GEMAq/UNIOESTE/ITAIPU BINACIONAL Manual Técnico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEMAq/UNIOESTE/ITAIPU BINACIONAL Manual Técnico"

Transcrição

1

2 Convênio de Cooperação Técnico-Financeira para o Desenvolvimento de Pesquisas Relacionadas à Produção de Peixes em Sistema de Tanques-rede no Reservatório de Itaipu GEMAq/UNIOESTE/ITAIPU BINACIONAL Manual Técnico Criação de pacu em tanque-rede para produção de carne mecanicamente separada (CMS) Material desenvolvido para o atendimento aos objetivos propostos no convênio n o , celebrado entre a Itaipu Binacional e a Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste/Campus de Toledo. Toledo - PR 2010

3 Wilson Rogério Boscolo Aldi Feiden Fábio Bittencourt Carla Canzi Manual Técnico Criação de pacu em tanque-rede para produção de carne mecanicamente separada (CMS) Toledo - PR 2010

4 Vítor Borniotti Pinheiro Projeto Gráfico e Diagramação Liliane A. P. de Carvalho Capa Fábio Bittencourt Ilustrações Carla Canzi Análise e Revisão do Texto

5 Organizadores Dr. Wilson Rogério Boscolo Zootecnista. Doutor em Produção Animal. Professor adjunto do curso de Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo; Programa de Pós Graduação em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca; Programa de Pós Graduação em Zootecnia Unioeste/Marechal Cândido Rondon. Dr. Aldi Feiden Engenheiro Agrônomo. Doutor em Ciências do Ambiente. Professor adjunto do curso de Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo; Programa de Pós Graduação em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca; Programa de Pós Graduação em Zootecnia Unioeste/Marechal Cândido Rondon. Msc. Fábio Bittencourt Zootecnista. Mestre em Zootecnia. Doutorando em Aquicultura CAUNESP Jaboticabal. Pesquisador do GEMAq e do Instituto Água Viva. Carla Canzi Zootecnista. Divisão de Reservatórios da Itaipu Binacional; Mestranda em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo.

6 Equipe Técnica Técnicos de nível superior Dr. Altevir Signor Engenheiro de Pesca. Doutor em Zootecnia. Pesquisador do GEMAq e Instituto Água Viva. Msc. Arcangelo Augusto Signor Engenheiro de Pesca. Mestre em Zootecnia. Doutorando em Zootecnia UEM Maringá; Pesquisador do GEMAq e Instituto Água Viva. Msc. Evandro Kléber Lorenz Engenheiro de Pesca. Mestre em Zootecnia. Pesquisador do GEMAq. Msc. Fabiana Dieterich Engenheira de Pesca. Mestre em Zootecnia. Doutoranda em Aquicultura CAUNESP Jaboticabal. Pesquisadora do GEMAq e Instituto Água Viva. Msc. Josemar Raimundo da Silva Economista. Mestre em Engenharia de Produção. Professor assistente do curso de Economia Unioeste/Toledo. Msc. Márcia Luzia Ferrarezi Maluf Farmacêutica Bioquímica e Industrial. Mestre em Ciências Farmacêuticas. Técnica de Laboratório Unioeste/Toledo. Cleonice Cristina Hilbig Engenheira de Pesca. Professora assistente do curso de Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Mestrando em Zootecnia Unioeste/Marechal Cândido Rondon. Dacley Hertes Neu - Engenheiro de Pesca. Mestrando em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Pesquisador do GEMAq e Instituto Água Viva Douglas Jardelino de Camargo - Engenheiro de Pesca. Pesquisador do GEMAq e Instituto Água Viva Flávia Renata Potrich Bióloga. Mestranda em Zootecnia Unioeste/Marechal Cândido Rondon. Pesquisadora do GEMAq e Instituto Água Viva. Jackeline Marcante Dallagnol Bióloga. Mestranda em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Pesquisadora do GEMAq e Instituto Água Viva Jakeline Marcela Azumbuja de Freitas Engenheira de Pesca. Mestranda em Zootecnia Unioeste/Marechal Cândido Rondon. Pesquisadora do GEMAq e Instituto Água Viva Juliana Veit Nutricionista. Mestranda em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Pesquisadora do GEMAq e Instituto Água Viva.

7 Letícia Hayashi Higushi Bióloga. Mestranda em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Pesquisadora do GEMAq e Instituto Água Viva. Odair Diemer Engenheiro de Pesca. Mestrando em Zootecnia Unioeste/Marechal Cândido Rondon. Ronan Roger Rorato Engenheiro de Pesca. Mestrando em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Pesquisador do GEMAq e Instituto Água Viva Sidnei Klein Engenheiro de Pesca. Professor assistente do curso de Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Mestrando em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Talita Dieterich Médica Veterinária. Mestranda em Zootecnia Unioeste/Marechal Cândido Rondon. Graduandos Deividy Miranda da Silva Graduando em Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Juliana Alice Lösch Graduanda em Engenharia de Pesca Unioeste/Toledo. Ligiele Anne Roque Graduanda em Engenharia Química. Agradecimentos À Itaipu Binacional, pelo financiamento das pesquisas e pela parceria para o desenvolvimento de tecnologias para a criação de peixes nativos em tanques-rede. À Unioeste, pela infraestrutura e logística disponibilizada aos pesquisadores e estudantes envolvidos nos projetos de pesquisa e extensão. Ao Instituto Água Viva, pela disponibilização de técnicos e profissionais para atividades de logística, apoio técnico e execução prática nas atividades de campo. Ao Sr. Pedro Irno Tonelli, coordenador do Programa Mais Peixes em Nossas Águas, da Itaipu Binacional. Ao zootecnista Matheus Romero Neto, gerente da Divisão de Reservatórios da Diretoria de Meio Ambiente da Itaipu Binacional, pelo

8 empenho e apoio no desenvolvimento das pesquisas para a definição de pacotes tecnológicos para criação de peixes em tanques-rede e na implantação do Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanquesrede. Ao Sr. Rafael Glenn, funcionário do Instituto Água Viva, que esteve permanentemente atuando no Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanques-rede. À contadora Vera Peruzzo, do setor financeiro da Unioeste Campus de Toledo, e sua equipe, pelas atividades ligadas à execução dos convênios, principalmente no que se refere a licitações e gestão dos recursos financeiros. Ao Sargento Luciano, do Destacamento da Polícia Ambiental de Santa Helena PR, pelos esforços para manutenção da segurança na base de pesquisas.

9 Apresentação Este manual técnico é resultado das pesquisas realizadas pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste em parceria com a Itaipu Binacional para implantação de um modelo de aquicultura sustentável no reservatório de Itaipu, utilizando-se espécies nativas da bacia hidrográfica do rio Paraná. Esta parceria foi iniciada em junho de 2003, quando a Itaipu reuniu pesquisadores do sul do Brasil para discutir as ações prioritárias em relação à pesca e aquicultura, discutindo assuntos tratados como tabus, como a aquicultura em águas públicas e o repovoamento, a serem utilizadas como estratégias para geração de renda para as populações ribeirinhas e para o reforço de estoques pesqueiros. Desde então, a Unioeste, através do seu Grupo de Estudos de Manejo na Aquicultura GEMAq em parceria com a Itaipu Binacional, tem executado vários convênios voltados ao desenvolvimento de atividades de pesquisa e extensão pesqueira, desde a delimitação dos Parques Aquícolas até a implantação do Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanques-Rede, em Santa Helena. Após estudos com algumas das principais espécies autóctones do rio, a parceria focou seus estudos no desenvolvimento de tecnologias voltadas à criação do pacu (Piaractus mesopotamicus), objetivando seu aproveitamento integral, através da obtenção da carne mecanicamente separada (CMS). O GEMAq envolveu nestas pesquisas uma equipe técnica multidisciplinar e numerosa, executando experimentos que possibilitaram a geração de informações científicas que abrangem toda a cadeia produtiva da aquicultura e da tecnologia do pescado. Os estudos focaram aspectos da reprodução da espécie, alevinagem, transporte de formas jovens, densidade de estocagem, manejo alimentar e de tanques-rede, controle da qualidade da água e da eutrofização do ambiente, exigências nutricionais, rendimento de biomassa, processamento e elaboração de produtos de alto valor agregado, além da avaliação econômica da criação em tanques-rede. Estes estudos possibilitaram a realização de diversos trabalhos de iniciação científica,

10 trabalhos de conclusão de cursos de graduação, dissertações de mestrado e teses de doutorado. Também proporcionaram a realização de diversos cursos e palestras técnicas destinadas a pescadores, piscicultores, agricultores familiares, técnicos atuantes na área e estudantes de nível técnico e superior, que reuniram mais de três mil pessoas ao longo do período da parceria entre a Unioeste e a Itaipu. Assim, este manual técnico, escrito em linguagem acessível a todos, mostra que o investimento em Ciência & Tecnologia traz resultados concretos que geram tecnologias socialmente adaptadas, ambientalmente sustentáveis e economicamente viáveis, que podem contribuir para o desenvolvimento regional e a melhoria da qualidade de vida da população, além de formar recursos humanos altamente qualificados para atuação na aquicultura e pesca. Aldi Feiden / Wilson Rogério Boscolo Coordenadores do GEMAq

11 Índice 1. Introdução Tanque-rede Pacu Manejo de tanques-rede Transporte de juvenis Densidade de estocagem Tamanho inicial de estocagem Repicagem Manejo alimentar Carne mecanicamente separada (CMS) Análise econômica Considerações finais ANEXOS... 43

12 1. Introdução A criação do pacu (Piaractus mesopotamicus) em tanques-rede em águas públicas, apesar de ainda ser realizada em pequena escala, é um potencial que não pode ser descartado, pois atualmente apresenta-se como a melhor opção para ambientes onde inexiste a possibilidade de produção de outras espécies por imposições legais ou ideológicas. Quando se compara, por exemplo, o desenvolvimento do pacu em sistema de tanques-rede com outras espécies, veem-se algumas limitações de ordem prática como a reprodução e disponibilidade de juvenis em determinadas épocas do ano. Também é preciso ressaltar a questão da comercialização, pois o mercado regional ainda não está definido. Contudo, a viabilidade existe, restando buscar o nicho mercadológico e as técnicas que possam ser aplicadas para a expressão do máximo desempenho zootécnico dessa espécie. A produção de carne mecanicamente separada (CMS), obtida através da separação do músculo e espinhas, foi concebida inicialmente para proporcionar o máximo rendimento da carcaça. O produto obtido, a CMS, se mostrou uma ótima materia prima para a elaboração de variadas opções de receitas gastronômicas que atendem à demanda por uma alimentação saudável aliada à praticidade do seu preparo. Além disso, apresenta-se como solução para a problemática das espinhas em Y, no caso do pacu, e propicia a inclusão do pescado no cotidiano, desmistificando a questão do aproveitamento desse peixe apenas em eventos comemorativos esporádicos. Em 2003, a Itaipu Binacional, com a implantação do projeto Cultivando Água Boa retomou o programa de produção de peixes em sistema de tanquesrede, incentivando a comunidade dependente da pesca no reservatório de Itaipu a ingressar na atividade através de subsídios que contemplavam equipamentos, insumos e apoio técnico. Paralelamente, em consonância com a política pública implementada pelo governo federal, foram realizados estudos para a demarcação de áreas propícias à implantação de tanques-rede e estimativa de capacidade de suporte. O trabalho foi realizado em conjunto com 12

13 a Secretária Especial de Aquicultura e Pesca (atual Ministério da Pesca e Aquicultura), e buscou auxiliar o processo de gestão do reservatório e a sustentabilidade ambiental do sistema. Outra iniciativa adotada foi o estabelecimento de convênios de pesquisa entre a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) Grupo de Estudos de Manejo na Aquicultura (GEMAq) e a Itaipu Binacional para o desenvolvimento de um pacote tecnológico sobre a criação de pacu em sistema de tanques-rede, visando à produção de carne mecanicamente separada (CMS) para viabilizar a produção da espécie no reservatório, como forma de aproveitamento do potencial do ambiente pela comunidade lindeira e apoio aos programas de segurança alimentar. Por intermédio dessas iniciativas e a fim de demonstrar os resultados obtidos nos estudos realizados no Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanques-rede, localizado no Refúgio Biológico do município de Santa Helena PR, o presente manual tem como principal meta elucidar os principais entraves relacionados ao manejo aplicado à criação de pacu em tanque-rede para seu maior aproveitamento em carne mecanicamente separada (CMS). Os assuntos abordados enfocam a projeção produtiva englobando desde o transporte dos alevinos e aclimatação nas unidades de cultivo até o abate dos animais, fundamentados em pesquisas técnicas e embasados em análises econômicas que buscam consolidar o módulo mínimo necessário para o sucesso da atividade. 2. Tanque-rede Tanques-rede (Figura 1) e gaiolas são definidos como composições flutuantes, de variados tamanhos e formatos, delimitados por redes flexíveis ou telas rígidas, respectivamente, permitindo a passagem livre da água. Em geral, didaticamente, a unidade pode ser dividida em estrutura de sustentação, contenção e flutuação. A primeira diz respeito a armação, a segunda se refere 13

14 a área onde os peixes são confinados, e a terceira é representada por bóias que permitem a flutuabilidade na superfície da água. A Flutuadores B Flutuadores Fluxo de água Malha constituída de arame galvanizado e revestida com PVC Comedouro Figura 1. Ilustração de tanque-rede com suas respectivas estruturas. A Vista Lateral; B Vista Superior. O sistema destaca-se por possibilitar o uso de ambientes previamente alagados (lagos, açudes e reservatórios artificiais), a facilidade no manejo, o reduzido custo inicial de instalação e principalmente o melhor controle de produção. 3. Pacu O pacu (Figura 2) é um peixe encontrado nas bacias dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai, pertencente a um grupo onde incluem-se os peixes de maior valor comercial na pesca e piscicultura brasileiras. 14

15 Figura 2. Exemplar de matriz de pacu mantida em tanque-rede. A espécie apresenta grande potencial para a piscicultura intensiva devido à adaptabilidade ao cultivo e menor exigência de proteína. Além disso, é caracterizado como onívoro, pois combina a ingestão de alimento de origem animal e vegetal. Na natureza, sua alimentação sofre flutuações de acordo com a disponibilidade do alimento em conseqüência de variações ambientais e da migração reprodutiva. Na estação chuvosa, o pacu permanece em áreas de inundação, onde se alimenta de itens de origem vegetal, porém, na época de estiagem, permanece no leito dos rios com pouca disponibilidade de alimentos. Uma das características que limita a intensificação de produção da espécie é a comercialização devido à existência de espinhas em Y em sua musculatura, porém, atualmente, há cortes específicos que possibilitam sua retirada e, conseqüentemente, viabilizam os cortes do tipo filé. Outra alternativa para a comercialização é na forma de carne mecanicamente separada (CMS) por máquinas de separação mecânica das espinhas dos músculos, pois possibilitam a elaboração de produtos processados como hambúrgueres de peixe, empanados, almôndegas, entre outros. Essa opção pode se tornar uma forma de incrementar a oferta de produtos à base de pescados, e estimulando o consumo e a produção. 15

16 4. Manejo de tanques-rede A primeira etapa para a instalação do módulo é a definição da área onde os tanques serão alocados. O ambiente em questão deve apresentar condições favoráveis à criação, não proporcionando riscos à cadeia do pescado. Pensando dessa maneira, algumas questões devem ser avaliadas: - Evitar áreas com muita presença de paliteiros (áreas com grande quantidade de árvores submersas que possam enroscar e arrebentar as malhas dos tanques-rede) e locais com presença de macrófitas, plantas submersas e flutuantes; - profundidade equivalente a pelo menos um metro e meio em relação ao fundo do tanque-rede (Figura 3, Tabela 1); - área protegia de ventos fortes; - verificar a qualidade e o fluxo de água; - verificar a variação de nível dos reservatórios ao longo do ano; - instalações (acesso, energia elétrica, estrutura física, entre outros); - segurança. Nível da água A=1,0 m D=1,75 m Fundo do reservatório Figura 3. Profundidade mínima de instalação do tanque-rede. 16

17 Tabela 1. Distância mínima recomendada entre o tanque-rede e o fundo do reservatório. Altura do tanque (A) (m) Distância mínima do fundo do reservatório (D) (m) 0,5 1,50* 1,0 1,75 1,5 2,63 2,0 3,50 *Distância mínima. Caso multiplicando-se a altura A por 1,75 e resultar em valores menores a 1,50 considerar sempre a maior medida. Posteriormente à escolha do local, respeitando as condições necessárias e a legislação, deve-se definir os modelos das unidades de estocagem dos peixes. Existem no mercado variados tamanhos e formatos de tanques-rede como de malhas. Além disso, os materiais utilizados na confecção são diferenciados, e é recomendável que o produtor escolha o que melhor lhe convém justamente em termos de espécie produzida e ambiente de criação. É preciso lembrar que as manutenções periódicas são importantes para a vida útil das estruturas. O tamanho do tanque é um fator importante, pois tanques pequenos para o pacu prejudicam o desenvolvimento e muito grandes além de dificultar o manejo apresentam maior tempo de retenção, sendo ideal a utilização de tanques com no mínimo 4 m 3. No reservatório de Itaipu há mexilhões dourados (Limnoperna fortunei) que se aderem aos tanques-rede (Figura 4). A B Figura 4. A) Tanques-rede expostos ao sol para secar os mexilhões; B) Colmatação da malha por mexilhões. 17

18 Esses organismos são dificilmente removidos e, por muitas vezes, a forma empregada para a retirada é agressiva demais aos materiais estruturais dos tanques, reduzindo a vida útil dos equipamentos. Dessa maneira, os materiais constituintes dos tanques-rede devem apresentar as seguintes características: - Boa resistência ao esforço mecânico e à corrosão; - baixa resistência à passagem de água; - não abrasivo aos peixes; - leves, fácil manuseio e reparo; - baixo custo. Escolher os equipamentos corretos, que atendam as recomendações descritas, é de suma importância para o sucesso da atividade, visto que os custos iniciais serão determinantes para a continuidade da produção. As malhas dos tanques-rede devem ser adequadas aos tamanhos dos peixes e suas fases de desenvolvimento (Tabela 2). Tabela 2. Malhas recomendadas para a criação da maioria das espécies de peixes em tanque-rede Tamanho do peixe Tamanho da malha De 5 a 30g De 30 a 700g 5 mm (berçário) 19 mm Posteriormente à escolha das estruturas e à aquisição dos materiais, deve-se proceder com a montagem dos tanques-rede, pois eles vem com as bóias separadas do corpo do tanque. Em seguida é preciso saber qual a orientação e a forma de disposição das linhas que servirão de guias para fixação dos tanques-rede (Figura 5). 18

19 A Corrente principal B Tanques-rede Linhas Plataformas Tanques-rede Figura 5. A) Disposição mais adequada dos tanques-rede; B) Disposição menos adequada dos tanques-rede com plataformas para auxiliar no manejo. As linhas poderão ser amarradas às margens e/ou fixas através da utilização de poitas ou das duas maneiras (Figura 6). A Linha de fixação Bóia de sinalização Tanques-rede B Linha de fixação Bóia de sinalização Poitas Figura 6. A) Ilustração representando a linha de fixação dos tanques-rede amarrada por uma extremidade na margem do reservatório e outra com poita; B) Ilustração representando a linha de fixação dos tanques-rede amarrada por poitas nas duas extremidades. 19

20 IMPORTANTE: As linhas de tanques-rede não podem cruzar o corpo d água de uma margem a outra impedindo a navegação. As linhas devem ser abastecidas conforme o tamanho dos tanquesrede e respeitar a distância de uma vez e meia a largura do mesmo, ou seja, se obtiver um tanque com largura de 2,0 metros, a distância entre eles deverá ser de 3,0 metros (Figura 7). 3 m 2 m Tanques-rede Figura 7. Espaçamento entre os tanques-rede fixos na mesma linha. Embora com um barco seja possível realizar todos os procedimentos de manejo dos tanques, as balsas auxiliam sobremaneira esses processos. Sendo assim, a aquisição de tal equipamento permite otimizar o sistema pois facilita o trabalho e reduz o tempo despendido nas tarefas rotineiras. Geralmente, o manuseio é simplificado devido à metodologia empregada. Na Figura 8 está demonstrado o manejo por meio da utilização de balsas. Dependendo das atividades que serão desenvolvidas, a balsa pode servir para apoiar outros tanques na etapa de classificação e redistribuição dos peixes ou em biometrias parciais. 20

21 Figura 8. Manejo de tanque-rede com auxílio de uma balsa. Tanques muito incrustados pelo mexilhão dourado devem passar periodicamente por procedimentos de limpeza e manutenção. Para tanto, eles necessitam permanecer expostos ao sol durante três a quatro dias para o ressecamento dos bivalves (Figura 9). Passado esse intervalo, os moluscos estarão secos e poderão ser retirados facilmente. A B C D Figura 9. A) Tanque-rede transportado até a margem para os procedimentos de limpeza; B) e C) Exposição ao sol para o ressecamento dos mexilhões; D) Tanques-rede limpos prontos para retornar a produção. 21

22 5. Transporte de juvenis Atualmente, existe a dependência de produção de formas jovens em viveiros escavados (Figura 10), pois a estocagem de alevinos de pacu menores que 1g em tanques-rede é inviável. O ideal é que os alevinos estejam com peso médio em torno de 5g para a estocagem nos módulos produtivos. Figura 10. Produção de juvenis de 5g em viveiros escavados. A etapa inicial de estocagem dos peixes exige cuidados principalmente relacionados ao transporte. Por suas características, ainda pouco estudadas nessas situações, a mortalidade ocorre com facilidade, sendo necessária a máxima atenção em todos os procedimentos. As práticas envolvendo a atividade de transporte dos peixes devem ser acompanhadas por técnicos idôneos e capacitados que tenham acesso às propriedades fornecedoras e conheçam os produtores que atuam na alevinagem. Alguns fatores prévios ao transporte devem ser adotados: - Os peixes devem estar bem nutridos; 22

23 - manejo de despeça preferencialmente no inicio da manhã; - práticas de depuração dos juvenis (24 horas); - respeitar a densidade de estocagem segura (100kg/1000L em caixas (Figura 11) e 25 juvenis de 5g/L em embalagens plásticas (Figura 13)); - temperatura da água de transporte (22 a 26 o C); - verificar o bom funcionamento e a limpeza dos equipamentos que envolvem o transporte (caixas, manômetros, difusores, carga de oxigênio, entre outros). Figura 11. Transporte em embalagens plásticas e caixas especializadas. Além das observações anteriormente citadas para elevar o índice de sobrevivência, deve-se optar por peixes com o peso igual ou superior a 5g (Figura 12). É preciso reiterar que os viveiros escavados têm papel fundamental na fase inicial de desenvolvimento dos peixes principalmente pela disponibilidade de alimento natural. 23

24 Peixes de 1g Peixes de 5g Peixes de 30g 44% de sobrevivência 99% de sobrevivência 100% de sobrevivência Figura 12. Pesos de estocagem de alevinos e juvenis e sobrevivências. 6. Densidade de estocagem Após a chegada nas unidades produtivas, os peixes devem ser aclimatados e estocados em quantidades ideais nos tanques-rede. O número de peixes estocado por unidade de área do tanque é denominado densidade de estocagem, conforme demonstrado a seguir: Densidade de estocagem (peixes/m 3 ) = número de peixes Tamanho do tanque (m 3 ) A baixa densidade caracteriza subaproveitamento das estruturas, reduzindo o lucro. Por outro lado, densidade muito alta, acima do suportado pela espécie, pode refletir em queda no crescimento e mortalidade. A densidade influencia no peso final para abate, e como neste manual o foco está direcionado para a produção de CMS estabeleceu-se que 75 kg de peixe/m 3, é a melhor biomassa para o maior aproveitamento (Figura 13). Considerando o peso de abate de 700g (discutido posteriormente), tem-se uma densidade de 107 peixes/m 3 com produção de biomassa de aproximadamente 375 kg por tanque-rede de 5 m 3. 24

25 375 kg 250 kg Figura 13. Produção de biomassa a partir de densidades variadas de estocagem. 7. Tamanho inicial de estocagem O tamanho inicial de estocagem está diretamente relacionado a sobrevivência e ao tempo de criação. Peixes maiores apresentam melhor adaptação ao sistema de tanque-rede, expressam melhor suas potencialidades produtivas e permitem o escalonamento da produção (Figura 14). A oferta de alevinos restringe-se a apenas alguns meses do ano (dezembro a março), e mesmo nesse período o mercado fornecedor dispõe apenas de peixes pequenos, e considerando que atualmente há grande dificuldade para se comprar peixes maiores (juvenis), pois envolve uma necessidade maior de investimento em área de tanques escavados e manutenção. É importante que sejam realizadas parcerias com o objetivo do desenvolvimento de pacus com peso superior a 5g para o fornecimento aos produtores que utilizam tanque-rede. 25

26 5 g 30 g 850 g 740 g 12 8 M e s e s 50 g 75 g 780 g 844 g 8 8 d e c u l t i v o 110 g 920 g 8 Figura 14. Tamanhos diferenciados de estocagem inicial no mês de abril e seus correspondentes pesos finais ao longo do período de criação. 8. Repicagem Os pacus, assim como outros peixes, apresentam crescimento diferenciado entre si em uma mesma faixa etária, ocasionando uma grande heterogeneidade do lote. Esta diferença dificulta o acompanhamento e controle do desempenho, interferindo na produtividade. Uma alternativa para reduzir esta característica é realizar a repicagem que é a forma de manejo onde os 26

27 peixes são frequentemente separados em diferentes classes de tamanho e densidade. O protocolo a ser seguido para realizar esse procedimento está esquematizado na figura 18, e pode ser realizado da seguinte maneira: a primeira estocagem, logo após a chegada dos peixes, deve ser em um único tanque, porem não excedendo a densidade máxima de 520 peixes/m 3. Após dois meses deve ser realizada uma biometria classificatória para separar os peixes em dois tanques baixando a densidade para 248 peixes/m 3, neste manejo peixes de tamanho semelhante devem permanecer na mesma unidade. Após quatro meses uma nova separação deve ser realizada, na atividade os peixes devem ser separados por classe de tamanho em pequenos, médios e grandes, sendo colocados em tanques diferentes. A partir desta etapa definem-se quatro classes de peso para a separação dos peixes, lembrando sempre que aqueles que já estiverem atingido o tamanho de abate deverão ser retirados. Com 10 meses de criação, 46% dos pacus estarão prontos para ser abatidos. O restante permanecerá nos tanques e o procedimento deverá ser realizado até o abate de todo o lote. O sistema apresenta como principal vantagem possibilitar duas retiradas de peixes por ciclo e otimizar os recursos, pois melhora a eficiência do manejo alimentar (maior precisão na correção das taxas de alimentação), disponibilização de tanques para novas estocagens e período livre para manutenção dos tanques. Deve-se esclarecer que o protocolo apresentado leva em consideração a disponibilidade de alevinos em apenas uma classe de tamanho (5g), mas caso haja disponibilidade de peixes maiores, o período de crescimento e terminação poderá ser reduzido. 27

28 Por que fazer a repicagem?? Muito simples: - Maior aproveitamento do tanque; - Controle do mexilhão; - Escalonar a produção; - Homogeneidade do lote; Abril 5 g 1 tanque 2600 peixes 520 peixes/m 3 Junho 2 tanques 30 g 30 g 1240 peixes 1240 peixes 248 peixes/m 3 Outubro 3 tanques 90 g 800 peixes 100 g 800 peixes 110 g 800 peixes 160 peixes/m 3 Dezembro 4 tanques 180 g 580 peixes 200 g 580 peixes 220 g 580 peixes 240 g 580 peixes 116 peixes/m 3 Fevereiro 4 tanques 550 g 550 g 700 g peixes peixes 500 peixes 700 g 500 peixes 112 peixes/m 3 Abril 2 tanques 700 g 700 g 550 peixes 550 peixes 110 peixes/m 3 Comercialização Figura 15. Esquema representativo do protocolo de repicagem adotado para a criação do pacu em tanque-rede para a produção de CMS. 28

29 8. Manejo alimentar Os custos com alimentação são responsáveis por aproximadamente 70% do total gasto durante a produção. Escolher as melhores rações, com formulações precisas que atendam às exigências nutricionais dos animais criados é extremamente importante para o sucesso da atividade. Também é importante conhecer a materia prima empregada na confecção das dietas, pois tem influência direta na conversão alimentar (kg de ração consumida/ganho de peso dos peixes). Existem diversas marcas comerciais disponíveis no mercado com variação tanto de formulação como de preço. Nem sempre a mais barata é sinônimo de economia, e nem sempre a mais cara representa qualidade. Tais aspectos devem ser levados em consideração. O produtor pode se informar com outros criadores sobre as rações que utilizam e qual é o rendimento que elas trazem em termos produtivos, como também constantemente realizar testes na sua unidade de criação. O armazenamento e o fornecimento da ração são importantes e contribuem com os resultados de desenvolvimento dos peixes. Ao adquirir a ração, o rótulo deve ser observado (Figura 16) para se conferir os níveis de garantia (quantidade dos nutrientes) e data de validade do produto. Outro fator que deve ser levado em consideração é a forma de armazenar a ração (Figura 17). As seguintes recomendações devem ser atendidas: - Sempre colocar os sacos em cima de um palete (ripado de madeira); - empilhar no máximo 15 embalagens; - armazenar sempre em local fechado e protegido do sol e da chuva; - respeitar o espaço das paredes; - o arranjo das pilhas deve favorecer a circulação de ar entre os sacos; - local protegido de insetos e outros animais; - local arejado. 29

30 Nutri-pacu extrusada Umidade....12% Proteína bruta..25% Extrato etéreo.4% Materia fibrosa 4% Materia mineral.12% Cálcio.2% Fósforo..1% Validade XX/XX/XXXX Lote.. XX XXX Composição básica do produto: Farinha de peixe, Farinha de vísceras de aves, Farinha de carne e ossos, Farelo de arroz, Farelo de soja, Milho, Trigo, Óleo vegetal, Cloreto de sódio (sal comum), Premix vitamínico mineral. Figura 16. Exemplo de rótulo de ração. Área de ventilação Espaço da parede Sacos de ração Palete Figura 17. Representação de armazenamento de ração respeitando os critérios preconizados. Ao fornecer a ração aos peixes, o produtor deve optar por utilizar recipientes confeccionados com material impermeável e que permitam 30

31 estabelecer dosagens previamente pesadas, isso facilita o manejo. Os utensílios utilizados (baldes, bacias, sacos plásticos, entre outros), devem ser limpos sempre que seja observado resíduo (Figura 18). A B Figura 18. A) Utilização de balde como recipiente para o fornecimento de ração; B) Peixes se alimentando. O acompanhamento do desempenho produtivo dos peixes e da temperatura da água são ferramentas que permitem adequar a quantidade de alimento fornecido conforme descrito na Tabela 3. Fornecer quantidades corretas favorece o melhor aproveitamento da ração, reduz o desperdício de alimento, aumenta a produtividade em termos econômicos, entre outros. 31

32 Tabela 3. Recomendação em porcentagem do peso vivo de arraçoamento, tipo de ração e nível de proteína para diferentes classes de peso e temperaturas para pacu criado em tanque-rede. 32

33 Os peixes apresentam exigências nutricionais distintas durante as diferentes fases de desenvolvimento e considerando que a proteína é um dos nutrientes mais importantes, e também o mais caro, a quantidade de proteína na ração deve ser adequado a cada uma das fases. Para garantir o melhor aproveitamento do alimento deve estar atento ao tamanho da partícula (pellet) e a frequência de fornecimento de alimento, pois peixes menores apresentam trânsito intestinal mais rápido, sendo necessário o fornecimento de pequenas quantidades em várias parcelas diárias. Por outro lado, animais em estágio intermediário e final podem ser alimentados em menor freqüência (Figura 19).?? Pélete Pélete Figura 19. Tamanho adequado de pélete a ser fornecido aos peixes. Por exemplo, para peixes de 5 a 30g recomenda-se alimentá-los no mínimo quatro vezes ao dia, e peixes acima de 30g até o tamanho de abate, três vezes ao dia. 33

34 9. Carne mecanicamente separada (CMS) Entende-se por carne mecanicamente separada (CMS) o produto obtido por meio de uma máquina de separação mecânica (Figura 20), que faz a remoção das espinhas do pescado, deixando a carne do peixe com uma textura pastosa e uniforme. A CMS obtida serve como matéria prima para fabricação de embutidos, empanados, hambúrgueres, massas, entre outros. Figura 20. Máquina desossadora de peixe. O tronco limpo ou o corte denominado porquinho é a parte principal do pacu destinada ao processamento nas máquinas de separação mecânica, pois proporciona o melhor rendimento em termos de quantidade e qualidade (Figuras 21 e 22). 34

35 Figura 21. Tronco limpo ou corte porquinho pronto para o processamento em desossadora. Figura 22. CMS obtida através do processamento do tronco limpo. 35

36 Ao contrário do que possa parecer, os peixes maiores não apresentam melhor aproveitamento em termos de CMS, pois apresentam grande quantidade de gordura e de resíduo, não proporcionando processados de boa qualidade. Peixes com pesos intermediários (600 a 800g) são os que proporcionam maior aproveitamento de CMS (Figura 23). Peso vivo dos pacus 400g Tronco limpo Porcentagem de rendimento 74,92 600g 800g 84,54 82,39 Maior rendimento de CMS a partir do tronco limpo ou porquinho 1000g 73, g 73, g 71, g 71,91 Figura 23. Pesos ideais de abate com seus respectivos rendimentos em CMS em relação ao corte tronco limpo. Portanto, o rendimento de carne mecanicamente separada do pacu processada na forma de tronco limpo é de 83%, representando cerca de 50% do peso do animal vivo. 36

37 10. Análise econômica Os fatores que mais contribuem para o desempenho da produção em tanques-rede são: o número de tanques-rede instalados, a densidade de estocagem, a conversão alimentar e o preço da ração, sendo esta responsável por 50% a 80% dos custos de produção do empreendimento. A análise econômica da produção de pacu em tanque-rede levou em consideração quatro variáveis fundamentais para o retorno do investimento no curto e longo-prazo: o número tanques-rede, o preço da ração por kg, a conversão alimentar, a fixação da produtividade em 75 kg/m 3 /ciclo e o preço de venda do peixe de 600 a 800g (R$ 4,50) para obtenção de carne mecanicamente separada (CMS). Estes parâmetros permitiram a visualização de diversos cenários para a determinação de unidades de produção economicamente viáveis (Tabelas 4, 5, 6 e 7). Tabela 4. Cenários econômicos com os índices de produtividade para módulo de 50 tanques-rede. TANQUES- REDE PREÇO DA RAÇÃO (R$/Kg) CONVERSÃO ALIMENTAR (Kg Ração/KG de Carne) CUSTO DE PRODUÇÃO (R$/Kg) LUCRO ANUAL (R$) RETORNO DO INVESTIMENTO (ANO) 50 1,18 3,00 5, , ,18 2,50 5, , ,18 2,20 4, , ,89 3,00 4, , ,89 2,50 4, , ,89 2,20 4, , ,75 3,00 4, , ,75 2,20 3, ,30 6º 50 0,75 2,50 3, ,25 10º 37

38 Na Tabela 3 pode ser observado que as quatro primeiras situações acarretam prejuízos na criação. Módulos pequenos só proporcionam viabilidade econômica ao longo do tempo, como, por exemplo: 50 tanques-rede R$ 0,75 / kg 2,2 Retorno do Investimento Ração + + = Conversão Alimentar Somente a partir do sexto ano de criação Tabela 5. Cenários econômicos com os índices produtivos para módulo de 100 tanques-rede. TANQUES- REDE PREÇO DA RAÇÃO (R$/Kg) CONVERSÃO ALIMENTAR (Kg Ração/KG de Carne) CUSTO DE PRODUÇÃO (R$/Kg) LUCRO ANUAL (R$) RETORNO DO INVESTIMENTO (ANO) 100 1,18 3,00 5, , ,18 2,50 4, , ,18 2,20 4, , ,89 3,00 4, , ,75 2,20 3, ,01 3º 100 0,75 2,50 3, ,90 4º 100 0,89 2,20 3, ,22 5º 100 0,89 2,50 3, ,73 7º 100 0,75 3,00 3, ,71 7º Os cenários elaborados e descritos na Tabela 4 permitem inferir que módulos com 100 tanques-rede não apresentam lucro quando o preço da ração é elevado, porém, quando este é reduzido, o retorno do investimento é alcançado a partir do terceiro ano de implantação da criação. Exemplo: 38

39 100 tanques-rede R$ 0,75 / kg 2,2 Retorno do Investimento Ração + + = Conversão Alimentar A partir do terceiro ano de criação Tabela 6. Cenários econômicos com os índices produtivos para módulo de 200 tanques-rede. TANQUES- REDE PREÇO DA RAÇÃO (R$/Kg) CONVERSÃO ALIMENTAR (Kg Ração/KG de Carne) CUSTO DE PRODUÇÃO (R$/Kg) LUCRO ANUAL (R$) RETORNO DO INVESTIMENTO (ANO) 200 1,18 3,00 4, , ,18 2,50 4, , ,89 3,00 4, , ,89 2,20 3, ,84 3º 200 0,75 2,50 3, ,21 3º 200 0,75 2,20 3, ,43 3º 200 0,89 2,50 3, ,86 5º 200 0,75 3,00 3, ,83 5º 200 1,18 2,00 4, ,13 9º O aumento do número de tanques-rede é acompanhado pelo maior lucro obtido. No entanto, esse incremento não significa que o retorno do investimento seja acelerado ou reduzido. Tal característica é evidenciada pela Tabela 5, que demonstra o mesmo período de recuperação de capital do módulo com 100 tanques, porém com um incremento do lucro. 39

40 Essa situação pode ser esclarecida pelo esquema a seguir: 200 tanques-rede R$ 0,89 / kg 2,2 Retorno do Investimento Ração + + = Conversão Alimentar A partir do terceiro ano de criação Tabela 7. Cenários econômicos com os índices produtivos para módulo de 300 tanques-rede. TANQUES- REDE PREÇO DA RAÇÃO (R$/Kg) CONVERSÃO ALIMENTAR (Kg Ração/KG de Carne) CUSTO DE PRODUÇÃO (R$/Kg) LUCRO ANUAL (R$) RETORNO DO INVESTIMENTO (ANO) 300 1,18 2,50 4, , ,18 3,00 4, , ,89 2,20 3, ,47 3º 300 0,75 2,50 3, ,51 3º 300 0,75 2,20 3, ,85 3º 300 0,89 2,50 3, ,99 4º 300 0,75 3,00 3, ,95 4º 300 1,18 2,50 3, ,39 7º 300 0,89 2,20 4, ,52 9º O último cenário estudado, com 300 tanques-rede, segue a mesma tendência descrita no módulo anterior, ou seja, o retorno do capital investido é atingido no terceiro ano de implantação e com um acréscimo no lucro, como descrito na figura a seguir: 300 tanques-rede R$ 0,75 / kg 2,2 Retorno do Investimento Ração + + = Conversão Alimentar A partir do terceiro ano de criação 40

41 Considerando as situações avaliadas pode-se concluir que associando os resultados em termos de lucro e tempo de retorno do investimento, módulos com 300 tanques são aqueles que proporcionam a maior eficiência em termos econômicos. Unidades com 100 tanques podem ser praticadas, porém exigirão alto desempenho zootécnico sem margem para falhas em todo o processo. 11. Considerações finais A escolha do pacu como foco dos trabalhos desenvolvidos durante cinco anos é decorrente de ser uma espécie nativa com importância para diversos segmentos que abrangem desde a pesca até a criação comercial. As informações apresentadas neste manual demonstram a viabilidade técnica e econômica da criação do pacu em tanque-rede para a produção de CMS. Deve-se evidenciar que, tanques-rede é um sistema intensivo, onde inexiste espaço para o amadorismo e que o gerenciamento de todos os parâmetros que envolvem a criação deve ser realizado com o máximo de critérios técnicos. Adquirir juvenis de qualidade, produzidos por criadores idôneos, aplicar as técnicas validadas cientificamente e acompanhar todas as etapas da criação é imprescindível para garantir sucesso na atividade. A definição do mercado consumidor foi de suma importância para o objetivo proposto. As alternativas de inclusão da carne do pescado na forma de produto processado obtido por meio de máquinas desossadoras são uma grande saída e um marco na mudança de hábitos de consumo. 41

42 A organização entre os produtores em alguma forma de associativismo fortalece a produção e permite trabalhar com módulos maiores além de ampliar a margem de lucro do grupo. Por final, a preocupação ambiental em torno das unidades de produção deve ser constante para a sustentabilidade da piscicultura em tanque-rede. É hora de produzir alimento de qualidade e com responsabilidade para atender à demanda existente. Bom trabalho!!! 42

43 ANEXOS Receitas para elaboração de produtos à base de CMS 43

44 ALMÔNDEGA DE PACU INGREDIENTES % GRAMAS PEIXE 75,1 751 SAL 1,2 12 SALSINHA 0,8 8 ALHO EM PÓ 0,8 8 CEBOLA EM PÓ 0,8 8 OVO EM PÓ 2,6 26 PROTEINA TEXT. 2,0 20 DE SOJA FARINHA DE ROSCA 5,0 50 FARINHA DE AVEIA 5,0 50 ÁGUA 6,5 65 URUCUM 0,2 2 TOTAL FISHBURGUER DE PACU INGREDIENTES % GRAMAS PEIXE 86,45 864,5 AMIDO DE MILHO 3,0 30 PROTEÍNA TEXTURIZADA 2,5 25 DE SOJA GORDURA VEGETAL 2,5 25 ALHO EM PÓ 0,3 3 GLUTAMATO 0,1 1 SAL 1,7 17 CEBOLA DESIDRATADA 0,6 6 SALSINHA DESIDRATADA 0,3 3 CEBOLINHA DESIDRATADA 0,3 3 ERITORBATO 0,15 1,5 PIMENTA BRANCA 0,1 1 ÁGUA GELADA 2,0 20 TOTAL

45 KIBE DE POLPA DE PACU INGREDIENTES % GRAMAS PEIXE 64,2 642 FARINHA DE KIBE 20,0 200 SAL 1,7 17 PIMENTA 0,1 1 HORTELÃ IN NATURA 1,2 12 ÁGUA 8,0 80 ALHO EM PÓ 0,2 2 CEBOLA DESIDRATADA 4,0 40 SALSINHA DESIDRATADA 0,6 6 TOTAL NUGGETS DE POLPA DE PACU INGREDIENTES % GRAMAS PEIXE 80,1 801 CONDIMENTO PREPARADO 2,0 20 ALHO EM PÓ 1,5 15 CEBOLA DESIDRATADA 3,5 35 ÁGUA 5,0 50 ERITORBATO 0,2 2,0 AMIDO 3,5 35 ISOLADO PROTÉICO DE SOJA 4,0 40 SALSINHA 0,1 1,0 CEBOLINHA 0,1 1,0 TOTAL

46 PEIXE ESCONDIDINHO Ingredientes Peso Líquido (g) % Medidas Caseiras Leite 300,0 30,0 1 ½ xícara Pacu (CMS) 300,0 30,0 13 colheres de sopa Milho 110,0 11,0 1 xícara Molho de tomate 65,0 6,5 ¼ de xícara Cebola picada 65,0 6,5 ½ cebola média Tomate picado 65,0 6,5 1 tomate pequeno Cenoura ralada 60,0 6,0 1 cenoura pequena Sal 15,0 1,5 1 colher de sopa cheia Amido de milho 10,0 1,0 1 ½ colher de sopa Alho picado 5,0 0,5 2 dentes pequenos Cebolinha picada 5,0 0,5 1 colher de sobremesa TOTAL RENDIMENTO: 900g (18 porções de 50g ou ½ xícara) Valor Nutricional por porção (50g) Proteína 4,6 Carboidrato 3,63 Lipídio 4,88 Minerais 1,79 Kcal 76,84 Umidade 35,09 Modo de preparo: Molho: Em uma panela frite a CMS de pacu em sua própria gordura e em seguida acrescente o alho, a cebola, o tomate e a cenoura. Posteriormente acrescente o molho de tomate, metade do sal e a cebolinha. Distribua em uma refratária e reserve. Creme de milho: No liquidificador bata o milho, metade do leite e o restante do sal. Coloque em uma panela e deixe cozinhar. No momento que levantar fervura acrescente o amido de milho dissolvido no restante do leite. Cozinhe até o creme engrossar. Distribua sobre o molho de peixe. Asse por 20 minutos a 180ºC. 46

47 FAROFA NUTRITIVA Ingredientes Peso Líquido (g) % Medidas Caseiras Pacu (C.M.S.) 375,0 37,5 12 colheres de sopa Farinha de Biju (milho) 225,0 22,5 4 xícaras Cenoura ralada 215,0 21,5 1 ½ cenoura grande Tomate picado 95,0 9,5 1 tomate médio Cebola picada 70,0 7,0 1 cebola pequena Sal 10,0 1,0 1 colher de sopa rasa Alho picado 5,0 0,5 2 dentes pequenos Salsinha picada 5,0 0,5 2 colheres de sopa TOTAL RENDIMENTO: 700g (14 porções de 50g ou 5 colheres de sopa) Valor Nutricional por porção (50g) Proteína 8,22 Carboidrato 11,97 Lipídio 5,73 Minerais 1,16 Kcal 132,4 Umidade 22,90 Modo de preparo: Frite a CMS de pacu em sua própria gordura, em seguida acrescente o alho, a cebola, a cenoura, o tomate e o sal. Frite por aproximadamente 15 minutos, em seguida acrescente a farinha de biju. Acompanhamento: arroz e suco de frutas. 47

48 TORTA SALGADA OFICIAL Ingredientes Peso Líquido (g) % Medidas Caseiras Massa Leite 250,0 25,0 1 ¼ xícara Farinha de trigo 150,0 15,0 1 ½ xícara Óleo 100,0 10,0 ½ xícara Ovo em pó 36,0 3,6 ¾ de xícara Fermento em pó 10,0 1,0 1 colher de sopa Sal 5,0 0,5 1 colher de sopa rasa Molho Pacu C.M.S. 200,0 20,0 7 colheres de sopa Tomate picado 75,0 7,5 1 tomate pequeno Cenoura ralada 70,0 7,0 1 cenoura pequena Cebola picada 50,0 5,0 ½ cebola pequena Molho de tomate 34,0 3,4 2 colheres de sopa Sal 10,0 1,0 1 colher de sopa rasa Alho picado 5,0 0,5 2 dentes pequenos Cebolinha picada 5,0 0,5 1 colher de sobremesa TOTAL 1000 RENDIMENTO: 715g (14 porções de 50g ou 1 fatia) Modo de preparo: Massa: Bata todos os ingredientes, com exceção do fermento em pó, no liquidificador até obter uma massa homogênea. Transfira a massa para um refratário e acrescente o fermento em pó misturando bem. OBS: o ovo em pó deve ser diluído em água. A cada 12g diluir em 37,5ml de água, portanto para 36 g de ovo em pó são necessários 112,5 ml de água, ou ¼ de xícara. Molho: Valor Nutricional por porção (50g) Proteína 3,62 Carboidrato 8,70 Lipídio 8,54 Minerais 1,81 Kcal 126,20 Umidade 27,32 Frite a CMS de pacu em sua própria gordura, em seguida acrescente o alho, a cebola, a cenoura, o tomate, o sal e a água (100ml ou ¾ de xícara). Deixe refogar por 10 minutos e 48

49 em seguida acrescente o molho de tomate e a cebolinha. Posteriormente, incorpore o molho à massa. Coloque em uma assadeira e asse por 50 minutos a 180ºC. Acompanhamento: suco de frutas, iogurte ou leite com achocolatado. 49

50 DELÍCIA DE MANDIOCA COM PEIXE Ingredientes Peso Líquido (g) % Medidas Caseiras Mandioca 350,0 35,0 3 pedaços médios Pacu (CMS) 200,0 20,0 8 colheres de sopa Leite 180,0 18,0 1 xícara rasa Molho de tomate 65,0 6,5 ¼ de xícara Cebola picada 60,0 6,0 ½ cebola média Tomate picado 60,0 6,0 1 tomate pequeno Cenoura ralada 60,0 6,0 1 cenoura pequena Sal 15,0 1,5 1 colher de sopa cheia Alho picado 5,0 0,5 2 dentes pequenos Cebolinha picada 5,0 0,5 1 colher de sobremesa TOTAL RENDIMENTO: 830g (5 porções de 150g ou 4 colheres de sopa) Valor Nutricional por porção (150g) Proteína 8,19 Carboidrato 22,15 Lipídio 5,74 Minerais 4,66 Kcal 173,02 Umidade 109,24 Modo de preparo: Purê de mandioca: Cozinhe a mandioca até amolecer. Em seguida bata o leite, a mandioca e metade do sal no liquidificador até obter uma pasta homogênea, reserve. Molho: Em uma panela frite a CMS de pacu em sua própria gordura, acrescente o alho, a cebola, a cenoura, o tomate, o restante do sal, a água (100ml ou ¾ de xícara) e deixe refogar por 10 minutos, em seguida acrescente o molho de tomate e a cebolinha. Distribua o molho em uma refratária e por cima o purê de mandioca. Asse por 20 minutos a 180ºC. Acompanhamento: salada e suco de frutas. 50

Pequi (Caryocar brasiliense)

Pequi (Caryocar brasiliense) 1 Manual Tecnológico Aproveitamento Integral do Fruto do Pequi (Caryocar brasiliense) Luis Roberto Carrazza João Carlos Cruz e Ávila Manual Tecnológico de Aproveitamento Integral do Fruto do Pequi (Caryocar

Leia mais

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

MANUAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS Orientações Básicas sobre Aspectos Ambientais de Atividades Produtivas INTRODUÇÃO

MANUAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS Orientações Básicas sobre Aspectos Ambientais de Atividades Produtivas INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A acelerada degradação dos recursos naturais compromete a qualidade de vida das atuais e futuras gerações e, por outro lado, leva a sociedade a buscar modelos alternativos que harmonizem o desenvolvimento

Leia mais

Programa Nacional de Apoio à Agricultura de Base Ecológica nas Unidades Familiares de Produção

Programa Nacional de Apoio à Agricultura de Base Ecológica nas Unidades Familiares de Produção Programa Nacional de Apoio à Agricultura de Base Ecológica nas Unidades Familiares de Produção Apresentação A sociedade brasileira vive um momento histórico marcado por um crescente processo de ecologização

Leia mais

O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1

O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1 Rafael C. de Oliveira 71 O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1 Resumo: Atualmente a procura por produtos e derivados da pesca extrativista

Leia mais

Este documento está disponível no site: www.uba.org.br E-mail: ubasp@uba.org.br Telefone / Fax: 11 3812-7666

Este documento está disponível no site: www.uba.org.br E-mail: ubasp@uba.org.br Telefone / Fax: 11 3812-7666 Este documento está disponível no site: www.uba.org.br E-mail: ubasp@uba.org.br Telefone / Fax: 11 3812-7666 P967 Norma Técnica de Produção Integrada de Frango / Coordenadores Ariel Antônio Mendes e Ibiara

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES Currso:: Gesttão de Prrojjettos APOSTIILA maio, 2006 Introdução Conseguir terminar o

Leia mais

Guia de Boas Práticas para uma TI mais Sustentável

Guia de Boas Práticas para uma TI mais Sustentável Guia de Boas Práticas para uma TI mais Sustentável Guia de Boas Práticas para uma TI mais Sustentável Realização Coordenação Consultoria Projeto Gráfico Financiador Núcleo de Gestão do Porto Digital Instituto

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FACULDADE LOURENÇO FILHO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELIS MARIA CARNEIRO CAVALCANTE O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FORTALEZA 2010 1 ELIS

Leia mais

República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva

República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva Ministério do Meio Ambiente Ministra: Marina Silva Secretário Executivo: João Paulo Ribeiro

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO VADOR DINÂMICO ADOR DEZEMBRO, 2013 INO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO VADOR DINÂMICO ADOR DEZEMBRO, 2013 INO PLANO DE DESENVOLVIMENTO R ADOR OVADOR DINÂMICO DEZEMBRO, 2013 INO INO VADOR R INOVA PLANO DE O DESENVOLVIMENTO DE DE DESEN LVI PLANO DE DESEN VOLVI DESEN VOLVI MENTO DEZEMBRO, 2013 O Futuro é o que fazemos

Leia mais

Um Instrumento de Apoio à Adequação Ambiental de Propriedades Rurais do Pará

Um Instrumento de Apoio à Adequação Ambiental de Propriedades Rurais do Pará Um Instrumento de Apoio à Adequação Ambiental de Propriedades Rurais do Pará RESTAURAÇÃO Manual de FLORESTAL Um Instrumento de Apoio à Adequação Ambiental de Propriedades Rurais do Pará Belém, 2013 Esta

Leia mais

OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL

OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA E AMPLIADA Superintendência de Informações do Agronegócio Técnico Responsável: Ângelo Bressan Filho Abril de 2010 ÍNDICE

Leia mais

ÁGUA NO MEIO URBANO. Dr. Carlos E. M. Tucci Professor Titular Instituto de Pesquisas Hidráulicas Universidade Federal do Rio Grande do Sul

ÁGUA NO MEIO URBANO. Dr. Carlos E. M. Tucci Professor Titular Instituto de Pesquisas Hidráulicas Universidade Federal do Rio Grande do Sul ÁGUA NO MEIO URBANO Dr. Carlos E. M. Tucci Professor Titular Instituto de Pesquisas Hidráulicas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Capítulo 14 do Livro Água Doce Dezembro de 1997 Sumário 1. Características

Leia mais

GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA

GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA CARAGUATATUBA - SP 2003 GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE

Leia mais

INDICE FICHA DE INSCRIÇÃO... 4 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 7

INDICE FICHA DE INSCRIÇÃO... 4 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 7 INDICE FICHA DE INSCRIÇÃO... 4 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 7 1.1. Introdução...7 1.1.1. Sobre a Empresa...7 1.1.2. Inauguração do Parque Industrial BSH Continental...8 1.1.3. Ciclo Hidrológico da Água...9

Leia mais

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios Como elaborar plano um de negócios 1 Especialistas em pequenos negócios BRASÍLIA 2013 Sebrae NA Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Eduardo Pereira Barretto

Leia mais

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios Como elaborar plano um de negócios 1 Especialistas em pequenos negócios BRASÍLIA 2013 Sebrae NA Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Eduardo Pereira Barretto

Leia mais

Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas. Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável

Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas. Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável CBCS - Conselho Brasileiro de Construção Sustentável Presidente do

Leia mais

UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS

UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS Ana Elisa Bressan Smith Lourenzani Andrea Lago da Silva GEPAI Grupo de Estudos e Pesquisas Agroindustriais, Departamento

Leia mais

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado Franquias 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado 1 Índice 1. FRANQUIAS a. O Sistema de Franquias 1. Conhecendo o sistema 2. Quais os principais termos utilizados 3. Franquia x Licenciamento

Leia mais

O biodiesel e sua contribuição ao desenvolvimento brasileiro

O biodiesel e sua contribuição ao desenvolvimento brasileiro O biodiesel e sua contribuição ao desenvolvimento brasileiro ÍNDICE O BIODIESEL EM POUCAS PALAVRAS... 4 O PROGRAMA... 6 MATÉRIAS-PRIMAS... 9 INDÚSTRIA... 16 AGRICULTURA FAMILIAR.... 20 saúde e AMBIENTE...

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 4. ABASTECIMENTO DE ÁGUA 4.1 Usos da água São os seguintes os principais usos da água: - abastecimento doméstico; - bastecimento industrial; - irrigação; - dessedentação de animais; - aquicultura; - preservação

Leia mais

Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com

Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com a Casa do Contabilista de Ribeirão Preto Conselho Deliberativo Presidente: Fábio Meirelles (FAESP) ACSP Associação

Leia mais

Ficha Catalográfica. 1. Assistência farmacêutica. 2. Organização e Administração. 3. Sistema Único de Saúde. I. Título. II. Série.

Ficha Catalográfica. 1. Assistência farmacêutica. 2. Organização e Administração. 3. Sistema Único de Saúde. I. Título. II. Série. 2006 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade

Leia mais

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação I. APRESENTAÇÃO II. GESTÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL 1. O panorama da Política Municipal

Leia mais

COMO ELABORAR UMA PESQUISA DE MERCADO

COMO ELABORAR UMA PESQUISA DE MERCADO COMO ELABORAR UMA PESQUISA DE MERCADO 3 4 2005 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES

FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES 0 FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO BASEADA EM CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE SITUADA NO INTERIOR DO ESTADO DO CEARÁ

Leia mais

Produção Mais Limpa: Conceitos e Definições Metodológicas

Produção Mais Limpa: Conceitos e Definições Metodológicas Produção Mais Limpa: Conceitos e Definições Metodológicas RESUMO Eveline de Magalhães Werner Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) Campus Cuiabá- Bela Vista evelinewerner@gmail.com

Leia mais

A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025

A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025 A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025 Carlos E. M. Tucci, Ivanildo Hespanhol e Oscar de M. Cordeiro Netto Janeiro/2000 A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL:

Leia mais