e reduzir o número de situações de perigo e o risco de acidentes. Estes sinais devem ser instalados o mais próximo possível das áreas de risco e distribuídos de modo a que pelo menos um sinal seja sempre visível. As alturas de instalação devem variar dependendo se tratar de um sinal de âmbito geral (todo um galpão) ou de âmbito local (uma área específica). Por exemplo, numa área onde circulem empilhadeiras os sinais de alerta devem estar instalados nas portas de acesso a essa área e a uma altura elevada (superior a 1,8m) sinalização de âmbito geral. Se dentro dessa área houver um local específico onde se opere uma máquina que obrigue ao uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual), será necessário instalar sinalização à 1,6m ou no próprio equipamento referindo essa obrigação sinalização de âmbito local. Sinalização de galpões ou espaços amplos Este tipo de instalações tem normalmente uma configuração (layout) muito complicada e diversificada, não sendo possível uma solução padronizada. Deste modo, deve-se ter em consideração a maior distância de observação a que deverá ser visualizado o sinal, as várias direções de visualização a que deverá obedecer (ângulos de visualização) e as alturas de elementos construtivos ou temporários que possam dificultar ou impossibilitar a sua visualização. Em função destas variáveis se define o tamanho, o tipo e a altura de instalação. Normalmente, neste tipo de instalações são utilizados os sinais de grandes dimensões que permitem grandes distâncias de observação (pág. 19). 11

12 Sinalização de segurança fotoluminescente Instalação Medidas e distâncias de observação A dimensão dos sinais é definida pela distância máxima a que devem ser visualizados. Devem ter medidas adequadas às características das instalações onde serão instalados. As tabelas seguintes indicam as distâncias de observação dos sinais em função das suas dimensões, segundo as fórmulas mencionadas na norma brasileira ABNT NBR : Sinalização com símbolos (básica) L 2 Onde, A é a área do sinal, em metros quadrados; L é a distância do observador ao sinal, em metros. Sinalização com letras (complementar) h L 125 Onde, h é a altura da letra, em metros; L é a distância do observador ao sinal, em metros. Fórmula válida para distâncias superiores a 4m e inferiores a 50m Sinais Forma geométrica Medidas Distâncias de observação (metros) Sinais Forma geométrica Medidas Distâncias de observação (metros) Orientação, salvamento e equipamentos 80x80 100x x x x x x400 75x x x x x70 200x x x x85 300x x x x x x x x s/leitura Obrigação e proibição Alerta Forma geométrica h Medidas 200x x x x x x x x x x x x x x x x400 base 150 base x x300 h 20,0 23,7 30,2 29,1 40,9 37,9 62,1 120, Distâncias de observação (metros) h = altura das letra em sinais de textos 12

13 Características do produto Visualização da sinalização Para conseguir uma sinalização perfeita é necessário adequar as dimensões dos sinais às características da edificação e ao seu local de instalação. Nota: de acordo com a norma brasileira ABNT NBR , a distância de observação mínima que os sinais devem atender é de 4m. 7 9 Localização dos sinais nível superior e intermediário Sinal de extintor: A uma altura superior a 1,8m para que fique sempre visível, mesmo com a permanência de pessoas que impossibilitem a visualização direta do equipamento sinalização ao nível superior. Sinal de agente extintor: sinal a ser utilizado pelo utilizador do equipamento (extintor). Deve ser instalado a uma altura que permita uma perfeita interpretação dos sinais, por isso a 1,6m - sinalização de nível intermediário. A B 1,8m Área de leitura 1,6m Distância de observação 13

14 Sinalização de segurança fotoluminescente Instalação Tipos de fixação O ângulo de visualização que o sinal permite é o elemento principal para a escolha do tipo do sinal. Existem 4 tipos de fixação possíveis: Tipo 1 Sinalização de uma face para aplicação paralela à parede. Sinal apenas visível de frente. Suporte flexível consulte pág. 91. Tipo 2 Sinalização de duas faces para aplicação perpendicular à parede. Sinal apenas visível dos lados mas não de frente. Nota: O perfil para aplicação à parede será sempre aplicado do lado esquerdo do sinal, de acordo com a sua imagem do catálogo. Exemplo: na fig.1 o sinal é o B tipo 2. Na fig. 2 é o B tipo 2. Tipo 3 Sinalização de duas faces para aplicação suspensa no teto. Estes sinais são fornecidos com 2 furos para aplicação de cabos ou correntes de suspensão (não fornecidos). Tipo P Sinalização Panorâmica ou angular. Sinal de duas faces que garante o melhor ângulo de visualização, permitindo uma visualização de 180º. Sinal visível de frente e dos lados. 14

15 Orientação e salvamento Sinalização de rotas de saída e saída de emergência Uma rota de saída só está bem sinalizada quando se consegue identificar pelo menos um sinal a partir de qualquer local passível de ocupação. Deve assinalar as portas de emergência e todas as mudanças de nível (horizontal ou vertical). A norma ABNT NBR fixa que os sinais de portas de emergência devem ser localizados acima das portas e adicionalmente também instalados sinais nos corredores para que, chegando a um sinal, seja possível visualizar o seguinte, devendo estar distanciados entre si em um máximo de 15m. 120x x x300 B B De acordo com a norma ABNT NBR , todos os sinais fotoluminescentes devem ter uma marcação identificando o fabricante e o seu desempenho (ver pág. 9). Para sinais panorâmicos ver pág. 32. B B B B B B x70 B x x200 B B B B B B B B B B B B B B B B De acordo com a ABNT NBR , deve-se utilizar o sinal B para sinalizar as portas de saída. Devem-se utilizar os sinais B a B para sinalizar as mudanças de direção verticais. Estes sinais devem ser instalados na vertical do primeiro degrau da escada (1,8m) e no sentido correto da evacuação (subindo ou descendo e para a esquerda ou direita). B x x x x x300 B B B B B B

16 Sinalização de segurança fotoluminescente Orientação e salvamento Sinalização de rotas de saída com textos complementares 400x x200 De acordo com a norma ABNT NBR , a sinalização básica de rotas de saída (com pictogramas) pode ser complementada por textos sempre que se justifique. No entanto, a sinalização com textos (complementar) não substitui a básica. As palavras dos sinais são apresentadas em caixa alta e na fonte prescrita na norma ABNT NBR B B B B B B B B De acordo com a norma ABNT NBR , todos os sinais fotoluminescentes devem ter marcação identificando o fabricante e o seu desempenho (ver pág. 9). B B B B B B B B B B Para sinais panorâmicos ver pág. 32. B B

17 Orientação e salvamento Sinalização de rotas de saída para deficientes físicos A norma brasileira ABNT NBR define que se existirem rotas de saída específicas para uso de deficientes, estas devem ser sinalizadas para tal uso. A norma ABNT NBR especifica o símbolo a ser utilizado (igual ao da norma ISO 7001). Símbolo Internacional de Acessibilidade Norma ISO B B Sinal de escada a subir Sinal de subida de rampa para deficientes físicos Sinalização de acordo com os pictogramas da norma brasileira ABNT NBR x x x300 B B B B x x200 B B B B B B B B

18 Sinalização de segurança fotoluminescente Orientação e salvamento Sinalização de acordo com os pictogramas da norma brasileira ABNT NBR x x150 B B B B B B B B Sinalização de acordo com os pictogramas da Diretiva Européia 92/ 58/ EEC 240x x200 B B B B B B B B B B B B B B B B

19 Orientação e salvamento Sinalização especial para colunas A disposição horizontal dos símbolos dos sinais de rotas de saída apenas permite a utilização de sinais com reduzidas distâncias de observação (símbolos pequenos). A sinalização específica para colunas permite que o tamanho dos símbolos seja maior, garantindo uma maior distância de observação. 200x x400 Nota: a fotografia permite comparar o tamanho dos símbolos de um sinal de rotas de saída normal e um específico para colunas. B B B B B B B B Sinais de rotas de saída de grandes dimensões 800x600 B B B B B B B B B B Sinais que permitem uma grande distância de observação. Ideais para locais amplos como: supermercados; estacionamentos; galpões, etc. 19

20 Sinalização de segurança fotoluminescente Orientação e salvamento Sinalização do modo de abertura de portas 300x x200 B B x70 B x x300 B x240 B B x80 B B B B x x x300 B B B B B B B x x x400(*) (*) Também nesta medida PRESSIONE PARA ABRIR B B (*) B (*) B B B

21 Orientação e salvamento Sinalização do modo de abertura de portas 240x120 B B B B B B B Sinalização da moldura da porta de saída B x x x83 Ver capítulo Kits e acessórios pág. 84. Sinalização para corrimão Disponível em vinil fotoluminescente auto-adesivo de 0,2mm de espessura B x16 900x27 900x35 Ver capítulo Kits e acessórios pág. 86. Sinalização de Ponto de Encontro 120x x x300 B B B x x x400 B B B

22 Sinalização de segurança fotoluminescente Orientação e salvamento Sinalização de equipamentos de emergência 120x x x300 Para rápida identificação e utilização dos equipamentos de primeiros socorros, estes devem ser cuidadosamente sinalizados. B B B B B B x x x400 CHUVEIRO E LAVA-OLHOS DE EMERGÊNCIA B B B B Para pedir sinais panorâmicos ver pág.32. B B B B B B x x200 B B B B B B B B B B B B B B B B

23 Orientação e salvamento Sinalização para a identificação do número do pavimento A norma brasileira ABNT NBR define como sinalização básica a numeração do pavimento. No decorrer de uma evacuação garante a informação do número do pavimento, evitando situações de incerteza que podem levar ao pânico. Deve aplicar-se nas áreas de acesso aos pavimentos, nomeadamente no interior da caixa de escadas e elevadores. 75x x240 B B B B B B B B x100 B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B

24 Sinalização de segurança fotoluminescente Combate a incêndio e alarme Sinalização de extintores Integra o conjunto de sinalização básica, de acordo com a norma brasileira ABNT NBR e diversas legislações estaduais. Deve ser instalada a uma altura mínima de 1,8m e imediatamente acima do equipamento. 1200x x x83 B Ver capítulo Kits e acessórios pág x x x x400 Quando o extintor se encontrar instalado em uma face de um pilar, todas as faces visíveis do pilar devem ser sinalizadas ABNT NBR B B B x x x400 De acordo com a norma ABNT NBR , todos os sinais fotoluminescentes devem ter uma marcação identificando o fabricante e o seu desempenho (ver pág. 9). B B Consulte a páginas 32 e 34 para os sinais panorâmicos. B B B B B x x x600(*) (*) Também nesta medida Para numeração dos extintores, que facilita o registo no RGS de recargas, consultar a pág. 25. B B (*) B B B

25 Combate a incêndio e alarme Sinalização de agentes de extintor com numeração do equipamento. De acordo com as normas brasileiras NR 23 e ABNT NBR Sinais que permitem as identificações complementares dos extintores, possibilitando: - Identificação das classes de fogo nos quais os extintores são ou não eficientes; - Possibilita a identificação numérica, seja patrimonial seja sequencial. 240x85 Sinalizar o correto extintor a ser utilizado num princípio de incêndio poderá evitar danos materiais e vítimas. A identificação numérica do extintor permite: - O registro no Relatório Geral de Serviços (RGS) de manutenção e recargas, além de informar a numeração patrimonial; - A fácil reposição do equipamento no local de origem após serviço de recarga ou manutenção. Sinal com espaço destinado à numeração do equipamento. Permite a inclusão de 1 a 3 algarismos. B B B B B B B Deve ser incluída a numeração no sinal e no próprio extintor. Desta maneira, nunca haverá troca de equipamentos. B Folha A4 com 90 algarismos recortados. Duas folhas permitem identificar 20 a 24 extintores. 25

26 Sinalização de segurança fotoluminescente Combate a incêndio e alarme Sinalização de agentes de extintor 240x85 B B B B B B B

27 Combate a incêndio e alarme Sinal de extintor complementado com identificação do agente de extintor 150x200 B B B B B B B Este sinal deve ser apenas utilizado em locais onde o sinal fique a 1,8m. Se tiver que ser colocado mais alto, perde- -se a legibilidade da informação do agente de extintor. Nestes casos recomenda-se a separação dos sinais (ver páginas 25 e 26). 27

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA OBJETIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE, apresentando soluções disponíveis de possível aplicação.

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Sinalização de Segurança: a responsabilidade de salvar vidas

Sinalização de Segurança: a responsabilidade de salvar vidas Dezembro 2012 Sinalização de Segurança: a responsabilidade de salvar vidas O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam

Leia mais

Sinalização de Segurança

Sinalização de Segurança de Segurança Placas de Segurança As Placas Brady são feitas com material de alta qualidade e pictogramas intuitivos para garantir que a comunicação seja altamente visível e de fácil compreensão. As placas

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA PLANTA DE EMERGÊNCIA ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA QUAIS EDIFICAÇÕES OU ÁREAS DE RISCO DEVERÃO APRESENTAR AS PLANTAS DE SEGURANÇA? RESOLUÇÃO Nº 097, DE 04 DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011 Instrução Técnica nº 20/2011 - Sinalização de emergência 457 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB 1 NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB Sinalização de Segurança e Emergência Contra Incêndio e Pânico Publicada no Diário Oficial nº xx.xxx de xx de fevereiro de 2013. SUMÁRIO 1-Objetivo 2-Aplicação 3-Referências

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011 Instrução Técnica nº 20/2011 - Sinalização de emergência 457 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

NORMA TÉCNICA 20/2014

NORMA TÉCNICA 20/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 20/2014 Sinalização de Emergência SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Aplicação 3. Referências 4. Definições 5. Procedimentos

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

NPT 020 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

NPT 020 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 020 Sinalização de Emergência CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 38 páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 6 Objetivo Aplicação Referências Normativas

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão I - Símbolos da sinalização básica ANEXO B SIMBOLOGIA PARA A SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Os símbolos adotados por esta norma para sinalização de emergência são apresentados a seguir, acompanhados de exemplos

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Formas geométricas e dimensões para a sinalização de emergência 2 Aplicação B - Simbologia para sinalização de emergência 3 Referências Normativas

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL PORTARIA CBMERJ Nº 727 DE 09 DE ABRIL DE 2013

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL PORTARIA CBMERJ Nº 727 DE 09 DE ABRIL DE 2013 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL PORTARIA CBMERJ Nº 727 DE 09 DE ABRIL DE 2013 FIXA OS CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DE EXIGÊNCIAS DE ADEQUAÇÃO DE SEGURANÇA CONTRA

Leia mais

Recomendações de Segurança do Trabalho

Recomendações de Segurança do Trabalho Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores: Apresentação As recomendações aqui descritas

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

NORMA TÉCNICA N o 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA ANEXO XV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica fixa as condições exigíveis que devem satisfazer o sistema de sinalização

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

NPT 020 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

NPT 020 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 020 Sinalização de Emergência CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 37 páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 6 Objetivo Aplicação Referências Normativas

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Formas geométricas e dimensões para a sinalização de emergência 2 Aplicação B - Simbologia para sinalização de emergência 3 Referências Normativas

Leia mais

CATÁLOGO. Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente

CATÁLOGO. Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente CATÁLOGO Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente EMPRESA REGISTADA COM O N.º 1418 NA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL ÍNDICE EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA INSTRUÇÕES...3

Leia mais

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO RELACIONADOS AO NOVO DECRETO ESTADUAL DO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIO PERMANENTE Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo Alguns Números do CBPMESP

Leia mais

sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br

sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br índice Sinalização de alerta e proibição...04 Sinalização de orientação e salvamento...05 Sinalização de equipamentos e combate a incêndio...06

Leia mais

Sinalização de Segurança

Sinalização de Segurança Allianz Portugal. S.A. Portugal tel : +351 213 165 300 fax: +351 213 578 140 info@allianz.pt www.allianz.pt Sinalização de Segurança Direcção Negócio Empresa http://empresas.allianz.pt/riscos/brochuras.html

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00

INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00 INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00 Página 1 de 6 em 11 de outubro de 2001 Estabelece orientações e procedimentos na instalação de Corrimãos e Guarda-Corpos Em Vigor a Partir de 15 DE JUNHO DE 2000 Primeira

Leia mais

1º ADITIVO A ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 018/2013

1º ADITIVO A ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 018/2013 1 1º ADITIVO A ATA DE REGISTRO DE PREÇOS 018/2013 EDITAL DE LICITAÇÃO N.º 034/2013 MODALIDADE DE PREGÃO PRESENCIAL PROCESSO 2012 0058 7049 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES Aos 10 (dez) dias do mês de junho do

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal Sede: Rio de

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 Risco de incêndio 3 Símbolos 9 - Fatores de segurança 4 - Considerações

Leia mais

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1.

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO A sinalização de segurança tem por objectivo chamar a atenção

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2015 Instrução Técnica nº 20/2011 - Sinalização de emergência 457 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2015

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

NOV: 2004. Esta Norma, sob o título geral Sinalização de segurança contra incêndio e pânico, contém as seguintes partes:

NOV: 2004. Esta Norma, sob o título geral Sinalização de segurança contra incêndio e pânico, contém as seguintes partes: NOV: 2004 Projeto NBR 13434-3 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sinalização contra incêndio e pânico - Parte 3 - Requisitos e métodos de ensaio Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 /

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC)

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho Sinalização de Segurança As cores na segurança do trabalho Funções das cores na segurança Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA Rua São Luis nº 77 - Fone: (51) 3320.2100-90620 170 - Porto Alegre

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Sinalização de Emergência

Sinalização de Emergência SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições INSTRUÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS

NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS ANEXO XXVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS 1. OBJETIVOS 1.1 Estabelecer os requisitos mínimos necessários para a realização de eventos temporários

Leia mais

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015 Instrução Técnica nº 18/2011 - Iluminação de emergência 449 9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02.

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14022 EMENDA 1 20.02.2009 Válida a partir de 20.03.2009 Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros Accessibility in vehicles

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre normas de segurança essenciais ao funcionamento de boates, casas de show e similares, e define requisitos a serem observados para concessão de alvará a

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio;

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio; 3.1 Disposições gerais. 3.1.1 Todas as empresas deverão possuir: NR 3 - Proteção Contra Incêndios (13.000-0) a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS NR 3 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS 3. Disposições gerais. 3.. Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança contra Incêndio REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 PRESENÇA DO CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Sinalização de Emergência

Sinalização de Emergência SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2004 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

Sinalização de Segurança e Saúde

Sinalização de Segurança e Saúde 1) Introdução No mundo do trabalho, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os trabalhadores dos vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindoos a atitudes preventivas

Leia mais

ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO

ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO CÓDIGOS E SÍMBOLOS ESPECÍFICOS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SINALIZAÇÃO DE

Leia mais

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE ESTRUTURAS ESCADAS E RAMPAS Definição de Escada Série de degraus para subiredescer Dicionário Aurélio Construção formada por uma série de degraus, destinadas a ligar locais com diferenças de

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA HSST Higiene Segurança e Saúde no Trabalho SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA IvoTeixeira 06 Operador de Informática Introdução do trabalho Sendo este trabalho proporcionado pela professora de HSST para realizar

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais