Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol"

Transcrição

1 Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama que, quando é calculado, apresenta a soma de verificação dos seus bits. Isso significa, que um receptor pode saber se o datagrama está correto através do cálculo da soma de verificação. O cálculo de soma de verificação UDP é o complemento de um da soma de todos os blocos de 16 bits do datagrama. Este artigo apresenta um método manual para cálculo da soma de verificação UDP. As informações dadas para que o cálculo seja realizado são: os números da porta fonte e destino e o conteúdo do campo de dados. Aspectos adicionais ao método incluem: considerações quanto ao campo comprimento, exceção quanto ao agrupamento dos blocos de 16 bits de dados, método rápido para converter números decimais em números binários e exceção quando o resultado de uma soma tem o comprimento superior a 16 bits. Palavras-chave: redes de computadores, TCP/IP, UDP, checksum, soma de verificação. 1. Introdução O User Datagram Protocol (UDP) está presente na camada de transporte da arquitetura Transfer Control Protocol / Internet Protocol (TCP/IP) (POSTEL, 1980). Ele é um protocolo que tem como unidade de transmissão o datagrama e fornece de um serviço de melhor esforço às aplicações que o utilizarem. Isso significa que ele apenas garante enviar um datagrama e nada mais. Não há qualquer outra garantia. A camada de transporte TCP/IP também contém outro protocolo orientado à conexão, confiável, com controle de fluxo e controle de congestionamento, denominado TCP (UNIVERSITY OF SOUTHERN CALIFORNIA, 1981). Ao compará-lo com o TCP, outro protocolo da camada de transporte TCP/IP, ele é muito mais ágil. Isso ocorre porque o TCP é orientado à conexão e garante confiabilidade, controle de fluxo e controle de congestionamento. Enquanto UDP é não orientado à conexão e nada garante. A agilidade, quando comparado ao TCP, é uma vantagem. Por isso, UDP é bastante utilizado em aplicações multimídia ao vivo ou em tempo real (KUROSE e ROSS, 2010). Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama que, quando é calculado, apresenta a soma de verificação dos seus bits. Isso significa, que um receptor pode saber se o datagrama está correto através do cálculo da soma de verificação. Atenção, isso não é

2 confiabilidade! Isso é corretude no receptor e apenas acontece quando a soma de verificação foi calculada no emissor. Confiabilidade, do ponto de vista da camada de transporte, é uma característica do TCP, que garante que os segmentos são entregues, entregues na ordem e entregues corretos. UDP não garante isso! (COMER, 2006) O datagrama UDP é uma estrutura composta por cinco campos, sendo quatro no cabeçalho, de comprimento fixo, e um de dados, respectivamente: porta fonte, 16 bits de comprimento; porta destino, 16 bits de comprimento; tamanho em bytes, 16 bits de comprimento; soma de verificação, 16 bits de comprimento. Figura 1. Formato do datagrama UDP. Fonte: adaptado de (KUROSE e ROSS, 2010, p. 153) A figura 1 apresenta os campos de um datagrama UDP. O primeiro campo é a porta fonte, ele inicia na posição zero, vai até a posição 15, e, assim sendo, tem 16 bits de comprimento. Ou seja, é um número que, em binário, pode variar de ( ) 2 até ( ) 2, que, em decimal, pode variar de 0 até (0 até ). O segundo campo é a porta destino, inicia na posição 16, vai até a posição 31, e, também tem 16 bits de comprimento. O campo tamanho em bytes contém um número binário de 16 bits que representa o tamanho do datagrama em bytes. Ele inicia na posição 32 e vai até a posição 47, sendo um campo de 16 bits. O último campo do cabeçalho é a soma de verificação que deve ser calculado com base nos outros. Ele inicia na posição 47 e vai até a posição 63. A partir da posição 64 inicia o campo dados. Este campo tem

3 comprimento variável e tipicamente é uma mensagem de uma aplicação. A soma de verificação é um cálculo opcional para UDP. Quando um receptor obtém um datagrama UDP com o campo soma de verificação igual a zero, significa que ela não foi realizada no emissor e, no receptor, não há como garantir sequer a corretude das informações nele contidas. Por outro lado, quando a soma de verificação é realizada no emissor, o receptor pode verificar a corretude das informações contidas no datagrama UDP utilizando o mesmo cálculo. Em situações reais, o emissor e o receptor incluem no cálculo da soma de verificação as informações contidas em um pseudo-cabeçalho, com 96 bits, obtido da camada de rede. Os campos deste pseudo-cabeçalho são: endereço IP fonte, 32 bits de comprimento; endereço IP destino, 32 bits de comprimento; zero, 8 bits zerados para fins de preenchimento; código do protocolo, 8 bits de comprimento; comprimento do datagrama UDP, 16 bits de comprimento (figura 2). Figura 2. Pseudo-cabeçalho incluído no cálculo de soma de verificação UDP. Fonte: adaptado de (COMER, 2006, p. 201) As informações do pseudo-cabeçalho não são enviadas, servem apenas para os cálculos de soma de verificação. Neste artigo, como o objetivo é aprender o método para calcular a soma de verificação UDP, o pseudo-cabeçalho é desprezado (COMER, 2006). O cálculo de soma de verificação UDP é o complemento de um da soma de todos os blocos de 16

4 bits do datagrama (BRADEN e BORMAN, 1988). Este artigo apresenta um método manual para cálculo da soma de verificação UDP. As informações dadas para que o cálculo seja realizado são: os números da porta fonte e destino e o conteúdo do campo de dados. Aspectos adicionais ao método incluem: considerações quanto ao campo comprimento, exceção quanto ao agrupamento dos blocos de 16 bits de dados, método rápido para converter números decimais em números binários e exceção quando o resultado de uma soma tem o comprimento superior a 16 bits. 2. Passos para Cálculo da Soma de Verificação O cálculo de soma de verificação UDP é definido como o complemento de um da soma de todos os blocos de 16 bits do datagrama (BRADEN e BORMAN, 1988). Para que ele seja realizado, alguns passos devem ser cumpridos: 1. determinação do comprimento do datagrama; 2. agrupamento dos campos em blocos de 16 bits; 3. conversão dos números em decimal para números binários; 4. soma dos blocos de 16 bits; 5. complemento de um da soma dos blocos de 16 bits. Estes passos podem ser realizados em números decimais, sem a necessidade de converter os números em binário, desde que as exceções no agrupamento e soma sejam observadas. No final, basta lembrar, que em decimal, o complemento de um, neste caso, é o mesmo que efetuar a subtração de da soma. Por exemplo, supondo que o resultado da soma dos blocos de 16 bits é 31768, a soma de verificação em decimal é 33767, ou seja, O exemplo utilizado para apresentar estes passos é um datagrama com a porta fonte igual a 1234, a porta destino igual a e a string ABCD, sem as aspas, no campo de dados. Os campos comprimento e soma de verificação devem ser calculados (figura 3).

5 Figura 3. Datagrama UDP utilizado para apresentar o cálculo de soma de verificação Determinação do Comprimento do Datagrama O comprimento de um datagrama UDP é a soma do comprimento do cabeçalho com o comprimento dos dados. O comprimento do cabeçalho é fixo e sempre tem o mesmo tamanho, são quatro campos, cada um com 16 bits, o que resulta em 64 bits, ou 8 bytes, de comprimento. Portanto, o menor datagrama UDP, composto apenas pelo cabeçalho, tem 8 bytes. O comprimento dos dados é variável e depende da quantidade de bytes que estão no campo. No caso do datagrama da figura 3, considerando que cada letra tem um byte, e que há quatro letras, ABCD, os dados têm o comprimento de 4 bytes. Para o datagrama da figura 3, o comprimento são 12 bytes. Ele resulta da soma dos 8 bytes do cabeçalho com os 4 bytes dos dados. Vale lembrar que este número, 12, deve ser escrito no campo como um número binário de 16 bits, ou seja ( ) Agrupamento dos Campos em Blocos de 16 Bits Os campos do cabeçalho já são, cada um deles, blocos de 16 bits e não precisam ser agrupados. Entretanto, os valores apresentados na figura 3 estão em decimal e precisam ser convertidos para binário. Já o campo de dados deve ser agrupado, na ordem em que os bytes apresentam-se, em blocos de 16 bits. No caso do campos de dados exibido na figura 3, cujo conteúdo é ABCD, isso é o mesmo que agrupar as representações em binário do código American Standard Code for Interchange of Information (ASCII) para cada letra. Isso significa AB seguido de CD.

6 O quadro 1 mostra o agrupamento, em binário, de AB e CD. ASCII ('A') = 65 = ( ) 2 ASCII ('B') = 66 = ( ) 2 ASCII ('C') = 67 = ( ) 2 ASCII ('D') = 68 = ( ) 2 AB ( ) 2 CD ( ) 2 Quadro 1. Agrupamento de AB e CD. Uma exceção deve ser tratada quando o campo de dados não tem blocos exatos de 16 bits. Por exemplo, se os dados são ABC, AB forma um bloco de 16 bits, mas C forma apenas 8 bits. Neste caso, basta preencher à direita dos bits de C com 8 bits zero (byte nulo) Conversão dos Números em Decimal para Números Binários Os campos porta fonte, porta destino e comprimento precisam ter os conteúdos convertidos para binário, já que estão em decimal. Uma técnica rápida para conversão manual de números decimais em números binários consiste em realizar subtrações sucessivas do número decimal por potências de 2. Esta técnica de conversão depende de conhecimento prévio de potências de 2 e de subtrações. A conversão dos números 1234, porta fonte, 10520, porta destino, e 12, comprimento, para binário é exibida no quadro 2. Cada subtração deve ser feita pela potência de dois que no máximo seja igual ao número até que ele seja zerado. Os expoentes das potências de 2 são as posições dos bits 1 no número binário. Todas as outras posições são zero. Este método é, na maioria das vezes, mais eficiente que a divisão sucessiva por = = = = = Os bits da posição 1, 4, 6, 7 e 10 são 1. Todos os outros são zero.

7 = = = = = Os bits da posição 3, 4, 8, 11 e 13 são 1. Todos os outros são zero = = Os bits da posição 2 e 3 são 1. Todos os outros são zero = ( ) = ( ) 2 12 = ( ) 2 Quadro 2. Conversão dos número de porta fonte, número de porta destino e comprimento de decimal para binário.

8 2.4. Soma dos Blocos de 16 Bits Os blocos de 16 bits devem ser todos somados. O quadro 4 apresenta o resultado para o datagrama da figura 3. Porta Fonte = Porta Destino = Comprimento = AB = CD = Quadro 4. Soma dos blocos de 16 bits do datagrama da figura 3. Uma exceção pode ocorrer em qualquer uma das somas, vai um no bit mais significativo (o bit mais à esquerda). Caso isso ocorra, o resultado da soma não cabe no campo que tem 16 bits e uma ação adicional deve ser tomada. O bit adicional de vai um deve ser ignorado no número e somado ao bit menos significativo do resultado (o bit mais à direita). Um exemplo com esta exceção é exibido no quadro Vai um no bit mais significativo gera um estouro e o resultado não cabe no campo de 16 bits! (ignora o 1 no bit mais significativo) + 1 (adiciona o 1 ao bit menos significativo) (exceção tratada) Quadro 5. Vai um no bit mais significativo Complemento de Um da Soma dos Blocos de 16 Bits O complemento de um é a inversão dos bits de um número. A soma de verificação é a inversão dos bits da soma realizada nos blocos de 16 bits do datagrama. Para o datagrama da figura 3, o

9 complemento de um está calculado e exibido no quadro 6. Complemento de 1 de = Soma de verificação = Quadro 6. Soma dos blocos de 16 bits do datagrama da figura Conclusão Este artigo apresentou um método manual para calcular a soma de verificação de um datagrama UDP. Aspectos adicionais ao método incluiram: considerações quanto ao campo comprimento, exceção quanto ao agrupamento dos blocos de 16 bits de dados, método rápido para converter números decimais em números binários e exceção quando o resultado de uma soma tem o comprimento superior a 16 bits. As informações do pseudo-cabeçalho, que são utilizadas nos cálculos reais, foram ignoradas, pois não interferem na apresentação do método de cálculo. A verificação da soma de verificação no receptor é feita utilizando o mesmo cálculo, mas levando em conta todos os campos do cabeçalho, inclusive a soma calculada pelo emissor. Ao final do cálculo, o receptor sabe que o datagrama está correto se o resultado é zero. Caso contrário, o datagrama está incorreto.

10 4. Referências BRADEN, R. e BORMAN, D. Request For Comment 1071 Computing the Internet Checksum. Disponível em: <http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc1071.txt>. Acesso em: 22 Mai COMER, D. E. Interligação em Redes com TCP/IP Volume I Princípios, Protocolos e Arquitetura. 5 a edição KUROSE, J. F. e ROSS, K. Redes de Computadores e a Internet, uma Nova Abordagem. 5 a edição. Pearson do Brasil POSTEL, J. Request For Comment 768 User Datagram Protocol. Disponível em: <http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc768.txt>. Acesso em: 22 Mai TANENBAUM, A. S. Redes de Computadores. 5 a edição. Pearson do Brasil UNIVERSITY OF SOUTHERN CALIFORNIA. Request For Comment 793 Transmission Control Protocol. Disponível em: <http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc793.txt>. Acesso em: 22 Mai

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Parte I Prof. Thiago Dutra Agenda n Parte I n Introdução n Protocolos de Transporte Internet n Multiplexação e n UDP n Parte II n TCP

Leia mais

Jéfer Benedett Dörr

Jéfer Benedett Dörr Redes de Computadores Jéfer Benedett Dörr prof.jefer@gmail.com Conteúdo Camada 4 Camada de Transporte Objetivo Conhecer o funcionamento da camada de transporte; Apresentar os protocolos UDP e TCP; Aprender

Leia mais

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI A Internet é um sistema extremamente complicado e que possui muitos componentes: inúmeras aplicações e

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Transporte 2 Camada de Transporte Função: Fornecer comunicação lógica entre processos de aplicação em diferentes hospedeiros. Os protocolos de transporte são

Leia mais

Redes TCP/IP Formato Datagrama IP

Redes TCP/IP Formato Datagrama IP Referência básica: 1. Redes de Computadores e a Internet/Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Kurose Ross Editora Pearson (Capítulo 4 item 4.4.1) 2. Tanenbaum Cap. 5.6.1 - O protocolo IP 1. INTRODUÇÃO : No

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos TCP/IP

Redes de Computadores. Protocolos TCP/IP Redes de Computadores Protocolos TCP/IP Sumário 2! Endereços IP (lógicos) Sub-redes! Endereços Ethernet (físicos)! Conversão de endereços IP/Ethernet! Pacotes IP! Números de portos! Segmentos UDP! Segmentos

Leia mais

Jéfer Benedett Dörr

Jéfer Benedett Dörr Redes de Computadores Jéfer Benedett Dörr prof.jefer@gmail.com Conteúdo Camada 4 Camada de Transporte/2 Objetivo Conhecer o funcionamento da camada de transporte; Apresentar os protocolos UDP e TCP; Aprender

Leia mais

REVISÃO - Questões de Redes em Concursos. Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013

REVISÃO - Questões de Redes em Concursos. Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013 Redes de Computadores REVISÃO - Questões de Redes em Concursos Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013 Disciplina: Redes de Computadores Professor: Jéfer Benedett Dörr Q234360 Prova: AOCP - 2012 - BRDE -

Leia mais

Protocolos e Arquiteturas de Redes. Thiago Leite

Protocolos e Arquiteturas de Redes. Thiago Leite Protocolos e Arquiteturas de Thiago Leite As redes são organizadas em camadas Forma de reduzir a complexidade Um conjunto de camadas forma uma pilha A função de cada camada da

Leia mais

TRANSPORTE. Prof. Me. Hélio Esperidião

TRANSPORTE. Prof. Me. Hélio Esperidião TRANSPORTE 1 Prof. Me. Hélio Esperidião DEFINIÇÃO Na arquitetura OSI, o serviço de transporte é realizado pela camada quatro. A camada de transporte fornece serviços à camada superior - de sessão Utiliza-se

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 3 Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO 3º ANO / 2º SEMESTRE 2014 INFORMÁTICA avumo@up.ac.mz Ambrósio Patricio Vumo Computer Networks & Distribution System Group Serviços de Transporte na Internet Arquitectura TCP/IP

Leia mais

MODELOS DE REFERENCIA OSI TCP/IP

MODELOS DE REFERENCIA OSI TCP/IP Aula 2 MODELOS DE REFERENCIA OSI TCP/IP Curso Técnico em Telecomunicações Convergência de Redes PROGRAMA Modelos de Referência OSI TCP/IP OSI x TCP/IP 2 OSI E A COMUNICAÇÃO POR CARTA 3 HISTÓRIA No Principio

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Infra-Estrutura de Hardware Sistemas de Numeração Conversão entre bases Bit e byte ECC Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conversão de bases Aritmética binária e hexadecimal

Leia mais

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação Modelo OSI Marcelo Assunção 10º13 Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Disciplina: Redes de Comunicação 2013/2014 Índice Modelo OSI Open System Interconnection (OSI)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com BENEFÍCIOS MODELO OSI Menor complexidade; Interfaces padronizadas; Interoperabilidade entre

Leia mais

Capítulo 4 - Sumário

Capítulo 4 - Sumário 1 Capítulo 4 - Sumário Características do O Datagrama IP (Campos do Cabeçalho) Tamanho do Datagrama, MTU da Rede e Fragmentação 2 Aplicação Telnet HTTP FTP POP3 SMTP DNS DHCP Transporte TCP (Transmission

Leia mais

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS NUMÉRICOS

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS NUMÉRICOS MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS NUMÉRICOS Professor Marlon Marcon Introdução Em nossa condição humana, geralmente realizamos cálculos utilizando o sistema numérico decimal, ou base 10. Isso provavelmente

Leia mais

OSI e TCP/IP. Professor: Leandro Engler Boçon Disciplina: Redes e Serviços

OSI e TCP/IP. Professor: Leandro Engler Boçon   Disciplina: Redes e Serviços OSI e TCP/IP Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Redes e Serviços 1 Bibliografia Tanembaum. Andrew S. Redes de Computadores. Editora campus 3ª edição. Rio de Janeiro.

Leia mais

Objetivo. Sistemas de Numeração e Códigos. Apresentar técnicas de representação e converção de números em diversos sistemas de numeração.

Objetivo. Sistemas de Numeração e Códigos. Apresentar técnicas de representação e converção de números em diversos sistemas de numeração. Sistemas de Numeração e Códigos Raul Queiroz Feitosa Objetivo Apresentar técnicas de representação e converção de números em diversos sistemas de numeração. 2 1 Conteúdo Introdução Conversão da base 10

Leia mais

PROTOCOLO ICMP. Março de Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3

PROTOCOLO ICMP. Março de Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3 Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3 PROTOCOLO ICMP Março de 2016 Lourival da Silva Souza Sergio Dusilekz ICMP (INTERNET CONTROL MESSAGE PROTOCOL) O protocolo

Leia mais

TRABALHO SOBRE IPV6. Akio Tanaka ADS Módulo III. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)

TRABALHO SOBRE IPV6. Akio Tanaka ADS Módulo III. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) TRABALHO SOBRE IPV6 Akio Tanaka 1580302 ADS Módulo III Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) 1) Quais as diferenças entre o ENDEREÇAMENTO IPv6 e o IPv4? Explique e exemplifique.

Leia mais

Modelo TCP/IP. Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT

Modelo TCP/IP. Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT Modelo TCP/IP Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT AS1RAI1 Redes para Automação Industrial JOINVILLE 12/09/2016 Introdução histórico O padrão histórico e técnico da Internet é o modelo

Leia mais

HARDWARE SISTEMA NUMÉRICO E CODIFICAÇÃO. Wagner de Oliveira

HARDWARE SISTEMA NUMÉRICO E CODIFICAÇÃO. Wagner de Oliveira HARDWARE SISTEMA NUMÉRICO E CODIFICAÇÃO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Sistemas de Numeração Base de um Sistema Notação Posicional Sistema Binário (Base dois) Sistema Hexadecimal (Base 16) Codificação BCD

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 6

Prof. Marcelo Cunha Parte 6 Prof. Marcelo Cunha Parte 6 www.marcelomachado.com ARP (Address Resolution Protocol) Protocolo responsável por fazer a conversão entre os endereços IPs e os endereços MAC da rede; Exemplo: Em uma rede

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 02 Visão Geral da

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Instituto Federal São Paulo. Campus Presidente Epitácio. Trabalho de Redes de Computadores II

Instituto Federal São Paulo. Campus Presidente Epitácio. Trabalho de Redes de Computadores II Instituto Federal São Paulo Campus Presidente Epitácio Trabalho de Redes de Computadores II Trabalho de Redes de Computadores II IPv6 Marco Antonio Macelan 1380265 Professor: Bruno César Vani Professor:

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Numeração

Introdução à Computação: Sistemas de Numeração Introdução à Computação: Sistemas de Numeração Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Protocolos de Transporte. Thiago Leite

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Protocolos de Transporte. Thiago Leite Interligação de Redes Locais e a Distância Protocolos de Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br 1 Quadros (enlace), datagrama (rede) e segmento (transporte) 2 Funções da camada de transporte Transferência

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Enlace A comunicação entre dois equipamentos geograficamente separados

Leia mais

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração Lista de Exercícios Sistemas de Numeração 1- (Questão 52 BNDES Profissional Básico Análise de Sistemas - Suporte ano 2010) Um administrador de sistemas, ao analisar o conteúdo de um arquivo binário, percebeu

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Representação de Números de Ponto Flutuante Aritmética

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Redes de Computadores I Nível de Rede (IP) Prof. Helcio Wagner da Silva. p.1/36 Introdução

Leia mais

Redes TCP-IP. Protocolo ICMP. Pilha TCP/IP. Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP

Redes TCP-IP. Protocolo ICMP. Pilha TCP/IP. Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP Volnys 1999-2003 1 Volnys 1999-2003 2 Pilha TCP/IP Internet Control Message Protocol Introdução ao Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Introdução ao = Internet Control Message Protocol Protocolo auxiliar

Leia mais

Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP

Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol Introdução ao Volnys Borges Bernal Matteo Nava ilnava;volnys@lsi.usp.br Introdução ao Introdução ao O que é o protocolo? = Internet Control Message Protocol Protocolo

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle PTC3450 - Redes de Comunicação - 1o semestre 2017 Lista de Exercícios Suplementares 1 1) (2014-P1)

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA. Sistemas de Numeração

FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA. Sistemas de Numeração FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA Sistemas de Numeração OBJETIVOS DA AULA Conhecer os sistemas de numeração antigos; Entender, compreender e usar um Sistema de Numeração; Relacionar os Sistemas de Numeração com

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Redes de Computadores 2 Prof. Rodrigo da Rosa Righi - Aula 6

Redes de Computadores 2 Prof. Rodrigo da Rosa Righi - Aula 6 Agenda Redes de Computadores 2 Prof. Rodrigo da Rosa Righi - Aula 6 professor.unisinos.br/righi rrrighi@unisinos.br Camada de Rede na Internet Formato de Datagrama IP Fragmentação IP ICMP Camada de Rede

Leia mais

Pesquisa: IPv4 e IPv6

Pesquisa: IPv4 e IPv6 IFSP PRESIDENTE EPITÁCIO/SP ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º. Termo Redes de Computadores 2 Prof. Kleber Manrique Trevisani Pesquisa: IPv4 e IPv6 BRUNO VICENTE CORREIA MARQUES pront. 1380061 PRESIDENTE

Leia mais

IESGO Redes de Computadores I

IESGO Redes de Computadores I IESGO Redes de Computadores I Modelo de referência TCP/IP; Introdução à protocolos da pilha TCP/IP. 2º Sem 2016 Quando foram criadas as redes de rádio e satélite, começaram a surgir problemas com os protocolos

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 O cabeçalho O CABEÇALHO Os campos 4 Conceitos Gerais Clássico Classe A Classe B Classe C Classe

Leia mais

Camada de Rede. Redes de Computadores. Motivação para interconexão. Motivação para interconexão (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro

Camada de Rede. Redes de Computadores. Motivação para interconexão. Motivação para interconexão (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro Redes de Computadores (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Motivação para interconexão Diferentes tecnologias

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI Fundamentos de Rede Aula 2 - Modelo OSI Protocolo e Arquitetura de Protocolos Problema Permitir a comunicação entre entidades de diferentes sistemas Solução Criar convenções de quando e como se comunicar

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP 1 Objetivos do Capítulo Descrever o ICMP; Descrever o formato de mensagem

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO CONVERSÕES ENTRE BASES. Prof. André Rabelo

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO CONVERSÕES ENTRE BASES. Prof. André Rabelo SISTEMAS DE NUMERAÇÃO CONVERSÕES ENTRE BASES Prof. André Rabelo CONVERSÕES ENTRE BASES 2, 8 E 16 As conversões mais simples são as que envolvem bases que são potências entre si. Exemplo(base 2 para base

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Conversão de Bases

Introdução à Organização de Computadores. Conversão de Bases Introdução à Organização de Computadores Conversão de Bases 1 Sistema de Numeração Para se compreender a conversão de sistemas, teremos que apresentar os sistemas de numeração; Comecemos então pelo já

Leia mais

Pesquisa Diferenças Protocolo IPv6 e IPv4

Pesquisa Diferenças Protocolo IPv6 e IPv4 Instituto Federal SP Campus de Pres. Epitácio Pesquisa Diferenças Protocolo IPv6 e IPv4 Sabrina Tavera Prontuário:1580248 Profº Kleber Trevisani Presidente Epitácio SP 2017 1). Quais as diferenças entre

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade IV Camada de Rede. Luiz Leão

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade IV Camada de Rede. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 4.1 Protocolo IP 4.2 Endereçamento IP 4.3 Princípios de Roteamento Introdução O papel da camada de rede é transportar pacotes

Leia mais

Conceito de Serviço Universal. Conceito de Serviço Universal. Arquitetura de uma internet. Hardware básico de uma internet. Serviço universal:

Conceito de Serviço Universal. Conceito de Serviço Universal. Arquitetura de uma internet. Hardware básico de uma internet. Serviço universal: Redes de Computadores Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Camada de Rede Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Motivação para interconexão Motivação

Leia mais

Complemento a Um e Complemento a Dois

Complemento a Um e Complemento a Dois Complemento a Um e Complemento a Dois Cristina Boeres (baseado no material de Fernanda Passos) Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Cristina Boeres (IC/UFF) Complemento

Leia mais

Capítulo 04 : Sistemas Numéricos

Capítulo 04 : Sistemas Numéricos Departamento de Engenharia Elétrica FEIS - UNESP Capítulo 04 : Sistemas Numéricos 1.1 - Representação de Quantidades Numéricas Analógica Digital 1.2 - Sistemas Numéricos 1. 3 1.2 - Sistemas Numéricos 1.2

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. A CAMADA DE ENLACE DE DADOS (Parte 1) Relembrando as aulas do semestre passado quando estudamos os modelos de referência, lembramos que a Camada de Enlace de Dados é a camada responsável pela

Leia mais

Fundamentos. Aplicação. Sessão Transporte OSI Transporte TCP/IP. Física

Fundamentos. Aplicação. Sessão Transporte OSI Transporte TCP/IP. Física Fundamentos O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais utilizado em redes locais. Isso se deve basicamente à popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse protocolo foi criado

Leia mais

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br As redes são organizadas em camadas Forma de reduzir a complexidade Um conjunto de camadas

Leia mais

Circuitos Digitais. Prof. Esp. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Circuitos Digitais. Prof. Esp. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Circuitos Digitais Prof. Esp. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional OBJETIVOS DA AULA : Relembrar os conceitos: - Sinais Analógicos e Digitais; - Sistemas de Numeração Decimal, Binário, Octal e Hexadecimal;

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações

Pós-Graduação em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações 1 Pós-Graduação em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações TL-016 - Redes IP Evandro Luís Brandão Gomes ( evandro@inatel.br ) 2016 2 Capítulo 1 Introdução ao Protocolo TCP/IP Padronização do

Leia mais

Introdução às camadas de transporte e de rede

Introdução às camadas de transporte e de rede capítulo 1 Introdução às camadas de transporte e de rede É por meio da camada de rede que os computadores identificam qual caminho será utilizado para transmissão de dados entre a origem e o destino de

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 10 Introdução ao Ethernet Parte 1 Prof. Diego Pereira

Leia mais

Revisão de Introdução às TCP-IP INTERNET. Redes de Computadores TCP/IP

Revisão de Introdução às TCP-IP INTERNET. Redes de Computadores TCP/IP Revisão de Introdução às Redes de Computadores TCP-IP INTERNET Redes de Computadores TCP/IP MODELO DE REFERENCIA TCP/IP FLUXO DE DADOS MODELOS DE REFERÊNCIA MODELO DE REFERENCIA TCP/IP MODELOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Arquitetura da Internet TCP/IP

Arquitetura da Internet TCP/IP Arquitetura da Internet TCP/IP A Internet Internet é a rede mundial de computadores, à qual estão conectados milhões de computadores do mundo todo; A idéia de concepção de uma rede mundial surgiu nos Estados

Leia mais

Serviços de Comunicações Capítulo 3

Serviços de Comunicações Capítulo 3 Capítulo 3 A Camada de Transporte da Arquitectura TCP/IP 3.1 Portos e Sockets 3.2 O Protocolo UDP 3.3 O Protocolo TCP 1 3.1. Portos e Sockets A Camada de Transporte fornece transferência de dados fim-a-fim

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Nível de rede Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Nível de rede Trabalho sob a Licença Atribuição-SemDerivações-SemDerivados 3.0 Brasil Creative Commons. Para visualizar uma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de rede: protocolo ipv4, endereçamento, classes, cálculo de sub-rede, CIDR Versão 1.0 Março de 2017 Prof. Jairo jairo@uni9.pro.br professor@jairo.pro.br http://www.jairo.pro.br/

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 24 Protocolo IP(Parte 3) Fragmentação

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 24 Protocolo IP(Parte 3) Fragmentação Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 24 Protocolo IP(Parte

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Sistemas Numéricos Ageu Pacheco e Alexandre Meslin Objetivo da Aula: Partindo da base, ver como operações aritméticas são efetuadas em outras bases; em especial a 2. Adição na

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Prof. Gustavo Wagner. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Prof. Gustavo Wagner. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Prof. Gustavo Wagner Capitulo Capítulo 4 A camada de rede NAT: Network Address Translation resta da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Funções da Camada de

Funções da Camada de Camada de Transporte Funções da Camada de Transporte Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores,

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

Representação de quantidade(número) Expressão de significância posicional

Representação de quantidade(número) Expressão de significância posicional Códigos Numéricos Representação de quantidade(número) Expressão de significância posicional Béabase A i osalgarismosdessabase ioíndiceposicionaldoalgarismo OalgarismodemaiorsignificadoéB-1 Exemplos 9875

Leia mais

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Jean Nicandros Stragalinos Neto. Prontuário: 1616251. Curso: ADS 2º Módulo. 1) Desenhe duas redes com 7 e 8 computadores e defina a configuração IP de cada

Leia mais

BC-0504 Natureza da Informação

BC-0504 Natureza da Informação BC-0504 Natureza da Informação Aula 3 Transmissão serial e paralela da informação e medida da informação transmitida Equipe de professores de Natureza da Informação Parte 0 Sistemas de numeração Decimal

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores FTP Prof. Thiago Dutra Agenda n Definição de FTP n Características do FTP n Usos Comuns do FTP n Funcionamento do FTP n Mensagens FTP n Códigos de Resposta

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Nível de rede Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Nível de rede Aula 6 Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Protocolo nível de aplicação Protocolo nível

Leia mais

Sistemas Binários. José Delgado Arquitetura de Computadores Sistemas binários 1

Sistemas Binários. José Delgado Arquitetura de Computadores Sistemas binários 1 Sistemas Binários Circuitos combinatórios Circuitos sequenciais Representação de números Notação em complemento para 2 Soma e subtração Grandes números José Delgado 23 Arquitetura de Computadores Sistemas

Leia mais

Canais de Comunicação

Canais de Comunicação Canais de Comunicação February 24, 2010 Sumário Comunicação via Mensagens Propriedades dum Canal de Comunicação Protocolos da Internet UDP TCP Aplicação Distribuída O que é? É uma aplicação que consiste

Leia mais

2 Representação numérica

2 Representação numérica 2 Representação numérica Agora que já conhecemos um pouco da história da Computação e da arquitetura de um computador, estudaremos como podemos representar números em outras bases numéricas e como algumas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte UDP Slide 1 Camada de Transporte Fornece uma comunicação lógica entre processos de aplicações em diferentes hosts através da camada de rede; São implementados

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Arquiteturas de Redes de Computadores

Arquiteturas de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes de Computadores Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 19/01/2012 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia

Leia mais

Aplicações de Redes de Computadores

Aplicações de Redes de Computadores Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Aplicações de Redes de Computadores Aula 02 Revisão Modelo

Leia mais

Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador

Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br URL: http://www.inf.ufsc.br~silveira Material elaborado pelo prof

Leia mais

Sistemas Binários. José Delgado Arquitetura de Computadores Sistemas binários 1

Sistemas Binários. José Delgado Arquitetura de Computadores Sistemas binários 1 Sistemas Binários Circuitos combinatórios Circuitos sequenciais Representação de números Notação em complemento para 2 Soma e subtração Grandes números José Delgado 22 Arquitetura de Computadores Sistemas

Leia mais

Agenda. Protocolo TCP. Introdução ao Protocolo TCP. Introdução ao Protocolo TCP. Introdução ao Protocolo TCP. Introdução ao protocolo TCP: Exemplo

Agenda. Protocolo TCP. Introdução ao Protocolo TCP. Introdução ao Protocolo TCP. Introdução ao Protocolo TCP. Introdução ao protocolo TCP: Exemplo 1999-2016 Volnys Bernal 1 1999-2016 Volnys Bernal 2 Agenda Transmission Control Protocol Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Introdução Troca de dados Utilitários 1999-2016 Volnys Bernal 3 1999-2016

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Comunicação de Dados IV

Comunicação de Dados IV Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Bibliografia Redes de Computadores Andrew S. Tanenbaum Tradução da Quarta Edição Editora Campus Profa. Débora Christina Muchaluat Saade deborams@telecom.uff.br

Leia mais

Redes de computadores Lista de exercícios # 2

Redes de computadores Lista de exercícios # 2 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ICMC Departamento de Ciências de Computação Capitulo 3 Redes de computadores Lista de exercícios # 2 1. Suponha que o cliente A inicie uma sessão Telnet com o servidor S. Quase

Leia mais