Manual Básico - Segurança do Trabalho em Prevenção de Acidentes em Alturas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual Básico - Segurança do Trabalho em Prevenção de Acidentes em Alturas"

Transcrição

1 A

2

3 Prefeitura Municipal de Curitiba Instituto Municipal de Administração Pública - IMAP Plano de Desenvolvimento de Competências Manual Básico - Segurança do Trabalho em Prevenção de Acidentes em Alturas Curitiba 2009

4

5 N. K. Mendes

6

7 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO RELAÇÕES HUMANAS NO TRABALHO Comunicação Processo de Comunicação Regras Básicas de Relações Humanas Sorria Evite críticas e condenações diretas Elogie honesta e sinceramente todo e qualquer progresso Chame as pessoas pelos nomes que eles gostam Escute ativamente, interesse-se pelas pessoas Mostre Simpatia pelas idéias das outras pessoas... 5/ Obtenha um Sim imediato Evite todas as discussões, respeite a opinião alheias Reconheça seus erros imediatamente e com ênfase Lance Desafio PROGRAMA 5 S EM TRABALHOS EM ALTURAS O que é 5 S Porque fazer 5 S Origem dos 5 S... 8/ Adaptação no Brasil Senso de Utilização Comportamentos ao iniciar o Senso de Utilização Como Praticar o Senso de Utilização Verificação do Senso de Utilização Benefícios do Senso de Utilização Senso de Ordem Como Promover a Ordem Padronizar os Nomes e a Localização dos Objetos Padronização Visual Como buscar e Guardar de modo Fácil... 11/ Análise de Ordem Verificação da Ordem Benefícios da Ordem Pontos Importantes para guardar objetos... 12/ Senso de Limpeza O que é Limpeza Como Proceder...13/ Procedimentos Mapa da Limpeza Campanhas da Limpeza Alguns Exemplos...14/ Como está a Limpeza em seu local de trabalho... 15

8 Verificação da Limpeza Benefícios da Limpeza... 15/ Senso de Saúde (Padronização) Manual de Procedimentos Recursos Visuais Verificação da Padronização...16/ Benefícios do Senso de Saúde Senso de Disciplina (Autodisciplina) Verificação de Disciplina...17/ Benefícios de Autodisciplina PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES, EM ALTURAS Objetivos Trabalho em Altura Para a Realização de Atividades em Altura Campo de Aplicação Procedimentos... 20/ Locais de Trabalho Telhado Andaimes... 22/ Escadas Classificação das Escadas Requisitos Gerais para uso de Escadas...24/ As Escadas portáteis não devem ser posicionadas nas proximidades de:... 25/ Amarração de Escadas... 26/ Equipamentos de Segurança Utilizados Cinturão de Segurança Tipo Pára-Quedista Talabarte de Segurança Tipo Regulável Talabarte de Segurança Tipo Y com absorvedor de Energia Dispositivos Trava Quedas Dispositivos Complementares para Trabalho em Altura Fitas de Ancoragem... 29/ Mosquetão Corda de Segurança (Linha de Vida)... 30/ Kit para Trabalho em Altura Sistema de Ancoragem Resgate...33/ Máquina Plataforma Elevadora...34/ Uso de Cesta Aérea...35/ Quanto ao veículo o Servidor Uso de Andaime...36/ Ambiente Confinados... 37/ Programa de Entrada em Espaço Confinado Equipamentos Procedimentos Gerais... 39

9 Circunstâncias que requerem a revisão da permissão de entrada em espaços confinados RESPONSABILIDADES Servidores e Mão-de-Obra Contratadas Gerentes/Coordenadores Segurança do Trabalho Solicitante do Serviço RECOMENDAÇÕES GERAIS... 40/ Registros Sistema de Proteção em Alturas Substituição de SINALIZAÇÃO... 43/ Cuidados com tráfego de Veículos Distância Total de Parada Tabela Prática de distancia para inicio da Sinalização Detran SITUAÇÕES DE EMERGENCIA (Noções Básicas) Primeiros Socorros Aspecto Legal Prevenção de Acidentes Leves e Graves...46/ Ferimentos Inciso Contuso Puntiforme...47/ Escoriantes Cuidados Abordagem Inicial do Acidentado Avaliação do Estado Neurológico Pergunta-lhes Verificação da Respiração RCP Reanimação Cárdio-Pulmonar... 49/ Primeira Providencia... 50/ Ressuscitação com 1 (um) ou 2 (dois) Socorristas... 51/52 8. ANIMAIS PEÇONHENTOS Escorpião... 53/ Aranhas...54/ Como evitar Acidentes por Aranhas e Escorpiões Cobras Jararaca O veneno da Jararaca provoca...56/ Cascavel Coral... 58

10 Sinais e Sintomas Medidas a Serem tomadas em caso de Acidentes com Cobras... 48/ Prevenção de Acidentes Ofídicos Marimbondos O que fazer depois de uma picada Para aliviar a dor você pode Quais os Sintomas e Sinais de Alerta da Anafilaxia Aviso Importante Algumas Maneiras Recomendadas para Exterminar um Enxame... 62/ Emergências Chame CORPO DOCENTE REFERÊNCIA ANEXOS Segurança em Manutenção de Iluminação Pública Segurança em Manutenção de Iluminação Pública ANOTAÇÕES... 68

11 APRESENTAÇÃO a) Objetivos: O Instituto Municipal de Administração Pública - IMAP da Prefeitura Municipal de Curitiba, tem em alta a saúde e a segurança pessoal de cada um de seus funcionários. Por isso, em parceria com a TQS - Tecnologia em Qualidade e Segurança Ltda., elaborou este Manual Básico atendendo a NR-18 do M.T.E - Ministério do Trabalho e Emprego, visando atender ao máximo a Segurança com Qualidade na execução dos trabalhos de manutenção em drenagens. Considerando que a execução do trabalho nas condições técnicas exigidas em suas Normas e Regulamentos oferece o meio mais seguro para evitar que seus funcionários se acidentem, a Instituição considera a Segurança do Trabalho como parte integrante de suas operações. Compete pois, a cada funcionário, em seu próprio interesse e no de seus companheiros, trabalhar na forma de assegurar: SEGURANÇA PESSOAL E PATRIMONIAL; SEGURANÇA AOS COLEGAS DE TRABALHO; SEGURANÇA AO PÚBLICO EM GERAL. b. Carga Horária: A carga horária é de 20 horas. c. Clientela: Este treinamento destina-se aos funcionários que atuam na manutenção e recuperação de drenagem em áreas urbanas. d. Temas a serem tratados: Relações Humanas no Trabalho; Programa 5s em Trabalhos de Drenagem; Sensos de Utilização, Ordem, Limpeza, Padronização e Disciplina; Procedimentos de Serviços;

12 Equipamentos, Ferramentais, Uniformes; Inspeção dos meios de transporte e outros; Equipes de Trabalho; Análise de Riscos Conversa com o Dreno; Uso dos EPI s e EPC s; Encerramento dos Trabalhos; Procedimentos de Prevenção de Acidentes em Escavações/Escoramentos; Sinalizações; Sistema de Proteções em Escavações; Situações de Emergência / Noções Básicas; Primeiros Socorros; Prevenção e Combate à Princípios de Incêndio; Animais Peçonhentos. e. Desenvolvimento dos Temas: Teórico e Prático, através de Manual Básico, dinâmica de grupo, formulários; slides, avaliação e equipamentos didáticos.

13 1. RELAÇÕES HUMANAS NO TRABALHO 1.1- Comunicação A comunicação compreende uma infinidade de formas de transmitir e receber idéias, impressões e imagens de toda ordem. Seu grande objetivo é o entendimento, para o qual é necessário que as pessoas se compreendam mutuamente Processo da Comunicação EMISSOR RECEPTOR MENSAGEM a) Emissor: É aquele que transmite a mensagem. Se uma pessoa fala e ninguém a ouve, o processo da comunicação não se completou. b) Mensagem: É tudo aquilo que se deseja transmitir. c) Receptor: É quem recebe a mensagem e interpreta internamente, mani festando externamente essa interpretação. d) Retorno: completa-se o processo de comunicação quando se observa, na volta, a reação do receptor. É tão importante ser compreendido quanto compreender Regras Básicas de Relações Humanas Sorria: Comece de um modo amistoso; treine um sorriso, olhe bem nos olhos de todas as pessoas sorrindo, inicie com uma amistosa e saudosa saudação. Por exemplo: BOM-DIA. 3

14 Evite as críticas e condenações diretas. Não seja um queixoso. Uma crítica direta sempre causa na outra pessoa uma reação de se explicar e, às vezes, se transformará numa discussão, mo que é lamentável. Transforme as críticas em sugestões; Faça sugestões em lugar de dá ordens diretas O outro lado da crítica é a queixa, pois ela é uma crítica de nós mesmos. Ela nos destrói perante os outros, além da autodestruição, tornamo -nos pessoas chatas e lamuriosas, afastamo-nos dos outros Elogie honesta e sinceramente todo e qualquer progresso. O elogio gera motivação, pois a pessoa sente que foi reconhecida pelas boas coisas que vem praticando. O elogio aos nossos progressos são os incentivos da nossa vida. Quanto custa para elogiar ou ser elogiado? Comece com um elogio para depois chamar a atenção 4

15 Chame as pessoas pelos nomes que elas gostam O nome é o som que as pessoas mais prezam e ao trocá -lo, modificá-lo, apelidá-lo, você poderá estar ofendendo a pessoa. Por isto evite é bom evitar o chamamento de pessoas por apelido, a não ser que a pessoa demonstre que gosta de assim ser chamada. Utilize o crachá de identificação. Cuidado com os renomes Escute ativamente, Interesse-se pelas pessoas. Deixe os outros falarem e participarem da conversa. Escutar é ouvir com atenção. Ouvir é identificar ruídos. Infelizmente na maioria das vezes, nós ouvimos e não escutamos e assim inicia a nossa perda de tempo, seremos obrigados a escutar uma segunda vez. A natureza é muito sábia e não foi sem motivos que Deus nos deu dois ouvidos e uma só boca Mostre simpatia pelas idéias das outras pessoas, veja as coisas pelo ponto de vista dos outros. 5

16 Mostrar simpatia pelas idéias dos outros é estimular a criatividade, o espírito e colaboração, gerando motivação. Para conseguirmos ver as coisas pelo lado do outro, primeiramente temos que aplicar a regra anterior; em segundo, deslocamo-nos da nossa maneira de pensar e nos colocamos na posição do outro, só assim teremos oportunidade de argumentar os pontos de vista. Dessa maneira criamos soluções e não deixamos as pessoas temerosas de nos dar novas idéias Obtenha um sim imediato Uma boa sugestão é iniciarmos toda e qualquer conversação fazendo perguntas das quais temos certeza absoluta (ou quase absoluta) de obtermos um sim; claro, falando de assuntos que interessam às pessoas para depois entrarmos no que pretendemos do diálogo. O sim é definitivo em uma aprovação. Por exemplo: Dia do casamento. 6

17 Evite todas as discussões, respeite a opinião alheia A melhor maneira de evitarmos uma discussão é respeitar a opinião alheia e depois deixar que a pessoa esvazie, falando de tudo o que ela deseje e pensa. Depois que a pessoa esvaziou, estará enfraquecida com seus argumentos, além de mais leve e acessível; aí sim é o momento de falarmos, começando sempre das partes comuns para chegarmos a um acordo Reconheça seus erros imediatamente e com ênfase Em principio é uma das atitudes mais difíceis das pessoas, porém o ser humano sempre deseja acertar. Errar é humano, persistir no erro é... e reconhecer os nossos próprios erros é divino. Claro que possuímos uma resistência inconsciente em tomar esta atitude, porém se o fizermos imediatamente, começamos a acertar, angariamos mais amigos e lideramos com maior facilidade. Fale de seus erros, antes de falar dos erros das outra pessoas Não humilhe as pessoas, note os erros de uma maneira reservada Lance Desafios Quanto às suas possibilidades de melhorias, de conhecimento, de boas conquistas e assim os resultados serão positivos. 7

18 2. PROGRAMA 5 S EM TRABALHOS DE DRENAGEM O Que é 5 S? É um Programa de Educação que tem como objetivo a prática de hábitos saudáveis, permite uma mudança de mentalidade e comportamento com a organização e recursos empresariais Porque fazer o 5 S? Para promover a imediata mudança do ambiente físico em torno da pessoa Origem dos 5 S JAPÃO SEIRI SEITON SEISOU SEIKETSU SHITSUKE Adaptação no Brasil SENSO DE UTILIZAÇÃO SENSO DE ORDEM SENSO DE LIMPEZA 8

19 SENSO DE SAÚDE (Padronização) SENSO DE AUTODISPLINA 2.2. Senso de Utilização: É separar o útil do inútil, (desnecessário), deixando no local de trabalho somente aquilo que é necessário e dar um destino para as coisas que deixaram de ser úteis para aquele ambiente. Se refere a identificação, classificação e descarte dos recursos que não são úteis, e também a eliminação de tarefas desnecessárias, desperdícios de recursos, excesso de burocracia, utilização correta das máquinas, equipamentos e ferramentas, etc Comportamentos ao iniciar o Senso de Utilização Sentimentalismo; Algum dia posso precisar disso; Fico triste de ter que jogar fora; É uma recordação antiga; Como Praticar o Senso de Utilização Criar uma área de descarte; Realizar uma inspeção avaliando o necessário do desnecessário Seguir o quadro abaixo 9

20 OBJETOS E DADOS NECESSÁRIOS USADOS CONSTANTEMENTE USADOS OCASIONALMENTE USADOS RARAMENTE, MAS NECESSÁRIOS COLOCAR MAIS PRÓXIMO POSSÍVEL DO LOCAL DE TRABALHO COLOCAR UM POUCO AFASTADO DO LOCAL DE TRABALHO COLOCAR SEPARADO NUM LOCAL DETERMINADO CLASSIFICAÇÃO OBJETOS E DADOS DESNECESSÁRIOS SEM USO POTENCIAL POTENCIALMENTE ÚTEIS OU VALIOSOS VENDER OU DISPOR IMEDIATAMENTE TRANSFERIR PARA ONDE FOREM ÚTEIS QUE REQUEREM OUTRO LOCAL DETERMINAR OUTRO LOCAL Verificação do Senso de Utilização Há coisas desnecessárias em seu local de trabalho? Existem objetos pessoais em seu local de trabalho? Estão guardados objetos sem utilização? Somente objetos de uso estão a disposição? Na área de descarte os objetos estão separados, classificados, identificados? Existe muita burocracia? Retrabalho? Desperdícios? Benefícios do Senso de Utilização Liberação de espaços; Reaproveitamento de recursos; Facilidade em distribuição o pessoal; Combate a Burocracia; Diminuição de custos. 10

21 2.3. Senso de Ordem É COLOCAR EM ORDEM TUDO QUE É NECESSÁRIO. (Pegou, usou, levar para o mesmo lugar de onde pegou) Como promover a ordem Defina um lugar para cada coisa; Defina como guardar as coisas; Obedeça ao que foi definido Padronizar os nomes e a localização dos objetos Todas as coisas devem ter um nome e uma localização; O nome deve ser aceito e conhecido por todos; Não podem ficar coisas sem nomes; Nem coisas diferentes com o mesmo nome; Mesma coisa com dois nomes; Utilizar cores para identificação; Padronização visual Os avisos não devem estar amassados ou com rasuras; Todos os avisos devem indicar a data que foi colocado e até quando ficará em exposição; Não colocar em qualquer lugar, nas paredes, corredores, e sim num quadro de avisos; Os avisos, cartazes, nomes ou sinais devem ser alinhados em cima para se ter uma noção de ordem; As mensagens podem ser manuscritas, porem devem estar limpas e legíveis. Os avisos não podem conter borrões; Os cartazes devem ser fixados firmemente; Devem ser definidos três ou quatro tamanhos de padrões Como Buscar e Guardar de Modo Fácil (Armazenagem) Colocar as coisas pesadas nas partes baixas; Pense nas tarefas, as pessoas pegam com maior facilidade as coisas que estão entre a altura dos joelhos e dos ombros; Colocar em uma área específica cada objeto; 11

22 uma é demais. Objetos pequenos colocar em caixas; Nunca manter mais que o necessário, Algumas vezes qualquer coisa mais de Análise da Ordem Todos sabem o nome e onde estão os objetos?; Os locais de armazenagem estão disseminados por todo lado?; É difícil de encontrar porque tem muitas coisas no local?; Necessita ser preparado ou montado antes de transportar?; É difícil de pegar, ou muito grande par transportar? Verificação da Ordem Existem locais definidos paras as coisas?; Há facilidade de acesso?; Todos os objetos estão identificados?; Existem critérios estabelecidos para o ordenamento dos objetos?; A identificação e sinalização são facilmente compreendidas Benefícios da Ordem Economia de tempo; Diminuição do cansaço físico por movimentos desnecessários; Saída rápida em caso de emergência; Melhoria visual; Facilita o trabalho; Pontos Importantes para Guardar os Objetos 12

23 DESORDEM: Coisas guardadas de qualquer Forma. Espaços Ineficientes. ORDEM: Coisas colocadas em ângulos e linhas restas. O Espaço é usado de forma eficiente. CURVAS: Todas as curvas são perigosas. Possibilidade de colisão por desaceleração RETAS: Retas são seguras. Objetos poderão ser distribuídos de forma mais rápida Senso de Limpeza O Que é Limpeza? (mais importante do que limpar é não sujar) Limpar é eliminar a sujeira, inspecionando para descobrir e neutralizar as fontes do problema. A limpeza deve ser encarda como uma oportunidade de inspeção e de reconhecimento do ambiente. Portanto, é de fundamental importância que a limpeza seja realizada pelo próprio usuário do ambiente, ou pelo operador das máquinas e equipamentos. A limpeza é o monitoramento do ambiente, equipamentos e das pessoas. 13

24 Como Proceder: Compreende três etapas: Geral : Limpar tudo e tratar as causas; Individual: Limpar tudo que está dentro da área de sua responsabilidade; Específica: Micro limpeza de peças, ferramentas, equipamentos etc Procedimentos Dividir a área em setores; Definir as responsabilidades; Definir o que deve ser limpo; Definir um plano de limpeza Mapa Da Limpeza a) Semanal; b) Quinzenal; c) Mensal. EQUIPE ALMOXARIFADO Responsável EQUIPE ADMINISTRATIVO Responsável EQUIPE ELÉTRICA Responsável EQUIPE MECÂNICA/ MÁQUINAS/ VEÍCULOS Responsável 14

25 EQUIPE RECEPÇÃO Responsável Campanhas de Limpeza São campanhas de conscientização para todos os funcionários, sendo de muita valia pois além de demonstrar o real interesse da instituição, cria um padrão de conhecimento de todos Alguns exemplos: a) Cinco minutos diários: Cinco minutos pode parecer muito pouco para realizar alguma coisa que vale a pena. Mais se a limpeza for lançada de forma eficiente pode surpreender. Lançada a campanha, todos devem participar, porém sem que haja imposição. É importante que todos realizem a mesma coisa ao mesmo tempo, como marcar um horário para realizar a limpeza. b) Operação pano branco: É uma campanha para que todos participem da limpeza e polimento. Se for realizada com panos brancos, servirá para indicar os locais com excelência de limpeza e os locais onde necessitam de melhorias. c) Divulgação Visual Frases, cartazes, faixas se possível coloridos são úteis nas campanhas. As mensagens com os temas das campanhas devem ter a participação dos funcionários, até familiares. Distribuir panfletos da campanha de limpeza se possível no final do expediente para serem levados para casa. A Educação é fundamental. d) Dia da Grande Limpeza É um evento de grande importância para a Implementação do Programa 5S Ambiente da Qualidade. Deve ser escolhido um dia que não provoque transtornos na instituição. Deve ser elaborado um plano de ação e participação deve ser de todos. 15

26 Como está a Limpeza em seu Local de Trabalho? a) A que classe corresponde: Classe A Não existe sujeira. Todos ajudam a manter limpo o local; Classe B Tem sujeira, porém tem pessoas encarregadas de limpar tudo; Classe C Tem sujeira e ninguém se encarrega de limpar; Verificação da Limpeza As paredes, teto, pátios, máquinas, veículos, ferramentas, equipamentos etc. estão limpos. Isento de Poluição?; As instalações estão pintadas, identificadas?; Existe poluição atrás ou debaixo dos objetos?; Existem vazamentos?; O Ambiente é livre de inveja, traições e intrigas?; Benefícios da Limpeza Bem estar pessoal; Conservação dos equipamentos; Prevenção de acidentes; Causa boa impressão nos clientes, 2.5. Senso de Saúde (Padronização) Cada um é responsável por manter um ambiente saudável. Busca atender a conservação implantada nos três primeiros sensos, e a constante melhoria de vida de todos que freqüentam a instituição. Por exemplo: O banheiro dos funcionários devem estar em permanente condições de ser utilizado pelos diretores ou clientes Manual de Procedimentos A prática do sentido de padronização exige que a empresa adote manuais de procedimentos dos trabalhos elaborados com a participação dos funcionários. A colocação em prática desses procedimentos, levam ao correto desempenho das tarefas, evitando-se o retrabalho, desperdícios, acidentes, doenças ocupacionais, e custos desnecessários. 16

27 Recursos Visuais: Aviso para ajudar as pessoas a evitar erros de operação; Aviso de perigos; inclusive para comunidade Indicadores de equipamentos e ferramentas; Aviso de advertência; inclusive para a comunidade; Avisos de manutenção preventiva; Avisos de prevenção de acidentes;(exigência do uso de EPI s e EPC s) Instruções técnicas padronizadas Verificação da Padronização Existem procedimentos para as diversas atividades?; Os procedimentos são conhecidos por todas as pessoas? (treinamentos); Os processos estão definidos?; As normas são respeitadas por todas as pessoas?; Existe melhoria nos procedimentos?; Os riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes estão sob Controle? Benefícios do Senso de Saúde Preservação e melhoria da qualidade de vida; Evita faltas no trabalho; Transformação da energia física e mental em serviços e bens Senso de Disciplina (Autodisciplina) Autodomínio, controle sobre si mesmo. Adquirir hábitos corretos de trabalho. Sempre deve existir disciplina e prática para que as pessoas possam realizar suas 17

28 atividades com naturalidade. Em geral, a disciplina significa treinamento e capacitação (Educação), com o objetivo de se transformar os maus hábitos em bons hábitos. Se uma pessoa pretende realizar seu trabalho de forma eficiente e sem erros, precisam dedicar-se todos os dias. Necessita prestar atenção, ter paciência e desenvolver os bons hábitos. O trabalho coletivo fortalece a equipe e a instituição Verificação da Disciplina: Os funcionários são pontuais e atendem os compromissos assumidos? Os objetos e documentos se guardam em locais determinados depois do uso? A relacionamento entre as pessoas são agradáveis? Os equipamentos de proteção individuais e coletivos são utilizados? As ordens de trabalho são executadas devidamente e no tempo previsto? Aquilo que se busca se encontra sem perda de tempo? Existe asseio pessoal após a realização dos trabalhos? A manutenção, limpeza e condição dos veículos, máquinas e equipamentos são atendidas? Fica material sobre a mesa, piso etc após encerramento do expediente? Benefícios da Autodisciplina RESPEITO, DEFESA E VALORIZAÇÃO DA VIDA. 18

29 3.PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES, EM ALTURAS Objetivo. Estabelecer os procedimentos necessários para a realização de trabalhos em altura, visando garantir segurança e integridade física dos Servidores da Prefeitura Municipal de Curitiba e Empresas de terceiros (contradas) que realizaram este tipo de trabalho e a proteção dos que transitam nas áreas próximas Trabalho em Altura Considerando que trabalho em altura é qualquer atividade que o trabalhador atue acima do nível do solo Para trabalhos em altura acima de 2 metros é obrigatório, além dos EPI S básicos a utilização do cinturão de segurança tipo pára-quedista Para a realização de atividades em altura os trabalhadores devem: a) Possuir os exames específicos das funções comprovados (as) no ASO Atestado de Saúde Ocupacional. O ASO deve indicar explicitamente que a pessoa está apta a executar trabalho em local elevado. b) Estar em perfeitas condições físicas e psicológicas, paralisando a atividade caso sinta qualquer alteração em suas condições; c) Estar treinado e orientado sobre todos os riscos envolvidos. Durante vários anos os serviços executados em estruturas elevadas eram realizados com o cinturão de segurança abdominal e toda a movimentação era feita sem um ponto de conexão, isto é, o trabalhador só teria segurança quando estivesse amarrado à estrutura, estando susceptível a quedas. Este tipo de equipamento, devido a sua constituição não permitia que fossem adotados novos procedimentos quanto à escalada, movimentação e resgate dos trabalhadores. Com a preocupação constante em relação à segurança dos trabalhadores, a legislação atual exigiu a aplicação de um novo sistema de segurança para trabalhos em estruturas elevadas que possibilitam outros métodos de escalada, movimentação e resgate. 19

30 A filosofia de trabalho adotada é de que em nenhum momento, nas movimentações durante a execução das tarefas, o trabalhador não poderá ficar desamarrado da estrutura. Considerando que este processo é altamente dinâmico, a busca de novas soluções e tecnologia deve ser uma constante meta a ser atingida para que a técnica e os procedimentos adotados não fiquem ultrapassados Campo de aplicação: Aplica-se o disposto nesta Instrução de Segurança do Trabalho, a todos os serviços em altura, realizados por colaboradores internos ou terceiros, especialmente naqueles relativos às operações de: a) Manutenção em telhados (telhas, rufos, chaminés, exaustores etc); b) Trocas de Telhas; c) Pintura, limpeza, lavagem e serviços de alvenaria nas fachadas e estruturas; d) Instalação e manutenção elétrica; Iluminação pública; e) Manutenção de redes hidráulicas Procedimentos: a) O trabalhador deverá possuir Atestado de Saúde Ocupacional (ASO), constando exame de Eletroencefalograma, emitido pelo médico coordenador do PCMSO acusando que o trabalhador esteja apto para executar trabalhos em altura. b) Poderão ser necessários outros exames a critério do médico. c) A validade do ASO para trabalho em altura será de 6 meses. A data do vencimento do ASO e anotação de apto para altura deverá constar no crachá do funcionário. d) O trabalhador deverá possuir idade e bio-tipo adequado. e) Ser especializado no trabalho em que for executar, bem como estar familiarizado com os equipamentos inerentes ao serviço. f) Utilizar os EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) conforme dispost o na NR 6 e NR 18 da Portaria n.º 3.214/78 do Ministério do Trabalho, vigente e os indicados pela Segurança do Trabalho. g) Os trabalhos em altura só poderão ser executados por pessoas devidamente 20

31 treinadas e orientadas pelas chefias responsáveis pelo serviço. h) Todos os trabalhadores em serviço em altura devem utilizar-se de capacete com jugular. i) Utilizar roupas adequadas ao trabalho executado, não sendo permitido o uso de sandálias e chinelo. j) Não é permitido brincadeiras, ou jogar ferramentas do local elevado. k) Utilizar cinto porta-ferramenta com ou bolsa própria para guardar e transportar ferramentas manuais. l) Antes do início da realização de qualquer trabalho em altura deverá ser feita previamente, rigorosa inspeção pelo encarregado do setor onde vão ser realizados os trabalhos, pelo responsável dos trabalhos e pela Segurança do Trabalho. m) O local deverá ser sinalizado através de placas indicativas e/ou cones, deverá ser feito um isolamento para prevenir acidentes com transeuntes ou pessoas que estejam trabalhando embaixo. n) É obrigatório o uso do cinto de segurança tipo pára-quedista com dois talabartes, para trabalhos em altura superior a 2 (dois) metros. o) O transporte de materiais para cima ou para baixo, deverá ser feito preferencialmente com a utilização de cordas em cestos especiais ou de forma mais adequada. p) Materiais e ferramentas não podem ser deixados desordenadamente nos locais de trabalho sobre andaimes, plataformas ou qualquer estrutura elevada, para evitar acidentes com pessoas que estejam trabalhando ou transitando sob as mesmas. q) As ferramentas não podem ser transportadas em bolsos; utilizar sacolas especiais ou cintos apropriados. r) Instalações elétricas provisórias só devem ser realizadas exclusivamente por eletricista autorizados. s) Todo trabalho em altura deverá ser previamente autorizado pela área de Prevenção de Acidentes, através da emissão de Autorização para Trabalho em Altura. t) Somente poderão trabalhar em alturas os empregados que possuírem a Autorização para Trabalho para o referido trabalho. 21

32 3.3. Locais de Trabalhos: Telhado: a) Comunicar ao setor usuário sobre a realização do serviço; b) Isolar e sinalizar a área localizada abaixo do local de trabalho; c) Não pisar diretamente sobre as telhas, mas sim sempre nas tábuas que devem ser dispostas como passarelas; peso; d) Não sobrecarregar o beiral do telhado, pois esse não foi projetado para suportar e) Para içar telhas, deve-se suspendê-las até a altura desejada, uma a uma, devidamente amarrada, por meio de talhas ou outros meios igualmente seguros; f) Nunca armazenar telhas sobre o telhado; g) Não deixar sobras de material sobre o telhado após a execução do serviço; h) Em dias de chuva ou de muito vento, ou enquanto as telhas estiverem úmidas, não executar serviços sobre o telhado, mesmo com o uso de passarela de madeira; i) O cinto de segurança tipo pára-quedista deverá ser utilizado, providenciando-se previamente os meios necessários á sua fixação de forma a possibilitar a locomoção do usuário sobre o telhado Andaimes: a) Os andaimes devem ser dimensionados e montados de modo a suportarem, com segurança, as cargas de trabalho (pessoas e materiais), a que estarão sujeitos; b) Os montantes devem ser apoiados sobre calços ou sapatas, capazes de resistir aos esforços e ás cargas; c) A cada dois lances de cavalete, colocar as travas de reforço no andaime; d) Os andaimes devem ser fixados a estruturas rígidas durante sua utilização; e) Devem possuir guarda-corpo, com travessas horizontais colocadas respectivamente a 0,45 m e 1,00 m acima do estrado de trabalho, para evitar queda de pessoas; f) As pranchas usadas para piso devem fechar toda a área do andaime, de maneira a formar um piso contínuo; g) As pranchas devem ser dotadas de travas nas extremidades, para evitar seu deslocamento lateral e serem isentas de trincas, emendas ou nós; h) Os andaimes com altura superior a 1,50 m de altura devem ser providos de escadas de acesso; 22

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 Riscos adicionais Riscos adicionais De altura; De ambientes confinados; De áreas classificadas; De umidade; Condições atmosféricas; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Altura Trabalho em altura é

Leia mais

Trabalho em Altura. Manutenção em prédios e residências. Material complementar. Normas, orientações, equipamentos, cuidados e segurança na utilização.

Trabalho em Altura. Manutenção em prédios e residências. Material complementar. Normas, orientações, equipamentos, cuidados e segurança na utilização. Manutenção em prédios e residências Material complementar Trabalho em Altura Normas, orientações, equipamentos, cuidados e segurança na utilização. Aplicação da NR 35 - Requisitos mínimos para o trabalho

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

Aula 4. Noções de Prevenção de Trabalho em Altura, Eletricidade e Espaço Confinado. META DA AULA OBJETIVOS

Aula 4. Noções de Prevenção de Trabalho em Altura, Eletricidade e Espaço Confinado. META DA AULA OBJETIVOS Aula 4 Noções de Prevenção de Trabalho em Altura, Eletricidade e Espaço META DA AULA Adquirir noções básicas sobre Trabalho em Altura, Eletricidade e Espaço OBJETIVOS Ao final desta aula, você deverá ser

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

Manual do Locatário ANDAIME TUBULAR Instruções para Instalação e Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO ANDAIMES Andaimes são estruturas metálicas tubulares para acesso à altura para trabalho aéreo

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 1 SUMÁRIO Acessórios 03 Instruções de montagem 04 Dicas Importantes 10 Acesso dos Andaimes 11 Informações de Segurança 12 2 ACESSÓRIOS 3 ANDAIME FACHADEIRO INSTRUÇÕES

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO Sumário Andaime Fachadeiro...03 Instrução de Montagem...04 Acessórios...06 Modos e Pontos de Ancoragem...07 Dicas Importantes...08 Acesso dos Andaimes...09 Informações

Leia mais

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA manual TÉCNICO BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA Sumário Balancim Individual - Cadeirinha...03 Instrução de Montagem...05 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização da NR-18...11 Balancim Individual -

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado, para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair dela. Moisés (1473 A.C.). Deuteronômio 22.8 CADERNO DE PROTEÇÕES

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho.

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho. INSTRUÇÕES DE USO ANDAIME TUBULAR 1. Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem e movimentação de andaimes próximos às redes elétricas. 2. O piso de trabalho dos andaimes deve

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O 18.15. Andaimes. 18.15.1.1 Os projetos de andaimes do tipo fachadeiro, suspensos e em balanço devem ser acompanhados pela respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica. (Nova redação dada pela Portaria

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

Manual para trabalhos em altura.

Manual para trabalhos em altura. Manual para trabalhos em altura. Montagem de andaimes. O trabalho de montagem de andaimes possui características peculiares, pois em geral, os pontos de ancoragem são o próprio andaime, o que requer uma

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL:

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL: 1.0 - OBJETIVO: Estabelecer procedimentos seguros para montagem, desmontagem e utilização de andaimes, em serviços de manutenção nas áreas da fábrica. 2.0 - APLICAÇÃO: Este procedimento se aplica à montagem,

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 24 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERVIÇOS EM TELHADOS

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 24 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERVIÇOS EM TELHADOS LISTA DE CHECAGEM DE SERVIÇOS EM TELHADOS 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções: Hidrelétrica;

Leia mais

NR35. Todo trabalho em altura começa no solo. Portaria SIT nº313/12 TRABALHO EM ALTURA

NR35. Todo trabalho em altura começa no solo. Portaria SIT nº313/12 TRABALHO EM ALTURA Portaria SIT nº313/12 Todo trabalho em altura começa no solo OBJETIVO DO CURSO Promover a capacitação dos trabalhadores que realizam trabalhos em altura, no que diz respeito a prevenção de acidentes no

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA PALESTRA PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA OBJETIVO: PASSAR CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM TRABALHO EM ALTURA O QUE DIZ A LEI SEGUNDO A LEI, A CULPA ESTÁ

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE.

Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE. Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE. Instrutor: Emanuel Rodrigues Técnico em Segurança do Trabalho na área de Petróleo e Gás; Instrutor de Trabalhos em Altura

Leia mais

6HUYLoR'(5()250$ 0XURGHVHJXUDQoD. SENAI DENDEZEIROS AVENIDA DENDEZEIROS DO BONFIM, 99 - BONFIM Salvador - BA

6HUYLoR'(5()250$ 0XURGHVHJXUDQoD. SENAI DENDEZEIROS AVENIDA DENDEZEIROS DO BONFIM, 99 - BONFIM Salvador - BA 6HUYLoR'(5()250$ 0XURGHVHJXUDQoD SENAI DENDEZEIROS AVENIDA DENDEZEIROS DO BONFIM, 99 - BONFIM Salvador - BA Índice ²3URMHWR([HFXWLYR 1.1 Planta De Situação ²0HPRULDOGHVFULWLYR ²3/$1,/+$2UoDPHQWiULD ²$QH[RV

Leia mais

Cartilha de segurança. Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura

Cartilha de segurança. Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura Cartilha de segurança Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura Cartilha de segurança Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura 2ª edição Realização: Curitiba Set/2011 A reprodução

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D)

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Escadas Simples? Escadotes? Escadas Duplas e Triplas Escadas Telescópicas? Torres Multiusos Indice 1. Introdução 2. Informação para o Utilização

Leia mais

18.15. Andaimes 18.15.1. O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação, deve ser realizado por profissional legalmente habilitado. (118.337-0 / I4) 18.15.2. Os andaimes devem ser

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria MTE n.º 593, de 28 de abril

Leia mais

-Só iniciar a tarefa com PT-Permissão para Trabalho,e cumpra as Recomendações de segurança contidas nela.

-Só iniciar a tarefa com PT-Permissão para Trabalho,e cumpra as Recomendações de segurança contidas nela. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÂO POP 005000-OM -06 1/2 PINTURA DE PAREDE COM USO DE ANDAIME REVISÃO: 00 FOLHA 1- OBJETIVO ESTE PROCEDIMENTO ESTABELECE OS REQUISITOA MÍNIMOS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DE PINTURA.

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Técnicas de escalada, movimentação e salvamento em estruturas elevadas de subestações

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 201 DE 21 DE JANEIRO DE 2011 (D.O.U. de 24/01/2011 Seção 1 págs 100 e 101) Altera a Norma Regulamentadora n.º 18, aprovada

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA Autor Carmelindo Monteiro Neto COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ - COELCE RESUMO Este trabalho apresenta metodologias bastante simples de instalação de linha de vida

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras SEMINÁRIO GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS CANTEIROS DE OBRA Implantação da NR 35 nos canteiros de obras BH 17/08/2012 Atividades dos Trabalhos em Altura Construção civil Taludes e Telhados Telecomunicações

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

Orientações Básicas. para. Trabalhos em Telhados

Orientações Básicas. para. Trabalhos em Telhados Orientações Básicas para Trabalhos em Telhados Caderno de Prevenção 1 2 TRABALHO EM TELHADOS O objetivo deste estudo é apenas apresentar os procedimentos de segurança a serem observados na realização de

Leia mais

LISTA DE CHECAGEM ANDAIMES FACHADEIROS

LISTA DE CHECAGEM ANDAIMES FACHADEIROS LISTA DE CHECAGEM DE ANDAIMES FACHADEIROS Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções: Hidrelétrica;

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA Obs: 1- A Portaria MTE 593/2014 entra em vigor na data de sua publicação(28.04.2014), com exceção dos itens 2.1, alínea "b", e 3.2 do Anexo I - Acesso

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341

www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341 www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341 APRESENTAÇÃO COLABOR A COLABOR Consultoria e Treinamentos é uma empresa de soluções para aumento de performance para PROFISSIONAIS E EMPRESAS. Nossas

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMÁTICA DE TRABALHO EM ALTURA Guilherme Chaves Barcellos Petrópolis Rio de Janeiro Julho 2013 SERVIÇO

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA CADEIRINHA MANUAL. (Andaime Suspenso Individual Mecânico)

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA CADEIRINHA MANUAL. (Andaime Suspenso Individual Mecânico) MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA CADEIRINHA MANUAL (Andaime Suspenso Individual Mecânico) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 3 2.1. USO DE CADEIRINHA

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Gestão de Contratos Service/Qualidade Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Administrativo

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES

MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES 2 ESCADAS / ESCADOTES Antes de utilizar uma escada ou escadote, leia cuidadosamente estas intruções! Guarde estes textos em local de fácil acesso para futuras consultas.

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013 Catálogo Eletrônico Email: montich@ 2013 APRESENTAÇÃO A MONTICH ENGENHARIA, fundada em julho de 2013, com sede própria, hoje é especializada diretamente no seguimento de Fabricação, Projetos e Instalações

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Trabalhos em Andaimes e Escadas baseado na NR 18 Tipo do

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Altera a Norma Regulamentadora n.º 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 1.Cesto aéreo é um equipamento de trabalho móvel, para trabalho em altura, destinado a transportar um ou mais trabalhadores, para atividades ou acesso em locais de uma obra,

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01)

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) 1 - É proibida a utilização de equipamentos de guindar para o transporte de pessoas, em cesto aéreo suspenso, exceto nos casos de operação assistida, nos seguintes

Leia mais

\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES

\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES \\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES FLEX MACA FLEX ATENÇÃO NÃO PERMITIR CONTATO COM MATERIAIS CORROSIVOS OU AGRESSIVOS. MANTER MACA E COMPONENTES AFASTADOS DE FONTES DE CALOR. INSPECIONAR

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA ANDAIMES

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA ANDAIMES PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA ANDAIMES PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA 01. Altura Máxima com Rodízio Devido ao dimensionamento da carga máxima suportada pelas sapatas com rodízios e pela solicitação das Normas

Leia mais

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br SOLUÇÕES PARA FACHADA metax.com.br Passarela para pedestres Estes equipamentos são utilizados em locais onde a instalação do andaime fachadeiro obstrui a passagem de via, ou seja, a fachada do prédio não

Leia mais

Plataformas e Superfícies de Trabalho ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO

Plataformas e Superfícies de Trabalho ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO Plataformas e Superfícies de Trabalho ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO Andaimes (Classificação) Simplesmente apoiados Fachadeiros Móveis Em balanço Suspensos mecânicos Suspensos

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO Ref.: IT 001/Seg PADRÕES MÍNIMOS DE SEGURANÇA PARA CONTRATADAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO Ref.: IT 001/Seg PADRÕES MÍNIMOS DE SEGURANÇA PARA CONTRATADAS Página 1 de 13 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba, e a promoção da saúde e segurança dos

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/7 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para instalação e substituição de pára-raios em tanque de transformador, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

INSTRUÇÃO DE EXAMES CANDIDATO INS-002

INSTRUÇÃO DE EXAMES CANDIDATO INS-002 Página 1 de 14 1. OBJETIVO Fornecer ao candidato as instruções necessárias para execução do exame prático de Acesso por Corda de acordo com o Sistema de Certificação ANEAC. 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS - NAC-005

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA Sistema de Gestão Ocupacional Florestal Autor do Doc.: Milton Favero Editores: Milton Favero Título: Trabalhos em Altura Tipo do Documento : PROCEDIMENTO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL SubTipo: Procedimento

Leia mais

AGENDA PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA 21/05/2014

AGENDA PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA 21/05/2014 PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA Eng. Alberto Delgado Gerente de Treinamento Região América Latina 2 AGENDA Estatísticas dos Acidentes no Trabalho Riscos típicos de Trabalhos em Altura Revisão

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais