UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO NA CULTURA DIGITAL TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º. O presente regimento estabelece normas gerais e a organização básica do curso de especialização em Educação na Cultura Digital, do Centro de Educação da UFRR. Art. 2º. O curso tem por objetivo formar em nível de especialização professores e gestores da Rede Pública de Ensino do Estado de Roraima para a integração criativa e crítica das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação aos currículos escolares. TÍTULO II DA ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO Art. 3º. A estrutura curricular do curso possui três componentes principais: o Plano de Ação Coletivo, os Núcleos de Estudo e o Trabalho de Conclusão de Curso, perfazendo um total de 360 horas, no período de 18 meses, assim discriminadas: PLANO DE AÇÃO COLETIVO (PLAC) Momento 1: Retratos da Escola Momento 2: Aprender na Cultura Digital Momento 3: Fazer e Compreender no Coletivo da Escola NÚCLEOS DE ESTUDO Núcleo de Base 1: Aprender na Cultura Digital Núcleo de Base 2: Currículo e Tecnologia Núcleos Específicos (o cursista irá escolher 1): GERAL: Formação de educadores na cultura digital (60h); Gestão (60h); Tecnologias Assistivas (60h); Pratica Docente na Educação Infantil e TDIC (60h); Pratica Docente na Fundamental I e TDIC (60h); Educação Física e TDIC (60h); Artes Visuais e TDIC (60h); Língua Estrangeira e TDIC (60h). ENSINO FUNDAMENTAL: Matemática no EF e TDIC (60h); Língua Portuguesa no EF e TDIC (60h); História no EF e TDIC (60h); Geografia no EF e TDIC (60h); Ciências no EF e TDIC (60h); ENSINO MÉDIO: Matemática no EM e TDIC (60h); Língua Portuguesa no EM e TDIC (60h); Química no EM e TDIC (60h); Física no EM e TDIC (60h); Biologia no EM e TDIC (60h); Sociologia no EM e TDIC (60h); Filosofia no EM e TDIC (60h); História no EM e TDIC (60h); Geografia no EM e TDIC (60h) Núcleo Avançado (o cursista irá escolher 1): Tecnologias Digitais no letramento estatístico (60h); Jogos Digitais na aprendizagem (60h); Ética na Cultura Digital (60h) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) TOTAL CARGA HORÁRIA 45h 30h 90h 30h 45h 60h 60h 360h

2 Art. 4º. O curso será oferecido na modalidade a distância, com 30% da carga horária de aulas presenciais e os outros 70% a distância, que serão ministrados por meio do Ambiente Colaborativo de Aprendizagem E-proinfo, com apoio de uma equipe de professores pesquisadores para o desenvolvimento das disciplinas e uma equipe de doutores e mestres para a orientação do Trabalho de Conclusão de Curso (modalidade artigo científico), com a realização de encontros presenciais no município de Boa Vista-Roraima. Art. 5º. O artigo científico constitui texto de produção individual, com descrição crítico-analítica de pesquisa científica, realizada sob orientação de professor vinculado ao quadro docente do curso ou de instituições parceiras (UERR e IFRR), obedecendo as exigências de titulação para orientação. TÍTULO III DA DURAÇÃO DO CURSO E SEU TURNO Art. 6º. O curso terá a duração de 18 (dezoito) meses, considerando 15 (quinze) meses para a efetivação das disciplinas e elaboração do artigo científico e três meses para as defesas públicas dos artigos com banca examinadora composta por três professores mestres ou doutores. Art. 7º. O curso será realizado em períodos definidos pela Coordenação Geral do curso, sendo informado aos envolvidos no processo em tempo hábil. Art. 8º. As disciplinas serão ofertadas em períodos definidos pela Coordenação Geral, em concordância com Coordenação Adjunta (Pedagógico) e professores pesquisadores. TÍTULO IV DA CLIENTELA Art. 9º. O curso é destinado a professores, gestores das redes de escolas públicas do Estado de Roraima e professores multiplicadores da rede do Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo) que atuam nos Núcleos de Tecnologia Estadual e Municipais. TÍTULO V DAS VAGAS Art. 10. Serão ofertadas 150 vagas, distribuídas entre 5 municípios do Estado: Boa Vista, Alto Alegre, Caroebe, Pacaraíma e Rorainópolis. As vagas por escolas serão definidas em parceria com a SEED e UNDIME. Art. 11. Participarão 23 escolas (9 municipais, 12 estaduais e 2 federais), 01

3 Núcleo de Tecnologia Educacional - NTE, ProInfo, e 01 Núcleo de Tecnologia Municipal NTM/UNDIME, sendo disponibilizadas 06 (seis) vagas para cada instituição educacional, distribuídas nas esferas de ensino Federal, Estadual, e Municipal. Serão aceitas as inscrições daqueles educadores ligados a unidades escolares cujas inscrições são solicitadas para grupos com pelo menos quatro professores, mais dois membros da equipe gestora da escola, e o formador vinculado ao Núcleo de Tecnologia Municipal e Estadual. TÍTULO VI DO CORPO DOCENTE Art. 12. O corpo docente do curso será constituído por professores especialistas (obedecendo os números estabelecidos na Resolução 012/02 CEPE e Resolução 01/07 CEPE), mestres ou doutores, com títulos obtidos em programas de pósgraduação reconhecidos pelo MEC, sendo professores da UFRR e de instituições parceiras. TÍTULO VII DA ESTRUTURA ORGÂNICA DO CURSO Art. 13. A Coordenação Geral do Curso e a Coordenação Adjunta, serão exercidas somente por professores com título de mestre ou doutor, o Supervisor de Curso e Secretario, devem possuir no mínimo o título de especialista, eles serão do quadro efetivo da UFRR. No caso da função do Apoio Técnico/Administrativo, poderá ser exercido por profissional, com o mínimo o título de especialista, e funcionário da Secretaria Estadual de Educação, visando um maior envolvimento entre os parceiros do projeto. Art. 14. A estrutura orgânica do Curso tem a seguinte composição: a) Coordenador Geral; b) Coordenador Adjunto/Pedagógico; c) Supervisor de Curso; d) Professor Pesquisador I; f) Professor Pesquisador II; g) Secretario; e h) Apoio Técnico/Administrativo. SEÇÃO I DAS COMPETÊNCIAS

4 Art. 14. COMPETE AO(À) COORDENADOR(A) GERAL DO CURSO: Incumbir-se, na condição de coordenador e pesquisador, de desenvolver, adequar e sugerir modificações na metodologia e no desenvolvimento de conteúdo de ensino adotado, bem como conduzir análises e estudos sobre o desempenho do Curso; coordenar e monitorar os trabalhos de formação, articulando as ações desenvolvidas, de modo a assegurar a unidade do Curso em todas as instituições participantes; coordenar a gestão do curso e zelar pelo cumprimento do objeto pactuado e sua finalidade; coordenar ações pedagógicas, administrativas e financeiras; definir e organizar a equipe técnico-pedagógica de gestão do Curso de Especialização em EI; articular e negociar formas de colaboração com os agentes; coordenar a elaboração dos projetos e planos de trabalho e acompanhar a tramitação dos documentos; coordenar, junto com os agentes, os seminários de acompanhamento e avaliação; representar a sua instituição de origem nos eventos relacionados ao Curso; garantir a interlocução entre os participantes envolvidos no processo de formação; coordenar o processo de certificação dos participantes, quando se aplicar; acompanhar e monitorar a homologação de bolsas no âmbito do programa; coordenar o processo de cadastramento, autorização e pagamento dos bolsistas, bem como a gestão dos documentos dos bolsistas no âmbito do Sistema de Gestão de Bolsas (SGB); acompanhar a execução dos recursos liberados para o desenvolvimento e oferta dos cursos; fazer a prestação de contas dos recursos liberados pelo MEC e entidades vinculadas, conforme a legislação vigente; manter, pelo período mínimo de 05 (cinco) anos, todas as informações necessárias ao controle dos programas de formação, dos registros de frequência dos participantes aos termos de compromisso assinados pelos bolsistas, para verificação tanto do MEC quanto por qualquer órgão de controle interno e externo do governo federal que os requisite; e encaminhar ao MEC e às entidades vinculadas relatórios parciais e final, de acordo com as diretrizes de cada programa. Art. 15. COMPETE AO(À) COORDENADOR(A) ADJUNTO/PEDAGÓGICO: coordenar e acompanhar as atividades acadêmicas do curso de formação, compreendendo as atividades dos docentes e dos discentes, abrangendo as atividades de ensino presencial; assessorar, na condição de pesquisador, o coordenador geral em atividades de desenvolvimento, avaliação, adequação e ajustamento da metodologia de ensino adotada, assim como conduzir análises e estudos sobre o desempenho do programa; coordenar a elaboração da proposta de implantação do Curso de Especialização em EI, o desenvolvimento de conteúdos e materiais impressos e, se for o caso, de multimídia, favorecendo a integração dos mesmos no processo de formação; subsidiar as ações dos supervisores de curso; participar das atividades de capacitação e de atualização, bem como das reuniões e dos encontros agendados pelo MEC e/ou pelas Universidades; garantir as condições materiais e institucionais para o desenvolvimento do Curso e o uso de infra-estrutura do pólo; conferir no sistema (SGB) e garantir a constante atualização dos dados cadastrais de todos os bolsistas, inclusive supervisores de curso, coordenadores geral e adjunto, comunicando

5 oficialmente ao MEC as alterações cadastrais que deverão ser efetivadas no sistema, com a respectiva justificativa; informar ao coordenador geral do curso a relação mensal de tutores/bolsistas aptos e inaptos para recebimento de bolsas; elaborar e encaminhar à coordenação do curso relatório de frequência e desempenho dos professores pesquisadores participantes do Curso; receber e prestar informações aos avaliadores externos do MEC sobre o andamento do programa no município. Art. 16. COMPETE AO(À) SUPERVISOR(A) DE CURSO: manter um plantão de apoio aos professores pesquisadores e coordenadores de pólo; orientar e supervisionar a equipe de professores pesquisadores e coordenadores de pólo nas atividades a serem executadas; avaliar o desempenho dos coordenadores de polo; monitorar e avaliar o desempenho dos coordenadores de polo e levantar dificuldades e desafios dos professores pesquisadores; cadastrar no SGB e garantir a constante atualização dos dados cadastrais de todos os beneficiários de bolsas, comunicando oficialmente ao MEC as alterações cadastrais que deverão ser efetivadas no sistema, com a respectiva justificativa; e homologar no SGB e solicitar ao coordenador, o pagamento das bolsas aos formadores e tutores beneficiários. Art. 17. COMPETE AO PROFESSOR PESQUISADOR DO CURSO: planejar, desenvolver e avaliar novas metodologias conteúdos de ensino adequadas ao Curso de Especialização em EI, podendo ainda atuar nas atividades de formação; adequar e sugerir modificações na metodologia de ensino adotada, bem como conduzir análises e estudos sobre o desempenho do Curso; elaborar e entregar os conteúdos das disciplinas ao longo do curso no prazo determinado; adequar conteúdos, materiais didáticos, mídias e bibliografia, utilizados para o desenvolvimento do curso às necessidades dos cursistas; realizar a revisão de linguagem do material didático desenvolvido para o Curso; adequar e disponibilizar, para o coordenador de curso, o material didático desenvolvido; participar e/ou atuar nas atividades de capacitação desenvolvidas na Instituição de Ensino; desenvolver as atividades docentes da disciplina em oferta presencial mediante o uso dos recursos e metodologia previstos no projeto acadêmico do curso; desenvolver as atividades docentes na capacitação de coordenadores e professores mediante o uso dos recursos e metodologia previstos no plano de capacitação; desenvolver o sistema de avaliação de alunos, mediante o uso dos recursos e metodologia previstos no plano de curso; apresentar ao coordenador de curso, ao final da disciplina ofertada, relatório do desempenho dos estudantes e do desenvolvimento da disciplina; participar de grupo de trabalho para o desenvolvimento de metodologia e materiais didáticos para o Curso de Especialização em EI; participar das atividades de docência das disciplinas curriculares do curso; desenvolver, em colaboração com o coordenador de curso, a metodologia de avaliação do

6 aluno; desenvolver pesquisa de acompanhamento das atividades de ensino desenvolvidas no Curso de Especialização em EI; elaborar relatórios semestrais sobre as atividades de ensino na esfera de suas atribuições, para encaminhamento às secretarias do MEC e à CAPES, ou quando solicitado. Art. 19. COMPETE AO APOIO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO manter a guarda e a atualização dos arquivos do curso; secretariar as reuniões da Coordenação do Curso; secretariar as sessões destinadas à defesa de Trabalho de Conclusão de Curso; expedir, aos professores e alunos, os avisos de rotina. TÍTULO VIII DO PROCESSO SELETIVO E DA MATRÍCULA SEÇÃO I DO PROCESSO SELETIVO Art. 21. O processo seletivo será regido por edital aprovado pela Câmara de Graduação do Curso de Pedagogia e pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação. Art. 22. A inscrição no processo seletivo será efetuada em local definido no Edital, mediante a apresentação de requerimento, acompanhado da cópia e do original dos seguintes documentos: a) diploma ou certificado de conclusão de graduação; b) histórico escolar do curso de graduação; c) Curriculum Lattes, devidamente comprovado. Parágrafo único. A análise do pedido de inscrição será realizada por Comissão de Seleção e o resultado será publicado por meio de edital. Art. 23. O processo seletivo constará no edital convocatório e obedecerão as seguintes etapas: 1 Etapa Pré-inscrição no Sistema de Gerenciamento de Cursos Digitais (SGCD) e entrega de documentos comprobatórios citados no Curriculum Vitae; 2 Etapa Análise curricular por meio da comissão do processo seletivo; 3 Etapa Publicação do Edital de homologação dos candidatos classificados; e 4º Etapa - Inscrição Departamento de Controle e Registro Acadêmico (DERCA). Art. 24. A Coordenação do Curso somente divulgará o resultado do processo seletivo, depois de homologado pela comissão de seleção.

7 SEÇÃO II DA MATRÍCULA Art. 25. Os alunos efetuarão matrícula curricular no início do curso em calendário previamente estabelecido no Edital do processo seletivo. Art. 26. A matrícula curricular será realizada no DERCA, sendo a relação dos alunos encaminhada ao DERCA com a respectiva documentação. TÍTULO IX DA AVALIAÇÃO Art. 27. A forma de avaliação das disciplinas e as normas para defesa e aprovação do artigo científico respeitarão as normas para realização dos cursos de pósgraduação lato sensu, constantes da legislação interna e externa a UFRR. Art. 28. Serão considerados aprovados nas disciplinas e atividades do curso os alunos que tiverem aproveitamento, aferido em processo formal da avaliação, com resultado igual ou superior a 7,0 (sete vírgula zero). Nas aulas são presenciais, portanto, o aproveitamento mínimo e a participação nos encontros são fundamentais para o sucesso do aluno, bem como a entrega pontual das atividades. 1º. A verificação do aproveitamento nas disciplinas será feita por meio de trabalhos práticos e teóricos, através de valores numéricos de 0 (zero) a 10 (dez). 2º. Considerando a característica sequencial do curso, o aluno não poderá reprovar em nenhuma disciplina, o que acarretará em seu desligamento do curso. Art. 29. A avaliação do Trabalho de Conclusão de Curso será expressa, em resultado final, pela média aritmética das notas consignadas pelos membros da banca examinadora, através de valores numéricos de 0 (zero) a 10 (dez). Art. 30. O Trabalho de Conclusão de Curso será baseado em pesquisa ou estudo executado sob supervisão do respectivo professor-orientador, e defendida perante banca examinadora, composta por três professores com título mínimo de mestre, indicados pelo professor-orientador. 1º. Cada aluno terá à sua disposição um professor-orientador para encaminhá-lo na elaboração de seu artigo, nos termos do art. 5º- parágrafo único. 2º. Compete a Coordenação Geral a designação de um substituto diante da falta ou impedimento do orientador.

8 3º. O orientador será membro da banca de defesa do artigo científico que a presidirá. 4º. Caso o orientador seja professor de instituições parceiras, os demais membros da banca de defesa do artigo científico deverão pertencer ao quadro de professores da UFRR. 5º. Concluída a elaboração do artigo, o professor-orientador requererá à Coordenação do Curso, a composição de Banca de Defesa do artigo. 6º. A sessão de defesa e julgamento do artigo científico será pública, em local, data e hora previamente divulgados, registrando-se os trabalhos pela Secretaria do Curso. Art. 31. Encerrada a sessão de defesa e julgamento do artigo científico, uma vez aprovado o candidato, será lavrada a Ata de Defesa que será assinada pelos membros da Banca de Defesa e pelo aluno. Parágrafo único. A nota mínima para a aprovação do artigo científico será 7,0 (sete vírgula zero), obtida a partir da média das notas dos três examinadores, desde que o candidato não obtenha duas ou mais notas inferiores a 7,0 (sete vírgula zero). Art. 32. Uma vez concluído o artigo, o aluno encaminhará ao Coordenador do Curso, 03 (três) cópias para serem distribuídas aos membros da Banca Examinadora, em prazo não inferior a 20 (vinte) dias antes da data estabelecida para sessão de defesa. Parágrafo único. Na sessão de defesa do artigo, o aluno disporá de até 20 (vinte) minutos para apresentação de seu trabalho, após os quais cada examinador disporá de até 20(vinte) minutos para arguição e possíveis sugestões, tendo o candidato direito a igual tempo para réplica, durante ou após a intervenção de cada examinador, a critério da banca e/ou do examinado. Art. 33. Concluída a defesa, uma vez aprovado, o candidato terá um prazo de até 30(trinta) dias para entregar à Coordenação da Especialização, em forma definitiva, 03 (três) exemplares de seu trabalho. 1º. A entrega da versão definitiva do trabalho habilita o candidato ao recebimento do Grau de Especialista em Educação na Cultura Digital. 2º. A versão definitiva deve conter as alterações sugeridas pela banca, quando da defesa, e obedecer ao padrão gráfico estabelecido pela UFRR. 3º. Os 03 (três) exemplares da versão definitiva padronizada serão distribuídos

9 01(um), para a Biblioteca Central, 01(um) para a Coordenação do Curso e outro para a Biblioteca do Centro de Educação. TÍTULO X DA OBTENÇÃO DO GRAU DE ESPECIALISTA Art. 34. Ao aluno que cumprir com sucesso todas as etapas do curso, será concedido o título de Especialista em Educação na Cultura Digital, mediante Certificado próprio. Parágrafo único. O grau somente será concedido aos alunos que cumprirem o programa, observados os limites máximos e mínimos de notas e frequência de que trata o presente regimento, além das regras gerais em vigor. Art. 35. Os casos de interrupção do andamento do curso, capazes de alterar o cumprimento dos prazos fixados neste regimento ou noutro instrumento legal, serão submetidos à deliberação da Câmara de Graduação do Curso de Pedagogia e à Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação. TÍTULO XI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 36. A Coordenação Geral da Especialização poderá propor modificações deste Regimento, encaminhando-as à deliberação do Conselho Deliberativo do Centro de Educação e da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação, em primeira instância, e dos Órgãos Colegiados Superiores da UFRR, em segunda instância. Art.37. Este Regimento entrará em vigor na data de sua aprovação pela Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 26/02/2016 08:59:26 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 Altera a Resolução CD/FNDE nº 36, de 13 de julho de 2009, que estabelece

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010. Altera a Resolução CD/FNDE nº 36, de 13 de julho de 2009, que

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 Um marco na Legislação do FNDE Acesso Livre Sair (../action/autenticacaoaction.php? acao=sairsistema) 28/05/2015 11:27:57 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NORMAS COMPLEMENTARES PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CEFET-BA Normas adicionais

Leia mais

RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012. Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. RESOLVE

RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012. Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. RESOLVE RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012 Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. O Presidente do Conselho Universitário do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí - UNIDAVI, no

Leia mais

Processo de Seleção de Tutores para o Curso de Licenciatura em Filosofia, na modalidade a distância

Processo de Seleção de Tutores para o Curso de Licenciatura em Filosofia, na modalidade a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DECRETO 5.800/2006 Res. 012/2008 CONSU Resolução CD/FNDE Nº 26/2009

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em

Leia mais

1. DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES E DEMAIS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO

1. DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES E DEMAIS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu

Leia mais

FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT

FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT VOTO CONSU 2012-16 DE 26/04/2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO - UNASP FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT REGIMENTO 2012 2 SUMÁRIO TÍTULO I DA FACULDADE, SEUS FINS E OBJETIVOS... 3 TÍTULO II DA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS UNIFIMES POLÍTICA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU STRICTO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS UNIFIMES POLÍTICA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU STRICTO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS UNIFIMES POLÍTICA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU STRICTO SENSU Mineiros Goiás 2015 Reitora Ita de Fátima Dias Silva Vice-Reitora Marilaine de Sá Fernandes Pró-Reitor de Administração

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 1/2008

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 1/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Maio/2011 1

Leia mais

Rua Visconde de Inhaúma, 730 - Bairro Nova Gerty - São Caetano do Sul - SP - CEP: 09571-380 Fone/Fax: (11) 4239-2020

Rua Visconde de Inhaúma, 730 - Bairro Nova Gerty - São Caetano do Sul - SP - CEP: 09571-380 Fone/Fax: (11) 4239-2020 EDITAL PRONATEC CULTURA/FASCS 001/2015 A Fundação das Artes de São Caetano do Sul e o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, no uso da competência que lhe confere o artigo 11 da Resolução

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este regulamento disciplina o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC dos Cursos das Faculdades Integradas Hélio Alonso,

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TUCURUÍ RESOLUÇÃO:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TUCURUÍ RESOLUÇÃO: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TUCURUÍ RESOLUÇÃO N. 730, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento dos Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

ANEXO I MANUAL DE ATRIBUIÇOES DOS BOLSISTAS

ANEXO I MANUAL DE ATRIBUIÇOES DOS BOLSISTAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES DIRETORIA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL- UAB ANEXO I MANUAL DE ATRIBUIÇOES DOS BOLSISTAS

Leia mais

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO Regulamento aprovado pelo Conselho de Pós- Graduação e Pesquisa da UNIFESP (24 de junho de 2015) e pela Congregação da EFLCH (06 de agosto de 2015). CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu

Leia mais

MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU APRESENTAÇÃO A disputa por uma vaga no mercado de trabalho está cada vez mais intensa, tornando os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu indispensáveis. Fazê-los em uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO EDITAL Nº 01, DE 14 DE SETEMBRO DE 2012 A Universidade Federal

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO

FACULDADE DE ARARAQUARA CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CURSO ARARAQUARA 2015 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE DIREITO Dispõe sobre a forma de operacionalização do Trabalho de Curso. CAPÍTULO I DAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR A DISTÂNCIA EDITAL N. 04/2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR A DISTÂNCIA EDITAL N. 04/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR A DISTÂNCIA EDITAL N. 04/2016 Seleção para tutoria a distância do Curso de Especializacão em Tecnologias da Informação e da Comunicação

Leia mais

EDITAL Nº 33, DE 18 DE MARÇO DE 2015.

EDITAL Nº 33, DE 18 DE MARÇO DE 2015. EDITAL Nº 33, DE 18 DE MARÇO DE 2015. O PRÓ-REITOR DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições, torna público o Edital de Abertura

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC ÁREA DAS CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CURSO DE DESIGN MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN São Miguel do Oeste,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO MEDIO INTEGRADO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º- O presente Regulamento destina-se a fixar diretrizes

Leia mais

EDITAL Nº 26/2015 CEAD/UFPI

EDITAL Nº 26/2015 CEAD/UFPI 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA CEAD Universidade Aberta do Brasil UAB/UFPI Rua Olavo Bilac, 1148 Centro Sul CEP 64001 280 Teresina PI Site:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE CAPES / UAB / CPEaD

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE CAPES / UAB / CPEaD MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE CAPES / UAB / CPEaD EDITAL - Nº 001/2013 SELEÇÃO INTERNA PARA PROFESSOR FORMADOR CPEaD O INSTITUTO FEDERAL DE

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC CHAMADA PARA COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DE SUPERVISORES E PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC A Coordenação

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 02, DE 26 DE JANEIRO DE 2012.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 02, DE 26 DE JANEIRO DE 2012. AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO - PRONATEC A Diretora de Desenvolvimento do Ensino, no exercício da Direção Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Timon, no uso de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 03/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 03/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 03/2014 Aprova as Normas Complementares para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL Nº 066/2015. 1.2 Os tutores serão selecionados com base nos critérios estabelecidos no presente Edital.

EDITAL Nº 066/2015. 1.2 Os tutores serão selecionados com base nos critérios estabelecidos no presente Edital. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 Educação a Distância EAD / UESB Fone: (77) 3425-9308 uesbvirtual@uesb.edu EDITAL Nº 066/2015 SELEÇÃO

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) Engenharia de Transportes da Escola Politécnica

Leia mais

Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão IFMA Diretoria de Educação a Distância

Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão IFMA Diretoria de Educação a Distância Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão IFMA Diretoria de Educação a Distância Edital n 014/2010 DEAD / IFMA Seleção Simplificada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU IFCE

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU IFCE REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU IFCE TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II - DA IMPLANTAÇÃO E DO OFERECIMENTO TITULO II - DA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

Edital FAPEAL N o 001/2009 PROGRAMA ESPECIAL DE BOLSAS

Edital FAPEAL N o 001/2009 PROGRAMA ESPECIAL DE BOLSAS Edital FAPEAL N o 001/2009 PROGRAMA ESPECIAL DE BOLSAS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas FAPEAL, em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Praia Grande São Paulo Outubro de 2009 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF 2010 SUMÁRIO TITULO I... 3 DA CONCEITUAÇÃO DO PROGRAMA... 3 CAPÍTULO I... 3 DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 3

Leia mais

Processo de Seleção de Tutores para Vagas Remanescentes do Curso de Especialização em Gestão em Saúde, na modalidade a Distância

Processo de Seleção de Tutores para Vagas Remanescentes do Curso de Especialização em Gestão em Saúde, na modalidade a Distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL- REI SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DECRETO 5.800/2006 Res. 012/2008 CONSU Resolução CD/FNDE Nº 26/2009,

Leia mais

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. RESOLUÇÃO Nº 08/08 Conselho de Administração. RESOLUÇÃO Nº 08/08 Conselho Universitário

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. RESOLUÇÃO Nº 08/08 Conselho de Administração. RESOLUÇÃO Nº 08/08 Conselho Universitário CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/08 Conselho de Administração. RESOLUÇÃO Nº 08/08 Conselho Universitário Fixa critérios à concessão de desconto para docentes, em mensalidades

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA SUPERVISORES E FORMADORES DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC) UNIR MATEMÁTICA

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. EDITAL N o 01

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. EDITAL N o 01 UNCISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS Transformada em Universidade pela Lei n 6.660 de 28 de dezembro de 2005 Campus Governador Lamenha Filho Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005.

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE UBERABA-MG CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. Aprova o Regulamento de Estágio dos Cursos do Centro Federal de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Psicologia é uma atividade obrigatória, em consonância

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO A FACTO, em cumprimento a Resolução nº. 196, do Conselho Nacional de Saúde (CNS/MS), expedida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO ARAGUAIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE LETRAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO ARAGUAIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE LETRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO ARAGUAIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE LETRAS EDITAL Nº 01 LETRAS/ICHS/CUA/UFMT/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 139/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas Específicas do Estágio

Leia mais

CAPÍTULO I: DOS OBJETIVOS E DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA

CAPÍTULO I: DOS OBJETIVOS E DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Regimento Interno do Programa de Pós-graduação em Geografia, complementares à Resolução 65/09 do CEPE, que estabelece as normas gerais dos Cursos de Pós-graduação Stricto Sensu, da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 24 de abril de 2014.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 24 de abril de 2014. RESOLUÇÃO CAS Nº 04/2014 DISPÕE A CRIAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS VINCULADO AO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FEMA. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Capítulo I Dos Objetivos Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer

Leia mais

EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES

EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES A Pró-Reitoria de Ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA Nº 007/2010, de 19 de agosto de 2010.

RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA Nº 007/2010, de 19 de agosto de 2010. CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA Nº 007/2010, de 19 de agosto de 2010. Cria o Núcleo de Educação à Distância na estrutura organizacional da Pró- Reitoria de Graduação da

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS - CUR INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - ICHS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PACTO NACIONAL

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

UNIVERSIDADAFEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADAFEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUCAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO)EM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO MODALIDADE A DISTÂNCIA CHAMADA PÚBLICA N.º 01/2013/UFMT CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES A DISTANCIA

Leia mais

REGULAMENTO. Curso de especialização de Design Instrucional para EaD Virtual: Tecnologias, Técnicas e Metodologias

REGULAMENTO. Curso de especialização de Design Instrucional para EaD Virtual: Tecnologias, Técnicas e Metodologias REGULAMENTO Curso de especialização de Design Instrucional para EaD Virtual: Tecnologias, Técnicas e Metodologias DOS OBJETIVOS Art 1 o O curso de especialização Latu Sensu em design instrucional para

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG Pró-Reitoria de Graduação Secretária Geral de Educação a Distância

Universidade Federal do Rio Grande FURG Pró-Reitoria de Graduação Secretária Geral de Educação a Distância Universidade Federal do Rio Grande FURG Pró-Reitoria de Graduação Secretária Geral de Educação a Distância EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTORES A DISTÂNCIA Programa Pró-Licenciatura Edital 02/2008 A Pró-reitora

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS SUMÁRIO

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS SUMÁRIO REGULAMENTO DO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AIMORÉS/MG SUMÁRIO REGULAMENTO DO PROJETO EMPRESARIAL... 1 Objetivos... 4 Objetivos Específicos... 4 Duração do Projeto Empresarial... 5 Disciplina

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - CAPES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 03/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - CAPES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 03/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - CAPES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 03/2013 - Processo Seletivo de Bolsistas para o PIBID/UNIFRA - O Centro Universitário Franciscano, por

Leia mais

Norma CNEN para. Concessão de Bolsas no País

Norma CNEN para. Concessão de Bolsas no País Norma CNEN para Concessão de Bolsas no País NORMA CNEN PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO PAÍS SUMÁRIO ITEM PÁGINA 1. Da Finalidade, Campo de Aplicação e Conceitos Gerais 2 1.1 Da Finalidade 2 1.2 Do

Leia mais

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. REVOGADA PELA PORTARIA N.º 465, DE 03 DE MARÇO DE 2016 PUBLICADA NO DJE DE 03.03.2016 EDIÇÃO 5694 PÁG. 76. http://diario.tjrr.jus.br/dpj/dpj-20160303.pdf PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

Leia mais

DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007

DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007 DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007 (Republicação aprovada pela Del. CONSEP Nº 098/2008, de 14/8/2008) Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

O perfil do tutor deverá estar de acordo com os seguintes quadros de distribuição de vagas.

O perfil do tutor deverá estar de acordo com os seguintes quadros de distribuição de vagas. EDITAL 10/2015 Seleção Simplificada de Tutores Presenciais modalidade Educação a Distância Programa Universidade Aberta do Brasil UAB 2015 Seleção Simplificada de Tutores Presenciais O Reitor do Instituto

Leia mais

EDITAL N 42, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012.

EDITAL N 42, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012. PRÓ-REITORIA REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS O Diretor Geral Pro Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus CAXIAS, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA INSTITUTO DE ENGENHARIAS E GEOCIÊNCIAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA INSTITUTO DE ENGENHARIAS E GEOCIÊNCIAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA INSTITUTO DE ENGENHARIAS E GEOCIÊNCIAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RESOLUÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 01 / 2014 - DE 10

Leia mais

COREMU/COREME. Edital 002/2015 Edital conjunto da COREMU/CEULP e COREME/FESP-Palmas, TO

COREMU/COREME. Edital 002/2015 Edital conjunto da COREMU/CEULP e COREME/FESP-Palmas, TO COREMU/COREME Edital 002/2015 Edital conjunto da COREMU/CEULP e COREME/FESP-Palmas, TO SELEÇÃO DE TUTORES E PRECEPTORES PARA COMPOREM CADASTRO RESERVA PARA ATUAR NO PROGRAMA INTEGRADO DE RESIDÊNCIAS EM

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM BIOLOGIA DA RELAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM BIOLOGIA DA RELAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM BIOLOGIA DA RELAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Capítulo I Das disposições Preliminares Art. 1. O Programa de

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º O componente Estágio Curricular Supervisionado em Biotecnologia éparte integrante do currículo pleno do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Aprovado em Reunião ordinária da CEPG em 03 de setembro de 2013 Capítulo I Disposição

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º003/2008 DO COLEGIADO ACADÊMICO (Aprovada pela Câmara de Graduação em 02/10/2007 e pelo Colegiado Acadêmico em 12/11/2007)

RESOLUÇÃO N.º003/2008 DO COLEGIADO ACADÊMICO (Aprovada pela Câmara de Graduação em 02/10/2007 e pelo Colegiado Acadêmico em 12/11/2007) RESOLUÇÃO N.º003/2008 DO COLEGIADO ACADÊMICO (Aprovada pela Câmara de Graduação em 02/10/2007 e pelo Colegiado Acadêmico em 12/11/2007) CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS O Colegiado Acadêmico da Universidade

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Data de Aprovação: 17/04/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA PRONATEC/IFPI Nº 02

Data de Aprovação: 17/04/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA PRONATEC/IFPI Nº 02 17/4/213 13/213- CONSUP 17/4/13 Pág. 1 de 17 INSTRUÇÃO NORMATIVA PRONATEC/IFPI Nº 2 ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS REFERENTES ÀS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS FINANCEIRAS E DE PESSOAL NECESSÁRIAS PARA A EXECUÇÃO

Leia mais

DECANATO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA

DECANATO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DECANATO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) 1. PREÂMBULO

Leia mais

EDITAL N o /2011. EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância)

EDITAL N o /2011. EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância) EDITAL N o /2011 EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância) 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Direção do Instituto de Ciências Biológicas ICB,

Leia mais

Programa de Incentivo à Pesquisa Acadêmica PIPA

Programa de Incentivo à Pesquisa Acadêmica PIPA Programa de Incentivo à Pesquisa Acadêmica PIPA ` REGULAMENTO União da Vitória, PR 2014 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA ACADÊMICA PIPA, DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE UNIÃO DA VITÓRIA DOS PRINCÍPIOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLEDADE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO. Especialização em Políticas e Gestão da Educação

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLEDADE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO. Especialização em Políticas e Gestão da Educação PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLEDADE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO Especialização em Políticas e Gestão da Educação Curso de Pós Graduação lato sensu UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO EDITAL

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO - ASSUPERO - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC Natal/RN REGULAMENTO

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM STRICTO SENSU BIOLOGIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM STRICTO SENSU BIOLOGIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM STRICTO SENSU BIOLOGIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Os alunos e docentes do Programa devem ter conhecimento do Estatuto e Regimento da Universidade (http://www.unifesp.br/reitoria/orgaos/conselhos/consu/documentos/estatuto_geral.pdf)

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ENFERMAGEM REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do Trabalho

Leia mais

EDITAL PROGRAD Nº 29/2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA COMPOSIÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA DE BOLSAS DE SUPERVISÃO PIBID-UFAC

EDITAL PROGRAD Nº 29/2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA COMPOSIÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA DE BOLSAS DE SUPERVISÃO PIBID-UFAC EDITAL PROGRAD Nº 29/2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA COMPOSIÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA DE BOLSAS DE SUPERVISÃO PIBID-UFAC 1. APRESENTAÇÃO 1.1. A Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Gestão e Negócios - FAGEN Centro de Educação a Distância UAB/UFU CHAMADA PÚBLICA 03/2011

Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Gestão e Negócios - FAGEN Centro de Educação a Distância UAB/UFU CHAMADA PÚBLICA 03/2011 Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Gestão e Negócios - FAGEN Centro de Educação a Distância UAB/UFU Av. João Naves de Ávila, 2121 - Bloco S C. Santa Mônica Uberlândia/MG - CEP: 38.400-902

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 2º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 2º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 2º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação, ou outro documento com mesmo valor legal; 3 (três) anos, no mínimo, de experiência

por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação, ou outro documento com mesmo valor legal; 3 (três) anos, no mínimo, de experiência AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL - APEX-BRASIL EDITAL No- 1, DE 31 DE AGOSTO DE 2006 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRORESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 2º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 2º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 2º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição e matrícula

Leia mais

EDITAL PROPES Nº 02/2015

EDITAL PROPES Nº 02/2015 EDITAL PROPES Nº 02/2015 Dispõe sobre o Processo Seletivo do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Inovação Social com ênfase em Economia Solidária e Agroecologia O Reitor do Instituto Federal de Educaç

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDEAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PROGRAMA NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

SERVIÇO PÚBLICO FEDEAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PROGRAMA NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA SERVIÇO PÚBLICO FEDEAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PROGRAMA NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA EDITAL N. 01/2016-PNAIC/UNIFESSPA PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES

Leia mais

TÍTULO I DA MODALIDADE DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO COLEGIADO

TÍTULO I DA MODALIDADE DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO COLEGIADO SERÇO PÚBLCO FEDERAL REGMENTO NTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRCTO SENSU EM GEOGRAFA DA TÍTULO DA MODALDADE DO PROGRAMA E SEUS OBJETOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Geografia, em nível

Leia mais

RESIDÊNCIA EM GESTÃO DE TI

RESIDÊNCIA EM GESTÃO DE TI RESIDÊNCIA EM GESTÃO DE TI Proposta de Programa de Pós-Graduação Lato Sensu, em Nível de Especialização Identificação do Programa Denominação: Programa de Residência em Gestão de TI Natureza: Semi-presencial,

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO -PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DR. FRANCISCO MAEDA-FAFRAM/FE

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO -PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DR. FRANCISCO MAEDA-FAFRAM/FE REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO -PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DR. FRANCISCO MAEDA-FAFRAM/FE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu oferecidos pela Universidade Vila Velha ES (UVV), em caráter de educação continuada,

Leia mais

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Texto Aprovado CONSU Nº 2009-14 - Data: 03/09/09 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Conforme Regimento do UNASP Artigo

Leia mais