Assunto: Prorrogação do contrato de concessão dos Transportes Urbanos de Guimarães

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assunto: Prorrogação do contrato de concessão dos Transportes Urbanos de Guimarães"

Transcrição

1 Assunto: Prorrogação do contrato de concessão dos Transportes Urbanos de Guimarães 1. ENQUADRAMENTO No dia 2 de Março de 2001, a Câmara Municipal de Guimarães e a sociedade Transurbanos de Guimarães - Transportes Públicos, Lda, assinaram o contrato de concessão da exploração dos transportes urbanos de Guimarães, nos termos e cláusulas estabelecidas no caderno de encargos do concurso público. A concessão, de acordo com o artigo 2.º do referido caderno de encargos, tem um prazo de 10 anos, contados da data da celebração do respetivo contrato, terminando no dia 1 de Março de 2011, podendo ser prorrogado por dois períodos sucessivos de cinco anos, salvo notificação ao concessionário, com antecedência mínima de um ano, de que se deseja dar por finda a concessão. Para o efeito, a Câmara, em sua reunião de 20 de maio de 2010, deliberou aprovar a prorrogação do contrato de concessão da exploração dos Transportes Urbanos de Guimarães por um período de 5 anos, de acordo com a minuta das alterações ao seu articulado. Por contrato assinado a 26 de julho de 2010, o município concedeu a prorrogação da exploração do serviço público de transportes coletivos urbanos de passageiros em Guimarães, pelo prazo de cinco anos, contados a partir de 2 de março de 2011, mediante as condicionantes previstas no mesmo, sem prejuízo do clausulado do contrato de concessão inicial. De acordo com os números 2 e 3 deste contrato, o prazo da concessão poderá ser prorrogado por um novo período de cinco anos, se o município ou o concessionário não notificarem a outra parte, com antecedência mínima de um ano, de que desejam dar por finda a presente concessão ou condicionar a sua prorrogação à alteração do clausulado do respetivo contrato. O Município de Guimarães, dentro do referido prazo, procedeu à denúncia do contrato vigente, visando a prorrogação da concessão, mediante negociação de eventuais alterações ao clausulado vigente, tendo por objetivos: Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 1 / 19

2 A manutenção qualitativa do serviço prestado; A ausência de qualquer custo ou subvenção do Município ao concessionário; A conservação das atuais tarifas e mecanismo de atualização, sem prejuízo da criação de novas modalidades na estrutura tarifária; A alteração do modelo de comparticipação do município no passe do idoso, sem prejuízo da manutenção da sua atual cobertura em todo o Concelho, em articulação com os operadores interurbanos; A reestruturação dos níveis de serviço, decorrente da variação negativa da procura nos transportes públicos de passageiros, realidade nacional que, apesar de atenuada, também se verifica ao nível da concessão urbana. O seu objetivo visará o incremento da eficiência na utilização dos recursos disponíveis, contribuindo desta forma para a sustentabilidade financeira do concessionário e ambiental da concessão, pela redução do consumo de combustíveis fósseis. 2. CARATERIZAÇÃO DO SERVIÇO PRESTADO Com base nos relatórios prestados pelo concessionário durante o período da prorrogação, cujo início teve lugar a 2 de março de 2011 e términus contratualizado até 1 de março de 2016, e os elementos solicitados aos TUG pelo município, é possível caraterizar a atual concessão. REDE TUG Os TUG operam uma rede de 21 linhas, numa extensão aproximada de 87,5 km (sem sobreposições), totalizando no conjunto das linhas km, aproximadamente. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 2 / 19

3 Quadro 1. Linhas exploradas pelos Transportes Urbanos de Guimarães em 2015 (fonte TUG) Linha Designação (Km) 3 Linha Cidade 7,8 11 Nespereira 14,0 12 Carvalhos 14,19 21 Belos Ares 7,6 22 Monte Largo (Via Margaride) 6,6 31 Pedroso (Via Cano) 6,8 32 Pedroso (Via Azurém) 7,60 33 Monte Largo (Via Universidade) 5,8 41 Silvares 11,23 42 Parque Industrial (Via Silvares) 15,50 51 S.Roque (Escolas) 6,65 52 S.Roque (Montinho) 8,83 61 Vilar 9,87 62 Parque Industrial (Via Motelo) 16,25 63 Fermentões (Via Grisel) 9,93 71 Santo Amaro (Via Salgueiral) 7,16 72 S.Martinho de Candoso (Via Covas) 19,97 81 Gondar 21,43 82 S.Martinho de Candoso (Via Pisca) 20,88 83 S.Cristovão de Selho 20,71 84 S.Tiago de Candoso 16,44 Total 255,3 ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA REDE Durante o período da prorrogação, em curso, foram introduzidas algumas alterações à rede concessionada, salientando- se: Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 3 / 19

4 o o o o o Reestruturação da rede, decorrente do crescimento urbanístico, da requalificação dos espaços públicos e de intervenções na rede viária. Implementada com o final das obras de requalificação do centro da Cidade, designadamente do Largo do Toural e Alameda de S. Dâmaso, a 17 de dezembro de 2011; Reformulação das linhas urbanas 01 e 02, criando uma linha única, Cidade, com uma frequência de 30min. Esta linha regista um êxito assinalável, mantendo desde a sua criação uma tendência de crescimento no número de viagens efetuado; Racionalização dos meios, designadamente no período noturno, criando, eventualmente, um conjunto de linhas específico neste período de baixa procura, ação que teve lugar a partir de 1 de março de 2012; Alteração da linha 12, com passagem pelo Centro de Saúde de Urgezes, percorrendo a Rua Francisco dos Santos Guimarães, Rua Cândido José de Carvalho, Rua da Maina, Rua do Olival e Avenida da Igreja, numa extensão de 2,00km, fazendo igual percurso no sentido inverso; Alteração do percurso da linha 82 S. Martinho de Candoso (via Pisca), fazendo- a circular pela Rua do Mercado Municipal, garantindo a co- modalidade das linhas dos TUG naquela zona, bem como a ligação do mercado municipal e do novo recinto da feira semanal aos transportes públicos, para alem da linha 71 Santo Amaro e das demais ligações a partir da Central de Camionagem; COBERTURA Atenta a agregação de freguesias implementada no decurso da Lei n.º 11- A/2013, de 28 de janeiro, a concessão garante a cobertura de 27 freguesias, 20 através do serviço prestado diretamente pelos transportes urbanos e 10 através das articulações com os operadores interurbanos, designadamente nas extensões às vilas. No caso do passe do idoso, e no âmbito do contrato de prorrogação celebrado em 26 de julho de 2010, salienta- se a cobertura da totalidade das 48 freguesias do município, através da articulação com os operadores interurbanos. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 4 / 19

5 Figura 1. Cobertura da concessão em 2015 Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 5 / 19

6 KM PERCORRIDOS O concessionário registou durante o último ano, 2014, um total de km percorridos, mantendo a tendência de redução de quilómetros percorridos anualmente nos últimos 3 anos, decorrente da reestruturação da rede efetuada no final de 2011, imposta pela requalificação urbanística levada a cabo no centro da Cidade, e criação da rede noturna. Figura 2. Evolução dos Km percorridos pelos TUG, entre 2005 e Kms Percorridos Fonte: TUG, 2015 PASSAGEIROS TRANSPORTADOS O concessionário registou durante o período de 2010 a 2014 um declínio constante no número de passageiros transportados, caraterizado por quebras expressivas títulos de bilhete a bordo e multiviagens. No caso dos passes mensais, a variação é pouco significativa, ainda que positiva, onde a perda do utente tradicional foi compensada pela criação do passe para pessoas com reforma antecipada e incremento do número de passes vendidos a pessoas detentoras do cartão municipal do idoso, decorrente da sua expansão para todo o concelho, modalidades introduzidas aquando do início da prorrogação em Ressalva- se contudo que, neste último caso, a receita deste passe não é exclusiva do concessionário, já que é repartida com os operadores interurbanos. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 6 / 19

7 Figura 3. Evolução dos Títulos Vendidos, por tipologia, entre 2010 e Bilhete Bordo Multiviagens Passes Fonte: TUG, 2015 Os títulos de transporte com maior relevância em 2014 são os multiviagens (42,9%), seguidos dos bilhetes a bordo (41,2%) e dos passes (15%), cujo peso, decorrente da explicação já referida aumentou 50% (era de 10% em 2009). Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 7 / 19

8 Figura 4. Evolução da venda de Passes por categoria, entre 2009 e 2014 Vendas por tipo de Título ( Passe 4_18 (13..18) Esc A Passe 4_18 (4..12) Esc A Passe S_23 Passe 4_18 (13..18) Passe 4_18 (4..12) Passe Gratis Passe Combinado Passe Reformado Passe Necessidades Especiais 50% Passe Necessidades Especiais Passe Senior Passe Social Passe Escolar Inteiro Passe Escolar Meio Fonte: TUG, 2015 A análise da venda de passes por categoria mostra uma clara predominância e crescimento do Passes de Idoso, representando, em 2014, 57,7 dos passes vendidos (era de 52.1% em 2010), e uma redução nos Passes Sociais e de Estudante. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 8 / 19

9 Figura 5. Evolução do número de viagens efetuadas entre 2001 e Viagens (N.º) Fonte: TUG, 2015 MATERIAL CIRCULANTE Com a entrada em vigor do contrato de prorrogação da concessão dos TUG, o concessionário ficou obrigado a reduzir a idade limite individual dos autocarros de 20 para 16 anos e a média da frota dos 10 para os 8 anos, um ano após o início da prorrogação do contrato e durante a vigência do mesmo. Neste período, e no que ao material de circulante diz respeito, foi marcado pela entrada ao serviço de oito novas viaturas em Representando atualmente um total de 33 veículos, a idade média da frota em 2014 era de 9,79 anos, com uma distribuição etária entre 1 e 16 anos de idade. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 9 / 19

10 Quadro 2. Evolução da frota dos entre 2001 e 2014 Características Gerais Nº Viaturas Idade média 10,6 8 8,77 8,97 9,50 10,5 0 11,0 9 9,38 9,97 10,9 0 9,79 10,2 9 7,79 8,79 9,79 Idade máxima Idade mínima Fonte: TUG, 2015 Da análise do quadro anterior, constata- se o incumprimento do critério relativo à idade média da frota, bem como a previsível superação da idade limite individual, por parte de um dos veículos, em Refira- se ainda que a atual frota do concessionário é composta por: 24 veículos, 70,6%, acessíveis a pessoas de mobilidade reduzida, valores que em 2010 eram de 15 e 41,7%; 14 veículos (41,2 %) são Low Entry; 19 veículos (55,9 %) são Low Flor; 32 veículos, 94.1%, estão dotados de ar condicionado, realidade que em 2010 era de 11 e 30,6 %, respetivamente; RECURSOS HUMANOS Em 2014, os TUG tinham no seu quadro de pessoal 80 trabalhadores, valor que diminuiu cerca de 4,7% (4 trabalhadores) desde 2011, distribuídos entre movimento, manutenção e administrativos. Representaram em 2014, 37% nos custos totais da empresa. A idade média é de 43 anos, com uma distribuição etária de 8,8% com menos de 30 anos, 46,3% entre 30 e 44 anos, 41,3% entre anos e 3,75 com 60 ou mais anos. Evidencia- se que 98% dos funcionários têm contratos sem termo. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 10 / 19

11 FORMAÇÃO No âmbito dos programas de formação encetados pelo concessionário, destaque para as seguintes ações: I. 2011: Formação Continua de Motoristas; II. III. IV. 2012: ministradas 4668 horas de formação e organizados 11 cursos de formação no âmbito da candidatura ao POPH, versando: a. Formação contínua de motoristas b. Regulamentação social e utilização de tacógrafos c. Inglês; d. Condução económica, ecológica e defensiva; e. Atualização técnica de motoristas; f. Primeiros socorros; g. Saúde, higiene e segurança no trabalho h. Formação de eletromecânicos em caixas de velocidade automática VOITH e sistemas de transmissão das viaturas; i. Formação de eletromecânicos em caixas de velocidade automática ZF e sistemas de transmissão das viaturas; j. Formação de eletromecânicos em sistemas de ar condicionado das viaturas; k. Sensibilização para a igualdade de oportunidades 2013: ministradas 545 horas, distribuídas por 3 cursos: a. Atendimento e encaminhamento; b. Transporte coletivo de crianças; c. Boas práticas concorrenciais; 2014: a. Condução Económica, Ecológica e Defensiva; b. Sistemas elétricos e eletrónicos; c. Regulamentação social e utilização de tacógrafos; d. Bilhética. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 11 / 19

12 TARIFÁRIO Conforme contrato de prorrogação da concessão para o período de 2011 a 2016, o espetro de benefícios sociais foi alargado, com a introdução de passes para: pessoas detentoras do cartão municipal do idoso: extensão do passe do idoso a todo o Concelho, em articulação com os operadores interurbanos e liberalização da sua utilização a partir das 09h00 durante os dias úteis, e aos fins- de- semana; acompanhante de pessoas com mobilidade reduzida: Atribuição gratuito de passe aos acompanhantes de pessoas com mobilidade condicionada; pessoas com reforma antecipada: Passe para pessoas com reforma antecipada, com idade compreendida entre os 60 e os 65 anos e pensão inferior ao salário mínimo nacional, de calor igual ao passe do idoso; Contratualmente, o mecanismo de atualização do tarifário da concessão está indexado à percentagem de aumento médio autorizada para os transportes interurbanos, razão pela qual, no período da prorrogação, as tarifas sofreram quatro aumentos, agosto de 2011, fevereiro de 2012, janeiro de 2013 e janeiro de 2014, respetivamente de 2.7, 4.0, 0.9 e 1.0%. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 12 / 19

13 Quadro 4. Evolução das tarifas entre 2011 e 2014 PRÉ- COMPRADOS (Séries 10) PASSES Data Tarifa de PASSES SOCIAS MENSAIS PASSES COMBINADOS Aumento 1 e 2 3 e 4 5 e 6 Motorista 7 Zonas IV Médio (%) Zonas Zonas Zonas I II III IV 3ªIdade Reformado I (A1) II (BA 2) III (CA 3) (GERAL) fev -01 0,87 4,49 5,39 6,96 0,74 11,57 18,75 23,94 28,53 6,48-2,59 5,19 7,78 12,87 3,54 mar-02 0,90 4,68 5,58 7,20 0,76 11,90 19,30 24,60 29,30 8,00-2,70 5,40 8,00 13,20 3,21 out-02 0,93 4,86 5,85 7,47 0,78 12,30 20,00 25,50 30,00 8,30-2,80 5,60 8,30 13,70 3,65 fev -03 0,98 5,04 6,12 7,74 0,81 12,80 20,70 26,40 31,10 8,60-2,90 5,80 8,60 14,20 3,82 fev -04 1,02 5,40 6,48 8,10 0,85 13,30 21,60 27,50 32,40 9,00-3,10 6,10 9,00 14,80 4,89 out-04 1,05 5,58 6,84 8,46 8,82 13,70 22,30 28,30 33,40 9,30-3,20 6,30 9,30 15,30 3,52 mai-05 1,10 5,94 7,20 8,82 0,92 14,30 23,20 29,40 34,70 9,70-3,40 6,60 9,70 15,90 4,61 nov -05 1,16 6,30 7,56 0,92 0,97 14,90 24,20 30,60 36,10 10,10-3,60 6,90 10,10 16,60 4,61 jan-06 1,20 6,48 7,74 9,54 10,08 15,30 24,80 31,40 37,00 10,40-3,70 7,10 10,40 17,00 2,9 jul-06 1,24 6,66 8,10 9,90 10,44 15,80 25,50 32,30 38,00 10,70-3,80 7,30 10,70 17,50 3,14 jan-07 1,28 6,84 8,28 10,26 10,80 16,20 26,10 33,00 38,80 11,00-3,90 7,50 11,00 17,90 2,69 jan-08 1,34 7,20 8,64 10,80 11,34 16,90 27,20 34,30 40,40 11,50-4,10 7,80 11,50 18,60 4,52 jul-08 1,42 7,74 9,18 11,52 12,06 16,90 27,20 34,30 40,40 11,50-4,10 7,80 11,50 18,60 2, Não Houve aumentos jul-10 1,44 7,92 9,36 11,70 12,24 17,20 27,60 34,80 40,90 11,10-4,20 7,90 11,70 18,90 1,68 jan-11 1,52 8,28 9,90 12,24 12,96 18,00 28,90 36,40 42,80 12,30-4,40 8,30 12,30 19,80 4,99 ago-11 1,58 8,64 10,26 12,60 13,32 18,90 30,30 38,10 44,80 13,00 13,00 4,60 8,70 12,90 20,70 3,97 fev -12 1,66 9,00 10,80 13,14 13,86 19,70 31,60 39,70 46,60 13,00 13,00 4,80 9,10 13,50 21,60 4,11 jan-13 1,68 9,18 10,98 13,32 14,04 19,90 31,90 40,10 47,10 13,20 13,20 4,90 9,20 13,70 21,80 1,34 jan-14 1,70 9,36 11,16 13,50 14,22 20,10 32,30 40,60 47,60 13,40 13,40 5,00 9,30 13,90 22,10 1,39 Fonte: TUG, 2015 IMAGEM, COMUNICAÇÃO E Melhoria da informação prestada ao público, nomeadamente pela criação de site dedicado à concessão, no qual o utente, entre outros, poderá consultar os horários, percursos e tarifário, e introdução de novos abrigos de passageiros dotados de quadros horários. Neste âmbito, foi submetida uma candidatura para a renovação de imagem e promoção, ao então IMTT, visando a promoção do transporte coletivo, designadamente dos TUG, para a qual não obteve qualquer resposta. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 13 / 19

14 CUSTOS DE EXPLORAÇÃO Entre os anos de 2010 e 2014, registou- se uma variação negativa de 7.8% nos custos de exploração, sendo a redução efetiva de Quadro 5. Evolução dos custos de exploração entre 2001 e 2014 Ano Custos de Custos Combust. Pessoal Outros Total Variação % % % % % % % % % % % % % Os custos com pessoal e combustível representaram 69% do total dos custos operacionais em Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 14 / 19

15 Figura 6. Estrutura dos Custos de Exploração entre 2010 e % 90% 80% 70% 60% % % 30% 20% 10% 0% Custos de Combustível Custos Pessoal Outros Fonte: TUG, 2015 De acordo com o concessionário, a exploração entre 2010 e 2014, apresentou sempre negativos, sendo a maior incidência resultante da amortização dos novos veículos, oito, adquiridos em Resultados (Ano) Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 15 / 19

16 3. OBJECTIVOS PARA A PRORROGAÇÃO Pretende- se que a concessão de transportes urbanos constitua uma referência no transporte público de passageiros em Guimarães, economicamente sustentável, socialmente responsável e um elemento indutor de uma nova cultura da mobilidade, constituindo uma alternativa competitiva ao transporte individual privado e potenciando benefícios sociais e ambientais. Neste quadro, a Câmara estabeleceu os seguintes objetivos estratégicos na prorrogação da concessão ao período de : REESTRUTURAÇÃO DO SERVIÇO PRESTADO O setor do transporte rodoviário de passageiros tem sofrido uma acentuada perda no número de viagens realizadas. Os transportes urbanos de Guimarães, apesar das alterações realizadas, não foram exceção, registando uma quebra de 7.5%, entre 2010 e Contudo, enquanto aos operadores de transporte interurbano, cuja entidade reguladora é o Instituto de Mobilidade e Transportes, lhes é permitido alterar e adaptar- se à procura por sua livre iniciativa, ao operador urbano é- lhe imposto o cumprimento de percursos, horários e frequências previstas contratualmente. Como tal, importa introduzir mecanismos que permitam alterar a concessão de forma dinâmica, no que aos horários e frequências dizem respeito, racionalizando os meios utilizados e permitindo a sustentabilidade da mesma. Esta segunda prorrogação, e última, nos termos do concurso público, deverá constituir uma oportunidade para o estabelecimento do município como futura autoridade de transporte (AT), a partir de 31 de Dezembro de 2019, com competências em matéria de organização, exploração, atribuição, investimento, financiamento e fiscalização do serviço público de transportes de passageiros em todo o concelho, ultrapassando largamente a esfera do transporte exclusivamente Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 16 / 19

17 na zona urbana imposta. Para o efeito, importa dinamizar a co- modalidade com o(s) operador(es) interurbanos, expandindo as articulações vigentes, na persecução da sustentabilidade ambiental e financeira do transporte público rodoviário. QUALIDADE Com a prorrogação da concessão para o período de 2011 a 2016, o município perspetivou a melhoria do serviço prestado pela criação de uma rede piloto de paragens com informação em tempo real, aumento do número de abrigos na rede concessionada, conferindo um aumento de conforto aos utentes maior qualidade da frota, e a redução dos limites de idade individual dos autocarros, de 20 para 16 anos, e a média da frota de 10 para os 8 anos. Se o aumento do número de abrigos na rede concessionada tem sido um objetivo constante e concretizado, o município, apesar de ter desenvolvido o respetivo processo e candidatado o mesmo ao IMTT, não concretizou a rede piloto de paragens com informação em tempo real. Pelo seu lado, o operador concretizou a estrutura necessária à implementação deste projeto no material circulante, através do sistema DATACAR. No que aos limites de idade individual dos autocarros e à média da frota diz respeito, os atuais índices tem- se revelado exigentes e de difícil manutenção, decorrente das condições do mercado. É contudo consensual que o índice da idade individual dos autocarros deverá ser mantido, sendo intensão do concessionário ver a idade média da frota ser alargado, atentos os constrangimentos financeiros que a exploração tem sofrido e a prática dos concursos de concessão realizados no período em curso. Sem prejuízo destas considerações, o operador deverá empreender um esforço maior na persecução dos mesmos, com efeitos práticos ainda no decurso do presente ano. TARIFÁRIO Sem prejuízo da manutenção das atuais modalidades inscritas no tarifário da concessão, o município pretende introduzir alterações ao mesmo, visando: Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 17 / 19

18 i. reverter a atual comparticipação automática de 40% do passe do idoso, fazendo- o de forma diferenciada, atenta a condição económico- financeira do utente. Como tal, a sua aplicabilidade futura ficará indexada à aprovação e entrada em vigor do Regulamento Municipal Cartão 65+; ii. iii. iv. criação do bilhete visitante, aplicável a toda a rede concessionada, de livre utilização num período de um dia; criação de passe mensal afeto exclusivamente à linha Cidade, e, como tal, com um custo inferior ao de zona 1, por forma a potenciar a sua utilização na migração do transporte particular para o transporte público no centro urbano; estabelecimento de tarifa complementar ao passe do estudante, associado ao transporte escolar, com o objetivo de sensibilizar e promover a utilização do transporte coletivo não só nas deslocações casa- escola, sem limitação de horário, como nas demais deslocações diárias, incluindo ao fim- de- semana, sem prejuízo da possibilidade do município comparticipar o mesmo, atenta a condição económico- financeira da família. IMAGEM E COMUNICAÇÃO O município empreendeu uma candidatura junto do IMT visando a renovação da imagem corporativa dos TUG, compreendendo o material circulante, o fardamento, a informação aos utentes, bem como empreender ações de marketing. Contudo, até à data a mesma não mereceu qualquer provimento, razão pela qual o município intentará novas iniciativas, visando a publicitação do serviço prestado, condicionamentos previstos e, principalmente, a captação de novos clientes. Assim, nos termos dos contratos assinados em 2 de Março de 2001 e 26 de julho de 2010, submete- se à consideração superior a sua prorrogação por um período de 5 anos, com o novo clausulado, de acordo com a minuta se anexa, que, juntamente com as cláusulas do caderno de encargos de 2001 e da prorrogação , passarão a regular o novo período de vigência do contrato. Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 18 / 19

19 Mais se informa que, a ser aceite, deverá ser aprovada em reunião de Câmara Municipal. Divisão de Trânsito e Espaço Público, 3 de julho de 2015 O Chefe de Divisão (Rui Castro) Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito e Espaço Público pág. 19 / 19

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop Vila Real 19 de novembro de 2014 Agenda O quadro legal -

Leia mais

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças Margarida Roxo mroxo@imt-ip.pt Águeda, Seminário Os novos desafios dos Transportes e Mobilidade e a Mobilidade Suave

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte:

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte: DELIBERAÇÃO CONTRATO DE GESTÃO DE CENTRO DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS A Lei n.º 11/2011, de 26 de abril, que estabelece o regime jurídico de acesso e permanência na atividade de inspeção técnica a veículos

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR)

Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR) Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR) Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres Objectivos

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

Regulamento do centro coordenador de Transportes - central de camionagem

Regulamento do centro coordenador de Transportes - central de camionagem Regulamento do centro coordenador de Transportes - central de camionagem ARTIGO 1º. (Objeto e âmbito de aplicação) O presente regulamento destina-se se a assegurar a organização e a exploração regular

Leia mais

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades.

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. 1. As cidades A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. Na União Europeia, mais de 2/3 da população vive em áreas urbanas e 67% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu é

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA 1990 1 CAPÍTULO I OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÕES ARTIGO 1º - O presente regulamento destina-se

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT. Nota Justificativa REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT Nota Justificativa A Cidade de Mirandela reúne condições de atratividade comercial extremamente favoráveis, designadamente as acessibilidades, o parqueamento

Leia mais

REGULAMENTO de. do MUNICÍPIO DE VIZELA TRANSPORTES ESCOLARES MUNICÍPIO DE VIZELA

REGULAMENTO de. do MUNICÍPIO DE VIZELA TRANSPORTES ESCOLARES MUNICÍPIO DE VIZELA REGULAMENTO de TRANSPORTES ESCOLARES do MUNICÍPIO DE VIZELA MUNICÍPIO DE VIZELA ÍNDICE Preâmbulo 2 Artigo 1.º Lei habilitante 3 Artigo 2.º Princípios gerais 3 Artigo 3.º Âmbito 3 Artigo 4.º Organização

Leia mais

Terça-feira, 6 de maio de 2014. Resolução n.º 265/2014. Resolução n.º 266/2014. Empresa de Automóveis do Caniço, Lda.. Resolução n.

Terça-feira, 6 de maio de 2014. Resolução n.º 265/2014. Resolução n.º 266/2014. Empresa de Automóveis do Caniço, Lda.. Resolução n. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 6 de maio de 2014 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 263/2014 Mandata o Dr. Paulo Jorge Figueiroa de França Gomes para, em

Leia mais

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações A revisão do regime do arrendamento urbano foi finalmente aprovada pela Lei nº 31/2012, de 14 de Agosto, a

Leia mais

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE EM MATÉRIA DE

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE EM MATÉRIA DE CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE EM MATÉRIA DE No dia?? de????? de 2015, no Departamento de Administração Geral da Câmara Municipal de Guimarães, perante mim,?????????????????????,

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 77/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

SESSÃO A Papel e alternativas do transporte para a inclusão social em meio rural

SESSÃO A Papel e alternativas do transporte para a inclusão social em meio rural Lisboa, 9.Julho.2008 5º Encontro Transportes em Revista SESSÃO A Papel e alternativas do transporte para a inclusão social em meio rural Integração de redes de transporte O caso da Remodelação do Sistema

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 111 9 de junho de 2015 3667 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 52/2015 de 9 de junho Aprova o Regime Jurídico do Serviço Público de Transporte de Passageiros e revoga a

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal 21 de novembro de 2014 REGULAMENTO DO PROJETO MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE (Deliberação da CMA de 29.10.2014) (Deliberação da AMA de 13.11.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA CÂMARA

Leia mais

Artigo 3º. Condições para o exercício de serviços admitidos no Aeroporto

Artigo 3º. Condições para o exercício de serviços admitidos no Aeroporto ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO do exercício de serviços de rent-a-car por empresas sem instalações no domínio público aeroportuário e com reserva devidamente comprovada (Aeroporto de Lisboa) Considerando que:

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

MANUAL: Transportes escolares

MANUAL: Transportes escolares MUNICÍPIO DE OEIRAS DECPC Divisão de Educação MANUAL: Transportes escolares Conforme o Plano de Atribuição de Auxílios Económicos no Âmbito da Ação Social Escolar, aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO

ACORDO DE COLABORAÇÃO ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE: A AMA, I.P. AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, I.P., adiante designada por AMA, pessoa colectiva n.º 508184509, com sede na Rua Abranches Ferrão, nº 10, 3º G, 1600-001,

Leia mais

NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Aprovação em Conselho Municipal de Educação 10 de março de 2015 Aprovação em Reunião de Câmara 25

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

ECONOMIA DOS TRANSPORTES. Conferência Internacional, 17 de Abril de 2015, Luanda Manuel Mota - Rodoviária de Lisboa.

ECONOMIA DOS TRANSPORTES. Conferência Internacional, 17 de Abril de 2015, Luanda Manuel Mota - Rodoviária de Lisboa. MOBILIDADE Assegura acesso aos bens e serviços disponibilizados pela sociedade; Contribui para a competição entre as cidades ou regiões, favorecendo o crescimento económico; Contribui para a coesão social;

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Regulamento de Utilização de Viaturas de Transporte Colectivo de Passageiros

Regulamento de Utilização de Viaturas de Transporte Colectivo de Passageiros Regulamento de Utilização de Viaturas de Transporte Colectivo de Passageiros CAPÍTULO I Generalidades Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento tem como objecto disciplinar e regular a utilização das viaturas

Leia mais

Gabinete do Presidente. Reunião de Câmara 16 de julho de 2014

Gabinete do Presidente. Reunião de Câmara 16 de julho de 2014 Câmara Municipal de Aveiro Gabinete do Presidente Nota de Imprensa N.º 60, de 17 de julho de 2014 Reunião de Câmara 16 de julho de 2014 Apresentamos por este meio informação sobre as principais deliberações

Leia mais

REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA. Preâmbulo

REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA. Preâmbulo REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA Preâmbulo O Programa de Ação Torres ao Centro Regeneração Urbana no Centro Histórico de Torres Vedras surge na sequência da

Leia mais

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal Cartão Almodôvar Solidário Regulamento Municipal junho de 2015 Regulamento do Cartão Almodôvar Solidário Proposta de Regulamento aprovada por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 11

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11 Sistema de Incentivos Qualificação de PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO

PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO A população da Área Metropolitana do Porto nunca teve a possibilidade de aceder a um título de transporte colectivo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa Foram ouvidas as entidades interessadas, nos termos do artigo 117.º do Código do Procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DO ARGANIL COWORKING

REGULAMENTO DO ARGANIL COWORKING REGULAMENTO DO ARGANIL COWORKING Maio de 2013 Regulamento do ARGANIL COWORKING Centro Empresarial e Tecnológico de Arganil (CETA) Nota justificativa Atualmente vivemos no meio da crescente e global cultura

Leia mais

REGULAMENTO. Considerando que:

REGULAMENTO. Considerando que: REGULAMENTO Considerando que: do exercício de serviços de rent-a-car por empresas sem instalações no domínio público aeroportuário e com reserva devidamente comprovada (Aeroporto Francisco Sá Carneiro)

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO. A nova regulamentação do fretamento interestadual

BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO. A nova regulamentação do fretamento interestadual BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO A nova regulamentação do fretamento interestadual 21 de outubro de 2015 Agência Nacional de Transportes Terrestres Áreas de Atuação: TRANSPORTE

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal Regulamento Cartão Sénior Municipal Artigo 1º Objeto 1- O Cartão Sénior Municipal é um cartão emitido pela Câmara Municipal de Alcanena que tem como destinatários os cidadãos residentes no concelho de

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia. Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia

O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia. Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia O CONCEITO DE HORTA URBANA Possui objetivos distintos da atividade agrícola enquanto atividade económica

Leia mais

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável Gabinete de Planeamento Inovação e Avaliação Catarina Marcelino (cmarcelino@imtt.pt) http://www.imtt.pt APA, 14 de Fevereiro de 2012 Índice 1. Conceito

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SEGURANÇA SOCIAL. Valência de Creche. para a atribuição de apoios sociais da. novembro de 2013

REGULAMENTO INTERNO SEGURANÇA SOCIAL. Valência de Creche. para a atribuição de apoios sociais da. novembro de 2013 REGULAMENTO INTERNO para a atribuição de apoios sociais da SEGURANÇA SOCIAL Valência de Creche novembro de 2013 IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na DGIDC (MEC) sob o nº 37

Leia mais

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora.

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. CAE Rev_3: 49310, 49391 e 49392 TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR Aprovado em Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar de 16 de março de 2015, em Reunião de Câmara de 01

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de atribuições e competências das autarquias locais, relativamente à Educação, em especial

Leia mais

NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA

NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA PREÂMBULO O projeto Agricultura semente de sustentabilidade tem como desígnio trazer para um sector de atividade tradicional de baixa tecnologia, um elevado

Leia mais

Estas seriam isentas de contribuição predial ou qualquer outra taxa camarária, durante os primeiros dez anos do período de amortização.

Estas seriam isentas de contribuição predial ou qualquer outra taxa camarária, durante os primeiros dez anos do período de amortização. «CASAS ECONÓMICAS» Desde há muito que se ouve falar no conceito de casas económicas, mas nem sempre o cidadão comum percebe o que realmente são e em que contexto elas apareceram, e, o que tem a Caixa Geral

Leia mais

Perguntas e Respostas. Aviso 06 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 2014

Perguntas e Respostas. Aviso 06 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 2014 ÂMBITO GERAL Perguntas e Respostas Aviso 6 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 14 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro que

Leia mais

AMUT Trocas. Normas de funcionamento

AMUT Trocas. Normas de funcionamento AMUT Trocas Normas de funcionamento A Associação Mutualista dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Gondomar, Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), tem como finalidade principal conceder

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

Fundo de Apoio a Famílias

Fundo de Apoio a Famílias gari Fundo de Apoio a Famílias Formulário de Candidatura Identificação do Requerente: Freguesia: N.º de Processo: Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Aveiro Informação de Caráter Confidencial Sexo

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 Índice INTRODUÇÃO... 3 ENQUADRAMENTO... 3 1. SECTOR DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS...

Leia mais

C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS. Porto, 06 de fevereiro de 2015

C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS. Porto, 06 de fevereiro de 2015 C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS Porto, 06 de fevereiro de 2015 1 ÍNDICE I A COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO CÁVADO III CENTRAL DE COMPRAS DA CIM DO CÁVADO 2 I A COMUNIDADE INTERMUNICIPAL

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO FINANCEIRO AO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO FINANCEIRO AO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO FINANCEIRO AO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 Artigo 1.º Lei habilitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 2 Artigo 3.º Âmbito... 2 Artigo 4.º

Leia mais

Novo Regime Jurídico do serviço público de transporte de passageiros

Novo Regime Jurídico do serviço público de transporte de passageiros Novo Regime Jurídico do serviço público de transporte de passageiros Isabel Seabra icseabra@imt-ip.pt Braga, 2 de Outubro de 2014 Seminário Mobilidade, Comunidade Intermunicipal do Cávado Agenda O quadro

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 170 Diário da República, 1.ª série N.º 9 14 de janeiro de 2013 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 3/2013 de 14 de janeiro Primeira alteração ao Decreto -Lei n.º 280/93, de 13 de agosto, que estabelece o regime

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

ESCOLAR GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO. Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017

ESCOLAR GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO. Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017 GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017 Município de Cabeceiras de Basto Praça da República, 467 4860-355 Cabeceiras de Basto www. cabeceirasdebasto.pt Câmara Municipal

Leia mais

Edital n.º 3. Informa-se que o mesmo entrará em vigor 15 dias após a publicação deste edital no Diário da República.

Edital n.º 3. Informa-se que o mesmo entrará em vigor 15 dias após a publicação deste edital no Diário da República. Edital n.º 3 Carlos Vicente Morais Beato, Presidente da Câmara Municipal de Grândola, faz público que, de acordo com as deliberações da Câmara e Assembleia Municipais de 11 e 21 de Dezembro de 2012, respetivamente,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 1/2015/M Aprova o Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola

Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola Divisão de Mobilidade e Transportes Públicos Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola SEMINÁRIO. 11 e 12 Julho 2011. CASTELO BRANCO Margarida Inês de Oliveira margarida_deoliveira@cm-loures.pt TRANSPORTE

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS).

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). Legislação habilitante - Considerando o artigo 64, nº 1, al u) da Lei 169/99, de

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS CLÁUSULAS GERAIS Artº. 1º Âmbito de aplicação As cláusulas

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre ANEXO IV SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL Sexo FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL 1/9 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM ) Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Nascido em (data:) / /, estado civil: género:

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

1.1 Aumento do número de empresas na cidade (17 sugestões);

1.1 Aumento do número de empresas na cidade (17 sugestões); Caro (a) Colaborador (a) Em primeiro lugar, agradecemos seus comentários apresentados na consulta pública que organizamos, a respeito da próxima licitação de dois lotes de serviços de transportes coletivos

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

Título: Regime Jurídico do Serviço Público de Transporte de Passageiros

Título: Regime Jurídico do Serviço Público de Transporte de Passageiros Título: Regime Jurídico do Serviço Público de Transporte de Passageiros Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 53 páginas Formato: PDF (Portable

Leia mais

REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA DO MUNICÍPIO DE AVEIRO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Artigo 1º Leis habilitantes

REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA DO MUNICÍPIO DE AVEIRO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Artigo 1º Leis habilitantes REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA DO MUNICÍPIO DE AVEIRO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Leis habilitantes O presente Regulamento é elaborado e aprovado ao abrigo do disposto

Leia mais

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte AGO-13 CBR&C Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte 00. Introdução O pedágio em rodovias brasileiras 1960-70 Devido a problemas no financiamento de infraestrutura rodoviária, o Estado passou a avaliar

Leia mais

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA DE ACTUAÇÃO A CP Lisboa é a Unidade de Negócio da CP responsável

Leia mais

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge NOVAS MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO Programa ESTAGIAR L, T e U (Resolução do Conselho de Governo nº 100/2015 de 15/07/2015) OBJETO O plano de estágios ESTAGIAR desenvolve-se em três programas: a) O ESTAGIAR

Leia mais

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas de atribuição de bolsas de estudo, por parte da Câmara Municipal de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

QUADRO ANEXO. Delimitação da Reserva Ecológica Nacional do concelho de Palmela. Proposta de inclusão

QUADRO ANEXO. Delimitação da Reserva Ecológica Nacional do concelho de Palmela. Proposta de inclusão Diário da República, 1.ª série N.º 41 28 de Fevereiro de 2011 1217 Considerando o disposto no n.º 2 do artigo 41.º do Decreto -Lei n.º 166/2008, de 22 de Agosto, e no exercício das competências delegadas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais