Preâmbulo. O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Preâmbulo. O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia"

Transcrição

1 REGULAMENTO PROGRAMA LLP-ERASMUS-ESTESL-IPL Preâmbulo O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia de Fevereiro de 1976, através do lançamento de um programa piloto para a cooperação interuniversitária com atribuição de subsídios aos programas conjuntos de estudos. O seu nome surge como um símbolo e um acrónimo. Por um lado, evoca uma época em que os estudantes e académicos se deslocavam entre centros de estudo mais importantes da Europa, como o fez Desidério Erasmo ( ), e por outro, trata-se de uma abreviatura do título inglês do Programa EuRopean community Action Scheme for Mobility of University Students. De acordo com a agência nacional para o programa de aprendizagem ao longo da vida (PROALV), o LLP-ERASMUS tem como objetivo apoiar a criação de um espaço europeu de ensino superior e reforçar o contributo do ensino superior e do ensino profissional avançado no processo de inovação a nível europeu. O programa ERASMUS surgiu na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa (adiante designada por ESTeSL-IPL) com a apresentação da sua primeira candidatura à agência nacional PROALV em

2 TITULO I LLP-ERASMUS da ESTeSL-IPL Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Objeto De acordo com o disposto no despacho nº125/2010 do Senhor Presidente do Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) referente à regulamentação do processo de mobilidade internacional aplicável ao IPL e suas unidades orgânicas, o presente regulamento estabelece a orgânica do programa ERASMUS, bem como a regulamentação aplicável à seleção de candidatos, à frequência dos programas de mobilidade e os regimes aplicáveis aos estudantes, docentes e não docentes da ESTeSL-IPL e de instituições parceiras estrangeiras em regime de mobilidade. Artigo 2º A Comissão de gestão para o programa ERASMUS 1. A Comissão de gestão para o programa ERASMUS (CGPE) é nomeada pelo Presidente da ESTeSL-IPL. 2. A CGPE é coordenada por um docente da ESTeSL-IPL, podendo ainda ser designados um ou mais vice-coordenadores. 3. Compete à CGPE, em articulação com o Gabinete de Programas e Relações Internacionais (GPRI): a) Acompanhar os processos de mobilidade ERASMUS promovendo o seu desenvolvimento e crescimento no âmbito do presente regulamento; b) Apoiar os órgãos competentes nos contactos institucionais e no estabelecimento de novos acordos de mobilidade; c) Sugerir novos protocolos, programas e atividades no âmbito do programa ERASMUS aos órgãos competentes; d) Encaminhar os processos de mobilidade ERASMUS dentro dos procedimentos definidos, agilizando o fluxo do mesmo; 2

3 e) Assegurar a divulgação da informação necessária para a correta instrução dos processos de mobilidade ERASMUS a toda a comunidade académica; f) Apresentar anualmente um relatório das atividades desenvolvidas; g) Propor anualmente um plano de atividades aos órgãos competentes; h) Assegurar o cumprimento dos prazos estipulados no presente regulamento; i) Propor alterações ao presente regulamento. TITULO II MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS PROFISSIONAIS Capítulo II Mobilidade de estudantes outgoing Artigo 3º Estudantes outgoing O estudante outgoing é um estudante da ESTeSL-IPL que frequenta um programa de mobilidade ERASMUS. Artigo 4º Direitos 1. Aos estudantes outgoing é-lhes conferido o direito de: a) Pleno reconhecimento académico obtido pela aplicação do Sistema Europeu de Transferência de Créditos (ECTS); b) Realizar mobilidade por um período de estudos (SMS), mobilidade por um período de estágios profissionais (SMP) ou outra atividade de mobilidade do programa ERASMUS; c) Isenção de qualquer tipo de propina relativa a matrícula na instituição de acolhimento durante o período de mobilidade ERASMUS; d) Manter as bolsas de estudo concedidas no país de origem durante o período de mobilidade no estrangeiro; 3

4 e) Reconhecimento pela instituição de acolhimento como membro de pleno direito da respetiva comunidade académica; f) Acesso à Carta Universitária ERASMUS, à Declaração de Estratégia Europeia da sua instituição de origem, e demais informação sobre as condições de mobilidade às quais se submeteu; g) Usufruto dos equipamentos e instalações da instituição de acolhimento, nos termos das normas e regulamentos em vigor na mesma; h) À emissão do certificado (transcript of records), indicando os créditos e classificações obtidas pela instituição de acolhimento. Artigo 5º Deveres 1. Durante a permanência na instituição de acolhimento, o estudante deve: a) Cumprir as leis de imigração (quando aplicáveis) do país de acolhimento; b) Preencher e assinar toda a documentação necessária; c) Desenvolver a sua formação académica, ser assíduo e pontual às aulas ministradas, e adotar um comportamento que dignifique a ESTeSL-IPL; d) Prestar qualquer esclarecimento necessário à agência nacional PROALV, à instituição de acolhimento, à ESTeSL-IPL e ao IPL; e) Apresentar-se no GPRI, no máximo 10 dias após o término da mobilidade; f) Preencher e submeter o seu relatório final ERASMUS da agência nacional PROALV, no máximo até 30 dias após o término da mobilidade; 2. Se ocorrer um não cumprimento dos deveres referidos no número anterior, pode o estudante ser notificado para regresso imediato a Portugal, sob pena de não reconhecimento das unidades curriculares (UC s) realizadas na instituição de acolhimento. Artigo 6º Abertura de Candidatura 4

5 1. As instituições de acolhimento, vagas, períodos de mobilidade e condições de admissibilidade específicas deverão ser apresentadas pelos Conselhos de Curso ao GPRI até final de Novembro de cada ano, em formulário próprio disponível na página web da ESTeSL-IPL. 2. O GPRI da ESTeSL-IPL publicitará anualmente em Fevereiro, as instituições de acolhimento e respetivas vagas disponíveis para os programas de mobilidade, decorrendo o processo de seleção de candidatos até ao fim do primeiro trimestre do respetivo ano civil. Artigo 7º Requisitos para a candidatura 1. Podem candidatar-se à mobilidade ERASMUS os estudantes da ESTeSL-IPL que preencham os seguintes requisitos: a) Nunca ter sido estudante ERASMUS na modalidade a que se candidata; b) Estar inscrito no momento da candidatura e durante o período de mobilidade; c) Estar inscrito pelo menos no 2º ano de licenciatura ou no mínimo com 30 ECTS concluídos em outros ciclos ou programas formativos. Artigo 8º Processo de candidatura 1. As candidaturas devem ser apresentadas através de formulário próprio fornecido pelo GPRI e disponível na página web da ESTeSL-IPL, devendo os estudantes apresentar por escrito, em inglês ou na língua do país de destino: a) Dados pessoais; b) Instituições de mobilidade, por ordem de preferência, não excedendo o número máximo de três; c) Motivação para a candidatura. Artigo 9º Processo de seleção 1. A seleção dos candidatos deverá ser realizada pelo Conselho de Curso, de acordo com: 5

6 a. A média ponderada mais elevada, arredondada às centésimas, das classificações finais das UC s concluídas até à data da candidatura (com base na informação dos serviços de gestão académica); b. Em caso de empate utilizar-se-á o número total de ECTS obtidos até à data da candidatura; c. Em caso de empate na alínea anterior utilizar-se-á a participação nas atividades de tutoria desenvolvidas no âmbito do programa ERASMUS; d. Em caso de empate nas duas alíneas anteriores, o Conselho de Curso realizará uma avaliação da motivação do candidato através de entrevista. 2. Após a fixação e divulgação dos resultados, os candidatos dispõem de cinco dias úteis para apresentar reclamação fundamentada à CGPE, por escrito e assinadas pelos próprios, e entregue no GPRI; 3. Após este processo de seleção o GPRI informará o estudante selecionado sobre os procedimentos subsequentes. Artigo 10º Instrução do processo 1. O programa de mobilidade será proposto em conjunto pelo Estudante, Conselho de Curso e CGPE, em concordância com a informação da instituição de acolhimento. Este deverá cumprir os seguintes requisitos: a. Período de mobilidade mínimo de 3 meses, máximo de 12 meses; b. Relação período de mobilidade / ECTS: i. 1 Semestre de mobilidade / 30 ECTS; ii. 1 Ano letivo de mobilidade / 60 ECTS. c. O plano de estudos / estágio da instituição de acolhimento deve ser reconhecido e validado pela ESTeSL-IPL, mesmo que haja diferenças entre conteúdos dos programas curriculares, designações ou tipologias de UC s. 2. O estudante, após aceitação do Conselho de Curso, deverá entregar no GPRI os seguintes documentos: 6

7 a. Application Form; b. Learning/Training Agreement; 3. O GPRI seguidamente deverá efetuar as diligências necessárias para obter a aceitação formal do programa de mobilidade, junto da instituição de acolhimento; 4. Após a confirmação e aceitação formal do programa de mobilidade pela instituição de acolhimento, o estudante deverá completar o seu processo com a entrega no GPRI de um requerimento dirigido ao Conselho Técnico-Científico (CTC) da ESTESL-IPL de pedido de realização de UC s no âmbito do programa ERAMUS; 5. Todos os documentos a submeter à deliberação do CTC devem ser validados pela CGPE, sob proposta do Conselho de Curso; 6. Após a deliberação do processo pelo CTC, o estudante deve ser informado no prazo de 5 dias pelo GPRI. 7. A ESTeSL-IPL responsabiliza-se pelo envio para o Gabinete de Relações Internacionais (GRI) do IPL de todos os documentos necessários à assinatura do contrato de estudos/ estágios. 8. O estudante, ou o procurador por ele nomeado, será posteriormente contactado diretamente pelo GRI do IPL para a assinatura do respetivo contrato que lhe confere o Estatuto de Estudante ERASMUS. Artigo 11º Alteração do programa de mobilidade instrução do processo O programa de mobilidade poderá ser alterado após o início da mobilidade na instituição de acolhimento, desde que não haja condições para cumprir o programa previsto inicialmente. Sendo necessário que: 7

8 1. O estudante articule com o responsável ERASMUS na instituição de acolhimento as possíveis alterações; 2. O estudante comunique e fundamente, no prazo de um mês após o inicio de mobilidade, ao GPRI, Diretor de Curso e CGPE a necessidade de alteração do Learning / Training Agreament; 3. O Conselho de Curso e a CGPE dão parecer sobre a alteração proposta 7 dias após a comunicação; 4. O CTC aprove a alteração proposta na reunião seguinte à data de entrega do parecer referido no ponto anterior; 5. O processo de alteração do Learning / Training Agreament só termina quando a ESTeSL-IPL (diretor de curso e coordenador da CGPE) e a instituição de acolhimento (coordenador do curso/departamento e coordenador da CGPE) validam o documento aprovado pelo CTC. Artigo 12º Condições de reconhecimento 1. No final do período de mobilidade, a instituição de acolhimento deve emitir um certificado (transcript of records) que confirma que o estudante realizou o programa de estudos / estágio acordado, indicando os respetivos resultados. 2. A ESTeSL-IPL compromete-se a reconhecer que o período de mobilidade efetuado no estrangeiro (incluindo exames e outras formas de avaliação) substitui efetivamente um período de estudos / estágio comparável, da licenciatura / mestrado em que o estudante se encontra inscrito na ESTeSL-IPL. 3. O reconhecimento académico da mobilidade realizada durante o período ERASMUS diz única e exclusivamente respeito às UC s a que o estudante se encontra inscrito na ESTeSL- IPL no ano letivo em questão com exceção das UC s em atraso. 4. A realização de créditos ECTS em excesso (mais de 30 ou 60) não dá ao estudante o direito de requerer equivalências suplementares, podendo ser objeto no suplemento ao diploma. 5. O não cumprimento do plano de estudos acordado, por alteração ou falta de aproveitamento, implica a perda do direito ao reconhecimento académico. 8

9 Artigo 13º Processo de reconhecimento e classificação 1. O processo de reconhecimento e classificação rege-se por: a) Transcrição direta quando as classificações são apresentadas numa escala de 0 a 20 valores; b) Transcrição com recurso à Escala Europeia de Comparabilidade de Classificações; c) Quando não se aplicar o disposto nas alíneas anteriores, a CGPE após auscultação do Conselho de Curso, remete ao CTC uma proposta de classificação devidamente fundamentada. Artigo 14º Alojamento 1. Os estudantes ERASMUS são responsáveis pelo seu transporte e alojamento após a confirmação da sua admissão. 2. O estudante deverá informar ao GPRI a sua morada e contato após a chegada à instituição de acolhimento. 3. Qualquer alteração de morada e contato deverá ser comunicada ao GPRI. Artigo 15º Bolsa de mobilidade 1. As bolsas ERASMUS são atribuídas exclusivamente para a realização de mobilidade ao abrigo do programa. 2. As bolsas ERASMUS destinam-se às despesas suplementares resultantes da realização de um período de estudos noutro país elegível (despesas de viagem e despesas resultantes da diferença do nível de vida no país de destino). 3. Os valores para a atribuição de bolsas de mobilidade respeitarão as normas definidas pela agência nacional PROALV para o ano civil, pelo que o seu valor é definido anualmente e pode variar em função do país de destino e do número de meses de estada. 4. Os critérios de atribuição de bolsa estabelecidos para estudantes da ESTeSL-IPL são baseadas na seguinte formula: Classificação = M x B + M>14 9

10 M = A média ponderada das classificações obtidas das UC s realizadas até à data limite da candidatura (com base na informação dos serviços de gestão académica), numa escala de 0 a 20, que corresponde a 75% da classificação da fórmula; B = A bolsa dos Serviços de Ação Social, que corresponde a 4 valores. M 14 = A média ponderada 14,0 valores das classificações obtidas das UC s realizadas até à data limite da candidatura (com base na informação dos serviços de gestão académica), que corresponde a 1 valor; 5. A mobilidade ERASMUS admite estudantes bolsa zero, que beneficia de todas as suas mais-valias, mas que não recebem uma bolsa de mobilidade ERASMUS. 6. Os estudantes bolsa zero estão obrigados ao cumprimento das regras de mobilidade ERASMUS, tal como os estudantes que recebem bolsa de mobilidade. Artigo 16º Desistências 1. As desistências de participação no programa ERASMUS devem ser devidamente justificadas e comunicadas por escrito, ao Presidente da ESTeSL-IPL e entregues ao GPRI. 2. O estudante obriga-se a ressarcir a instituição de acolhimento de todos os prejuízos causados pela sua desistência. Capítulo III Mobilidade de estudantes incoming Artigo 17º Estudantes incoming 1. Estudante incoming é um estudante de instituições estrangeiras parceiras que estejam a frequentar um programa de mobilidade ERASMUS na ESTeSL-IPL. Artigo 18º Direitos e Deveres 10

11 1. Os estudantes incoming têm os mesmos direitos e os mesmos deveres dos estudantes da ESTeSL-IPL, devendo frequentar as mesmas UC s e cumprir os mesmos horários que os estudantes da ESTeSL-IPL. 2. Os estudantes devem cumprir o estatuto de estudante ERASMUS em Portugal, não sendo cobrado quaisquer propinas. 3. Iniciado o período de mobilidade, os estudantes incoming devem apresentar-se no GPRI, durante o horário de atendimento, a fim de ser registada a sua chegada. 4. O estudante deve manter atualizados, no GPRI, os seus contatos em Portugal (Morada, número de telefone e ). 5. No final do período de mobilidade, o estudante terá direito ao seu transcript of records e o respetivo certificado curricular emitido pela ESTeSL-IPL. Artigo 19º Candidatura 1. As candidaturas dos estudantes incoming, devem ser enviadas ao coordenador institucional do programa ERASMUS da ESTeSL-IPL, até às datas limite indicadas no respetivo sítio da internet. 2. Apenas são aceites as candidaturas para mobilidade SMS dos estudantes provenientes de instituições com as quais a ESTeSL-IPL possui acordo bilateral, em vigor. 3. A candidatura deve ser efetuada com a apresentação da student application form (ficha de candidatura) e o learning /training agreement. 4. A documentação mencionada no número anterior será analisada pelo respetivo conselho de curso para parecer e aprovação. 5. As alterações à candidatura são efetuadas pela instituição de origem/estudante incoming em formulário próprio (changes to the learning / training agreement), assinado e autenticado pelo diretor de curso e coordenador do programa ERASMUS da instituição de origem. 6. A aceitação da candidatura do estudante incoming será definitiva após aprovação do coordenador do programa ERASMUS da ESTeSL-IPL. Artigo 20º 11

12 Apoio à integração 1. A ESTeSL-IPL providencia através do GPRI e do Gabinete de Apoio ao Estudante e Diplomado (GAED) um conjunto de atividades para facilitar a integração dos estudantes no contexto cultural, académico, pedagógico, científico e social do país e da instituição. 2. O alojamento e transporte dos estudantes não é da responsabilidade da ESTeSL-IPL, no entanto o GPRI em articulação com o GAED e o Serviço de Ação Social (SAS) do IPL poderão providenciar diligências para o referido apoio. 3. O GPRI em articulação com o GAED, providenciará aos estudantes informações sobre cursos de língua e cultura portuguesa. TITULO III MOBILIDADE DE DOCENTES EM MISSÃO DE ENSINO Artigo 21º Âmbito 1. A mobilidade de docentes em missão de ensino encontra-se dentro do programa ERASMUS e tem como principal objetivo contribuir para o desenvolvimento da União Europeia enquanto sociedade baseada no conhecimento, caracterizada por um crescimento económico sustentável, com mais e melhores empregos assim como uma maior coesão social. 2. A mobilidade de docentes em missão de ensino pretende: a. Promover o intercâmbio de conhecimentos e de experiência em métodos pedagógicos; b. Contribuir para a consolidação e desenvolvimento das ligações entre instituições e para a preparação de futuros projetos de cooperação; c. Proporcionar uma oportunidade de valorização científica, pedagógica e cultural. Artigo 22º Direitos 1. Aos docentes em missão de ensino ERASMUS é-lhes conferido o direito de: 12

13 a. Usufruir de todas as remunerações e demais prestações sociais devidas pelo exercício das suas funções, bem como de todas as bolsas ou qualquer outro auxílio financeiro de carácter nacional previamente aprovado; b. Obter um certificado da sua missão de ensino. Artigo 23º Deveres 1. Aos docentes em missão de ensino ERASMUS é-lhes conferido o dever de: a. Manter-se informado das condições da mobilidade às quais se submeteu; b. Representar a ESTeSL-IPL com dignidade e responsabilidade; c. Respeitar o programa de ensino previamente acordado e aceite pela instituição de acolhimento. d. Entregar o relatório final em modelo próprio, no GPRI, até 15 dias após o seu regresso. 2. Em caso de não cumprimento dos seus deveres, o docente pode ficar sujeito à devolução total ou parcial, da bolsa atribuída por decisão da agência nacional PROALV. Artigo 24º Candidaturas 1. São elegíveis todos os docentes que tenham nacionalidade portuguesa ou de um pais parceiro no programa ERASMUS, apátrida, nacional de outro país, refugiado, ou que beneficie do estatuto de residente permanente, com relação jurídica e de emprego público com a ESTeSL-IPL. 2. Podem candidatar-se à mobilidade, os docentes que pretendam, num período de duração de uma a seis semanas (com um mínimo de cinco horas de ensino pelo menos um dia), realizar: a. Atividades de formação, investigação e/ou desenvolvimento de projetos de carácter científico e/ou pedagógico; 13

14 b. Atividades de lecionação incluídas num curso existente na instituição de destino e que podem ser aulas presenciais, projetos, orientação de estágios/práticas pedagógicas. 3. O GPRI publicitará anualmente em Fevereiro, as instituições de acolhimento e respectivas vagas disponíveis para os programas de mobilidade. 4. As candidaturas devem ser apresentadas através de formulário próprio, disponível na página da internet da ESTeSL-IPL. Artigo 25º Seleção 1. A seleção dos docentes admitidos enquadra-se na estratégia ERASMUS da ESTeSL-IPL. 2. A seleção dos candidatos é realizada pelos departamentos, e pela CGPE, tendo em atenção o número de vagas existentes, por ano, para cada instituição parceira. 3. Deverá ser dada prioridade aos docentes que nunca tenham efetuado qualquer tipo de mobilidade no âmbito do programa ERASMUS. 4. O processo de seleção de candidatos decorre durante primeiro trimestre do respetivo ano civil. Artigo 26º Atribuição de Bolsa 1. A concessão do estatuto de docente em mobilidade não garante obrigatoriamente a atribuição de uma bolsa. 2. A subvenção anual é atribuída pelos serviços da presidência do IPL à ESTeSL-IPL, sendo calculada com base na execução do ano transato. 3. O valor da bolsa a atribuir ao docente é baseado nas Normas Administrativas e Financeiras para a Gestão das Subvenções e na Tabela de Bolsas, publicada pela agência nacional PROALV, para cada ano letivo. 4. Os critérios de seriação dos docentes para a atribuição de bolsas são: a. Missões de ensino que contribuam para a consolidação das relações institucionais; b. Áreas científicas que não tenham realizado missões de ensino; c. Docentes das áreas científicas que nunca tenham realizado uma missão de ensino. 14

15 Artigo 27º Desistência 1. Os docentes selecionados podem desistir de participar no programa de mobilidade, a qualquer momento, através de comunicação fundamentada ao Presidente da ESTeSL-IPL. 2. O docente obriga-se a ressarcir a instituição de acolhimento de todos os prejuízos causados pela sua desistência. TITULO IV MOBILIDADE DE PESSOAL NÃO DOCENTE PARA FORMAÇÃO Artigo 28º Âmbito 1. A mobilidade de pessoal não docente para formação Erasmus (STT) encontra-se dentro do programa ERASMUS e tem como principal objetivo contribuir para o desenvolvimento da União Europeia enquanto sociedade baseada no conhecimento, caracterizada por um crescimento económico sustentável, com mais e melhores empregos assim como uma maior coesão social. Artigo 29º Direitos 1. Ao pessoal não docente em mobilidade para formação no programa ERASMUS é-lhes conferido o direito de: a. Usufruir de todas as remunerações e demais prestações sociais devidas pelo exercício das suas funções, bem como de todas as bolsas ou qualquer outro auxílio financeiro de carácter nacional previamente aprovado. b. Obter um certificado da sua missão de ensino. Artigo 30º Deveres 3. Ao pessoal não docente em mobilidade para formação no programa ERASMUS é-lhes conferido o dever de: a. Manter-se informado das condições da mobilidade às quais se submeteu; 15

16 b. Representar a ESTeSL-IPL com dignidade e responsabilidade; c. Respeitar o programa de ensino previamente acordado e aceite pela instituição de acolhimento. d. Entregar o relatório final, no GPRI, até 15 dias após o seu regresso. 4. Em caso de não cumprimento dos seus deveres, o funcionário pode ficar sujeito à devolução total ou parcial, da bolsa atribuída por decisão da agência nacional PROALV. Artigo 31º Candidaturas 1. São elegíveis todo o pessoal não docente que tenham nacionalidade portuguesa ou de um pais parceiro no programa ERASMUS, apátrida, nacional de outro país, refugiado, ou que beneficie do estatuto de residente permanente, com relação jurídica e de emprego público com a ESTeSL-IPL. 2. Podem candidatar-se à mobilidade, o pessoal não docente que pretenda, num período de duração de uma a seis semanas (considerando semana como cinco dias de trabalho), realizar actividades de formação. 3. O GPRI da ESTeSL-IPL publicitará anualmente em Fevereiro, as instituições de acolhimento e respetivas vagas disponíveis para os programas de mobilidade. 4. As candidaturas devem ser apresentadas através de formulário próprio, disponível na página da internet da ESTeSL-IPL. Artigo 32º Seleção 1. A seleção do pessoal não docente admitido enquadra-se na estratégia ERASMUS da ESTeSL-IPL. 2. A seleção dos candidatos é realizada pelo Diretor de Serviços e CGPE, tendo em atenção o número de vagas existentes, por ano, para cada instituição parceira; 3. Deverá ser dada prioridade ao pessoal não docente que nunca tenha efetuado qualquer tipo de mobilidade no âmbito do programa ERASMUS. 16

17 4. O processo de seleção de candidatos decorre durante primeiro trimestre do respetivo ano civil. Artigo 33º Atribuição de Bolsa 1. A concessão do estatuto mobilidade de pessoal não docente para STT não garante obrigatoriamente a atribuição de uma bolsa. 2. A subvenção anual é atribuída pelos serviços da presidência do IPL à ESTeSL-IPL, sendo calculada com base na execução do ano transato. 3. O valor da bolsa a atribuir ao funcionário não docente é baseado nas Normas Administrativas e Financeiras para a Gestão das Subvenções e na Tabela de Bolsas, publicada pela agência nacional PROALV, para cada ano letivo. 4. Os critérios de seriação do pessoal não docente para a atribuição de bolsas são: a. Formação que contribua para a consolidação das relações institucionais; b. Formação em instituições que constituam um contributo para o desenvolvimento de boas práticas entre instituições; c. Funcionários não docentes de serviços ou gabinetes que não tenham realizado formação no âmbito do programa ERASMUS. Artigo 34º Desistência 1. O pessoal não docente selecionado pode desistir de participar no programa de mobilidade, a qualquer momento, através de comunicação fundamentada ao Diretor de Serviços da ESTeSL-IPL. 2. O funcionário obriga-se a ressarcir a instituição de acolhimento de todos os prejuízos causados pela sua desistência. TITULO V DISPOSIÇÕES FINAIS 17

18 1. Todos os assuntos omissos ou dúvidas resultantes da aplicação do presente Regulamento serão objeto de deliberação do Presidente da ESTeSL ouvidos os órgãos ou estruturas internas da Escola para o efeito. 2. Este regulamento entra em vigor a partir do ano letivo 2012/2013 sem prejuízo às necessárias adaptações dos processos que se encontram em curso. 18

PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior. 2.º Ciclo. Regulamento

PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior. 2.º Ciclo. Regulamento PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior 2.º Ciclo Regulamento I. INDICAÇÕES GERAIS 1.1. A mobilidade Erasmus oferece aos alunos de mestrado a

Leia mais

Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Setembro 2013)

Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Setembro 2013) Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Setembro 2013) Preâmbulo O Instituto Superior Técnico, adiante designado como IST, oferece aos seus alunos diferentes Programas de Mobilidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS

GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS Atualizado a 01 de fevereiro de 2016 Página 1 PARTE A) PREPARAÇÃO DA MOBILIDADE - ANTES DE IR 1. Escolha da Instituição de Ensino Superior (IES) e período

Leia mais

REGULAMENTO ERASMUS+ CRITÉRIOS DE SERIAÇÃO DAS MOBILIDADES

REGULAMENTO ERASMUS+ CRITÉRIOS DE SERIAÇÃO DAS MOBILIDADES REGULAMENTO ERASMUS+ CRITÉRIOS DE SERIAÇÃO DAS MOBILIDADES Artigo 1º Objeto O presente regulamento define as regras específicas do Programa de Mobilidade ERASMUS+, doravante designado por Programa, na

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Preâmbulo

REGULAMENTO PROGRAMAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Preâmbulo REGULAMENTO PROGRAMAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Preâmbulo A Universidade de Coimbra tem ao dispor dos seus estudantes diversos programas de mobilidade que lhes proporcionam

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

E R A S M U S + Guia do Estudante ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S + Guia do Estudante ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Mobilidade de Estudantes Nacionais Normas Gerais A mobilidade de estudantes inclui duas vertentes de atividade: realização de estudos

Leia mais

Norma para o Reconhecimento e Validação do Período de Estudos e/ou Estágio de Alunos Outgoing

Norma para o Reconhecimento e Validação do Período de Estudos e/ou Estágio de Alunos Outgoing E r a s m u s + Norma para o Reconhecimento e Validação do Período de Estudos e/ou Estágio de Alunos Outgoing 1.º Âmbito de Aplicação 1. Esta norma aplica-se à mobilidade Erasmus para estudos e para estágio;

Leia mais

Norma para o Reconhecimento e Validação do Período de Estudos e/ou Estágio de Alunos Outgoing

Norma para o Reconhecimento e Validação do Período de Estudos e/ou Estágio de Alunos Outgoing E r a s m u s + Norma para o Reconhecimento e Validação do Período de Estudos e/ou Estágio de Alunos Outgoing 1.º Âmbito de Aplicação 1. Esta norma aplica-se à mobilidade Erasmus para estudos e para estágio;

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) Conforme definido no nº 3 do Artigo 25º do Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL. (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012)

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL. (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012) REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012) FEVEREIRO - 2012 ÍNDICE CAPÍTULO I ÁREA CIENTÍFICA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos I. Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento rege a mobilidade internacional de estudantes

Leia mais

Sessão de esclarecimento

Sessão de esclarecimento Candidatura a mobilidade no âmbito do Programa Erasmus+ Sessão de esclarecimento 24-02-2016 17:00h sala B2.03 SEPRE-RI Serviço de Estudos, Planeamento e Relações Externas - Relações Internacionais ESAC

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO Nos termos do art.º 24º da Lei nº 62/2007 de 10 de Setembro, compete às Instituições de Ensino Superior apoiar a inserção dos seus estudantes no mundo do trabalho. Tal

Leia mais

Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa no ISCTE-IUL 2017/2018

Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa no ISCTE-IUL 2017/2018 Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa no ISCTE-IUL 2017/2018 Introdução O Banco Santander, através da sua divisão Santander Universidades, promove o Programa de Bolsas Ibero-américa,

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL DESPACHO N.º 29/2013 Data: 2013/06/21 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL 2012-2014. No

Leia mais

Apresentação do Programa Erasmus Coordenadora de Mobilidade Outgoing Profª Cristina Firmino (Gab. 64, ESGHT - Faro -

Apresentação do Programa Erasmus Coordenadora de Mobilidade Outgoing Profª Cristina Firmino (Gab. 64, ESGHT - Faro - Apresentação do Programa Erasmus+ 2017-18 Coordenadora de Mobilidade Outgoing Profª Cristina Firmino (Gab. 64, ESGHT - Faro - cfirmino@ualg.pt) Acrónimo do nome oficial em língua Inglesa: European Region

Leia mais

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Instituto Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

Regulamento Erasmus. Cap. I Disposição geral. Artigo 1º (Objecto)

Regulamento Erasmus. Cap. I Disposição geral. Artigo 1º (Objecto) Regulamento Erasmus Cap. I Disposição geral Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento rege a mobilidade de estudantes ao abrigo do Programa Erasmus/Socrates, no curso de licenciatura da Escola de Direito

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

GUIA PRÁTICO de mobilidade de estudantes ao abrigo do Programa Erasmus /2018

GUIA PRÁTICO de mobilidade de estudantes ao abrigo do Programa Erasmus /2018 GUIA PRÁTICO de mobilidade de estudantes ao abrigo do Programa Erasmus + 2017/2018 A leitura deste Guia é importante mas não dispensa a leitura das Normas de Funcionamento do Programa Serviços de Ciência

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor REGULAMENTO DO ESTATUTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR A Universidade da Beira Interior (UBI) pretende implementar uma política ativa de atração e acolhimento de estudantes

Leia mais

Regulamento de Candidatura e Frequência de Unidades Curriculares Isoladas e de Estudantes em Regime de Tempo Parcial

Regulamento de Candidatura e Frequência de Unidades Curriculares Isoladas e de Estudantes em Regime de Tempo Parcial Regulamento de Candidatura e Frequência de Unidades Curriculares Isoladas e de Estudantes em Regime de Tempo Parcial 2015 2015 em Regime de Tempo Parcial 1 ÍNDICE Nota Introdutória... 3 Capítulo I Disposições

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

Programas de Mobilidade ERASMUS +

Programas de Mobilidade ERASMUS + Programas de Mobilidade ERASMUS + 1 Programas de Mobilidade ERASMUS+ e Outras mobilidades Os Programas de Mobilidade consistem em protocolos de cooperação com outras Instituições do Ensino Superior (IES)

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Artigo 1º - Âmbito --------------------------------------- 1) O presente Regulamento

Leia mais

Programa de Bolsas Luso-Brasileiras Santander Universidades. Regulamento UBI

Programa de Bolsas Luso-Brasileiras Santander Universidades. Regulamento UBI Programa de Bolsas Luso-Brasileiras Santander Universidades Regulamento UBI O presente regulamento visa definir as condições específicas de acesso, os direitos e as obrigações para a participação de estudantes

Leia mais

PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO

PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO 1. ENTIDADES COORDENADORAS Coordenador de Mobilidade (área: O511 - Biology (Biological Engineering)) (https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/cursos/mebiol/programas-de-mobilidade

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

Programa de Mobilidade Nacional. Almeida Garrett. Princípios Orientadores

Programa de Mobilidade Nacional. Almeida Garrett. Princípios Orientadores Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores 2011/2012 1. Enquadramento O Programa Almeida Garrett, adiante designado por Programa AG, é o programa de mobilidade nacional de

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

AVISO N.º 5/2015 ESTÁGIOS PEPAL, 5.ª EDIÇÃO

AVISO N.º 5/2015 ESTÁGIOS PEPAL, 5.ª EDIÇÃO AVISO N.º 5/205 ESTÁGIOS PEPAL, 5.ª EDIÇÃO Torna-se público, nos termos e para os efeitos do n.º do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 66/204, de 6 de novembro conjugado com o artigo 3.9 da Portaria n.º 254/204,

Leia mais

PROGRAMA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA ERASMUS. Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida

PROGRAMA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA ERASMUS. Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida PROGRAMA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA ERASMUS Informação Oficial da Página da Agência Nacional PROALV www.proalv.pt Entidade responsável em Portugal pela gestão do Programa Programa de Aprendizagem ao

Leia mais

REGULAMENTO APLICÁVEL AOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO

REGULAMENTO APLICÁVEL AOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO I Âmbito e disposições comuns 1. O presente regulamento estabelece as normas do IPSN para os regimes de reingresso e de mudança de par instituição/curso, previstos na Portaria n.º 181-D/2015, de 19-06.

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO SETEMBRO/2015 Artigo 1º Objeto REG.SEC.02.02 Página 1 de 7 O presente regulamento estabelece as normas relativas aos regimes

Leia mais

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010 INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010 Serviço de Cooperação com os Países Lusófonos e Latino-Americanos SCPLLA Endereço Reitoria da Universidade

Leia mais

Este dossiê contém as mais importantes informações de que irás necessitar durante a tua estadia Erasmus+.

Este dossiê contém as mais importantes informações de que irás necessitar durante a tua estadia Erasmus+. Caro estudante Erasmus, Este dossiê contém as mais importantes informações de que irás necessitar durante a tua estadia Erasmus+. A sua leitura não dispensa a consulta ao Regulamento de Mobilidade do IPP,

Leia mais

Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Junho 2016)

Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Junho 2016) Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Junho 2016) Preâmbulo O Instituto Superior Técnico, adiante designado como IST, oferece aos seus alunos diferentes Programas de Mobilidade Internacional,

Leia mais

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL DESPACHO N.º 12/2013 Data: 2013/03/08 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento nº 10/2012. A recente revisão do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013 Universidade do Minho Reitoria Despacho RT-15/2013 Sobre proposta da Escola Superior de Enfermagem, ouvido o Senado Académico, é homologado o Regulamento do Curso de Formação Especializada em Intervenção

Leia mais

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP)

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP) Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha (Recomendação CRUP) Na sequência da Recomendação do CRUP relativa à aquisição do grau de mestre pelos licenciados Pré-Bolonha,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2014/18 Valores de propina e outras taxas para o ano letivo de 2014/2015 Nos termos previstos no Regulamento de propinas em vigor na ESEP

Leia mais

Sessão de esclarecimento

Sessão de esclarecimento Candidatura a mobilidade no âmbito do Programa Erasmus+ Sessão de esclarecimento 29.03.2017 14:30h sala B2.03 SEPRE-RI Serviço de Estudos, Planeamento e Relações Externas - Relações Internacionais ESAC

Leia mais

Secretaria Geral de Relações Internacionais

Secretaria Geral de Relações Internacionais Secretaria Geral de Relações Internacionais EDITAL SRInter nº 05/16 Mobilidade acadêmica 2016/2017 Graduação para a Universidade de Picardie Jules Verne - França A Secretaria Geral de Relações Internacionais

Leia mais

TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Nos termos do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior aprovado

Leia mais

a) O exercício de tarefas, funções ou atividades em que o Estudante detenha experiência prévia na

a) O exercício de tarefas, funções ou atividades em que o Estudante detenha experiência prévia na REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES NO ÂMBITO DO MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS (EM VIGOR A PARTIR DO ANO LETIVO 2012/2013) Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. Este regulamento aplica-se,

Leia mais

GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS

GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS Página 1 PARTE A) PREPARAÇÃO DA MOBILIDADE - ANTES DE IR 1. Escolha da Instituição de Ensino Superior (IES) e período de mobilidade 1.1.Como escolher

Leia mais

Este dossiê contém os mais importantes documentos de que irás necessitar durante a tua estadia Erasmus.

Este dossiê contém os mais importantes documentos de que irás necessitar durante a tua estadia Erasmus. Caro estudante Erasmus, Este dossiê contém os mais importantes documentos de que irás necessitar durante a tua estadia Erasmus. O IPP e a tua Escola esperam que desfrutes desta oportunidade e que tires

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Artigo 1.º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Artigo 1.º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (Ao abrigo do artigo 41.º do Estatuto da Carreira Docente da Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 238/XII Estabelece o regime de acesso e de exercício da profissão de auditor de segurança rodoviária, de emissão dos respetivos títulos profissionais e de acesso e exercício da atividade de

Leia mais

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1 GABINETE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO ISAG PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO 31 de Outubro de 2012 A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página

Leia mais

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett. Princípios Orientadores

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett. Princípios Orientadores Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores 2011/2012 1. Enquadramento O Programa Almeida Garrett, adiante designado por Programa AG, é o programa de mobilidade nacional de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) INFORMAÇÕES GERAIS

MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) INFORMAÇÕES GERAIS MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) Estágios Profissionais Erasmus INFORMAÇÕES GERAIS O Erasmus dá a possibilidade aos estudantes do ensino

Leia mais

Escola Superior de Biotecnologia. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Escola Superior de Biotecnologia. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais 1 Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco Artigo 1º Natureza O Programa de Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) é uma

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS Artigo 1º Criação 1- A Universidade do Porto (UP), através da Faculdade de Belas Artes (FBAUP), confere

Leia mais

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa. Artigo 1º Objetivo e âmbito de aplicação O presente regulamento tem como objetivo dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 março e aplica-se exclusivamente aos estudantes internacionais

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Medicina Relações Internacionais 2015-2016

Universidade de Coimbra Faculdade de Medicina Relações Internacionais 2015-2016 Universidade de Coimbra Faculdade de Medicina 2015-2016 1. Programas de Mobilidade: - ERASMUS+ (SMS e SMP) - Almeida Garrett (a nível nacional e durante 1 semestre) - Brasil (só 6º Ano)- UNIRIO suspende

Leia mais

DESPACHO N. GR.03/05/2011

DESPACHO N. GR.03/05/2011 DESPACHO N. GR.03/05/2011 Regulamento Estatuto de Trabalhador-Estudante da Universidade do Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o) do n 1 do artigo 400 dos Estatutos da Universidade

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

Regulamento dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Regulamento dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre do Instituto Politécnico de Castelo Branco Regulamento dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre do Instituto Politécnico de Castelo Branco Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento fixa as normas dos ciclos de estudos conducentes ao grau

Leia mais

Regulamento para a Alocação em Unidades Curriculares Optativas

Regulamento para a Alocação em Unidades Curriculares Optativas Regulamento para a Alocação em Unidades Curriculares Optativas Regulamento para a Inscrição em Unidades Curriculares Optativas Preâmbulo As Unidades Curriculares Optativas (UCO) constituem um conjunto

Leia mais

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização

Leia mais

Regulamento do Programa Almeida Garrett 2015/2016

Regulamento do Programa Almeida Garrett 2015/2016 Regulamento do Programa Almeida Garrett 2015/2016 1º (Âmbito) 1. O programa Almeida Garrett é um programa de mobilidade interna de estudantes do ensino superior público universitário. 2. No quadro da mobilidade

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

Regulamento do Programa LLP/ERASMUS

Regulamento do Programa LLP/ERASMUS Faculdade de Medicina Universidade de Coimbra Regulamento do Programa LLP/ERASMUS Preâmbulo 1. O Programa de Mobilidade de Estudantes LLP/ERASMUS é uma iniciativa da União Europeia que visa incentivar

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA. Capítulo I Regime de Funcionamento. Artigo 1.º Âmbito

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA. Capítulo I Regime de Funcionamento. Artigo 1.º Âmbito REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA Capítulo I Regime de Funcionamento Artigo 1.º Âmbito 1 O presente Regulamento Interno de Frequência aplica-se aos cursos conferentes de graus académicos e diplomas do ensino superior

Leia mais

MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO II. Disposições gerais

MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO II. Disposições gerais MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO I Disposições gerais Homologo, Artigo 1.º Enquadramento jurídico Considerando que, nos termos do artigo 23.º-A do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

CALHETA D ESPERANÇAS

CALHETA D ESPERANÇAS CÂMARA MUNICIPAL DA CALHETA MADEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À FAMILIA E INCENTIVO À NATALIDADE CALHETA D ESPERANÇAS Página 1 de 5 Nota Justificativa Considerando a crescente intervenção deste Município

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM ENGENHARIA BIOLÓGICA

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM ENGENHARIA BIOLÓGICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM ENGENHARIA BIOLÓGICA GUIA DO ALUNO 1. ENTIDADES COORDENADORAS Comissão Científica do Mestrado em Engenharia Biológica Prof. Miguel Prazeres (Coordenador do Mestrado em Engenharia

Leia mais

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal CAPÍTULO I Disposições Gerais (Artigo 1º) Definição O Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DOS ESTÁGIOS ERASMUS NOS MESTRADOS DO ISEG (2º CICLO)

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DOS ESTÁGIOS ERASMUS NOS MESTRADOS DO ISEG (2º CICLO) REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DOS ESTÁGIOS ERASMUS NOS MESTRADOS DO ISEG (2º CICLO) Gabinete Erasmus e de Intercâmbio Página 1 de 8 A Decisão 2006/1729/CE do Parlamento Europeu e do Conselho estabelece no

Leia mais

Regulamentos. É aprovado o Regulamento de creditação de formação anterior e de experiência profissional da Universidade do Porto

Regulamentos. É aprovado o Regulamento de creditação de formação anterior e de experiência profissional da Universidade do Porto Regulamentos CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Aprovado pelo Despacho Reitoral GR.01/04/ 2012 de 5 de abril de 2012 Considerando que, nos termos do n. 3 do artigo 45. do Decreto -Lei

Leia mais

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia Preâmbulo Numa sociedade democrática é fundamental que existam mecanismos de participação que permitam aos jovens o desenvolvimento de competências de cidadania que lhes possibilitem a formulação de ideias

Leia mais

CAPÍTULO II Formação Avançada de Recursos Humanos - Bolsas Individuais de Formação SECÇÃO I Caracterização das Bolsas Artigo 2º Tipos de bolsas

CAPÍTULO II Formação Avançada de Recursos Humanos - Bolsas Individuais de Formação SECÇÃO I Caracterização das Bolsas Artigo 2º Tipos de bolsas PROGRAMA OPERACIONAL DE VALORIZAÇÃO DO POTENCIAL HUMANO E COESÃO SOCIAL DA RAM EIXO I EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMAÇÃO AVANÇADA DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO AVANÇADA E QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O que é o Erasmus+? O Erasmus+ teve início no dia 1 de Janeiro de 2014. PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O Erasmus+ é o novo programa da UE para a educação, formação, juventude e desporto que se

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-37/2011, de 21 de junho. Universidade do Minho, 30 de outubro de O Reitor, António M.

Reitoria. É revogado o Despacho RT-37/2011, de 21 de junho. Universidade do Minho, 30 de outubro de O Reitor, António M. Reitoria despacho RT-51/2014 Na sequência das alterações ao funcionamento do Curso de Preparação e Avaliação de Capacidade para Frequência do Ensino Superior por Maiores de 23 anos, importa agora definir

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL (Edição 2010 2012) Nos termos dos Decretos Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto

Leia mais

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas I - Matrículas 1. A matrícula é o acto administrativo, a realizar no início de cada ano lectivo e que confere ao estudante o direito a ingressar no estabelecimento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL. Regulamento do Pagamento de Propinas de Licenciatura

ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL. Regulamento do Pagamento de Propinas de Licenciatura ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Regulamento do Pagamento de Propinas de Licenciatura Nos termos previstos nos artigos 15.º e 16.º da Lei n.º 37/2003, de 22 de Agosto (Lei que define as

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE BIOTECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

ESCOLA SUPERIOR DE BIOTECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA SUPERIOR DE BIOTECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE LICENCIATURA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE LICENCIATURA O artigo 14.º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria Despacho n.º /2015 Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação e

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo da Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário CRL - CESPU

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo da Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário CRL - CESPU Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo da Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário CRL - CESPU SECÇÃO 1 CATEGORIAS E NÚMERO DE BOLSAS DE ESTUDO Artigo 1.º 1. A CESPU, CRL institui

Leia mais

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Gabinete Apoio Reitoria Reitor 2.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial Secretário-Geral

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE MOBILIDADE (PARA ESTUDANTES) DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA PREÂMBULO

PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE MOBILIDADE (PARA ESTUDANTES) DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA PREÂMBULO PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE MOBILIDADE (PARA ESTUDANTES) DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA PREÂMBULO A Faculdade de Motricidade Humana (FMH), oferece aos seus alunos diferentes Programas

Leia mais

(Preâmbulo) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto e âmbito)

(Preâmbulo) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto e âmbito) (Preâmbulo) Conforme disposto no Decreto-Lei nº 113/2014 de 16 de julho, aprova-se o Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior a aplicar no Instituto Superior de Ciências

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. 2- Nos termos da alínea a) do artº. 2º. do decreto-lei nº. 241/2007 entende-se por Bombeiro : CAPÍTULO II REGALIAS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. 2- Nos termos da alínea a) do artº. 2º. do decreto-lei nº. 241/2007 entende-se por Bombeiro : CAPÍTULO II REGALIAS REGULAMENTO DO ESTUDANTE BOMBEIRO Conselho Científico (Deliberação CC-5/2008, de 23/01/2008) 15 20 04 2012 01 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTº 1º (ÂMBITO) 1- O presente Regulamento aplica-se aos bombeiros

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP)

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Página 1 de 7 CAPÍTULO I Conceitos, objetivo e âmbito Artigo 1º Conceitos

Leia mais