UM CONTRIBUTO PARA A HISTÓRIA DA APAT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM CONTRIBUTO PARA A HISTÓRIA DA APAT"

Transcrição

1

2 UM CONTRIBUTO PARA A HISTÓRIA DA APAT

3

4

5 FICHA TÉCNICA Edição: APAT Coord. Editorial: Rogério Alves Vieira Apoio Editorial: Tomé Namora, Gonçalo Ferreira Revisão: Gonçalo Ferreira Fotografia: Arquivos APAT Concepção gráfica e paginação: Ficta Design (www.fictadesign.pt) Impressão: OndaGrafe, Artes Gráficas, Lda. Depósito Legal:

6 AGRADECIMENTOS A Tomé Rodrigues Namora, a quem se deve o descritivo histórico da Associação desde o seu início. A toda a equipa APAT pela colaboração na pesquisa dos suportes de imagem e documentação utilizados nesta publicação.

7 6

8 ÍNDICE Mensagem do Presidente 09 Nota Prévia 11 Antes de 1970 Breve preâmbulo histórico da profissão 13 Profissional chave de mais valia indiscutível 15 De 1941 a 1976 Os antecedentes que originaram a APAT 17 APAT Constituição e primeiros passos O reconhecimento legal da Atividade 23 APAT nas organizações internacionais 24 Anos 80 fundamentais Adesão à CEE e abolição das fronteiras 31 A luta pela harmonização 33 Portugal como placa giratória na Europa 35 Decisão história Tribunal Europeu dá razão à APAT 36 Fim das fronteiras na Europa desafia transitários Responsabilidade limitada e prescrição 45 Tempos de mudança para o exercício da atividade 48 O seguro para a atividade concentra atenções 52 Novas regras para o contrato rodoviário de mercadorias O desafio da liberalização 61 Constituição da CACL Comunidade Aeroportuária de Carga de Lisboa 64 Aprovada a Liberalização do acesso à Atividade 68 Posfácio 73 Anexos 75 7

9 8

10 MENSAGEM DO PRESIDENTE António Dias Presidente da Direção da APAT A globalização da economia e das atividades produtivas obriga cada vez mais as empresas a tomar decisões estratégicas para otimizar os seus processos de aprovisionamento, produção e distribuição até aos mercados finais. Estas operações de cariz internacional requerem um operador capaz de assegurar, junto do mercado carregador, o melhor resultado nos vários procedimentos necessários ao cumprimento dos objectivos e exigências do comércio internacional. Desde há já algum tempo que as empresas transitárias têm assumido esse papel preponderante e indispensável no processamento de fluxos internacionais de mercadorias, de modo a garantir a maior eficiência num contexto de máxima fiabilidade, segurança e qualidade. Em Portugal, desde há 40 anos a APAT assegura o papel aglutinador e dinamizador da actividade transitária, interpretando o sentir das empresas e contribuindo para a dignificação e reconhecimento da empresa transitária enquanto parceiro do carregador. A história da APAT não podia ter melhor intérprete que Tomé Namora, um homem ligado à Associação desde a primeira hora, e que a tem acompanhado ao longo desta caminhada de 40 anos de vida. O espírito associativo não vive por si só mas tem de ser fomentado, desenvolvido e consolidado ao longo dos tempos. A APAT é hoje o reflexo e consequência desta vontade de alguns e do querer de muitos. Desde há 40 anos a APAT assegura o papel aglutinador e dinamizador da atividade transitária Que esta publicação permita aos vindouros conhecer e interpretar a história da sua associação empresarial e que, seguindo os bons exemplos do passado e presente, torne possível projetar um futuro digno e com história para mais 40 anos. 9

11 10

12 NOTA PRÉVIA Tomé Namora Diretor administrativo da APAT O meu primeiro contacto com a atividade transitaria foi puramente acidental e conta-se em duas linhas: em finais de 1972, fui apresentado a António de Barros Júnior, Diretor Geral da A. J. Gonçalves de Moraes, Lda., empenhado promotor do Grémio Nacional dos Agentes Transitários. Na altura, convidou-me para organizar o cadastro das empresas que pretendiam aderir ao novo Grémio, com o objetivo de marcar eleições o mais rápido possível. Essas eleições realizaram-se em Fevereiro de 1973, com duas listas mas, por diversas razões, nessa oportunidade não se criaram as condições para o funcionamento normal dos órgãos sociais, ficando o Grémio num compasso de espera até À altura, as mais significativas empresas transitárias, já inseridas em incipientes redes de transitários internacionais, tinham como referencia organizativa a FIATA Federação Internacional das Associações de Transitários e Similares. Com ela, o Grémio estabeleceu os primeiros contactos com vista a recolher as suas orientações e métodos de trabalho. Nessa época, como as operações aduaneiras, importante complemento da atuação dos Transitários, estavam fortemente condicionadas pela figura do Despachante Oficial - profissão de acesso restrito e pouco sensível à inovação de processos - as empresas ligadas à importação e exportação de mercadorias sentiam dificuldades no seu quotidiano, preferindo contactar com uma única enti- dade - o transitário - que lhes facilitasse todos os procedimentos. Esta realidade empurrou os transitário para a área dos despachos produzindo fortes tensões entre as duas classes, assumindo o Grémio, e depois a APAT, uma atitude muito reivindicativa para alterar o status quo. A pressão da APAT junto das autoridades nacionais e comunitárias foi uma constante até que, em 1992, na sequência de uma decisão do Tribunal Europeu, foi publicado o DL 89/92 que introduziu alterações à Reforma Aduaneira, permitindo que procuradores (entre eles, os transitários) pudessem apresentar às Alfandegas os despachos das mesmas. A par desta importante luta, outras se foram desenrolando ao longo dos anos, designadamente: O Estatuto Legal para o exercício da atividade, em 1983, que veio reconhecer a importância dos transitários enquanto dinamizadores do comércio externo; A aposta na formação profissional dos transitários, destacando-se a criação da Escola Profissional - IFTT, o projeto Euroform e a formação à distancia FAD; A participação em múltiplos estudos, alguns em parceria com entidades tais como a DGTT/IMT, os portos ou o Gablogis e a realização de seminários, jornadas, congressos e outros eventos que contaram com os mais qualificados especialistas nas diversas vertentes da actividade transitária. Ao longo das páginas que se seguem fica o registo, que se pretendeu cronológico, de quatro décadas de intensa atividade da Associação, desenvolvida pelos órgãos sociais que a representaram e pelos colaboradores que lhe deram corpo, deixando aberto o caminho para um futuro que se espera auspicioso, pois, enquanto houver comércio internacional, terão que existir transitários para organizar o transporte das mercadorias! 11

13 É nas zonas portuárias das cidades costeiras que se estabelecem os primeiros comércios de importação e exportação de mercadorias 12

14 ANTES DE 1970 BREVE PREÂMBULO HISTÓRICO DA PROFISSÃO O Transitário desde sempre ligado ao comércio internacional Desde os primórdios da civilização que o comércio entre nações está na origem da riqueza dos povos. A criação de rotas internacionais é tão antiga quanto a história dos homens e o seu impacto no desenvolvimento de cidades, estados e impérios não pode ser negligenciado. O comércio e os transportes emergiram essencialmente em redor dos portos, onde chegavam as mercadorias provenientes de locais longínquos. A evolução tecnológica, em especial do transporte marítimo, permitiu a países relativamente pequenos e com parcos recursos, como Portugal, assumirem um papel determinante na globalização. O Transitário existe desde o século X, estando a sua origem ligada não apenas à criação dos armazéns públicos, nas principais cidades e portos europeus, como também à organização das primeiras feiras medievais e ao crescimento do comércio por via marítima. No início, estava diretamente ligado às mercadorias, como comissionista, executando em nome de um fabricante, mercador ou importador/exportador, todas as operações de carregamento e descarga dos navios e caravanas, desalfandegamento das mercadorias, armazenamento, transporte e mesmo vendas e cobranças. 13

15 O transporte marítimo está na base do incremento comercial entre os povos e é ainda hoje o mais importante meio para as trocas internacionais Quase sempre, detinha armazéns próprios, sendo profundo conhecedor das melhores rotas, dos meios de transporte mais apropriados e da forma mais eficiente de armazenar as diferentes mercadorias. O período dos Descobrimentos torna a profissão central para os países do velho continente. Já no século XVI se podem encontrar as primeiras companhias com alguma dimensão a emitir cartas de porte, os chamados conhecimentos de embarque (B/L) ou recibos de armazenagem. Mais tarde, com o desenvolvimento tecnológico ocorrido nos finais do século XVIII e ao longo do século XIX, nomeadamente com o forte desenvolvimento industrial nas principais economias europeias, com o crescimento das redes ferroviárias, não só na Europa mas também nos continentes asiático, norte-americano e em determinadas zonas de África, e, finalmente, com o aumento de capacidade que os motores a vapor permitiram no contexto do transporte marítimo, o Transitário assumiu em definitivo um papel central na economia do seu respetivo país. É ainda no séc. XIX que surgem as primeiras associações nacionais de transitários na Europa. Já em pleno século XX, a introdução do Contentor nos tráfegos marítimos internacionais da década de 60, provocou uma verdadeira revolução no modo de transportar mercadorias. Nos dias de hoje, vemos contentores não só nos portos e seus Hinterlands, mas também em camiões, nas estradas de todo o mundo e em filas de vagões ferroviários. O contentor transformou-se num fantástico sistema de transporte, responsável pela movimentação de mais de 95% da carga geral atualmente operada pela frota mercante mundial, sendo uma unidade de transporte absolutamente essencial na era globalizada em que vivemos. 14

16 PROFISSIONAL CHAVE DE MAIS VALIA INDISCUTÍVEL A criação da Câmara dos Agentes Transitários, em 1941, foi o primeiro passo para o reconhecimento da atividade em Portugal A atividade transitária, pela sua própria natureza, não é geralmente do conhecimento público e, mesmo no contexto dos profissionais que direta ou indiretamente trabalham com transitários, muitas vezes ocorre um desconhecimento daquilo que compõe, em concreto, a ação destes profissionais. Defender os interesses da classe revela-se, nesse contexto, um desafio particularmente exigente. A falta de visibilidade inerente à posição de organizador da cadeia de transporte dificulta a compreensão, tanto por parte das autoridades como da própria sociedade, do real papel que o Transitário desempenha nos procedimentos inerentes ao comércio internacional. 15

17 A dependência dos despachantes no processo de desalfandegamento será um tema recorrente na luta dos transitários É assim com essa premissa que a história do associativismo dos transitários se edifica. A primeira entidade legalmente instituída em Portugal para albergar a profissão surge no início dos idos anos 40 do século XX, com a criação da Câmara dos Agentes Transitários. Com sede em Lisboa e dependente do Ministério das Obras Públicas e Comunicações, esta instituição de cariz público foi criada para contextualizar a profissão no quadro legal vigente. No Decreto-Lei nº 31/233, de 28/04/1941, Artigo 5º, pode ler-se considera-se agente transitário toda a entidade singular ou coletiva, nacional ou estrangeira, que exerça a atividade de intermediário em operações de trânsito e as inerentes e acessórias. Só quase 30 anos mais tarde, em 1969, surge no seio da Associação Comercial de Lisboa, uma secção dedicada aos agentes transitários, com a primeira indicação da sua existência a ocorrer no II Colóquio Nacional dos Transportes. A secção de Agentes Transitários da Associação Comercial de Lisboa acabou por ser o embrião do Grémio Nacional dos Agentes Transitários Num texto da publicação O Debate, de 1970, assinado por Jorge Mello Azevedo e transcrito posteriormente para o boletim da Associação Comercial de Lisboa, podia ler-se que em Portugal, o Transitário encontra-se numa posição diferente que o seu semelhante inglês ou francês, alemão ou finlandês, mesmo já sem contar com o problema aduaneiro sobre o qual passamos adiante é o aspeto de aceitação que é diferente. Enquanto em países mais evoluídos industrial e comercialmente que o nosso, o transitário é considerado como uma alavanca útil para a promoção internacional dos produtos de exportação e uma ajuda para a matéria de importação, em Portugal, como dito acima, acha-se que ele não passa de mais um entrave, um custo extra a suportar. 16

18 DE 1941 A 1976 ANTECEDENTES QUE DERAM ORIGEM À APAT Carta da empresa Sociedade de Turismo e Agências Ribamar, STAR, comprometendo- -se em participar na comissão instaladora do Grémio As diligências para se conseguir um movimento de legalização dos transitários, ocorridas na década de 60, culminariam nos anos 70 com a criação do Grémio Nacional dos Agentes Transitários. Em Fevereiro de 1972, uma carta do Grémio dos Agentes de Navegação do Porto de Leixões, conjuntamente com os Armadores da Marinha Mercante e os Agentes de Tráfego de Mercadorias dos Portos de Douro e Leixões indica a sua participação no processo de criação do referido Grémio, avançando diversas sugestões à tutela quanto ao enquadramento legal da profissão. Também em 1972, as cartas das empresas Victor Saraiva Transportes Interna- cionais e da Sociedade de Turismo e Agências Ribamar, STAR, confirmam a sua participação na Comissão Instaladora do Grémio, entretanto criada. No final de 1972, mais precisamente a 22 de Novembro, surge finalmente o Alvará que aprova os estatutos do Grémio Nacional dos Agentes Transitários. 17

19 Alvará do Instituto Nacional do Trabalho e Previdência, de 1972, onde se aprovam os Estatutos do Grémio Nacional dos Agentes Transitários No início do ano seguinte, em 73, ocorrem as primeiras eleições no Grémio, as quais contaram com duas listas concorrentes, sendo vencedora a lista B. Contudo, na tomada de posse, vários membros dessa lista recusaram assumir funções, ficando assim comprometida quer a mesa da Assembleia Geral, quer a direção, devido à falta de quórum. Em resultado disso, os agremiados solicitaram à tutela, o então Ministério das Corporações, um parecer que indicasse uma solução para a situação, o qual só se veio a concretizar em Março de 1974, através da nomeação de uma nova comissão diretiva. 18

20 Em Junho de 1974 realizam-se as segundas eleições no Grémio, vencendo a lista denominada Pró-Salvação, liderada pela empresa David Pinho, candidata a ocupar a presidência da mesa da Assembleia Geral e a empresa Lassen Transportes, candidata ao cargo de presidente da direção. Neste período conturbado da vida portuguesa, as alterações políticas e sociais levaram ao fim do sistema corporativo e os grémios foram transformados em associações, adotando assim as novas diretrizes do sistema político entretanto implementado. Carta do Grémio dos Agentes de Navegação do Porto e Leixões a concordar com a criação do Grémio Nacional dos Agentes Transitários Tabela de despachos para via aérea, exportação, do Grémio Nacional dos Agentes Transitários referente a

21 APAT CONSTITUIÇÃO E PRIMEIROS PASSOS Seguindo o enquadramento social e político do pós-25 de Abril, o Grémio Nacional dos Agentes Transitários é substituído por uma nova entidade. Surge, em 19 de Dezembro de 1974, o Ato de constituição da Associação Portuguesa dos Agentes Transitários, APAT, tendo sido designada então uma Comissão Diretiva para promover as primeiras eleições da nova associação. Presentes na referida comissão estavam vários representantes das empresas associadas, nomeadamente por parte da TIL, Edgar Carneiro, em representação da Lassen Transport, Victor Moreira, da Transnáutica Jorge Azevedo, também Domingos Correia, da Sepeditrans e ainda Carlos Alberto Bello, em representação da Transbel. Os trabalhos desta comissão provisória não irão terminar, pois os membros da mesma acabaram por apresentar a sua demissão em 1975 e, no mês de Junho desse ano, surge uma nova comissão diretiva, composta pela maioria dos membros da comissão anterior mas reforçada por outros associados. Esta comissão irá então marcar as primeiras eleições da APAT, as quais têm lugar em Em Fevereiro de 1976, tiveram então lugar as primeiras eleições da APAT. Encabeçando a lista única que concorreu ao escrutínio, Rodrigo Leite, em representação da Transnáutica Lda., foi eleito Presidente da Mesa da Assembleia Geral, enquanto coube a Domingos Correia, representante da empresa Politransporte Lda., o cargo de Presidente da Direção. No decorrer de 1976, Domingos Correia acabou por apresentar a demissão, sendo substituído no cargo de Presidente da Direcção por Afonso Reigosa, por parte da Aerofrete, Lda. No mesmo ano, é contratado para a posição de Secretário-Geral da APAT, Carlos Sarmento Pessoa, que desempenha funções até 1989, ano do seu falecimento. Empresas fundadoras da APAT Entretanto, no primeiro dia de Setembro de 1975, são publicados, em Diário da República, os Estatutos da APAT, com 33 artigos originalmente e onde é possível ler que a APAT é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, de duração ilimitada, regida pela lei aplicável e pelos presentes estatutos, que resulta da transformação do Grémio Nacional dos Agentes Transitários. No mesmo mês, a associação muda a sua sede social para a Rua das Portas de St. Antão nº76, 1º Esquerdo, em Lisboa e, em Janeiro de 1976, abre a sua delegação do Norte, na Rua Mouzinho da Silveira, nº6, 2º andar, junto à Ribeira, na cidade do Porto. 20

22 19 de Dezembro marca a data de constituição da Associação Portuguesa dos Agentes Transitários, APAT 21

23 A APAT é criada em Dezembro de 1974, sendo os seus Estatutos aprovados no ano seguinte 22

24 O RECONHECIMENTO LEGAL DA ATIVIDADE As duras batalhas travadas pela APAT e a sua primeira grande vitória A caracterização da atividade do Transitário, na segunda metade da década de 70 e inícios de 80 pode-se resumir, em grande parte, a uma forte ligação ao despacho aduaneiro. De referir que, nesta altura, a atividade de declarar perante as alfândegas era da exclusiva competência dos despachantes oficiais, organizados na sua Câmara dos Despachantes Oficiais, havendo então uma postura muito restritiva de acesso a essa atividade, situação perpetuada pelo Ministério das Finanças que olhava para os despachantes como um pilar da recolha de impostos das exportações e importações de mercadorias. Neste período, muitas empresas transitárias, nomeadamente da região Norte, onde o sector industrial exportador tinha grande peso, continham na sua organização uma secção aduaneira, com pessoal e estrutura próprios mas cuja ação estava dependente da assinatura de um despachante oficial. Note-se que a atividade de declarar perante a alfândega a nível europeu, só gozava deste protecionismo em Portugal, Espanha e Itália, ainda que de forma menos rígida nestes dois últimos países. Tal facto deu início a um processo de sensibilização das autoridades por parte da APAT, no sentido da liberalização da atividade de declaração perante as alfândegas, num processo que culminaria, em 1983, com a decisão do Tribunal das Comunidades Europeias em condenar o O papel do Transitário no despacho aduaneiro será um tema recorrente e uma reivindicação da APAT ao longo deste período Estado Português face ao incumprimento das regras europeias relativas a esta atividade. A primeira direção eleita da APAT tem o importante papel de reivindicar a institucionalização, em Portugal, do Transitário enquanto agente económico insubstituível. Como referiu Rodrigo Leite, na sua intervenção ao I Congresso Nacional dos Transitários, no nosso país, o Transitário é ainda uma figura deficientemente conhecida, controvertida, se não mesmo deturpada o mais das vezes, inclusivamente a nível dos departamentos oficiais. É neste contexto que a APAT tem vindo a procurar criar uma verdadeira imagem do Transitário, mais conforme com a realidade ( ). Tal processo de institucionalização passou também e muito, pelo reconhecimento da própria APAT, que se começou a enquadrar nas diferentes organizações internacionais. 23

25 APAT NAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Em 1976 dá-se a filiação da APAT na FIATA, International Federation of Freight Forwarders Associations, com a consequente tomada de conhecimento das diretivas que essa federação implementava junto dos seus associados em diversos países. Foi também nesse ano que a APAT apresentou a candidatura de Lisboa à organização de um congresso mundial da FIATA em Portugal, que se veio a confirmar no Congresso Mundial que a FIATA realizou em Moscovo, em Com essa decisão, a APAT ficou responsável pela organização do XVIII Congresso Mundial da FIATA, que decorreu em 1983, trazendo a Lisboa mais de 850 delegados. Entre outros, Rodrigo Leite, Jorge Azevedo e Fernando Barbosa Um dos marcos mais importantes da atividade associativa neste primeiro mandato foi a realização do I Congresso Nacional de Transitários, que decorreu no Estoril, em Entre os temas em destaque no evento, de salientar a abordagem à temática da integração no espaço europeu e o início de um importante percurso de amadurecimento de conceitos respeitantes à formação profissional que constituía, à época, uma lacuna persistente que em nada contribuía para o objetivo de reivindicar o reconhecimento da profissão. Dotar os profissionais e as empresas transitárias de maiores competências e uni- Carl Kjellberg presidente da FIATA, Presidente da Direção da APAT, Domingos Correia e Wilhelm Zeilbeck Secretário Geral da FIATA 24

26 I Congresso Nacional de Transitários, à esquerda Afonso Reigosa presidente da direção e ao centro Rodrigo Leite presidente da Mesa da A. Geral formizar o exercício da profissão tornou-se, assim, uma bandeira não apenas desta mas de várias outras direções da APAT. Na mesma linha de consolidação da imagem da APAT, é essencial a aproximação institucional às federações espanhola e italiana de transitários, respetivamente FETEIA e FEDESPEDI. Tal esforço deu lugar, em 1980, às Jornadas Latinas de Transitários, que decorreram no Porto. Ambos os organismos deram seguimento a esta aproximação por parte da congénere portuguesa, destacando-se a sua participação em diversos eventos posteriores organizados pela APAT. Fruto deste esforço de aproximação, será celebrado em 1991 um protocolo de cooperação entre a APAT, a FETEIA e a FEDESPEDI. Rodrigo Leite presidente da Mesa da Assembleia Geral da APAT 25

27 ANOS 80 FUNDAMENTAIS (Esq) Afonso Reigosa presidente da Direção, Abílio Rodrigues Sec. Estados dos Transportes e Rodrigo Leite presidente da Mesa da Assembleia Geral Os anos 80 acabaram por ser um período fundamental para a atividade transitária, sendo neste período que se tomaram diversas decisões jurídicas de enorme relevo para o enquadramento da profissão. Manuel Campos e Costa Faria Ibertrans, Afonso Reigosa e Manuel Gamito presidente da Confederação do Comércio Acompanhando esta dinâmica, realiza-se no Vimeiro, em 1981, o II Congresso Nacional de Transitários, onde o então Presidente da Direção, Afonso Reigosa, lembrou na sua intervenção inicial, os principais objetivos concretizados desde o I Congresso do Estoril, nomeadamente a introdução dos documentos FIATA, apresentados em Julho de 1981 durante as primeiras Jornadas Latinas de Transitários. 26

28 Também ao nível da formação profissional, tema debatido durante o II Congresso, Afonso Reigosa lembrou que a APAT, para a formação de quadros e para facilitar o trabalho aos profissionais já existentes, publicou um volume que compilava a diversa e vasta legislação aplicável ao sector, nomeadamente convenções internacionais a que Portugal tem aderido relativamente ao transporte marítimo, rodoviário e aéreo, bem como uma súmula dos mais importantes princípios jurídicos nacionais aplicáveis, as condições gerais de prestação de serviço pelos transitários, os Incoterms e demais matérias com interesse para o sector. Foi assim que nasceu o Guia Prático do Transitário. Carlos Sarmento Pessoa Sec. Geral da APAT entre 1974 e 1989 Outro projeto cumprido foi a manutenção dos armazéns dos transitários em regime especial, até à entrada em funcionamento dos terminais terrestres internacionais. Relativamente a esta questão, de salientar que se concluiu o processo de constituição da empresa TERTIR S.A., composta em mais de 80% por empresas transitárias e que, pouco tempo depois celebrou com o Estado o contrato de concessão para a construção e exploração dos XVIII Congresso Mundial FIATA, ao centro Afonso Reigosa seguido de Rudolf Hoogewerff presidente cessante da FIATA e Rodrigo Leite 27

29 Fernando Costa e Jorge Ferreira Alfan. Lisboa, Avelino Pinto Alfan. Porto, Hermínio Pintão Vice-presidente da Direção, Silvestre Sousa consultor jurídico APAT Guia Prático do Transitário, editado em 1981 pela APAT terminais internacionais rodoviários de Alverca e Freixieiro. Em 1982, seguindo a vontade dos seus associados e apoiada num esforço suplementar dos mesmos, a APAT adquire a sua sede em Lisboa, instalando- -se na Av. Duque d Ávila, nº9, 7º andar, localização que ocupa até aos dias de hoje. O ano seguinte, 1983, foi um dos mais relevantes para a vida da associação. Desde logo, com a publicação, a 25 Janeiro, do Decreto-Lei 43/83 que regulamenta o acesso e exercício da atividade transitária. Depois, com a organização de três simpósios nacionais, relacionados com a formação profissional e com a necessidade de informar os associados sobre a organização de processos para a obtenção das licenças de exercício da atividade, designadamente as questões levantadas pelo seguro obrigatório. 28

30 Finalmente, com a realização do XVIII Congresso Mundial da FIATA, em Lisboa, que contou com mais de 850 participantes estrangeiros. Este importante evento colocou em contacto os transitários portugueses com um grande número de congéneres dos cinco continentes, durante quatro dias, numa iniciativa propícia ao desenvolvimento de redes de contactos internacionais. Em 1984, dá-se a entrada em funcionamento dos terminais TIR de Alverca e Freixieiro, permitindo o ordenamento do fluxo dos camiões de importação e exportação é o ano em que a APAT comemora o seu X aniversário, numa cerimónia onde são entregues os primeiros diplomas de associados com 10 anos de ligação à APAT e também 114 licenças para o exercício da atividade transitária, entregues pelo Diretor Geral dos Transportes Terrestres. No ano seguinte, fecha-se o ciclo diretivo constituído por Afonso Reigosa e Rodrigo Leite, respetivamente Presidente da Direção e Presidente da Mesa da Assembleia Geral, com a organização do III Congresso Nacional de Transitários, que decorreu em Lisboa. Neste evento, é anunciada pelo Secretário de Estado dos Transportes e Comunicações da altura, a aprovação do chamado primeiro pacote da marinha mercante, nomeadamente o Diploma que viria a regulamentar o contrato de transporte de mercadorias por mar, futuramente conhecido por Decreto-Lei 352/86. A entrada em funcionamento dos terminais TIR de Alverca e Freixieiro permite ordenar fluxos de carga até então caóticos Sala dos Transitários no Terminal TIR de Alverca 29

31 III Congresso APAT Avelino Pinto, Alfandega do Porto, Costa Antunes, DGTT, Rodrigo Leite, Afonso Reigosa, Domingos Viegas, Alfandega de Lisboa e Sarmento Pessoa 30

32 ADESÃO À CEE E ABOLIÇÃO DAS FRONTEIRAS O desafio de uma europa de fronteiras abertas O ano de 1986 trouxe a adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia, tema abordado de forma exaustiva durante o III Congresso Nacional de Transitários, tendo em conta a necessidade da harmonização da legislação nacional com a comunitária, nomeadamente a nível aduaneiro. O III Congresso terminou com a apresentação e votação de nove conclusões, entre as quais destacam-se a necessidade de promover a urgente publicação dos anteprojetos de Diploma substitutos do Dec-Lei nº43/83 e da Portaria nº561/83, de forma a iniciar-se uma efetiva e vigorosa fiscalização do exercício da atividade, clarificando o perfil do Diretor Técnico e simplificando as condições de acesso ao exercício da atividade. Foi também salientada a necessidade de acompanhar a evolução dos trabalhos em curso, tendentes à urgente clarificação e legalização da atividade do denominado pick-up de mercadorias bem como a clarificação, no contexto normativo do Dec.-Lei nº97/86, da fiscalização de mercadorias em circulação, no que respeita às mercadorias para exportação, nomeadamente aquando do seu transporte do armazém do Transitário para a delegação aduaneira competente. Finalmente, foi decidido dar urgente início à formação profissional de forma a preparar futuros técnicos Transitários e também manter um constante diálogo com as alfândegas e promover a urgente elaboração de uma apólice única do Seguro do Risco da Atividade do Transitário, seguro obrigatório nos termos do Dec. Lei nº43/83. 31

33 Macedo Pinto assessor da APAT, Siegfried Sommer e José Luís Casquilho Lassen, José Veiga Marítima e Transitos Joaquim Borges e Paulo Magalhães DG Alfandegas, Afonso Reigosa e Júlio Ferro Alfandega do Porto 32

34 A LUTA PELA HARMONIZAÇÃO Farinha Manso e Cristina Duarte Alfandega de Lisboa, Celestino Geraldes DG Alfandegas, Afonso Reigosa e Manuela Cabral Alfandega de Lisboa, Geraldes Pinto Alfandega do Porto A boa relação da APAT com as autoridades alfandegárias e com a tutela começou a dar frutos No período compreendido entre 1987 e 1998, predominam os mandatos em que a direção da APAT é presidida por Joaquim Borges, tendo inicialmente Afonso Reigosa assumido a presidência da Mesa da Assembleia Geral, sendo mais tarde substituído por Hermínio Pintão. A entrada no denominado Mercado Comum Europeu veio trazer à atividade transitária novos desafios e assim, a APAT iniciou um processo de defesa dos interesses das empresas suas associadas face à inércia do Estado português em harmonizar a lei nacional com as disposições comunitárias relativas à competência para cumprir os procedimentos aduaneiros relacionados com as mercadorias. 33

35 Cristina Duarte Alf. de Lisboa, Joaquim Borges e Celestino Geraldes DG Alfandegas, Santos Ferreira e Geraldes Pinto Alf. do Porto, Manuela Cabral Alf. de Lisboa O trabalho da APAT junto das instâncias europeias culminou, em 1988, com uma detalhada exposição, dirigida à própria Comissão das Comunidades Europeias, pedindo esclarecimentos e intervenção sobre o facto de não terem sido efetuadas as correspondentes alterações ao ordenamento jurídico nacional, quer relativamente à atividade do transitário, quer no que se refere à atividade do despachante oficial ( ). Conforme defendia então a APAT, esta situação coloca Portugal como único Estado Membro em que objetivos tais como: simplificação, redução de custos e celeridade de processos no âmbito das operações de comércio internacional, não estão atingidos. Em 1989, tem lugar o I Encontro Luso Espanhol de Transitários, um evento onde a APAT pretendeu estreitar relações com os transitários ibéricos, permitindo aos seus associados reforçar a rede de contactos com o país vizinho. Portugal era, no final dos anos 80, o único Estado-membro europeu onde a simplificação do despacho aduaneiro não ocorria No mesmo ano, é celebrado o Contrato Programa de Criação do Instituto de Formação de Transitários e Transportes (IFTT), entre a APAT e o Ministério da Educação, através do GETAP Gabinete de Educação Tecnológica, Artística e Profissional. 34

Ir mais longe até onde for o futuro!

Ir mais longe até onde for o futuro! Ir mais longe até onde for o futuro! DOSSIER DE IMPRENSA 2010 Luís Simões A Luís Simões (LS) é composta por 10 empresas juridicamente autónomas e agrupadas em 3 unidades de negócio: transporte, logística

Leia mais

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha.

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha. Decreto n.º 19/96 de 1 de Julho Convénio entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Construção de Uma Ponte Internacional sobre o Rio Minho entre as Localidades de Melgaço (Portugal) e Arbo

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

Aproximam-se duas datas muito especiais. Mensagem do Presidente

Aproximam-se duas datas muito especiais. Mensagem do Presidente NOTÍCIAS DO MUTUALISMO Informação Quinzenal Edição n.º 55 - II Série 15 de outubro de 2014 Mensagem do Presidente Aproximam-se duas datas muito especiais para o Mutualismo e para os Mutualistas, a Comemoração

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo)

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013 Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 18/97 Acordo de Cooperação no Domínio do Turismo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo dos Estados Unidos Mexicanos, assinado na Cidade do México em 6 de Novembro de 1996 Nos

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

Regulamento do Concurso de Ideias

Regulamento do Concurso de Ideias Regulamento do Concurso de Ideias 1. Apresentação O Concurso de Ideias e a Conferência Internacional sobre Prevenção e Controlo do Tabagismo, que vai ter lugar em Lisboa, de 14 a 15 de novembro de 2013,

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Considerando: A importância do voluntariado no exercício ativo de cidadania, traduzido na relação solidária com o próximo; A sua relevância cultural

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. A Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, doravante designado por OTOC, pessoa

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. A Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, doravante designado por OTOC, pessoa PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre A Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, doravante designado por OTOC, pessoa coletiva n.º 503692310 com sede na Av.ª Barbosa du Bocage, 45 em LISBOA, representado pelo seu

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Artigo 2.º Capacidade eleitoral ativa. 1 Os membros docentes e discentes do conselho pedagógico são eleitos pelo conjunto dos seus respectivos pares;

Artigo 2.º Capacidade eleitoral ativa. 1 Os membros docentes e discentes do conselho pedagógico são eleitos pelo conjunto dos seus respectivos pares; REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE e DISCENTE PARA OS CONSELHOS PEDAGÓGICOS das ESCOLAS do INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS No seguimento da passagem de duas para quatro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita A NAV Portugal foi criada, por cisão da ANA, E.P., na forma de empresa pública, pelo Decreto Lei nº 404/98, de 18

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS. Decreto n.º 23/2003 Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Bulgária sobre Contratação Recíproca dos Respectivos Nacionais, assinado em Sófia em 26 de Setembro de 2002 Considerando

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONSULTORIA SOBRE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA TERMOS DE REFERÊNCIA FEVEREIRO de 2014 INDICE 1.TITULO... 3 2. CONTEXTO.3

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Cerimónia de entrega de Certificados do Exame Nacional de Qualificação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

Decreto-Lei n.º 228/2000 de 23 de Setembro

Decreto-Lei n.º 228/2000 de 23 de Setembro Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 228/2000 de 23 de Setembro (com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 211-A/2008, de 3 de Novembro) A supervisão

Leia mais

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal 1 Preâmbulo O Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal, adiante designado por NNIES, é um equipamento municipal criado

Leia mais

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR»

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» «PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» Criação de dependências da Caixa Geral de Depósitos no estrangeiro Já muito se dissertou sobre a Caixa Geral de Depósitos, desde a sua criação até à sua real vocação,

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal.

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. Porto de leixões O que é o porto de Leixões O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. História do porto de Leixões O porto de Leixões foi construído na foz do rio leça, aproveitando três

Leia mais

REGULAMENTO Mobilidade Macau

REGULAMENTO Mobilidade Macau Face à parceria estabelecida entre a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) e o Instituto de Formação Turística em Macau (IFT Macau) no âmbito da qual são facultadas possibilidades de

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA Gestão Empresarial Internacional e Diplomacia Económica International Management and Economic Diplomacy 2 O aumento das exportações

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 13/98, de 17 de Abril Segundo Protocolo Adicional de Cooperação no Domínio da Comunicação Social entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo aos 28 de Novembro

Leia mais

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 10 de Fevereiro de 2010 Elsa Correia Gavinho 1 Novo enquadramento jurídico das EAT 2 1 - As razões para a mudança 2 - As principais alterações

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus Escola Superior de Educação João de Deus de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus na ESE João de Deus O Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, aprovado

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 1. Ao longo da legislatura que agora termina, fiz sempre questão de enfatizar, em todas as sessões de abertura

Leia mais

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO Na sequência dos trabalhos desenvolvidos pelo Fórum para a Cooperação, implementado em 2008, e reconhecendo o papel que

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE EM MATÉRIA DE

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE EM MATÉRIA DE CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE EM MATÉRIA DE No dia?? de????? de 2015, no Departamento de Administração Geral da Câmara Municipal de Guimarães, perante mim,?????????????????????,

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ 1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ Novo Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET) Inovadora, simplificadora e de maior facilidade

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo.

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo. ! A candidatura dos signatários apresenta-se com um espírito renovador e inovador das políticas e dos processos da gestão federativa do Bridge Português. Apesar de se tratar de uma modalidade amadora,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer a todos, que se disponibilizaram, para estar presentes nesta cerimónia.

Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer a todos, que se disponibilizaram, para estar presentes nesta cerimónia. Cumprimentos a todas as altas individualidades presentes (nomeando cada uma). Caras Colegas, Caros Colegas, Minhas Senhoras, Meus Senhores, Meus Amigos Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais