Laboratório de Química

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laboratório de Química"

Transcrição

1 Roteiros de aula prática Laboratório de Química 2º ano E.M Professor: Emanoel Costa Disciblina: Laboratório de Química Disponível em: Colégio Santo Inácio Av. Desembargador Moreira, 2355 Dionísio Torres - Fortaleza Ce. Fone: / FAX:

2 2 Modelo de Relatório: Laboratório de Química 1- Digitado (Arial; 12) ou escrito a mão (manuscrito), em folhas de papel A4 ou almaço. 2- O prazo máximo de entrega do relatório será sempre a aula seguinte ao experimento (Uma semana). 3- Assinar o comprovante de entrega do relatório. 4- Na capa deve conter o Local, Nome da Disciplina, Turma, Nome do professor, Título da experiência, Nome da equipe e data. (Ver modelo na página seguinte). 5- Nas próximas seções Colocar: I- Título: Corresponde ao nome do experimento, número e data de sua realização. II- Objetivos: Frase sucinta que que indica o principal objetivo da experiência. III- Introdução teórica: Descrição de toda teoria utilizada no entendimento dos resultados, neste você ira fazer uma pesquisa em livros, artigos e internet. É uma parte objetiva não precisando de rodeios. IV- Materiais: vidrarias e reagentes utilizados na prática. V- Parte Experimental: Descrever como foram realizadas as etapas dos experimentos.(utilizar tempo verbal apropriado e impessoal) Ex: determinou-se, transferiu-se,... VI- Resultados e Discussão: Apresentar os resultados, e observações feitas durante a experiência e discutir estes resultados procurando chegar a conclusões pertinentes ou dar a explicação científica adequada para os resultados obtidos. VII- Conclusões: Principais conclusões obtidas, levando em consideração os objetivos traçados. VIII- Questionário: Resolução das perguntas do Pós-laboratório que se encontram ao fim do procedimento experimental da apostila. IX- Referências bibliográficas: Colocar os livros, ou site, e outros que ajudaram você na elaboração do relatório. (Regras ABNT) <www.leffa.pro.br/textos/abnt.htm> Modelo de capa: Referencias retiradas de livros: AUTOR DO CAPÍTULO OU TRABALHO. Título do trabalho (sem itálico e sem aspas). In: [referência completa da obra]. Volume, página inicial-página final. Exemplos: WEILL, Adrienne. Curie, Marie (Maria Sklodowska). In: GILLIESPIE, Charles Coulston (ed.). Dictionary of Scientific Biography. 16 vols. New York: Charles Scribner s Sons, V. 3, pp Referencias retirada da internet: AUTOR. Título. Informações complementares. Disponível em: <Endereço>. Acesso em: data. Exemplo: ALVES, Maria B. Martins; ARRUDA, Susana Margareth. Como fazer referências bibliográficas. Disponível em: <http://www.bu.ufsc.br/framerefer.html>. Acesso em: 10 março 2001.

3 3 Aula:1 - Instrumentos e métodos de segurança laboratório de Química 1) Objetivo Apresentação do laboratório. Noções de segurança no laboratório. Acidentes e primeiros socorros. Material básico de laboratório. 2) Noções de segurança no laboratório Laboratório Labor = Trabalho / Oratório = Lugar de concentração Assim sendo o laboratório é lugar de trabalho com concentração. 3) Normas de segurança Em um laboratório de química é importante a observação de determinadas normas durante os trabalhos práticos. Aqui, trabalhamos com substâncias químicas tais como ácidos, bases, solventes, óxidos etc., que devem ser bem manuseados para trazerem mais segurança. Convém ao aluno ficar atento às seguintes normas: 1.Siga rigorosamente as instruções fornecidas pelo professor. 2.Nunca trabalhe sozinho no laboratório. 3.Não brinque no laboratório. 4.Em caso de acidente, procure imediatamente o professor, mesmo que não haja danos pessoais ou materiais. 5.Encare todos os produtos químicos como venenos em potencial, enquanto não verificar sua inocuidade, consultando a literatura especializada. 6.Use uma bata apropriada. 7.Deve usar sempre luvas de proteção apropriadas quando manusear substâncias agressivas para a pele ou que sejam absorvidas por via cutânea. 8.Caso tenha cabelo comprido, mantenha-o preso durante a realização das experiências. 9. Nunca deixe frascos contendo solventes inflamáveis (acetona, álcool, éter, por exemplo) próximos de chamas. 10.Evite o contacto de qualquer substância com a pele. 11.Trabalhe com calçado fechado e nunca de sandálias. 12.Nunca usar a boca para pipetar. 13.Nunca aqueça o tubo de ensaio, apontando a extremidade aberta para um colega ou para si mesmo. 14.Não coloque nenhum material sólido dentro da pia ou nos ralos. 15.Não coloque sobre a bancada de laboratório bolsas, agasalhos ou qualquer material estranho ao trabalho que estiver a ser realizado. 16.Se algum ácido ou produto químico for derramado, lave o local imediatamente. 17.Consulte o professor antes de fazer qualquer modificação na experiência e na quantidade de reagentes a ser usada. 18.Não aqueça líquidos inflamáveis em chama direta. 19.Antes de usar qualquer reagente, leia cuidadosamente o rótulo do frasco para ter certeza de que aquele é o reagente desejado. 20.Abra os frascos o mais longe possível do rosto e evite aspirar ar naquele exato momento. 21.Recomenda-se a não utilização de lentes de contacto sempre que possível. 22. Apague sempre os bicos de gás que não estiverem em uso. 23.Nunca volte a colocar no frasco um produto químico retirado em excesso e não usado. Ele pode ter sido contaminado.

4 4 24.Dedique especial atenção a qualquer operação que necessite aquecimento prolongado ou que liberte grande quantidade de energia. 25.Quando sair do laboratório, verifique se não há torneiras (água ou gás) abertas. Desligue todos os aparelhos, deixe todo o equipamento limpo e lave as mãos. 4) Acidentes e primeiros socorros no laboratório. O trabalho no laboratório exige conscientização, responsabilidade e concentração. Em caso de acidente comunique imediatamente ao professor. Os acidentes mais comuns são: Substâncias Primeiros socorros Objetos aquecidos Lavar com solução de bicarbonato de sódio a 5% e aplicar pomada para queimaduras. Ácidos Ingestão Contato com a pele Procurar vomitar com água morna, ingerir base fraca como leite de magnésia ou bicarbonato. Lavar o local com bastante água e depois neutralizar com bicarbonato de sódio a 5%. Alcalis bases Ácidos nos olhos Bases nos olhos Amônia (NH 3 ) amoníaco. Procurar vomitar com água morna, após. Ingerir acido fraco como suco de limão ou vinagre. Lavar o local com bastante água e depois neutralizar com ácidos fracos como suco de limão e vinagre. Lavar bem e aplicar bicarbonato a 1%. Lavar bem e aplicar solução de ácido bórico a 1%. Muito concentrada é mortal e corrosiva. Em caso de ingestão, repouso e aspiração de vapor d água. Nos olhos, lavar com água boricada a 1%. Gases tóxicos Remover para local arejado. Atenção! Em todos os casos, independendo da gravidade, conduzir ao médico.

5 5 5) Materiais e vidrarias utilizados no laboratório 1. Tubo de ensaio: Usado em reações químicas, principalmente teste de reações. 2. Copo de Becker: Usado para aquecimento de líquidos, reações de precipitação. 3. Erlenmeyer: Usado para titulações e aquecimento de líquidos. 4. Balão de Fundo chato: Usado para aquecimento e armazenamento de líquidos. 5. Balão de fundo redondo: Usado para aquecimento de líquidos e reações com desprendimento de gás. 6. Balão de destilação: Usado em destilações. Possui saída lateral para condensação dos vapores. 7. Proveta cilíndrica graduada: Usado para medidas aproximadas de volume de líquidos. 8. Pipeta volumétrica: Para medidas fixas de líquidos. 9. Pipeta cilíndrica: Usados para medir volumes variáveis de líquidos. 10. Funil de vidro: Usado em transferência de líquidos e em filtrações de laboratório. O funil de colar longo e estrias é chamado de funil analítico. 11. Frasco de reagente: Usado no armazenamento de soluções. 12. Bico de Bunsen: Usado em aquecimentos de laboratórios. 13. Tripé de ferro: Usado para sustentar a tela de amianto. 14. Tela de amianto: Distribuir uniformemente o calor em aquecimentos no laboratório. 15. Cadinho de porcelana: Usado em aquecimentos a seco no bico de Bunsen ou mufla. 16. Triangulo de porcelana: Usados para sustentar cadinhos em aquecimento direto no bico de Bunsen. 17. Estante para tubos de ensaio: Suporte de tubos de ensaio. 18. Funil de decantação: Usado para separação de líquidos imiscíveis. 19. Funil de decantação. 20. Pinça de madeira: Usada para segurar o tubo de ensaio em aquecimentos no bico de Bunsen.

6 6 6) Questionário 1. Analise as afirmativas a seguir, sobre os métodos de segurança no laboratório, e depois marque com um (X) as afirmativas que estão de acordo com os métodos: ( ) A concentração do aluno durante o procedimento experimental é de fundamental importância para sua segurança. ( ) Alguns procedimentos de segurança são citados por exagero, pois é melhor errar pelo excesso do que pela falta. ( ) Algumas substâncias utilizadas nas aulas laboratório podem ser manuseadas e ingeridas sem nenhum risco para a saúde. ( ) A utilização da bata ou jaleco é obrigatório em uma aula pratica no laboratório. ( ) Nunca utilizar a boca para pipetar substâncias no laboratório. ( ) Em muitas práticas a utilização de calçados abertos é permitido e até mesmo é recomendado. ( ) Nas aula no laboratório o material trazido pelo aluno e não utilizado deverá ser colocado no em um pequeno espaço da bancada para não atrapalhar o procedimento. ( ) Em um aquecimento nunca aponte a saída do recipiente para si ou para um colega. 2. Analise as afirmativas abaixo e depois marque com um (X) as afirmativas que estão de acordo com os métodos de primeiros socorros. ( ) Em uma pequena queimadura, no laboratório, não precisa comunicar ao professor é só lavar com água e sabão. ( ) Caso ocorra em laboratório a ingestão de alguma substância ácida comunique ao professor, que deverá oferecer uma substância com uma alcalinidade muito elevada para neutralizar totalmente o ácido ingerido. ( ) Se uma substância básica (alcalina) entrar em contato com os seus olhos deveremos, o mais rápido possível, lavar os olhos em abundancia e passar uma solução de ácido bórico a 1%. ( ) Em alguns experimento utilizaremos solução contendo amônia caso você inale uma grande quantidade dos vapores de amônia é só esperar e tomar bastante leite integral. ( ) Em todos os casos de acidente no laboratório é necessário a uma consulta com um médico. 3. Os materiais e vidrarias utilizadas no laboratório possuem uma função específica. Analise as afirmativas e marque com um (X) as que possuem uma relação correta entre os utensílios e suas funções: ( ) O copo Becker é utilizado, especificamente, em titulações devido ao seu formado de uma pirâmide. ( ) O tubo de ensaio é utilizado na medição precisa de líquidos. ( ) Proveta cilíndrica graduada é utilizada para medidas aproximadas de volume de líquidos. ( ) Pipeta volumétrica: Para medidas fixas de líquidos. ( ) O bico de Bunsen é utilizado para vedar a saída de líquidos dos condensadores. ( ) O cadinho de porcelana é usado na pesagem de reagentes. ( ) Tela de amianto é usado para distribuir uniformemente o calor em aquecimentos no laboratório. 7) Bibliografia De Oliveira, Edson Albuquerque. Aulas práticas de Química 3ª Ed. São Paulo-SP: Editora Moderna,

7 7 Aula:2 Caracterizando compostos orgânicos e inorgânicos 1) Objetivo Classificar substâncias orgânicas e inorgânicas utilizando suas propriedade. 2) Fundamentação teórica (não deve ser utilizado como introdução teórica no relatório) A maioria dos compostos inorgânicos são obtidos de minerais que no geral são sólidos cristalinos iônicos, enquanto os compostos orgânicos eram compostos obtidos de seres vivos animais e vegetais e em geral são compostos moleculares. Atualmente os compostos que contém carbono são chamados de compostos orgânicos com algumas exceções. No quadro abaixo apresentamos algumas propriedades referentes aos tipos de compostos. Propriedades Compostos orgânicos Compostos inorgânicos Solubilidade em água Solubilidades em solventes orgânicos. Ponto de fusão De modo geral são pouco solúveis em água, salvo para pequenas moléculas que apresentam uma polaridade alta. Ex: etanol, ácido acético,... De um modo geral são solúveis. De um modo geral apresentam pontos de fusão mais baixos pois as forças a serem quebradas são mais fracas. Ponto de ebulição São bem mais baixos que os Condutividade elétrica. inorgânicos. De um modo geral não conduzem corrente elétrica. De um modo geral são solúveis em água. De um modo geral são insolúveis. Na sua grande maioria apresentam altos pontos de fusão. São elevadíssimos. Os compostos iônicos conduzem a corrente elétrica e os moleculares que se ionizam também conduzem. 3) Materiais e reagentes Acetanilida. Garra Garra para tubo para de tubo ensaio. de ensaio. Espatulas Sulfato Sulfato de cobre. de cobre. Tubos de ensaio. Bastão Bastão de vidro. de vidro. Ácido benzóico. Sulfato Sulfato de de magnésio. magnésio. Cápsula de porcelana. 4) Procedimento experimental 1. Verificação da fusão de alguns sólidos orgânicos e inorgânicos: a. Separe quatro tubos de ensaio 1, 2, 3, 4. b. Coloque uma pitada da substância indicada na tabela 1 nos respectivos tubos. c. Faça o teste da fusão levando cada tubo ao bico de Bunsen por aproximadamente 15 segundos.

8 8 TABELA 1 Tubos Substâncias Observações 1 Acetanilida 2 Sulfato de magnésio 3 Ácido benzóico 4 Sulfato de cobre 2. Determinação da solubilidade aproximada de sólidos orgânicos e inorgânicos. a. Use os tubos da experiência anterior 1, 2, 3, 4 com as substâncias. b. Separe mais quatro tubos de ensaio 5, 6, 7, 8 e adicione uma pitada da substância indicada na tabela 2 nos respectivos tubos. c. Nos tubos 1, 2, 3, 4 adicione 4 ml de água, agite e observe se houver solubilização. Anote. d. Nos tubos 5, 6, 7, 8 adicione 3 ml de acetona, agite e verifique se houver solubilização. TABELA - 2 Substância Tubo Água Tubo Acetona Acetanilida 1 5 Sulfato de magnésio 2 6 Ácido benzóico 3 7 Sulfato de cobre Determinação de condutividade elétrica Nas bancadas do professor faça o teste da condutibilidade elétrica das soluções 1, 2, 3 e 4. Não esqueça de desligar o aparelho da tomada antes de limpar os eletrodos. Limpe os eletrodos com água destilada e Bombril antes de testar cada solução. TABELA 3 Tubos Substâncias Condutibilidade elétrica 1 Acetanilida 2 Sulfato de magnésio 3 Ácido benzóico 4 Sulfato de cobre 4. Reação frente ao ácido sulfúrico concentrado a. Separe quatro tubos de ensaio limpos e secos. b. Adicione uma pitada das substâncias indicadas na figura 1. c. Em seguida adicione cuidadosamente cinco gotas de ácido concentrado. d. Espere alguns minutos para verificar se houve carbonização ou não da substância. Anote suas observações. Substância Papel Sulfato de magnésio Açúcar Sulfato de cobre Observações

9 9 5) Discussão 1. Em um determinados experimento medimos os pontos de fusão de dois materiais A e B, que respectivamente deram 2ºC e 674ºC, qual você que seria o composto orgânico e o inorgânico?justifique. 2. Quando testamos a condutividade elétrica da água destilada verificamos que ela não conduz corrente elétrica mas ao adicionarmos NaCl ela começa a conduzir aumentando com o aumento da concentração do sal. Se adicionássemos sacarose (açúcar caseiro) aconteceria a mesma coisa. Justifique. 3. De acordo com a 1ª experiência, os pontos de fusão e ebulição da maioria dos compostos orgânicos são superiores, inferiores ou aproximadamente iguais aos compostos inorgânicos?qual é a propriedade química responsável por esta característica? Justifique. 4. De acordo com a 2ª experiência, quais foram os compostos que se solubilizam em água? Justifique. 5. Baseados na 2ª experiência explique porque a maioria dos compostos orgânicos não se solubiliza em água. Quais os melhores solventes para este? 6. O que é carbonização? Quais os compostos podem sofrer carbonização? Justifique. 6) Bibliografia De Oliveira, Edson Albuquerque. Aulas práticas de Química 3ª Ed. São Paulo-SP: Editora Moderna, 1995.

10 10 Aula:3 - Bolo químico 1) Objetivo Observação da reação e produção de polímeros e colóides. 2) Fundamentação teórica Os poliuretanos são polímeros plásticos ou não de grande importância comercial. O polímero contém Grande quantidade de grupos uretânicos vindo daí o seu nome. Podemos citar os poliuretanos apenas como sendo uma espuma rígida. Na preparação de uma espuma de P.U (poliuretano) nós temos basicamente duas principais reações que ocorrem simultaneamente: a) Poliol + isocianato = Polímero b) Água + isocianato = Gás Polímero + gás = Espuma A produção da espuma requer, primeiramente, a mistura dos componentes A e B em proporção estequiométrica ideal. Após a mistura homogênea dos dois componentes entre si, inicia-se a reação de polimerização formando a espuma de poliuretano. 3) Materiais e reagentes Dois copos pequenos plásticos descartáveis. Uma espátula ou palitos de picolé. Poliuretano (A). Poliuretano (B). Um copo grande plástico transparente e descartável. 4) Procedimento experimental 1. Meça nos copos menores quantidades iguais dos reagentes A e B. Misture as duas partes homogeneizando com a espátula no recipiente descartável maior. Aguarde alguns minutos até que o poliuretano cresça e fique seco (curado). 5) Discussão 1. O que são os poliuretanos? 2. Pesquise o que são polimeros. 3. Por qual motivo devemos colocar o mesmo volume do reagente A e B? 4. O que significa o termo curado? 5. Explique por qual motivo ocorre a expação da mistura formada pelos dois reagentes? 6. Quais as utilizaçõs práticas para este experimento?

11 11 7. A reação libera ou absorve calor?justifique. 8. Explique o que acontece com os componentes A e B. 9. Explique a reação dos componentes da mistura ate o final da reação. 10. Descreva a prática. 6) Bibliografia CHAGAS, Maria Alcione A.; MARQUES, Emilson D. A magia da Química. 1ed. Ceará: J.J Gráfica,

12 Santo Inácio Av. Desembargador Moreira, 2355 Dionísio Torres - Fortaleza Ce. Fone: / FAX:

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química O que deve ser sempre lembrado é que: A segurança depende de cada um. É importante que o pessoal se habitue a trabalhar com segurança fazendo com

Leia mais

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS I. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO 1. É aconselhável o uso da bata e de sapatos fechados. 2. Mantenha o laboratório e sua bancada sempre limpa e livre

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR

Leia mais

Colégio João Paulo I

Colégio João Paulo I Colégio João Paulo I Laboratório de Química Roteiros de aulas práticas I Prof.: Cristiano Alfredo Rupp 1 Índice: NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Pág. 3 EQUIPAMENTOS E VIDRARIAS MAIS UTILIZADOS

Leia mais

Manual de segurança no laboratório

Manual de segurança no laboratório 1 - Para iniciar os trabalhos! Deves ler atentamente as instruções das actividades experimentais antes de as relizares. Sempre que tiveres dúvidas sobre as actividades experimentais deves consultar o teu

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO (principais vidrarias) ALMOFARIZ COM PISTILO Usado na trituração e pulverização de sólidos. BALÃO DE FUNDO CHATO Fundo Chato Utilizado como recipiente para conter líquidos ou

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 23 INTRODUÇÃO AO TRABALHO NO LABORATÓRIO QUÍMICO 1 OBJETIVOS Apresentar ao aluno os princípios de segurança e bom funcionamento do laboratório de Química, bem como, a elaboração

Leia mais

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias.

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias. VIDRARIAS E MATERIAIS DIVERSOS DE LABORATÓRIO Professora: Juliana Rovere 1) Béquer É usado para dissolver substâncias, efetuar reações e aquecer líquidos sobre tela de amianto, pois é feito de vidro pyrex,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

04-10-2013. Sumário APL

04-10-2013. Sumário APL Sumário Módulo inicial Unidade temática 0 Segurança em laboratórios de química O laboratório de química.. Regras de segurança no laboratório. Símbolos de perigo e outros sinais. Planificação da AL 0.1

Leia mais

Autor: Carlos Disciplina/matéria: química experimental/orgânica Assunto: Materiais de laboratório. Página : 1

Autor: Carlos Disciplina/matéria: química experimental/orgânica Assunto: Materiais de laboratório. Página : 1 Página : 1 Página : 2 Página : 3 Página : 4 Almofariz e Pistilo: Aparelho usado na trituração e pulverização de sólidos. Anel ou Argola: Empregado como suporte do funil de filtração simples ou do funil

Leia mais

VIDRARIAS VIDRARIAS OUTROS EQUIPAMENTOS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO. Usado na trituração e pulverização de sólidos.

VIDRARIAS VIDRARIAS OUTROS EQUIPAMENTOS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO. Usado na trituração e pulverização de sólidos. VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR ERLENMEYER FUNIL DE BUCHNER FUNIL DE DECANTAÇÃO

Leia mais

MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO

MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR (UCSAL) MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO Usado na trituração e pulverização de sólidos. BALÃO DE FUNDO CHATO Utilizado como recipiente

Leia mais

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Funcionamento do Laboratório Dependendo da atividade prática, os alunos encontrarão

Leia mais

Normas de segurança em laboratório. 15) Em caso de acidente, avise imediatamente seu professor.

Normas de segurança em laboratório. 15) Em caso de acidente, avise imediatamente seu professor. Normas de segurança em laboratório Com a intenção de evitar acidentes e/ou danos físicos ou funcionais, durante as aulas, é importante que você tome as seguintes medidas: 15) Em caso de acidente, avise

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1.727 de 13/06/2002 D. O.U. 14/06/2002 MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Eunápolis BA 2009 1.

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO (NO FINAL DO MANUAL)

REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO (NO FINAL DO MANUAL) A segurança no laboratório de química Os laboratórios são lugares de trabalho que necessariamente não são perigosos, desde que sejam tomadas certas precauções. Todos aqueles que trabalham em laboratório

Leia mais

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES 2. SOLUÇÕES I. INTRODUÇÃO Soluções são misturas homogêneas de dois ou mais componentes, sendo que estes estão misturados uniformemente em nível molecular. Em nosso cotidiano temos diversos exemplos de

Leia mais

Roteiros de Aulas Práticas. Curso: Engenharia Civil. Professora Responsável: M a Elayne Cristina

Roteiros de Aulas Práticas. Curso: Engenharia Civil. Professora Responsável: M a Elayne Cristina Roteiros de Aulas Práticas QUÍMICA Curso: Engenharia Civil Professora Responsável: M a Elayne Cristina Ponta Grossa 2013 2 Regras Gerais Não são permitidos ATRASOS em aulas práticas. Os alunos deverão

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

PROF. ROSSONI QUÍMICA

PROF. ROSSONI QUÍMICA 01 - (UECE) Às vezes, a filtração simples é muito lenta, como no caso da mistura água e farinha. Para acelerá-lo, utiliza-se o método de filtração a vácuo, conforme a figura a seguir. Assinale a opção

Leia mais

APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala

APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

4. Preparação de soluções diluídas de ácidos e bases fortes

4. Preparação de soluções diluídas de ácidos e bases fortes 21 4. Preparação de soluções diluídas de ácidos e bases fortes 1 Objetivos O propósito deste experimento é o da preparação de uma solução aquosa diluída de um ácido forte, pelo método da diluição de soluções

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE ZINCO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE ZINCO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA NORMAS GERAIS O trabalho em laboratório exige concentração. Não converse desnecessariamente, nem distraia seus colegas. NORMAS PESSOAIS Adaptar-se

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: ÁCIDO SULFÚRICO - Código interno de identificação do produto: A1060 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda -

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia REGRAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS LABORATÓRIOS: ALGUNS LEMBRETES FUNDAMENTAIS A palavra laboratório

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O

E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O PROF. AGAMENON ROBERTO < 2007 > Prof. Agamenon Roberto 1º ANO EXPERIÊNCIAS 2 1ª e 2ª EXPERIÊNCIAS DESTILAÇÃO SIMPLES E DESTILAÇÃO FRACIONADA OBJETIVO: Mostrar como

Leia mais

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 07/11 719-09-05 775788 REV.2 Vapor Tapete Clean 719-09-05 2 Parabéns

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ECOBRIL LIMPA CARPETES E TAPETES

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ECOBRIL LIMPA CARPETES E TAPETES Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Códigos internos: 13018 (Frasco) / 13019 Refil - (12/500 ml) Aplicação: Limpa Carpetes e Tapetes. Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro 2005. Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro 2005. Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Efeitos da composição em temperaturas de fusão e de ebulição Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Leia mais

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus FeSO 4.7H 2 O 278,01 06404.02-0 Fe 55,85 Sulfato ferroso heptaidratado Contém, no mínimo, 98,0% e, no máximo, 105,0% de FeSO 4.7H 2 O. DESCRIÇÃO

Leia mais

METASSILICATO DE SÓDIO

METASSILICATO DE SÓDIO pág.:1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: - Código interno de identificação do produto: 00331 - Nome da empresa: Casquimica Produtos Químicos Ltda - Endereço: Rua Castro Alves,

Leia mais

LABORATÓRIO DE QUÍMICA ATIVIDADES LABORATORIAIS

LABORATÓRIO DE QUÍMICA ATIVIDADES LABORATORIAIS LABORATÓRIO DE QUÍMICA ATIVIDADES LABORATORIAIS EMENTA QUÍMICA APLICADA À ENGENHARIA Elementos químicos e as propriedades periódicas; ligações químicas; algumas funções orgânicas e inorgânicas; reações

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 1 Apresentação O Laboratório

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código interno: 7500 (12 X 500 ml) Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 0800 014 8110 Aplicação: detergente para pré-lavagens.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Limpa Vidros Nome da Empresa: Guimarães Produtos Químicos e de Limpeza Ltda Contato da Empresa: Fone: (48) 3623-1175 e-mail: guimaraespl@terra.com.br

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. PRODUTO Metano, Comprimido Página 1 / 5 FIS.SEDC 23.062 Revisão 0 Data: 12/06/2007

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. PRODUTO Metano, Comprimido Página 1 / 5 FIS.SEDC 23.062 Revisão 0 Data: 12/06/2007 PRODUTO Metano, Comprimido Página 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Metano, Comprimido Nome da Empresa AIR LIQUIDE BRASIL LTDA Endereço Av. das Nações Unidas 11.541 - cjs.

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA E CUIDADOS PARA PREVENIR ACIDENTES NO LABORATÓRIO:

REGRAS DE SEGURANÇA E CUIDADOS PARA PREVENIR ACIDENTES NO LABORATÓRIO: Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Curitiba Diretoria de Graduação e Educação Profissional Departamento Acadêmico de Química e Biologia REGRAS DE SEGURANÇA E CUIDADOS PARA PREVENIR ACIDENTES

Leia mais

Substância : Ácido Fosfórico Nº CAS: 64-18-6

Substância : Ácido Fosfórico Nº CAS: 64-18-6 ÁCIDO FOSFÓRICO 85% Página 1 de 8 1. Informação do Produto Nome do produto : Ácido Fosfórico 85% Nome Químico : Ácido Fosfórico 85% Código interno do produto : 001.011 026 002.133 Empresa Corpo de Bombeiros

Leia mais

XISPA MD 17. Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa

XISPA MD 17. Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa XISPA MD 17 Linha: Tratamento de Piso Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa Versátil O XISPA MD 17 é um limpador com poderosa ação sobre resíduos de cimento, argamassa e terra, recomendado

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) NIPPO-FER

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) NIPPO-FER NIPPO-FER 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: NIPPO-FER Identificação da Empresa: Nippon Chemical Ind. e Com. de San. e Det. Prof. Ltda Rua Platina, nº 259 Recreio Campestre

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 10

Química Geral Experimental - Aula 10 Química Geral Experimental - Aula 10 Título da Prática: Reações Químicas (Parte l) Objetivos: Determinar a concentração exata (padronizar) de soluções aquosas diluídas de ácidos e bases fortes utilizando

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nº: 059 Data da última revisão: 04/05/2013 Nome do Produto: Betugrout Super 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Super Código do Produto:026050100. Nome da Empresa:Betumat

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO A maioria das vitaminas não pode ser fabricada pelo corpo, por isso é necessário obtê-las a partir dos alimentos. A vitamina D é uma exceção,

Leia mais

FISPQ nº: 0008 Ultima Revisão: 08/11/2014

FISPQ nº: 0008 Ultima Revisão: 08/11/2014 1. Informação do Produto Nome do produto : Código do produto : 0008 Empresa : Jenifer Martins de Souza (MV Química / Lubrificantes Brasil) Rua José Carlos, 44 Jandira - SP Cep: 06608-330 Fone: (11) 3280-4707

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: LIQUITINT VIOLET LS Page: (1 de 5) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

AGENTE DESENTUPIDOR DE CANALIZAÇÕES

AGENTE DESENTUPIDOR DE CANALIZAÇÕES 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE IDENTIFICAÇÃO: APRESENTAÇÃO: FORNECEDOR: DESISTARK Agente fortemente ácido destinado ao desentupimento de canalizações de esgoto. Desicosmo Desinfestação,

Leia mais

TÍTULO - " Aparelhagem de Laboratório, operações básicas e segurança no laboratório".

TÍTULO -  Aparelhagem de Laboratório, operações básicas e segurança no laboratório. TÍTULO - " Aparelhagem de Laboratório, operações básicas e segurança no laboratório". Figura 1:Disponível em: http://explicatorium.com/images/expquimica.jpg acessado em : 14/03/2014 ás 21:28 hs MOTIVAÇÃO:

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: FUNDO PREPARADOR BASE ÁGUA PREMIUM NOVOTOM Código interno: Empresa: FLEXOTOM INDÚSTRIA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ nº: 44 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código interno de identificação do produto: Ácido Sulfúrico Industrial H 2 SO 4 Nome da empresa: Endereço: Rua Belém, 291 Jardim Santa Marta SANTANA DE PARNAÍBA

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) NO AR ONE TOUCH Lavanda, Jardim e Pomar, Conforto do Lar e Amor de Mãe.

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) NO AR ONE TOUCH Lavanda, Jardim e Pomar, Conforto do Lar e Amor de Mãe. Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Código interno Aparelho / Refil NO AR LAVANDA (Provence) 9047 / 9051 NO AR AMOR DE MÃE (Lembranças) 9049 / 9053 NO AR JARDIM E POMAR 9046 / 9050

Leia mais

Material Safety Data Sheet OP9011 TROWELABLE FAIRING COMPOUND CURING AGENT Version No: 2 Revision Date: 18/02/2003

Material Safety Data Sheet OP9011 TROWELABLE FAIRING COMPOUND CURING AGENT Version No: 2 Revision Date: 18/02/2003 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Ver Ficha Técnica do Produto. Só para uso profissional Métodos de aplicação Ver Ficha Técnica do

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA HIPOCLORITO DE SÓDIO (SOLUÇÃO A 10-15%)

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA HIPOCLORITO DE SÓDIO (SOLUÇÃO A 10-15%) Versão: 1 Pág: 1/5 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA DE ACORDO Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/11/2010 APROVADO POR Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 01/11/2010 Descrição Nome do Documento: HIPOCLORITO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Cera Cinderela - Código interno de identificação do produto: LP 001 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da empresa: POLICLEAN

Leia mais

ÍNDICE DADOS TRANSCRITOS DO ORIGINAL DO FABRICANTE

ÍNDICE DADOS TRANSCRITOS DO ORIGINAL DO FABRICANTE Em conformidade com NBR 14725:2012-4 Página 1 de 10 ÍNDICE 1. Identificação do Produto e da Empresa 2. Identificação de Perigos 3. Composição e informações sobre os ingredientes 4. Medidas de Primeiros-socorros

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA www.fabianoraco.oi.com.br Equipamentos de Laboratório de Química 1 EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA Prof. Fabiano Ramos Costa Química Não se Decora, Compreende! Equipamentos de Laboratório de Química

Leia mais

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres 1. MÉTODO Titulométrico (Método Eynon Lane) 2. PRINCÍPIO Os açúcares redutores reagem com os íons cúpricos da solução de Fehling, reduzindo-se a íons cuprosos, sob a ação do calor em meio alcalino. Ao

Leia mais

IMPERSIL* IMPERMEABILIZANTE DE TECIDOS

IMPERSIL* IMPERMEABILIZANTE DE TECIDOS FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: IMPERSIL* IMPERMEABILIZANTE DE TECIDOS Cod do Produto: 156.0049 Nome da empresa:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: CORANTE CARAMELO CER Página: (1 of 8) ATENçÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: ÁCIDO NITRICO 65% / 70% - Código interno de identificação do produto: A1045 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Ver Ficha Técnica do Produto. Métodos de aplicação Ver Ficha Técnica do Produto. Nome da Empresa

Leia mais

PROKITCHEN DETERGENTE DESINCRUSTANTE ALCALINO - LIMPA COIFA

PROKITCHEN DETERGENTE DESINCRUSTANTE ALCALINO - LIMPA COIFA PROKITCHEN DETERGENTE DESINCRUSTANTE ALCALINO - LIMPA COIFA 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1- FABRICANTE: Audax Química Ind. e Comércio de Produtos para Higiene e Limpeza Ltda. Rua José Ferragut

Leia mais

Purificação do Éter Etílico. Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré

Purificação do Éter Etílico. Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré Purificação do Éter Etílico Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré Solventes orgânicos possuem diferentes graus de pureza; Em alguns casos, pode-se utilizar solventes com pequenas

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Utilização: VERSÁTIL LIMPADOR CAPIM SANTO Detergente com aroma de capim limão ideal para a limpeza de pavimentos, paredes, sanitários e limpeza

Leia mais

Produto para proteger e dar brilho em superfícies de plástico e borrachas

Produto para proteger e dar brilho em superfícies de plástico e borrachas JohnsonDiversey Solubex 20 Produto para proteger e dar brilho em superfícies de plástico e borrachas Não deixa resíduos nem mela os pneus A formulação balanceada de Solubex 20 permite a aplicação do produto

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013 1 INDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Desinfetante para uso geral. Nome comercial: Flash Clean Pop. Empresa: Quimifel Indústria e Comércio de Produtos de Limpeza Ltda. Autorização de

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Wash primer. Empresa: MG Tintas Ltda. Endereço: Rua Olavo Baldessar, 246. Cidade: Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira LABORATÓRIOS DE MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS, ENZIMOLOGIA & MICROBIOLOGIA INDUSTRIAL (LMA & LEMI) Professores Responsáveis:

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

FISPQ A - 016 Em conformidade com a NBR 14725:2005 2 ed.

FISPQ A - 016 Em conformidade com a NBR 14725:2005 2 ed. 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Aplicação: Limpa Contatos Limpeza de contatos elétricos Fornecedor: Sprayon Química Industrial Ltda - ME - Indústria Brasileira Endereço: Rua Chile

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do produto: DUPLIPLATE CLEANER 1212

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do produto: DUPLIPLATE CLEANER 1212 Página 1 de 12 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO - DUPLIPLATE CLEANER - Código interno: 1212 - - Nome do fabricante: Eurostar Produtos Graficos e Comunicação Visual Ltda - Endereço: Estrada Jaguari, nº.621 -

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) CLORAMINA T.FDS_PT.DOC ACOFARMA 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância

Leia mais

Aula 4 MATERIAIS REAGENTES. Maria de Lara Palmeira de Macedo Arguelho Beatriz

Aula 4 MATERIAIS REAGENTES. Maria de Lara Palmeira de Macedo Arguelho Beatriz Aula 4 MATERIAIS REAGENTES META Apresentar as principais vidrarias e utensílios em um laboratório químico e conhecer suas aplicações. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: identifi car as principais

Leia mais

1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2- COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3- IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2- COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3- IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 20 de agosto de 2011 PÁGINA: 1 de 5 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno de Identificação do Produto: PA - Nome da Empresa: DORIGON INDÚSTRIA DE TENSOATIVOS LTDA. Endereço:

Leia mais

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno Noções básicas de Segurança em Laboratório Professora Mirian Maya Sakuno Laboratório labor = trabalho + oratorium = lugar de concentração Uso inadequado do laboratório PERIGO!!! Regras básicas Não... não

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico DENTROL-N FISPQ: 006 Revisão: 001 Data: 08/02/2016 Página 1 de 6

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico DENTROL-N FISPQ: 006 Revisão: 001 Data: 08/02/2016 Página 1 de 6 FISPQ: 006 Revisão: 001 Data: 08/02/2016 Página 1 de 6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA a) Nome do Produto: b) Código do Produto: PA 006SN c) Nome da Empresa:. d) Endereço: AV. PADRE LEO LUNDERS,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) NIPPOGYN AC-3000

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) NIPPOGYN AC-3000 NIPPOGYN AC-3000 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: NIPPOGYN AC-3000 Identificação da Empresa: Nippon Chemical Ind. e Com. de San. e Det. Prof. Ltda Rua Platina, nº 259

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Hidroprimer Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis

Leia mais

ESTA FISPQ FOI PREPARADA PELO FABRICANTE. AS INFORMAÇÕES AQUI CONTIDAS SÃO NECESSÁRIAS PARA UTILIZAÇÃO SEGURA DO MATERIAL NO LOCAL DE TRABALHO.

ESTA FISPQ FOI PREPARADA PELO FABRICANTE. AS INFORMAÇÕES AQUI CONTIDAS SÃO NECESSÁRIAS PARA UTILIZAÇÃO SEGURA DO MATERIAL NO LOCAL DE TRABALHO. ESTA FISPQ FOI PREPARADA PELO FABRICANTE. AS INFORMAÇÕES AQUI CONTIDAS SÃO NECESSÁRIAS PARA UTILIZAÇÃO SEGURA DO MATERIAL NO LOCAL DE TRABALHO. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO...

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) PRATICE LIMPEZA PESADA

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) PRATICE LIMPEZA PESADA Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Pratice Limpeza Pesada Códigos internos: Lavanda: 7150 Clássico: 7121 Limão: 7122 Floral: 7152 Maçã Verde: 7151 Laranja: 7153 Empresa: BOMBRIL

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA INSTRUNET GAM

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA INSTRUNET GAM Pág. 1 de 5 1.- IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE OU EMPRESA Identificação da substância ou da preparação: Utilização da substância ou da preparação: Gel de acção rápida para a desinfecção higiénica

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS E IDOSOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas

Leia mais

Octoato de Cobalto 6% Página 1 de 5 Ultima Revisão: 26/08/2008

Octoato de Cobalto 6% Página 1 de 5 Ultima Revisão: 26/08/2008 Octoato de Cobalto 6% Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Octoato de Cobalto 6% Empresa : Metalloys & Chemicals Coml Ltda. Rua Santa Mônica, 600 Parque Industrial San

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: SIL TRADE SILICONE SPRAY Cod do Produto: 156.0003 Nome da empresa: BASTON DO BRASIL

Leia mais

CAL HIDRATADA CH-I TREVO

CAL HIDRATADA CH-I TREVO FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 01/04 PREPARADO POR: REVISADO POR: APROVADO POR: Luciana Carvalho dos Santos José Benedito Mecenas José da Gama Ribeiro 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA

Leia mais

GELALCOOL START 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

GELALCOOL START 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Versões: CRISTAL, EUCALIPTO e LAVANDA. Nome da empresa: Lima & Pergher Indústria Comércio e Representações Ltda. Endereço: Avenida Airton Borges

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico. Data da última revisão: Setembro/2014

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico. Data da última revisão: Setembro/2014 Pág.:1/10 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO REVESTIMENTO BELAGRAF Todas as 01 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Código interno: 40.35.XX.01 Empresa: Bellini Tintas Duragel

Leia mais

O Sol é o principal responsável pela existência de vida na Terra, pelos. As radiações solares aquecem o solo, as massas de água e o ar;

O Sol é o principal responsável pela existência de vida na Terra, pelos. As radiações solares aquecem o solo, as massas de água e o ar; Transferência de energia O Sol é o principal responsável pela existência de vida na Terra, pelos seguintes fatores: As radiações solares aquecem o solo, as massas de água e o ar; A luz solar é captada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL TÉCNICAS ANALÍTICAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL TÉCNICAS ANALÍTICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL TÉCNICAS ANALÍTICAS Profa. Dra. Márcia Justino Rossini Mutton FCAV/UNESP Departamento de Tecnologia 1

Leia mais