UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES MPLS. Área de Redes. por. Thiago Dias Rabelo de Almeida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES MPLS. Área de Redes. por. Thiago Dias Rabelo de Almeida"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES Área de Redes por Thiago Dias Rabelo de Almeida Debora Meyhofer Ferreira Orientadora Campinas (SP), outubro de 2009

2 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES Área de Redes por Thiago Dias Rabelo de Almeida Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Elétrica para análise e aprovação. Orientadora: Debora Meyhofer Ferreira Campinas (SP), outubro de 2009 i

3 Agradeço a Deus por iluminar meus caminhos e abençoar minhas escolhas. Aos meus pais, que me incentivaram e me deram força para a conclusão de mais esta etapa. A minha esposa que me incentivou e caminhou junto comigo para a realização deste trabalho. A todos, que contribuíram com incentivo, opiniões, sugestões, revisões, apoio. A minha orientadora professora Debora Meyhofer Ferreira, por sua paciência, amizade, constante incentivo e pelas valiosas sugestões. ii

4 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... v LISTA DE FIGURAS... vii LISTA DE TABELAS... viii RESUMO... ix ABSTRACT... x 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO E rro! Indicador não definido FUNCIONAMENTO...ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 2.2 ENGENHARIA DE TRÁFEGO Objetivos VANTAGENS FRAME RELAY INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES DO PROTOCOLO FRAME RELAY CARACTERÍSTICAS ESTRUTURA Circuitos virtuais Cabeçalho Frame Relay Parâmetros de tráfego Frame Relay Controle de Congestionamento Notificação Explícita de Congestionamento Notificação Implícita de Congestionamento Tipos de Interfaces ATM (ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE) INTRODUÇÃO...17 iii

5 4.2. ESPECIFICAÇÕES DO PROTOCOLO ATM ESTRUTURA Modelo ATM Conexões Virtuais (Virtual Connections) Camada ATM Camada Física Camada ATM Camada AAL (ATM Adaptation Layer) Classes de serviços Controle de tráfego Gerenciamento de Tráfego Funções do Gerenciamento de Tráfego Interoperabilidade com a rede Frame Relay ANÁLISE COMPARATIVA DAS REDES Análise de funcionamento do backbone Análise de funcionamento do backbone ATM e Frame-Relay Análise comparativa dos custos de implantação das redes, ATM e FR Análise comparativa referentes aos serviços, ATM e FR Análise comparativa entre os tempos de respostas Resultado sobre a análise das tecnologias CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS iv

6 LISTA DE ABREVIATURAS AAL ABR ARPA ATM BT BGP CAC CBR CDVT CIR CLP CoS DiffServ DRI FEC GCRA GFC HEC IETF IGP IP ISP ITU LAN LDP LER LFIB LSP LSR MBS ATM Adaptation Layer Available Bit Rate Advanced Research and Projects Agency Asynchronous Transfer Mode Burst Tolerance Border Gateway Protocol Connection Admission Control Constant Bit Rate Cell Delay Variation Tolerance Committed information rate Cell Loss Priority Class of Service Differentiated Services Defense Research Internet Forwarding Equivalency Class Generic Cell Rate Algorithm Generic Flow Control Header Error Check Internet Engineering Task Force Interior Gateway Protocols Internet Protocol Protocolo Internet Internet Service Provider International Telecommunication Union Local Area Network Label Distribution Protocol Label Edge Routers Label Forwarding Information Base Label Switched path Label Switch Routers Maximum Burst Size Multiprotocol Label Switching v

7 NAT OSI OSPF QoS PCR PVC PT RFC RNP RSVP SCR SEAL SVC SONET TCP/IP TDM TED ToS TP UBR UPC UNI VBR VC's VCI VP VPI VPN WAN Network Address Translation Open System Interconnection Open Shortest-Path-First Protocol Quality of Service Peak Cell Rate Permanent Virtual Circuit Payload Type Request for Comments Rede Nacional de Pesquisas ReSerVation Protocol Sustainable Cell Rate Simple and Efficient Adaptation Layer Switched Virtual Circuit Synchronous Optical Network Transmission Control Protocol/Internet Protocol Time Division Multiplexing TE Database Type of Service Transmission Path Unspecified Bit Rate Usage Parameter Control User-Network Interface Variable Bit Rate Virtual Circuits Virtual Channel Identifier Virtual Path Virtual Path Identifier Virtual Private Network Wide Area Network vi

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1. visão geral...5 Figura 2. LSP (Label Switch Path)...5 Figura 3. Circuitos Virtuais...10 Figura 4. Estrutura do cabeçalho do Frame Relay...11 Figura 5. Gráfico demonstrativo de CIR, EIR, DE...13 Figura 6. Tratamento do congestionamento em redes frame Relay...15 Figura 7. Célula ATM (Cabeçalho)...19 Figura 8. Circuito Virtual ATM...20 Figura 9. Modelo Camada ATM...21 Figura 10. Camada AAL Tipo 3/ Figura 11. Categoria de serviços ATM...25 Figura 12. Aplicações Categorias e Serviços ATM...26 Figura 13. Parametros de Tráfego ATM...27 Figura 14. Ilustração do Algoritimo leaky bucket ou balde furado...29 Figura 15. Interoperabilidade das redes Frame-Relay e ATM...29 Figura 16. Interoperabilidade das redes Frame-Relay e ATM...30 vii

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Técnicas de Controle de Congestionamento no Frame-Relay...14 viii

10 RESUMO ALMEIDA, Thiago Dias Rabelo de. Análise de Desempenho em Redes. Campinas, f. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade São Francisco, Campinas, Este trabalho apresenta uma visão geral das Redes mostrando as características principais e desempenho, realiza também uma analogia com outras tecnologias como Frame-Relay e ATM e um comparativo entre elas. Mostrando o crescimento acelerado da Internet e soluções disponíveis atualmente para garantir otimização e QoS para os inúmeros serviços oferecidos e utilizados pelo mercado de telecomunicações. Palavras-chave:, QoS, Internet ix

11 ABSTRACT This work presents an overview of networks showing the main features and performance, also performs an analogy with other technologies such as Frame Relay and ATM, and a comparison between them. Showing the rapid growth of the Internet and solutions currently available to ensure optimization and QoS for the many services offered and used by the telecommunications market. Keywords:, QoS, Internet x

12 1. INTRODUÇÃO O enorme crescimento da Internet nesses últimos anos esta gerando uma grande sobrecarga nas redes de provedores de serviços e operadoras. O problema não é apenas o crescimento acelerado de usuários, mas também a utilização de serviços com requisitos mais específicos, como voz e vídeo, que esta com utilização crescente. As aplicações utilizadas nas redes anteriormente precisavam apenas que os pacotes fossem encaminhados no modo Best Effort. Para as novas aplicações, isso não é mais suficiente. É necessário mais banda e garantia de serviço. Para conseguir a garantia de serviço proposta, além do aumento de banda disponível, é necessário, também, utilizar outras ferramentas para fornecer qualidade de serviço (QoS) e uma boa de engenharia de tráfego (TE), fazendo com que o custo não aumente de maneira excessiva. A tecnologia, desenvolvida inicialmente pela Cisco, é hoje o padrão de mercado que surgiu para endereçar estes problemas. permite aos provedores o oferecimento de um leque diferenciado de serviços aos seus clientes. Em resumo, é uma tecnologia de comutação de pacotes utilizada para transportar pacotes de um ponto a outro de uma forma rápida e - relativamente - simples, sem o overhead dos protocolos intermediários. A marcação DiffServ (Differeciated Services) permite, por sua vez, que cada tipo de tráfego receba um tratamento - leiase prioridade - diferenciado, por meio de marcações específicas (DiffServ Code Point ou DSCP) que identifiquem cada tipo de fluxo[1] OBJETIVOS Objetivo Geral Este trabalho tem como objetivo mostrar o cenário atual das tecnologias utilizadas no mercado de telecomunicações. O trabalho pretende mostrar a evolução, tendências das redes atuais e sua interoperabilidade junto com outras redes legadas, e montar um comparativo com as vantagens e desvantagens das tecnologias, frente a este contínuo crescimento de uso de Internet que requisita cada vez mais banda e serviçoes com garantia de qualidade. 1

13 Objetivos Específicos Realizar uma análise crítica sobre o desempenho das tecnologias de redes de telecomunicações oferecidas na atualidade em específico o, realizando um comparativo com as redes ATM e Frame Relay METODOLOGIA Para atingir o objetivo definido para o presente trabalho, foram efetuadas as seguintes atividades: 1. Levantamento bibliográfico sobre informações das tecnologias, ATM e FR; 2. Visão geral sobre a utilização destas tecnologias e sua interoperabilidade; 3. Discussão sobre os requisitos mínimos necessários para garantir a qualidade dos serviços oferecidos no mercado de telecomunicações. 4. Proposta para obtenção destes requisitos em uma comparação das tecnologias abordadas; 1.3. ESTRUTURA DO TRABALHO O trabalho está dividido da seguinte forma: O Capítulo 1 apresenta a Introdução geral sobre o assunto, assim como os objetivos e metodologia adotada para este trabalho. O Capítulo 2 apresenta o protocolo, seu funcionamento e vantagens O Capítulo 3 apresenta o protocolo Frame-Relay e seu funcionamento O Capítulo 4 apresenta o protocolo ATM e seu funcionamento O Capítulo 5 apresenta uma análise comparativa entres as tecnologias apresentadas neste trabalho. 2

14 2. (Multiprotocol Label Switching) é uma solução versátil para resolver os problemas enfrentados pelas redes atuais, escalabilidade, qualidade do serviço (QoS), gerenciamento e engenharia de tráfego. O surgiu como uma solução refinada para atender a gerenciamento de largura de banda e requisitos de serviço para a próxima geração de Internet Protocol (IP). aborda questões relacionadas a escalabilidade e encaminhamento (com base em métricas de qualidade de serviço QoS) e podem existir com o atual modo de transferência assíncrona (ATM) e frame relay-redes 2.1. FUNCIONAMENTO é baseado no Internet Engineering Task Force (IETF). No, ocorre a transmissão de dados pelo LSP (Label Switched path). LSPs são uma seqüência de rótulos em todo e cada nó ao longo do caminho, desde a origem até o destino. LSPs são estabelecidos, antes da transmissão de dados. Os rótulos, que estão abaixo dos protocolos específicos, são distribuídas usando LDP (Label Distribution Protocol) ou RSVP pelos protocolos de roteamento como BGP(Border Gateway Protocol) e OSPF. Cada pacote encapsula dados e carrega os rótulos durante todo percurso da origem ao destino. A alta velocidade de comutação de dados é possível porque o rótulo tem tamanho fixo e são inseridas no ínicio do cabeçalho dos pacotes ou células. Labels (Rótulos ou Etiquetas) - O rótulo, identifica o caminho que o pacote deve passar. O rótulo é transportado ou encapsulado em um cabeçalho de camada2, juntamente com o pacote. O roteador recebe e examina o pacote com seu conteúdo para verificar no rótulo qual é o seu próximo caminho. Uma vez que o pacote tenha sido marcado, o restante do transporte do pacote através do backbone é baseado na comutação de rótulo. Os rótulos tem apenas importância local, o que significa são válidos apenos no trecho entre um roteador e outro LSRs. Os dispositivos que participam do protocolo mecanismos podem ser classificados em roteadores de borda (LERs) e roteadores de comutação por rótulo (LSRs). 3

15 LSR (Label Switch Routers) são roteadores de comutação por rótulos e fica no núcleo de uma rede que participa na criação de LSPs(Label Switch Path) com função de encaminhar os pacotes baseado nos rótulos e a comutação de tráfego baseado no estabelecido caminhos. LER (Label Edge Routers) são roteadores de borda da rede de acesso a rede. LERs suporta conexões com várias outras redes como Frame Relay, ATM, Ethernet, onde este encaminha para o tráfego após estabelecer LSPs. O LER desempenha um papel muito importante na colocação e remoção dos rótulos, sempre que o tráfego entra ou sai de uma rede. FEC (Forwarding Equivalency Class) É uma representação de um grupo de pacotes que compartilham os mesmos requisitos para o seu transporte. Todos os pacotes em um grupo dessa natureza recebem o mesmo tratamento de rota para o destino. O FEC é feito apenas uma vez, quando o pacote entra na rede. FECs são baseadas em requisitos de serviço para um determinado conjunto de pacotes ou simplesmente para um endereço de prefixo. Cada LSR constrói uma tabela para especificar como um pacote deve ser encaminhado e esta tabela é chamada de LIB (Label Information Base). LDP (Label Distribution Protocol) é um protocolo para a distribuição do rótulo e informações vinculadas aos LSRs em uma rede. Ele é usado para mapear os rótulos ao FECs, o que, por sua vez, criam LSP. 4

16 Figura 1 visão geral 1 LSP (Label Switch Path) é o caminho que é formado para a passagem dos pacotes com as informações. O LSP é ajustado antes da transmissão de dados e o LSP é unidirecional, portanto é preciso ter dois LSPs para uma comunicação entre dois pontos. Figura 2 LSP (Label Switch Path). 1 Adaptado de [16] 5

17 2.2. ENGENHARIA DE TRÁFEGO Objetivos Minimizar o congestionamento na rede; Aumentar a confiabilidade da operação da rede; Permitir e policiar a aplicação de Qualidade de Serviço (QoS) ou CoS Classe de Serviço - A função da Engenharia de Tráfego, é garantir que recursos necessários à determinadas classes de serviço encontrem-se disponíveis, sempre que necessários Engenharia de Tráfego e seus componetes Information Distribution - Engenharia de Tráfego requer um conhecimento detalhado da topologia da rede, assim como conhecimento dinamico sobre a capacidade da rede. Isso pode ser implementado por meio de protocolos IGP com extensões específicas, de forma que atributos específicos de links (como largura de banda máxima, utilização de banda e banda reservada) sejam incluídos nos anúncios link state destes protocolos. Em uma rede, cada LSR (Label Switch Router) mantém uma base de dados chamada TED (TE Database), utilizada para calcular caminhos específicos pela rede. Path Selection Component - Baseado na topologia de rede e nos atributos de link presentes na TED, cada LSR calcula caminhos específicos para seus LSPs (Label Switching Paths). Estes caminhos podem ser strict ou loose. Uma rota Strict é aquela em que o LSR de ingresso especifica todos os LSRs para o LSP. A rota loose, por sua vez, tem apenas alguns LSR definidos no LSR de ingresso. Componente de Sinalização e definição da rota - A rota calculada pelo componente anterior não é dita funcional até que um LSP seja, de fato, estabelecido pelo componente de sinalização. Isso porque o componente de Path Selection utiliza as informações presentes na TED, que podem estar desatualizadas. O componente de sinalização, portanto, é responsável pela checagem de todas as informações necessárias durante o processo de definição de rota. Componente de encaminhamento de pacotes - Uma vez que o caminho seja estabelecido, o processo de encaminhamento é iniciado no LSR, baseado no conceito de comutação de labels. [1] 6

18 2.3. VANTAGENS DO O objetivo inicial do era trazer para a camada 3 a agilidade da camada 2. A comutação baseada em labels permite aos routers tomar decisões de encaminhamento baseadas somente no conteúdo de um simples identificador, ao invés de realizar uma complexa busca na tabela de roteamento baseada no endereço IP de destino. O traz uma série de outros benefícios para redes IP. O fato de pacotes serem roteados baseados em labels e não via endereço IP resulta em algumas vantagens importantes: Classificação dos pacotes baseados na origem do tráfego Pacotes podem ter labels prioritários designados, permitindo a implementação de QoS na rede Os routers LSR de uma rede não são impactados se regras de como um pacote deve ser alocado a um determinado FEC forem modificadas O payload dos pacotes nunca são examinados pelos routers LSR, garantindo um transporte mais eficiente da informação pela rede Em uma rede, um pacote pode ser forçado a seguir por um determinado caminho, ao invés de um caminho que seria seguido caso um protocolo de roteamento comum estivesse sendo utilizado. Isso pode ser útil em ocasiões onde engenharia de tráfego (TE) precisa ser aplicada, ou mesmo para garantir um determinado nível de serviço. Outra grande vantagem do é que a tecnologia é completamente independente dos protocolos utilizados nas camadas 2 ou 3, permitindo uma completa integração entre redes que rodem distintos protocolos nestas camadas. 7

19 3. FRAME RELAY 3.1. INTRODUÇÃO Protocolo de comunicações baseado em comutação de pacotes, que fornece um mecanismo de sinalização e transferência de dados dentro de uma rede. Os blocos de informação (frames) são encaminhados pela rede normalmente em circuitos virtuais permanentes, segundo a informação de endereçamento incorporada nos mesmos. Viabilizando a interligação de redes locais (LANs) e o acesso a sistemas centrais a velocidades de transmissão superiores às do X.25 e redes digitais (de 64Kbits/s até 2Mbits/s). O frame-relay é um protocolo orientado a conexão, operando no nível 2 do modelo OSI, com baixo retardo e com controle de erro nos nós. No fim da década de 80 e início da década de 90, vários fatores combinados demandaram a transmissão de dados com velocidades mais altas como: A migração das interfaces de texto para interfaces gráficas; O aumento do tráfego do tipo rajada (burst) nas aplicações de dados; O aumento da capacidade de processamento dos equipamentos de usuário; A popularização das redes locais e das aplicações cliente / servidor; A disponibilidade de redes digitais de transmissão; Considerando o modelo OSI para protocolos, o Frame Relay elimina todo o processamento da camada de rede (layer 3) do X.25. Apenas algumas funcionalidades básicas da camada de enlace de dados (layer 2) são implementadas, tais como a verificação de frames válidos, porém sem a solicitação de retransmissão em caso de erro. Desta forma, as funcionalidades implementadas nos protocolos de aplicação, tais como verificação de seqüência de frames, o uso de frames de confirmações e supervisão, entre outras, não são duplicadas na rede Frame Relay. Isto permite um trafego de quadros (frames) ou pacotes em alta velocidade (até 1,984 Mbps), com um atraso mínimo e uma utilização eficiente da largura de banda[6]. 8

20 3.2. ESPECIFICAÇÕES DO PROTOCOLO FRAME RELAY Existem quatro fonte de trabalho para a especificação do protocolo Frame Relay: Frame Relay Forum ANSI ITU-T Group of Four ou Vendor Forum A especificação original foi publicada pelo Group of Four em 1990 e era baseada nos padrões ANSI com algumas modificações. Frame Relay Forum também decidiu basear as suas recomendações nas especificações da ANSI [7] CARACTERÍSTICAS O Frame Relay é baseada no uso de Circuitos Virtuais (VC's). Um VC é um circuito de dados virtual bidirecional entre 2 portas quaisquer da rede, que funciona como se fosse um circuito dedicado. Existem 2 tipos de Circuitos Virtuais: O Permanent Virtual Circuit (PVC) e o Switched Virtual Circuit (SVC). O PVC é um circuito virtual permanente configurado pelo operador na rede através de um sistema de Gerência de Rede, como sendo uma conexão permanente entre 2 pontos. A rota através dos equipamentos de rede pode ser alterada ao passo que ocorrem falhas ou reconfigurações, mas as portas de cada extremidade são mantidas fixas. Já o SVC é um circuito virtual comutado, que é disponibilizado na rede de forma automática,conforme a demanda, sendo utilizado principalmente por aplicações de Voz que estabelecem novas conexões a cada chamada. O Frame Relay também possibilita a utilização de múltiplos canais lógicos em uma mesma linha de acesso, o que torna o mesmo ponto-multiponto. Isto significa que podemos, utilizando uma única linha dados em um ponto de concentração (cpd, por exemplo), acessar diversos pontos remotos. Cada ponto remoto é acessado através de um endereço lógico diferente, chamado DLCI. Outra característica interessante do Frame Relay é o CIR(Commited information rate). O Frame Relay é um protocolo de redes estatístico, voltado principalmente para o tráfego tipo rajada, 9

21 em que a sua infra-estrutura é compartilhada pela operadora de telefonia e, conseqüentemente, tem um custo mais acessível do que uma linha privada. Isto significa que quando um usuário de serviços de telecomunicações contrata uma linha Frame Relay com 128 Kb/s, não quer dizer que ele tenha alocado na rede da operadora esta banda todo o tempo, pois, já que a infraestrutura é compartilhada, haverá momentos em que ocorrerá congestionamentos. No ato da assinatura do contrato com a operadora, o usuário escolhe uma taxa de CIR, que pode ser de 25%, 50%, a que o usuário escolher, e no momento do congestionamento, a operadora garante que terá disponível a banda correspondente ao CIR. Por exemplo, se um usuário tem um Frame Relay de 128 KB/s com um CIR de 50%, caso a rede não esteja congestionada o mesmo poderá realizar uma rajada de tráfego a até 128 KB/s. Porém, caso haja congestionamento, esta banda vai sendo automaticamente reduzida até o valor de CIR, podendo este usuário no pior caso trafegar a 64 KB/s, que corresponde a 50% de 128 KB/s. Quando maior o CIR, maior o custo da linha 2 [8] ESTRUTURA Circuitos virtuais Os circuitos virtuais são comutados (SVC Switched Virtual Circuit) ou Permanentes (PVC Permanent Virtual Circuit). Os PVC são pré-determinados pelo gestor da rede e ficam desse modo dedicados a comunicação ponto a ponto entre dois locais conhecidos. Os SVC são estabelecidos conforme a necessidade comunicativa dos utilizadores. Figura 3. Circuitos Virtuais 2 2 Adaptado de [8]. 10

22 3.4.2 Cabeçalho Frame Relay A estrutura baseia-se no protocolo LAPD do HDLC. O cabeçalho foi alterado para incorporar o DLCI (Data Link Connection Identifier) e bits de congestão em vez dos campos de endereço. Figura 4 Estrutura do cabeçalho do Frame Relay 3 Flag: Sempre possui o valor (7Eh) e indica o início ou o final de um quadro; DLCI (Data Link Connection Identifier): Identifica o número do canal a ser usado na comunicação do DTE com o DCE. Note que esse campo possui no total 10 bits, sendo dividido em um campo de 6 bits e outro de 4 bits. C/R (Comando/Resposta): Informa se os dados contidos no quadro são um comando ou uma resposta. EA (Extended Address): Permite que o tamanho do cabeçalho seja aumentado em um ou dois bytes, usados para o endereçamento. Com isso, o número de endereços DLCI possíveis é aumentado consideravelmente. Note que há dois bits EA no cabeçalho, cada um indicando um byte adicional quando ativado. FECN (Forward Explicit Congestion Notification): Usado para sinalizar congestionamento BECN (Backward Explicit Congestion Notification): Usado para sinalizar congestionamento. DE (Discard Eligibility): Quando ativado, indica que o quadro possui preferência para ser descartado em situações de congestionamento [9]. 3 Adaptado de [9]. 11

23 Parâmetros de tráfego Frame Relay COMMITTED INFORMATION RATE (CIR) - é a taxa (em bps) que a rede aceita transferir informação, em um determinado circuito virtual, em condições normais de funcionamento, ou seja, o CIR é o throughtput (quantidade de informação) garantido pela rede (taxa contratada). Um acesso frame relay pode ter múltiplos circuitos virtuais (DLCI s), e o CIR deve ser configurado individualmente, pois ele definido por DLCI, é o tráfego entrante na rede, sendo possível que tenhamos dois valores para CIR ( um para cada sentido de transmissão) para cada circuito virtual da interface. COMMITTED BURST SIZE (Bc) - representa a quantidade máxima de dados (volume em bits) que a rede garante transportar em condições normais de operação durante um determinado período de tempo Tc. EXCESS BURST SIZE (Be) - representa a quantidade máxima de dados não contratado (volume em bits) acima do Bc (excesso), que a rede frame relay tentará entregar durante um determinado período de tempo Tc, caso haja disponibilidade de recursos. EXCESS INFORMATION RATE (EIR) - representa a taxa de informação não contratada (em bps), portanto acima do CIR, que a rede irá transportar caso haja disponibilidade de recursos. MEASUREMENT INTERVAL (Tc) - é o intervalo de tempo utilizado para medir taxas (throughput) e o tamanho das rajadas (bursts). [11] 12

24 Dados (Kbits) Bc + Be Bc Taxa de Acesso CIR EIR Descarte de todos os frames Frames com DE setado Frames normais Figura 5 Gráfico demonstrativo de CIR, EIR, DE 4 Tc T(segundos) Controle de Congestionamento As especificações ANSI são muito claras sobre os mecanismos usados para indicar a existência de congestionamento na rede. Existem dois tipos de mecanismos para minimizar, detectar e recuperar de uma situação de congestionamento, que também acaba por prover um controle de fluxo: Notificação de congestionamento explicíto; Controle de discarte; Notificação de congestionamento implícito e Esses mecanismos usam bits específicos contidos no cabeçalho de cada frame [10]. 4 Adaptado de [11] 13

25 Tabela 1 Técnicas de Controle de Congestionamento no Frame-Relay Notificação Explícita de Congestionamento FECN (Notificação de Congestionamento Explicito para Frente) - Quando os quadros passam através dos nós da rede, o bit FECN será marcado informando a condição de sobrecarga da rede, baseado na medida de utilização do buffer e do processador (a rede deve sempre tentar evitar o congestionamento marcando o bit FECN antes que se torne necessário o descarte de quadros, existem várias técnicas para determinar quando marcar o FECN, e a implementação depende do fabricante). Na recepção, a chegada de quadros cujo bit FECN está marcado significa a presença de congestionamento em algum ponto no caminho do circuito virtual. O congestionamento é comunicado às camadas mais altas (acima da camada 2 ou a camada de transporte) depois de ter recebido uma certa porcentagem de bit FECN observado um intervalo de tempo. O receptor então ajusta sua taxa de recebimento e imediatamente sinaliza o transmissor para diminuir a taxa de transmissão até a rede se normalizar novamente. Desta forma não há nenhuma notificação clara de congestionamento transmitida do nó congestionado para os usuários finais, ou seja receptor e 5 Adaptado de [10] 14

26 transmissor, os usuários finais retomam a operação normal utilizando inicialização gradual lenta baseada em temporizador ou outro mecanismo apropriado. BECN (Notificação de Congestionamento Explicito para Trás) - Trata-se de um mecanismo adicional ao FECN onde o nó, prevendo o congestionamento, marca o bit BECN dos quadros transportados na direção reversa (isto é, na direção do transmissor) no mesmo circuito virtual (note que o circuito virtual necessita ser bidirecional e ter algum dado passando na direção reversa). Recebendo o bit BECN, o transmissor deve imediatamente diminuir sua taxa e aumenta-la gradualmente com o tempo (mecanismo semelhante já foi descrito para o bit FECN). Se o usuário não prestar atenção ao indicador de BECN, as filas nos enlaces, ou dentro do nó, serão formadas e o congestionamento poderá ocorrer. Figura 6 Tratamento do congestionamento em redes frame Relay Notificação Implícita de Congestionamento Uma outra maneira para detectar o congestionamento é utilizar mecanismos existentes mais simplificados tais como temporizar recebimento de quadros, atrasos, throughput reduzido, detecção 6 Adaptado de [10]. 15

27 de perdas de quadros, etc. Em virtude da infra-estrutura confiável através da qual as redes operam, os usuários podem prever através destas informações que está ocorrendo congestionamento na rede, e tomar as devidas providências para a normalização do tráfego na rede. O princípio para todos os usuários é o mesmo da perda de quadro dentro da rede: Se um quadro é detectado como tendo sido perdido, o usuário deve reduzir seu throughput oferecido a 25% da taxa atual. Tendo reduzido sua taxa oferecida, o usuário pode aumentá-la por um fator de 0,125 vezes o CIR acordado depois de qualquer intervalo de medição acordado no qual nenhum dos quadros perdidos é detectado. Uma opção a mais é reduzir a taxa de crescimento a 0,0625 vezes o throughput acordado, uma vez que a taxa oferecida atinge a metade da taxa na qual a perda do quadro foi originalmente detectada. Deve ser notado que os mecanismos de controle de congestionamento descritos anteriormente são parte de um gerenciamento mais global, e desta forma são complementares, podendo ser usados concorrentemente. Novamente, caso não haja reação do usuário, a rede deve proteger-se descartando quadros de quaisquer circuitos adequados no evento que o congestionamento não é liberado. Concluindo, a responsabilidade e os procedimentos conjuntos entre o usuário terminal e a rede devem ser possíveis de serem verificados pela rede. A inicialização da recuperação do congestionamento é responsabilidade da rede. O usuário terminal deve auxiliar a rede continuando os procedimentos de prevenção. A recuperação de congestionamento é usada para ajudar a controlar a carga oferecida nas redes severamente congestionadas e mover desta situação para a condição sem congestionamento. BIT DE (Discard Eligibility) - Quando o nó congestionado começa a descartar quadros, ele dará preferência a descartar quadros que tiverem o bit DE de seu cabeçalho ativado. Os nós da rede Frame Relay irão ativar esse bit sempre que a taxa de transferência estiver acima do CIR (taxa de transferência média) estipulado para o canal, como havíamos explicado anteriormente. Os 16

28 dispositivos saberão que a rede está descongestionada assim que pararem de receber o bit FECN ou BECN ativados, voltando à sua velocidade normal de transmissão [10] Tipos de Interfaces As especificações levam em consideração dois tipos de interface para o protocolo frame relay: User Network Interface (UNI) e Network Network Interface (NNI). UNI : é a interface padrão entre o dispositivo do usuário e a rede de comunicação para o serviço frame relay. NNI : esta interface deve ser configurada sempre que houver a conexão entre duas redes frame relay. A interface NNI é para receber, processar e propagar as informações de sinalização de estado para que os usuários finais possam ter uma visão geral do estado de sua conexão, a qual poderá estar atravessando diversas redes frame relay diferentes [11]. 17

29 4. ATM (ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE) 4.1. INTRODUÇÃO O modo de transferência assíncrono (ATM) procura se beneficiar do ganho estatístico de serviços cujos tráfegos possuam taxa variável, não perdendo de vista, com isto, a necessidade de se manter um desempenho razoável para aqueles serviços que possuam taxa contínua. No modo de transferência assíncrono, um canal é identificado pela posição fixa de seus slots dentro dos frames. No ATM, a banda passante é dividida em segmentos fixos de informação denominados células. Cada célula possui um cabeçalho de informação a fim de que o receptor possa identificar a qual canal esta célula pertence, e tomar as medidas cabíveis. Um canal não é mais identificado de maneira estática, por uma posição no tempo, mas sim de maneira dinâmica através das informações contidas nos cabeçalhos. Poderíamos nos perguntar o porquê do tamanho tão reduzido da célula ATM, mas várias vantagens são obtidas com esta decisão. Quanto maior o tamanho da célula maior o tempo de empacotamento, causando, desta maneira, maior atraso de transferência e afetando, principalmente, serviços sensíveis ao tempo de atraso, como vídeo e áudio. Para tais serviços, o alongamento do tempo de atraso provoca uma queda substancial da qualidade, ocasionando distorções e eco, por exemplo, para a transmissão de voz [13]. É possível implantar enlaces ATM com diferentes larguras de banda, a partir de 1,5 Mbps, ou com valores bem maiores saltando para 25 Mbps, 155 Mbps (OC3), 622 Mbps (OC12) ou 2,488 Gbps (OC48) ESPECIFICAÇÕES DO PROTOCOLO ATM Fontes de trabalho para a especificação do protocolo ATM: ATM Forum IETF ITU-T 18

30 4.3. ESTRUTURA Modelo ATM A célula é a menor unidade de informação em uma rede ATM e são de tamanhos fixos de 53 bytes, onde 5 bytes são utilizados para cabeçalho (header) e 48 bytes para informação (payload). Toda célula é identificada pelo seu cabeçalho, que contém principalmente informações para direcionar a célula dentro da rede ATM. Podemos representar o formato da célula ATM como mostra a figura a seguir:[14] Figura 7 Célula ATM (Cabeçalho) 7 O campo de Cabeçalho carrega as informações de controle do protocolo. Devido a sua importância, possui mecanismo de detecção e correção de erros para preservar o seu conteúdo. Ele é composto por 5 bytes com as seguintes informações: GFC (Generic Flow Control), com 4 bits, que identifica o tipo de célula para a rede, e o VPI propriamente dito, com 8 bits. VPI (Virtual Path Identifier), com 12 bits, representa o número da rota virtual até o destinatário da informação útil, e tem significado local apenas para a porta de origem. VCI (Virtual Channel Identifier), com 16 bits, representa o número do canal virtual dentro de uma rota virtual específica. Também se refere ao destinatário da informação útil e tem significado local apenas para a porta de origem. 7 Adaptado de [13] 19

31 PT (Payload Type), com 3 bits, identifica o tipo de informação que a célula contém: de usuário, de sinalização ou de manutenção. CLP (Cell Loss Priority), com 1 bit, indica a prioridade relativa da célula. Células de menor prioridade são descartadas antes que as células de maior prioridade durante períodos de congestionamento. HEC (Header Error Check), com 8 bits, é usado para detectar e corrigir erros no cabeçalho.[14] Conexões Virtuais (Virtual Connections) A tecnologia ATM é baseada no uso de conexões virtuais. O ATM implementa essas conexões virtuais usando 3 conceitos: TP (Transmission Path): é a rota de transmissão física (por exemplo, circuitos das redes de transmissão SDH/SONET) entre 2 equipamentos da rede ATM. VP (Virtual Path): é a rota virtual configurada entre 2 equipamentos adjacentes da rede ATM. O VP usa como infraestrutura os TP s. Um TP pode ter um ou mais VP s. Cada VP tem um identificador VPI (Virtual Paths Identifier), que deve ser único para um dado TP. VC (Virtual Channel): é o canal virtual configurado também entre 2 equipamentos adjacentes da rede ATM. O VC usa como infraestrutura o VP. Um VP pode ter um ou mais VC s, Cada VC tem um identificador VCI (Virtual Channel Identifier), que também deve ser único para um dado TP. Figura 8 Circuito Virtual ATM 8 8 Adaptado de [13] 20

32 A partir dessas conexões virtuais o ATM implementa todos os seus serviços. Em especial, o ATM implementa também os circuitos virtuais (VC) mais comuns, quais sejam: PVC (Permanent Virtual Circuit): esse circuito virtual é configurado pelo operador na rede através do sistema de Gerência de Rede, como sendo uma conexão permanente entre 2 pontos. Seu encaminhamento através dos equipamentos da rede pode ser alterado ao longo do tempo devido à falhas ou reconfigurações de rotas, porém as portas de cada extremidade são mantidas fixas e de acordo com a configuração inicial. SVC (Switched Virtual Circuit): esse circuito virtual disponibilizado na rede de forma automática, sem intervenção do operador, como um circuito virtual sob demanda, para atender, entre outras, as aplicações de Voz que estabelecem novas conexões a cada chamada. O estabelecimento de uma chamada é comparável ao uso normal de telefone, onde a aplicação de usuário especifica um número de destinatário para completar a chamada, e o SVC é estabelecido entre as portas de origem e destino Camada ATM Para representar exatamente o modelo ATM, duas camadas precisam ser definidas, a primeira chamada de Camada ATM e a outra chamada de ATM Adaptation Layers (AAL). Figura 9 Modelo Camada ATM 9 9 Adaptado de [13] 21

33 As obrigações dos três planos de comunicação são descritos pelo ITU-T da seguinte maneira: 1) Plano do usuário transporta os dados do usuário para aplicação, isso usa a física ATM e ATM camada de adaptação. 2) Plano de controle cuida do, estabelecimento, comunicação e queda da conexão do usuário. A ponto chave para isso é a sinalização. 3) Plano de gerenciamento incluí a camada de gerenciamento e o plano de gerenciamento. A camada de gerenciamento, monitora e coordena as tarefas de camadas individuais. O plano de gerenciamento monitora estas tarefas na rede Camada Física A camada física é a única camada do ATM que tem conexão física com outro sistema. No ATM não é especificado um meio de transporte particular. Os meios preferidos para utilização no centro da rede, isto é, para interligação entre switchs ATM é o SDH e o SONET, pois estas tecnologias garantem alta banda e baixa taxa de erro. O PDH e os métodos de transmissão assíncronos também podem ser utilizados Camada ATM A pricipal função da camada ATM é transportar e multeplexar as células ATM. Para fazer isto, a camada ATM adiciona ao cabeçalho da célula os dados recebidos da camada AAL (ATM Adaptation Layer). Estes cabeçalhos contem todas as informações sobre controle e endereçamento das células. As células com funções especiais, com as células de OAM, são marcadas como tais. O cabeçalho de dados é protegido contra erros usando um procedimento de CRC (Cyclic Redundancy Check), a camada ATM avalia as informações de VPI e VCI das células ATM de entrada Camada AAL (ATM Adaptation Layer) A camada AAL (ATM Adaptation Layer), como o próprio nome diz, é responsável por adaptar os dados das camadas superiores para o formato do campo de informação das células ATM. A camada AAL também determina os serviços a serem utilizados. A camada AAL reconstrói 22

34 a linha de dados original dos campos de informação e equaliza as variações de atrasos nas células. Adaptação de protocolos para camadas superiores também é função desta camada. Para atender as várias necessidades da comunicação de dados, quatro classes de serviços foram criadas. Os tipos de serviços são nomeados como: AAL1, AAL2, AAL3/4, e AAL5. AAL Tipo 1 - é utilizado para transportar aplicações que não permitem atraso e que necessitem de uma taxa constante, como sinais de voz e vídeo, e para emular caminhos PDH, como a estrutura E1 e DS1. A correção dos bits errados e de células perdidas e feita pelo campo SN (Numeração de Sequência). Dependendo da rede e da camada a correção e indicação de erro podem ou não ser usada. AAL Tipo 2 - é usado para serviços que não permitem atraso com taxa de bits variável, como vídeo e áudio compactado ou comprimido, como utilizado em sistemas celulares. AAL Tipo 3/4 - tem como função fazer a adaptação de circuitos chaveados para o formato de células ATM. A área de aplicação é interligando redes locais (LAN) e transmitindo dados usando ATM. Duas subcamadas adicionais são utilizada para descrver a função. A subcamada de convergência que é subdividida em Commom Part Convergence Sublayer (CPCS) que é a subcamada de convergência de caminho comum e a Service Specific Convergence Sublayer (SSCS) que é a subcamada de convergência de serviço específico. As informações são adicionadas das camadas superiores para as subcamadas SSCS e CPCS como na subcamada SAR. Esta informação é usada, por exemplo, para proteção contra erro e controle de fluxo. Figura 10 Camada AAL Tipo 3/4 10 AAL Tipo 5 - originalmente denominada SEAL (Simple and Efficiente Adaptation Laye), a AAL tipo 5 foi criada para necessidades especiais de Frame-Relay e TCP/IP. 10 Adaptado de [13] 23

35 Os dados vindo da SSCS são completados com informações adicionais. Isto assegura que o tamanho dos dados sempre sejam divisivel por 4. O tamanho do campo indica o número de bytes na SAR PDU (de 1 até no máximo 65535). Depois disso, os pacotes de dados formados desta maneira são representados na camada SAR por seguimentos de 48 bits Classes de serviços O tratamento dos diversos tipos de serviços do ATM é feito na camada AAL. Para tanto foram definidos tipos de serviços, baseado na qualidade de serviço esperada: CBR, VBR, ABR e UBR. CBR (Constant Bit Rate) é aplicado a conexões que necessitam de banda fixa (estática) devido aos requisitos de tempo bastante apertados entre a origem e o destino. Aplicações típicas deste serviço são: áudio interativo (telefonia), distribuição de áudio e vídeo (televisão, pay-perview, etc), áudio e vídeo on demand, e emulação de circuitos TDM. VBR (Variable Bit Rate) pode ser de tempo real ou não. Na modalidade tempo real (rt- VBR), é aplicado a conexões que tem requisitos apertados de tempo entre origem e destino, porém a taxa de bits pode variar. Aplicações típicas deste serviço são voz com taxa variável de bits e vídeo comprimido (MPEG, por exemplo). Não tempo real (nrt-vbr), o VBR pode ser utilizado com ou sem conexão, a destina-se a conexões que, embora críticas e com requisitos de tempo apertados, podem aceitar variações na taxa de bits. Aplicações típicas deste serviço são os sistemas de reserva de aviação, home banking, emulação de LAN s e interligação de redes com protocolos diversos (interação com redes Frame Relay, etc.). ABR (Available Bit Rate) é aplicado a conexões que transportam tráfego em rajadas que podem prescindir da garantia de banda, variando a taxa de bits de acordo com a disponibilidade da rede ATM. Aplicações típicas deste serviço também são as interligações entre redes (com protocolo TCP/IP, entre outros) e a emulação de LAN s onde os equipamentos de interfaces têm funcionalidades ATM. UBR (Unspecified Bit Rate) é aplicado a conexões que transportam tráfego que não tem requisitos de tempo real e cujos requisitos e atraso ou variação do atraso são mais flexíveis. 24

36 Aplicações típicas deste serviço também são as interligações entre redes e a emulação de LAN s que executam a transferência de arquivos e s. Figura 11 Categoria de serviços ATM Adaptado de [13] 25

37 Figura 12 Aplicações Categorias e Serviços ATM Controle de tráfego Os serviços ATM são classificados de acordo com vários critérios: - Tipo de serviço, caracterizado pelo parâmetro de tráfico. - Qualidade do serviço, caracterizado pelo parâmetro de QoS (Quality of Service). Os parâmetros de tráfego definem o tipo de serviço: Peak Cell Rate (PCR): Define a máxima taxa de bit que pode ser transmitida pela fonte. 12 Adaptado de [13] 26

38 Cell Delay Variation Tolerance (CDVT) Peak: É a tolerância na variação do atraso com referência a máxima taxa de bit transmitida. Sustainable Cell Rate (SCR): É a média máxima de taxa de células que pode ser transmitida pela fonte. Cell Delay Variation Tolerance (CDVT) Sustained: É a tolerância de atraso com relação a máxima média de taxa de células. Maximum Burst Size (MBS) / Burst Tolerance (BT): Tempo máximo ou número de células no qual a fonte pode transmitir o PCR. Minimum Cell Rate: Taxa mínima de célula garantida pela rede (pelo ABR). Figura 13 Parametros de Tráfego ATM Gerenciamento de Tráfego Para assegurar que a qualidade dada ao serviço será mantido dentro de toda rede ATM, é importante que a rede não esteja sobrecarregada. Uma conexão individualmente, não pode influenciar outras, para que não haja uma redução na qualidade. Controles e mecanismos de regulação foram introduzidos para permitir que diferentes canais virtuais trabalhem juntos sem problemas. Estas medidas são conhecidas como Gerenciamento de Tráfego (Traffic Management). 13 Adaptado de [13] 27

39 Funções do Gerenciamento de Tráfego Connection Admission Control (CAC) O controle de admissão de conexão checa durante o estabelecimento de uma conexão se a conexão pode manter o QoS solicitado e se não afetara as conexões já existentes dentro do contrato de tráfego. Usage Parameter Control (UPC) ou Policing: O parâmetro de controle de uso ou policiamento monitora se os parâmetros de tráfego contratados estão sendo respeitados. Células que não estiverem conforme contratada são marcadas de acordo, isto é, CLP-1. Cell Loss Priority Control O controle de prioridade de células perdidas assegura que as células marcadas com CLP-1 são rejeitadas caso seja necessário. Traffic Shaping É feito pelo terminal do usuário e alguns elementos de rede asseguram que a linha de células são transmitidas, conforme o tráfego contratado durante todo o tempo. GCRA (Generic Cell Rate Algorithm) O algorítimo de taxa de célula genérica, também conhecido como leaky bucket algorithm, é empregado pelo UPC e pelo Traffic Shaping. Os parâmetros de PCR, SCR, e MBS são controlados com o cuidado do GCRA. A princípio ele pode ser ilustrado como um balde furado. Supondo que o balde esta cheio de células ATM. O furo no balde é grande o suficiente par garantir que o balde não transborde quando células ATM, de acordo com o padrão, são recebidas. As células são marcadas (CLP-1) se ele chegar a uma certa capacidade. No algorítimo isto é feito usando contadores de células, este contador é incrementado a cada célula de entrada, a taxa de vazão no algorítimo é a taxa de decremento que reduz o valor do contador dentro de certos intervalos. Esta taxa é dada por uma taxa de células considerando 1/PCR, e dada por uma distância mínima entre entre duas células consecutivas. Este tempo entre células é determinado através do controle de tráfego ou configurado pelo provedor de rede e é chamado de CDVT (cell delay variation tolerance). Se o contador exceder determinado valor não estaram de acordo com o contratado. Quando isso acontecer as células podem ser marcadas (CLP-1) ou descartadas. Este algorítimo pode monitorar tanto o parâmetro de PCR e SCR ou somente um dos dois. 28

40 Figura 14 Ilustração do Algoritimo leaky bucket ou balde furado Interoperabilidade com a rede Frame Relay Para buscar aumentar a interoperabilidade do ATM com outros protocolos de dados, ATM Fórum e o FR Fórum desenvolveram padrões para interligar equipamentos dessas tecnologias através de PVC s. Foram padronizadas duas formas de interoperabilidade. A primeira, chamada de Frame Relay/ATM Network Interworking for PVC s, padroniza uma funcionalidade responsável pelo encapsulamento dos PVC s para que os mesmos possam ser transportados indistintamente nas redes da 2 tecnologias. Seu uso típico ocorre quando a rede Frame Relay tem com núcleo uma rede ATM, para otimizar ainda mais o uso de banda e a segurança. 14 Adaptado de [13] 29

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC e Controle de guelfi@lsi.usp.br kiatake@lsi.usp.br NSRAV - Núcleo de Segurança e Redes de Alta Velocidade Introdução Controle de tráfego e controle de congestionamento são termos que descrevem diferentes

Leia mais

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito Interconexão x Frame relay Prof. José Marcos C. Brito 1 Formas de interconexão Interoperação direta entre redes distintas Possível quando os protocolos possuem semânticas semelhantes Acesso a um protocolo

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

RCO2. WAN: Frame Relay ATM

RCO2. WAN: Frame Relay ATM RCO2 WAN: Frame Relay ATM 1 WAN WAN: Wide Area Network Cobrem longas distâncias Conectividade provida por operadoras de serviço, cuja infraestrutura é compartilhada pelos clientes; cobrança por largura

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

2. PROTOCOLOS DE ACESSO

2. PROTOCOLOS DE ACESSO TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 03 ObjetivodaAula 2. PROTOCOLOS DE ACESSO 2.1 HDLC (High Level Data Link Control) 2.2 SLIP (Serial Line Internet Protocol)

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

6.4 Tecnologias de Redes Alargadas

6.4 Tecnologias de Redes Alargadas Capítulo 6.4 6.4 Tecnologias de Redes Alargadas 1 Tecnologias de redes alargadas X.25 Frame Relay ATM 2 1 X.25 3 X.25 Tecnologia base das primeiras redes públicas de comutação de pacotes (ex. Telepac em

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Capítulo 5: EVOLUÇÃO DAS REDES

Capítulo 5: EVOLUÇÃO DAS REDES Capítulo 5: EVOLUÇÃO DS REDES Cap.5 Evolução das Redes - 1 FRME RELY Cap.5 Evolução das Redes - 2 FRME RELY Protocolo de Interface para rede de comutação de pacotes Chaveamento (roteamento) no nível de

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ PROTOCOLO ATM Asynchronous Transfer Mode Elton Coelho A. Gonçalves - 201301730432 Henry R. X. de andrade - 201201538106 Marvin Thomaz do Nascimento - 201301507271 Rafael Albino

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - REDES PARA INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Muito se falou sobre telecomunicações aplicadas as diversas áreas da comunicação. Todas as áreas de uma forma ou de outra são dependentes da computação/informática

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Gestão de Tráfego e Qualidade de

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV Tutorial ATM Prof. Nilton Alves Objetivos e Público Alvo Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço.

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço. Redes ATM Tópicos Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células Interfaces Características ATM LANs Virtuais Categorias de Serviço LAN Emulation Introdução a ATM ATM = Asynchronous Transfer Mode

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 4 Comutação Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Comutação de Circuitos Comutação de Mensagens Comutação de Pacotes Redes Orientadas a Conexões Tecnologias Atuais

Leia mais

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações Unidade IV Controle de Congestionamento TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações 204 Tópicos Introdução QoS QoS e Controle de Congestionamento Formatação de Tráfego Gerenciamento de Buffer Descarte

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Asynchronous Transfer Mode (ATM) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas

Leia mais

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO Flávia Oliveira Santos de Sá Lisboa* Introdução O desenvolvimento da tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode) tinha como principais objetivos integrar em uma única rede

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Formato de Frame FR Frame Relay Circuitos Virtuais É um circuito de dados virtual bidirecional configurado entre 2 portas

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

O nível Rede nas redes ATM

O nível Rede nas redes ATM O nível Rede nas redes ATM Introdução Características do nível Rede nas redes ATM Formato das células Gestão de ligações Formato dos endereços Encaminhamento Comutação Categorias de serviço Qualidade de

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

10. Gestão de Tráfego e QoS ATM. - Parâmetros de desempenho ATM

10. Gestão de Tráfego e QoS ATM. - Parâmetros de desempenho ATM 10. Gestão de Tráfego e QoS ATM - Definições: Célula bem sucedida na entrega Célula errada: célula bem sucedida na entrega ao destinatário correcto, mas com erros. Célula perdida: devido a sobrecarga nos

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Redes ATM Estrutura do Trabalho Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Conceito O Modo de Transferência Assíncrono(ATM) é

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

Prof. Rodrigo Coutinho Revisão Comutação Comutação é a forma como serão alocados os recursos p/ transmissão na rede Comutação de circuitos Pressupõe existência de caminho físico dedicado Iniciada quando

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores I (R1)

Disciplina: Redes de Computadores I (R1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Agrícola de Teresina Campus da Socopo Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores I (R1) Orientada a Conexão Primeira rede pública

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Capítulo III - QoS em Redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo III - QoS em Redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo III - QoS em Redes ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Introdução O ATM é uma tecnologia para rede multiserviço. O ATM define classes de serviço que contemplam as aplicações atuais e aplicações futuras.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio

Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio 1 Faculdade Lourenço Filho Curso Tecnológico Redes de Computadores Disciplina: Redes de Alta Velocidade Prof. Rafael Guimarães Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio Antônio Edipo Moliterne de Lima Ariolino

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

REDES MULTIMÍDIA (ATM) OBJETIVOS

REDES MULTIMÍDIA (ATM) OBJETIVOS REDES MULTIMÍDIA (ATM) Carlos Roberto OBJETIVOS Mostrar a evolução das Redes de Comunicações Definir Rede com Integração de Serviços: RDSI- FE e RDSI-FL Entender a tecnologia ATM: conceito, princípio de

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento da rede Memorização de pacotes Suavização do tráfego (Traffic shaping) O algoritmo Leaky

Leia mais