DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES IZAR NASCIMENTO ALVES *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES IZAR NASCIMENTO ALVES *"

Transcrição

1 DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES AO DO JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO SUL Diz-se que o Júri é o Tribunal do Povo. E é o que o depoimento de Izar Nascimento Alves revela com todas as letras. O relato de Dona Izar foi realizado por sugestão do Juiz de Direito Felipe Keunecke de Oliveira, Titular do 1º Juizado da 2ª Vara do Júri de Porto Alegre, por considerá-lo importante como registro das lembranças, vivências e valores de alguém que viveu a função de jurada durante quatro décadas. Dona Izar conversou com toda a franqueza com o pessoal do Memorial do Judiciário. Nascida em Alegrete, filha de agricultor, depois de terminar o ginásio, veio para Porto Alegre terminar o 2º grau. Trabalhou como servente e depois na área administrativa do INSS. IZAR NASCIMENTO ALVES * Dona Izar, a nossa entrevista, além dos pontos sobre o Tribunal do Júri, da sua vivência, é para conhecê-la melhor. Primeiro, começando com a sua vivência escolar, em casa, os seus pais, a sua origem. Bom, eu não sou porto-alegrense, eu sou da fronteira, sou alegretense. Meu pai foi um pequeno agricultor, brasileiro nato. Naquele tempo, nós éramos 11 filhos mais o casal, então eu achei por bem, já adolescente, procurar um trabalho, porque, entre os demais irmãos que eu tinha, a gente precisava ajudar o pai nas lidas. Foi aí, * Depoimento concedido à equipe do Memorial do Judiciário, em , no Memorial do Judiciário. Degravaç ão do Departamento de Taquigrafia e Estenotipia do TJRS. Textualização Carine Medeiros Trindade.

2 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História então, que eu fui para o Alegrete e fiquei uns anos, até que eu fiz 22 anos, e vim para Porto Alegre. Aqui continuei os meus estudos, mas famílias humildes, principalmente meninas, tinham pouco estudo na época. Então, eu terminei o ginásio e vim para fazer o 2º grau aqui, trabalhando de dia e estudando à noite. Tem coisas que eu lembro daquela época. Era muito bom, pois a gente trabalhava bastante, e estudar à noite, para nós, era tranquilo, a gente ia e vinha, chegava em casa onze e tanto da noite, e de manhã cedinho já estava novamente, nos esperando para ir ao trabalho. Eu trabalhei aqui só em uma empresa particular e depois fiz concurso, já fiz concurso para o serviço público, porque uma coisa que eu gostei muito, sempre, foi de estudar, com dificuldade, pois meu pai era, como já falei, pequeno agricultor, todos esses filhos, mas eu gostava muito de estudar. Então, terminado o 2º grau, logo eu fiz concurso. Trabalhei primeiro em um laboratório de prótese dentária, vários anos aqui, dez anos, depois, então, fui para a Previdência, para o INPS, e aí, então, fui sempre trabalhando, sempre procurando me atualizar, crescer. Primeiro eu trabalhei de servente, e o último concurso que eu fiz foi para Agente Administrativo. Então, me aposentei como Agente Administrativo da Previdência, e foi aí, quando eu estava na Previdência, que alguém me convocou para o trabalho de jurada. Foi uma convocação, então, que a senhora recebeu? Foi uma convocação. Não sei quem me convocou, mas fui convocada e, de repente, me chamaram. Como eu sempre fui uma pessoa que gostei de atender, na medida do possível, o que é bom e gostei sempre muito de prestar atenção nas leis do País, para mim foi muito bom. Então, eu continuei trabalhando, me aposentei, e continuei ainda no Júri. 228 ALVES, Izar Nascimento

3 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 No ano passado, em março, foi a última vez que eu atendi à convocação, conversei com o Dr. Felipe Keunecke de Oliveira e disse: Olha, Dr. Felipe, eu pediria que o senhor me dispensasse. Eu acho que já deu tempo, todos esses anos, eu acho que a minha missão está cumprida. Comecei neste prédio aqui. E a senhora poderia nos situar no tempo? Em que ano, mais ou menos, que a senhora entrou no INPS? O ano, para trabalhar no INPS, foi em 55. vez? E quando a senhora foi convocada para jurada pela primeira Pela primeira vez mais ou menos há 40 anos, mas que me chamaram para trabalhar como jurada, eu não guardei realmente quando eu comecei, só sei que comecei aqui. Em que década mais ou menos? Década de 70, mais ou menos. Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 229

4 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História E já era aqui no térreo do Palácio da Justiça? Já era aqui. Dona Izar, da sua primeira participação do Júri, que foi uma convocação, o que a senhora percebeu do trabalhar no Júri? Bem, eu, como já falei, não costumava escolher serviço. Me convidaram, e eu estava lá prestando muita atenção sempre, achando maravilhoso, porque estavam ali togados, o Sr. Juiz, os senhores advogados, Promotor, defensor, togados, e eu achei aquilo muito lindo, os jurados ali, os sete. Depois, então, eu comecei a entender, porque antes eu não conhecia o serviço, eu comecei a entender, vendo, por exemplo, aquela pessoa vir com os policiais ali, os policiais depois tiravam a algema, e a pessoa, então, ia sentar ao lado do seu defensor, e eu prestava muita atenção também na pessoa que estava sendo julgada. Acredito até que naquele tempo isso também era diferente, bastante diferente de hoje, porque hoje a gente, ainda trabalhando, pode ver que os presidiários são mais livres, parecem não temer, a maneira de agir deles é bem diferente. Naquele tempo, eles pareciam ser mais tímidos, tinha algum que até chorava, outros eram normais, mas era bem melhor. Agora não, agora a coisa é bem difícil, bem diferente, vamos dizer, e eles chegam ali porque são levados. Então, isso tudo, ao longo do tempo, a gente viu. A gente sentiu também a melhora que houve no trabalho dos senhores advogados. Como eu gosto de ouvi-los. Quando eles nos davam o processo, a gente abria o processo, e eles explicavam e mostravam, eu prestava muita 230 ALVES, Izar Nascimento

5 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 atenção, porque eu sou uma pessoa religiosa também, e eu nunca gostaria de fazer injustiça a alguém, tanto condenando, se preciso, como defendendo, se preciso. Antes de sair de casa, era o meu costume, eu me punha de joelhos e pedia proteção para Nosso Senhor Jesus Cristo: Proteja, me dê condições, me dê sabedoria e inteligência para que eu possa desempenhar essa tarefa de acordo com a Sua bendita vontade. Isso sempre foi o meu costume. E sempre procurei cumprir, sem faltar, que eu acho muito importante. A senhora notou uma diferença na postura do réu. O que a senhora entende? Que o réu antes teria um pouco mais de respeito, ele seria, talvez, melhor preparado pelo advogado? O que a senhora percebe? Talvez melhor preparado pelo advogado, sei lá. Não é respeito, mas o jeito, a maneira da pessoa se portar. Não sou psicóloga, mas parece que a gente tem um pouquinho de psicologia, começa a analisar a pessoa e o processo. Muitos pensam que o jurado não analisa o processo, mas o jurado analisa sim, e os senhores advogados põem na folha: Você vai analisar isso aqui, ver o que está escrito aqui, e a gente analisa e, enquanto eles estão conversando, a gente repassa o processo. Eu sempre fui muito calada, mas atenta, e muitas vezes no processo a gente está vendo o que aconteceu com ele, por que aconteceu aquilo, por que a pessoa foi assim, a gente vai analisando, não como doutora, que eu nunca fui, mas como uma jurada, forcejando para atender às obrigações. Mais sobre os tipos de crime. Sabemos que ao Tribunal do Júri vão crimes contra a vida, quando se teve a intenção de matar, mas às vezes há alegações do advogado dizendo que foi uma legítima defesa. Acontecia Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 231

6 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História muito, acontece muito esse tipo de defesa em que, no processo, os jurados estão vendo que não é... Que não é bem assim. Exatamente, não foi bem assim. Mas aí é a parte que a gente analisa, fica quieta ali e vai dizer justamente o que a gente achou. Eu era assim. Posso dar o exemplo de uma mulher, jovem ainda, que tinha um bebê isso já faz uns cinco anos de quatro meses, que ela matou porque queria acompanhar o homem, o marido, um desses desajustes de família. Então, ela queria acompanhar, e ele deixava ela em casa porque agora eles tinham um bebê, e ela simplesmente sufocou, ele morreu sufocado, tinha a foto da criancinha lá. E não mostrava arrependimento nenhum aquela mulher, por mais que fosse falado e tudo. Ela esteve até no Pelletier, e as irmãs mandaram uma carta para o Tribunal dizendo: Ela ficou seis meses aqui e não mostrou nenhum arrependimento. E era mesmo, para ela parecia que ela tinha feito uma coisa muito boa, sei lá, sentia-se liberta. Nesse Júri, ela levou um advogado muito bom, acho que até seria particular, porque, pelo jeito, ela pagou muito bem aquele homem. Ele era um advogado bastante inteligente, não lembro mais o nome dele, e aquele homem tentou mudar a nossa cabeça, tentou mesmo mudar a nossa cabeça. Eu olhei o processo, analisei e disse: Mas nós não estamos aqui para alguém mudar a nossa cabeça. Nós estamos aqui para julgar o caso. Então, eu e mais dois fomos pela condenação daquela mulher, porque eu digo: Não é como aquele moço está dizendo. Talvez ele seja muito bem pago. A gente não pode ceder, mas os outros quatro foram pela defesa dela. Até a própria Juíza, depois, disse: Acho que vou fazer voltar. E, quando volta, esta turma não volta, volta outra turma, e eu não pude ver, mas deveria ter ido assistir para ver como é que ficou aquele caso. É um dos casos mais horríveis que eu já vi, mas nós estamos ali para a nossa cabecinha dizer. 232 ALVES, Izar Nascimento

7 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Voltando, falando um pouco ainda das defesas que os réus alegam. Tem uma pesquisa que estamos desenvolvendo aqui no Memorial em que o réu matava a sua esposa em flagrante adultério. A senhora chegou a pegar algum Júri em que ele alegava legítima defesa da sua honra ou até em algum outro tipo de crime, não com a esposa, mas de legítima defesa da honra? E não era tão difícil isso. Era mais comum ele matar porque ela o traiu, traiu a honra dele, vamos dizer, e ele matava. Isso era mais comum em épocas passadas, era bem mais comum. Agora já não, agora parece até que os casamentos diminuíram, então já não é tão comum. Agora eu acho que vão para outra e acabou a história. É mais fácil isso. E normalmente os jurados acompanhavam essa defesa, realmente era legítima essa defesa da honra? Olha, eu olhava sempre, primeiro, aquele processo, o que vinha acontecendo e se a pessoa, não digo que fosse matar a pessoa, mas se a pessoa, vamos dizer, é tão falha assim, que na sua cabeça, do réu, agiu pelo certo. Eu achava isso. Se ela vinha traindo ou se dizia no processo que ele várias vezes tentou fazer com que ela não cometesse aquela traição, que, na época, era crime, eu cheguei a absolver a pessoa, pelo que eu lia. E algum caso que a mulher matou o esposo, a senhora chegou a pegar? Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 233

8 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História Que a mulher matou, eu acho que eu não peguei um caso assim, de a mulher ter matado o esposo, mais era o homem. Voltando um pouquinho. A senhora lembra, por acaso, do nome do Juiz da sua primeira participação no Tribunal do Júri? Ah, não lembro. Eu não lembro pelo seguinte, que a gente vinha, cumpria a missão e ia embora. A gente lia só nas instruções ali que o Juiz Fulano de Tal iria atuar, e eu tinha muita ocupação sempre: trabalhava, estudava, eu estava sempre ocupada. Eu lia, lia que estava atuando o Juiz Fulano, mas eu não era de guardar muito os nomes deles. Guardei o nome de poucos Juízes ou Juízas. Guardei o da Dra. Laís, que eu gostava muito também, e o do Dr. Felipe Keunecke, que é de agora, então desse eu não esqueci o nome, mas de guardar os nomes assim, não. O que sempre, sempre me preocupou muito foram as leis brasileiras, e as leis, se eu tivesse condições, se eu fosse alguém que pudesse mudar a lei criminal, eu mudava. Eu acho que as leis criminais estão terríveis hoje. A falta de respeito ao próximo, tanto de adulto como de crianças, parece que as pessoas estão ficando insensíveis. Eu tenho a impressão que essa lei é o que mais faz o progresso da injustiça. A senhora acha porque ela é muito leve? O que seria? Posso dizer muito leve e posso dizer também que essa lei deixa muito frouxo. Vamos ver se eu acho um exemplo do que eu quero dizer. 234 ALVES, Izar Nascimento

9 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Em março do ano passado, nós despendemos a tarde ou a manhã, de bracinhos cruzados lá, porque o preso só vai quando quer, o presidiário vai quando quer, e era o dia do Júri de um homem, mas ele não quis ir. Estávamos nós e o Dr. Keunecke lá esperando, todos prontos esperando. Então, aquela pessoa, que eu não conheci, não quis ir, e a Polícia não pode entrar na cadeia e tirar o sujeito, a Polícia não pode fazer isso. Então, eles têm lá um delegado, prisioneiro também, vocês devem saber, que é o chefe deles, e, se aquele delegado leva o prisioneiro até a porta e entrega para a Polícia, a Polícia traz para o Júri, mas, se não entrega, ele não vem, e nós voltamos para casa. Já pensou? Juízes, jurados, Defesa, Promotoria. Simplesmente o sujeito não quis ir. É uma falta de respeito até com as pessoas. Até com as pessoas. É por isso que eu acho que as leis estão muito leves em certo sentido. Dona Izar, voltando, então, para os tipos de crime. Tem algum crime que tenha lhe chamado mais a atenção porque chamou a atenção da comunidade local, que tenha impactado, como a gente chama, as pessoas? Para a comunidade local, vários crimes que acontecem, vamos dizer, na vizinhança, que, de repente, um inocente está pagando pelo que não fez. Isso é muito fácil. Antes, os senhores sabem muito bem, quem morava em bairro, tinha um murinho dessa alturinha, mas hoje é tudo com grades de Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 235

10 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História ferro, com fios elétricos, e ainda, podendo, eles entram. Então, por isso eu acredito e sempre achei que as leis brasileiras estão arcaicas. Elas não poderiam ser assim como são. Eu não sou ninguém para julgar isso, mas eu propriamente acho que as leis criminais precisam ser mudadas. A gente sabe que os jurados no Tribunal do Júri devem ser protegidos, o sigilo dos seus votos. A senhora já presenciou alguma quebra do sigilo ou alguma tentativa dessa quebra do sigilo por alguém externo ou até por algum jurado? Olha, quebra do sigilo, todos esses anos, eu não presenciei nenhum, porque a gente sai dali, vai para aquela salinha, ali a gente vota. Felizmente eu não presenciei a quebra de sigilo de nenhum dos jurados. Dava certinho, cada um com o seu votinho e tudo. Isso não. E alguma tentativa até de pressão do réu, do advogado ou de alguém externo para a votação? Alguma tentativa externa de pressão? Bom, pressão, às vezes, sim. A pessoa vem assim, na calma, com jeitinho de bonzinho, achando que o seu cliente é muito bom. Isso já aconteceu sim. Então, eu, nesses momentos, ficava indiferente. Simplesmente a pessoa está conversando, indiferente. Parece que, como se usa a expressão comumente, entra aqui e sai ali. É uma conversa mais ao pé do ouvido, tentando convencer? 236 ALVES, Izar Nascimento

11 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 É, mais ao pé do ouvido, tentando convencer e tudo. Então, eu achei que o melhor era isto: nem sim, nem não. Porque lá eu vou, como eu já falei, observar o processo, ver como é. Não vou me vender para ninguém por dinheiro. Nunca me ofereceram dinheiro, mas vêm com aquela conversinha que parece certa, mas é mentirosa. A senhora não chegou a presenciar algo mais grave, uma ameaça, alguma coisa mais séria? Até não só aos jurados, mas ao Juiz, durante o Tribunal do Júri? Alguma coisa mais grave, a senhora chegou a presenciar? Eu acredito que não, mas teve um sujeito, com o Sr. Juiz, que ele parecia não querer acatar ou coisa assim. Isso aí já teve. Era uma pessoa que, a gente, olhando, não podia falar lá, mas depois disseram que ele era perigoso. Isso eu já vi. Sim, de observar a própria pessoa já se notava? Já se notava. Observando a própria pessoa, a gente já notava. Dona Izar, a senhora disse que o seu primeiro Tribunal do Júri foi aqui. E os outros locais? Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 237

12 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História Foi só lá, depois que foi para lá, para o Foro Central. Eu não participei em nenhum outro local. A senhora chegou a conhecer outros jurados que tenham participado tantas vezes, não tantos anos quanto a senhora, mas muitas vezes do Tribunal do Júri? Algumas vezes sim, mas muitas vezes não, porque a gente costuma sair dali, sair o mais rápido possível para não ficar... Mas a gente, que foi várias vezes, a gente acabava se cumprimentando, vamos dizer, mas cada um para a sua... Até porque o jurado tem que ficar mais na sua, vamos dizer, até para não dar nenhum problema. É, é o costume do jurado, pra não dar nenhum problema. Então, eu ficava mais quieta e tratava logo de desaparecer daquele local. A senhora, como jurada, já que a senhora já pediu dispensa, acha que inocentou mais ou que condenou mais? 238 ALVES, Izar Nascimento

13 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Eu acho que nesses anos todos eu inocentei mais. Se eu disser que condenei mais, não é verdade. Eu inocentei, olhando, estudando, verificando bem como é que foi, porque a gente é povo, é júri popular, e essas pessoas também são povo, e eu não estou ali para ser carrasca, estou ali para ver. Se eu via que ele, nem é inocente, porque estava sendo julgado, mas que era uma pessoa que os antecedentes dele não eram tão ruins, parecia ser uma pessoa que ainda poderia ser salva, vamos dizer, eu inocentava. Então, eu inocentei mais do que condenei. Então, realmente, a gente diz que é o caso, é o crime que está sendo julgado, mas o que essa pessoa tem de história conta? É. Exatamente. Conta. E sempre foram pessoas da população, o povo, como a senhora falou. E alguém mais abastado, alguém com uma classe social mais alta, vamos dizer, já passou por um Tribunal do Júri que a senhora participou? Bom, a gente não fica sabendo, mas aquela mulher da criancinha, eu acredito que ela tivesse dinheiro e que pagou, como eu falei, muito bem aquele advogado, pela maneira como aquele moço agiu, mas aquela não Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 239

14 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História me convenceu. Eu acho que ela deve ser de família abastada, sei lá, mas outros a gente não ficava sabendo se tinha dinheiro, se não tinha dinheiro. Então, mais um pouquinho sobre os crimes. Dos que a senhora condenou, a forma de punição que o Juiz impôs, a senhora acha que recupera, que é realmente o que tem que ser feito com a pessoa que é presa? O nosso sistema. Esse nosso sistema, para ser honesta, eu posso dizer que não é a verdadeira forma de punição. Eu acho, vou abrir um parêntese, que até mesmo hoje os apenados não deviam ficar encerrados naquelas cadeias, eles deviam ter uma maneira de trabalhar, de comer do trabalho das suas mãos, ter um agrônomo ou o Governo que fizesse lavouras e plantas. Eu tenho a impressão que assim conseguiriam salvar muito mais essas criaturas. Eles plantando, comendo dali, porque vai a comidinha quente lá dentro e, se não estiver quente, a carne não estiver boa, dizem, eu não vou lá ver, eles até viram, às vezes, a comida, põem fora. Se eles trabalhassem, com um engenheiro organizando tudo, a Polícia sempre atenta, mas com um engenheiro para cuidar, para ensiná-los a fazer a coisa, eu tenho a impressão que seria muito melhor. Eles seriam ressocializados. Ressocializados, vendo a plantinha crescer pela própria mão deles, comendo da fruta ali que eles próprios plantaram em vez de estarem guardados nessas cadeias como uma chocadeira de maldade ali, que está 240 ALVES, Izar Nascimento

15 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 sempre criando mais maldade. Dessa forma, particularmente acho que seria muito melhor, com a mudança da lei e colocando essas pessoas a trabalhar, porque nós, os senhores, todos trabalhamos para ganhar o nosso sustento. Por que eles têm que roubar, por que eles têm que pegar pessoas inocentes e depois vão para ali ficar fechados, aprendendo mais maldades? Eu acho que essa lei, sinto muito, não é boa. A escolha dos jurados é por sorteio, mas tanto a Defesa quanto a Acusação podem negar alguns jurados. A senhora já foi negada em algum julgamento? A senhora lembra? Olha, eu não sei se fui negada, mas vezes eu fui daqueles que voltam, que são vinte e um e só ficam sete. Vão os advogados ali, e eles escolhem, e a gente nem fica sabendo. Bom, o meu nome não foi sorteado. Já várias vezes o meu nome, como a gente diz, não foi sorteado. Aí vai para casa. Mas a senhora nem fica sabendo se foi por sorteio ou não? Não, não. Nesses anos todos, na fala do defensor, na fala do Promotor, a senhora já viu algum caso, alguma questão de preconceito de uma forma geral, ou até preconceito de raça? Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 241

16 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História Preconceito eu acredito que não. Eles chegam lá, fazem a fala deles, aliás, eu acho lindo, lindo um advogado que sabe falar. Teve um advogado lá, ainda bem que tinha uma água para tomar, chegava a dar sono de tão mal que esse homem falava. A gente queria ficar atento, mas esse senhor lá se exibia, ele era exibido, ele exibia a pessoa dele: Eu tenho isso, eu tenho aquilo. Até uma égua ele tinha. Isso não tinha nada com o assunto. Então, aquilo, para mim, não valeu nada, me dava um sono, e eu tomava água. Então, isso a gente já percebeu. E outros advogados, tanto Promotor quanto defensor, era a coisa mais linda, os homens falando, esclarecendo, parece que tinham uma luz, porque é muito bom, é muito bonito. O réu era absolvido ou condenado, mas o advogado era uma beleza, era maravilhoso. Esses homens que são os homens que deveriam sempre estar naquele lugar. A senhora formava a sua convicção já no início do Tribunal do Júri, quando já começava, ou conforme as falas iam ocorrendo? A senhora já teve que mudar a sua convicção? A minha convicção eu não formava nunca antes, porque antes eu não tinha visto o processo. Antes também eu não tinha ouvido esses senhores falar, antes eu não tinha, sequer, visto o réu. Esse conjunto é que forma a convicção da gente. Teve algum crime que a senhora participou do Tribunal do Júri e ficou sabendo de forma externa, por televisão, por rádio, foi informada por outro meio que não dentro do Tribunal do Júri? 242 ALVES, Izar Nascimento

17 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Não posso lhe dizer, não estou lembrando se eu fui informada, assim, pela TV ou por isso ou aquilo de algum crime que eu tenha participado. Outra questão de defesa, sobre o alcoolismo. Há algum tempo, quando a pessoa cometia um crime quando estava alcoolizada, normalmente era dito que essa pessoa não tinha como responder pelos seus atos. Isso apareceu alguma vez ou algumas vezes como defesa ou não? Eu acho que isso apareceu como defesa do réu. Ele estava bêbado e não respondia pelos seus atos, não estava lúcido. Isso aparecia. Porque hoje é bem ao contrário, porque, se o réu comete alcoolizado, bêbado, até é uma agravante, como chamam. Então, há uma mudança no pensamento. De atitude, pois é. E isso foi para melhor, porque antes não era assim. Havia também muitos casos em que a pessoa se dizia sem poder responder pelas suas ações, não só porque estava bêbada, mas também por algum outro motivo. Também tinha isso? Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 243

18 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História Tinha, tinha isso também. Aliás, o réu procura, aquela hora em que ele vai à frente e fala, o Juiz faz perguntas, e ele fala, a gente só fica na escuta mesmo. Teve uma alteração nesses tempos da ordem das falas. Antes o réu era o primeiro a falar ou um dos primeiros a falar e agora ele é o último. É, agora ele é o último. E ele fala se ele quiser também, ele não é obrigado a falar. Se ele não quiser falar, ele não diz nada. Ele não é obrigado a falar? Não. Ele não se pronuncia. A senhora se recorda exatamente em que ano que a senhora começou a ser jurada aqui? Foi na década de 70, mas eu não digo se foi 71, ALVES, Izar Nascimento

19 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Foi no início da década de 70? É. Que dia a senhora nasceu? Eu nasci no dia Qual é o seu nome de solteira? Izar Oliveira do Nascimento. E de casada? Izar Nascimento Alves. Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 245

20 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História Quantos filhos a senhora teve? Três. Um está aqui presente. O mais velho? Não, o do meio. Tem um mais velho, tem esse e tem uma moça. Depois ainda criei mais duas para ajudar o Governo. E algum parente seu, das suas relações, também foi jurado alguma vez, foi chamado? Não, não foi. Nenhum. A sua primeira vez foi convocada e depois a senhora se apresentava ou sempre foi convocada? Sempre fui convocada. Sempre, sempre. Eu fui convocada, atendi, fui lá, e eles, sempre que precisavam, chamavam. 246 ALVES, Izar Nascimento

21 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 O seu nome já estava na lista. Eu estava na lista. A senhora trabalhou no INSS aqui da Borges? Trabalhei nos três: INAMPS, no ex-iapi, que era na época, e agora nesse outro ali da Jerônimo Coelho. A senhora está com quantos anos, então? Eu estou com 80 anos. A senhora soube, mesmo indiretamente, que algum jurado ficou tanto tempo no Júri quanto a senhora? Pode ser, mas, que eu saiba, não. Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 247

22 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História Eventualmente a senhora chegou a ficar amiga de algum? Amiga não, mas algum assim que de vez em quando a gente chegava ou dava uma conversadinha, mas ficar amiga não. A senhora já participou de algum Júri só de mulheres? Não. Sempre misturado? Sempre misturado. E era muito mais homens mesmo, mas algumas Juízas. Eu me lembro que tinha Juíza de Lajeado, tinha a Dra. Laís, várias Juízas também, mas não muitas. Algum acontecimento diferente nesses anos todos durante o Júri? Algum acontecimento diferente que a senhora se lembre depois de vinte anos, dez anos, algum Júri que foi especial porque aconteceu alguma coisa diferente? 248 ALVES, Izar Nascimento

23 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 De diferente só esses de agora, que ele vai se quer, se não quer, não vai, e o Senhor Juiz, com certeza, não tem poderes para mandar trazer o réu. E teve um acontecimento, que eu não estava de jurada, mas fiquei sabendo, que um cara fugiu era aqui ainda, e foram pegar ele lá na Rua da Praia. Esse acontecimento foi engraçado, foi interessante. Qual foi o guarda que foi atrás dele? Ah, foi policial daqui, mas quem pegou foi um civil lá embaixo. Então, Dona Izar, só para finalizar, eu gostaria que a senhora nos dissesse quais características, qual o perfil que um jurado deve ter para poder atuar bem, porque a senhora, com a sua vivência, tem uma boa percepção. Eu acredito que o jurado, eu não sei quem nomeia, quem chama, nem nada, mas deve ser bem selecionado. Que não seja uma pessoa leviana ou fofoqueira. Eu acho que o jurado deve ser muito bem escolhido para que ele não vá fazer bobagem lá ou se vender por dinheiro ou se trocar por isso ou por aquilo. Então, acho que o jurado deve ser muito bem escolhido. Deve ser uma pessoa observadora? Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 249

24 Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 Justiça & História É. Além de observadora, correta. E usar um pouco também, se tiver, de inteligência, porque senão vai dizer bobagem. Isso é o que eu acho, são ideias minhas, mas acho que precisa ser uma pessoa correta, uma pessoa que vai lá com o interesse de fazer aquele trabalho certo. Eu acho isso. Então, muito obrigada, Dona Izar, pela entrevista. Foi muito boa a sua entrevista. Como eu lhe falei antes, ela vai ser colocada no papel, e depois nós vamos lhe enviar. Se a senhora quiser alterar qualquer parte do texto, a senhora fique à vontade para acrescentar informações ou retirar alguma que a senhora não tenha certeza. Muito obrigada pela entrevista. Eu que agradeço, porque isso, para mim, faz muito bem, porque os senhores viram a minha idade, e eu ainda sou pronta, gosto de fazer as coisas, saio para fazer os meus negócios, as minhas compras. Se dependesse da Justiça, a senhora continuava jurada, não é? Sim, se dependesse da Justiça, porque eles me chamaram em março passado, em 2012, mas eu digo: Bom, agora eu vou viver um pouco para mim. 250 ALVES, Izar Nascimento

25 Justiça & História Vol. 11 n. 21 e 22, 2011 E a senhora já está aposentada há quantos anos? Quando eu me aposentei, eu estava com 53 anos. A senhora continuou sendo jurada depois, então? Continuei sendo jurada. Eu gosto da lei, dos estudos de leis, só não fui uma doutora porque não tinha dinheiro, o meu pai não tinha dinheiro, e eu tinha que trabalhar para me sustentar longe da família ainda, mas eu gosto. Algum dos seus filhos seguiu a carreira jurídica? Seguiu. Este aqui é advogado. Depoimento de Dona Izar Nascimento Alves ao Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul 251

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada?

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada? Levante-se o réu. 6 ...capítulo um Fiquei de pé. Por um momento vi Glória de novo, sentada no banco no píer. A bala acabara de atingir a sua cabeça, de lado, o sangue ainda nem tinha começado a escorrer.

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação Jairo Martins da Silva FOTOs: divulgação E N T R E V I S T A Disseminando qualidade e cultura Superintendente-geral da Fundação Nacional da Qualidade, Jairo Martins da Silva fala sobre o desafio da qualidade

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 Senhores Deputados, meu pronunciamento é em caráter excepcional. Eu tenho uma história de vida

Leia mais

Prefácio. Julio Rezende Pai, empreendedor

Prefácio. Julio Rezende Pai, empreendedor Prefácio Nesse treinamento vou compartilhar o que os empresários do ramo de SEGURANÇA ELETRÔNICA não compartilham com ninguém, aliás, nenhum empresário quer contar o segredo de suas Empresas, Correto?

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Relato de parto: Nascimento do Thomas

Relato de parto: Nascimento do Thomas Relato de parto: Nascimento do Thomas Dia 15 de dezembro de 2008, eu já estava com 40 semanas de gestação, e ansiosa para ter meu bebê nos braços, acordei as 7h com uma cólica fraca, dormi e não senti

Leia mais

I Tessalonicensses 4:13~18; a descrição do encontro

I Tessalonicensses 4:13~18; a descrição do encontro Arrebatamento (continuação) #70 Vamos agora, ver em detalhes a descrição do encontro de Jesus com a Igreja e a transformação dos nossos corpos para corpos gloriosos, iguais ao de Jesus. I Tessalonicensses

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Lucimar Luisa Ferreira / Marinez Santina Nazzari Revisão Final: Elias Januário Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Israel por um período de seis anos (Jz 2:7 ). Jefté viveu em Gileade e foi

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V edilbertodonsantos@gmail.com Vocês já ouviram alguém dizer que polícia é igual criança, quando está perto incomoda e quando está longe faz falta?

Leia mais

MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL

MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL Início na carreira A bem da verdade nunca havia sonhado em ser promotor. Foi na faculdade, sob a influência

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE?

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? Rafael chegou em casa um tanto cabisbaixo... Na verdade, estava muito pensativo. No dia anterior tinha ido dormir na casa de Pedro, seu grande amigo, e ficou com a cabeça

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

A menina que queria visitar a tia

A menina que queria visitar a tia Cenas urbanas A menina que queria visitar a tia A menina, conversando com a jornaleira, na manhã de domingo, tinha o ar desamparado. Revolvia, com nervosismo, um lenço com as pontas amarradas, dentro

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

Entrevista Armando José Farah

Entrevista Armando José Farah Saju Pesquisa Histórica Entrevista Armando José Farah Transcrição Leonardo Serrat de O. Ramos 07 Saju: Nome? Armando José Farah... - É, já tavam sabendo que o entrevistado é Armando José Farah, o que os

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Chapecó-SC, 23 de junho de 2006 Presidente: É um programa, talvez

Leia mais

Sr. Siderley: 1968 a 1971

Sr. Siderley: 1968 a 1971 Transcrição do Depoimento do Sr. Siderley Corrocher para a Comissão da Verdade da Câmara municipal de Araras realizado no dia 22/11/2013 (duração: 26min57s). Ver. Breno Cortella: Então o senhor foi...

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 24 Discurso na solenidade de entrega

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto Categorias Subcategorias Unidades de registo Experiência de assalto Situação Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Estava a ir para a escola (F2) Estava a sair da escola e quando cheguei à porta

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima

Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima Meu nome é Carla Karen Quispe Lipa. Sou nascida na Bolívia, na cidade de La Paz e vim para o Brasil com nove anos de idade com os

Leia mais

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão 1 INDICE Introdução... Pg: 03 Você é muito bonzinho... Pg: 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade... Pg: 05 Evite pedir permissão... Pg: 07 Não tenha medo de ser você mesmo... Pg: 08 Não

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet 5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet Uma das verdades absolutas sobre Produtividade que você precisa saber antes de seguir é entender que se ocupar não é produzir. Não sei se é o

Leia mais

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Estive pensando sobre os conflitos e as frustrações na Vida em Família, e a primeira consideração que me ocorreu foi: precisamos

Leia mais