Validando Sistemas Distríbuidos em Java com RMI Utilizando Injeção de Falhas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Validando Sistemas Distríbuidos em Java com RMI Utilizando Injeção de Falhas"

Transcrição

1 Validando Sistemas Distríbuidos em Java com RMI Utilizando Injeção de Falhas Vieira, Marcio. J. 1 1 Departamento de Informática Universidade Federal do Paraná (UFPR) Curitiba PR Brasil Abstract. This article presents as fault injection of imperfections for experimental validation of Java applications with RMI (Remote Method Invocation),and the behavior of these distributed systems, after the injection of software imperfections affecting attributes and public object methods of the interface Through an application they are intercepting the remote calls of protocol RMI during the execution of the class stub, for the injection of imperfections. Resumo. Este artigo apresenta como realizar injeção de falhas para validação experimental de aplicações Java com RMI ( Remote Method Invocation ), e o comportamento deste sistemas distribuídos, após a injeção de falhas de software afetando atributos e métodos de objeto público da interface. Através de uma aplicação são interceptando as chamadas remotas do protocolo RMI durante a execução da classe stub, para a injeção de falhas. 1. Introdução Sistemas distribuído é uma referência à computação paralela e descentralizada, realizada por dois ou mais computadores conectados através de uma rede, cujo objetivo é concluir uma tarefa em comum. Os Sistemas distribuídos em Java são muitos usados para serviços de alta disponibilidade que exigem que mecanismos de tolerância a falhas sejam validados, para que não apresentarem um comportamento inesperado no momento que que são requisitados no ambiente operacional. Injeção de Falhas é uma técnica para melhorar a cobertura de um teste introduzindo falhas ao sistema. Java é uma linguagem de programação orientada a objeto desenvolvida pela Sun Microsystems [Spec 2007] e o RMI (Remote Method Invocation) é uma interface de programação que permite a execução de chamadas remotas no estilo RPC em aplicações desenvolvidas em Java. Para validar este ambiente sugerimos neste trabalho a injeção de falhas para validação experimental de aplicações Java com RMI. As falhas injetadas serão baseadas em falhas de interface seguindo um sistema de padrões para injeção de falhas [Leme 2001]. A incorporação de sistemas computacionais ao cotidiano para o atendimento de serviços de missão crítica exige confiança no comportamento deste serviço, pois uma falha descoberta após o sistema estar em operac cão pode gerar consequências desastrosas. O middleware para objetos distribuídos, Remote Method Invocation (RMI) da SUN Microsystem [Spec 2007] é muito utilizado para o desenvolvimento de aplicações Java

2 distribuídas, embora ainda disponha de uma infra-estrutura básica para a construção de aplicações distribuídas, devem existir mecanismos de tolerância a falhas para que estes sistemas não apresentem um comportamento inesperado no momento que são requisitados no ambiente operacional. Este artigo apresenta o comportamento de sistemas distribuídos desenvolvidos sobre Java com RMI na injeção de falhas, auxiliando na validação de aplicações desenvolvidas sobre esta plataforma, utilizando uma aplicação para injeção de falhas de software afetando atributos e métodos de objeto publico da interface [Regina O. M. 2003], e assim definição de um modelo de falhas para RMI. 2. Injeção de Falhas Injeção de falhas é uma técnica de teste em que se procura produzir ou simular falhas e observar o sistema sob teste para verificar sua resposta nesta condição [Hsueh 1997]. Quando conhecemos o modelo de falhas no sistema podemos criar falhas para injeta-las. Experimentos de injeção de falhas também podem revelar problemas de software, que não são encontrados com técnicas tradicionais de testes e métodos formais [Voas 1997] Injeção de falhas por Software Uma ferramenta de injeção de falhas por software geralmente é um trecho de código que usa todos os ganchos ( hooks ) possíveis do processador e do sistema para criar um comportamento incorreto de maneira controlada [Carreira 1998]. Está técnica pode simular folhas de hardware, de software e de interface. Neste artigo vamos injetar falhas por software em uma aplicação distribuída desenvolvida sobre a arquitetura da RMI Ferramentas de Injeção de Software Para que se possa injetar falhas é necessário dispor de ferramentas apropriadas. Essas ferramentas executam o sistema sobre teste e produzem ou simulam a presena de falhas, monitorando o sistema para verificar qual é o seu comportamento [Gabriela J.; Regina O. M.; Taisy S.; Martins 2004].Jaca é uma ferramenta de Injeção de Software desenvolvida em Java com alta portabilidade [Regina O. M. 2003] usando um o Javassist reflection toolkit [Chiba 1998], compatível com JVM padrões, tanto o Jaca como Javassist não necessitam do código fonte da aplicação para serem utilizados, porém e necessário conhecer o mínimo de informação sobre a aplicação Java Distribuída Sistemas padrões de Injeção de Falhas No desenvolvimento de software e comum deparar-se com problemas que são recorrentes dentro de um determinado domínio de aplicações e nã o raro, resolvem-se esses problemas de forma similar a outras solucoes já utilizadas por outros desenvolvedores.essas solucoes podem ser documentadas em forma de padrões que são independentes de linguagens de programacao. Esses padrões auxiliam o desenvolvimento mais eficiente,robusto, portável e reutilizável [Schmidt 1995], facilitando o entendimento e

3 instanciando soluções que tém sido consideradas eficientes para solucionar os problemas a que se propõem. 3. Remote Method Invocation RMI A RMI permite que objetos Java executados num mesmo computador ou em computadores separados se comuniquem entre si via chamadas de métodos remotos. A RMI está baseada em uma tecnologia anterior semelhante para programação procedural, chamadas de chamadas de procedimento remoto ( remote procedure call RPCs ). A RPC permite que um programa procedural chame uma função de outro computador tão convenientemente como esta função fosse parte do mesmo programa executado no mesmo computador [Deitel 2004]. A RMI é a implementação da RPC por Java para comunicação distribuída de um objeto Java com outro. Uma vez que um método (ou serviço) de um objeto Java é registrado como sendo remotamente acessível, um cliente pode pesquisar ( lookup ) esse serviço e receber uma referência que permita ao cliente utilizar esse servio. Como com RPC, a ordenação (marshal) de dados é tratada por RMI. A RMI oferece transferência de objetos de tipos de dados complexos através do mecanismo de serialização de objeto [Deitel 2004]. 4. Reflexão Computacional De acordo com Maes [Maes 1987], computação reflexiva é a atividade desempenhada por um sistema computacional quando a computação realizada é sobre a sua própria computação. A Reflexo Computacional é definida como uma técnica de programaç ão que permite ao programador obter informações a respeito do próprio programa, com o objetivo de monitorá-lo, adicionar novas funcionalidades e mesmo fazer alterações adaptativas em tempo de execuo [Silveira 2003]. Sua utilização no processo de teste possibilita realizar uma anlise da aplicao de forma dinãmica, sem a necessidade de instrumentar o cdigo-fonte da aplicao. Atravs da reflexão é possível monitorar classes e objetos específicos, realizando uma intervenção na computação da aplicação em teste [Silveira 2003]. neste trabalho usaremos como apoio a ferramenta Javassist. [Chiba 2004] para reflexão Javassist Javassist (Java Programming Assistant) faz simples manipulação bytecode java. Isto é, uma biblioteca para editar bytecodes em Java, habilita programas desenvolvidos em Java para definir uma nova classe em tempo de execução modificando o arquivo da classe que a JVM ( Java Virtual Machine ) está carregando [Chiba 2006]. 5. Metodologia Através de uma aplicação será interceptando as chamadas remotas do protocolo RMI ( Remote Method Invocation ) durante a execução da classe stub, para a injeção de falhas, as interceptações serão realizadas em um sistema distribuída simples que será utilizado apenas como base de estudos. Todas as falhas apresentadas serão catalogadas.

4 As classes stub são geradas pelo compilador RMI ( rmic ) e não são considaredas classes do sistema podendo ser reflexionadas pelo carregador de classes do Javassist. Na Figura 1, demostramos a idéia básica que vamos implementar para validara injeo de falhas em RMI, através da classe stub, uma aplicação exemplo com applet Java, chama um método remoto ( RMI ) de um determinado web-server. Figura 1. Chamada de método remoto por RMI. 6. Cronograma de Atividades A tabela 1 apresenta as atividades e serem desenvolvidas pelo projeto com datas previstas e o estado atual de realização. o contato com os desenvolvedores de uma ferramenta chamada Jaca, que implementa injeções semenhantes foi realizado solicitando o código fonte para darmos continuidade ao trabalho já realizado anteriormente. Data Atividade Estado 10/04/2007 Aplicação distribuída usando RMI. Concluído 16/04/2007 Entrega da proposta de trabalho. A validar 16/04/2007 Fazer Contato com Desenvolvedor do JACA. Concluído 30/04/2007 Alterar Jaca para injetar falhas em RMI. A realizar 01/05/2007 Melhorar e complementar artigo com base em novas referências A realizar 07/05/2007 Analizer Projeto com Prof. Aldri. A eealizar 15/05/2007 Descrever conclusões Sobre testes realizados. A realizar Tabela 1. Cronograma de Atividades.

5 7. Conclusão O artigo tem intensão de apresentar uma solução para injeção de falhas na arquitetura de sistemas distribuídos baseados em RMI. trabalhos publicados anteriormente não implementaram está solução para arquitetura RMI mas com base no estudo de Martins, E. [Gabriela J.; Regina O. M.; Taisy S.; Martins 2004], podemos afirmar que possivel implementar a proposta descrita neste artigo. Referências Carreira, J. e Silva, J. G. (1998). Why do some (weird) people inject faults? acm sigsoft. In Software Engineering Notes. Volume 23, Número 1, pp Janeiro Chiba, S. (1998). Javassist - a reflection-based programming wizard for java. In Proc. of the ACM OOPSLA 98. Outubro, 98. Chiba, S. (2004). Javassist: Java bytecode engineering made simple java. In Developerś Journal. vol. 9, issue 1, January 8, Chiba, S. (2006). Javassist. url: chiba/javassist/ acessado em 20/04/2007. Deitel, H. M. (2004). Java, como Programar. Bookman, 4 edition. Gabriela J.; Regina O. M.; Taisy S.; Martins, E. (2004). Validando sistemas distribuídos desenvolvidos em java utilizando injeção de falhas de comunicação por software. In SBRC Hsueh, M. T. T. I. R. (1997). Fault injection techniques and tools. In IEEE Computer. Volume 30, Número 4, pp Abril Leme, N.G.M. e Martins, E. R. e. C. (2001). A software fault injection pattern system. In Proc. of the IX Brasilian Symposium on Fault-Tolerant Computing. Florianópolis,SC, Brasil, Març01, pag Maes, P. (1987). Concepts and experiments in computational reflection. In Proceeding of OOPSLA Orlando,Estados Unidos,outubro Regina O. M., Martins, E. (2003). Jaca a software fault injection tooll. In DNS Schmidt, D. C. (1995). Using design patterns to develop reusable object-oriented communication software. In Communications of the ACM. v. 38(10), pp Outubro Silveira, F. F. (2003). Ferramenta de apoio ao teste de aplicações java baseada em reflexão computacional. In Disponível em: Acesso em: 20 set Spec, J. (2007). Java Especification. url: acessado em 10/04/2007.

6 Voas, J. (1997). Software fault injection: Growing safer system. In Proceedings of IEEE Aerospace Conference v.2, pp aspen, Estados Unidos. Fevereiro 1997.

Validando Sistemas Distribuídos Desenvolvidos em Java Utilizando Injeção de Falhas de Comunicação por Software

Validando Sistemas Distribuídos Desenvolvidos em Java Utilizando Injeção de Falhas de Comunicação por Software Validando Sistemas Distribuídos Desenvolvidos em Java Utilizando Injeção de Falhas de Comunicação por Software Gabriela Jacques-Silva 1, Regina Lúcia de O. Moraes 2, Taisy Silva Weber 1, Eliane Martins

Leia mais

RMI: Uma Visão Conceitual

RMI: Uma Visão Conceitual RMI: Uma Visão Conceitual Márcio Castro, Mateus Raeder e Thiago Nunes 11 de abril de 2007 Resumo Invocação de Método Remoto (Remote Method Invocation - RMI) trata-se de uma abordagem Java para disponibilizar

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Importância da Arquitetura de Sistemas Baseados em Componentes para os Testes por Injeção de Falhas

Importância da Arquitetura de Sistemas Baseados em Componentes para os Testes por Injeção de Falhas Importância da Arquitetura de Sistemas Baseados em Componentes para os Testes por Injeção de Falhas Regina Lúcia de Oliveira Moraes Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Centro Superior de Educação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

CAPÍTULO 7 JAVA 7.1 CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM

CAPÍTULO 7 JAVA 7.1 CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM CAPÍTULO 7 JAVA Java é uma linguagem orientada a objeto cujo projeto foi desenvolvido pela Sun Microsystems no início de 1991. Ela foi originalmente concebida para ser utilizada na programação de dispositivos

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

A utilização do JSWDP para construção de Web Services

A utilização do JSWDP para construção de Web Services A utilização do JSWDP para construção de Web Services Fabiana Ferreira Cardoso 1, Francisco A. S. Júnior 1, Madianita Bogo 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Centro Universitário Luterano de Palmas

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação Remota Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Comunicação entre processos está no coração de todo sistema distribuído. Não tem sentido estudar sistemas distribuídos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Distributed Object-oriented Virtual Environment using Web Services on Grid

Distributed Object-oriented Virtual Environment using Web Services on Grid Distributed Object-oriented Virtual Environment using Web Services on Grid paralela e Felipe L. Severino Programação com Objetos Distribuídos Felipe L. Severino 1/ 15 Introdução; Distributed Object-oriented

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Sistemas Distribuídos Mestrado em Ciência da Computação 1o. Semestre / 2006 Prof. Fábio M. Costa fmc@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~fmc/ds MSc2006 Aula

Leia mais

CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE. Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução.

CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE. Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução. CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução. 3.1 ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR Primeiramente, surgiu a arquitetura centralizada

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Middleware. Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos

Middleware. Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos Middleware Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos Alternativas de comunicação entre processos (IPC) Mecanismos de IPC tradicionais (ou de baixo nível) Memória compartilhada, filas de mensagens,

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Utilização da Reflexão Computacional para Implementação de um monitor de software Orientado a Objetos em Java

Utilização da Reflexão Computacional para Implementação de um monitor de software Orientado a Objetos em Java Utilização da Reflexão Computacional para Implementação de um monitor de software Orientado a Objetos em Java Fabio Cordova de Sousa 1, Marcio Carlos Grott 2 1 Instituto Gene de Blumenau GENE Pós graduação

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Introdução RMI Tecnologias Semelhantes Arquitetura RMI Funcionamento Serialização dos dados Criando Aplicações Distribuídas com RMI Segurança Exemplo prático Referências

Leia mais

UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE REDES BASEADA EM AGENTES MÓVEIS

UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE REDES BASEADA EM AGENTES MÓVEIS UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE REDES BASEADA EM AGENTES MÓVEIS PEDRO BRACONNOT VELLOSO, MARCELO GOLÇALVES RUBINSTEINÝ, OTTO CARLOS M. B. DUARTE Grupo de Teleinformática e Automação COPPE/EE Programa

Leia mais

Modelos Arquiteturais

Modelos Arquiteturais Modelos Arquiteturais Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Modelos arquiteturais e-servidor Objetos distribuídos 2 O que é um modelo arquitetural? Estrutura em termos de componentes especificados

Leia mais

Sistemas Distribuídos: conceitos fundamentais e técnicas para implementações em Java RMI

Sistemas Distribuídos: conceitos fundamentais e técnicas para implementações em Java RMI Sistemas Distribuídos: conceitos fundamentais e técnicas para implementações em Java RMI Pastor, Luis Paulo R. Bacharelado em Ciências da Computação / UNIVEM luispaulo_pastor@hotmail.com Duarte, Mauricio

Leia mais

Java RMI. Alcides Calsavara

Java RMI. Alcides Calsavara Java RMI Alcides Calsavara Objetivos Permitir que um método de uma classe Java em execução em uma máquina virtual JVM chame um método de um objeto (instância de uma classe Java) situado em outra máquina

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Projeto Avançado de Sistemas/CPD029 Conceito de padrão de projeto. Padrões de projeto para software orientado a objetos. Mapeamento objetorelacional baseado em padrões. Padrões de arquitetura de software.

Leia mais

Uma arquitetura de computação distribuída baseada na plataforma Java. Carlos Rodrigo Souza Santos

Uma arquitetura de computação distribuída baseada na plataforma Java. Carlos Rodrigo Souza Santos Universidade Federal do Maranhão Departamento de Engenharia em Eletricidade Coordenação de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Mestrado em Ciência da Computação Uma arquitetura de computação distribuída

Leia mais

Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments

Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments Fábio R. L. Cicerre 1, Edmundo R. M. Madeira 1, Luiz E. Buzato 1 1 Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Leia mais

3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR

3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR 6,67(0$'(*(5(1&,$0(172&86720,=È9(/%$6($'2(0 3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR 1, 2,3 UNICENP Centro Universitário Positivo Rua Professor Viriato Parigot de Souza, 5300

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Introdução ao Ambiente de Desenvolvimento Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

Padrões de projeto 1

Padrões de projeto 1 Padrões de projeto 1 Design Orientado Objeto Encapsulamento Herança Polimorfismo Design Patterns 2 Responsabilidades Booch e Rumbaugh Responsabilidade é um contrato ou obrigação de um tipo ou classe. Dois

Leia mais

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware.

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware. Camadas de Software - o Middleware Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas Modelos de Arquitecturas para sistemas distribuidos Interfaces e Objectos Requerimentos para Arquitecturas Distribuídas

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java FBV - Linguagem de Programação II Um pouco sobre Java História 1992: um grupo de engenheiros da Sun Microsystems desenvolve uma linguagem para pequenos dispositivos, batizada de Oak Desenvolvida com base

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

UMA FERRAMENTA DE INSPEÇÃO PARA APLICAÇÕES JAVA UTILIZANDO REFLEXÃO COMPUTACIONAL

UMA FERRAMENTA DE INSPEÇÃO PARA APLICAÇÕES JAVA UTILIZANDO REFLEXÃO COMPUTACIONAL UMA FERRAMENTA DE INSPEÇÃO PARA APLICAÇÕES JAVA UTILIZANDO REFLEXÃO COMPUTACIONAL André Luis Castro de Freitas 1,2 Ana Maria de Alencar Price 1 afreitas@inf.ufrgs.br anaprice@inf.ufrgs.br 1 UFRGS - Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Sistemas Distribuídos Mestrado em Ciência da Computação 1o. Semestre / 2006 Prof. Fábio M. Costa fmc@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~fmc/ds-msc2006 Aula

Leia mais

UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C#

UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C# UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C# Robson Bartelli¹, Wyllian Fressatti¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil robson_lpbartelli@yahoo.com.br,wyllian@unipar.br

Leia mais

Framework colaborativo para processamento de imagens utilizando a tecnologia jini

Framework colaborativo para processamento de imagens utilizando a tecnologia jini Framework colaborativo para processamento de imagens utilizando a tecnologia jini Daniel Welfer (UFSM) welfer@inf.ufsm.br Fábio Paulo Basso (UFSM) fbasso@inf.ufsm.br Marcos Cordeiro d Ornellas (UFSM) ornellas@inf.ufsm.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2)

Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2) Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2) From: Coulouris, Dollimore and Kindberg Distributed Systems: Concepts and Design Edition 3, Addison-Wesley From: Cardoso, Jorge, Programação de

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS Edson Alves de Oliveira Junior (1) Igor Fábio Steinmacher (2) eaojunio@bol.com.br ifsteinm@din.uem.br Edna Tomie Takano

Leia mais

Sincronização de bancos de dados distribuídos utilizando Snapshot Isolation

Sincronização de bancos de dados distribuídos utilizando Snapshot Isolation Sincronização de bancos de dados distribuídos utilizando Snapshot Isolation Fabricio Santos da Silva Universidade Federal do Paraná (UFPR) Departamento de Informática Curitiba Paraná Brazil fabricioss@inf.ufpr.br

Leia mais

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Engenharia Informática Ano letivo 2012/2013 Unidade Curricular Sistemas Distribuídos ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3º Semestre 2º sem Horas de trabalho globais Docente (s) Rui Pedro Marques Pereira

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Sistemas Distribuídos. Alexandre Augusto Giron

Sistemas Operacionais 2014 Sistemas Distribuídos. Alexandre Augusto Giron Sistemas Operacionais 2014 Sistemas Distribuídos Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Conceitos Hardware/Software para Sistemas Distribuídos Estrutura de Rede Objetos Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java

Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java Rafael Silva Guimarães Instituto Federal do Espírito Santo Campus Cachoeiro de Itapemirim Definição A linguagem Java foi desenvolvida pela Sun Microsystems,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA*

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA* PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA* Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Fev/2014 *Adaptado de PACHECO, R C S & RIEKE, R N INE UFSC Disponível em: http://wwwstelaufscbr/~pacheco/dsoo/htm/downloadshtm

Leia mais

OSGi distribuído: deployment local e execução remota

OSGi distribuído: deployment local e execução remota OSGi distribuído: deployment local e execução remota Marcelo Malcher Monografia de Seminários de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica do Rio de marcelom@inf.puc-rio.br

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Controle de Temperatura de Transformador

Controle de Temperatura de Transformador Controle de Temperatura de Transformador Eng. Vitor Donaduzzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Email: vitordonaduzzi@gmail.com Resumo Este artigo tem o objetivo de apresentar um projeto

Leia mais

Programação de Computadores II TCC-00.309 Turma A-1

Programação de Computadores II TCC-00.309 Turma A-1 Material elaborado pelo prof. Leandro A. F. Fernandes com contribuições dos profs. Anselmo A. Montenegro e Marcos Lage Programação de Computadores II TCC-00.309 Turma A-1 Conteúdo Introdução ao Ambiente

Leia mais

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Elder de Macedo Rodrigues, Guilherme Montez Guindani, Leonardo Albernaz Amaral 1 Fábio Delamare 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando Tópicos Introdução. HTTP / CGI. API sockets. JDBC. Remote Method Invocation.

Leia mais

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução Chamadas Remotas de Chamada Remota de Procedimento (RPC) ou Chamada de Função ou Chamada de Subrotina Método de transferência de controle de parte de um processo para outra parte Procedimentos => permite

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Estilos Arquitetônicos Estilos Arquiteturais Dataflow

Leia mais

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos Luiz Affonso Guedes Introdução Conceitos básicos programação distribuída + programação orientada a objetos = Objetos distribuídos Motivação

Leia mais

JVSObjects: Middleware Java para Compartilhamento Virtual de Objetos Concorrentes

JVSObjects: Middleware Java para Compartilhamento Virtual de Objetos Concorrentes JVSObjects: Middleware Java para Compartilhamento Virtual de Objetos Concorrentes Christiane Vilaça Pousa 1, Carlos Augusto Paiva Silva Martins 1 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Laboratório

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java

Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java 1 Objetivo: O aluno deverá adquirir capacidades e habilidades

Leia mais

Padrões Arquiteturais no Java EE 7

Padrões Arquiteturais no Java EE 7 Padrões Arquiteturais no Java EE 7 Vagner F. Le Roy Júnior Curso de Pós Graduação em Arquitetura de Software Distribuído Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Belo Horizonte, MG Brasil vagnerleroy@gmail.com

Leia mais

UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA

UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PORTÁVEIS PARA A PLATAFORMA POCKET PC

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES Célia Hirata Aoki - celia@unisalesiano.edu.br Prof. M.Sc. Anderson Pazin - pazin@unisalesiano.edu.br RESUMO As fortes expansões

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Um Simulador Estratégico de Mercado

Um Simulador Estratégico de Mercado Um Simulador Estratégico de Mercado Alexandre Sztajnberg DICC/IME.UERJ alexszt@ime.uerj.br Daniel Olair Ferreira LabIME/IME/UERJ daniel@ime.uerj.br Ruy G. Góes Goals Project do Brasil ruy@goals.com.br

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves, Jocimara Segantini Ferranti, Alexadre L Erário,

Leia mais

MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Camadas Protocolo Requesição-Respostal Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais

MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Camadas Protocolo Requesição-Respostal Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais RMI JAVA MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Protocolo Requesição-Respostal Camadas Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais RMI REMOTE METHOD INVOCATION Invocação remota

Leia mais

Introdução. Uma Arquitetura de Testes para Validação de Sistemas de Bordo. Sistemas Embarcados

Introdução. Uma Arquitetura de Testes para Validação de Sistemas de Bordo. Sistemas Embarcados Uma Arquitetura de Testes para Validação de Sistemas de Bordo Cláudia Santos da Silva Orientadores: Eliane Martins (Unicamp) Nandamudi L. Vijaykumar Sistemas Embarcados Introdução Característica Confiabilidade

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Célia Hirata Aoki Anderson Pazin LINS SP 2009 2 JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS RESUMO As fortes expansões do mercado de desenvolvimento de softwares,

Leia mais

Computação Distribuída, Web Service - um estudo de caso

Computação Distribuída, Web Service - um estudo de caso CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Diogo Francisco Sales da Silva Flávio Rodrigo Lovatti Computação Distribuída, Web Service - um estudo de caso VILA VELHA 2009 Diogo Francisco

Leia mais

Estrutura de Dados e Regras de Negócio Configuráveis pelo Usuário Final

Estrutura de Dados e Regras de Negócio Configuráveis pelo Usuário Final Estrutura de Dados e Regras de Negócio Configuráveis pelo Usuário Final Paulo Eduardo Cardoso Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais paulinho@dss.inpe.br Mauricio Gonçalves Vieira Ferreira Instituto

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Um estudo de estratégias de redundância para melhoria de dependabilidade em ambientes Openmobster mobile cloud computing

Um estudo de estratégias de redundância para melhoria de dependabilidade em ambientes Openmobster mobile cloud computing Um estudo de estratégias de redundância para melhoria de dependabilidade em ambientes Openmobster mobile cloud computing Igor de Oliveira Costa ioc@cin.ufpe.br Orientador: Prof. Paulo Romero Martins Maciel

Leia mais

GOD: Um Depurador Simbólico para Sistemas de Objetos Distribuídos

GOD: Um Depurador Simbólico para Sistemas de Objetos Distribuídos GOD: Um Depurador Simbólico para Sistemas de Objetos Distribuídos Giuliano Mega e Fabio Kon Departamento de Ciência da Computação Universidade de São Paulo (USP) {giuliano,kon}@ime.usp.br http://eclipse.ime.usp.br/distributeddebugging

Leia mais

Object Brokers. Tecnologias de Middleware 2004/2005 André Santos

Object Brokers. Tecnologias de Middleware 2004/2005 André Santos Object Brokers Tecnologias de Middleware 2004/2005 André Santos Resumo O que são Object Brokers? Como surgiu o conceito? CORBA Exemplos de utilização Comparação com Java RMI Actualidade (J2EE,.NET) O que

Leia mais