DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA"

Transcrição

1 DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014

2 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo, não sendo parte integrante de qualquer processo legal de concurso público. Nem o Estado Português, nem as empresas públicas visadas assumem qualquer responsabilidade pelo conteúdo deste documento ou dos comentários realizados pelos Consultados. Os dados aqui apresentados não dispensam a consulta dos relatórios e contas, aprovados e publicados nos termos da legislação em vigor. Pag. 2

3 A. CONTEXTO E OBJECTIVOS Como é do conhecimento público, o Governo pretende abrir à iniciativa privada a gestão do serviço público de transporte de passageiros atualmente prestado por empresas na esfera do Estado, nos termos que constam do Memorando de Entendimento assinado com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional. Este é o caso dos serviços públicos de transportes atualmente operados pela Companhia Carris de Ferro de Lisboa, S.A. (Carris) e pela Metropolitano de Lisboa E.P.E. (ML). Os principais objectivos da abertura da gestão do serviço público de transporte de passageiros à iniciativa privada são o de promover uma maior eficiência na prestação dos serviços referidos, permitindo, por um lado, reduzir os encargos do Estado e, por outro, assegurar o cumprimento das obrigações de serviço público, de acordo com elevados padrões de qualidade e segurança. Pretende-se assim que, independentemente do modelo de exploração a adoptar, o Estado deixe de ter encargos (através de Indemnizações Compensatórias) com o financiamento da operação da Carris e ML A gestão do serviço público de transporte de passageiros apenas será entregue a operadores privados, no todo ou em parte, caso se observe uma forte evidência de que essa entrega significará uma melhoria no cumprimento dos objetivos acima mencionados. Ora, existem diversos modelos para a participação de privados na operação e manutenção de serviços públicos de transporte passageiros em zonas urbanas. Com a divulgação deste documento de consulta, o Governo pretende permitir a todos os stakeholders do sector fornecer feedback construtivo para melhoria do modelo a adoptar. Os consultados podem comentar qualquer conteúdo do presente documento de consulta relativamente ao qual tenham observações ou sugestões a fazer que entendam partilhar (em Português ou Inglês) para até ao dia 7 de março Pag. 3

4 B. ENQUADRAMENTO 1 CARRIS A Carris é uma empresa de transporte público de passageiros que detém o direito exclusivo de exploração do serviço de autocarros e elétricos da cidade de Lisboa (enquadrada no perímetro do concelho), com uma população residente de ~500 mil residentes e uma população ativa adicional de ~425 mil não residentes. Sendo uma empresa histórica da cidade (fundada em 1872), desempenha um papel fundamental na mobilidade urbana, assegurando níveis de serviço e qualidade em linha com as melhores práticas a nível internacional. A Carris detém um conjunto de participadas que resultaram de spin-offs da sua atividade principal, tendo em vista a promoção de competências especializadas e de eficiência com valor acrescentado para o negócio (e.g. Carristur). Em 2013, a empresa transportou cerca de 164 milhões passageiros com título de transporte pago. Para tal, dispõe de uma frota composta por 697 veículos e um total de colaboradores. Após a implementação de um conjunto alargado de medidas de reestruturação na Carris ao longo dos últimos anos, a empresa conseguiu uma forte melhoria dos seus resultados operacionais. CARRIS Principais KPIs CARRIS - PRINCIPAIS KPIs OPERACIONAIS Passageiros transportados (milhões) Passageiros-km (milhões) Taxa de ocupação (%) 21% 22% 19% 18% Frota (# veículos total) Colaboradores (#) Pag. 4

5 CARRIS EBITDA Ajustado (excluído de efeitos não recorrentes) EBITDAr ( ) * Vendas e Serviços Prestados (s/ IFRIC) Indemnizações Compensatórias RECEITAS OPERACIONAIS CMVMC FSE (s/ IFRIC) Custos com Pessoal (1) DESPESAS OPERACIONAIS EBITDA (1) Excluindo custos com rescisões: * Dados provisórios 2 METROPOLITANO DE LISBOA A empresa Metropolitano de Lisboa (ML) desenvolve, opera e mantém o sistema de metropolitano da cidade de Lisboa, tendo iniciado a sua atividade em Além de gerir a operação do metropolitano, a ML tem a seu cargo a gestão e financiamento de toda a infraestrutura associada. A ML desempenha um papel de destaque ao nível da intermodalidade dado que a sua rede está interligada com os restantes serviços de transportes públicos da cidade e periferia de Lisboa, aportando um contributo indispensável para a mobilidade urbana. A rede é composta por 4 linhas que foram gradualmente desenvolvidas através de um forte investimento público. Em 2013, a ML transportou 136 milhões de passageiros, com uma frota composta por 338 carruagens e um efetivo total de colaboradores. Pag. 5

6 Metro de Lisboa Principais KPIs ML - PRINCIPAIS KPIs OPERACIONAIS Passageiros transportados (milhões) Passageiros-km (milhões) Taxa de ocupação (%) 21% 22% 27% 24% Frota (# carruagens) Colaboradores (#) Metro de Lisboa EBITDA Ajustado (excluído de efeitos não recorrentes) EBITDA ( ) * Vendas e Serviços Prestados (s/ IFRIC) Indemnizações Compensatórias RECEITAS OPERACIONAIS CMVMC FSE (s/ IFRIC) Custos com Pessoal (1) DESPESAS OPERACIONAIS EBITDA (1) Excluindo custos com rescisões: * Dados provisórios Pag. 6

7 3 REGULAÇÃO E GOVERNANCE Está em curso a criação da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, a qual sucederá ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes, I. P., nas suas atribuições em matéria de regulação, de promoção e defesa da concorrência no âmbito dos transportes terrestres, fluviais e marítimos. O Regulamento de Transportes em Automóvel (aprovado pelo Decreto n.º 37272, de 31 de dezembro de 1948) encontra-se em processo de revisão para incorporar as diretrizes contidas na legislação europeia aplicável (Regulamento (CE) n.º 1370/2007, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de outubro de 2007). A Autoridade Metropolitana Transportes de Lisboa encontra-se a preparar uma revisão do modelo dos "Passes L" e "Passes Combinados", com o objetivo de promover uma maior intermodalidade na região de Lisboa, em articulação com os stakeholders envolvidos (operadores, municípios, etc). Pag. 7

8 C. TEMAS PARA CONSULTA AO MERCADO Os consultados podem comentar qualquer conteúdo deste documento, bem como qualquer hipótese de trabalho assumida. Em particular, procuramos feedback relativamente às seguintes questões: 1 MODELO DE EXPLORAÇÃO Existem duas grandes opções quanto ao modelo de exploração a adoptar: a) Modelo Net Cost: O operador privado está sujeito ao risco de procura. Todas as receitas tarifárias e comerciais pertencem ao operador privado. O caso base assume uma atualização anual das tarifas à taxa de inflação. As receitas recebidas pelo operador privado (tarifas e outras) devem ser suficientes para assegurar a cobertura dos seus custos e uma taxa de retorno adequada, ou seja, não serão pagas Indemnizações Compensatórias (IC) aos operadores privados. b) Modelo Gross Cost: O operador privado é responsável pela operação do serviço público de transporte de passageiros, sendo remunerado através de um fee fixo e de um fee variável, em função do nível de produção realizado. Existe ainda um mecanismo de incentivos ao aumento da procura, limitado no entanto a cerca de 5 a 10% das receitas anuais. Pretende-se com este modelo que a redução de custos para o parceiro público permita atingir um pleno equilíbrio com as receitas tarifárias. Estes dois modelos podem, ainda, ser combinados entre si. Questão 1a) Como avalia o modelo de exploração Net cost face ao modelo Gross cost para a Carris e para a ML? Questão 1b) Para atingir o objetivo da inexistência de IC, tem outras sugestões relativamente às propostas aqui apresentadas ou quaisquer outras não incluídas no documento? Pag. 8

9 2 CONTRATO E PROCEDIMENTO CONCURSAL Questão 2a) Como avalia a possibilidade de o(s) contrato(s) serem adjudicados pela Carris e ML, ou, em alternativa, diretamente com o Estado Português? Questão 2b) Como avalia a possibilidade de a rede Carris ser integralmente incluída no âmbito de um único contrato vs a sua separação em duas zonas de dimensões semelhantes, sujeitas à concorrência em dois contratos distintos? Questão 2c) Qual o prazo mínimo que considera necessário para tornar o modelo de exploração equilibrado e atingir os objetivos propostos? Questão 2d) Como avalia a hipótese de o contrato prever um mecanismo de recompensa pelo desempenho e alinhamento de incentivos, que, permita a extensão automática do prazo contratual por um período de tempo adicional mediante o alcance de determinados objetivos previamente estabelecidos? Questão 2e) Como avalia a possibilidade de o procedimento concursal permitir aos interessados concorrer separadamente a cada contrato (Carris e ML) e também apresentar uma oferta conjunta para ambos os contratos? 3 OBJETO Questão 3a) Quais as empresas e atividades do universo Carris que considera premente incluir no âmbito do contrato, para cada modelo de exploração, face à sua autonomização/exploração por entidades terceiras, designadamente: I. Carrisbus; II. III. IV. Carristur; Serviços de elétricos e ascensores; Publicidade e outras atividades comerciais; Questão 3b) Quais as empresas e atividades do universo ML que considera premente incluir no âmbito do contrato, para cada modelo de exploração, face à sua autonomização/exploração por entidades terceiras, designadamente: I. Ferconsult; II. Publicidade e outras atividades comerciais; Pag. 9

10 4 OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Questão 4a) Como avalia a possibilidade de o operador privado utilizar a atual frota da Carris, eventualmente mediante o pagamento de uma renda correspondente aos encargos resultantes dos contratos de leasing da frota. Questão 4b) Como avalia a possibilidade de assunção da responsabilidade pela manutenção da frota Carris no âmbito do contrato? Questão 4c) Como avalia a possibilidade de o operador privado utilizar a atual frota do ML, eventualmente mediante o pagamento de uma renda correspondente aos encargos resultantes dos contratos de leasing da frota. Questão 4d) Como avalia a possibilidade de assunção da responsabilidade pela manutenção corrente da frota ML no âmbito do contrato? Questão 4e) Como avalia a possibilidade de assunção da responsabilidade pelas grandes reparações da frota ML no âmbito do contrato? Questão 4f) Como avalia a possibilidade de assunção da responsabilidade pelas manutenção corrente da infraestrutura do ML (e.g. linhas, sinalização, estações) no âmbito do contrato? Questão 4g) Como avalia a possibilidade de assunção da responsabilidade pelas grandes reparações da infraestrutura do ML (e.g. superestrutura de túneis e pontes) no âmbito do contrato? 5 INVESTIMENTO (CAPEX) Questão 5a) Como avalia a possibilidade de o contrato prever a responsabilidade pela renovação da frota Carris, por forma a assegurar uma determinada idade média/máxima e/ou determinados níveis de serviço e qualidade da mesma? Neste caso qual a idade média/máxima e/ou níveis de serviço e qualidade que considera adequados? Pag. 10

11 6 GESTÃO DA REDE E OBRIGAÇÕES DE SERVIÇO PÚBLICO Questão 6a) Que graus de liberdade e responsabilidades considera serem adequados para a (re)definição e optimização da oferta, assegurando o cumprimento de níveis de serviço, obrigações de serviço público, níveis de qualidade e segurança préestabelecidos, nos modelos Net Cost e Gross Cost? Questão 6b) Como avalia o condicionamento da (re)definição e optimização da oferta à apresentação de um plano estratégico sujeito a aprovação do adjudicante, mediante parecer e articulação com os demais stakeholders, designadamente o Município? 7 COLABORADORES Questão 7a) Como avalia a possibilidade dos colaboradores associados às concessões da Carris e da ML acompanharem o estabelecimento respetivo (com a exceção de uma eventual reduzida estrutura administrativa que permanece na esfera da entidade adjudicante para efeitos de gestão do contrato)? Questão 7b) Como avalia os atuais acordos coletivos de trabalho da Carris e da ML e a possibilidade da sua renegociação, em articulação com as estruturas representativas dos trabalhadores, pela Carris/ML ou pelos futuros operadores? Questão 7c) Como avalia a possibilidade de o contrato prever a responsabilidade pelos encargos resultantes dos complementos de pensão da Carris e ML com os atuais e antigos trabalhadores? 8 DÍVIDA HISTÓRICA Questão 8a) Como avalia a viabilidade de os operadores privados assumirem (parte da) atual dívida histórica mediante, eventualmente mediante a atribuição de uma IC anual e/ou uma extensão da duração do contrato? Pag. 11

12 9 OUTROS ASSUNTOS Questão 9a) Gostaria de formular algum comentário ou recomendação adicional sobre qualquer outro assunto relacionado com o âmbito da presente consulta? Pag. 12

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO Fevereiro 2014 AVISO: Este documento de consulta é exclusivamente

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

DOCUMENTO INFORMATIVO MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA DOCUMENTO INFORMATIVO MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Junho de 2014 AVISO: Este documento é exclusivamente informativo,

Leia mais

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças Margarida Roxo mroxo@imt-ip.pt Águeda, Seminário Os novos desafios dos Transportes e Mobilidade e a Mobilidade Suave

Leia mais

Enquadramento legal para a contratualização e concessão de serviços de transporte Panorama Nacional

Enquadramento legal para a contratualização e concessão de serviços de transporte Panorama Nacional Enquadramento legal para a contratualização e concessão de serviços de transporte Panorama Nacional Workshop CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE: COMPETÊNCIAS, MODELOS DE CONCESSÃO E EXEMPLOS Almada,

Leia mais

Evolução da avaliação de desempenho para a gestão do desempenho

Evolução da avaliação de desempenho para a gestão do desempenho Evolução da avaliação de desempenho para a gestão do desempenho 1 Evolução da avaliação de desempenho para a gestão do desempenho O facto de estarmos a assistir a um paradigma na gestão de pessoas, que

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015)

Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015) JAN.2012 Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015) Transportes Públicos de Passageiros Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade - Câmara Municipal de Lisboa Plano Estratégico de Transportes (2011

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

Orientações estratégicas para 2011. Lisboa, 21 Outubro, 2010

Orientações estratégicas para 2011. Lisboa, 21 Outubro, 2010 Orientações estratégicas para 2011 Lisboa, 21 Outubro, 2010 O Plano de Estabilidade e Crescimento materializou um conjunto relevante de medidas, com vista a um SEE mais eficiente e transparente Maior transparência

Leia mais

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 AGENDA 2 I. CONSIDERAÇÕES GERAIS II. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS LEGAIS E CONTRATUAIS III. REGULAÇÃO DO SECTOR PETROLÍFERO

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

Um Novo Modelo de Financiamento dos Transportes Públicos em Portugal

Um Novo Modelo de Financiamento dos Transportes Públicos em Portugal 1 Um Novo Modelo de Financiamento dos Transportes Públicos em Portugal 2 Situação Actual (diagnóstico) 3 Situação Actual (diagnóstico) o actual modelo de financiamento dos transportes Públicos em Portugal

Leia mais

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12)

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) PT ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 24 de março de 2015 sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) Introdução e base jurídica Em 14 de janeiro de 2015 o Banco Central Europeu (BCE)

Leia mais

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop Vila Real 19 de novembro de 2014 Agenda O quadro legal -

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO

PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO A população da Área Metropolitana do Porto nunca teve a possibilidade de aceder a um título de transporte colectivo

Leia mais

3T13 Divulgação de Resultados 8 de novembro de 2013

3T13 Divulgação de Resultados 8 de novembro de 2013 3T13 Divulgação de Resultados 8 de novembro de 2013 2 Aviso importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia,

Leia mais

1ª SESSÃO: QUESTÕES E OPÇÕES

1ª SESSÃO: QUESTÕES E OPÇÕES Trade and Investment Project Transporte Urbano Presentation to FEMATRO, Maputo -- 22 Maio 2008 Richard Iles Teresa Muenda 1ª SESSÃO: QUESTÕES E OPÇÕES 1 1 PROBLEMAS DOS TRANSPORTES URBANOS EM MAPUTO Níveis

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

Casa da América Latina. Empresa Pública Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.E.M.

Casa da América Latina. Empresa Pública Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.E.M. Casa da América Latina Empresa Pública Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.E.M. 2013.04.18 Lisboa, Portugal A Cidade de Lisboa A Cidade de Lisboa População : 500.000 habitantes; 2 milhões

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

Novo Regime Jurídico do serviço público de transporte de passageiros

Novo Regime Jurídico do serviço público de transporte de passageiros Novo Regime Jurídico do serviço público de transporte de passageiros Isabel Seabra icseabra@imt-ip.pt Braga, 2 de Outubro de 2014 Seminário Mobilidade, Comunidade Intermunicipal do Cávado Agenda O quadro

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

Criar Valor com o Território

Criar Valor com o Território Os territórios como ativos 4 O VALORIZAR é um programa de valorização económica de territórios, que os vê como ativos de desenvolvimento e geração de riqueza e emprego. 5 é a sua visão e a sua assinatura.

Leia mais

INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS

INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 UMA ABORDAGEM PARA O TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS Pelas disposições da Lei 11.445 as concessões em caráter precário, as que estiverem com prazo

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 111 9 de junho de 2015 3667 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 52/2015 de 9 de junho Aprova o Regime Jurídico do Serviço Público de Transporte de Passageiros e revoga a

Leia mais

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos 5 de setembro de 2014 Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos mozambique@vda.pt Foram publicadas, em Boletim da República, a Lei n.º 20/2014, de 18 de Agosto ( Lei de Minas ) e a Lei n.º

Leia mais

Meios urbanos de baixa densidade: O desafio do transporte Regional

Meios urbanos de baixa densidade: O desafio do transporte Regional Meios urbanos de baixa densidade: O desafio do transporte Regional Meios urbanos de baixa densidade: O desafio do Transporte Regional A experiência Piloto de transporte a pedido no Médio Tejo nasce no

Leia mais

Mobilidade e Sistema Metropolitano de Transportes Direito à Mobilidade com Transportes Públicos Sustentáveis

Mobilidade e Sistema Metropolitano de Transportes Direito à Mobilidade com Transportes Públicos Sustentáveis Mobilidade e Sistema Metropolitano de Transportes Direito à Mobilidade com Transportes Públicos Sustentáveis Auditório Professor Adriano Moreira 03.03.2016 Lei 52/2015 e RJSPTP alguns aspectos jurídicos

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11 Sistema de Incentivos Qualificação de PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Divulgação de Resultados do 4T10

Divulgação de Resultados do 4T10 Divulgação de Resultados do 4T10 23 de fevereiro de 2011 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia,

Leia mais

M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC. Dicionário de termos e conceitos

M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC. Dicionário de termos e conceitos M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC Dicionário de termos e conceitos Folha de Controlo Nome do Documento: Regulamento para submissão de pedidos de parecer prévio Evolução do Documento Versão Autor

Leia mais

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD Abel Mateus, Diretor por Portugal/Grécia no BERD Lisboa 23 de março de 2012 Informação geral sobre o Banco 12 10 8 6. 65 55

Leia mais

Mobilidade e Transportes

Mobilidade e Transportes Sistema de mobilidade e transportes no Município do Seixal MODO FERROVIÁRIO REDE CONVENCIONAL - 15,8 km eixo ferroviário norte/sul transportes de passageiros ramal da siderurgia nacional transporte de

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

Oferta de Infraestruturas Rodoviárias. Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto

Oferta de Infraestruturas Rodoviárias. Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto Oferta de Infraestruturas Rodoviárias Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto José Serrano Gordo Vice Presidente da EP-Estradas de Portugal, SA Hotel Tiara Porto ISEL, 14 de Novembro

Leia mais

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Comissão Gestora de Parcerias Público-Privadas de Goiânia e dá outras providências.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

A partir de que momento devem os docentes contratados ser remunerados?

A partir de que momento devem os docentes contratados ser remunerados? CONTRATAÇÃO A partir de que momento devem os docentes contratados ser remunerados? Conforme decorre do disposto no n.º 11 do artigo 9.º do Decreto lei n.º 132/2012, de 27 de junho, na redação conferida

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL Julho de 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso

Leia mais

Seminário Mobilidade Sustentável

Seminário Mobilidade Sustentável Acessibilidade (locais) Facilitar o acesso Mobilidade (pessoas) Facilitar a deslocação Sistema de Transportes Impacte Social Impacte Ambiental Impacte Económico Repartição Modal Supremacia crescente do

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 22/XIII/1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 22/XIII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 22/XIII/1.ª Determina o cancelamento e a reversão do processo de fusão, reestruturação e subconcessão do serviço público de transporte público

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC FAQs Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Prova Comentada HU UFPR 2015 Legislação SUS

Prova Comentada HU UFPR 2015 Legislação SUS Prova Comentada HU UFPR 2015 Legislação SUS 21. (EBSERH/HU-UFPR-2015) Assinale a alternativa correta sobre a evolução histórica da organização do sistema de saúde no Brasil e a construção do Sistema Único

Leia mais

Mozambique : analysis

Mozambique : analysis 26 de Edição Julho 10 de Junho 2012 2012 - Mozambican - Desk REGULAMENTO DA LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS Entrou em vigor no dia 4 de Julho de 2012 o Decreto n.º 16/2012 ( Regulamento ) que aprova

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

Terça-feira, 6 de maio de 2014. Resolução n.º 265/2014. Resolução n.º 266/2014. Empresa de Automóveis do Caniço, Lda.. Resolução n.

Terça-feira, 6 de maio de 2014. Resolução n.º 265/2014. Resolução n.º 266/2014. Empresa de Automóveis do Caniço, Lda.. Resolução n. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 6 de maio de 2014 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 263/2014 Mandata o Dr. Paulo Jorge Figueiroa de França Gomes para, em

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 138/2015 de 15 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 138/2015 de 15 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 138/2015 de 15 de Setembro de 2015 Considerando que o desenvolvimento de ações e medidas tendentes à formação e à educação do consumidor é concretizado,

Leia mais

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa : Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa José Manuel Viegas CESUR- Instituto Superior Técnico; e TIS.pt, consultores em Transportes Inovação e Sistemas, s.a. Workshop APDR Impacto dos Aeroportos

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais Entendimento do ICP-ANACOM Originação de chamadas nas redes móveis nacionais I. Enquadramento Os serviços de originação de chamadas prestados pelos operadores móveis nacionais são definidos como os serviços

Leia mais

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Fevereiro de 2013 Novidades Legislativas ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL Portaria n.º 209/2014 - Diário da República n.º 197/2014, Série

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Mobilidade Territorial Convite Público à Apresentação de Candidaturas no domínio dos Sistemas ferroviários ligeiros (metro) MT/01/2008 MOBILIDADE TERRITORIAL

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave

Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave V04, de 2015.03.04 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA DE ACTUAÇÃO A CP Lisboa é a Unidade de Negócio da CP responsável

Leia mais

PARECER N.º 185/CITE/2013

PARECER N.º 185/CITE/2013 PARECER N.º 185/CITE/2013 I OBJETO A CITE recebeu um pedido de parecer sobre o assunto referido em epígrafe. A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) tem por missão prosseguir a igualdade

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Seminário Anual WavEC Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Direção-Geral de Energia e Geologia Pedro Cabral Potencial renovável marinho

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006 ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural Lisboa, 26 de Julho de 2006 O ponto de vista de uma Distribuidora Modelo proposto a Distribuidora apresenta um plano de desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE 07 de abril de 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Foi publicada no passado dia 27 de fevereiro a Portaria n.º 57-A/2015 que aprova o Regulamento Específico

Leia mais

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta.

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta. DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO TOCANTINS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO E NÍVEL SUPERIOR Analista em Gestão Especializado Administração Disciplina: Conhecimentos

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

DSAJAL/DAAL NG. Nota Informativa 7/2012 Dezembro 2012. Empresas locais Integração de trabalhadores no Município. Despesas de Pessoal. novembro.

DSAJAL/DAAL NG. Nota Informativa 7/2012 Dezembro 2012. Empresas locais Integração de trabalhadores no Município. Despesas de Pessoal. novembro. Nota Informativa 7/2012 Dezembro 2012 DSAJAL/DAAL NG Empresas locais Integração de trabalhadores no Município Despesas de Pessoal Com esta Nota Informativa pretende-se esclarecer as dúvidas colocadas pelas

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre Primeira Contraente: Fundação de Serralves, pessoa colectiva de direito privado nº 502266643, instituída pelo Decreto-Lei nº 240-A/89, de 27 de Julho, com sede na

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

Programa Operacional Regional de Lisboa

Programa Operacional Regional de Lisboa AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE APROVAÇÃO CONDICIONADA - OVERBOOKING Considerando que a dotação global do Programa Operacional já está comprometida, não existindo recursos financeiros,

Leia mais

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português.

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Identificação da empresa Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Breve Historial da STCP A STCP - Sociedade de Transportes Colectivos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 33/COGEN/SEAE/MF Brasília, 14 de outubro de 2011. Assunto: Audiência

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2012 7321 pacidade de iniciativa e um espírito empreendedor e concretiza -se em: a) Promoção de concursos de ideias e projetos, para a melhoria

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE ELETRICIDADE

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE ELETRICIDADE RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE janeiro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014

Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014 Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 ÂMBITO GERAL 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro

Leia mais

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÓMICA MODELO DE GOVERNAÇÃO

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÓMICA MODELO DE GOVERNAÇÃO MODELO DE GOVERNAÇÃO Praia, 07 de Julho de 2009 João Renato Lima REGULAÇÃO EM CABO VERDE De acordo com Constituição da República revista em 2002, cabe ao Estado regular o mercado e a actividade económica

Leia mais

Optimização do Custo de Sinistros Automóvel através da gestão de prestadores. Lisboa, 07 de Maio de 2008 2008 Accenture. All rights reserved.

Optimização do Custo de Sinistros Automóvel através da gestão de prestadores. Lisboa, 07 de Maio de 2008 2008 Accenture. All rights reserved. Optimização do Custo de Sinistros Automóvel através da gestão de prestadores Lisboa, 07 de Maio de 2008 2008 Accenture. All rights reserved. AGENDA Enquadramento e Oportunidade Caso Prático 2008 Accenture.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais