Environmental supply chain management of appliance industries. Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Environmental supply chain management of appliance industries. Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca"

Transcrição

1 Environmental supply chain management of appliance industries Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca Tatiane Fernandes Zambrano Brassolatti, Manoel Fernando Martins Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos, telefone (16) , Brasil, Abstract: This paper proposes a model for environmental supply chain management of appliance industries. This model was developed from a literature review and in conducting case studies in four main appliance industries in Brazil. Keywords: environmental management, supply chain, refrigerator industries. Resumo: O objetivo deste artigo é propor um modelo para a gestão ambiental da cadeia de suprimento das empresas de linha branca. Este modelo foi elaborado a partir de uma revisão bibliográfica e da realização dos estudos de caso nas quatro principais empresas de linha branca do Brasil. Palavras-chave: gestão ambiental, cadeia de suprimentos, linha branca. 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, o interesse das organizações em relação à Gestão da Cadeia de Suprimentos (GCS) tem aumentado devido a várias razões. Primeiramente, porque o foco na GCS promove melhorias entre as empresas trazendo uma vantagem competitiva para a cadeia. A segunda razão é que as organizações se concentram nas suas competências essenciais e delegam às outras a fabricação de componentes que não fazem parte destas competências, este fato conduziu a formação da Cadeia de Suprimentos (CS) e, consequentemente, seu gerenciamento. A terceira razão é que a formação da CS é uma resposta prática a globalização, a desregulamentação de mercados e ao aumento da concorrência, ou seja, uma forma das empresas se manterem 1

2 competitivas. Finalmente, a disseminação dos conceitos de produção enxuta e JIT que requerem a cooperação entre as empresas (BURGESS; SINGH, 2006). A GCS pode ser definida como a integração dos principais processos de negócios desde o consumidor final até os fornecedores de matérias-primas, fornecendo produtos, serviços e informação que adicionam valor aos consumidores e demais partes interessadas das organizações (Global Supply Chain Forum, 2008). Por outro lado, a Gestão Ambiental da Cadeia de Suprimentos (GACS) deve expandir o conceito tradicional da GCS englobando as questões ambientais. Hagelaar e Van Der Vorst (2002) definem a GACS como o conjunto de políticas, ações adotadas e os relacionamentos formados pelas empresas que compõem a CS, objetivando a preservação do meio ambiente. Neste contexto, o método Análise do Ciclo de Vida (ACV) se torna o principal instrumento para o GACS. Além disso, Grossmann (2004) propõe que a minimização dos impactos ambientais pode ser conseguida através da integração das seguintes áreas: projeto e desenvolvimento de produto, otimização da CS e da ACV. Durante o desenvolvimento de produto são determinadas as características que influenciarão na escolha do processo produtivo e na possibilidade de reciclagem dos componentes do mesmo. Assim, a fase de desenvolvimento deve atentar para o ciclo de vida do produto. A integração com os fornecedores é fundamental para a adequação ambiental de toda a CS. Desta forma, o objetivo principal deste artigo é propor um modelo para a gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca. 2. MÉTODO DE PESQUISA Esta pesquisa se iniciou com uma revisão bibliográfica sobre os temas: GCS, GACS, desenvolvimento ambiental de produtos, logística reversa e empresas de linha branca no Brasil. 2

3 O próximo passo foi a realização de estudos de caso em empresas de linha branca para analisar a gestão de fornecedores e ambiental. De acordo com a revisão bibliográfica e dos estudos de caso foi proposto o modelo para a GACS das empresas de linha branca. 3. ESTUDOS DE CASO Os estudos de caso foram realizados nas quatro principais empresas de linha branca do Brasil. Estas organizações fabricam refrigeradores, freezers, fogões, lavadoras e secadoras de roupas, lava-louças, microondas, etc. As empresas foram nomeadas: A, B, C e D. Durante os estudos de caso, as empresas foram questionadas quanto às práticas de gestão de fornecedores e ambiental, como: O método para selecionar e avaliar periodicamente os fornecedores; A empresa verifica se os fornecedores atendem a legislação ambiental? Comentários sobre os programas de adequação à legislação ambiental brasileira, adesão ao selo PROCEL e a Diretiva ROHS; A empresa possui certificação NBR ISO 14001; A empresa exige que seus fornecedores sejam certificados NBR ISO ou tenham estação de tratamento de efluentes ou pratiquem coleta seletiva; Existem exemplos de projetos entre a empresa e os seus fornecedores para minimizar os impactos ambientais do produto; Exemplos de técnicas de produção mais limpa; A empresa realiza a análise do ciclo de vida? Melhorias do produto que tenha resultado na redução dos impactos ambientais; Escolha das embalagens dos produtos adquiridos e vendidos; 3

4 A empresa atua sobre o fluxo reverso? Existe projetos para facilitar a desmontagem ou reciclagem dos componentes? As práticas de gestão de fornecedores e ambientais das empresas pesquisadas que foram consideradas exemplares fazem parte do modelo proposto neste artigo. 4. MODELO PARA A GACS DAS EMPRESAS DE LINHA BRANCA O ponto inicial para a GACS é a definição de um agente coordenador da cadeia (TOLEDO et al., 2004; MANRING; MOORE, 2006). O agente coordenador deve ser formado por uma equipe multidisciplinar que contemple os assuntos pertinentes a cadeia e a gestão ambiental. Os profissionais que farão parte desta equipe podem pertencer às empresas que compõe a cadeia ou em instituições que representem o setor. A seguir, têm-se as responsabilidades do agente coordenador: Organizar reuniões periódicas com os representantes das empresas da cadeia para definir políticas, objetivos e metas para a CS; Auxiliar as empresas da cadeia a desdobrarem as políticas ambientais; Identificar problemas ou oportunidades de melhoria, acompanhar a implementação dos planos de melhoria; Gerir o sistema de informação da cadeia; Quando necessário, viabilizar o compartilhamento de ativos físicos, tecnologia ou estrutura de treinamento entre os atores da cadeia (ASSUMPÇÃO, 2003). A primeira tarefa do agente coordenador para implementar a GACS é a definição dos membros-chaves da cadeia, ou seja, quais são as principais empresas que representam a cadeia. Os critérios para a definição dos membros-chaves podem ser volume de compra, custo e qualidade (critério adotado pela maioria das empresas pesquisadas). O próximo passo é reunir os representantes destas empresas para discutir os seguintes temas: 4

5 Conscientização dos problemas ambientais, aumento do rigor da legislação ambiental, possibilidades de ganhos com a adequação ambiental; Determinação de um método de coordenação que é o sistema de informação adotado pelos agentes da cadeia (TOLEDO et al., 2004); Solicitação para que cada agente da cadeia realize a quantificação dos seus impactos ambientais. O método ACV os auxiliará neste levantamento. Os resultados destas análises devem ser registrados no sistema de informação comum entre as empresas da cadeia (método de coordenação); Levantamento dos requisitos ambientais da sociedade, da cadeia, legais e do consumidor final; Possibilidades de melhorias ambientais dos produtos e processo, além da implementação de produção mais limpa; Definição da política ambiental, dos objetivos e das metas ambientais. Para a definição da política ambiental é essencial a análise dos requisitos ambientais da sociedade, da cadeia, legais e do consumidor final. As políticas ambientais devem ser desdobradas em objetivos e metas comuns para as empresas participantes da cadeia. Os resultados da quantificação dos impactos ambientais de cada empresa da cadeia auxiliarão no estabelecimento dos objetivos e metas ambientais. O próximo passo é o desdobramento dos objetivos e das metas ambientais para todas as áreas das empresas que compõe a CS. As atividades que as áreas das organizações que compõe a cadeia devem realizar para se adequarem ambientalmente estão descritas nos itens a até g. Posteriormente, quando as áreas das organizações que compõe a CS já tiverem se adequado ambientalmente é necessário atentar para as possibilidades de melhoria. O item recomendações para melhoria da Figura 1 engloba a: 5

6 Elaboração de novos planos de melhoria, objetivando a evolução da GACS; Elaboração de planos de reação, quando os resultados da implementação dos planos de melhoria não forem satisfatórios; Comunicação destes planos para as empresas da CS. A análise das recomendações de melhoria deve ser analisada para a redefinição de políticas, objetivos e metas ambientais buscando o aperfeiçoamento contínuo da GACS. A seguir, a Figura 1 ilustra o modelo proposto para a GACS. Agente coordenador liderar o GACS Informações de entrada para o GACS - Requisitos ambientais da sociedade, da cadeia, legais e do consumidor final; - Levantamentos dos impactos ambientais de cada empresa da cadeia Gerenciamento Ambiental da Cadeia de Suprimentos (GACS) - Definição de uma política ambiental para a CS; - Desdobramento da política ambiental em objetivos e metas ambientais para as empresas da cadeia. - Determinação do método de coordenação (sistema de informação definir quais são as informações que serão trocadas entre os agentes da cadeia, a frequência e o meio de troca de informações). Empresa de extração de matériaprima Empresa X Empresa Y Empresa Z Montadora de Linha Branca Empresa de desmontagem do produto, reutilização ou reciclagem dos componentes Produto após a vida útil Aterro sanitário Produto durante a vida útil Recomendações para melhoria Legenda: Informações Produto Empresa / Local Fluxo de Informação Fluxo Direto ou Reverso (g) Figura 1. Modelo para a Gestão Ambiental da Cadeia de Suprimentos. 6

7 A Figura 2 ilustra o fluxo interno de cada empresa da CS. a. Sistema de gestão ambiental b. Desenvolvimento de Produto c. Desenvolvimento de Fornecedores Produto desenvolvido especificações determinadas c. Aquisição d. Produção e. Recursos humanos f. Vendas Legenda: Fluxo de informação Fluxo Direto ou Reverso (g) Processo Produto Figura 2. Fluxo interno das empresas da cadeia de suprimentos. Os processos das empresas que compõem a CS devem se adequar ambientalmente e cumprir a política ambiental. Os itens abaixo detalham como deve ser realizada esta adequação. a) Sistema de gestão ambiental (SGA) O primeiro passo é determinar as características do SGA que as empresas que compõem a cadeia irão adotar (este sistema pode ser a norma NBR ISO 14001). Posteriormente, tem-se a elaboração de planos e a definição de prazos para as empresas se adequarem. De forma geral, têm-se algumas recomendações para o SGA: Realização de auditorias ambientais internas e nos fornecedores. Elaboração de uma lista de verificação para ser utilizada durante as auditorias e definição da freqüência das auditorias internas e nos fornecedores; Atentar para a atualização legal, analisando as legislações municipais, estaduais, federais e a dos países para onde o produto é exportado; 7

8 Verificação do vencimento das licenças ambientais da empresa ou a necessidade de novas licenças. b) Desenvolvimento de produto Vários autores pesquisados, como Hagelaar e Van Der Vorst (2002), Grossman (2004), Luttropp e Lagerstedt (2006), Fijal (2007), Seuring e Müller (2008), consideram que os temas ACV, desenvolvimento de produto e GACS estão intensamente relacionados. De acordo com ABNT (2009), a ACV compreende as seguintes etapas: definição de objetivo e escopo, análise do inventário do ciclo de vida, avaliação de impactos e interpretação dos dados e resultados. Uma vez definida as etapas da ACV, a utilização desta ferramenta deve fornecer informações para a área de desenvolvimento de produtos, possibilitando a melhorias ambientais dos produtos. Posteriormente, têm-se algumas recomendações para o processo de desenvolvimento de produto: Não usar substâncias tóxicas ou substituir as matérias-primas tóxicas por outras menos tóxicas (LUTTROPP; LAGERSTEDT, 2006 e Empresa D ); Minimizar a energia e o consumo de recursos naturais na fase de produção e utilização do produto (LUTTROPP; LAGERSTEDT, 2006); Investir na melhoria da qualidade dos materiais, no tratamento de superfícies ou em mecanismos estruturais para proteger os produtos da sujeira, corrosão e desgaste, garantindo a redução das manutenções e o aumento da vida útil do produto (LUTTROPP; LAGERSTEDT, 2006); 8

9 Realização do teste de manufatura reversa que consiste em desmontar o produto para avaliar a facilidade de desmontagem. Separar os componentes e quantificar a percentagem de materiais plásticos, metálicos, etc (Empresa C ); Identificação das partes plásticas (Empresas B, C e D ); Facilitar a reciclagem (LUTTROPP; LAGERSTEDT, 2006); Utilizar sistemas simples de fixação (LUTTROPP; LAGERSTEDT, 2006); Atentar para a legislação brasileira ambiental aplicada ao produto. Por exemplo: os profissionais da área de projeto devem atentar para as regras do PROCEL. A adesão ao PROCEL é voluntária, porém, a maioria dos entrevistados citou que este selo pode ser um diferencial de venda do produto; Atentar para a legislação ambiental aplicada ao produto nos países que o mesmo será comercializado. c) Seleção de Fornecedores e Aquisição As atividades desta área se dividem em selecionar fornecedores, adquirir os produtos e avaliar periodicamente dos fornecedores. A seguir, têm-se outras recomendações para o processo de seleção de fornecedores: Realização de auditorias ambientais; Detecção prévia do risco relacionado com os fornecedores (verificar se estes estão envolvidos com processos legais) (KOPLIN et al., 2006; KOVÁCS, 2008); Verificar se os fornecedores atendem a legislação ambiental (solicitar as licenças da CETESB, bombeiros, CADRI e cadastro no IBAMA). Atentar para o prazo de vencimento e renovação das mesmas ((Empresas A, B, C e D ); 9

10 Pontuar os fornecedores de acordo com o certificado ISO 14001, existência de estação de tratamento de efluentes, coleta seletiva, adoção de técnicas de produção mais limpa, etc (Empresas A, B, C e D ); Evitar a seleção e a avaliação de fornecedores apenas utilizando questionários de auto-avaliação (SEURING; MÜLLER, 2008). Quanto ao método de avaliação periódica, a maioria das empresas pesquisadas avalia os fornecedores em relação à: Atendimento ao prazo de entrega; Análise de conformidade do componente; Preço: avaliação comercial. Propõe-se que além destes índices, os fornecedores sejam avaliados periodicamente quanto à evolução do SGA. Por exemplo, um fornecedor que não possuía estação de tratamento de efluentes e investiu em uma, deve ser diferenciado. Outra recomendação para o processo de aquisição é a realização de consultorias ambientais nos fornecedores. Estas consultorias podem ser uma forma de melhorar a integração entre as empresas da CS e fazerem parte das informações de entrada para o planejamento da GACS. Por fim, uma atividade importante da área de aquisição é o planejamento das embalagens dos produtos comprados. As recomendações são: Utilizar embalagens retornáveis (TSOULFAS; PAPPIS, 2006; FIJAL, 2007); Planejar o fluxo das embalagens entre a empresa e os seus fornecedores; Realização de estudos para reduzir a massa das embalagens e a alteração por materiais de maior reciclabilidade (Empresa B ); Reduzir a utilização de isopor nas embalagens adquiridas (Empresas C e D ). 10

11 d) Produção Umas das recomendações mais relevantes para a área de produção é a minimização dos impactos ambientais, neste sentido tem-se a adoção de práticas de prevenção à poluição (SARKIS, 2003; FIJAL, 2007). Durante a realização dos estudos de caso, foram observadas algumas iniciativas de produção mais limpa que podem servir de referência para outras empresas. Estas iniciativas são: Utilização de circuito fechado de água, com a reutilização da água proveniente do tratamento da estação de efluentes; Redução do consumo de água através do diagnóstico de ponto de vazamento e intervenção nos mesmos (Empresa A ); Intervenção ou modernização da rede elétrica (Empresas A e B ); Intervenção nos processos de pintura tanto dos eletrodomésticos como na manutenção predial, preferindo tintas menos tóxicas (Empresas A e C ); Tratamento dos efluentes gasosos, por exemplo, a utilização de lavador de gases para prevenir a poluição atmosférica (Empresa D ); Instalação de estação de tratamento de efluentes; Redução da quantidade de produtos químicos utilizados (Empresa D ); Priorizar as práticas de redução, reuso, reprocessamento, reciclagem. Quando estas práticas não puderem ser adotadas, deverá ser definida a disposição final dos rejeitos (aterro sanitário, incineração, etc). Por exemplo, as Empresas A e B reciclam internamente os resíduos poliméricos; Encaminhar os óleos lubrificantes ou refrigerantes degradados para o rerrefino em empresa cadastrada na Agência Nacional de Petróleo (Empresas A, B, C e D ) ou recuperação interna dos óleos degradados; Atentar para a legislação ambiental aplicada ao processo; 11

12 Realizar a coleta seletiva de materiais. e) Recursos humanos A conscientização dos funcionários sobre as questões ambientais pode ser realizada através de murais, livros e revistas ecológicas, do conhecimento de projetos de preservação, etc. Por outro lado, alguns treinamentos específicos são indispensáveis como: Treinamento de integração para os novos funcionários da empresa, incluindo a conscientização de como as práticas individuais podem afetar o sistema; Auditoria ambiental, com a finalidade de formar auditores que irão atuar nas auditorias internas e em fornecedores; Gerenciamento de resíduos e efluentes; Produção mais limpa e análise do ciclo de vida; Legislação ambiental aplicada ao processo e ao produto; Acidentes ambientais, etc. Para a manutenção dos programas de gestão ambiental é imprescindível a periodicidade dos treinamentos, assim, recomenda-se o estabelecimento de um planejamento e um cronograma de treinamentos. f) Vendas Uma das informações de entrada do modelo de GACS, para a definição de políticas ambientais, são os requisitos dos consumidores. A área de vendas possui um relacionamento estreito com o consumidor, assim, uma das atividades desta área é o levantamento das necessidades dos consumidores e a transmissão destas informações para os funcionários ou áreas que irão gerir a CS. Uma recomendação importante para a área vendas é participar da determinação das embalagens dos produtos vendidos. Geralmente, as embalagens dos produtos de 12

13 linha branca vendidos são papelão, isopor e filmes plásticos. Recomenda-se a realização de estudos para a minimização em massa destas embalagens e dar preferência a materiais com maior reciclabilidade. g) Fluxo direto e reverso de materiais Outro componente importante do modelo, descrito nas Figuras 1 e 2, é o fluxo direto e reverso de materiais (SARKIS, 2003; PRAHINSKI; KOCABASOGLU, 2006; KUMAR; MALEGEANT, 2006; SVENSSON, 2007). Este componente abrange: a determinação do meio de transporte dos produtos tanto na cadeia direta como reversa e a minimização de rotas. 5. CONCLUSÕES A implementação do modelo proposto neste artigo aumentará a integração dos principais atores da CS de linha branca. Estes atores são empresas de grande, médio e pequeno porte. Geralmente, as empresas de grande porte já possuem certificação ambiental, porém, as mesmas adquirem produtos de empresas de médio e pequeno porte que tem maior dificuldade ao acesso as tecnologias limpas, por exemplo. Este é o grande desafio da gestão ambiental ao longo da CS. A presença do agente coordenador é imprescindível para viabilizar a GACS. O papel do agente coordenador é reunir os representantes dos principais elos da cadeia para discutir políticas, objetivos e metas ambientais. A definição das metas ambientais dependerá do levantamento e da quantificação dos impactos ambientais relacionados com o processo e o produto que cada representante dos elos da cadeia irá realizar. A partir das políticas, objetivos e metas ambientais, os representantes dos principais elos da cadeia poderão discutir as melhorias ambientais a fim de facilitar o acesso a tecnologias limpas das empresas com menor poder aquisitivo, realizar melhoria 13

14 nos produtos para aumentar a eficiência energética e minimizar os impactos ambientais globais. Outro fator muito importante para a aplicação do modelo proposto neste artigo é a baixa rotatividade dos fornecedores-chaves da cadeia. Além disso, quanto maior a participação dos representantes das principais empresas da cadeia e das entidades que representam o setor, maior será a imparcialidade da GACS e menor será a autoridade do agente coordenador, propiciando o equilíbrio entre as partes envolvidas. A GACS seria uma forma de garantir que os requisitos ambientais fossem implementados nas empresas da cadeia. Alguns benefícios seriam: A minimização dos impactos ambientais do produto final e processos, propiciando o melhor atendimento às demandas de mercado como o atendimento as regras do selo PROCEL; O monitoramento do desempenho ambiental dos fornecedores; A diminuição da concorrência entre as empresas que conseguirem se adequar, já que as empresas que não seguirem o modelo seriam excluídas da cadeia. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10004: resíduos sólidos classificação. Rio de Janeiro, p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR ISO 14001: sistemas de gestão ambiental: requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro, p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR ISO 14044: gestão ambiental: avaliação do ciclo de vida: requisitos e orientações. Rio de Janeiro, p. ASSUMPÇÃO, M. R. P. Reflexão para gestão tecnológica em cadeias de suprimento. Gestão e Produção, v. 10, n. 3, p , BURGESS, K.; SINGH, P. J. A proposed integrated framework for analysing supply chains. Supply Chain Management: An International Journal, v. 11, n. 4, p , FIJAL, T. An environmental assessment method for cleaner production technologies. Journal of Cleaner Production, v. 15, n. 10, p ,

15 GROSSMANN, I. E. Challenges in the new millennium: product discovery and design, enterprise and supply chain optimization, global life cycle assessment. Computers and Chemical Engineering, v. 29, n. 1, p , HAGELAAR, G.J.L.F.; VAN DER VORST J.S.A.J. Environmental supply chain management: using life cycle assessment to structure supply chains. International Food and Agribusiness Management, v. 4, n. 4, p , KOPLIN, J. et al. Incorporating sustainability into supply management in the automotive industry - the case of the Volkswagen AG. Journal of Cleaner Production, v. 15, n , p , KOVÁCS, G. Corporate environmental responsibility in the supply chain. Journal of Cleaner Production, v. 16, n. 15, p , KUMAR, S.; MALEGEANT, P. Strategic alliance in a closed-loop supply chain, a case of manufacturer and eco-non-profit organization. Technovation, v. 26, n. 10, p , LUTTROPP, C.; LAGERSTEDT, J. EcoDesign and the ten golden rules: generic advice for merging environmental aspects into product development. Journal of Cleaner Production, v. 14, n , p , MANRING, S. L.; MOORE, S. B. Creating and managing a virtual inter-organizational learning network for greener production: a conceptual model and case study. Journal of Cleaner Production, v.14, n. 9-11, p , MENTZER, J. T. Defining supply chain management. Journal of Business Logistics, v. 22, n. 2, p. 1-25, SEURING, S.; MÜLLER, M. Integrated chain management in Germany identifying schools of thought based on a literature review. Journal of Cleaner Production, v. 15, p , SEURING, S.; MÜLLER, M. From a literature review to a conceptual framework for sustainable supply chain management. Journal of Cleaner Production, v. 16, n. 15, p , PRAHINSKI, C.; KOCABASOGLU, C. Empirical research opportunities in reverse supply chains. The International Journal of Management Science, v. 34, n. 6, p , SARKIS, J. A strategic decision framework for green supply chain management. Journal of Cleaner Production, v. 11, n. 4, p , SVENSSON, G. Aspects of sustainable supply chain management (SSCM): conceptual framework and empirical example. Supply Chain Management: An International Journal, v.12, n. 4, p , TOLEDO, J. C. et al. Coordenação da qualidade em cadeias de produção: estrutura e método para cadeias agroalimentares. Gestão e Produção, v. 11, n. 3, p , TSOULFAS, G.T.; PAPPIS C.P. Environmental principles applicable to supply chains design and operation. Journal of Cleaner Production, v. 14, n. 18, p , Global Supply Chain Forum. Acesso em: 24 nov 2008, às 14h05min. 7. AGRADECIMENTOS CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. 15

GESTÃO AMBIENTAL DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: ANÁLISE DE EMPRESAS DE LINHA BRANCA

GESTÃO AMBIENTAL DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: ANÁLISE DE EMPRESAS DE LINHA BRANCA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Engenharia de Produção Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Miriam Borchardt Leonel Augusto C. Poltosi Miguel A. Sellitto Giancarlo M. Pereira Introdução Ecodesign:

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

ANA BEATRIZ LOPES DE SOUSA JABBOUR

ANA BEATRIZ LOPES DE SOUSA JABBOUR IDENTIFICAÇÃO DAS MOTIVAÇÕES E BARREIRAS PARA A ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS: ESTUDO DE CASOS NO SETOR DE BATERIAS AUTOMOTIVAS DENISE FRANCO ( denifranco00@hotmail.com ) UNIVERSIDADE

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Cartilha distribuída para alunos nas escolas e em outras palestras realizadas. Ciclo de Vida do EPS: da venda ao reuso Ponto de Coleta Voluntária instalados

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO Meny Aparecida da Silva PUC-MG Departamento de Administração de Empresas / Email: meny92@hotmail.com Av. Dom José

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Manufatura Sustentavel: Estudo e Análise da Adopção Articulada das Tecnicas de Produção Mais Limpa e Produção Enxuta

Manufatura Sustentavel: Estudo e Análise da Adopção Articulada das Tecnicas de Produção Mais Limpa e Produção Enxuta Manufatura Sustentavel: Estudo e Análise da Adopção Articulada das Tecnicas de Produção Mais Limpa e Produção Enxuta G. V. Rizzo a, A. Batocchio b a. Universidade Estadual de Campinas, verarizzo@fem.unicamp.br

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência

O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência Tradução coordenada por Elie Politi Senai SP 8/1 O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência Este documento destina-se à divulgação

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

VI-089 IMPLANTAÇÃO COMPARTILHADA DA ISO 14001 UMA NOVA OPÇÃO PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

VI-089 IMPLANTAÇÃO COMPARTILHADA DA ISO 14001 UMA NOVA OPÇÃO PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS VI-089 IMPLANTAÇÃO COMPARTILHADA DA ISO 14001 UMA NOVA OPÇÃO PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico, com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES...

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES... APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... A L3 Engenharia Ambiental é uma empresa de consultoria, serviços, desenvolvimento e execução de projetos ambientais, que possui como foco o desenvolvimento sustentável e desenvolve

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Identificação e análise dos impactos ambientais das pequenas indústrias de São Carlos SP

Identificação e análise dos impactos ambientais das pequenas indústrias de São Carlos SP Identificação e análise dos impactos ambientais das pequenas indústrias de São Carlos SP Tatiane Fernandes Zambrano (UFSCar) tatiane@dep.ufscar.br Manoel Fernando Martins (UFSCar) manoel@power.ufscar.br

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Guia da Cadeia de Suprimentos Sustentável. Versão 1 Julho 2012 Rio de Janeiro

Guia da Cadeia de Suprimentos Sustentável. Versão 1 Julho 2012 Rio de Janeiro Guia da Cadeia de Suprimentos Sustentável Versão 1 Julho 2012 Rio de Janeiro Sumário 1 OBJETIVOS E ESTRUTURA 3 2 NOSSOS REQUERIMENTOS 7 2.1 REQUERIMENTOS GERAIS 7 2.2 PLANETA 8 2.3 PESSOAS 11 2.4 PROSPERIDADE

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

Fatores motivadores da adoção de práticas ambientais em empresas paulistas processadoras de madeira

Fatores motivadores da adoção de práticas ambientais em empresas paulistas processadoras de madeira Produção, v. 22, n. 1, p. 173-184, jan./fev. 2012 doi: 10.1590/S0103-65132011005000061 Fatores motivadores da adoção de práticas ambientais em empresas paulistas processadoras de madeira Júlio Samuel Sávio

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de 81 8 Conclusões O último capítulo da dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações de estudos futuros. A presente dissertação teve como objetivos propor um modelo,

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

TECNOLOGIA LIMPA PENSAMENTO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

TECNOLOGIA LIMPA PENSAMENTO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA GESTÃO EMPRESARIAL E MEIO-AMBIENTE TECNOLOGIA LIMPA PENSAMENTO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA OBJETIVOS Adquirir conhecimento sobre Tecnologia Limpa Entender o papel do Pensamento do Ciclo

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012.

Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 19

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 19 GESTÃO DE REQUISITOS LEGAIS E CONFORMIDADE AMBIENTAL UTILIZANDO O MÉTODO ZOPP Legal requirements and environmental compliance management through Zopp method RIGOLETTO, Ivan de Paula Centro Universitário

Leia mais

FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Prof. Dr. José Roberto de Oliveira

FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Prof. Dr. José Roberto de Oliveira FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS 1 Brasil e Estado de São Paulo Valor desconhecido Cerca de 75,4 milhões toneladas por ano Estima-se a geração de 2,9 milhões de toneladas por ano de resíduos

Leia mais

Cadeia de Suprimentos. desempenho ambiental na cadeia de

Cadeia de Suprimentos. desempenho ambiental na cadeia de Oficina: Estratégias Preventivas na Cadeia de Suprimentos ou...uma provocação sobre gestão do desempenho ambiental na cadeia de suprimentos estendida. FSC DSI MDL SD 21000 AFNOR INVESTOR IN PEOPLE PEGADA

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

MANUAL DE INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL (indústria gráfica)

MANUAL DE INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL (indústria gráfica) MANUAL DE INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL (indústria gráfica) Apresentação: Este manual foi elaborado por um grupo de especialistas, membros da Comissão de Estudo de Questões Ambientais e Segurança

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Cadeia de Suprimento da Polpa de Morango a Nível Local

Avaliação de Desempenho da Cadeia de Suprimento da Polpa de Morango a Nível Local Avaliação de Desempenho da Cadeia de Suprimento da Polpa de Morango a Nível Local SILVA, C. C. a,b*, GIANNETTI, B. F. a, ALMEIDA, C. M. V. B. a a. Universidade Paulista, São Paulo b. IFSULDEMINAS Câmpus

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Entender a importância dos fluxos logísticos reversos dos produtos e materiais de pós-consumo; 2. Perceber

Leia mais

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007 Meio Ambiente em Debate Ciclo de Debates sobre Construção Civil Sustentável Insumos e Resíduos AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil GIL ANDERI DA SILVA

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA APLICADA ÀS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO EXPLORATÓRIA OFFSHORE

A LOGÍSTICA REVERSA APLICADA ÀS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO EXPLORATÓRIA OFFSHORE A LOGÍSTICA REVERSA APLICADA ÀS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO EXPLORATÓRIA OFFSHORE PAULO ROBERTO dos SANTOS CARVALHO (COPPE/UFRJ) carvapr@hotmail.com O desenvolvimento da produção em massa trouxe como conseqüência

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais Seminário Temático: "Sustentabilidade e Cadeias de Suprimento" Local: FGV EAESP - Salão Nobre - 4º andar São Paulo, 28 de

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

(16) 3373 (16) 3373-8608 Estagiária PAE: Roberta Sanches (admrosanches@yahoo.com.br)

(16) 3373 (16) 3373-8608 Estagiária PAE: Roberta Sanches (admrosanches@yahoo.com.br) SEP0627 Sustentabilidade na Engenharia de Produção Prof. Aldo R. Ometto aometto@sc.usp.br (16) 3373 (16) 3373-8608 8608 Estagiária PAE: Roberta Sanches (admrosanches@yahoo.com.br) Objetivo Desenvolver

Leia mais

ISO 14000. 1. Introdução

ISO 14000. 1. Introdução ISO 14000 1 Sumário 1. Introdução... Página 03 2. O significado da sigla ISO... Página 03 3. Os objetivos da ISO... Página 04 4. Origem da ISO 14000... Página 04 5. O que é a ISO 14000... Página 04 6.

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida

Avaliação de Ciclo de Vida A metodologia de (ACV) aplicada como ferramenta de gestão Prof. Dr. Bruno Fernando Gianelli 1 As respostas a estas dúvidas não estão fundamentadas em estudos técnicos profundos, que cubram todo o ciclo

Leia mais

Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade

Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade Autores: Cristina Rocha David Camocho Com contributos de: Anne Marie Mathiasen Rainer Pamminger Introdução ao módulo Objetivos do módulo Apresentação

Leia mais

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA.

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. RESUMO: O Centro de Desenvolvimento Industrial de Guarapuava foi criado

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

GUIA DE EMBALAGENS Abril 2013

GUIA DE EMBALAGENS Abril 2013 GUIA DE EMBALAGENS Abril 2013 SUMÁRIO Introdução O que é embalagem? Tipos de embalagens Critérios e requerimentos Outras boas práticas Anexo 1 Rotulagem Ambiental Anexo 2: Principais leis, convenções e

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP)

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Diogo Aparecido Lopes Silva¹, Diego Rodrigues Iritani¹ Paulo Grael¹ e Aldo Roberto Ometto¹ 1- Universidade de São Paulo, Escola

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais