RCO2. WAN: Frame Relay ATM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RCO2. WAN: Frame Relay ATM"

Transcrição

1 RCO2 WAN: Frame Relay ATM 1

2 WAN WAN: Wide Area Network Cobrem longas distâncias Conectividade provida por operadoras de serviço, cuja infraestrutura é compartilhada pelos clientes; cobrança por largura de banda e distância Milhares de pontos de conexão, que correspondem usualmente a LANs Diferentes tipos de tráfego, como dados, voz e video Largura de banda contratada com operadora (64 kbps até centenas de Mbps) 2

3 WAN WAN: Wide Area Network Resiliência é crítica, pois falhas impactam muitos clientes SLA ( (Service Level Agreement) ) essencial, para garantir o funcionamento de aplicações críticas dos clientes Gerência muito complexa: milhares de clientes com diferentes SLAs, e necessidade de manter custo baixo 3

4 WAN 4

5 WAN 5

6 WAN 6

7 WAN 7

8 WAN WAN: Wide Area Network 8

9 WAN WAN: tendências das principais tecnologias Crescimento do tráfego (EUA) MPLS e MetroEthernet em alta ATM e Frame Relay caindo 9

10 WAN Comutação de circuitos virtuais Abordagem usada por Frame Relay, ATM e MPLS Circuitos emulados sobre uma rede de transporte Rede de transporte compartilhada por muitos circuitos virtuais Orientada a conexão: circuitos estabelecidos entre as pontas finais antes de serem usados 10

11 WAN Comutação de circuitos virtuais (VC) VC possui um identificador de circuito virtual (VCI) Escopo do VCI: entre dos nós que se comunicam Quadro que chega a um nó de comutação possui um VCI definido pelo nó que o enviou Ao ser encaminhado pelo nó de comutação, VCI é outro 11

12 WAN Comutação de circuitos virtuais (VC) Comunicação em três fases: Estabelecimento de circuito: Manual ou automática Usam-se endereços globais para nós de comutação criarem tabelas de comutação (com VCIs) Transferência de dados Comunicação normal, usando os VCIs definidos nos nós de comutação Desconexão de circuito Nós de comutação limpam suas tabelas 12

13 WAN Comutação de circuitos virtuais (VC) Comunicação em três fases: 13

14 WAN Comutação de circuitos virtuais (VC) Fase de transferência de dados Comutação baseada nos VCIs 14

15 WAN Comutação de circuitos virtuais (VC) Fase de estabelecimento de Conexão Circuito Virtual Permanente (PVC): Conexão sempre disponível Conexão estabelecida manualmente pelo administrador de rede Circuito Virtual Comutado (SVC): Conexão ativada por demanda Etapas de solicitação e confirmação 15

16 WAN Comutação de circuitos virtuais (VC) Fase de solicitação do SVC: 16

17 WAN Comutação de circuitos virtuais (VC) Fase de confirmação do SVC: 17

18 WAN Frame Relay Desenvolvido no final dos anos 80 para substituir o X.25 X.25: : rede de comutação de circuitos virtuais com grande overhead e consequentes baixas taxas de dados (até 64 kbps) X.25 faz controle de erros e de fluxo nas camadas de enlace e de rede! Limitações do X.25 então levaram ao uso de LP (linha privativa, ou SLDD) Problema: requer conexão física entre cada par de nós finais da rede! A capacidade das LPs é fixa, então se paga menos se não for usada 18

19 WAN Frame Relay: características Baseado em circuitos virtuais (permanentes ou dedicados) Nós finais precisam de somente uma conexão física para a rede Frame Relay Trabalha a taxas até 44 Mbps Opera somente nas camadas física e de enlace Não faz controle de erros nem de fluxo Detecção de erros somente na camada de enlace Permite rajadas de dados (uso momentâneo acima do normal) Quadros de até 9000 bytes Baixo custo relativo a outros serviços WAN 19

20 WAN Frame Relay: arquitetura Circuitos virtuais identificados por DLCIs ( (Data Link Connection Identifier) ) equivalente ao VCI Nós de comutação possuem tabelas de comutação Mapeamento porta de chegada DLCI a porta de saída - DLCI 20

21 WAN Frame Relay: arquitetura Camadas Frame Relay: Enlace Núcleo das funções simplificadas da camada de enlace Física Padrões ANSI 21

22 WAN Frame Relay: arquitetura Camada de Enlace: LAPF: : versão simplificada do protocolo HDLC Sem controle de erros e de fluxo Formato do quadro LAPF: 22

23 WAN Frame Relay: campos do quadro LAPF Endereço (DLCI) C/R (Command/Response): : não usado EA (Extended Address): se byte atual termina DLCI FECN (Forward Explicit Congestion Notification): : se há congestionamento na direção de viagem do quadro BECN (Backward Explicit Congestion Notification): : se há congestionamento na direção oposta à viagem do quadro DE (Discard Eligibility): : prioridade do quadro, para fins de descarte se houver congestionamento 23

24 WAN Frame Relay: FRAD (Frame Relay Assembler/Disassembler) Equipamento que interfaceia a rede Frame Relay com outra rede Encapsula quadros de outra rede (ex: IP) em quadros Frame Relay, e vice-versa 24

25 WAN Frame Relay: LMI (Link Management Interface) Protocolo para gerenciamento de VCs Provê mecanismo de keep-alive,, para verificar se dados fluem na rede Provê multicast,, para comunicações muitos-para- muitos Mecanismos para que nós finais verifiquem o status de nós de comutação (ex: se há congestionamento) 25

26 WAN Frame Relay: QoS e congestionamentos Cliente contrata VC com determinado CIR e Peak Rate com a operadora CIR (Commited Information Rate): : largura de banda mínima garantida pela operadora Peak rate: : largura de banda adicional suportada pela operadora durante um certo intervalo (mas sem garantia) Quadros enviados em rajada (acima do CIR) possuem bit DE = 1 Caso haja congestionamento, nós de comutação descartam primeiro esses quadros 26

27 WAN Frame Relay: QoS e congestionamentos Notificações de congestionamento em quadros: Bit BECN: : faz com que o emissor dos quadros pause momentaneamente (fique dentro do CIR) Bit FECN: : pode ser usado para atrasar o envio de confirmações de protocolos de camadas superiores Lembre-se que Frame Relay não faz controle de fluxo nem controle de erros! Assim, Frame Relay não confirma quadros... 27

28 WAN e Frame Relay Referências: Michael Gallo, William Hancock. Comunicação entre Computadores e Tecnologias de Rede. Ed. Thomson Cisco Frame Relay Tutorial ( technology/handbook/frame-relay.html) 28

29 ATM (Asynchronous( Transfer Mode) Visão geral: Tecnologia de transmissão baseada em circuitos virtuais Ênfase em qualidade de serviço (QoS) Origem 1980: : Originalmente desenvolvido pela AT&T como uma técnica rápida de comutação de pacotes para fornecer a possibilidade de mixar voz e transmissão digital sobre uma única rede digital 1988: : ATM foi adotada pelo ITU-T (International( Telecommunication Union) ) como o mecanismo de multiplexação e comutação para B-ISDN (Broadband Integrated Service Digital Network) 29

30 Conceitos Importantes Multiplexação assíncrona e síncrona Multiplexação: : compartilhamento do meio de transmissão por várias conexões distintas Técnica de multiplexação por divisão de tempo (TDM) tempo de transmissão do meio é compartilhado entre várias conexões ativas Multiplexação por divisão de tempo síncrona (STDM) Tempo é dividido em quadros de tamanho fixo que por sua vez são divididos em intervalos de tamanho fixo... I 1 I 2... I n I 1 I 2... I n... Quadro i Quadro i+1 30

31 Conceitos Importantes Multiplexação por divisão de tempo síncrona (STDM) Exemplo Quadro de transmissão dividido em 10 intervalos que são numerados de 1 a 10 Se o intervalo 1 é atribuído a uma conexão, o emissor pode transmitir dados sob esta conexão apenas no intervalo 1 Caso ela tiver mais dados a transmitir, ela deve aguardar novo quadro Se ele não usa este intervalo temporal, nenhuma outra conexão pode utilizá-lo... I 1 I 2... I n I 1 I 2... I n... Quadro i Quadro i+1 31

32 ATM (Asynchronous( Transfer Mode) ATM - Divisão do tempo em pequenos intervalos Tempo em uma ligação é dividido em pequenos intervalos fixos t Intervalos temporais não são reservados para uma determinada conexão ATM é um esquema de multiplexação por divisão de tempo em que intervalos temporais não são atribuídos a uma conexão particular ATM é também chamada de multiplexação por divisão de tempo assíncrona (ATDM) 32

33 Noção de Célula ATM Informações são enviadas em pequenos pacotes Dados são enviados em pequenos pacotes de tamanho fixo (células( células) Uso da largura de banda Equipamento terminal controla largura de banda efetiva por meio da freqüência com que as células são geradas Usuários podem acessar a largura de banda sob demanda a qualquer taxa de dados efetiva até o máximo da velocidade permitida pela ligação de acesso 33

34 Noção de Célula ATM Formato de célula ITU-T Células ATM para a B-ISDN têm o tamanho de 53 bytes: 5 bytes são o cabeçalho e 48 bytes são dados do usuário (payload( payload) Todos os tipos de tráfego apresentado pelo usuário final: são transformados em células transmitidos para o destino baseado nas informações do cabeçalho Cabeçalho (5 bytes) Dados do usuário (48 bytes) 34

35 Como o tamanho da célula foi determinado Considerações sobre o tamanho da célula Para otimizar atraso total de transmissão da célula: tamanho de célula deve ser pequeno Para otimizar o uso da largura de banda tamanho da célula deve ser grande Tamanho da célula é um compromisso entre estes fatores Comitê definiu o número de 48 bytes de dados para a célula 35

36 Modelo de Referência B-ISDN Plano do usuário e o Plano de Controle Compostos por quatro camadas: Camada mais Alta Camada de Adaptação ATM Camada ATM Camada Física (PHY) 36

37 Modelo de Referência B-ISDN Camada de Adaptação ATM (AAL) Diferentes AALs podem ser usadas para diferentes tipos de tráfego AALs existem apenas na fonte e no destino na rede os 48 bytes de dados do usuário não são tocados comutadores rotearão a célula conforme informações do cabeçalho Terminal Terminal AAL Comutador Comutador AAL ATM ATM ATM ATM PHY PHY PHY PHY 37

38 Modelo de Referência B-ISDN Camada ATM Adiciona cabeçalho da célula (5 bytes) que assegura que a célula seja enviada na conexão correta É uma camada de comutação e multiplexação independente da camada física 38

39 Camada Física Introdução Define o mapeamento das células ATM no meio físico e os parâmetros da transmissão física Determina a taxa de transmissão de bits 155 Mbps e 622 Mbps foram inicialmente propostas para transmissão em fibra ótica Outras taxas de transmissão foram definidas para outros meios de transmissão ATM não fixa o tipo específico de transporte físico Meio mais comum para longas distâncias é fibra ótica 39

40 Camada Física SONET (Synchronous( Optical Network) Especifica como sinais digitais síncronos podem ser transportados por redes de fibra ótica Principais características unidade básica de transporte: quadro composto de 810 bytes que se repete a cada 125µs taxa de bits de 51,84 Mbps taxa 51,84 Mbps é chamada de STS-1 (Synchronous Transport Signal level 1) ou OC-1 (Optical( Carrier Level 1) 1 OC-n é o equivalente ótico de um sinal elétrico STS-n 40

41 Camada Física SDH (Synchronous( Digital Hierarchy) Recomendado pela ITU-T baseado no SONET Desenvolvido a partir de três sinais STS-1 concatenados Denominando o novo sinal de STM-1 (Synchronous( Transport Module level 1-155,52 Mbps) Adotado como o sinal básico para a interface NNI e UNI Padrão SONET foi posteriormente aprovado Velocidades de interfaces comuns reconhecidas por SONET/SDH Sonet OC Level OC-1 OC-3 OC-12 OC-24 OC-48 SDH STM Level SDH-1 SDH-4 SDH-8 SDH-16 Taxa da linha (Mbps) 51,84 155,52 622, ,1 2488,32 41

42 Camada Física para o Forum ATM Adota vários meios de transmissão Inicialmente: padrão de transmissão física FDDI a 100 Mbps Adicionadas outras opções: par trançado (UTP-3) a 25.6 ou 155 Mbps, linhas síncronas tal como T3 (45 Mbps) ou E3 (34 Mbps) Nome e sincronização de quadros SDH, STM4/SONET STS-12 sob SMF Definido por ITU SDH STM-1/SONET STS-3C sob SMF, MMF, STP, UTP-5 ITU/ATM Forum Baseado em célula sob MMF, STP, UTP-5 Baseado em célula sob MMF (TAXI) UTP-3, MMF, SMF G.804/T3 G.804/E3 STP, UTP-3, UTP-5 E1 T1 ATM Forum ATM Forum ATM Forum ATM Forum/ANSI ATM Forum/ANSI ATM Forum ATM Forum/ITSI ATM Forum/ANSI Taxa da linha Lista de camadas físicas suportadas atualmente 622 Mbps 155 Mbps 155 Mbps 100 Mbps 51 Mbps 45 Mpbs 34 Mbps 26,5 Mbps 2 Mbps 15 Mbps 42

43 Elementos básicos ATM Uma rede ATM é hierárquica Terminais (sistemas finais) são conectados a comutadores diretamente através de pontos de acesso Comutador é constituído por várias portas que se associam às linhas físicas da rede Terminal Terminal Comutador Terminal Terminal Terminal Comutador Comutador Comutador Terminal Terminal 43

44 Elementos básicos ATM Velocidades e Largura de Banda Velocidade de acesso: : Velocidade da ligação entre um ponto de acesso e um comutador (dedicada ao ponto de acesso) Largura de banda agregada: : entre comutadores maior que a velocidade de acesso não precisa ser a soma das taxas de pico de todas as suas ligações de entrada pois ATM usa multiplexação estatística Terminal Terminal Comutador Terminal Terminal Terminal Comutador Comutador Comutador Terminal Terminal 44

45 Interface Elementos básicos ATM Interface usuário-rede (UNI): : entre o usuário (terminal) Interface rede-rede (NNI): : entre os comutadores de rede Formato da célula é ligeiramente diferente na UNI e na NNI Terminal Terminal Comutador Terminal Terminal UNI Terminal Comutador NNI Comutador Comutador Terminal Terminal 45

46 Elementos básicos ATM ATM é orientada a conexão Canal Virtual (VC): conexão lógica entre dois comutadores ATM ou entre um terminal ATM e um comutador ATM rota que as células seguem consiste de uma seqüência de VCs Conexão de canal virtual (VCC): seqüência de VCs que forma uma rota associada com uma chamada Caminho virtual (VP): agrupamento de vários VCs em uma única entidade lógica cada canal virtual pertence a um VP entre comutadores Comutador caminho de transmissão Comutador VP1 VP2 VP3 Caminho de transmissão VP1 VP2 VP3 }VCs 46

47 Elementos básicos ATM ATM é orientada a conexão Caminhos virtuais são persistentes Canais virtuais são estabelecidos quando a conexão é iniciada Comutador caminho de transmissão Comutador VP1 VP2 VP3 Caminho de transmissão VP1 VP2 VP3 }VCs 47

48 Estabelecimento de chamada ATM fornece serviços orientados a conexão Antes de uma célula ser transmitida entre transmissor e receptor, uma conexão deve ser estabelecida Duas principais funções executadas durante o estabelecimento da conexão são: execução de um teste de admissão e negociação da Qualidade de Serviço (QoS) entre os terminais e a rede atribuição um VPI e um VCI para a conexão se os parâmetros de QoS e o pedido de conexão são aceitos 48

49 Estabelecimento de chamada 49

50 Estabelecimento de chamada Exemplo (Conexão entre os terminais 1 e 2) Terminal 1 Envia um pedido de chamada ao comutador 1, contendo: nome ou endereço do destino (terminal 2) conjunto de parâmetros de QoS requisitos de vazão, atraso e variação de atraso,... Terminal 2 TerminaL 1 Comutador 1 Comutador 2 50

51 Estabelecimento de chamada Comutador 1 Determina que linha de saída deve ser usada baseada na informação do destinatário Desempenha um teste de admissão para ver se ele pode fornecer a QoS requerida pela chamada baseado nos recursos disponíveis velocidade de comutação, tamanho de buffer e largura de banda da linha de saída,... Terminal 2 TerminaL 1 Comutador 1 Comutador 2 51

52 Estabelecimento de chamada Comutador 1 Se o comutador não pode suportar a QoS requerida envia uma mensagem de rejeição de conexão ao terminal 1, ou pode sugerir um novo conjunto de QoS ao terminal Se o terminal 1 aceita a nova QoS, o processo continua Terminal 2 TerminaL 1 Comutador 1 Comutador 2 52

53 Estabelecimento de chamada Comutador 1 Se o comutador suporta a QoS Próximo valor VCI disponível é escolhido como o VCI para a conexão referente ao segmento entre terminal 1 e comutador 1 Terminal 2 TerminaL 1 Comutador 1 Comutador 2 53

54 Estabelecimento de chamada Comutador 1 Se o comutador suporta a QoS Próximo valor VCI disponível é escolhido como o VCI para a conexão referente ao segmento entre terminal 1 e comutador 1 VCI alocado para a conexão deste segmento é VCI 1 Se não há conexões existentes entre terminal 1 e comutador 1, um VPI é alocado para a conexão para este segmento Se existem conexões, o VPI das conexões existentes é usado VPI usado para a conexão é VPI 1 Terminal 2 TerminaL 1 VCI 1 VPI 1 Comutador 1 Comutador 2 54

55 Estabelecimento de chamada Comutador 1 Envia o pedido de conexão ao comutador 2 Comutador 2 Checa se o terminal 2 é ativo (ligado) Se ele não está, a chamada é rejeitada Se o terminal 2 estiver ativo, o comutador 2 executa um teste de admissão para ver se a QoS requerida pode ser suportada Se não, a chamada é rejeitada, ou uma negociação será feita entre o terminal 1, comutador 1 e 2 Terminal 2 TerminaL 1 VCI 1 VPI 1 Comutador 1 Comutador 2 55

56 Estabelecimento de chamada Comutador 2 Se a QoS é aceitável, o comutador 2 alocará VPI e VCI para a conexão para o segmento entre comutador 1 e comutador 2 VPI é alocado se não há conexão existente entre eles Se existirem conexões entre eles, o VPI das conexões existentes é usada para esta conexão também Terminal 2 TerminaL 1 VCI 1 VPI 1 Comutador 1 VCI 2 VPI 2 Comutador 2 56

57 Estabelecimento de chamada Comutador 2 Envia o pedido ao terminal 2 Terminal 2 Se o terminal não aceita a chamada, o pedido é rejeitado ou os parâmetros de QoS são negociados Senão a conexão é estabelecida com sucesso Terminal 2 TerminaL 1 VCI 1 VPI 1 Comutador 1 VCI 2 VPI 2 Comutador 2 57

58 Estabelecimento de chamada Comutador 2 Aloca o VPI e VCI para o segmento entre comutador 2 e terminal 2 Notifica o comutador 1 com uma confirmação da conexão contendo VPI 2 e VCI 2 a serem usados pelo comutador 1 para enviar células ao comutador 2 Terminal 2 TerminaL 1 VCI 3 VPI 3 VCI 1 VPI 1 Comutador 1 VCI 2 VPI 2 Comutador 2 58

59 Estabelecimento de chamada Comutador 1 Notifica o terminal 1 a confirmação de conexão contendo VPI 1 e VCI 1 a serem usados pelo terminal 1 para enviar células ao comutador 1 para esta conexão Terminal 1 Pode enviar células sobre a conexão com VPI 1 e VCI 1 no cabeçalho Terminal 2 TerminaL 1 VCI 3 VPI 3 VCI 1 VPI 1 Comutador 1 VCI 2 VPI 2 Comutador 2 59

60 Roteamento de células Tabela de Roteamento Configurada em cada comutador durante o processo de estabelecimento de conexão Tabela de roteamento Comutador 1 Tabela de roteamento Comutador 2 Entrada Saída Entrada Saída Ligação h: VPI1, VCI1 Ligação i: VPI2, VCI2 Ligação j: VPI2, VCI2 Ligação k: VPI3, VCI Terminal 2 TerminaL 1 VCI 3 VPI 3 VCI 1 VPI 1 Comutador 1 VCI 2 VPI 2 Comutador 2 60

61 Roteamento de células VPI e VCI identificam cada segmento da conexão Par VPI e VCI é único para cada hop-by-hop Quando uma célula passa através de um comutador Comutador altera o par VPI e VCI do par usado para identificar o canal no último hop para o par usado para identificar o canal no próximo hop VPI e VCI são índices da tabela de roteamento VPI e VCI são usados eficientemente como índice para tabelas de roteamento VPI e VCI são pequenos e em localizações fixas em cada célula Permitindo o desenvolvimento de comutadores ATM 61

62 Tipos de Conexões Conexões Virtuais Permanentes (PVC) Conexão estabelecida por algum mecanismo externo, tipicamente gerenciadores de rede um conjunto de comutadores entre uma fonte ATM e um destino ATM são programados com os rótulos VPI/VCI apropriados Conexões Virtuais Comutadas (SVC) Conexão estabelecida automaticamente (ou dinamicamente) através de um protocolo de sinalização SVCs não requerem uma interação manual As SVCs são muito mais utilizadas Requisição de comutação é propagada de comutador a comutador, estabelecendo a conexão por onde ela passa, até que esta requisição alcance o destino final 62

63 Bits: 8 quando 7 o 6 primeiro 5 bit do campo 4 é 31, então 2 a célula 1 é uma célula OAM, senão ela contém dados do usuário Byte 1 Virtual path identifier (VPI) Byte 2 Byte 3 Virtual channel identifier (VCI) Byte 4 Payload type CLP Byte 5 Formato das Células ATM Cabeçalho de célula ATM na NNI Virtual Path Identifier e Virtual Channel Identifier VPI ocupa 12 bits e VCI ocupa 16 bits identifica unicamente uma conexão ATM Payload type field Indica se os dados contidos na célula são dados do usuário ou operação de rede, administração e dado de gerência (OAM) Cyclic redundancy check (CRC) 63

64 Bits: Byte 1 Generic flow control (GFC) Virtual path Byte 2 Byte 3 Identifier (VPI) Virtual channel identifier (VCI) Byte 4 Payload type CLP Byte 5 Formato das Células ATM Cabeçalho de célula ATM na UNI Redução do campo VPI para 8 bits Generic Flow Control (GFC) Adicionado para reconhecer que o terminal ATM pode ser conectado a redes de acesso compartilhado tal como DQDB, que é conectada a redes ATM GFC é usado para indicar as prioridades de células destes terminais para acessar a rede ATM Não é inteiramente definido e este campo é normalmente setado a 0 Cyclic redundancy check (CRC) 64

65 Gerenciamento de tráfego Modelo seguido pelo gerenciamento de tráfego ATM Um contrato negociado pelo usuário e a rede usuário e a função de controle de admissão da rede negociam uma descrição de tráfego e de qualidade de serviço Descritor de tráfego ATM Baseado nas seguintes características do fluxo: PCR: : Taxa de Pico de célula (células/s) SCR: : Taxa de Célula Sustentável (células/s) MBS: : Máximo tamanho da rajada (células), também especificada como BT: : Tolerância de rajada = (MBS-1)/(1/SCR-1/PCR) MCR: : Taxa Mínima de Célula (apenas para tráfego ABR) 65

66 Gerenciamento de tráfego Qualidade de Serviço (QoS) Rede e o usuário entram em acordo com uma certa QoS para as características de tráfego especificadas Parâmetros de QoS usados CLR: : Taxa de Perdas de Célula (número de células perdidas/ números de células transmitidas) CTD: : Atraso de Trânsito de Célula CDV: : Variação de Atraso de Célula 66

67 Gerenciamento de tráfego Classes de tráfego ATM CBR: : tráfego a taxa de bits contínua com atraso fixo e taxa de células para serviços síncronos tal como emulação de ISDN ou canais de áudio/vídeo síncronos Real-time VBR: : tráfego a taxa de bits variável para fluxos de dados de áudio e vídeo compactados com características tempo-real Non-real-time VBR: : tráfego a taxa de bits variável para fluxos de dados de áudio e vídeo compactados com características tempo-real ABR (Available Bit Rate): : tráfego a taxa de bits disponível para comunicação de dados com perda de células desprezível UBR (Unspecified Bit Rate): : taxa de bits não especificada para tráfego sem características conhecidas 67

68 Gerenciamento de tráfego Classes de tráfego ATM CBR RT/NRT-VBR ABR UBR CLR especificado especificado não especificado CTD especificado não especificado CDV especificado opcional sem efeito PCR especificado SCR/BT sem efeito especificado sem efeito MCR sem efeito especificado sem efeito 68

69 Gerenciamento de tráfego Classes de tráfego ATM 69

70 Camadas de Adaptação ATM Segmentação do fluxo de dados em células Transmissor deve segmentar fluxos de dados em células Receptor remonta os dados nas células em fluxos de dados AAL é uma interface AAL representa uma interface entre os protocolos de alto nível e a camada ATM Realiza a segmentação de dados em células ATM que são passadas para a camada ATM Remontar em fluxos de dados que as camadas superiores podem entender Camada mais alta Camada de Adaptação ATM (AAL) Camada ATM Camada Física 70

71 Camadas de Adaptação ATM Objetivos Adaptar o dado em uma forma desejável para ATM AALs são necessárias de maneira a que aplicações do mesmo tipo possam comunicar Primeiro passo realizado pelo ITU-T foi a definição das classes de serviço oferecidas pela AAL Logo após, o ITU-T definiu os tipos de AAL que suportam estas classes Camada mais alta Camada de Adaptação ATM (AAL) Camada ATM Camada Física 71

72 Camadas de Adaptação ATM Classes de aplicações Classe A Aplicações sensíveis ao tempo com taxa de bits constantes (CBR) Necessitam que o atraso da fonte ao destino seja limitado Exemplos: áudio e vídeo codificados a taxa de bits constantes Classe B Aplicações sensíveis ao tempo com taxa de bits variáveis (VBR) Requerem atrasos limitados Exemplos: áudio e vídeo codificados a taxa de bits variáveis Classe C Aplicações de dados orientados a conexão 72

73 Camadas de Adaptação ATM Classes de aplicações Classe A Classe B Classe C Classe D Tempo na fonte e no destino Taxa de geração de bits Constante (CBR) Relacionado Variável (VCR) Sem Relação Modo de conexão Orientado à conexão Sem conexão 73

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito Interconexão x Frame relay Prof. José Marcos C. Brito 1 Formas de interconexão Interoperação direta entre redes distintas Possível quando os protocolos possuem semânticas semelhantes Acesso a um protocolo

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 4 Comutação Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Comutação de Circuitos Comutação de Mensagens Comutação de Pacotes Redes Orientadas a Conexões Tecnologias Atuais

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - REDES PARA INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Muito se falou sobre telecomunicações aplicadas as diversas áreas da comunicação. Todas as áreas de uma forma ou de outra são dependentes da computação/informática

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC e Controle de guelfi@lsi.usp.br kiatake@lsi.usp.br NSRAV - Núcleo de Segurança e Redes de Alta Velocidade Introdução Controle de tráfego e controle de congestionamento são termos que descrevem diferentes

Leia mais

Capítulo 5: EVOLUÇÃO DAS REDES

Capítulo 5: EVOLUÇÃO DAS REDES Capítulo 5: EVOLUÇÃO DS REDES Cap.5 Evolução das Redes - 1 FRME RELY Cap.5 Evolução das Redes - 2 FRME RELY Protocolo de Interface para rede de comutação de pacotes Chaveamento (roteamento) no nível de

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

6.4 Tecnologias de Redes Alargadas

6.4 Tecnologias de Redes Alargadas Capítulo 6.4 6.4 Tecnologias de Redes Alargadas 1 Tecnologias de redes alargadas X.25 Frame Relay ATM 2 1 X.25 3 X.25 Tecnologia base das primeiras redes públicas de comutação de pacotes (ex. Telepac em

Leia mais

2. PROTOCOLOS DE ACESSO

2. PROTOCOLOS DE ACESSO TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 03 ObjetivodaAula 2. PROTOCOLOS DE ACESSO 2.1 HDLC (High Level Data Link Control) 2.2 SLIP (Serial Line Internet Protocol)

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço.

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço. Redes ATM Tópicos Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células Interfaces Características ATM LANs Virtuais Categorias de Serviço LAN Emulation Introdução a ATM ATM = Asynchronous Transfer Mode

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV Tutorial ATM Prof. Nilton Alves Objetivos e Público Alvo Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Leia mais

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO Flávia Oliveira Santos de Sá Lisboa* Introdução O desenvolvimento da tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode) tinha como principais objetivos integrar em uma única rede

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Sinalização em redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Sinalização em redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito Sinalização em redes ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Operação com SVC Permite ao terminal estabelecer e desfazer conexões dinamicamente Necessita de protocolo de sinalização. O terminal solicita ao switch

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

REDES MULTIMÍDIA (ATM) OBJETIVOS

REDES MULTIMÍDIA (ATM) OBJETIVOS REDES MULTIMÍDIA (ATM) Carlos Roberto OBJETIVOS Mostrar a evolução das Redes de Comunicações Definir Rede com Integração de Serviços: RDSI- FE e RDSI-FL Entender a tecnologia ATM: conceito, princípio de

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ PROTOCOLO ATM Asynchronous Transfer Mode Elton Coelho A. Gonçalves - 201301730432 Henry R. X. de andrade - 201201538106 Marvin Thomaz do Nascimento - 201301507271 Rafael Albino

Leia mais

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito Voz sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Camada de adaptação Voz não comprimida (CBR) AAL 1 Voz comprimida (VBR) AAL 2 Para transmissão de voz sobre a rede ATM podemos utilizar a camada de adaptação

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores Prof. Macêdo Firmino Revisão do Modelo de Camadas da Internet (TCP/IP) Macêdo Firmino (IFRN) s de Computadores Novembro de 2012 1 / 13 Modelo de Camadas Revisão de de Computadores Os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Formato de Frame FR Frame Relay Circuitos Virtuais É um circuito de dados virtual bidirecional configurado entre 2 portas

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores I (R1)

Disciplina: Redes de Computadores I (R1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Agrícola de Teresina Campus da Socopo Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores I (R1) Orientada a Conexão Primeira rede pública

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Suporte de rede para comunicação multimídia

Suporte de rede para comunicação multimídia Universidade Federal de São Carlos UFSCar Departamento de Computação DC Grupo de Sistemas Distribuídos e Redes GSDR Disciplina: Estrutura de Aplicações Distribuídas e Multimídia Orientador: Dr. Sérgio

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

10. Gestão de Tráfego e QoS ATM. - Parâmetros de desempenho ATM

10. Gestão de Tráfego e QoS ATM. - Parâmetros de desempenho ATM 10. Gestão de Tráfego e QoS ATM - Definições: Célula bem sucedida na entrega Célula errada: célula bem sucedida na entrega ao destinatário correcto, mas com erros. Célula perdida: devido a sobrecarga nos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Gestão de Tráfego e Qualidade de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM Agenda 1.1 O que

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

O que é ATM? Introdução ao ATM. Essência da Tecnologia. Essência da Tecnologia. Histórico. Quais as Necessidades Atuais?

O que é ATM? Introdução ao ATM. Essência da Tecnologia. Essência da Tecnologia. Histórico. Quais as Necessidades Atuais? 1 2 O que é? Introdução ao Msc. Frank Meylan MSc. Adilson E. Guelfi meylan@lsi.usp.br guelfi@lsi.usp.br www.lsi.usp.br/~meylan Laboratório de Sistemas Integráveis Escola Politécnica da USP Modo de Transferência

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Asynchronous Transfer Mode (ATM) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

... Máquina 1 Máquina 2

... Máquina 1 Máquina 2 Exercícios Apostila Parte 1 Lista de Exercícios 1 1) Descreva sucintamente a função de (ou o que é realizado em) cada uma das sete camadas (Física, Enlace, Redes, Transporte, Sessão, Apresentação e Aplicação)

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Redes ATM Estrutura do Trabalho Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Conceito O Modo de Transferência Assíncrono(ATM) é

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Protocolo é a linguagem usada pelos dispositivos de uma rede de modo que eles consigam se comunicar Objetivo Transmitir dados em uma rede A transmissão

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Computação

Faculdade de Engenharia da Computação Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina Redes de Computadores - II Protocolo de Comunicação de Dados (Parte-I) Prof. Wagner dos Santos C. de Jesus www1.univap.br/wagner/ec.html 1 Conceito de transmissão

Leia mais

Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio

Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio 1 Faculdade Lourenço Filho Curso Tecnológico Redes de Computadores Disciplina: Redes de Alta Velocidade Prof. Rafael Guimarães Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio Antônio Edipo Moliterne de Lima Ariolino

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações Unidade IV Controle de Congestionamento TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações 204 Tópicos Introdução QoS QoS e Controle de Congestionamento Formatação de Tráfego Gerenciamento de Buffer Descarte

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Redes de Comunicações Capítulo 6.1

Redes de Comunicações Capítulo 6.1 Capítulo 6.1 6.1 - Técnicas de Comutação 1 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área física, sob o controlo de uma administração única e baseada em circuitos dedicados (exemplo:

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Prof. Celso Rabelo Universidade Castelo Branco 1 Objetivo 2 Conceitos Tratamento de Colisão Histórico 3 Características Regras de Controle Tipos de Cabo e

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais