Cluster de Computadores e Grids Computacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cluster de Computadores e Grids Computacionais"

Transcrição

1 Cluster de Computadores e Grids Computacionais CACIC 2007 Resistencia-Chaco, Argentina Septiembre 2007 CYTED-Grid - Tecnología GRID como motor del desarrollo regional Universidade do Estado da Bahia - UNEB Núcleo de Arquitetura de Computadores e Sistemas Operacionais ACSO Professor Josemar Rodrigues de Souza -

2 Elementos de Computação Aplicações Paradigmas de programação P Threads Interface Microkernel Multi-Processor Computing System.. P P P P P Sistema operacional Hardware P Processor Thread Process

3 Roteiro Visão geral Motivação e tecnologia Cluster de computadores Grids Computacionais Conceituação Características de Grids Aspectos da Computação em Grid

4 Principais desafios HPC Life Sciences Aerospace E-commerce/anything CAD/CAM Digital Biology Military Applications

5 Desempenho Existem 3 maneiras para melhorar o desempenho: Trabalhar duro Trabalhar duro Trabalhar inteligentemente Pedir ajuda

6 Desempenho Existem 3 maneiras para melhorar o desempenho: Trabalhar duro Trabalhar inteligentemente Pedir ajuda Usar hardware rápido: reduzir o tempo por instrução (clock cycle). Ciclo de busca (Fetch Cycle) Partida Buscar instrução / Próxima instrução Ciclo de instrução básico Executar instrução Ciclo de execução (Execute Cycle) Parada

7 Desempenho Existem 3 maneiras para melhorar o desempenho: Trabalhar duro Trabalhar inteligentemente Pedir ajuda Otimizar os algoritmos Ciclo de busca (Fetch Cycle) Partida Buscar instrução / Próxima instrução Executar instrução Parada Ciclo de execução (Execute Cycle) Ciclo de instrução básico

8 Desempenho Existem 3 maneiras para melhorar o desempenho: Trabalhar duro Trabalhar inteligentemente Pedir ajuda Ciclo de busca (Fetch Cycle) Buscar instrução / Próxima instrução Múltiplos computadores para resolver o problema: isto, aumenta o número de instruções executadas por ciclo de clock. Executar instrução Ciclo de execução (Execute Cycle) Partida Ciclo de busca (Fetch Cycle) Parada Buscar instrução / Executar Próxima instrução instrução Ciclo de instrução duplo Ciclo de execução (Execute Cycle)

9 Arquitetura seqüencial Arquitetura sequencial está chegando ao seu limite físico (velocidade da luz no vácuo) O fator limitante, segundo Akl (1989) é a velocidade da luz no vácuo ( 3 x 10 8 metros por segundo). Assumindo que um dispositivo eletrônico possa atingir operações por segundo será mais demorado esperar por um sinal de outro dispositivo que esteja a meio milímetro do que processá-lo. Ou seja, qualquer ganho possível em performance acima desse patamar de nada adianta pois esse tempo é perdido enquanto o dispositivo espera por outro. Incremento de melhorias de hardware como pipelining, não são escaláveis e requerem compiladores sofisticados.

10 Taxonomia de Arquiteturas de Computadores Fluxo de instruções Fluxos de dados Nome Exemplos 1 1 SISD Máquina clássica de Von Neumann 1 Múltiplos SIMD Supercomputadores vetoriais, array processor Múltiplos 1 MISD Questionável, nenhuma Múltiplos Múltiplos MIMD Multiprocessadores, multicomputadores Taxonomia de Flynn O propósito principal de uma taxonomia (classificação) de qualquer tipo é classificar em categorias os modelos ou conceitos diferentes que poderiam existir sobre um assunto em particular.

11 Taxonomia de Arquiteturas de Computadores Arquiteturas de Computadores SISD SIMD MIMD Vector- Array- Multi- Multi- processors processors processors computers Von Neumann UMA COMA NUMA MPP COW NOW HNOW CoHNOW MPP - Massively Parallel Processors (supercomputadores caros). COW - Cluster of Workstations (computadores pessoais interconectados em rede).

12 Por que processamento paralelo? A Tecnologia de processamento paralelo está madura e pode ser explorada comercialmente; reduzindo significativamente o trabalho com P & D, tanto no desenvolvimento de ferramentas quanto no de ambientes; O desenvolvimento da tecnologia de rede possibilitou a criação computadores paralelos de baixo custo.

13 O que são Computadores Paralelos? São computadores compostos por vários processadores que operam concorrentemente. Cooperando na execução de uma determinada tarefa. Ciclo de busca (Fetch Cycle) Buscar instrução / Próxima instrução Executar instrução Ciclo de execução (Execute Cycle) Partida Ciclo de busca (Fetch Cycle) Parada Buscar instrução / Executar Próxima instrução instrução Ciclo de instrução duplo Ciclo de execução (Execute Cycle)

14 Fatores motivadores para utilizar processamento paralelo Agregar velocidade em cálculos complexos: Milhões de neurônios respondem mais rapidamente a uma solicitação; Um neurônio individualmente responde mais lentamente.

15 Paradoxo do Processamento Paralelo! O tempo requerido para desenvolver aplicações paralelas para resolver os "principais desafios" ("grand challenge") é igual a: metade da vida dos Supercomputadores Paralelos

16 Evolução das plataformas de computadores Computing Platforms Evolution Breaking Adm inistrative Barriers P E R F O R M A N C E? Administrative Barriers Individual Group Depart ment Campus Sta te National Globe Inte r Plane t Universe Desktop (Single Proc es sor?) SMPs or SuperC om puters Local Cluster Enterprise Cluster/Grid Global Cluster/Grid Inter Plan et Cluster/Grid??

17 Analogia com o crescimento humano e a melhoria da potência computacional Crescimento Vertical Horizontal Idade

18 Por que utilizar Supercomputadores alternativos? Grande número de workstations sub-utilizadas e disponíveis para utilização; Grande número de ciclos de processador e recursos não utilizados, que podem ser postos em uso para uma variada gama de aplicações; Relutância em comprar Supercomputadores devido ao alto custo e curto tempo de utilização.

19 Cluster de Computadores

20 Cluster de computadores É uma coleção de maquinas que se utilizam das redes de computadores comerciais, locais e / ou remotas para paralelizar suas transações; Utiliza um software de passagem de mensagem que permite que um conjunto heterogêneo ou homogêneo de computadores (série, paralelo ou vetorial) seja visto como uma única Máquina paralela virtual (PVM, MPI, etc.) máquina.

21 Motivação para usar Clusters - 1 As pesquisas mostram que a utilização de ciclos da CPU de estações de trabalho são tipicamentes < 10%; O desempenho de estações de trabalho vem crescendo rapidamente; As organizações relutam para comprar grandes supercomputadores, devido aos altos custos e período de vida útil pequeno; As ferramentas de desenvolvimento para estações de trabalho estão mais maduras que as soluções proprietárias para computadores paralelos - principalmente devido à natureza não normal de muitos sistemas paralelos Normalmente uma estação de trabalho é utilizada por um individuo, grupo ou departamento. - elas são dedicadas para o uso exclusivo pelos "donos".

22 Motivação para usar Clusters - 2 Clusters de estações de trabalho são uma alternativa barata e disponível para computadores de alto desempenho especializado (HPC); A largura de banda para comunicação entre workstations cresceu muito nas novas tecnologias de rede e os protocolos podem ser implementados em LANs e LDNs; Cluster de Workstation são fáceis de serem integrados dentro de redes existentes.

23 Arquitetura de clusters Os clusters podem ser ampliados: com o aumento da escalabilidade (up, down, and across): O desempenho de nós individuais podem ser melhorados adicionando recursos adicionais (memória, disco) Novos nós podem ser adicionados ou podem ser removidos Clusters de clusters e Metacomputing Ferramentas de software completas: Threads, PVM, MPI, C, C++, Java, Parallel C++, Compiladores, Debuggers, OS, etc Ampla variedade de aplicativos: Para resolver os "principais desafios" ("grand challenge")

24 Aplicações de Clusters Numerosas Aplicações Cientificas e de Engenharia. Simulações Paramétricas Aplicações Comerciais Aplicações de e-commerce Aplicações de banco de dados Sistemas de apoio a decisão Aplicações Internet Web server / searching ASPs (application service providers) , echat, ephone, ebook, ecommerce, ebank, esociety, eanything! Portais Aplicações de Missão Critica sistemas de controle de processo, bancos, controle de reatores nucleares, guerra nas estrelas, e muitas outras situações.

25 Cluster de Computadores - Projetos de Pesquisas Beowulf (CalTech and NASA) - USA CCS (Computing Centre Software) - Paderborn, Germany CEBACAD Centro Baiano de Computação de Alto Desempenho. Br. Condor - Wisconsin State University, USA DQS (Distributed Queuing System) - Florida State University, US. EASY - Argonne National Lab, USA HPVM -(High Performance Virtual Machine),UIUC&now UCSB,US far - University of Liverpool, UK Gardens - Queensland University of Technology, Australia MOSIX - Hebrew University of Jerusalem, Israel MPI (MPI Forum, MPICH is one of the popular implementations) NOW (Network of Workstations) - Berkeley, USA NIMROD - Monash University, Australia NetSolve - University of Tennessee, USA PBS (Portable Batch System) - NASA Ames and LLNL, USA PVM - Oak Ridge National Lab./UTK/Emory, USA

26 Cluster de Computadores - Softwares Comerciais Codine (Computing in Distributed Network Environment) - GENIAS GmbH, Germany LoadLeveler - IBM Corp., USA LSF (Load Sharing Facility) - Platform Computing, Canada NQE (Network Queuing Environment) - Craysoft Corp., USA OpenFrame - Centre for Development of Advanced Computing, India RWPC (Real World Computing Partnership), Japan Unixware (SCO-Santa Cruz Operations,), USA Solaris-MC (Sun Microsystems), USA ClusterTools (A number for free HPC clusters tools from Sun) Um grande número de vendedores no mundo estão oferecendo soluções de clusters, incluindo IBM, Compaq, Microsoft, etc Um bom número de companhias iniciantes também oferecendo soluções para clusters: TurboLinux, HPTI, Scali, BlackStone..

27 Quem já chegou!

28 Exemplos de clusters: CAOS

29 Exemplos de clusters: CEBACAD

30 Exemplos de Clusters: LPAD (projeto)

31 Grids Computacionais A idéia de Grid surgiu na comunidade de Computação de Alto Desempenho (HPC) há mais ou menos 10 anos.

32 Clusters de Computadores X Grids Computacionais grid (Babylon English-English) n. network of crisscrossed bars; electrical conducting plate (in batteries); system of power stations which provide electricity to a large area; system of lines intersecting at right angles (used for reference); football field, gridiron (Sports) grid (Babylon English-Portuguese) s. grelha; rede (para a pesca de peixes); agulha; rede elétrica grid (Babylon English-Spanish) s. cuadrícula, cuadriculado, encasillado; rejilla, enjaretado, parrilla, reja; red cluster (Babylon English-English) n. group; bunch; unit for data storage on a disk (Computers); group of stars of approximately the same age which are held together by mutual gravitation (Astronomy) v. gather closely together, assemble, crowd together cluster (Babylon English-Portuguese) s. grupo; cacho, penca; enxame; (informática) grupamento, cluster, unidade de armazenamento de dados v. agrupar-se, juntar-se cluster (Babylon English-Spanish) s. grupo, agrupación; racimo, piña, ramillete, ramo; (inform.) cluster, un grupo de sectores de disco, unidad de almacenaje de datos en el disco v. aglomerar, agrupar, racimar

33 O que é um Grid? De acordo com Walfredo Cirne Universidade Federal de Campina Grande Atualmente (abril 2007) no Centro de Pesquisa do Google Uma plataforma para execução de aplicações paralelas Amplamente distribuída Heterogênea Compartilhada Sem controle central Com múltiplos domínios administrativos Uma ferramenta de marketing Multicluster

34 Grids podem diferir bastante TeraGrid 4 centros de supercomputação norte-americanos Cada centro com milhares de processadores dedicados ao TeraGrid Canais de altíssima velocidade (40 GBits/s) Poder agregado de 13,6 TeraFlops Ciclos ociosos de 1.6 milhões de processadores espalhados em 224 países Computa em média a uma velocidade de 10 Teraflops

35 Aspectos da Computação em Grid Além das questões de praxe em computação paralela, Computação em Grid adiciona os seguintes aspectos: Escalonamento de Aplicação Acesso e Autenticação Economias Grids Imagem do Sistema

36 Escalonamento de Aplicação Não é possível ter um escalonador controlando o Grid Tamanho e dispersão Múltiplos domínios administrativos Escalonadores de recurso Controlam alguns recursos no Grid Escalonadores de aplicação Escolhem quais recursos usar Particionam o trabalho da aplicação

37 Escalonador de Aplicação Necessita de informações sobre o Grid Sistemas de monitoramento Informações de monitoração são usadas em previsões de performance Necessita de um modelo de performance da aplicação Portanto, funciona apenas para uma classe de aplicações

38 Acesso e Autenticação Com vários domínios administrativos, como se dá acesso e autenticação? Idealmente gostariamos de ter um login único e propagável para os processos que criamos Segurança é um aspecto muito importante

39 Muito obrigado! Muchas gracias! Moltes gràcies!

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004 LCAD Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES Programa do Curso LCAD 1. Introdução 2. Arquitetura de Computadores 3. Arquiteturas

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas:

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: - análise estrutural; - previsão de tempo; - exploração de petróleo; - pesquisa em fusão de energia; - diagnóstico médico; - simulações

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Grids Computacionais. Marcelo Musci. musci@terra.com.br. Computação de Alto Desempenho. Jun/2004. Profa. DSc. Cristiana Bentes

Grids Computacionais. Marcelo Musci. musci@terra.com.br. Computação de Alto Desempenho. Jun/2004. Profa. DSc. Cristiana Bentes Grids Computacionais Marcelo Musci musci@terra.com.br Computação de Alto Desempenho Jun/2004 Profa. DSc. Cristiana Bentes Roteiro Conceituação Características de Grids Aspectos da Computação em Grid Soluções

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 1 Professores: Aula 10 Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins Conteúdo: Arquiteturas Avançadas - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 2 Arquiteturas RISC Reduced Instruction Set Computer se

Leia mais

Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters)

Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters) Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters) 3º Seminário de Tecnologia da Informação UCSal Marcelo Soares Souza (marcelo@cebacad.net) CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro Sistemas MIMD Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Arquiteturas Paralelas (SISD) Single Instruction Stream, Single Data Stream: Monoprocessador

Leia mais

Cluster HPC High Performance Computing.

Cluster HPC High Performance Computing. Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá. doze, março de 2009. Cluster HPC High Performance Computing. Diogo Salles, Thiago Pirro, Camilo Bernardes, Paulo Roberto, Ricardo Godoi, Douglas, Fauzer. Sistemas

Leia mais

Máquinas Multiníveis

Máquinas Multiníveis Infra-Estrutura de Hardware Máquinas Multiníveis Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Classificação de arquiteturas Tendências da tecnologia Família Pentium

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES DANIEL VAHID LIMA TOLOUEI

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES DANIEL VAHID LIMA TOLOUEI ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES DANIEL VAHID LIMA TOLOUEI CLUSTERS COMPUTACIONAIS DE ALTO DESEMPENHO VILA VELHA - ES 2010 DANIEL VAHID LIMA TOLOUEI

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Processamento Paralelo

Processamento Paralelo Processamento Paralelo Hardware Paralelo Universidade Estadual de Santa Cruz Bacharelado em Ciência da Computação Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Portabilidade O principal problema das primeiras maquinas

Leia mais

slide 0 Algoritmos Paralelos

slide 0 Algoritmos Paralelos slide 0 Algoritmos Paralelos Slide 2 Demanda por Velocidade Computational Demanda contínua por maior rapidez computational das máquinas que as atualmente disponíveis. As áreas que exigem maior rapidez

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina Arquitetura e Organização de Computadores 2 Apresentação da Disciplina 1 Objetivos Gerais da Disciplina Aprofundar o conhecimento sobre o funcionamento interno dos computadores em detalhes Estudar técnicas

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3 ARQUITETURA DE VON NEUMANN E DESEMPENHO DE COMPUTADORES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Tipos de Arquitetura Arquitetura de von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

RISC X CISC - Pipeline

RISC X CISC - Pipeline RISC X CISC - Pipeline IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 25 e 26/30 Prof. Msc. Antonio Carlos Souza Referências

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Processadores - II... 3 1.1.1. Princípios de projeto para computadores modernos... 3 1.1.2. Paralelismo...

Leia mais

Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters.

Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters. Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters. Marcelo Souza (marcelo@cebacad.net) Granduando em Sistema da Informação CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho Introdução a Computação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos e Ferramentas

Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos e Ferramentas 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos

Leia mais

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França Arquitetura NUMA 1 Daniel de Angelis Cordeiro INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França 6 de Outubro de 2010 1 Baseado em slides feitos por Christiane Pousa

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária Entrada e

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

A Evolução dos Clusters frente as demais arquiteturas de Alto Desempenho

A Evolução dos Clusters frente as demais arquiteturas de Alto Desempenho A Evolução dos Clusters frente as demais arquiteturas de Alto Desempenho Rodrigo Santos de Souza, Adenauer C. Yamin Universidade Católica de Pelotas - UCPel {rsouza,adenauer}@ucpel.tche.br, 1 Introdução

Leia mais

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos Docentes Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos 0. Introdução Prof. Paulo Marques Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra pmarques@dei.uc.pt Prof. Luís Silva Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - CLUSTER DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Grande parte do tempo, os computadores que utilizamos encontram-se ociosos, ou seja, sem nada para processar. Isso se deve, em grande parte, pelas aplicações

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Lembretes Compreender o funcionamento da Arquitetura Superpipeline Compreender

Leia mais

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Multicomputadores Introdução Vimos que existem dois tipos de processadores paralelos MIMD: Multiprocessadores. Multicomputadores. Nos multiprocessadores, existe uma memória compartilhada que pode ser acessada

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CPU (Central Processing Unit) é o coordenador de todas as atividades

Leia mais

Sistemas Distribuídos Visão Geral de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Visão Geral de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Visão Geral de Sistemas Distribuídos I Prof. MSc. Hugo Souza Voltando ao tempo, em meados da década de quarenta, os Estados Unidos buscavam desenvolver estratégias militares de comunicação

Leia mais

Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução

Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução Pedro Alberto Laboratório de Computação Avançada Centro de Física Computacional Unversidade de Coimbra 1 Sumário Porque é que é precisa a computação

Leia mais

Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI

Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI 1/45 Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI 1 Conceitos Paulo Penteado IAG / USP pp.penteado@gmail.com Esta apresentação: Arquivos do curso: Artigo relacionado: http://www.ppenteado.net/ast/pp_para_on/pp_para_on_1.pdf

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

Informática I. Aula 5. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1

Informática I. Aula 5. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1 Informática I Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1 INTRODUÇÃO Considerando que os Sistemas Distribuídos são constituídos de vários processadores, existem diversas formas de organizar o hardware de tais

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

Proposta de Middleware Para Meta-Escalonamento em Ambientes Multi-Cluster

Proposta de Middleware Para Meta-Escalonamento em Ambientes Multi-Cluster Proposta de Middleware Para Meta-Escalonamento em Ambientes Multi-Cluster Gabriel M. Pessoa 1, M. A. R. Dantas 1 1 Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1 Introdução Conceituação Um Sistema Operacional tem como função principal gerenciar os componentes de hardware (processadores, memória principal,

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Introdução

Leia mais

Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Conceitos de Hardware Conceitos de Software Combinações de SW e HW 3 Sistemas Distribuídos

Leia mais

Comparação de algoritmos paralelos em uma rede heterogênea de workstations

Comparação de algoritmos paralelos em uma rede heterogênea de workstations Comparação de algoritmos paralelos em uma rede heterogênea de workstations Marcelo T. Rebonatto, Marcos J. Brusso, Roberto Niche 1, Roni A. Dall Orsoletta 1 Universidade de Passo Fundo Instituto de Ciências

Leia mais

CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES 2.1 Organização de um Computador Típico : Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing Unit): Executa programas armazenados na memória, interpretando

Leia mais

Unidade 13: Paralelismo:

Unidade 13: Paralelismo: Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 13: Paralelismo: SMP e Processamento Vetorial Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da arquitetura SMP e alguns detalhes

Leia mais

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. - Módulo 3 - Sistemas de Armazenamento de Alto Desempenho

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. - Módulo 3 - Sistemas de Armazenamento de Alto Desempenho Sistemas de Gerência de Bancos de Dados - Módulo 3 - Sistemas de Armazenamento de Alto Desempenho Introdução Capacidade e Desempenho processador Kiloflop Megaflop Gigaflop Teraflop armazenam. Megabyte

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Agenda do Mini-Curso. Sérgio Yoshio Fujii. Ethan Boardman. sergio.fujii@areva-td.com. ethan.boardman@areva-td.com

Agenda do Mini-Curso. Sérgio Yoshio Fujii. Ethan Boardman. sergio.fujii@areva-td.com. ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Sérgio Yoshio Fujii sergio.fujii@areva-td.com Ethan Boardman ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Evolução de sistemas SCADA/EMS nos Centros de Controle: Sistemas operacionais

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1. Histórico Primeiros computadores Computadores dos anos 50 e 60 Primeiros computadores com sistemas operacionais Surgimento das redes de computadores Nos anos 70 início das pesquisas

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Professor Nielsen Castelo Damasceno E-mail: nielsen.castelo@unp.br Web: http://ncdd.com.br Sala de Aula Online Curso Sistemas distribuídos (CH Total

Leia mais

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC Definições O computador digital é uma máquina capaz de receber informações, processá-las e devolver resultados. Estes resultados podem ser mostrados em um monitor, armazenados,

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL O que é Hyper-Threading (HT)? Hyper-Threading (HT) é uma tecnologia existe nos processadores que visa explorar com mais eficiência o uso da CPU, o grande foco desta tecnologia é evitar ociosidade de processamento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Classificação dos Sistemas Operacionais Classificação Os sistemas operacionais podem ser classificados segundo diversos parâmetros e perspectivas.

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Multi-processamento Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Arquitecturas MIMD de memória distribuída Massive Parallel Computers Sistemas distribuídos Ainda

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Claudio André claudio.andre@correios.net.br Motivação Seu computador

Leia mais

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Classificação de SO quanto a: Interface Processamento Tarefas

Leia mais

Definindo melhor alguns conceitos

Definindo melhor alguns conceitos Definindo melhor alguns conceitos Processamento Paralelo: processamento de informação concorrente que pertencem a um ou mais processos que resolvem um único problema. Processamento Distribuído: processamento

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br ESQUEMA DE UM COMPUTADOR Uma Unidade Central de

Leia mais