Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas"

Transcrição

1 Mapeamento Costeiro Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Faculdade de Engenharia 2 Universidade Federal Fluminense UFF Instituto de Geociências 1

2 Mapeamento Costeiro 1. Introdução (processos costeiros, dinâmica costeira e erosão em praias) 2. Tecnologias digitais de geoprocessamento aplicadas ao mapeamento de feições costeiras: GPS e SIG 3. Resultados com interpretação geológica e geomorfológica da erosão em Atafona 4. Discussões 2

3 1. Introdução Mapeamento Costeiro Onda Maré Vento Processos costeiros Correntes litorâneas 3

4 Onda Maré Vento Mapeamento Costeiro Dinâmica costeira Corrente litorânea associada ao transporte de sedimento Ressaca (tempestade) Agente climático 4

5 Mapeamento Costeiro Erosão acelerada de praias (fatores): Impacto humano Perda de sedimentos por deriva ou desgaste devido ao atrito dos grãos Redução no suprimento sedimentar (fundo oceânico e desaceleração da erosão) Intensificação da tempestuosidade 5

6 Mapeamento Costeiro Erosão acelerada de praias (fatores): Mudança nos ângulos de incidência de ondas Aumento do grau de saturação em água das praias devido à subida do lençol freático ou aumento da pluviosidade Subida do nível relativo do mar 6

7 Mapeamento Costeiro Feições costeiras: Planície costeira Planície de maré Planície fluvial Praia Barra Crista de (paleo)praia Pontal 7

8 Mapeamento Costeiro Feições costeiras: Esporão Tômbolo Depósito argiloso Depósito lamoso (vasa) Depósito marinho transgressivo Campo de dunas Estuário 8

9 Mapeamento Costeiro Feições costeiras: Delta Laguna Marisma (pântano salgado) Manguezal Cordão litorâneo regressivo (crista de praia, feixe de restinga, planície de restinga) Outros corpos arenosos litorâneos 9

10 Mapeamento Costeiro Estudo de caso: A erosão em Atafona tem sido relatada na imprensa local desde os anos 50. Até 2004 foram destruídas 183 casas distribuídas em 14 quadras. O fenômeno tem causas naturais e possivelmente possui influência também antropogênica. 10

11 Mapeamento Costeiro Localização geográfica Oceano Atlântico Brasil Atafona Grussaí Rio de Janeiro Imagem LANDSAT5 (EMBRAPA 2001) 11

12 Anderson G. de Almeida 12

13 Mapeamento Costeiro 2. Tecnologias digitais de geoprocessamento aplicadas ao mapeamento de feições costeiras: GPS e SIG Documentos cartográficos variados adquiridos a partir de fontes diferentes. Processamento de dados GPS e geração de banco de dados espacial no SPRING. 13

14 Mapeamento Costeiro 14

15 Mapeamento Costeiro Dados cartográficos: Imagens de satélites Fotografias aéreas GPS Bases cartográficas existentes Dados a partir de outras imagens (visões panorâmicas) 15

16 IMAGENS DE SATÉLITES Disponíveis todas as 7 bandas L jpg L5 Disponíveis todas as 7 bandas L jpg L5 Disponíveis todas as 7 bandas L jpg L5 Disponíveis todas as 7 bandas L jpg L5 Disponíveis todas as 7 bandas L jpg L5 Disponíveis todas as 7 bandas L jpg L5 Disponíveis todas as 7 bandas L jpg L5 Disponíveis todas as 8 bandas L jpg L7 Disponíveis todas as 8 bandas L jpg L7 Disponíveis todas as 8 bandas L jpg L7 16

17 IMAGENS DE SATÉLITES Disponíveis todas as 8 bandas L jpg L7 Disponíveis todas as 8 bandas L jpg L7 Disponíveis todas as 8 bandas L jpg L7 Disponíveis todas as 8 bandas L jpg L7 Disponíveis todas as 8 bandas L jpg L7 Disponíveis todas as 7 bandas L jpg L5 Disponíveis as bandas 3,4, L jpg L5 Disponíveis as bandas 1,2,3,4,5 e L jpg L5 Cena disponível quadrante D. Disponíveis as bandas 3,4, L jpg L5 Disponíveis as bandas 1,2,3,4,5 e L jpg L5 Disponíveis todas as 7 bandas L jpg 17

18 Mapeamento Costeiro Imagens de satélites: * LANDSAT (cena 216/075): * LANDSAT5 e LANDSAT7 ETM+ com datas de aquisição 14/7/1997 e 29/8/1999. * LANDSAT5, composições coloridas produzidas pela EMBRAPA correspondentes às escalas 1/ , 1/ e 1/25.000, com data de aquisição 17/7/2001. * SPOT: 8 bits por pixel, aquisição: * CBERS (câmara CCD), composições coloridas com as bandas 2, 3 e 4, com datas de aquisição 3/4/2004 e 16/7/

19 Mapeamento Costeiro 19

20 Mapeamento Costeiro 20

21 Mapeamento Costeiro 21

22 Mapeamento Costeiro 22

23 Mapeamento Costeiro 23

24 Mapeamento Costeiro 24

25 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul produzida a partir de composição colorida R3G2B1 LANDSAT7 ETM+ B1 azul B2 verde B3 vermelho B4 infravermelho próximo B5 infravermelho médio B7 infravermelho distante Resolução espacial = 30m 25

26 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul produzida a partir de composição colorida R3G4B5 LANDSAT7 ETM+ B1 azul B2 verde B3 vermelho B4 infravermelho próximo B5 infravermelho médio B7 infravermelho distante Resolução espacial = 30m 26

27 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul produzida a partir de composição colorida R3G5B4 LANDSAT7 ETM+ B1 azul B2 verde B3 vermelho B4 infravermelho próximo B5 infravermelho médio B7 infravermelho distante Resolução espacial = 30m 27

28 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul produzida a partir de composição colorida R5G4B3 LANDSAT7 ETM+ B1 azul B2 verde B3 vermelho B4 infravermelho próximo B5 infravermelho médio B7 infravermelho distante Resolução espacial = 30m 28

29 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul produzida a partir de composição colorida R4G5B3 LANDSAT7 ETM+ B1 azul B2 verde B3 vermelho B4 infravermelho próximo B5 infravermelho médio B7 infravermelho distante Resolução espacial = 30m 29

30 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul produzida a partir de composição colorida R4G3B2 LANDSAT7 ETM+ B1 azul B2 verde B3 vermelho B4 infravermelho próximo B5 infravermelho médio B7 infravermelho distante Resolução espacial = 30m 30

31 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul produzida a partir de composição colorida R1G2B3 LANDSAT7 ETM+ B1 azul B2 verde B3 vermelho B4 infravermelho próximo B5 infravermelho médio B7 infravermelho distante Resolução espacial = 30m 31

32 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul produzida a partir de cena SPOT 8 bits por pixel São João da Barra Campos dos Goytacazes Laguna de Grussaí Laguna de Iquipari Resolução espacial = 10m 32

33 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul (detalhe 1) produzida a partir de cena SPOT 8 bits por pixel Atafona (área urbana) Cordão arenoso Depósito lamoso Pluma de sedimentos Resolução espacial = 10m 33

34 Imagem do baixo Rio Paraíba do Sul (detalhe 2) produzida a partir de cena SPOT 8 bits por pixel Ilha do Lima Ilha do Graça Atafona Resolução espacial = 10m 34

35 MOSAICO DE ORTOFOTOS, ANO 2000 ESCALA 1/ Fotografias aéreas métricas ano/escala/resolução espacial: Atafona / ,8 m / ,8 m / ,8 m / ,5 m / ,0 m / ,8 m (foto) 35

36 Mosaicos fotográficos produzidos a partir de séries históricas de fotografias aéreas

37 Vetorização e análise das feições estudadas 37

38 Pontal arenoso e sua dinâmica PLANÍCIE SUL 38

39 PLANÍCIE NORTE Cristas arenosas intercaladas com depósitos lamosos; Formação de um sistema de ilhas barreiras; Ao norte de Gargaú as cristas arenosas voltam a ser semelhantes às encontradas na planície sul. 39

40 EVOLUÇÃO DA FRENTE DELTAICA AO LONGO DOS ANOS 40

41 TENDÊNCIA PROGRADACIONAL DA FRENTE DELTAICA DO RIO PARAÍBA DO SUL 41

42 Sistema de Posicionamento Global (GPS) A locação das feições costeiras deve ser feita com o sistema GPS. Modo relativo (estático para pontos de controle e cinemático para falésia e linha d`água). Base: estação com coordenadas conhecidas. 42

43 LEVANTAMENTOS GPS A locação das feições foi feita no modo diferencial tendo como base uma estação de referência. A partir desta estação principal foram estabelecidas 8 estações de controle de alta precisão, dentro de uma faixa com uma extensão de 7,5 km na zona litorânea. Mapeamento da linha d água com GPS Bruno F. Bartel 43

44 RECORTE DA ÁREA NA FRENTE EROSIVA EM ATAFONA Levantamentos DGPS cinemático e estático com janela de observação de 10 o e com taxa de armazenamento de coordenadas de 2 s. Resultado do mapeamento da falésia ativa com GPS 44

45 Mapeamento Costeiro Linhas representativas da demarcação da linha d água medida mensalmente a partir de janeiro de 2004, através do uso do sistema GPS (modo cinemático). Fotografia aérea ano de Retratação da dinâmica do pontal arenoso de Atafona. 45

46 Mapeamento Costeiro Adquirida em 1961 (DNOS) Adquirida em 8/5/2003 pelo autor 46

47 Mapeamento Costeiro Campo de dunas Adquirida em 8/5/2003 pelo autor Adquirida em 4/10/2003 pelo IBAMA-Campos 47

48 Mapeamento Costeiro Adquirida em 8/5/2003 pelo autor Adquirida em 2/5/2004 pelo autor 48

49 Mapeamento Costeiro Campo de dunas 49

50 ÁREAS ERODIDAS PARA AS ÉPOCAS ESTUDADAS ÉPOCAS ÁREAS ERODIDAS (m²) , , , ,

51 ÁREA ERODIDA ENTRE 1954/2004 No centro: recorte de fotografia aérea de 1954 À direita: mapa temático indicativo das áreas erodida e acrescida 51

52 ÁREA ERODIDA ENTRE 1954 e 2004 Recorte de fotografia aérea de

53 ÁREA ERODIDA ENTRE 1964 e 2004 Recorte de fotografia aérea de

54 ÁREA ERODIDA ENTRE 1974 e 2004 Recorte de fotografia aérea de

55 ÁREA ERODIDA ENTRE 1976 e 2004 Recorte de fotografia aérea de

56 56

57 57

58 58

59 59

60 60

61 61

62 62

63 63

64 64

65 65

66 66

67 67

68 68

69 69

70 N N OCEANO ATLÂNTICO N 4 5 ILHA DA CRIMINOSA ILHA DO LIMA 9 I. do Peçanha 9 Ilha da Convivência Ilha das Cobras N 5 5 Ilha da Lambreta I. da Estrela Ilha do Coqueiro ILHA DO GRAÇA Ilha dos Urubus I. DAS CABRITAS 5 Praia de Atafona 4 Ilha dos Tocos Ilha do Florêncio 5 OCEANO ATLÂNTICO N Praia de GrussaÍ N E E E E E Base Cartográfica IBGE 1/ Localização de Ilhas 0 5 Km 70

71 71

72 72

73 73

74 74

75 Mapeamento Costeiro 3. Resultados com interpretação geológica e geomorfológica da erosão em Atafona 75

76 Mapeamento Costeiro CARACTERÍSTICAS GERAIS DA PARTE SUL DA PLANÍCIE DELTAICA DO RIO PARAÍBA DO SUL Mapa da planície de cristas de praia, com base em fotos aéreas DRM (1976), na escala 1/ (1997). 76

77 Mapeamento Costeiro CARACTERÍSTICAS GERAIS DA PARTE SUL DA PLANÍCIE DELTAICA DO RIO PARAÍBA DO SUL Mapa da planície de cristas de praia, com base em mosaico de fotos aéreas (2000), na escala 1/

78 Mapeamento Costeiro Localização dos 25 furos de sondagens geológicas executadas em fevereiro/

79 Mapeamento Costeiro Detalhe de localização de 4 furos de sondagens geológicas executadas em fevereiro/

80 Mapeamento Costeiro Detalhe de localização de 3 furos de sondagens geológicas executadas em fevereiro/

81 Mapeamento Costeiro Execução de furo de sondagem geológica executada em fevereiro/

82 Mapeamento Costeiro Testemunho 82

83 Mapeamento Costeiro Estratégia para medição de variação da linha de costa: Vetorização da linha de costa e comparação entre épocas diferentes com o propósito de conhecer a tendência de sua variação posicional e inferir sobre a influência de seus agentes. 83

84 Mapeamento Costeiro 84

85 85

86 86

87 87

88 88

89 Mapeamento Costeiro

90 Mapeamento Costeiro

91 Mapeamento Costeiro

92 Mapeamento Costeiro Indicação da mobilidade da linha de costa ao longo do tempo (1954, 1964, 1976, 2000, 2004 e 2005). 92

93 Mapeamento Costeiro 4. Conclusões Os resultados alcançados permitiram: Conhecer a dinâmica costeira local Estabelecer a configuração espacial das feições costeiras Determinar a velocidade de retrogradação da linha de costa Avaliar o processo e associá-lo a evidências de que no passado geológico erosão desse tipo já ocorreu Contribuir para apoiar projetos técnicos aplicados ao gerenciamento Costeiro 93

94 Mapeamento Costeiro 94

95 Mapeamento Costeiro Agradecimentos: IBAMA-Campos DRM-RJ Equipe de alunos dos projetos de pesquisa e apoios das agências de fomento: Atafona, RJ: avaliação do processo de erosão marinha (CNPq) Erosão marinha no delta do rio Paraíba do Sul, RJ, presente, passado e futuro, avaliação de impactos (FAPERJ) 95

96 Mapeamento Costeiro 96

97 FOTOGRAFIA AÉREA PANORÂMICA DA FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL ADQUIRIDA EM 08/05/2003 Atafona 97

98 PARTE DA EQUIPE NA ESTAÇÃO GEODÉSICA DE REFERÊNCIA (BASE) IGREJA NOSSA Sra. DA PENHA 98

99 FOTO PANORÂMICA DO HOTEL DO JULINHO, INTERDITADO PELA DEFESA CIVIL, NA FRENTE EROSIVA EM ATAFONA 99

100 DETALHE DA AVENIDA LITORÂNEA PARCIALMENTE DESTRUÍDA PELO MAR 100

101 FRENTE EROSIVA PRÓXIMA AO PONTAL DE ATAFONA 101

102 O MANGUEZAL TAMBÉM SOFRE COM O AVANÇO DO MAR 102

103 FOTO AÉREA DA ÁREA URBANA DO BALNEÁRIO DE ATAFONA Mai./

104 FOTO AÉREA DE PARTE DO CAMPO DE DUNAS EM ATAFONA Mai./

105 FOTO PANORÂMICA DE CASAS PARCIALMENTE DESTRUÍDAS NA FRENTE EROSIVA EM ATAFONA Jan./

106 FOTO PANORÂMICA DE CASAS PARCIALMENTE DESTRUÍDAS NA FRENTE EROSIVA EM ATAFONA Jan./

107 CONSTRUÇÃO DESTRUÍDA PELO MAR 107

108 Mapeamento Costeiro Mapeamento cartográfico oficial, na escala de 1/ , executado pela Fundação CIDE: * Base Cartográfica: auto-estrada; estrada pavimentada; estrada não pavimentada (tráfego permanente e periódico); caminho; ferrovia; limite interestadual; limite intermunicipal; limite de bacia hidrográfica; ponto trigonométrico; referência de nível; ponto cotado; linha de transmissão; oleoduto; adutora; adutora subterrânea; área urbanizada; afloramento rochoso; areia da praia; salinas; pontos notáveis; aeroporto; campo de pouso; farol; etc

109 Mapeamento Costeiro 109

110 Mapeamento Costeiro Mapeamento cartográfico oficial, na escala de 1/ , executado pela Fundação CIDE: * Uso do Solo: floresta ombrófila (Mata Atlântica); floresta estacional semidecidual; estepe arbórea; vegetação secundária (capoeira); vegetação de restinga; vegetação de mangue; vegetação de várzea; campo natural de altitude; campo/pastagem; reflorestamento; área agrícola; solo exposto; área inundável; área urbanizada; área não sensoriada. 110

111 Mapeamento Costeiro 111

112 Mapeamento Costeiro Mapeamento cartográfico oficial, na escala de 1/ , executado pela Fundação CIDE: * Mapa Síntese de Condicionantes Físico-Ambientais: restingas: alagadiços; mangues; aluviões; colinas e morrotes em sedimentos terciários; colinas e morrotes com substrato cristalino; tálus/colúvio; morros com substrato de migamatitos, gnaisses, xistos e filitos; morros com substrato granítico e alcalino; morros com substrato carbonático; montanhas e escarpas. 112

113 Mapeamento Costeiro 113

Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente

Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia

Leia mais

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro Tadeu Corrêa Pinheiro Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro 1 Tópicos 1. Introdução 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento do trabalho - Metodologia 4. Apresentação dos resultados 5. Análise

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO INTEGRADO

MAPEAMENTO COSTEIRO INTEGRADO MAPEAMENTO COSTEIRO INTEGRADO Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro Cartografia/Geodésia/Geografia/Geologia do Quaternário gilberto.pessanha@gmail.com Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Instituto do

Leia mais

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL)

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) I Seminário da Rede Incêndios-Solo e I Simpósio Ibero-Afro-Americano de Riscos 4 a 7 Nov 2015 A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) Cláudio Henrique Reis Departamento

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA.

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA. MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.pessanha@gmail.com Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Instituto do Mar Campus Baixada Santista www.mapasdigitais.uerj.br

Leia mais

O COMPLEXO INDUSTRIAL E PORTUÁRIO DO AÇU (CIPA) E OS AMBIENTES COSTEIROS EM SÃO JOÃO DA BARRA (RJ)

O COMPLEXO INDUSTRIAL E PORTUÁRIO DO AÇU (CIPA) E OS AMBIENTES COSTEIROS EM SÃO JOÃO DA BARRA (RJ) O COMPLEXO INDUSTRIAL E PORTUÁRIO DO AÇU (CIPA) E OS AMBIENTES COSTEIROS EM SÃO JOÃO DA BARRA (RJ) Gilberto Pessanha Ribeiro, UFF e UERJ Artur Willcox dos Santos, Gestão Ambiental/UFRJ Ubiratan de Souza

Leia mais

ROSAS, R. O. UFF, Instituto de Geociências, Departamento de Geografia Laboratório de Geografia Física Aplicada Tel.: (21)

ROSAS, R. O. UFF, Instituto de Geociências, Departamento de Geografia Laboratório de Geografia Física Aplicada Tel.: (21) PROCESSOS COSTEIROS: EROSÃO EM ATAFONA E PROGRADAÇÃO EM GRUSSAÍ, SÃO JOÃO DA BARRA (RJ) MORFOMETRIA PARA RETRATAÇÃO ESPACIAL DESSES EVENTOS E IDENTIFICAÇÃO DE SUA TENDÊNCIA EVOLUTIVA RESUMO RIBEIRO, G.

Leia mais

ESTRATIGRAFIA DO QUATERNÁRIO DA PLANÍCIE DELTAICA AO SUL DO RIO PARAÍBA DO SUL, RJ

ESTRATIGRAFIA DO QUATERNÁRIO DA PLANÍCIE DELTAICA AO SUL DO RIO PARAÍBA DO SUL, RJ ESTRATIGRAFIA DO QUATERNÁRIO DA PLANÍCIE DELTAICA AO SUL DO RIO PARAÍBA DO SUL, RJ Anderson Gomes de Almeida 1 ; Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2 ; Gilberto Pessanha Ribeiro 3 ; 4 Cleverson Guizan Silva;

Leia mais

Região de Itaituba-PA

Região de Itaituba-PA Região de Itaituba-PA O exemplo de interpretação de imagens apresentado a seguir foi elaborado por: André Augusto Gavlak, Kleber Trabaquini e Raian Vargas Maretto (alunos do mestrado em Sensoriamento Remoto

Leia mais

ILHAS FLUVIAIS E LACUSTRES: ESTUDOS DE CASO COM EXPLORAÇÃO DESCRITIVA DE ASPECTOS GERAIS DE FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO NUMA ANÁLISE MORFOMÉTRICA

ILHAS FLUVIAIS E LACUSTRES: ESTUDOS DE CASO COM EXPLORAÇÃO DESCRITIVA DE ASPECTOS GERAIS DE FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO NUMA ANÁLISE MORFOMÉTRICA ILHAS FLUVIAIS E LACUSTRES: ESTUDOS DE CASO COM EXPLORAÇÃO DESCRITIVA DE ASPECTOS GERAIS DE FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO NUMA ANÁLISE MORFOMÉTRICA Gilberto Pessanha Ribeiro, UFF e UERJ Artur Willcox dos Santos,

Leia mais

LAGEMAR, UFF; 3 Depto. Engenharia Cartográfica, UERJ; 4 Depto. Geologia, UERJ. Depto. Geografia, UFF 2

LAGEMAR, UFF; 3 Depto. Engenharia Cartográfica, UERJ; 4 Depto. Geologia, UERJ. Depto. Geografia, UFF 2 DINÂMICA DA DESEMBOCADURA DA LAGUNA DE GRUSSAÍ AO LONGO DO TEMPO COMO CONSEQÜENCIA DO PROCESSO DE EROSÃO E PROGRADAÇÃO NAS PRAIAS DE ATAFONA E GRUSSAÍ, SÃO JOÃO DA BARRA (RJ). Ricardo Alvares dos Santos

Leia mais

Coordenador: Prof. Dr. Paolo Alfredini Professor Livre-Docente da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e-mail: alfredin@usp.

Coordenador: Prof. Dr. Paolo Alfredini Professor Livre-Docente da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e-mail: alfredin@usp. DIAGNÓSTICO SOBRE OS EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR DECORRENTE DO AQUECIMENTO GLOBAL DA ATMOSFERA NOS ECOSSISTEMAS COSTEIROS BRASILEIROS SUB-REGIÃO DO LITORAL DAS REGIÕES SUDESTE E SUL ESTUDO DE CASO

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW

MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW 1 MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW Gilberto Pessanha Ribeiro, gilberto.pessanha@gmail.com Artur Willcox dos Santos, arturwillcox@gmail.com Ubiratan de Souza Dias

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS Gilberto Pessanha Ribeiro ¹, ², ³ gilberto@globalgeo.com.br ¹ Globalgeo Geotecnologias www.globalgeo.com.br ² Faculdade

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO EAPLICAÇÕESEM MODELAGEM E SIMULAÇÃO DO NÍVELDO MAR

GEOPROCESSAMENTO EAPLICAÇÕESEM MODELAGEM E SIMULAÇÃO DO NÍVELDO MAR GEOPROCESSAMENTO EAPLICAÇÕESEM MODELAGEM E SIMULAÇÃO DO NÍVELDO MAR GIAGEO GRUPO DE INFORMÁTICA APLICADA E GEOPROCESSAMENTO Coordenador: André Luis Silva dos Santos Departamento Acadêmico de Informática

Leia mais

GEOLOGIA GERAL: CARTOGRAFIA E MAPEAMENTO DIGITAL. Departamento de Ciências do Mar Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro

GEOLOGIA GERAL: CARTOGRAFIA E MAPEAMENTO DIGITAL. Departamento de Ciências do Mar Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro GEOLOGIA GERAL: CARTOGRAFIA E MAPEAMENTO DIGITAL Departamento de Ciências do Mar Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.unifesp@gmail.com 1 www.georeferencial.com.br/artigos-cientificos/ 3.4. Geologia

Leia mais

Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Classificação dos filmes aerofotogramétricos Os filmes podem ser: preto e branco ou coloridos.

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

GEOLOGIA COSTEIRA DA ILHA DE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC COASTAL GEOLOGY OF THE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC ISLAND.

GEOLOGIA COSTEIRA DA ILHA DE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC COASTAL GEOLOGY OF THE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC ISLAND. GEOLOGIA COSTEIRA DA ILHA DE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC COASTAL GEOLOGY OF THE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC ISLAND. Celso Voos Vieira 1 ; Tarcísio Possamai 2 ; Norberto Olmiro Horn Filho 3 celso.v@univille.net

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL E MONITORAMENTO DAS ÁREAS DE MANGUES DO LITORAL FLUMINENSE, ATRAVÉS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE ESPACIAL

MAPEAMENTO DIGITAL E MONITORAMENTO DAS ÁREAS DE MANGUES DO LITORAL FLUMINENSE, ATRAVÉS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE ESPACIAL RELATÓRIO TÉCNICO PARCIAL 02 PROJETO DE PESQUISA - FAPERJ EDITAL 04/2010 - PRIORIDADE RIO PROCESSO E-26/110.830/2010 RESPONSÁVEL: GILBERTO PESSANHA RIBEIRO MAPEAMENTO DIGITAL E MONITORAMENTO DAS ÁREAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 82, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

MORFOLOGIA E DINÂMICA DA PRAIA ENTRE ATAFONA E GRUSSAÍ, LITORAL NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FERNANDEZ, G.B. 1 ROCHA, T.B. 2 PEREIRA, T.G.

MORFOLOGIA E DINÂMICA DA PRAIA ENTRE ATAFONA E GRUSSAÍ, LITORAL NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FERNANDEZ, G.B. 1 ROCHA, T.B. 2 PEREIRA, T.G. MORFOLOGIA E DINÂMICA DA PRAIA ENTRE ATAFONA E GRUSSAÍ, LITORAL NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FERNANDEZ, G.B. 1 1 Departamento de Geografia, Laboratório de Geografia Física (LAGEF), Departamento de

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS PONTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO GEOLÓGICO-ECOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES -RJ

ESPACIALIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS PONTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO GEOLÓGICO-ECOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES -RJ ESPACIALIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS PONTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO GEOLÓGICO-ECOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES -RJ MARIA DA GLÓRIA ALVES 1 JOSUÉ ALVES BARROSO 1 IZABEL DE SOUZA RAMOS

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DA DINÂMICA RECENTE DO DELTA DO RIO PARAÍBA DO SUL A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS

MAPEAMENTO DIGITAL DA DINÂMICA RECENTE DO DELTA DO RIO PARAÍBA DO SUL A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS MAPEAMENTO DIGITAL DA DINÂMICA RECENTE DO DELTA DO RIO PARAÍBA DO SUL A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS THIAGO DA SILVA ROCHA GILBERTO PESSANHA RIBEIRO Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Faculdade

Leia mais

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972). Figura 2.2: Contexto geológico-estrutural da costa amazônica. Compilado a partir de Bizzi et al., 2001; Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Leia mais

Uso de Imagens Landsat como subsídioaoestudodadispersãode sedimentos na região da foz do rio São Francisco

Uso de Imagens Landsat como subsídioaoestudodadispersãode sedimentos na região da foz do rio São Francisco Uso de Imagens Landsat como subsídioaoestudodadispersãode sedimentos na região da foz do rio São Francisco João A. Lorenzzetti, INPE Eduardo Negri, UFF Bastiaan Knopers, UFF Paulo R. P. Medeiros, UFAL

Leia mais

José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti

José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti José Alberto Quintanilha jaquinta@usp.br Mariana Giannotti mariana.giannotti@usp.br Estrutura da Aula Momento Satélite (Apresentação de um novo satélite a cada aula) O que é uma imagem de satélite? O histograma

Leia mais

09/03/2017. O que é Sensoriamento Remoto? Tipos de Sensoriamento Remoto REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO. Satélites.

09/03/2017. O que é Sensoriamento Remoto? Tipos de Sensoriamento Remoto REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO. Satélites. REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO Daniel C. Zanotta 09/03/2017 O que é Sensoriamento Remoto? Arte e ciência da obtenção de informações sobre um objeto, através de radiação eletromagnética, sem contato

Leia mais

1. Introdução: um breve histórico

1. Introdução: um breve histórico 1. Introdução: um breve histórico Sensoriamento Remoto no Brasil Início das Atividades 1968 - Projeto SERE 1972 - PG em SR 1973 - Recepção de dados Landsat 1975-1 a Dissertação de Mestrado Sensoriamento

Leia mais

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3 MODELAGEM NUMÉRICA DO TERRENO A PARTIR DA RECUPERAÇÃO DA BATIMETRIA DE 1958 NA FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL E DA ÁREA DA PLATAFORMA CONTINENTAL ADJACENTE, E SUAS APLICAÇÕES GEOLÓGICAS Anderson Gomes de Almeida

Leia mais

PLANO URBANO DO COMPLEXO INDUSTRIAL DO PORTO DO AÇU COM SUPORTE DE MAPAS TEMÁTICOS DIGITAIS GERADOS A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS

PLANO URBANO DO COMPLEXO INDUSTRIAL DO PORTO DO AÇU COM SUPORTE DE MAPAS TEMÁTICOS DIGITAIS GERADOS A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS PLANO URBANO DO COMPLEXO INDUSTRIAL DO PORTO DO AÇU COM SUPORTE DE MAPAS TEMÁTICOS DIGITAIS GERADOS A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS GILBERTO PESSANHA RIBEIRO 1 CRISTIANE RAMOS MAGALHÃES 2 YGOR MOREIRA MEDEIROS

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DA EROSÃO COSTEIRA EM ATAFONA, SÃO JOÃO DA BARRA, RJ, A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS E DADOS GPS

MAPEAMENTO DIGITAL DA EROSÃO COSTEIRA EM ATAFONA, SÃO JOÃO DA BARRA, RJ, A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS E DADOS GPS ISSN 1981-6251, p. 746-754 MAPEAMENTO DIGITAL DA EROSÃO COSTEIRA EM ATAFONA, SÃO JOÃO DA BARRA, RJ, A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS E DADOS GPS GILBERTO PESSANHA RIBEIRO ANDRÉ ESCOVINO DA SILVA TADEU CORRÊA

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

Oscilação Marinha. Regressão diminuição do nível do mar (Glaciação) Transgressão aumento do nível do mar (Inundação)

Oscilação Marinha. Regressão diminuição do nível do mar (Glaciação) Transgressão aumento do nível do mar (Inundação) Oscilação Marinha Regressão diminuição do nível do mar (Glaciação) Transgressão aumento do nível do mar (Inundação) Devido a variação do nível do mar a região costeira sofre alterações profundas em sua

Leia mais

Ecologia de Paisagem Conceitos e métodos de pesquisa 2012

Ecologia de Paisagem Conceitos e métodos de pesquisa 2012 Ecologia de Paisagem Conceitos e métodos de pesquisa 2012 Bases de sensoriamento remoto Cálculo de métricas com Fragstats Leandro Reverberi Tambosi letambosi@yahoo.com.br Sensoriamento Remoto Conjunto

Leia mais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais 1 Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 Bruno Ferraz Bartel 2 Christiane

Leia mais

Classificação orientada a objetos no mapeamento dos remanescentes da cobertura vegetal do bioma Mata Atlântica, na escala 1:250.

Classificação orientada a objetos no mapeamento dos remanescentes da cobertura vegetal do bioma Mata Atlântica, na escala 1:250. Apoio: PROBIO / MMA Classificação orientada a objetos no mapeamento dos remanescentes da cobertura vegetal do bioma Mata Atlântica, na escala 1:250.000 Carla Bernadete Madureira Cruz Raúl Sánchez Vicens

Leia mais

Análise espacial da expansão urbana na Região Lagunar de Itaipu, Niterói - RJ.

Análise espacial da expansão urbana na Região Lagunar de Itaipu, Niterói - RJ. Análise espacial da expansão urbana na Região Lagunar de Itaipu, Niterói - RJ. Felipe Nascimento Werminghoff¹ Raphael e Silva Girão² Pedro José Farias Fernandes 3 ¹ UFF - Instituto de Geociências Departamento

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO COMO APOIO AO PROCESSO DE RESTAURAÇÃO AMBIENTAL DO PARQUE ESTADUAL DO RIO VERMELHO, FLORIANÓPOLIS/SC

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO COMO APOIO AO PROCESSO DE RESTAURAÇÃO AMBIENTAL DO PARQUE ESTADUAL DO RIO VERMELHO, FLORIANÓPOLIS/SC MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO COMO APOIO AO PROCESSO DE RESTAURAÇÃO AMBIENTAL DO PARQUE ESTADUAL DO RIO VERMELHO, FLORIANÓPOLIS/SC Heberle, D.A. (UDESC) ; Marimon, M.P.C. (UDESC) ; Luiz, E.L. (UDESC) RESUMO

Leia mais

Gilberto Pessanha Ribeiro. UFRJ Museu Nacional Geologia do Quaternário Turma Orientador: prof. Dr. João Wagner de Alencar Castro

Gilberto Pessanha Ribeiro. UFRJ Museu Nacional Geologia do Quaternário Turma Orientador: prof. Dr. João Wagner de Alencar Castro AVALIAÇÃO DA DINÂMICA DO PONTAL ARENOSO E CAMPO DE DUNAS EM ATAFONA, SÃO JOÃO DA BARRA (RJ), COMO REQUISITO PARA INTERPRETAÇÃO DO PROCESSO EROSIVO MARINHO Gilberto Pessanha Ribeiro Orientador: prof. Dr.

Leia mais

Rua Agostinho Barbalho, nº 77, ap 503, bl 2, Madureira, Rio de Janeiro RJ. cep

Rua Agostinho Barbalho, nº 77, ap 503, bl 2, Madureira, Rio de Janeiro RJ. cep PROPAGAÇÃO DE ONDAS NA BACIA DE CAMPOS, FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL: SUBSÍDIOS PARA ESTUDOS DE INCIDÊNCIA DE ONDAS NAS MARGENS NORTE E SUL DO DELTA E EROSÃO COSTEIRA. Souza, R. D. 1 ; Bulhões, E. M. R. 2

Leia mais

TUTORIAL. Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS.

TUTORIAL. Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS. TUTORIAL Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO oferecido

Leia mais

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 3 PARTE B IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE Paulo Roberto Martini INPE

Leia mais

3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE

3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE 3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE A Figura 1 ilustra o espectro eletromagnético e as respectivas bandas espectrais do sensor TM e ETM do satélite Landsat. O Quadro 1 indica os intervalos espectrais

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA PERÍODO HORÁRIO 970 GEOPROCESSAMENTO E SENSORIAMENTO REMOTO 80 HORAS (40h teóricas e 40h práticas) 4º QUARTA-FEIRA 19:00-20:40 e 20:50 22:30

Leia mais

Getulio T. Batista & Nelson W. Dias

Getulio T. Batista & Nelson W. Dias Getulio T. Batista & Nelson W. Dias Primeiro Seminário de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul SERHIDRO-PS 2007. Taubaté, 7 a 9 de novembro de 2007 OBJETIVOS O Laboratório de Geoprocessamento,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DIGITAL DE USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL DE ZONA COSTEIRA EM ARARUAMA (RJ) A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS

CLASSIFICAÇÃO DIGITAL DE USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL DE ZONA COSTEIRA EM ARARUAMA (RJ) A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS CLASSIFICAÇÃO DIGITAL DE USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL DE ZONA COSTEIRA EM ARARUAMA (RJ) A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS GUSTAVO JOSÉ DE AZEVEDO GELELETE GILBERTO PESSANHA RIBEIRO Universidade do Estado

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO DE PESQUISA FAPERJ AUXÍLIO À PESQUISA APQ1 PROCESSO E-26/111.893/2012 RESPONSÁVEL: GILBERTO PESSANHA RIBEIRO ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO

Leia mais

Satélites e Sensores. Bruno Silva Oliveira

Satélites e Sensores. Bruno Silva Oliveira Satélites e Sensores Bruno Silva Oliveira São José dos Campos - SP Julho/2016 Órbita Polar Cíclica, heliossíncrona Órbita Geoestacionária Órbita Geoestacionária Quantos satélites orbitam a Terra? Satélites

Leia mais

ANÁLISE DA DINÂMICA DUNÁRIA E DA EXPANSÃO URBANA DA CIDADE DE TUTÓIA (MA) ENTRE 1987 E 2010

ANÁLISE DA DINÂMICA DUNÁRIA E DA EXPANSÃO URBANA DA CIDADE DE TUTÓIA (MA) ENTRE 1987 E 2010 Fabiano Capeleto Schaeffer (Graduando em Geografia) E-mail: fabianoschaeffer@hotmail.com Universidade Federal do Rio Grande do Sul Genílson Gonçalves Nunes (Graduando em Geografia) E-mail: genilson1988@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE VISUAL DE IMAGENS ORBITAIS MULTIESPECTRAIS

ANÁLISE VISUAL DE IMAGENS ORBITAIS MULTIESPECTRAIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

O resultado é uma série de "fatias" da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma

O resultado é uma série de fatias da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água

A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água O caso do Rio São Francisco. Como a degradação ambiental afeta a quantidade e a qualidade da água na bacia. Como os problemas ambientais

Leia mais

Atividade de Perfuração Marítima nos Blocos BM-PAMA-16 e BM-PAMA-17 Bacia do Pará - Maranhão

Atividade de Perfuração Marítima nos Blocos BM-PAMA-16 e BM-PAMA-17 Bacia do Pará - Maranhão B2. Praias Arenosas O termo praia inclui a faixa arenosa costeira que se estende do limite superior (supralitoral), próximo às dunas, até a faixa de arrebentação das ondas e, também, a faixa aquosa que

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (II)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (II) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA (ORIENTAÇÃO) (ESTRATÉGIA DE AÇÃO COM OS ALUNOS ORIENTANDOS)

PROJETOS DE PESQUISA (ORIENTAÇÃO) (ESTRATÉGIA DE AÇÃO COM OS ALUNOS ORIENTANDOS) (ORIENTAÇÃO) (ESTRATÉGIA DE AÇÃO COM OS ALUNOS ORIENTANDOS) Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.unifesp@gmail.com Tel.: (13) 3523-5035, 99777-8337 http://gilbertounifesp.wix.com/home 1 Orientação

Leia mais

Sistemas de Informações Geográficas

Sistemas de Informações Geográficas Sistemas de Informações Geográficas Aula 2 Assuntos: # Revisão em estatística # Revisão em informática # Revisão em sensoriamento remoto # # Histórico do SIG Geotecnologias Sensoriamento Remoto Geoprocessamento

Leia mais

USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO DIAGNÓSTICO EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS PARA GERAR INFORMAÇÕES EM BANCO DE DADOS

USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO DIAGNÓSTICO EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS PARA GERAR INFORMAÇÕES EM BANCO DE DADOS 1 USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO DIAGNÓSTICO EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS PARA GERAR INFORMAÇÕES EM BANCO DE DADOS TECNOLOGY USE OF THE INFORMATION IN THE DIAGNOSIS WATERSHEDS TO GENERATE INFORMATION

Leia mais

O PROJETO MUTIRÃO DE REFLORESTAMENTO E SEUS EFEITOS AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO.

O PROJETO MUTIRÃO DE REFLORESTAMENTO E SEUS EFEITOS AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O PROJETO MUTIRÃO DE REFLORESTAMENTO E SEUS EFEITOS AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. Aluna: Renata Fernandes Teixeira Orientador: Bernardo Baeta Neves Strassburg Introdução Com o aumento populacional

Leia mais

AREA DE ESTUDllO. Fig. i- hreo de estudio. I c

AREA DE ESTUDllO. Fig. i- hreo de estudio. I c t A Lagoa de Cima é o local de aporte de aguas e sedimentos que circulam na microbacia do rio Imbé, uma das contribuintes à planicie deltaica do rio Paraiba do Sul (Argento. 1987). no municipio de Campos,

Leia mais

Reyes-Pérez, Y.A. Tese de Doutorado 58

Reyes-Pérez, Y.A. Tese de Doutorado 58 Reyes-Pérez, Y.A. Tese de Doutorado 58 4.4.1- MODELOS ESTÁTICOS 3D Os dados obtidos nos dois levantamentos foram processados e inseridos no software Gocad usando-se os procedimentos descritos anteriormente

Leia mais

Prof o. Ti T a i go B adr d e r Mar a ino n Geoprocessamento D pa p rtam a ent n o de d Ge G oc o iê i nc n ias Instituto de Agronomia - UFRRJ

Prof o. Ti T a i go B adr d e r Mar a ino n Geoprocessamento D pa p rtam a ent n o de d Ge G oc o iê i nc n ias Instituto de Agronomia - UFRRJ Resoluções das Imagens O termo resolução em sensoriamento remoto se desdobra na verdade em três diferentes (e independentes) parâmetros: resolução espacial, resoluçãoo espectral e resolução radiométrica

Leia mais

ENCARTE 5 UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.83

ENCARTE 5 UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.83 ANEXO 5.4 - ENCARTE FOTOGRÁFICO Tema: Geologia Figura A.14 - Plano de Falha Inversa. Localização: BR 101 ( 534.900, 7.428.300) Figura A.15 - Granito Paraty. Localização: BR 101 (534.550, 7.418.900) Figura

Leia mais

LAMA DE PRAIA CASSINO

LAMA DE PRAIA CASSINO LAMA DE PRAIA CASSINO Publicado no site em 18/09/2014 Euripedes Falcão Vieira* Os estuários são áreas de intensa movimentação de sedimentos produzidas pelas correntes que nelas atuam. A natureza dos sedimentos,

Leia mais

Interpretação Visual de Produtos de Sensoriamento Remoto

Interpretação Visual de Produtos de Sensoriamento Remoto UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Interpretação Visual de Produtos de Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Richarde Marques IMAGENS DE SENSORIAMENTO

Leia mais

Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista

Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Importância eliminação de distorções sistemáticas estudos multi-temporais integração de dados em SIG

Leia mais

Características Morfodinâmicas das Praias do Litoral Centro Norte do estado do Rio de Janeiro

Características Morfodinâmicas das Praias do Litoral Centro Norte do estado do Rio de Janeiro Características Morfodinâmicas das Praias do Litoral Centro Norte do estado do Rio de Janeiro Fernandez, G.B. (Universidade Federal Fluminense) ; Rocha, T.B. (NEQUAT - UFRJ) ; Maluf, V. (LAGEF -UFF) ;

Leia mais

A GEODIVERSIDADE DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA, RIO DE JANEIROi

A GEODIVERSIDADE DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA, RIO DE JANEIROi A GEODIVERSIDADE DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA, RIO DE JANEIROi RESUMO José Eduardo Dias Doutorando em Fitotecnia - UFRuRJ mscdias@yahoo.com.br Olga Venimar de Oliveira Gomes Mestre em Geologia - UFRJ

Leia mais

SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS

SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS DISCIPLINA: Geografia ANO DE ESCOLARIDADE: 7.º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS A Terra: Estudos e Representações - A Geografia e o Território - A representação

Leia mais

Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho

Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho Formação dos Solos Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho Bibliografia: Notas de aula (apostila) de Geotécnica, Prof. Reno Reine Castello

Leia mais

Relevo Brasileiro. Professora: Jordana Costa

Relevo Brasileiro. Professora: Jordana Costa Relevo Brasileiro Professora: Jordana Costa Relevo Observando a parte superficial da litosfera, isto é, o terreno sobre o qual vivemos, sobre o qual construímos cidades e estradas, vemos que ela apresenta

Leia mais

MAPEAMENTO TEMÁTICO DIGITAL A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAS PARA O PLANO URBANO DO COMPLEXO INDUSTRIAL DO PORTO DO AÇU

MAPEAMENTO TEMÁTICO DIGITAL A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAS PARA O PLANO URBANO DO COMPLEXO INDUSTRIAL DO PORTO DO AÇU MAPEAMENTO TEMÁTICO DIGITAL A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAS PARA O PLANO URBANO DO COMPLEXO INDUSTRIAL DO PORTO DO AÇU GILBERTO PESSANHA RIBEIRO 1 ANDRÉ ESCOVINO DA SILVA 1 CRISTIANE RAMOS MAGALHÃES 2 YGOR

Leia mais

PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO

PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo PMI Graduação em Engenharia de Petróleo PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO PROCESSAMENTO

Leia mais

Monitorização de praias e dunas usando fotografia aérea digital com georreferenciação directa

Monitorização de praias e dunas usando fotografia aérea digital com georreferenciação directa Monitorização de praias e dunas usando fotografia aérea digital com georreferenciação directa José A. Gonçalves (1), Luísa Bastos (1), Helena Granja (2), José Luís Pinho (3), Renato Henriques (2), Américo

Leia mais

Estudo de Viabilidade Ambiental e Fundiária para elaboração do Traçado Virtual da LT 500KV SE Porto de Sergipe.

Estudo de Viabilidade Ambiental e Fundiária para elaboração do Traçado Virtual da LT 500KV SE Porto de Sergipe. Estudo de Viabilidade Ambiental e Fundiária para elaboração do Traçado Virtual da LT 500KV SE Porto de Sergipe. 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO/ESTUDO: Nome: LT 500KV SE Porto de Sergipe Objeto do

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Reyes-Pérez, Y.A. Tese de Doutorado 51

Reyes-Pérez, Y.A. Tese de Doutorado 51 Reyes-Pérez, Y.A. Tese de Doutorado 51 4.3.1- MODELO ESTÁTICO 3D Nesta etapa foi empregado o software Gocad em sua versão 2.1 para integrar, modelar e visualizar tridimensionalmente os dados geológicos

Leia mais

GEOLOGIA DO QUATERNÁRIO

GEOLOGIA DO QUATERNÁRIO GEOLOGIA DO QUATERNÁRIO Terça 14 às 18h IC3 sala 16 Variação do nível do mar e suas evidências Turma: 2015/2 Prof as. Jacqueline Albino e Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com GLACIAÇÕES QUATERNÁRIAS

Leia mais

Identificação de Áreas de Risco à Erosão Utilizando Sistemas de Informações Geográficas

Identificação de Áreas de Risco à Erosão Utilizando Sistemas de Informações Geográficas Identificação de Áreas de Risco à Erosão Utilizando Sistemas de Informações Geográficas Geíza Coutinho Figueiredo Alessandra Lopes Braga Maria Lúcia Calijuri Departamento de Engenharia Civil - Informações

Leia mais

GEF-AMAZONAS. Subprojeto III.2 Prioridades Especiales sobre laadaptación. AtividadeIII.2.3. Adaptation to Sea Level Rise in the Amazon Delta

GEF-AMAZONAS. Subprojeto III.2 Prioridades Especiales sobre laadaptación. AtividadeIII.2.3. Adaptation to Sea Level Rise in the Amazon Delta GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS CONSIDERANDO A VARIABILIDADE E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS OTCA / GEF / PNUMA GEF-AMAZONAS Subprojeto III.2 Prioridades

Leia mais

O resultado é uma série de "fatias" da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma

O resultado é uma série de fatias da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

EROSÃO COSTEIRA NAS FALÉSIAS TIBAU DO SUL LITORAL LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE

EROSÃO COSTEIRA NAS FALÉSIAS TIBAU DO SUL LITORAL LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE EROSÃO COSTEIRA NAS FALÉSIAS TIBAU DO SUL LITORAL LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE William de Souza e Silva 1 ; Olavo Francisco dos Santos Jr 2 ; Ricardo Farias do Amaral 3 ; Ada Cristina Scudelari 4. 1 Engenheiro

Leia mais

9º Encontro Técnico DER-PR

9º Encontro Técnico DER-PR Técnicas de Sensoriamento Remoto aplicadas a rodovias. 9º Encontro Técnico DER-PR Sensoriamento Remoto É definido como, o conjunto de técnicas e equipamentos, utilizados para obter informações sobre um

Leia mais

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF.

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. 1 Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. Lousada, Bruno Maia Soriano (1) ; Lacerda, Marilusa Pinto Coelho (2) ; Boschini Ana Paula Masson (1) & Araújo,

Leia mais

Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe

Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Programa de Pós - Graduação em Ciência do solo Disciplina: Seminário II Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe Discente do mestrado: Wagner

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO PARAÍBA DO SUL E O PORTO DO AÇU, NO NORTE FLUMINENSE

MAPEAMENTO DIGITAL DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO PARAÍBA DO SUL E O PORTO DO AÇU, NO NORTE FLUMINENSE MAPEAMENTO DIGITAL DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO PARAÍBA DO SUL E O PORTO DO AÇU, NO NORTE FLUMINENSE Gilberto Pessanha Ribeiro, UERJ/Faculdade de Engenharia; UFF/Instituto de Geociências; Globalgeo Geotecnologias

Leia mais

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP). 89 Interpretação e classificação de imagens de satélite na extração de informações sobre o uso da terra e cobertura vegetal na bacia hidrográfica do rio Teles Pires/MT-PA Jéssica da Silva Rodrigues Cecim

Leia mais

Fonte: Projeto Ações Integradas para Sustentabilidade das APPs da Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape

Fonte: Projeto Ações Integradas para Sustentabilidade das APPs da Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape Situação das Matas Ciliares na Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira Fonte: Projeto Ações Integradas para Sustentabilidade das APPs da Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape SOS Mata Atlântica/CBH-RB/FEHIDRO/ISA/IF/ARCPLAN/VIDÁGUA

Leia mais

REMANESCENTES DE VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA

REMANESCENTES DE VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA REMANESCENTES DE VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA Proponente MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas Sub-projeto PROBIO: Remanescentes de vegetação dos biomas brasileiros Executor Fundação de Apoio da UFRGS

Leia mais

AGENTES EXTERNOS DO RELEVO

AGENTES EXTERNOS DO RELEVO AGENTES EXTERNOS DO RELEVO INTEMPERISMO QUÍMICO FÍSICO ou MECÂNICO BIOLÓGICO ou ORGÂNICO 1 INTEMPERISMO: QUÍMICO FÍSICO e BIOLÓGICO (FUVEST) Intemperismo é o nome que se dá ao conjunto de processos que

Leia mais

SENSORES REMOTO UMA ABORDAGEM PRÁTICA NO LEVANTAMENTO FLORESTAL

SENSORES REMOTO UMA ABORDAGEM PRÁTICA NO LEVANTAMENTO FLORESTAL SENSORES REMOTO UMA ABORDAGEM PRÁTICA NO LEVANTAMENTO FLORESTAL MADRUGA P.R. de A. 1 As técnicas de geoprocessamento, em especial o Sensoriamento Remoto, tornaram-se corriqueiras no dia a dia dos profissionais

Leia mais

Cartas de Sensibilidade a Derramamento de Óleo Costeira e Terrestre. Prof Dr Paulo Márcio Leal de Menezes ICA SBC - UFRJ

Cartas de Sensibilidade a Derramamento de Óleo Costeira e Terrestre. Prof Dr Paulo Márcio Leal de Menezes ICA SBC - UFRJ Cartas de Sensibilidade a Derramamento de Óleo Costeira e Terrestre Prof Dr Paulo Márcio Leal de Menezes ICA SBC - UFRJ pmenezes@acd.ufrj.br 1 Introdução Cartografia Temática Cartografia Ambiental Cartografia

Leia mais

Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico. Marcelo Motta MorfoTektos

Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico. Marcelo Motta MorfoTektos Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico Marcelo Motta MorfoTektos Seminário PosGeo UERJ outubro 2015 Almeida, 1978 N 68 36 0 A 8

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS DE NDVI DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS-MG PARA OS ANOS DE 1986 E 2010

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS DE NDVI DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS-MG PARA OS ANOS DE 1986 E 2010 ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS DE NDVI DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS-MG PARA OS ANOS DE 1986 E 2010 Guilherme Augusto Verola Mataveli ¹e Rúbia Gomes Morato² guilhermemataveli88@yahoo.com.br, rubiagm@gmail.com

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; PALAVRAS CHAVES: Planejamento ambiental; Geoprocessamento; Geomorfologia

Costa, B.L. 1 ; PALAVRAS CHAVES: Planejamento ambiental; Geoprocessamento; Geomorfologia USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O MAPA DE LOCALIZAÇÃO DE PONTOS DE MOVIMENTOS DE MASSAS NA. Costa, B.L. 1 ; 1 UERJ - FFP Email:brunolopescosta@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste

Leia mais

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE EAD SR-II - 2013 Geomorfologia Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE Relevo da Superfície Terrestre Caracteriza-se - elevações e depressões de diferentes

Leia mais

Análise do limite das bacias de visibilidade com impacto sobre o Bem

Análise do limite das bacias de visibilidade com impacto sobre o Bem Análise do limite das bacias de visibilidade com impacto sobre o Bem Informação adicional prestada ao ICOMOS, no âmbito da avaliação da Candidatura Fevereiro de 2013 Análise de Visibilidade 1. Introdução

Leia mais