Instituto Português da Juventude RELATÓRIO DE ACTIVIDADES... Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Português da Juventude RELATÓRIO DE ACTIVIDADES... Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 1"

Transcrição

1 Instituto Português da Juventude RELATÓRIO DE ACTIVIDADES Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 1

2 Índice NOTAS INTRODUTÓRIAS QUAR AUTO-AVALIAÇÃO Do cumprimento dos Objectivos Estratégicos 12 Do cumprimento dos Objectivos Operacionais. 14 Avaliação dos Sistema de Controlo Interno. 18 Actividades desenvolvidas Informação e Comunicação 1.1. Incremento e diversificação dos serviços prestados através do Portal da Juventude Desenvolvimento de um sistema ligado de folha informativa Linha da Juventude Intensificação da interactividade com o público-alvo Proactividade e maior transversalidade na prestação de informação Qualificação dos Recursos Humanos, tendo em vista a prestação de informação rigorosa, abrangente e assertiva Acções na área da comunicação Associativismo 2.1. Apoio, capacitação e promoção do movimento associativo Incremento e diversificação das estratégias de proximidade com o movimento associativo Formação e promoção de reconhecimento dos dirigentes associativos Difusão e promoção pública das práticas, saberes e experiências desenvolvidas pelo movimento associativo jovem Reforço do associativismo jovem como modelo e ferramenta de desenvolvimento comunitário e social e de participação cívica e como promotor da integração social dos jovens Programas Juventude e Juventude em Acção Outras iniciativas Tempos Livres 3.1. OTL - Programa de Ocupação de Tempos Livres Férias em Movimento Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 2

3 3.3. Reformulação da legislação dos Campos de Férias Licenciamento de Campos de Férias Programa Sem Fronteiras Encontro de trabalho sobre OTL e Campos de Férias Empreendedorismo e Emprego 4.1. Programa Finicia Jovem Desenvolvimento de workshops formativos: transformar uma ideia num projecto Evolução da iniciativa Bairros Críticos - Vale Construir o Futuro Parcerias Voluntariado 5.1. Participação em grupos de peritos na Comissão Europeia Programa Voluntariado Jovens para as Florestas Campos de Trabalho Internacionais (CTI s) Voluntariado de Parceria Participação e Cidadania 6.1. Parlamento dos Jovens Euroscola Limpar Portugal Conferência Jovens anos e Sinistralidade Rodoviária Saúde 7.1. Desenvolvimento do Programa Cuida-te Sexualidade em Linha Iniciativa Tour Agarra a vida Serviço pergunta/resposta no Portal da Juventude e disponibilização de informação Aprofundar o conhecimento da realidade jovem 8.1. IPJ como Centro Português de Reconhecimento para as Políticas de Juventude Actividade Internacional 9.1. Actividade desenvolvida ERYICA e EURODESK Serviços Desconcentrados Análise da afectação real e prevista dos recursos Receitas próprias Despesa Situação Patrimonial Actividades transversais Área financeira, administrativa e de recursos humanos Equipamento e infra-estruturas. 129 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 3

4 BALANÇO SOCIAL Caracterização de efectivos Recursos Financeiros Formação Profissional Relações Profissionais Disciplina Considerações Finais. 147 AVALIAÇÃO FINAL ANEXOS 151 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 4

5 Notas Introdutórias Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 5

6 O Instituto Português da Juventude, adiante designado por IPJ, I.P., reestruturado pelo Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, e pela Portaria n.º 662-J/2007, de 31 de Maio, é um instituto público integrado administração indirecta do Estado, dotado de autonomia administrativa e património próprio, tendo por missão apoiar a definição, execução e avaliação da política de Juventude, procedendo à sua concretização e promovendo a participação dos jovens em todos os domínios da vida social. Dirigido por um Presidente, coadjuvado por dois Vice-Presidentes, o IPJ, I.P. dispõe ainda de um outro órgão, o Conselho Consultivo, e a sua orgânica comporta a Sede quatro Departamentos e um Gabinete e os Serviços Desconcentrados, compostos por cinco Direcções Regionais. Refira-se ainda a Comissão Interministerial para a Juventude, que visa assegurar a Coordenação Integrada da Política de Juventude através da conveniente articulação entre as diferentes áreas de intervenção sectorial e, finalmente, a entrada em vigor, já em 2009, do regime jurídico dos Conselhos Municipais de Juventude, o que culmina o ciclo legislativo relativo ao diálogo estruturado com as organizações representativas dos jovens. As grandes linhas de actuação foram gizadas tendo como incontornáveis referências enquadradoras o Programa do Governo, as Grandes Opções do Plano e o Programa Nacional de Juventude os quais, por sua vez, reflectem as prioridades da União Europeia em matéria de Políticas de Juventude e terão, como pano de fundo para a sua prossecução, princípios muito claros de complementaridade entre actores, de diálogo aprofundado com os jovens e as estruturas que os representam, de absoluta observância da natureza transversal e multidisciplinar das Políticas de Juventude. Foi o que se previu no Plano de Actividades de 2010 que, fiel ao objectivo último de dotar a juventude portuguesa das condições que lhe permitam relevante intervenção social e cívica, reafirmou o carácter transversal da Política de Juventude. Este relatório de actividades procura expressar o que foi o trabalho de toda uma equipa que ao longo do ano de 2010 se empenhou na prossecução da missão do Instituto Português da Juventude. A Presidência do IPJ quer a todos os colaboradores agradecer o empenho e a disponibilidade, sem os quais este relatório não teria existido. Mas a actividade desenvolvida também só foi possível porque houve um conjunto vasto de parceiros, públicos e privados, que acreditam na importância do trabalho direccionado para o sector da Juventude, permitindo-nos aqui destacar a colaboração sempre estreita e construtiva com as Associações de Jovens e os seus Representantes. A Todos um obrigada sentido. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 6

7 QUAR Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 7

8 Ministério: Presidência do Conselho de Ministros Organismo: Instituto Português da Juventude, I.P. Missão: Apoiar a definição, execução e avaliação da política pública governamental da juventude, procedendo à sua concretização e promovendo a participação dos jovens em todos os domínios da Visão: Reconhecimento como organismo de excelência pela sua actuação transversalidade, eficaz e eficiente na prestação de serviços à juventude e capacidade de promoção dos valores de Objectivos Estratégicos: OE1 - Afirmação do IPJ como pivot de articulação e comunicação para as políticas sectoriais de Juventude OE2 - Dinamização do Associativismo Jovem OE3 - Gerir Eficientemente os Recursos Objectivos Operacionais: Eficácia Objectivo 1 Criar e disponibilizar conhecimento sobre a realidade jovem Indicador Descrição Polaridade Ponderação Tolerância I 1 N.º de estudos, relatórios; publicações, positiva % 10% comunicações e guias/manuais I 2 N.º de acções de formação positiva % 20% Objectivo 2 Customizar a relação com os jovens Indicador Descrição Polaridade Ponderação Tolerância I 3 N.º de utilizadores registados positiva % 20% no Portal da Juventude I 4 Nº de Jovens abrangidos pela divulgação positiva % 10% das newsletters temáticas I 5 Nº de atendimentos em multicanal positiva n/a % 20% n/a - não apurado Objectivo 3 Aumentar a participação em parcerias Indicador Descrição Polaridade Ponderação Tolerância I 6 N.º de protocolos e número de actividades positiva % 15% realizadas em parceria com outras entidades I 7 Nº de actividades realizadas nas Lojas.JA positiva % 10% Ponderação Objectivo 1Objectivo 2Objectivo 3 35% 30% 35% Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 8

9 Eficiência Objectivo 4 Assegurar a gestão eficiente dos recursos Indicador Descrição Polaridade Ponderação Tolerância I 8 Prazo médio de pagamentos negativa 34, % 10% I 9 Prazo médio do tempo de resposta às questões negativa 3 2,5 40% 10% formuladas no Portal da Juventude (dias) Nº de processos, objectivo de simplificação administrativa I 10 positiva % 10% Ponderação Objectivo 4 100% Qualidade Objectivo 5 Garantir o nível de satisfação dos utilizadores do Portal da Juventude Indicador Descrição Polaridade Ponderação Tolerância I 11 Taxa de utilizadores satisfeitos com a informação positiva 75% 80% 50% 15% disponibilizada I 12 Taxa de formandos satisfeitos nas acções de positiva 95% 95% 50% 15% formação no âmbito do Programa Formar - Plano Plurianual Ponderação Objectivo 5 100% PONDERADORES Ponderação Eficácia Eficiência Qualidade 40% 30% 30% Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 9

10 RECURSOS Recursos Financeiros Funcionamento PIDDAC Dotação corrigida (em euros) Recursos Humanos Dirigentes Direcção Superior Dirigentes Direcção Intermédia Técnico Superior Técnico de Informática Coordenador Técnico Assistente Técnico Assistente Operacional Pontuação Efectivos Fonte de Verificação dos Objectivos: Plano e Relatório de Actividades Nota: No que se refere aos recursos humanos os valores resultam do produto, para cada um dos grupos professionais, das respectivas "pontuações", pelo número de efectivos em 31 de Dezembro de 2009 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 10

11 Auto-Avaliação Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 11

12 Do cumprimento dos Objectivos Estratégicos Com o estabelecimento do QUAR e a continuidade que foi dada pela permanência de Objectivos Estratégicos, Operacionais e Indicadores por um período que atingiu em 2010 os 3 anos, é possível avaliar uma actuação corrente e consistente. De facto, tendo como principal razão de existir um serviço público aos Jovens, exercido directa e indirectamente, podemos constar que se trata de um organismo fundamentalmente virado para fora: utentes e sociedade. E apesar do período de forte contracção orçamental a que o IPJ, I.P. foi sujeito nestes anos, constatamos que os objectivos estratégicos não foram afectados. OE1. Afirmação do IPJ como pivot de articulação e comunicação para as políticas sectoriais de Juventude O lançamento da nova versão do Portal da Juventude em 2010 foi extremamente construtivo para a persecução deste objectivo. A flexibilidade e a abrangência do novo Portal trouxeram uma dinâmica que teve diversos efeitos, dos quais realçamos a forte atractividade de pedidos de publicação de informação de terceiros, publicação às vezes de difícil gestão, bem como uma dinâmica de edição de conteúdos que catalogamos de absolutamente invulgar num site de esfera pública. OE2. Dinamização do Associativismo Jovem A promoção do Associativismo jovem tem constituído uma orientação estratégica forte, quer ao nível do apoio financeiro, quer ao nível do suporte logístico e informacional, no sentido de por um lado fomentar a adesão dos jovens a organizações juvenis como ainda acentuar a sua relevância estratégica no quadro de uma economia social de cariz local e regional. OE 3. Gerir eficientemente os recursos A gestão eficiente de recursos é uma prática e uma atitude que o IPJ, I.P. tem procurado integrar, quer ao nível das decisões de âmbito global ao Organismo, quer na prática do dia-a-dia. Os constrangimentos orçamentais do ano de 2010 vieram trazer um novo desafio. Assim, foi redobrado o controlo e a monitorização e foi ainda feito um apelo à capacidade de desenvolver e executar tarefas de outro modo. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 12

13 Este desafio foi absorvido por toda a estrutura, que foi capaz de corresponder às exigências da contenção orçamental sem beliscar as exigências da actividade. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 13

14 Do cumprimento dos Objectivos Operacionais EFICÁCIA O01 Criar e disponibilizar conhecimento sobre a realidade jovem Para além das actividades descritas em I 5., as quais, sabia-se de antemão, não seriam passíveis de integrar o QUAR 2010, concretizaram-se todas as outras que habitualmente se constituem como indicadores de medida deste objectivo operacional. Eis os 2 indicadores deste primeiro Objectivo de Eficácia: I 1 Número de estudos, relatórios, publicações, comunicações e guias / manuais Meta Tolerância Resultado % 53 I 2 Número de acções de formação Meta Tolerância Resultado % 690 O02 Customizar a relação com os jovens I 3 N.º de utilizadores registados no Portal da Juventude Meta Tolerância Resultado % Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 14

15 I 4 N.º de jovens abrangidos pela divulgação das newsletters temáticas Meta Tolerância Resultado % I 5 N.º de atendimentos em multicanal Meta Tolerância Resultado % O03 Aumentar a participação em parcerias I 6 N.º de protocolos e número de actividades realizadas em parceria com outras entidades Meta Tolerância Resultado % I 7 N.º de actividades realizadas nas Lojas Ponto JA Meta Tolerância Resultado % EFICIÊNCIA O04 Assegurar a gestão eficiente dos recursos Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 15

16 I 8 Prazo médio de pagamentos Meta Tolerância Resultado % 456 I 9 Prazo médio do tempo de resposta às questões formuladas no Portal da Juventude (dias) Meta Tolerância Resultado % 1.8 I 10 N.º de processos, objectivo de simplificação administrativa Meta Tolerância Resultado 4 10 % 5 QUALIDADE O05 Garantir o nível de satisfação dos utilizadores do Portal da Juventude Tal como se encontra justificado nas Notas Introdutórias ao Relatório de Auto-Avaliação 2009, surge aqui redenominado o Objectivo Operacional 5 o mesmo acontecendo com o Indicador 11 redenominação que, só por lapso, não foi consagrada no QUAR Trata-se, e é o que agora importa, de um indispensável objectivo de Qualidade avaliado através de dois indicadores. Quanto ao primeiro, para auscultar a opinião e o grau de satisfação dos jovens relativamente ao Portal da Juventude, foram lançados seis inquéritos mensais, durante o período pós lançamento, na área do portal formatada para este efeito - na homepage de abertura. Para além destes, foram lançados outros dois inquéritos direccionados a: Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 16

17 - Visitantes: com a abordagem de todas as interacções do cliente com o portal (acesso a informação, navegação, imagem, linguagem, acesso às redes sociais, motor de busca, entre outros) efectuado em Novembro; - Registados: o inquérito foi feito a dos jovens registados e abordou as variantes mencionadas efectuado em Dezembro. No total foram feitos 8 questionários, nos quais participaram cerca de utentes do portal. Este universo, bastante representativo, deu claramente indicações sobre o grau da satisfação, bem como deixou indicadores sobre o trabalho que deve ser trilhado em A partir dos questionários foram feitos três relatórios circunstanciados, bem como um quarto relatório baseado nas conclusões dos três relatórios anteriores onde se estabeleceu um Plano de Acção para o Portal em Quanto ao Grau de satisfação dos utentes do portal, oscilou entre os 68% e os 98%, sendo que a maior parte dos indicadores abordados se estabilizou nos 80%. No que respeita à satisfação dos formandos abrangidos pelo Programa Formar, os resultados foram recolhidos através de respostas anónimas a inquéritos realizados no final de cada acção formativa. Apresenta-se a síntese dos resultados obtidos: I 11 (redenominado) Taxas de utilizadores satisfeitos com a informação disponibilizada no Portal da Juventude Meta Tolerância Resultado 80 % 15 % 80 % I 12 Taxa de formandos satisfeitos nas acções de formação no âmbito do Programa Formar Plano Plurianual Meta Tolerância Resultado 95 % 15 % 95 % Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 17

18 Avaliação dos Sistema de Controlo Interno (SCI) Com base nas respostas às questões apresentadas no Anexo A (ver pág. 23), segue-se um pequeno texto com o actual estado do sistema de controlo interno (SCI) no IPJ, IP. Com a reflexão que se fez com a elaboração do Plano de gestão de riscos de corrupção e infracções conexas do IPJ, entendeuse que este texto seria mais enriquecido se lhe fosse acrescentado um ponto específico com as medidas já implementadas e as que vamos implementar nesta área. 1. Ambiente de Controlo: 1.1. Fazem-se com regularidade e periodicidade controlos financeiros efectivos em alguns programas, com a elaboração de relatórios e disso tem-se dado conhecimentos aos vários intervenientes nos processos; 1.2. A adopção de propostas de melhorias como forma de incentivo ao desenvolvimento de boas práticas tem sido uma prática constante no IPJ nos últimos anos. Para muito tem contribuído a existência de objectivos negociados e relativos a esta temática, quer no SIADAP2 quer no SIADP3; 1.3. Tem havido, com regularidade, reuniões entre a direcção superior e os dirigentes de nível intermédio das várias unidades orgânicas; 1.4. No programa PAAJ; no programa Férias em Movimento; nos programas com financiamentos comunitários e sobretudo no Programa Juventude em Acção, o IPJ, na qualidade de Autoridade Nacional do Programa Juventude em Acção e, neste caso, em colaboração com a Agência Nacional do Programa Juventude, têm efectuado acções de controlo externo (auditorias). Embora esta prática não seja generalizada a todos os programas a tendência é que venha sucessivamente a abarcá-los; 1.5. Para além disso o IPJ, em 2010, foi objecto de uma de uma auditoria pela Inspecção-Geral de Finanças aos prémios de desempenho atribuídos em 2009, com base na avaliação do desempenho de Estrutura organizacional: 2.1. Obedece às regras legalmente definidas, ou seja, à lei orgânica e aos estatutos do IPJ; 2.2. Tem até à data respondido à evolução da actividade do serviço; 2.3. São reconhecidas as responsabilidades, autoridade e delegação de competências no seio do serviço; 2.4. O pessoal em funções do serviço foi, praticamente na sua totalidade (com excepção de alguns ínfimos casos que se enquadram no n.º 6 do artigo 42 da Lei 66-B/2007), avaliados de acordo com o SIADAP; 2.5. Existe uma política de formação do pessoal que garante minimamente a adequação da mesma às funções e complexidade das tarefas e que em 2010 abrangeu cerca de 74% dos trabalhadores do IPJ. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 18

19 3. Actividades e procedimentos de controlo administrativo implementados no serviço: 3.1. Em 2009 através da Portaria n.º 694/2009, de 29 de Junho e do Despacho n.º , de 1 de Julho (publicado em DR 2.ª série de 21/07/2009) foram concretizados pequenos ajustamentos aos Estatutos do Instituto Português da Juventude, I.P., aprovados pela Portaria n.º 662-J/2007, de 31 de Maio, cuja alteração se veio a traduzir numa melhoria destes; 3.2. Estão formalizados e reconhecidos pelas partes os fluxos de informação e comunicação entre unidades orgânicas; 3.3. Durante o 2.º semestre de 2009 foi reactivada uma aplicação informática de workflow (gestão documental) que já havia sido adquirida a alguns anos, mas nunca implementada. Porém a experiência destes meses veio demonstrar fragilidades estruturais e sobretudo a omissão de uma série de operações nesta aplicação pelo que se encetou um processo de introdução de ajustamentos e melhorias nessa aplicação ou, caso tal não venha a ser tecnicamente possível e se for economicamente inviável, a adopção de uma nova aplicação informática de gestão documental; 3.4. Existe um manual de contabilidade o qual com a mudança encetada no 2.º semestre de 2009 para a implementação de uma nova aplicação informática integrada de gestão orçamental e contabilidade, que contém um sistema de contabilidade patrimonial que se veio a concretizar no início de 2010, implicará uma profunda revisão da mesma; 3.5. Para a generalidade dos processos / procedimentos, os circuitos dos documentos estão definidos, tendo havido alterações com o intuito de lhe introduzir melhorias; 3.6. As responsabilidades funcionais pela realização das diferentes tarefas estão definidas, nomeadamente no âmbito da gestão dos diferentes programas e nos processos administrativos e financeiros. 4. Fiabilidade dos sistemas de informação: 4.1. Com o intuito de melhorar a performance e a fiabilidade dos sistemas de informação do IPJ, I.P. foi realizado, nos dois anos anteriores, um levantamento, análise e definição de uma arquitectura de sistemas futura para o IPJ, seguindo os objectivos de negócio definidos, bem como as melhores práticas internacionais, e que depois se traduziu na definição de um Plano Director de Sistemas; 4.2. Com base nesse Plano Director de Sistemas estão a ser implementadas soluções para melhorar a salvaguarda da informação dos computadores de rede e da sua informação, por via da política de backups; 4.3. De igual forma, com esse Plano Director de Sistemas, no decorrer dos anos de 2009, e de 2010 e que se prolongará por 2011, serão introduzidas um conjunto de substanciais melhorias nos vários requisitos de segurança, decorrentes dos investimentos que têm estado a ser feitos nesta área; 4.4. Tais investimentos são financiados por verbas de PIDDAC no âmbito do projecto JUVENTUDE.GOV.PT, com comparticipação comunitária ao abrigo da candidatura ao QREN / SAMA, denominada Juventude 3in. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 19

20 5. Plano de gestão de riscos de corrupção e infracções conexas do IPJ para Medidas implementadas até 2010 Uma das principais actividades do IPJ, I.P. consiste na concessão de subsídios, encontrando-se já implementado um conjunto de medidas de controlo interno na prevenção da corrupção e infracções conexas associadas a esta actividade, nomeadamente: a) A atribuição de um subsídio é sempre precedida de uma avaliação criteriosa do projecto, assim como da idoneidade do promotor ou executor, incluindo o cumprimento de regulamentos, obrigações fiscais e parafiscais, cujos critérios e metodologias de selecção são previamente conhecidos pelos candidatos ou proponentes; b) Todas as decisões são devidamente fundamentadas, tendo sempre presentes os princípios fundamentais da Constituição, nomeadamente, de salvaguarda do interesse público, da igualdade, da proporcionalidade e da livre concorrência; c) A atribuição de subsídios é sempre objecto de formalização de obrigações por parte do beneficiário, por meio de protocolo ou compromisso, o qual inclui cláusulas penalizadoras em caso de incumprimento ou cumprimento defeituoso (devolução do subsídio, etc.); d) Subjugação à Presidência de todas as decisões de atribuição de subsídios e outras formas de apoio; e) Submissão à decisão governamental de todas as despesas de locação e aquisição de bens e serviços de valor superior a ,00 euros; despesas discriminadas em planos de actividade aprovados ministerialmente de valor superior a ,00 euros e despesas relativas a programas plurianuais legalmente aprovados de valor superior a ,00, de acordo com o estabelecido no art.º 17.º do Decreto-lei n.º 197/99, de 8 de Julho; f) Para cada projecto existe um processo em suporte em papel e informático, cronologicamente organizado e com a identificação do respectivo responsável e dos intervenientes no processo; g) O pagamento de subsídios obedece a regras específicas de verificação do cumprimento das obrigações e da efectiva realização das despesas pelos executores dos projectos; h) O controlo da correcta aplicação dos subsídios é reforçado pela intervenção sistemática de auditores externos. Para além das medidas descritas acima, também na área financeira, de património e de recursos humanos existe um conjunto de normas, procedimentos e boas práticas instituídos que visam prevenir situações de corrupção ou infracções conexas e o cumprimento integral das disposições legais e normativas, nomeadamente sobre a execução de despesa, contratação pública e processamento de vencimentos: 5.2. Medidas implementadas em 2010 No Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas foram previstas um conjunto de medidas a implementar durante o exercício de 2010, das quais destacamos: a) No que se refere à promoção de acções de formação de curta duração, de sensibilização no domínio da prevenção da corrupção e de difusão de boas práticas, abrangendo como público-alvo, de preferência, os funcionários adstritos à área da administração financeira e de gestão de programas e apoios a associações de jovens, foram realizados, em 2010, 6 cursos de formação, para um total de 100 trabalhadores, desdobrados em 8 acções de Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 20

21 formação, a saber: Gestão e Avaliação de Projectos (2); Contratação Pública e Sistemas (2); Contabilidade e Fiscalidade Associativa; POCP; SIAG-AP (aplicação informática de gestão orçamental e patrimonial, que o IPJ tem); e Estatuto Disciplinar da Administração Pública. b) Criação, no Portal da Juventude, de uma área sobre as questões da corrupção, na qual está divulgado o Plano e onde serão adicionados links e outros documentos relevantes sobre o tema, bem como os relatórios que vierem a ser produzidos, as Questões mais Frequentes sobre estes temas (FAQ) e um endereço para esclarecimento de dúvidas. c) Foi elaborado uma versão preliminar do código de conduta e de ética do IPJ, I.P., que depois de devidamente aprovada será também disponibilizada nesta área do Portal. d) Com a adopção em 2010 pelo Instituto Português da Juventude, I.P. de uma nova aplicação informática de contabilidade de gestão orçamental e patrimonial, o SIAG-AP, a qual suporta não só a contabilidade Orçamental como também a Patrimonial e a Analítica, foi possível apresentar, pela primeira vez, a Conta de Gerência de 2010 deste Instituto de acordo com o POCP e com as Instruções nº 1/2004, da 2ª Secção do Tribunal de Contas. Para este efeito o IPJ, teve de fazer significativas melhorias no sistema de controlo interno, nomeadamente o aperfeiçoamento das normas e procedimentos de controlo interno. e) No início do ano de 2010 constatou-se que, pese embora todas as iniciativas levadas a cabo para uma eficaz reactivação de uma aplicação de despacho electrónico e gestão documental que havia sido adquirida pelo IPJ em anos anteriores mas que nunca se havia conseguido implementar, esta teria de ser abandonada sendo necessário procurar uma nova. Assim, em 2010, foi lançado o Projecto de Gestão de Expediente e Despacho Electrónico com o objectivo de substituir a plataforma de Gestão Documental existente. A nova plataforma aplicacional, que beneficiou da experiência que a estrutura entretanto havia feito com a anterior aplicação, traduziu-se numa ruptura com o passado e revelou-se adequada aos processos optimizados do IPJ, I.P. em A implementação decorreu de forma bastante positiva tendo a entrada em Produção ocorrido no início de Com esta aplicação será possível promover o acesso aos interessados da informação correcta e completa sobre todos os procedimentos que não contenham dados objecto de sigilo Medidas a implementar O Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas, para além das medidas descritas nos pontos anteriores, prevê a continuação de adopção / implementação das seguintes medidas: f) Continuação da promoção de acções de formação, de curta duração, de sensibilização no domínio da prevenção da corrupção e de difusão de boas práticas, abrangendo como público-alvo, de preferência, os funcionários adstritos à área da administração financeira; gestão de programas e apoios a associações de jovens. g) Envio de a todos os colaboradores informando (i) da disponibilização no Portal da Juventude e (ii) da responsabilidade dos dirigentes pela respectiva execução relativamente à unidade orgânica que lhe diz respeito; h) Continuação do processo de divulgação no Portal da Juventude, na área específica, das questões sobre corrupção: Plano, legislação, links e outros documentos relevantes sobre o tema, bem como os relatórios que vierem a ser produzidos, as Questões mais Frequentes sobre estes temas (FAQ) e um endereço para esclarecimento de dúvidas. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 21

22 i) Aperfeiçoamento e conclusão do código de conduta e de ética do IPJ, I.P. j) Continuação da melhoria do sistema de controlo interno, nomeadamente o aperfeiçoamento das normas e procedimentos de controlo interno, e promover auditorias regulares aos diversos departamentos, quer internas, quer externas. k) Assegurar que os funcionários, ou equiparados, do IPJ, I.P. estão conscientes das suas obrigações, nomeadamente no que se refere à obrigatoriedade de denúncia de situações de corrupção. l) Diligenciar no sentido de que, nos casos em que o Gabinete Jurídico elabore propostas legislativas, seja salvaguardada a sua auditoria e monitorização. m) Criar um canal de comunicação apropriado (discreto, mas credível) e um procedimento simples para actuação individual do pessoal do IPJ, I.P. quando perante suspeita e/ou conhecimento de práticas de corrupção ou infracções conexas. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 22

23 ANEXO A Questões Aplicado S N NA Fundamentação 1 Ambiente de controlo 1.1 Estão claramente definidas as especificações técnicas do sistema de controlo interno? 1.2 É efectuada internamente uma verificação efectiva sobre a legalidade, regularidade e boa gestão? X X Embora não exista um Manual de Auditoria e Procedimentos de controlo Interno para o IPJ, através do plano de gestão de riscos de corrupção e infracções conexas houve melhorias acrescidas nesta área. Não existe no IPJ uma unidade orgânica específica de auditoria interna, mas, de forma efectiva, o trabalho desenvolvido pelos Gabinete de Gestão Financeira, Gabinete de Aprovisionamentos e Património e Gabinete Jurídico, contribui para esse fim. 1.3 Os elementos da equipa de controlo e auditoria possuem a habilitação necessária para o exercício da função? X Não temos nenhum serviço com esta missão ou habilitado para tal. 1.4 Estão claramente definidos valores éticos e de integridade que regem o serviço (ex. códigos de ética e de conduta, carta do utente, princípios de bom governo)? X Encontra-se em fase de aprovação superior o Código de Ética do IPJ, I.P., previsto no plano de gestão de riscos de corrupção e infracções conexas. 1.5 Existe uma política de formação do pessoal que garanta a adequação do mesmo às funções e complexidade das tarefas? 1.6 Estão claramente definidos e estabelecidos contactos regulares entre a direcção e os dirigentes das unidades orgânicas? X X Através dos planos anuais de formação interna. Tem havido, com regularidade reuniões entre a direcção superior e os dirigentes de nível intermédio das várias unidades orgânicas. 1.7 O serviço foi objecto de acções de auditoria e controlo externo? X Para verificações específicas e no caso de algumas auditorias Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 23

24 independentes que o IPJ contratou para certos programas. Para além disso o IPJ foi objecto de uma de uma auditoria em 2010 pela IGF. 2 Estrutura organizacional 2.1 A estrutura organizacional estabelecida obedece às regras definidas legalmente? 2.2 Qual a percentagem de colaboradores do serviço avaliados de acordo com o SIADAP 2 e 3? 2.3 Qual a percentagem de colaboradores do serviço que frequentaram pelo menos uma acção de formação? X X X Está de acordo com a lei orgânica e estatutos do IPJ. Na totalidade. Em 2010, cerca de 74% dos colaboradores do IPJ. 3 Actividades e procedimentos de controlo administrativo implementados no serviço 3.1 Existem manuais de procedimentos internos? X Embora não seja em todas as áreas. 3.2 A competência para autorização da despesa está claramente definida e formalizada? X Existem despachos de delegação de competências. 3.3 É elaborado anualmente um plano de compras? X Embora a maior parte das aquisições de equipamentos e de serviços, bem como de um grande nº de bens sejam planeados no início do ano, nomeadamente com o processo orçamental. 3.4 Está implementado um sistema de rotação de funções entre trabalhadores? 3.5 As responsabilidades funcionais pelas diferentes tarefas, conferências e controlos estão claramente definidas e formalizadas? 3.6 Há descrição dos fluxos dos processos, centros de responsabilidade por cada etapa e dos padrões de qualidade mínimos? X X X Essa rotação está bem patente nas unidades orgânicas das Direcções Regionais, embora nos serviços centrais a insuficiência de RH em muitas das suas unidades orgânicas, constitui um obstáculo a essa rotação. Há segregação de funções, entre unidades orgânicas e dentro destas, entre trabalhadores. Mas só para alguns casos. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 24

25 3.7 Os circuitos dos documentos estão claramente definidos de forma a evitar redundâncias? X Na maior parte dos casos. 3.8 Existe um plano de gestão de riscos de corrupção e infracções conexas? X Sim, desde Fevereiro de O plano de gestão de riscos de corrupção e infracções conexas é executado e monitorizado? 4 Fiabilidade dos sistemas de informação 4.1 Existem aplicações informáticas de suporte ao processamento de dados, nomeadamente, nas áreas de contabilidade, gestão documental e tesouraria? 4.2 As diferentes aplicações estão integradas permitindo o cruzamento de informação? 4.3 Encontra-se instituído um mecanismo que garanta a fiabilidade, oportunidade e utilidade dos outputs dos sistemas? 4.4 A informação extraída dos sistemas de informação é utilizada nos processos de decisão? 4.5 Estão instituídos requisitos de segurança para o acesso de terceiros a informação ou activos do serviço? 4.6 A informação dos computadores de rede está devidamente salvaguardada (existência de backups)? X X X X X X X Periodicamente. Algumas estão já integradas. Embora no decurso de 2010 tenha havido melhorias nesta área, esta poderá e deverá sempre sofrer melhorias. Tal como no ponto anterior. 4.7 A segurança na troca de informações e software está garantida? X Nota: as respostas devem ser dadas tendo por referência o ano em avaliação. Legenda: S Sim; N Não; NA Não aplicável. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 25

26 Actividades Desenvolvidas 1. Informação e Comunicação 1.1. Incremento e diversificação dos serviços prestados através do Portal da Juventude Durante o ano 2010, o Portal da Juventude vivenciou uma reestruturação profunda de serviços informativos, interactivos, de navegação e de imagem. O lançamento do novo Portal ocorreu a 20 de Maio, no Padrão dos Descobrimentos. Essa transformação reflectiu-se na relação com os jovens e traduziu-se num aumento histórico de acessos/páginas vistas, na ordem dos 60%. Reflectiu também o esforço de adaptação feito em termos de usabilidade do portal, traduzido em várias vertentes dentro das variantes interacção, informação e acesso a serviços online: Mais informação temática; Simplificação do acesso à informação todas as áreas/subáreas se encontram no máximo a 3 cliques a partir da homepage; Mais interacção com o cliente ao nível da auscultação do utente com um questionário correntemente online na homepage; Mais serviços interactivos; Integração completa da Web 2.0 com a presença nas redes sociais Twitter, Facebook, YouTube, Sapo Vídeos e Flickr e dinâmica ao nível do uso dos filmes de divulgação de iniciativas destinados aos jovens na zona nobre de topo da homepage; Reactivação da Newsletter do Portal da Juventude. Acessos Portal da Juventude Os acessos ao Portal da Juventude têm vindo a aumentar desde o lançamento da iniciativa, em Em 2010 o portal teve visitantes únicos e visitas, um aumento de 2,1% e 3,3%, respectivamente. Estes visitantes visualizaram um total de páginas, mais páginas que no ano anterior, o que representa um aumento de 60,5%. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 26

27 Acessos ao Portal da Juventude Páginas vistas Visitantes únicos Ilustração 1 Gráfico comparativo dos acessos ao Portal da Juventude Durante o ano de 2010, as 5 áreas temáticas mais procuradas no Portal foram: 1) Tempos Livres e Férias (que engloba informação sobre Pousadas de Juventude, Cartão Jovem e Programas nesta área, como OTL e Férias em Movimento) 2) Voluntariado Jovem 3) Concursos e passatempos 4) Educação e Formação 5) Cultura Voluntariado Jovem União Europeia Turismo e Tempos Livres Tecnologia Saúde e Sexualidade Juvenil Legislação Total Habitação Emprego e Empreendedorismo Total Educação e Formação Desporto Cultura Concursos e Passatempos Cidadania Associativismo Ilustração 2 Informação procurada no Portal da Juventude por temas Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 27

28 Utilizadores registados no Portal O registo no Portal da Juventude é feito por utentes que pretendem seguir o portal nas suas diferentes dinâmicas ou obter serviços associados. Desde o lançamento do Portal da Juventude, em 2004, registaram-se cerca utentes, número este apurado no final de 2010 e que vai crescendo de ano para ano. Este aumento progressivo está relacionado com a oferta de novas dinâmicas, que originam mais procura e interesse por parte dos jovens que se tornam clientes de serviços associados. Conteúdos de Agenda e Taxonomia O Portal da Juventude dispõe de uma agenda que contempla eventos nacionais, internacionais e regionais. Em 2010 foram introduzidos 204 eventos de âmbito nacional e 135 de âmbito internacional. Foram ainda concebidas 113 novas áreas e subáreas informativas, nomeadamente aquando do lançamento do Portal, com o objectivo de ampliar a oferta informativa e estender essa cobertura a todos os serviços, programas e iniciativas da Administração Pública e do movimento associativo juvenil de interesse para os jovens. As Direcções Regionais (DR) efectuaram animação das 5 Agendas Regionais, com um total de 886 eventos de agenda. Área Temática DR Norte DR Centro DR LVT DR Alentejo DR Algarve Total Associativismo Cidadania Concursos e Passatempos Cultura Desporto Educação e Formação Emprego e Empreendedorismo Habitação Legislação Saúde e Sexualidade Juvenil Tecnologia Turismo e Tempos Livres União Europeia Voluntariado Jovem Total % total 31,96% 36,27% 10,14% 14,81% 6,82% 100% Tabela 1 Inserções nas Agendas Regionais por Direcção Regional e por Área Temática Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 28

29 Em termos de acessos às agendas regionais do Portal da Juventude, constata-se que a agenda com mais visualizações foi a da Direcção Regional do Norte, com páginas vistas, seguida da Direcção Regional do Centro com páginas vistas. Agendas Regionais Agenda Agenda Agenda Agenda Agenda Norte Centro LVT Alentejo Algarve Visualizações Ilustração 3 Número de visualizações das Agendas Regionais Conclui-se também que a súmula das páginas vistas das Agendas Regionais equivale a cerca de 1% dos acessos ao Portal em termos de páginas vistas, que no total se cifrou em páginas vistas. Suporte do utilizador Em 2010 entraram via Suporte do Utilizador s, o número mais alto de sempre desde o lançamento do Portal da Juventude, em s recebidos Ilustração 4 Evolução do número de s recebidos via Suporte do Utilizador Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 29

30 As dúvidas/sugestões/reclamações versaram sobretudo sobre iniciativas da FDTI, que recebeu s, seguida do IPJ, com s. Esta procura relativa à FDTI deve-se ao facto de a mesma ter integrado os seus formulários de inscrição nos do Portal, na altura do lançamento da nova versão do mesmo. Dado o número de cursos que gere, as questões relacionadas com este assunto subiram exponencialmente ao longo do ano. Mês IPJ FDTI Movijovem Total Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Tabela 2 Distribuição de questões por entidade e por mês Quanto às questões mais colocadas relativas ao IPJ, I.P. o respectivo ranking por temática, revela que o Programa OTL é o assunto mais procurado. Outros IPJ, IP TDTI Lusofonia Jovens Criadores Empreendedorismo Licenciamento Saúde Parlamento dos Jovens Reclamações IPJ, IP Juventude em Acção Linha da Sexualidade Voluntariado PAAJ OTL Férias em Movimento Campos de Trabalho Associativismo Estudantil Associativismo Juvenil Ilustração 5 Distribuição de questões ao IPJ por temática Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 30

31 Redes sociais Em 2010, o Portal da Juventude entrou em força nas redes sociais, tendo conseguido interagir com milhares de internautas. O Portal lançou-se no Twitter, em Maio, no Facebook e no Sapo vídeos em Setembro e, finalmente, no Flickr, em Novembro. O Portal começou a ganhar raízes nas redes sociais, registando perto de seguidores no Facebook e no Twitter e tendo ultrapassado as visualizações no Sapo Vídeos e Youtube. Os dados extraídos exemplificam a presença do Portal da Juventude e mostram a crescente tendência de aumento de seguidores da marca. Twitter seguidores Facebook 1597 seguidores Sapo Vídeos visualizações Youtube visualizações Flikr cerca de 200 visualizações O trabalho ao nível das redes sociais só poderá atingir resultados mais consolidados se todos os agentes envolvidos no portal, nomeadamente as equipas externas Movijovem e FDTI também colaborarem nesse sentido, bem como as equipas internas, os serviços Regionais e a Rede de Lojas Ponto JA, potenciando, assim, novos acessos. Inquéritos Para auscultar a opinião e o grau de satisfação dos jovens relativamente ao Portal da Juventude, foram lançados seis inquéritos mensais, durante o período pós lançamento, na área do portal formatada para este efeito - na homepage de abertura. Para além destes, foram lançados outros dois inquéritos direccionados a: - Visitantes: com a abordagem de todas as interacções do cliente com o portal (acesso a informação, navegação, imagem, linguagem, acesso às redes sociais, motor de busca, entre outros) efectuado em Novembro; - Registados: o inquérito foi feito a dos jovens registados e abordou as variantes mencionadas efectuado em Dezembro. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 31

32 No total foram feitos 8 questionários, nos quais participaram cerca de utentes do portal. Este universo, bastante representativo, deu claramente indicações sobre o grau da satisfação, bem como deixou indicadores sobre o trabalho que deve ser trilhado em A partir dos questionários foram feitos três relatórios circunstanciados, bem como um quarto relatório baseado nas conclusões dos três relatórios anteriores onde se estabeleceu um Plano de Acção para o Portal em Quanto ao Grau de satisfação dos utentes do portal, rondou entre os 68% e os 98%, sendo que a maior parte dos indicadores abordados se estabeleceu nos 80% Desenvolvimento de um sistema ligado de folha informativa A Newsletter do Portal da Juventude foi relançada em Maio, em simultâneo com o lançamento da nova versão do Portal. Em 2010 foram lançados 9 números: 7 mensais e 2 especiais. Esta Newsletter electrónica, enviada apenas para os jovens que solicitam este serviço, reúne informação sobre matérias IPJ, I.P., FDTI e Movijovem e remete também para as Agendas Nacional, Internacional e Regional do Portal. Tem igualmente ligação directa para as redes sociais onde o Portal está presente. A primeira edição da newsletter foi enviada para um universo de s. Após este envio, por questões técnicas inesperadas, foram eliminados s. Ainda assim, de Junho até Dezembro de 2010, a newsletter atingiu os subscritores. O mapa infra mostra a zona de origem dos jovens subscritores da Newsletter, com Lisboa à frente, com cerca de subscritores, seguida do Porto com cerca de Cerca de jovens optaram por não mencionar o local de origem Total Não Definido Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu Angra do Heroísmo Horta Ponta Delgada Funchal Açores Madeira Ilustração 6 Distribuição regional dos subscritores da Newsletter Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 32

33 1.3. Linha da Juventude A Linha da Juventude foi alvo de reestruturação durante o primeiro trimestre de 2009, altura em que foi decidido que o serviço, concessionado a uma empresa externa, seria assumido internamente na Loja Ponto JA da Sede do IPJ, I.P. A Linha passou a contar para o efeito com a colaboração de operadores/funcionários internos para atendimento: Funcionárias da Movijovem, em exclusividade, para atendimento dos IVR 1 e 3, Pousadas de Juventude e Cartão Jovem, respectivamente; 3 Funcionárias IPJ, I.P. para o IVR 4 Diversos, que acumulam o atendimento presencial no balcão da Loja com este serviço, e Técnicos especializados da APF asseguram o IVR 2 Sexualidade Juvenil que continua a ser direccionado para a Sexualidade em Linha. Desde o lançamento da Linha da Juventude, em Abril de 2006, o número de chamadas tem vindo a crescer. Com o aumento da qualidade do serviço prestado, nomeadamente devido à transferência do serviço para dentro do IPJ, I.P., em 2009 verificou-se um aumento de atendimentos na ordem dos 35%. e em 2010 o aumento cifrou-se nos 20%. Linha da Juventude - Atendimentos Chamadas atendidas Ilustração 7 Evolução dos atendimentos na Linha da Juventude (total de chamadas atendidas) Em 2010 telefonaram para a Linha da juventude utentes. Destas, foram atendidas chamadas e consideram-se perdidas. Na procura de informação, os 4 IVR ficaram distribuídos da seguinte forma: IVR 1 e 3 Cartão Jovem e Pousadas da Juventude (Movijovem) IVR 2 Sexualidade em Linha (IPJ) 326 IVR 4 da responsabilidade do IPJ Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 33

34 Do total de chamadas atendidas, foram direccionadas para o IPJ, I.P., o que representa 77% do tráfego total da Linha composta por 4 IVR. O IPJ, I.P. não atendeu chamadas endereçadas para o seu IVR. As chamadas não atendidas verificaram-se em períodos de maior procura, ou seja, por sobrecarga da Linha. IVR /Telefones IPJ Chamadas atendidas Chamadas não atendidas Total de chamadas Durante o período em causa, os pedidos de informação incidiram nas seguintes temáticas (em percentagem): 1.º - Programa Porta 65 38% 2.º - Iniciativas e Programas FDTI -21% 3.º - Associativismo Juvenil 17% 4.º - Produtos Movijovem 14% (nota: esta percentagem mostra que os utentes tentam, através do IVR 4, obter informações da Movijovem, que tem muitas chamadas não atendidas) 5.º - OTL - 7% Tabela 3 Chamadas perdidas e chamadas atendidas nos telefones IPJ 6.º - FINICIA Jovem - 4% 1.4. Intensificação da interactividade com o público-alvo As Lojas Ponto JA foram concebidas com base num sistema de administração de funcionamento em rede com uniformização da gestão de conteúdos e uma transversalidade inter-serviços da área da Juventude. A implementação deste modelo de Lojas Ponto JA, assente em acordos estabelecidos com os diferentes sectores da Administração Pública, tem presente a necessidade de renovar, inovar e promover os produtos direccionados para os jovens de áreas transversais como a Educação; Tecnologia; Habitação; Empreendedorismo; Emprego; Formação; Voluntariado; Mobilidade nacional e internacional; Cidadania; Saúde; Desporto, entre outras. Rede de Lojas Ponto JÁ em 2010 Em 2010 deu-se continuidade ao investimento no estabelecimento de parcerias com vista ao alargamento da rede de Lojas Ponto JA, tendo a rede sido alargada para 50 unidades com a abertura da Loja de Seia. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 34

35 O IPJ, I.P. passou assim a dispor de 19 Lojas Ponto JA nas suas instalações e, com base em protocolos com as Autarquias e Associações Juvenis, 31 Lojas Ponto JA em parceria, apresentando a seguinte distribuição regional: DIRECÇÃO REGIONAL LOJAS PONTO JA Nº Lojas BRAGA Braga Barcelos 3 Guimarães BRAGANÇA Bragança Macedo de Cavaleiros 3 Mirandela NORTE PORTO Porto Matosinhos 3 Vila Nova de Gaia VIANA DO CASTELO Viana do Castelo Arcos de Valdevez 3 Ponte de Lima VILA REAL Vila Real Chaves 3 Valpaços AVEIRO Aveiro Santa Maria da Feira 3 Oliveira de Azeméis CASTELO BRANCO Castelo Branco Fundão 3 Covilhã CENTRO COIMBRA Coimbra Associação Académica Figueira da Foz Cantanhede 4 GUARDA Guarda 2 Seia LEIRIA Leiria Caldas da Rainha 3 Pombal VISEU Viseu Lamego 3 Tondela LVT LISBOA Lisboa Espaço Ágora Loures Sintra 4 SANTARÉM Santarém Ourém 3 Tomar SETÚBAL Setúbal 1 BEJA Beja 2 Odemira ALENTEJO PORTALEGRE Portalegre 2 Elvas ÉVORA Évora 2 Estremoz ALGARVE FARO Faro 2 Portimão SERVIÇOS CENTRAIS LISBOA SEDE 1 Total LOJAS Ponto JA 50 Tabela 4 Distribuição regional das Lojas Ponto JA Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 35

36 Arcos de Valdevez Aveiro Barcelos Beja Braga Bragança Cantanhede Castelo Branco Chaves Coimbra Covilhã Elvas Estremoz Évora Faro Figueira da Foz Fundão Guarda Guimarães Lamego Leiria Loures Macedo de Cavaleiros Matosinhos Mirandela Odemira Oliveira de Azeméis Parque Expo Ponte de Lima Portalegre Portimão Porto Santa Maria da Feira Santarém Sede Seia Setubal Sintra Tondela Valpaços Viana do Castelo Vila Nova de Gaia Vila Real Viseu Em 2010 existiu uma alteração na metodologia de recolha dos dados fornecidos pelos visitantes/clientes das Lojas. Esta modificação e as vantagens que dela resultaram, estão explanadas na subárea intitulada CRM Customer Relationship Management (pág. 31). Ao longo do ano, as Lojas Ponto JA efectuaram atendimentos. As Lojas com mais atendimentos registados foram a Loja de Viana do Castelo com 7% do número total de atendimentos, a Loja da Sede com 6%, e a Loja parceira de Portimão com 5%. Nº Atendimentos Lojas Ponto JA Ilustração 8 Mapa comparativo dos atendimentos inseridos nas aplicações Sharepoint e CRM A Direcção Regional do Norte apresentou 33% do número global de atendimentos, a Direcção Regional do Centro 31%, a Direcção Regional do Alentejo 13%, a Direcção Regional de Lisboa e Vale do Tejo 9%, a Direcção Regional do Algarve apresentou 8% e a Sede registou 6% do total global. ALGARVE; Nº ATENDIMENTOS SEDE; ALENTEJO; LVT; DRN; DRN DRC LVT ALENTEJO ALGARVE SEDE DRC; Ilustração 9 Número de atendimentos por Direcção Regional Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 36

37 Nº Atendimentos O gráfico seguinte identifica os níveis etários, por regiões, que mais procuraram os serviços das Lojas Procura dos serviços por nível etário DRN DRC LVT ALENTEJO ALGARVE SEDE Direcção Regional <12 Ilustração 10 Distribuição da procura por nível etário Em 2010, os atendimentos nas Lojas Parceiras por Direcção Regional e por nível etário distribuíram-se da seguinte forma: 2000 Lojas por Região e Nível Etário <12 > Algarve LVT Norte Centro Alentejo Ilustração 11 Distribuição de atendimentos nas Lojas Parceiras por região e idades O gráfico apresenta o movimento das Lojas parceiras por nível etário, sendo que as Direcções Regionais do Norte e do Centro se evidenciam. De considerar que a DR Norte conta com dez (10) Lojas parceiras, a DR Centro com doze (12), enquanto a DRLVT com quatro (4), a DR Alentejo com três (3) e a DR Algarve com uma (1) Loja Ponto JA. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 37

38 Associação Barcelos Caldas da Rainha Cantanhede Chaves Covilhã Elvas Estremoz Figueira da Foz Fundão Guimarães Lamego Loures Macedo de Matosinhos Mirandela Odemira Oliveira de Ourém Pombal Ponte de Lima Portimão Santa Maria da Seia Sintra Tomar Tondela Valpaços Vila Nova de Gaia No gráfico seguinte estabelece-se a comparação entre as Lojas Parceiras com mais movimentos/visitas em Lojas Parceiras Número de Atendimentos Ilustração 12 Atendimentos nas Lojas Parceiras Comparando o atendimento em todas as Lojas Ponto JA por nível etário e género, obtemos os seguintes dados: Lojas Idade Género < Feminino Masculino Total IPJ Parceiras Total de Atendimentos Tabela 5 Mapa comparativo do atendimento presencial em todas as Lojas Ponto JA por nível etário e género Relativamente ao género dos visitantes, a diferença mais contrastante regista-se na faixa etária 18-25, onde o sexo feminino predomina com larga distância. O sexo masculino, por sua vez, é mais representativo no nível etário superior aos 30 anos e na faixa entre os 12 e os 14. < Total Feminino Masculino Total % 4% 7% 13% 35% 15% 26% 100% Tabela 6 Nível etário que mais procura os serviços das Lojas Ponto JA do IPJ Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 38

39 Já os temas mais procurados, em todas as Direcções Regionais, foram: Equipamento informático/internet, Habitação/Porta 65, Cursos de informática/fdti, Programa OTL SERVIÇOS MAIS SOLICITADOS 0 Alentejo Algarve Centro Lisboa e Vale do Tejo Norte Associativismo Cartão de Alberguista Cartão Jovem Cursos de informática Gabinetes de Saúde Juvenil Internet OTL Porta 65 Ilustração 13 Serviços com maior solicitação em termos nacionais (Lojas IPJ e Lojas Parceiras) Relativamente a Produtos, a distribuição geográfica foi a seguinte: Produtos mais procurados OTL Gab. Saúde Juvenil Cartão Jovem Porta 65 Cursos de Informática Pousadas da Juventude Ilustração 14 Distribuição regional dos produtos mais procurados Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 39

40 Os jovens que se dirigem às Lojas Ponto JA fazem-no essencialmente para utilizarem os recursos disponíveis, sendo estes: Utilização da internet; Aconselhamento em matéria de saúde e sexualidade juvenil; Informação/apoio em matéria do acesso à porta 65; Programa de ocupação dos tempos livres; Pousadas da Juventude; Produtos da FDT/ Cursos de informática; Associativismo Juvenil e Voluntariado. Totais por Área com ordenação Anual Peso Anual Nº Utilização de Recursos 43,34% Saúde e Sexualidade Juvenil 11,15% Habitação 10,38% Programas de Tempos Livres 7,84% Mobilidade Nacional 6,23% Cursos e Manuais (FDTI) 5,93% Associativismo 3,60% Voluntariado Jovem 3,51% Educação e Formação 1,95% Cultura 1,87% Outras Iniciativas 0,95% Mobilidade Internacional 0,70% Emprego e Estágios 0,67% Licenciamentos e Certificações 0,45% 748 Empreendedorismo 0,42% 683 Chamada Inválida 0,33% 551 Cidadania e Participação 0,33% 543 Desporto 0,17% 283 Reclamação/Sugestão 0,04% 74 Direitos de Deveres 0,04% 74 Investigação e Desenvolvimento (FDTI) 0,04% 73 Cooperação 0,03% 50 Pedidos 0,00% 6 Métodos contraceptivos 0,00% 3 Escola 0,00% 2 Relações interpessoais 0,00% 1 Violência 0,00% 1 Infecções Sexualmente Transmissíveis 0,00% 1 Ciclo menstrual 0,00% 1 Tabela 7 Procura de produtos extraída da aplicação CRM (Lojas IPJ) Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 40

41 Ao nível dos recursos, em primeiro lugar surge destacada a utilização dos espaços para exposições, seguida da sala de formação teca1 da Loja Ponto JA de Lisboa Expo, dos espaços de trabalho abertos, das salas de formação, da tenda exterior de Lisboa Expo, dos Gabinetes e dos Auditórios. Os Postos de Acesso Permanente (PAP s) constituíram um dos recursos mais utilizados nas Lojas, com uma ocupação diária quase contínua. Recursos Taxa Utilização Minutos/Recurso Total Recursos Anfiteatro ao Ar Livre 1,22% Auditórios 15,33% Equipamento Audiovisual 0,00% - 4 Equipamento de apoio à Loja 8,19% Equipamento de Luz/Teatro 0,00% - 2 Equipamento de Som 13,70% Equipamento Fotográfico 0,00% - 1 Espaço de trabalho aberto 28,35% Espaços para Exposições 45,97% Gabinetes 19,72% Laboratório de Fotografia 0,35% Oficinas 3,81% PAPs Postos de Acesso 14,26% Permanente PBLs Postos de Banda Larga 1,66% Sala de reuniões 11,07% Salas 22,02% Teca 1 42,41% Tenda Exterior 22,82% XBoxs 0,02% Tabela 8 Ocupação e utilização de recursos das Lojas Ponto JA do IPJ Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 41

42 Evolução dos Atendimentos Lojas Ponto JA Atendimentos Ano Nº Atendimentos Ilustração 15 Gráfico comparativo dos atendimentos por ano Perante os dados apresentados, conclui-se que em 2010 registou-se um decréscimo de atendimentos relativamente aos anos anteriores, o que se deverá essencialmente a: - Dificuldades inerentes a uma fase transitória de registo de atendimentos: nas Lojas Parceiras evoluiu-se de um tratamento artesanal de dados com recurso a uma grelha em excel, para o uso de uma nova aplicação sharepoint e nas Lojas IPJ, I.P. a concretização da utilização sistema CRM (Customer Relationship Management). CRM No primeiro trimestre de 2010, o registo de atendimentos nas Lojas Ponto JA sediadas nas instalações do Instituto Português da Juventude, foi alvo de reestruturação evoluindo de uma aplicação sharepoint para uma plataforma CRM (Microsoft Dynamics Customer Relationship Management). A implementação deste modelo veio permitir diferentes funcionalidades, tais como: 1. Controlo de acessos; 2. Registo das solicitações (com hora a que se iniciou o atendimento e registo do funcionário que prestou o serviço); 3. Gestão de dados do cliente; 4. Acesso rápido à informação relativa à taxonomia definida nos atendimentos; 5. Gestão dos equipamentos da Loja; 6. Optimização dos registos de acesso à internet; 7. Disponibilização de relatórios personalizados baseados nos atendimentos, com: i. Número de atendimentos, faixa etária, género; ii. Procura de produtos por área; Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 42

43 iii. Peso de cada produto em termos de procura; iv. Comparação dos valores anuais com os do mês corrente; v. Disponibilização de uma tabela e gráfico com os atendimentos por faixa etária, por área, canal e local. Em Março de 2010 a nova ferramenta CRM entrou em funcionamento em todas as Lojas Ponto JA, sendo que em Fevereiro já se tinha utilizado como experiência piloto na Loja Ponto JA da Sede. Animação das Lojas Ponto JA/ Sede Com o intuito de animar o espaço afecto às Lojas, foram desenvolvidas actividades por iniciativa do IPJ, I.P. algumas comuns a todas as Lojas e outras a uma única Loja como, por exemplo, organização de exposições, elaboração de concursos ou colóquios. Em 2010, o IPJ, I.P., através da valência Loja Ponto JA, participou e desenvolveu actividades que congregaram um conjunto de sinergias com vista à promoção e desenvolvimento de valores de cidadania e cultura e, sobretudo, de participação dos jovens. A * Dia da Internet Segura * No dia 9 de Fevereiro de 2010, Dia da Internet Segura, o IPJ, I.P. associou-se à iniciativa, com a colaboração da FDTI, mantendo todas as Lojas Ponto JA abertas ininterruptamente das 9.00 às horas, nelas promovendo o uso consciente das Tecnologias. Na Sede registou-se a utilização de internet por 74 jovens, foi feita a sensibilização aos utentes, sendo de salientar uma participação elevada do nível etário superior a 30 anos. Contribuiu-se desta forma para a utilização crítica, consciente e segura da Internet. * Dia da Consulta Jurídica Gratuita * No dia 15 de Dezembro de 2010 realizou-se a 5ª edição do Dia da Consulta Jurídica Gratuita. Tratou-se de uma iniciativa do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, integrada na IV Semana Advogar pela Cidadania, que decorreu entre 13 e 17 de Dezembro. No Dia da Consulta Jurídica Gratuita duas advogadas estagiárias, voluntária e gratuitamente, prestaram informação jurídica na Lojas Ponto Já da Sede do IPJ, I.P. proporcionando a todos os jovens e aos cidadãos em geral, independentemente da sua situação económica, o acesso à informação para salvaguarda dos seus direitos no âmbito de uma advocacia preventiva que abrangeu diferentes áreas desde administrativo, civil, penal, trabalho, consumo, comercial, família e menores entre outras. * Workshops de Teatro * Nos dias 3 e 14 de Novembro, realizaram-se na Loja Ponto JA, dois workshops de teatro com a duração de uma hora cada, nos quais participaram um total de 20 jovens respectivamente. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 43

44 Estes Workshops proporcionaram aos jovens um melhor conhecimento pessoal e interpretativo e, segundo a avaliação dos participantes, a iniciativa superou as expectativas. * Campanha de recolha de assinaturas Unidos contra a fome * A campanha "1billionhungry", lançada oficialmente pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação), teve por objectivo recolher um milhão de assinaturas contra a fome. O IPJ, I.P. associou-se a esta campanha, que teve início em Outubro, disponibilizando na Loja Ponto JA da Sede um documento para recolha de assinaturas. Pretendia-se assim recolher assinaturas até o dia 16 de Outubro, Dia Mundial da Alimentação, cujo lema em 2010 era Unidos contra a Fome. O documento permaneceu na Loja até final de Dezembro de 2010 no sentido de sensibilizar os utentes para a existência de quase 1 bilião de pessoas que sofrem ainda da fome no Mundo Proactividade e maior transversalidade na prestação de informação O IPJ, I.P. continuou, em 2010, a apostar na transversalidade da informação aos jovens, procurando dar a conhecer as políticas de juventude disseminadas pelas várias áreas (emprego, educação, formação, habitação, etc.). Nesse sentido, com a reformulação do Portal da Juventude no mês de Maio, aprofundou-se a oferta de informação referente aos Programas INOV e, à semelhança do ano transacto, obteve-se a colaboração do Ministério da Defesa para a revisão do conteúdo respeitante ao Dia da Defesa Nacional. Foi ainda dada continuidade à parceria com o IHRU Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana relativa ao programa de incentivo ao arrendamento jovem Porta 65, que teve três períodos de candidatura (Abril/Maio, Setembro e Dezembro/Janeiro 2011). O IPJ, I.P., através da rede de Lojas Ponto JA e de outros serviços que gere (como o Portal da Juventude e a Linha da Juventude), continuou a ter um papel determinante na dinamização nacional deste Programa, a vários níveis: Informação ao nível das questões frequentes sobre o Programa; Aconselhamento ao nível das questões suscitadas pelo enquadramento legal complexo e pelas situações específicas que cada potencial candidato levanta; Digitalização de documentos dentro das Lojas Ponto JÁ; Apoio na formalização das candidaturas na plataforma online, entre outros. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 44

45 Após o processo de disponibilização de hardware (scanners), ocorrido em 2009, em todas as Lojas Ponto JA do IPJ, I.P., bem como na maioria das Lojas parceiras, a cobertura nacional a este nível abrange a quase totalidade da rede IPJ, I.P. Relativamente aos atendimentos específicos nesta área, há que notar que o Programa Porta 65 está nitidamente à frente no ranking dos produtos mais procurados em todos os canais de contacto com público: Lojas Ponto JA, Linha da Juventude e Portal da Juventude. Em termos de procura nas Lojas Ponto JA, este produto posiciona-se em primeiro lugar, se considerarmos que o acesso à internet gratuita (valência mais procurada) é um serviço. Relativamente à Linha da Juventude, o Porta 65 aparece como o produto mais procurado ao longo do ano, com 38% das chamadas do IVR 4, cerca chamadas. Quanto ao Portal da Juventude, o Programa de incentivo ao arrendamento jovem destacou-se no ranking das 5 palavras-chave mais utilizadas para procurar informação no portal. Durante os três períodos das quatro fases de candidatura, foram atendidos nas Lojas pedidos de informação/apoio, o que representa uma subida de aproximadamente 45% relativamente ao ano anterior, que teve no global pedidos de informação/aconselhamento/apoio na digitalização das candidaturas. Serviço ATENDIMENTOS PORTA 65 POR FASES 1.ª Fase 2.ª Fase 3.ª Fase Totais D.R. Norte D.R. Centro D.R.L.V.T D.R. Alentejo D.R. Algarve Sede IPJ - Loja DICRI Totais Tabela 9 Atendimentos registados durante as 3 fases de candidatura do Porta 65 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 45

46 Atendimento anual Porta Totais Norte Centro L.V. Tejo Alentejo Algarve Sede - DICRI Ilustração 16 Atendimentos anuais do Porta 65 por Direcção Regional e Sede Portal do Cidadão e Portal da Empresa Em 2010 o IPJ, I.P. procedeu à reestruturação completa da sua informação nos Portais da Cidadão e da Empresa. Esta reestruturação teve em conta a alteração da metodologia de trabalho preconizada pela AMA, com vista a facilitar a comunicação entre a Entidade e o Departamento dos Portais do Cidadão e da Empresa (DPCE) da AMA e a simplificação de todos os processos relacionados, entre todas as entidades parceiras do projecto. Esta nova metodologia foi desenvolvida para garantir o cumprimento: a) Da Lei Orgânica do XVIII Governo Constitucional, que determina que as entidades da administração directa e indirecta do Estado, bem como as empresas públicas dependentes dos membros do Governo previstos no presente decreto-lei, devem disponibilizar todos os seus serviços acessíveis através da Internet, no Portal do Cidadão ou no Portal da Empresa, até 10 de Junho de 2011, criando assim condições para o cidadão se autenticar uma única vez ; b) Da declaração ministerial sobre e-government, assinada, no dia 18 de Novembro de 2009, pelos Ministros competentes dos 27 Estados-Membros da União Europeia, que se comprometeram a tornar e melhorar os serviços públicos online até 2015, e c) Do Decreto-Lei n.º 92/2010, de 26 de Julho, que transpõe para o direito português a Directiva Serviços e estabelece os princípios e as regras necessárias para simplificar o livre acesso e exercício das actividades de serviços com contrapartida económica. Foram elaboradas 40 fichas completas de produtos/serviços, alguns actualizados e outros criados na íntegra. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 46

47 1.6. Qualificação dos Recursos Humanos, tendo em vista a prestação de informação rigorosa, abrangente e assertiva Com o objectivo de aumentar as competências dos recursos humanos afectos à área da informação, realizaram-se quatro acções de formação fundamentais para o desenrolar das actividades do IPJ, I.P. durante 2010: 1. CRM 2. Movijovem 3. Porta Portal da Juventude Acção de Formação - CRM Para a concretização da aplicação CRM nas Lojas Ponto JA, deu-se conhecimento da funcionalidade da solução proposta às Coordenadoras das Direcções Regionais e efectuaramse testes de aceitação com os intervenientes no processo. Após validação e aceitação com base nos testes efectuados, realizaram-se acções de formação dirigidas aos Técnicos de Atendimento das Lojas Ponto JA. Nas Direcções Regionais realizaram-se, no mês de Fevereiro, 5 sessões de formação que abrangeram 95 formandos. Moscavide, Faro, Viana do Castelo, Castelo Branco e Beja receberam as formações. Acção de Formação MOVIJOVEM Realizaram-se nos dias 14, 15 e 16 de Dezembro de 2010, três acções de formação a nível nacional, que decorreram no Porto, Ovar e Almada, com o objectivo de aprofundar os conhecimentos gerais acerca dos serviços e produtos geridos pela Movijovem (Pousada de Juventude e Cartão Jovem). A formação foi dirigida aos colaboradores das Lojas Ponto JA, Técnicos de Atendimento das Lojas IPJ e das Lojas Ponto JA parceiras. Acção de Formação - PORTA 65 Uma vez que o Decreto-Lei n.º 43/2010 procedeu a alterações nas regras de acesso ao programa, identificando alguns aspectos que careceriam de ajustamento, o IHRU promoveu uma acção de formação, no dia 17 de Maio, no auditório das suas instalações, com o objectivo de proceder ao esclarecimento das alterações ao Decreto-Lei. A formação contou com a presença de 41 técnicos de atendimento (sendo 6 da Direcção Regional Alentejo, 2 da D.R. Algarve, 10 da D.R. Centro, 8 da D.R. de Lisboa e Vale do Tejo, 12 da D.R. Norte e 3 da Sede) os quais garantiram a promoção do acesso dos jovens ao Programa assim como a sensibilização das autarquias para a importância da existência de equipamento próprio nas Lojas Ponto JA, de modo a permitir responder às necessidades dos jovens. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 47

48 Acção de Formação - PORTAL DA JUVENTUDE Em 2010 foram efectuadas duas acções de formação para gestores de informação do Portal da Juventude que abrangeram cerca de 40 formandos, sobre a nova plataforma de backoffice do portal, em sharepoint. A formação contínua destes gestores de informação online decorreu ao longo do ano Acções na área da comunicação Participação em festivais, feiras e outros eventos No âmbito de um protocolo assinado com a produtora Música no Coração, o IPJ, I.P. esteve presente no Super Bock Super Rock Lisboa, no Delta Tejo (Lisboa), no Sudoeste TMN (Zambujeira do Mar) e no Super Bock Surf Fest (Sagres). A sua presença foi assegurada através de uma equipa de funcionários e de um stand/espaço amplo, visível e apelativo. Esta participação decorreu dentro dos parâmetros esperados, com boa afluência de público quer ao stand quer à unidade móvel presente em cada festival. Em todos os festivais esteve também presente uma unidade móvel do programa Cuida-te, onde actuavam os estagiários do Alimentação em Acção em consultas personalizadas. O espaço do IPJ, I.P. disponibilizou animação, informação e aconselhamento: Possibilidade de medir o índice de massa corporal nas unidades móveis do programa Cuida-te com a presença do estagiário do programa Alimentação em Acção ; Aconselhamento na área da saúde sexual e reprodutiva e dos consumos nocivos; Distribuição de preservativos femininos e masculinos; Distribuição de merchandising útil, nomeadamente, pedómetros, bússolas, fitas porta-chaves e folhetos. A informação mais procurada versou sobre Saúde e sexualidade juvenil; Voluntariado jovem; Mobilidade internacional; Turismo juvenil (Pousadas de Juventude e cartões de desconto); EURODESK e Portal Europeu de Juventude; e Pedidos de informação sobre localização, contactos e horários do IPJ, I.P. (Portal da Juventude, Linha da Juventude e Lojas Ponto JA). No total foram distribuídos: preservativos masculinos, preservativos femininos, pedómetros, bússolas, fitas de pescoço porta-chaves, milhares de folhetos e brochuras sobre áreas tão diversas como saúde e sexualidade juvenil, voluntariado, turismo juvenil, consumos nocivos, tempos livres e férias. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 48

49 O IPJ, I.P. contou com as seguintes parcerias: Instituto da Droga e da Toxicodependência - IDT (Delegação do Alentejo) desenvolveu acções de aconselhamento e prevenção na área dos consumos nocivos, nomeadamente álcool e droga; EURODESK com a colaboração de um estagiário da EURODESK, afecto aos Serviços Centrais, garantiu informação presencial sobre esta rede europeia e sobre o Portal Europeu de Juventude, fornecendo materiais próprios de merchandising (pen-drives e folhetos); Associação para o Planeamento da Família (APF) - desenvolveu acções de esclarecimento relacionadas com a saúde sexual e reprodutiva e de distribuição de preservativos; Conselho Nacional de Juventude - com a presença de um insuflável da campanha "Who wants to be Healthy?", uma equipa desenvolveu acções de multiplicação da campanha "HELP- For a Life Without Tobacco". O impacto da presença do IPJ, I.P. nos Festivais de Verão é assinalável e em termos de investimento representou uma despesa de 4.654,10. Comparativamente a 2009, ocorreu uma ligeira diminuição de custos que foi conseguida através de: rentabilização de meio de transporte existente na Delegação Regional de Beja, que permitiu reduzir a necessidade de aluguer de viaturas. diminuição dos custos com a alimentação através da redução do número de elementos da equipa do IPJ, I.P. possibilitada pelas sinergias criadas com a presença das entidades parceiras. manutenção dos custos de alojamento em valores idênticos aos de 2009 (no alojamento, no total, foi possível manter os custos relativamente ao ano transacto). Perante estes dados, conclui-se que: - A colaboração com a APF e com a Plataforma contra a Obesidade são uma mais-valia para as representações do IPJ, I.P. pelo que se considera pertinente a sua manutenção; - Justifica-se aprofundamento da colaboração com o IDT atendendo aos resultados já obtidos e às potencialidades ainda por explorar na área da prevenção dos consumos nocivos; A participação do IPJ, I.P. nos festivais de Verão tem vindo a afirmar-se não só como espaço de divulgação dos produtos IPJ, I.P. mas também como uma área onde tem sido efectuada a interacção entre várias entidades, tendo a área da saúde juvenil como elo de ligação. Em 2010 o IPJ, I.P. participou ainda nos seguintes eventos: 1. FUTURÁLIA E QUALIFICA A participação do IPJ, I.P. nas feiras Futurália e Qualifica, eventos de oferta educativa, formação e empregabilidade, foi articulada com a Movijovem e com a FDTI. As despesas de participação foram divididas entre as três entidades. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 49

50 Para a participação nestes dois eventos, foi construído um stand de raiz. O stand teve uma grande capacidade de atracção para o público jovem que afluiu em grande número em ambos os certames para conhecer a informação disponibilizada pelas três entidades presentes. A Informação foi assegurada permanentemente por todas as entidades, sendo que o IPJ, I.P. recorreu aos serviços da DRLVT e da DRN para assegurar os necessários recursos humanos. A Futurália contou com um número total de visitantes na ordem dos TAÇA COCA-COLA E TAÇA ACADEMIA DO SCP O IPJ, I.P. participou novamente nas etapas da Taça Coca-cola e Taça Academia do SCP. A Taça Coca-Cola é um torneio nacional de futebol de 11, promovido pela marca Coca-Cola e organizado pela PraxisD, dirigido a todos os jovens com idades compreendidas entre os 13 e os 15 anos e disputado segundo regras aprovadas pela FIFA. Na sua 8ª edição do evento, em 2010, atingiram-se cerca de participantes. A Taça Academia Sporting é um torneio de futebol de 5, promovido pelo Sporting Clube Portugal e organizado pela PraxisD, aberto à participação de crianças dos 6 aos 10 anos de idade, distribuídas por 3 escalões (2 masculinos e 1 feminino). Para a 2ª edição do torneio, em 2010, foi estimada a participação de jovens (em 7 dias de evento). A parceria entre a PraxisD e o IPJ, I.P. baseou-se em: Apoio na divulgação dos eventos através da rede de informação disponível, Lojas, Portal e Linha; Fornecimento de brindes aos participantes; Envio de press-releases para os meios de comunicação social para divulgar a parceria e apoio aos eventos Taça Coca-Cola e Taça Academia Sporting. Como contrapartida a organização esteve disponível para: Colocação do logótipo nos materiais de divulgação (folhetos, cartazes, flyers, etc.); Presença no local do evento, divulgando informação e promovendo uma actividade para os participantes (com acordo prévio). A participação do IPJ, I.P. nestes eventos constituiu uma mais-valia para a divulgação dos seus projectos e Programas e materializou-se com a presença do insuflável e da Unidade Móvel do Programa Cuida-te. Esta participação foi coordenada com as Direcções Regionais do IPJ, IP que asseguraram a presença de colaboradores para a informação, bem como, o agendamento da participação das Unidades Móveis do Programa Cuida-te. De um modo geral, a participação nestes eventos foi bastante positiva com as Unidades móveis a serem um foco de atracção para os jovens e famílias. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 50

51 Dia Internacional da Juventude e Ano Internacional da Juventude I. Dia Internacional da Juventude Sob o tema Diálogo e Compreensão Mútua, o IPJ, I.P. comemorou, pelo terceiro ano consecutivo, o Dia Internacional da Juventude, um dia em que com a união de esforços de ministérios, autarquias e entidades privadas se criam condições para oferecer aos jovens dos 12 aos 25 anos um conjunto de benefícios e iniciativas. Em 2010, as comemorações ficaram marcadas pelo início do Ano Internacional da Juventude (AIJ), que se estende até 12 de Agosto de Para a concretização do Dia Internacional da Juventude, elaborou-se a seguinte estratégia: - Definição de equipa de trabalho descentralizada com designação de pontos focais em cada Direcção Regional; - Criação de um microsite do evento; - Envio de convites a todas as câmaras Municipais, Freguesias e Associações para aderirem ao evento; - Aprofundamento dos contactos estabelecidos em 2009; - Compilação de todos os apoios e respectiva divulgação no microsite; - Elaboração de newsletter. O Dia 12 de Agosto contou com a colaboração de 529 entidades a nível nacional, sendo relevante a gratuitidade nos acessos a alguns serviços utilizados pelos jovens como transportes públicos urbanos (CP urbanos e todos os regionais nacionais, Metro, Transtejo, STCP, Fertagus, Soflusa, regionais/locais), descontos na TAP, museus, espectáculos, feiras, cinemas, entradas noutros eventos e locais da responsabilidade das diversas entidades públicas e privadas nomeadamente dos agentes da Administração Central, Municípios, Juntas de Freguesias, Associações, entre outros. Foram entidades parceiras neste projecto, entre muitas outras: Presidência Conselho de Ministros Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto; Ministério da Cultura; Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações Secretaria de Estado dos Transportes; Ministério dos Negócios Estrangeiros; Ministério da Defesa; Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento; ANTROP Associação Nacional de Transportadores Pesados de Passageiros; Associação Nacional de Municípios Portugueses e a Associação Nacional de Freguesias; Turismo de Lisboa; Turismo de Portugal; SIBS Sistema Interbancário de Serviços; Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 51

52 Sapo, Optimus e TMN; Chapitô e Castelo de S. Jorge; CNJ; ACIDI Programa Escolhas. As comemorações foram muito bem sucedidas, tendo sido divulgadas no Portal da Juventude e nas Lojas Ponto JÁ, mas também por entidades e meios de comunicação: Antena 1, Correio da Manhã, Correio do Minho, Expresso, Jornal do Algarve, O Ribatejo, Região Sul, Alma de Viajante, Diário Online de Faro, Correio do Minho, O Farol da Nossa Terra Viseu, o Figueirense, entre outros. Câmara Municipal de Abrantes, Almada, Alvito, Amarante, Arganil, Batalha, Bombarral, Cabeceiras de Basto, Entroncamento, Esposende, Estremoz, Faro, Golegã, Lamego, Lisboa, Mação, Marinha Grande, Nazaré, Óbidos, Oeiras, Pombal, Ponte de Lima, Santarém, S. Brás de Alportel, Sousel, Torres Novas, Vila Viçosa, entre outras. IMTT, IMC, Carris, Geopalavras, Anafre, Fundação Mário Soares, FNAJ, Museu da Música, entre outras. Desde 2008 que o número de participantes/entidades parceiras tem vindo a aumentar de uma forma exponencial sendo de salientar a adesão quase total das Autarquias do País. II. Ano Internacional da Juventude Na sequência da Resolução nº 54/120 da Assembleia Geral das Nações Unidas e da recomendação emanada da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude (realizada em Lisboa, em Agosto de 1998), as Nações Unidas adoptaram, em Dezembro de 2009, a Resolução 63/35, proclamando o Ano Internacional da Juventude (AIJ), para decorrer entre 12 de Agosto de 2010 e 12 de Agosto de Sob o tema Diálogo e Compreensão Mútua e tendo como slogan O Nosso Ano, a Nossa Voz, o AIJ pretende despertar a atenção para o desenvolvimento dos jovens, promover entre as organizações juvenis uma dinâmica favorável à formação de parcerias e fomentar o empenhamento para se alcançar os objectivos de desenvolvimento acordados a nível internacional, incluindo os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM): Erradicar a pobreza extrema e a fome Alcançar o ensino primário universal Promover a igualdade de género e a autonomização da mulher Reduzir a mortalidade das crianças Melhorar a saúde materna Garantir a sustentabilidade ambiental Criar uma parceria global para o desenvolvimento Em Portugal, no dia 12 de Agosto de 2010, o Conselho de Ministros aprovou a Resolução n.º 65/2010, que instituiu o Ano Internacional da Juventude e criou a Comissão Nacional de Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 52

53 Acompanhamento (CNA), que é composta por 32 entidades e é presidida pelo IPJ, I.P que coordena e dinamiza as actividades. ACTIVIDADES Dando cumprimento ao estabelecido, realizaram-se em 2010 diversas actividades regionais e nacionais, como workshops, conferências e simpósios, organizadas pelo IPJ, I.P e entidades parceiras. Essas actividades integraram a Agenda AIJ, disponível numa área do Portal da Juventude inteiramente dedicada às comemorações. De acordo com a estratégia da CNA, o AIJ é subordinado a diversos temas mensais. Em 2010, eles incidiram sobre: o o o o Setembro Prevenção rodoviária Outubro - Participação cívica Novembro Empreendedorismo e inovação Dezembro - Voluntariado Assim: No mês de Setembro realizaram-se conferências e acções de sensibilização sobre sinistralidade rodoviária; Em Outubro, o destaque recai no Seminário Associativismo Jovem no Centenário da República realizado no ISCTE e promovido pelo IPJ, I.P., Conselho Nacional de Juventude e Federação Nacional de Associações Juvenis. No âmbito do Centenário da República decorreram igualmente exposições, workshops, teatros, conferências e formações nas Direcções Regionais do IPJ, I.P; Novembro proporcionou aos jovens o Road Show Empreende JÁ, o Fórum Transfronteiriço de Empreendedorismo Jovem, cursos de iniciação ao Empreendedorismo, sessões de debate e esclarecimento, a Feira do Empreendedor, a Semana Global do Empreendedorismo, entre outros. Em Dezembro regista-se o Voluntariado Jovem no Euroskills 2010, Cursos de iniciação ao voluntariado, Encontros de Voluntariado, Festivais de Música, Workshops e Conferências nas Direcções Regionais do IPJ. Como forma de acompanhar o AIJ em Portugal, tem sido elaborada uma Newsletter mensal, de acordo com a temática respectiva ao mês em consideração. A Newsletter, além de estar disponível para consulta no Portal da Juventude, é também enviada aos membros da Comissão Nacional de Acompanhamento para que possam proceder à sua divulgação. EMBAIXADORES Em Portugal, a CNA do AIJ procurou encontrar embaixadores para a iniciativa. Nesse sentido, seleccionou 30 jovens com idades até aos 30 anos, que se distinguiram em diferentes quadrantes como música, teatro, ciência, desporto, inovação, voluntariado, fotografia, inovação, empreendedorismo, biologia, aviação, entre outros. O percurso relevante destes 30 jovens e a sua capacidade mobilizadora junto da população juvenil permitiu, enquanto Embaixadores do AIJ, que participassem em eventos públicos, Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 53

54 organizassem actividades (em estreita colaboração com os membros da CNA), participassem em programas de televisão ou colaborassem com órgãos de comunicação social realçando os objectivos do AIJ; e partilhassem experiências e projectos convergentes com os objectivos do AIJ. TESTEMUNHOS No desenrolar da iniciativa, foram recolhidos testemunhos que se constituem como mensagens positivas e inspiradoras acerca de Diálogo e Compreensão Mútua. Esses testemunhos partiram quer de jovens estudantes anónimos quer de personalidades de destaque provenientes de vários quadrantes, de diversas faixas etárias e com diferentes percursos profissionais. Estes registos escritos foram inseridos na zona de conteúdos alusiva ao AIJ, no Portal da Juventude. DEPOIMENTOS Foi igualmente endereçado o convite a diferentes figuras públicas de relevo da sociedade civil para que escrevessem algumas palavras sobre as temáticas do Ano Internacional da Juventude. Parcerias / Protocolos Durante 2010, foram estabelecidos os seguintes protocolos na área da Comunicação: 1 - BANG - CONCURSO INTERNACIONAL DE ANIMAÇÃO 2010 AS INVASÕES FRANCESAS EM PORTUGAL E AS LINHAS DE TORRES VEDRAS : Apoio ao BANG que decorreu no âmbito das comemorações do Bicentenário das Linhas de Torres, construídas no contexto das Invasões Francesas de Portugal e das Guerras Napoleónicas, que decorreu de 10 de Maio a 1 de Dezembro. 2 Coordenação das Colectividades Portuguesas de França (CCPF) para realização do 13º Encontro Europeu de Jovens Luso-Descendentes, que decorreu de 1 a 8 de Agosto, em Espinho. 3 Musidanças: Festival que tem como missão promover e incentivar o trabalho dos artistas de origem portuguesa, angolana, brasileira, moçambicana, cabo-verdiana, são-tomense, guineense e timorense. Apoiado através da concessão de alojamento. 4 - FITEI - FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DE EXPRESSÃO IBÉRICA: O Protocolo destinouse a apoiar a realização do FITEI, que teve lugar entre 28 de Maio a 10 de Junho de Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 54

55 Produção de materiais promocionais Em 2010 verificou-se o aumento exponencial de actividades do IPJ,I.P ao nível da Promoção e Imagem devido às novas exigências originadas pelo novo Portal da Juventude em relação à dinamização dos audiovisuais, bem como à dinamização de actividades de comunicação e divulgação no âmbito do Ano Internacional da Juventude. Actividades de Promoção/Imagem Criação e Concepção de Imagem para: T-Shirts Cuida-te Lápis, Pen's, Pin s e Crachás Voluntariado IPJ Imagem para Porta- Moedas Montagem e Desmontagem de Espaços/ Eventos Externos Decoração dos Gabinetes de Saúde de Leiria, Porto, Braga Produção de Materiais Cartazes para vários eventos Formatação de Audiovisuais para o Portal Banner's para Portal Futurália Stand-ups Imagens /resumo para Portal Lançamento do Portal Cartões de Apresentação Capas IPJ Dia da Família - Jamor Convites para vários eventos Fitas IPJ Delta Tejo Telas para stand's Imagens e paginação Newsletter (1 à 9) Júri de concursos Jovens criadores Cartazes Super Bock Super Rock Certificados Stand Ups Sudoeste TMN Cartazes, sinalética, cartões identificação etc Roll-ups Lonas Centenário da República Lançamento do AIJ 12 Agosto, Telas e Cartazes, stand ups Logos para Portal Dia do Coração Folhetos IPJ Imagem para Certificados Telas Para Futurália Telas para lançamento do Portal Centenário da República Cartazes AIJ Cimeira Ibero-Americana Cimeira Ibero- Americana Roteiro Associativismo Dia do Associativismo Carrinha Cuida-te Net Segura Net Segura Tabela 10 Actividades desenvolvidas ao nível da promoção e imagem Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 55

56 Presença nos meios de comunicação social Durante o ano de 2010, e à semelhança daquilo que foi feito nos anos anteriores, o IPJ,I.P., com vista a divulgar junto dos jovens as políticas públicas de Juventude, procedeu à realização de acções de sensibilização junto dos meios de Comunicação Social. Destas acções resultaram, a título exemplificativo, em Maio, cerca de 309 notícias relacionadas com o IPJ, I.P. Caso tivesse correspondido a inserções publicitárias, o espaço e localização ocupados traduzir-se-iam num investimento de , conforme as tabelas da empresa que à data apoiava o IPJ, I.P. na recolha de notícias através de um serviço de Clipping. A temática destas notícias versou particularmente as comemorações do Centenário da República, o lançamento do Portal da Juventude, a abertura de inscrições para o Programa Férias em Movimento e ainda diversas acções de sensibilização realizadas no âmbito do Programa Cuida-te. Também no mês de Agosto foram identificadas 305 notícias relacionadas com o IPJ, I.P. Caso tivesse correspondido a inserções publicitárias, o espaço e localização ocupados corresponderiam a um investimento de 228,482. As temáticas do mês de Agosto versaram os Programas de Verão, o lançamento do Ano Internacional da Juventude e os Programas de Voluntariado, nomeadamente, o Voluntariado para as Florestas. No mesmo sentido, foram produzidas e difundidas (pelas chefias e colaboradores do IPJ, I.P.), entre Janeiro e Setembro, um total de 92 Revistas de Imprensa, contendo 2192 resultados noticiosos, no âmbito de uma relação contratual com a empresa de serviços de clipping. A partir de Outubro a difusão das peças jornalísticas foi inteiramente assumida pelo Departamento de Informação, Comunicação e Relações Internacionais do IPJ. Apurou-se ainda, de acordo com os dados disponíveis, que foram efectuadas 15 grandes acções de imprensa durante o ano em referência. À parte disso foram combinados artigos isolados na imprensa escrita, entrevistas de televisão, rádio ou jornais, que não são contabilizáveis porque não utilizaram como suporte a nota de imprensa. A nível de Direcções Regionais, foram produzidas 728 notas de imprensa e publicadas 3743 notícias. DR s Notas de Imprensa Notícias publicadas DR Norte DR Centro DR LVT DR Alentejo DR Algarve Totais Tabela 11 Notas de Imprensa produzidas pelas Direcções Regionais e notícias publicadas Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 56

57 Revista Fórum Estudante Manteve-se o contrato de prestação de serviços com a Press Fórum / Revista Fórum Estudante, assinado a 11 de Agosto de 2010, que constitui a única participação regular do IPJ, I.P. numa publicação em suporte papel. Esta revista, que é distribuída gratuitamente junto das 400 escolas secundárias e 3º ciclo do ensino básico, abrangendo uma tiragem mensal de exemplares, constitui assim um meio de divulgação por excelência junto dos jovens abordando tematicamente a área Educação e Formação. Mantém parceiras efectivas e regulares com, entre outros, o IEFP, o Ministério da Educação, a Agência Nacional para a Qualificação, o Programa Novas Oportunidades e com Escolas Superiores e Universidades do Ensino Público e Privado. Foram distribuídas mensalmente e de forma gratuita exemplares nas Lojas Ponto JA (no ano transacto acordou-se que a distribuidora da revista ficaria encarregue de distribuir os exemplares cedidos ao IPJ, I.P. pela rede de Lojas Ponto JA, o que veio simplificar o processo de distribuição interna da revista e poupar recursos financeiros) No ano 2010 foram divulgadas as seguintes iniciativas IPJ: Mês Temática Março de 2010 Parlamento dos Jovens Abril 2010 Programa Cuida-te Junho de 2010 Portal da Juventude Julho de 2010 Voluntariado Jovem para as Florestas Dezembro 2010 Associativismo juvenil e Centenário da República Tabela 12 Temas divulgados na Revista Fórum Estudante 2.Associativismo 2.1. Apoio, capacitação e promoção do movimento associativo Evolução da gestão e optimização dos PAAJ A gestão dos PAAJ Programas de Apoio ao Associativismo Jovem (PAI, PAE e PAJ) tem vindo a ser desenvolvida com a renovação de instrumentos e metodologias de gestão, e assenta numa política que tem privilegiado os apoios ao Associativismo Jovem, dada a sua importância cívica e de promoção de valores de cidadania e participação. Nesse sentido, foram revistos diversos instrumentos metodológicos (formulários, fichas de candidatura, parâmetros de avaliação, relatórios, guias, etc.). Neste campo prossegue igualmente um desenvolvimento técnico permanente de manutenção correctiva e evolutiva das aplicações PAAJ e RNAJ. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 57

58 No decorrer do ano de 2010, de forma a garantir o normal funcionamento aplicacional e assim dar resposta dentro dos prazos de candidatura e restantes funcionalidades aplicacionais, o IPJ, I.P. contratou à entidade responsável pela manutenção evolutiva e correctiva uma bolsa de 500 horas repartidas com a aplicação RNAJ que tem vindo a ser consumida essencialmente com a manutenção correctiva. O dado mais significativo nos Programas de Apoio ao Associativismo Jovem consiste no incremento do apoio ao Associativismo, conforme se pode observar nos gráficos apresentados PAJ anual PAJ Pontual PAI -1 Infraestruturas 52 PAI 2 - Equipamentos PAE anual PAE pontual Formar - plurianual Formar - anual Ilustração 17 Número de candidaturas apoiadas nos Programas de Apoio Financeiro e Formativo Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 58

59 , , , , , , , , , , , , Ilustração 18 Verba total executada e evolução por Programas de Apoio Financeiro, Formativo e Protocolos , , , , , , , , , , , , ,00 Ilustração 19 Evolução do apoio financeiro às Federações de Associações Juvenis Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 59

60 Estas representações mostram-nos uma subida acentuada do número de candidaturas apoiadas, particularmente no caso do PAJ anual, mas também do Apoio em Infra-estruturas e Equipamentos. Genericamente, o último ano revelou uma subida de candidaturas apoiadas, com excepção do Formar, embora com aumento do número de acções integrantes das candidaturas apoiadas. No caso dos apoios PAI Programa de Apoio Infra-estrutural, medida 1 (infra-estruturas), o número de candidaturas apoiadas em 4 anos triplicou, tendo aumentado cerca de 30% no PAI 2 (equipamentos). Por outro lado, 2010 foi o ano com maior investimento financeiro dos últimos quatro, uma verba que constituiu cerca de um terço do orçamento do IPJ. Finalmente, destaca-se a evolução crescente do apoio às plataformas associativas, neste caso as Federações de Associações Juvenis. Evolução da infra-estrutura informativa de suporte aos PAAJ Constatou-se que esta plataforma aplicacional já não respondia de forma eficaz e eficiente às necessidades da Direcção de Associativismo e aos seus processos de negócio. Por esse motivo, foi elaborado um Caderno de Encargos que visa a implementação de uma nova plataforma aplicacional mais dinâmica e que responda melhor às necessidades da Direcção de Associativismo. Esse Caderno de Encargos encontrava-se no final de 2010 em fase de consulta pública. Avaliação do modelo de gestão e formação de protocolos Prosseguiu-se o trabalho desenvolvido em anos anteriores, tendo sido formalizados protocolos com entidades que trabalham com e para jovens, particularmente em domínios em que o IPJ,I.P. se encontra vocacionado para intervir, mas onde não exerce intervenção directa. Por outro lado, não se colocam dados relativos a avaliação quantitativa, uma vez que a maioria dos protocolos são avaliados no ano seguinte ao da formalização , , , , , ,00 CNJ Chapitô Círculo Musical Português (O.Sinf.Juv) IAC - Instituto de Apoio à Criança AMEC - Orquestra Metropolitana de Lisboa CNC - Centro Nacional de Cultura Ilustração 20 Execução financeira dos protocolos estabelecidos Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 60

61 O CNJ, Conselho Nacional de Juventude, foi a única entidade que apresentou um aumento de verba relativamente ao ano anterior. No geral, o apoio em protocolos registou uma subida, dado que em 2009 havia ascendido a um montante de ,80 e em 2010 foi de ,80. Avaliação e divulgação dos protocolos formalizados, no âmbito das TIC O estímulo da introdução e desenvolvimento das novas tecnologias, associado ao Plano Tecnológico, tem implicado um trabalho específico junto do Associativismo; nesse sentido, destacaram-se dois protocolos, nomeadamente com a aplicação do e-juventude (e-escola) ao associativismo jovem, bem como a facultação de tarifários privilegiados de comunicações móveis (protocolo Moche TMN). Os resultados são positivos, como se pode verificar na análise do gráfico relativo ao e- juventude Candidaturas Entregas Ilustração 21 e-juventude: candidaturas de entidades e entregas efectuadas (dados de 31 de Janeiro de 2011) O Protocolo e-juventude manteve a sua actividade, tendo o IPJ,I.P. recebido relatórios regulares da FCM (Fundação para as Comunicações Móveis). Verifica-se que o ano de 2010 (com base no relatório referente a 31 de Janeiro de 2011) registou a inscrição de mais entidades RNAJ, embora em número bastante reduzido; quanto aos dados apurados para 2009, já havia ficado patente um número de entidades inscritas rondando as 194, pelo que, segundo os dados disponíveis, em 2010 existiram 201 entidades que beneficiaram ou se encontravam em fase de inscrição para o e-juventude. Comprovou-se que existiram apenas mais 3 entregas efectivas, passando de 173 em 2009, para 176 em Quanto ao protocolo Moche Edição Especial Associativismo, lançado no dia do Associativismo de 2009, foi igualmente aplicado durante Dados da TMN indicam que existiram cerca de 60 pedidos e um número de activações de cartões na ordem dos 42% do total solicitado. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 61

62 Taxa Activação Moche-TMN / Associativismo Jovem Data da Informação N.º pedidos efectuados 60 29Nov. N.º Cartões distribuídos Nov. N.º cartões activados Nov. Taxa de Activação 41,79% Tabela 13 Tabela referente à Taxa de Activação do Moche TMN Dia do Associativismo O Dia do Associativismo, assinalado a 30 de Abril, destaca-se no calendário como um dia subordinado a eventos e com ênfase particular na promoção do Associativismo Jovem. Em 2010, foi especialmente dedicado à luta conta a pobreza e exclusão social, no âmbito do Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES). Sobre este tema, o IPJ, I.P. desenvolveu um diálogo estruturado com as plataformas jovens (CNJ e FNAJ) e o Associativismo Jovem. O trabalho desenvolvido na comemoração do Dia do Associativismo e as iniciativas associadas, constitui um importante instrumento de promoção do Associativismo e de conhecimento inter-associativo. Nesse sentido, foram desenvolvidas com as Direcções Regionais e parceiros locais actividades em todo o país, de promoção da luta contra a pobreza e exclusão social, com destaque para a recolha de bens que aconteceu previamente, numa campanha simples, mas bem sucedida. De salientar também que o relatório enviado ao AECPES, de nível nacional e para todos os âmbitos da política de Juventude, abrangeu cerca de 283 acções correlacionadas, muitas das quais envolvendo o Associativismo Incremento e diversificação das estratégias de proximidade com o movimento associativo Divulgação do manual de Boas Práticas Associativas Este projecto foi concluído, pese embora o formato final não tenha sido o inicialmente preconizado. Com efeito, em resultado dos contributos apresentados pelas associações, optou-se, após análise conjunta de todos os parceiros do projecto, efectuar a disseminação de resultados de forma estruturada, via . Desta forma, não se desenvolveu o formato de papel inicialmente pensado, tendo sido possível atingir objectivos similares, sem os custos associados àquele. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 62

63 Evolução do Roteiro do Associativismo Depois do teste-piloto, prosseguiu-se a todo um conjunto de acções de promoção e dinamização, tendo o Roteiro sido apresentado por diversas vezes e sobretudo lançado oficialmente em conjunto com o novo Portal da Juventude (em Maio de 2010). Trata-se de um projecto que, pela sua adesão voluntária, implica uma dificuldade acrescida na mobilização das entidades, face a um universo vasto e diversificado. Neste particular, deve referir-se que o indicador específico associado a este objectivo, não depende dos serviços. Contudo, a adesão pode ser considerada relevante, contando no ano em apreço com cerca de três centenas de entidades. A estrutura de execução do objectivo reportada a 2010 era a seguinte: Direcção Regional Distrito Nº de Candidaturas Aprovadas a Norte Braga 26 Bragança 11 Porto 12 Viana do Castelo 38 Vila Real Centro Aveiro 17 Castelo Branco 12 Coimbra 15 Guarda 9 Leiria 25 Viseu Lisboa e Lisboa 18 Vale do Tejo Santarém 7 Setúbal 2 27 Alentejo Beja 3 Évora 8 Portalegre Algarve Faro Total 250 Tabela 14 Distribuição de inscrições por região Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 63

64 Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu A distribuição das entidades (250) por distrito mostrava a seguinte situação: Ilustração 22 Distribuição das entidades por distrito De referir que é aguardada a informação sobre quando e como poderá ser efectuada a plena integração do calendário de actividades no Roteiro do Associativismo. Esta funcionalidade tem como objectivo dar a possibilidade das próprias entidades verterem para o portal a divulgação das suas actividades, o que é uma mais-valia inequívoca. Acções de informação ao público sobre o associativismo e seus recursos Neste capítulo, uma nota de relevo para a continuidade do trabalho de acompanhamento de candidaturas, ciclo importante na vida associativa e a que o IPJ, I.P. dá naturalmente particular atenção. Assim, em todo o país foram desenvolvidas acções de informação e esclarecimento. Sessões de Informação Nº de sessões Nº de Nº de jovens entidades participantes DR Norte DR Centro DR LVT DR Alentejo DR Algarve TOTAL Tabela 15 Acções de informação sobre os PAAJ realizadas a nível nacional Estas acções permitiram preparar as candidaturas aos PAAJ de forma mais esclarecida, promovendo a interligação regional e a partilha de experiências entre as associações. Por outro lado, cobriram a totalidade dos distritos de cada região. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 64

65 Evolução da gestão e potencialidades do RNAJ O Registo Nacional do Associativismo Jovem continua a ser um pilar do regime jurídico do Associativismo Jovem e indicador da actividade associativa, bem como suporte dos direitos e deveres. Neste âmbito, verifica-se que a evolução se manteve positiva, assim como a expressão do associativismo jovem vem reforçando características já verificadas em anos anteriores, nomeadamente o reforço da incidência por região ou a distribuição por tipologia. Entidades inscritas no RNAJ Ilustração 23 Evolução do número total de entidades inscritas no RNAJ Assoc. Juvenis RNAJ 2008 a 2010 (Entidades por tipologia da Lei 23/2006) Assoc. Estudante s Grupos Informais Federaçõ es Juvenis Assoc. Equiparad as Federaçõ es Estudante s Sócio Profission ais Ass. Escutistas e Guidistas Partidária s e Sindicais Ilustração 24 Entidades RNAJ por região NUTT Verificou-se um aumento constante desde a entrada em vigor da Lei n.º 23/2006, de 23 de Junho, sendo que em 2011 poderá haver uma duplicação do valor de há 4 anos. Contudo, esta situação implica uma dinâmica própria do Associativismo Jovem, entre novas entidades, entidades que cessam actividade e outras que ficam suspensas no arquivo. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 65

66 Constata-se que as Associações Juvenis continuaram a ser a maior fatia, sendo que as Associações de Estudantes e os Grupos Informais se destacaram igualmente. Contudo, o número de Federações mas sobretudo de entidades equiparadas revela uma tendência de crescimento interessante a destacar. Uma nota no entanto para a fraca adesão das Associações Partidárias e Sindicais. Verifica-se que o Associativismo prossegue um aumento, a nível nacional, com crescimento em todas as regiões com excepção do Algarve, destacando-se a região Centro com mais Associações. NOTA: A comparação é estabelecida tendo em conta a entrada em vigor da Lei n.º 23/2006, de 23 de Junho, verificando-se um aumento progressivo registado até final de 2010 e considerando o número total de entidades inscritas e em permanência, independentemente do seu estado efectivo. Acções de acompanhamento às acções no terreno Desde 2009 havia sido desenvolvida uma metodologia com o fim de sistematizar o acompanhamento de terreno, tendo sido conjugado um princípio de extensão do acompanhamento a todas as áreas, bem como o desenvolvimento de um plano, incluindo o desenvolvimento de instrumentos específicos, casos das fichas de acompanhamento de terreno. Esta metodologia foi implementada com base num projecto-piloto dirigido ao acompanhamento de um número restrito de entidades. Dados os resultados, prosseguiu-se em 2010 com a sua aplicação do terreno. Região PAJ PAE TOTAL Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Tabela 16 Distribuição do acompanhamento por região 46 Proposta base PAJ Realizado PAJ Norte Centro LVT Alentejo Algarve Ilustração 25 Acompanhamento PAJ anual em número de deslocações a entidades/projectos Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 66

67 Norte Centro LVT Alentejo Algarve Proposta base PAE Realizado PAE Ilustração 26 Acompanhamento PAE anual em número de deslocações a entidades/projectos Assim, face às metas traçadas e dos indicadores escolhidos, designadamente o número de entidades acompanhadas, considera-se que o mesmo foi superado, pois foram efectuadas 114 deslocações de acompanhamento e avaliação, com os respectivos relatórios de recolha, quando a meta do indicador apontava para uma superação caso o valor fosse superior a Formação e promoção de reconhecimento dos dirigentes associativos Evolução da gestão do Programa Formar Este domínio constitui uma aposta particular do IPJ, I.P., face às suas competências e ao reconhecimento do papel que os dirigentes assumem na promoção e disseminação dos valores de cidadania e participação cívica, mas também em prol do reconhecimento das qualificações não-formais que o exercício da sua actividade proporciona, ao mesmo tempo que distingue o valor do voluntariado na génese da actividade social. Assim, o programa Formar veio particularmente desenvolver este enquadramento, conforme segue: Ilustração 27 Número de jovens abrangidos AFA Apoio Formativo Anual e AFP Plurianual Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 67

68 Os dados disponíveis mostraram uma execução ligeiramente superior em número de jovens envolvidos, o que no cômputo dos últimos 4 anos constitui ainda assim um resultado que quase triplica o número de jovens abrangidos pelo programa. Por outro lado, significa uma aposta que se mantém na formação dos dirigentes associativos e um interesse permanente no programa e suas valências, mesmo com a necessidade de reduzir o desenvolvimento da medida plurianual. Nos anos de vigência do Programa foram já abrangidos mais de 5100 jovens. Evolução do EDA Estatuto do Dirigente Associativo Este é um dos direitos atribuídos aos dirigentes associativos, que continua a ser exercido, sendo solicitadas anualmente ao IPJ, I.P. declarações que integram a validação dos dados de requerimento junto dos serviços académicos das faculdades EDA Utilidade Pública Equiparação a AJ Reconhecimento Associação na Hora Ilustração 28 Posição do EDA na globalidade dos processos administrativos da área do Associativismo Requerimentos EDA Processos Tratados Declarações Ano Tabela 17 Comparativo EDA É notório o volume de processos com respeito aos outros vectores administrativos, sendo que a cada processo EDA correspondem várias declarações; não obstante, o ano de 2010 teve menos processos entrados, embora numa posição muito próxima dos anos anteriores, sendo a globalidade dos processos resolvidos em cada ano Difusão e promoção pública das práticas, saberes e experiências desenvolvidas pelo movimento associativo jovem Seminário sobre Associativismo Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 68

69 Esta iniciativa constituiu um momento-chave do ano, na medida em que foi pensada e realizada com o intuito de conjugar vários objectivos distintos, mas complementares: celebração da República e da sua relação com o Associativismo, mas também momento de promoção e difusão da actividade associativa, reflexão em torno de temas essenciais do Associativismo Jovem. Marcaram presença investigadores reputados e elementos de referência, entre os quais um destaque especial para as plataformas associativas, que se associaram ao IPJ, I.P. nesta realização, designadamente o CNJ e a FNAJ. O evento integrou-se naturalmente nas comemorações do Ano Internacional da Juventude e articulou-se com a Comissão Nacional de Comemorações do Centenário da República, sendo animado por um parceiro de protocolo, o Chapitô. Seminário - Índice de Satisfação Muito Satisfeito 30% Satisfeito 66% Insatisfeito 4% Ilustração 29 Índice de satisfação dos participantes no Seminário sobre o Associativismo Este evento contou com a presença de cerca de 400 pessoas e foi elogiado pelos diversos participantes, tendo sido elaborado, com qualidade reconhecida, sem prejuízo dos objectivos traçados, com uma contenção de custos de cerca de 60% em relação ao estimado e à dotação. A iniciativa permitiu enquadrar historicamente o Associativismo jovem, bem como, a partir de experiências e dados presentes, traçar perspectivas futuras, ao mesmo tempo que deu conta dos valores e práticas associados, quer na dimensão colectiva, quer individual. Elaboração de estudo sobre Associativismo O projecto Estudo sobre o Associativismo Jovem foi esboçado nos seus contornos durante o ano de Esse estudo foi pensado para ser desenvolvido aquando da entrada de um estagiário, o que apenas acontecerá em Desenvolvimento de Metodologias de informação sobre matérias de associativismo O novo Portal da Juventude cedo assumiu uma posição importante no calendário a desenvolver para o ano de 2010, em particular pela interacção com as aplicações informáticas Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 69

70 do departamento de Associativismo, pela correlação com a reapresentação do Roteiro e pela nova revisão de conteúdos e adequação de estratégias de comunicação que implicou. Assim, foram revistos alguns conteúdos e a metodologia proposta, bem como introduzidos novos. A área do Associativismo passou a contar com uma sub-área dedicada a formulários online para acesso mais facilitado a todas as áreas com gestão de conteúdos online. Por outro lado, integrou-se na taxonomia a área de publicação de associações. Foram ainda revistos os formulários de candidatura e manutenção de dados, em especial os seus guiões, para se adequarem ao novo grafismo e processos do Portal novo Reforço do associativismo jovem como modelo e ferramenta de desenvolvimento comunitário e social e de participação cívica e como promotor da integração social dos jovens Durante 2010, o IPJ, I.P. acompanhou a Iniciativa Bairros Críticos, procurando promover a maximização das parcerias, bem como o desenvolvimento de associações juvenis, numa perspectiva de integração por via da educação não-formal. Por outro lado, assegurou a conclusão e continuidade do Projecto Indie, de parceria com o British Council, que entendeu prolongar a sua relação com o IPJ, I.P., dado o bom trabalho desenvolvido, em mais dois projectos conectados: Conecting Classrooms e ICTPIED (um projecto de produção de materiais de formação intercultural para professores e alunos, que continua o processo previamente espoletado, de conjugação da educação formal e não-formal). Além destas iniciativas, veio a consumar uma plena participação nas comemorações do Centenário da República, assim como na prossecução dos fins do Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social. Por outro lado, envolveu-se na preparação do IV Plano para a Igualdade, em trabalho conjunto com a CIG Comissão para a Igualdade de Género, bem como em outras áreas sensíveis que tocam transversalmente o Associativismo e a Política de Juventude, como seja o caso do tráfico de seres humanos ou a violência no namoro. Foi ainda acompanhada, por via de relatório de síntese, a INIA, Iniciativa para a Infância e Adolescência. Finalmente assegurou-se a representatividade do IPJ, I.P. no Comité de Selecção da Agência do Programa Juventude em Acção Programas Juventude e Juventude em Acção A Decisão 1719/2006/CE estabelece o programa de acção destinado a desenvolver a cooperação em matéria de Juventude para o período de 2007 a Nos termos da legislação aplicável, a Presidente do IPJ, I.P. é a Autoridade Nacional para o Programa Juventude em Acção. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 70

71 Relativamente ao Programa Juventude, em 2010 foram encerradas as Convenções de Funcionamento de 2005 e 2006 e ainda a Convenção de 2006 das Acções Descentralizadas. No que se refere ao Programa Juventude em Acção, foi certificado o Relatório anual referente à Convenção de 2009 e efectuadas acções de controlo secundário necessárias à certificação da Convenção de Foram efectuadas auditorias aos relatórios acima referidos com recurso a auditores externos, conforme determinado pela CE e tendo em vista a emissão da Certificação de Garantia. Nos termos da Regulamentação Comunitária foi ainda efectuada, com recurso a auditores/consultores externos, uma avaliação intermédia ao Programa Juventude em Acção. Em 2010, o Programa Juventude em Acção foi objecto de uma auditoria de supervisão por parte da Comissão Europeia. De referir ainda a participação em diversas reuniões de acompanhamento com responsáveis da Agencia Nacional e ainda a participação em reuniões promovidas pela CE Outras iniciativas Jovens Criadores O Programa Jovens Criadores é uma iniciativa da Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, criada pela Portaria n.º 57/97, de 25 de Janeiro. Tem como objectivo criar oportunidades de divulgação do trabalho de jovens criadores do País, habitualmente sem acesso a circuitos culturais e cujo acontecimento estimula e apoia a iniciativa, a criatividade e inovação dos jovens nacionais. No início de 2010, mais precisamente entre 15 e 28 de Janeiro, Évora e Portel acolheram a Mostra Nacional de Jovens Criadores relativa ao Concurso de 2009 (13.ª edição). Os espaços foram escolhidos em coordenação com o IPJ, I.P. e a Câmara Municipal de Évora que, para esta edição, disponibilizou o Palácio D. Manuel e a Igreja de S. Vicente. A 25 de Março foi publicado em Diário da República (2.ª série, N.º 59) o Aviso n.º 6171/2010 que apresentava o procedimento de selecção da entidade que, em colaboração com o IPJ, I.P. iria efectuar a gestão e organização da 14.ª edição do concurso e respectiva Mostra Nacional. A escolha recaiu na Associação Juvenil Clube Português de Artes e Ideias (CPAI). Nesta edição, as áreas a concurso foram: LITERATURA - VÍDEO MÚSICA ARTES PLÁSTICAS DESIGN DE EQUIPAMENTO FOTOGRAFIA MODA DANÇA ILUSTRAÇÃO/BANDA DESENHADA DESIGN GRÁFICO - JOALHARIA - TEATRO ARTES DIGITAIS. O Concurso contou com a participação de 263 jovens nas diferentes especialidades, que apresentaram um total de 254 projectos. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 71

72 3.Tempos Livres 3.1. OTL Programa de Ocupação de Tempos Livres O Programa de Ocupação de Tempos Livres (OTL) visa promover a ocupação saudável dos tempos livres dos jovens, orientando-os para o desempenho de actividades ocupacionais que proporcionem a conquista de hábitos de voluntariado, que permitam o contacto experimental com algumas actividades profissionais e que potenciem a capacidade de intervenção e participação social e cívica dos jovens, contribuindo para o processo de educação não formal. Em 2010, o Programa OTL foi concretizado nas vertentes curta e longa duração, proporcionando aos jovens uma escolha mais diversificada e diferenciada no que concerne às formas de interacção e aprendizagem com as realidades quotidianas. OTL de Curta Duração Em 2010 verificou-se uma diminuição do número de projectos aprovados e dos participantes relativamente a A opção de proporcionar candidaturas nas duas vertentes implicou uma diminuição na dotação da vertente curta duração que já havia sofrido um decréscimo em sede de dotação inicial. Acresce, no entanto, dizer que as verbas consignadas ao OTL de Longa Duração vieram permitir a realização de um conjunto de candidaturas de jovens e de projectos potenciadores de experiências mais sedimentadas e consistentes. OTL Curta Duração Projectos Realizados Participantes Ilustração 30- Projectos realizados no Programa OTL Curta Duração e número de participantes em 2009 e 2010 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 72

73 OTL - Curta Duração 2010 Execução Financeira Valores Executados DRNorte ,00 35,92 DRCentro ,00 30,69 DRValeTejo ,00 15,55 DRAlentejo ,00 14,55 DRAlgarve ,00 3,29 Total ,00 Tabela 18 Execução Financeira do OTL Curta Duração, 2010 % As Direcções Regionais do Norte e Centro foram responsáveis pela execução de 67,0% da dotação financeira do Programa, na vertente Curta Duração. OTL - Curta Duração 2010 / Tipo de Entidades Direcções RNAJ Ass. ONG IPSS CM/JF Outras Total Regionais Desp. DRNorte DRCentro DRLValeTejo DRAlentejo DRAlgarve TOTAL Percentagem face ao total 12,69% 2,60% 1,21% 15,12% 60,07% 8,31% Tabela 19 Tipologia de entidades promotores de projectos As Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia têm uma predominância enquanto entidades promotoras de projectos OTL de Curta Duração, uma vez que representam 60% do total das entidades promotoras. As IPSS foram as entidades que ficaram em segundo lugar face ao número de projectos que realizam e as Associações inscritas no RNAJ foram as terceiras entidades a verem os seus projectos aprovados, num total de entidades. Nota: Este número, 1733 entidades, está relacionado com o número de projectos apresentado. Assim, o número real de entidades é menor que este aqui mostrado, uma vez que há entidades que têm mais do que um projecto aprovado. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 73

74 OTL de Longa Duração O Programa OTL de Longa Duração não tem tido uma existência contínua. Em 2009 não se realizou, tendo sido retomado em 2010, dado que o movimento associativo juvenil fez eco da importância de se ter um Programa que permitisse um contacto mais alargado no tempo com as associações. Permitia-se aos jovens um melhor conhecimento, por um lado, do mundo associativo e por outro, uma formação mais eficaz, com os resultados que se apresentam. Duração: período mínimo de 2 meses e máximo de 9 meses. Os projectos decorreram de 01 de Setembro a 30 de Novembro (3 meses). OTL Longa Duração Projectos 156 Participantes 257 Ilustração 31 Projectos realizados e participantes no Programa OTL Longa Duração OTL- Longa Duração 2010 Áreas Nº Projectos por área % Ambiente e/ou Protecção Civil 12 7,69 Apoio a Idosos e/ou Crianças 28 17,95 Cultura e/ou Património 48 30,77 Combate à Exclusão Social 15 9,62 Saúde 4 2,56 Outros 49 31,41 Total 156 Tabela 20 Projectos por área de intervenção Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 74

75 As áreas onde foram apresentados mais projectos no OTL de Longa Duração foram Cultura e/ou Património e Outros. No total, estas áreas representaram cerca de 62,0% do total dos projectos realizados. OTL - Longa Duração 2010 Direcções Regionais N.º de Jovens Execução Orçamental DRNorte ,00 DRCentro ,00 DRValeTejo ,00 DRAlentejo ,00 DRAlgarve ,00 Total ,00 Tabela 21 - Execução Orçamental do OTL Longa Duração, 2010 Este Programa permitiu experiências associativas a jovens que participaram de forma assídua e permanente, ao longo de 3 meses, na vida quotidiana das associações. Permitiu uma eficaz divulgação e promoção do trabalho associativo, ao mesmo tempo que proporcionou a aquisição de competências e o desenvolvimento de capacidades profissionais aos participantes. Por outro lado, possibilitou às associações de jovens potenciarem a sua acção e concretizarem projectos que de outra forma não se teriam realizado 3.2. Férias em Movimento O Programa Férias em Movimento visa promover a ocupação saudável dos tempos livres dos jovens no período de férias escolares e pausas pedagógicas, através da prática de actividades lúdico-formativas, e incentivar o conhecimento de diversas regiões do País. O Programa concretizou-se no âmbito de um protocolo celebrado com o Alto Comissariado para a Saúde, tendo como objectivo central a promoção dos estilos de vida saudáveis. O Programa foi executado no período do Verão; Realizaram-se 20 acções de formação específicas, para monitores; Foram produzidos 400 Kit s, com materiais pedagógicos; O valor máximo do apoio do IPJ, I.P. por dia, por jovem, foi de 4,50 (quatro euros e cinquenta cêntimos). Enquanto a taxa de inscrição máxima a pagar seria de 4,50 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 75

76 (quatro euros e cinquenta cêntimos), por dia, por jovem, para os Campos não Residenciais. Para os campos residenciais o apoio do IPJ, I.P. foi de 10,00 (dez euros/dia/jovem) e as taxas de inscrição até 15,00 (quinze euros). O programa Férias em Movimento de 2010 ilustra a transversalidade da área da Juventude, na medida em que é o resultado de uma interacção e cooperação aprofundada com o Alto Comissariado para a Saúde, o que permitiu definir uma estratégia face a uma problemática instalada na sociedade portuguesa e na sociedade juvenil: a obesidade. Foi, assim, possível desenhar um Programa Férias em Movimento que serviu de instrumento pedagógico, divulgador e catalisador da atenção dos jovens e seus familiares, ao mesmo tempo que se trabalhou com os jovens as boas práticas a seguir. Para se atingirem os objectivos propostos foram realizadas acções de formação específica para os animadores dos Campos de Férias e distribuído material pedagógico e de animação Férias em Movimento 186 Participantes Campos Ilustração 32 Participantes envolvidos no Programa Férias em Movimento e campos realizados 2010 Valores Totais: Execução Financeira Participantes Campos Não Residenciais e Residenciais Total Participantes Custo Médio por jovem % execução financeira face ao total DRNorte , ,65 37,63 DRCentro , ,81 47,92 DRLx V. Tejo , ,31 12,98 DRAlentejo 5.220, ,47 DRAlgarve TOTAL , ,02 Tabela 22 Valores totais do Férias em Movimento: Execução Financeira e total de participantes Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 76

77 Verifica-se que são as Direcções Regionais do Norte e do Centro aquelas onde as entidades têm uma maior apetência pela realização de Campos de Férias. Em termos de percentagem, estas duas Direcções Regionais representam 85,55 % da execução financeira do Programa. Projectos aprovados por tipo de entidade Direcção Regional 2010 N.º % Associações RNAJ 67 51,94 IPSS 34 26,36 Outras 16 12,4 Clubes desportivos 12 9,3 ONG 0 0 Total 129 Tabela 23 Projectos aprovados em 2010 distribuídos por tipo de entidade As associações de jovens inscritas no RNAJ representam mais de metade do total das entidades que realizaram projectos. As IPSS surgem em segundo lugar Reformulação da legislação dos Campos de Férias Foram apresentadas propostas de reformulação da legislação sobre: - Licenciamento de Campos de Férias, no sentido de simplificar o processo de licenciamento, facilitando os procedimentos às entidades; - Regulação de Certificação do Pessoal Técnico dos Campos de Férias, com o objectivo de credibilizar e garantir o acompanhamento dos jovens, por técnicos devidamente formados e aptos ao exercício da actividade Licenciamento de Campos de Férias O IPJ, I.P. é responsável por licenciar as entidades que solicitam alvará para terem permissão para organizar campos de férias. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 77

78 150 Entidades Licenciadas Entidades Licenciadas Ilustração 33 Gráfico comparativo do número de entidades licenciadas em 2009 e 2010 O número de entidades licenciadas aumentou substancialmente, o que demonstra que a actividade de organizador de campos de férias está a suscitar o interesse de um maior número de entidades, por ser uma área de actividade económica em expansão. Estes dados indiciam a existência de um maior número de entidades nesta área de actividade e resultam da intervenção preventiva realizada, pelo IPJ, I.P. junto dos diferentes públicos, numa consciencialização focada na segurança e qualidade da actividade de organização de Campos de Férias Programa Sem Fronteiras O Programa, elaborado em parceria com o ISS Instituto da Segurança Social e com a Movijovem, destina-se a crianças e jovens acolhidos em Lares e Centros de Acolhimento Temporário de Instituições Públicas ou de Instituições Particulares de Solidariedade Social, e às acolhidas em Famílias de Acolhimento, em acompanhamento pelas Comissões de Protecção e ainda os beneficiários do Rendimento Social de Inserção. Incluiu jovens portadores de deficiência física e de debilidade mental ligeira em situação análoga de desfavorecimento que sejam indicadas por Associações Juvenis, inscritas no RNAJ, que no âmbito da sua actividade promovam a integração social dessas mesmas crianças e jovens Jovens Formadores Monitores Campos Ilustração 34 Gráfico comparativo do número de jovens, formadores, monitores e campos envolvidos no Programa Sem Fronteiras Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 78

79 No decurso deste ano o alojamento foi efectuado nas Pousadas da Juventude de Abrantes, Almada, Almograve, Espinho, Ovar, Penhas da Saúde, Viana do Castelo e Vilarinho das Furnas Encontro de Trabalho sobre OTL e Campos de Férias Em 2010, decorreu um encontro de trabalho entre a Sede e as Direcções Regionais (respectivos técnicos) onde foram apresentados os números relativos à evolução do Programa OTL e Campos de Férias nos últimos 5 anos, tendo-se ao mesmo tempo debatido novos caminhos a seguir num futuro próximo. Este encontro foi mais uma etapa no processo de reanálise, redefinição e aferição das metodologias que permitam adequar melhor os programas às realidades juvenis. 4. Emprego e Empreendedorismo 4.1. Programa Finicia Jovem O Programa Finicia Jovem visa estimular o espírito empreendedor através de informação selectiva, apoio financeiro directo ao desenvolvimento de empresas e negócios assim como à promoção do empreendedorismo junto das camadas mais jovens da população. Durante 2010, foram estas as acções concretizadas pelo IPJ, I.P.: - Presença em duas Feiras de divulgação do Empreendedorismo (em Grândola e no Porto), onde foram contactados 771 jovens; - Concretização de um Road-Show Nacional e outro Regional. O Road-Show Nacional foi dirigido aos jovens e à população em geral e decorreu em 6 capitais de Distrito (Portimão, Beja, Castelo Branco, Guarda, Braga e Setúbal), tendo ao mesmo tempo assegurado, nestes mesmos locais, uma acção de formação em instrumentos ligados às empresas Formação GET IT. Esta acção obteve 791 visitantes e 138 formandos GET-IT. Já o Road Show Regional foi realizado junto das escolas profissionais, politécnicos e escolas universitárias. Decorreu nas cidades de Vila Real, Vila Nova de Famalicão, Porto, Coimbra, Aveiro, Guarda, Évora, Beja, Lisboa e Setúbal, tendo envolvido 192 jovens; Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 79

80 Ilustração 35 Mapa do Road-Show Nacional Ilustração 36 Mapa do Road-Show Regional - Apoio a jovens através de um prémio de reforço de competências, no valor de 1 500,00 euros cada através do Poliempreende, Viana do Castelo e do Arrisca, Coimbra; - Organização e concretização de 7 acções de formação que envolveram 74 formandos numa perspectiva de dotar os serviços desconcentrados com mais e melhores competências; - Apoio a 124 ideias de negócio no âmbito do Eixo 2 e realização de 90 reuniões de aconselhamento; - Apoio de garantia bancária a um jovem empresário e apoio na elaboração de 8 planos de negócios; - Apoio a 6 candidaturas de entidades que irão concretizar projectos educativos no que concerne ao Eixo 3. O prémio Empreendedor Finicia Jovem, foi entregue no Porto, no quadro da Semana Europeia das PME s. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 80

81 FINICIA JOVEM Indicadores Meta N.º Descritor Definida (uni.) Atingida (uni.) Eficácia (%) Eixo 1 - Serviço Especializado de Informação aos Jovens 1 N.º de acções de divulgação do FJ em Feiras de Empreendedorismo Implementação de um Road-show Nacional (seis cidades); Implementação de um Road-show regional nas Universidades e Politécnicos (11 sessões); 4 N.º de prémios concedidos a jovens em concursos de empreende-dorismo promovidos por entidades particulares N.º de acções de formação aos técnicos do IPJ e Lojas PONTO JA Implementação do projecto Empreende JÁ nas lojas PONTO JÁ (fases) Sub-total Eixo 2 - Apoio Específico a Iniciativas Empresariais de Jovens 5 N.º de ideias de negócio entradas N.º de reuniões de aconselhamento realizadas N.º de operações relacionadas com garantia bancária N.º de planos de negócio executados N.º de horas para reforço de competências dos promotores Sub-total Eixo 3 - Apoio a projectos Educativos e a Iniciativas da Sociedade Civil 10 N.º de projectos educativos apoiados Entrega do prémio Empreendedor Finicia Jovem Entrega do prémio de Jornalismo Finicia Jovem Sub-total 8 7 FINICIA JOVEM Tabela 24 Indicadores do FINICIA Jovem e metas alcançadas Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 81

82 4.2. Desenvolvimento de workshops formativos: transformar uma ideia num projecto Estimulando o espírito criativo e selectivo, o espírito crítico e científico, os workshops pretendem chamar a atenção para os potenciais jovens empreendedores para os passos que têm de ser dados para transformar uma ideia num projecto. Pretendia-se, numa primeira fase, disponibilizar em cada uma das Direcções Regionais do IPJ, I.P. um espaço que funcionasse todas as semanas para trabalhar com os jovens as suas ideias através de metodologias activas que lhes permitissem aprender o percurso que vai desde a ideia ao produto ou serviço. O projecto foi reajustado e a sua execução programada para Evolução da iniciativa Bairros Críticos - Vale Construir o Futuro O IPJ, I.P. é um dos parceiros da Iniciativa Vale Construir o Futuro, intervenção na área do empreendedorismo, que está a ser concretizada no Vale da Amoreira, no âmbito da Iniciativa Operações de Qualificação e Reinserção Urbana de Bairros Críticos, designada por Iniciativa Bairros Críticos, aprovada através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 143/2005, de 7 de Setembro. A intervenção desenvolve-se até 2011 e tem como objectivo criar de forma sustentada um projecto em torno do empreendedorismo social que se objectivará na criação de associações de jovens, de projectos formativos, que ajudem estes jovens a definirem projectos de vida. O projecto Quero, Faço, efectuado pelo IPJ, I.P. tem como objectivo a dinamização do tecido associativo juvenil do Vale da Amoreira. Objectivos específicos: 1. Sensibilizar 45 jovens dos 15 aos 35 anos de idade para o papel das associações juvenis na sociedade civil. 2. Criar, no mínimo, uma associação juvenil. 3. Promover, no mínimo, um projecto educativo no âmbito do Programa Finicia Jovem. Durante 2010 foi concluída a Fase 0 Formação de formadores e facilitadores em empreendedorismo e a fase 1 Campos de Verão em Empreendedorismo, que tinha como objectivo a realização de 2 campos tendo-se concretizado um e o outro será efectuado no decurso de Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 82

83 4.4. Parcerias PEJENE O Programa de Estágios, promovido pela Fundação da Juventude, foi apoiado financeiramente pelo IPJ, I.P. com uma verba de Candidataram-se ao PEJENE, jovens e estiveram envolvidas 115 empresas. Foram pré-seleccionados jovens, tendo-se concretizado 314 estágios, num universo de 486 vagas existentes. Verifica-se que o Programa teve um impacte menor em 2010 quando comparado com 2009, uma vez que todos os seus indicadores diminuíram. A execução financeira foi de ,78. Pejene Candidatos Préseleccion Empresas Estágios Ilustração 37 - Número de candidaturas, jovens pré-seleccionados, empresas envolvidas e estágios concretizados ao abrigo do PEJENE Ninhos de Empresas Durante 2010, o IPJ, I.P. apoiou este Projecto da Fundação da Juventude através de um protocolo no valor de Os Ninhos de Empresas são espaços físicos dotados de infra-estruturas de apoio técnico e material onde os jovens podem exercer actividades empresariais, na área dos serviços. O seu principal objectivo é estimular a capacidade criativa e empreendedora dos jovens, proporcionando-lhes os apoios necessários à constituição e desenvolvimento do seu projecto empresarial. Em 2010, estavam instaladas 8 empresas neste Programa. A execução financeira foi de ,05. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 83

84 5.Voluntariado 5.1. Participação em grupos de peritos na Comissão Europeia O IPJ, I.P. participou em dois grupos de peritos no âmbito da Comissão Europeia: 1. Sobre educação não formal (Europass Youth) - que tem por objectivo enquadrar as actividades realizadas pelos jovens, no processo de aprendizagem não formal, no Curriculum Vitae, ao mesmo tempo que se trabalha sobre os processos e os procedimentos conducentes à validação desta mesmas actividades. 2. Sobre Mobilidade de Voluntários, dá resposta à recomendação do Conselho que aponta para um reforço da mobilidade dos jovens voluntários na União Europeia através da participação em projectos em outros países europeus; o grupo tem como objectivo identificar caminhos e meios de cooperação através da troca de informação e das melhores práticas. As reuniões realizaram-se em: - Março de 2010: Participação no Grupo de Peritos Europass, em Bruxelas e Participação no Grupo de Peritos para a Implementação de Recomendações, Ano Europeu do Voluntariado, em Bruxelas - Outubro de 2010: Participação no Grupo de Peritos da Comissão Europeia sobre Mobilidade de Jovens Voluntários, em Bruxelas 5.2. Programa Voluntariado Jovens para as Florestas O Programa pretende incentivar a participação dos jovens do nosso país no grande desafio que é a preservação da natureza e da floresta em particular, reduzindo o flagelo dos incêndios, através de acções de prevenção, garantindo assim uma menor probabilidade de ocorrência de incêndios florestais. Criado pela Resolução de Conselho Ministros n.º 63/2005, este Programa anual é o resultado do êxito alcançado com os projectos de voluntariado do IPJ, I.P. e pelo Projecto-piloto levado a cabo no ano de 2004 nos distritos de Castelo Branco e Coimbra, e no concelho de Castanheira de Pêra, sob o lema Juntos pela Floresta, todos contra o Fogo. Foi estabelecido, este ano, um Protocolo com a AFN Autoridade Florestal Nacional e o IFAP Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, que permitiu financiar a 100 % o Programa, com recursos externos, e consolidá-lo em todas as suas vertentes. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 84

85 Direcções Regionais Projectos Jovens 2009 % DO TOTAL 2010 % do total 2009 %face total 2010 % do Total DR Norte 79 29, , , ,51 DR Centro , , , ,96 DR Vale Tejo 22 8, , , ,36 DR Alentejo 32 12, , , ,91 DR Algarve 3 1,14 3 1, , ,26 Total Tabela 25 Projectos realizados e jovens envolvidos no Programa Voluntariado Jovem para as Florestas Verifica-se que as Direcções Regionais do Norte e do Centro representam cerca de 75% dos projectos aprovados e dos jovens envolvidos. Os dados globais do programa demonstram a pequena representatividade da Direcção Regional do Algarve. Quando confrontamos as Direcções Regionais de Lisboa e Vale do Tejo com a Direcção Regional do Alentejo, constata-se que para o mesmo número de projectos aprovados há muito mais jovens envolvidos no Alentejo que em Lisboa e Vale do Tejo. Verifica-se que de 2009 para 2010 houve um crescimento do número de entidades que apresentaram projectos e dos jovens que participaram neste Programa de voluntariado. Direcção regional Execução Financeira - Bolsas % Materiais Divulgação e Equipamentos Seguro Auditoria Total DRNorte ,00 35,51 DRCentro ,00 41,96 DRLVT ,00 9,36 DRAlentejo ,00 11,91 DRAlgarve 9.484,00 1,26 Totais , , , , ,80 Tabela 26 Execução Financeira do Programa em 2010 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 85

86 A Execução financeira mostra que cerca de 77% dos encargos financeiro estiveram adstritos às Direcções Regionais do Norte do Centro, como seria de prever. Os encargos com os jovens representam cerca de 96,0% do total e que as outras despesas representam cerca de 4,0%. Jovens envolvidos % Deflagrações detectadas % hectares limpos % Lixo recolhido. Sacos de 50 Lts % DRNorte , , , ,40 DRCentro , , , ,68 DRLVT 393 9, , , ,93 DRAlentejo , ,05 0 0,00 0 0,00 DRAlgarve 53 1,26 0 0,00 0 0,00 0 0,00 Totais Tabela 27 Jovens envolvidos no Programa e limpeza das florestas Participaram voluntários com maior incidência no Norte e no Centro, de acordo com as prioridades definidas. Foram detectados focos de incêndio. A Direcção Regional do Norte contribuiu com 64,04 % do total das detecções enquanto a DRLVT com 20,19 %. Efectuou-se a limpeza de 890 hectares de floresta, representando a Direcção Regional do Centro cerca de 50 % de toda a área limpa e procedeu-se à recolha, em sacos de 50 Litros, de sacos, com maior incidência na Direcção Regional do Norte que representou do total 40,40 %. Acções de Formação Direcções Regionais Norte Centro LVT Alentejo Algarve TOTAL Formações Tabela 28 Número de acções de formação realizadas para jovens voluntários Foram organizadas 261 acções de formação para jovens voluntários. Estas acções incidiram sobre temáticas relacionadas com as florestas e sobre voluntariado. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 86

87 5.3. Campos de Trabalho Internacionais (CTI s) Os CTI s visam promover a mobilidade e o intercâmbio através de actividades que incentivem a troca de experiências e o conhecimento de novas realidades socioculturais, facilitando o relacionamento de jovens portugueses com jovens de outros países, através da realização de campos de trabalho, dentro ou fora do território nacional. Destina-se a jovens residentes em Portugal, jovens de nacionalidade estrangeira e jovens lusodescendentes com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos. Campos de Trabalho Internacionais Projectos apresentados Aprovados Seleccionados Realizados Participantes Ilustração 38 Número de projectos apresentados, aprovados, seleccionados e realizados no âmbitos dos CTI s e número de participantes Verifica-se que os Campos de Trabalho Internacionais têm uma adesão bastante acentuada e procura por parte dos jovens estrangeiros. Em 2010, com a maior disponibilização de CTI s, aumentaram o número de inscrições. Tal significa que há uma grande apetência dos jovens de outros países para participarem em actividades em Portugal. DOTAÇÃO ATRIBUÍDA 2010 % DRNorte ,00 21,81 DRCentro ,50 48,64 DRLVT ,00 15,09 DRAlentejo ,00 8,10 DRAlgarve ,00 6,35 Totais ,50 Tabela 29 Dotação atribuída aos CTI s em 2010 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 87

88 A dotação atribuída é igual ao financiamento disponibilizado e está relacionada com o número de projectos aprovados. Verifica-se que a Direcção Regional do Centro teve um número de projectos aprovados igual a todas as outras Direcções Regionais. PROJECTOS 2010 Nº de projectos apresentados 69 Nº de projectos aprovados 39 Nº de projectos seleccionados 39 Nº de projectos cancelados 0 Nº de projectos realizados 39 Tabela 30 Projectos apresentados em 2010 Do total dos projectos apresentados (69) foram aprovados 39. Ou seja 56,0% das candidaturas apresentadas tiveram apoio financeiro do IPJ, I.P. Constata-se ainda que todos os projectos aprovados foram executados. ÁREAS do PROJECTO 2010 Arqueologia 4 Sócio - comunitária 26 Restauro e Património Histórico- Cultural 12 Ambiente 12 Outras de reconhecido interesse 0 Tabela 31 Projectos dos CTI s por áreas Os projectos de cariz Sócio-comunitário foram os predominantes, representando 66,6% do total dos projectos realizados. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 88

89 As áreas do Ambiente e do Restauro e do Património Histórico Cultural representaram 30,7%, cada, do total dos campos realizados. Este Programa permite desenvolver competências em torno de várias perspectivas com especial enfoque na multiculturalidade e diversidade. Permite, ao mesmo tempo um maior conhecimento da cultura do país e um relacionamento entre culturas propiciador de cidadania. Os Campos de Trabalho Internacionais são um bom veículo de transmissão da cultura portuguesa bem como da língua Voluntariado de Parceria Trata-se de projectos de voluntariado onde o IPJ, I.P. é o promotor ou não sendo promotor assume a selecção dos jovens bem como a formação genérica nas problemáticas ligadas ao voluntariado. Estes projectos são da responsabilidade da Sede ou dos Serviços Desconcentrados. Voluntariado de Parceria Projectos sede 6 5 Projectos DR s Participantes sede Participantes DR s Ilustração 39 Participantes e projectos realizados em Voluntariado de Parceria Constata-se que, no total, foram realizados mais projectos em 2010 do que em Foram ainda envolvidos mais jovens a partir dos projectos realizados através da sede e registou-se um aumento de cerca de 20% no total de jovens participantes. Dos projectos realizados salientam-se os seguintes: Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 89

90 Projecto Parcerias Objectivo Rock in Rio Better World Proporcionar aos jovens um contacto com o mundo do show Bizz, complementando as actividades ligadas a várias áreas, técnicas e de animação. Jovens com a Segurança Social Complemento Social do Idoso -Jovens Solidários Centenário da República Jogos da Selecção portuguesa de Futebol e outros organizados pela federação portuguesa de futebol Provas de triatlo Euroskills Instituto da Segurança Social e a Administração Central do Sistema de Saúde Comissão das Comemorações do Centenário da República Federação Portuguesa de Futebol Federação Portuguesa de Triatlo Instituto do Emprego e Formação Profissional Implementar o voluntariado jovem ao nível da Segurança Social, melhorando a relação dos utentes com os serviços, numa lógica de reforço da cidadania da coesão social; Acompanhar e informar os utentes sobre os serviços da Segurança Social. Programa que pretende implementar o voluntariado jovem de proximidade e intergeracional, promovendo simultaneamente o apoio e a coesão social Destina-se jovens dos 18 e os 30 anos, nos centros de saúde, junto da população mais idosa, divulgam um novo serviço social. Para além da divulgação, os jovens voluntários prestaram à população idosa toda a ajuda necessária para que a mesma possa aderir a este Serviço Envolver os jovens em várias tarefas relacionadas com os media, marketing, apoio a visitantes, apoio á sala de conferências Divulgar, fomentar e promover o voluntariado em geral e o desportivo em particular Apoio à organização das provas da Federação Apoio ao Campeonato do Mundo de Profissões, ás delegações dos países em concurso. Tabela 32 Projectos desenvolvidos em 2010 pelo IPJ, I.P. na área do Voluntariado Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 90

91 De entre os projectos mencionados, torna-se relevante destacar, pela transversalidade da acção, que proporcionou experiências activas aos jovens, através de contactos directos, quer com as profissões quer com outras realidades sociais e pelo contributo intergeracional: - EUROSKILLS em parceria com o IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional. O EuroSkills Lisboa 2010 Campeonato Europeu das Profissões visou: projectar uma imagem de qualidade dos diversos sistemas de formação profissional e suscitar o interesse dos jovens por esta via alternativa ao percurso escolar tradicional; a promoção da excelência para o reconhecimento das competências e talento dos melhores formadores e formandos da Europa; projectar a imagem de Portugal na Europa, em especial junto dos parceiros e de outras entidades, nomeadamente, junto de potenciais empregadores; estimular a qualidade de vida profissional, a mobilidade profissional e geográfica, e a reconversão e modernização das organizações através da divulgação dos mais recentes métodos, técnicas e instrumentos de trabalho; contribuir para dignificação e valorização das profissões, acompanhando a evolução do mercado de emprego - Complemento Solidário do Idoso e Jovens Solidários, em parceria com o ISS Instituto da Segurança Social. - Complemento Social do Idoso: Acompanhar e informar os utentes sobre os serviços da Segurança Social. - Jovens Solidário: Promover a divulgação da Medida CSI, que compreendeu as seguintes fases: 1. Distribuição da brochura informativa; 2. Esclarecimentos e informação sobre a prestação; 3. Disponibilização do modelo de requerimento; 4. Apoio no preenchimento do modelo de requerimento. 6.Participação e Cidadania 6.1. Parlamento dos Jovens O Parlamento dos Jovens tem como objectivos: Incentivar o interesse dos jovens pela participação cívica e política; Sublinhar a importância da sua contribuição para a resolução de questões que afectam o seu presente e o futuro individual e colectivo, fazendo ouvir as suas propostas junto dos órgãos do poder político; Dar a conhecer o significado do mandato parlamentar e o processo de decisão da Assembleia da República (AR), enquanto órgão representativo de todos os cidadãos portugueses; Incentivar as capacidades de argumentação na defesa das ideias, com respeito pelos valores da tolerância e da formação da vontade da maioria. A Temática abordada na última edição (2009/2010) foi A República. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 91

92 Parlamento dos Jovens Total Escolas Turmas Ilustração 40 Número de escolas e turmas envolvidas no Parlamento dos Jovens Parlamento dos Jovens 0 Alunos Lista eleitorais Eleitos sessões Escolares Eleitos Sessões Regionais Votantes Sessões Escolares Ilustração 41 Gráfico comparativo dos alunos inscritos nas listas eleitorais, dos alunos eleitos e dos votantes Em 2010, assistiu-se a um aumento do número de jovens participantes, nas diferentes fases do processo (sessões escolares, distritais e votantes nas sessões escolares). A mesma tendência verifica-se para as escolas participantes. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 92

93 Parlamento dos Jovens Fases 2009/2010 Direcção Regional Processo Eleitoral Sessões Distritais Totais Masc Fem Masc Fem. Masc Fem Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Tabela 33 Participação no Parlamento dos Jovens por género Constata-se que os jovens do género masculino participam mais do que os jovens do género feminino. Há 52,54% de indivíduos do sexo masculino a participar contra 47,46% do sexo feminino. Os dados recolhidos também mostram que a área geográfica de Lisboa e Vale do Tejo envolve mais de 50% dos jovens, masculinos e femininos, que participaram no programa Euroscola O Concurso Euroscola visa seleccionar as Escolas que participam nas Sessões Europeias do Programa Euroscola, organizado pelo Parlamento Europeu, que se traduz na realização de diversas Sessões de um dia no hemiciclo do Parlamento Europeu em Estrasburgo. A temática em 2010 centrou-se n A Luta Contra a Pobreza e a Exclusão Social e contou com a participação de 95 escolas portuguesas, num total, estimado de jovens Limpar Portugal Trata-se de um movimento cívico que teve como objectivo promover a educação ambiental por intermédio da iniciativa de limpar a floresta portuguesa no dia 20 de Março Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 93

94 de Este projecto foi apoiado pelo IPJ, I.P. através da aquisição de um seguro de acidentes pessoais para jovens que integrassem esta acção Conferência Jovens anos e Sinistralidade Rodoviária Esta conferência resultou de uma parceria com a Prevenção Rodoviária Portuguesa, tendo o IPJ, I.P. seleccionado os participantes e apoiado a deslocação dos jovens de todas as Direcções Regionais para Lisboa. Os objectivos da Conferência foram: Promover conhecimentos sobre temas relevantes para os jovens; Proporcionar o conhecimento de experiências estrangeiras Boas Práticas na promoção da segurança rodoviária para os jovens; Envolver técnicos e jovens numa abordagem conjunta dos problemas e riscos que os jovens normalmente enfrentam no trânsito; Promover um sentimento de identidade e compromisso dos jovens em relação aos valores e atitudes no âmbito da segurança rodoviária; Elaborar recomendações para implementação de medidas de prevenção rodoviária eficazes para protecção de jovens. Participaram 83 jovens oriundos de todo o País, tendo a sua participação sido apoiada pelos Serviços Desconcentrados do IPJ, I.P. 7.Saúde 7.1 Desenvolvimento do Programa Cuida-te Durante o ano de 2010 procedeu-se à consolidação da intervenção deste programa com a implementação de todas as medidas. Foram reforçadas as parcerias existentes e celebrado um novo protocolo com a APDES Agência Piaget para o Desenvolvimento com o objectivo de desenvolver uma intervenção conjunta de forma a promover a saúde global dos jovens, promover a assunção de hábitos de vida responsáveis e saudáveis, designadamente através da prevenção e redução dos riscos do consumo de substâncias psicoactivas e da intervenção na área da sexualidade. Atendimento e aconselhamento presencial (medida 1 e medida 4) Medida 1- Unidades Móveis Tendo contado como apoio do Alto Comissariado da Saúde para a aquisição das 5 Unidades Móveis (uma por região), o IPJ, I.P. abriu pela primeira vez candidaturas para esta medida. Foram recebidas 166 candidaturas e aprovadas 163. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 94

95 Medida 4 Gabinetes de Saúde Juvenil Durante o ano de 2010 foram reformulados 7 Gabinetes de Saúde com a nova imagem do Cuida-te. Para incrementar a valência da nutrição, foi estabelecida parceria com o CNJ, que apresentou o projecto de financiamento à Direcção-Geral de Saúde e que teve por objectivo, entre outros, a colocação de um nutricionista em todos os Gabinetes de Saúde Juvenil que prestaram apoio também às Unidades Móveis. MEDIDA 1 Unidades Móveis Candidaturas aprovadas Entidade Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Escolas Associações Juvenis Associações ONG IPSS Total Tabela 34 Candidaturas aprovadas na Medida 1 Unidades Móveis Área N.º de actividades realizadas Público-alvo envolvido Sexualidade Nutrição Consumos Total 416 * Tabela 35 Número de Actividades realizadas e participantes na Medida 1 *Nota: O número de actividades realizadas é superior ao número de candidaturas em virtude das actividades das Unidades Móveis não se limitarem à resposta das candidaturas recebidas, contemplando também outro tipo de iniciativas. Unidades Móveis Km percorridos U.M. Norte U.M. Centro U.M.LVT U.M.Alentejo U.M.Algarve Total 24,139km 18,460km 5,141km 13,624km 2,937km 64,298km Tabela 36 Quilómetros percorridos pelas unidades móveis Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 95

96 MEDIDA 4 Gabinetes de Saúde Juvenil Atendimentos Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Total de atendimentos Tabela 37 Número de atendimentos nos Gabinetes de Saúde Juvenil Sexo Total Masculino 14% Feminino 86% Total 100% Tabela 38 Distribuição por género dos jovens atendidos Faixa etária Total <12 1% ,7% % ,5% ,8% >25 5% Total 100% Tabela 39 Distribuição dos jovens atendidos por faixa etária Constatou-se ainda que o número de atendimentos nos Gabinetes de Saúde Juvenil aumentou, relativamente a 2009, como se pode verificar no gráfico comparativo. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 96

97 Nº de atendimentos Ilustração 42 Evolução do número de atendimentos face a 2009 A receptividade destas medidas pelas entidades promotoras e pelos jovens participantes foi muito significativa. As unidades móveis revelaram-se um recurso fundamental para as escolas como complemento de actividade na área da promoção da saúde juvenil e para o IPJ, I.P. nos vários eventos onde esteve representado feiras, festivais de Verão, etc. - e onde, com a associação desta medida, foi possível dar corpo a uma intervenção consistente em matérias de nutrição, sexualidade e consumos nocivos. Os Gabinetes de Saúde Juvenil continuam a posicionar-se como um recurso fundamental para os jovens, na medida que se constituem como um serviço de acesso simplificado e indiferenciado, factores facilitadores da sua procura. São ainda recursos que os técnicos de educação e saúde utilizam como fonte de encaminhamento por reconhecerem o facto de este ser um instrumento fundamental no atendimento aos jovens em matéria de saúde. A diversificação nas áreas de atendimento em muito têm contribuído para uma resposta eficaz das necessidades dos jovens em matéria de saúde juvenil, tendo tal vindo a ser possível devido à colaboração dos vários parceiros do programa Cuida-te. A colocação em funcionamento da Medida 1 permitiu aumentar exponencialmente o número de atendimentos em matéria de saúde juvenil. Formação (Medida 2) Nesta medida de acção foi mantida a parceria existente com a APF Associação para o Planeamento da Família. O facto de se ter potenciado a parceria com a APF e de ter existido continuidade no apoio de alguns dos parceiros do Cuida-te, designadamente o IDT Instituto da Droga e da Toxicodependência, possibilitou uma intervenção reforçada nesta medida. Em 2010, foram recebidas 220 candidaturas e aprovadas 203. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 97

98 Através desta medida, o programa Cuida-te e a intervenção em matéria de saúde juvenil foi alargada a outros programas do IPJ, I.P., designadamente ao programa Férias em Movimento. O objectivo desta iniciativa foi a realização de campos de férias em formato residencial e não residencial, tendo em vista a educação para a saúde e a promoção de estilos de vida saudáveis, com duração de 1 a 2 semanas. Para o cumprimento deste desiderato, adicionalmente à resposta às candidaturas do programa Cuida-te, foram ainda formados 170 monitores responsáveis pelo desenvolvimento dos campos de férias e pela execução das actividades. Candidaturas aprovadas Entidade Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Escolas Associações Juvenis Associações ONG IPSS Total Tabela 40 Candidaturas aprovadas no âmbito da Medida 2 Acções de formação por tema Temas Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Saúde Sexual e reprodutiva Consumos Nocivos Nutrição e Exercício Físico Educação para a Saúde Total Tabela 41 Número de acções de formação por tema Horas de formação 2010 Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total , ,5 Tabela 42 Horas de formação ministradas em cada Direcção Regional Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 98

99 Destinatários abrangidos Destinatários Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Jovens Professores Técnicos Outros Total Tabela 43 Número de destinatários abrangidos nas acções de formação , Candidaturas aprovadas 2009 Nº de horas 2010de formação Nº de destinatários Ilustração 43 Evolução da Medida A optimização da parceria com a APF, permitiu duplicar o número de destinatários abrangidos e triplicar o número de horas de formação ministradas em relação ao ano transacto. Esta medida foi muito bem recebida por todos os públicos, sendo os professores os mais entusiastas porque reconhecem neste recurso a possibilidade de adquirir competências e recursos conducentes à implementação de medidas consistentes na área da saúde juvenil. Formação Interpares (Medida 3: Teatro-debate) Em 2010 foi dada continuidade ao protocolo com a entidade sem fins lucrativos USINA e concebida a peça de teatro debate sobre nutrição, na qual se envolveu a Plataforma Contra a Obesidade. A disponibilização desta peça consolidou a oferta em matéria de teatrodebate, ficando disponíveis peças em todas as áreas de actuação do programa Cuida-te. Foram recebidas 325 candidaturas e aprovadas 175. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 99

100 Candidaturas aprovadas Entidade Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Escolas Associações Juvenis Associações ONG IPSS Total Tabela 44 Candidaturas aprovadas no âmbito da Medida 3 Peças e Público-alvo Direcção Regional N.º de Peças Total Pub. Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Tabela 45 Número de peças realizadas e público abrangido Nº de projectos Ilustração 44 Evolução do número de peças relativamente a 2009 A receptividade desta medida continua a revelar-se muito positiva, sendo esta a medida de acção que é recebida com mais entusiasmo e que mais efeitos manifesta no imediato. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 100

101 É sem dúvida um instrumento que funciona eficazmente no despoletar de dúvidas e de processos de esclarecimento a que não é alheio o cariz recreativo que encerra. A optimização da parceria existente com a USINA possibilitou um aumento significativo de acções em relação ao ano transacto. Apoio a Projectos (Medida 5) No ano de 2010 foi implementada, pela primeira vez, esta medida no terreno com a aprovação dos primeiros projectos a serem apoiados. Durante este ano foram valorados positivamente projectos apresentados por associações juvenis, que envolvessem jovens não escolarizados e que tivessem subjacente em todas as metodologias a implementar o conceito de educação pelos pares. Foram recebidas 83 candidaturas e aprovadas 47. Candidaturas aprovadas Entidade Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Escolas Associações Juvenis Associações ONG IPSS Total Tabela 46 Candidaturas aprovadas no âmbito da Medida 5 Valor do Apoio Norte Centro 25775,68 LVT 22202,38 Alentejo 11358,9 Algarve 8168,75 Total 89355,71 Tabela 47 Valor do apoio atribuído a Projectos Considerando que este foi o primeiro ano de funcionamento desta medida, constata-se que os projectos apresentados foram muito diversificados nas suas actuações e actividades, tendo surgido iniciativas muito interessantes e criativas. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 101

102 7.2. Sexualidade em Linha Durante o ano de 2010 esta linha de ajuda recebeu um total de chamadas, com uma maior percentagem de utentes do sexo feminino e com maior incidência na faixa etária anos. Sexo % de chamadas Feminino 76,14% Masculino 23,86% Tabela 48 Distribuição das chamadas por género Distribuição por faixa etária % S/ Inf 25,13% 12 a 14 2,70% 15 a 17 12,32% 18 a 25 29,77% Tabela 49 Distribuição das chamadas por faixa etária O serviço de atendimento telefónico, anónimo e confidencial, continuou a revelar-se um projecto interessante e um recurso importante para os jovens em matérias relacionadas com a saúde sexual e reprodutiva Iniciativa Tour Agarra a vida Em 2010, o Tour Agarra a Vida teve como principal objectivo a promoção de estilos de vida saudáveis e a promoção da igualdade de género, através da demonstração de desportos radicais, pretendendo demonstrar que é possível correr riscos e passar momentos divertidos com adrenalina mas de forma saudável e sem violência. O Tour esteve presente em 30 escolas (de norte a sul do país), com a demonstração de desportos radicais urbanos pelos melhores atletas nacionais. Considera-se que o projecto teve grande impacto nos estabelecimentos de ensino, dado que todos os alunos tiveram a possibilidade de assistir à iniciativa. Por outro lado, a presença dos melhores atletas nacionais com demonstração de desportos radicais motivou os participantes, Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 102

103 sendo desta forma possível proceder a uma sensibilização dos temas da saúde juvenil de forma lúdica e atractiva Serviço pergunta/resposta no Portal da Juventude e disponibilização de informação Como alternativa à Sexualidade em Linha, o Portal da Juventude oferece um serviço de resposta na área da sexualidade, anónimo e confidencial. Durante o ano de 2010 foram recebidas 3426 questões. Sexo Total Feminino 81,49% Masculino 18,51% Tabela 50 Distribuição por género das questões no serviço Pergunta-Resposta Relativamente à área temática da Saúde e Sexualidade, durante o ano de 2010 foram produzidos 55 novos conteúdos nas áreas da nutrição e consumos nocivos e foram revistos todos os conteúdos na área da sexualidade. A área da saúde no Portal da Juventude tem constituído um recurso importante para os jovens. Tem sido manifesta a preferência dos jovens pelo meio escrito, pois a sua utilização permite ao jovem ter um sentimento de segurança mais efectivo, uma vez que também ele é anónimo, não precisando o seu utente de dar sequer a sua voz. O interesse pelos conteúdos nesta área no Portal da Juventude tem sido também considerável sendo este, muitas vezes, o primeiro recurso que os jovens utilizam para retirar as suas dúvidas. 8. Aprofundar o conhecimento da realidade jovem 8.1. IPJ como Centro Português de Reconhecimento para as Políticas de Juventude a) O IPJ, I.P. assumiu, como uma das suas metas para 2010, criar condições para ganhar centralidade no processo de recolha, produção e difusão de conhecimento sobre a realidade jovem. Tratou-se, tal como se inscreveu no Plano de Actividades, de dar os primeiros passos organizativos, de que se destacam os contactos exploratórios com entidades públicas e privadas que, de algum modo, se relacionam com a matéria e, sobretudo, o processo que conduziu à publicação, já em 2011, da Portaria n.º 69/2011, de 8 de Fevereiro. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 103

104 A citada Portaria cria a Rede de Conhecimento para o Sector da Juventude (Rede) no âmbito de cuja actividade se espera registar avanços no aprofundamento, no alargamento e na actualização do conhecimento sobre a realidade jovem. Conhecimento que, para além de indiscutível valor em si mesmo, é indispensável instrumento para o cumprimento da missão do IPJ, I.P. ou seja, para a definição, a execução e a avaliação da política pública governamental de juventude. Competindo ao IPJ, I.P. a coordenação da Rede, seguir-se-á o estabelecimento de protocolos com as entidades parceiras. Como é óbvio, apenas o Relatório de Actividades de 2011 poderá enunciar e avaliar os avanços que se espera alcançar. b) O IPJ, I.P. representou Portugal nas reuniões EKCYP European Knowledge Centre for Youth Policy, a saber: - Joint Meeting of the European Network of Youth Researchers and the Correspondents of EKCYP (Bruxelas, 20 e 21 de Janeiro). - 6th Annual Meeting of the Correspondents of EKCYP (Bruxelas, 18 e 19 de Novembro). Registe-se que o prolongado debate de ideias que se seguiu ao Joint Meeting, debate em que o IPJ, I.P. participou activamente por correio electrónico, se revelou fundamental para dar consistência e contornos mais nítidos ao processo que levou à criação da Rede atrás referida. Na verdade, o Conselho da Europa e a Comissão Europeia, no quadro da sua parceria na área da juventude consubstanciada no EKCYP recomendaram e estimularam a criação de national networks on better knowledge of youth, isto é, redes nacionais que incrementem o conhecimento da realidade jovem, em ordem a: - Fornecer ao Centro Europeu de Conhecimento dados e informação fiáveis sobre a juventude de cada estado-membro permitindo, por essa via, a construção de uma imagem mais nítida da juventude europeia. - Propiciar que, doravante, tanto as grandes linhas da política europeia de juventude como as suas declinações executadas pelos diferentes estados-membros através das suas políticas nacionais, sejam baseadas na evidência, no conhecimento, na investigação. Foi esse passo decisivo que o IPJ, I.P. deu em 2010, iniciando um percurso que dará certamente os primeiros frutos em 2011 e, de forma mais expressiva, em 2012; porque em 2012 será publicado, pela Comissão Europeia, o 2.º Relatório Europeu de Juventude (2nd EU Youth Report) e a informação que nele constará sobre a juventude portuguesa há-de estar consolidada em indicadores que, em grande parte, compete ao IPJ, I.P. alimentar. c) A pertinente tarefa de reavaliar a bondade de indicadores pré-existentes e de criar outros indicadores que traduzam novas realidades da juventude foi objecto de fórum adequado. Foi assim que o IPJ, I.P. tomou assento, em representação de Portugal, no Working Group on Indicators in the Youth Field, funcionando sob a égide da Comissão Europeia, que teve Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 104

105 duas reuniões em 2010, ambas em Bruxelas, a primeira em 27 de Janeiro e a segunda em 26 de Abril. O debate que se seguiu, a troca de correspondência, o contributo dos diversos estadosmembros e, enfim, as decisões da Comissão Europeia levaram à construção de um dashboard de indicadores que já reúne um largo consenso e que aguarda validação numa terceira e última reunião, já agendada para o Outono de Actividade Internacional As relações internacionais na área da juventude têm permitido ao IPJ, I.P. projectar Portugal junto das organizações internacionais com actividades, iniciativas e programas orientados para os jovens. Esta presença na cena internacional potencia a partilha de experiências e de conhecimentos, bem como a participação em dinâmicas que no plano global marcam a actualidade das políticas orientadas para os jovens, com destaque para a Europa, África e espaço Ibero-Americano Actividade desenvolvida 1. União Europeia A acção no quadro da União Europeia tem sido marcada pelo assegurar da presença de nas reuniões de Directores-Gerais e Conferências de Juventude no quadro do Diálogo Estruturado, onde são definidas as grandes linhas de orientação das acções a levar a cabo para execução das medidas políticas dimanadas do Conselho Europeu. Para este efeito foi assegurada a presença nas reuniões que tiveram lugar no âmbito das Presidências da Espanhola e Belga, no primeiro e segundo semestre, respectivamente. No quadro das Presidências de turno, destacam-se os eventos seguintes, nos quais o IPJ, I.P. participou activamente: PRESIDÊNCIA ESPANHOLA (01 DE JANEIRO A 30 DE JUNHO): - Reunião do Grupo Juventude (Bruxelas, 26 de Janeiro); - Conferência de lançamento do Ano Europeu de Luta Contra a Pobreza e a Exclusão Social (Madrid, 21 de Fevereiro); - Reunião de Directores-Gerais e Conferência de Juventude (Jerez de la Frontera, 13 a 15 de Abril), marcada pela realização do primeiro encontro de Directores Gerais de Juventude da União Europeia e da América Latina. Os trabalhos realizados neste primeiro semestre resultaram na aprovação da Resolução do Conselho sobre inclusão activa dos jovens: combatendo o desemprego e a pobreza. PRESIDÊNCIA BELGA (01 DE JULHO A 31 DE DEZEMBRO): Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 105

106 - Conferência Europeia sobre Trabalho de Juventude (youth work) (Ghent, 5 a 7 de Julho); - Convenção Europeia sobre Trabalho de Juventude (youth work) (Ghent, 7 a 10 de Julho), para a qual o IPJ foi convidado para intervenção num dos painéis sobre a história das políticas de juventude em Portugal; - Reunião de Directores-Gerais e Conferência de Juventude (Luvaina, 2 a 4 de Outubro); - Conferência Juventude em Movimento alcançando a mobilidade para todos (Antuérpia, 5-6 de Outubro). Os trabalhos realizados no segundo semestre resultaram na aprovação de uma Resolução do Conselho sobre trabalho de juventude. Como Representante da Autoridade Nacional do Programa Juventude em Acção, o IPJ, I.P. assegurou o acompanhamento dos trabalhos da Agência Nacional do Programa, estando presente nas diversas reuniões de coordenação que tiveram lugar a nível europeu. PARTICIPAÇÃO DE UMA COMITIVA DAS LOJAS PONTO JA NOS XIV ENCONTROS ESTATAIS DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO JUVENIL: De 24 a 27 Maio, uma comitiva portuguesa composta por representantes do IPJ, I.P. participaram, a convite do INJUVE - Instituto de la Juventud de Espanha, nos XIV Encontros Estatais de Serviços de informação Juvenil, que decorreram no Centro Euro-Latino-Americano de Juventude (CEULAJ), em Mollina (Málaga). O evento é bianual, e reúne técnicos de informação das Comunidades e Cidades Autónomas de Espanha. Em 2010 versou o tema Da Informação à Comunicação em Redes Sociais. O Encontro teve como objectivos: Reflectir sobre os Serviços de Informação e as novas ferramentas de comunicação e a sua influência sobre os jovens. Propor directrizes a serem seguidas pelos Serviços de Informação para a Juventude: o fortalecimento das relações entre a escola e os jovens com uma interactividade, mais virtual. O Encontro foi relevante pela: Aprendizagem sobre a importância das Redes Sociais e da sua contribuição para reforçar a comunicação com os jovens e entre os jovens; Diversidade, dinamismo, movimento e multiplicidade que as redes sociais proporcionam; Aprendizagem de novos conceitos e troca de experiências entre o trabalho desenvolvido nos Centros de Informação em Espanha e em Portugal; Forma de explorar as redes sociais e delas tirar partido reconhecendo as suas vantagens e sabendo lidar com as desvantagens conhecendo os seus limites nomeadamente os éticos; Acolhimento por parte Espanha e ainda o local de realização do Encontro que possibilitou a reflexão, entrega e disponibilidade por parte de todos os participantes; Convívio entre colegas portugueses e espanhóis. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 106

107 Foram apresentadas experiências e projectos dos diferentes serviços de informação juvenil e foi reconhecida a necessidade de adequar o trabalho da rede de informação juvenil às questões colocadas pelos Jovens nas redes sociais europeias e mundiais. 2. Conselho da Europa O Conselho da Europa é uma organização que continua a produzir muita da reflexão e das acções orientadas para a juventude na Europa, associada ao facto de, em termos territoriais, ir mais além do que a própria União Europeia. O IPJ, I.P., em estreita colaboração com o Gabinete de SE o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, assegurou a representação nacional nas reuniões do Comité Director Europeu para a Juventude (CDEJ) e do Conselho Misto. No âmbito desta participação, na reunião realizada em Março, no Centro Europeu de Juventude de Estrasburgo, Portugal foi eleito para o Bureau do CDEJ, para um primeiro mandato de dois anos. Foi dado seguimento à presença no Comité de Programação, tendo sido determinante a intervenção do IPJ, I.P. na aprovação de projectos promovidos por organizações não governamentais portuguesas. Na sequência de um convite do Conselho da Europa, o IPJ, I.P. continuou a assegurar a representação do CDEJ nas reuniões do Grupo Internacional de Monitorização da Cimeira África-Europa de Juventude, designadamente na reunião de Mollina (Espanha), em Setembro, e na 2ª Cimeira África-Europa de Juventude que teve lugar em Tripoli, na Líbia, 25 a 28 de Novembro. Coube ainda ao IPJ, I.P. assegurar a representação de Portugal nas reuniões preparatórias da 9ª Conferência de Ministros Responsáveis pela Juventude do Conselho da Europa, prevista para S. Petersburgo, Federação da Rússia, em Para além destas acções, o IPJ, I.P. enviou um participante à Universidade de Verão do Conselho da Europa, que decorreu em Agosto, na Sérvia. 3. Comunidade de Países de Língua Portuguesa No quadro da CPLP, teve destaque em 2010 a realização em Maputo, Moçambique, da Conferência de Ministros Responsáveis pela Juventude e pelo Desporto da CPLP. Na Conferência foi apresentado e aprovado o plano de acção relativo à realização, em Luanda, Angola, em Junho de 2011, da Mostra de Jovens Criadores da CPLP. O Brasil foi eleito para o cargo de Presidente da Conferência. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 107

108 4. Organização Ibero-Americana de Juventude O IPJ, I.P. passou o testemunho como membro do Conselho Directivo da Organização, tendo estado presente na Conferência de Ministros Responsáveis da Juventude da OIJ, que teve lugar na República Dominicana, entre 8 e 10 de Dezembro. Para além desta, o IPJ. I.P. participou na reunião do Conselho Directivo da OIJ, realizada em Cádiz, Espanha, a 16 de Abril. 5. Protocolos e Acordos Bilaterais coordenados pelo MNE/Instituto Camões Trata-se do conjunto de instrumentos de cooperação bilateral estabelecidos entre a República Portuguesa e outros países, em cujo articulado é contemplada a área da Juventude. Em 2010, o IPJ, I.P. teve de se pronunciar sobre os textos negociados com os países constantes do mapa infra. Protocolos Bilaterais /Acordos Culturais e/ou de Cooperação com intervenção da área da Juventude Israel; Jamaica Jordânia; Lituânia; Macau; Moldávia; Mongólia Montenegro; Panamá; Peru; Qatar República Checa Arábia Saudita; Argélia Bolívia China; Chipre; Coreia do Sul Croácia Cuba Egipto Emirados Árabes Unidos Indonésia; Iraque República Dominicana Roménia; Rússia Senegal Sérvia; Singapura; Sultanato de Omã; Tailândia; Tunísia; Turquia Ucrânia Venezuela Vietname Tabela 51 Países que assinaram Protocolos bilaterais e Acordos Culturais e/ou de Cooperação com Portugal Regra geral, tem sido aceite que os compromissos assumidos na área da juventude se limitam à troca de informação e à promoção de um melhor conhecimento entre os jovens e as instituições dedicadas à execução das políticas de juventude dos países intervenientes. Por iniciativa do IPJ, I.P., está a ser compilada informação relativa aos interlocutores em cada país para a área da juventude, com vista a melhorar os circuitos de comunicação. Durante este período, Portugal e Espanha deram início às negociações tendentes à revisão do Protocolo Bilateral de Cooperação vigente desde 2008, de forma a torná-lo mais abrangente e actual em relação às dinâmicas transfronteiriças a que se tem assistido, particularmente dinamizadas pelas Direcções Regionais do IPJ, I.P. e as Regiões Autónomas da Raia. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 108

109 6. Outras actividades e iniciativas em relações internacionais O IPJ, I.P. participou com uma delegação na Conferência Mundial de Juventude, realizada em León, México, entre 24 e 29 de Agosto, assegurando a integração na mesma de jovens representantes da Federação Nacional de Associações Juvenis (FNAJ) e do Conselho Nacional de Juventude (CNJ). Destes, apenas pode participar o representante da FNAJ. Para além da participação activa nos grupos de trabalho e nos trabalhos preparatórios da Conferência, onde pontua a pré-conferência Europeia, promovida pelo Conselho da Europa, a 11 de Março, Portugal/IPJ, I.P. viria a desempenhar um papel crucial na coordenação dos trabalhos do Grupo Europa Ocidental, e nas ligações/negociações com o Grupo América Latina e África. Os trabalhos da Conferência decorreram, na generalidade, como programado. A outro nível, e a convite da Embaixada de Portugal na Venezuela, um representante do IPJ, I.P. participou no 1.º Encontro de Jovens Luso-Descendentes na Venezuela (Caracas, Novembro). Esta participação permitiu, por um lado apoiar aquela representação diplomática nos trabalhos junto da comunidade jovem luso-descente radicada naquele país em matérias como estudar, estagiar e trabalhar em Portugal, e, por outro, recolher elementos informativos essenciais para a estruturação de conteúdos informativos dirigidos àquele público-alvo no Portal da Juventude ERYICA e EURODESK ERYICA O IPJ, I.P. é membro de da ERYICA desde 1993 e ocupa actualmente um dos lugares do Conselho de Administração da Agência. Em 2010 foram desenvolvidas as seguintes actividades: a. Envio de documentação sobre eventos realizados em Portugal para o Spring e Autumn Bulletin b. Actualização do Infomobil c. Tradução de documentos de relevância d. Princípios da informação online para jovens e. Recomendação do Conselho da Europa sobre Informação para Jovens (Recomendação CM/Rec (2010) 8) adoptada pelo Conselho de Ministros em 16 de Junho de 2010 f. Participação de dois jovens portugueses, Jessica Lomba e Luís Pedro Esteves, no workshop realizado em Antalya, Turquia, entre 11 e 14 de Novembro, no âmbito do projecto ERYICA Segurança e qualidade na informação online para a juventude. Durante 2010, foi assegurada a participação em Reuniões do Conselho de Administração, que decorreram nas seguintes datas: Praga, 4 a 6 de Fevereiro de 2010 Viena, 22 a 24 de Abril de 2010 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 109

110 Foi igualmente assegurada a participação em Assembleias-gerais: Helsínquia, 2 a 6 de Junho de 2010 EURODESK A EURODESK é uma rede apoiada pela Comissão Europeia que visa levar informação aos jovens em áreas como educação, cultura, formação, emprego, programas e oportunidades na Europa, etc. Foi criado o Portal Europeu da Juventude que utiliza uma intranet facilitadora da comunicação entre os diversos parceiros e com um website dirigido em particular aos técnicos de informação aos jovens. Considerando os objectivos comuns no domínio da participação e informação dos jovens, a EURODESK participou em diversas actividades direccionadas especialmente para outros jovens. A EURODESK tem como parceiros as entidades da área da juventude das regiões Autónomas dos Açores e da Madeira. Em 2010, a EURODESK viu o seu plano de actividades aprovado apenas para metade do ano, no entanto, o trabalho e participação em actividades e eventos decorreu ao longo de todo o ano. São de assinalar as seguintes actividades: - Reuniões estatutárias: Assembleia-geral de Viena - Acções de Formação na Aplicação First Class: 1 participante (Bruxelas, Fevereiro) - Participação em Eventos /actividades: Feira Qualifica, Futurália, Festivais de Verão. De referir ainda que no âmbito do Programa de Estágios da EURODESK Itália, a EURODESK acolheu um estagiário no período de 1 de Junho a 1 de Outubro. Dada a reestruturação do Portal da Juventude, em 2010 o microsite EURODESK deixou de existir. 10. Serviços Desconcentrados O IPJ, I.P. tem desenvolvido projectos com as regiões transfronteiriças de Espanha, algo que continuou a verificar-se em Foram implementados os seguintes projectos: Espaço Juvenil Un espacio joven en la agenda de Lisboa (no âmbito da Cooperação Norte de Portugal / Galiza) - decorreram 19 acções desenvolvidas pela Direcção Regional do Norte Eurocidades Eurociudad Chaves-Verín (no âmbito da Cooperação Norte de Portugal/ Galiza) Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 110

111 - decorreram 2 acções desenvolvidas pela Direcção Regional do Norte Cooperação Juvenil Transfronteiriça_Transxuventude (no âmbito da Cooperação entre Portugal e Castilla y Leon) - parceria entre a Direcção Regional do Norte e a Direcção Regional do Centro da qual resultaram várias acções, entre as quais o Fórum Transfronteiriço do Empreendedorismo Jovem. Esta iniciativa decorreu em Novembro, na Guarda, e contou com a participação de mais de 1500 jovens em três dias. Euroace - decorreram ainda 3 acções desenvolvidas pela Direcção Regional do Algarve - decorreram 5 acções organizadas pela Direcção Regional do Centro em parceria com a Junta da Extremadura e em que se destaca a Escola de Cidadania Jovem 2010 (onde participaram 120 jovens). Estas acções reflectem o êxito e a aceitação que as iniciativas transfronteiriças têm tido junto dos jovens não só em termos de mobilidade mas também em termos de conteúdo, pois vão de encontro às problemáticas existentes em ambos os lados da fronteira. Além dos projectos transfronteiriços, as Direcções Regionais do IPJ, I.P. asseguraram a execução de diversas actividades e a presença em reuniões de juventude. Os quadros seguintes ilustram o que foi feito em Actividades nas Lojas Seminários, Colóquios, Conferências Exposições Ateliers / Workshops Acções de Formação Comemorações de Dias ou Semanas Temáticas DRN Concertos, Espectáculos Incl. nas Activ. Outras Actividades 69 DRC DRLVT DRAL DRA TOTAL Tabela 52 - Actividades nas Lojas por Direcção Regional Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 111

112 Parcerias Locais Presença em Reuniões CPCJ's Presença em Reuniões C. Mun. Educação Presença em Reuniões C. Mun. Juventude Presença em Reuniões C. Local de Acções Social Presença em Reuniões Plataformas Supra- Concelhias Reuniões de Cons. Consultivo Regional do IPJ DRN DRC DRLVT DRAL DRA TOTAL Tabela 53 - Presença das Direcções Regionais em reuniões 11. Análise da afectação real e prevista dos recursos Receitas próprias A evolução das receitas, por comparação com o ano transacto, está patente nas seguintes ilustrações: Evolução das receitas próprias , , , ,00 0, Ilustração 45 Evolução das receitas próprias Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 112

113 Receitas , , , , ,30 Tabela 54 Evolução das receitas As receitas apresentaram uma redução de, aproximadamente, 16,4%, face a 2009, o que representa, em termos absolutos, menos ,05 euros, pelo que importa detalhar a análise. Evolução das receitas relativas ao Jogo Ilustração 46 Evolução das receitas relativas ao Jogo O Instituto Português da Juventude, I.P. continua a estar dependente das receitas provenientes dos jogos (representam cerca de 80,3% da totalidade das receitas). No entanto, e em conformidade com o seguinte quadro, verifica-se que estas registaram uma quebra de 11,9%, embora inferior à taxa de redução global das receitas. S.C.M.L Bingo TOTAL , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,46 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 113

114 Tabela 55 Evolução das receitas relativas ao Jogo A tabela 42 ilustra a evolução das restantes receitas, as quais registaram um decréscimo, face a 2009, de quase 30%, correspondendo, em termos absolutos a uma diminuição, de cerca de euros. Neste agregado e no conjunto de receitas que o IPJ, IP tem tradicionalmente, observa-se uma redução praticamente em toda a sua linha de variedade, excepto em tipologias de receitas cuja importância é materialmente irrelevante: a) Inscrição Cursos ( ,51 ); b) Rendas Outras ( ,83 ); c) Aluguer de Espaços e Equipamentos ( ,78 ); e, d) Taxas Licenciamento de Alvarás (+2.950,00 ). Em Euros Classificação Designação Var (%) Económica Taxas Licenciamento de Alvarás 4.400, , , ,00 203,45% Taxas Diversas , , , ,77-43,66% Multas e Outras Penalidades - 105, ,00 #DIV/0! Outras Transf. Corr. Públicas ,59 #DIV/0! Transf. Corr. Privadas #DIV/0! Transf. Corr. Soc. Financeiras ,00 #DIV/0! Transf. Adm. Central Estado , #DIV/0! Transf. Adm. Central SFA Outras , ,25 #DIV/0! Transf. Adm. Central SFA , ,82 #DIV/0! Participação Comunitária Transf. Corr. A. Local ,50 #DIV/0! Transf. Corr. Seg. Social Outras , , ,00-74,19% Transf. Corr. Inst. S/Fins ,00-100,00% Lucrativos Transf. Corr. União Europeia , , , ,04-11,48% Transf. Corr. Países Terceiros #DIV/0! /07 Venda de Bens 1.519, , , ,24-73,88% Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 114

115 Venda de Bens - Outros 0 45, ,72-100,00% Aluguer de Espaços e , , , ,25 8,82% Equipamentos Inscrição Cursos , , , ,00 566,69% Vendas Diversas , ,73 6,1-100,00% Rendas Edifícios , , , ,00 0,00% Rendas Outras , , , ,52 22,16% Outras Receitas Correntes ,48 #DIV/0! Outras Transf. Cap. União Europeia #DIV/0! Outras Receitas Correntes , ,00% Indemnizações Transição de Saldos , , , ,00-94,86% , , , ,28-29,99% As principais causas para esta quebra são sobretudo as provenientes das seguintes tipologias de receita: a) Transição de Saldos ( ,84 ); b) Transf. Corr. Segurança Social Outras ( ,43 ), por via da redução dos montantes transferidos do Instituto de Segurança Social ao abrigo dos financiamentos dos programas de voluntariado CSI Complemento social do Idoso e Jovens com a Segurança Social ); e, c) Transf. Corr. da União Europeia ( ,86 ), por via do atraso na arrecadação dos financiamentos comunitários dos programas de cooperação transfronteiriça). Todavia, em contraponto a esta tendência, a rubrica Transferências da Administração Central SFA Outras apresenta o valor de ,80 e resultou das transferências do IFAP e do Alto Comissariado da Saúde ao abrigo dos financiamentos dos programas, Voluntariado Jovem para as Florestas e Férias em Movimento/Cuida-te, respectivamente Var (%) Aveiro 2.580, , ,00-37,0% Beja 206,20 453, ,00-54,5% Braga , , ,50-65,5% Bragança 8.840, , ,40-45,1% Castelo Branco 9.893, , ,11-35,7% Coimbra 6.217, , ,50-51,8% Tabela 56 Evolução de outras receitas (não relativas ao Jogo ) Tabela 57 Evolução de outras receitas (não relativas ao Jogo ) Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 115

116 Évora , , ,45-22,7% Faro 3.389, , ,55-67,2% Guarda , , ,90 51,5% Leiria , , ,50-48,9% Lisboa , , ,02 16,4% Portalegre 898, , ,75-87,5% Porto , , ,10 2,2% Santarém , , ,00-31,1% Setúbal , , ,04 32,5% Viana do Castelo 2.728, , ,58-3,2% Vila Real 9.445, , ,50-47,4% Viseu , , ,46 14,6% Sub-Total , , ,36-19,0% Tabela 58 Receitas por ex-delegação regional No que concerne aos serviços desconcentrados, as receitas por estes geradas representam apenas 3,9% das receitas totais geradas em 2010 e 19,7% do bloco de receitas próprias, excluindo as dos jogos. Neste ano, as receitas geradas por estes serviços totalizaram ,07, valor inferior ao verificado no ano anterior em cerca de 19%. Verifica-se que não há um padrão comum de quebra destas receitas, quando analisadas cada uma das direcções regionais de per si. A DR Lisboa e Vale do Tejo é aquela que apresenta normalmente as maiores receitas, por via do contributo de Lisboa (que é, por sua vez, tradicionalmente a ex-delegação que ocupa o lugar cimeiro na obtenção de receitas). Esta foi também a Direcção Regional que percentualmente manteve o volume das receitas das Direcções Regionais, pois ao contrário da média teve um crescimento de 16,4%, o que levou a que as receitas da Região LVT tivessem um crescimento agregado de 9,4%. Todas as outras regiões tiveram quebras, algumas com percentagens bastante significativas, como a DR Algarve com -67,2% e a DR Norte com -45,4% Receitas por Direcção Regional Algarve Alentej o Centro LVT Ilustração 47 Receitas por Direcção Regional Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 116

117 A nível distrital, e a contrariar o cenário de quebra, somente as ex-delegações regionais da Guarda, de Setúbal, de Viseu e do Porto tiveram, tal como Lisboa, taxas de crescimento positivo Var (%) Algarve 3.389, , , ,70-67,20% Alentejo , , , ,55-38,40% Centro , , , ,57-19,90% LVT , , , ,22 9,45% Norte , , , ,76-45,42% Sub-Total , , , ,80-19,03% Tabela 59 Receitas por direcção regional De notar que este desempenho favorável de Lisboa resulta, maioritariamente, do aumento sustentado das receitas decorrentes do aluguer de espaços, por contraposição à evolução inversa desta tipologia de receita na maioria dos outros Distritos, importando analisar as causas desse desempenho e, se possível, usa-lo como exemplo para benchmarking Despesa No que ao orçamento de funcionamento respeita, o quadro seguinte ilustra as dotações e as respectivas execuções: FF Dotação Corrigida Dotação Disponível Executado Saldo % Corrigida Disponível Corrigida Disponível , , , , ,62 95,47% 96,09% , , , , ,97 83,28% 99,78% , , , ,90 1,27 75,80% 100,00% ,00 0,00 0, ,00 0,00 0,00% 0,00% , , , ,17 0,00 10,76% 100,00% , , , ,91 1,14 92,23% 100,00% Total , , , , ,00 87,69% 97,63% Tabela 60 Orçamento de Funcionamento Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 117

118 A taxa de execução da dotação disponível, obtida no orçamento de funcionamento, situou-se em 97,63%, um valor elevado que resultou de um esforço conjugado das várias unidades orgânicas, aliada a uma gestão das alterações orçamentais que melhor correspondessem às necessidades de origens de fundos sentidas. Porém, pela análise mapa anterior constatamos que mesmo assim, o nível da execução orçamental obtido, nomeadamente em relação à dotação corrigida, poderia ser sido substancialmente melhor, pois não foi possível arrecadar os montantes inicialmente previstos em todas as fontes de financiamento de receitas próprias (tal como já explanado no ponto anterior). Os casos com maior gravidade pela sua dimensão foram os das fontes 123 e 131. No primeiro caso devido aos problemas com a quebra na arrecadação das receitas com os jogos e, no segundo, porque acabou por não ser arrecadada a segunda tranche das verbas protocoladas com o Alto Comissariado da Saúde ao abrigo do financiamento do programa Férias em Movimento/Cuida-te. Em termos percentuais (embora não com a dimensão em valores absolutos das duas anteriores), os piores desempenhos foram nas FF 221, relativa aos financiamentos FEDER no âmbito da Cooperação Transfronteiriça, que apresentou uma taxa de execução nula, e na FF 242, relativa aos financiamentos do Fundo Social Europeu, através das candidaturas ao POPH para financiamento do programa de formação do IPJ, I.P. FF Dotação Corrigida Dotação Disponível Executado Saldo % Corrigida Disponível Corrigida Disponível , , , , ,25 74,97% 99,84% , , , ,22 0,00 37,28% 100,00% , , , ,65 0,00 26,27% 100,00% Total , , , , ,25 58,44% 99,87% Tabela 61 Orçamento de Investimento (PIDDAC) Quanto ao PIDDAC, embora se tenha alcançado uma taxa de execução da dotação disponível bastante alta (99,87%), a situação em termos de execução das dotações corrigidas foi muito fraca (58,44%). A causa deste fraco desempenho resulta do Despacho de Setembro de 2010, do Sr. Ministro das Finanças, referente à proibição de assunção de mais compromissos com investimentos. Por outro lado, a verba recebida e executada da fonte de financiamento 212, refere-se à contrapartida FEDER do QREN, da candidatura Juventude 3in ao Programa Operacional Factores de Competitividade, da qual não foi possível arrecadar em tempo oportuno o Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 118

119 segundo pedido de pagamento de reembolso dessa contrapartida comunitária inviabilizando a continuação da sua execução. De realçar, como já foi referido, que a execução orçamental do exercício de 2010 foi caracterizada por boas taxas de execução orçamental, face aos montantes que nos foram disponibilizados, quer no orçamento de funcionamento, quer no PIDDAC, embora algo abaixo à dos anos anteriores. Adicionalmente, e como se pode constatar pelo gráfico que se segue, as dotações que nos foram disponibilizadas, tiveram um decréscimo em termos absolutos, nomeadamente a componente de receitas próprias cujo nível de arrecadação foi inferior ao esperado. Por esta razão há um decréscimo na evolução da execução, em termos absolutos. Em termos de execução global, o seguinte gráfico ilustra a evolução da execução do IPJ, I.P.: Ilustração 48 Evolução da Execução Orçamental (M ) No que concerne à execução orçamental, desagregada por actividades, segundo o controlo obtido por recurso à contabilidade de custos, e através da observação do seguinte gráfico, destaca-se imediatamente a preponderância de dois tipos de despesa: apoios ao associativismo, que representam quase 35% da despesa total do IPJ, I.P., e custos com Recursos Humanos com um peso de 27%. Ambas as tipologias perfizeram assim mais de 63% da despesa do IPJ, I.P. em Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 119

120 Ilustração 49 Execução orçamental de 2010 por tipologia de despesa De notar ainda que, no que se refere aos custos de funcionamento, se juntarmos aos custos com Recursos Humanos os custos de estrutura verifica-se que estes contribuem para mais de 37% da execução orçamental. DESIGNAÇÃO EXECUÇÃO % ASSOCIATIVISMO ,35 34,82% VOLUNTARIADO ,29 5,77% APOIO SOCIAL ,18 4,35% MOBILIDADE ,77 0,83% CULTURA ,62 1,48% PROMOÇÃO DE VIDAS SAUDÁVEIS ,56 2,35% EMPREGO E EMPREENDEDORISMO ,74 1,15% RELAÇÕES INTERNACIONAIS E COOPERAÇÃO ,18 3,05% PROMOÇÃO DA CIDADANIA 3.512,58 0,02% INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ,80 2,97% DESPESAS ACTIVIDADE - D. R. (Suportadas Pelos S.C.) ,29 0,06% DESPESAS ESTRUTURA - SERVIÇOS CENTRAIS ,65 7,39% DESPESAS ESTRUTURA - D. R ,08 2,19% RECURSOS HUMANOS ,11 27,45% COMPARTICIPAÇÕES IPJ ,77 2,56% INVESTIMENTO ,20 1,33% IVA ,51 0,21% DIRECÇÕES REGIONAIS - SUBORÇAMENTOS ,60 2,02% TOTAL ,26 100,00% Tabela 62 Execução orçamental de 2010 por tipologia de despesa Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 120

121 Por fim, de destacar que, no que se refere à dispersão temporal da execução, o IPJ, I.P. apresenta uma forte sazonalidade decorrente essencialmente das actividades de Verão, no âmbito dos programas destinados aos jovens, e também do pagamento de segundas tranches relativas a actividades no âmbito do associativismo entre outras, as quais se concentram no final do ano, conforme se pode verificar no seguinte gráfico: 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Ilustração 50 Execução Orçamental por Mês (M ) Situação Patrimonial Com a introdução, em 2010 de uma nova aplicação de contabilidade no Instituto Português da Juventude, I.P., a qual suporta não só a contabilidade Orçamental como também a Patrimonial e a Analítica, foi possível apresentar, pela primeira vez, as Contas deste Instituto de acordo com o POCP e com as Instruções nº 1/2004, da 2ª Secção do Tribunal de Contas. Pelo facto de 2010 ter sido o primeiro ano em que se registou a contabilidade patrimonial não será possível estabelecer análises comparativas a anos anteriores nestes indicadores. a) Balanço O Balanço constitui um mapa financeiro de grande importância porque espelha de forma adequada a situação patrimonial da organização, no final de cada exercício. Conta Designação Activo Bruto Amortizações Activo Líquido % IMOBILIZADO: 421 Terrenos e recursos naturais , ,59 24,20% 422 Edifícios e outras construções , , ,33 67,96% 423 Equipamento básico , , ,37 1,18% 424 Equipamento de transporte , , ,10 0,77% 425 Ferramentas e utensílios 9.403, , ,78 0,01% 426 Equipamento administrativo , , ,18 2,57% Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 121

122 429 Outras imobilizações corpóreas , , ,44 1,33% 411 Partes de capital , ,28 1,24% TOTAL IMOBILIZADO , , ,07 99,27% CIRCULANTE: 211 Clientes c/c 9.240, ,50 0,02% 13 Conta no Tesouro , ,24 0,72% TOTAL CIRCULANTE , ,74 0,73% TOTAL DO ACTIVO , , ,81 100,00% Tabela 63 Activo do IPJ, I.P. Observando o quadro do activo do IPJ, IP constata-se a preponderância do imobilizado no valor total, com um peso de 99,27%. Deste, a grande maioria corresponde a Edifícios e Outras Construções, com quase 68%, e Terrenos e Recursos Naturais, com mais de 24%. É nestes edifícios que estão instaladas as Pousadas da Juventude, geridas pela Movijovem, bem como os Serviços Desconcentrados do IPJ, I.P., presentes nos 18 distritos do Continente. Em comparação com o imobilizado o valor do activo circulante apresenta um peso quase residual de 0,73%. Ilustração 51 Activo do IPJ, I.P. Naturalmente, no que se refere aos fundos próprios e passivo a leitura é semelhante já que o valor dos Fundos Próprios, mesmo após descontar um resultado líquido do exercício negativo de ,96 euros, corresponde a quase 99% do valor total. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 122

123 FUNDOS PRÓPRIOS: 51 Património ,99 88 Resultado Líquido do Exercício ,96 TOTAL DOS FUNDOS PRÓPRIOS ,03 PASSIVO: 221 Fornecedores c/c -807,56 24 Estado e outros entes públicos ,76 26 Outros credores , Acréscimos de Custos ,75 TOTAL DO PASSIVO ,78 TOTAL FP E PASSIVO ,81 Tabela 64 Fundos próprios e passivo A nível do passivo destaca-se apenas a conta de Outros Credores, com um peso de pouco mais de 1%, correspondente a compromissos no âmbito do apoio ao associativismo que, pelas razões anteriormente expostas, não foi possível pagar até ao final do exercício. b) Demonstração de resultados A Demonstração de Resultados constitui o mapa financeiro que apresenta os resultados económicos da actividade da organização durante o exercício. Conta Designação Valor % 62 Fornecimentos de serviços externos ,48 15,46% Remunerações do Pessoal ,85 29,79% 643 a 648 Encargos sociais ,46 4,35% 63 Transf. Cor. concedidas e prest. Soc ,40 44,07% 66 Amortizações do exercício ,56 9,05% 68 Outros custos e perdas operacionais 6.753,53 0,03% 68 Custos e perdas financeiras 2.377,79 0,01% 69 Custos e perdas extraordinários ,04 4,95% 88 Resultado líquido do exercício ,96-7,71% TOTAL DOS CUSTOS E PERDAS ,15 100,00% Tabela 65 Custos e Perdas Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 123

124 Observando os custos e perdas do IPJ, I.P., confirmam-se as conclusões retiradas da análise da execução orçamental por tipologia de despesa. As transferências concedidas no âmbito do Programa de Apoio ao Associativismo Jovem são a maior parcela, contribuindo com 44% do total dos custos, seguidas dos custos com o pessoal, com um peso de quase 30%. Os fornecimentos e serviços externos pesam pouco mais de 15% e as amortizações do exercício perfazem 9%, sendo estas a principal razão para o resultado líquido do exercício ter sido negativo. Resultado líquido do exercício Custos e perdas financeiras Amortizações do exercício Encargos socias Fornecimentos e serviços externos -0,2-0,1 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 Ilustração 52 Custos e Perdas No que se refere aos proveitos e ganhos observa-se a dependência do IPJ, I.P. do financiamento do Estado, que contribui com mais de 60% desta rubrica, seguido pelas receitas provenientes dos jogos com 31,73%. As transferências, recebidas no âmbito de Protocolos para a realização de Programas de Voluntariado Jovem, entre outros, têm uma contribuição já superior a 5%. Conta Designação Valor % 71 Vendas e prestações de serviços ,53 0,12% 72 Impostos, taxas e outros ,78 31,73% 73 Proveitos suplementares ,85 1,44% 741 Transferências - Tesouro ,21 60,97% Outras Transferências ,78 5,22% 79 Proveitos e ganhos extraordinários ,00 0,52% TOTAL DOS PROVEITOS E GANHOS ,15 100,00% Tabela 66 Proveitos e ganhos A venda de bens e serviços, no valor de ,53 euros, e os proveitos suplementares, no valor de ,85 euros, correspondem conjuntamente a pouco mais 1,5% do total dos proveitos. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 124

125 Ilustração 53 Proveitos e ganhos 12. Actividades Transversais Área financeira, administrativa e de recursos humanos Plano de Formação O Plano de formação de 2010 do IPJ, I.P apenas previa a realização de 14 acções de formação dirigidas a 138 formandos, num total de 2688 horas de formação. Não obstante, realizaram-se 32 acções de formação, as quais foram frequentadas por 245 formandos, num total de 4888 horas de formação, cobrindo 12 áreas temáticas diferentes, nas regiões do Norte, Centro, Lisboa e Algarve. Curso Horas Nº Formandos Volume de Formação Previsto Volume de Formação Executado Comunicação e Marketing Gestão e Avaliação de Projectos Contratação Pública e Sistemas Contabilidade e Fiscalidade Associativa Atendimento ao Público POCP Marketing Público Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 125

126 Comunicação Institucional e Atendimento Entrevista de Avaliação de Competências Processamento de Vencimentos e Outros Abonos Plataforma de Gestão Documental I-Doc SINGAP SIAG - AP Relógio de Ponto Relógio de Ponto SIADAP Regime de Aposentação dos Trabalhadores que Exercem Funções Públicas Processamento de Suplementos Remuneratórios e Outros Abonos Regime de Férias, Faltas e Licenças Estatuto Disciplinar da Administração Pública Como Elaborar Regulamentos na Administração Pública Código do Procedimento Administrativo para Juristas Feitura das Leis ª Jornada para Chefias e Quadros Administrativos - O Novo Quadro do Emprego Público ao Longo do Ciclo de Vida Processamento de Vencimentos e Prestações Sociais A Protecção Social dos Trabalhadores que Exercem Funções Públicas Curso de Formação em Gestão Pública Internet - Da Informação à Transacção Electrónica Técnicas de Redacção Online - Internet, Intranet, Mail, Newsletter Total Tabela 67 Acções de Formação e número de formandos Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 126

127 O volume de formação inicialmente previsto era de 2688 horas, sendo que o volume de formação executada que se veio a verificar foi de 4888 horas. À excepção dos cursos de Comunicação e Marketing, SIAG AP e Relógio de Ponto em que o volume de formação executado ficou abaixo do volume de formação previsto, nos restantes cursos a taxa real de execução apresenta valores muito positivos, sendo que na maioria dos cursos a taxa real de execução foi superior a 100%. Salienta-se o facto de se terem realizado diversos cursos que não estavam previstos, o que originou que o volume final de formação executada seja muito superior ao volume de formação prevista. Note-se que os valores associados à formação não contemplam os custos de alojamento e transporte. Recrutamento de pessoal O mapa de pessoal de 2010 do IPJ, I.P previa a abertura de procedimentos concursais comuns tendo em vista o preenchimento de 30 postos de trabalho, 16 técnicos superiores, 2 especialistas de informática, 2 coordenadores técnicos, 7 assistentes técnicos e 3 assistentes operacionais, todos na modalidade de relação jurídica de emprego público titulada por contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado. O GRHAOC procedeu, no 2º semestre de 2010, à abertura de 13 procedimentos concursais comuns, tendo em vista o preenchimento de 25 de postos de trabalho, 16 na categoria de técnico superior, 7 na categoria de assistente técnico e 2 na categoria de assistente operacional, tendo um procedimento concursal comum para o preenchimento de um posto de trabalho de assistente operacional ficado logo concluído em Os restantes procedimentos concursais comuns encontram-se a decorrer, sendo previsível que fiquem concluídos no 1º semestre de O Despacho nº A/2010, de 7 de Outubro, veio impedir a abertura de procedimentos concursais para categorias superiores de carreiras pluricategoriais, bem como de procedimentos internos de selecção para mudança de nível ou escalão, razão pela qual não foram abertos todos os concursos previstos. Apoio aos Objectores de Consciência Ao Gabinete de Recursos Humanos e Apoio aos Objectores de Consciência compete prestar apoio técnico administrativo, documental e logístico à Comissão Nacional da Objecção de Consciência (C.N.O.C.), órgão administrativo central que, nos termos da lei 7/92, de 12 de Maio, reconhece o Estatuto de Objector de Consciência ao Serviço Militar e funciona na Sede do IPJ, I.P. No âmbito das suas competências: - Foram presentes à Comissão Nacional de Objecção de Consciência (CNOC) e deferidos por este órgão 332 processos de objecção de consciência; Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 127

128 - Foram presentes à Comissão Nacional de Objecção de Consciência (CNOC) e deferidos por este órgão 10 processos de renúncia ao estatuto; - Entraram na CNOC, no ano de 2010, 367 processos de objecção de consciência tendo em vista a obtenção do estatuto; Na sequência da candidatura do IPJ, I.P. ao SAMA Juventude 3IN, em 2008, foi identificada a necessidade de se proceder ao desenvolvimento e implementação de um conjunto de projectos de modernização e de alteração aos sistemas informáticos existentes, entre os quais a Aplicação de Objectores de Consciência. Aplicação de Despacho Electrónico Em 2010, foi lançado o Projecto de Gestão de Expediente e Despacho Electrónico com o objectivo de substituir a plataforma de Gestão Documental existente. Esta nova plataforma aplicacional traduziu-se numa ruptura com o passado e foi adequada aos processos optimizados do IPJ, I.P. em A implementação decorreu de forma bastante positiva tendo a entrada em Produção decorrido em 03 Janeiro de 2011 (ver Quadro em anexo, pág. 151). Alargamento do sistema de controlo de assiduidade às Direcções Regionais Em 2010, entrou em Produção a aplicação de gestão assiduidade, ao longo dos três primeiros meses de disponibilidade desta plataforma, verificou-se a necessidade de efectuar algumas correcções ao nível do software e respectivas funcionalidades, até atingir a estabilidade pretendida, tendo-se a posteriori realizado já uma actualização de versão (Upgrade). Implementação da Aplicação Informática SIAG AP Em 2010, entrou em Produção a plataforma aplicacional SIAG-AP, na vertente de despesa, numa óptica digráfica, adoptando-se o Plano Oficial de Contabilidade Publica (POCP), previsto no Decreto-lei n.º 232/97 de 3 de Setembro. Foram implementados os seguintes módulos: - Gestão Orçamental; - Processo de Despesa; - Tesouraria; - Produtos e existências; - Gestão do Imobilizado. Esta plataforma tem vindo a sofrer actualizações do ponto de vista de manutenção correctiva e evolutiva ao longo de 2010, no entanto o 1º trimestre de 2010 foi aquele em Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 128

129 que se verificou um maior número de actualizações de forma a responder às necessidades e compromissos do IPJ, I.P. Salienta-se que, após uma formação inicial no SIAG-AP aos utilizadores da Sede, realizada em Novembro de 2009, esta foi estendida aos utilizadores das regiões já no decurso de 2010, tendo-se conseguido expandir a utilização em produtivo da aplicação a todo o país Equipamento e infra-estruturas Continuação da reabilitação dos espaços Durante o ano 2010, o IPJ, I.P. com as verbas inscritas no projecto PIDDAC 811 DR Conservação e equipamentos, foram definidos os seguintes edifícios, com necessidade de correcção urgente de patologias: 1. DRA S.D. Portalegre Reparação das infiltrações nos Camarins 2. DRA Évora Reparações diversas 3. DRC Castelo Branco Reparação da cobertura 4. DRLVT S.D. Lisboa Reabilitação da impermeabilização da cobertura do auditório 5. DRLVT S.D. Santarém Impermeabilização do caminho de acesso à cobertura 6. DRN S. D. Braga Substituição do ramal de águas residuais 7. DRN S. D. Vila Real Reparações diversas 8. DRN S.D. Bragança Reparação da cobertura da sala polivalente 9. DRC - S.D. Aveiro Reparação das platibandas/fachadas 10. DRC S.D. Viseu Trabalhos diversos Das referidas necessidades, apenas foram realizadas as empreitadas dos seis primeiros edifícios identificados acima, sendo o valor dispendido de ,35 (IVA incluído). As restantes quatro, passaram para o ano 2011, devido ao Despacho do Sr. Ministro das Finanças, datado de 28 de Setembro de 2010, que veio determinar que os serviços do sector público administrativo, da administração central e da segurança social não podiam assumir novos compromissos no âmbito do Capitulo 50 Investimentos do Plano. As referidas empreitadas decorreram de acordo com o previsto, tendo os problemas identificados ficado resolvidos. Devido à verba inscrita em 2010, não houve intervenções nas restantes áreas indicadas no plano de actividades, nomeadamente, criação de gabinetes de saúde e adaptação de espaços culturais. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 129

130 Acções de melhoria dos Sistemas de Informação: Administração de Sistemas, Gestão Aplicacional, Networkin, Segurança, Helpdesk e Operação, Processos O Projecto Juventude 3 IN com financiamento QREN no âmbito do Programa Operacional Factores de Competitividade Sistema de Apoios à Modernização Administrativa (SAMA), permitiu ao IPJ, I.P. proceder a uma reestruturação profunda em tecnologias de informação, nomeadamente nos seus serviços informativos, interactivos, de navegação e de imagem. Do ponto de vista financeiro, o projecto tem uma candidatura aprovada no valor de ,98, dos quais ,72 de FEDER, tendo já apresentado dois pedidos de pagamento, no valor de ,58. Em 2010, na sequência da monitorização realizada no quadro do desenvolvimento do projecto Juventude 3 IN, e de acordo com as reuniões de acompanhamento do projecto, foi identificada a necessidade de proceder a uma reprogramação material, financeira e temporal do mesmo. O arranque tardio do projecto, a necessidade de reprogramação do mesmo e as dificuldades de execução financeira, na sequência das medidas de contenção do deficit determinadas pelo governo e que se consubstanciaram na redução das verbas disponíveis no orçamento de 2010, têm contribuído para o atraso verificado, prevendo-se a conclusão do projecto para Dezembro de Destaque ainda para outros projectos que ficaram implementados em 2010: Portal - A fase de estabilização do Portal da Juventude terminou na semana de 14 de Junho através da entrada em produtivo de algumas pequenas correcções. Foram revistos alguns pontos da acessibilidade e foram realizadas algumas melhorias; Biztalk Conclui-se o projecto iniciado em 2009; CRM Conclui-se o projecto iniciado em 2009; Objectores de Consciência Conclui-se o projecto iniciado em 2009; BI Foi iniciado o projecto que só será concluído em Rede WAN - realizou-se um Upgrade de Largura de Banda da VPN/IP ao nível de dados e voz, com vista a aumentar 4x os recursos disponíveis e substituir as Centrais Telefónicas existentes. Backups Foi instalado um novo Backup Server na Infra-estrutura de Blades com ligação à SAN e ao Robot de Backup, foi também implementada uma nova politica de Backups de acordo com os novos requisitos aplicacionais do IPJ; Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 130

131 Upgrade de Infra-estruturas de Blades e Networking - O IPJ, I.P. em 2010 efectuou também o reforço dos seus recursos computacionais através do Upgrade da sua Infraestrutura de Servidores Blade e na sua Infra-estrutura de Networking com a implementação do novo Switch de Core. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 131

132 Balanço Social Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 132

133 1. Caracterização de efectivos 1.1. Trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo a modalidade de vinculação e género Grupo/Carreira/ Modalidade de vinculação CT em Funções Públicas por tempo indeterminado CT em Funções Públicas a termo resolutivo certo Comissão de Serviço no âmbito da LVCR M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Tabela 68 Trabalhadores segundo a modalidade de vinculação e género Total Total O mapa de pessoal proposto para 2010 previa os seguintes cargos, carreiras e categorias: Dirigente; Técnico Superior; Especialista e Técnico de Informática; Assistente Técnico; Assistente Operacional. Na caracterização dos trabalhadores (330) foi tido em consideração todo o pessoal que presta funções neste organismo e que se encontra distribuído do seguinte modo: 323 trabalhadores em regime de contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado; 7 trabalhadores em regime de cedência de interesse público. Os Assistentes Técnicos ocupam a maior parte dos lugares com um total de 170, seguindose os Técnicos Superiores com 99 lugares e os Assistentes Operacionais com 43 lugares. As carreiras de Assistente Técnico e Técnico Superior representam assim 52% e 30%, respectivamente, do total de efectivos deste Instituto. No que se refere à análise de distribuição dos efectivos por género, observa-se uma predominância em absoluto do sexo feminino, que representa 75% dos efectivos Trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo o escalão etário e género Grupo/Carreira/Escalão < e mais Total Total Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 133

134 etário e Género M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Tabela 69 Trabalhadores segundo o escalão etário e género No que respeita ao número de trabalhadores do IPJ, I.P. de acordo com o escalão etário e género, há uma predominância clara do sexo feminino comparativamente ao masculino, sendo que a maioria dos trabalhadores do IPJ, I.P. se encontra no escalão etário dos 40 aos 44 anos. As categorias de Assistente Técnico e de Técnico Superior são as mais representativas neste escalão etário Trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo o nível de antiguidade e género Grupo/Cargo/Carreira/ < 5 anos > = 40 Total Tempo de Serviço M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F Total Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Tabela 70 Trabalhadores segundo o nível de antiguidade e género Relativamente ao número de trabalhadores do IPJ, I.P. segundo o nível de antiguidade e género, regista-se que a maioria dos trabalhadores se situa entre os 20 e os 24 anos e entre os 15 e os 19 anos de antiguidade na Administração Pública. As categorias de Assistente Técnico e de Técnico Superior são as mais representativas nestes níveis de antiguidade. Salienta-se o facto de apenas 11 trabalhadores terem até 5 anos de antiguidade na Administração Pública e de 20 trabalhadores terem entre 35 a 39 anos de antiguidade na Administração Pública Trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo o nível de escolaridade e género Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 134

135 Grupo/Cargo/Carreira/ Habilitação Literária <4 anos escolaridade 4 anos escolaridade 6 anos escolaridade 9.º ano ou equivalente 11.º ano 12.º ano ou equivalente Bacharelato Licenciatura Mestrado M F M F M F M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Tabela 71 Trabalhadores segundo o nível de escolaridade e género Quanto aos trabalhadores do IPJ, I.P. de acordo com o nível de escolaridade e género, verifica-se que os trabalhadores licenciados (32%) são o grupo mais representativo. Os trabalhadores detentores do 12º e 9º ano de escolaridade representam 26% e 18%, respectivamente, da totalidade dos trabalhadores. Há uma predominância clara dos trabalhadores do sexo feminino relativamente aos trabalhadores do sexo masculino. Na categoria de Técnico Superior os trabalhadores são detentores, na sua maioria, do grau de licenciado, enquanto na categoria de Assistente Técnico os trabalhadores são detentores, na sua maioria, do 12º ano de escolaridade Trabalhadores portadores de deficiência por grupo/cargo/carreira, segundo o escalão etário e género Grupo/Cargo/Carreira < e mais Total Total M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Tabela 72 Trabalhadores portadores de deficiência segundo o escalão etário e género Em relação aos trabalhadores do IPJ, I.P. portadores de deficiência, de acordo com o escalão etário e género, verifica-se que apenas 6 trabalhadores são portadores de deficiência. Existem dois Assistentes Operacionais portadores de deficiência que se situam nos escalões etários compreendidos entre os 40 e os 44 anos e entre os 55 e 59 anos, respectivamente. Há dois Assistentes Técnicos portadores de deficiência que se situam nos escalões etários compreendidos entre os 50 e 54 anos e entre os 55 e 59 anos, respectivamente. Relativamente aos Técnicos Superiores, encontram-se situados nos escalões etários compreendidos entre os 40 e 44 anos e os 55 e 59 anos, respectivamente. No que respeita ao género há um equilíbrio, dado que existem três trabalhadores masculinos e três femininos portadores de deficiência. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 135

136 Morte Morte/ Aposentação Limite de idade Conclusão sem sucesso do período experimental Cessação por mútuo acordo Exoneração a pedido do trabalhador Aplicação de pena disciplinar expulsiva Fim da situação de mobilidade interna Fim da situação de cedência de interesse público Cessação de comissão de serviço Outros Total Total 1.6. Trabalhadores admitidos e regressados durante o ano, por grupo/cargo/carreira e género, segundo o modo de ocupação do posto de trabalho ou modalidade de vinculação Grupo/Cargo/Carreira/ Modo de ocupação do posto de trabalho Procedimento concursal Cedência de interesse público Mobilidade interna a órgãos ou serviços Regresso de licença Comissão de Serviço CEAGP Outras situações Total Total M F M F M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Tabela 73 Entrada ou regresso de trabalhadores Quanto aos trabalhadores do IPJ, I.P. admitidos e regressados durante o ano de 2010, segundo o modo de ocupação do posto de trabalho ou modalidade de vinculação, verificase que foi admitido 1 trabalhador através de procedimento concursal, 5 trabalhadores através do regime de mobilidade interna, 1 trabalhador que regressou de Licença sem Remuneração e 2 trabalhadores por comissão de serviço. Há uma predominância de trabalhadores do sexo feminino relativamente aos do sexo masculino, em particular no âmbito do regime de mobilidade interna. A maioria das admissões registou-se nas carreiras de Assistente Técnico e Técnico Superior Saída de trabalhadores nomeados ou em comissão de serviço, por grupo/cargo/carreira, segundo o motivo de saída e género Grupo/Cargo/ Tabela Carreira/ 74 Motivos Saída de trabalhadores nomeados ou em comissão de serviço de saída (durante o ano) M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 136

137 Morte Caducidade (termo) Reforma/ Aposentação Limite de idade Conclusão sem sucesso do período experimental Revogação (cessação por mútuo acordo) Resolução (por iniciativa do trabalhador) Denúncia (por iniciativa do trabalhador) Despedimento por inadaptação Despedimento colectivo Despedimento por extinção do posto de trabalho Fim da situação de mobilidade interna Fim da situação de cedência por interesse público Procedimento concursal Total Total Relativamente à saída dos trabalhadores nomeados ou em comissão de serviço no IPJ, I.P. segundo o motivo de saída e género, regista-se que apenas se verificaram duas saídas em cargos dirigentes, sendo que uma foi de um dirigente superior e outra de um dirigente intermédio Saída de trabalhadores contratados, por grupo/cargo/carreira, segundo o motivo de saída e género Grupo/Cargo/Carreira/ Motivos de saída (durante o ano) M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assist. Operacional Informático Total Tabela 75 Saída de trabalhadores contratados Quanto à saída de trabalhadores contratados do IPJ, I.P. segundo o motivo de saída e género, a maioria das saídas verificou-se por motivo de reforma/aposentação (7). Também se registou a saída de 2 trabalhadores por limite de idade. Das saídas registadas, verifica-se uma predominância clara do sexo feminino (12) relativamente ao sexo masculino (3) Postos de trabalho previstos e não ocupados durante o ano, por grupo/cargo/carreira, segundo a dificuldade de recrutamento Grupo/Cargo/Carreira/ Dificuldades de recrutamento Não abertura de procedimento concursal Impugnação do procedimento concursal Falta de autorização da autoridade competente Procedimento concursal improcedente Procedimento concursal em desenvolvimento Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Tabela 76 Postos de trabalho previstos e não ocupados Total Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 137

138 Em relação aos postos de trabalho previstos e não ocupados durante o ano, segundo a dificuldade de recrutamento, verifica-se que o motivo principal se prende com o facto de se encontrarem em desenvolvimento 23 procedimentos concursais. Para além disso, por força de aplicação do Despacho nº A/2010, de 7 de Outubro, o IPJ, I.P. decidiu não proceder à abertura de 5 procedimentos concursais comuns que se encontravam previstos no mapa de pessoal Mudança de situação dos trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo o motivo e género Grupo/Cargo/Carreira/ Tipo de mudança Promoções (carreiras não revistas e carreiras subsistentes) Alteração obrigatória do posicionamento remuneratório Alteração do posicionamento remuneratório por opção gestionária Procedimento concursal Consolidação da mobilidade na categoria Total Total M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assist. Operacional Informático Total Tabela 77 Mudança de situação dos trabalhadores Relativamente às mudanças de situação dos trabalhadores, segundo o motivo e género, verifica-se que a maioria dos trabalhadores alterou a sua posição remuneratória por opção gestionária, sendo que apenas 1 trabalhador alterou obrigatoriamente a sua posição remuneratória e que 1 trabalhador ingressou no mapa de pessoal do IPJ, I.P por procedimento concursal comum. Regista-se que há uma predominância clara do sexo feminino (19) relativamente ao sexo masculino (3) Trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo a modalidade de horário de trabalho e género Grupo/Cargo/Carreira/ Horário Rígido Flexível Desfasado Jornada contínua Trabalho por turnos Específico Isenção de horário Total Total M F M F M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assist. Operacional Informático Total Tabela 78 Distribuição dos trabalhadores por horário de trabalho Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 138

139 Quanto aos trabalhadores do IPJ, I.P. de acordo com a modalidade de horário de trabalho e género, verifica-se que a maioria dos trabalhadores pratica horário flexível (117 trabalhadores do sexo feminino e 40 trabalhadores do sexo masculino). 107 trabalhadores praticam horário desfasado (lojas), sendo que 82 são do sexo feminino e 24 do sexo masculino. 41 trabalhadores têm jornada contínua, ao abrigo do regime da parentalidade, sendo que 40 são do sexo feminino e 1 do sexo masculino. Existem 20 trabalhadores com isenção de horário, 14 do sexo masculino e 6 do sexo feminino. Apenas 4 trabalhadores praticam horário rígido, sendo que apenas 2 trabalhadores (telefonistas) têm horário específico. Há uma predominância do sexo feminino comparativamente ao masculino na maioria das modalidades de horário. Nas modalidades de horário flexível e desfasado, as categorias mais representadas são as de Assistente Técnico e Técnico Superior Trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo o período normal de trabalho (PNT) e género Tempo Completo PNT inferior ao praticado a tempo Grupo/Cargo/Carreira completo Total horas Semana 4 Reg Outros horas dias especial Total M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assist. Operacional Informático Total Tabela 79 Distribuição de trabalhadores de acordo com o Período Normal de Trabalho Em relação aos trabalhadores do IPJ, I.P. segundo o período normal de trabalho e género, regista-se que a totalidade dos trabalhadores pratica o horário de trabalho a tempo completo (35 horas semanais) Horas de trabalho extraordinário, por grupo/cargo/carreira, segundo a modalidade de prestação de trabalho e género Grupo/Cargo/Carreira/ Modalidade de Prestação Trabalho Extraordinário Diurno Trabalho Extraordinário Nocturno Trabalho em dias de descanso semanal obrigatório Trabalho em dias de descanso semanal complementar Trabalho em dias feriados M F M F M F M F M F M F Dirigente Superior 1311:00 348:00 548:30 154: :30 502: :30 Dirigente Intermédio 50:12 914:00 74: :30 124: : :57 Técnico Superior Assistente Técnico Assist. Operacional Informático 235:48 61:30 322:54 202:48 558:42 264:18 823:00 Total Total Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 139

140 Casamento Protecção na parentalidade Falecimento de familiar Doença Acidente em serviço ou doença prof. Assistência a familiares Trabalhadorestudante Por conta do período de férias Com perda de vencimento Cumprimento de pena disciplinar Greve Injustificadas Outros Total Total 1597: :30 945: : : : :27 Tabela 80 Horas de trabalho extraordinário Relativamente ao número de horas de trabalho extraordinário realizadas pelos trabalhadores do IPJ, I.P. segundo a modalidade de prestação de trabalho e género, verifica-se que a maioria dos trabalhadores prestou trabalho extraordinário diurno (1597,00 horas prestadas pelos trabalhadores do sexo masculino e 1323,30 horas prestadas pelos trabalhadores do sexo feminino). Um número significativo de trabalhadores prestou trabalho extraordinário em dias de descanso semanal complementar: 945,39 horas foram prestadas pelos trabalhadores do sexo masculino e 1491,15 horas foram prestadas pelos trabalhadores do sexo feminino. Há uma predominância dos trabalhadores do sexo feminino relativamente aos do sexo masculino no que respeita ao número de horas de trabalho extraordinário prestado, sendo que as carreiras mais representadas são as de Assistente Técnico e Assistente Operacional, respectivamente Dias de ausência ao trabalho durante o ano, por grupo/cargo/carreira, segundo o motivo de ausência e género Grupo/Cargo/ Carreira Total Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assist. Operacional M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F Informático Total Tabela 81 Número de dias de ausência Quanto ao número de dias de ausência ao trabalho, segundo o motivo de ausência e género, verifica-se que a maioria dos trabalhadores do IPJ, I.P. faltou ao serviço por motivo de doença (3329 dias de ausência de trabalhadores do sexo feminino e 1176 dias dos trabalhadores do sexo masculino), por motivo de protecção na parentalidade (430 dias de ausência de trabalhadores do sexo feminino e 93 dias de ausência de trabalhadores do sexo masculino) e por conta do período de férias (308 dias de ausência de trabalhadores do sexo feminino e 49 dias de ausência de trabalhadores do sexo masculino). As carreiras de Assistente Técnico e Técnico Superior são aquelas em que se verifica um maior número de dias de ausência ao serviço. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 140

141 1.15. Trabalhadores em greve, por escalão de PNT (Período Normal de Trabalho) e tempo de paralisação Identificação da greve Data mm/dd PNT Âmbito (escolher da lista abaixo) N.º trabalhadores em greve Duração da paralisação (em hh/mm) 35 horas ,00 42 horas Semana 4 dias (DL 325/99) Regime Especial (DL 324/99) Outros Total ,00 Motivo(s) da greve Outras reinvindicações salariais Identificação da greve Data mm/dd Âmbito (escolher da lista abaixo) PNT Duração da N.º trabalhadores em paralisação (em greve hh/mm) 35 horas ,00 42 horas Semana 4 dias (DL 325/99) Regime Especial (DL 324/99) Outros Total ,00 Tabela 82 Trabalhadores em greve e motivos apresentados Motivo(s) da greve Outras reivindicações não especificadas Quanto aos trabalhadores em greve, por escalão de PNT e tempo de paralisação, verificouse que 28 trabalhadores fizeram greve, num total de 168 horas, por motivo de reivindicações salariais. 92 trabalhadores do IPJ, I.P. efectuaram igualmente greve, num total de 168 horas, devido a reivindicações não especificadas. 2. Recursos Financeiros 2.1. Estrutura Remuneratória por Género o Remunerações mensais ilíquidas (brutas) Período de referência: mês de Dezembro Excluindo prestações de serviço Número de trabalhadores Escalão de remunerações/género Masculino Feminino Total Até a Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 141

142 1001 a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a 6000 Mais de 6000 Total Tabela 83 Escalão de remunerações por género o Remunerações máximas e mínimas Remuneração Masculino Euros Feminino Mínima 549, Máxima 3.209, ,87 Tabela 84 Remunerações máximas e mínimas Relativamente à estrutura remuneratória, por género, verifica-se que o escalão remuneratório entre os 501,00 e os 1000,00 é o mais representativo, nele se incluindo 56% dos trabalhadores. 16% dos trabalhadores estão situados no escalão remuneratório entre os 1501 e No que respeita às remunerações mínima e máxima, verifica-se que são auferidas por trabalhadores do sexo feminino Total dos Encargos com pessoal durante o ano Encargos com pessoal Valor (euros) Remuneração base ,40 Suplementos remuneratórios ,45 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 142

143 Prémios de desempenho ,83 Prestações sociais ,17 Benefícios sociais 0,00 Outros encargos com pessoal ,99 Total ,84 Tabela 85 Encargos com o pessoal Quanto ao total dos encargos com pessoal durante o ano de 2010, verifica-se que os encargos relativos à remuneração base e às prestações sociais são os que representam um maior peso nos encargos totais com pessoal enquanto as despesas relativas a outros encargos com pessoal e prémios de desempenho são os que têm menor peso Suplementos remuneratórios Suplementos remuneratórios Valor (euros) Trabalho extraordinário (diurno e nocturno) ,87 Trabalho normal nocturno 0,00 Trabalho em dias de descanso semanal, complementar e feriados ,54 Disponibilidade permanente 0,00 Outros regimes especiais de prestação de trabalho 0,00 Risco, penosidade e insalubridade 0,00 Fixação na periferia 0,00 Trabalho por turnos 0,00 Abono para falhas 971,66 Participação em reuniões 0,00 Ajudas de custo ,40 Representação ,80 Secretariado 0,00 Outros suplementos remuneratórios 6.407,18 Total ,45 Tabela 86 Suplementos remuneratórios No respeitante aos suplementos remuneratórios auferidos pelos trabalhadores do IPJ, I.P. verifica-se que as despesas de representação são o suplemento remuneratório com maior peso enquanto o abono para falhas é o que tem menor peso Encargos com prestações sociais Prestações sociais Valor (euros) Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 143

144 Subsídios no âmbito da protecção da parentalidade (maternidade, paternidade e adopção) ,98 Abono de família ,85 Subsídio de educação especial 0,00 Subsídio mensal vitalício 0,00 Subsídio para assistência a 3.ª pessoa 0,00 Subsídio de funeral 0,00 Subsídio por morte 6.508,56 Acidente de trabalho e doença profissional 1.415,62 Subsídio de desemprego 0,00 Subsídio de refeição ,38 Outras prestações sociais 7.017,78 Total ,17 Tabela 87 Encargos com prestações sociais No que respeita aos encargos com prestações sociais, constata-se que o subsídio de refeição é a prestação social com maior peso enquanto o acidente de trabalho e doença profissional é a prestação social com menor peso no âmbito destes encargos Encargos com benefícios sociais Benefícios de apoio social Valor (euros) Grupos desportivos / casa do pessoal 0,00 Refeitórios 0,00 Subsídio de frequência de creche e de educação préescolar 0,00 Colónia de férias 0,00 Subsídio de estudos 0,00 Apoio sócio-económico 0,00 Outros benefícios sociais 0,00 Total 0,00 Tabela 88 Encargos com benefícios sociais Relativamente aos encargos com benefícios sociais, verifica-se que durante o ano de 2010, o IPJ, I.P. não teve qualquer encargo. 3. Formação Profissional 3.1. Acções de formação profissional realizadas durante o ano, por tipo de acção, segundo a duração Tipo de acção / duração Menos de 30 horas De 30 a 59 horas De 60 a 119 horas De 120 horas ou mais Total Interna Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 144

145 Externa Total Tabela 89 Acções de Formação Profissional Quanto às acções de formação profissional realizadas durante o ano de 2010, por tipo de acção, segundo a duração, apenas se realizaram acções externas. A maioria das acções de formação profissional teve uma duração inferior a 30 h (231). Realizaram-se 13 acções de formação com uma duração entre 30h a 59 h e 1 acção de formação com duração superior a 120h Contagem relativa a participações em acções de formação durante o ano por grupo/cargo/carreira, segundo o tipo de acção Grupo/cargo/carreira Acções internas Acções externas Total N.º de participações N.º de participações N.º de participantes Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Total Tabela 90 Participação em acções de formação internas e externas Relativamente às participações em acções de formação, segundo o tipo de acção, verificase que a maioria dos trabalhadores do IPJ, I.P se encontra integrado nas carreiras de Assistente Técnico e Técnico Superior, sendo de relevar o número significativo de participações que se registou, correspondendo a 74% dos efectivos do IPJ, I.P Contagem das horas despendidas em formação durante o ano, por grupo/cargo/carreira, segundo o tipo de acção Grupo/cargo/carreira Horas despendidas em acções internas Horas despendidas em acções externas Dirigente Superior 0 0 Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional 0 38 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 145

146 Informático 0 0 Total Tabela 91 Horas despendidas em formação O IPJ, I.P. despendeu 4888 horas em acções de formação externas. Foram despendidas 1845 e 2624 horas de formação dirigidas às carreiras de Técnico Superior e de Assistente Técnico, respectivamente. A carreira de Assistente Operacional foi aquela em que se verificou um menor volume de formação, designadamente de 38 horas Despesas anuais com formação suportadas pelo IPJ, I.P. Tipo de acção Valor (euros) Despesas com acções internas 0,00 Despesas com acções externas 7.512,00 Total 7.512,00 Tabela 92 Despesas com formação Relativamente às despesas anuais com formação suportadas pelo IPJ, I.P. foram gastos 7.512, Relações Profissionais Relações profissionais Número Trabalhadores sindicalizados 100 Elementos pertencentes a Comissões de Trabalhadores Total de votantes para Comissões de Trabalhadores Tabela 93 Relações profissionais Quanto às relações profissionais verifica-se que o IPJ, I.P. tem um total de 100 trabalhadores sindicalizados, representando 30% do total de trabalhadores. 5. Disciplina Disciplina Número Processos transitados do ano anterior 2 Processos instaurados durante o ano Processos transitados para o ano seguinte Processos decididos - total 2 Arquivados 1 Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 146

147 Repreensão escrita Multa 1 Suspensão Demissão Despedimento por facto imputável ao trabalhador Cessação da comissão de serviço Tabela 94 - Disciplina Relativamente à disciplina no ano de 2010, verifica-se que foram decididos 2 processos, tendo um sido arquivado. Foi aplicada uma pena disciplinar de multa. 6. Considerações Finais Analisando de forma sintética os dados relativos a 2010 conclui-se que o número global de trabalhadores deste Instituto tem vindo a decrescer nos últimos anos. Comparando o exercício de 2010 com o de 2009, verificou-se um decréscimo no número de trabalhadores, passando de 339 no ano de 2009 para 330 no ano de Tem sido, aliás, a tendência da última década, verificando-se que em 2010 o IPJ, I.P. conta com menos de metade dos efectivos de que dispunha em 2000 (681). Quanto aos recursos financeiros, o total de encargos com os trabalhadores no ano de 2010 foi menor do que em 2009, registando um total de ,84 contra ,35 no ano anterior. O absentismo foi mais elevado do que no ano anterior, tendo-se registado um total de 6788 faltas, contra 6533 em 2009, sendo que a doença representou 66% do total do absentismo. No que respeita à formação profissional, no ano de 2010, o IPJ, I.P. investiu ,24. Importa, contudo, referir que, do investimento realizado, apenas 7.512,00 se deveram a fundos próprios do Orçamento de Estado, tendo o restante financiamento sido suportado pelo POPH. O volume de formação cresceu, de 2009 para 2010, passando de 4150 h para 4888 h, com os consequentes ganhos de eficiência. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 147

148 Avaliação Final Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 148

149 O ano de 2010 foi um ano fortemente marcado pela redução do orçamento global do IPJ, I.P. quer na componente OE e PIDDAC, quer na componente de receita próprias. Deste modo, toda a actividade foi desenvolvida com um forte pendor de controlo de custos e uma gestão cuidada de pormenor. Contudo, tal não invalidou que os objectivos tivessem sido na sua totalidade cumpridos, pelo que se entende que o IPJ, I.P. deve ter uma classificação global de Bom. Do desempenho do IPJ, I.P. em 2010 são de salientar os seguintes aspectos mais relevantes: 1. Lançamento de uma nova release do Portal de Juventude, muito mais abrangente em conteúdos e funcionalidades, para além de uma imagem renovada e uma navegabilidade mais lógica, o que se traduziu numa procura crescente de utilizadores por via directa ou através das redes sociais. Esta dinâmica da actividade de informação motivou naturalmente também mais contactos presenciais nas lojas Ponto JA, assim a importância do IPJ, I.P. como first stop shop junto dos jovens. 2. Considerando o posicionamento transversal do IPJ, I.P. em matéria de política pública de Juventude, mas também a sua relação permanente com os parceiros locais e regionais, mais uma vez a actividade em 2010 foi desenvolvida em parceria com muitas entidades, tendo-se intensificado essa parceria em quantidade, mas também no sentido do seu aprofundamento. 3. A importância da estrutura regional do IPJ, I.P. para o desenvolvimento é inegável. Assim, as lojas Ponto JA e toda a Infra-estrutura adjacente constituem em 2010 mais um forte apoio na realização de actividades, nomeadamente de Jovens criadores e associações juvenis para acções de formação e actividades diversas. 4. Relativamente aos Indicadores de eficiência, os números falam por si. Contudo, é de realçar a gestão rigorosa e cuidada de todos os processos e procedimentos que ocorrem no IPJ, I.P. 5. No que diz respeito à Qualidade o ano de 2010 constituiu mais um ano de progressão na procura de uma maior satisfação dos utentes, objectivo que foi atingido. Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 149

150 Anexos Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 150

151 Ilustração 54 Calendarização do Projecto de Gestão Documental Relatório de Actividades 2010 IPJ, I.P. Página 151

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007)

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) ( DR N.º 85, Série I 3 Maio 2007 3 Maio 2007 ) Emissor: Presidência do

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

Relatório de Integração 11/2013 VMER & SIV. Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro

Relatório de Integração 11/2013 VMER & SIV. Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro 11/2013 Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro Ponto 7: O INEM, I. P., apresentar um relatório anual ao membro do Governo responsável pela área da saúde que permita a análise interna e a melhoria contínua

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Rua de Santa Margarida, n.º 6 4710-306 Braga Tel: 253 204 250 Fx: 253 204 259

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Breve caracterização da Direção-Geral das Artes... 3 1.2 Missão, Visão, Valores... 5 1.3 Identificação das Partes Interessadas... 5 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPDJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Antiga Estação de Comboios Av. D. João IV Urgeses 4810-534 Guimarães Tel.

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

ARRENDAMENTO JOVEM Mais e melhores oportunidades

ARRENDAMENTO JOVEM Mais e melhores oportunidades Mais e melhores oportunidades 2 3 PREENCHIMENTO DOS RENDIMENTOS COM BASE NA DECLARAÇÃO DE IRS DESTE ANO APOIO ATÉ 50% DAS RENDAS O Programa Porta 65 Jovem tem como objectivo regular os incentivos a atribuir

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: SI Inovação e SI Qualificação PME Abertura de concursos para apresentação de candidaturas

CIRCULAR. Assunto: SI Inovação e SI Qualificação PME Abertura de concursos para apresentação de candidaturas CIRCULAR N/ REFª: 62/09 DATA: 15/07/2009 Assunto: SI Inovação e SI Qualificação PME Abertura de concursos para apresentação de candidaturas Exmos. Senhores, Vimos informar que estão abertos concursos para

Leia mais

ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO DAS ACÇÕES...4. PERGUNTAS FREQUENTES - FAQs...5 CALENDÁRIO DE ACÇÕES.

ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO DAS ACÇÕES...4. PERGUNTAS FREQUENTES - FAQs...5 CALENDÁRIO DE ACÇÕES. Empresa de Gestão Partilhada de Recursos da Administração Pública, EPE Instituto Nacional de Administração, IP Março 2010 Índice ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Gestão Integral de Recuperação de Créditos Imobiliários - GIRCI

Gestão Integral de Recuperação de Créditos Imobiliários - GIRCI Gestão Integral de Recuperação de Créditos Imobiliários - GIRCI A atual conjuntura do mercado imobiliário é uma janela de oportunidade para criar novas soluções. Soluções que tragam eficiência e optimização.

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE INVESTIMENTOS NA ÁREA DA SAÚDE DOMÍNIO DA INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS Decreto-Lei 54-A/99, de 22 de Fevereiro Lei 162/99, de 14 de Setembro Decreto-Lei 315/2000, de 2 de Dezembro Decreto-Lei 84-A/2002, de 5 de Abril Subgrupo de Apoio

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Maria Júlia Ladeira 26 de Maio 2007

Maria Júlia Ladeira 26 de Maio 2007 Jornadas dos Administrativos da Saúde A estratégia té do IGIF para as TI na Saúde Maria Júlia Ladeira 26 de Maio 2007 A estratégia do IGIF para as TI na Saúde Programa de Transformação dos SI da Saúde

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, Instituto Público PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Índice Introdução... 3 1. Atribuições, organograma e identificação

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Homologo. Homologo. Secretária de Estado da Igualdade /alter Lemos Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Balanço 2009/2010 No segundo ano (2009/2010) de implementação do projecto Nestum Rugby nas Escolas, projecto este que resulta da parceria entre a Federação Portuguesa

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2012 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos do Regulamento do SAMA, a apresentação

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

Relatório Anual de Atividades

Relatório Anual de Atividades Direção de Serviços de Recrutamento e Assuntos do Serviço Militar DIVISÃO DE ASSUNTOS DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Centro de Informação e Orientação para a Formação e o Emprego Relatório Anual

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO ÁREA DA JUVENTUDE

PROGRAMA DE GOVERNO ÁREA DA JUVENTUDE PROGRAMA DE GOVERNO ÁREA DA JUVENTUDE JUVENTUDE - NÓS SOMOS AÇORES Ser jovem açoriano hoje é muito diferente do que era há apenas 10 anos. Os desafios desta década são desafios globais. Competir na qualificação,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Balanço Social. Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.

Balanço Social. Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. 203 Balanço Social Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Índice Índice.... Introdução... 3.. O Balanço Social... 3.2. Apresentação do IPDJ... 4.2.. Enquadramento legal e atribuições... 4.3.Organização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP PROGRAMA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 3ª EDIÇÃO Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP Cristino Sanches Praia 12 a 26 de Abril 2011-1- OBJECTIVOS 1 Conhecer o quadro legislativo

Leia mais