ALUNOS ESPECIAIS (voltar)

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALUNOS ESPECIAIS (voltar)"

Transcrição

1 ÍNDICE Alunos Especiais Resolução n o 07/2002 Atestados Resolução n o 03/2002 Comissão de Planejamento Resolução n o 04/2002 Editoração de teses e dissertações Resolução n o 01/2002 Monitores Voluntários Resolução n o 06/2002 Programa de Aperfeiçoamento de Ensino Resolução n o 02/2002 Programa de Aperfeiçoamento de Ensino Resolução n o 05/2002 Regras Gerais Resolução no 08/ REVOGADO

2 ALUNOS ESPECIAIS (voltar) Resolução n o 07/2002 A Comissão de Pós-graduação da Faculdade de Direito da USP, no uso de suas atribuições legais, em sessão de 11 de dezembro de 2002, considerando a necessidade de regulamentar a admissão de ALUNOS ESPECIAIS, nos termos dos artigos 94 e 95 do Regimento de Pós-Graduação, resolve: Art. 1. o Serão admitidos alunos especiais que hajam concluído curso superior, nos programas de pós-graduação da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Art. 2. o O número de alunos, por docente responsável pela disciplina, será no máximo de 2 (dois), desde que haja vagas não preenchidas por alunos regulares do curso de pósgraduação. Art. 3. o A inscrição dos alunos especiais será na mesma época dos alunos regulares, e a homologação da mesma ficará condicionada a existência de vagas na disciplina escolhida pelo candidato. Parágrafo único. Não será aceita inscrição de aluno especial que tenha sido reprovado anteriormente em qualquer disciplina. Art. 4. o Os docentes responsáveis pelas disciplinas deverão autorizar a inscrição do aluno especial, no requerimento do mesmo, que será instruído com histórico escolar do curso de graduação e curriculum vitae. Art. 5. o Os alunos especiais poderão cursar somente 1 (uma) disciplina, por semestre. Parágrafo único. O aluno especial deve submeter-se às mesmas exigências do aluno regular, incluindo o processo avaliatório.

3 Art. 6. o O aluno especial será desligado da disciplina quando não comparecer a duas aulas consecutivas ou alternadas, ou a critério do docente responsável.. Art. 7. o Nos termos do parágrafo 2 o do artigo 94 do Regimento de Pós-Graduação, o aluno especial que pretenda passar para aluno regular e aproveitar os créditos, deverá cumprir todas as exigências a que estão sujeitos os alunos regulares, inclusive quanto ao processo de seleção para ingresso no Curso de Pós-Graduação da FDUSP. Art. 8. o Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. 17 de dezembro de 2002 ANTONIO LUIS CHAVES CAMARGO Presidente da Comissão de Pós-Graduação

4 ATESTADOS (voltar) Resolução n o 03/2002 A Comissão de Pós-graduação da FADUSP, em sua 170ª sessão, realizada a 23 de outubro de 2002, resolve: Art. 1. o Não serão emitidos atestados, cujas informações constem da Ficha do Aluno, salvo em casos excepcionais a serem estudados e deliberados pelo Presidente da Pós-Graduação. Art. 2. o Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Publique-se, remetendo-se cópia aos Departamentos, para divulgação. São Paulo, 05 de novembro de ANTONIO LUIS CHAVES CAMARGO Presidente da Comissão de Pós Graduação

5 Resolução n o 04/2002 COMISSÃO DE PLANEJAMENTO (voltar) A Comissão de Pós-graduação da FADUSP, em sua 170ª sessão, realizada a 23 de outubro de 2002, resolve: Art. 1. o Criar Comissão para elaboração do Plano de Metas da Pós-Graduação da Faculdade de Direito. Art. 2. o Para compor a Comissão a que se refere o Artigo 1. o ficam designados os seguintes membros: Prof. Antonio Luis Chaves Camargo Presidente; Prof. Paulo de Barros Carvalho membro; Prof. José Reinaldo de Lima Lopes membro; Profa. Giselda Maria Fernandes Novaes Hioronaka membro. Artigo 3. o Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. São Paulo, 05 de novembro de ANTONIO LUIS CHAVES CAMARGO Presidente da Comissão de Pós Graduação

6 EDITORAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES (voltar) Resolução n o 01/2002 A Comissão de Pós-graduação da FADUSP, em reunião de 10 de setembro de 2002, considerando a necessidade de padronizar a editoração das teses de doutorado, dissertações de mestrados e outros trabalhos de pesquisa, resolve: Art. 1. o As teses de doutorado e dissertações de mestrado a serem apresentadas à Comissão de Pós-graduação, desta Faculdade de Direito da USP, deverão observar as seguintes orientações de elaboração final do texto. a) Devem ser observadas, em cada página, as seguintes margens: i. Margem superior : 3 cm ii Margem inferior : 2 cm iii Margem esquerda : 3,5 cm iv Margem direita : 2 cm; b) A redação do texto deve ser feita utilizando-se corpo 12, no tipo de letra Times New Roman; e corpo 10 para as notas de rodapé; c) O espaço entre linhas deve ser de 1,5 cm., com exceção do rodapé, cujo espaço é de 1 cm; d) O título do capítulo, em corpo 14, em letras maiúsculas e negrito, deve ser iniciado em folha nova. Art. 2. o As teses de doutorado e dissertações de mestrado devem ser encadernadas em capa dura, revestidas de percalux ou material semelhante, na cor azul escuro, com gravação dos dizeres em branco, dourado ou prateado. Parágrafo único. Os projetos de pesquisa, para ingresso nos cursos de pós-graduação, e os apresentados para a qualificação, tanto no doutorado quanto no mestrado, serão

7 encadernados em espiral, impressos em folha branca, com a capa também em folha branca, contendo os dizeres exigidos, impressos em letras normais com tinta preta. Art. 3. o As capas dos trabalhos e projetos devem conter, obrigatoriamente: o nome do candidato; o título do trabalho, centralizado, com corpo maior do que o do nome; a indicação da natureza do trabalho (tese de doutorado ou dissertação de mestrado); o nome do Professor Orientador e, na parte de baixo, o nome da Faculdade, a cidade e o ano de apresentação, centralizados. Art. 4. o Esta Resolução entra em vigor em 1 o de janeiro de 2003, revogadas as disposições em contrário. Publique-se, remetendo-se cópia aos Departamentos, para divulgação. São Paulo, 10 de setembro de JOSÉ ROGÉRIO CRUZ E TUCCI Presidente da Comissão de Pós graduação.

8 MONITORES VOLUNTÁRIOS (voltar) Resolução n o 06/2002 A Comissão de Pós-graduação da Faculdade de Direito da USP, no uso de suas atribuições legais, em sessão de 11 de dezembro de 2002, considerando a necessidade de regulamentar as atividades dos Monitores Voluntários, para auxiliar os docentes do Curso de Pósgraduação da FADUSP; considerando que a implantação do Programa de Preparação Pedagógica, para o 1 º semestre letivo de 2003, impede os participantes de atividades docentes auxiliares; resolve baixar a seguinte resolução: Art. 1. o Serão admitidos, exclusivamente para o 1 º semestre de 2003, os Monitores Voluntários que cursam disciplinas do Curso de Pós-graduação, mestrado e doutorado, da FADUSP, para exercerem atividades no Curso de Graduação. Art. 2. o As inscrições para as atividades de monitores voluntários serão abertas, na Secretaria do Pós-graduação da FADUSP, no período de 1 a 15 de fevereiro de 2003, com divulgação através da INTERNET (site: e afixação de edital.. Art. 3. o Poderão inscrever-se os alunos do Curso de Pós-Graduação da FADUSP, regularmente matriculados no mestrado e doutorado, que exerceram atividades de monitoria pelo período de até 3 (três) semestres letivos e que não tenham completado o curso de mestrado ou doutorado, com o depósito ou defesa da dissertação ou tese de doutorado. Art. 4. o No ato da inscrição o candidato deverá apresentar o seguinte: a. requerimento de inscrição. b. projeto de participação elaborado pelo responsável pela disciplina de graduação, para 1 º semestre de 2003, constando as tarefas, responsabilidades e carga horária do candidato, que não ultrapassará 6 (seis) horas semanais. c. autorização do orientador do pós-graduando para que este possa participar do programa. d. ficha escolar do pós-graduação do candidato, indicando o número de monitorias exercidas nos semestres anteriores.

9 Parágrafo único. O aluno de mestrado e doutorado poderá inscrever-se em apenas uma disciplina no semestre. Art. 5. o As atividades dos monitores serão supervisionadas pelo responsável pela disciplina, podendo este ser diverso do orientador. Art. 6. o Não serão concedidos créditos especiais ou bolsas remuneradas aos monitores voluntários. Art. 7. o A Comissão do Programa da Aperfeiçoamento de Ensino da FADUSP aprovará a indicação dos monitores voluntários, remetendo lista dos aprovados aos respectivos Departamentos. Art. 8. o Não haverá recursos do indeferimento de inscrições e seleção dos monitores voluntários. Art. 9. o No 2 º semestre de 2003, serão admitidos somente monitores nos termos da Resolução n. 5/2002 da Comissão de Pós-graduação. Art. 10. Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. 17 de dezembro de 2002 ANTONIO LUIS CHAVES CAMARGO Presidente da Comissão de Pós-Graduação

10 PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTE DE ENSINO (voltar) Resolução n o 02/2002 A Comissão de Pós-graduação da FADUSP, em sua 170ª sessão, realizada a 23 de outubro de 2002, resolve: Art. 1. o Designar Sub-Comissão específica, vinculada à Comissão de Pós-Graduação, para estudar e implementar critérios de seleção de bolsistas, coordenar e avaliar as inscrições, bem como gerenciar a execução dos estágios dos alunos aprovados no PAE Programa de Aperfeiçoamento de Ensino. - Prof. Dr. ANTONIO LUIS CHAVES CAMARGO Presidente - Profa. Dra. MARISTELA BASSO Membro - Prof. Dr. ESTÊVÃO MALLET - Membro Art. 2. o Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Publique-se, remetendo-se cópia aos Departamentos, para divulgação. São Paulo, 28 de outubro de ANTONIO LUIS CHAVES CAMARGO Presidente da Comissão de Pós Graduação.

11 PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTE DE ENSINO Resolução n o 05/2002 (voltar) A Comissão de Pós-graduação da Faculdade de Direito da USP, no uso de suas atribuições legais, em sessão de 13 de novembro de 2002, com base na Portaria GR-3.347, de 06 de junho de 2002, Considerando a necessidade de regulamentar as atividades do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino, PAE, na forma da Portaria GR-3.347, de 06 de junho de 2002, resolve baixar a seguinte resolução: I ETAPA DE PREPARAÇÃO PEDAGÓGICA Art. 1. o A Preparação Pedagógica, na Faculdade de Direito da USP, será oferecida semestralmente, como pré-requisito para a Etapa do Estágio Supervisionado em Docência. Art. 2. o As atividades desta fase consistirão em conjunto de conferências, oficinas de trabalho e núcleos de atividades com especialistas em questões da Universidade e do Ensino Superior, concentradas num bimestre, conforme programa a ser elaborado pela Comissão Coordenadora de Aperfeiçoamento de Ensino PAE, da FADUSP. Parágrafo Único. Poderão ser convidados especialistas de outras entidades, nacionais ou internacionais, ou de outras unidades da Universidade de São Paulo. Art. 3. o A critério da Comissão Coordenadora de Aperfeiçoamento de Ensino PAE, da FADUSP, e aprovação da Comissão de Pós-graduação, poderá ser oferecida disciplina de pós-graduação, com conteúdo voltado para questões da Universidade e do Ensino Superior, com créditos regulares. Art. 4. o As inscrições para a Etapa de Preparação Pedagógica serão abertas, na Secretaria do Pós-graduação da FADUSP, nos meses de maio e outubro de cada ano, com divulgação através da INTERNET (site: e afixação de edital.

12 Parágrafo único. Para a inscrição deverão ser apresentados o requerimento assinado pelo candidato, com aprovação do seu orientador e ficha escolar do pós-graduação. Art. 5. o Poderão inscrever-se os alunos do curso de pós-graduação da FADUSP, regularmente matriculados no mestrado e doutorado. Art. 6. o Os mestrandos bolsistas da CAPES deverão, como requisito, cumprir a Etapa de Preparação Pedagógica. Art. 7. o O aproveitamento do aluno, nesta etapa, será apurado pelo comparecimento às atividades programadas e conceito a ser atribuído em trabalho final sobre um dos temas estudados. Parágrafo único. As ausências às palestras ou atividades programadas, no máximo de 2 (duas), deverão ser devidamente justificadas, sob pena de desligamento do mestrando ou doutorando do programa PAE. Art. 8. o Serão concedidos 2 (dois) créditos especiais aos alunos que obtiverem conceito de aproveitamento nesta Etapa. Art. 9. o Não será concedido auxílio financeiro mensal nesta Etapa de Preparação Pedagógica. II ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DOCÊNCIA (EESD) Art. 10. Poderão inscrever-se, nesta etapa, os alunos regularmente matriculados no mestrado ou doutorado da FADUSP, que tenham sido aprovados na Etapa de Preparação Pedagógica. Parágrafo único. Os doutorandos bolsistas da CAPES deverão cumprir as duas Etapas. Art. 11. As inscrições a serem realizadas na Secretaria do Pós-graduação da FADUSP, nas segundas quinzenas de Maio e Outubro de cada ano, após publicação de edital no Diário

13 Oficial do Estado, com prazo mínimo de 20 (vinte) dias, mediante a apresentação dos seguintes documentos: a. requerimento de inscrição pelo candidato. b. projeto de participação elaborado pelo responsável pela disciplina de graduação, para o semestre seguinte, constando as tarefas, responsabilidades e carga horária do candidato, que não ultrapassará 6 (seis) horas semanais. c. autorização do orientador do pós-graduando para que este possa participar da EESD; d. ficha escolar do pós-graduação do candidato, indicando a aprovação na Etapa de Preparação Pedagógica. Parágrafo único. O aluno de mestrado e doutorado poderá inscrever-se em apenas uma disciplina por semestre. Art. 12. Os alunos inscritos e selecionados para a EESD poderão receber auxílio financeiro mensal, observados os critérios de concessão do artigo 9 º da Portaria GR-3.347,/2002, e disponibilidade financeira. Parágrafo único. Não poderão receber auxílio financeiro os alunos que tiverem vínculo empregatício com a USP, nos termos do par. 4 º, do artigo 6 º, da Portaria GR-3.347/2002. Art. 13. Não haverá recursos para o indeferimento de inscrições, seleção ou concessão de auxilio financeiro no Programa de Aperfeiçoamento de Ensino-PAE. Art. 14. Ao final de cada semestre, o aluno apresentará um relatório circunstanciado das atividades realizadas no decorrer do estágio. Art. 15. O supervisor, responsável pela disciplina de graduação na qual o estagiário realizou atividades, fará uma ficha de avaliação do aluno, para análise pela Comissão Coordenadora do PAE da FADUSP. Art. 16. Ao final do estágio, que terá a duração máxima de 2 (dois) semestres, o aluno terá direito a um certificado de participação expedido pela Comissão Coordenadora do PAE e

14 assinado pelo Presidente da Comissão Central do PAE, e à obtenção de 6 (seis) créditos para seu programa de pós-graduação. Art. 17. O desligamento do PAE, na Etapa de Estágio Supervisionado em Docência, com perda do auxílio financeiro e créditos, dar-se-á por: a. trancamento de matrícula, abandono ou conclusão do curso. b. não cumprimento das horas do estágio firmadas no termos de compromisso. c. não cumprimento do plano de trabalho. d. por solicitação do supervisor. Art. 18. Compete à Comissão Coordenadora do PAE da FADUSP apresentar os critérios para a elaboração dos projetos de atividades semestrais, bem como os de seleção e concessão de auxílio financeiro, que serão analisados e aprovados pela Comissão de Pósgraduação. III Disposições transitórias. Art. 19. As inscrições para a Etapa de Preparação Pedagógica (EPP) serão abertas na Secretaria do Pós-graduação da FADUSP no período de 20 de novembro a 13 de dezembro de 2002, mediante apresentação dos documentos indicados no par. Único do artigo 4 º desta Resolução. Art. 20. A Comissão Coordenadora do PAE da FADUSP apresentará, até 30 de janeiro de 2003 o conjunto de atividades da Etapa de Preparação Pedagógica, para o 1 º semestre de 2003, para divulgação. Art. 21. Os atuais alunos inscritos no Programa PAE, que não tenham cumprido mais de 2 (dois) semestres, ou não tenham concluído o curso, poderão inscrever-se para a Etapa de Preparação Pedagógica. Art. 22. Os créditos concedidos pelo sistema anterior do PAE serão deduzidos do limite de 8 (oito) concedidos aos alunos que cumprirem as duas etapas do atual Programa de Aperfeiçoamento de Ensino PAE.

15 Art. 23. As dúvidas decorrentes da implantação do novo Programa serão resolvidas pela Comissão Coordenadora do PAE da FADUSP, observadas as disposições desta Resolução e da Portaria GR , de 06 de junho de Art. 24. Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. ANTONIO LUIS CHAVES CAMARGO Presidente da CPG

RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV

RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV Cria o Programa de Monitoria e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Art. 1º - Aprovar Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce- UNIVALE.

Art. 1º - Aprovar Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce- UNIVALE. Resolução CONSEPE: Nº. 049/2014 Aprova Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce. O Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Universidade Vale do Rio Doce

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA I - Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) A CCP terá 6

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA REGULAMENTO Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PGFilo), vinculado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I

FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I DA MONITORIA: Art. 1º. A monitoria é uma atividade auxiliar à docência exercida por alunos regularmente

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Monitoria, vinculado à Seção de Apoio Estudantil da Coordenadoria de Assuntos Estudantis e Comunitários,

Leia mais

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 ASSOCIAÇÃO LENÇOENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - ALEC FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 Usando as atribuições que lhe confere o regimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 17/CEPE, DE 03 DE MAIO DE 2006 Aprova normas para os cursos de especialização da Universidade Federal do Ceará. O Reitor da UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas

Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas RESOLUÇÃO N 01/2014 Dispõe sobre a concessão e manutenção de bolsas de estudos do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Instrução normativa Nº 01/2011 Revoga a Instrução Normativa N 02/2008 da comissão

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO (MONOGRAFIA) TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO (MONOGRAFIA) TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO (MONOGRAFIA) TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relativas ao Trabalho de Curso do currículo

Leia mais

1.2.1. Proporcionar ao Corpo Docente a participação de monitores junto ao desenvolvimento de suas disciplinas.

1.2.1. Proporcionar ao Corpo Docente a participação de monitores junto ao desenvolvimento de suas disciplinas. A Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX) da Faculdade Metropolitana da Grande Recife, em conjunto com a Direção Acadêmica, abre inscrições aos alunos de graduação interessados em participar do Programa

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS DISCENTES E DOCENTES DA PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA/UFJF MESTRADO

ORIENTAÇÕES AOS DISCENTES E DOCENTES DA PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA/UFJF MESTRADO ORIENTAÇÕES AOS DISCENTES E DOCENTES DA PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA/UFJF MESTRADO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E CLASSIFICAÇÃO. A seleção consta de prova escrita de conhecimentos gerais em Química, conhecimentos

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO

DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento Coordenação de Programas de Pós-Graduação Rua Mayrink Veiga, 09 17 e 18º

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE.

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. TÍTULO I FINALIDADES Art. 1º - O Centro Setorial de Produção Industrial

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO

PRÓ-REITORIA DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO Regulamento do Programa de Monitoria de Ensino aprovado pelo Conselho Superior do IFS através da Resolução nº 07/CS/2011. Aracaju/SE

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 026/2013

RESOLUÇÃO CONSU 026/2013 RESOLUÇÃO CONSU 026/2013 Redefine o Programa de Ajuda de Custo para Servidores Docentes e Técnicos - PACDT para PADF Programa de Apoio para o desenvolvimento profissional para Cursos de Pós-Graduação Stricto

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente.

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente. INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS 1. CURRÍCULO Para cada curso de graduação é organizado um currículo. O currículo abrange uma sequência de disciplinas/módulos hierarquizados(as) por períodos letivos, cuja

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

Resolução 044/Reitoria/Univates Lajeado, 09 de junho de 2014

Resolução 044/Reitoria/Univates Lajeado, 09 de junho de 2014 Resolução 044/Reitoria/Univates Lajeado, 09 de junho de 2014 Aprova o Edital Propex/Pós-Graduação 01/2014 abertura de Inscrições para Processo de Seleção para o Programa de Pós-Graduação em Ambiente e

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 009/2011

RESOLUÇÃO N.º 009/2011 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 009/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação Lato Sensu, MBA Executivo em Gestão Empreendedora.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU RESOLUÇÃO N.º 507/2007 Publicada no D.O.E. de 08/09-12-2007, pág. 24 Altera a Resolução Nº. 634/04 CONSEPE, que aprova o Regulamento de

Leia mais

Faculdade São Francisco de Piumhi Curso de Direito da FASPI. Resolução nº 001 de 8 de agosto de 2010

Faculdade São Francisco de Piumhi Curso de Direito da FASPI. Resolução nº 001 de 8 de agosto de 2010 Resolução nº 001 de 8 de agosto de 2010 A Diretoria Acadêmica no exercício regular de suas atribuições legais e regimentais, nos termos do artigo 19, I, Reg. Interno, resolve: Regulamenta a elaboração

Leia mais

NORMAS PARA EXECUÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO

NORMAS PARA EXECUÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO NORMAS PARA EXECUÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A presente Resolução fixa as normas para o funcionamento do Programa de Bolsa de Extensão.

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO SÃO LOURENÇO/2014 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar a monitoria,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

EDITAL INTERNO 005/2016

EDITAL INTERNO 005/2016 EDITAL INTERNO 005/2016 Dispõe sobre a seleção de candidatos à monitoria para o 1º semestre de 2016 na. O Diretor da, de acordo com o aprovado pela Congregação, faz publicar o presente edital para o processo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

EDITAL PARA MONITORIA PERÍODO DE MARÇO DE 2015 A JULHO DE 2015

EDITAL PARA MONITORIA PERÍODO DE MARÇO DE 2015 A JULHO DE 2015 EDITAL PARA MONITORIA PERÍODO DE MARÇO DE 2015 A JULHO DE 2015 A pró-reitora do UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que as inscrições para o concurso interno de monitoria

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa Culturas e Identidades Brasileiras é a própria

Leia mais

REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O TCC é uma atividade acadêmica de natureza científica, técnica, filosófica e ou artística com

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) (alterada pela Resolução Consepe n.º 24/2011) N.º 09/2010 Dispõe sobre as normas

Leia mais

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de Políticas Públicas, Curso Mestrado Profissional, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca TÍTULO I Do Programa Artigo 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA TÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 - Este regulamento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas do Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB.

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB. Dispõe sobre o Programa de Bolsa de Monitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, revogando as disposições em contrário, em especial as Resoluções CONSEPE/UESB 18/94 e 48/97. O Conselho

Leia mais

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL 1 / 9 INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S/A - IPT REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL CAPÍTULO I - Das Finalidades 1.1 - Os Programas de Mestrado Profissional do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012-PPGMAPSI/UNIR DE 01 DE OUTUBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012-PPGMAPSI/UNIR DE 01 DE OUTUBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012-PPGMAPSI/UNIR DE 01 DE OUTUBRO DE 2012. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DO EXAME DE QUALIFICAÇÃO, DEFESA E ENTREGA DA VERSÃO FINAL DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO.

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Regulamento de Atividades Complementares Curso de Enfermagem Capítulo I- Disposições Gerais Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade regrar as Atividades Complementares para o curso de Enfermagem

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e revoga as Resoluções CONSEPE nº 09/2013; 10/2014

Leia mais

EDITAL PARA ESTAGIÁRIOS BOLSISTAS ACC PERÍODO DE 04/09/2014 A 30 /07/ 2015

EDITAL PARA ESTAGIÁRIOS BOLSISTAS ACC PERÍODO DE 04/09/2014 A 30 /07/ 2015 EDITAL PARA ESTAGIÁRIOS BOLSISTAS ACC PERÍODO DE 04/09/2014 A 30 /07/ 2015 A pró-reitora do UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que as inscrições para o processo seletivo

Leia mais

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Via Washington Luís, km. 235 - Caixa Postal 676 CEP 13560-970 - São Carlos - SP - Brasil propg@power.ufscar.br / www.propg.ufscar.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E LINGUÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E LINGUÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E LINGUÍSTICA Resolução n. 002/2014 Estabelece normas, critérios e condições para concessão, manutenção, renovação,

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares seis orientadores plenos credenciados no programa, representantes de cada linha de

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO I - DOS OBJETIVOS 1. Possibilitar o crescimento acadêmico de alunos do Curso, tanto do Aluno/Monitor quanto dos alunos por ele assistidos; 2. Oferecer

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO - TC (cursos 557 e 558 - currículos 1, 2 e 3)

CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO - TC (cursos 557 e 558 - currículos 1, 2 e 3) CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO - TC (cursos 557 e 558 - currículos 1, 2 e 3) Art. 1º O presente instrumento tem por finalidade normatizar as atividades do Trabalho de Curso (TC), do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO

EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade

Leia mais

Trancamento de matrícula

Trancamento de matrícula Matrícula * O aluno deverá observar as datas fixadas no calendário escolar para efetuar sua matrícula. Deverá observar a seqüência das disciplinas do currículo padrão do seu curso, os pré-requisitos, e

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PARA INGRESSANTES EM 2003 DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social,

Leia mais

7- Atividades Complementares (CH60)

7- Atividades Complementares (CH60) 7- Atividades Complementares (CH60) As atividades complementares no curso de Fisioterapia estão dispostas na nova matriz curricular para os ingressantes a partir do ano de 2008. Visando a garantir a flexibilidade

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés Regulamento do Programa de Monitoria para os cursos de Graduação A Monitoria é uma atividade Acadêmica dos cursos de Graduação que visa dar oportunidade de aprofundamento vertical de estudos em alguma

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO Pouso Alegre 2014 Universidade do Vale do Sapucaí

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 Este regulamento fixa as normas para o estágio do Curso de Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP

NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) Por se tratar de Programa único a CCP será a própria CPG. O Programa é vinculado administrativamente

Leia mais

Regulamento de Monitoria

Regulamento de Monitoria Regulamento de Monitoria REGULAMENTO DE MONITORIA CAPÍTULO I Da Monitoria Art. 1º - A monitoria é uma atividade acadêmica auxiliar a docência que é exercida por alunos regularmente matriculados, na Escola

Leia mais

b) Candidatos Classificados em Cursos cujas vagas já tenham sido todas preenchidas poderão fazer a REOPÇÃO DE CURSO.

b) Candidatos Classificados em Cursos cujas vagas já tenham sido todas preenchidas poderão fazer a REOPÇÃO DE CURSO. A Direção da Faculdade SATC, mantida pela Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina - SATC, credenciada pela Portaria Ministerial n. 3.556 de 26/11/2003, publicada no D.O.U., em

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE ESCOLA SUPERIOR DE AVIAÇÃO CIVIL COORDENAÇÃO DE TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o Programa de Monitoria da Unitins e dá outras providências. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO

Leia mais

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO ANEXO II NORMAS ESPECÍFICAS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - MODALIDADE BACHARELADO DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO Art.

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

Curso de Administração

Curso de Administração EDITAL Nº 64, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. A DIRETORA DO CÂMPUS DE PARANAÍBA, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais; e considerando a Resolução COEG nº

Leia mais

SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS

SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS NÍVEL SUPERIOR REALIZAÇÃO: Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas U F S C a r EDITAL Nº 013/2016 O Pró-Reitor de Gestão de Pessoas da Universidade

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Língua Portuguesa

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Língua Portuguesa EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2014 Coordenador: Prof. Dr. João Hilton Sayeg de Siqueira Vice-Coordenadora: Prof. Dra. Jeni Silva Turazza Estarão abertas, no período de U14/04/2014U a U05/05/2014U,

Leia mais

UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito ESTRUTURA DA MONITORIA

UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito ESTRUTURA DA MONITORIA UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito ESTRUTURA DA MONITORIA Sumário Estrutura da Monitoria... 1 Edital de Convocação 2007... 5 Anexo

Leia mais

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário.

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário. RESOLUÇÃOUnC-CONSEPE018/209 Aprova Regulamento do Programa de Monitoria, para a Universidade do Contestado UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA São Paulo 2010 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA Com base na Resolução CSA 02/07, que estabelece Monitoria Acadêmica Centro de

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º - O curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto mantém um programa de Mestrado e um de Doutorado,

Leia mais

EDITAL INTERNO 24/2015 Dispõe sobre a seleção de candidatos à monitoria para o segundo semestre de 2015 na Faculdade de Tecnologia de Americana.

EDITAL INTERNO 24/2015 Dispõe sobre a seleção de candidatos à monitoria para o segundo semestre de 2015 na Faculdade de Tecnologia de Americana. EDITAL INTERNO 24/2015 Dispõe sobre a seleção de candidatos à monitoria para o segundo semestre de 2015 na. O Diretor da, de acordo com o aprovado pela Congregação, faz publicar o presente edital para

Leia mais

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós Graduação em Literatura Regulamento do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LITERATURA

Leia mais