Microterminais T E D - COLLETER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microterminais T E D - COLLETER"

Transcrição

1 Microterminais T E D - COLLETER 1 - Apresentação _ Os Microterminais COLLETER fixos e portáteis, interface IP cabeada ( Ethernet ) e wireless ( Wi-Fi ), destinam-se à operações ( servidor / cliente ) de apontamento, supervisão e consulta de dados em rede online e tempo real, distribuídos no chão de fábrica e em pontos de controle de fluxo de materiais ( expedição, estoque, transporte ). São extremamente robustos e compactos para utilização em locais e ambientes não apropriados aos microcomputadores, tablets, smarts usuais e para serem manuseados por operadores de qualquer nível de especialidade. Realizam: Captura de dados _ através de seu teclado numérico ou alfanumérico ( relegendáveis ), através da leitura de código de barras via leitores externos tipo pistola ( Laser / CCD ) conectados à sua interface específica, ou leitor interno ( embutido ao seu gabinete ) e através de leitura de balanças. Consulta de dados _ através de mensagens em seu display LCD ( 2 a 8 linhas ) e impressão em impressoras de cupom conectadas à interface serial específica. Os novos modelos ( versões ) homologados para operar com os sistemas ERP Parceiros ( SENIOR, TOTVS e outros ) possuem novo software / sistema operacional auxiliar multitarefas, denominado TED-CPM para a programação das tarefas dos Microterminais TED. O TED-CPM oferece ao usuário um ambiente de programação descomplicado, gerando conteúdo ( escrita em display / impressora, leitura de teclado / leitor cód. barras / balança ) de forma simples e rápida, através de arquivos Script formato texto, de comandos XML, permitindo a transmissão dos dados para os sistema ERP Parceiros Servidor via "requisições http". As versões IP - Ethernet e Wi-Fi possuem configuração extremamente simples, podendo ser realizadas em seu próprio teclado. O terminal pode ser utilizado com dhcp e IP dinâmico ou então com IP fixo. De ambas as formas, o terminal consegue localizar o IP do microcomputador servidor automaticamente, o que já elimina a necessidade de uma configuração adicional e local específica para isto. Os modelos padrão TED versões atuais também podem ser utilizados e programados pelos recursos abaixo: _ Bibliotecas de Vínculo Dinâmico (DLL) - com completa lista de funções prontas, comportamentais e de comunicação, à qualquer aplicação VB, Delphi, C#, Dataflex,.NET e demais linguagens do mercado. _ Funções HTTP para operação em rede local - INTRANET; _ Protocólo TELNET - padrão terminal VT-100; _ Driver Java disponível para Windows, Linux, Solaris e OSx. Caso seja de sua preferência, para baixar os folders, programas, manuais, exemplos, emuladores, vídeos de apresentação dos recursos acima, favor visitar que lá encontrará material específico para cada modelo de Microterminal. Vamos agora entrar na descrição do produto. Agradecemos sua escolha por nossos produtos e esperamos poder fornecer todo o suporte necessário no apoio desta parceira de desenvolvimento. 1

2 2 - Ligando o terminal _ Mova para a direita a chavinha liga/desliga localizada no painel traseiro / inferior do equipamento. Importante: Quando adquirido, o terminal é enviado com uma fonte chaveada 5V / 1A automática 110/200V original. Nunca utilize fontes não autorizadas. 3 - Configurações iniciais _ - Configuração de IP _ Primeiramente você deve configurar o endereço IP do Microterminal colocando um valor que esteja dentro da faixa de IPs de sua rede local. Para gravar o IP do TED1000 através do teclado, ligue o microterminal mantendo a tecla 1 pressionada. Fazendo isto, vai aparecer no display uma mensagem do tipo : Digite o IP: Você deve então digitar o novo endereço IP a ser gravado no terminal, separando os grupos por pontos e sempre digitando 3 dígitos. Por exemplo, para gravar o IP você deverá digitar o seguinte: e pressionar <E>. Feita a gravação do IP, você já pode testar a comunicação do microterminal em sua rede com o programa de testes da Colleter. Para fazer isto, execute o programa Tstetcol.exe, forneça o IP do TED no campo de texto e clique em Abre endereço IP. Depois, se você digitar um número qualquer e pressionar <E> no microterminal, o dado digitado vai aparecer no formulário do programa e será retornada a mensagem Recebido-Canal0 no display do TED. Não é necessária mais nenhuma configuração de rede adicional. Uma vez configurado o IP, o sistema irá localizar o microterminal e se conectar com ele automaticamente. - Teclas especiais _ O teclado possui 3 teclas de função (F1, F2 e F3) que podem ser configuradas via software. Além das teclas de função, a tecla C tem a função de backspace // delete, e serve para deletar teclas digitadas, com a finalidade de corrigir erros de digitação antes da transmissão. A tecla Enter tem a função de transmitir os dados digitados para o computador. - Ligação do cabo de rede _ Conecte seu microterminal a um Hub ou Switch de rede ethernet utilizando um cabo padrão de rede (azul Cat5) ou então com um cabo cross over. O conector de rede RJ45 deve estar crimpado com todas as vias e deve ser encaixado onde está marcado comunicação, no painel traseiro do equipamento. - Ligação do leitor de código de barras externo _ Você pode ligar um leitor de código de barras externo modelo PS2 no microterminal Colleter. Para isso, encaixe o leitor no conector do painel traseiro, onde está escrito PS2. 2

3 4 TED-CPM Apresentação e configurações iniciais _ TED-CPM é um software / S.O. auxiliar que permite que a programação dos terminais TED seja toda feita através de arquivos texto xml. Um manual completo de programação com descrição detalhada de todos os comandos (tags) doted-cpm pode ser baixado no seguinte link: O presente manual é apenas um guia prático e sequencial dos passos necessários para o desenvolvimento, detalhando e ilustrando estes passos com exemplos de arquivos XML, com o objetivo de facilitar o início de seu desenvolvimento. TED-CPM - Planejando e programando os terminais da rede: O Número máximo de microterminais controlados peloted-cpm é limitado apenas pela máscara de rede Ethernet. Sendo a máscara padrão , o número máximo de terminais que podem ser colocados em rede é, em teoria, 255. No entanto, para não haver degradação de performance durante a coleta de dados, recomendamos um número máximo de 128 microterminais na mesma rede. Todos os microterminais devem estar previamente configurados com um IP estático que esteja na faixa da sua rede. Para verificar como configurar o IP do terminal, consulte o tópico configuração de IP, na página 2 deste manual. Executando um script com o TED-CPM: Para executar um script com oted-cpm, você deve executar o script com uma linha de comando semelhante a linha abaixo: java -Xmx1024m -XX:MaxPermSize=256m -jar cpm jar exemplo.xml A linha acima executa oted-cpm e chama o arquivo script de nome exemplo.xml. OBS: Para facilitar a chamada, você pode colocar a linha num arquivo.bat do DOS e chamar o arquivo bat, em vez de digitar o comando java completo toda vez que for usar um script. Iniciando o desenvolvimento do script xml para o TED-CPM: Você pode desenvolver o arquivo XML em um editor de textos qualquer de sua preferência. Neste manual, vamos utilizar e sugerir o bloco de notas do Windows. Todo script XML deverá sempre começar com a seguinte linha: (linha obrigatória) Depois da linha obrigatória, você precisa definir um nome para o projeto, para o programa e para a sessão, bem como definir o datasource e o host. Um projeto pode conter um ou mais programas e sessões. Projeto: é um nome para o script inteiro (nome do projeto). Programa: Os programas são como se fossem os executáveis que os terminais vão rodar. É possível rodar programas diferentes, um para cada terminal, ou então rodar o mesmo programa em todos os terminais. Sessões: As sessões são como rotinas menores dentro dos programas que são executadas pelos terminais durante a execução doted-cpm. É possível, também, fazer com que cada terminal desvie a lógica para uma sessão específica, ou então que todos os terminais executem sempre a mesma sessão. Datasource: É apenas um nome de batismo para uma fonte de dados externa para a qual serão transmitidos os dados coletados. Todas as informações coletadas deverão ser transmitidas para um computador servidor através de uma requisição http. O datasource é apenas um nome de referência para este computador servidor. Host: É o endereço url que aponta para o datasource. O url do host pode ser formado por um IP ou por uma url www tipo dns (por exemplo: ou então ) Definidos os nomes do projeto, programa, sessão, datasource e o endereço do host, o início de seu arquivo XML deverá ficar como no exemplo abaixo: (linha obrigatória) (define o nome do projeto como projeto ) (batiza de server a fonte de dados http externa) (define o endereço do datasource) <program name="programa1" datasource="server"> (batiza o programa de programa1 ) (batiza a sessão inicial com o nome de menu ) 3

4 Iniciando a colocação de comandos ( tags ) na primeira sessão: Em todo programa script XML, você irá utilizar comandos, que também chamamos de tags.o detalhamento de todas as tags de comando pode ser encontrado no manual de programação doted-cpm. Num primeiro exemplo, vamos mostrar uma sessão de script contendo as tags say e store. A tag say serve para mostrar uma frase no display do terminal. A tag store serve para armazenar o conteúdo de uma digitação em uma variável. Todo script doted-cpm deve conter pelo menos uma sessão. Ao adicionarmos outras sessões, é possível fazer com que a lógica da execução desvie para elas pressionando F1, F2 ou F3, mas a sessão inicial precisa sempre existir. O local de desvio da execução pelo pressionamento das funções é apontado no script pelo parâmetro hotkey, conforme o exemplo abaixo. <program name="programa1" datasource="server"> (início da sessão de menu) (aguarda o pressionamento do F1) (se o F1 for pressionado, o programa pula para esta linha) OBS: O atributo K_F1 do hotkey pode variar até K_F12, prevendo 12 teclas de função. No entanto, lembre-se que o microterminal TED com teclado numérico tem apenas 3 teclas de função: F1, F2 e F3. Coletando dados em uma sessão : Como vimos no xml anterior, as tags say e store tem a serguinte função: Say: faz com que uma mensagem de texto apareça no display Store: Aguarda uma digitação e armazena o valor digitado numa variável específica. Os dados coletados ficam armazenados temporariamente em memória numa região denominada datalist. Você pode criar uma variável no próprio comando store e armazenar nela o valor digitado no tecladinho do terminal. Por exemplo, para fazer com que o TED peça para ser digitado um Código, acrescente em nosso programa exemplo a seguinte linha (abaixo, em azul): <program name="programa1" datasource="server"> <say store="c">codigo:</say> ( esta linha coloca a palavra Código no display do TED e aguarda a digitação. Depois de digitar um número e pressionar o enter, o dado será armazenado na variável c ) Se você quiser acrescentar mais um passo na coleta (por exemplo, fazer com que o TED peça Quantidade depois de pedir o Código ), basta acrescentar mais uma linha say store, como a linha abaixo: <say store="q">quantidade:</say> (Esta linha faz o TED pedir Quantidade, armazenando a digitação em q ) 4

5 Acrescentando mais um passo: solicitando valor : Para fazer com que o TED peça valor depois da quantidade, basta acrescentar a linha: <say store="v">valor:</say> (Esta linha faz o TED pedir Quantidade, armazenando a digitação em q ) O exemplo com 3 passos ficaria assim: <program name="programa1" datasource="server"> <say store="c">codigo:</say> ( Exibe Código e armazena em c ) <say store="q">quantidade:</say> ( Exibe Quantidade e armazena em c ) <say store="v">valor:</say> ( Exibe Valor e armazena em v ) No manual completo doted-cpm você encontrará detalhes sobre a função de todas as Tags doted-cpm. Veja aqui alguns exemplos de TAGs que podem ser usadas dentro do arquivo XML doted-cpm: <datasource> - define um nome para a base de dados externas que receberá dados via http <say> - mostra dados no display do terminal <store> - lê o teclado do terminal e armazena a digitação numa variável <jump> - faz desvios condicionais na lógica doted-cpm <host> - define o endereço IP do computador servidor <terminal> - define um IP, um nome de batismo para um terminal e um programa que ele irá executar <session> - define uma sessão a ser executada em loop dentro do arquivo xml <clear> - apaga o display do terminal Transmitindo os dados coletados via http e recebendo o retorno: Para transmitir as variáveis coletadas numa requisição http e receber o retorno, você deve chamar o comando get passando como parâmentro o complemento necessário para formar o caminho do http da chamada. O comando get serve para enviar variáveis para o computador servidor via chamada http, recebendo o retorno numa variável qualquer. Vamos exemplificar este envio de variáveis, colocando o retorno dentro de uma variável que, em nosso exemplo, chamaremos de ret (retorno): - Suponha que o servidor esteja no endereço e você queira transmitir as variáveis formando a seguinte URL: > Neste exemplo, 1234 corresponde à digitação feita no TED quando ele pediu o prompt Código:. A digitação foi armazenada em c, por isso, ao transmitir, o final da URL indica c/1234. Para fazer a transmissão, basta acrescentar a linha do comando get abaixo: <program name="programa" datasource="server"> <say store="opcao">[f1] - [F2]</say> <say store="a">codigo:</say> Transmite <say wait="1" get="db.ret"/> Faz pausa de 1 segundo mostra no display o retorno ret vindo do servidor. 5

6 O exemplo em Delphi abaixo ilustra um servidor http feito com o componente Indy retornando uma mensagem para oted-cpm. Note que o retorno precisa estar no formato JSON, ou seja: {variável:conteúdo, variável2:conteúdo2,... } Exemplo válido de retorno feito com o componente Indy no Delphi:: if (pos ('13579',stringrecebida)<>0) then resposta:='{"ret":"chocolate"}'; if (pos ('24680',stringrecebida)<>0) then resposta:='{"ret":"biscoito"}'; aresponseinfo.contenttext:=resposta; // com este exemplo Delphi, o PC servidor irá retornar para oted-cpm ret=chocolate ou ret=biscoito, // dependendo se foi digitado ou no tecladinho do TED Obs: Você também pode transmitir os parâmetros na chamada http no formato query. O formato query é só um jeito diferente de você transmitir as variáveis. Por exemplo: Formato http padrão: Formato query Na linha acima, a entidade &amp é apenas um substituto para o caracter & que não pode ser utilizado por ser caracter reservado no TED-CPM. O &amp substitui o caracter &. Para transmitir os dados no formato query, utilize um datasource tipo http e acrescente o atributo <host params="query">, conforme mostrado no exemplo abaixo: <project name="integracao-sapiens"> <datasource name="datasource-sapiens" type="http"> <host params="query"> Define o formato de transmissão query rte&senusu=suporte& </host> <program name="programa-exemplo datasource="datasource-sapiens"> <session name="session_responder" hotkey="k_f1"> <say beep="1" store="val1">valor:</say> Toca um bip, pede valor e armazena em val1 <get ns="ds" url="proxacao=sid.srv.regra&numreg=1" /> <say wait="1" get="ds.retorno" /> Transmite para o servidor no formato query <terminal ip=" " name="terminal1" program="test-program" model="colleter_tc100"/> Fazendo desvios condicionais na lógica do xml: Você pode fazer desvios condicionais na lógica do arquivo xml utilizando a tag jump e os operadores lógicos de comparação, conforme o exemplo abaixo:... <session name="sessao2" hotkey="k_f2"> <say store="d">cod Tarefa:</say> <say store="e">finalizada?</say> 6

7 <jump to="d">e eq 0</jump> Salta para a linha do store d se e for igual a zero <jump to="e">e ne 1</jump> Salta para a linha do e se e for diferente de 1 <say store="f">cod Motivo:</say>... Os operadores lógicos de comparação implementados são os seguintes: ne Diferente (not equal) eq Igual (equal) lt Menor que (less than) gt Maior que (great than) le Menor ou igual (less or equal) ge Maior ou igual (great or equal) Carregando programas completos xml para serem executados por terminais: Agora que vimos como solicitar digitações, como comparar e transmitir variáveis recebendo de volta o retorno do http, estamos em condições de mostrar como carregar scripts completos nos terminais. É possível carregar um único programa para todos os terminais ou então fazer com que os terminais executem programas diferentes. No exemplo abaixo (já completo), mostramos como carregar o programa1 num terminal de IP e como carregar o programa2 num terminal de IP : <program name="programa1" datasource="server"> <say store="c">codigo:</say> <say store="q">quantidade:</say> <program name="programa2" datasource="server"> <say store="t">tamanho:</say> <say store="r">cor:</say> <terminal ip=" " name="term2" program="programa2" model="colleter_tc100" /> O script xml que acabamos de ver irá carregar o programa1 (em azul) no terminal e o programa2 (em verde) no terminal Se você quisesse que os dois terminais executassem o programa1, então bastaria mudar a linha verde final, que ficaria assim: <terminal ip=" " name="term2" program="programa1" model="colleter_tc100" /> Desta forma, os dois terminais iriam executar o programa1. Para acrescentar mais terminais na rede, bastaria acrescentar mais linhas no final, como por exemplo: <terminal ip=" " name="term2" program="programa2" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term3" program="programa1" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term4" program="programa2" model="colleter_tc100" /> 7

8 Note que os terminais deverão já estar com os IPs previamente gravados, conforme indicado na seção configuração de IP, na página 2 deste manual. Vamos ver agora alguns exemplos completos de scritps XML para oted-cpm: Exemplo1: Dois terminais efetuando a mesma tarefa e coletando 3 variáveis: Define o nome do projeto Define um nome para o datasource Define o endereço url do micro servidor <program name="programa" datasource="server"> Define o nome do programa <say store="opcao">tecle F1</say> Pede para teclar F1 Ao teclar F1, entra no loop <say store="c">codigo:</say> pedindo código, quantidade e tipo, <say store="q">quantidade:</say> armazenando em c, q e t. <say store="t">tipo:</say> <say wait="1" get="db.ret"/> Transmite as variáveis coletadas para o servidor e pega o retorno que voltar, armazenando na variável ret <terminal ip=" " name="term1" program="programa" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term2" program="programa" model="colleter_tc100" /> Faz com que 2 terminais executem o mesmo programa Exemplo2: Três terminais, sendo que os dois primeiros executam a mesma tarefa coletando 2 variáveis e o terceiro terminal executa outra tarefa, coletando 3 variáveis. Define o nome do projeto Define um nome para o datasource Define o endereço URL do servidor <program name="programa1" datasource="server"> Define o nome do programa1 Pede para teclar F1 Ao teclar F1, a lógica pula para este loop <say store="p">peso:</say> que solicita Peso e Tipo <say store="t">tipo:</say> armazenando o resultado em p e t <say wait="1" get="db.ret"/> Transmite as variáveis coletadas e recebe o retorno que vier do servidor, armazenando em ret <program name="programa2" datasource="server"> Define o nome do programa2 <session name="menu2"> Pede para teclar F1 <session name="sessao2" hotkey="k_f1"> <say store="m">material:</say> <say store="a">aspecto:</say> <say store="f">formato:</say> Ao teclar F1, a lógica pula para este loop que solicita a digitação de 3 dados: Material, Aspecto e Formato, armazenando o resultado em m, a e f. 8

9 <say wait="1" get="db.ret2"/> Transmite os dados coletados para o PC servidor e pega o retorno vindo do servidor armazenando-o em ret2 <terminal ip=" " name="term2" program="programa1" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term3" program="programa2" model="colleter_tc100" /> Faz os 2 primeiros terminais executarem o programa1 e o terceiro terminal executar o programa 2 Exemplo3: Quatro terminais, onde dois executam o programa 1 e os outros 2 executem, respectivamente, os programas 2 e 3. As variáveis são diferentes em cada programa. Define o nome do projeto Define o endereço URL do computador servidor <program name="programa1" datasource="server"> Define o nome do primeiro programa <say store="m">material:</say> <say store="p">peso:</say> <say wait="1" get="db.ret"/> <jump to="m"> p lt 100 </jump> <say>peso Excessivo</say> Se for pressionado F1, entra neste loop pedindo material e peso Se o peso for maior do que 100, exibe uma mensagem de Peso Excessivo no display e volta para o loop <program name="programa2" datasource="server"> <session name="menu2"> Define o nome do segundo programa Se for pressionado F1, entra nesse loop <say store="c">cor:</say> pedindo p/ digitar Código, Aspecto e Formato <say store="a">aspecto:</say> <say store="f">formato:</say> Transmite os dados coletados p/ o servidor, <say wait="1" get="db.ret2"/> colocando o retorno que voltar na variável ret2 <program name="programa3" datasource="server"> <session name="menu3"> Define o nome do terceiro programa <session name="sessao3" hotkey="k_f1"> <say store="c">tipo:</say> <say store="a">validade:</say> <say wait="1" get="db.ret3"/> Se pressionado F1, pula para este loop que solicita a digitação do Tipo e da Validade Transmite os dados coletados p/ o servidor, colocando o retorno que voltar na variável ret3 <terminal ip=" " name="term2" program="programa1" model="colleter_tc100" /> 9

10 <terminal ip=" " name="term3" program="programa2" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term4" program="programa3" model="colleter_tc100" /> Faz com que os terminais 1 e 2 executem o programa 1 e os terminais 3 e 4 executem o programa 2 e 3, respectivamente. Exemplo4: Quatro terminais, cada um executando uma tarefa diferente, com váriáveis diferentes. Define o nome do datasource Define o endereço URL do servidor <program name="programa1" datasource="server"> Define o nome do programa1 <session name="sessao1"> <say store="m">comanda:</say> Pede para digitar Comanda e, em seguida armazena o resultado em m. <say wait="1" get="db.ret"/> Transmite o dado coletado para o servidor e armazena o retorno na variável ret <program name="programa2" datasource="server"> Define o nome do programa 2 <session name="sessao2"> <say store="c">codigo:</say> Pede para digitar Código e Sabor, armazenando <say store="s">sabor:</say> as digitações em c e s, respectivamente. <say wait="1" get="db.ret2"/> Transmite os dados para o servidor e armazena o retorno na variável ret2 <program name="programa3" datasource="server"> Define o nome do programa3 <session name="sessao3"> <say store="p">peso:</say> Pede para digitar Peso e armazena em c. <say wait="1" get="db.ret3"/> Transmite o peso para o servidor e armazena o retorno na variável ret3 <program name="programa4" datasource="server"> Define o nome do programa4 <session name="sessao4"> <say>nota</say> <say store="np">paulista CPF:</say> Solicita Nota Paulista e aguarda digitação do CPF Transmite para o servidor e armazena <say wait="1" get="db.ret4"/> o retorno na variável ret4 <terminal ip=" " name="term2" program="programa2" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term3" program="programa3" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term4" program="programa4" model="colleter_tc100" /> Faz com que cada um dos 4 terminais execute um programa diferente (1, 2, 3 ou 4). Operadores aritméticos no script xml: Você pode utilizar com as variáveis do script os seguintes operadores aritméticos: + Soma - Subtração * Multiplicação / Divisão 10

11 Exemplo de utilização: <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <project name="calc_project"> <terminal name="terminal1" ip=" " model="colleter_tc100" program="calc_program"/> <program name="calc_program"> (carrega o programa calc_program xml no TED de ip ) <session name="main"> <say store="a">a:</say> (pede para digitar um valor no TED e armazena em a ) <store name="b">10</store> (cria uma variável b e atribui para ela o valor 10) <calc store="c">a*b</calc> (multiplica a x b, colocando o valor na variável c ) <say get="c">a*10=</say> (mostra no display do TED o resultado da multiplicação) Apêndice: Exemplos completos comentados: Agora que temos todo o conhecimento sequencial necessário para desenvolver um arquivo XML para oted-cpm, vamos mostrar alguns programas XML completos, comentados linha a linha. Os comentários estão em azul: Programa 2tarefas.xml: Carrega 2 tarefas diferentes para 2 TEDs, utilizando um único programa: (linha obrigatória) (define o nome do projeto) (batiza de server o datasource para transmissão http) (define o endereço url do datasource externo) <program name="programa" datasource="server"> (batiza o programa com o nome programa ) (cria uma sessão inicial chamada de menu ) <say store="opcao">[f1] [F2]</say> (pede para digitar F1 ou F2 no TED) <say store="c">codigo:</say> <say store="q">quantidade:</say> <session name="sessao2" hotkey="k_f2"> <say store="d">cod Tarefa:</say> <say store="e">finalizada?</say> <jump to="d">e eq 0</jump> <jump to="e">e ne 1</jump> <say store="f">cod Motivo:</say> (se pressionado F1, o TED pula para esta sessão1) (pede código e armazena a digitação em c ) (pede Quantidade e armazena em q ) (se pressionado F2, o TED pula para esta sessão2) (pede Cod Tarefa e armazena em d ) (pergunta se foi finalizada e armazena 0 ou 1 em e ) (se e=0, então pula para d e pede novo Cod Tarefa) (se e<>1, volta para e Finalizada?, forçando 0 ou 1 para e ) (chega aqui se e=1 [não finalizada]. Pergunta o motivo e armazena o motivo em f ) <terminal ip=" " name="term1" program="programa" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term2" program="programa" model="colleter_tc100" /> (as duas linhas de cima executam o mesmo programa para os dois TEDs de IP e ) (fim do projeto) Programa 2programas.xml: Carrega 2 tarefas diferentes para 2 TEDs, utilizando um único programa: (linha obrigatória) (batiza o projeto de projeto ) (batiza o datasource destino para o http de server ) (define o url do datasource como sendo , port80) 11

12 <program name="programa1" datasource="server"> (batiza o 1o programa de programa1) (faz um menu no programa1 e pede para pressionar F1) (pula para cá quando pressionado F1 no programa1) <say store="c">codigo:</say> (pede Código e armazena em c ) <say store="q">quantidade:</say> (pede Quantidade e armazena em q ) (fim da sessão volta em loop para pedir o Código ) <program name="programa2" datasource="server"> (batiza o 2o programa de progama2) (faz um menu no programa2 e pede para pressionar F1) (pula para cá quando pressionado F1 no programa2) <say store="t">tamanho:</say> (pergunta Tamanho e armazena em T ) <say store="r">cor:</say> (pergunta Cor e armazena em R ) (fim da sessão volta em loop para pedir Tamanho <terminal ip=" " name="term2" program="programa2" model="colleter_tc100" /> (As 2 linhas de cima executam o programa1 no TED e o programa2 no TED ) (fim do projeto) Programa testaretorno.xml: transmite variáveis via requisição http para o computador servidor (datasource) e recebe o retorno. (linha obrigatória) (batiza o projeto de projeto ) (batiza o servidor de destino http de datasource= server ) (define o url do datasource servidor, destino das chamadas http) <program name="programa" datasource="server"> (batiza o programa de programa ) <say store="opcao">digite [F1] </say> (faz um menu no display do TED pedindo para teclar F1) (se pressionado F1, cai nessa sessão = sessão1) <say store="a">codigo:</say> (pede digitação de Codigo e armazena em a ) ( transmite a para o servidor http do datasource, com a requisição conteuúdo do valor digitado e recebe um retorno no formato json.por ex.: {"ret":"leite Ninho"} ) <say wait="1" get="db.ret"/> (Faz pausa de 1 segundo e mostra no display a variável ret retornada cujo conteúdo é - por exemplo - Leite Ninho ) (fim da sessão volta em loop para pedir novamente o Código ) (fim de programa) <terminal ip=" " name="term1" program="programa" model="colleter_tc100" /> (a linha acima executa o programa 1 no terminal de IP ) (fim de projeto) 12

13 Programa condicional.xml: faz um desvio condicional, dependendo do valor de uma variável (linha obrigatória) (batiza o projeto de projeto ) (batiza o datasource destino para o http de server ) (define a url do servidor como sendo port 80) <program name="programa" datasource="server"> (batiza o programa de programa ) (inicia uma sessão 1, pedindo para digitarmos F1) <say store="opcao">digite F1</say> (se pressionado F1, pula para a sessão 1) <say store="r">rg:</say> (Pede o RG e armazena o resultado em r ) <say store="i">idade:</say> (Pergunta Idade e armazena em i ) <jump to="r"> i gt 17 </jump> (Se i for maior que 17, volta para coletar mais um RG) <say>menor de Idade!</say> (se i for menor ou igual a 17, mostra alerta Menor de Idade ) <say store="s">rg do resp:</say> (pede para digitar o RG do responsável) (fim da sessão volta em loop para pedir um novo RG) <terminal ip=" " name="term1" program="programa" model="colleter_tc100" /> <terminal ip=" " name="term2" program="programa" model="colleter_tc100" /> (as 2 linhas acima carregam o mesmo programa nos TEDs e ) (fim de projeto) 13

Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet

Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet Indice: Configurações iniciais...2 Configuração de IP...2 Teclas especiais...2 Cabo de rede...2 Programação...3 Abrindo a comunicação (abreip)...3 Enviando

Leia mais

SOFTWARE VIAWEB. Como instalar o Software VIAWEB

SOFTWARE VIAWEB. Como instalar o Software VIAWEB SOFTWARE VIAWEB Como instalar o Software VIAWEB O Software VIAWEB é na verdade um receptor de eventos. A única diferença é que os eventos são recebidos via INTERNET. Portanto, a empresa de monitoramento

Leia mais

1.0 Informações de hardware

1.0 Informações de hardware 1.0 Informações de hardware 1.1 Botões e ligações 6 1 7 2 8 3 9 4 5 6 10 1 Ligar / Desligar 2 Conetor Micro USB 3 Botão Voltar 4 Conetor Mini HDMI 5 Microfone 6 Webcam 7 Entrada para fone de ouvido 8 Botão

Leia mais

IBRX Sistemas Eletrônicos. Manual técnico. Configuração: IBRX Módulo portão Rev 020216 2. O IBRX Portão funciona em 4 tipos de conexão:

IBRX Sistemas Eletrônicos. Manual técnico. Configuração: IBRX Módulo portão Rev 020216 2. O IBRX Portão funciona em 4 tipos de conexão: IBRX Portão IBRX Módulo portão Rev 020216 2 Manual técnico O IBRX Portão funciona em 4 tipos de conexão: Servidor Cliente Online DHCP Cliente Online Cliente Offline Modo Servidor: Neste modo o módulo cria

Leia mais

Passos para a instalação

Passos para a instalação Manual de Instalação da Comanda Eletrônica Arquivos para instalação no computador.net Framework 3.5 ActiveSync (programa que vem junto com o Pocket que faz a integração do aparelho com o computador do

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE

MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO O procedimento de instalação do SAT (Dimep) é bastantes simples, para equipamentos Dimep basta seguir as etapas abaixo. 1. Instalação do

Leia mais

MS1122 v3.0 Instalação e Considerações Importantes

MS1122 v3.0 Instalação e Considerações Importantes MS1122 v3.0 Instalação e Considerações Importantes O conteúdo deste documento é destinado a quem já possui algum conhecimento e deseja utilizar algumas REDEs comerciais disponíveis... V3.0 R2 Operadoras

Leia mais

Configuração para Uso do Tablet no GigaChef e Outros Dispositivos

Configuração para Uso do Tablet no GigaChef e Outros Dispositivos Configuração para Uso do Tablet no GigaChef e Outros Dispositivos Birigui SP Setembro - 2013 1. Configurando o Ambiente. Este documento mostra como configurar o ambiente do GigaChef para usar o Tablet

Leia mais

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede.

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

APOSTILA DE INFORMÁTICA INTERNET E E-MAIL

APOSTILA DE INFORMÁTICA INTERNET E E-MAIL APOSTILA DE INFORMÁTICA INTERNET E E-MAIL Profa Responsável Fabiana P. Masson Caravieri Colaboração Empresa Júnior da Fatec Jales Monitora: Ângela Lopes Manente SUMÁRIO 1. INTERNET... 3 2. ACESSANDO A

Leia mais

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto Lógica de Programação Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto O curso Técnico em Informática É o profissional que desenvolve e opera sistemas, aplicações, interfaces gráficas; monta estruturas

Leia mais

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas ,QVWDODomR 5HTXLVLWRV0tQLPRV Para a instalação do software 0RQLWXV, é necessário: - Processador 333 MHz ou superior (700 MHz Recomendado); - 128 MB ou mais de Memória RAM; - 150 MB de espaço disponível

Leia mais

OI CLOUD SEJA BEM-VINDO!

OI CLOUD SEJA BEM-VINDO! OI CLOUD SEJA BEM-VINDO! O QUE É O OI CLOUD? O Oi Cloud é um serviço de armazenamento, compartilhamento e sincronização de arquivos. Esses arquivos ficarão acessíveis a partir de qualquer dispositivo,

Leia mais

PROCEDIMENTO INSTALAÇÃO SINAI ALUGUEL

PROCEDIMENTO INSTALAÇÃO SINAI ALUGUEL 1º Passo: Baixar o arquivo http://www.sinaisistemaimobiliario.com.br/instalar/instalador_aluguel.rar. 2º Passo: No SERVIDOR ao qual o sistema deverá ser instalado: a) Criar uma pasta, preferencialmente

Leia mais

Aula 5 VBA PARTE I 11/05/2016 DIEGOQUIRINO@GMAIL.COM 1

Aula 5 VBA PARTE I 11/05/2016 DIEGOQUIRINO@GMAIL.COM 1 Aula 5 VBA PARTE I 11/05/2016 DIEGOQUIRINO@GMAIL.COM 1 Introdução ao VBA 1. O Excel é um programa que tem um grande potencial, mas a maioria do pessoal o maneja de forma simples, utilizando somente as

Leia mais

DK105 GROVE. Temperatura e Umidade. Radiuino

DK105 GROVE. Temperatura e Umidade. Radiuino DK105 GROVE Temperatura e Umidade Radiuino O presente projeto visa mostrar uma básica aplicação com o Kit DK 105 Grove. Utilizamos um sensor de umidade e temperatura Grove juntamente ao nó sensor para

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias para o processo de inventário em um estoque, filial ou loja no APLWeb.

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias para o processo de inventário em um estoque, filial ou loja no APLWeb. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1511.0009 DIRECTA SISTEMAS INTELIGENTES SISTEMA APLWEB DEPARTAMENTO(S) ESTOQUE/EXPEDIÇÂO/ALMOXARIFADO/LOJAS MÓDULO/MENU PRODUTOS/SERVIÇOS Versão do Documento Nº

Leia mais

TUTORIAL PROCESSOS DE INSTALAÇÃO DO MYMIX MOBILE

TUTORIAL PROCESSOS DE INSTALAÇÃO DO MYMIX MOBILE Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 2 2. Configurar computador para o IIS... 3 3. Configurar o serviço do IIS (Servidor Web)... 5 4. Instalar mymix Mobile no Coletor... 7 5. Configurar

Leia mais

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Indice: Apresentação...2 Ligando o terminal...3 Configurações iniciais...3 Configuração de IP...3 Teclas especiais...4 Cabo de rede...4 Leitor externo...4

Leia mais

Sumário. CEAD - FACEL Manual do Aluno, 02

Sumário. CEAD - FACEL Manual do Aluno, 02 Manual CEAD - FACEL Sumário 03... Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem Atualizando seu perfil Esqueceu sua senha de acesso 09... O meu AVA Conhecendo meu AVA Navegando na disciplina Barra de navegação

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Cerne Tecnologia e Treinamento Tutorial de Instalação da Placa X-Control I E-mail: Sumário Configurando o PC 3 Conectando a Placa 6 Conectores e Pinagem da Placa 7 Comandos para comunicação 13 2 Obs: A

Leia mais

Solucionando problemas de impressão

Solucionando problemas de impressão de impressão Se a ação corretiva sugerida não resolver o problema, chame seu representante de serviços. 1 O trabalho não foi impresso ou foram impressos caracteres incorretos. Antes de enviar um trabalho

Leia mais

Módulo e-rede Magento v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede Magento v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede Magento v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação e

Leia mais

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Sumário Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Capítulo 2. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo XML 12 Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições

Leia mais

Sobre o Visual C++ 2010

Sobre o Visual C++ 2010 O Visual Studio é um pacote de programas da Microsoft para desenvolvimento de software, suportando diversas linguagens como C#, C++, C, Java, Visual Basic, etc. Nesta série de tutoriais vou focar apenas

Leia mais

LEUCOTRON EQUIPAMENTOS LTDA ROTEIRO DE INTERLIGAÇÃO SIP ACTIVE IP COM REGISTRO

LEUCOTRON EQUIPAMENTOS LTDA ROTEIRO DE INTERLIGAÇÃO SIP ACTIVE IP COM REGISTRO LEUCOTRON EQUIPAMENTOS LTDA PÓS-VENDAS LEUCOTRON ROTEIRO DE INTERLIGAÇÃO SIP ACTIVE IP COM REGISTRO SANTA RITA DO SAPUCAÍ MINAS GERAIS 2012 PÓS VENDAS LEUCOTRON ROTEIRO DE INTERLIGAÇÃO SIP ACTIVE IP COM

Leia mais

C.P.M. PROGRAMA DE CONTROLE PARA MICRO TERMINAL

C.P.M. PROGRAMA DE CONTROLE PARA MICRO TERMINAL C.P.M. PROGRAMA DE CONTROLE PARA MICRO TERMINAL xcpml Guia do Programador Versão.0. Agosto/0 Introdução Representado por um arquivo XML devidamente validado, um script de programação CPM cuida de toda

Leia mais

MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO GUIA RÁPIDO PARA MANUSEIO DO SISTEMA CRIPTOGRÁFICO ÁTRIA

MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO GUIA RÁPIDO PARA MANUSEIO DO SISTEMA CRIPTOGRÁFICO ÁTRIA - 1 - MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO GUIA RÁPIDO PARA MANUSEIO DO SISTEMA CRIPTOGRÁFICO ÁTRIA Nesse passo a passo, abordaremos apenas os usos básicos do sistema, a saber:

Leia mais

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Processamento de Dados aplicado à Geociências AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Índice Configuração dos documentos no Backofficce... 3 O Driver ERP Next... 6 Configurações principais... 6 Configurações do vendedor... 7 Configurações do

Leia mais

Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla

Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla Introdução A Carta de Correção Eletrônica(CC-e) é um evento legal e tem por objetivo corrigir algumas informações da NF-e, desde que o erro não esteja

Leia mais

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Objetivos: Ativar e gerenciar compartilhamentos locais e remotos; Ativar e gerenciar o sistema de arquivos distribuídos (DFs); Gerenciar compartilhamentos ocultos;

Leia mais

T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1

T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1 T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1 Lista de Figuras T.I. para o Dealer Suite: Servidores Figura 1 Tela Principal do ESXi...4 Figura 2 Tela VMware Player...5 Figura 3 Arquivo /etc/exports do

Leia mais

NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL

NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL COMO ACESSAR O APLICATIVO SAFE DOC CAPTURE Acesse o aplicativo SAFE-DOC CAPTURE clicando no ícone na sua área de trabalho: SAFE-DOC Capture Digite o endereço do portal que é

Leia mais

e Autorizador Odontológico

e Autorizador Odontológico 1 CONTROLE DE DOCUMENTO Revisor Versão Data Publicação Diego Ortiz Costa 1.0 08/08/2010 Diego Ortiz Costa 1.1 09/06/2011 Diego Ortiz Costa 1.2 07/07/2011 2 Sumário CONTROLE DE DOCUMENTO... 2 1. Informações

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO KIT MERCURIOIV OSCILOSCÓPIO E GERADOR DE SINAIS

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO KIT MERCURIOIV OSCILOSCÓPIO E GERADOR DE SINAIS GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO KIT MERCURIOIV OSCILOSCÓPIO E GERADOR DE SINAIS Revisão 05 setembro/2014 Versão do Firmware: 2.1.8 Versão do software Osciloscópio para Windows: 2.0.19 1. Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 1 ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 Introdução O material abaixo foi elaborado para orientar de forma objetiva

Leia mais

Formas de Pagamento Resumida... 34 Vendas Vendedor... 34 Vendas Vendedor Resumido... 35 Vendas Vendedor Caixa... 35 Vendas por Artigos...

Formas de Pagamento Resumida... 34 Vendas Vendedor... 34 Vendas Vendedor Resumido... 35 Vendas Vendedor Caixa... 35 Vendas por Artigos... Manual POS Conteúdo Configuração no Servidor... 3 Gestão de Stocks... 3 Manutenção de Artigos... 3 Gestão de Clientes... 4 Gestão de Fornecedores... 5 Sistema POS... 6 Manutenção de Series de Armazéns...

Leia mais

Conectando um PC na console de um Roteador

Conectando um PC na console de um Roteador Conectando um PC na console de um Roteador Objetivos Este é o primeiro de uma série de tutoriais que visam aprofundar os conhecimentos necessários à formação Cisco CCNA. Neste tutorial mostrarei como estabelecer

Leia mais

SETIN CSUP - STEL Manual de Instruções Básicas - Siemens. euroset 3005. Manual de Instruções

SETIN CSUP - STEL Manual de Instruções Básicas - Siemens. euroset 3005. Manual de Instruções SETIN CSUP - STEL s euroset 3005 Manual de Instruções Conhecendo o seu aparelho 9 10 3 4 5 1 6 7 8 A outra ponta do cordão liso deve ser conectada na linha telefônica (RJ11). Pode ser necessária a utilização

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

TUTORIAL WINDOWS 7. Curso Técnico em Informática. Aluno: Ricardo B. Magalhães Período: Noturno Profª: Patrícia Pagliuca

TUTORIAL WINDOWS 7. Curso Técnico em Informática. Aluno: Ricardo B. Magalhães Período: Noturno Profª: Patrícia Pagliuca GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIDADE DE LUCAS DO RIO VERDE Curso Técnico em Informática

Leia mais

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA O Sistema Caça-Talentos tem o objetivo de aprimorar o negócio e fornecer um controle informatizado dos processos de captação dos alunos. Ele possui

Leia mais

Terminal de Operação Cimrex 69

Terminal de Operação Cimrex 69 Descrição do Produto O Cimrex 69 agrega as mais novas tecnologias e a mais completa funcionalidade de terminais de operação. Possui visor de cristal líquido gráfico colorido de 5,7 sensível ao toque (

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) O MOODLE (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) é um Ambiente Virtual de Ensino-Aprendizagem (AVEA) de código aberto, livre e gratuito que se mantém em desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS Está disponível a partir da versão 2014.73 do XD Rest/Pos/Disco um novo formato no instalador em ambientes Microsoft Windows. O instalador passa a

Leia mais

Rede VPN UFBA Procedimento para configuração

Rede VPN UFBA Procedimento para configuração UFBA Universidade Federal da Bahia STI Superintendência de Tecnologia da Informação Rede VPN UFBA Procedimento para configuração 2015 Índice Introdução... 2 Windows 8... 3 Windows 7... 11 Windows VISTA...

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SEMAD DEPARTAMENTO DE RECURSOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DRTI

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SEMAD DEPARTAMENTO DE RECURSOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DRTI PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SEMAD DEPARTAMENTO DE RECURSOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DRTI GUIA DO USUÁRIO COMUNICADOR SPARK INÍCIO O comunicador SPARK

Leia mais

Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede

Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede Diagrama de Topologia Rede Peer-to-Peer Objetivos Rede Comutada Com a conclusão deste laboratório, você será capaz de: Identificar

Leia mais

Guia de Instalação. Driver Gráfico de Impressão for WINDOWS

Guia de Instalação. Driver Gráfico de Impressão for WINDOWS Guia de Instalação Driver Gráfico de Impressão for WINDOWS Índice Apresentação...5 Documento...5 Modelos de Driver...5 Compatibilidade com Windows...5 Instalação...6 Configuração...12 Configuração da

Leia mais

Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital

Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital Página 1 de 16 Índice DonD - Sistema para Teste de Acuidade Visual...3 Componentes do Produto...4 Instalação...5 Abrindo o sistema do DonD...5 Configuração...6

Leia mais

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma Aula 03 Processadores Prof. Ricardo Palma Definição O processador é a parte mais fundamental para o funcionamento de um computador. Processadores são circuitos digitais que realizam operações como: cópia

Leia mais

MANUAL DO SEU TABLET DO CONGRESSO

MANUAL DO SEU TABLET DO CONGRESSO MANUAL DO SEU TABLET DO CONGRESSO Como posso ligar o tablet: O botão power está localizado na borda do tablet, o botão está identificado por este símbolo Pressione e segure o botão power até que a tela

Leia mais

a) O Word é um editor de TEXTOS. Com ele é possível digitar cartas, currículos e trabalhos escolares.

a) O Word é um editor de TEXTOS. Com ele é possível digitar cartas, currículos e trabalhos escolares. START - WORD Respostas dos Exercícios CAPÍ TULO 1 1. Complete as frases usando as palavras do quadro: JANELA TEXTOS TÍTULO ZOOM a) O Word é um editor de TEXTOS. Com ele é possível digitar cartas, currículos

Leia mais

Terminal de Operação Cimrex 12

Terminal de Operação Cimrex 12 Descrição do Produto O terminal de operação Cimrex 12 apresenta excelente desempenho em tamanho compacto. Possui visor de cristal líquido alfanumérico de duas linhas e 20 colunas. O teclado de membrana

Leia mais

Guia de início rápido do Bomgar B200

Guia de início rápido do Bomgar B200 Guia de início rápido do Bomgar B200 Este guia o orientará pela configuração inicial de seu Bomgar Box. Caso tenha dúvidas, entre em contato pelo número +01.601.519.0123 ou support@bomgar.com. Pré-requisitos

Leia mais

Manual aplicativo webprint.apk

Manual aplicativo webprint.apk Manual aplicativo webprint.apk SÃO PAULO JULHO /2010 Sumário Instalando a aplicação no Cartão de memória:... 3 COMO CONECTAR O APLICATIVO MOTOROLA WEB PRINT E IMPRESSORA PENTAX POCKET JET 3.... 7 Aprendendo

Leia mais

Universidade Federal do Oeste da Bahia Pró-Reitoria de Tecnologia da Informação e Comunicação. Iracema Santos Veloso Reitora Pro Tempore

Universidade Federal do Oeste da Bahia Pró-Reitoria de Tecnologia da Informação e Comunicação. Iracema Santos Veloso Reitora Pro Tempore Iracema Santos Veloso Reitora Pro Tempore Jacques Antonio de Miranda Vice-Reitor Pro Tempore David Dutkievicz Pró-Reitor de Tecnologia da Informação de Comunicação Fábio Ossamu Hasegawa Coordenador de

Leia mais

Manual de uso Serasa Judicial Março/2014 Controle de revisão Data da Revisão Versão Documento Versão Manager DF-e Executor Assunto Revisado 08/10/2013 1.0 Rodrigo Vieira Ambar/Gigiane Martins Criação 18/03/2104

Leia mais

Para entender o conceito de objetos em programação devemos fazer uma analogia com o mundo real:

Para entender o conceito de objetos em programação devemos fazer uma analogia com o mundo real: Introdução a Orientação a Objetos com Java Autor: Professor Victor Augusto Zago Menegusso. Orientação a Objetos É um paradigma de programação que define a estrutura de um programa baseado nos conceitos

Leia mais

TED - CPM PROGRAMA DE CONTROLE PARA MICROTERMINAIS TED COLLETER

TED - CPM PROGRAMA DE CONTROLE PARA MICROTERMINAIS TED COLLETER TED - CPM PROGRAMA DE CONTROLE PARA MICROTERMINAIS TED COLLETER xcpml Guia do Programador Versão.0 Outubro/0 Introdução Representado por um arquivo XML devidamente validado, um script de programação CPM

Leia mais

Aula 11: Desvios e Laços

Aula 11: Desvios e Laços Aula 11: Desvios e Laços Nesta aula explicaremos alguns comandos que podem alterar o fluxo dos seus programas em JavaScript. Você aprenderá a estrutura dos comandos de desvios e laços. Entenderá como funcionam

Leia mais

Basic, Everest e Braille Box. Guia de Instalação

Basic, Everest e Braille Box. Guia de Instalação Basic, Everest e Braille Box Guia de Instalação 2 PUBLICADO POR Index Braille Hantverksvägen 20 954 23, Gammelstad Suécia Telefone: +46 920 2030 80 www.indexbraille.com E POR Tecassistiva Av. Dr. Altino

Leia mais

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006.

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006. ISS Eletrônico Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE Caro contribuinte. A transmissão de arquivos é uma facilidade fornecida pelo sistema de ISS Eletrônico

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÁ DA BANDEIRA SANTARÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÁ DA BANDEIRA SANTARÉM ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÁ DA BANDEIRA SANTARÉM MINEDU Manual de configuração da rede sem fios 1 - Configuração do cliente para Windows Exemplo de configuração de 802.1x com Certificados de Servidor para

Leia mais

Central de Serviços de Tecnologia: Telefone: 0800-280-7005 Portal: http://10.1.2.109:8686/ Acesse com seu usuário de Rede, Libra ou E-mail.

Central de Serviços de Tecnologia: Telefone: 0800-280-7005 Portal: http://10.1.2.109:8686/ Acesse com seu usuário de Rede, Libra ou E-mail. Orientações ao Magistrado e Servidor Separar toda a documentação necessária conforme as páginas 02 a 04: Processo Caixa - Orientações sobre Documentação. Verificar no Portal Interno a relação de Magistrados

Leia mais

Instalando o SCI Manager

Instalando o SCI Manager Instalando o SCI Manager Para iniciarmos a instalação do SCI Manager execute o pacote de instalação SCI_Manager.exe, logo após sua execução será apresentada a tela de boas vindas, como na figura logo abaixo.

Leia mais

Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil

Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil 2015 I F P A 1 0 5 a n o s SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 1 CALENDÁRIO

Leia mais

Guia de Referência OPEN PROJECT Treinamento Essencial

Guia de Referência OPEN PROJECT Treinamento Essencial Guia de Referência OPEN PROJECT Treinamento Essencial Eng. Paulo José De Fazzio Junior NOME As marcas citadas são de seus respectivos proprietários. Sumário Conceitos do OpenProj... 3 Iniciando um projeto...

Leia mais

Treinamento de e-commerce

Treinamento de e-commerce Treinamento de e-commerce Bem vindo ao treinamento de e commerce mais rápido e direto de todos! Utilize este documento para se orientar sempre que necessário e não se preocupe, em caso de necessidade,

Leia mais

Manual do KLinkStatus. Paulo Moura Guedes Tradução: Marcus Gama

Manual do KLinkStatus. Paulo Moura Guedes Tradução: Marcus Gama Paulo Moura Guedes Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o KLinkStatus 6 3 Configurando o KLinkStatus 8 4 Créditos e Licença 11 5 Instalação e compilação 12 Resumo KLinkStatus é um verificador

Leia mais

Imprimindo e excluindo trabalhos retidos. Reconhecendo erros de formatação

Imprimindo e excluindo trabalhos retidos. Reconhecendo erros de formatação Ao enviar um trabalho para a impressora, você pode especificar no driver que a impressora deve reter o trabalho na memória. Quando você desejar imprimir o trabalho, vá até a impressora e utilize os menus

Leia mais

MicroWork TOUCH CHECKLIST

MicroWork TOUCH CHECKLIST Considerações Gerais O possibilita a execução diferenciada do CheckList de serviços do Veículo, com mobilidade e segurança através da captura de fotos, integradas automaticamente para o sistema MicroWork

Leia mais

Instalando o Microsoft Office 2012-09-13 Versão 2.1

Instalando o Microsoft Office 2012-09-13 Versão 2.1 Instalando o Microsoft Office 2012-09-13 Versão 2.1 SUMÁRIO Instalando o Microsoft Office... 2 Informações de pré-instalação... 2 Instalando o Microsoft Office... 3 Introdução... 7 Precisa de mais ajuda?...

Leia mais

DECOM Digital. Perguntas Frequentes

DECOM Digital. Perguntas Frequentes DECOM Digital Perguntas Frequentes O Sistema DECOM Digital SDD é um sistema de formação de autos digitais que permitirá o envio eletrônico de documentos no âmbito de petições e de processos de defesa comercial,

Leia mais

Criando scanner para dectar BackupExec vulneráveis ao exploit do Metasploit. Inj3cti0n P4ck3t

Criando scanner para dectar BackupExec vulneráveis ao exploit do Metasploit. Inj3cti0n P4ck3t Criando scanner para dectar BackupExec vulneráveis ao exploit do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t São Paulo 2010 Author: Inj3cti0n P4ck3t Date: 18/10/10 Nome do Artigo: Criando scanner para dectar BackupExec

Leia mais

(http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?familyid=72158b4e-b527-45e4-af24- d02938a95683&displaylang=pt-br)

(http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?familyid=72158b4e-b527-45e4-af24- d02938a95683&displaylang=pt-br) Descrição Permitir que os usuários remotos autorizados utilizem os recursos corporativos de TIC, a partir de um computador conectado à internet, de forma segura com uma interface amigável, de qualquer

Leia mais

VII SENABOM TEMA: O REGISTRO ELETRÔNICO DE EVENTOS (RE) Apresentado por: Ten Cel BM Flávio Rocha - CBMERJ

VII SENABOM TEMA: O REGISTRO ELETRÔNICO DE EVENTOS (RE) Apresentado por: Ten Cel BM Flávio Rocha - CBMERJ VII SENABOM TEMA: O REGISTRO ELETRÔNICO DE EVENTOS (RE) Apresentado por: Ten Cel BM Flávio Rocha - CBMERJ 1 SUMÁRIO! O que é a Assessoria de Informática e sua missão.! O Registro Eletrônico de Eventos

Leia mais

Graphing Basic no Excel 2007

Graphing Basic no Excel 2007 Graphing Basic no Excel 2007 Tabela de Conteúdos 1. Inserindo e formatando os dados no Excel 2. Criando o gráfico de dispersão inicial 3. Criando um gráfico de dispersão de dados de titulação 4. Adicionando

Leia mais

Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1

Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1 Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1 Normatização: Provimento nº 22/2014 Corregedoria Geral de São Paulo Segue o link com a íntegra do provimento, publicado no site da ARPEN-SP, em 18/09/2014:

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Conceitos envolvidos: a) Memória de Dados (interna e externa) b) Memória de Programa (interna e externa) c) Operações aritméticas e lógicas d) Portas e) Endereçamento a Bit f) Contadores e Temporizadores

Leia mais

*Este tutorial foi feito para o Windows 7, mas pode ser usado em qualquer outro Windows, basta seguir o mesmo raciocínio.

*Este tutorial foi feito para o Windows 7, mas pode ser usado em qualquer outro Windows, basta seguir o mesmo raciocínio. Tutorial Sensores *Este tutorial foi feito para o Windows 7, mas pode ser usado em qualquer outro Windows, basta seguir o mesmo raciocínio. *É necessário ter o Microsoft Excel instalado no computador.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO MILLENNIUM BASIC

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO MILLENNIUM BASIC MANUAL DE INSTALAÇÃO DO MILLENNIUM BASIC O primeiro passo para fazer a instalação do Millennium Basic é fazer o download dos programas executáveis para a máquina do usuário. Acesse o portal de conteúdo

Leia mais

Parametrização do Banco de Dados PROGRESS Base de Dados Origem

Parametrização do Banco de Dados PROGRESS Base de Dados Origem A conversão dos dados do TMS 4.01 para o SIGAGFE Gestão de Frete Embarcador utiliza uma conexão de dados ODBC. Parametrização do Banco de Dados PROGRESS Base de Dados Origem 1. Configurar a base de dados

Leia mais

Imprimindo e excluindo trabalhos retidos Reconhecendo erros de formatação Verificando os trabalhos de impressão Reservando os trabalhos de impressão

Imprimindo e excluindo trabalhos retidos Reconhecendo erros de formatação Verificando os trabalhos de impressão Reservando os trabalhos de impressão Ao enviar um trabalho para a impressora, você pode especificar no driver que a impressora deve reter o trabalho na memória. Quando você estiver pronto para imprimir o trabalho, deverá ir até a impressora

Leia mais

Criar e formatar relatórios

Criar e formatar relatórios Treinamento Criar e formatar relatórios EXERCÍCIO 1: CRIAR UM RELATÓRIO COM A FERRAMENTA RELATÓRIO Ao ser executada, a ferramenta Relatório usa automaticamente todos os campos da fonte de dados. Além disso,

Leia mais

TUTORIAL MATLAB Victor Breder 2016

TUTORIAL MATLAB Victor Breder 2016 TUTORIAL MATLAB Victor Breder 2016 1. INTERFACE A. Caminho de trabalho Mostra o caminho pasta raiz que será considerada para executar scripts e funções criados pelo usuário. B. Pasta de trabalho Mostra

Leia mais

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos)

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Manual do Usuário Versão 1.0 Fevereiro, 2014 Índice

Leia mais

Guia do Administrador de Licenças de Usuários Autorizados do IBM SPSS Modeler IBM

Guia do Administrador de Licenças de Usuários Autorizados do IBM SPSS Modeler IBM Guia do Administrador de Licenças de Usuários Autorizados do IBM SPSS Modeler IBM Índice Guia do Administrador........ 1 Antes de Iniciar............. 1 Serviços Citrix e Terminal......... 1 Instalação

Leia mais

Instituto Superior Técnico

Instituto Superior Técnico Introdução à Arquitectura de Computadores Instituto Superior Técnico Lisboa, Setembro de 2013 O Simulador Lógico Logisim 1 Introdução... 2 2 Exemplo de projecto... 3 2.1 Especificação do sistema... 3 2.2

Leia mais

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização Manual das condições gerais que regulam a utilização dos serviços disponibilizados pela aplicação Arquivo, plataforma de gestão de informação, do Municipio

Leia mais

Network Camera. Guia do SNC easy IP setup Versão de software 1.0 Antes de operar o aparelho, leia todo este manual e guarde-o para referência futura.

Network Camera. Guia do SNC easy IP setup Versão de software 1.0 Antes de operar o aparelho, leia todo este manual e guarde-o para referência futura. 4-441-095-71 (1) Network Camera Guia do SNC easy IP setup Versão de software 1.0 Antes de operar o aparelho, leia todo este manual e guarde-o para referência futura. 2012 Sony Corporation Índice Salvar

Leia mais

Utilizando Imprimir e reter 1

Utilizando Imprimir e reter 1 Utilizando Imprimir e reter 1 Ao enviar um trabalho para a impressora, você pode especificar no driver que a impressora deve reter o trabalho na memória e não imprimi-lo imediatamente. Quando você desejar

Leia mais

Guia Rápido de Instalação

Guia Rápido de Instalação Guia Rápido de Instalação Caro Usuário, Queremos parabenizá-lo por escolher o PlugData MG100T e dar-lhe as boas vindas a um conjunto de facilidades que serão conseguidas com o uso deste equipamento. Apresentação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores

Sistemas Operacionais. Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Sistemas Operacionais Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Autoria Autores Eduardo André Mallmann 0905/96-9 João Paulo Reginatto 1530/96-0 Local Instituto de Informática UFRGS disciplina:

Leia mais

Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo)

Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo) Manual Cobrança Caixa Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo) Selecionar Cedente Para utilizar o sistema, selecione o Cedente (CADASTROS > SELECIONAR CEDENTE > ACESSAR).

Leia mais

Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC

Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC Sumário Enquadramento... 1 1. Introdução... 1 1º Passo: Como aceder o Ajuda Online?... 2 2º Passo: Página

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS! Criando cenários a partir do Solver! Planilha entregue para a resolução de exercícios! Como alterar rapidamente

Leia mais

Configurar Thin Client X1 e X1W

Configurar Thin Client X1 e X1W Configurar Thin Client X1 e X1W Vamos mostrar como você pode utilizar os Thin Client s (clientes remotos) X1 e X1W em seu callcenter de forma muito simples. Primeiro Passo: Prepare o Servidor Remoto -

Leia mais

Módulo Odontologia. Sumário. Odontologia

Módulo Odontologia. Sumário. Odontologia Módulo Odontologia Sumário Odontologia Este módulo contêm as informações referentes como lançar os dados do atendimento odontológico dos pacientes, bem como a(s) receita(s) a ele fornecidas e o(s) exame(s)

Leia mais