PUBLICIDADE E PROPAGANDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PUBLICIDADE E PROPAGANDA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Padrões de Qualidade para Cursos da área de Comunicação Social PUBLICIDADE E PROPAGANDA AUTORIZAÇÃO DE CURSOS APRESENTAÇÃO O presente documento constitui-se num roteiro que reúne todas as informações necessárias à autorização de cursos de graduação da área da Comunicação Social na habilitação Publicidade e Propaganda ou cursos de Publicidade e Propaganda com projetos pedagógicos autônomos. O atendimento de seus itens deve ser rigoroso tanto da parte das instituições interessadas quanto da parte das comissões verificadoras. O documento estrutura-se a partir de três conjuntos de informações: IES informações a serem fornecidas pela IES (Instituição de Ensino Superior) que está solicitando a autorização para o funcionamento do curso; MEC orientação sobre os itens de análise a serem considerados pela Comissão de Verificação PADRÕES DE QUALIDADE definição dos indicadores e dos padrões mínimos de qualidade relativos àqueles quesitos em que tais padrões são socialmente reconhecidos. I. ARTICULAÇÃO E FUNDAMENTAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DO CURSO I.1 - EXPECTATIVA EM RELAÇÃO AO PERFIL DOS FORMADOS NO CURSO Descrever sucintamente: a) Conjunto de aptidões esperadas dos egressos; b) Classes de problemas que estarão capacitados a resolver; c) Funções específicas que os egressos poderão exercer no mercado de trabalho, além daquelas previstas pela legislação

2 2 Avaliar o perfil desejado dos egressos. C PADRÕES DE QUALIDADE: O conceito A só poderá ser atribuído se os três itens estiverem plenamente descritos de forma coerente, correta e original. O quadro abaixo exemplifica com a atribuição sim dada aos três itens analisados: ITENS COERÊNCIA CORREÇÃO ORIGINALIDADE A SIM SIM SIM B SIM SIM SIM C SIM SIM SIM Tabela de conceitos: 09 atribuições sim Conceito A 08 atribuições sim Conceito B 07 atribuições sim - Conceito C 06 atribuições sim Conceito D 05 ou menos atribuições sim Conceito E I.2 - MERCADO DE TRABALHO ALVO a) Descrição e análise do mercado de trabalho regional e/ou nacional, expondo com clareza as limitações existentes, com ênfase nas novas possibilidades de superá-las e perspectivas de crescimento; b) Descrição do mercado de trabalho alvo dos profissionais formados pelo curso, propondo estratégias de expansão, com base na economia e na cultura regionais e/ou nacionais, do desenvolvimento tecnológico etc, e considerando os compromissos ético-sociais do profissional da Comunicação Social em geral e o da especificidade da habilitação pretendida; c) Descrição das estratégias didático-pedagógicas que serão utilizadas para atingir os itens descritos em a) e b) Avaliar com clareza e objetividade os itens acima

3 3 C PADRÕES DE QUALIDADE: O conceito A só poderá ser atribuído se os três itens estiverem plenamente descritos de forma coerente e original, com dados atualizados e documentados. O quadro abaixo exemplifica com a atribuição sim dada aos quatro itens analisados: ITENS COERÊNCIA ORIGINALIDADE DADOS DOCUMENTAÇÃO ATUALIZADOS A SIM SIM SIM SM B SIM SIM SIM SIM C SIM SIM SIM SIM Tabela de conceitos: 12 atribuições sim Conceito A 11 atribuições sim Conceito B 10 atribuições sim - Conceito C 09 atribuições sim Conceito D 08 ou menos atribuições sim Conceito E I.3 - PAPEL DO PROFISSIONAL FORMADO PELO CURSO NA SOCIEDADE a) Tendo em vista a análise do mercado de trabalho feita nos itens acima, descrever de que maneira os formados pelo curso serão capazes de atuar sobre ele. Avaliar com clareza e objetividade e verificar a real necessidade dos profissionais para o mercado de trabalho e a coerência interna da proposta apresentada pela instituição. I.4 - PROJETO PEDAGÓGICO

4 4 a) Apresentar a fundamentação pedagógica do curso e o enfoque específico da habilitação, relacionando-os com os itens relativos à expectativa do perfil dos formados pelo curso, ao mercado de trabalho alvo e ao papel do egresso na sociedade. a) Avaliar o projeto pedagógico em relação aos seguintes aspectos (notas de 0 a 10 em cada item) 1) adequação do projeto pedagógico às Diretrizes Curriculares da área (peso 0,3); 2) adequação do enfoque dado à habilitação em relação às suas Diretrizes Específicas (peso 0,3); 3) correspondência do projeto pedagógico ao perfil do profissional, ao mercado de trabalho alvo e ao papel do egresso na sociedade (peso 0,2); 4) Integração do ensino com pesquisa e extensão e previsão de atividades complementares, inclusive projetos de Iniciação Científica, estágios e monitorias (peso 0,1); 5) Integração da graduação com a pós-graduação (onde houver) e com outros programas de pós-graduação - na área e na habilitação (peso 0,1) EXEMPLO DE APLICAÇÃO DE PESOS E DE ATRIBUIÇÃO DE CONCEITOS ITEM AVALIADO NOTA APLICAÇÃO DO PESO NOTA FINAL NO ITEM 1 5,0 X 0,3 1,5 2 4,0 X 0,3 1,2 3 6,0 X 0,2 1,2 4 7,0 X 0,1 0,7 5 7,0 X 0,1 0,7 TOTAL 5,3 TABELA PARA O CONCEITO FINAL DO PROJETO PEDAGÓGICO FAIXAS DE NOTAS FINAIS ENTRE 9,1 E DEZ ENTRE 8,1 E 9,0 ENTRE 7,1 E 8,0 (recomendar reformulações) ENTRE 5,1 E 7,0 (projeto pedagógico inconsistente - o curso não poderá ser aprovado no conceito final) ENTRE ZERO E 5,0 (projeto pedagógico inconsistente - o curso não poderá ser aprovado no conceito final) CONCEITO A B C D E

5 5 (NO FINAL, ESPECIFICAR EM SEPARADO ESTE CONCEITO) INCLUIR RECOMENDAÇÕES E EXIGÊNCIAS, SE FOR O CASO: I.5 ESTRUTURA CURRICULAR a) Apresentar a estrutura curricular do curso, as ementas das disciplinas, bibliografia efetivamente adotada para cada uma, pré-requisitos, carga horária, necessidades de laboratório. Além disso, indicar, quando for o caso, a articulação das disciplinas entre si através de projetos integrados (inclusive os de Iniciação Científica) e/ou com produtos laboratoriais; OBSERVAÇÃO: É CONDIÇÃO BÁSICA PARA A AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA CURRICULAR QUE O TOTAL DA CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA NÃO SEJA INFERIOR A 50% DO TOTAL. CURSOS QUE NÃO ATENDAM ESSA EXIGÊNCIA NÃO PODERÃO SER AUTORIZADOS. a) Avaliar a estrutura curricular em relação aos seguintes aspectos (notas de 0 a 10 em cada item) 1) pertinência das disciplinas teóricas gerais e das disciplinas teóricas específicas e técnico-profissionais em relação ao projeto pedagógico do curso (peso 0,2); 2) dimensionamento e equilíbrio da carga horária na distribuição das disciplinas teóricas e práticas ao longo do curso (peso 0,2); 3) integração das disciplinas entre si e com os produtos laboratoriais (peso 0,2); 4) atualidade das ementas, programas e bibliografia frente ao desenvolvimento teóricoconceitual e técnico-profissional da profissão (peso 0,2); 5) coerência da estrutura curricular com a estrutura laboratorial (peso 0,2); EXEMPLO DE APLICAÇÃO DE PESOS E DE ATRIBUIÇÃO DE CONCEITOS ITEM AVALIADO NOTA APLICAÇÃO DO PESO NOTA FINAL NO ITEM 1 5,0 X 0,2 1,0 2 4,0 X 0,2 0,8 3 6,0 X 0,2 1,2 4 7,0 X 0,2 1,4 5 7,0 X 0,2 1,4 TOTAL 5,8 TABELA PARA O CONCEITO FINAL DA ESTRUTURA CURRICULAR FAIXAS DE NOTAS FINAIS CONCEITO

6 6 ENTRE 9,1 E DEZ ENTRE 8,1 E 9,0 ENTRE 7,1 E 8,0 (recomendar reformulações) ENTRE 5,1 E 7,0 (estrutura curricular inconsistente o curso não poderá ser aprovado no conceito final) ENTRE ZERO E 5,0 (estrutura curricular inconsistente o curso não poderá ser aprovado no conceito final) A B C D E (EXPLICITAR O PERCENTUAL DE DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DA HABILITAÇÃO EM RELAÇÃO AO CONJUNTO DA ESTRUTURA CURRICULAR) (NO FINAL, ESPECIFICAR EM SEPARADO ESTE CONCEITO) INCLUIR RECOMENDAÇÕES E EXIGÊNCIAS, SE FOR O CASO: I.6 - PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO a) Fornecer informações sobre: existência de programas de pós-graduação na área de Comunicação Social e em Publicidade e Propaganda; projetos de pesquisa e desenvolvimento na área de Comunicação Social e em Publicidade e Propaganda; atividades de extensão na área de Comunicação Social e em Publicidade e Propaganda; respaldo e procedimentos da instituição aos programas de Iniciação Científica a) Avaliar as informações acima e sua pertinência com os objetivos do curso. C PADRÕES DE QUALIDADE: a) Além dos dados numéricos, considerar a oportunidade, a relevância e a abrangência dos projetos de pesquisa e extensão tendo em vista a realidade profissional e seu contexto social, regional e nacional I.7 - AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

7 7 a) Fornecer informações sobre a existência de projetos de avaliação institucional, se possível abertos à sociedade, de avaliação do curso e dos professores pelos alunos; b) Incluir informações sobre o aproveitamento efetivo das avaliações realizadas em outros cursos da instituição e programas de melhoria da qualidade do curso; a) Avaliar a sistemática de avaliação do curso e da instituição, e a forma como os dados obtidos são utilizados para a melhoria da qualidade do curso. II. CORPO DOCENTE II.1 - DISTRIBUIÇÃO DO CORPO DOCENTE DA PRIMEIRA SÉRIE DO CURSO DE ACORDO COM A SUA FORMAÇÃO ACADÊMICA a) Fornecer a tabela-resumo de docentes (nível de formação) Titulação Quantidade % do total Disciplinas de formação geral Graduado Especialização/ Aperfeiçoamento Mestre Doutor Pós-Doutor Total Disciplinas da área de Comunicação Disciplinas da habilitação em Publicidade e Propaganda b) Oferecer as seguintes informações para os docentes que estão comprometidos com a implantação do curso: Nome do docente; Para cada título obtido: titulação, área de concentração/especialização, instituição e ano de conclusão. No caso do Mestrado e do Doutorado, comprovar o credenciamento do curso pela CAPES à época da obtenção do título; Disciplinas que serão ministradas Áreas de atuação; Regime de Trabalho;

8 8 Avaliar os itens acima conforme os padrões de qualidade C PADRÕES DE QUALIDADE: DISCIPLINAS GRADUADO ESPECIALISTA MESTRE DOUTOR FORMAÇÃO GERAL COMUNICAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA OBS: A pontuação tem o objetivo de privilegiar as instituições que priorizam a alocação de professores titulados nas disciplinas específicas de Publicidade e Propaganda TABELA DE CONCEITOS NÚMERO DE PONTOS CONCEITO > = 36 A Entre 28 e 35 B Entre 19 e 27 C Entre 11 e 18 D Entre 0 e 10 E II.2 - ADEQUAÇÃO DO CORPO DOCENTE ÀS DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO GERAL, DE COMUNICAÇÃO E DA HABILITAÇÃO a) Listar a relação das disciplinas indicando os professores por elas responsáveis a) Avaliar a adequação dos professores às disciplinas que ministram, de acordo com as normas legais. PERFIL DO CORPO DOCENTE EM RELAÇÃO ÀS DISCIPLINAS DISCIPLINAS ADEQUADO INADEQUADO FORMAÇÃO GERAL COMUNICAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA C PADRÕES DE QUALIDADE:

9 9 OBSERVAÇÃO: O CURSO SÓ PODERÁ SER AUTORIZADO A FUNCIONAR SE TODOS OS PROFESSORES FOREM ADEQUADOS ÀS DISCIPLINAS QUE MINISTRAM. II.3 - REGIME DE TRABALHO DO CORPO DOCENTE REGIMES Tempo Integral(*) Tempo Parcial Horista a) Tabela-Resumo de Regime de Trabalho dos docentes no primeiro ano do curso 40 horas 20 horas Até 10 h Entre 10 e 20 Acima de 20 QUANTIDA DE % DA ÁREA FORMAÇÃO GERAL COMUNICA ÇÃO HABILITAÇÃO PUBLICIDADE E PROP (*) Entende-se por regime de Tempo Integral o docente contratado neste regime que ministra, no máximo, 20 horas-aula semanais na instituição. As demais horas são dedicadas a atividades claramente discriminadas. a) Avaliar o regime de trabalho dos docentes de acordo com os padrões de qualidade C PADRÕES DE QUALIDADE: REGIME (PORCENTAGEM MÍNIMA DE DOCENTES EM TEMPO INTEGRAL) CONCEITO PORCENTAGEM A 35% B 25% C 20% D 10% E > 10%

10 10 II.4 - DEDICAÇÃO DOS DOCENTES EM TEMPO INTEGRAL À HABILITAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA a) Informar o número de professores em Tempo Integral totalmente dedicados à habilitação Publicidade e Propaganda no primeiro ano do curso a) Avaliar a proporção de professores em Tempo Integral totalmente dedicados à habilitação em relação ao número de alunos C PADRÕES DE QUALIDADE: a) Dividir o número total de alunos da habilitação (TAH) pelo número de docentes em regime de tempo integral (PTI). Este último índice é obtido pela soma da carga horária total semanal do corpo docente dividida por 40 FAIXAS DE MÉDIAS TAH / PTI ATÉ 15 DE 16 A 25 DE 26 A 30 MAIS DE 30 CONCEITOS A B C D II.5 - POLÍTICA DE APERFEIÇOAMENTO, QUALIFICAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DOCENTE a) Descrever o esforço proposto ou já realizado na melhoria da qualidade do corpo docente, bem como o planejamento do seu aperfeiçoamento, especialmente na formação pósgraduada; a) Avaliar a política de melhoria da qualidade do corpo docente em relação aos seguintes itens: a instituição tem mantido uma tradição de qualificação do corpo docente?

11 11 existe algum programa de intercâmbio com o setor produtivo visando o aperfeiçoamento e a atualização técnica do corpo docente? a instituição tem apoiado os docentes na participação em congressos/seminários/simpósios científico-profissionais? C PADRÕES DE QUALIDADE: analisar a existência e a viabilidade do plano de qualificação docente proposto pela instituição, sua projeção no tempo e o tipo de benefício material que se traduz de sua implementação, entendendo-se por isso o respaldo financeiro da instituição à participação dos professores em congressos, seminários etc, bem como o apoio material a docentes bolsistas em cursos no Brasil e no exterior; II.6 - PLANO DE CARREIRA a) Apresentar Plano de Carreira Docente adotado pela instituição; a) Avaliar a exequibilidade do Plano de Carreira e os critérios utilizados para a promoção docente tanto no plano vertical quanto no horizontal. Avaliar a razoabilidade dos degraus de que se compõe a carreira proposta, tendo em vista a possibilidade de que o excesso de exigências e prazos muito longos a serem cumpridos antes que as promoções de verifiquem possam funcionar como um desestímulo à progressão na carreira docente. b) Verificar a existência de organismos colegiados responsáveis pela implementação do Plano de Carreira. C PADRÕES DE QUALIDADE: Na avaliação do Plano de Carreira, analisar o conjunto de etapas em que se constitui o projeto da instituição, verificando especificamente se as referências da carreira bem como os procedimentos para a sua consecução configuram-se efetivamente em projeto estimulador no tempo e na remuneração - da atividade da docência e da pesquisa. Da mesma forma, avaliar a existência de órgãos colegiados que acompanhem a implementação do plano. Adotar os seguintes critérios:

12 12 CONCEITO A B C D E CARACTERÍSTICAS DO PLANO FORMA DE IMPLEMENTAÇÃO Duas referências para cada Através de órgão colegiado etapa da carreira; percentual representativo de todas as progressivo de remuneração categorias docentes, escolhido não inferior a 15% para cada de forma direta; sistema de etapa; período de carência em promoção baseado na cada referência de, no apresentação de relatórios máximo, 2 anos; critérios distribuídos a dois pareceristas objetivos de avaliação; uma um deles, externo. única titularidade. Três referências para cada Através de órgão colegiado etapa da carreira; percentual representativo de todas as progressivo de remuneração categorias docentes, escolhido inferior a 15%; período de parcialmente de forma direta; carência em cada referência sistema de promoção baseado de, no máximo, 2 anos: na apresentação de relatórios critérios objetivos de avaliação; analisados exclusivamente uma única titularidade. pelo colegiado. Mais de três referências para Através de comissão executiva cada etapa da carreira; indicada pela Mantenedora; percentual progressivo de sistema de promoção baseado remuneração inferior a 15%; em relatório de atividades período de carência superior a analisado exclusivamente pela 2 anos; critérios objetivos de comissão. avaliação; uma única titularidade. Mais de três referências para Através de comissão indicada cada etapa da carreira; ou de colegiado eleito. Análise percentual progressivo de de relatório de atividades com remuneração inferior a 15%; ou sem pareceristas, internos período de carência superior a ou externos. 2 anos; critérios indenidos de avaliação; uma única titularidade. Mais de três referências para Através de comissão indicada cada etapa da carreira; ou de colegiado eleito. Análise percentual progressivo de de relatório de atividades com remuneração inferior a 15%; ou sem pareceristas, internos período de carência superior a ou externos 2 anos; critérios indefinidos de avaliação; mais de uma titularidade. III. COORDENAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA III.1 - QUALIFICAÇÃO DO COORDENADOR DO CURSO

13 13 a) Fornecer dados do coordenador do curso (nome, formação, titulação, regime de trabalho, data de contratação etc) a) Avaliar o regime de dedicação e a qualificação do coordenador do curso segundo os padrões de qualidade. C PADRÕES DE QUALIDADE: CONCEITO TITULAÇÃO EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL(*) REGIME DE DEDICAÇÃO A DOUTORADO REGISTRO E EXPERIÊNCIA INTEGRAL PROFISSIONAL OU DOCENTE COMPROVADA NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS B MESTRADO REGISTRO E EXPERIÊNCIA INTEGRAL PROFISSIONAL OU DOCENTE COMPROVADA NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS C ESPECIALIZAÇÃO REGISTRO E EXPERIÊNCIA INTEGRAL PROFISSIONAL OU DOCENTE COMPROVADA NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS D GRADUADO REGISTRO E EXPERIÊNCIA INTEGRAL PROFISSIONAL OU DOCENTE COMPROVADA NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS E GRADUADO IDEM SEM TEMPO INTEGRAL (*) A experiência profissional pode ser acumulativa, isto é, a somatória da experiência docente e da experiência no mercado de trabalho em habilitações da Comunicação Social, quaisquer que sejam elas

14 14 III.2 - QUALIFICAÇÃO DO COORDENADOR DA HABILITAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA OBSERVAÇÃO Este item é dispensável caso a instituição solicite autorização apenas para a habilitação Publicidade e Propaganda e o coordenador do curso tiver todos os atributos necessários para o exercício do cargo. a) fornecer os dados do coordenador da habilitação (nome, formação, registro profissional *, titulação, regime de trabalho, data de contratação, comprovação de experiência profissional nos últimos cinco anos) a) avaliar o regime de dedicação e a qualificação do coordenador da habilitação segundo os padrões de qualidade C PADRÕES DE QUALIDADE: CONCEITO TITULAÇÃO EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL(*) DOUTORADO REGISTRO E A EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL OU DOCENTE COMPROVADA NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS MESTRADO REGISTRO E B EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL OU DOCENTE COMPROVADA NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS ESPECIALIZAÇÃO REGISTRO E C EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL OU DOCENTE COMPROVADA NOS ÚLTIMOS CINCO REGIME DE DEDICAÇÃO INTEGRAL INTEGRAL INTEGRAL * Para as habilitações com regulamentação profissional estabelecida em lei

15 15 ANOS GRADUADO REGISTRO E D EXPERIÊNCIA INTEGRAL PROFISSIONAL OU DOCENTE COMPROVADA NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS E GRADUADO IDEM SEM TEMPO INTEGRAL (*) A experiência profissional pode ser acumulativa, isto é, a somatória da experiência docente e da experiência no mercado de trabalho específico da habilitação III.3 - ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO a) Indicar a composição e as atribuições da Coordenação, da Sub-Coordenação da habilitação, dos Colegiados e Departamentos, mencionando os que participam do curso. a) Avaliar a administração acadêmica do curso segundo os itens mencionados acima C PADRÕES DE QUALIDADE

16 16 Na avaliação, a comissão deve levar em conta os seguintes aspectos (ATRIBUIR, PARA CADA ITEM, CONCEITO DE A a E): a) grau de autonomia da coordenação do curso e da sub-coordenação da habilitação em relação aos órgãos superiores da instituição; b) grau de democracia interna na tomada de decisões; c) grau de burocratização com que as demandas docentes e discentes são encaminhadas; d) grau de participação dos colegiados e de sua composição nas questões que dizem respeito à orientação pedagógica do curso; TABELA DE CONCEITOS AVALIAÇÃO CONCEITO * quatro itens A A * dois itens A e dois B B * um item A e três B C * quatro itens B D * inferior a quatro itens B E IV. BIBLIOTECA IV.1 - RECURSOS DE BIBLIOTECA E HEMEROTECA DE SUPORTE AO CURSO a) Relacionar a bibliografia básica (mínimo de 6 obras) recomendada para cada uma das disciplinas da habilitação, indicando o número de exemplares disponíveis na Biblioteca, de acordo com a tabela abaixo: DISCIPLINA BIBLIOGRAFIA BÁSICA NÚMERO DE EXEMPLARES OBS: Fornecer a lista dos principais periódicos na área da Comunicação Social assinados pela Biblioteca; Fornecer a lista dos principais periódicos em Publicidade e Propaganda assinados pela Biblioteca; Indicar a política e as condições de acesso ao material bibliográfico, fornecendo as seguintes informações comprovar a assinatura das principais publicações (jornais, revistas etc) de informação geral e especializada, internacionais, nacionais, regionais e locais; comprovar existência de multiteca (fitas de vídeo, de áudio, discos de vinil, CDs, CDs rooms, DVDs etc) horários de acesso que se estendem fora do horário das aulas; condições de reservas; sistemática da catalogação e disposição do acervo;

17 17 sistema de intercâmbio com outras bibliotecas (COMUT, Bibliodata etc); Indicar o suporte aos usuários fornecendo as seguintes informações: reprografia e infraestrutura de recuperação de informações; espaço físico para consulta ao acervo e para trabalho em grupo; área física disponível; número de computadores disponíveis para o usuário e indicação do software de consulta do acervo; acesso à internet em todos os computadores a) Avaliar o material bibliográfico quanto a: atualidade e pertinência dos períodicos da área de Comunicação Social assinados pela Biblioteca; atualidade e pertinência dos periódicos da habilitação assinados pela Biblioteca; adequação dos títulos existentes no acervo ao currículo do curso; existência dos livros-textos em quantidade suficiente para atender aos alunos, idealmente da ordem de um exemplar para cada 15 alunos; b) Avaliar a política de facilidades de acesso ao material bibliográfico; c) Avaliar o suporte oferecido aos usuários da biblioteca. V. LABORATÓRIOS E EQUIPAMENTOS V.1 LABORATÓRIOS E EQUIPAMENTOS a) Fornecer os dados de acordo com a tabela abaixo: LABORATÓRIO QUANTIDADE HORAS DISPONÍVEIS POR DIA Redação Planejamento Gráfico Fotografia/Estúdio Estúdio de Radio/ Estúdio de TV/ Pesquisa de Opinião Recursos de Multimídia Agências LOTAÇÃO MÁXIMA

18 18 Equipamento de Fotografia Equipamento de Filmagem Equipamento de gravação de som Equipamento de iluminação Equipamento de edição Sala de projeção cinevídeo e multimídia Equipamentos de Informática Internet a) Avaliar as informações fornecidas levando em conta a qualidade técnica de equipamentos e instalações OBSERVAÇÕES: 1) OS LABORATÓRIOS AVALIADOS AQUI SÃO AQUELES QUE SE ENCONTRAM EFETIVAMENTE IMPLANTADOS À EPOCA DA VISITA DA COMISSÃO, AINDA QUE NÃO SEJAM DE USO DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO CURSO; 2) LABORATÓRIOS APENAS PROJETADOS PARA IMPLANTAÇÃO AO LONGO DO CURSO DEVEM RECEBER CONCEITO À PARTE QUE LEVE EM CONTA, NA AVALIAÇÃO DA COMISSÃO, SUA ADEQUAÇÃO E SUAS DIMENSÕES FÍSICAS E A QUALIDADE TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS A SEREM ADQUIRIDOS (A INSTITUIÇÃO DEVE APRESENTAR PLANTA, CROQUIS E CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DE TODOS OS RECURSOS PERTINENTES); 3) AS ESCOLAS QUE OPTAREM PELO SISTEMA DE EDIÇÃO NÃO-LINEAR DE RÁDIO E TV, PODERÃO INTEGRAR NOS MESMOS COMPUTADORES OS LABORATÓRIOS DE REDAÇÃO, PLANEJAMENTO GRÁFICO, TELEJORNALISMO E RADIOJORNALISMO E INTERNET, PRESERVANDO A RELAÇÃO EQUIPAMENTO/ALUNO, DESDE QUE ATENDAM AS SEGUINTES RECOMENDAÇÕES: grade horária; adequação do hardware; disponibilidade de softwares legais; conexões com equipamentos de gravações V.2 - CONFIGURAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

19 19 a) Descrever os equipamentos disponíveis de acordo com a tabela a seguir: QUANTIDADE TIPO MARCA ANO MODELO a) Avaliar a adequação da configuração dos equipamentos tendo em vista os objetivos do curso e a quantidade de alunos; b) Avaliar a qualidade técnica dos produtos gráficos e audiovisuais tendo em vista os padrões de exigência da indústria gráfica, da televisão a cabo e internet 2, e das emissoras de rádio convencionais e internet V.3 - POLÍTICA DE USO DOS LABORATÓRIOS E DOS EQUIPAMENTOS EFICÁCIA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA a) Fornecer as seguintes informações: número de alunos nas aulas ministradas nos laboratórios; horários de funcionamento dos laboratórios para uso dos alunos; utilização dos computadores como suporte das aulas nas disciplinas técnicas; vinculação com os produtos gerados pela habilitação; uso experimental pelos alunos; utilização dos laboratórios em projetos de pesquisa, extensão e conclusão de curso. a) Avaliar o grau de acesso dos alunos aos equipamentos de acordo com a seguinte tabela: ÍNDICE DE UTILIZAÇÃO TOTAL GERAL DE HORAS DISPONÍVEIS / No. DE USUÁRIOS = HORAS DISPONÍVEIS POR CONCEITO DIA/ALUNO = > 3 A = > 2 B = > 1 C = > 0,5 D 0 E

20 20 b) Compatibilidade do número de alunos com o espaço físico dos laboratórios (conceitos entre A e E); c) Avaliar a eficácia didático-pedagógica do uso dos laboratórios, sua vinculação com a geração de produtos, sua utilização experimental pelos alunos (conceitos entre A e E); d) Avaliar a compatibilidade de acesso aos laboratórios com a necessidade de realização de atividade didática e extra-classe - pesquisa, extensão, projetos de final de curso etc (conceitos entre A e E); e) Verificar se a política de acesso é compatível com os objetivos do curso e se os laboratórios são de uso exclusivo dos alunos do curso (conceitos entre A e E); C PADRÕES DE QUALIDADE: ITENS AVALIADOS Cinco itens A Quatro itens A e um B Três itens Ä e dois B Dois itens A e três B Um itens A e quatro B CONCEITOS A B C D E V.4 - PLANO DE MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS a) Fornecer as seguintes informações: existência de contratos de manutenção e/ou existência de estrutura local de manutenção a) Avaliar a disponibilidade e a qualidade da manutenção dos equipamentos de laboratório. V.5 - ESPAÇO FÍSICO DOS LABORATÓRIOS a) Descrever o espaço físico dos laboratórios (no. de laboratórios, área, infra-estrutura etc)

21 21 a) Avaliar a adequação do espaço físico, tendo em vista a quantidade de equipamentos e o número de usuários. V.6 - PLANO DE ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA DOS EQUIPAMENTOS a) Fornecer o planejamento de atualização tecnológica dos laboratórios. a) Avaliar o plano de atualização tecnológica dos equipamentos, considerando o volume de recursos próprios da instituição destinados ao plano. Avaliar eventuais convênios firmados entre a instituição e terceiros, inclusive projetos apresentados a agências de fomento oficiais e privadas; b) Considerar na análise as ações concretas realizadas nos últimos cinco anos pela instituição V.7 - PESSOAL TÉCNICO DE APOIO a) Relacionar o pessoal de apoio necessário para: laboratórios estúdios salas de aula áudio e vídeo a) Avaliar o quadro de pessoal de apoio quanto à disponibilidade, qualificação e regime de trabalho.

22 22 VI. INFRAESTRUTURA FÍSICA VI.1 - INFRA-ESTRUTURA FÍSICA a) Indicar a existência dos itens abaixo relacionados, que devem compor a infra-estrutura física de suporte ao funcionamento do curso: recursos didático-pedagógicos (indicar a quantidade), tais como: retroprojetores, equipamentos de vídeo, data-show etc; salas de aula equipadas com esses recursos; salas de aula utilizadas pelo curso, área total, capacidade; salas e gabinetes para professores (indicar a quantidade); salas/laboratórios para ensino técnico (indicar a existência, tipo e quantidade); áreas de circulação, de lazer, sanitários; demonstrar que a infra-estrutura física é suficiente para o atendimento dos alunos, inclusive a proporcionalidade entre espaço físico nas salas de aula e número de estudantes regulares na razão de 50 m 2 para 40 alunos (no máximo de 50 alunos regulares por turma) adequação do layout das instalações a uma instituição de ensino; locais de estudo para alunos; iluminação; equipamentos e instalações adaptadas para deficientes físicos; carteiras para estudantes, inclusive porcentagem de 10% para canhotos a) Avaliar a adequação da infra-estrutura, tendo em vista o número de alunos, objetivos do curso, estrutura curricular e horário de funcionamento. C PADRÕES DE QUALIDADE: OBSERVAÇÃO:

23 23 O CURSO NÃO PODERÁ SER AUTORIZADO SE EXCEDER O NÚMERO DE 50 ALUNOS REGULARES POR SALA DE AULA NAS DISCIPLINAS TEÓRICAS E O DE 25 NAS DISCIPLINAS PRÁTICAS Conceitos para número de alunos por sala de aula nas disciplinas teóricas Até 30 alunos Entre 31 e 40 alunos Entre 41 e 50 alunos - A - B - C Conceitos para número de alunos por sala de aula nas disciplinas práticas Até 15 alunos Entre 16 e 20 Entre 21 e 25 alunos - A - B - C Nos demais quesitos: A avaliação deve levar em conta critérios razoáveis para as proporções verificadas entre espaços e equipamentos e número de alunos. MUITO BOM BOM REGULAR RUIM PÉSSIMO - A - B - C - D - E VII. CONDIÇÕES DE ESTUDO VII.1 - CONDIÇÕES OFERECIDAS AOS ESTUDANTES a) Fornecer as seguintes informações sobre condições do corpo discente: estrutura do Centro Acadêmico (se específico da habilitação, se geral para todo o curso; sistemática de aferição e controle de freqüência sistemática de cumprimento de dependências e adaptações compatibilidade de horários, turmas especiais etc; sistemática de concessão de bolsas (critérios, valores e contrapartida) a) Avaliar o corpo discente segundo os itens acima, tendo em vista os objetivos do curso

24 24 INFORMAÇÕES FINAIS Habilitação: Número de turmas: ( ) matutino ( ) vespertino ( ) noturno Número de vagas: pretendidas por turno: autorizadas por turno: Período de integralização: mínimo: máximo: Regime: semestral; anual; parcelado por créditos AVALIAÇÃO DE OUTROS CURSOS DA INSTITUIÇÃO FEITA PELOS EXAMES NACIONAIS DE CURSO (PROVÃO) E PELA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA: ( ) INEXISTENTE ( ) EXISTENTE (especificar cursos, datas e conceitos obtidos)

25 25 ITEM VALOR EM PONTOS A (9) RESULTADO DA AVALIAÇÃO B (5) I. ARTICULAÇÃO E FUNDAMENTAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DO CURSO I.1 Expectativa em relação ao perfil dos formados I.2 Mercado de trabalho alvo I.3 Papel do profissional na sociedade I.4 Projeto Pedagógico 1.5 Estrutura Curricular(*) I.6 Pesquisa... I.7 Avaliação institucional SUB-TOTAL DA MÉDIA DE PONTOS II. CORPO DOCENTE II.1 Formação acadêmica do corpo docente II.2 Adequação do corpo docente(*) II.3 Regime de trabalho do corpo docente II.4 - Tempo Integral/habilitação II. 5 Política de aperfeiçoamento... II.6 Plano de Carreira SUB-TOTAL DA MÉDIA DE PONTOS III. COORDENAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA III.1 Coordenador do curso III.2 Coordenador da habilitação III.3 Administração Acadêmica SUB-TOTAL DA MÉDIA DE PONTOS IV.1 Biblioteca SUB-TOTAL DE PONTOS V.1 Laboratórios e equipamentos V.2 Configuração dos Equipamentos Laboratórios apenas C (3) IV. BIBLIOTECA V. LABORATÓRIOS D (1) E (0)

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Padrões de Qualidade

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE CIÊNCIA DA INFORAMÇÃO-CEECInfo Indicadores e Padrões de Qualidade

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Comunicação Social

Padrões de Qualidade para Cursos de Comunicação Social MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Padrões de Qualidade

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99)

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99) DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS ENSINO Comissão de especialistas de Fonoaudiologia-CEEFONO Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE PARA AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

PADRÕES DE QUALIDADE PARA AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA Padrões de Qualidade para Cursos

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE PARA CURSOS SUPERIORES NA ÁREA DE ARTES CÊNICAS (TEATRO E DANÇA)

PADRÕES DE QUALIDADE PARA CURSOS SUPERIORES NA ÁREA DE ARTES CÊNICAS (TEATRO E DANÇA) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ARTES CÊNICAS PADRÕES DE QUALIDADE PARA CURSOS SUPERIORES

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA ROTEIRO DE AVALIAÇÃO PARA AUTORIZAÇÃO

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR - DEPES COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Formulário para uso das Comissões de Verificação

Formulário para uso das Comissões de Verificação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Ensino Superior Departamento de Políticas de Ensino Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

INDICADORES E PADRÕES DE QUALIDADE DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

INDICADORES E PADRÕES DE QUALIDADE DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE NUTRIÇÃO E ECONOMIA DOMÉSTICA INDICADORES E PADRÕES

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO(MEC) SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO(MEC) SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO(MEC) SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR (SESu) COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CECA PADRÕES DE QUALIDADE

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Administração

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO Padrões de Qualidade para

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes e Desenho Industrial (Autorização, Credenciamento e Reconhecimento)

Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes e Desenho Industrial (Autorização, Credenciamento e Reconhecimento) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DAS ARTES E DESIGN/ CEEARTES Roteiro para Avaliação

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Padrões de Qualidade e Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes Visuais (Autorização e Reconhecimento)

Padrões de Qualidade e Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes Visuais (Autorização e Reconhecimento) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ARTES VISUAIS Padrões de Qualidade e Roteiro

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 22.scol@capes.gov.br REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001.

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. Aprova o Manual para Credenciamento de Cursos com finalidade de Concessão do Título de Especialista e respectivo registro. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA,

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 Dispõe sobre a aplicação das Leis n. 9.394/96 e n. 9.678/98, a periodização do ano letivo, a caracterização das disciplinas e dos requisitos curriculares complementares,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Psicologia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Psicologia DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS ENSINO Comissão de Especialistas em Ensino de Psicologia - CEEPSI Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 010 /03 Dispõe sobre as condições para oferta de disciplinas à distância nos cursos presenciais da UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 14/2008, DE 25 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o planejamento, acompanhamento e registro das Atividades Complementares, necessárias à integralização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 03/2011 Fixa normas para o Estágio Supervisionado em

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara CONSELHO SUPERIOR ACADÊMICO E ADMINISTRATIVO RESOLUÇÃO CSAA N 04/2015 Regulamenta as Atividades Complementares dos Cursos de Graduação das Faculdades Integradas de Taquara. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

2 DA ETAPA DE SELEÇÃO DOS ORIENTADORES

2 DA ETAPA DE SELEÇÃO DOS ORIENTADORES EDITAL 2014 Estabelece inscrições para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia Intensiva FATECI. O Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia Intensiva FATECI, Prof. Clauder Ciarlini

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004 Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes Documento de Área: Ciências e Tecnologia de Alimentos AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

Instrumento de Avaliação

Instrumento de Avaliação Monitoramento e Avaliação do Bolsa-Formação 2012 - Instrumento_de_Avaliação - # 42 Instrumento de Avaliação {{>toc}} I - Contextualização da Unidade Ofertante a. Nome da mantenedora; b. Base legal da mantenedora

Leia mais

Proposta de Resolução Ementa:

Proposta de Resolução Ementa: Proposta de Resolução Ementa: Dispõe sobre a regulamentação de Título de Especialista e de Especialista Profissional Farmacêutico e sobre normas e procedimentos para seu registro O Conselho Federal de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e é um componente curricular obrigatório

Leia mais

EDITAL Nº 01 13 DE AGOSTO DE 2015

EDITAL Nº 01 13 DE AGOSTO DE 2015 FACULDADE EVANGÉLICA DO PIAUÍ CREDENCIADA PELO MEC-PORTARIA Nº 2.858-13/09/2004 C.N.P.J 03.873.844/0001-35 EDITAL Nº 01 13 DE AGOSTO DE 2015 A Coordenação do Curso de Pedagogia da Faculdade Evangélica

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

http://www.webmail.ufop.br/webmail/src/download.php?absolute_dl=true&passed_id=552...

http://www.webmail.ufop.br/webmail/src/download.php?absolute_dl=true&passed_id=552... Página 1 de 8 Formulário do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem a missão da instituição de ensino superior e

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais