UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CLAUDIA PAIVA CARNEIRO DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CLAUDIA PAIVA CARNEIRO DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CLAUDIA PAIVA CARNEIRO DA SILVA O AMICUS CURIAE NA SUPREMA CORTE AMERICANA E NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL BRASILEIRO: um estudo de direito comparado RIO DE JANEIRO 2011

2 Cláudia Paiva Carneiro da Silva O AMICUS CURIAE NA SUPREMA CORTE AMERICANA E NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL BRASILEIRO: um estudo de direito comparado Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Direito, Faculdade Nacional de Direito, Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Direito Orientadora: Margarida Maria Lacombe Camargo Rio de Janeiro 2011

3 FICHA CATALOGRÁFICA S586 Silva, Claudia Paiva Carneiro da. O Amicus Curiae na Suprema Corte Americana e no Supremo Tribunal Federal Brasileiro: um estudo de direito comparado / Cláudia Paiva Carneiro da Silva f. Dissertação (Mestrado em Direito) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade Nacional de Direito, Rio de Janeiro, Orientadora: Margarida Maria Lacombe Camargo 1. Controle da constitucionalidade. 2. Amici curiae - Direito comparado. 3. Direito - Teses. I. Camargo, Margarida Maria Lacombe (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade Nacional de Direito. III. Título. CDD

4 Cláudia Paiva Carneiro da Silva O AMICUS CURIAE NA SUPREMA CORTE AMERICANA E NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL BRASILEIRO: um estudo de direito comparado Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Direito, Faculdade Nacional de Direito, Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Direito Aprovada em Margarida Maria Lacombe Camargo Orientadora Faculdade Nacional de Direito - UFRJ José Ribas Vieira Faculdade Nacional de Direito - UFRJ Ana Lúcia de Lyra Tavares Departamento de Direito PUC-Rio

5 DEDICATÓRIA Ao meu pai

6 AGRADECIMENTOS À professora Margarida Maria Lacombe Camargo pelo tema e pela imprescindível orientação, sempre atenta e precisa. À professora Ana Lúcia de Lyra Tavares pelo decisivo e fascinante aprendizado do direito comparado. Aos professores do Programa de Pós-Graduação em Direito da Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro pelo aprendizado, especialmente ao professor José Ribas Vieira pelo exemplo de dedicação à pesquisa. Aos colegas do Programa de Pós-Graduação em Direito da Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialmente Flávia e Bernardo pelo companheirismo. Ao Procurador-Chefe da Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região, Dr. José Antonio Vieira de Freitas Filho, pelo inestimável apoio. À Procuradora do Trabalho, Doutora Daniela Ribeiro Mendes, pelo incentivo fundamental. Aos meus irmãos Valéria e Carlos pela colaboração. Ao meu marido Marcelo e aos meus filhos Guido e Ivan por tudo.

7 RESUMO SILVA, Cláudia Paiva Carneiro da. O Amicus Curiae na Suprema Corte Americana e no Supremo Tribunal Federal Brasileiro: um estudo de direito comparado. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Direito) - Faculdade Nacional de Direito, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, O objetivo desta pesquisa é ampliar o olhar crítico sobre o amicus curiae na jurisdição constitucional brasileira através da comparação com o mesmo instituto na jurisdição constitucional americana. A pesquisa inova pela análise empírica realizada, fundamental para as conclusões de pesquisa sobre um instituto que está sendo construído na prática do Supremo Tribunal Federal (STF). Em ambas as dimensões comparadas teórica e prática, encontramos semelhanças e diferenças significativas. Uma das diferenças consiste na relevância da participação de amici curiae na fase de certiorari da Suprema Corte americana comparada à total ausência deles na análise de repercussão geral pelo STF. Quanto ao interesse, na Suprema Corte, os amici partidários são aceitos e esperados, enquanto no STF, há ainda indefinição quanto ao interesse esperado, se neutro ou partidário. Em relação aos procedimentos, uma diferença a favor do instituto brasileiro foi constatada: a sustentação oral é mais restrita nos Estados Unidos que no Brasil. Quanto à função exercida na jurisdição constitucional, no Brasil, a verdadeira função do amicus curiae parece ser dar legitimidade às decisões do Supremo Tribunal Federal. Os casosreferência reforçam as conclusões quanto à ausência de função democrática e predominância de função legitimadora do amicus curiae brasileiro. A pesquisa conclui que os amici curiae são efetivamente importantes no processo decisório da Suprema Corte americana, mas ainda não o são no Supremo Tribunal Federal. Palavras-chave: Amicus curiae. Hermenêutica Constitucional. Direito Constitucional Comparado.

8 ABSTRACT SILVA, Cláudia Paiva Carneiro da. O Amicus Curiae na Suprema Corte Americana e no Supremo Tribunal Federal Brasileiro: um estudo de direito comparado. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Direito) - Faculdade Nacional de Direito, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, This research extends a critical look at the amicus curiae in Brazilian constitutional jurisdiction by comparing it with the same institute in American constitutional jurisdiction. The research breaks new grounds of empirical analysis, critical to the findings of an institute that is being constructed in the practice of the Supremo Tribunal Federal (STF). In both dimensions compared - theory and practice - we find similarities and differences. One difference is the importance of the participation of amici curiae in the certiorari stage of the Supreme Court compared to the total absence of them in the analysis of overall impact by the STF. As for the interest, at the American Supreme Court, the partisan amici are accepted and expected, while at the Brazilian Court there is still uncertainty about the value expected if neutral or partisan. As far as procedures are concerned, a difference in favor of the Brazilian institute was observed: the oral argument is more restricted in the United States than in Brazil. As to the function performed in a constitutional court, in Brazil, the true function of the amicus curiae seems to be to give legitimacy to the decisions of the Brazilian Court. The reference cases reinforce the conclusions about the lack of democratic function and prevalence of the legitimizing function of the amicus curiae in Brazil. This research leads to the conclusion that the amici curiae are indeed important in the decision making of the American Supreme Court, but they are not so, yet, on the Brazilian Supremo Tribunal Federal. Keywords: Amicus curiae. Constitutional Hermeneutics. Comparative Constitutional Law.

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Memoriais de amici curiae por categoria Suprema Corte 1982 Tabela 2 Memoriais de amici curiae por categoria STF 1999 a 2005

10 LISTA DE ABREVIATURAS ADI ADC ADPF AgR AMC CDC CDH CF CONFENEM CPC CUT DCE DJ DJe EC FENAJUFE MS RE RISTF STF TJ UENF UERJ UFRS UnB Ação Direta de Inconstitucionalidade Ação Declaratória de Constitucionalidade Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental Agravo Regimental Associação dos Magistrados Catarinenses Código de Defesa do Consumidor Conectas Direitos Humanos Constituição Federal Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino Código de Processo Civil Central Única dos Trabalhadores Diretório Central dos Estudantes Diário de Justiça Diário de Justiça Eletrônico Emenda Constitucional Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores do Judiciário Federal Mandado de Segurança Recurso Extraordinário Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal Supremo Tribunal Federal Tribunal de Justiça Universidade Estadual do Norte Fluminense Universidade Estadual do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul Universidade de Brasília

11 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...11 PARTE I O AMIGO AMERICANO...16 Capítulo 1 Contextualização A Tradição Jurídica da Common Law O Sistema Judicial Americano A Suprema Corte dos Estados Unidos Breve histórico do instituto americano...24 Capítulo 2 Configuração Jurídica Participantes Os amici individuais Os amici governamentais Os amici grupos de interesse Interesse do Participante Procedimentos As regras da Suprema Corte Contribuições monetárias Sustentação oral Função Função informativa Função estratégica Função lobista...44 Capítulo 3 Caso-referência: Cotas nas universidades americanas Ação afirmativa Grutter v. Bollinger Participação de amici curiae...50 PARTE II O AMIGO BRASILEIRO...54 Capítulo 1 Contextualização A Tradição Jurídica Romano-Germânica O Sistema Judicial brasileiro O Supremo Tribunal Federal Breve histórico do instituto brasileiro...59 Capítulo 2 Configuração jurídica Participantes Os amici individuais Os amici governamentais Os amici grupos de interesse Interesse do Participante Procedimentos Requisitos de admissibilidade Poderes recursais Sustentação oral Audiências públicas Função Função informativa...erro! Indicador não definido.

12 Função democrática Função legitimadora...86 Capítulo 3 Caso-referência: Cotas nas universidades brasileiras Ação afirmativa no Brasil ADPF 186 e Recurso Extraordinário /RS Participação de amici curiae...93 CONCLUSÃO...95 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS...109

13 11 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, vários artigos e livros dedicados à figura do amicus curiae foram publicados no Brasil. A maioria deles aborda os aspectos processuais do instituto, buscando estabelecer seus contornos, devido à pouca normatização existente em nosso ordenamento jurídico (AGUIAR, 2005; BUENO, 2008). Alguns estudiosos também abordam a função exercida pelo amicus curiae, ressaltando seu papel democrático e pluralizador do debate constitucional (DEL PRÁ, 2008; PRADO, 2010). Há ainda quem procure abordar a eficácia do ingresso do amicus curiae no controle de constitucionalidade brasileiro, buscando verificar a sua influência no processo de tomada de decisão no Supremo Tribunal Federal (MEDINA, 2010). Entretanto, esse tipo de abordagem, tão comum nos Estados Unidos 1, onde o instituto é largamente utilizado desde os anos quarenta, acaba sendo prejudicado no Brasil devido à participação de amici curiae em somente 13,4% das ações do controle concentrado de constitucionalidade no período compreendido entre 1999 e No presente trabalho, pretendo colaborar para a construção do conhecimento sobre a controvertida figura processual através do enfoque do direito constitucional comparado. Apesar de este não ser o primeiro estudo comparado sobre o amicus curiae no Brasil (BISCH, 2010), pretende ser inovador pela utilização da metodologia comparada de forma sistemática e, principalmente, pela análise empírica realizada, fundamental para as conclusões de pesquisa sobre um instituto que está sendo construído na prática do Supremo Tribunal Federal. 1 Paul Collins (2003, p.1) cita 40 estudos que analisam a influência de amici curiae no decision making da Suprema Corte americana. São eles: Acker (1990), Barker (1967), Behuniak-Long (1991), Day (2001), Ennis (1984), Epstein (1985, 1993), Harper and Etherington (1953), Hassler and O Connor (1986), Heberlig and Spill (2000), Hedman (1991), Ivers and O Connor (1987), Kearney and Merrill (2000), Kobylka (1987), Kolbert (1989), Krislov (1963), Lawrence (1989), Manz (2002), McGuire (1990, 1995), Moorman and Masteralexis (2001), Morris (1987), O Connor (1980), O Connor and Epstein (1982b, 1983), O Neill (1985), Parker (1999), Puro (1971), Roesch, Golding, Hans and Reppucci (1991), Ross and Catalano (1988), Rushin and O Connor (1987), Samuels (1995), Songer and Sheehan (1993), Spriggs and Wahlbeck (1997), Sungaila (1999), Tai (2000), Vose (1955, 1959), Wasby (1995), and Wohl (1996). 2 Segundo Almeida, foram identificadas 242 ações com manifestações de amicus curiae de um total de 1800 ações no Supremo Tribunal Federal no período compreendido entre 1999 e (2006, p.66).

14 12 A pesquisa está delimitada à utilização do amicus curiae no âmbito do Supremo Tribunal Federal e da Suprema Corte americana. Não há como comparar em outras instâncias judiciais pela diferença na abrangência do instituto nos dois países. Nos Estados Unidos o amicus curiae é utilizado de forma ampla em todos os graus de jurisdição, o que não ocorre no Brasil, onde sua utilização é praticamente restrita ao controle de constitucionalidade. 3 Este quadro pode mudar se o anteprojeto do novo Código de Processo Civil for aprovado com a previsão de amicus curiae em todos os graus de jurisdição. 4 O amicus curiae americano foi escolhido como contraponto pelo fato de ser paradigmático, 5 servindo de modelo para o mundo, tal como a própria corte constitucional americana (BARBOSA MOREIRA, 2003). Além disso, a literatura nacional e estrangeira sobre o assunto é extensa, permitindo o acesso a pesquisas abordando o instituto sob os mais diversos ângulos. 6 Assim, a profundidade do debate americano e a maturidade alcançada pelo instrumento processual nos Estados Unidos permitem olhar o amicus curiae brasileiro de forma diferenciada. A pesquisa se fixa na prática jurídica atual, levando em conta a diferença temporal entre os institutos, pois, se considerarmos apenas o tempo de regramento formal, o amigo americano tem mais de 70 anos, enquanto o amigo brasileiro tem apenas 10 anos de vida. Contudo, um breve histórico dos institutos é necessário 3 Alguns autores entendem que as intervenções da Comissão de Valores Mobiliários (Lei nº 6.385/76), do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Lei nº 8.884/94), do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Lei nº 9.279/96), da Ordem dos Advogados do Brasil (Lei nº 8.906/94) e das pessoas jurídicas de direito público (Lei nº 9.469/97) são hipóteses anteriores e em outros graus de jurisdição de atuação do amicus curiae, o que não iremos abordar por não fazer parte do objetivo do presente trabalho. 4 Na exposição de motivos do novo CPC consta que: criou-se regra no sentido de que a intervenção pode ser pleiteada pelo amicus curiae ou solicitada de ofício, como decorrência das peculiaridades da causa, em todos os graus de jurisdição. Entendeu-se que os requisitos que impõem a manifestação do amicus curiae no processo, se existem, estarão presentes desde o primeiro grau de jurisdição, não se justificando que a possibilidade de sua intervenção ocorra só nos Tribunais Superiores. Evidentemente, todas as decisões devem ter a qualidade que possa proporcionar a presença do amicus curiae, não só a última delas. (p.23) 5 Daniela Medeiros corrobora afirmando que o amicus curiae no ordenamento pátrio desenvolve-se inspirado no direito norte-americano, de onde importamos o instituto fazendo as devidas burilações à nossa realidade jurídica. É notável o patamar de apuração do amicus curiae nas cortes dos Estados Unidos, sendo o país referência quando se investiga a aplicação desse curioso amigo da corte (2008, p.20-21). 6 Existe, por exemplo, uma pesquisa qualitativa em que foram entrevistados os assistentes dos Justices para verificar se todos os memoriais de amici curiae são realmente lidos e se a decisão acerca da leitura do memorial depende da importância ou notoriedade do signatário (LYNCH, 2003).

15 13 para diferenciar o percurso de construção do amicus curiae em ambos os ordenamentos jurídicos e auxiliar na compreensão de suas configurações atuais. O objetivo da pesquisa é ampliar o olhar crítico sobre o amicus curiae na jurisdição constitucional brasileira através da comparação com o mesmo instituto na jurisdição constitucional americana. Nessa avaliação comparativa, não se pretende exaltar um modelo em detrimento do outro, mas justamente o contrário: verificar se, na doutrina e na prática judicial, não está havendo a exaltação de um modelo que pode não ser aplicável à realidade brasileira. A relevância desta pesquisa reside no fato de que o amicus curiae é um dos temas centrais do debate acadêmico atual e que ganhou destaque em projetos desenvolvidos no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro 7, contribuindo para uma perspectiva reflexiva e crítica sobre o Poder Judiciário brasileiro. A pesquisa se divide em duas partes: na primeira, o amicus curiae nos Estados Unidos é analisado; na segunda, o amicus curiae no Brasil, utilizando as mesmas variáveis de comparação, assinalando as semelhanças e, principalmente, as diferenças em suas configurações atuais. Em ambas as partes, utilizamos casos-referência de matéria correlata para verificar, na prática, a participação de amici curiae nas cortes supremas dos dois países. Na parte americana, analisamos o caso Grutter v. Bollinger (539 U.S. 306) que, em 2003, retomou na Suprema Corte americana a questão da utilização do critério de raça para ingresso no ensino público superior, decidida em 1978 no caso Regents of University of California v. Bakke (438 U.S. 265); na parte brasileira, as ações judiciais que tratam da constitucionalidade das políticas de ação afirmativa de reserva de vagas no ensino superior, que foram objeto de audiência pública realizada no Supremo Tribunal Federal em março de Desta forma, iremos fazer o contraste entre as realidades comparadas para verificar se os amici curiae, aparente ou nominalmente, se assemelham, pois não é 7 Especialmente nos projetos desenvolvidos pela minha orientadora, Margarida Maria Lacombe Camargo, tanto individuais ( As audiências públicas nas decisões do Supremo Tribunal Federal brasileiro: repercussão e alcance ) quanto coletivos ( Representação Argumentativa e Desenhos Institucionais: um estudo sobre o Supremo Tribunal Federal Brasileiro ). 8 São elas a Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 186 e o Recurso Extraordinário (RE) /RS.

16 14 suficiente levar em conta somente o nome do instituto. Para tanto, é indispensável considerar o que ele significa na lógica de cada sistema jurídico e na forma como o instituto é atualizado na prática jurídica local. A análise da dimensão prática do objeto de comparação é essencial na metodologia do direito comparado, pois a dimensão teórica pode ser similar à fonte de inspiração. O fenômeno do mimetismo jurídico nos mostra que Estados emergentes, como o nosso, costumam importar soluções de Estados desenvolvidos, como os Estados Unidos, sem necessariamente se refletirem na prática jurisdicional (TAVARES, 1983). Nesse sentido, Barbosa Moreira acrescenta que o funcionamento de certas instituições está longe de deixar-se captar na descrição das normas editadas para discipliná-las. Há um sem número de aspectos e elementos a cujo respeito guardam silêncio os textos, mas que nem por isso deixam de ter relevância às vezes muito considerável (2003, p. 51). É fato que o Brasil, na condição de ordem jurídica secundária, isto é, construída sob a influência de sistemas exportadores de direito, seja por via da colonização portuguesa (de 1500 a 1822), seja através de recepções voluntárias de direito (a partir da Independência), o direito estrangeiro foi amplamente utilizado em todos os ramos do direito, em maior ou menor grau (TAVARES, 1990, p.56). No direito constitucional, fomos profundamente influenciados pelo constitucionalismo americano. Contudo, na pesquisa, consideramos também a possibilidade do recurso às fontes européias, especialmente do direito constitucional alemão, influência marcante em nosso constitucionalismo recente. O amicus curiae é uma figura processual bastante difundida nos últimos séculos tanto em sistemas jurídicos das famílias da common law quanto da civil law, assumindo as mais diferentes feições e funções. Por este motivo, não há definição uniforme ou conceito que consiga abarcar toda a complexidade do multifacetado amicus curiae. Há controvérsia sobre todos os seus elementos e, até mesmo, quanto a sua origem, que muitos autores atribuem ao direito romano clássico. Com esta

17 15 denominação amicus curiae 9, ele surgiu no século XIV na Inglaterra, tendo sido transportado do sistema da common law inglesa, no início do século XVII, para os Estados Unidos 10, onde se tornou mundialmente conhecido. Os elementos que caracterizam o amicus curiae variam de tal forma nos atuais ordenamentos jurídicos que o vínculo com o instituto original do direito anglosaxão, muitas vezes, é apenas na denominação 11, não existindo correspondência de conteúdo. É o caso, por exemplo, do direito indiano atual, onde o amicus curiae também exerce a função de advogado dativo 12. Em outros ordenamentos, não há denominação própria, mas, quando um terceiro apresenta algum aspecto do instituto, a doutrina e a jurisprudência passam a denominá-lo como amicus curiae. Desta forma, o que chamamos de amicus curiae nos dois ordenamentos jurídicos em consideração podem ser institutos diferentes e necessitam ser contextualizados para que se possa proceder à análise das suas configurações atuais e, principalmente, da função que exercem na jurisdição constitucional das duas cortes supremas. 9 Significa amigo da corte em latim. 10 De acordo com Marc Ancel, foi o caso especialmente da Inglaterra, onde um verdadeiro regime de expansão legal foi verificado no início do século XVII. Logo após a expedição do May Flower e a instalação dos primeiros colonos sobre a costa Este da América, considerou-se que eles haviam transportado consigo, enquanto cidadãos britânicos, o sistema da common law, bem como as leis (o Statute book) aplicáveis nessa data. (1980, p. 75) 11 O atual instituto processual britânico mudou sua denominação para Advocate to the Court em 2001 (BISCH, 2010, p. 31). 12 Na Índia, se uma parte não está representada por advogado, a Corte pode indicar um amicus curiae para defendê-la tanto em matéria civil quanto criminal. A Corte também pode indicar um amicus curiae em qualquer matéria de interesse público (SEHGAL, 2008).

18 16 PARTE I O AMIGO AMERICANO Capítulo 1 Contextualização 1.1. A Tradição Jurídica da Common Law Há duas tradições jurídicas altamente influentes no mundo contemporâneo: a common law e a romano-germânica, denominada pelos common lawyers de civil law. Segundo John Henry Merryman, o termo tradição é mais apropriado que sistema, utilizado por outros autores (DAVID, 1996), pois sistema corresponde à idéia de um conjunto de instituições, procedimentos e regras de um determinado país, enquanto tradição jurídica é o conjunto arraigado de atitudes historicamente condicionadas sobre a natureza do direito, sobre o seu papel na sociedade e na política, sobre a organização e o funcionamento adequados do sistema jurídico e sobre a forma como a lei é ou deveria ser aplicada, estudada, aperfeiçoada e ensinada (MERRYMAN, 1985, p.3-4). É, portanto, parte da expressão cultural de uma sociedade ou, mais simplesmente, sua cultura jurídica. 13 As tradições da common law e da civil law não são isoladas e fazem parte da história e cultura ocidentais, tendo se influenciado reciprocamente através dos séculos 14. A tradição da civil law, segundo Merryman, é mais antiga, mais difundida (Europa continental, América Latina e em muitas partes da Ásia e da África) e talvez mais influente que a tradição da common law, que engloba a Grã-Bretanha, Irlanda e os países colonizados durante a expansão do império britânico Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, além de exercer influência em algumas nações da Ásia e da África. A distinção entre as duas tradições é atribuída basicamente às diferentes fontes formais do direito: decisões judiciais precedentes nos sistemas de common law e as leis nos sistemas de civil law. Entretanto, Merryman esclarece que esta é uma simplificação exagerada e pouco representativa da realidade (2009, p.53). 13 Segundo Garapon e Papapoulos, a cultura jurídica não seria senão a versão moderna do que se entendia outrora por tradição jurídica (2008, p.7) 14 Merryman apresenta alguns exemplos e leciona que a Constituição dos Estados Unidos poderia ser parcialmente explicada pela influência do Iluminismo europeu. Mais tarde, o constitucionalismo norte-americano teve uma influência enorme na América Latina e na Europa. O controle de constitucionalidade, por exemplo, está agora firmemente enraizado em ambas as tradições. O instituto jurídico do condominium, uma invenção da civil law, foi entusiasticamente recepcionado nos Estados Unidos, enquanto que muitos sistemas da civil law incorporaram um instituto típico da common law como o truste (2009, p.25).

19 17 Afinal, a produção legislativa também tem força normativa nos sistemas de common law e, da mesma forma, a produção judicial do direito nos sistemas de civil law. A diferença consistiria na ideologia subjacente às concepções do que é a lei ou o precedente em cada tradição. Assim, o código na civil law teria a pretensão de completude justamente para impedir a criação do direito pelo juiz, valorizando o legislador. Na common law, ao contrário, um conhecido brocardo as leis que derroguem a common law devem ser interpretados restritivamente 15 demonstra a valorização da decisão judicial e, consequentemente, dos juízes. De toda forma, a idéia principal da common law pode ser traduzida pela preferência dada ao precedente e não à lei como veículo do direito e, uma vez que uma decisão foi tomada, a mesma deve se repetir em todos os casos similares, garantindo a segurança jurídica. Por este motivo, é utilizada a expressão stare decisis, isto é, ater-se aos (casos) decididos (BARBOSA MOREIRA, 2003, p.43). Entretanto, isto não significa que a tese do precedente seja aplicada de maneira automática 16. É possível não engessar os casos futuros, pois apenas o núcleo central da decisão ratio decidendi tem autoridade e as variações nos casos concretos dão a flexibilidade necessária à permanente construção da jurisprudência, através da denominada técnica do distinguish para distinguir casos semelhantes ou mesmo quando o precedente é overruled, ou seja, quando é substituído por um novo precedente (BARBOSA MOREIRA, 2003, p.43-44). Para a tradição da common law, portanto, maior importância é dada ao caso concreto e ao procedimento judicial e, consequentemente, àquilo que as partes podem trazer de contribuição para o processo, enquanto que para a tradição romano-germânica o destaque maior é do direito substantivo, que constitui um sistema fechado em que toda questão deve encontrar sua solução na codificação. Importante, ainda, salientar que a cultura jurídica da common law sofreu importantes modificações nos Estados Unidos pelos pais fundadores impregnados de Iluminismo que, segundo Garapon e Papadopoulos, efetuaram uma síntese com os ideais franceses da Revolução. Para eles, a genialidade na construção do direito 15 Tradução livre do original: Statutes in derogation of the common law should be strictly construed. 16 Merryman afirma que há um folclore corrente nas duas grandes tradições jurídicas a respeito do processo judicial, pois não é mecânico o processo de encontrar e aplicar o precedente na common law, como também não é o processo de encontrar e aplicar a legislação na civil law (2009, p.73).

20 18 americano estaria nessa combinação dos dois grandes modelos ocidentais: civil law e common law (2008, p.30). A Constituição, a Suprema Corte e a idéia de direitos civis constituem, segundo os citados autores comparativistas, as maiores originalidades americanas em relação à common law tradicional, onde a perspectiva de um direito abstrato e geral não cabe na mentalidade daqueles que permanecem com a idéia de direitos apenas subjetivos (GARAPON; PAPADOPOULOS, 2008, p ). Uma característica da relação dos americanos com o direito é que eles consideram o procedimento jurídico a essência do direito. Segundo a antropóloga Carol Greenhouse, os americanos não julgam o direito pela sua substância, mas, sim, por seus elementos processuais (apud GARAPON; PAPADOPOULOS, 2008, p ) O Sistema Judicial Americano O sistema judicial americano é dividido em um sistema de âmbito federal e 50 sistemas estaduais autônomos. A autonomia dos Estados americanos é mais acentuada que no Brasil, repercutindo diretamente nos órgãos judiciais que, apesar de possuírem uma estrutura semelhante, são totalmente independentes, podendo apresentar características e procedimentos distintos (REIS, 1996, p.39). Basicamente os Estados têm, na primeira instância, uma jurisdição que divide os casos de maior ou menor importância. Na segunda instância, nos estados menores eles apenas têm um tribunal de apelação. Nos estados maiores, existem alguns tribunais de apelação. Em todos os estados, existem as cortes supremas estaduais. No sistema federal, a base são as cortes distritais (District courts), de um a quatro por estado americano, que correspondem à primeira instância federal. A segunda instância conta com 12 cortes de apelação (Circuit Courts ou Courts of Appeal) para o total de 50 Estados americanos, sendo que cada uma delas constitui o denominado circuito judiciário, incluindo três estados ou mais. A segunda instância também possui cortes especializadas (Specialized Courts) que são: Tax Court, Court of Federal Claims, Court of Veterans Appeals, Court of lntemational Trade. O sistema legal nos Estados Unidos é baseado em um sistema acusatório (adversary system), como geralmente ocorre nos países de tradição da common law,

21 19 ao contrário dos países de tradição romano-germânica, onde o sistema é, normalmente, inquisitorial. No sistema acusatório, as partes da controvérsia desenvolvem e apresentam seus argumentos, suas evidências e suas testemunhas e, assim, controlam o processo. O juiz ou o júri permanecem neutros e passivos durante todo o procedimento e a participação voluntária de terceiros não é bem vinda pelas partes 17. Entretanto, a estrita observância do sistema acusatório nos Estados Unidos não é possível ou mesmo desejável, segundo Barker (1967, p.1). Afinal, muitas controvérsias levadas ao Judiciário, especialmente em matéria constitucional, afetam mais pessoas do que os adversários imediatos e que, pelo alcance dos precedentes, poderiam ser prejudicadas 18. A participação de terceiros no sistema acusatório americano foi formalmente admitida em 1939 com a adoção do Federal Rules of Civil Procedures, 19 que regulou a intervenção de terceiros de forma obrigatória e de forma facultativa. A facultativa não se confunde com a intervenção do amicus curiae, pois exige uma questão comum de fato ou de direito, sendo semelhante ao instituto do litisconsórcio em nosso direito. Neste caso, o terceiro é admitido como parte por motivo de economia processual, como esclarece Elisabetta Silvestri: A intervenção facultativa, ao contrário, parece não estar relacionada ao papel do amicus, na medida em que ignora totalmente o interesse de terceiros no caso, mas pode ser autorizada pelo juiz apenas quando o pedido apresentado pelo terceiro levanta questões idênticas às descritas pelas partes originárias e por motivo de economia processual, permitindo uma adequada decisão unitária (1997, p , tradução nossa). A admissibilidade na intervenção obrigatória depende do interesse do terceiro na propriedade ou transação objeto da demanda e na sua submissão aos efeitos da decisão, o que também afasta o papel exercido pelo amicus curiae nessa forma de intervenção. Assim, o memorial de amicus curiae não é a única forma pela qual terceiros podem ingressar em um litígio nos Estados Unidos. 17 Segundo Krislov, o princípio fundamental subjacente ao procedimento legal é que as partes na controvérsia devem ter o direito de pleitear livres da interferência de estranhos (1969, p.2, tradução nossa). 18 Munford acrescenta que as decisões, porém, não pertencem apenas às partes. Como a Suprema Corte afirmou [...], as decisões são importantes para a comunidade jurídica como um todo. A comunidade merece uma voz (1998, p.1, tradução nossa). 19 As regras para participação de terceiros no Federal Rules of Civil Procedures podem ser conferidas no Anexo A.

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE *

QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE * QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE * Cassio Scarpinella Bueno SUMÁRIO: 1) O que é amicus curiae?; 2) O amicus curiae é previsto no direito brasileiro?; 3) Qual é a função primordial

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMMON LAW NO DIREITO BRASILEIRO

A INFLUÊNCIA DA COMMON LAW NO DIREITO BRASILEIRO Faculdade Estácio Ceut Coordenação do curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Turma: 1º C Turno: Tarde Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz A INFLUÊNCIA DA COMMON LAW

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 5301 -PGR-RG MANDADO DE SEGURANÇA Nº 30.585 IMPETRANTE : ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS AMB : ASSOCIAÇÃO DOS JUÍZES FEDERAIS DO BRASIL AJUFE : ASSOCIAÇÃO DOS JUÍZES FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica AS FEDERAÇÕES SINDICAIS E A IMPORTÂNCIA DEA SUA PARTICIPAÇÃO COMO AMICUS CURIAE NAS AÇÕES DIRETAS DE NCONSTITUCIONALIDADE Orlando Spinetti Advogado INTRODUÇÃO Considerando-se

Leia mais

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

A FIGURA DO AMICUS CURIAE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL

A FIGURA DO AMICUS CURIAE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL 1 A FIGURA DO AMICUS CURIAE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL ARGEMIRO ANDRADE NASCIMENTO FILHO 1 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 2. CONCEITO 3. FUNDAMENTAÇÃO JURÍDICA DO AMICUS CURIAE 4. NATUREZA JURÍDICA DO AMICUS

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO. ANEXO EMENTAS (Turma III) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO. ANEXO EMENTAS (Turma III) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a Seminário de Integração e Motivação SIM () Seminário de imersão. Capacita o aluno a quebrar barreiras

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS Rénan Kfuri Lopes- Advogado, Professor, Palestrante, Pós- Graduado em Direito Processual Civil e Direito de Empresa, Membro do Instituto Brasileiro

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MANDADO DE SEGURANÇA 32.833 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :CARLOS RODRIGUES COSTA :LUZIA DO CARMO SOUZA :PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA Elaborado em 01.2009 Luiz Flávio Gomes Doutor em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade Complutense de Madri, mestre

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira.

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira. Professor: José Henrique Cesário Pereira PARTE IV CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS. AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE (ADECON ou ADC) - Lei n. 9.868, de 10.11.99 CONCEITO A Ação Declaratória

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI : BANCO DO BRASIL S/A : CARLOS JOSÉ MARCIÉRI E OUTRO(A/S) : EDWALDO DONIZETE NORONHA E OUTRO(A/S) : TAKASHI SAIGA E OUTRO(A/S)

: MIN. DIAS TOFFOLI : BANCO DO BRASIL S/A : CARLOS JOSÉ MARCIÉRI E OUTRO(A/S) : EDWALDO DONIZETE NORONHA E OUTRO(A/S) : TAKASHI SAIGA E OUTRO(A/S) RECURSO EXTRAORDINÁRIO 626.307 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI : BANCO DO BRASIL S/A : CARLOS JOSÉ MARCIÉRI E OUTRO(A/S) : EDWALDO DONIZETE NORONHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet.

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE DIREITO PÚBLICO DIREITO CONSTITUCIONAL Notas de Aula (Esboço) Atualizada em: 18.10.06 Docente: Prof. Dr.

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

Thais Estevão Saconato 1 ; Roberto Freira Estevão 2 ; Lívia Estevão Marchetti 3 RESUMO

Thais Estevão Saconato 1 ; Roberto Freira Estevão 2 ; Lívia Estevão Marchetti 3 RESUMO A INTERPRETAÇÃO DA LEI E A EFETIVAÇÃO DA TEORIA DOS PRECEDENTES JUDICIAIS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO: GARANTIA DA SEGURANÇA JURÍDICA, DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS E DO ACESSO À JUSTIÇA Thais Estevão

Leia mais

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA I. Anotações de aula II. Simulado III. Lousas I. ANOTAÇÕES DE AULA

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro Nota sobre o objeto e o objetivo do livro Nota sobre a forma de utilização do livro 1 Leitura ativa, xxv 2 Ensino participativo, xxvii 3 Utilização da bibliografia, xxviii Introdução - O que é "processo

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

Conciliação: simples e rápida solução de conflitos

Conciliação: simples e rápida solução de conflitos Conciliação: simples e rápida solução de conflitos Marina Nunes Vieira Acadêmica em Direito da PUCMinas É imprescindível, antes de dissertamos sobre o tema, que se esclareça a noção do que realmente seja

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade

Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade Marcelo Rugeri Grazziotin* Texto complementar Base de cálculo do adicional de insalubridade Matéria absolutamente controvertida nos

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

Supreme Court. Courts of Appeals. Federal Circuit. District Courts. Court of Int l Trade, Claims Court, and Court of Veterans Appeals

Supreme Court. Courts of Appeals. Federal Circuit. District Courts. Court of Int l Trade, Claims Court, and Court of Veterans Appeals SI STEMA JURÍ DI CO DOS EUA: Um a Breve Descrição Federal Judicial Center Histórico A Constituição dos Estados Unidos estabelece um sistema federal de governo. A Constituição dá poderes específicos ao

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme97404 RgA-ER Diário da Justiça de 06/11/2006 10/10/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR : MIN. CEZAR PELUSO AGRAVANTE(S) : AXA SEGUROS BRASIL S/A ADVOGADO(A/S) : FRANCISCO CARLOS ROSAS GIARDINA

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO, DIGNISSÍMO RELATOR

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO, DIGNISSÍMO RELATOR Signature Not Verified Assinado por ALEXANDRE DE MORAES em 31/01/2012 22:49:19.132-0200 Alexandre de Moraes EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO, DIGNISSÍMO RELATOR Autos: ADI 4638/DF A ANAMATRA

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 250, de 2005 Complementar, do Senador PAULO PAIM, que estabelece requisitos e critérios diferenciados

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA Nos primórdios da sociedade romana, surgiu o instituto da arbitragem como forma de resolver conflitos oriundos da convivência em comunidade, como função pacificadora

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...7 CAPÍTULO I JUSTIFICATIVA, ASPECTOS HISTÓRICOS E SISTEMAS EXISTENTES DE CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE...19 1. Justificativa

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Conteúdo de sala de aula.

Conteúdo de sala de aula. Assunto. Administração Pública I. Categoria. Conteúdo de sala de aula. III - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Mesmo sabendo que a expressão Administração Pública tem vários sentidos e formas de estudo, nesse momento

Leia mais

Sistemas Jurídicos Comparados. Programa e bibliografia principal

Sistemas Jurídicos Comparados. Programa e bibliografia principal Sistemas Jurídicos Comparados Programa e bibliografia principal Rui Pinto Duarte 2000/2001 PROGRAMA 1. Introdução ao Direito Comparado 1.1. Primeira aproximação à ideia de Direito Comparado 1.1.1. Observação

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 8 17/12/2013 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 635.398 SANTA CATARINA RELATORA AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN.

Leia mais

(Da Sra. Luiza Erundina e outros)

(Da Sra. Luiza Erundina e outros) ** PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o, DE 2013 (Da Sra. Luiza Erundina e outros) Cria a Corte Constitucional; altera a composição, a competência e a forma de nomeação dos Ministros do Superior Tribunal

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.749, DE 2013 Altera a Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994, dispondo sobre a criação da figura do paralegal. Autor: Deputado SERGIO

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade

Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade Elaborado em 08.2008. Priscila Alencar de Souza Vieira Advogada, Pós-graduanda em Direito do Trabalho pela PUC-SP. O art. 192 da

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 (MENSAGEM Nº 865, DE 2009) Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social, regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade

Leia mais

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 ADI, ADC, ADO e ADPF AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946 Origem: DISTRITO FEDERAL Entrada no STF: 21/01/1999 Relator: MINISTRO SYDNEY SANCHES Distribuído:

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 14 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 823.347 MARANHÃO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES RECTE.(S)

Leia mais

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II Faculdade de Direito de Sorocaba Direito Constitucional II Controle da constitucionalidade O controle da constitucionalidade na Constituição Federal Art.. 102, I, a ADI e ADC Art.. 103,? 2º - ADI-omissão

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI » Pedro Henrique Meira Figueiredo NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI O ano de 2010 marcou a comunidade jurídica com a divulgação dos tão esperados anteprojetos do novo Código

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO MEDIDA CAUTELAR EM MANDADO DE SEGURANÇA 32.299 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

PROCESSO: PCA nº 0.00.000.001227/2012 14 Conselheiro Tito Amaral Francisco Luciano Bezerra dos Santos Ministério Público da União

PROCESSO: PCA nº 0.00.000.001227/2012 14 Conselheiro Tito Amaral Francisco Luciano Bezerra dos Santos Ministério Público da União PROCESSO: PCA nº 0.00.000.001227/2012 14 RELATOR: REQUERENTE: REQUERIDO: Conselheiro Tito Amaral Francisco Luciano Bezerra dos Santos Ministério Público da União EMENTA: PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99

Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99 Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99 INTERESSADO : Doutor Igor Nery Figueiredo RELATORA : Conselheira MARIA CAETANA CINTRA SANTOS ASSUNTO : 22º Concurso Público para Provimento de Cargos

Leia mais

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO QUESTÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Questão n. 1 (CESPE/AGU

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Conselho Nacional de Justiça Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS - 0006845-87.2014.2.00.0000 Requerente: ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS - AMB Requerido: CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ Ementa: PEDIDO

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL

SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL PETIÇÃO INICIAL 1.1. Breve introdução 1.2. Requisitos da petição inicial 1.3. Emenda da petição inicial 1.4. Indeferimento da petição inicial 1.5. Características

Leia mais

Introdução ao Sistema Jurídico Brasileiro

Introdução ao Sistema Jurídico Brasileiro Introdução ao Sistema Jurídico Brasileiro 1.1. Qual é a forma de governo (Presidencialismo, Parlamentarismo, Semipresidencialismo) e a forma de Estado (Unitário, Federado, Confederado) do país? O sistema

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM

PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) COMARCA DE ORIGEM ITAGUARI/GO ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM 2ª TURMA DA 4ª CÂMARA CÍVEL ÓRGÃO JULGADOR

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO SUMÁRIO A. Mestrado e Pós-Graduação em Direito em Língua Chinesa Língua veicular: Língua Chinesa Área de especialização: Variante em Ciências Jurídicas B. Mestrado

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no MANDADO DE SEGURANÇA Nº 13.873 - DF (2008/0219759-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADA EMBARGADO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : INSTITUTO NOSSA SENHORA DO CARMO : PRISCILLA TRUGILLO MONELLO

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido

CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido Fatos do caso 1. Em 09 de janeiro de 2003 o Governo do México iniciou procedimento contencioso

Leia mais

RECLAMAÇÃO AO STJ: Uniformização das decisões de segundo grau no âmbito dos juizados especiais estaduais.

RECLAMAÇÃO AO STJ: Uniformização das decisões de segundo grau no âmbito dos juizados especiais estaduais. RECLAMAÇÃO AO STJ: Uniformização das decisões de segundo grau no âmbito dos juizados especiais estaduais. Mauricio Matte 52 RESUMO: O presente trabalho analisa, no âmbito dos juizados especiais estaduais,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL MARCO AURÉLIO, DIGNÍSSIMO RELATOR DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO N. 628.658.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL MARCO AURÉLIO, DIGNÍSSIMO RELATOR DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO N. 628.658. EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL MARCO AURÉLIO, DIGNÍSSIMO RELATOR DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO N. 628.658. O Instituto Brasileiro de Ciências Criminais IBCCRIM, entidade de âmbito

Leia mais