Via Laietana, 14, 4a Barcelona Tel Fax

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Via Laietana, 14, 4a 08003 Barcelona Tel. 93 554 54 00 Fax 93 554 78 05"

Transcrição

1 Via Laietana, 14, 4a Barcelona Tel Fax RESOLUÇÃO PRE/1073/2015, 21 de maio, pela qual se aprovam as bases reguladoras gerais para a concessão de subsídios destinados a dar apoio a projetos de desenvolvimento, educação para o desenvolvimento e ação humanitária com uma apresentação integrada de enfoque de género e baseada em direitos humanos, de acordo com o Plano diretor de cooperação para o desenvolvimento O objetivo destas bases é a colaboração económica da ACCD com atores de cooperação sem ânimo de lucro, que impulsionem projetos de desenvolvimento, educação para o desenvolvimento e ação humanitária, com uma proposta integrada de enfoque de género e baseada em direitos humanos no âmbito determinado pelas bases específicas e pela convocatória correspondente, de acordo com o Plano diretor de cooperação para o desenvolvimento O enfoque de género e baseado em direitos humanos (daqui em diante, EGiBDH) incorpora uma perspetiva que procura materializar os Direitos Humanos para todas as pessoas, coletivos e povos, com uma atenção particular para aqueles cujos direitos são potencialmente vulneráveis, com especial atenção às mulheres, uma vez que sofrem uma discriminação estrutural naturalizada que requer medidas específicas. Também procura transformar as relações desiguais de poder em todos os âmbitos, incluindo a esfera privada, abordando as relações desiguais de género, que são mantidas pelas estruturas sociais, económicas, políticas e culturais. Neste sentido, o seu objetivo é contribuir para mudanças e para transformações em situações de vulneração de direitos, e conseguir resultados para gerar processos de mudança, procurando o empoderamento das pessoas para que sejam capazes de incidir nos recursos e nas decisões que afetam as suas vidas de maneira livre e autónoma. Neste sentido, o EGiBDH implica que a política de cooperação catalã tenta tornar os direitos humanos realidade, dando uma ênfase especial aos direitos das mulheres e aos direitos coletivos dos povos; aos processos impulsionados e guiados pelas normas e princípios dos direitos humanos, aos direitos das mulheres e aos compromissos com a igualdade de Género; e às iniciativas centradas nos e nas titulares de direitos e deveres, e às suas capacidades para reclamar e cumprir com as obrigações relacionadas com os direitos humanos e com os direitos das mulheres. O enfoque EGiBDH fundamenta-se nos seguintes elementos: 1) O género não é um acrescento. Os princípios da igualdade e da não discriminação são pilares fundamentais dos Direitos Humanos, o que implica necessariamente ter em consideração as desigualdades de género em todas as atuações. De acordo com a Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW), convém explicar a perspetiva de género de maneira específica, com o objetivo de que não fique subterrada sob princípios mais genéricos de não discriminação e igualdade, 1

2 como aconteceu historicamente. Para isso, o EGiBDH irá dar uma ênfase especial às desigualdades de género, tendo em conta a sua intersecção com outras variáveis de desigualdade (classe social, etnia, diversidades, etc.). 2) O EGiBDH procura a transformação e parte das causas estruturais que provocam a desigualdade, como a pobreza, os conflitos, a violência e o analfabetismo, entre outros. Inclui a análise das relações de poder e de género e das estruturas que as sustentam, que dão lugar às desigualdades e às discriminações entre homens e mulheres nas sociedades. 3) As atuações centram-se especialmente nos grupos marginados e excluídos ou em coletivos potencialmente vulneráveis. E dentro destes grupos, considera-se o coletivo das mulheres como o de sujeitos especialmente discriminados dentro dos próprios grupos desfavorecidos. 4) As pessoas ou grupos meta deixam de ser beneficiários da ajuda para se tornarem titulares de direitos. As necessidades das pessoas são interpretadas em chave de direitos, e reconhece-se a pessoa como sujeito ativo dos seus processos e decisões. 5) O EGiBDH requer uma participação alta e substancial, especialmente no processo de tomada de decisões. Isso implica que os atores de desenvolvimento devem proporcionar mecanismos e espaços de participação para que os coletivos tradicionalmente excluídos possam elevar a sua voz e as suas petições, participando nos processos de desenvolvimento, adaptando a informação ao seu idioma e proporcionando também as estratégias necessárias para que homens e mulheres possam participar em igualdade de condições. Entender a participação como um dos princípios dos direitos humanos implica uma exigência para qualquer organização, seja governamental ou não, uma vez que é através da participação que os coletivos transcendem a sua posição de beneficiários e acedem à consciência de serem sujeitos de direitos. 6) O empoderamento de titulares de direitos e titulares de obrigações é essencial para tomar decisões e participar ativamente na gestão das suas vidas e na resolução de conflitos. Este empoderamento requer um processo gradual que começa com o conhecimento crítico do conteúdo dos direitos e das funções e responsabilidades diferenciados que cada um tem na sua realização, com especial atenção aos coletivos tradicionalmente excluídos. 7) O empoderamento tem uma dimensão individual (pessoal) e uma dimensão coletiva (política, social, económica e cultural), ao mesmo tempo que implica transformar o conceito de poder tradicional em novas aceções do poder mais horizontal, democrático e participativo. 8) A prestação de contas torna-se prioritária. É necessário avaliar se o processo resultante gerou empoderamento, e se permitiu medir os resultados e impactos obtidos, de acordo com os direitos humanos e a igualdade de género. 2/29

3 9) Prestar atenção aos processos, avaliando a maneira pela qual se conseguem os resultados. Os processos implementados na procura dos objetivos de desenvolvimento devem materializar em si próprios os princípios dos direitos humanos, incluindo o princípio da igualdade e da não discriminação, aplicando os direitos das mulheres. 10) Tudo isso requer alianças estratégicas e corresponsabilidade de todos os atores e do conjunto da sociedade, e em particular dos homens, na transformação. Neste sentido, o diálogo social e o diálogo de políticas serão essenciais. A adoção deste enfoque ao Plano Diretor tem inúmeras implicações para a política de cooperação do Governo, das quais as mais destacadas são as seguintes: - Prioriza-se o acompanhamento de processos de mudança em detrimento da provisão direta de serviços. Os processos impulsionados devem guiar-se pelas normas e princípios dos direitos humanos e pelos compromissos com a igualdade de género. - Parte-se de uma análise da desigualdade e vulneração no exercício dos direitos que inclua as relações de poder e de género e as estruturas que as sustentam. A partir desta análise, as iniciativas devem ser orientadas para a transformação, com especial atenção às pessoas e grupos marginados e excluídos. - Consideram-se as pessoas como titulares de direitos e as administrações como titulares de obrigações. Desde esta perspetiva, reforçam-se as capacidades das pessoas para reclamar e incidir nas decisões que as afetam e das administrações para cumprir com as suas obrigações. - A materialização dos direitos passa pelo empoderamento dos titulares de direitos e dos titulares de obrigações. Trata-se de um processo gradual que deve ser parte de todas as iniciativas e que, para ser efetivo, precisa de dois princípios dos direitos humanos: a participação e a prestação de contas. - Prevê-se uma participação alta e substancial dos titulares em todas as fases e muito especialmente nos processos de tomada de decisões. Contemplam-se mecanismos que asseguram a participação em igualdade de condições de todos os grupos e pessoas, com especial atenção às desigualdades de género que possa haver e à interseção destas desigualdades com outras variáveis de exclusão. - Promove-se a prestação de contas, a transparência e a avaliação para incrementar as capacidades de incidência e transformação das pessoas e coletivos titulares de direitos. A avaliação dos processos e a gestão deste conhecimento contribui para o processo de transformação social porque empodera as pessoas como titulares de direitos e proporciona ferramentas para a exigibilidade. Por este motivo, dirigem-se à cidadania catalã mas também, e muito especialmente, à cidadania dos países do sul e mostram os efeitos e os impactos das atuações sobre as relações de poder e as brechas de género. - O EGiBDH trabalha desde uma perspetiva que enfatiza o potencial transformador dos direitos humanos, exigência que não se esgota no reconhecimento formal do direito, devendo ser garantidas todas as dimensões (disponibilidade, acessibilidade, qualidade, 3/29

4 aceitabilidade, acessibilidade e sustentabilidade no tempo) e os princípios (não discriminação, acesso à informação e prestação de contas). Atendendo ao disposto no artigo 29.2.c) da Lei 26/2001, de 31 de dezembro, de cooperação para o desenvolvimento e à secção décima sexta do capítulo IX do Texto refundado da Lei de finanças públicas da Catalunha, aprovado pelo Decreto legislativo 3/2002, de 24 de dezembro; Atendendo às normas básicas que estabelecidas pela Lei 38/2003, de 17 de novembro, geral de subsídios e pelo decreto Real 887/2006, de 21 de julho, mediante o qual se aprova o Regulamento. Atendendo a que o Conselho de Administração de ACCD, na sua sessão com data de 29 de abril de 2015, aprovou as linhas mestras das bases reguladoras gerais para a concessão de subsídios destinados a dar apoio a projetos de desenvolvimento, educação para o desenvolvimento e ação humanitária com uma apresentação integrada de enfoque de género e baseado em direitos humanos; De acordo com o disposto no artigo 3.2.a) do Decreto 236/2003, de 8 de outubro, pelo qual se aprovam os Estatutos da ACCD e em virtude da delegação do Conselho de Administração da ACCD de data 16 de março de 2007, na pessoa titular da direção da Agência conforme se autoriza o estabelecimento das bases reguladoras de subsídios da ACCD e a realização da convocatória correspondente, bem como a resolver a sua concessão; Em uso das atribuições conferidas pela legislação vigente, Decido: 1- Aprovar as bases reguladoras gerais do procedimento para a concessão de subsídios destinados a dar apoio a projetos de desenvolvimento, educação para o desenvolvimento e ação humanitária, com uma apresentação integrada de enfoque de género e baseada em direitos humanos, de acordo com o Plano diretor de cooperação para o desenvolvimento , os quais figuram como anexo a esta Resolução. 2- Esta Resolução entrará em vigor no mesmo dia da sua publicação no Diário Oficial da Generalitat da Catalunha. 3- Contra esta Resolução ou as suas bases, que coloca fim à via administrativa, as pessoas interessadas poderão interpor, com caráter potestativo, recurso de reposição perante o mesmo órgão que a ditou, de acordo com o artigo 77 da Lei 26/2010, de 3 de agosto, de regime jurídico e de procedimento das administrações públicas da Catalunha e com o disposto nos artigos 116 e 117 da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das 4/29

5 administrações públicas e do procedimento administrativo comum, no prazo de um mês a contar a partir do dia seguinte à data de publicação no DOGC, ou poderá interpor-se recurso contencioso administrativo diretamente perante os tribunais contenciosos administrativos, em conformidade com o estabelecido no artigo 8.3 e 46.1 da Lei 29/1998, de 13 de julho, de jurisdição contenciosa administrativa, no prazo de dois meses, a contar a partir do dia seguinte à data da publicação da Resolução no DOGC. Barcelona, 21 de maio de 2015 P.S. (Resolução PRE/328/2014, DOGC de ) Marta Macias Quesada Diretora-geral de Cooperação para o Desenvolvimento Anexo Bases reguladoras gerais - 1 Objeto e finalidade 1.1 Estas bases gerais têm por objetivo regular a concessão de subsídios, em regime de concorrência competitiva, a projetos realizados por atores de cooperação sem ânimo de lucro que impulsionem atividades de desenvolvimento, educação para o desenvolvimento e ação humanitária com uma perspetiva integrada de enfoque de género e com base em direitos humanos, de acordo com o estabelecido pelo Plano diretor de cooperação para o desenvolvimento (daqui em diante, Plano diretor). 1.2 A finalidade destes subsídios é colaborar economicamente com as iniciativas dos atores de cooperação para o cumprimento dos objetivos estratégicos definidos pelo Plano diretor, mediante o aprofundamento e a concreção nos objetivos específicos do Plano diretor, estabelecidos pelas respetivas bases reguladoras específicas de subsídios. A aplicação dos conteúdos do enfoque de género e baseado em direitos humanos (EGiBDH) comporta estabelecer nestas bases reguladoras dois eixos principais de atuação, nos quais se deverão situar os projetos objeto de subsídio, de acordo com as respetivas bases reguladoras específicas de todas as linhas e modalidades de subsídios: - O empoderamento e o fortalecimento de capacidades, tanto dos titulares de direitos, de obrigações e de responsabilidades, com o objetivo de garantir o acesso e o usufruto dos direitos, dando uma ênfase especial aos coletivos mais vulneráveis. - A promoção da igualdade e a não discriminação, trabalhando para erradicar as causas, incluindo as estruturais, que dificultam o pleno usufruto e exercício dos direitos humanos com especial atenção às discriminações de que as mulheres e os povos menorizados são objeto. 1,3 Não serão objeto de subsídio os projetos previstos pelos seguintes eixos de trabalho: 5/29

6 a) As atuações exclusivamente focalizadas na promoção dos atores de cooperação solicitantes, como sejam as relativas ao fomento do voluntariado, à recolha de fundos, à captação de sócios e sócias e no âmbito de publicidade e na difusão das ações da organização que não tenham a ver com o projeto que se pretende subsidiar. b) Atuações de adoção e apadrinhamento. c) As propostas de incluam ações de proselitismo religioso e político-partidário. d) Atividades que deem apoio a partidos políticos ou a entidades legalmente vinculadas aos mesmos. e) Brigadas ou estadias solidárias. f) Atuações de ação humanitária de emergência, que irão contar com instrumentos específicos de apoio. - 2 Prioridades 2.1 As bases reguladoras específicas das respetivas linhas e modalidades de subsídios irão concretizar os objetivos específicos do Plano diretor, e que serão tidas em conta para avaliar os respetivos projetos objeto de subsídio. 2.2 Com caráter geral, os projetos objeto de subsídio deverão tentar cumprir, como mínimo, um dos objetivos estratégicos do Plano diretor e incidir num ou mais objetivos específicos que se preveem para cada um, nos termos seguintes: Objetivo estratégico 1. Contribuir para a defesa, garantia e exercício dos direitos humanos das mulheres que permitam a transformação das estruturas que perpetuam as desigualdades entre homens e mulheres. Objetivos específicos relativamente aos direitos civis e políticos. 1.1 Impulsionar o empoderamento político das mulheres para aumentar a sua capacidade de exigir os seus direitos e para combater a sua exclusão, tanto a nível local como global. 1.2 Fomentar os processos de concertação política e social que permitam a participação das mulheres, na elaboração, implementação, seguimento e avaliação das políticas públicas socialmente justas e orientadas para os objetivos de desenvolvimento. Objetivos específicos relativamente aos direitos económicos, sociais e culturais. 1.3 Impulsionar os direitos económicos das mulheres centrados no seu empoderamento e autonomia económica. 1.4 Impulsionar o direito à saúde e, em especial, o direito ao próprio corpo, os direitos sexuais e os direitos reprodutivos assim como o direito à cura, à sanação e à auto cura. 1.5 Impulsionar o direito à educação pública e de qualidade das mulheres e da infância, em todas as etapas educativas, a partir de uma perspetiva coeducativa e de prevenção. 1.6 Defender o direito ao trabalho produtivo em condições laborais dignas de igualdade entre mulheres e homens e promover o diálogo social, com uma atenção especial à 6/29

7 população jovem e às situações laborais que necessitem de uma proteção especial (gravidez, parto, pós-parto e maternidade). 1.7 Promover a corresponsabilidade no trabalho reprodutivo e comunitário entre homens e mulheres, valorizando a sua importância para o funcionamento das sociedades. Objetivos específicos relativamente ao direito à paz e ao direito a uma vida livre de violências. 1.8 Prevenir os conflitos violentos, dando especial atenção à análise e transformação das suas causas vinculadas à desigualdade, aos interesses económicos e políticos e ao acesso, controlo e uso dos recursos naturais, incluindo os conflitos de longa duração e os conflitos esquecidos. 1.9 Contribuir para a solução pacífica, dialogada, justa e duradoura dos conflitos violentos, dando apoio a processos inclusivos de diálogo e de negociação e de paz, e velar pela proteção e defesa dos direitos humanos e do direito humanitário internacional Promover os direitos das vítimas, partindo das suas necessidades práticas e interesses estratégicos que incluem a reabilitação humanitária, a reconstrução do tecido psicossocial e as ações relacionadas com a justiça transicional (verdade, justiça, reparação e memória histórica) Contribuir para a reabilitação pós-conflito e reforçar as capacidades locais para transformar os conflitos violentos Promover a intervenção plena das mulheres na transformação dos conflitos e na construção de paz, integrando as ferramentas de sensibilidade ao conflito na cooperação para o desenvolvimento Contribuir para a prevenção, a deteção e a erradicação da violência machista em todas as suas formas (física, sexual, psicológica, económica e institucional) e em todos os âmbitos (conjugal, familiar, laboral, social e/ou comunitário), dando uma ênfase especial às situações de conflitos armados ou violentos. Objetivos específicos relativamente à sustentabilidade ambiental Acesso, controlo e uso sustentável, inclusivo e equitativo dos recursos naturais e dos seus benefícios (em especial da água) Promover o direito à soberania alimentar nos países sócios, entendida como o direito dos povos a determinar as políticas agrícolas e alimentares que os afetam, no marco do desenvolvimento sustentável e equitativo Contribuir para incrementar a resiliência perante desastres de origem natural ou sócio natural, mediante a adoção de estratégias de DDR (prevenção, preparação, mitigação). 7/29

8 1.17 Contribuir para a redução dos impactos e riscos ambientais dos países sócios, dando uma ênfase especial às alterações climáticas e promover a educação para o desenvolvimento sustentável Contribuir para a conservação e uso sustentável da biodiversidade e manutenção dos ecossistemas e dos seus bens e serviços Promover o direito à cidade a partir das políticas públicas de sustentabilidade ambiental, impulsionando a planificação de recursos energéticos e naturais, com ênfase especial no acesso aos serviços e aos recursos, ao abastecimento e saneamento de água para as comunidades e ao tratamento de resíduos Contribuir para o cumprimento do direito à cidade, como refúgio das comunidades expulsas do seu meio rural, promovendo atuações para contribuir a garantir o direito a uma casa e a bairros dignos, a uma mobilidade acessível e sustentável, a uma cidade, em resumo, mais justa, equitativa e segura, que facilite a inclusão e a participação social. Objetivos específicos relativamente aos desafios globais do desenvolvimento sustentável Promover a participação ativa das redes de mulheres e movimentos feministas nas agendas internacionais vinculadas aos desafios globais de desenvolvimento sustentável Promover ativamente a construção de parcerias globais para enfrentar os desafios globais de desenvolvimento sustentável. Objetivo estratégico 2. Contribuir para a governança democrática mediante o respeito, a proteção e o exercício efetivo dos direitos coletivos dos povos para decidir sobre o seu futuro e promover a língua e a cultura que lhes são próprias. Objetivos específicos relativamente aos direitos linguísticos e culturais dos povos 2.1 Contribuir para melhorar as capacidades legislativas e executivas das autoridades responsáveis por garantir o direito à educação de qualidade com pertinência cultural, que inclui a própria língua como elemento básico de transmissão cultural. 2.2 Empoderar a sociedade civil organizada, com especial atenção à participação das mulheres, para a defesa, reconhecimento, revalorização e desenvolvimento das culturas e línguas menorizadas. 2.3 Proteger os direitos das mulheres nas situações em que são as principais portadoras de valores culturais e linguísticos dos povos, pela sua menor assimilação à cultura dominante. Objetivos específicos relativamente ao direito dos povos a decidir o seu futuro através da participação democrática. 2.4 Dar apoio às organizações e movimentos sociais na exigibilidade e usufruto efetivo dos direitos coletivos dos povos, no que se refere à capacidade de decidir o seu futuro e gerir os seus recursos, garantindo a plena participação das mulheres. 8/29

9 2.5 Promover políticas públicas orientadas ao aprofundamento democrático a partir do reconhecimento dos direitos coletivos dos povos e da abertura de espaços de participação e da incorporação de modelos de desenvolvimento coerentes com os seus valores e propostas. 2.6 Fortalecer as organizações, os movimentos e as autoridades indígenas para garantir a sua participação plena nos processos e nas instâncias de tomada de decisões e na defesa do seu próprio modelo de desenvolvimento. - 3 Atores de cooperação beneficiários 3.1 Podem aceder à condição de beneficiários dos subsídios que se concedam ao abrigo destas bases reguladoras gerais, e das respetivas bases reguladoras específicas, as pessoas jurídicas sem ânimo de lucro que determinem as bases reguladoras específicas e que podem ser as seguintes: -a) Organizações não-governamentais de desenvolvimento e/ou ação humanitária. -b) Pessoas jurídicas privadas nacionais e/ou estrangeiras. -c) Pessoas jurídicas públicas nacionais e/ou estrangeiras. 3.2 Também poderão aceder à condição de beneficiários dos subsídios concedidos ao abrigo destas bases gerais, se assim o preverem as bases reguladoras específicas, as agrupações de ONGD, de pessoas jurídicas privadas ou públicas, sem personalidade jurídica diferenciada, que cumpram os seguintes requisitos: a) Somente um ator de cooperação poderá participar como líder da agrupação, sem prejuízo de poder participar noutras agrupações que concorram à mesma convocatória. Os atores de cooperação que apresentem projetos em agrupação devem cumprir, individualmente, os requisitos e as restantes condições estabelecidas nas correspondentes bases específicas para poderem ser beneficiários dos subsídios e não devem estar incluídos nas causas de proibição previstas no artigo 13 da Lei 38/2003, de 17 de novembro, geral de subsídios. b) Será necessário que os atores de cooperação em agrupação comprovem o cumprimento dos requisitos mediante declarações responsáveis que serão incorporadas ao formulário normalizado que as bases específicas correspondentes definam, e que formalizem um acordo de vontades no qual será designada uma pessoa representante ou empoderada única da agrupação com poderes suficientes para solicitar, gerir e receber os subsídios correspondentes e cumprir as obrigações como beneficiária da agrupação. Este acordo irá também definir os compromissos de execução assumidos por cada membro da agrupação, o montante de subsídio a aplicar por cada um dos atores em concertação e também o compromisso de não se dissolver como agrupação enquanto não tiver desenvolvido o projeto e não tenham passado os prazos de prescrição previstos no artigo 4 do artigo 100 do Texto refundado da Lei de finanças públicas da Catalunha e no artigo 65 da Lei geral de subsídios. 9/29

10 3.3 É estabelecida a categoria de entidades colaboradoras para as alianças de pessoas jurídicas, públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras que participem no projeto que apresenta um ator de cooperação que cumpra os requisitos para ser beneficiário de uma convocatória. Estas entidades colaboradoras não têm a consideração de beneficiário nem gerem economicamente o eventual subsídio que se solicita financiar à ACCD, mas a sua participação é avaliada positivamente. Será necessário que, para avaliar a colaboração, as entidades em aliança tenham um acordo de vontades com o ator de cooperação que apresente o pedido de subsídio. Este acordo irá concretizar os compromissos assumidos por cada membro da aliança e também o compromisso de não se dissolver como aliança enquanto o projeto não tiver sido desenvolvido. No caso de não ser apresentado o referido acordo de vontades, será considerado que a entidade apresenta o projeto a título individual. 3.4 O número máximo de projetos a apresentar por ator de cooperação será determinado nas bases específicas da convocatória correspondente Requisitos e incompatibilidades 4.1 Para obterem a condição de beneficiário dos subsídios, os atores de cooperação deverão cumprir os requisitos e condições determinados pelas bases reguladoras específicas correspondentes. 4.2 Estes subsídios são compatíveis com outros subsídios ou ajudas concedidos para a mesma finalidade. O conjunto de ajudas, rendimentos ou recursos não poderá exceder o custo total da atividade. As bases específicas poderão estabelecer um regime próprio de compatibilidade. - 5 Quantia 5.1 Os subsídios consistem numa dotação económica, até à percentagem máxima para cada projeto, que determinem as bases específicas correspondentes. 5.2 A quantidade máxima a receber por ator de cooperação será concretizada nas bases específicas correspondentes. 5.3 A despesa mínima realizada e justificada do projeto subsidiado deve ser, em qualquer caso, de 50% do custo da atividade subsidiada com o objetivo de poder considerar cumprido o objetivo e a finalidade para a qual o subsídio foi outorgado. O incumprimento desta despesa mínima irá comportar a revogação da totalidade do subsídio outorgado. 5.4 Da mesma forma, e salvo que as bases específicas disponham outra coisa, será admitida uma percentagem máxima de desvio orçamental de 20% máximo entre o custo inicialmente orçamentado para a atuação subsidiada e o custo final justificado que não irá comportar redução da quantia do subsídio outorgado, sempre que se tenha completado o objetivo e a finalidade do subsídio. No suposto que a percentagem do desvio orçamental referido seja superior a 20% e inferior a 50%, será reduzida, na mesma proporção, a quantia 10/29

11 do subsídio outorgado, sempre que se tenha cumprido com o objetivo e a finalidade do subsídio outorgado. 5.5 Os critérios que devem ser tidos em conta para determinar a quantia dos subsídios são o custo do projeto, as outras ajudas recebidas, a pontuação obtida pelos critérios de avaliação e as disponibilidades orçamentais, sem prejuízo que as bases específicas possam estabelecer critérios adicionais. 5.6 De qualquer forma, o montante do subsídio não pode ser de uma quantia que, isoladamente ou em concorrência com subsídios de outras entidades, ajudas, rendimentos ou recursos, supere o custo da atividade a desenvolver pelo ator de cooperação beneficiário. - 6 Despesas passíveis de subsídio 6.1 Consideram-se despesas passíveis de receber subsídio as que tenham uma relação direta com a atuação subsidiada, que sejam estritamente necessárias e que se realizem durante o período de execução do projeto. 6.2 As bases específicas podem limitar os conceitos passíveis de subsídio. 6.3 Considera-se despesa passível de subsídio o IVA na parte que o beneficiário não possa deduzir. 6.4 Salvo que as bases específicas disponham outra coisa, será admitida como parte do custo do projeto proporcionado por parte do ator beneficiário ou da contraparte local, a avaliação do trabalho voluntário, bem como outras despesas derivadas deste trabalho voluntário, como sejam as apólices de seguro e doença e de responsabilidade civil subscritas a favor do pessoal voluntário que participe no projeto subsidiado e na parte proporcional ao tempo dedicado. Não será possível imputar nenhuma retribuição em conceito de avaliação do trabalho voluntário e as avaliações devem poder ser comprovadas, estar intrinsecamente vinculadas aos projetos e podem ser objeto de controlo, tal como as restantes contribuições monetárias. Em nenhum caso o montante do subsídio concedido poderá superar o custo total do projeto, uma vez descontada esta avaliação. 6.5 A tipologia e as percentagens admitidas de despesas diretas e indiretas, e a aplicação do tipo de alteração, são desenvolvidas nos formulários normalizados de petição de subsídio da convocatória correspondente, os quais deverão ser considerados como parte integrante das bases reguladoras específicas. - 7 Duração dos projetos Relativamente à duração das atuações objeto de subsídio, os projetos subsidiados podem ser anuais ou plurianuais. As anualidades não irão corresponder necessariamente a anos naturais e as bases reguladoras específicas irão estabelecer a modalidade de projetos 11/29

12 passíveis de subsídio e a duração concreta das atuações. Os projetos anuais terão uma duração máxima inicial de 12 meses, prorrogável nos termos previstos no apartado 5 do artigo 108 do Texto refundado da Lei de finanças públicas da Catalunha. Os projetos plurianuais terão uma duração inicial superior a 12 meses e como máximo de 36 meses, prorrogável nos termos previstos no apartado 5 do artigo 108 do Texto refundado da Lei de finanças públicas da Catalunha. - 8 Petições e tramitação telemática 8.1 Os procedimentos para a concessão destes subsídios vão requerer, como regra geral, a apresentação de duas petições, configuradas como procedimentos com uma dupla fase de avaliação, salvo que as respetivas bases reguladoras específicas prevejam a apresentação de uma única petição, configurando-se como procedimentos com uma única fase de avaliação. No primeiro suposto, as pessoas interessadas irão apresentar uma petição de Nota conceptual e, no caso de superarem esta primeira fase eliminatória de seleção, irão apresentar uma petição de Nota ampliada, para a segunda fase de avaliação Os prazos para apresentar as respetivas petições de Nota conceptual, de Nota ampliada ou as petições únicas, serão definidos nas convocatórias correspondentes. Não obstante, o prazo para apresentar as petições de Nota Conceptual ou as petições únicas referidas não poderá ser inferior a 15 dias úteis a contar a partir do dia seguinte à data de publicação da respetiva convocatória. Ao mesmo tempo, o prazo para apresentar a petição de Nota Ampliada estabelecido na respetiva convocatória não poderá ser inferior a 20 dias úteis a contar a partir do dia seguinte à data de publicação no Cartaz eletrónico (tauler.gencat.cat) da respetiva lista de atores de cooperação admitidos e excluídos, de acordo com a base geral. 8.3 Todas as petições devem ser apresentadas de acordo com os formulários normalizados que estarão à disposição das pessoas interessadas na página web de Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat). 8.4 A ACCD irá colocar à disposição das pessoas interessadas o seguinte endereço de correio para atender consultas derivadas da convocatória correspondente. 8.5 A apresentação de petições deve ser realizada de preferência pelos meios eletrónicos de Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat) e no prazo estabelecido pela convocatória correspondente. Da mesma forma, as entidades que não disponham do 12/29

13 certificado digital admitido por Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat) não poderão apresentar as petições por este meio. A estes efeitos, as petições efetuadas por meios eletrónicos são consideradas apresentadas perante a Administração da Generalitat da Catalunha quando são registadas no Registo Telemático da Generalitat da Catalunha através de Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat) e fique constância do assentamento de entrada dos dados seguintes: número de registo de entrada, data e hora de apresentação, tipo de documento e assunto, identificação da pessoa solicitante ou da pessoa representante, e identificação do órgão ao qual a petição é dirigida. 8.6 Não obstante o previsto nos apartados anteriores, as petições e a restante documentação a proporcionar requerida pelas bases reguladoras específicas podem ser apresentadas em suporte papel de maneira presencial em qualquer um dos locais previstos no artigo 38.4 da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum. Se as petições forem apresentadas nos balcões de correios, deverão estar num envelope aberto para que a petição seja datada e carimbada pelo pessoal funcionário dos correios antes de ser certificada. As petições poderão ser apresentadas nos registos das representações diplomáticas ou nos balcões consulares do Estado Espanhol. Deverá figurar na petição o carimbo de entrada, que será o que irá determinar a data da apresentação. 8.7 A apresentação do formulário de petição única ou de Nota conceptual significa a plena aceitação destas bases e das bases específicas e tem implícita a prestação do consentimento por parte da pessoa interessada para que a ACCD realize a comprovação do fato que a pessoa solicitante está ao corrente das obrigações tributárias com o Estado, com a Generalitat da Catalunha e com a Segurança Social. 8.8 Se as petições apresentadas, em qualquer uma das três tipologias previstas na base 8.1 apresentarem defeitos destacáveis, se faltar documentação ou se a mesma for defeituosa, será requerido às pessoas interessadas que corrijam os defeitos ou que apresentem a documentação que falta, no prazo e com os efeitos previstos na base Identificação, autenticação e assinatura eletrónica No caso de o solicitante optar por apresentar as petições mediante Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat) deverá ter em conta o seguinte: A apresentação eletrónica das petições mediante Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat) deve ser efetuada mediante um certificado digital reconhecido de assinatura eletrónica. 13/29

14 O portal de Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat) aceita os certificados digitais emitidos por todas as entidades de certificação que estejam classificadas pela Agência Catalã de Certificação (CATCert) para permitir aos seus usuários interagir com as administrações catalãs. No caso de não se dispor deste certificado, o trâmite de apresentação eletrónica da petição não está habilitado. Os certificados digitais que se podem utilizar estão compilados no documento Lista de entidades classificadas, publicado na página web do Consórcio de Administração Aberta da Catalunha (www.aoc.cat) e na web (http://tramits.gencat.cat/ca/sobre-la-oficina/tramitacioen-linia/certificacio-digital/certificats-acceptats/). No caso de a pessoa interessada ser uma pessoa jurídica, serão sempre admitidos os sistemas de assinatura eletrónica, com o nível de segurança 3 ou superior, que representem uma pessoa jurídica. Quando se atue em nome de outro, serão admitidos os sistemas de identificação de pessoa física referidos, acompanhados dos documentos que comprovem a representação com a qual se atua, ou os sistemas de assinatura eletrónica, com o nível de segurança 3 ou superior, que representem uma pessoa vinculada a uma organização com capacidade de representação. No caso de a petição ser apresentada por uma agrupação de atores de cooperação, a petição deve ser apresentada pelo ator que, no acordo de vontades previsto na base 3.2 b), figure como pessoa representante ou empoderada única da agrupação com poderes suficientes para solicitar, gerir e receber os subsídios correspondentes e cumprir com as obrigações como beneficiária da agrupação Documentação que é necessário apresentar com a petição 10.1 A apresentação da petição de Nota Conceptual não irá requerer a apresentação de mais nenhuma documentação para além do formulário normalizado de petição. Por outro lado, a petição de Nota Ampliada ou a petição única nos procedimentos com uma única fase de avaliação deverá ser acompanhada da documentação, que segundo o formulário normalizado e sem prejuízo de outra documentação que estabeleçam as respetivas bases reguladoras específicas, se detalha de seguida: a) Projeto de atuação. b) Orçamento completo do projeto no qual figuram as despesas e as receitas previstas detalhadas por conceitos de despesa, o custo total do projeto, a quantia do subsídio que se solicita e - o detalhe das fontes de financiamento, no caso de haver. c) Se a petição for apresentada por uma agrupaçãode atores de cooperação, original ou 14/29

15 cópia autenticada do documento identificativo da agrupação estabelecida na base 3.2 b). d) Se o projeto apresentado for realizado em aliança com entidades colaboradoras, original ou cópia autenticada do acordo de vontades nos termos estabelecidos na base 3.3. Não será avaliada a documentação que não seja pedida nas bases gerais ou nas respetivas bases reguladoras específicas Os meios para a comprovação dos requisitos que as pessoas peticionárias deverão cumprir para serem beneficiárias dos subsídios serão estabelecidos nas respetivas bases reguladoras específicas. A comprovação será realizada mediante as declarações, declarações responsáveis e memórias que serão incorporadas ao respetivo formulário normalizado de petição de Nota ampliada ou de petição única. A inexatidão, falsidade ou omissão de caráter essencial em quaisquer dados ou documento que acompanhem as declarações irão deixar sem efeito este trâmite, a partir do momento em que se conheçam e prévia audiência da pessoa interessada e, em consequência, irão comportar a inadmissão da petição de subsídio, sem prejuízo que possam ser causa da revogação do subsídio, se forem conhecidos com posterioridade à concessão. Com a assinatura das declarações responsáveis, a pessoa assinante dá o seu consentimento à realização das verificações oportunas, a partir da finalização do prazo de apresentação das petições de subsídio e até ao cumprimento por parte da pessoa beneficiária da respetiva obrigação de justificação de maneira completa e correta, e manifesta, sob a sua responsabilidade, que cumpre os requisitos e que dispõe da documentação que o comprova Prazos de apresentação das petições Os prazos de apresentação das respetivas petições de subsídio (seja em procedimento de fase única ou dupla avaliação) serão os estabelecidos na respetiva convocatória Critérios de avaliação 12.1 Os subsídios são avaliados de acordo com os critérios de avaliação estabelecidos pelas bases reguladoras específicas das respetivas linhas de subsídios, salvo que excecionalmente, as bases reguladoras específicas prevejam que se subsidiem todas as petições que cumpram os requisitos exigidos nas respetivas bases e convocatória, mesmo que isso implique distribuir o montante que corresponde a cada uma delas As bases reguladoras específicas irão especificar o detalhe da ponderação dos critérios de avaliação, bem como a pontuação mínima requerida relativamente à máxima possível na avaliação, com o objetivo de poder excluir as petições que não obtenham a pontuação mínima requerida O órgão instrutor de cada convocatória poderá determinar que as petições que obtenham uma pontuação superior à pontuação mínima estabelecida nas bases específicas, 15/29

16 mas que não sejam selecionadas por insuficiência de crédito, se possam constituir numa lista de reserva devidamente ordenada pela pontuação obtida de acordo com os referidos critérios, para os efeitos previstos na base Procedimento de concessão 13.1 O procedimento de concessão dos subsídios é tramitado em regime de concorrência competitiva, salvo que as bases específicas determinem outro regime O órgão instrutor e a composição do órgão colegiado de avaliação, denominado Junta de Avaliação, serão determinados nas respetivas bases reguladoras específicas. O órgão competente para resolver a concessão dos subsídios é a pessoa titular da Direção da ACCD. A Junta de Avaliação será composta por pessoal da ACCD especialista na matéria objeto de subsídio, será regida pelas disposições aplicáveis aos órgãos colegiados da Administração da Generalitat da Catalunha e poderá convidar participar pessoas especialistas com voz e sem voto As petições são avaliadas pela Junta de Avaliação se a linha de subsídios correspondente tiver critérios de avaliação. Nos procedimentos com dupla fase de avaliação, a Junta irá realizar dois relatórios, um para cada fase de avaliação, enquanto nos procedimentos com uma única fase de avaliação, a Junta de Avaliação irá efetuar um único relatório de todas as petições. Nos procedimentos com uma dupla fase de avaliação, as primeiras petições apresentadas, segundo o modelo normalizado de Nota Conceptual, serão avaliadas pela Junta de Avaliação de acordo com os requisitos e os critérios de avaliação que, de maneira diferenciada, determinem as respetivas bases reguladoras específicas. Estas bases também irão determinar a pontuação mínima necessária para superar esta fase de pré-seleção, que tem caráter eliminatório. O órgão instrutor irá elevar a proposta de resolução à Direção da ACCD com a lista de admitidos e de excluídos da fase de pré-seleção, à vista do relatório da Junta de Avaliação, para a sua aprovação, a qual será notificada às entidades interessadas mediante a sua publicação no Cartaz eletrónico da Administração da Generalitat (tauler.gencat.cat). Esta publicação substitui a notificação individual e tem os mesmos efeitos. Contra esta resolução que põe fim à via administrativa, as pessoas interessadas poderão interpor, com caráter potestativo, recurso administrativo de reposição, ou então, diretamente, recurso contencioso administrativo, nos termos estabelecidos na base As entidades que superem a fase de pré-seleção deverão apresentar uma petição denominada Nota Ampliada, as quais serão avaliadas pela Junta de Avaliação, de acordo com os requisitos e os critérios de avaliação estabelecidos, de maneira diferenciada, pelas 16/29

17 respetivas bases reguladoras específicas. Estas bases também irão determinar a pontuação mínima necessária para superar esta fase de avaliação. A pontuação resultante da soma da pontuação obtida na primeira fase de avaliação pelas entidades que tenham superado e da pontuação obtida na segunda fase de avaliação será a nota final de avaliação da entidade À vista do segundo relatório da Junta de Avaliação, nos procedimentos que tiverem uma dupla fase de avaliação, ou do único relatório desta Junta, nos restantes procedimentos, o órgão instrutor irá formular a proposta de resolução provisória de concessão dos subsídios, de acordo com o previsto na base 14. Posteriormente, e à vista da proposta provisória, das aceitações dos subsídios, da documentação requerida publicada pelas entidades e das comprovações necessárias realizadas de acordo com a base 14.8, o órgão instrutor irá formular a proposta de resolução definitiva de concessão dos subsídios e esta será elevada ao órgão competente para a sua resolução Proposta de resolução provisória de concessão, aceitação do subsídio, reformulação e apresentação de documentação adicional 14.1 O órgão instrutor irá notificar a proposta de resolução provisória de concessão dos subsídios às pessoas interessadas mediante a sua publicação no Cartaz eletrónico da Administração da Generalitat (tauler.gencat.cat). Esta publicação substitui a notificação individual e tem os mesmos efeitos A proposta provisória deve conter a lista das pessoas solicitantes propostas para serem beneficiárias dos subsídios e as pessoas suplentes (lista de reserva), no respetivo relatório da Junta de avaliação, devidamente priorizada em função da pontuação obtida e sempre que tenham atingido a pontuação mínima exigida. Supondo que algum dos atores proposto para ser beneficiário do subsídio não aceite ou desista do subsídio solicitado, é possível outorgar o subsídio aos solicitantes suplentes por ordem de pontuação, sempre que tenha sido autorizado crédito suficiente para atender às petições seguintes com a mesma pontuação A proposta provisória de concessão deve ser fundamentada, de forma ordinária, nos relatórios da Junta de Avaliação. Quando o órgão instrutor não seguir os relatórios referidos, a discrepância deve ser justificada Os atores solicitantes devem apresentar o documento de aceitação do subsídio segundo o formulário normalizado, à disposição das pessoas interessadas no Portal Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat) e a documentação que consta na base 14.6, no prazo de 30 dias úteis a contar a partir do dia seguinte à publicação 17/29

18 da proposta provisória de concessão no Cartaz da Administração da Generalitat, exceto se nas bases reguladoras específicas for estabelecido um prazo diferente. A proposta provisória deve conter o requerimento da documentação referida. No mesmo prazo os solicitantes podem apresentar alegações, que serão tidas em conta no momento de resolução Através do documento de aceitação, os solicitantes podem desistir do subsídio proposto ou apresentar a reformulação do projeto e do orçamento se o montante do subsídio da proposta provisória for inferior ao solicitado, para o ajustar ao subsídio outorgável. Em qualquer caso, esta reformulação deve respeitar o objeto, as condições e a finalidade do subsídio, assim como os critérios de avaliação estabelecidos relativamente ao projeto, e em nenhum caso pode implicar uma modificação substancial do projeto. Deve também continuar a cumprir os limites de quantia do subsídio estabelecidos na base 5.1. No documento de aceitação também será necessário indicar a data efetiva de início das atuações Juntamente com o documento de aceitação também é necessário proporcionar a seguinte documentação: Com caráter geral: a) Cópia autenticada do documento de identidade da pessoa assinante. Não é necessário proporcionar o documento de identidade se o órgão instrutor o autorizar para que consulte os dados de identidade. Esta autorização deve constar no formulário de petição normalizado. b) Cópia autenticada dos poderes notariais vigentes ou original ou cópia autenticada da certificação emitida pelo/a secretário/a do ator de cooperação comprovativa da representação com que atua (apenas para os supostos em que o cargo desta pessoa não coincida com o estabelecido nos estatutos como autorizada para este ato). c) Original ou cópia autenticada do documento de inscrição da sede social ou delegação na Catalunha do ator de cooperação emitido pelo registo competente (apenas é necessário apresentar este documento no caso de a Agência não o poder comprovar porque os atores de cooperação estão inscritos em registos diferentes dos catalães). d) Original ou cópia autenticada do documento que comprove a composição da junta diretiva ou do órgão de governo (apenas é necessário apresentar este documento se a Agência não o puder comprovar porque os atores de cooperação estão inscritos em registos diferentes dos catalães). e) No caso de projetos apresentados em agrupação com outros atores de cooperação, será necessário proporcionar o original ou cópia autenticada do acordo assinado entre as partes, onde se concretizem os requisitos estabelecidos na base 3.2. f) No caso de projetos apresentados em aliança com entidades colaboradoras, será necessário proporcionar original ou cópia autenticada do acordo de vontades assinado entre as entidades em aliança, e que se estabelece na base /29

19 g) Original do impresso normalizado de domiciliação bancária devidamente conformado pela entidade bancária do ator de cooperação solicitante, de acordo com o estabelecido pelo regulamento (CE) 260/2012. Este impresso estará à disposição dos interessados em Gestões da Generalitat da Catalunha (http://tramits.gencat.cat). h) A documentação indicada nas bases reguladoras específicas No caso de pessoas jurídicas privadas nacionais ou estrangeiras (diferentes das organizações não-governamentais de desenvolvimento e/ou ação humanitária), para além do estabelecido no apartado anterior, é necessário proporcionar: a) Cópia autenticada dos estatutos sociais. b) Cópia autenticada do documento comprovativo da inscrição da entidade no registo administrativo competente (legalização) Não é necessário proporcionar os documentos dos dois apartados anteriores no caso de que o ator de cooperação solicitante os ter apresentado anteriormente à ACCD ou à Administração da Generalitat, sempre que não tenham passado mais de cinco anos desde a apresentação e que não tenham experimentado qualquer modificação. Neste caso, é necessário indicar claramente a data e o órgão ou dependência onde foram apresentados e o procedimento a que faziam referência. Se o órgão instrutor, por causas alheiras à sua atuação, não conseguir os documentos ou se estes já não estiverem vigentes, deve requerer à pessoa beneficiária que os proporcione no prazo de 10 dias úteis Se a documentação for apresentada por meios telemáticos: a) Não é necessário apresentar a cópia autenticada do documento de identidade pessoal da pessoa assinante. b) Não é necessário apresentar a cópia autenticada dos poderes notariais vigentes ou cópia da certificação emitida pelo secretário/a da entidade comprovativa da representação com que se atua, se a assinatura eletrónica comprovar que a pessoa assinante tem poderes suficientes para atuar em nome do ator de cooperação. c) As pessoas solicitantes podem apresentar cópias digitalizadas dos documentos em substituição das cópias autenticadas, de acordo com o previsto no artigo 35.2 da Lei 11/2007, de 22 de junho, de acesso eletrónico dos cidadãos aos serviços públicos. A sua fidelidade aos originais é garantida mediante o uso da assinatura eletrónica correspondente O órgão instrutor deve comprovar os dados e o cumprimento dos seguintes requisitos: a) Os dados identificativos da pessoa assinante. b) Os dados relativos à personalidade jurídica e à capacidade de realização da pessoa jurídica nos registos correspondentes. c) No caso de fundações, que tenham cumprido o dever de apresentação das contas anuais perante o protetorado. 19/29

20 d) No caso de fundações ou associações, se for necessário, que tenham adaptado os seus estatutos de acordo com o regime transitório previsto pela Lei 4/2008, de 24 de abril, do livro terceiro do Código Civil da Catalunha. Se o órgão instrutor, por causas alheias à sua atuação, não puder comprovar os dados e o cumprimento dos requisitos referidos, deve requerer ao ator de cooperação beneficiário, com o objetivo de que proporcione a documentação necessária no prazo de 10 dias úteis. Este requerimento será feito no mesmo trâmite de notificação da proposta provisória e requerimento da restante documentação O órgão instrutor pode pedir aos solicitantes que proporcionem a documentação complementar que considerar necessária para comprovar os dados que figurem na petição Se as pessoas propostas como beneficiárias não apresentarem o documento de aceitação e a restante documentação prevista na base 14.6 e 14.8, no prazo referido na base 14.4, será entendido que desistem da sua petição. No caso de terem apresentado uma reformulação do projeto e do orçamento, a concessão do subsídio implica a aceitação da reformulação. 15 Inadmissão e desistência 15.1 O incumprimento dos requisitos não referidos ou dos diferentes prazos de apresentação das respetivas petições estabelecidos pelas bases reguladoras específicas, em conformidade com estas bases, comporta a inadmissão da petição A falta de correção das petições apresentadas, nos casos previstos na base 8.8, no prazo de 10 dias úteis e com o requerimento prévio, comporta a desistência da petição. Também comporta a desistência da petição de subsídio a não apresentação do documento de aceitação ou da documentação requerida nos termos previstos na base Qualquer ator solicitante pode desistir expressamente da sua petição de subsídio, com anterioridade à sua concessão, apresentando um escrito de desistência e a ACCD terá que o aceitar Previamente à concessão dos subsídios, a direção da ACCD deve resolver sobre a inadmissão ou desistência das petições. Esta resolução de inadmissão ou desistência será notificada às pessoas interessadas mediante a sua publicação no Cartaz eletrónico da Administração da Generalitat (tauler.gencat.cat). Esta publicação substitui a notificação individual e tem os mesmos efeitos Contra esta resolução, que coloca fim à via administrativa, as pessoas interessadas poderão interpor, com caráter potestativo, recurso administrativo de reposição perante o mesmo órgão que a ditou, de acordo com os artigos 116 e 117 da Lei 30/1992, de 26 de 20/29

A convocatória da cooperação catalã, em 2 minutos

A convocatória da cooperação catalã, em 2 minutos A da cooperação catalã, em 2 minutos Maio 2015 A de subvenções endereçada a actores da cooperação catalã e dos países sócios, para a transformação social correspondente ao ano 2015 QUEM? O QUÊ? QUANTO?

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 1/2015/M Aprova o Regulamento

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE INVESTIMENTOS NA ÁREA DA SAÚDE DOMÍNIO DA INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO

Leia mais

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Normas de Acesso e Apoio Enquadramento A atividade de criação e programação exercida por entidades, grupos e pessoas singulares no

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POISE-20-2015-07

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POISE-20-2015-07 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POISE-20-2015-07 Apoios à Contratação Iniciativa Emprego Jovem Programa Operacional Inclusão Social e Emprego Objetivo Temático 8 - Promover a sustentabilidade

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A GRANDES PROJETOS DO DOMÍNIO DE ATUAÇÃO B: «PROMOÇÃO DOS VALORES DEMOCRÁTICOS, INCLUINDO A DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS, DOS DIREITOS DAS MINORIAS E DA LUTA CONTRA

Leia mais

Carta de São José sobre os direitos dos idosos de América Latina e Caribe

Carta de São José sobre os direitos dos idosos de América Latina e Caribe Carta de São José sobre os direitos dos idosos de América Latina e Caribe 2 Adotada na terceira Conferência regional intergovernamental sobre envelhecimento na América Latina e Caribe. San José de Costa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO E OBJETO. Artigo 1. Denominação e Regime jurídico. O Comité de Agentes do Mercado constitui-se como um órgão

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11 Sistema de Incentivos Qualificação de PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

Leia mais

EDITAL UNIFEM. Podem ser apresentados projetos de organizações da sociedade civil que cumpram os seguintes requisitos mínimos:

EDITAL UNIFEM. Podem ser apresentados projetos de organizações da sociedade civil que cumpram os seguintes requisitos mínimos: EDITAL UNIFEM 2010 O Escritório Sub-Regional do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações

Leia mais

EDITAL ONU MULHERES 2011

EDITAL ONU MULHERES 2011 EDITAL ONU MULHERES 2011 O Escritório Sub-Regional da ONU Mulheres para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações da sociedade civil a apresentarem projetos

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A GRANDES PROJETOS DO DOMÍNIO DE ATUAÇÃO A: «PARTICIPAÇÃO DAS ONG NA CONCEÇÃO E APLICAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS, A NÍVEL NACIONAL, REGIONAL E LOCAL» NO ÂMBITO DO

Leia mais

Declaração de Juventudes: Construindo um mundo de Igualdade e Direitos

Declaração de Juventudes: Construindo um mundo de Igualdade e Direitos Declaração de Juventudes: Construindo um mundo de Igualdade e Direitos As pessoas jovens, organizações e redes juvenis convocadas pela Aliança Latino- americana rumo a Cairo+20 para o Fórum de Juventudes

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768. Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:316768-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768

Leia mais

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 8 Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Republicação Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define a natureza dos apoios a nível nacional do Programa de Financiamento

Leia mais

EDP Solidária - Inclusão Social 2015 Regulamento

EDP Solidária - Inclusão Social 2015 Regulamento EDP Solidária - Inclusão Social 2015 Regulamento Artigo 1.º Do Programa EDP Solidária - Inclusão Social 1.1. A Fundação EDP, adiante designada por FEDP, no âmbito das suas atividades na área da inovação

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo específico... 3 2. A área

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PLANO DIRETOR DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 2015-2018 PARA UM PAÍS COMPROMETIDO COM A IGUALDADE DE GÉNERO E OS DIREITOS HUMANOS

PLANO DIRETOR DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 2015-2018 PARA UM PAÍS COMPROMETIDO COM A IGUALDADE DE GÉNERO E OS DIREITOS HUMANOS PLANO DIRETOR DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 2015-2018 PARA UM PAÍS COMPROMETIDO COM A IGUALDADE DE GÉNERO E OS DIREITOS HUMANOS PLANO DIRETOR DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 2015-2018 2015

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO

INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO 2015 nemaac.net facebook.com/nem.academica geral@nemaac.net Regulamento Projeto de Voluntariado Internacional InMotion 1. Definições Gerais 1.1. Geral 1.1.1. O Departamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011

PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011 PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011 EMENTA: Estabelece os procedimentos relativos ao depósito e processamento de pedidos de registro de topografia de circuito integrado no INPI. O

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009. Série. Número 16

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009. Série. Número 16 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009 Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2009 Regulamenta o programa de incentivos à contratação,

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/9 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213932-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de especialização de médico-assistente e de dentista-assistente junto dos

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS ÍNDICE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 369/XII IGUALDADE DE GÉNERO (ONGIG) APROVA O REGIME JURÍDICO DAS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS PARA A. Exposição de Motivos

PROJETO DE LEI N.º 369/XII IGUALDADE DE GÉNERO (ONGIG) APROVA O REGIME JURÍDICO DAS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS PARA A. Exposição de Motivos PROJETO DE LEI N.º 369/XII APROVA O REGIME JURÍDICO DAS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS PARA A IGUALDADE DE GÉNERO (ONGIG) Exposição de Motivos As Organizações não-governamentais para a Igualdade de Género

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS INTERNACIONALIZAÇÃO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo específico... 3 2. A área geográfica

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-45-2015-08

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-45-2015-08 AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-45-2015-08 SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Leia mais

2.c.1 Melhorar os níveis de disponibilidade de serviços públicos on-line

2.c.1 Melhorar os níveis de disponibilidade de serviços públicos on-line AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 2 Melhorar o Acesso às Tecnologias de Informação e da Comunicação, bem como a sua Utilização

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DE PROGRAMAS E PROJETOS CULTURAIS EDITAL DE DIVULGAÇÃO Nº 05, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2008 PRÊMIO ASAS

MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DE PROGRAMAS E PROJETOS CULTURAIS EDITAL DE DIVULGAÇÃO Nº 05, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2008 PRÊMIO ASAS MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DE PROGRAMAS E PROJETOS CULTURAIS EDITAL DE DIVULGAÇÃO Nº 05, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2008 PRÊMIO ASAS A União, por intermédio do Ministério da Cultura, neste ato representado

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 )

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 985/2009, de 4 de Setembro, Aprova a criação do Programa de Apoio ao Empreendimento e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE), a promover e executar pelo Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP A República de Angola, a República Federativa do Brasil, a República de Cabo Verde, a República da Guiné-Bissau,

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-46-2015-05

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-46-2015-05 AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-46-2015-05 SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Nos termos do artigo 8.º do Regulamento

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED Divulgação limitada à Entidade Adjudicante e ao autor do documento, tendo em vista proteger os dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais e industriais FORMULÁRIO

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

Programa Operacional Regional de Lisboa

Programa Operacional Regional de Lisboa AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE APROVAÇÃO CONDICIONADA - OVERBOOKING Considerando que a dotação global do Programa Operacional já está comprometida, não existindo recursos financeiros,

Leia mais

Política de Confidencialidade e Proteção de Dados Pessoais

Política de Confidencialidade e Proteção de Dados Pessoais Política de Confidencialidade e Proteção de Dados Pessoais Riesgos del Trabajo SANCOR COOPERATIVA DE SEGUROS LIMITADA e / ou qualquer das sociedades do GRUPO SANCOR SEGUROS (em diante SANCOR SEGUROS),

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio no âmbito do trabalho preparatório de medidas de conceção ecológica

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:268336-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, instalação e manutenção de 2 sistemas de armazenamento por baterias

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação O presente conjunto de normas disciplina e regulamenta a concessão de apoio

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03 AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03 SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS QUALIFICAÇÃO Nos termos do artigo 8.º do Regulamento Específico do Domínio da Competitividade

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

CRIANÇA ESPERANÇA 30 ANOS

CRIANÇA ESPERANÇA 30 ANOS CRIANÇA ESPERANÇA 30 ANOS CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROCESSO SELETIVO 2015 Março/2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. DAS ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS PARA APOIO... 3 2. DOS TIPOS DE PROJETO QUE

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A PEQUENOS PROJETOS DO DOMÍNIO DE ATUAÇÃO C: «REFORÇO DA EFICÁCIA DA AÇÃO DAS ONG»

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A PEQUENOS PROJETOS DO DOMÍNIO DE ATUAÇÃO C: «REFORÇO DA EFICÁCIA DA AÇÃO DAS ONG» AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A PEQUENOS PROJETOS DO DOMÍNIO DE ATUAÇÃO C: «REFORÇO DA EFICÁCIA DA AÇÃO DAS ONG» NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA A aplicação em Portugal do Fundo para as

Leia mais

Sumário PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SOCIAL... 2 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 2

Sumário PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SOCIAL... 2 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 2 Sumário PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SOCIAL... 2 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 2 PLANO DE ATENDIMENTO AO ALUNO BOLSITA 2014 BOLSA DE ESTUDO... 2 Capítulo I DA NATUREZA... 2 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

REGULAMENTO DE RECRUTAMENTO DE PESSOAL

REGULAMENTO DE RECRUTAMENTO DE PESSOAL REGULAMENTO DE RECRUTAMENTO DE PESSOAL Artigo 1. o (Recrutamento e selecção) 1. O recrutamento de pessoal consiste no conjunto de acções destinadas a pôr à disposição da AMCM os meios humanos necessários

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2014/2247(INI) 18.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a política de coesão e as comunidades marginalizadas (2014/2247(INI)) Comissão do Desenvolvimento

Leia mais

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CARTA DE SERVIÇO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO I. Identificação da Instituição Tribunal Administrativo II. Missão Garantir a justiça administrativa, fiscal e aduaneira ao cidadão,

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 ÂMBITO 1. O presente Regulamento, submetido à aprovação da Fundação

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Alteração ao Regulamento Municipal para Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Público Artigo 1.º Alteração à denominação do Regulamento É alterado o título do Regulamento que passa

Leia mais

Estatuto do Bolseiro de Investigação

Estatuto do Bolseiro de Investigação Estatuto do Bolseiro de Investigação O Estatuto do Bolseiro de Investigação foi aprovado pela Lei nº 40/2004, de 18 de agosto, alterada e republicada pelo Decreto- Lei n.º 202/2012, de 27 de agosto. O

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CONCURSO E SEU OBJETIVO

REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CONCURSO E SEU OBJETIVO 1 CONCURSO LOGOMARCA E SLOGAN PARA O PROGRAMA DE INCORPORAÇÃO DAS DIMENSÕES DE IGUALDADE DE GÊNERO, RACIAL E ÉTNICA NAS POLITICAS DE REDUÇÃO DA POBREZA. A PRIMEIRA FASE DO PROGRAMA SERÁ DESENVOLVIDA EM

Leia mais

PROCEDIMENTO CONCURSAL COM VISTA AO EXERCÍCIO DE FUNÇÕES DOCENTES NO PROJETO CENTROS DE APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO ESCOLAR

PROCEDIMENTO CONCURSAL COM VISTA AO EXERCÍCIO DE FUNÇÕES DOCENTES NO PROJETO CENTROS DE APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO ESCOLAR PROCEDIMENTO CONCURSAL COM VISTA AO EXERCÍCIO DE FUNÇÕES DOCENTES NO PROJETO CENTROS DE APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO ESCOLAR No âmbito do Protocolo de Cooperação celebrado entre a República Portuguesa e a República

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I MANUAL I LOCAÇÃO OU AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende disponibilizar informação básica para que as unidades

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa

da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:145006-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:145006-2013:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:145006-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de formação profissional no domínio da vigilância, do combate a incêndios,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de outubro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 191/2015 Regulamenta o Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I Alterada pela Resolução CNAS nº 3, de 13 de fevereiro de 2001 Regras e critérios para a concessão ou renovação do Certificado de Entidade

Leia mais

BOLSAS DA FUNDACIÓN IBERDROLA. Chamada para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha

BOLSAS DA FUNDACIÓN IBERDROLA. Chamada para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha BOLSAS DA FUNDACIÓN IBERDROLA Chamada para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha Fevereiro de 2015 1 1. Apresentação O Grupo IBERDROLA quer reforçar a sua contribuição para a melhoria

Leia mais

5232 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 194 18 de Agosto de 2004 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 5. o

5232 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 194 18 de Agosto de 2004 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 5. o 5232 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 194 18 de Agosto de 2004 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n. o 38/2004 de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção, habilitação, reabilitação

Leia mais

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE Nos termos da al. c) n.º 4 do artigo 3.º do decreto-lei n.º 84/2012, de 30 de março, são atribuições do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social,

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Preâmbulo O Instituto Politécnico de Viana do Castelo, doravante designado IPVC, considera que a proteção e valorização dos direitos intangíveis resultado

Leia mais

Concurso SCM 01/2010

Concurso SCM 01/2010 PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS Concurso SCM 01/2010 SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto do concurso e Local de Prestação de Serviços 1- O presente concurso tem por objecto a celebração de um contrato

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio [Denominação legal da entidade de envio e código Erasmus, se aplicável]

Leia mais

Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas. Preâmbulo. A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do

Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas. Preâmbulo. A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e garantir a todos os cidadãos

Leia mais

(MADEIRA 14-20) 121. Preparação, execução, acompanhamento e inspeção 122. Avaliação e estudos 123. Informação e comunicação

(MADEIRA 14-20) 121. Preparação, execução, acompanhamento e inspeção 122. Avaliação e estudos 123. Informação e comunicação AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 12 Assistência Técnica PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) AT.1 Assistência Técnica - FEDER OBJETIVO

Leia mais