INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. - Opção 131 -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. - Opção 131 -"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO EDITAL Nº 44, DE 25 DE MARÇO DE PROVA ESCRITA PARA O EIXO PROFISSIONAL INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - Opção INFORMAÇÕES AO CANDIDATO 1. Escreva seu nome e número de CPF, de forma legível, nos locais abaixo indicados. NOME: Nº. CPF: 2. Verifique se o EIXO PROFISSIONAL e o CÓDIGO DE OPÇÃO, colocados acima, são os mesmos constantes da sua FOLHA RESPOSTA. Qualquer divergência, exija do Fiscal de Sala um caderno de prova cujo EIXO PROFISSIONAL e o CÓDIGO DE OPÇÃO sejam iguais aos constantes da sua FOLHA RESPOSTA. 3. A FOLHA RESPOSTA deve, obrigatoriamente, ser assinada. Essa FOLHA RESPOSTA não poderá ser substituída. Portanto, não a rasure nem a amasse. 4. DURAÇÃO DA PROVA: 3 horas, incluindo o tempo para o preenchimento da FOLHA RESPOSTA. 5. Na prova, há 40 (quarenta) questões, sendo 10 (dez) questões de Conhecimentos Pedagógicos e 30 (trinta) questões de Conhecimentos Específicos, apresentadas no formato de múltipla escolha, com cinco alternativas, das quais apenas uma corresponde à resposta correta. 6. Na FOLHA RESPOSTA, as questões estão representadas pelos seus respectivos números. Preencha, por completo, com caneta esferográfica (tinta azul ou preta), toda a área correspondente à opção de sua escolha, sem ultrapassar as bordas. 7. Será anulada a questão cuja resposta contiver emenda ou rasura, ou para a qual for assinalada mais de uma opção. Evite deixar questão sem resposta. 8. Ao receber a ordem do Fiscal de Sala, confira este CADERNO com muita atenção, pois, nenhuma reclamação sobre o total de questões e/ou falhas na impressão será aceita depois de iniciada a prova. 9. Durante a prova, não será admitida qualquer espécie de consulta ou comunicação entre os candidatos, nem será permitido o uso de qualquer tipo de equipamento (calculadora, telefone celular etc.), chapéu, boné (ou similares) e óculos escuros. 10. A saída da sala só poderá ocorrer depois de decorrida 1 (uma) hora do início da prova. A não observância dessa exigência por parte do candidato acarretará a sua exclusão do concurso. 11. Ao sair da sala, entregue este CADERNO DE PROVA, juntamente com a FOLHA RESPOSTA, ao Fiscal de Sala. 12. Os três últimos candidatos deverão permanecer na sala de prova e somente poderão sair juntos do recinto, após a aposição em Ata de suas respectivas identificações e assinaturas.

2

3 CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n.º 9.394/96 delega à escola a competência e a responsabilidade de elaborar o seu projeto político pedagógico. No Título IV, em seus artigos 12, 13 e 14, apontam diretrizes para os estabelecimentos de ensino, os docentes e a gestão democrática, a saber: [...] Art Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de: I - elaborar e executar sua proposta pedagógica; [...] VII - informar os pais e responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica; [...] Art Os docentes incumbir-se-ão de: I - participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; [...] Art Os sistemas de ensino definirão as normas de gestão democrática do ensino público na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios: I - participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola; [...] Com base nos artigos transcritos, indique a alternativa que traz o significado da expressão "proposta ou projeto pedagógico" para os docentes, as escolas e os sistemas. a) O projeto político pedagógico analisa as questões administrativas, materiais e financeiras, adversas à escola, cujas soluções estão fora das suas responsabilidades. b) O projeto político pedagógico trata da questão do diagnóstico, configurado por informações sobre evasão e repetência, sem nenhuma reflexão significativa no que se refere à dimensão qualitativa. c) O projeto político pedagógico constitui-se em intenções abstratas, sem nenhuma coerência, confundindo-se com listagem de ações e até relatórios. d) O projeto político pedagógico é a própria organização do trabalho pedagógico da escola como um todo, sendo construído e vivenciado em todos os momentos, por todos os envolvidos com o processo educativo da escola. e) O projeto político pedagógico expressa os elementos do diagnóstico de forma desarticulada, esparsa e fragmentada. 2. Conforme art. 59 do Estatuto da Criança e do Adolescente, os municípios, com apoio dos Estados e da União, estimularão e facilitarão a destinação de recursos e espaços para a) treinamento, disciplina e participação docente. b) exercício da autoridade competente. c) programações culturais, esportivas e de lazer voltadas para a infância e a juventude. d) centralização das ações desenvolvidas na escola. e) formação e desenvolvimento dos alunos da EJA.

4 3. O 2º do art. 3º da Resolução nº 6/2012 do CNE estabelece que os cursos e programas de Educação Profissional Técnica de Nível Médio são a) consolidado a partir do aprofundamento dos conhecimentos adquiridos na vida profissional, possibilitando o prosseguimento de estudos. b) estruturados a partir de concepções de mundo e de consciência social, de circulação e de consolidação de valores, de promoção da diversidade cultural, da formação para a cidadania, de constituição de sujeitos sociais e de desenvolvimento de práticas pedagógicas. c) organizados por eixos tecnológicos, possibilitando itinerários formativos flexíveis, diversificados e atualizados, segundo interesses dos sujeitos e possibilidades das instituições educacionais, observadas as normas do respectivo sistema de ensino para a modalidade de Educação Profissional Técnica de Nível Médio. d) preocupados com a preparação do educando como ser humano em métodos e técnicas dentro das disponibilidades das instituições de ensino. e) desenvolvidos a partir do aprimoramento do educando como ser humano, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico. 4. O art. 1 o do Decreto de 13/07/2006 institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos PROEJA. Conforme as diretrizes estabelecidas neste Decreto, o PROEJA abrangerá os seguintes cursos e programas de educação profissional: a) I Formação numa perspectiva mediadora; II - Educação permanente. b) I Formação permanente; II - Educação a distância. c) I Formação a partir do gênero; II - Educação inclusiva. d) I Formação inicial; II - Educação indígena. e) I Formação inicial e continuada de trabalhadores; II - Educação profissional técnica de nível médio. 5. A lei nº de 11/12/1990 no Título VI - Da Seguridade Social do Servidor, Capítulo I - das Disposições Gerais, no art. 184 estabelece que o Plano de Seguridade Social visa a dar cobertura aos riscos a que estão sujeitos o servidor e sua família, e compreende um conjunto de benefícios e ações que atendam às seguintes finalidades: a) garantia de acompanhamento do cônjuge, companheiro ou dependente em situação atípica. b) garantia de momentos de lazer, oportunizando acesso a teatro, cinema e viagens. c) garantia de gozo dos direitos políticos, da renovação das atividades e do deslocamento do servidor. d) garantia de meios de subsistência nos eventos de doença, invalidez, velhice, acidente em serviço, inatividade, falecimento e reclusão; proteção à maternidade, à adoção e à paternidade; assistência à saúde. e) garantia de trabalho com a comunidade acadêmica, sempre que solicitado. 6. O currículo não é um elemento inocente e neutro de transmissão desinteressada do conhecimento social, pois está implicado em: a) encontrar as formas e as técnicas. b) relações de poder. c) denunciar a escola. d) desnaturalizar a história. e) objetivos.

5 7. Se os procedimentos da avaliação estivessem articulados com o processo de ensinoaprendizagem propriamente dito, não haveria a possibilidade de dispor-se deles como se bem entende. E não poderiam conduzir ao: a) limite nas análises das produções. b) avanço do processo de aprendizagem. c) arbítrio, em favor do processo de seletividade. d) delineamento do método de ensino. e) encaminhamento sistemático do processo de ensino-aprendizagem. 8. Segundo Moreira e Silva, o currículo não é um elemento transcendente e atemporal. Ele tem uma história, vinculada às formas específicas e aos contingentes de organização a) da sala e da vida. b) da sociedade e da educação. c) do aparelho ideológico de Estado. d) do mundo na contemporaneidade. e) das matérias escolares. 9. Com a função classificatória, a avaliação constitui-se um instrumento estático e frenador do processo de crescimento; com a função diagnóstica, ela constitui-se um: a) momento de registrar, no diário de classe, simplesmente a nota. b) instrumento obrigatório da tomada de decisão quanto à ação. c) momento de subtração da prática da avaliação àquilo que lhe é constitutivo. d) instrumento de registro em números através do diário escolar. e) momento dialético do processo de avançar no desenvolvimento da ação, do crescimento da autonomia, do crescimento para a competência. 10. Para Paulo Freire, antes de qualquer tentativa de discussão de técnicas, de materiais, de métodos para uma aula dinâmica, é preciso que o professor compreenda que o fundamental é: a) a curiosidade do ser humano. b) a passividade do ser humano. c) a ingenuidade do ser humano. d) o procedimento autoritário do ser humano. e) o paternalismo do ser humano. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 11. O registro de recurso de uma mensagem de resposta DNS é um conjunto de quatro elementos que contém os seguintes campos: NAME, VALUE, TYPE, TTL. No caso de se possuir TYPE = A, assinale a afirmativa CORRETA sobre os significados de NAME e VALUE. a) NAME = nome canônico e VALUE = endereço IP para o nome canônico. b) NAME = domínio e VALUE = é nome de um servidor de nomes com autoridade. c) NAME = nome do hospedeiro e VALUE = endereço IP para o nome. d) NAME = nome do hospedeiro e VALUE = é o nom e de um servidor de nomes com autoridade. e) NAME = domínio e VALUE = endereço IP para o domínio.

6 12. Uma mensagem é enviada a partir do host de A para seu servidor de correio através de HTTP. O servidor de correio de A envia, a mensagem para o servidor de correio de B sobre SMTP. B então transfere a mensagem de seu servidor de para A sobre POP3. Essa informação descreve como a mensagem vai do hospedeiro A até o hospedeiro B. Sobre esses dois hospedeiros é CORRETO afirmar que a) o host A acessa sua conta de usando o POP3 e o host B acessa seu da Web. b) o host A e B acessam suas contas de s usando o POP3. c) o host A e B acessam suas contas de s usando o IMAP. d) o host A acessa sua conta de usando o IMAP e o host B acessa seu da POP3. e) o host A acessa sua conta de da Web e o host B acessa sua conta de usando o POP Sobre os protocolos HTTP e SMTP é CORRETO afirmar: a) Somente o HTTP permite os hospedeiros transferirem arquivos. b) Ambos os protocolos são utilizados para transferir arquivos de um hospedeiro para outro. c) O SMTP é um protocolo de recuperação de informação (pull protocol). d) O HTTP é um protocolo de envio de informação (push protocol). e) O protocolo SMTP não necessita de codificação para o código ASCII de 7 bit para a transmissão de dados binários Bad Request é um código de estado e frase associado da mensagem de resposta HTTP, que corresponde a um código de erro que indica que a) a resposta não pôde ser entendida pelo cliente. b) a requisição não pôde ser entendida pelo servidor. c) o objeto requisitado foi removido. d) documento requisitado não existe no servidor. e) o servidor está inativo. 15. Sobre o protocolo FTP, é CORRETO afirmar: a) Utiliza duas conexões TCP paralelas para transferir um arquivo, uma para o controle de conexão e outra para conexão de dados. b) O FTP é um protocolo de transferência de arquivo que utiliza o UDP. c) Durante uma sessão, o sevidor FTP não mantém informações de estado sobre o usuário. d) O comando STOR filename é utilizado para armazenar um arquivo no diretório atual do hospedeiro local. e) O protocolo FTP não permite armazenar um arquivo do hospedeiro cliente no diretório atual do hospedeiro servidor. 16. Sobre as criptografias de segurança de rede, é CORRETO afirmar: a) O nonce não permite a defesa de ataque de repetição. b) Nos sistemas de chave pública, tanto o emissor quanto o receptor devem conhecer a mesma chave e esta chave ser conhecida por todo o mundo (incluindo o remetente). c) Nos sistemas de chave simétrica, tanto o emissor quanto o receptor devem conhecer a mesma chave. d) A função hash não é uma função one-way. e) Em um registro SSL, existe um campo para uma sequência de números SSL.

7 17. O plano de discagem define todo o funcionamento de um servidor Asterisk, como as regras de discagem e como as ligações de entrada e saída serão tratadas. Qual o nome do arquivo que armazena toda essa informação? a) Iax.conf b) Dialplan.conf c) Sip.conf d) Extensions.conf e) Asterisk.conf 18. Considere as seguintes afirmativas. I. As características de uma fibra ótica são descritas por suas propriedades quanto à atenuação de sinais. II. A atenuação é uma característica fundamental para a determinação da distância mínima de um link. III. A atenuação varia de acordo com o comprimento de onda de luz utilizado. IV. A dispersão em fibras óticas impõe um limite na capacidade de transmissão, por isso, não determina a largura de banda de uma fibra. V. A distância máxima do entre cross-connect principal e cross-connect intermediário de um link com fibra multimodo é de 2700 metros. São VERDADEIRAS, apenas, a) I e III. b) I, II e V. c) II, III e IV. d) I, III e V. e) I, III e IV. 19. Considere as seguintes afirmativas a respeito das fibras óticas. I. As fibras óticas não sofrem interferências eletromagnéticas. II. Não podem ser agrupadas, pois nesse caso produzem ruído de diafonia que não pode ser considerado desprezível. III. Apresentam altas perdas de acoplamento. IV. Podem ser classificadas quanto aos modos de condução e quanto ao perfil do índice. V. A atenuação é uma característica fundamental para a determinação da distância mínima de um link. Estão CORRETAS, apenas, a) II, IV e V. b) I, II e IV. c) I, III e IV. d) I, III, IV e V. e) I, IV e V.

8 20. Considere as seguintes afirmativas a respeito de uma fibra ótica. I. As perdas por absorção não são prejudiciais ao desempenho da fibra ótica. II. A presença de íons, do tipo Oxidrila (OH-), melhora as características de atenuação da fibra ótica. III. Numa fibra multimodo se propaga somente um comprimento de onda. IV. A abertura numérica é dependente do índice de refração dos meios. V. Quando ocorre uma macrocurvatura, geralmente apresenta-se como sendo um dano irreparável na fibra ótica. É(são) VERDADEIRA(S), apenas, a) III. b) II. c) IV. d) IV e V. e) I, IV e V. 21. A respeito de redes óticas, analise as seguintes assertivas. I. Uma macrocurvatura ou microcurvatura em uma fibra ótica permite a saída de luz. II. Em um link ótico é necessário um "ponto de terra" (ground) comum entre os dois terminais. III. Os elementos de tração são imprescindíveis na implementação de cabos óticos instalados em linhas de dutos ou instalações aéreas. IV. As fibras multimodo possuem componentes associados, tais como conectores e componentes eletrônicos, de custo mais baixo, quando comparado às fibras óticas monomodo. V. Os cabos de fibra ótica somente podem ser instalados nas redes externas na forma aérea e em dutos ou em galerias. Estão CORRETAS, apenas, a) I, III e IV. b) I, II, III e IV. c) III, IV e V. d) I, II, III e V. e) III, IV e V. 22. Dentre as dimensões núcleo/casca a seguir, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? a) 25μm/60μm e 50μm/60μm b) 10μm/125μm e 50μm/125μm c) 25μm/50μm e 25μm/60μm d) 15μm/125μm e 50μm/60μm e) 10μm/125μm e 60μm/125μm

9 23. A respeito da tecnologia WDM, é CORRETO afirmar que: I. Vários comprimentos de onda são distribuídos por várias fibras. II. As especificações existentes estabelecem apenas o uso em fibras multimodo. III. Permite o crescimento gradual da capacidade de transmissão. IV. O transponder tem a função de adaptar a taxa arbitrária do sinal óptico do equipamento cliente SDH ou Ethernet e mapear o comprimento de onda ao canal (linha) WDM escolhido compatível com o plano de frequências padronizado. V. O módulo amplificador booster é usado em sites terminal e intermediário para amplificação do sinal de linha de entrada antes dele ser alimentado ao estágio demultiplexador. Das afirmações apresentadas, são VERDADEIRAS, apenas, a) I e III. b) I, II e V. c) I, III e V. d) III, IV e V. e) III e IV. 24. Comparando os LEDs com os diodos lasers, é CORRETO afirmar que: a) O acoplamento em fibras monomodo com LEDs é melhor que com diodos lasers. b) A potência óptica dos LEDs é maior que a dos diodos lasers. c) A sensibilidade à variação de temperatura dos LEDs é maior que a dos diodos lasers. d) A largura do espectro dos LEDs é maior que a dos diodos lasers. e) A vida útil dos LEDs é menor que a dos diodos lasers. 25. Numa rede PON, o elemento de derivação passiva de sinal óptico de que utiliza a arquitetura WDM é realizada pelo a) splitting b) drop c) conversor d) switch óptico e) somador 26. No final dos anos 70, a Organização Internacional para padronização (ISO) propôs o modelo de Interconexão de Sistemas Abertos (OSI) para redes de computadores. Com relação a esse modelo, é CORRETO afirmar que: a) Ele é composto de 3 camadas. b) A camada de sessão provê a delimitação e sincronização da troca de dados, incluindo os meios de construir um esquema de pontos de verificação e recuperação. c) A camada de interconexão faz parte dele. d) O papel da camada de aplicação é prover serviços que permitam que as aplicações de comunicação interpretem o significado dos dados trocados. e) Inclui a camada de interoperabilidade responsável por padronizar a comunicação entre dispositivos de rede como hubs e switches.

10 27. Com relação à arquitetura do modelo TCP/IP, utilizado na Internet, marque a alternativa que corresponde a um protocolo da camada de transporte: a) RTSP (Real Time Streaming Protocol) b) RTP (Real-time Transport Protocol) c) UDP (User Datagram Protocol) d) NTP (Network Time Protocol) e) SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) 28. O administrador de uma rede que utiliza o conjunto de protocolos TCP/IP optou por usar somente endereços IPv4 para suas máquinas e dispositivos. Sua rede é composta por 4 redes físicas conectadas entre si por meio de um roteador, mas sem acesso à Internet. Cada rede física tem 30 hosts e todas as redes precisam se comunicar entre si. O endereço IP disponibilizado para o administrador foi o e ele criará rotas estáticas no roteador para que os pacotes de uma rede física possam ser encaminhados para qualquer uma das outras. Baseado nestas informações, é CORRETO afirmar que: a) Uma máscara de rede com 24 bits será suficiente para atribuir endereços IPs para todas as interfaces de rede e permitir a conectividade entre as redes físicas. b) A máscara de rede permitiria endereçar todos os hosts das redes físicas e dividiria o endereço IP em número suficiente de sub-redes para o caso em tela. c) A máscara de rede permitiria utilizar até 62 endereços IPs para hosts por sub-rede e permitiria a conectividade entre as redes físicas. d) A máscara de rede permitiria endereçar todos os hosts das redes físicas e dividiria o endereço IP em número suficiente de sub-redes para o caso em tela. e) Não há máscara de rede possível que permita endereçar todas as redes físicas e seus respectivos hosts. 29. Assinale a alternativa que contém a topologia CORRETA de todas as redes da Figura 01: (1) (2) (3) Figura 01 Disponível em: Acesso em 29/04/2014. a) (1) Mesh, (2) Barramento, (3) Anel b) (1) Triângulo, (2) Barramento, (3) Totalmente conectado. c) (1) Mesh, (2) Anel, (3) Barramento. d) (1) Barramento, (2) Anel, (3) Estrela, e) (1) Estrela, (2) Barramento, (3) Anel.

11 30. Assinale a alternativa ERRADA com relação ao protocolo TCP: a) Disponibiliza um serviço de transferência confiável de dados. b) É orientado a conexão. c) O procedimento inicial de estabelecimento de uma conexão é denominado apresentação de 3 vias (3-way handshake) d) Provê um serviço full-duplex. e) Não há necessidade de estabelecimento de um circuito para iniciar a transmissão de dados. 31. Assinale a alternativa CORRETA com relação ao protocolo UDP: a) Provê mecanismos de contenção e controle de congestionamento. b) É orientado a conexão. c) Disponibiliza um serviço de transferência confiável de dados. d) Não envia um pacote de reconhecimento, sinalizando o recebimento correto de um pacote de dados. e) Tem um mecanismo ativado no início da conexão denominado partida lenta (slow start). 32. Assinale a alternativa que corresponde a um protocolo de roteamento utilizado na arquitetura TCP/IP: a) UDP b) RTP c) RTCP d) DHCP e) BGP 33. ATM (Asynchronous Transfer Mode) é um padrão de rede de alta velocidade projetado para suportar as comunicações, tanto de voz quanto de dados. Com relação a esse padrão, é CORRETO afirmar que: a) Não é possível estabelecer circuitos virtuais para proceder à comunicação de dados. b) A informação é transportada em células, as quais são pacotes de dados com tamanho variável. c) As células que transportam os dados têm tamanho fixo de 53 bytes. d) Dado o fato que são estabelecidos circuitos virtuais antes de qualquer comunicação a célula de dados, não há necessidade de incluir um cabeçalho junto com a carga útil (payload). e) Provê um serviço de comunicação de natureza síncrona. 34. Na hierarquia digital plesiócrona (PDH), um sinal E3 tem a seguinte taxa de transmissão de dados em kbps: a) b) c) d) e)

12 35. Em um cenário VoIP, dois telefones IP conseguem estabelecer ligações ponto a ponto entre os mesmos utilizando os protocolos SIP e RTP. No entanto, os usuários, ao atender, observaram que a ligação estava muda. Assinale a alternativa que corresponde a um motivo válido para que esta situação ocorra: a) A taxa de transmissão de dados estava abaixo de 64 kbps, a qual é o mínimo recomendado pela ITU-T. b) Os telefones estavam utilizando CODECs de voz diferentes. c) A conexão entre os dois telefones estava sendo barrado por um firewall que bloqueava a porta 510 do SIP. d) Não havia conectividade entre os telefones. e) Os telefones usavam protocolos não confiáveis da camada de transporte, inviabilizando a comunicação. 36. Os CODECs são utilizados para codificar/decodificar o sinal de voz digitalizado de uma ligação VoIP. Marque a alternativa que corresponde à taxa de dados usual obtida na saída do codificador ao utilizar-se do CODEC G.711a. a) 64 kbps b) 30 kbps c) 20 kbps d) 40 kbps e) 128 kbps 37. Na hierarquia digital síncrona, e de acordo com recomendação G.702, assinale a alternativa que corresponde ao menor container de carga adequado para um sinal PDH E1. a) C4 b) C11 c) C2 d) C3 e) C Qual o tamanho em bytes do payload em uma célula utilizada na tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode): a) 53 b) 48 c) 64 d) 24 e) Com relação ao PCM30, assinale a alternativa que corresponde à duração e ao intervalo de tempo que um quadro possui. a) 250 µs, 60 b) 125 µs, 60 c) 250 µs, 32 d) 125 µs, 32 e) 125 µs, 15

13 40. Assinale a alternativa ERRADA com relação ao quadro STM-1 (Módulo de Transporte Síncrono) de uma rede SDH. a) A taxa de transmissão de dados obtida é de 155,52 Mbps. b) A duração é de 125 µs. c) A taxa de transmissão de dados obtida é de 622,08 Mbps. d) É uma estrutura de 9 linha de 270 bytes. e) Podem transportar diferentes sinais PDH até o limite de sua capacidade respeitando sua estrutura de cabeçalho e as regras de montagem do quadro.

14

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Curso de Redes de Computadores

Curso de Redes de Computadores Curso de Redes de Computadores EMENTA Objetivo do curso: abordar conceitos básicos das principais tecnologias de rede e seus princípios de funcionamento. Instrutor: Emanuel Peixoto Conteúdo CAPÍTULO 1

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1 MODELO OSI/ISO 01(CESPE STF 2008 Q93) Na arquitetura do modelo OSI da ISO, protocolos de transporte podem ser não-orientados a conexão e localizam-se na terceira camada. As responsabilidades desses protocolos

Leia mais

113 analista DE ti - telecomunicações Data e horário da prova: Domingo, 20/01/2013, às 14h.

113 analista DE ti - telecomunicações Data e horário da prova: Domingo, 20/01/2013, às 14h. EMPrEsa BrasilEira DE serviços hospitalares EDital n O 01, DE 17 DE OUtUBrO DE 2012 COnCUrsO PÚBliCO 1/2012 - EBsErh/sEDE 113 analista DE ti - telecomunicações Data e horário da prova: Domingo, 20/01/2013,

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015 TE090 - Prof. Pedroso 17 de junho de 2015 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Suponha que um roteador foi configurado para descobrir rotas utilizando o protocolo RIP (Routing Information Protocol),

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Protocolos Hierárquicos

Protocolos Hierárquicos Protocolos Hierárquicos O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

Questionário 01 FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES

Questionário 01 FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Questionário 01 FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES 1- Questão: (CESPE/MPE-TO) Considere que, no processo de informatização de uma empresa, tanto na matriz quanto nas filiais, serão implantadas redes

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores Prof. Macêdo Firmino Revisão do Modelo de Camadas da Internet (TCP/IP) Macêdo Firmino (IFRN) s de Computadores Novembro de 2012 1 / 13 Modelo de Camadas Revisão de de Computadores Os

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação Universidade do Sul de Santa Catarina Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação 1 Camada de Transporte Os serviços de transporte incluem os seguintes serviços básicos: Segmentação de dados de aplicações

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Redes de Computadores Prof. José Vigno DATA: 17/09/2011

FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Redes de Computadores Prof. José Vigno DATA: 17/09/2011 FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Redes de Computadores Prof. José Vigno DATA: 17/09/2011 01 - Uma topologia lógica em barramento pode ser obtida usando uma topologia física em estrela. PORQUE Uma topologia

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho.

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho. Entregue três questões de cada prova. Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor

Leia mais

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição?

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição? Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor remoto esteja associado. 2. Estabelecer

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO. GRUPO MAGISTÉRIO Reservado ao CEFET-RN GRUPO MAGISTÉRIO REDES DE COMPUTADORES 14/MAIO/2006 REDES DE COMPUTADORES

CONCURSO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO. GRUPO MAGISTÉRIO Reservado ao CEFET-RN GRUPO MAGISTÉRIO REDES DE COMPUTADORES 14/MAIO/2006 REDES DE COMPUTADORES CONCURSO PÚBLICO REDES DE COMPUTADORES GRUPO MAGISTÉRIO Reservado ao CEFET-RN 14/MAIO/2006 Use apenas caneta esferográfica azul ou preta; Escreva o seu nome e o número do seu CPF no espaço indicado nesta

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes BCC361 Redes de Computadores (2012-02) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor Reinaldo Silva Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Lista de Exercícios 03 - Camadas

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais