SEGURANÇA PATRIMONIAL E OPERACIONAL RD N : 16 DATA DE EMISSÃO 12/08/1999

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA PATRIMONIAL E OPERACIONAL RD N : 16 DATA DE EMISSÃO 12/08/1999"

Transcrição

1 NP- AD de 5 Índice: 1 DO OBJETIVO DA ÁREA DE APLICAÇÃO DAS DEFINIÇÕES DAS SIGLAS DOS CONCEITOS DAS RESPONSABILIDADES DA DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA O EXERCÍCIO DA FUNÇÃO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL E OPERACIONAL PARA O CONTROLE DE VEÍCULOS E EQUIPAMENTOS DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS ANEXOS FORMULÁRIO CONTROLE DE BENS OM-C CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO ALTERAÇÕES DATA DA REVISÃO ELABORADO 01 Padronização cf. NP-AD-001 e atualização dos procedimentos 22/5/2009 O&M ELABORADO O&M CONFERIDO COJUR ÁREA RESPONSÁVEL - Segurança Patrimonial e Operacional

2 2 de 5 A Diretoria da CEAGESP - COMPANHIA DE ENTREPOSTOS E ARMAZÉNS GERAIS DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições estatutárias e regulamentares, resolve: 1 DO OBJETIVO Dar cumprimento às Leis Federais nºs 7.102, de 20/06/1983, , de 22/12/2003, e , de 29/12/2003; à Lei Estadual nº , de 03/12/2002; ao Decreto Federal nº , de 24/11/1983; às Portarias nºs 891, de, 346, de 03/08/2006, 387, de 28/08/2006, do Departamento de Polícia Federal e às Portarias nºs 029-DMB, de 28/10/1999 e 18-D LOG, de 19/12/2006 do Exército Brasileiro. 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica às áreas da CEAGESP, da Matriz e Interior, que exerçam o Serviço Orgânico de Segurança. 3 DAS DEFINIÇÕES 3.1 DAS SIGLAS a) DEPEC Departamento de Entrepostos da Capital b) SESEG Seção de Segurança Patrimonial e Operacional c) DPF Departamento de Polícia Federal d) ANATEL Agência Nacional de Comunicações 3.2 DOS CONCEITOS 1. A Segurança Patrimonial e Operacional da CEAGESP, nos termos da legislação vigente, denomina-se Serviço Orgânico de Segurança. 2. Conceitualmente, o Serviço Orgânico de Segurança resume-se naquele prestado por vigilantes integrantes do quadro de empregados da própria empresa, exercida dentro das instalações da empresa, não podendo abranger calçadas, ruas e demais vias públicas. 3. O Alvará de Funcionamento e o Certificado de Segurança concedidos pelo DPF; o Certificado de Autorização de Funcionamento de Segurança Orgânica junto ao Departamento de Identificação e Registros Diversos, da Secretaria de Segurança Pública e o Certificado de Cadastro junto ao Comando Militar do Sudeste, do Exército Brasileiro, todos com atualização anual, são condições para o exercício do Serviço Orgânico de Segurança. 4. As relações de empregados contratados e dispensados, de armas, munições e coletes à prova de bala; a relação de veículos comuns e especiais, caso existam; a relação dos postos de serviço e a relação de todos os seus estabelecimentos serão atualizadas mensalmente junto ao DPF. 5. As alterações dos atos constitutivos da empresa referentes à razão social, quadro societário, endereço e responsável pelo setor de segurança serão razão de comunicação prévia ao DPF. 3.3 DAS RESPONSABILIDADES A responsabilidade pela regularização de todos os assuntos ligados à Segurança Patrimonial e Operacional no ETSP é de responsabilidade do Chefe da SESEG Seção de Segurança Patrimonial e Operacional, vinculada ao DEPEC e, nas Unidades da Capital, Interior e Litoral a responsabilidade é dos Gerentes e Encarregados de Escritório. - Segurança Patrimonial e Operacional 2

3 3 de 5 4 DA DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS 4.1 PARA O EXERCÍCIO DA FUNÇÃO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL E OPERACIONAL 1. O empregado que exerce ou venha a exercer a função de Segurança Patrimonial e Operacional na CEAGESP deverá possuir formação no curso de vigilante realizado por empresa devidamente autorizada. 2. Os cursos de formação, extensão e reciclagem são válidos por 2 (dois) anos, após o quê os vigilantes deverão ser submetidos ao curso de reciclagem. 3. Os exames de saúde física e mental e de aptidão psicológica serão renovados por ocasião da reciclagem do vigilante. 4. O uniforme do vigilante, fornecido pela CEAGESP, é de uso obrigatório e exclusivo ao exercício da função. 5. A plaqueta de identificação do vigilante é parte integrante do uniforme e será autenticada pela Empresa, com validade de 6 (seis) meses e nela deverão constar nome completo, número da Carteira Nacional de Vigilante e fotografia colorida no tamanho 3 X O porte de arma em serviço será permitido somente no âmbito da CEAGESP e aos vigilantes cadastrados junto ao DPF, com curso de vigilante e reciclagens posteriores atualizadas. 7. A CNV - Carteira Nacional do Vigilante será de uso obrigatório pelo vigilante quando em serviço e nela deverão constar os dados de identificação e as atividades para as quais está habilitado. 8. A CNV deverá ser requerida pela CEAGESP, por meio dos responsáveis pela Segurança Patrimonial e Operacional, junto ao DPF que a expedirá com a validade de 4 (quatro) anos, findo os quais deverá ser providenciando, no prazo de até 60 (sessenta) dias antes do vencimento, o pedido de renovação da carteira. 4.2 PARA O CONTROLE DE VEÍCULOS E EQUIPAMENTOS 1. As armas utilizadas pela Segurança Patrimonial e Operacional deverão ser registradas no DPF. 2. A validade do registro das armas junto ao DPF é de 3 (três) anos, findo os quais caberá aos responsáveis pela Segurança Patrimonial e Operacional as providências necessárias a sua renovação. 3. As armas deverão permanecer em lugar seguro, preferencialmente em cofre, quando não estiverem em uso. 4. O controle do uso das armas será realizado por meio do formulário Controle de Bens OM- C-066 (ver 6.1) e do Livro de Registro e Controle de Armas e de Munições. 5. A Segurança Patrimonial e Operacional deverá manter para cada arma registrada, no mínimo, 2 (duas) e, no máximo, 3 (três) cargas completas de munição para cada calibre as quais deverão ser usadas novas, obrigatoriamente, não sendo permitida recarregá-las. 6. Os responsáveis pela Segurança Patrimonial e Operacional deverão providenciar junto ao DPF a homologação dos Termos de Abertura dos Livros de Registro e Controle de Armas e de Munições. - Segurança Patrimonial e Operacional 3

4 4 de 5 7. Os coletes à prova de balas deverão ser adquiridos pela CEAGESP, por solicitação da Segurança Patrimonial e Operacional e mediante autorização do DPF. 8. Os coletes à prova de balas deverão, quando fora de uso, ser guardados em local seguro e de acesso restrito a pessoas estranhas e não autorizadas. 9. A Segurança Patrimonial e Operacional deverá efetuar os controles necessários para que os coletes à prova de balas com o prazo de validade expirado não sejam utilizados ou recondicionados, providenciando, neste caso, a destruição dos mesmos. 10. As ocorrências de furto, roubo, perda e extravio das armas, munições ou coletes à prova de balas, bem como a recuperação dos mesmos, deverão ser comunicadas pelos responsáveis pela Segurança Patrimonial e Operacional, por qualquer meio hábil, ao DPF no prazo de até 24 (vinte e quatro) horas do evento. 11. As viaturas ou veículos utilizados na ronda poderão ser da frota da CEAGESP ou locados sendo que, em ambos os casos, deverão ser identificados com o logotipo da CEAGESP e com a informação SEGURANÇA. 12. A freqüência de rádio comunicação utilizada pela Segurança Patrimonial e Operacional deverá ser registrada na ANATEL cuja renovação é anual. 13. No caso acima, os responsáveis pela Segurança Patrimonial e Operacional deverão providenciar a renovação da autorização de utilização junto a ANATEL e os controles, por meio do formulário Controle de Bens OM-C-066 (ver 6.1), da distribuição e uso dos equipamentos de rádio comunicação. 5 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Esta Norma entra em vigor na data de sua aprovação, revogando todas as disposições em contrário. - Segurança Patrimonial e Operacional 4

5 NP- AD de 5 6 DOS ANEXOS 6.1 FORMULÁRIO CONTROLE DE BENS OM-C-066 IDENTIFICAÇÃO DO BEM: CONTROLE DE BENS Nº DA FOLHA: / USUÁRIO RETIRADA DEVOLUÇÃO NOME VISTO DATA HORA PLANTÃO VISTO DATA HORA PLANTÃO VISTO OM-C Segurança Patrimonial e Operacional 5

BOLETIM INFORMATIVO nº 15/2016 DEPARTAMENTO DE CONTRATOS DO IFSC

BOLETIM INFORMATIVO nº 15/2016 DEPARTAMENTO DE CONTRATOS DO IFSC BOLETIM INFORMATIVO nº 15/2016 DEPARTAMENTO DE CONTRATOS DO IFSC FISCALIZAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA PARTE II A PORTARIA Nº 3.233/2012-DG/DPF, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2012, da Direção Geral do Departamento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2005 Estabelece normas para o funcionamento de empresas privadas que exploram os serviços de vigilância comunitária de áreas residenciais. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

ANEXO II APÊNDICE A FICHA DE REGISTRO DE ARMA DE FOGO ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESCALÃO INTERMEDIÁRIO UNIDADE INFORMAÇÕES DA ARMA.

ANEXO II APÊNDICE A FICHA DE REGISTRO DE ARMA DE FOGO ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESCALÃO INTERMEDIÁRIO UNIDADE INFORMAÇÕES DA ARMA. ANEXO II APÊNDICE A FICHA DE REGISTRO DE ARMA DE FOGO INFORMAÇÕES DA ARMA Nome NÚMERO DE SÉRIE DA ARMA MARCA DA ARMA ESPÉCIE DE ARMA NOME DO MODELO CALIBRE CAPACIDADE DE CARTUCHOS TIPO DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Anexo I, da Portaria nº 142/2014

Anexo I, da Portaria nº 142/2014 Anexo I, da Portaria nº 142/2014 MANUAL DE USO DO CADASTRO DE VEÍCULOS DE DIVULGAÇÃO DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (Midiacad) Conteúdo OBJETIVO:... 2 USUÁRIOS DO MIDIACAD:...

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação. I. Portarias da Presidência... 05

SUMÁRIO. Apresentação. I. Portarias da Presidência... 05 SUMÁRIO Apresentação I. Portarias da Presidência... 05 SEPARATA DO BOLETIM DE SERVIÇO Nº 07 ANO XXIV Abril - 2011 APRESENTAÇÃO Esta Separata do Boletim de Serviço destina-se a publicação de atos oficiais

Leia mais

TÍTULO I DO USO DA ARMA DE FOGO

TÍTULO I DO USO DA ARMA DE FOGO DECRETO nº 510, de 22 de maio de 2015. Regulamenta o uso de arma de fogo de calibre permitido pelo Guarda Municipal de Contagem e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM, no uso de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / Av. Cel. Martiniano, 993 Centro COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / Av. Cel. Martiniano, 993 Centro COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO EDITAL DE INSCRIÇÃO E/OU RENOVAÇÃO A na forma do art. 34, 1 da Lei n 8.666/93, torna público que para fornecimento de materiais e prestações de serviços ao Município de Caicó / RN, os interessados deverão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA ASSESSORIA PARA DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Biblioteca Universitária

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA ASSESSORIA PARA DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Biblioteca Universitária Regulamento do Serviço de Empréstimo entre Bibliotecas Externas (SEEBE/UFLA) Art. 1. O presente regulamento dispõe sobre o funcionamento do Serviço de Empréstimo entre Bibliotecas Externas, doravante denominado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO II

REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO II REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO I Disposições Gerais Introdução O presente regulamento tem como objetivo, regulamentar o trânsito de veículos de qualquer natureza, máquinas e ciclistas, na área

Leia mais

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

*PORTARIA N.º 1.883/2013-TJ, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013

*PORTARIA N.º 1.883/2013-TJ, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 *PORTARIA N.º 1.883/2013-TJ, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre a emissão da carteira de identidade funcional dos magistrados e servidores e regulamenta a utilização dos crachás de credenciamento de

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA EXERCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGISTICO (D Log / 2000)

MINISTERIO DA DEFESA EXERCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGISTICO (D Log / 2000) 14-11 MINISTERIO DA DEFESA EXERCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGISTICO (D Log / 2000) PORTARIA N2 D LOG, DE /,rte DE JULHO DE 2008 Regulamenta o inciso VI do art. 12 do Decreto n 5.123/04, sobre a atividade

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS RESOLUÇÃO Nº 003/2007 DP/SUSER Estabelece e regulamenta o Programa de Estacionamento Especial para pessoas com deficiência e dificuldade de locomoção e dá outras providências O DIRETOR PRESIDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO LOGÍSTICO DEPARTAMENTO MARECHAL FALCONIERI

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO LOGÍSTICO DEPARTAMENTO MARECHAL FALCONIERI MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO LOGÍSTICO DEPARTAMENTO MARECHAL FALCONIERI PORTARIA Nº 61 - COLOG, DE 15 DE AGOSTO DE 2016. EB: 0001019.00009198/2016-60 Altera a Portaria nº 51- COLOG,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL Rev./ VALEC INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA Rev. / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 16 2 17 3 18 4 19 5 20 6 21 7 22 8 23 9 24 10 25 11 26 12 27 13 28 14 29 15 30 Rev. DATA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Registros Presencial: 02-dias (certidão) e 15 dias (carteirinha ou certificado). Certidões Imediata Alteração contratual 05 dias úteis Cancelamento de Registro

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre escritório de representação, no País, de ressegurador admitido, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no

Leia mais

Fatec Ipiranga EDITAL DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA - FATEC IPIRANGA N.º 06/ 2015 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2015.

Fatec Ipiranga EDITAL DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA - FATEC IPIRANGA N.º 06/ 2015 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2015. EDITAL DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA - FATEC IPIRANGA N.º 06/ 2015 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2015. O Diretor da Faculdade de Tecnologia do Ipiranga FATEC IPIRANGA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Migração de Pacotes Vivo HDTV

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Migração de Pacotes Vivo HDTV REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Migração de Pacotes Vivo HDTV Esta Promoção é realizada pela Vivo. A Promoção decorre de oferta do serviço de TV por Assinatura, nas seguintes condições: 1. Das Definições Para

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 806/12

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 806/12 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 806/12 Dispõe sobre a Carteira de Identidade de Membros e a Carteira de Identidade Funcional de Servidores, no âmbito do Tribunal

Leia mais

(CONTINUAÇÃO) (CONTINUAÇÃO) CURSOS AVSEC O objetivo principal é a segurança da aviação civil contra atos de interferência ilícita. TODOS devem possuir algum dos tipos de curso AVSEC. O tipo de curso

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA. *Ver Decreto /2008

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA. *Ver Decreto /2008 ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA REVOGADA PELA PORTARIA GASEC Nº 396/2008, de 15/12/2008 *Ver Decreto 13.500/2008 PORTARIA GASEC Nº 072/98 Teresina, 03 de abril de

Leia mais

III - apresentar original e cópia, ou cópia autenticada, de documento de identificação pessoal;

III - apresentar original e cópia, ou cópia autenticada, de documento de identificação pessoal; Decreto nº 6.715 (DOU de 29/12/08) Obs.: Ed.Extra Altera o Decreto nº 5.123, de 1º/07/04, que regulamenta a Lei nº 10.826, de 22/12/03, que dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 O que são vasos e caldeiras para fins de aplicação da NR 13? Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004. Dispõe sobre a regulamentação para a realização

Leia mais

RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 RESOLVE

RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 RESOLVE INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 Dispõe sobre a Certificação do Atuário Responsável Técnico e do Atuário Independente O Instituto Brasileiro de Atuária - IBA, por decisão de sua

Leia mais

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015. GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA- SEJUSP/MS AGÊNCIA ESTADUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA PENITENCIÁRIO-AGEPEN/MS PORTARIA AGEPEN Nº 4, DE 6 DE

Leia mais

NOME ou RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA:

NOME ou RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: NOME ou RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE PUBLICIDADE(PLACA, TOTEM, OUTDOOR) DOCUMENTOS APRESENTADOS SIM NÃO N.A* 1 Requerimento solicitando autorização para publicidade,

Leia mais

RETIFICAÇÃO/RATIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO PMB 01/2013

RETIFICAÇÃO/RATIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO PMB 01/2013 RETIFICAÇÃO/RATIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO PMB 01/2013 A Prefeitura Municipal de Barueri torna público a presente Retificação do Edital do Concurso Público PMB 01/2013, publicado 23 de março de 2013,

Leia mais

Prefeitura de RIO POMBA ESTADO DE MINAS GERAIS

Prefeitura de RIO POMBA ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº 024/2013, de 04 de março de 2013. Dispõe sobre o recadastramento obrigatório do Servidor Público Municipal, ativo e inativo, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Rio Pomba, no

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, no uso da atribuição

Leia mais

SALÃO IMOBILIÁRIO ADEMI 2005 REGULAMENTO GERAL

SALÃO IMOBILIÁRIO ADEMI 2005 REGULAMENTO GERAL SALÃO IMOBILIÁRIO ADEMI 2005 REGULAMENTO GERAL SALÃO IMOBILIÁRIO ADEMI 2005 ESTE REGULAMENTO GERAL É PARTE INTEGRANTE DO CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO FIRMADO PELA EMPRESA EXPOSITORA QUE SE OBRIGA A RESPEITAR

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Revisão I 27/02/2007 ELETROBRÁS/PROCEL DTD DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

Considerando: Resolve:

Considerando: Resolve: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO CEPE/IFSC

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE GABINETE DO REITOR P O R T A R I A N

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE GABINETE DO REITOR P O R T A R I A N SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE GABINETE DO REITOR P O R T A R I A N regulamenta a adoção da flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N 01/2016 PROAD

ORDEM DE SERVIÇO N 01/2016 PROAD ORDEM DE SERVIÇO N 01/2016 PROAD O Pró-Reitor de Administração da Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, divulga o

Leia mais

CONVERSANDO COM A SET

CONVERSANDO COM A SET Departamento de Outorgas CONVERSANDO COM A SET Patrícia Ávila / William Ivo Brasília, agosto de 2012 REGULAMENTO DO SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO E RTV/RpTV Decreto nº 7.670, de 2012 Análise mais rigorosa da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 475, DE 14 DE ABRIL DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E O MINISTRO DE

Leia mais

CARTA DE CAÇADOR. A carta de caçador pode ser emitida a favor dos requerentes que reunam simultaneamente as seguintes condições :

CARTA DE CAÇADOR. A carta de caçador pode ser emitida a favor dos requerentes que reunam simultaneamente as seguintes condições : CARTA DE CAÇADOR INDÍCE Requisitos para obter carta de caçador Especificações Validade Concessão, renovação, 2.ºs vias e alteração de dados Quando requerer Renovação de cartas de caçador emitidas antes

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA POLÍTICA DE CERTIFICAÇÃO VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA Elaborado pelo Oficial de Compliance: Misak Pessoa Neto Data: 10/02/2016 Versão: 1.0 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ÁREAS RESPONSÁVEIS... 3 3.

Leia mais

Art. 1º Fica instituído o Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública - CTISP. 1º O Corpo será constituído por:

Art. 1º Fica instituído o Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública - CTISP. 1º O Corpo será constituído por: LEI Nº 13.718, de 02 de março de 2006 Dispõe sobre o Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública no Estado. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, Faço saber a todos os habitantes deste Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008 Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Parágrafo Quarto O aplicativo para registro das batidas não permitirá:

Parágrafo Quarto O aplicativo para registro das batidas não permitirá: CLÁUSULA PRIMEIRA DO SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO - O Banco do Nordeste adotará, para registro e controle de frequência dos seus empregados, um sistema de ponto eletrônico, nos termos da Portaria nº 373/2011,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SEÇÃO I MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GERÊNCIA-GERAL DE FISCALIZAÇÃO ESCRITÓRIO REGIONAL NA BAHIA DESPACHOS DO GERENTE O GERENTE DO ESCRITÓRIO REGIONAL DA BAHIA E SERGIPE DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES,

Leia mais

Foto Clube São Vicente O Frame. Regimento Interno

Foto Clube São Vicente O Frame. Regimento Interno Capítulo I Do Regimento Interno Foto Clube São Vicente O Frame Regimento Interno Art.1º - O presente Regimento Interno tem por finalidade estabelecer normas para participação dos cursos, oficinas, workshops

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 99 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008(*) Dispõe sobre controle de importações e exportações de substâncias

Leia mais

TÍTULO: MOVIMENTAÇÃO DE CARGA E DESCARGA DE MERCADORIAS COM EMPILHADEIRAS DATA DE EMISSÃO: 27/07/2015

TÍTULO: MOVIMENTAÇÃO DE CARGA E DESCARGA DE MERCADORIAS COM EMPILHADEIRAS DATA DE EMISSÃO: 27/07/2015 1 de 9 Índice: 1 DO OBJETIVO... 2 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO... 2 3 DAS DEFINIÇÕES... 2 3.1 DAS SIGLAS... 2 3.2 DOS TIPOS DE EQUIPAMENTOS... 2 3.3 DAS OPERAÇÕES COM EMPILHADEIRAS OU PALETEIRAS... 2 3.4 DOS

Leia mais

Demetrius Oliveira Presidente Gestão 2013/2017. QGEx - Departamento de Ciência e Tecnologia SMU - Bloco G - 3º piso Brasília/DF

Demetrius Oliveira Presidente Gestão 2013/2017. QGEx - Departamento de Ciência e Tecnologia SMU - Bloco G - 3º piso Brasília/DF Demetrius Oliveira Presidente Gestão 2013/2017 QGEx - Departamento de Ciência e Tecnologia SMU - Bloco G - 3º piso Brasília/DF Apresentação Institucional CBTP Confederação Brasileira de Tiro Prático Novo

Leia mais

MEDIDAS DE SEGURANÇA FÍSICA E ELETRÔNICA EM DEPÓSITOS DE EMPRESAS QUE TRABALHAM COM PRODUTOS CONTROLADOS PELO EXÉRCITO

MEDIDAS DE SEGURANÇA FÍSICA E ELETRÔNICA EM DEPÓSITOS DE EMPRESAS QUE TRABALHAM COM PRODUTOS CONTROLADOS PELO EXÉRCITO MEDIDAS DE SEGURANÇA FÍSICA E ELETRÔNICA EM DEPÓSITOS DE EMPRESAS QUE TRABALHAM COM PRODUTOS CONTROLADOS PELO EXÉRCITO (PARA AMPLA DIVULGAÇÃO AO PÚBLICO EM GERAL) Com o intuito de padronizar os procedimentos

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ POLÍCIA MILITAR DO PIAUÍ GABINETE DO COMANDO GERAL

ESTADO DO PIAUÍ POLÍCIA MILITAR DO PIAUÍ GABINETE DO COMANDO GERAL POLÍCIA MILITAR DO PIAUÍ GABINETE DO COMANDO GERAL PORTARIA Nº 114, DE 08 DE MARÇO DE 2016. Altera a Portaria n 129/2006-GCG, de 06/06/2006, referente às normas de aquisição, registro, transferência, cadastro,

Leia mais

RESOLUÇÃO 020/2016 CEPE/UNESPAR

RESOLUÇÃO 020/2016 CEPE/UNESPAR Aprova o Regulamento do Regime de Trabalho de Tempo Integral e Dedicação Exclusiva TIDE aos docentes da Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR. Considerando a necessidade de regulamentação do regime

Leia mais

Kimonos Torah Programa de fidelidade

Kimonos Torah Programa de fidelidade REGULAMENTO DO PROGRAMA FAXIA PRETA KIMONOS TORAH VERSÃO_4 JUN/2016 I DO PROGRAMA FAIXA PRETA - KIMONOS TORAH 1.1. O objetivo do PROGRAMA FAIXA PRETA - KIMONOS TORAH ( PROGRAMA ) é conceder benefícios

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA C.N.P.J / Rua 15 de Novembro, 08 Centro, CEP Utinga - BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA C.N.P.J / Rua 15 de Novembro, 08 Centro, CEP Utinga - BA 2 LEI Nº 356, DE 28 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA O Prefeito Municipal de UTINGA-BAHIA,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Júlio de Castilhos

Prefeitura Municipal de Júlio de Castilhos DECRETO Nº 5.197, DE 21 DE AGOSTO DE 2013. Dispõe sobre o uso das vagas de estacionamento nas vias e logradouros do Município de Júlio de Castilhos destinadas aos idosos e às pessoas com deficiência que

Leia mais

PORTARIA Nº 092, DE 31 DE MARÇO DE 2016.

PORTARIA Nº 092, DE 31 DE MARÇO DE 2016. PORTARIA Nº 092, DE 31 DE MARÇO DE 2016. Dispõe sobre a obrigatoriedade de recadastramento anual de aposentados e pensionistas que integram a folha de pagamento de pessoal do Instituto de Previdência Social

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 2 DE 3 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta o porte de arma de fogo para os servidores que exercem funções de segurança no Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE

Leia mais

DECRETO Nº DE 26 DE JANEIRO DE 2017 (DOERJ 27/01/2017)

DECRETO Nº DE 26 DE JANEIRO DE 2017 (DOERJ 27/01/2017) DECRETO Nº 45.895 DE 26 DE JANEIRO DE 2017 (DOERJ 27/01/2017) REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI ESTADUAL Nº 5.628, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2009, ALTERADA PELA LEI ESTADUAL Nº 7.506, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016,

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto aprovado pelo Decreto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA. Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional.

RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA. Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional. RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional. Procedimentos para registro, baixa, cancelamento e anulação da ART e registro do Atestado

Leia mais

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 O Diretor da Faculdade de Tecnologia de São Roque no uso de suas atribuições legais torna público que estão abertas as inscrições para participação

Leia mais

PROCEDIMENTO CADASTRAL

PROCEDIMENTO CADASTRAL PROCEDIMENTO CADASTRAL SERVIÇOS DE LIMPEZA CONTROLE DE PRAGAS COLETA, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS COLETA, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE PILHAS E BATERIAS COLETA, TRANSPORTE DESCONTAMINAÇÃO E DESTINAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014

PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014 PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP, no uso das atribuições que

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC

HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC PROCEDIMENTO GERÊNCIA DE LOGÍSTICA DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Data de Aprovação: 11.10.2006 Doc. de Aprovação:Res. nº 4720/2006 HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC SUMÁRIO 1- OBJETIVO...02 2-

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS PORTARIA 02/2007 28 de junho de 2007 (republicação) Dispõe sobre a emissão, via internet, de CERTIDÃO NEGATIVA, CERTIDÃO POSITIVA COM EFEITO DE CERTIDÃO NEGATIVA, CERTIDÃO NEGATIVA DE TRIBUTOS VINCULADA

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre a criação de Acervos Técnicos de Pessoas

Leia mais

Saiba Mais. Perguntas frequentes 15/

Saiba Mais. Perguntas frequentes 15/ Saiba Mais Perguntas frequentes 15/08 2015 1) O que é o recadastramento das armas de fogo? A Lei 10.826/2003, conhecida como o Estatuto do Desarmamento, prevê em seu art. 5º, 3º que o proprietário de arma

Leia mais

Declaração para solicitação de ISENÇÃO de ICMS na Nota Fiscal / Conta de energia elétrica de unidade consumidora rural no Estado de São Paulo.

Declaração para solicitação de ISENÇÃO de ICMS na Nota Fiscal / Conta de energia elétrica de unidade consumidora rural no Estado de São Paulo. / Conta de energia elétrica de unidade consumidora rural no Estado de São Paulo. DADOS DO CONSUMIDOR Nome: Seu Código Venho por esta requerer a isenção do ICMS na Nota Fiscal / Conta de energia elétrica,

Leia mais

ASSUNTO: Encaminhamento de minuta de inclusão de cautela de arma de fogo aos AEVPs

ASSUNTO: Encaminhamento de minuta de inclusão de cautela de arma de fogo aos AEVPs OFÍCIO Nº 082/2014 Campinas, 12 de Agosto de 2014. AO EXMO. SENHOR DR. LOURIVAL GOMES SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASSUNTO: Encaminhamento de minuta de inclusão de cautela

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 4050

PROJETO DE LEI Nº. 4050 PROJETO DE LEI Nº. 4050 Institui o Centro de Especialidades Odontológicas CEO Tipo 2, dispõe sobre a contratação temporária de pessoal, nos termos da Lei Municipal nº. 2.854/2011 e do art. 37, IX, da Constituição

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99 Fixa normas para o reconhecimento da equivalência de estudos da Educação Básica e Profissional realizados no exterior, revalidação

Leia mais

EDITAL DE BOLSA DO PROJETO MILTON SANTOS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ( PROMISAES) 2013

EDITAL DE BOLSA DO PROJETO MILTON SANTOS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ( PROMISAES) 2013 EDITAL DE BOLSA DO PROJETO MILTON SANTOS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ( PROMISAES) 2013 A Pró-Reitoria de Graduação - PRG e a - DAE, no uso de suas atribuições, em conformidade com o disposto na Portaria

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais,

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais, DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014 DECRETA: Aprova a Instrução Normativa SPA nº. 01/2014 na Versão 001 do Controle Interno da Câmara Municipal de Paranatinga e dá outras Providências. O Presidente da Câmara

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 10 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT.28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

DECRETO Nº Art. 2º - Nenhum anúncio ou veículo poderá ser exposto ao público ou mudado de local sem prévia autorização do Município.

DECRETO Nº Art. 2º - Nenhum anúncio ou veículo poderá ser exposto ao público ou mudado de local sem prévia autorização do Município. DECRETO Nº 12.590 Regulamenta a Lei nº 8279/99, quanto ao uso do Mobiliário Urbano com inserção de publicidade e a utilização de Veículos Publicitários, e dá outras providências. Art. 1º - A instalação

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL O desporto e a actividade física são elementos que contribuem para o bem-estar, para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos. Assim,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO VELHO PODER LEGISLATIVO DIRETORIA LEGISLATIVA Rua Belém, nº. 139, Embratel - Cep: Fone:

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO VELHO PODER LEGISLATIVO DIRETORIA LEGISLATIVA Rua Belém, nº. 139, Embratel - Cep: Fone: LEI Nº. 1.959/2011 DE 29 DE SETEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de geradores de energia elétrica por parte dos hospitais, maternidades, prontos socorros, policlínicas e estabelecimentos

Leia mais

Portaria n.º 43/2008

Portaria n.º 43/2008 Portaria n.º 43/2008 Dispõe sobre a documentação necessária para abertura de processos administrativos para solicitação, renovação e alteração de Licença Sanitária de farmácias e drogarias no Estado do

Leia mais

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS Laboratórios da Área da Informática Política de Manutenção e Aquisição de Equipamentos Laboratórios da Área de Informática Universidade Anhembi Morumbi

Leia mais

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 12 Aprovar as normal reguladoras da fabricacao, importacao de replicas e simulacros de arma de logo e armas de pressao.

Art. 12 Aprovar as normal reguladoras da fabricacao, importacao de replicas e simulacros de arma de logo e armas de pressao. MINISTERIO DA DEFESA EXERCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGISTICO (D Log / 2000) PORTARIA N p - D LOG, DE -29 DE NOVEMBRO DE 200' Regulamenta o art. 26 da Lei n 10.826/03, sobre replicas e simulacros de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL RESOLUÇÃO CONJUNTA N o 4, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o preço de referência para o compartilhamento de postes

Leia mais

PORTARIA Nº 26 /2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ UVA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

PORTARIA Nº 26 /2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ UVA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, PORTARIA Nº 26 /2015 Institui o Regulamento Interno do Sistema de Bibliotecas da Universidade Estadual Vale do Acaraú-UVA O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ UVA, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº , de 5 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº , de 5 de junho de 2001; ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº /06 DATA: /10/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia

Conselho Federal de Farmácia RESOLUÇÃO Nº 517 DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009 Ementa: Dispõe sobre a inscrição e carteira profissional do técnico de nível médio e assemelhados, e dá outras providências. O Presidente do CONSELHO FEDERAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (SICONV) e revoga a Instrução Normativa nº 11,

Leia mais

Sistema COPAL Controle da Pesquisa Paleontológica

Sistema COPAL Controle da Pesquisa Paleontológica DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO - DIFIS Sistema COPAL Controle da Pesquisa Paleontológica Manual do Usuário Brasília, Julho de 2015. COPAL Controle da Pesquisa Paleontológica

Leia mais

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO de Controle de Pedidos Versão 2.0 DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO Página 2 / 8 de Controle de pedidos HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 25/09/2010 1.0 Elaboração do Documento Bruno Mota

Leia mais

A remuneração do funcionário que executar trabalho noturno será acrescida de 25% a título de gratificação.

A remuneração do funcionário que executar trabalho noturno será acrescida de 25% a título de gratificação. Trabalho Noturno Conceito É o trabalho prestado pelo servidor público entre 22 (vinte e duas) horas e 6 (seis) horas do dia seguinte. Caracterização/Particularidades A hora noturna terá duração de 52 minutos.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO N 002 DE 26 DE MARÇO DE 1999, DO DIRETOR DA FMTM. Aprova as Normas Procedimentais - NP n s 50.04.007, 50.04.008, 50.04.009, 50.04.010,

Leia mais

REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA COMO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA COMO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA COMO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conforme tabela de atividades econômicas no Portal do Empreendedor para enquadramento no momento da emissão do MEI, alertamos que, a única

Leia mais

Normas e Regulamento

Normas e Regulamento Normas e Regulamento Usuários: São considerados usuários das Bibliotecas da UFMG: 1. Alunos da UFMG regularmente matriculados nos cursos de: Ø Graduação; Ø Pós-Graduação (Doutorado, Mestrado e Especialização);

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 Página 1 de 12 NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INSTALAÇÃO DE GRUPOS GERADORES PARTICULARES Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Planejamento do Sistema Gerência da

Leia mais

Art. 1º Definir e regulamentar os procedimentos para a expedição e registro de diplomas e certificados dos cursos do IFNMG.

Art. 1º Definir e regulamentar os procedimentos para a expedição e registro de diplomas e certificados dos cursos do IFNMG. REGULAMENTAÇÃO PARA EXPEDIÇÃO E REGISTRO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DOS CURSOS DO IFNMG Anexo da Resolução CEPE Nº 06/2014, 09 de setembro de 2014 - Reestruturação do Regulamento para Expedição e Registro

Leia mais

DECRETO Nº 452, DE 27 DE MAIO DE 2010.

DECRETO Nº 452, DE 27 DE MAIO DE 2010. DECRETO Nº 452, DE 27 DE MAIO DE 2010. DISPÕE SOBRE O USO DAS VAGAS DE ESTACIONAMENTO NAS VIAS E LOGRADOUROS DO MUNICÍPIO DE CANOAS DESTINADAS AOS IDOSOS E ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA QUE TENHAM DIFICULDADE

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016. Dispõe sobre regulamentação de normas e procedimentos para realização de eventos acadêmicos e administrativos, cerimonial e protocolo

Leia mais

PARECER TÉCNICO 001/2014/CRFMG

PARECER TÉCNICO 001/2014/CRFMG PARECER TÉCNICO 001/2014/CRFMG Orientações quanto à publicidade e identificação dos estabelecimentos de saúde denominados como Laboratório de Análises Clínicas e Posto de Coleta. O Conselho Regional de

Leia mais