Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol"

Transcrição

1 Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama que, quando é calculado, apresenta a soma de verificação dos seus bits. Isso significa, que um receptor pode saber se o datagrama está correto através do cálculo da soma de verificação. O cálculo de soma de verificação UDP é o complemento de um da soma de todos os blocos de 16 bits do datagrama. Este artigo apresenta um método manual para cálculo da soma de verificação UDP. As informações dadas para que o cálculo seja realizado são: os números da porta fonte e destino e o conteúdo do campo de dados. Aspectos adicionais ao método incluem: considerações quanto ao campo comprimento, exceção quanto ao agrupamento dos blocos de 16 bits de dados, método rápido para converter números decimais em números binários e exceção quando o resultado de uma soma tem o comprimento superior a 16 bits. Palavras-chave: redes de computadores, TCP/IP, UDP, checksum, soma de verificação. 1. Introdução O User Datagram Protocol (UDP) está presente na camada de transporte da arquitetura Transfer Control Protocol / Internet Protocol (TCP/IP) (POSTEL, 1980). Ele é um protocolo que tem como unidade de transmissão o datagrama e fornece de um serviço de melhor esforço às aplicações que o utilizarem. Isso significa que ele apenas garante enviar um datagrama e nada mais. Não há qualquer outra garantia. A camada de transporte TCP/IP também contém outro protocolo orientado à conexão, confiável, com controle de fluxo e controle de congestionamento, denominado TCP (UNIVERSITY OF SOUTHERN CALIFORNIA, 1981). Ao compará-lo com o TCP, outro protocolo da camada de transporte TCP/IP, ele é muito mais ágil. Isso ocorre porque o TCP é orientado à conexão e garante confiabilidade, controle de fluxo e controle de congestionamento. Enquanto UDP é não orientado à conexão e nada garante. A agilidade, quando comparado ao TCP, é uma vantagem. Por isso, UDP é bastante utilizado em aplicações multimídia ao vivo ou em tempo real (KUROSE e ROSS, 2010). Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama que, quando é calculado, apresenta a soma de verificação dos seus bits. Isso significa, que um receptor pode saber se o datagrama está correto através do cálculo da soma de verificação. Atenção, isso não é

2 confiabilidade! Isso é corretude no receptor e apenas acontece quando a soma de verificação foi calculada no emissor. Confiabilidade, do ponto de vista da camada de transporte, é uma característica do TCP, que garante que os segmentos são entregues, entregues na ordem e entregues corretos. UDP não garante isso! (COMER, 2006) O datagrama UDP é uma estrutura composta por cinco campos, sendo quatro no cabeçalho, de comprimento fixo, e um de dados, respectivamente: porta fonte, 16 bits de comprimento; porta destino, 16 bits de comprimento; tamanho em bytes, 16 bits de comprimento; soma de verificação, 16 bits de comprimento. Figura 1. Formato do datagrama UDP. Fonte: adaptado de (KUROSE e ROSS, 2010, p. 153) A figura 1 apresenta os campos de um datagrama UDP. O primeiro campo é a porta fonte, ele inicia na posição zero, vai até a posição 15, e, assim sendo, tem 16 bits de comprimento. Ou seja, é um número que, em binário, pode variar de ( ) 2 até ( ) 2, que, em decimal, pode variar de 0 até (0 até ). O segundo campo é a porta destino, inicia na posição 16, vai até a posição 31, e, também tem 16 bits de comprimento. O campo tamanho em bytes contém um número binário de 16 bits que representa o tamanho do datagrama em bytes. Ele inicia na posição 32 e vai até a posição 47, sendo um campo de 16 bits. O último campo do cabeçalho é a soma de verificação que deve ser calculado com base nos outros. Ele inicia na posição 47 e vai até a posição 63. A partir da posição 64 inicia o campo dados. Este campo tem

3 comprimento variável e tipicamente é uma mensagem de uma aplicação. A soma de verificação é um cálculo opcional para UDP. Quando um receptor obtém um datagrama UDP com o campo soma de verificação igual a zero, significa que ela não foi realizada no emissor e, no receptor, não há como garantir sequer a corretude das informações nele contidas. Por outro lado, quando a soma de verificação é realizada no emissor, o receptor pode verificar a corretude das informações contidas no datagrama UDP utilizando o mesmo cálculo. Em situações reais, o emissor e o receptor incluem no cálculo da soma de verificação as informações contidas em um pseudo-cabeçalho, com 96 bits, obtido da camada de rede. Os campos deste pseudo-cabeçalho são: endereço IP fonte, 32 bits de comprimento; endereço IP destino, 32 bits de comprimento; zero, 8 bits zerados para fins de preenchimento; código do protocolo, 8 bits de comprimento; comprimento do datagrama UDP, 16 bits de comprimento (figura 2). Figura 2. Pseudo-cabeçalho incluído no cálculo de soma de verificação UDP. Fonte: adaptado de (COMER, 2006, p. 201) As informações do pseudo-cabeçalho não são enviadas, servem apenas para os cálculos de soma de verificação. Neste artigo, como o objetivo é aprender o método para calcular a soma de verificação UDP, o pseudo-cabeçalho é desprezado (COMER, 2006). O cálculo de soma de verificação UDP é o complemento de um da soma de todos os blocos de 16

4 bits do datagrama (BRADEN e BORMAN, 1988). Este artigo apresenta um método manual para cálculo da soma de verificação UDP. As informações dadas para que o cálculo seja realizado são: os números da porta fonte e destino e o conteúdo do campo de dados. Aspectos adicionais ao método incluem: considerações quanto ao campo comprimento, exceção quanto ao agrupamento dos blocos de 16 bits de dados, método rápido para converter números decimais em números binários e exceção quando o resultado de uma soma tem o comprimento superior a 16 bits. 2. Passos para Cálculo da Soma de Verificação O cálculo de soma de verificação UDP é definido como o complemento de um da soma de todos os blocos de 16 bits do datagrama (BRADEN e BORMAN, 1988). Para que ele seja realizado, alguns passos devem ser cumpridos: 1. determinação do comprimento do datagrama; 2. agrupamento dos campos em blocos de 16 bits; 3. conversão dos números em decimal para números binários; 4. soma dos blocos de 16 bits; 5. complemento de um da soma dos blocos de 16 bits. Estes passos podem ser realizados em números decimais, sem a necessidade de converter os números em binário, desde que as exceções no agrupamento e soma sejam observadas. No final, basta lembrar, que em decimal, o complemento de um, neste caso, é o mesmo que efetuar a subtração de da soma. Por exemplo, supondo que o resultado da soma dos blocos de 16 bits é 31768, a soma de verificação em decimal é 33767, ou seja, O exemplo utilizado para apresentar estes passos é um datagrama com a porta fonte igual a 1234, a porta destino igual a e a string ABCD, sem as aspas, no campo de dados. Os campos comprimento e soma de verificação devem ser calculados (figura 3).

5 Figura 3. Datagrama UDP utilizado para apresentar o cálculo de soma de verificação Determinação do Comprimento do Datagrama O comprimento de um datagrama UDP é a soma do comprimento do cabeçalho com o comprimento dos dados. O comprimento do cabeçalho é fixo e sempre tem o mesmo tamanho, são quatro campos, cada um com 16 bits, o que resulta em 64 bits, ou 8 bytes, de comprimento. Portanto, o menor datagrama UDP, composto apenas pelo cabeçalho, tem 8 bytes. O comprimento dos dados é variável e depende da quantidade de bytes que estão no campo. No caso do datagrama da figura 3, considerando que cada letra tem um byte, e que há quatro letras, ABCD, os dados têm o comprimento de 4 bytes. Para o datagrama da figura 3, o comprimento são 12 bytes. Ele resulta da soma dos 8 bytes do cabeçalho com os 4 bytes dos dados. Vale lembrar que este número, 12, deve ser escrito no campo como um número binário de 16 bits, ou seja ( ) Agrupamento dos Campos em Blocos de 16 Bits Os campos do cabeçalho já são, cada um deles, blocos de 16 bits e não precisam ser agrupados. Entretanto, os valores apresentados na figura 3 estão em decimal e precisam ser convertidos para binário. Já o campo de dados deve ser agrupado, na ordem em que os bytes apresentam-se, em blocos de 16 bits. No caso do campos de dados exibido na figura 3, cujo conteúdo é ABCD, isso é o mesmo que agrupar as representações em binário do código American Standard Code for Interchange of Information (ASCII) para cada letra. Isso significa AB seguido de CD.

6 O quadro 1 mostra o agrupamento, em binário, de AB e CD. ASCII ('A') = 65 = ( ) 2 ASCII ('B') = 66 = ( ) 2 ASCII ('C') = 67 = ( ) 2 ASCII ('D') = 68 = ( ) 2 AB ( ) 2 CD ( ) 2 Quadro 1. Agrupamento de AB e CD. Uma exceção deve ser tratada quando o campo de dados não tem blocos exatos de 16 bits. Por exemplo, se os dados são ABC, AB forma um bloco de 16 bits, mas C forma apenas 8 bits. Neste caso, basta preencher à direita dos bits de C com 8 bits zero (byte nulo) Conversão dos Números em Decimal para Números Binários Os campos porta fonte, porta destino e comprimento precisam ter os conteúdos convertidos para binário, já que estão em decimal. Uma técnica rápida para conversão manual de números decimais em números binários consiste em realizar subtrações sucessivas do número decimal por potências de 2. Esta técnica de conversão depende de conhecimento prévio de potências de 2 e de subtrações. A conversão dos números 1234, porta fonte, 10520, porta destino, e 12, comprimento, para binário é exibida no quadro 2. Cada subtração deve ser feita pela potência de dois que no máximo seja igual ao número até que ele seja zerado. Os expoentes das potências de 2 são as posições dos bits 1 no número binário. Todas as outras posições são zero. Este método é, na maioria das vezes, mais eficiente que a divisão sucessiva por = = = = = Os bits da posição 1, 4, 6, 7 e 10 são 1. Todos os outros são zero.

7 = = = = = Os bits da posição 3, 4, 8, 11 e 13 são 1. Todos os outros são zero = = Os bits da posição 2 e 3 são 1. Todos os outros são zero = ( ) = ( ) 2 12 = ( ) 2 Quadro 2. Conversão dos número de porta fonte, número de porta destino e comprimento de decimal para binário.

8 2.4. Soma dos Blocos de 16 Bits Os blocos de 16 bits devem ser todos somados. O quadro 4 apresenta o resultado para o datagrama da figura 3. Porta Fonte = Porta Destino = Comprimento = AB = CD = Quadro 4. Soma dos blocos de 16 bits do datagrama da figura 3. Uma exceção pode ocorrer em qualquer uma das somas, vai um no bit mais significativo (o bit mais à esquerda). Caso isso ocorra, o resultado da soma não cabe no campo que tem 16 bits e uma ação adicional deve ser tomada. O bit adicional de vai um deve ser ignorado no número e somado ao bit menos significativo do resultado (o bit mais à direita). Um exemplo com esta exceção é exibido no quadro Vai um no bit mais significativo gera um estouro e o resultado não cabe no campo de 16 bits! (ignora o 1 no bit mais significativo) + 1 (adiciona o 1 ao bit menos significativo) (exceção tratada) Quadro 5. Vai um no bit mais significativo Complemento de Um da Soma dos Blocos de 16 Bits O complemento de um é a inversão dos bits de um número. A soma de verificação é a inversão dos bits da soma realizada nos blocos de 16 bits do datagrama. Para o datagrama da figura 3, o

9 complemento de um está calculado e exibido no quadro 6. Complemento de 1 de = Soma de verificação = Quadro 6. Soma dos blocos de 16 bits do datagrama da figura Conclusão Este artigo apresentou um método manual para calcular a soma de verificação de um datagrama UDP. Aspectos adicionais ao método incluiram: considerações quanto ao campo comprimento, exceção quanto ao agrupamento dos blocos de 16 bits de dados, método rápido para converter números decimais em números binários e exceção quando o resultado de uma soma tem o comprimento superior a 16 bits. As informações do pseudo-cabeçalho, que são utilizadas nos cálculos reais, foram ignoradas, pois não interferem na apresentação do método de cálculo. A verificação da soma de verificação no receptor é feita utilizando o mesmo cálculo, mas levando em conta todos os campos do cabeçalho, inclusive a soma calculada pelo emissor. Ao final do cálculo, o receptor sabe que o datagrama está correto se o resultado é zero. Caso contrário, o datagrama está incorreto.

10 4. Referências BRADEN, R. e BORMAN, D. Request For Comment 1071 Computing the Internet Checksum. Disponível em: <http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc1071.txt>. Acesso em: 22 Mai COMER, D. E. Interligação em Redes com TCP/IP Volume I Princípios, Protocolos e Arquitetura. 5 a edição KUROSE, J. F. e ROSS, K. Redes de Computadores e a Internet, uma Nova Abordagem. 5 a edição. Pearson do Brasil POSTEL, J. Request For Comment 768 User Datagram Protocol. Disponível em: <http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc768.txt>. Acesso em: 22 Mai TANENBAUM, A. S. Redes de Computadores. 5 a edição. Pearson do Brasil UNIVERSITY OF SOUTHERN CALIFORNIA. Request For Comment 793 Transmission Control Protocol. Disponível em: <http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc793.txt>. Acesso em: 22 Mai

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração Lista de Exercícios Sistemas de Numeração 1- (Questão 52 BNDES Profissional Básico Análise de Sistemas - Suporte ano 2010) Um administrador de sistemas, ao analisar o conteúdo de um arquivo binário, percebeu

Leia mais

OSI e TCP/IP. Professor: Leandro Engler Boçon Disciplina: Redes e Serviços

OSI e TCP/IP. Professor: Leandro Engler Boçon   Disciplina: Redes e Serviços OSI e TCP/IP Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Redes e Serviços 1 Bibliografia Tanembaum. Andrew S. Redes de Computadores. Editora campus 3ª edição. Rio de Janeiro.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

Modelo TCP/IP. Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT

Modelo TCP/IP. Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT Modelo TCP/IP Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT AS1RAI1 Redes para Automação Industrial JOINVILLE 12/09/2016 Introdução histórico O padrão histórico e técnico da Internet é o modelo

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 02 Visão Geral da

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI Fundamentos de Rede Aula 2 - Modelo OSI Protocolo e Arquitetura de Protocolos Problema Permitir a comunicação entre entidades de diferentes sistemas Solução Criar convenções de quando e como se comunicar

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 O cabeçalho O CABEÇALHO Os campos 4 Conceitos Gerais Clássico Classe A Classe B Classe C Classe

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação Modelo OSI Marcelo Assunção 10º13 Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Disciplina: Redes de Comunicação 2013/2014 Índice Modelo OSI Open System Interconnection (OSI)

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 10 Introdução ao Ethernet Parte 1 Prof. Diego Pereira

Leia mais

Pesquisa: IPv4 e IPv6

Pesquisa: IPv4 e IPv6 IFSP PRESIDENTE EPITÁCIO/SP ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º. Termo Redes de Computadores 2 Prof. Kleber Manrique Trevisani Pesquisa: IPv4 e IPv6 BRUNO VICENTE CORREIA MARQUES pront. 1380061 PRESIDENTE

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores FTP Prof. Thiago Dutra Agenda n Definição de FTP n Características do FTP n Usos Comuns do FTP n Funcionamento do FTP n Mensagens FTP n Códigos de Resposta

Leia mais

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br As redes são organizadas em camadas Forma de reduzir a complexidade Um conjunto de camadas

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Jean Nicandros Stragalinos Neto. Prontuário: 1616251. Curso: ADS 2º Módulo. 1) Desenhe duas redes com 7 e 8 computadores e defina a configuração IP de cada

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 6

Prof. Marcelo Cunha Parte 6 Prof. Marcelo Cunha Parte 6 www.marcelomachado.com ARP (Address Resolution Protocol) Protocolo responsável por fazer a conversão entre os endereços IPs e os endereços MAC da rede; Exemplo: Em uma rede

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 03 Visão Geral da

Leia mais

Tecnologia de Redes. Arquitetura de Rede de Computadores

Tecnologia de Redes. Arquitetura de Rede de Computadores Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes Arquitetura de Rede de Computadores Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Modelo de Referênica OSI

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Numeração

Introdução à Computação: Sistemas de Numeração Introdução à Computação: Sistemas de Numeração Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Protocolo mais importante: IP IPv4 (mais utilizada) IPv6 (atender ao crescimento das redes e a necessidade de novos endereços). PDU: Pacote

Leia mais

Capítulo 04 : Sistemas Numéricos

Capítulo 04 : Sistemas Numéricos Departamento de Engenharia Elétrica FEIS - UNESP Capítulo 04 : Sistemas Numéricos 1.1 - Representação de Quantidades Numéricas Analógica Digital 1.2 - Sistemas Numéricos 1. 3 1.2 - Sistemas Numéricos 1.2

Leia mais

IESGO Redes de Computadores I

IESGO Redes de Computadores I IESGO Redes de Computadores I Modelo de referência TCP/IP; Introdução à protocolos da pilha TCP/IP. 2º Sem 2016 Quando foram criadas as redes de rádio e satélite, começaram a surgir problemas com os protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Nível de rede Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Nível de rede Aula 6 Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Protocolo nível de aplicação Protocolo nível

Leia mais

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de diferentes bases Álgebra Booleana Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 27/2 Um sistema de numeração

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores SMTP Prof. Thiago Dutra Agenda n Definição de SMTP n Correio Eletrônico n Características do SMTP n Problemas do SMTP n Operação Básica do SMTP n Mensagens

Leia mais

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas Protocolos de Rede Prof. Alexandre Beletti Protocolos em camadas Existem protocolos em diferentes camadas dos modelos de estudo (OSI e TCP/IP) Lembre-se de diferencias tipos de programas de tipos de protocolos

Leia mais

Aplicações com Banco de Dados e Cliente-Servidor

Aplicações com Banco de Dados e Cliente-Servidor Aplicações com Banco de Dados e Cliente-Servidor Aula #231 EBS 211 POO e UML Prof Luiz Fernando S Coletta luizfsc@tupaunespbr Campus de Tupã Roteiro Rede de computadores; Aplicação cliente/servidor; Sockets

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VII Mensagens de controle e erro (ICMP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VII Mensagens de controle e erro (ICMP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VII Mensagens de controle e erro (ICMP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Erros em redes de pacotes ICMP (Internet Control Message Protocol) Características Encapsulação

Leia mais

BC-0504 Natureza da Informação

BC-0504 Natureza da Informação BC-0504 Natureza da Informação Aula 3 Transmissão serial e paralela da informação e medida da informação transmitida Equipe de professores de Natureza da Informação Parte 0 Sistemas de numeração Decimal

Leia mais

Arquitetura da Internet TCP/IP

Arquitetura da Internet TCP/IP Arquitetura da Internet TCP/IP A Internet Internet é a rede mundial de computadores, à qual estão conectados milhões de computadores do mundo todo; A idéia de concepção de uma rede mundial surgiu nos Estados

Leia mais

ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D

ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D PRINCÍPIOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D Prof. Valmir PAI 2014.1 1 Sinais Analógicos O CLP: ENTRADAS E SAÍDAS Um valor analógico é continuo, não discreto, como visto na figura.

Leia mais

Camada de Rede. Endereçamento IPv4. Endereçamento IP. Endereçamento IP. Endereçamento IP 08/05/2010. Profa. Delfa Huatuco Zuasnábar

Camada de Rede. Endereçamento IPv4. Endereçamento IP. Endereçamento IP. Endereçamento IP 08/05/2010. Profa. Delfa Huatuco Zuasnábar Camada de Rede v Profa. Delfa Huatuco Zuasnábar Um endereço de IP não identifica um computador específico. Pelo contrário, cada endereço de IP identifica uma conexão entre um computador e uma rede. Um

Leia mais

Camada de Rede. Redes de Computadores. Motivação para interconexão. Motivação para interconexão (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro

Camada de Rede. Redes de Computadores. Motivação para interconexão. Motivação para interconexão (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro Redes de Computadores (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Motivação para interconexão Diferentes tecnologias

Leia mais

Capítulo V Sistemas Numéricos

Capítulo V Sistemas Numéricos Capítulo V Sistemas Numéricos Introdução Em capítulos anteriores estudamos diversas funções lógicas. No próximo capítulo veremos que operações aritméticas como soma e subtração de números binários podem

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Redes de Computadores Carga Horária: 100h Período: 6º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Redes de Computadores Carga Horária: 100h Período: 6º. Ementa Disciplina: Redes de Computadores Carga Horária: 100h Período: 6º Ementa PLANO DE ENSINO Contexto e aspectos gerais de redes de computadores: hardware e software de rede, modelos de referência. Camada

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Sistemas de Numeração.

Sistemas de Numeração. Sistemas de Numeração. No início deste curso dissemos que computadores só entendem informações em números binários, hexadecimais ou octais. Agora teremos a oportunidade de conhecer mais a fundo esses sistemas

Leia mais

Serviços de Comunicações Capítulo 3

Serviços de Comunicações Capítulo 3 Capítulo 3 A Camada de Transporte da Arquitectura TCP/IP 3.1 Portos e Sockets 3.2 O Protocolo UDP 3.3 O Protocolo TCP 1 3.1. Portos e Sockets A Camada de Transporte fornece transferência de dados fim-a-fim

Leia mais

Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO Dados em Algoritmos Quando escrevemos nossos programas, trabalhamos com: Dados que nós fornecemos ao programa Dados

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações

Pós-Graduação em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações 1 Pós-Graduação em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações TL-016 - Redes IP Evandro Luís Brandão Gomes ( evandro@inatel.br ) 2016 2 Capítulo 1 Introdução ao Protocolo TCP/IP Padronização do

Leia mais

Prof RG Crespo Criptografia e Segurança das Comunicações. Introdução à segurança de protocolos. Pilha de protocolos (1)

Prof RG Crespo Criptografia e Segurança das Comunicações. Introdução à segurança de protocolos. Pilha de protocolos (1) Criptografia e Segurança das Comunicações Introdução à segurança de protocolos Intr. Segurança : 1/10 Pilha de protocolos (1) O modelo de comunicação mais divulgado em redes de computadores é a Internet:

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do N Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Prof. Diego Pereira

Leia mais

Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB /1

Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB /1 Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB731 2015/1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Rosa M.M. Leão e Daniel Sadoc Menasché Primeiro Período de 2015 1 Introdução O objetivo deste trabalho

Leia mais

Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais

Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Aritmética em Bases Não Decimais FAC 1 / 35 Introdução

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Eletrônica Digital. Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José. Área de Telecomunicações. Sistema de Numeração

Eletrônica Digital. Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José. Área de Telecomunicações. Sistema de Numeração Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Curso Técnico Integrado em Telecomunicações Eletrônica Digital Sistema de Numeração INTRODUÇÃO Eletrônica digital trabalha com

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Introdução ao roteamento Aula 20 Inter-rede TCP/IP (Internet) é composta por um conjunto de redes interligadas por roteadores Roteador

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

3. Computadores Industriais

3. Computadores Industriais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 3. Computadores Industriais Igor Kondrasovas

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte UDP Slide 1 Camada de Transporte Fornece uma comunicação lógica entre processos de aplicações em diferentes hosts através da camada de rede; São implementados

Leia mais

Aplicações: Conversão de Códigos e Motor de Passo. Prof. Adilson Gonzaga

Aplicações: Conversão de Códigos e Motor de Passo. Prof. Adilson Gonzaga Aplicações: Conversão de Códigos e Motor de Passo Aplicação 1 Conversão de Código ASCII para Hexadecimal Alguns periféricos, tais como Teclados Alfa-numéricos, Monitores de Vídeo, Displays de Cristal Líquido,

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

1) Conversão de Decimal para Binário

1) Conversão de Decimal para Binário Curso Técnico em Informática 1º. Módulo Disciplina de Arquitetura de Computadores Professor: Alex Sandro Forghieri Conversões entre Bases Numéricas 1) Conversão de Decimal para Binário A conversão de decimal

Leia mais

Modelo OSI. Fábio Santos, Redes de Comunicação 10º ano

Modelo OSI. Fábio Santos, Redes de Comunicação 10º ano Modelo OSI Fábio Santos, Redes de Comunicação 10º ano Sumário da apresentação Introdução Analogia Modelo OSI: camadas Modelo OSI: funções Processo de comunicação Transmissão de dados Processo de encapsulamento

Leia mais

Complemento a Um e Complemento a Dois

Complemento a Um e Complemento a Dois Complemento a Um e Complemento a Dois Cristina Boeres (baseado no material de Fernanda Passos) Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Cristina Boeres (IC/UFF) Complemento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n Organização em Camadas n Arquiteturas de Redes n Arquitetura RM-OSI n Arquitetura TCP/IP

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Fundamentos de Redes e Sistemas Distribuídos Aula 03 Camadas

Fundamentos de Redes e Sistemas Distribuídos Aula 03 Camadas Fundamentos de Redes e Sistemas Distribuídos Aula 03 Camadas Prof. Dr. Rodrigo Clemente Thom de Souza Camada de Aplicação É a única camada vista pela maioria dos usuários!!! Objetivo: Fornecer serviços

Leia mais

Representação de Valores Números Binários Negativos

Representação de Valores Números Binários Negativos Representação de Valores Números Binários Negativos Prof. Alexandre Beletti Cap. 2 Weber Apêndice A - Tanenbaum Possibilidades Números inteiros positivos Números com sinal Representação em sinal-magnitude

Leia mais

DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO

DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO Nome: LISTA 3 Máscara de sub-rede 1 Objetivos: Este exercício se concentra nas máscaras

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores Questões 1. Um microprocessador realiza uma sondagem periódica (polling) junto a um módulo de E/S a cada 0,5 ms. Cada sondagem em si gasta 500 ciclos.

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 24 - Camada de Aplicação Protocolo DHCP

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 24 - Camada de Aplicação Protocolo DHCP Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do N Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 24 - Camada de Aplicação Protocolo DHCP Prof. Diego Pereira

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO http:// www.cefetrn.br/datinf ARQUITETURA TCP/IP Nome: Curso: Turma: LISTA DE EXERCÍCIO

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2011-2 Visão Geral 1 2 3 4 Representações Numéricas Notação Posicional Notação Binária Conversões

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II

REDES DE COMPUTADORES II REDES DE COMPUTADORES II REDES IP: IP, MÁSCARA E GATEWAY TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES www.tassiogoncalves.com.br tassiogoncalvesg@gmail.com CONTEÚDO INTRODUÇÃO CLASSES DE REDES E IPS REDES IP E SUB REDES

Leia mais

Sistemas Binários. José Delgado Arquitetura de Computadores Sistemas binários 1

Sistemas Binários. José Delgado Arquitetura de Computadores Sistemas binários 1 Sistemas Binários Circuitos combinatórios Circuitos sequenciais Representação de números Notação em complemento para 2 Soma e subtração Grandes números José Delgado 22 Arquitetura de Computadores Sistemas

Leia mais

Sistemas Digitais Representação Digital de Informação

Sistemas Digitais Representação Digital de Informação Sistemas Digitais Representação Digital de Informação João Paulo Baptista de Carvalho (Prof. Auxiliar do IST) joao.carvalho@inesc-id.pt Representação de números em Base b Base 10: 435 10 = 4 x 100 + 3

Leia mais

Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR

Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR Conforme discutido na última aula, cada operação lógica possui sua própria tabela verdade. A seguir será apresentado o conjunto básico de portas lógicas

Leia mais

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte.

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte. Camadas do TCP/IP Camada de Protocolo IP TE090 s de Computadores UFPR Prof. Eduardo Parente Ribeiro Aplicação Transporte ou Serviço Roteamento ou Inter-rede Enlace ou Interface de FTP, TELNET, SMTP, BOOTP,

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

Redes de Computadores. A arquitectura protocolar TCP/IP

Redes de Computadores. A arquitectura protocolar TCP/IP A arquitectura protocolar TCP/IP A arquitectura TCP/IP! Possui apenas 4 camadas ou níveis Aplicação FTP Telnet HTTP Transporte TCP UDP Rede IP Acesso à Rede Ethernet Pacotes por rádio ponto a ponto 2 Nível

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Circuitos Lógicos Combinacionais (Parte

Leia mais

Redes de Computadores. TCP Orientação à Conexão. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática

Redes de Computadores. TCP Orientação à Conexão. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Redes de Computadores TCP Orientação à Conexão Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Tópicos Orientação à Conexão Estabelecimento de Conexão Diagrama de Estudo de Caso Wireshark

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte4. A necessidade por um serviço o de transporte confiável

Redes de Computadores. Camada de Transporte4. A necessidade por um serviço o de transporte confiável Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais A necessidade por um serviço

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

Sistemas Digitais / Sistemas Digitais I 6 Representação de números com sinal

Sistemas Digitais / Sistemas Digitais I 6 Representação de números com sinal Os números têm valores negativos e positivos. Como representar essa informação (sinal do número) em binário? Por outras palavras, como representar o positivo (+) e o negativo (-)? Há três formas de o fazer:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA Cristina Boeres ! Sistema de escrita para expressão de números Notação matemática! Composto por símbolos Símbolos tem significados ou

Leia mais

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP Resumo P2 Internet e Arquitetura TCP/IP Internet: Rede pública de comunicação de dados Controle descentralizado; Utiliza conjunto de protocolos TCP/IP como base para estrutura de comunicação e seus serviços

Leia mais

Redes de Computadores. Apresentação

Redes de Computadores. Apresentação Redes de Computadores Apresentação Sumário! Programa! Bibliografia! Método de avaliação! Horário de Atendimento 2 Programa! Introdução! Arquitecturas arquitectura TCP/IP, modelo de referência OSI e arquitecturas

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

Arquitetura de Redes. Redes TCP-IP. Agenda. Introdução à Arquitetura TCP/IP. Tipos de Serviços. Modelo de Referênca ISO/OSI

Arquitetura de Redes. Redes TCP-IP. Agenda. Introdução à Arquitetura TCP/IP. Tipos de Serviços. Modelo de Referênca ISO/OSI Arquitetura de s Volnys 1999-2001 1 Volnys 1999-2001 2 Agenda Introdução à Modelo de Referênica OSI Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys 1999-2001 3 Volnys 1999-2001

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP

Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

Sistemas de Troca de Mensagens

Sistemas de Troca de Mensagens Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Informática DCC/IM - NCE/UFRJ Arquitetura de Sistemas Paralelos Sistemas de Troca de Mensagens Sistemas de Comunicação O Sistema de Comunicação

Leia mais

Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário

Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário Cálculo de conversão de bases para responder às questões pertinentes à execução das especificações nas configurações de sistemas, comunicação

Leia mais

Representação de Dados. José Gustavo de Souza Paiva

Representação de Dados. José Gustavo de Souza Paiva Representação de Dados José Gustavo de Souza Paiva 1 Introdução Sistemas de Numeração Objetivo prover símbolos e convenções para representar quantidades, de forma a registrar a informação quantitativa

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Primeiro Semestre de 2014 Roteiro 1 Maior número 2 Soma de n números 3 Fatorial 4 Máximo Divisor Comum (MDC) 5 Números primos

Leia mais

Noções de Algoritmos

Noções de Algoritmos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Noções de Algoritmos DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Tópicos da aula Algoritmos

Leia mais