Automação Industrial e a Integração dos Sistemas Digitalizados. de Proteção, Controle e Supervisão de Subestações de Energia Elétrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Automação Industrial e a Integração dos Sistemas Digitalizados. de Proteção, Controle e Supervisão de Subestações de Energia Elétrica"

Transcrição

1 Automação Industrial e a Integração dos Sistemas Digitalizados de Proteção, Controle e Supervisão de Subestações de Energia Elétrica Thiago Messias Barata Salim PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE ENGENHEIRO ELETRICISTA. Aprovada por: Prof. Ivan Herszterg, M.Sc. (Orientador) Prof. Sergio Sami Hazan Eng. Antonio Augusto Brites Magalhães i

2 RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL DEZEMBRO DE 2007 ii

3 Agradecimentos Aos meus familiares pela ajuda e incentivo. À minha noiva, pela dedicação e paciência. À TELVENT que me mostrou a Engenharia como profissão, concretizando a minha escolha de ser engenheiro. A todos os professores do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Rio de Janeiro pela dedicação e empenho na transmissão de seus conhecimentos. ii

4 Resumo O presente trabalho tem o objetivo de elaborar um estudo sobre automação industrial e seus processos, visando apresentar as características de um sistema digital integrado de proteção, supervisão, controle e automação para uma subestação. Inicialmente, serão apresentados os subsistemas que compõem um sistema integrado, detalhando aspectos técnicos e teóricos. Em seguida, será apresentado o processo de automação de uma subestação, os equipamentos utilizados, a engenharia envolvida e as etapas do projeto. Este trabalho permitirá que o leitor analise e entenda o processo de automação, assim como a arquitetura do sistema de uma subestação de energia elétrica digitalizada. iii

5 Lista de siglas CLP ED GPS IEC IED IEM IHM LAN ONS RDP SAGE SCADA SD SE TC Controlador Lógico Programável Entrada Digital Global Positioning System International Electric Commission Intelligent Electronic Device (Dispositivo Eletrônico Inteligente) Interferência eletromagnética Interface Homem Máquina Rede Local Operador Nacional do Sistema Registrador Digital de Perturbações Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia Supervisory Control and Data Aquisition Saída Digital Subestação Transformador de Corrente iv

6 TI TP UAC Tecnologia da Informação Transformador de Potencial Unidade de Aquisição e Controle Índice 1. Introdução Sistema Digital Integrado Subsistema de Proteção Subsistema de Supervisão e Controle Coordenação x Integração dos Sistemas de Proteção, Supervisão e Controle Sistema de Comunicação...7 v

7 3.1. Redes de Comunicação Padrão RS-232C, RS-422, RS Sentido da Transmissão dos Dados Protocolos de Comunicação IEC DNP MODBUS TCP/IP Características do Meio de Transmissão Cabos Elétricos Cabos Ópticos Equipamentos Hub Switch Roteador Engenharia e Arquitetura do Sistema Controladores Lógicos-Programáveis (CLP) Entradas Digitais Saídas Digitais Entradas Analógicas SCADA...23 vi

8 4.3. Relés Digitais de Proteção Algumas funções de proteção dos relés Oscilografia e RDP GPS Transformadores de Instrumentos (TI s) Relés de Interface Transdutor Automação Industrial Diagramas Unifilares Arquitetura Geral do Sistema Arquitetura Centralizada Arquitetura Descentralizada Arquitetura da SE MOP Diagramas Funcionais Construtivos e Dimensionais Base de Dados Lógicas Conclusão Referências Bibliográficas...57 vii

9 Lista de Figuras Figura 1: Figura 2: Figura 3: Figura 4: Figura 5: Figura 6: Exemplo de um sistema de controle e proteção integrado...5 Cabo Par Trançado...16 Cabo Coaxial...17 Fibra Óptica...18 Hub de 4 portas...19 Switch...20 Figura 7: Roteador...20 Figura 8: Estrutura básica de um CLP...21 Figura 9: CLP Saitel 2000DP da TELVENT...22 Figura 10: Arquitetura da Saitel 2000DP...23 Figura 11: Unifilar da SE Onça Puma no SCADA...26 Figura 12: Relé Digital de Proteção...27 Figura 13: Instalação do RDP...29 Figura 14: Registrador Digital de Perturbação...30 Figura 15: Exemplo de registro...31 Figura 16: GPS vista frontal e traseira...32 Figura 17: Transformador de Corrente (TC)...33 Figura 18: Relés Auxiliares...34 viii

10 Figura 19: Transdutor...35 Figura 20: Visão Geral das SE s PROJETO MOP...37 Figura 21: Detalhe da LT Integradora C Figura 22: Diagrama Unifilar SE MOP parte I...39 Figura 23: Diagrama Unifilar SE MOP parte II...40 Figura 24: Arquitetura Geral do Sistema da SE MOP parte I...43 Figura 25: Arquitetura Geral do Sistema da SE MOP parte II...44 Figura 26: Arquitetura Geral do Sistema da SE MOP parte III...45 Figura 27: Figura 28: Figura 29: Comando Seccionadora...49 Entrada Digital - Seccionadora...50 Saída Digital - Seccionadora...51 Figura 30: Frontal do Painel QPC Figura 31: Figura 32: Figura 33: Status Entrada Digital...53 Comandos Saída Digital...53 Lógica de Abertura e Fechamento do Disjuntor...55 ix

11 1. Introdução A vida moderna seria impensável sem energia elétrica. Nossa sociedade não tem mais como renunciar ao uso da eletricidade. O desenvolvimento tecnológico, associado ao crescimento econômico, fez com que a energia elétrica ocupasse um lugar de destaque na sociedade moderna, que se tornou cada vez mais dependente devido a significativas mudanças no padrão de consumo. Para atender à crescente demanda com uma energia elétrica de qualidade, aliada a uma indispensável gestão empresarial com práticas de redução de custos, buscando sempre a eficiência do sistema elétrico e a melhoria das condições de atendimento ao consumidor, as concessionárias de energia têm direcionado os seus investimentos à automação industrial. Os sistemas integrados de proteção, controle e automação surgem com a finalidade de oferecer maiores recursos de operação, manutenção e qualidade de atendimento, contribuindo para a melhoria do sistema elétrico em geral. O avanço da automação está ligado, em grande parte, a evolução tecnológica que tornou esses sistemas cada vez mais confiáveis e seguros, através do uso de tecnologia de ponta nos processos operacionais. Dentro dessa realidade, as concessionárias de energia elétrica têm investido na modernização da automação das subestações de forma a garantir uma melhor e mais confiável utilização dos equipamentos sem comprometer a qualidade do fornecimento. 1

12 2. Sistema Digital Integrado Os sistemas de proteção, controle e automação de subestações experimentaram importantes mudanças devido a necessidade de investimento contínuo no setor, objetivando a garantia da quantidade, qualidade e preços adequados do produto Energia Elétrica. Para que se atenda as aspirações de um mercado consumidor cada vez mais exigente e progressista, faz-se necessário um Sistema Integrado de Supervisão, Controle e Proteção cada vez mais complexo. Assim, a utilização de sistemas digitais de supervisão e controle, juntamente com a implementação de sistemas de automação, tem contribuído significativamente para a melhoria da qualidade de atendimento, proporcionando recursos não só de manobra remota de equipamentos, mas também para a manipulação de grandes quantidades de informações, de maneira prática, racional e segura. Um Sistema Digital Integrado consiste em um conjunto de equipamentos de proteção, supervisão e controle, interligados de forma a poder trocar informações com confiabilidade e dentro de tempos aceitáveis. São conectados a uma unidade central de processamento, capaz de compartilhar tais informações aos níveis hierárquicos superiores através de um rede local (LAN). Tal sistema deve oferecer as funções de proteção, as características da automação e controle, e a disponibilidade de todas as informações em um único sistema de supervisão. O objetivo principal dessa integração é utilizar, de forma mais eficiente, os recursos de supervisão, controle, automação e proteção, com melhor desempenho e menores custos e, ao mesmo tempo, disponibilizar o maior número de informações à operação e manutenção dos sistemas elétricos, buscando sempre a eficiência do sistema e ainda possibilitando a otimização de todo o processo. A formação básica de um sistema integrado se constitui na composição dos subsistemas. Suas principais partes constituintes são: UAC s Unidades de aquisição e controle; 2

13 UCP Unidade central de processamento; Relés de Proteção; IHM Interface homem-máquina (Monitor, telas, projetor e impressoras); LAN, rede local de transferência e compartilhamento de dados protocolos e demais especificações. Figura 1: Exemplo de um sistema de controle e proteção integrado [10] Em sistemas convencionais que não possuem integração, os subsistemas de Proteção, Supervisão e Controle formam dois sistemas completamente separados. As funções de proteção são restritas aos relés, que não disponibilizam suas informações e ações e muitas vezes não informam suas ações ao sistema de supervisão e controle. O sistema de supervisão e controle, por sua vez, possui apenas as informações referentes ao controle. Já para o caso dos sistemas integrados, as informações relevantes ao processo, como correntes, tensões, estados dos equipamentos, alarmes, são aquisitadas pelos relés de proteção e UAC s e compartilhadas com o sistema de supervisão e controle. Além de compartilhar estas informações, é possível também disponibilizar no sistema de supervisão as atuações e alarmes provenientes dos relés de proteção. 3

14 É importante comentar que a integração entre os diversos dispositivos digitais pode ocorrer em diferentes níveis, podendo ser parcial ou plenamente integrado, dependendo do grau de compartilhamento das informações entre os subsistemas. A redução do custo de implementação de um novo sistema, baseando-se entre outros fatores na diminuição da quantidade de cabos, no número de ED s e SD s, será tanto mais significativa quanto mais completo for o nível de integração do sistema Subsistema de Proteção Este subsistema é responsável por executar toda a proteção do sistema, enviando as informações ao subsistema de supervisão. Para garantir economicamente os serviços de energia elétrica, é necessário proteger as instalações da rede de possíveis anomalias de funcionamento, utilizando um conjunto coerente e específico de proteção. Deve-se ter sempre em mente que a filosofia principal de proteção baseia-se em quatro requisitos básicos: Sensibilidade Seletividade Velocidade Confiabilidade Todo equipamento de proteção deve ser suficientemente sensível, isto é, capaz de responder às anormalidades nas condições de operação, e aos curtos-circuitos mínimos para os quais foi projetado. Deve possuir seletividade, reconhecendo e selecionando entre as condições que requerem funcionamento rápido, retardo na atuação, ou nenhuma operação. Além disso, sempre deve funcionar com a velocidade requerida, apresentando a confiabilidade para atuar conforme previsto. O objetivo principal da proteção é desconectar o elemento defeituoso de um sistema o mais rápido possível. A sensibilidade, seletividade e a confiabilidade são essenciais para assegurar a atuação dos disjuntores apropriados, enquanto que a velocidade é importante para manter o sincronismo entre as máquinas e permitir religamentos bem sucedidos. 4

15 2.2. Subsistema de Supervisão e Controle Este subsistema é responsável pelo controle e supervisão dos diversos equipamentos pertencentes a uma subestação. Ao conjunto dos equipamentos (hardware e software) que realizam as funções de supervisão e controle é atribuída a designação de SCADA (Supervisory, Control and Data Acquisition). Este sistema deve possuir algumas características determinantes como as funções de monitoração, comando remoto, alarme, registro de dados, seqüência de eventos, gráficos, lógicas de intertravamento, religamento automático, interface homem-máquina, entre outras. Monitoração: Apresentação ao operador do estado dos equipamentos presentes em uma subestação (disjuntores, chaves seccionadoras, etc.), além das indicações das medidas relevantes como: potência ativa e reativa, tensão, corrente, freqüência, fator de potência, posição de taps e temperatura de transformadores. Comando Remoto: Manobra dos equipamentos da SE a partir da sala de controle, por meio de interface gráfica de comando. Alarme: Informação ao operador da alteração de um status importante para determinação do perfeito funcionamento da SE. Caracteriza uma irregularidade funcional de algum equipamento, dos limites operativos de medições ou do sistema digital. Registro de dados: Todas as informações referentes às medições, indicações de estados, alarmes e ações de operação devem ser armazenadas, permitindo uma análise geral pós operativa. Seqüência de eventos: Registro das informações provenientes do subsistema de proteção, especificamente dos relés e dos comandos de abertura e fechamento dos disjuntores e chaves seccionadoras. Ficam armazenados os alarmes de proteção, registros das atuações, trip s e demais informações relevantes. 5

16 Gráficos de tendência: Informações de grandezas analógicas com suas respectivas variações no tempo. Lógicas de Intertravamento: Efetuam o bloqueio ou a permissão de ações de comandos nos equipamentos em função da topologia das SE s. Estas lógicas visam preservar a segurança operativa e a vida útil dos equipamentos. Religamento automático: Algoritmo de controle que tenta restabelecer automaticamente a topologia em caso de abertura de disjuntor. Interface homem-máquina: Recursos gráficos de operação que permitem o reconhecimento dos estados dos equipamentos, medições realizadas e a sinalização de alarmes Coordenação x Integração dos Sistemas de Proteção, Supervisão e Controle Os sistemas de Proteção, Supervisão e Controle devem interagir entre si. A forma que se realiza esta integração pode variar, dependendo da necessidade e tecnologia empregada. Em sistemas digitais com coordenação entre relés de proteção e o sistema de supervisão e controle, existe uma troca parcial de informações entre esses dois subsistemas. No caso dos sistemas digitais com integração entre as funções de proteção e o sistema de supervisão e controle, existe uma troca de informações extensa e interdependente. As funções de aquisição do estado dos equipamentos, alarmes, atuações, valores de correntes, tensões, temperaturas, etc..., são feitas uma única vez para os dois subsistemas. O consenso maior, porém, é que qualquer que seja o grau de integração, deve-se manter o sistema de proteção independente do sistema de supervisão e controle, nas funções de aquisição dos valores, por exemplo, de corrente e tensão, estado dos disjuntores, disparos e religamentos. 6

17 3. 3. Sistema de Comunicação Os sistemas de automação industrial requerem o uso de um sistema eficiente de comunicação para transmissão de sinais de dados e controle, entre os centros de controle e um grande número de CLP s e medidores. Existem muitas tecnologias de comunicação capazes de atender essa necessidade e a seleção do sistema de comunicação apropriado requer um completo entendimento de cada tecnologia de comunicação. As exigências de comunicação depende da dimensão, complexidade e grau de automação desejável para o sistema. Em geral são importantes as seguintes características: confiabilidade da comunicação custo benefício atender necessidades presentes e futuras de taxa de dados comunicação em duplo sentido (não necessária para algumas funções) operar em áreas interrompidas / falhas fácil operação e manutenção conformidade com a arquitetura do fluxo de dados 3.1. Redes de Comunicação De acordo com a configuração do sistema de comunicação, isto é, a finalidade, características técnicas e comprimento da rede, assim como a distância entre os equipamentos, as redes de comunicação podem ser: LAN s (Local Area Network, "rede de área local"): são redes utilizadas na interconexão de equipamentos e processadores com a finalidade de troca de dados. Tais redes são denominadas locais por cobrirem apenas 7

18 uma área limitada (10 Km no máximo), visto que, fisicamente, quanto maior a distância de um nó da rede ao outro, maior a taxa de erros que ocorrerão devido à degradação do sinal. As LAN s são utilizadas para conectar estações, servidores, periféricos e outros dispositivos que possuam capacidade de processamento em uma casa, escritório, escola e edifícios próximos [11]. WAN (Wide Area Network, Rede de área alargada ou Rede de longa distância ): também conhecida como Rede geograficamente distribuída, é uma rede de computadores que abrange uma grande área geográfica, com freqüência um país ou continente. Difere, assim, das LAN s e das MAN s. A maior WAN que existe é a Internet. Em geral, as redes geograficamente distribuídas contém conjuntos de servidores, que formam sub-redes. Essas sub-redes têm a função de transportar os dados entre os computadores ou dispositivos de rede. As WAN s tornaram-se necessárias devido ao crescimento das empresas, onde as LAN's não eram mais suficientes para atender a demanda de informações, pois era necessária uma forma de passar informação de uma empresa para outra de forma rapida e eficiente. Surgiram então as WAN s, que conectam redes dentro de uma vasta área geográfica, permitindo comunicação a grande distância [11]. MAN (Metropolitan Area Network, Rede de Área Metropolitana ): é uma rede de comunicação que abrange uma cidade. O exemplo mais conhecido de uma MAN é a rede de televisão a cabo disponível em muitas cidades. A partir do momento que a internet atraiu uma audiência de massa, as operadoras de redes de TV a cabo começaram a perceber que, com algumas mudanças no sistema, elas poderiam oferecer serviços da Internet de mão dupla em partes não utilizadas do espectro. A televisão a cabo não é a única MAN. Os desenvolvimentos mais recentes para acesso à internet de alta velocidade sem fio resultaram em outra MAN [11]. 8

19 3.2. Padrão RS-232C, RS-422, RS-485 O padrão RS-232C foi o primeiro padrão de comunicação serial para interligação de equipamentos, tendo sido introduzido em Suas características, que são basicamente para sinalização do meio físico, compreendem: transmissão unidirecional; uso de lógica positiva: +5V a +15V equivale ao 1 lógico; e -5V a -15V equivale ao 0 lógico; faixa garantida para operação entre 0 e 20 kbps ( quilo bits por segundo); distância máxima recomendada: 50 pés (15m); O padrão RS-422 é um padrão de comunicação diferencial para linhas balanceadas, unidirecional, de forma a permitir a conexão de 1 transmissor a até 10 receptores, com as seguintes características principais: sinal de saída nas faixas +2V a +6V e -2V a -6V; 0,4V mínimo de sinal diferencial; limites de 10Mbits para distâncias de até 40 pés (13m) ou então, distância máxima de 4000 pés (1300m) para velocidades de até 100 kbps. O padrão RS-485 é uma extensão do padrão RS-422 com o objetivo de permitir a implementação de redes onde é possível interligar até 32 transmissores e até 32 receptores no mesmo par de fios de comunicação, sendo que são mantidas todas as especificações físicas do padrão RS

20 3.3. Sentido da Transmissão dos Dados As direções de transmissão dos dados permitem classificar um canal de comunicação nas seguintes alternativas : Simplex: é quando o sentido do fluxo de sinais é único (caso das redes em anel); Half-duplex: é quando o fluxo de sinais ocorre em ambos os sentidos, em instante diferentes no tempo (caso de redes tipo barramento); Full-duplex: é quando ocorre fluxo de sinais em ambos os sentidos no mesmo instante de tempo, havendo portanto a obrigatoriedade de existir dois canais de comunicação distintos Protocolos de Comunicação Redes locais, interligando vários processadores, funcionando de forma integrada, devem possuir um conjunto de regras bem definidas para comunicação de dados entre os processadores, denominadas de Protocolos. Ao conjunto de protocolos de uma rede denomina-se Arquitetura de Protocolos. Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede não funciona. Um protocolo especifica como um programa deve preparar os dados para serem enviados para o estado seguinte do processo de comunicação. Um protocolo de comunicação nada mais é do que um conjunto de convenções que rege o tratamento e, especialmente, a formatação dos dados num sistema de comunicação. Seria a "gramática" de uma "linguagem" de comunicação padronizada. Os mais diversos meios podem ser utilizados para criar códigos de comunicação: o meio mais utilizado até hoje é o elétrico. Porém, para fazer uso de qualquer código para transmitir uma mensagem, existe a necessidade de um protocolo. Protocolo de Comunicação: convenção na formatação dos dados Código de Comunicação: convenção dos símbolos usados 10

21 Mensagem: conteúdo do que se transmite e recebe IEC É interessante, mencionar o protocolo IEC que define as regras para comunicação de equipamentos usadas na automação de sistemas elétricos. IEC Fornece uma padronização razoável para comunicação entre UAC s e os Centros de Controle, sendo hoje amplamente empregado. Como uma evolução deste protocolo surgiu um novo padrão, o IEC , o qual permitiu a comunicação entre redes LAN e WAN (Wide Area Network). Este padrão é baseado no uso do protocolo ETHERNET, com sistema de acesso ao meio TCP/IP, hoje o mais difundido internacionalmente no setor de redes de transmissão de dados. Podem ser ajuntadas várias estações que usam este protocolo em uma instalação interconectada para controlar e monitorar os equipamentos de um sistema de energia elétrica distribuído, de um ponto central. Este padrão define a funcionalidade para a interoperabilidade dos equipamentos de telecontrole de diferentes fabricantes para a comunicação entre subestações e centros de controle. Então aplica-se a equipamento de telecontrole e sistemas de transmissão para monitorar processos. O protocolo utiliza padrões da série IEC IEC O protocolo IEC é destinado para o uso em transmissão de dados entre IED s como equipamentos da proteção e os sistemas de controle. O protocolo define as unidades de dados que especificam a disposição e os índices da mensagem, assim como a descrição da ordem e das situações em que estas mensagens são emitidas. Uma meta importante da IEC para a interface de informação dos equipamentos de proteção é a habilidade de unir dispositivos de proteção de fabricantes diferentes e gerações diferentes para um sistema de controle de estação sem aplicar qualquer esforço adaptável adicional. 11

22 DNP Protocolo de Rede Distribuído, é um protocolo aberto, público, baseado em padrões abertos existindo para trabalhar dentro de uma variedade de redes. Foi desenvolvido para alcançar interoperabilidade entre sistemas elétricos, óleo & gás e indústrias de segurança. Recomenda o uso de DNP 3 ou IEC para comunicação entre unidades terminais remotas e dispositivos eletrônicos inteligentes. DNP também pode ser implementado em qualquer sistema SCADA para comunicações entre computadores de subestação, CLP s, IED s e estações mestre. É usado para trocar dados entre CLP e pontos de controle remoto. Assim pode ser usada para a comunicação do centro de controle bem como para uma comunicação com os relés de proteção ou outros dispositivos eletrônicos inteligentes MODBUS Modbus é um protocolo de comunicação de dados utilizado em sistemas de automação industrial. É um dos mais antigos protocolos utilizados em redes de controladores lógicos programáveis para aquisição de sinais de instrumentos. Por serem altamente difundidos são utilizados em milhares de equipamentos existentes e é uma das soluções de rede mais baratas a serem utilizadas em automação industrial TCP/IP TCP/IP é o protocolo de rede mais usado atualmente. Seu nome faz referência a dois protocolos diferentes, o TCP (Transmission Control Protocol, Protocolo de Controle de Transmissão) e o IP (Internet Protocol, Protocolo de Internet). Os protocolos para internet formam o grupo de protocolos de comunicação que implementam a pilha de protocolos sobre a qual a internet e a maioria das redes comerciais funcionam. 12

23 Como muitos outros modelos de protocolos, podem ser vistos como um grupo de camadas, em que cada uma resolve um grupo de problemas da transmissão de dados, fornecendo um serviço bem definido para os protocolos da camada superior. Estas camadas mais altas estão logicamente mais perto do usuário (camada de aplicação), lidam com dados mais abstratos e confiam nos protocolos das camadas mais baixas para traduzir dados em um formato que pode eventualmente ser transmitido fisicamente Características do Meio de Transmissão Meio de transmissão é a conexão física entre as estações da rede. Geralmente eles diferem com relação à faixa passante, ao potencial para conexão, à limitação geográfica devido à atenuação característica do meio, à imunidade a ruído, ao custo, à disponibilidade de componentes e à confiabilidade. A escolha do meio de transmissão adequado às aplicações é extremamente importante, não só pelos motivos mencionados acima, mas também pelo fato de que ele influencia diretamente os custos de interface com a rede. Qualquer meio físico capaz de transportar informações eletromagnéticas é passível de ser usado em redes locais, porém os mais utilizados são o par trançado, o cabo coaxial e a fibra ótica. Podemos subdividir os cabos utilizados em redes em dois grupos principais: cabos elétricos são cabos de cobre (ou de um outro material condutor) que transmitem os dados através de sinais elétricos. cabos ópticos são cabos de fibra óptica que transmitem a informação através de sinais ópticos ou luminosos Cabos Elétricos Cabo Par Trançado 13

24 No par trançado, dois fios são enrolados em espiral de forma a reduzir o ruído e manter constante as propriedades elétricas do meio através de todo o seu comprimento. A transmissão do par trançado pode ser tanto analógica como digital. Radiação pode ocorrer quando a relação entre a separação dos condutores e a freqüência de operação chega a um certo ponto. Como conseqüência, existe um limite na freqüência de transmissão. A faixa passante do par trançado é notavelmente alta, podendo chegar a uns poucos megabites por segundo, dependendo da distância, técnica de transmissão e qualidade do cabo. A perda de energia é um parâmetro importante quando se discute não só a taxa mínima de transmissão, mas também a distância máxima permitida, em qualquer que seja o meio de transmissão. A perda de energia aumenta com o aumento da distância, até chegar a um ponto em que o receptor não consegue mais reconhecer o sinal. Energia pode ser perdida por radiação (o meio físico pode funcionar como uma antena se o condutor é uma fração considerável do comprimento de onda transmitida) ou por calor (será proporcional à corrente e à impedância do meio, aumentando com a freqüência, uma vez que o sinal é transportado cada vez mais na parte externa do condutor - efeito pelicular). Em geral, um par trançado pode chegar até várias dezenas de metros, com taxas de transmissão de alguns megabites por segundo. A principal desvantagem do par trançado é a sua susceptibilidade a IEM. Este problema pode ser minimizado com o uso de blindagem. Em sistemas de baixa freqüência, a imunidade a ruído é tão boa quanto a do cabo coaxial. Em freqüências um pouco mais elevadas (acima de 100 khz, aproximadamente) o cabo coaxial é bem superior. A conexão dos nós ao cabo é extremamente simples. Devido à sua relativa simplicidade e baixo custo, conjugadamente com boas características de transmissão, estes cabos têm sido largamente utilizados quer em redes locais quer em redes alargadas. Figura 2: Cabo Par Trançado 14

25 Cabo Coaxial: É constituído por um condutor interno circundado por um condutor externo, separados por um dielétrico. O condutor externo é circundado por uma camada isolante. A conexão dos nós ao cabo exige técnicas especiais devido a impedância dos conectores. A maioria dos sistemas em banda básica utilizam cabos com impedância característica de 50 ohm, ao invés de cabos de 75 ohm comumente utilizados nas transmissões de sinais de TV ou redes de banda larga. Os cabos coaxiais propiciam melhor imunidade a ruídos do que o par trançado. Figura 3: Cabo Coaxial Cabos Ópticos A transmissão em fibra ótica é realizada pelo envio de um sinal de luz codificado, dentro de um domínio de freqüência do infravermelho, a Hz, através de um cabo ótico. As fontes emissoras de luz podem ser diodos emissores de luz ou lasers semicondutores. Estes últimos são preferidos por serem mais eficientes em termos de potência e devido a sua menor largura espectral, que reduz os efeitos de dispersão cromática na fibra. Diodos emissores de luz (LED s) são, por outro lado, mais baratos, além de se acomodarem melhor à temperatura ambiente e terem um ciclo de vida maior do que o laser. A fibra ótica possui algumas características físicas que tornam o seu emprego em ambientes como os de subestações e usinas extremamente vantajoso, tais como: é imune a interferências eletromagnéticas; 15

26 propicia o isolamento elétrico entre o transmissor e o receptor, eliminando os riscos de curto e transmissão de potenciais elevados à casa de controle; apresenta atenuação independente da freqüência, propiciando, assim, uma velocidade de transmissão bastante alta. Sob condições de laboratório podem ser obtidas velocidades de transmissão na ordem de gigabites por segundo. A composição da fibra é determinante na sua atenuação, que pode ser causada pela dispersão ou absorção da luz, provocada por impurezas no núcleo. Uma desvantagem do uso da fibra ótica é o comprometimento da confiabilidade em relação ao par trançado e cabo coaxial em função das necessidades do uso de transceptores eletro-ótico e ótico-elétrico nas interfaces com os nós. Contudo, a tecnologia das fibras ópticas ainda tem custo relativamente elevado (quando comparada com a dos outros cabos), o que tem sido um fator impeditivo da sua difusão em larga escala. Por exemplo, ao nível de pequenas redes locais não é justificada a utilização dessa tecnologia, uma vez que os cabos elétricos conseguem bom desempenho com preço muito mais reduzido. Figura 4: Fibra Óptica [5] 16

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Tipos de Rede. Maria João Bastos MegaExpansão 16-03-2010

Tipos de Rede. Maria João Bastos MegaExpansão 16-03-2010 2010 Tipos de Rede Maria João Bastos MegaExpansão 16-03-2010 REDES Em computação, rede de área local (ou LAN, acrónimo de local área network) é uma rede de computador utilizada na interconexão de equipamentos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI.

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. *Definição *Contexto Atual *Meios de Transmissão *Equipamentos de Comunicação *Arquiteturas de Redes *Tecnologias de LAN s *Protocolos

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. COMO CRIAR UM ELEMENTO DE DETECÇÃO DE ARCO VOLTAICO RÁPIDO E SELETIVO, UTILIZANDO ELEMENTOS DE SOBRECORRENTE E INTENSIDADE LUMINOSA Eduardo Zanirato / Geraldo Rocha Resumo - O guia apresenta a lógica para

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

O uso do CP em sinalização de ferrovias

O uso do CP em sinalização de ferrovias O uso do CP em sinalização de ferrovias Introdução Um Sistema de Sinalização e Controle ferroviário é responsável por garantir a segurança das operações de movimentação dos trens, permitindo a operação

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia 56 Apoio Automação de subestações Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) O desenvolvimento das facilidades de comunicação

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e registro de eventos Intertravamentos de segurança Série

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução à tecnologia de redes Redes de Computadores Século XX - Era da Informação -> invenção do computador. No início, os

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007 SISTEMA DE CHAVEAMENTO AUTOMÁTICO PARA RÁPIDA ENERGIZAÇÃO DE FASE RESERVA EM BANCOS DE TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS Fernando G. A. de Amorim* Nelson P. Ram os** * Treetech Sistem as Digitais Ltda. ** Furnas

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

REDES COMPUTADORES. Origem, Evolução e Conceitos Básicos

REDES COMPUTADORES. Origem, Evolução e Conceitos Básicos REDES COMPUTADORES Origem, Evolução e Conceitos Básicos Agenda Definição Objetivos Componentes Classificação Fluxo de Dados Tipo de Processamento Tipo de Conexão Tipo de Transmissão Tamanho Topologia Objetivos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas Definir: Identificar as diferentes Topologias Objetivos: Descrever Vantagens/Desvantagens Topologia Adequada A topologia impacta sobre: Tipo de equipamentos utilizados A capacidade de cada equipamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Re R d e e d s e Ygor Colen Morato

Re R d e e d s e Ygor Colen Morato Redes Ygor Colen Morato Histórico : Década 50 primeiros computadores, chamados de Mainframes. Processamento em lote ou batch. Década 60 primeiros terminais interativos. Porém sem capacidade de processamento.

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais